Version classiqueVersion mobile

Museus, Património e Ciência. Ensaios de História da Cultura

 | 
João Brigola

Parte III – A ciência portuguesa e europeia no século das Luzes

5. Projecto de recuperação do espaço do Real Gabinete da Ajuda (1768-1836). Os viajantes como fonte para a reconstituição cénica

Note de l’auteur

Texto inserto em Os viajantes e o ‘livro dos museus’. As colecções portuguesas através do olhar dos viajantes estrangeiros (1700-1900), Porto, Dafne Editora, 2010.

Texte intégral

1A mais antiga iniciativa museológica em território nacional mergulha as suas raízes no ano de 1768, quando o Rei D. José ordena que o naturalista italiano Domingos Vandelli, contratado em Pádua por Pombal quatro anos antes, inicie o desenho do Jardim Botânico da Ajuda e, com ele, a instalação do Gabinete de História Natural. As colecções de naturalia e artificialia, bem como o acervo do seu Cartório e Livraria, foram transferidos para a Academia Real das Ciências em 1836. Anos depois, no final de um atribulado e longo processo que contou com o empenho do próprio Rei D. Pedro V, a Escola Politécnica de Lisboa consegue incorporar, em 1858, os espécimes botânicos, zoológicos e geológicos para servirem de apoio didáctico aos estudos de História Natural, muitos deles funestamente desaparecidos no incêndio ali ocorrido em Março de 1978.

2O espaço do seu estabelecimento original, entregue à tutela do Instituto Superior de Agronomia desde 1918, apesar de ocupado hoje com outros fins, poderia todavia prestar-se a uma intervenção de recuperação física do edificado e de reconstituição cénica do ambiente museal, com a utilização de mobiliário de época, de naturalia, de réplicas, de suportes virtuais e de instalações plásticas. A ser viabilizado esse projecto, além de poder significar uma nova valia de atractividade para o Jardim Botânico e para o denso eixo Belém/Ajuda, acentuaria ali a atmosfera e a ambiência setecentistas, autenticidade patrimonial singular na invocação do espírito e da matéria do complexo científico e museológico josefino e mariano. Vem a propósito comparar esta iniciativa com a que o madrileno Museo Nacional de Ciencias Naturales levou a efeito ao reconstituir simbolicamente, nas suas instalações, o Real Gabinete de Historia Natural de Carlos III (1776). Mas com uma diferença decisiva, que é a de que o primitivo espaço, na Calle Alcalá, se encontrar ocupado desde os inícios de novecentos com outra instituição museológica, a Real Academia de Bellas Artes de San Fernando.

3Na Ajuda, o nosso antigo Gabinete ostenta ainda as marcas fortes da sua função setecentista: porta nobre de acesso pelo Jardim Botânico com bustos alusivos à Historia Natural, dois lanços de escada com painéis azulejares, vestígios de policromia mural, e frontão do portal vestibular com inscrição latina anunciando ao visitante o theatro da natureza que o aguardava nas duas salas de exibição: “Venite et videte opera domini. Quae posuit prodigia super terram.”

4Lugares obrigatórios da visita touristica, os estabelecimentos scientificos do Paço Real foram objecto de apreciação demorada na pena de inumeráveis viajantes, presença impossível de encontrar noutra qualquer iniciativa museológica do seu tempo. Por isso, esses testemunhos constituem a mais inestimável fonte documental para nos guiar no percurso expositivo, na ordenação e colocação dos seus espécimes. (…)

5Entre-se, então, pela porta que lhe dá acesso pelo interior do Jardim Botânico, a oeste do tabuleiro inferior; desça-se por um dos lanços laterais da pequena escada, passe-se o espaço vestibular e penetre-se no primeiro compartimento do Gabinete. Aqui era o local destinado aos objectos do reino mineral. Saint-Hilaire, nos seus relatórios aos colegas professores-administradores, tinha-o classificado de “salle considérable” mas, como esta não era a sua área de especialização, pouco acrescentará sobre o acervo exposto.

