Version classiqueVersion mobile

A Malária em Moçambique: Políticas, Provedores de Cuidados, Saberes e Práticas de Gestão da Doença

 | 
Ana Rita Sequeira

Introdução

Texte intégral

1Entre Agosto e Outubro de 2002, tive a oportunidade de trabalhar num Centro de Saúde, na vila de Chiúre, em Cabo Delgado. As linhas de costura coloridas que as crianças traziam amarradas à cintura e pulsos e as escarificações que via na pele das mulheres que faziam fila para receberem a vacina do tétano evidenciavam a presença de várias práticas associadas à saúde. Semanas mais tarde, conheci uma curandeira a quem pedi para interceder por nós (grupo de voluntários) junto dos espíritos, para que pudéssemos subir a uma montanha. Estava, assim, feita a apresentação a um grupo de provedores que viria a alterar, significamente, toda a minha compreensão sobre a Saúde e a Doença, em Moçambique. Nos dois anos seguintes (2003 e 2004), voltaría a passar dois meses em atividades de voluntariado, realizadas novamente na vila de Chiúre, província de Cabo Delgado e em Mecanhelas, província do Niassa. Sete anos mais tarde, viría a residir no distrito de Chókwè, Província de Gaza, por um período aproximado de quatro anos, do qual surgiu a motivação e a decisão de prosseguir com este tema de investigação – relação entre provedores de cuidados de saúde – e o subsequente trabalho de campo.

2A diversidade de sistemas médicos e de provedores de cuidados de saúde a eles associados remetem-nos para a adoção de uma abordagem relativista, quanto ao reconhecimento da sua função na sociedade de Chókwè. A maior proximidade cultural da investigadora à biomedicina não deve, por isso, enviesar e valorizar esta etnomedicina, mas antes reconhecer a sua existência como produto da sua socialização, mantendo uma atitude aberta, crítica e reflexiva no contacto com outras etnomedicinas. Posicionamo-nos na linha de Bastos que questiona:

"(…) A biomedicina científica deverá ser considerada uma etnomedicina produzida pelas culturas ocidentais modernas, relativizáveis, sem estatuto epistemológico particular ou ser considerada conhecimento científico específico, legítimo e livre de constrangimentos culturais?” (Bastos, 2002: 31).

3No presente estudo, a biomedicina científica (ou a medicina alopática) será considerada uma etnomedicina de igual valor, em comparação com as outras etnomedicinas identificadas na sociedade de Chókwè, por considerarmos que ela não está livre de constrangimentos culturais, se examinarmos as instituições e o historial que está na base da sua criação, a mudança social e as forças económicas e políticas que nela operam. Apesar de ancorada nas ciências naturais, desenvolvidas por sociedades industrializadas, e de procurar afirmar-se como uma ciência objetiva, inquestionável e livre de preconceitos, a construção do seu conhecimento e o seu exercício demonstram-nos que é, socialmente, configurada e permeável à subjetividade dos seus atores, ao contexto, à geografia e ao tempo histórico.

Os provedores de cuidados de saúde

4A medicina tradicional é um dos sistemas etnomédicos presentes na sociedade de Chókwè, que nos remete para o período pré-colonial e para as estratégias e recursos desenvolvidos pelas sociedades, para enfrentarem a doença e a saúde. Segundo Baquar, um dos eventos que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da medicina tradicional foram os momentos de conflitos militares entre os grupos étnicos, em que as plantas permitiam curar enfermidades e ferimentos derivados desses confrontos. Todavia, constatou-se que, usada em elevadas dosagens, uma determinada seleção de plantas provocaria o efeito oposto (Baquar, 1995: 140).

