Version classiqueVersion mobile

O Claustro e o Século

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
Olga Magalhães
, 
António Camões Gouveia

A memória do tempo nas instituições monástico-conventuais

Adaptabilidade e Identidade: o mosteiro de São Bento de Cástris no período 1957 - 2005

Patrícia Salomé Faustino, Sofia Aleixo et Antónia Fialho Conde

Résumé

Os mosteiros são entidades arquitetónicas que refletem na sua materialidade as adaptações a novos usos muitas vezes indispensáveis para a manutenção física destes lugares. Este é o caso do mosteiro de São Bento de Cástris, conjunto cisterciense do século XIII e classificado como Monumento Nacional (1922), na cidade de Évora. Após a extinção das Ordens Religiosas em 1834 e, principalmente, após a morte da última monja em 1890, o abandono e a falta de intervenções de conservação levaram a que o mosteiro se encontrasse em avançado estado de ruína na década de 1930. A tipologia arquitetónica do mosteiro, por conter espaço residenciais, reunia em si as condições para receber um novo uso com funções semelhantes, pelo que de 1957 a 2005 a instituição de acolhimento Casa Pia, mudou-se do centro da cidade de Évora para o mosteiro. As alterações espaciais implementadas pela Casa Pia transformaram e adaptaram o lugar, tendo impacto nos valores patrimoniais do mosteiro. No entanto, este período recente carece de estudo que dê a conhecer os valores atribuídos ao lugar pelos seus últimos utilizadores. Procura-se com este artigo contribuir para a salvaguarda deste conjunto monástico através do registo da memória dos seus últimos utilizadores efetivos por forma a contribuir para um melhor entendimento dos valores socioculturais do património arquitetónico dinâmico do Mosteiro de São Bento de Cástris.

arquitetura cisterciense, identidade, lugar, Mosteiro de São Bento de Cástris, património cultural, memória

Texte intégral

Introdução

1O mosteiro de São Bento de Cástris é parte integrante da identidade da cidade de Évora desde o século XIII (Conde, 1995), tendo sido classificado como Monumento Nacional em 1922 (Figura 1). Este mosteiro feminino constituiu primeira fundação cisterciense a sul do Tejo, e a segunda comunidade religiosa na cidade de Évora (Conde, 2009). Nos anos subsequentes à extinção das Ordens Religiosas em Portugal, e ao falecimento da última monja em 1890, este mosteiro acolheu usos distintos que levaram à sua adaptação e transformação, embora tenha sido parcialmente alterado, o que terá contribuído para que o edifício chegasse aos dias de hoje em condições razoáveis de conservação (Martins, 2011).

Figura 1 - Mosteiro de São Bento de Cástris, vista da entrada principal a partir do cruzeiro

Figura 1 - Mosteiro de São Bento de Cástris, vista da entrada principal a partir do cruzeiro

Faustino, 2015

2Durante o período em que o mosteiro foi arrendado à 8ª Região Agronómica de Évora (1900-1930), foram feitas alterações substanciais ao edificado, das quais se destacam a abertura de vãos no alçado nascente, necessárias para o acesso das alfaias agrícolas (Figura 2). Verificou-se ainda que a parte do edifício que não se encontrava arrendada se deteriorou com maior rapidez (Caeiro, 2008). Assim, e tendo em conta os danos ao nível das coberturas, pavimentos e a completa ruína da ala poente, como observado no final dos anos 30, pode constatar-se que nem todo o uso será sinónimo de continuidade (Tomé, 2003). Entre 1930 e 1957, o mosteiro observou um período em que se encontrou desabitado e sem uso, o que terá contribuído para a degradação física deste conjunto. A utilização dos espaços edificados, quando adequada, permite a sua continuidade (Cabral, 2011; Martins, 2011; Lopes & Correia, 2014).

Figura 2 - Alçado nascente: abertura dos vãos para permitir a entrada das alfaias agrícolas (1949)

Figura 2 - Alçado nascente: abertura dos vãos para permitir a entrada das alfaias agrícolas (1949)

Fonte: SIPA - FOTO.00158738

  • 1 Convento de São Bento de Cástris - Doc – 005/092-4970/02.

3No entanto, a utilização do antigo mosteiro pela Casa Pia a partir de 1957, deu origem a intervenções a cargo da extinta Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) na qual se identificaram a estrutura original e a sua evolução. As intervenções de conservação e adaptação compreenderam: a reconstrução das coberturas e das estruturas em madeira que se encontravam parcialmente destruídas1; algumas demolições de zonas mais degradadas para a criação dos novos espaços; a construção e adaptação de espaços para serem utilizados como salas de aula no segundo piso, bem como a construção de infraestruturas de canalização, esgotos e abastecimento de águas (Martins, 2011).

4A dissertação de mestrado intitulada «O Mosteiro de São Bento de Cástris: Memória e Identidade», realizada no contexto do Mestrado Integrado em Arquitetura da Universidade de Évora (Faustino, 2016) explora precisamente o período entre 1957 a 2005, durante o uso do mosteiro de São Bento de Cástris como instituição de acolhimento Casa Pia. O registo das memórias recentes, associadas ao último período de utilização contínua foi considerado um dado fundamental para compreender a evolução dos valores do lugar e, desta forma, da identidade material e imaterial do mosteiro, enquanto estrutura arquitetónica.

Enquadramento conceptual

5Esta investigação considerou as Cartas, Declarações e Convenções de Salvaguarda do Património, emitidas pela UNESCO, ICOMOS e Conselho da Europa, na definição do enquadramento conceptual que está na base desta investigação. Nesta abordagem importa compreender o que é o património cultural (material e imaterial) e como se relaciona com os conceitos de identidade e autenticidade. Destaca-se a Convenção-Quadro de Faro (CoE, 2005), que estabelece os parâmetros que constituem o património cultural e argumenta sobre a importância do papel das pessoas na salvaguarda dos bens patrimoniais. Do património cultural fazem parte, entre outros valores, os monumentos, as obras de arte (património móvel), património integrado (como a talha ou os azulejos), os testemunhos significativos da cultura humana, incluindo naturalmente o património imaterial e, como se lê no artigo 2.º, alínea a da Convenção-Quadro de Faro (2005):

O património cultural constitui um conjunto de recursos herdados do passado que as pessoas identificam, independentemente do regime de propriedade dos bens, como um reflexo e expressão dos seus valores, crenças, saberes e tradições em permanente evolução. Inclui todos os aspetos do meio ambiente resultantes da interação entre as pessoas e os lugares através do tempo.

6O conceito de património cultural, tem patente uma ideia de tempo passado, sendo essa uma das condicionantes que confere valor patrimonial, seja este património material ou imaterial (Cabral, 2011).

Figura 3 - Património Cultural – Diagrama conceptual

Figura 3 - Património Cultural – Diagrama conceptual

Faustino, 2016

7O estudo do património cultural – ou seja, «todos os aspetos do meio ambiente resultantes da interação entre as pessoas e os lugares através do tempo» (art. 2º a - CoE, 2005) –, do qual fazem parte valores materiais e imateriais (ICOMOS, 2011), será fundamental para compreender os lugares, a sua integridade, autenticidade e identidade (UNESCO, 2000) (Figura 3). O património imaterial, à semelhança do património material, permite às comunidades um sentimento de identidade e de continuidade, que contribui para a preservação cultural do património (Cabral, 2011). A participação da comunidade na preservação e salvaguarda do património cultural é fundamental, com o objetivo de proteger a identidade dos lugares sem, contudo, impedir o seu desenvolvimento (ICOMOS, 2011; Lopes & Correia, 2014, p. 493).

8As diretrizes presentes nos documentos doutrinários referidos para a salvaguarda do património refletem a evolução dos conceitos e a necessidade de adaptação ao pensamento contemporâneo, bem como às novas perspetivas do papel do património na nossa sociedade (Lopes & Correia, 2014; Choay, 2011). No entanto, o património não deve ser considerado como um objeto isolado, porque dele faz parte o lugar em que se insere. Para a correta definição de critérios de salvaguarda, deve ter-se em conta um conjunto das diretrizes e sobretudo atender à contemporaneidade e avaliar de forma crítica as propostas de conservação ou restauro. Quando for possível atribuir um novo uso ao património, não alterando a sua autenticidade e identidade, deverá o lugar ser adaptado a esse uso, de uma forma atual, servindo os propósitos da sua nova função. A nova função deve ser pensada de acordo com o lugar e com a sua identidade, por forma a garantir a continuidade, preservando o património material e imaterial.

