Version classiqueVersion mobile

COOPEDU IV — Cooperação e Educação de Qualidade

 | 
Clara Carvalho
, 
Maria Antónia Barreto
, 
Filipe Santos

1. Ensino Superior nos PALOP e a Cooperação Internacional

Experiência de Colaboração Docente no âmbito do Mestrado em Contabilidade com a Universidade Eduardo Mondlane – Moçambique, Maputo

Résumé

Decorreu, em 2018, a 1.ª edição do Mestrado em Contabilidade na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Maputo, Moçambique, com cerca de 40 estudantes. À procura da estabilidade política, o país e as suas instituições procuram novas formas de qualificação dos seus recursos humanos. A seleção dos estudantes foi rigorosa e o plano de estudos cuidadosamente preparado. As aulas funcionaram por módulos de 15 dias a 3 semanas, em horário pós-laboral. Sabendo que todos os estudantes tinham formação superior ao nível da licenciatura e que eram profissionais com responsabilidades em áreas relacionadas com a área científica do curso, os desafios eram acrescidos. Porém, ultrapassada a fase da preparação dos conteúdos, o primeiro estímulo veio da língua e dos conceitos: impondo-se a comunicação e a preocupação constante em que todos compreendessem a linguagem específica, ao mesmo tempo que os docentes oriundos de Portugal procuravam adaptar-se ao contexto cultural dentro e fora da sala de aula. Um contacto “rápido” de 3/4 horas em cada dia é muito pouco para a concretização da experiência. Juntam-se as externalidades: o local, a tecnologia, as ferramentas de comunicação e os processos de ensino-aprendizagem. Em conclusão, o ensino exige tempo e contacto e convivência. A distância só nos permite “falar”.

Texte intégral

AFINAL, O QUE CONTA PARA ENSINAR?

1O presente testemunho dá-se a partir da experiência de colaboração docente no âmbito da 1.ª edição do Mestrado em Contabilidade, que decorreu no ano lectivo de 2018, na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, Moçambique, com cerca de 40 estudantes.

2Numa primeira etapa, de enquadramento, foi decisiva a vontade de colaboração institucional na procura de experiências partilhadas: coconstrução do plano de estudos e implementação do plano curricular. A adaptação ao contexto sócio-legal e à realidade local e do país configuraram também passos importantes para esta primeira aproximação.

3Num momento em que é fundamental afirmar a estabilidade política, o país e as suas instituições procuram posicionar-se contribuindo com novas formas de qualificação dos seus recursos humanos. Com esta razão de fundo, os objectivos foram pensados não apenas no estreito campo curricular, com fins educativos, mas também económicos, políticos e sociais. Uma sociedade mais qualificada será sempre uma sociedade mais desenvolvida.

4Se, no âmbito do desenho da colaboração e da vontade institucional, a arquitectura do curso e da leccionação se nos afiguram mais simples, a engenharia da construção e da concretização exige a contabilidade de muitos outros factores.

5Comecemos pelos do contexto: os horários sociais e culturais próprios dos ritmos de vida e a urgência de um rápido ajustamento; os tempos e condições de viagem (exigências de consultas de saúde, medicina e medicação); a meteorologia e o clima (o dia começa “cedo”); a estadia, que chama a si os assuntos da segurança, da mobilidade e da alimentação; o regresso e a passagem pela área de fronteira do aeroporto, são alguns desses muitos factores a ponderar.

6O mestrado foi leccionado em regime pós-laboral. As aulas funcionaram por módulos de 15 dias a 3 semanas, em horário pós-laboral.

7A seleção dos estudantes, da responsabilidade da UEM, foi rigorosa, num longo processo de preparação para a primeira edição do curso; o plano de estudos foi igualmente cuidadosamente preparado pela UEM, incluindo fichas curriculares com objectivos, programa e bibliografia base.