5A matéria médica (ingredientes/compostos dos medicamentos) utilizada é composta por folhas, raízes, sementes, frutos, bolbos, casca de troncos ou ramos e seiva, que são manuseados e transformados (por vezes misturados com óleos vegetais e gorduras animais) para aplicação humana. O uso de plantas medicinais é, por vezes, acompanhado por rituais que implicam o entoar de cantigas tradicionais, o uso de amuletos e outras proteções nas casas e a queima de incenso (Baquar, 1995: 143). No entanto, a medicina tradicional não se cinge a elementos vegetais, animais e minerais. Uma vez que, na cosmovisão africana, a doença e o infortúnio podem ter etiologias diversas, tais como a quebra de tabus sociais, o incumprimento de obrigações com os antepassados e a feitiçaria, há um somatório de saberes e práticas que nos remetem para a manutenção da ordem e equilíbrio na esfera social da linhagem (vivos e antepassados). Existe um conjunto de conhecimentos e práticas que operam na manutenção dessa ordem e integram várias significações simbólicas (Feliciano, 2003: 128), que, ao serem manipuladas e reconfiguradas, de acordo com a realidade experienciada pelo grupo e seus constituintes, resultará num fortalecimento dos laços sociais (Feliciano, 2003: 131), na “domesticação da incerteza” (Granjo, 2009) e, para alguns dos meus interlocutores, num conflito entre tradição e modernidade.

6Por fim, algumas das igrejas existentes no distrito de Chókwè detêm um papel importante na prestação de cuidados de saúde aos seus crentes e a indivíduos de outros credos. Apesar das igrejas missionárias cristãs (católicas e protestantes) terem tido, durante o período de ocupação colonial, uma “missão civilizadora” no contacto com as populações locais (incluindo a prestação de cuidados biomédicos), desde o início do século XX até à atualidade observa-se um crescimento no número de igrejas pentecostais e igrejas independentes africanas, cujos membros do topo da hierarquia realizam práticas curativas, recorrendo à medicina tradicional e/ou à cura espiritual. Neste campo de ação, destacaremos, mais adiante, as igrejas ziones, dada a sua predominância e visibilidade durante o trabalho de campo efetuado no distrito de Chókwè.

  • 1 O projeto de investigação foi elaborado, após oito meses de estadia em Moçambique.

7A delimitação do objeto de estudo é crucial, na medida em que nos permite evidenciar os tópicos mais relevantes, orientar a pesquisa bibliográfica e o trabalho de campo. Devido ao facto de não podemos conhecer o todo, precisamos de demarcar as partes que serão o centro da nossa investigação e esforços. No entanto, os primeiros meses1 em Moçambique confrontaram-me com vivências que viriam a dificultar o estabelecimento rígido desses limites. A doença, e a malária em particular, apresentava-se como um fenómeno complexo, dada a diversidade dos provedores de cuidados de saúde, as suas funções e discursos ao longo da história, os múltiplos atores e fatores económicos, ambientais, sociais e políticos que configuravam a experiência da doença. Os conhecimentos e práticas preventivas e terapêuticas da malária não poderiam ser analisados por si só, de forma estéril e descritiva, pelo que se procuraram as relações e fenómenos estruturais que os condicionam. Arthur Kleinman sistematizou o modelo explicativo da enfermidade, transformando o encontro clínico e traduzindo linguagens (1980: 53) e relações entre a patologia do provedor biomédico e a doença do paciente e sua família, aproximando, assim, a experiência de doença por eles vivenciada. Segundo este autor, o modelo explicativo da enfermidade deveria debruçar-se sobre cinco elementos: a etiologia (causa), o momento e o modo como os sintomas se iniciaram, a patofisiologia (conjunto de alterações funcionais associadas ou resultantes de uma doença ou acidente), o desenvolvimento da doença e o tratamento (Kleinman, 1980: 105). As narrativas construídas a partir destes elementos tomam em consideração as crenças e significados atribuídos à enfermidade dos doentes e membros da sua linhagem, as opções de tratamento disponíveis e a sua procura, os sintomas e processos psicológicos associados e o impacto da enfermidade nas relações sociais (1980: 108). Desta forma, Kleinman integra, no encontro clínico, os processos sociais e culturais inerentes à realidade do doente e que poderiam configurar a enfermidade e o seu tratamento.

8Reconhecendo a validade dos contributos de Kleinman, a nossa experiência de terreno e o estado dessas práticas evidenciam que as narrativas e itinerários terapêuticos são condicionados pela diversidade de provedores de cuidados de saúde, por dinâmicas políticas, económicas e sociais, assim como por fatores ecológicos, designadamente a geografia, o clima, as calamidades naturais, os movimentos populacionais e o desenvolvimento económico, entre outros. A construção social da enfermidade e da doença emergem, assim, não só da experiência psicossocial dos doentes e grupos sociais mas também de todas as dinâmicas que integram a vida em sociedade.