Novos usos

9Memória e identidade são conceitos indissociáveis do património arquitetónico, sensíveis ao passar do tempo e diretamente relacionados com os seus valores culturais materiais e imateriais (Choay, 2010). No caso do mosteiro de São Bento de Cástris, o património material está bem registado e estudado (Conde, 1995, 2009; Martins, 2011), contribuindo para a sua continuidade e salvaguarda. De acordo com Conde (1995; 2009) e Martins (2011), a identidade arquitetónica deste lugar reside nas suas características materiais e espaciais que subsistem do período original da construção cisterciense até aos dias de hoje.

10O mosteiro de São Bento de Cástris, durante o período cisterciense, organizava-se em três momentos distintos de clausura, sendo eles a sua área exterior (cercas maior e menor das monjas), o espaço do mosteiro e a igreja. O mosteiro era composto por: igreja, refeitório, claustro, sala do capítulo, dormitórios, zonas de contacto com o exterior (mirante, porta, roda e grade). A cada um dos espaços enunciados corresponde uma função (comer, dormir, cuidar, etc.), que caracteriza o uso do espaço durante o período religioso (1275-1890). Das características arquitetónicas materiais e espaciais originais que fazem parte da sua identidade atual destacamos: as cercas, o claustro, a Igreja, a sala nova do capítulo e o refeitório, sobretudo na ala este, norte e sul do mosteiro, bem como o seu património integrado (como azulejos, talha e frescos).

11Mas se a materialidade é identificável pela presença in situ, as memórias e utilizações dos espaços requerem outras formas de registo que as descrevam. O registo da memória recente, através de entrevistas aos últimos utilizadores do mosteiro de São Bento de Cástris e da elaboração de peças gráficas onde a mesma se identifique, possibilitará uma melhor compreensão do lugar e da sua identidade. Com base no mapeamento dos resultados será possível entender os usos e funções que se mantiveram ou se alteraram durante o seu uso enquanto Casa Pia, tendo como base de comparação o uso original enquanto mosteiro cisterciense, com recurso a investigações já efetuadas (Conde, 1995; 2009).

Figura 4 - Cronologia dos usos e intervenções no mosteiro, desde a sua construção até ao ano de 2017

Figura 4 - Cronologia dos usos e intervenções no mosteiro, desde a sua construção até ao ano de 2017

Faustino, 2017

  • 2 Pasta Convento de São Bento de Cástris - IPA.00006511: SIPA. Doc – 005/092-4976/04.

12De acordo com a cronologia do lugar (Figura 4), após a extinção das ordens religiosas em 1834, o mosteiro termina o seu uso como casa religiosa em 1890, por altura da morte da última monja. Entre 1900 e 1930 o edifício fica afeto à experimentação agrária, período em que o conjunto arquitetónico sofre danos materiais e alterações na sua estrutura, sem qualquer ação de conservação (Conde, 1995; Caeiro, 2008). Na década de 30 do século XX iniciam-se as obras para recuperação do edifício com intervenções por parte Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais e em 1940 o edifício é entregue ao Governo Civil com a intenção de aí instalar um Asilo Agrícola Distrital. Em 1941 o edifício fica afeto à Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (Conde, 1995; Caeiro, 2008; Martins, 2011). Durante estes períodos realizaram-se diversos estudos para proceder a essa adaptação, tendo sido contemplada a possível adaptação a escola agrícola da Casa Pia, no ano de 1947 (Caeiro, 2008). Os projetos de alteração e conservação foram sendo desenvolvidos pelo arquiteto José da Cruz de Lima até ao início das obras, realizadas entre 1947 e 1949, e em 1950 determina-se que ali será instalada a Secção Masculina da Casa Pia de Évora. Ainda nesse ano é elaborado o estudo de adaptação do antigo mosteiro a instituição de acolhimento, pelo arquiteto Rui do Couto, que responde a um programa específico, elaborado pelo Provedor da Casa Pia de Lisboa2. Apesar das alterações necessárias para o novo uso, ao nível da estrutura espacial interna procurou conservar os espaços característicos do mosteiro, atribuindo-lhes usos similares no novo programa funcional da Casa Pia (construindo ou alterando pontualmente). O projeto respondeu a um extenso e faseado programa. A zona mais intervencionada foi a ala poente, que se encontrava em pior estado de conservação e na qual não restavam vestígios de épocas anteriores (Conde, 1995; Martins, 2011). No ano de 1957 a secção masculina da Casa Pia muda-se em definitivo para o mosteiro, deixando as instalações do Colégio do Espírito Santo (Gameiro, 2000), localizadas no centro da cidade de Évora.

