Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Indústria e conflito no meio rural

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Agradecimentos

Texte intégral

1A publicação deste livro deve muito ao estímulo que me foi dado pelos professores Miriam Halpern Pereira e Hélder Adegar Fonseca, numa altura em que já não esperava ser possível. Inúmeras dificuldades e falta de interesse de entidades que habitualmente não regateiam apoios a publicações de “estudos locais” pareciam condená-lo ao esquecimento. Ficamos, por isso, particularmente gratos ao apoio que nos foi dado pela Universidade de Évora e, em especial, aos professores Themudo Barata e Augusto Silva, à dr.a Ana Borges, pela Direcção Regional do Ministério de Cultura, em Évora, e ao Centro para o Desenvolvimento em Historia e Ciências Sociais, através da sua directora, Mafalda Soares da Cunha.

2No essencial, este texto foi apresentado como dissertação de mestrado em Historia dos Séculos XIX e XX na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 1995. A prova correu sob orientação da professora Sacuntala de Miranda que amavelmente acedeu prefaciar este livro.

3Este estudo não teria sido possível também sem a colaboração daquelas pessoas e entidades que me permitiram o acesso a documentação especializada. Entre estas pessoas, referirei o dr. Marcelino Marques, no Instituto Geológico e Mineiro, e o dr. Paulo Nascimento, no Ministério do Emprego, que me proporcionaram os meios locais indispensáveis à pesquisa. No Centro Arqueológico de Mértola, o Rui Mateus e o Mané facilitaram-nos a consulta da documentação municipal. Em Aljustrel, não podemos deixar de agradecer as facilidades dispensadas pela Câmara na consulta dos seus arquivos. Lembrarei a figura de Antonio Alexandre Raposo, que há já muitos anos me confiou a organização do arquivo municipal. Muito devo também a João Soares que, da Bélgica, me enviou os relatórios da S.A.B.M.A. Não posso também deixar de referir o apoio que nos foi dado pela direcção do Sindicato Mineiro e, em especial, José Francisco Chumbinho, Antonio Venâncio e Manuel Baltazar. Não devo esquecer também a Bela, que de modo muito competente me ajudou na tarefa árida do tratamento informático de dados dos mineiros, gastando nisso muitos dias.

4Entre antigos mineiros e sindicalistas é difícil enumerar aqueles que em conversas informais e depoimentos me ajudaram ou influenciaram mais, consciente ou inconscientemente. Quase uma década de convívio em Aljustrel não poderia deixar de ser assim. Não citarei ninguém em particular, pois a lista seria demasiado extensa e certamente ficaria sempre alguém injustamente esquecido. Recordarei apenas as figuras recentemente falecidas de Manuel Patrício, Francisco Rasquinho e o poeta popular de São Domingos, Antonio Joaquim Felício. Por razões especiais mencionarei o nome de Luís Castilho, que me ajudou a compreender os problemas das direcções dos Sindicatos Nacionais mineiros no sul, durante os terríveis anos da ditadura salazarista.

5Setúbal, Agosto de 1994
Outubro de 2001

© Publicações do Cidehus, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr