Version classiqueVersion mobile

O Claustro e o Século

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
Olga Magalhães
, 
António Camões Gouveia

A memória do tempo nas instituições monástico-conventuais

Os espaços religiosos e a imagem da cidade

Um estudo de caso: a Horta nos séculos XVI-XVIII

Tiago Simões da Silva

Résumé

Os espaços e vivências religiosas, em particular as casas conventuais, marcaram a paisagem física e social das vilas e cidades modernas. Ao observarmos as descrições deste período relativas à vila da Horta, na ilha do Faial (Açores), grande parte feita por visitantes, constatamos a referida realidade, com abundantes referências aos edifícios conventuais, alguns dos quais marcavam (e ainda marcam) a paisagem urbana. Este artigo pretende analisar os principais registos escritos e representações iconográficas da então vila da Horta produzidos entre o século XVI e os primeiros anos de Oitocentos, procurando, num conjunto heterogéneo de fontes, perceber se há traços comuns na forma como este espaço era representado, e de que forma os edifícios religiosos, em particular os conventuais, tinham ou não um peso significativo entre os factores descritos.

Texte intégral

  • 1 Apud Macedo, 1981, I, 382-387, cit. p. 383. Transcrição original in BPARJJG, Câmara da Horta, Livro (...)

Achou que não havia relogio nesta villa, sendo villa nobre e grande de tres conventos; e que estava um principiado em Angra, e meio pago pelo que mandou compral-o aos ditos officiaes da camara e pessoas nobres e do governo que estavão presentes [...].
Correição do corregedor Manuel Corrêa Borba no Fayal, 1621.
1

Introdução

  • 2 Lisboa, 2013 (vide, em particular, a base de dados criada sobre o mapa da cidade, onde é possível o (...)

1 A implantação dos espaços religiosos, em particular as cercas conventuais, ocupando parcelas significativas das vilas e cidades medievais e modernas é um dado bem conhecido, e estes edifícios, o que deles resta ou mesmo a sua mera memória, ainda têm uma presença marcante na paisagem e na estrutura das urbanizações contemporâneas, apesar de muitos terem desaparecido ao longo dos últimos dois séculos. Várias investigações nos anos recentes têm cruzado o estudo dos conventos com o estudo do urbanismo, identificando as existências na época anterior à extinção das ordens religiosas, reconstituindo as suas cercas e mapeando as suas localizações, por modo a perceber a sua dimensão total e o peso que ela representava no contexto do edificado. Um óptimo exemplo de um estudo deste género é o projecto LxConventos, que conseguiu identificar e mapear os antigos conventos da cidade de Lisboa, muitos já total ou parcialmente desaparecidos, colocando-os no mapa da cidade e permitindo-nos perceber a forma como a sua presença dominava a malha urbana.2

  • 3 A Horta foi elevada a cidade em 1833, pelo que a referiremos doravante como vila, como o era na cro (...)
  • 4 Doravante referenciada como HIF.

2Ao estudarmos alguns dos antigos conventos da cidade da Horta (ilha do Faial, Açores), fomos aos poucos reconstituindo as áreas das suas antigas cercas, assim como os sítios de implantação do colégio dos Jesuítas, da Misericórdia, das igrejas paroquiais e das várias ermidas, desenhando assim um plano urbano povoado de espaços ligados ao universo religioso. Além da presença física destas construções e das funções de culto ou de vivência em comunidade para que foram criadas, fomos encontrando indícios do impacto que exerciam na vila3, tanto em relação à paisagem construída como nas vivências da sociedade em que se inseriam. A citação com que abrimos este texto, segundo uma afirmação do corregedor Manuel Correia Borba em 1621, utiliza os conventos para qualificar a vila, que é «nobre e grande de tres conventos», fundamentando assim a ordem para a aquisição de um relógio público, tal como existia «um principiado em Angra, e meio pago» (sendo Angra há muito cidade). Os conventos surgem aqui como uma espécie de unidade de medida para justificar o quão «grande» era a vila. A partir desta referência, começámos a questionar-nos sobre de que forma os conventos podiam ser (ou seriam, pelo menos nalguns casos) uma unidade de medida para qualificar o espaço urbano, assim como sobre o modo como a sua presença se fazia sentir nas representações feitas deste espaço, sobretudo para e a partir do exterior. Decidimos então percorrer os registos narrativos e iconográficos conhecidos para a vila da Horta no período moderno, tentando compreender de que modo estão presentes as estruturas religiosas e que peso tem a sua presença no contexto dessas descrições. As fontes utilizadas foram essencialmente recolhidas nos volumes I e II da História da Ilha do Faial4, o primeiro dedicado ao Património Histórico e Literário, o segundo ao Património Cartográfico e Artístico. Foram seleccionados os textos, desenhos e gravuras que representam especificamente a vila, até ao início do século XIX, ficando assim excluídas descrições genéricas da ilha, referências indirectas ou cartografia sem representação da vila. Analisámos ainda algumas fontes não inseridas na citada obra, numa tentativa de consultar todas as que cumprissem os mencionados critérios.

A vila da Horta

  • 5 Seguimos essencialmente: Macedo, 1981, I; Idem, III, 15-42; e Lima, 2005, 239-292.

3Deixamos antes uma breve nota sobre a vila e as edificações religiosas que nela existiam.5 A vila foi fundada no final de Quatrocentos, começando a construir-se a igreja Matriz por volta de 1500, então sede da única paróquia. A segunda, da Conceição, terá sido fundada por meados desse século e a terceira, das Angústias, em 1684, existindo assim, desde essa data, três igrejas paroquiais. A Misericórdia foi fundada no início de Quinhentos, assim como o convento de São Francisco, da primeira ordem franciscana. Pouco depois, por volta de 1538, fundou-se o convento de São João, de clarissas. Em 1608 cria-se a segunda clausura feminina com o convento da Glória, da ordem da Conceição. Nas décadas de 1630 e 1640, consequência da passagem frequente de carmelitas e jesuítas pela ilha, duas das principais famílias locais doam-lhes propriedades, nas quais são fundados o convento do Carmo, de carmelitas calçados, e o colégio de São Francisco Xavier, de jesuítas. O sistema conventual da vila ficou completo na segunda década do século XVIII com a fundação do convento de Santo António, de franciscanos capuchos. Deste modo, entre o segundo quartel do século XVIII e o primeiro do XIX existiam dez igrejas na vila, seis das quais ligadas a casas de ordens religiosas. Além das igrejas, existiam na vila seis ermidas, na periferia próxima outras quatro (dentro das suas paróquias, mas fora da malha urbana) e o império ou casa do Espírito Santo (construído pela Câmara nos meados de Setecentos).

Primeiras descrições e crónicas eclesiásticas

  • 6 Edward Wright, “The voiage of the right honorable George erle of Cumberland to the Azores”, 1589, i (...)
  • 7 “Jornadas das ilhas dos Açores”, 1583, in HIF, I, 42-45.

4O mais antigo relato conhecido que faz menção às características da vila é o do inglês Edward Wright, datado de 1589, que não inclui qualquer referência específica aos conventos.6 No entanto, dedica dois pequenos parágrafos à descrição da vila, essencialmente registando a qualidade das casas e alguns dos produtos cultivados e consumidos na ilha. Mais à frente refere as «igrejas e casas de religião», apenas para dizer que foram tomadas «as providências exigidas para que [...] se conservassem invioladas». O relato foi feito na sequência de um ataque inglês à ilha, durante o qual, não obstante o cuidado registado na frase anterior, a maioria das alfaias das igrejas acabaram por ser usadas para pagar o resgate da vila. Se atendermos ao contexto em que foi escrito, e ao facto de que a única construção que teria alguma imponência visual neste período seria a Matriz, não nos espanta a falta de referências. Também um relato um pouco anterior, do espanhol Christoval Mosquera de Figueroa, que narra a tomada da ilha pelos espanhóis em 1583, não contém qualquer descrição da vila.7

  • 8 Gaspar Frutuoso, Saudades da Terra, c. 1590, in HIF, I, 49-67, cit. 56-57.

5A primeira descrição completa da vila da Horta é feita pelo padre Gaspar Frutuoso, na sua obra Saudades da Terra, escrita por volta de 1590.8 No capítulo 37 – «Da descrição da ilha do Faial» – percorre a vila, entrando pelo Norte, no qual a sua dimensão e qualidade é traçada em grande medida recorrendo à descrição detalhada dos espaços religiosos. Inicia o circuito em Nossa Senhora da Conceição, «que agora é freguesia» e tem «a igreja de três naves, postas sobre cinco colunas de cada banda, sobre as quais está assentada a madeira do tecto, com uma capela ao lado direito», seguindo-se informação sobre a sua população. Continua pelo centro da vila, pertencente à paróquia da Matriz:

Tem esta vila em um alto a igreja principal, da advocação do Salvador, muito fresca, de três naves, com seis colunas por casa banda e duas capelas por cada lado. [...] Junto da igreja está um mosteiro de freiras da ordem de Santa Clara [...]. No meio da vila está a casa da Misericórdia, com seu hospital [...]. E logo uma ermida, que se chama Nossa Senhora da Beata, pegada com as casas do capitão, e outra de São Tiago. Mais adiante, pela rua dois tiros de besta, está um mosteiro de São Francisco, o qual dizem que foi situado três vezes [...]. Abaixo, ao longo do mar, onde sai a porta do mosteiro para ele, pescam os religiosos com seus caniços, e antigamente estava ali uma ermida de Nossa Senhora da Piedade, que o mar levou, a qual tinha uma escada para o areal, por onde entrava a ela a gente da vila [...].

6 Frei Diogo das Chagas escreve sobre a Horta, cerca de meio século depois, no capítulo 13 do seu Espelho Cristalino em jardim de várias flores:

Artigo 2º. Das paróquias, e ermidas, que tem esta ilha [...].

  • 9 Sobre esta ermida primitiva seria mais tarde erguida a igreja das Angústias, aquando da criação da (...)

A primeira igreja que na ilha se fez, é a que atrás deixamos dito, fica em Porto Pim, do orago de Santa Cruz,9 que hoje não está em pé mais que a capelinha dela, que era do primeiro capitão, e capitoa [...]. Indo para o norte ao entrar da vila à mão direita fica o nosso convento [de São Francisco] [...] e é hoje um dos mais majestosos conventos que têm as ilhas.

  • 10 Seria aqui fundado, poucos anos depois, o convento do Carmo (convento de Nossa Senhora da Boa Nova)

Andando pela rua avante sempre por entre casas se sai a um rossio, à mão esquerda do qual fica o pátio das casas do capitão em uma terra alta que ali faz. Ao lado que fica para a banda de Porto Pim tem uma ermida do orago de Santiago. Fronteiro à qual ao pé do pátio, que vem lançante está outra ermida de Nossa Senhora da Penha de França, que é muito formosa ermida. Acima das casas do capitão, que são por aquela parte as derradeiras da vila, está uma ermida de Nossa Senhora do Livramento [...]; vindo pelo norte, pelo cimo da vila em distância de um tiro de mosquete está outra ermida, [...] que é muito formosa com sua cerca e suas casas em roda, com seu pátio, e claustro merecedora de nela se fundar um convento do orago de Nossa Senhora da Boa Nova.10 Vindo no mesmo andar em maior distância fica o convento de freiras de Santa Clara de nossa obediência, do orago São João Baptista que está taxado em 50 lugares.

Junto ao qual mosteiro em um pátio alto, que a vila ali faz do qual vêem toda por lhe ficar inferior, está a igreja principal, e matriz da dita vila do orago do Salvador que é um formoso templo [...].

  • 11 Frei Diogo das Chagas, Espelho Cristalino em jardim de várias flores, posterior a 1640, in HIF, I, (...)

Descendo para baixo pela derradeira rua da vila que para a igreja sobe carregando sobre a mão esquerda se sai para fora da vila por uma ponte de pedra [...], ao passar da qual está a igreja de Nossa Senhora da Conceição, que é a 2ª freguesia desta vila, [...] em meio da qual [vila] pegado com a areia está outra ermida de Nossa Senhora da Boa Viagem, que é dos mareantes pegado a um forte de boas peças de artilharia, que aí estão. Em o meio da vila, rua que se diz do meio, perto da praça está o convento de freiras da Conceição Imaculada, como atrás deixamos dito, do orago de Nossa Senhora da Glória. Na mesma rua vindo para o nosso convento em pouca distância fica a Santa Casa da Misericórdia, que tem muito boa renda, e é muito formoso templo; e assim fica esta vila toda cercada de ermidas, conventos e templos, que lhe servem como de fortalezas, que a amparam, e defendem de seus inimigos, em particular dos mouros [...]. Hoje está a gente mais prática [na defesa da vila], e ela mais fortificada, mas eu confio mais nestas fortalezas do céu, que naquelas da terra.11

7Ambos os relatos baseiam a caracterização da vila na descrição dos seus espaços religiosos, como centrais e estruturantes da urbe e da sociedade. No entanto, sendo os dois autores clérigos, é expectável que o foco seja colocado nestas edificações, o que fica bem patente no final do testemunho de Frei Diogo das Chagas, quando, a respeito da defesa da vila, refere que confia mais «nestas fortalezas do céu, que naquelas da terra», aludindo às «ermidas, conventos e templos» de que a vila está «toda cercada». Mais lacónica, mas na mesma linha, é a narração de Frei Agostinho de Monte Alverne, outro franciscano, que na crónica da província descreve a Horta da seguinte forma:

  • 12 Frei Agostinho de Monte Alverne, Crónicas da Província de São João Evangelista das ilhas dos Açores(...)

[A ilha do Faial] Somente tem uma vila com três freguesias, três conventos de religiosos, franciscanos, carmelitas e jesuítas, com dois mosteiros de freiras e casa da Misericórdia, com ouvidor eclesiástico que governa o clero, e capitão-mor e câmara, que rege o povo.12

8Temos neste breve trecho um bom exemplo de uma descrição na qual os únicos quantitativos apresentados se referem aos espaços religiosos.

  • 13 António Cordeiro, História Insulana das ilhas a Portugal sujeitas no Oceano Ocidental, Lisboa, na O (...)
  • 14 Idem, 126.

9Outra crónica de pena eclesiástica com a descrição da vila é a do padre António Cordeiro, jesuíta, impressa em 1717.13 Não a transcrevemos pois segue de perto o relato de Gaspar Frutuoso (que cita), actualizando algumas informações (e errando noutras). Fica a referência de que segue a lógica das anteriores, qualificando a vila sobretudo por via dos seus espaços religiosos, mas acrescendo um parágrafo dedicado às fortificações militares. A descrição fica completa com referência às produções, à água e à sociedade, terminando com a afirmação de que «o mulherio é de não menos perfeição espiritual, que corporal, e todas têm oratórios em suas casas, com que são muito recolhidas, e devotas.»14

  • 15 BNP, Reservados, códice 306, in HIF, I, 137-140.

10Também do primeiro quartel do século XVIII, embora sem data nem autor, existe na Biblioteca Nacional o manuscrito Corografia Insulana, cujo 5º Tratado é dedicado à ilha do Faial.15 O capítulo 2 descreve «a sua formosa vila», começando por elogiar a sua posição e «nobreza antiga», «podendo ser cidade sem inveja das muitas de ultramar que o são». Ainda no primeiro parágrafo inicia a descrição dos espaços religiosos, que ocupará o resto do capítulo, terminando com um breve parágrafo sobre o comércio:

Tem [a vila] 566 vizinhos, com uma freguesia da invocação do São Salvador, igreja sumptuosa [...]. Tem casa de misericórdia e junto a ela, um hospital, com boa renda, e estas ermidas, Nossa Senhora do Pilar, Nossa Senhora da Boa Viagem, Santo Amaro e Nossa Senhora do Livramento, com os seguintes conventos.

O de São Francisco, onde há cadeira de filosofia [...].

O colégio dos padres da Companhia de Jesus que fizeram os moradores da terra, e o deram com rendas fixas, que passam além do seu sustento, por cuja causa fundaram de novo a igreja e colégio à imitação e traça do de Angra, com obrigação de nele ensinarem a gramática e moral.

O convento do Carmo [...].

O mosteiro de freiras de Santa Clara, da invocação de São João de freiras de São Francisco [...].

O mosteiro da Glória, de religiosas franciscanas [...].

  • 16 Esta ermida surge arrolada duas vezes, uma em cada freguesia, mas trata-se da mesma.
  • 17 HIF, I, 138.

A segunda freguesia é dedicada a Nossa Senhora da Conceição. Tem 225 vezinhos [sic] [...] e duas ermidas, São Lourenço e Santo Amaro[16].17

11 As referências aos conventos e seus fundadores poderão denunciar um autor eclesiástico, mas o certo é que foca os seus elogios na nobreza dos habitantes, «à honra de foro de fidalgos da casa real», nas características do porto e no comércio que nele acontece. As informações sobre as casas religiosas prendem-se com a sua relação com a sociedade, sobretudo sobre como surgiram (os seus fundadores) e do seu papel (como no caso das casas franciscana e jesuíta, sobre as quais são registadas as aulas nelas leccionadas).

12 Da autoria do padre Luís Caetano de Lima, a Geografia Histórica de todos os Estados Soberanos da Europa (1734) dedica também alguns parágrafos ao Faial, um dos quais descrevendo a vila:

  • 18 HIF, I, 145-146.

Está situada na costa de este, com uma baía e porto [...]. Compõe-se de mais de quinhentos vizinhos, sem contar os moradores das duas paróquias que ficam na sua entrada. A igreja matriz é da invocação do Salvador, e tem um vigário e dois curas. Há nela casa de misericórdia, hospital e cinco conventos, três de religiosos e dois de religiosas. A saber: o de religiosos de São Francisco, da observância, o de religiosos carmelitas calçados, o colégio de religiosos jesuítas, o mosteiro de São João Baptista, de religiosas da regra de Santa Clara, e o mosteiro que chamam da Glória, de que foram fundadoras duas religiosas da Conceição de Angra.18

13Mais uma vez observamos que o principal descritor utilizado para caracterizar a vila é a quantidade de igrejas e conventos. Registe-se a ausência do de Santo António, fundado poucos anos antes e ainda em construção.

Relatos de viajantes

Figura 1 – Alexander Dalrymple, Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico (pormenor)

Figura 1 – Alexander Dalrymple, Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico (pormenor)

Londres, William Harrison Senior, 1782. Paris, Bibliothèque nationale de France, département Cartes et plans, GE DD-2987 (8493)

BnF (em domínio público)19

14 É a partir do século XVIII que temos mais referências à vila, tanto escritas como iconográficas, sobretudo por parte de visitantes, muitos deles estrangeiros, que visitam a ilha geralmente no decurso de alguma viagem atlântica. Sendo estes autores externos, e por isso não referindo, por exemplo, as linhagens ilustres da ilha nem a história da fundação das suas paróquias e conventos, seria de esperar que se centrassem nas características físicas do espaço, nos seus hábitos sociais e no registo de informações relacionadas com a navegação e o comércio, como muitos de facto fazem. Não obstante, a leitura destes documentos revela que a imagem transmitida pela urbe a quem a visita é sempre marcada, por vezes talvez até condicionada, pelas construções e espaços religiosos, quer pela presença significativa (e, nalguns casos, monumental) com que surgem no edificado, quer pelo que revelam sobre as vivências desta sociedade (factor que pode ser decisório para a sua apreensão e referência por parte de visitantes de outras confissões, por exemplo).

15O primeiro relato da Horta feito neste período por um estrangeiro é o de André Brue, governador do Senegal, e data de 1703. Inserido na sua Nova relação de África, a descrição centra-se na produção e exportação de vinho (do Pico) e no comércio através do porto da vila, sobretudo por parte dos franceses. Termina com uma breve referência ao clima e à crise vulcânica de 1672. Mas o mais interessante é o início do excerto relativo ao Faial, que começa da seguinte forma:

  • 20 HIF, I, 121.

A ilha do Faial só tem uma vila do mesmo nome [sic], de que os jesuítas são os senhores temporais. Não tem esta ilha [aliás vila] senão três freguesias e quatro conventos, a saber: um de franciscanos, outro de carmelitas descalços, os de freiras são um da ordem de São Francisco, outro da Glória. As paróquias são a do Faial, da Cruz e da Trindade.20

16O segundo parágrafo, também curto, é dedicado à defesa e administração militar, seguindo-se a informação já referida sobre o vinho e o comércio. O que salta à vista no relato, e em particular no citado primeiro parágrafo (além da quantidade elevada de erros na informação apresentada), é que o primeiro descritor utilizado é a identificação das paróquias e conventos. Faltou referir a Misericórdia e o colégio da Companhia de Jesus, mas afirma que os jesuítas detêm o poder temporal, o que poderá ser uma interpretação resultante do papel que eles tinham na sociedade, sobretudo como grandes proprietários, o que incluía terras de vinha no Pico e uma vasta área no coração da vila, em parte da qual estavam hospedados e a construir o seu colégio e igreja.

  • 21 Paulo Teixeira, “Breve notícia da ilha do Faial e das coisas mais notáveis que em a dita ilha se ac (...)

17 Já o relato de Paulo Teixeira, de 1739, especificamente sobre o Faial,21 parece ser o primeiro sobre o qual se pode afirmar ter sido escrito durante (ou quanto muito na sequência de) uma passagem pela ilha (e não por via de relatos terceiros, como ocorria em alguns casos). O interesse particular deste relato, assim como dos que se seguem, é o de ser produzido por um visitante, que regista a ilha de um ponto de vista externo, de quem está de passagem e, por isso, se fica com o que mais impacto lhe causa ou com o que lhe dizem sobre o local (no caso das informações de carácter histórico, por exemplo). O relato é bastante eclético e, ao contrário dos até aqui referidos, não contém qualquer descrição da vila. Inicia-se com a localização do arquipélago e da ilha, descrevendo depois as suas características físicas, assim como a presença de povoadores flamengos, «de cuja nação ainda há». A descrição da ilha e da posição da vila e restantes prende-se sobretudo com as suas características enquanto porto de abrigo, referindo-se por isso a existência de estruturas de defesa em seu redor. Seguem-se referências aos seus habitantes, às produções e ao «excesso» de flores. Sobre esta última assinala «que neste tempo que ali estive fazendo-se algumas festividades em dois conventos de freiras que ali há se armava a igreja com círculos, arcos, ramalhetes e grinaldas das ditas [flores] em grande quantidade, repetindo-se o adorno em dias interpolados», o que serve de mote para a referência aos conventos existentes na ilha:

Há em a dita terra grandes conventos de religiosos da Companhia, do Carmo, de São Francisco e Capuchinhos, e juntamente dois ditos de freiras, um de religiosas de São Francisco, cujo número me disseram exceder a mais de 300 ditas, e darão de entrada para dote 400 mil réis e gastarão com mais propinas perto de 200, tendo a sua ração em comunidade, e dando-se-lhe para cada um ano dois moios de trigo.

  • 22 Idem, 148-149.

O outro convento é de religiosas da Conceição, sujeitas ao ordinário, que sem dúvida é um admirável convento, e aonde há grande número de freiras com boa educação, cujo hábito é branco, com escapulário azul, e no peito uma roda de fita branca em forma de resplendor e em ela colocada uma imagem da Conceição, feita de prata, em primorosa, que adorna o dito hábito em maneira prodigiosa [e] admirável.22

18Embora a alusão seja genérica em relação à ilha, não sendo mencionadas paróquias nem quocientes populacionais, por exemplo, voltamos a ter uma atenção especial posta nos conventos e nas suas dimensões. O destaque para os de freiras poderá estar relacionado com a prática de os visitar, o que o próprio autor confirma e será depois referida por visitantes posteriores.

19Em 1753 é o naturalista francês Michel Adanson que passa no Faial, deixando um registo da sua estadia. O relato centra-se nas características físicas da ilha e do porto (e da ligação com o Pico), no clima, produções e comércio, com enfoque compreensível em questões de fauna e flora (incluindo identificações anotadas de várias espécies). Há apenas um parágrafo relativo em específico à vila:

  • 23 Michel Adanson, Uma viagem ao Senegal, à ilha de Gorea e ao rio Gâmbia, in HIF, I, 151-154, cit. 15 (...)

A meio do porto situa-se uma espécie de forte cujas muralhas são banhadas pelas ondas. Segue-se a vila numa configuração idêntica à do porto. A população é abundante e o seu governo é assegurado por um capitão-mor. A população é de 5000 habitantes, todos portugueses, a maioria sacerdotes e religiosos de ambos os sexos. Na verdade nunca vi tantos conventos numa só vila. As igrejas são agradáveis e bem mantidas. Existem também alguns belos edifícios, entre os quais o colégio dos jesuítas que são os senhores da ilha no plano temporal. As casas das pessoas do burgo são bem arranjadas, todas rebocadas e guarnecidas, ainda que se possa pensar que têm falta de madeiras.23

20O exagero registado pelo visitante, que esteve na ilha mais de duas semanas, permite-nos perceber o impacto causado pela presença dos religiosos, em particular das comunidades, parecendo-lhe mesmo que constituem a maioria da população, além de colocar mais uma vez o enfoque nos jesuítas.

  • 24 James Cook, Voyage dans l’Hémisphere Austral, et autor du Monde, Paris, 1778, in HIF, I, 165-166; e (...)

21Duas décadas depois, em Julho de 1775, dá-se a passagem do capitão James Cook, da qual nos chegaram dois relatos.24 O do próprio Cook, muito breve, que refere sobretudo questões relacionadas com o posicionamento das ilhas e uma nota sobre o ancoradouro da vila e as provisões de que nela se forneceram; e o de George Forster, bastante minucioso, observando e descrevendo em detalhe o que vê e a forma como são recebidos. Deixamos um excerto do segundo, no qual se refere à vila:

  • 25 Deve referir-se às igrejas paroquiais, por oposição aos «conventos», que referirá logo a seguir.
  • 26 Thomas Dent.

Caminhámos por uma parte considerável da vila, chamada Vila da Horta, que se alonga por uma milha e um quarto de comprimento, consistindo essencialmente numa rua irregular, interrompida por pequenos ramais. [...] Depois de visitarmos as igrejas, em número de três25, escuras e em gótico como as da Madeira, fomos levados pelo senhor Dent26, o cônsul substituto [...]. Acompanhou-nos depois aos vários conventos da vila. Um destes pertence aos frades franciscanos, em número de vinte, além de vários irmãos leigos, e de acordo com o que nos disseram, ensinam retórica, filosofia e teologia aos filhos dos habitantes. Outro, situado numa elevação, tem doze carmelitas com os seus irmãos leigos. O terceiro fica numa colina no alto da cidade [sic] e pertence a doze capuchinhos com alguns irmãos leigos. O quarto fica localizado na melhor e mais visível parte da vila e foi, inicialmente, o colégio dos jesuítas, mas agora foi convertido em tribunal e uma parte está reservada para escola oficial. Os monges, privados dos meios de aperfeiçoarem o seu conhecimento, contentam-se em viver de forma confortável e agradável, sem as canseiras que o estudo implica. Os dois conventos [de freiras] próximos chamaram a nossa atenção. Um deles é dedicado a São João e tem 150 freiras da ordem de Santa Clara, além de muitas criadas. Usam um longo hábito de sarja castanha sobre outro de algodão branco. O outro convento é ocupado por 80 ou 90 freiras da ordem de Nossa Senhora da Conceição, além de igual número de criadas. Usam vestidos brancos com uma peça azul cozida [sic] ao peito juntamente com uma imagem da Virgem numa placa de prata. A recepção que nos foi dispensada às grades foi muito educada, mas não nos foi possível conversar com elas por não falarmos a sua língua. A sua maneira de falar era muito suave e num tom melódico que poderíamos imaginar ser afectado, não fosse termos depois constatado ser característico de todas as camadas sociais. Os traços de algumas delas eram muito atraentes e o seu aspecto mais agradável do que esperávamos ainda que em geral um tanto apático. A religião ainda não ocupou totalmente o seu seio, por forma a extinguir toda a centelha do desejo carnal; os olhos eram na verdade um dos seus mais belos traços e ainda traem o seu vínculo à natureza. Se são verdadeiros um centésimo dos relatos que ouvimos no Faial, o amor reina à vontade no meio dos claustros.

[...]

  • 27 HIF, I, 155-157.

Na manhã seguinte fizemos uma visita aos oficiais da fragata francesa que estavam hospedados em casa da Sr.ª Milton, uma viúva inglesa. [...] A Sr.ª Milton, meditando sobre as muitas contrariedades que afligiram a sua existência, decidiu assegurar a tranquilidade e a felicidade da filha, colocando-a num dos conventos do Faial sem considerar, ao mesmo tempo, que o mundo tem os seus encantos aos catorze anos mas vão perdendo o seu poder de atracção aos cinquenta. A filha era suficientemente bonita para levar a palma às senhoras portuguesas do Faial. Um dos nossos oficiais, por isso, tentou dissuadir a Sr.ª Milton de levar por diante o seu projecto, assegurando-lhe, com bons modos, que, longe de proceder de forma meritória, estaria a ser desagradável aos olhos de Deus. Se a repreensão de um marinheiro poderá ter tido efeito, deixo ao critério do leitor julgá-lo. O certo é que a Sr.ª Milton a acolheu de maneira bem disposta e a conversa que se seguiu demonstrou de modo indiscutível que as razões de ordem religiosa não eram tão urgentes para levar à clausura da filha, como as de natureza particular.27

22Segue-se o relato pormenorizado das caminhadas de exploração pela ilha, referindo paisagens, produções e pessoas, e ainda uma nota sobre a história do arquipélago e informações sobre outras ilhas, elaborado a partir das conversas tidas com os habitantes locais. Na véspera da partida dá-se outra visita ao convento de São João, cuja narração constitui a última entrada do relato antes da despedida e da partida, no dia seguinte:

  • 28 João Street de Arriaga, cujo apelido surge aportuguesado na documentação coeva como Estrite. Tinha (...)
  • 29 HIF, I, 163-164.

À tarde o senhor Estries, o cônsul francês, foi comigo ao convento de Santa Clara onde toda a família foi visitar as irmãs que tinham professado.28 Fiquei muito surpreendido porque nem as senhoras eram autorizadas para lá das grades do parlatório, em um rigor de clausura pouco comum. É habitual que as freiras ofereçam às suas visitas algumas guloseimas para comer, mas aqui serviram uma refeição completa com vários pratos muito bons e requintados. Que a mente possa estar repousada e disposta à meditação espiritual quando o corpo está exausto pela abstinência e pela vigília, parece improvável, mas de o extremo oposto do luxo e da mesa opulenta ser mais adequado ao principal objectivo da vida monástica, pode duvidar-se com justa razão.29

23Os excertos que deixámos acima denotam a presença das igrejas e conventos, que, de forma implícita, se registam como principais equipamentos da urbe, contabilizando-se os membros de cada comunidade como forma de dar ao leitor uma noção da dimensão local (por oposição, a referência ao número de habitantes da ilha surge inserida no relato das restantes e não no contexto da visita propriamente dita). Note-se também a referência ao antigo colégio jesuíta, cujo edifício, com funções seculares desde a saída dos padres da Companhia, em 1760, continua a ser um marco na urbe, pois «fica localizado na melhor e mais visível parte da vila». Mas o que salta à vista, além do detalhe das descrições, é o foco nas visitas aos conventos, levando o autor a tecer considerações sobre a prática de neles serem colocadas muitas das jovens das melhores famílias locais. O episódio com a Sr.ª Milton e a sua filha, assim como os comentários ao «desejo carnal» das freiras e ao amor que «reina à vontade no meio dos claustros», revelam não só o olhar dos visitantes perante os comportamentos das religiosas, como, em certa medida, a própria noção dos locais («se são verdadeiros um centésimo dos relatos que ouvimos»). Mesmo no caso das clarissas, onde causa surpresa o «rigor de clausura pouco comum», logo de seguida se comenta o «luxo» e a «mesa opulenta», que o autor duvida sejam o caminho «mais adequado ao principal objectivo da vida monástica.» Percebe-se também que a visita aos conventos é das poucas distracções que a ilha oferece aos visitantes (no caso concreto, além das visitas aos conventos, visitaram os oficiais da fragata francesa e efectuaram passeios pela ilha).

  • 30 HORNSTEDT, Claës Frederik (2008) – Brev från Batavia – En resa til ostindien 1782-1786. Estocolmo: (...)

24 Também o médico e naturalista sueco Claës Frederik Hornstedt deixa um relato detalhado da sua experiência, em 1785.30 A 28ª das suas «Cartas da Batávia» é dedicada à estadia no Faial. O primeiro parágrafo descreve brevemente a vila, terminando com um apontamento sobre as igrejas, que «são lindas com torres altas e claustros bem construídos, e aqui os portugueses devotos têm um bom número delas que adornam a vila com distinção.»

25 Após esta introdução, o relato será preenchido quase integralmente com uma descrição dos conventos e igrejas, que o autor visita praticamente na totalidade:

Quando primeiro visitei a vila, fui ao edifício mais lindo que encontrei. Este tinha sido o colégio dos, então expulsos, Jesuítas. O edifício é um bonito palácio; o andar de baixo agora arrendado como armazém. A igreja por dentro é em formato de cruz latina; é espaçosa, com muita claridade, tem nove altares, requintados e bem construídos assim como dois púlpitos, em que, de acordo com o que me disseram, num deles os monges frequentemente levavam a cabo assuntos do diabo.

O segundo edifício na escala de beleza, a seguir ao colégio dos Jesuítas, é a igreja dos Franciscanos que fica numa posição mais alta com uma grande e bonita escadaria de entrada. Por de fora a igreja aparenta um edifício antiquado e sem qualquer simetria especial, no entanto por dentro oferece conforto aos dignos frades que aqui vieram parar vindos doutras partes do mundo como ratos atraídos ao queijo. Embora não sendo a igreja de São Francisco tão impressionante como a igreja dos Jesuítas, mesmo assim compete com ela em esplendor, revelando grande riqueza. Oito colunas suportam o teto em abóbada. A igreja tem nove altares bem trabalhados com estátuas e trabalhos cobertos em folha de ouro a ornamentá-los. Os dois púlpitos estão forrados em seda branca bordada a fio de ouro e prata. A capela-mor, que fica ao fundo da nave central e do lado oposto à entrada, tinha milhares de círios em preparação para a celebração da Páscoa.

A igreja de Santo António dos frades Capuchinhos é uma igreja rica e fica situada num alto, por cima da vila. A igreja tem várias alas e quartos para acomodar 15 frades assim como uma cisterna contendo água da chuva de excelente qualidade no centro do seu pátio interno. A igreja é um edifício bonito, cheio de luz, com dois púlpitos dourados e três altares também cobertos em folha de ouro. Os Capuchinhos assim como os Franciscanos cantavam a missa misteriosamente (escondidos) no coro por cima da entrada para a igreja. Na sacristia encontravam-se vários santos toscamente esculpidos de blocos de madeira.

Foi-me dito que a igreja dos Carmelitas era tão rica como a anterior, mas eu não entrei nela.

26Como podemos observar, as casas religiosas merecem o protagonismo da descrição, inclusive a igreja do Carmo, que não é alvo de visita, mas fica registada na mesma. Note-se também que o primeiro edifício referido é o extinto colégio jesuíta, cuja igreja estava à época desocupada, percebendo-se que a sua imponência, tanto no contexto urbano como na decoração interior, continua a marcar a paisagem faialense e a ser ponto de visita. Depois dos conventos masculinos são visitadas as paroquiais:

A igreja de Nossa Senhora da Conceição tem duas cúpulas em forma de bolbo que lhe dão uma aparência muito agradável. Por dentro, a igreja é adornada por quatro altares dourados e dois púlpitos que não estão pintados.

A Matriz (ou Santa Matriz) tem só uma torre como as nossas mais antigas igrejas. Por dentro, a igreja está adornada com seis altares mas só um púlpito. Doze padres, vestidos de batina preta sobre as quais traziam um género de túnica branca sem mangas, cantavam a missa na capela-mor. Um deles com uma voz excelente, de vareta na mão estabelecia o compasso para os outros e cantava, por vezes sozinho, outras vezes acompanhado pela música de um pequeno órgão e também das vozes dos outros padres. Eles passaram toda a tarde a cantar missa, sendo eu e dois portugueses de pé descalços as únicas pessoas a assistir. Apesar do meu grande esforço, tive dificuldade em compreender o latim da missa. O cantor fez maior desempenho em produzir sons e trinados do que em pronunciar palavras claramente. Mesmo assim, depois de algum tempo para me familiarizar com a música, apercebi-me de que se tratava do quinto ato da Paixão e Morte de Cristo.

A igreja de Nossa Senhora das Angústias não aparenta nada de especial por fora, mas por dentro é adornada com três altares cobertos em folha de ouro, um púlpito e um batistério.

  • 31 Na verdade, até aqui já referiu todas as igrejas, com excepção das dos conventos femininos (que ref (...)

Não visitei a igreja da Misericórdia também conhecida pela igreja do hospital, assim como outras pequenas igrejas[31].

27A referência à Matriz ultrapassa a mera descrição física do espaço, como na maioria dos casos, para registar os acontecimentos decorridos no seu interior. Mesmo tendo em conta o tempo em que decorre a visita, que permitiu ao visitante assistir a cerimónias religiosas especiais e que envolviam toda a comunidade, não deixamos de notar que há um cuidado em tentar perceber as vivências locais, concluindo que a religião é um factor presente. As visitas aos conventos femininos servirão de mote para comentar essas vivências:

  • 32 Como se perceberá depois, trata-se do de São João.

Eu ainda não tinha visitado o convento das freiras, o qual durante a quaresma, tinha fechado. Um capitão naval sueco, Capitão Laurentzo (Lornsson), nascido em Västervik mas estabelecido no Faial há 30 anos, tinha duas filhas internadas à conta da abadessa Maria Josepha. O capitão Laurentzo escreveu à abadessa a dizer-lhe que um viajante vindo dos países do oriente tinha chegado de navio das Índias Orientais, e que gostaria de ver o convento e as freiras. A abadessa respondeu logo de volta, dizendo que ela própria juntamente com as freiras ficaria à espera do viajante das Índias juntamente com os capitães, às 3:30 da tarde na igreja do convento.32

Eu pensei que iria ver freiras religiosas. É verdade que o claustro, a igreja, as grades, o vestuário, os véus, tudo tinha ar de religiosidade, mas por debaixo do véu havia um par de olhos faiscantes com todo o desejo de satisfazer, e que embora por de trás do duplo gradeamento, uma mão encoberta nos acariciava onde quiséssemos. NB! Só depois da abadessa se ausentar. A igreja que estava aberta à comunidade, estava separada dos claustros por um duplo gradeamento. Foi do corpo da igreja que falámos com as freiras que se encontravam nos claustros. Elas trouxeram-nos um tabuleiro de prata com ervilhas e açúcar, e galardoaram-nos com bonitas flores, tudo isto através das grades. Quando ouvi que as freiras vendiam flores eu quis pagar, mas a amável freira com quem falei, disse que eram ofertas e portanto não aceitava pagamento. No entanto, ela disse que se eu quisesse comprar, ela podia mandar mais coisas por intermédio do capitão Laurentzo, no dia seguinte. No dia seguinte, recebi, vindo do convento, um presente consistindo de oito laranjas grandes que tinham crescido num cacho como se fossem uvas. Quer as folhas quer os pezinhos das laranjas vinham prateados. Mandaram também flores, ramos de flores, coroas de flores, grinaldas em arranjos conventuais lindos, que de acordo com o recibo, custaram 4000 Reis, que eu tive de pagar.

  • 33 Coloca-se aqui a questão de como se terá processado esta comunicação. Terá sido feita por via do já (...)

Por todos os países, as freiras têm uma maneira de falar que é sempre branda e cativante. Poucas senhoras da minha convivência, algumas mesmo apesar de prolongada convivência, jamais usaram linguagem de tanta ternura, ou confidenciaram em mim, como estas freiras fizeram logo aos primeiros contactos.33 No entanto, elas inquiriram com a pergunta: O Senhor é Cristão? E quando ouviram a resposta: Sim, Senhora, sou cristão, as freiras atuaram como se quisessem entregar-se a um irmão em Cristo. A santa ignorância que mostravam, assim como a sinceridade das suas palavras.

No sábado, a maior parte das freiras tomou a comunhão quando o padre celebrante distribuiu a comunhão através dum postigo nas grades que separam a igreja dos claustros.

No dia 24 de março, sendo Quinta-Feira Santa, fiquei todo o dia no convento para ver as preparações para a celebração da Páscoa, que este ano ocorre a 27. Quer a parte espiritual quer a parte profana aguardavam o fim do período de jejum que se aproximava. Chegavam ao convento patos, frangos, perus, gansos, ovos, cordeiros, etc.

  • 34 Parágrafo com a descrição da procissão e práticas do Sábado de Páscoa.

[...]34

Na manhã do domingo de Páscoa fui ao convento da Glória, um convento de freiras com uma linda igreja, separada do convento por uma grade de ferro dupla idêntica à que vi no convento de São João. A missa foi cantada por três padres com vozes baixo profundo ao que as freiras com um pio muito fino respondiam: Ámen. As freiras usavam umas capinhas brancas e coletes brancas com placa de prata no peito, sobre um tipo de hábito castanho e na cabeça um véu de três bicos.

Daqui, fui à igreja Santa Mãe (Matriz) para ver a procissão que hoje deve sair de lá. A seguir à missa a procissão saiu da igreja na seguinte ordem: primeiro seis pessoas levando estandartes vermelhos e amarelos, a seguir iam 16 ou 20 dos mais distintos cidadãos, os guardiões cobertos com mantas vermelhas levando nas mãos velas de dois cúbitos de comprimento, seguidos por uma grande cruz em prata em frente dos padres, que vinham paramentados de batina preta e sobrepeliz de linho branco. A seguir duas pessoas, cada uma levando uma lanterna iluminada e ao meio deles um homem levando o turíbulo. Depois deles seguia uma cruz de prata levada à frente de três padres dois dos quais iam com casulas e o terceiro que ia no meio dos dois tendo sobre os ombros um luxuoso umeral ricamente bordado. Este levava a custódia de prata em forma de Sol. Estes três padres iam debaixo do pálio levado por seis pessoas com opas vermelhas. Atrás destes, viam-se outros 20 vestidos de preto, cada um levando na mão um longo cajado dourado.

A seguir dois outros que com paus mantinham o público à distância e por fim pessoas levando os chapéus nas mãos, eu sendo um deles. Toda a gente se ajoelhou ao ver passar a procissão. Desta maneira percorremos as ruas à semelhança de Maria Madalena e Maria Jacobi que andaram à procura do corpo de Cristo assim como os dois homens a caminho de Emaús quando o Salvador veio entre eles e lhes explicou as escrituras.

28Há ainda dois últimos parágrafos, o primeiro com uma nota breve sobre a ilha e as «pessoas delicadas» que nela habitam, o segundo sobre o porto e os produtos que adquiriram para a continuação da viagem.

29 Apesar da particularidade de esta passagem ter ocorrido por altura da Páscoa, de cujas cerimónias se ocupa uma parte da narrativa, os espaços religiosos preenchem a maior parte do texto, sendo os únicos descritos em detalhe (não refere visitas a casas particulares, a passeios ou outras quaisquer actividades). O restante, no início e no final, contém apenas uma rápida impressão sobre a vila e algumas informações sobre o porto e questões logísticas da viagem. Mesmo as igrejas que não visitou são alvo de referência, identificando-as e deixando transparecer a ideia de que seria expectável tê-las também visitado. As igrejas dos conventos femininos são, tal como na viagem do capitão Cook, alvo de atenção especial, com descrição das suas comunidades e, no caso de São João, dos contactos que têm com as freiras, a forma como são recebidos, as impressões que ficam delas e dos seus comportamentos, assim como os produtos que têm para oferta e venda aos visitantes.

30Também em época de celebrações religiosas, no caso pelo Natal, dá-se a visita do dominicano Frei Bonifácio António de Jesus, capelão de um navio de que era proprietário o negociante picoense José Nunes da Silveira e que parou na Horta durante dez dias, em Dezembro de 1792. O seu curto relato inicia-se com a referência ao acolhimento que tiveram por razão do «Senhorio do Navio» ser «filho desta Ilha», passando por uma breve alusão à ilha e depois entrando na vila:

  • 35 Neto, 2013, 159-164, cit. 162.

A Vila Principal chama-se Vila de Horta, bem situada, boa perspetiva do mar, muito agradável. Tem bons templos, bem ornado(s), e com especialidade a Igreja da Conceição; tem três conventos de Religiosos que são: S. Francisco, com 60 e tantos (religiosos), Carmo Calçado com 12, Capuchos com 12. Fui aos primeiros dois. Em S. Francisco me receberam com muita amabilidade. No Carmo, não vi um só religioso, e me disseram que (es)tavam fora de casa. Tem mais dois conventos de Religiosas, um de S. Francisco, a que chamam convento de S. João. Este tem 97 religiosas. Eu as visitei e me mandaram subir ao Púlpito da sua Igreja, a fim de ver o grandioso coro, que tem. Dei-lhes, por peditório das mesmas religiosas um relógio aos dois Patriarcas, do que elas ficaram satisfeitas, e [mais] abaixo, ao depois de me obsequiar(a)m com toque de órgão e cravo, ao seu Capítulo aonde me deram muitos vivas, de satisfação; são estas religiosas muito agradáveis, porém o seu convento é um tanto largo pelas janelas que tem para a Rua, de cujas falam com quem passa nela. O outro Convento é da Conceição, que chamam da Glória. Tem 40 religiosas. Este é mais observante do Culto Divino, mais recolhidas e não padecem nota de falarem pelas janelas. Estas, algum tanto já velhas, por causa de não aceitarem (há) 40 anos Religiosas. Fui a esta vila 3 vezes e me hospedaram em casa de Manuel Francisco Goulart [primo] do Senhorio do Navio, sendo que todos os principais me obsequiaram com a oferta do seu domicílio. Toda a noite de Natal visitei as Igrejas e a melhor parte aonde vi com mais perfeição o Canto foi nas Religiosas de S. João, e na Matriz. Estivemos neste porto 9 dias.35

31Termina com a saída e breve nota sobre as ilhas que avistaram no regresso.