Figuras 5 - Planta da ala este do mosteiro: pormenor de uma planta da época cisterciense, do que se julga ter sido a cozinha original (s/d, SIPA DES.00053714)

Figuras 5 - Planta da ala este do mosteiro: pormenor de uma planta da época cisterciense, do que se julga ter sido a cozinha original (s/d, SIPA DES.00053714)

Figuras 6 - Planta da ala este do mosteiro: pormenor da proposta para refeitório e cozinha da época da Casa Pia (s/d, SIPA DES.00053709).

Figuras 6 - Planta da ala este do mosteiro: pormenor da proposta para refeitório e cozinha da época da Casa Pia (s/d, SIPA DES.00053709).

13Na ala este seriam instaladas as cozinhas do mosteiro e mais tarde as cozinhas e refeitório da Casa Pia (Figura 5). Desta zona apenas se encontravam vestígios da estrutura primitiva à data das obras de adaptação e conservação. O novo programa procurou adaptar-se à estrutura pré-existente, respeitando os limites do espaço (Figura 5). Na planta da época da Casa Pia (Figura 6) é possível observar a sobreposição da nova proposta sobre a pré-existência. Apesar de existir uma diferença clara entre a espacialidade do mosteiro e a nova proposta, também por se ter construído um novo refeitório, o espaço da cozinha manteve a sua localização.

Figura 7 - Novo refeitório

Figura 7 - Novo refeitório

Faustino, 2015

14Esta última utilização do mosteiro, como Casa Pia, perdurou entre 1957 e 2005/2006, tendo deixado o mosteiro de ter uma ocupação permanente até aos dias de hoje. Desde 2009 sob tutela da Direção Regional da Cultura do Alentejo (DRCA), tem sido utilizado para eventos culturais, como por exemplo concertos, exposições e, desde 2013, acolhe o ciclo de conferências Residência Cisterciense.

15Entre 2010 e 2011 esteve em estudo a possibilidade de transferência do Museu da Música de Lisboa para este edifício, previsto no orçamento de Estado de 2011 (Freire, 2011), embora não se tenha concretizado. Foi objeto de investigação académica por parte de alguns Departamentos de Arquitetura, nomeadamente da Universidade de Évora (2014), da Oxford Brookes University (Oxford, Inglaterra, 2015) e da Universidade de Lisboa (2016), que o utilizaram como caso de estudo no sentido de identificar futuros usos e formas de intervenção para a sua salvaguarda. Dos mais recentes estudos destacamos a dissertação de mestrado em arquitetura (Santos, 2017), na qual foi feito um levantamento do estado de conservação do mosteiro, com o objetivo de corrigir e complementar levantamentos anteriores e compreender o estado do edifício em termos de conservação. Nesta investigação é ainda apresentada uma proposta de projeto de arquitetura para o espaço do mosteiro, com vista à instalação do programa Sphera Cástris.

  • 3 http://www.cultura-alentejo.pt/multimedia/File/PDF/Destaques/patrimonio/Sphera%20Castris%20-%20SINO (...)

16Desde 2015 que decorrem obras de requalificação no mosteiro, no âmbito do programa Sphera Cástris - Southwest Park for Heritage and Arts, um projeto da Direção Regional da Cultura do Alentejo (DRCA)3. Esta intervenção, que decorre de forma faseada, tem como principais objetivos dotar o edifício de condições para receber um centro dedicado à investigação artística e tecnológica, um lugar de inovação e sustentabilidade.