  • 2 O uso da expressão local tem como objetivo destacar a singularidade de um determinado grupo social (...)

9A abordagem teve a preocupação de integrar dinâmicas de nível macro (políticas e alguns processos de tomada de decisão) na compreensão do fenómeno local2 da doença e da saúde. Procurou, também, empreender uma experiência etnográfica quer a nível local, com a sociedade de Chókwè e suas diversas instituições e grupos sociais quer a nível provincial (cidade de Xai-Xai) ou central (Maputo), no contacto com atores nacionais e internacionais que contribuem para a configuração dos conhecimentos e práticas médicas. Uma perspetiva multinível, diacrónica, com interfaces pluriterapêuticas, permitirá conhecer as nuances, os dilemas, os fatores passivos e ativos, as relações e os discursos sobre a doença e saúde, com especial ênfase para a malária.

  • 3 Irei seguir as traduções propostas por Naomar Filho (2001: 754-756).

10Ao longo desta investigação, irei adotar as denominações de doença que integram a teoria da Antropologia Médica, subdivididas comummente entre disease, illness e sickness. Disease, traduzido como patologia3, enquanto processo bioquímico que afeta a fisiologia do corpo, que, em caso de colapso, se manifesta por diferentes sinais e sintomas; illness (enfermidade) como uma experiência de sofrimento pessoal e intransmissível, por vezes de limite, e que procura, perante um conjunto de emoções, relações e significados socioculturais e psicológicos, dar sentido a uma situação de desequilíbrio (Baer e Singer, 2007: 65-66). Os significados, construídos face a uma enfermidade, resultam da relação interpessoal com o contexto familiar, das redes sociais e dos provedores de cuidados de saúde. Como sintetiza Kleinman: “(…) Disease affects single individuals, even when it attacks a Population; but illness most often affects others as well.” (1980: 73). Por fim, a doença (sickness) correspondendo ao conjunto das respostas e expectativas sociais, face aos comportamentos da pessoa diagnosticada (Winkelman, 2009: 37-40).

Crenças e Conhecimento

11A dicotomia entre crenças e conhecimentos é uma discussão que, há muitas décadas, ocupa investigadores. Good, procurando compreender a evolução do conceito de “crença” e “conhecimento” e a sua utilização nos primeiros estudos antropológicos, conclui que:

“(…) This formation of anthropological discourse was linked to the philosophical climate within which anthropology emerged, a climate in which empiricist theories and sharp conflicts between the natural sciences and religion were prominent. It was also rooted in anthropologists traditional relations to those they studied, framed by the superiority of European and American science and industrial development and by the colonialist context of research” (Good, 1994:21).

12A distinção conceptual entre crença e conhecimento não se colocava num contexto de uma cultura fortemente marcada pela Igreja e pelo pensamento religioso, com a missão de expandir determinada crença/conhecimento e visão correta do mundo (Good, 1994: 15). Por outro lado, com a emergência do Iluminismo e a procura do conhecimento crítico em todas as esferas da existência humana, o conceito de crença é sinónimo da natureza duvidosa e não comprovada, decorrente de factos e objetos. Valorizando o papel da matemática, da física e da estatística nas ciências naturais, no campo da medicina europeia assiste-se, designadamente à sobreposição de conhecimentos de química sobre a teoria grega dos quatro humores.

13O contacto com outras culturas fez-se neste paradigma dicotómico, em que missionários e cientistas sociais estão integrados nas estruturas administrativas coloniais e procuram os conhecimentos e a tradução dos saberes do “outro”. O paradigma de fundo da supremacia europeia, na esfera do conhecimento científico e do desenvolvimento económico, era expresso através de relatos como:

(…) “their modes of treatment follow directly from their ideas concerning etiology and pathology. From our modern standpoint we are able to see that these ideas are wrong. But the important point is that, however wrong may be the beliefs of the Papuan and Melanesian concerning causation of disease, their practices are a logical consequence of those beliefs” (Rivers, 1924: 48).