32Como se vê, o testemunho centra-se nas igrejas e conventos, mais uma vez visitando as freiras. Os comentários, contidos, mas presentes, sobre o convento onde as freiras «falam com quem passa» na rua e o outro «mais observante do Culto Divino» são naturais a um religioso, tal como a dimensão de cada comunidade, mas há uma informação interessante, que difere da maioria dos relatos. O visitante regista os «obséquios» dos locais, em particular os maiores da terra, que inclusive lhe oferecem estadia, sem, no entanto, entrar em detalhes sobre as três noites passadas em terra. O certo é que Frei Bonifácio tem a particularidade de, além de ser um capelão, sê-lo do navio de um importante homem de negócios local, algo que o próprio identifica como factor determinante para o tratamento especial que receberá, que não seria o mesmo prestado ao comum dos visitantes.

33A partir do século XIX existe uma quantidade considerável de relatos de visitantes, muitos extensos e bastante detalhados. Ao contrário da maioria dos anteriores, que traçam descrições genéricas da ilha e da vila, estes são mais próximos dos textos de George Forster e de Hornstedt, descrevendo em detalhe as experiências tidas pelos viajantes durante a sua visita. Este período corresponde ao final do Antigo Regime e do sistema conventual até aqui observado, e os conventos, que continuarão e ser referenciados ao longo do século e mesmo depois, são cada vez mais mencionados por causa das visitas feitas às freiras, prática que, no caso do convento da Glória, se manterá até muito tardiamente.

34Logo no início do século, entre finais de 1800 e princípios de 1801, Jean Gustave Hebbe visita a ilha, escrevendo uma longa crónica que será depois incluída na obra Description des Îles Açores (Estocolmo, 1802). Este é um relato excêntrico em relação à maioria, com características próprias de um texto intencional que pretendia dar a conhecer o espaço, não sendo uma simples impressão de um visitante ocasional. Entre descrições detalhadas da cultura material, das práticas sociais e do comércio com o exterior, há alguns excertos sobre a presença das comunidades conventuais:

  • 36 Note-se que não existam conventos femininos na ilha do Pico, apenas dois masculinos de franciscanos

O Faial tem dois conventos femininos os quais, segundo me disseram, encerram quinhentas religiosas. O Pico também contribui para este grande número.36 Estas instituições destinadas a dar guarida às filhas da miséria e da sedução, são necessárias numa ilha onde nasce um reduzido número de homens, dos quais vários adoptam a vida eclesiástica ou emigram e os que se casam não podem, segundo a religião e as leis do país, casar senão com uma mulher. As jovens que não se casam, raramente encontram uma oportunidade de sair da terra. O seu voto de castidade perpétua não causa grande transtorno ao Estado, mas para evitar a licenciosidade sob este clima escaldante, nestes mosteiros é preciso uma vigilância apertada e paredes bem altas. Durante a minha estadia no Faial apenas um voto foi prestado. A jovem inocente, educada na clausura, separou-se, sem derramar uma lágrima, do mundo que não conhecia. A sua face permaneceu imperturbável no meio da cerimónia em que algumas partes eram comoventes e outras ridículas.

Frequentei pouco os monges do Faial para poder julgar do seu saber e dos seus costumes. Observei com agrado a sua pobreza e a prática da caridade para com os pobres; os seus actos públicos inspiraram-me estima, todavia não me afoitei a ver para lá das aparências. Os padres do Faial possuem, em matemáticas, literatura, história, geografia e nas línguas vivas, conhecimentos que honrariam os eclesiásticos das capitais europeias. Nos contactos com os particulares mostravam um espírito culto de uma maneira digna de elogios. Para lá da instrução pública a que se entregam com grande zelo, também têm a seu cargo a educação dos filhos dos ricos. Por falta de professores competentes, ensinam-lhes desenho, dança e sobretudo o canto e a música, artes recreativas cultivadas com desvelo no Faial pelas pessoas de todas as classes. Como mestres dos jovens crêem ter, com anuência dos pais, direitos que eles justificam pela delicadeza do trato e boas maneiras.

  • 37 HIF, I, 180-181.

[...] As igrejas da vila e das freguesias são construídas em pedra trabalhada. O interior é despido de magnificência, com pinturas de qualidade inferior, retábulos cheios de figuras, representações de milagres, mas nenhuma estátua ou monumento dos defensores ou benfeitores do país chamam a atenção do povo ignorante. As igrejas possuem provavelmente grandes tesouros em prata. De resto será difícil, mesmo em países protestantes, encontrar povo tão tolerante como o do Faial.37

35Hebbe debruça-se sobre o papel dos frades na educação e na assistência, mas percebe-se que a atenção principal vai para os conventos femininos, que visita, inclusive assistindo aos votos de uma noviça. Do excerto citado, todas as referências a conventos e igrejas paroquiais relacionam-se com o papel da religião na sociedade local, a qual é descrita e analisada pelo autor nas suas várias vertentes. Um outro excerto, anterior, é também interessante para a nossa análise:

  • 38 Idem, 177.

A vila, que se chama vila da Horta, está bem ordenada. Desenvolve-se em anfiteatro por uma colina de declive suave, numa extensão de uma milha e um quarto. Os edifícios públicos principais são os conventos, as igrejas e o extinto colégio dos jesuítas que é amplo e bem situado. Não existem praças nem mercados e, por assim dizer, só existe uma rua que se prolonga a todo o seu comprimento e que é atravessada por pequenos arruamentos irregulares e mal pavimentados. [...]38

36Como se percebe, trata-se da secção dedicada à descrição da vila, abrindo com os «edifícios públicos principais» – «os conventos, as igrejas e o extinto colégio dos jesuítas» – sem referir depois quaisquer outros, a não ser as casas particulares, cujas construções e recheios ocuparão o parágrafo seguinte. Vemos assim que, mesmo num caso de análise e descrição com pretensão de pormenor, as casas conventuais e as igrejas são os elementos mais notáveis do conjunto urbano, tal como o papel das comunidades e da religião em geral são fundamentais para compreender a sociedade (como vimos na passagem anterior).

Desenhos, gravuras e mapas

37 Até aqui observámos os testemunhos escritos sobre a vila, mas também existem alguns documentos cartográficos e iconográficos, cujos conteúdos poderão ser interessantes ter em conta. Deixamos assim alguns comentários às imagens que se conhecem da vila da Horta, as quais de algum modo se relacionam com os vários géneros de textos que reproduzimos.

  • 39 Reproduzida em: HIF, II, 54.

38 A gravura mais antiga que se conhece está ligada ao já citado relato de Edward Wright, a respeito do ataque inglês de 1589.39 Trata-se de uma vista de pássaro sobre a urbe, anotando os locais onde se deram os desembarques e os confrontos com a defesa local e tendo ao centro, em destaque, uma cartela com um plano de pormenor do castelo de Santa Cruz, o forte da vila. Para além da sua assumida função de registo de um episódio bélico, se atendermos aos detalhes desenhados percebemos que o traçado das ruas e das construções não é meramente ilustrativo, reproduzindo com razoável rigor a estrutura urbana, as zonas construídas e as principais edificações. A maior atenção, como referido, é dada ao forte, parecendo o restante um emaranhado quase contínuo de casas, mas, se olharmos com cuidado, conseguimos observar as duas torres da igreja da Misericórdia, discretamente escondidas no meio do casario, parte de uma construção que aparenta ser a igreja da Conceição (já no limite do desenho) e, muito bem identificada, a igreja Matriz, no alto da vila, o único edifício além do forte que merece um claro destaque. Como termo de comparação, note-se que as casas do capitão, que surgem representadas, têm a dimensão das restantes e não possuem qualquer sinal particular que as distinga. Além das igrejas referidas, há duas construções que poderão bem ser a igreja de São João e a ermida de Santiago (junto das casas do capitão), mas em ambos os casos, dadas as dimensões reduzidas, não se consegue perceber se pretendem ter uma cruz que as identifique ou não (no caso dos franciscanos há edifícios no local onde sabemos estar o convento neste período, mas aparentam ser casas indistintas das restantes).

  • 40 Idem, 55.