Mapear a memória

17Com o objetivo de compreender quais os valores associados ao mosteiro de São Bento de Cástris, pelos últimos utilizadores, foram realizadas, entre abril e junho de 2016, entrevistas a oito participantes que frequentaram o mosteiro no período entre 1957 a 2005. Para a realização desta investigação foi utilizado o método de análise qualitativo na elaboração das entrevistas. Na seleção dos participantes procurou-se abranger vários tipos de utilizadores (funcionários, professores) e alunos que, além da permanência no mosteiro de São Bento de Cástris, tivessem feito a transição do Colégio do Espírito Santo para o mosteiro, bem como alunos que estiveram no mosteiro em 2005 e foram posteriormente deslocados para as novas instalações da Casa Pia no Centro Histórico de Évora.

18Estas entrevistas têm como objetivo compreender como era usado o espaço do Mosteiro de São Bento de Cástris pelas pessoas da instituição da Casa Pia. Qual era a perceção dos espaços mais importantes do mosteiro e como avaliavam a sua situação atual. Mapear a memória do lugar, ou seja, transpor para desenho de plantas as descrições verbais dos participantes ajudar-nos-á a compreender quais as características identitárias do lugar e qual a estima afetiva dos seus últimos utilizadores por aquele lugar.

19Estabelecidos os conceitos a explorar (quotidiano e memória do lugar) e as dimensões (social, estatuto, experiência à data, espacial), criou-se um conjunto de questões de investigação orientadoras da entrevista e estabeleceu-se contacto com os possíveis entrevistados, através de contactos pessoais, do método bola de neve (snowball) (Guerra, 2006) e através de contactos nas páginas das redes sociais da Casa Pia.

20Considerando a representação gráfica das memórias atuais como o mapa da memória dos utentes, foi efetuada uma análise comparativa das três diferentes funções que ocorreram no espaço conventual: enquanto mosteiro cisterciense (1275-1890), como estação agrícola (1900-1930) e como instituição de acolhimento (1957-2005). Esta comparação permitiu identificar os espaços que mantiveram as suas funções e usos (a cinzento) e os espaços que as alteraram (a vermelho) (Figuras 8 e 9).

Figura 8 - Comparação dos modos de habitar em três épocas distintas: mosteiro cisterciense, estação agrícola e instituição de acolhimento

Figura 8 - Comparação dos modos de habitar em três épocas distintas: mosteiro cisterciense, estação agrícola e instituição de acolhimento

Faustino, 2016

Figura 9 - Modos de habitar: identificação dos locais do mosteiro e comparação dos usos (os que se mantiveram, alteraram ou são desconhecidos)

Figura 9 - Modos de habitar: identificação dos locais do mosteiro e comparação dos usos (os que se mantiveram, alteraram ou são desconhecidos)

Faustino, 2016

21De acordo com os entrevistados, alguns destes espaços mantiveram funções e usos, mas perderam algumas das suas características originais. Por exemplo, a igreja, que foi o espaço primordial do mosteiro durante a época cisterciense, embora tenha mantido a sua espacialidade, perdeu gradualmente a utilização durante o período da Casa Pia. O claustro, centro da vida monástica e então espaço ajardinado, manteve a espacialidade e o uso como local de passagem e espaço de introspeção. No entanto, durante a época da Casa Pia, foi utilizado como espaço de recreio, mantendo o seu carácter de introspeção, como refere um participante:

O claustro, e mais do que uma vez o usei, no fundo, para o que julgo que também eram os claustros. Para períodos de acalmia e reflexão e para sair silencioso. E eles também às vezes usavam assim ou em pequenos grupos. Acho que o claustro funcionava mesmo para isso e claro, também funcionava para correrem à volta, não é? Mas no meu caso, sim. Algumas vezes para, não vou dizer meditação, mas pelo menos para reflexão e pensar. Tentar às vezes arranjar soluções para alguns problemas que eu tinha, que eventualmente surgissem. O claustro eventualmente era isso. E claro, e também como local de passagem para ir de um espaço para outro, era inevitável. (participante 6).

