Version classiqueVersion mobile

Indústria e conflito no meio rural

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Agradecimentos

Texte intégral

1A publicação deste livro deve muito ao estímulo que me foi dado pelos professores Miriam Halpern Pereira e Hélder Adegar Fonseca, numa altura em que já não esperava ser possível. Inúmeras dificuldades e falta de interesse de entidades que habitualmente não regateiam apoios a publicações de “estudos locais” pareciam condená-lo ao esquecimento. Ficamos, por isso, particularmente gratos ao apoio que nos foi dado pela Universidade de Évora e, em especial, aos professores Themudo Barata e Augusto Silva, à dr.a Ana Borges, pela Direcção Regional do Ministério de Cultura, em Évora, e ao Centro para o Desenvolvimento em Historia e Ciências Sociais, através da sua directora, Mafalda Soares da Cunha.

2No essencial, este texto foi apresentado como dissertação de mestrado em Historia dos Séculos XIX e XX na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 1995. A prova correu sob orientação da professora Sacuntala de Miranda que amavelmente acedeu prefaciar este livro.

3Este estudo não teria sido possível também sem a colaboração daquelas pessoas e entidades que me permitiram o acesso a documentação especializada. Entre estas pessoas, referirei o dr. Marcelino Marques, no Instituto Geológico e Mineiro, e o dr. Paulo Nascimento, no Ministério do Emprego, que me proporcionaram os meios locais indispensáveis à pesquisa. No Centro Arqueológico de Mértola, o Rui Mateus e o Mané facilitaram-nos a consulta da documentação municipal. Em Aljustrel, não podemos deixar de agradecer as facilidades dispensadas pela Câmara na consulta dos seus arquivos. Lembrarei a figura de Antonio Alexandre Raposo, que há já muitos anos me confiou a organização do arquivo municipal. Muito devo também a João Soares que, da Bélgica, me enviou os relatórios da S.A.B.M.A. Não posso também deixar de referir o apoio que nos foi dado pela direcção do Sindicato Mineiro e, em especial, José Francisco Chumbinho, Antonio Venâncio e Manuel Baltazar. Não devo esquecer também a Bela, que de modo muito competente me ajudou na tarefa árida do tratamento informático de dados dos mineiros, gastando nisso muitos dias.

4Entre antigos mineiros e sindicalistas é difícil enumerar aqueles que em conversas informais e depoimentos me ajudaram ou influenciaram mais, consciente ou inconscientemente. Quase uma década de convívio em Aljustrel não poderia deixar de ser assim. Não citarei ninguém em particular, pois a lista seria demasiado extensa e certamente ficaria sempre alguém injustamente esquecido. Recordarei apenas as figuras recentemente falecidas de Manuel Patrício, Francisco Rasquinho e o poeta popular de São Domingos, Antonio Joaquim Felício. Por razões especiais mencionarei o nome de Luís Castilho, que me ajudou a compreender os problemas das direcções dos Sindicatos Nacionais mineiros no sul, durante os terríveis anos da ditadura salazarista.

5Setúbal, Agosto de 1994
Outubro de 2001

© Publicações do Cidehus, 2001

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search