Version classiqueVersion mobile

Museus, Património e Ciência. Ensaios de História da Cultura

 | 
João Brigola

Parte II - Gestão e valorização do património cultural: Évora e o Alentejo

4. Vasco Vilalva - criador de patrimónios

Note de l’auteur

Texto inédito (2013). É possível aceder ao riquíssimo espólio da Família Eugénio de Almeida, bem como ao do instituidor da Fundação – Engenheiro Vasco Maria Eugénio de Almeida, Conde de Vilalva -, na sua sede, localizada no Páteo de S. Miguel, em Évora.

Texte intégral

“Um povo que não alimente as suas lendas está condenado a morrer de frio”
(Provérbio nórdico)

1Seja qual for o prisma por que se avalie o imenso legado de Vasco Vilalva no campo da criação de património cultural sempre surpreenderá uma dupla evidência: a da coerência de um ideário e a do pioneirismo do caminho adoptado. Quer dizer, todas as acções que programou e que executou, no âmbito da recuperação e da valorização de bens históricos, adquirem significado e congruência, deixando pressupor um modelo maduramente pensado e arquitectado, uma intervenção guiada e iluminada por um método, por um conceito. Longe, por isso, de uma praxis casuística e pragmática, ou fruto de acasos fortuitos.

2É possível, aliás, identificar as suas características mais marcantes, patenteadas no processo de aquisição e recuperação de edifícios de emblemático valor histórico, como sejam o Mosteiro da Cartuxa, o Palácio da Inquisição, o Pátio de S. Miguel e Paço dos Condes de Basto. 1Revisitada hoje a partir de imagens recolhidas no dobrar do século passado, a cidade de Évora, como tantos outros centros urbanos antigos, ostenta as marcas de duas calamidades urbanísticas de raízes oitocentistas. Por um lado, o desenho de novos bairros, arruamentos, praças e equipamentos públicos, numa concepção acanhada de modernidade, traçara-se quase sempre com o sacrifício de arquitecturas antigas e vernaculares, mormente dos inúmeros conjuntos monásticos e conventuais que as leis da desamortização tinham votado a um destino incerto, ou mesmo de quarteirões de ocupação popular, mas igualmente de edifícios tão simbólicos quanto o do município medieval em plena Praça do Giraldo.

Casas Pintadas de Vasco da Gama, Évora

3Os melhoramentos reclamados pelo utilitarismo higienista tinham dotado a cidade liberal de uma malha mais adaptada aos ritmos quotidianos e às novas acessibilidades, sendo incontestável que alguns dos nascentes edifícios tinham mesmo acrescentado património à urbe antiga, servindo apenas de exemplo o Palácio Barahona, o Teatro Garcia de Resende e o Paço Municipal. Mas o espírito do lugar, tal como fora cerzido por sucessivos estratos construtivos sobrepostos, sofrera irreparáveis danos. A este quadro há que acrescer a difundida atitude de incúria de tantos proprietários de imóveis em perda de função, encontrando simetria nos baixíssimos níveis de investimento público em monumentos de valor histórico e cultural, com classificação legal de ‘nacionais’ a partir, finalmente, dos primeiros anos de novecentos.

4O regime republicano, embora tivesse desenhado uma legislação renovadora e descentralizadora e uma política patrimonial mais focada nos bens móveis musealizados, não conseguira inverter o ciclo de degradação e abandono do edificado, enredado que esteve num permanente clima de guerra civil, sofrendo deficits orçamentais crónicos agravados pela desastrosa participação na grande guerra.

5A política do espírito do Estado Novo, propondo-se impor um cânone de regeneração nacional também aplicado ao campo do restauro arquitectónico, resgatou a boa tradição monárquica das obras públicas, dotando-a de meios nunca antes praticados, concentrando competências e recursos, a partir de 1929, na Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN). Este programa manteve ao longo de décadas – pelo menos até aos ventos inovadores da Carta de Veneza (1964) - um ideário político e técnico inabalável, baseado na opção pela restituição da unidade estilística dos imóveis, quase sempre de tipologia religiosa ou militar, construídos em contexto histórico medieval ou renascentista. Também em Évora, tendo aqui sediada uma das suas direcções regionais, com alçada em todo o sul do país, se fez sentir a sua influência, bem documentada em vários Boletins e em arquivos.

6Todavia, permanecia intacta a norma tácita da exclusividade estatal nos projectos de recuperação arquitectónica e urbanística, em vivo contraste com a vitalidade que o coleccionismo privado de bens móveis e o interesse pela sua musealização revelava um pouco por todo o país. A recuperação de imóveis de valor nacional, visando a sua reconversão para uso social ou apenas imbuído de valorização patrimonial e museológica, parecia persistir como território vedado à iniciativa de investidores e de mecenas. Seria, pois, neste clima cultural que iria inserir-se a arrojada iniciativa de Vasco Maria Eugénio de Almeida (1913-1975), Conde de Vilalva, a contrario da atitude dominante.