22O primitivo refeitório foi o espaço cujo uso se perdeu por completo, face às exigências logísticas da instituição, por necessitarem de um espaço maior devido ao número de alunos. Assim, o refeitório foi desenhado como um novo espaço na ala poente do edifício (Figura 7). A sala nova do capítulo perdeu as suas funções e o carácter de silêncio, adquirindo utilização como sala de ténis de mesa e servindo ocasionalmente para eventos externos à instituição e relacionados com a cidade, como casamentos. Os dormitórios mantiveram a sua função, passando a designar-se como «camaratas»:

Aquilo tinha três camaratas. Era a camarata verde, a camarata castanha e a camarata branca. (…) eu não me querendo enganar acho que esta [apontamentos sobre a planta fornecida durante a entrevista] era a camarata castanha, que é a que dá para o exterior e depois esta era a verde. (Participante 1).

23As zonas associadas ao lazer no uso cisterciense perderam o seu propósito: por exemplo o mirante, designado no uso da Casa Pia como «casa dos pássaros», ficou destinado à administração e manteve o acesso aos sinos. De acordo com os testemunhos recolhidos, os espaços exteriores continuaram a fazer parte do quotidiano do lugar. Enquanto mosteiro cisterciense as cercas em torno do mosteiro eram espaços de lazer e cultivo, enquanto o pátio de entrada e as hortas se encontravam interditos às monjas (Conde, 1995; 2009). Durante a utilização por parte da instituição de acolhimento o pátio passou a ser um lugar de recreio e as hortas continuaram a ser cultivadas.

Os miúdos andavam por ali à vontade. Coisa que depois nós sentimos uma grande dificuldade quando nós saímos de São Bento de Cástris e viemos para baixo para o centro histórico. (…). Porque os miúdos precisavam de espaço e de poder agarrar numa bicicleta e circulavam ali a zona toda. (…) estávamos ali restritos ao… e aí as coisas modificaram-se também. Porque os miúdos estavam habituados a estar em espaços amplos e ali sentiram-se assim…(fechados). Eles andavam por ali como os passarinhos livres. (participante 5).

24Com a utilização por parte da Casa Pia alguns espaços ganharam um novo significado, uma nova identidade, verificando-se que as identidades correspondentes a épocas distintas coexistiam. Disto são exemplos: o claustro, local associado à introspeção na época cisterciense é um local de recreio com a instituição de acolhimento; as oficinas, que mantiveram a sua função, embora se produzissem produtos distintos por parte das monjas e das crianças da Casa Pia; e os dormitórios. Os usos dos espaços do mosteiro e a materialidade que os define e distingue, constituem memórias indissociáveis daquilo que é a identidade deste lugar. A espacialidade de alguns dos seus espaços, apesar do tempo e das alterações físicas a que foram sujeitos, permitem-nos criar uma imagem do lugar enquanto mosteiro, enquanto que os espaços cujos usos e espacialidade se alteraram nos transportam para um outro momento específico da sua história. A compreensão da relação entre espaço e relação mostra-se assim essencial no reconhecimento da tipologia original dos lugares.

25O uso do mosteiro de São Bento de Cástris como Casa Pia, entre 1957 e 2005, permitiu que o conjunto edificado chegasse em razoável estado de conservação aos dias de hoje. A utilização continuada do espaço e as adaptações que foram realizadas garantiram a manutenção de alguns dos espaços originais da tipologia cisterciense, evitando que o edifício se degradasse totalmente. No entanto, muitos dos seus valores materiais ter-se-ão perdido no início do século XX, devido à utilização inadequada, quer mais tarde como instituição de acolhimento Casa Pia.

26A contínua utilização dos seus espaços possibilitou a constituição de novas memórias coletivas do espaço. As alterações ao espaço físico do mosteiro, a mudança de usos e consequente transformação contribuíram para a identidade atual ao lugar do mosteiro de São Bento de Cástris. Preservar a memória coletiva e cultural dos lugares é, de acordo com o conhecimento atual, indispensável para que estes valores sejam transmitidos pelo que a sua ligação a valores materiais deverá ser considerada em qualquer intervenção física que se venha a propor.