8Porque todos os estudantes têm formação superior ao nível da licenciatura e que a quase totalidade são profissionais com responsabilidades em áreas relacionadas com a área científica do curso, os desafios são acrescidos. Por isso, mais que a articulação dos conteúdos programáticos e das metodologias de avaliação, importa relevar um segundo conjunto de factores: os recursos. Falamos dos físicos, dos educativos, dos tecnológicos e de comunicação, das infraestruturas de apoio – caso da biblioteca (física e não digital, com poucos recursos bibliográficos na área) e dos recursos humanos. E um outro: o do espácio-temporal. Com efeito, sendo a maioria trabalhadores-estudantes, há que contar com os tempos, custos e meios de deslocação entre casa-trabalho-escolacasa. Naturalmente que todo este contexto é muito difícil de antecipar, sobretudo quando não há uma vivência pessoal anterior ou, no mínimo, uma experiência partilhada. E tudo isto concorre para um processo educativo que está muito para além do espaço da sala de aula. É, pois, de reforçar, que esta reflexão provém do contacto in loco e dos muitos diálogos com os agentes do processo.

9Porém, ultrapassada a fase da preparação e da disponibilização dos conteúdos, o primeiro estímulo vem da língua e dos conceitos: impõese a comunicação e a preocupação constante em que todos compreendam a linguagem desenvolvida, ao mesmo tempo que nos procuramos adaptar ao contexto cultural dentro e fora da sala de aula. Um contacto “rápido” de 3/4 horas em cada dia é muito pouco para a concretização da experiência: as externalidades como o local, a tecnologia, as ferramentas de comunicação e os processos de ensino-aprendizagem não funcionam como obstáculo à cooperação, à aprendizagem e aos processos de melhoria que são sempre possíveis. A verdadeira experiência vem da necessidade da utilização contínua da língua – falada e escrita –, do discurso e do contacto. De facto, a comunicação entre alunos é sobretudo feita no dialecto e não na linguagem oficial.

10Não obstante os termos científicos específicos da área serem conhecidos e ficarem apreendidos, resolvendo simbolicamente os problemas mais imediatos da avaliação, há sempre a dificuldade de, na prática oral, e no estudo, se voltar ao uso de uma linguagem mais comum. Importou aqui sensibilizar para uma cultura mais universalizante e plural, em especial para aquela que junta o mundo da língua portuguesa, e que lhes permitisse, por exemplo, acompanhar regularmente o crescimento da economia, dos mercados e da sociedade em geral. Buscou-se este caminho por via do encorajamento para a leitura de textos sobre assuntos específicos, de notícias sobre os temas de estudo das áreas do curso, da consulta regular de legislação, da análise e interpretação de relatórios, etc. E que, no fim, tudo isto pudesse contribuir para a valorização pessoal, para o enriquecimento profissional e para o aumento da produtividade e da criação de valor nas suas organizações.

11Ainda que as tecnologias hoje suportem aproximações inimagináveis há pouquíssimos anos, o certo é que, parece-nos, o ensino exige tempo e contacto e convivência (as três coisas juntas, com um imenso “e” e não muitos “e/ou”). A distância só nos permite “falar”. A manutenção do “falar digital” – ainda que por imagem e com voz / som – não é o mesmo que o “falar físico”. Há, pois, que juntar à cooperação, curta no tempo, uma necessidade de reaprendermos e de juntarmos novas competências, muito em especial a do saber-ser. Exige-nos (directamente aos professores e aos alunos, mas à sociedade no seu todo, uma vez que eles serão sempre o seu o presente e o seu futuro) valores de humanidade, de atitude e de ambição.

12Certamente que, com a esperança de outras oportunidades de contacto, estas (pluri) vivências abrirão mais e melhores espaços para uma aprendizagem conjunta, ao estreitamento de relações, ao fortalecimento histórico-cultural, e a uma cooperação mais ousada. Porque não a existência de programas que tornem a cooperação bidireccional, dando, por exemplo, a oportunidade aos alunos de concretizarem parte da sua formação curricular em Portugal?

13Em síntese e muito brevemente: novos capítulos, novas descobertas e novos amigos, juntos na construção de uma paz que permita o bem maior da economia: o Bem-estar!

14Por fim, um imenso apreço aos estudantes e a todas as equipas institucionais:

15Σ muito (interessadas + educadas + a pensar no futuro + mais qualidade humana)!

16A todos: Muito, Muito Obrigado!

Lire

Open access

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search