7Seguir passo a passo o projecto de recuperação do Mosteiro da Cartuxa, a partir da década de cinquenta até à sua reabertura nos inícios da década seguinte, permite-nos documentar o notável pioneirismo do seu promotor, desde logo pela assumida refuncionalização do antigo espaço monástico. Recebida por herança familiar a vasta propriedade - situada na urbe extra muros, incorporando a igreja, o mosteiro, e os campos envolventes, todos em evidente estado de abandono e de semi-ruína -, tratou de se elucidar sobre a vivência religiosa da regra de S. Bruno e sobre o significado do rigoroso recolhimento cartuxo. Para se imbuir pessoalmente da espiritualidade dos monges brancos, impôs-se visitar espaços similares, quer em Espanha onde estabeleceu conhecimentos que se viriam a revelar decisivos para o projecto de reocupar o eremitério, quer sobretudo numa memorável visita de duas semanas, acompanhado de sua mulher, aos Alpes Franceses, junto a Grenoble, cenário esplendoroso da Grande Chartreuse, revelado pelo encantatório filme-documentário, de Phillip Groning, O grande silêncio.

8Se um qualquer viajante contemporâneo entender cumprir uma rota de mosteiros e de conventos europeus habitados pelos seus monges e frades, não terá dificuldade em elencar um vasto conjunto espalhado por Espanha, França e Itália, mas já encontrará a maior das dificuldades no nosso país. A Cartuxa de Évora constitui um dos raros exemplos nacionais em que, por desígnio de um particular, foi cumprido um projecto de recuperação de antigo cenóbio, incluindo já na década de noventa o restauro da sua igreja. O fim último de todo o programa, e este é o elemento mais inovador, visava a instalação em regime de comodato de uma comunidade cartuxa, tal como deixou enunciado nos Estatutos da FEA:

Ceder o Mosteiro de Scala Coeli –a Cartuxa de Évora – aos monges cartuxos, para que nele sejam restauradas e mantidas as suas primitivas e naturais funções.

9Não se afigura impertinente, neste contexto, sublinhar o procedimento dialogante de Vasco Vilalva - tão ao jeito da sua personalidade discreta, atenta e solícita – para com os protagonistas que, de uma forma ou de outra, constituíam parte interessada e conhecedora nos seus projectos patrimoniais. Referimo-nos ao epistolário pessoal e técnico, largamente documentado, mantido com personalidades e instituições, tais como Túlio Espanca, o Grupo Pró-Évora, a Câmara Municipal e, naturalmente, os arquitectos da Direção Regional de Edifícios e Monumentos do Sul a quem competia monitorizar a obra, as metodologias e os materiais. Este diálogo repete-se e estreita-se por ocasião de outras operações impulsionadas pelo Engenheiro Vasco Vilalva, nomeadamente as que na década de cinquenta haveriam de conduzir à aquisição e às obras de recuperação do Pátio de S. Miguel e do Paço dos Condes de Basto. Em parecer dirigido aos decisores da DGEMN, a sua estrutura descentralizada em Évora informava que, o novo proprietário:

(…) nos paços promoveu, de acordo com a Direcção Geral dos Monumentos e Edifícios Nacionais, obras de restauro e reintegração arqueológica de altíssimo merecimento.

10Existe ainda um lado menos conhecido do multifacetado legado patrimonialista de Vasco Vilalva, emergente já na derradeira década da sua vida. Trata-se do interesse pela criação de unidades museológicas, um elemento mais a adicionar ao universo integrador e unitário que a memória histórica nacional e regional lhe merecia. Comentada quase a título de curiosidade, a sua visita às regiões de Bordéus e de Toulouse, integrado num grupo de connaisseurs enquadrado por Les Amis du Louvre, revela todavia o confessado interesse em vir a criar nas suas herdades agrícolas alentejanas um Museu da Vinha e do Vinho e um Museu de Alfaias Agrícolas. Este projecto, a concretizar-se, teria constituído o corolário de um pensamento conceptualmente coerente, fundado numa filosofia cultural de autenticidade patrimonial, social e pedagogicamente útil.

11A incursão no rico e complexo universo do pensamento e obra de Vasco Vilalva - aqui apenas aflorado e que se alarga igualmente ao Parque de Palhavã, na cidade de Lisboa - permite associá-lo indelevelmente à história da cultura portuguesa e exalta na sua biografia o criador de patrimónios. Um homem bom, cuja formação cristã e humanista lhe ditou um imperativo de consciência: participar activamente, com a sua riqueza pessoal, no esforço colectivo de um povo para “alimentar as suas lendas”, ou seja, o de dar futuro ao passado.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1161/img-1.png
Fichier image/png, 1,1M

© Publicações do Cidehus, 2016

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search