39Pouco depois, em 1597, um levantamento para fins militares, hoje conservado no Arquivo de Simancas, traça um mapa da vila (em jeito de vista aérea).40 É uma representação mais pobre em conteúdos, na qual o foco é colocado no sistema defensivo, vendo-se o forte de Santa Cruz, as muralhas da baía de Porto Pim e uma construção no topo do Monte Queimado, onde são bem visíveis três canhões. Apenas nessa área, entre Porto Pim e Santa Cruz, são desenhadas algumas ruas, sendo o centro da vila, a Norte, apresentado simplesmente como um amontoado de construções, sem qualquer ordem nem desenho dos arruamentos. Mesmo assim, conseguem-se identificar duas igrejas claramente assinaladas. Num caso uma casa com uma cruz na fachada, que pela localização será provavelmente São Francisco, no outro uma construção com direito a cruz e torre, em destaque, que corresponderá à Matriz (aliás, com uma configuração semelhante à representada no mapa de Wright).

  • 41 Existe apenas cartografia, alguma da qual reproduz um plano de pormenor da vila da Horta, mas repre (...)

40Para o século XVII e a maioria do seguinte não se conhece qualquer iconografia para este espaço.41 Só a partir das últimas décadas do século XVIII surgem algumas representações, num período onde existia grande frequência de embarcações no porto e, com isso, necessidade de este ser conhecido pelos navegadores.

  • 42 Derrota que fez João Nicolau Schmerkell, capitão de mar e guerra das naus da armada realde que é ca (...)

41Em 1771 um desenho colorido traça o perfil da baía, preenchendo o espaço urbano com uma mescla de construções intercaladas com vastas parcelas de campo e árvores.42 Sendo uma representação simbólica, focada nas características e posição dos ancoradouros, o destaque é dado para as duas baías da vila e, ao centro da principal, o forte de Santa Cruz, com uma grande bandeira nacional. Olhando para o casario, vemos que é ponteado cá e lá com igrejas e construções conventuais, cada uma apresentada com destaque próprio. Conseguem identificar-se com exactidão o convento de São Francisco, o colégio dos Jesuítas, o convento de Santo António e a igreja da Conceição. No topo, por cima do colégio, vê-se uma construção que foi desenhada e depois rasurada, aparentando ser o Carmo. Além destes, surge também representada a igreja de Nossa Senhora da Graça, na vizinha freguesia da Praia do Almoxarife (a Norte), e uma pequena edificação encimada por uma cruz no extremo Sul, no topo de um monte erradamente desenhado, que provavelmente pretende ser a ermida da Guia.

Figura 2 – Alexander Dalrymple, Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico (pormenor)

Figura 2 – Alexander Dalrymple, Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico (pormenor)

Londres, William Harrison Senior, 1782. Paris, Bibliothèque nationale de France, département Cartes et plans, GE DD-2987 (8493)

BnF (em domínio público)43

  • 44 É admissível que a gravura impressa fosse baseada num desenho bastante anterior, como era prática e (...)

42Uma representação bastante mais cuidada é publicada em 1782 (Fig. 2). Esta gravura, não sendo uma reprodução exacta, como serão as litografias produzidas a partir de meados de Oitocentos, aproxima-se mais destas que das outras que aqui apresentamos, pois há claramente uma preocupação com o detalhe, registando-se, por exemplo, bandeiras, fachos e as portas existentes na muralha (que não aparecem em mais nenhuma das outras representações). Uma parte das edificações religiosas também são contempladas, algumas surgindo pela primeira vez desenhadas com um pormenor que nos permite reconhecer ainda hoje as suas fachadas. Começando pelo lado Sul (à esquerda na imagem), a ermida de N. S. da Guia, no topo do monte com a mesma evocação, é identificada pela cruz que a encima. No local da igreja das Angústias há outra cruz, sobreposta ao que parece ser uma porta na muralha, mas a posição da igreja (quase ao nível do mar) e a dimensão do detalhe não permitem afirmar com certeza que a cruz seja intencional. Passando o castelo de Santa Cruz surge o convento de S. Francisco, com a casa conventual e a igreja com a sua torre do lado esquerdo. Mais ao lado, representados em detalhe, o colégio dos Jesuítas e, acima, o convento do Carmo, em ambos com os vários níveis e vãos da fachada da igreja, incluindo frontões e coruchéus das torres, assim como os edifícios anexos, faltando apenas no Carmo, tal como em S. Francisco, as contíguas capelas dos Terceiros, que já existiam por esta altura.44 A igreja da Conceição, de perfil, é reconhecível pela sua fisionomia, com duas torres. Além destas, existe uma edificação de vulto no local do convento de Santo António, mas sem qualquer identificador específico. O mesmo acontece com a ermida do Pilar, afastada do casario, tal como Santo António. A par das muralhas, os edifícios religiosos são os únicos representados em pormenor, com destaque para os conventos principais (note-se que a Matriz, em local evidenciado no perfil urbano, não surge no desenho).

  • 45 William Heather, A new chart of the Azores or Western Isles, 1803, in HIF, II, 122-123.

43 Na mesma publicação, que reúne representações da vila de diversas proveniências, há um outro desenho semelhante, menos pormenorizado (Fig. 1), que aparenta ser uma versão simplificada do descrito no parágrafo anterior. Notamos a sua existência pois, desconhecendo-se também a sua origem, vemo-lo reproduzido noutro mapa posterior, datado de 1803.45 Este último acrescenta-lhe algumas legendas, que permitem perceber mais uma vez quais os detalhes que são evidenciados na iconografia da vila. Logo no extremo Sul uma pequena legenda identifica o lugar de um «Castle» (provavelmente o forte de S. Sebastião), enquanto uma outra a «Stone Wall» ao longo da baía. No terceiro registo escrito, entre os montes da Guia e Queimado, lê-se «Notre Dame de la Guid», relativo à ermida no topo do primeiro, a qual, além de uma devoção particular dos navegantes, era já um marco na paisagem. No centro da vila, além da mencionada muralha, pontuada por pequenas fortificações, destacam-se do casario a igreja de São Francisco e, já afastadas dele e em destaque natural, as construções dos jesuítas e carmelitas, assim como o que aparentam ser Santo António e a ermida o Pilar (aplicando-se aqui a mesma dúvida colocada no caso anterior).

Figura 3 – Plan de la Rade de Fayal (pormenor)

Figura 3 – Plan de la Rade de Fayal (pormenor)

«Réduit d’um Plan Espagnol levé em 1788 par D.n Vicente Tofiño». Paris, au Dépot des Cartes, Plans et Journaux de la Marine, 1791. Colecção Horta Histórica.

  • 46 Don Vicente Tofiño de San Miguel, Plano de la rada de Fayal, una de las Islas Azores, 1788, in HIF, (...)
  • 47 Como a edição francesa que aqui se reproduz, pouco posterior, e uma inglesa datada de 1848, da qual (...)

44De 1788 data uma representação espanhola, com um mapa pouco detalhado da vila, colocando a atenção no perfil da baía e nas zonas de aproximação dos navios, denunciando a sua função de carta de apoio à navegação.46 Em torno da costa são identificados vários acidentes naturais a conhecer numa aproximação por mar, sendo o interior da urbe desenhado sem rigor, apenas com alguns locais bem identificados, alguns dos quais também acompanhados de legendas semelhantes às da costa. Assim, nos extremos da baía vemos o perfil dos fortes de Santa Cruz e do Bom Jesus, unidos pela muralha, semelhante à que se vê a contornar a baía de Porto Pim. Quanto às restantes construções, não é possível identificar nenhuma em particular a partir da sua configuração, mas as legendas situam a posição das mais importantes. Temos, do Norte para o Sul: a «Casa del Consul Español», a «Concepcion», «Santo Antonio», o «Convento del Carmen», o «Colegio de la Compañia» e «San Francisco». Ou seja, para além das construções militares e da casa do cônsul nacional, as únicas referências vão para as construções religiosas, em particular as conventuais, incluindo o então já extinto colégio jesuíta, cuja imponência dos edifícios continua a marcar o panorama visual hortense. Este mapa serviu de base a outras edições posteriores, publicadas em vários países (Figura 3).47

Conclusões

45 Sem qualquer pretensão de recolha exaustiva, procurámos citar os documentos principais que descrevessem a vila da Horta até aos primeiros anos do século XIX, num texto que pretendeu ser um exercício de reflexão em torno destas fontes, tentando de algum modo antologiar as referências aos espaços religiosos neles contidas, assim como captar a dimensão da sua presença, por si sós e no contexto de cada representação.

46 Com este exercício observámos os vários modos como as igrejas e espaços de vivência religiosa da vila da Horta foram sendo retratados ao longo do tempo, nas suas dimensões físicas e sociais. Podemos afirmar que estes espaços, de entre os quais sobressaem as casas conventuais, eram elementos estruturantes, não só da vila e da sociedade que a habitava, mas também (e sobretudo) da imagem transmitida por essa sociedade perante o exterior, confirmando assim a hipótese colocada inicialmente de que os conventos funcionam, em muitos casos, como uma espécie de unidade de medida, sendo a sua quantificação e qualificação um meio de registar a dimensão e importância da comunidade onde existiam.

Bibliographie

Fontes escritas

História da Ilha do Faial. Das origens a 1833 – Horta: Câmara Municipal. Vol. I: 2008; vol. II: 2010.

MARTINS, Helen (2014) – Cartas da Batávia – Uma viagem às Índias Orientais, 1782-1786. Tribuna das Ilhas. Horta. 17.4.2014, pp.8-9.