27No caso do Mosteiro de São Bento de Cástris, a sua identidade arquitetónica original reside nas suas características materiais e espaciais que subsistem do período cisterciense e das adaptações das décadas de 30 a 50 do séc. XX. As funções e os usos também definem o espaço, estabelecendo um processo recíproco e de constante evolução. O conjunto de características arquitetónicas originais e identitárias do mosteiro subsistem em lugares como as suas cercas, no claustro, na igreja, na nova sala do capítulo e no refeitório original. A sua identidade atual está presente na sua materialidade e nos elementos construtivos que se mantêm desde a sua origem, na zona do claustro, na sala do capítulo, sobretudo na ala este, norte e sul do mosteiro. Também se conserva a sua identidade original no seu património integrado (como azulejos e frescos). Ao nível da forma, podemos distinguir espaços identitários que se mantêm como o claustro e também a igreja.

Conclusão

28A autenticidade do lugar de São Bento de Cástris manteve-se ao longo do tempo, ao contrário da integridade deste conjunto histórico. A integridade do conjunto foi alterada pelas adaptações aos novos usos e com recurso a técnicas e materiais de diferentes épocas, embora procurando respeitar a época atual e, sempre que possível, a construção original. A introdução de novos materiais no conjunto arquitetónico veio afetar a integridade do mosteiro, restando apenas alguns vestígios da época primitiva como mosteiro cisterciense. Sobre os usos do lugar, quando desadequados, podem ter efeitos negativos para o património. Quando o mosteiro foi utilizado como celeiro agrícola, o estado de conservação deteriorou-se. Apesar de ter sido reconstruído de acordo com os princípios defendidos então pela Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, a intervenção dos anos 30/50 do séc. XX revelou-se muito inadequada. As zonas intervencionadas neste período ainda hoje são claramente identificáveis, pois recorreram a linguagem arquitetónica distinta das construções de épocas anteriores.

29A memória é uma realidade que constrói aquilo que valorizamos como património, relevante para a identidade de um lugar. No Mosteiro de São Bento de Cástris o uso por parte da Casa Pia garantiu que este lugar mantivesse as suas memórias até aos dias de hoje. Este facto deverá ser considerado em intervenções futuras, devolvendo o lugar à cidade e à memória dos eborenses, dando a conhecer o passado recente do Mosteiro de São Bento, para que sobre ele se construam novas memórias que respeitem as memórias passadas.

30Não se pretende com esta investigação defender o retorno a algum dos usos anteriores ou apresentar uma proposta concreta para a salvaguarda ou adaptação do mosteiro. Procurou-se sim caracterizar a identidade do mosteiro cisterciense não como apenas entidade física, mas como um espaço com uma identidade social, e por isso, dinâmica. Será essa identidade que evolui e reflete determinado conjunto de valores que são atribuídos e atualizados em cada geração de utilizadores, em cada novo uso. A salvaguarda destas memórias, com base no registo do testemunho de quem viveu o lugar, pode contribuir para que o património material tenha um sentido, uma história, um passado que seja percetível. Poderá ainda contribuir para a manutenção da sua identidade em intervenções futuras.

Bibliographie

CABRAL, Clara Bertrand (2011) - Património Cultural Imaterial. Convenção da UNESCO e seus contextos. Lisboa: Edições 70.

CAEIRO, Elsa (2008) - Os Conventos do Termos de Évora. Contributos para a Hitória Urbana da Cidade de Évora. Sevilha: Universidade de Sevilha. Tese de Doutoramento.

CHOAY, F. (2010) - Alegoria do Património. Lisboa: Edições 70.

CoE - Convenção de Faro Lisboa: Direcção-Geral do Património Cultural, 2005, atual 2005. [Consult. 31 de outubro de 2019].

CONDE, Antónia Fialho (1995) - Mosteiro de São Bento de Cástris (Évora): Bases para uma proposta de valorização histórico-arquitectónica. Évora: Universidade de Évora. Dissertação de Mestrado.

CONDE, Antónia Fialho (2009) - Cister a Sul do Tejo: o mosteiro de S. Bento de Cástris e a Congregação Autónoma de Alcobaça (1567-1776). Lisboa: Colibri.