14Para além do etnocentrismo evidente, Binsbergen e Djik salientam que a relação com África e os africanos, também, foi traçada por discursos binários, entre os países ricos do norte atlântico, com infraestruturas desenvolvidas, democracia, saber e racionalidade científica e um continente africano pobre, com poucas infraestruturas, entregue à tirania e às guerras civis assim como à magia e à superstição (Binsbergen e Dijk, 2004: 34).

15Deveremos desvalorizar outros sistemas etnomédicos só pelo facto de desconhecermos a sua estrutura, terminologias, terapêuticas e saberes? Será que podemos considerar os conhecimentos biomédicos como possuindo maior infalibilidade, em comparação com a medicina chinesa, a medicina aiurvédica, a homeopatia ou a medicina tradicional que encontramos em Moçambique? Será que deveremos encarar a autoridade de um médico e outros profissionais alopáticos como sendo superior a um médico/terapeuta de outros sistemas etnomédicos? Será que os pacientes têm crenças sobre a doença e os médicos têm conhecimentos? (Good, 1994: xi)

16Recusando a “monocultura epistémica” como símbolo de desenvolvimento e modernidade (Meneses, 2009: 181-182), que sobreleva uns saberes em relação aos outros, a presente investigação procurará conhecer, com igual profundidade, os vários sistemas médicos com que nos deparámos no terreno, sem os hierarquizar ou declarar maior ou menor validade terapêutica.

17Uma das desconstruções necessárias para evitar a monocultura epistémica é a utilização de expressões que possam, à luz dos significados atribuídos, valorizar determinado saber. Em muitos estudos, esta desconstrução conceptual tem sido concretizada através da substituição do termo “crença” por “conhecimento local” ou “conhecimento comunitário” (Wayland, 2001; Nsabagasani, 2007) que, por vezes, é sinónimo de conhecimento indígena e, como tal, considerado tradicional, “atrasado”, exótico e popular. Por outro lado, Pelto e Pelto distinguem crença e conhecimento considerando que as crenças são geradas por pensamentos conscientes e facilmente verbalizáveis, enquanto os conhecimentos são elementos que não estão, imediatamente, acessíveis para discussão 1997:148).

18As crenças e conhecimentos são adquiridos ao longo do processo de socialização, em constante confronto, renegociação e reconstrução. Eles afastam-se de verdades universais e reificadas, sendo temporal e espacialmente contextualizados e em constante revisão. Ruth Benedict e a sua investigação na linha boasiana contribuíram, fortemente, para esta mudança de paradigma, defendendo que os sintomas e as manifestações da doença só podem ser compreendidos no contexto da cultura em que se expressam, não lhes podendo ser aplicadas as terminologias e conceitos de outras sociedades culturais. Benedict, ao estudar a saúde mental, confrontou-se, inevitavelmente, com a dificuldade em traduzir as categorias e patologias médicas ocidentais, na observação e dados que recolheu. Ao mesmo tempo, a investigadora afirma que conceitos de normalidade e anormalidade, bem como de primitivo, de superioridade e de snobismo racial são incorretos e devem ser analisados e interpretados na sua conjuntura cultural:

“(…) todo o estudo científico exige a ausência de tratamento preferencial de um ou outro dos termos da série escolhida para ser estudada” (Benedict, 1934: 14).

19O conhecimento médico é, socialmente, construído e a sua produção e difusão são multiparticipadas e com centros distintos. A subjetividade dos provedores de cuidados de saúde emerge não só no exercício das suas competências médicas e terapêuticas como também é inerente ao indivíduo, enquanto produto de determinada socialização, repositório de experiências, expectativas, motivações e preconceitos. Os conhecimentos e práticas médicas são permeáveis ao contexto e às vivências diferenciadas dos cuidadores e, na tomada de decisão, todos esses fatores devem ser considerados. Os testemunhos relativos aos provedores de cuidados de saúde, no distrito de Chókwè, são caracterizados por uma grande diversidade de experiências que valorizam aspetos de humanidade, que devem estar subjacentes à prática médica.