NETO, José Luís (2013) – As festas natalícias na Horta em 1792. O testemunho do Frei Bonifácio da Cruz, capelão da galera Flora. Atlântida. Angra do Heroísmo: Instituto Açoriano de Cultura, vol. LVIII, pp.159-164.

Fontes iconográficas

DALRYMPLE, Alexander (1782) [iconografia] – Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico. Londres: William Harrison Senior.

TOFIÑO, Vicente (1791) [iconografia] – Plan de la Rade de Fayal. Paris: Dépot des Cartes, Plans et Journaux de la Marine.

Bibliografia

FORJAZ Jorge; MENDES, António Ornelas (2009) – Genealogia das Quatro Ilhas. Faial. Pico. Flores. Corvo, 4 vols. Lisboa: DisLivro Histórica.

LIMA, Marcelino (2005) – Anais do Município da Horta. Horta: Câmara Municipal [1ª ed.: 1943].

LISBOA, Câmara Municipal (2013) – LxConventos: da Cidade Sacra à Cidade Laica. A extinção das ordens religiosas e as dinâmicas de transformação urbana na Lisboa do século XIX, projecto de investigação (PTDC/CPC-HAT/4703/2012), coordenado por Raquel Henriques da Silva, 2013-2015.

MACEDO, António Lourenço da Silveira (1981) – História das Quatro Ilhas que formam o Distrito da Horta, 3 vols. Angra do Heroísmo: DRAC [fac-simile da 1ª ed.: Horta, Typ. de Graça Jr., 1871].

MARADO, Catarina Almeida (2010) – «A cidade, os conventos e as suas hortas». In A cidade e os mundos rurais. Tavira e as sociedades agrárias. Tavira: Câmara Municipal, pp.104-115.

MARADO, Catarina Almeida (2012) – A formação do sistema conventual da cidade de Faro. Promontoria. Ano 10, nº 10, pp.43-54.

MONTEIRO, Maria Filomena Mourato (2011) – Sistema monástico-conventual e desenvolvimento urbano de Évora na baixa Idade Média. Coimbra: Universidade de Coimbra. Tese de Doutoramento.

Notes

1 Apud Macedo, 1981, I, 382-387, cit. p. 383. Transcrição original in BPARJJG, Câmara da Horta, Livros de Registo, lv. 2, fls. 180v.-186v. – “Auto da correição do corregedor Manuel Correia Borba”, 6.6.1621. Itálico nosso.

2 Lisboa, 2013 (vide, em particular, a base de dados criada sobre o mapa da cidade, onde é possível observar o desenho das cercas e consultar as fichas de cada convento: <http://lxconventos.cm-lisboa.pt/mapa/>). Também sobre a implantação dos espaços conventuais em cidades vejam-se, a título de exemplo: Marado, 2010; Monteiro, 2011; e Marado, 2012.

3 A Horta foi elevada a cidade em 1833, pelo que a referiremos doravante como vila, como o era na cronologia em estudo.

4 Doravante referenciada como HIF.

5 Seguimos essencialmente: Macedo, 1981, I; Idem, III, 15-42; e Lima, 2005, 239-292.

6 Edward Wright, “The voiage of the right honorable George erle of Cumberland to the Azores”, 1589, in HIF, I, 47-48.

7 “Jornadas das ilhas dos Açores”, 1583, in HIF, I, 42-45.

8 Gaspar Frutuoso, Saudades da Terra, c. 1590, in HIF, I, 49-67, cit. 56-57.

9 Sobre esta ermida primitiva seria mais tarde erguida a igreja das Angústias, aquando da criação da paróquia.

10 Seria aqui fundado, poucos anos depois, o convento do Carmo (convento de Nossa Senhora da Boa Nova).

11 Frei Diogo das Chagas, Espelho Cristalino em jardim de várias flores, posterior a 1640, in HIF, I, 74-85, cit. 76-77.

12 Frei Agostinho de Monte Alverne, Crónicas da Província de São João Evangelista das ilhas dos Açores, 1695, in HIF, I, 100-117, cit. 101.

13 António Cordeiro, História Insulana das ilhas a Portugal sujeitas no Oceano Ocidental, Lisboa, na Oficina de Antonio Pedrozo Galram, 1717, in HIF, I, 123-136.

14 Idem, 126.

15 BNP, Reservados, códice 306, in HIF, I, 137-140.

16 Esta ermida surge arrolada duas vezes, uma em cada freguesia, mas trata-se da mesma.

17 HIF, I, 138.

18 HIF, I, 145-146.

19 Disponível em <https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b8595836q> [consultado em 30 de outubro de 2019].

20 HIF, I, 121.

21 Paulo Teixeira, “Breve notícia da ilha do Faial e das coisas mais notáveis que em a dita ilha se acham”, in HIF, I, 147-149 (publicação original: Avelino de Freitas de Meneses, “Uma descrição do Faial em 1739: apresentação e comentário”, in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. 45, Angra do Heroísmo, IHIT, 1998, pp. 770-774).

22 Idem, 148-149.

23 Michel Adanson, Uma viagem ao Senegal, à ilha de Gorea e ao rio Gâmbia, in HIF, I, 151-154, cit. 152.

24 James Cook, Voyage dans l’Hémisphere Austral, et autor du Monde, Paris, 1778, in HIF, I, 165-166; e George Forster, A voyage round the World in his Britannic Majesty’s Sloop, Resolution, commanded by Capt. James Cook, Londres, 1777, in HIF, I, 155-164.

25 Deve referir-se às igrejas paroquiais, por oposição aos «conventos», que referirá logo a seguir.

26 Thomas Dent.

27 HIF, I, 155-157.

28 João Street de Arriaga, cujo apelido surge aportuguesado na documentação coeva como Estrite. Tinha duas irmãs freiras no convento de São João: Catarina Mariana Isidora e Francisca Rita Street. Cf. Forjaz et al., 2009, IV, 2659-2660 e 2663.

29 HIF, I, 163-164.

30 HORNSTEDT, Claës Frederik (2008) – Brev från Batavia – En resa til ostindien 1782-1786. Estocolmo: Svenska Litteratursällskapet i Finland; Helsingfors Bokforlaget Atlantis, 267-274. Excerto traduzido por Helen Martins e Francisca Wheeler, publicado in Martins, 2014.

31 Na verdade, até aqui já referiu todas as igrejas, com excepção das dos conventos femininos (que referirá a seguir), pelo que supomos que a alusão às «outras pequenas igrejas» se refira às ermidas.

32 Como se perceberá depois, trata-se do de São João.

33 Coloca-se aqui a questão de como se terá processado esta comunicação. Terá sido feita por via do já referido Thomas Dent, na altura também cônsul sueco? De facto, o cônsul recebeu-os no desembarque, no dia da chegada, mas depois não é mais mencionado.

34 Parágrafo com a descrição da procissão e práticas do Sábado de Páscoa.

35 Neto, 2013, 159-164, cit. 162.

36 Note-se que não existam conventos femininos na ilha do Pico, apenas dois masculinos de franciscanos.

37 HIF, I, 180-181.

38 Idem, 177.

39 Reproduzida em: HIF, II, 54.

40 Idem, 55.

41 Existe apenas cartografia, alguma da qual reproduz um plano de pormenor da vila da Horta, mas representando apenas o seu contorno marítimo e identificação das zonas de aproximação e ancoradouro, sem qualquer imagem da urbe (cf. HIF, II, 59-119).

42 Derrota que fez João Nicolau Schmerkell, capitão de mar e guerra das naus da armada realde que é capitão-general o senhor D. João, sendo comandante da fragata de sua majestade São João Baptista, no ano de 1771, in HIF, II, 90-93.

43 Disponível em <https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b8595836q> [consultado em 30 de outubro de 2019].

44 É admissível que a gravura impressa fosse baseada num desenho bastante anterior, como era prática e aconteceu, inclusive, com alguns dos casos apresentados. No entanto, até ao momento, não conseguimos localizar o original nem aferir a sua cronologia.

45 William Heather, A new chart of the Azores or Western Isles, 1803, in HIF, II, 122-123.

46 Don Vicente Tofiño de San Miguel, Plano de la rada de Fayal, una de las Islas Azores, 1788, in HIF, II, 98-99.

47 Como a edição francesa que aqui se reproduz, pouco posterior, e uma inglesa datada de 1848, da qual existe um exemplar nas colecções do Marinmuseum (Suécia), cota MM 21140.

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Alexander Dalrymple, Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico (pormenor)
Légende Londres, William Harrison Senior, 1782. Paris, Bibliothèque nationale de France, département Cartes et plans, GE DD-2987 (8493)
Crédits BnF (em domínio público)19
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10312/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 396k
Titre Figura 2 – Alexander Dalrymple, Plan of the channel thro the Azores between the islands Fayal and Pico (pormenor)
Légende Londres, William Harrison Senior, 1782. Paris, Bibliothèque nationale de France, département Cartes et plans, GE DD-2987 (8493)
Crédits BnF (em domínio público)43
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10312/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Figura 3 – Plan de la Rade de Fayal (pormenor)
Légende «Réduit d’um Plan Espagnol levé em 1788 par D.n Vicente Tofiño». Paris, au Dépot des Cartes, Plans et Journaux de la Marine, 1791. Colecção Horta Histórica.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10312/img-3.png
Fichier image/png, 318k

Auteur

CHAM, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search