FAUSTINO, Patrícia Salomé. (2016) - O Mosteiro de São Bento de Cástris: Memória e Identidade. Évora: Universidade de Évora. Dissertação de Mestrado. [Consult. 19 de outubro de 2019].

FREIRE, Mariana Torres Vaz (2011) - Cultura, Património e Turismo: uma trilogia possível? Sons, silêncios e outros sentidos no Mosteiro de S. Bento de Cástris. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade de Lisboa. Dissertação de Mestrado. [Consult. 30 de outubro de 2019].

GAMEIRO, Maria Isabel (2000) - Recolher, Educar e Instruir. A Casa Pia de Évora (1836-1910). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa. Dissertação de Mestrado.

GUERRA, Isabel Carvalho (2006) - Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. São João do Estoril: Principia.

ICOMOS - Princípios de La Valeta para a salvaguarda e gestão das populações e áreas urbanas históricas. Lisboa: Direcção-Geral do Património Cultural, 2011, atual 2011. [Consult. 31 de outubro de 2019].

LOPES, Flávio, & Correia, Miguel (2014) - Património Cultural. Critérios e normas internacionais de protecção. Casal de Cambra: Caleidoscópio.

MARTINS, Ana Maria. (2011) - As Arquitecturas de Cister em Portugal. A actualidade das suas reabilitações e a sua inserção no território. Sevilha: Universidade de Sevilha. Tese de Doutoramento. [Consult. 30 de outubro de 2019].

SANTOS, Alexandra Cravo da Silva (2017) - Reabilitação do Convento de São Bento de Cástris. Programas públicos para o património arquitectónico. Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Arquitectura. Dissertação de Mestrado. [Consult. 30 de outubro 2019]

TOMÉ, Miguel Jorge. (2003) – «As intervenções dos "Monumentos Nacionais" nos Extintos Mosteiros de Arouca, Lorvão e S. Bento de Cástris». In Ciências e técnicas do património. Revista da Faculdade de Letras, I Série vol. 2 (p. 703-734). Porto.

Documentos de arquivo

Arquivo da Direção-Geral do Património e da Cultura, SIPA – Sistema de Informação para o Património Arquitetónico:

SIPA. Doc – 005/092-4976/04

SIPA. PT-DGEMN:DSARH-005/092-4977/08 – Extinto convento de S. Bento de Cástris

Notes

1 Convento de São Bento de Cástris - Doc – 005/092-4970/02.

2 Pasta Convento de São Bento de Cástris - IPA.00006511: SIPA. Doc – 005/092-4976/04.

3 http://www.cultura-alentejo.pt/multimedia/File/PDF/Destaques/patrimonio/Sphera%20Castris%20-%20SINOPSE.pdf (consultado a 30/10/2019).

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Mosteiro de São Bento de Cástris, vista da entrada principal a partir do cruzeiro
Crédits Faustino, 2015
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Figura 2 - Alçado nascente: abertura dos vãos para permitir a entrada das alfaias agrícolas (1949)
Crédits Fonte: SIPA - FOTO.00158738
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 480k
Titre Figura 3 - Património Cultural – Diagrama conceptual
Crédits Faustino, 2016
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Figura 4 - Cronologia dos usos e intervenções no mosteiro, desde a sua construção até ao ano de 2017
Crédits Faustino, 2017
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 308k
Titre Figuras 5 - Planta da ala este do mosteiro: pormenor de uma planta da época cisterciense, do que se julga ter sido a cozinha original (s/d, SIPA DES.00053714)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 496k
Titre Figuras 6 - Planta da ala este do mosteiro: pormenor da proposta para refeitório e cozinha da época da Casa Pia (s/d, SIPA DES.00053709).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 724k
Titre Figura 7 - Novo refeitório
Crédits Faustino, 2015
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figura 8 - Comparação dos modos de habitar em três épocas distintas: mosteiro cisterciense, estação agrícola e instituição de acolhimento
Crédits Faustino, 2016
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 544k
Titre Figura 9 - Modos de habitar: identificação dos locais do mosteiro e comparação dos usos (os que se mantiveram, alteraram ou são desconhecidos)
Crédits Faustino, 2016
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/10282/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 522k

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search