Version classiqueVersion mobile

Museus, Património e Ciência. Ensaios de História da Cultura

 | 
João Brigola

Parte II - Gestão e valorização do património cultural: Évora e o Alentejo

1. Contributos para um modelo de gestão patrimonial

Note de l’auteur

Texto publicado na Revista on-line da Universidade de Cabo Verde (UNICV, Curso de Mestrado em Património e Desenvolvimento), 2014

Texte intégral

1Não existe nenhum testemunho da vida material e cultural do Homem que não esteja hoje representado numa colecção ou num museu. Nas últimas décadas assistimos a uma explosão museal em todo o mundo ocidental, ou seja, ao crescimento exponencial do número de unidades museológicas. No caso português, as estatísticas actualizadas apontam para um milhar de instituições que usam a designação de ‘Museu’. Este fenómeno merece, entre nós, redobrada preocupação na exacta medida em que estão em causa os limitados recursos humanos e materiais do país. O panorama é tanto mais inquietante quanto a quantidade parece ser inversamente proporcional à sua qualidade.

  • 1 Por que não vêem aos museus? História de um fracasso, Madrid, Sílex, 2002).
  • 2 O OAC foi extinto pelo Governo em 2012, por proposta do ICS, no qual se integravam os seus investig (...)

2A instituição Museu é hoje - como propõe o museólogo espanhol Juan Carlos Rico - “uma realidade politicamente usada e abusada”1 e, em verdade, muitas das iniciativas mais recentes não têm conseguido dar resposta adequada às necessidades culturais das populações. De resto, seria um exercício intelectual muito revelador descortinar que valor acrescido trouxe cada um dos mais jovens museus, o que os diferencia dos já existentes (por vezes, ali mesmo no concelho vizinho), ou que missão e objectivos os distinguem entre si. É também muito esclarecedor analisar com atenção os dados recolhidos e avaliados pelo Observatório das actividades culturais (OAC)2 para facilmente se concluir da fragilidade do tecido museológico nacional. Veja-se o facto de, apesar de ter aumentado o número global de visitantes, a fazer fé na interpretação da OAC, o número relativo ter até diminuído nos últimos anos, pela simples evidência de ter aumentado o número de unidades museológicas. A melhor evolução qualitativa regista-se, sintomaticamente, nos museus já consolidados, isto é, nos mais antigos, com 50 ou mais anos de existência.

3É urgente, por isso, definir novas práticas de actuação patrimonial e museológica das tutelas públicas – as quais são responsáveis pela esmagadora maioria das iniciativas museais -, capaz de dar o tom e condicionar, pelo exemplo, as iniciativas das tutelas privadas. Na realidade, nalguns municípios, associações e instituições ele está a ser praticado pela persuasão técnica e científica de profissionais competentes e actualizados, capazes de influenciar as decisões dos promotores.

4Impõe-se, por isso, um novo olhar sobre o território, a paisagem e o seus patrimónios, fundado em alguns princípios como:

5Desenvolver uma visão global e interactiva de todos os bens culturais móveis e imóveis, materiais e imateriais, bem como do património natural presente no território de intervenção;

6Não reduzir o melhor do nosso esforço ao património que se localiza nos centros urbanos antigos ou nos centros históricos, geralmente identificado apenas com os seus edifícios classificados e os seus museus;

7Levantar e inventariar exaustivamente todos os bens culturais da comunidade através da construção de um sistema documental, base imprescindível para uma actuação esclarecida;

8Desenhar gráfica e informaticamente o museu virtual do território, em site esteticamente apelativo, intelectualmente estimulante e acessível à consulta de toda a população, com informação igualmente relevante para visitantes ocasionais ou mais aprofundada, em hipertexto, para estudiosos;

9A partir desta base documental, poder-se-á de forma sustentada passar à investigação especializada e à construção de uma rede de significações patrimoniais, materializável, por exemplo, em propostas de itinerários e em rotas temáticas;

10Deste modo, passarão a encontrar-se em diálogo significante, a paisagem natural, a paisagem urbana, a arquitectura popular, o edifício histórico, o palácio, a igreja, a fábrica, o património móvel integrado nos edifícios, os testemunhos arqueológicos, o ‘pequeno património’ (o fontanário, o moinho, o espigueiro, o coreto, as velhas e abandonadas estação de comboios, escola primária ou cine-teatro, a desactivada estação elevatória da água, o muro de divisão de propriedades, etc), mas igualmente as tradições literárias, orais, gastronómicas, musicais, religiosas, a toponímia, as personalidades marcantes da história local, bem como a biblioteca e o arquivo com os seus riquíssimos espólios documentais.