20Na realidade estudada no distrito de Chókwè, existem diferentes tipos de conhecimentos que são codificados de forma divergente, uns como crenças e que incluem, igualmente, conhecimentos sobre fontes diversificadas - revelações divinas e ancestrais, a observação, a experiência, entre outros. A existência de saberes do tipo “científico”, também, implica crenças, modas e interesses. Os diversos tipos de crenças e conhecimentos, como será adiante desenvolvido, moldam as perceções dos atores sociais e os seus processos de decisão. Com base nesta investigação, a distinção entre conhecimentos e crenças é infundada, dada a interface das realidades.

21Esta rutura analítica, neutra quanto ao processo de acumulação de conhecimento, sublinha a agência e subjetividade dos sujeitos, no encontro médico e na gestão diária de situações de saúde e doença. Timmermans vai mais longe quanto à, por vezes percecionada, objetividade e infalibilidade do protocolo biomédico, referindo:

“(…) the protocol designers, funding agencies, the different groups of involved physicians, patients’ hopes and desires, organizational facilities, laboratory capabilities, drug companies, the patients’ organs’ own resilience, and so forth, all come into play in the negotiation processes leading up to the “final” protocol” (Timmermans e Berg 1997: 283).

22Vários autores destacam, igualmente, a importância do papel e do “insider knowledge” dos doentes (Arksey, 1994: 462) e das associações na adoção de novas linhas de investigação biomédica (Bastos, 2002: 118-131) e na divulgação de informação sobre determinada patologia e práticas terapêuticas (Arksey, 1994: 461).

23A interpretação e análise dos dados foram realizadas à luz de um diálogo constante entre uma perspetiva crítica e interpretativa. Todo o conhecimento sobre saúde e doença, proveniente de provedores de cuidados de saúde e de doentes, é o “ (…) produto de um processo natural, social e cognitivo, mais do que de um processo lógico” (Santinho, 2011: 87), construído e acumulado, com raízes no passado e assente na experiência relacional e subjetiva dos grupos e instituições sociais que reconfiguram o seu corpo de significados e práticas de diagnóstico, gestão e tratamento da doença. O conhecimento que confere competência confere, igualmente, autoridade e poder a quem o possui. Segundo Foucault, este poder circula em forma de cadeia e não é, facilmente, localizável nem apropriado como um bem (Foucault, 1980: 98), estando acompanhado de produções ideológicas que contribuem para a formação e acumulação de saberes (1980: 102). As produções ideológicas, por sua vez, condicionam e moldam os conhecimentos e atos médicos, rompendo com a perspetiva analítica de que as práticas biomédicas têm por base as provas de verificação científica. Citando Keesing, “as culturas não constituem simplesmente redes/sistemas de significados que orientam os humanos entre si e no seu mundo. Elas constituem ideologias, marcam as realidades políticas e económicas como cosmicamente alinhadas. Mesmo em sociedades mais igualitárias, as ideologias culturais empoderam alguns, subordinam outros, extraem benefício do trabalho de outros, cujos interesses as ideologias servem e legitimam. As culturas são redes de mistificação assim como de significações. Precisamos de questionar quem cria e define os significados culturais e com que finalidade” (Keesing, 1987: 161-162).

“It is problematic that people in motion are able to construct worlds in which the idea of a clear separation remains – that the border does not dissolve completely into indeterminacy but remains a border, with two sides, each with its own characteristics. In a fluid world, the idea of a boundary does not become irrelevant but remains a source of power” (Feierman, 2006: 186).

  • 4 Ver Pfeiffer e Nitcher (2008) e Fassin (2007).
  • 5 “(…) results from what political, economic, and institutional power does to people and, reciprocall (...)
  • 6 Conceito desenvolvido por Merrill Singer para expressar o efeito das condições sociais, pobreza, st (...)
  • 7 Conceito criado pelo sociólogo Johan Galtung que descreve as estruturas sociais, económicas, politi (...)

24Com base nos dados recolhidos que contribuem para o estado de arte sobre os conhecimentos etnomédicos e a sua relação com o contexto em que surgem (Pearce, 1993: 161), no presente estudo, reforça-se o paradigma de que estes conhecimentos são configurados e influenciados por fatores socioculturais que emergem de contextos sociais e históricos específicos, num determinado momento e geografia quer no encontro médico quer fora dele. O reconhecimento de elementos hegemónicos e contra-hegemónicos nos saberes e práticas biomédicas assim como os fatores macroeconómicos, a economia política e os atores internacionais4 constituem uma das principais áreas de estudo da Antropologia Médica Crítica, de onde emergem os conceitos de sofrimento social5, sindemia6 e violência estrutural7.