6O geógrafo-estatista florentino, Attilio Zuccagni Orlandini ( - ), vê-la-á como uma sala não muito vasta, com a configuração de um quadrado regular, cada uma das quatro paredes dispondo de uma porta. Segundo a sua descrição, em cada ângulo do compartimento, entre uma porta e a seguinte, distribuem-se quatro armários de mogno envidraçados – formando um total de dezasseis – contendo toda a colecção. Em verdade, não a considera preciosa pela quantidade mas sim riquíssima pelo valor dos objectos, sobretudo de alguns dos fragmentos nobres das minas de metais.(…)

7Em cima de duas mesas, dispostas em dois dos lados da sala, expunha-se uma colecção de cinquenta amostras de mármores portugueses, alguns considerados de rara beleza. Por cima dos armários encontravam-se afixados às paredes, lateralmente, seis enormes crocodilos do Brasil (o Lacerta alligator de Lineu), o maior dos quais ostentava um comprimento não inferior a dez braços. Também ali se via uma morsa (Trichechus manatus Lin.) e, sobre a porta de ingresso, uma tartaruga gigante (‘Testuggine coriacea’) com quatro braços de comprimento, capturada na costa de Peniche. Centremos, finalmente, aa nossa atenção num grande pedaço de cobre nativo – um quadrado irregular com a altura de um braço e meio e a largura de um braço, extraído de uma mina brasileira, perto da vila de Caxoeira, na prefeitura da Baía – exposto no meio da sala, em cima de um pedestal.

8Passando ao compartimento seguinte para se apreciar os espécimes animais e vegetais, distribuídos segundo o método lineano, o nosso guia de ocasião justifica-se por a não descrever com igual pormenor, considerando-a menos necessitada de alterações na disposição e nas classificações do que a sala mineralógica. (…)

9Por fim, ficamos também inteirados de que ali se mantinha em exposição um armário totalmente dedicado às anomalias da Natureza. Ora, é sabido que o Director italiano visivelmente valorizava no seu coleccionismo inicial a exibição de monstros, documentados nas colecções transferidas para Coimbra logo nos anos setenta. Esta tendência – prisioneira ainda da afeição cénica pelo maravilhoso, tão característica das colecções de naturalia et mirabilia – não pode ser desligada, por outro lado, da sua formação médica em Pádua nos longínquos anos cinquenta. Em 1776, publicará mesmo em Coimbra um pequeno texto intitulado Dissertatio de Monstris descrevendo um par de gémeos humanos ligados pelo peito e chamando a atenção para a importância de se exibirem estes casos anómalos nos museus.

10No entanto, do ponto de vista museológico, a exibição de degenerescências foi sendo progressivamente abandonada, acompanhando uma concepção científica menos sensível às extravagâncias e mais preocupada com a busca da normalidade, regulada pelas leis da Natureza. (…)

11O papel que o Gabinete da Ajuda representou na história das ciências da natureza em Portugal foi sendo exaltado, ao longo dos séculos XIX e XX, por diversos professores e naturalistas que apelaram ao estudo histórico do seu desempenho científico:

12“Museu de historia natural de Lisboa, instituto que entre muitos e os mais celebres do paiz tem uma vida e merece uma biographia, quando mais não fôra, pelas vidas que n’elle em parte tem sido consumidas com proveito e gloria da nação, desde o final do seculo passado”.

13“Gabinete do Jardim Botânico da Ajuda, cuja importante e interessante história, e alta influência civilizadora está ainda por escrever”.

14Este desígnio memorialista, biográfico e historiográfico encontra-se hoje, no essencial, cumprido. Mas a recuperação patrimonial e museológica de espaços e ambientes, das suas quase sete décadas de vida, permanece um projecto de incerta realização. E, todavia, da leitura das páginas mais inspiradas escritas por estrangeiros sobre o nosso património artístico e científico seria possível, apoiada pelas virtualidades inesgotáveis das novas tecnologias, redesenhar os cenários de algumas das colecções e dos museus da nossa primeira modernidade.

© Publicações do Cidehus, 2016

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search