11Não se deve, por outro lado, perder de vista que a lista de bens culturais não se estabelece num quadro estático, definido para todo o sempre. O património cultural é um conceito e uma prática em constante mutação e pressupõe a produção de novos patrimónios. Ao lado do património evidente – conhecido, inventariado, estudado – perfila-se como uma hipótese permanente de trabalho o património latente, a todo o tempo passível de ser descoberto, descodificado e integrado na lista do património a proteger. São exemplos possíveis deste cripto-património: os testemunhos arqueológicos de novas campanhas de escavação; a fotografia antiga resgatada do sótão das memórias familiares ou até institucionais; a pintura mural que se insinua após desprendimentos de cal; a redescoberta de pintura de autor famoso; a reavaliação de objectos de há muito depositados em reservas museológicas; o legado inesperado de uma colecção privada, etc, etc.

12A prioridade, nesta actuação patrimonial, deverá ser pois dada ao conhecimento do território, da sua população e dos seus patrimónios. Conhecimento só possível em labor de equipa pluridisciplinar, num programa longo, persistente, continuado.

13O tradicional museu-edifício, através da sua construção de raiz ou reutilização, deixará de constituir preocupação prioritária. Quando, e se, se decidir pela sua existência ele funcionará mais como centro interpretativo de todo o património territorial, podendo assumir uma estrutura polinucleada, ou uma mostra das tipologias mais representativas do concelho: história, arqueologia, etnografia, etc. Esta opção significa que se dará preferência à apresentação do património in situ, contextualizado, com vista a uma maior legibilidade dos bens expostos, em desfavor da sua descontextualização em edifício- museu, tal como se vinha praticando desde o já longínquo século de oitocentos. É sabido que, frequentemente, abrir um museu constitui uma operação piedosa, de luto post mortem: permite-se que se destruam os contextos originais de produção e de usufruto dos bens culturais, para depois nada mais restar do que exilarem-se, desterrarem-se os despojos em armazéns (por muitos apelidados de ‘câmaras mortuárias’) – os museus-edifícios. Insisto aqui na designação clássica de museu-edifício para o distinguir dos espaços museológicos que podem revestir a forma viva e inventiva de eco-museus, parques temáticos, parques ambientais, centros de interpretação, museus itinerantes, musealização de antigos edifícios de arquitectura civil, militar, religiosa, industrial, ou até mesmo o conceito alargado de centro histórico, de aldeia histórica etc, etc.

14Uma excelente e nem sempre utilizada fonte de inspiração para este modelo patrimonial é a existência, legalmente obrigatória, de planos de gestão dos solos e de desenho urbano: plano director municipal, plano estratégico da cidade e do concelho, plano de pormenor de salvaguarda e valorização do centro histórico, plano de gestão no caso dos conjuntos classificados pela UNESCO. Apesar de, por vezes, falharem na sua articulação orgânica e conceptual, estes planos apresentam quase sempre uma boa e estruturada visão global do território, incluindo naturalmente as referências aos bens culturais protegidos e a proteger.

15A modelação proposta tem ainda implicação na estratégia de divulgação e nas prioridades de comunicação com os públicos, já que pressupõe um destinatário primeiro e essencial: o cidadão, o habitante residente, produtor e usufrutuário do seu próprio património. Ao contrário de outras perspectivas em voga, tributárias de uma visão estreitamente mercantilizada dos bens culturais, que privilegiam o conceito de visitante-consumidor, este defende um património colocado ao serviço do desenvolvimento local, incentivando um ‘turismo’ mais esclarecido na linha dos princípios consignados, pelo ICOMOS, na Carta Internacional sobre o Turismo Cultural (Cidade do México, Outubro de 1999).

16Julgo, assim, poder concluir-se que vivemos hoje na sociedade portuguesa e, afinal, europeia – no âmbito das ciências e técnicas do património cultural – uma fase que se poderia caracterizar como de transição, híbrida e compósita, entre programas de recuperação patrimonial que têm privilegiado o resultado imediato e o curto prazo dos investimentos, visando preferencialmente o acolhimento do visitante-consumidor, e a proposta de uma praxis que privilegia o trabalho de maior fôlego, preocupado com a fundamentação documental das intervenções e virado prioritariamente para o desenvolvimento dos recursos locais, na certeza de que o mais nobre dos patrimónios é, e será sempre, o património produzido e vivido pelas comunidades.

Notes

1 Por que não vêem aos museus? História de um fracasso, Madrid, Sílex, 2002).

2 O OAC foi extinto pelo Governo em 2012, por proposta do ICS, no qual se integravam os seus investigadores, deixando um vazio difícil de colmatar na área das políticas públicas para a cultura.

© Publicações do Cidehus, 2016

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search