25Desta forma, será apresentado o modo como os discursos globais e as políticas com focos de decisão a nível supranacional condicionam os conhecimentos e práticas sobre a malária (abordagem macro) e de como as relações de poder e os estilos de comunicação dos provedores (abordagem micro) influenciam e produzem determinados comportamentos e interpretações sobre a saúde e a doença. Ou seja, de que modo uma comunicação efetiva entre provedores e pacientes gera comportamentos desejados e congruentes com a sua prática terapêutica, ou contrários a ela.

  • 8 Good refere, ainda, que, em algumas sociedades, aquele que diagnostica e procura as causas de deter (...)
  • 9 A título de exemplo: o único jornal de distribuição gratuita e com forte presença na internet – A V (...)

26Paralelamente, a perspetiva interpretativa estará presente, considerando que os sistemas de crenças/conhecimentos terapêuticos estão, estreitamente, ligados às relações sociais, às noções e significados de moralidade e ao envolvimento pessoal (Fabrega, 1977: 28-29), nem sempre presencial e da esfera espiritual/religiosa8, e, ainda, à produção e divulgação de conhecimento realizadas por provedores de cuidados médicos, organizações ligadas à saúde ou grupos de interesse. Na atualidade, o crescente acesso a vários sistemas médicos, aos meios de informação9, aos telemóveis (Archambault, 2013), à internet e às redes sociais molda o modo como nos relacionamos com o conhecimento da saúde e da doença, com os medicamentos (tradicionais ou processados) a que recorremos e com a decisão sobre o terapeuta e terapia a adotar.

27Partindo da premissa de que os conhecimentos médicos são socialmente construídos e moldados pelas experiências e significados atribuídos pelos indivíduos a situações de saúde e doença por eles vivenciadas, esta investigação, dedicada à malária, irá analisar os saberes dos provedores relativos à etiologia da doença, ao diagnóstico, à sua prevenção e tratamento.

28Deste modo, os objetivos do meu estudo foram os seguintes:

291) Compreender as interpretações locais sobre a malária quer por parte dos provedores de cuidados de saúde quer por parte dos indivíduos singulares (potenciais doentes);

302) Compreender os processos de decisão quanto ao diagnóstico, gestão, tratamento e sistema de refêrencia utilizados pelos provedores de cuidados de saúde;

313) Conhecer e compreender os testemunhos sobre os provedores de cuidados de saúde e o discurso existente entre eles;

324) Conhecer, de modo diacrónico, os fatores económicos, políticos, sociais e históricos que poderão ter reconfigurado os conhecimentos e práticas sobre a malária e as relações dos provedores entre si e entre eles e a restante população;

335) Conhecer os saberes e práticas preventivas da malária, relativos à pulverização intradomiciliária e à utilização de redes mosquiteiras.

Estrutura de conteúdos apresentados

34Este livro é composto por X capítulos, incluindo a Introdução e a Conclusão.

35Após a Introdução segue o capítulo I com a apresentação do local onde decorreu o trabalho de campo, a descrição da metodologia seguida e a enunciação de algumas questões epistemológicas.

36O capítulo II pretende dar a conhecer o historial biomédico da malária e das políticas de controlo da doença seguidas a nível internacional, destacando, igualmente, as características desta patologia, em termos do diagnóstico e do tratamento biomédico. No final deste capítulo, expõe-se o perfil epidemiológico da doença, em Moçambique, e uma breve descrição da estrutura e atividades desenvolvidas pelo Programa Nacional de Controlo da Malária.

37O capítulo III − “Discursos sobre a Biomedicina” − inicia a apresentação dos provedores de cuidados biomédicos, em Moçambique, com uma nota histórica, seguida dos testemunhos dos pacientes e outros provedores em relação aos serviços prestados por esta etnomedicina.

38O capítulo IV debruça-se sobre a história local das práticas terapêuticas, em Moçambique, articulando fatores económicos, sociais e políticos com a prestação de cuidados de saúde, de acordo com diferentes provedores e o modo como estes fatores influenciaram o dia-a-dia dos prestadores de cuidados. Por fim, as atividades dos programas de controlo da malária serão, igualmente, analisadas à luz destes eventos históricos.

39O capítulo V − “O fim da Guerra e as Organizações Não Governamentais: novo ator biomédico” − integra algumas questões conceptuais sobre a sociedade civil, parcerias, espaços de poder e ownership e procura compreender o papel e o desempenho deste ator, no âmbito das atividades de controlo da malária, particularmente no que concerne à distribuição de redes mosquiteiras e às atividades de pulverização intradomiciliária.

40O capítulo VI enumera as interpretações locais sobre a malária, integrando a análise da cosmologia local sobre a natureza, a sociedade e os antepassados, bem como a sua influência nos discursos e práticas sobre a saúde e a doença.

41O capítulo VII faz uma incursão sobre o “ser curandeiro” e a sua génese, enunciando os sistemas de diagnóstico, tratamento, sistema de referência e declarações sobre este grupo de provedores.

42O capítulo VIII apresenta o último provedor de cuidados de saúde a ser analisado: os líderes religiosos. Este capítulo é iniciado com o historial dos movimentos ligados à religião, em Moçambique, e a caracterização dos pastores religiosos entrevistados para este estudo. À semelhança da estrutura utilizada para os tinyanga, incluem-se as narrativas sobre a génese dos pastores e, posteriormente, expõem-se as práticas terapêuticas realizadas pelos pastores ziones. Conclui-se o capítulo com a apresentação dos testemunhos sobre este provedor.

43Conhecidos e analisados as práticas, os conhecimentos e os provedores de saúde envolvidos, o penúltimo capítulo (IX) debruça-se sobre os discursos e aplicações dos interlocutores, relativamente à prevenção da malária, através da utilização de redes mosquiteiras e da adesão à pulverização intradomiciliária.

44Por fim, as principais conclusões do presente estudo serão apresentadas no final.

45Durante a redação deste livro procurou ter-se em consideração uma audiência vasta, que pudesse não dominar as especificidades da doença da malária e da arquitectura do sistema de saúde, em Moçambique. Nesse sentido, algumas descrições mais detalhadas e notas de rodapé apoiam a compreensão das particularidades locais.

Notes

1 O projeto de investigação foi elaborado, após oito meses de estadia em Moçambique.

2 O uso da expressão local tem como objetivo destacar a singularidade de um determinado grupo social ou fenómeno, sublinhado o seu carácter dinâmico, histórico e em construção (Nichter, 2008: 7), em oposição a um paradigma essencialista, dicotómico e ahistórico.

3 Irei seguir as traduções propostas por Naomar Filho (2001: 754-756).

4 Ver Pfeiffer e Nitcher (2008) e Fassin (2007).

5 “(…) results from what political, economic, and institutional power does to people and, reciprocally, from how these forms of power themselves influence responses to social problems.” (Kleinman et al., 1997: ix)

6 Conceito desenvolvido por Merrill Singer para expressar o efeito das condições sociais, pobreza, stress, desigualdades sociais e violência estrutural, na saúde das comunidades. Ou seja, o conjunto de condições sociais nocivas e de duas ou mais doenças criam sinergias adversas, com impacto na vida social e bem-estar dos indivíduos (Bulled e Singer, 2009).

7 Conceito criado pelo sociólogo Johan Galtung que descreve as estruturas sociais, económicas, politicas, legais, religiosas e culturais que impedem indivíduos, grupos e sociedade de atingirem o seu máximo potencial. Citando Galtung: “(...) the cause of the difference between the potential and the actual, between what could have been and what is. Violence is that which increases the distance between the potential and the actual, and that which impedes the decrease of this distance” (Galtung, 1969: 168). Ver também Scheper-Hughes e Bourgois (2003), Farmer et al. (2006) e Farmer (2005).

8 Good refere, ainda, que, em algumas sociedades, aquele que diagnostica e procura as causas de determinada doença, muitas vezes, fá-lo na ausência do doente e consultando o mundo espiritual (1994: 23).

9 A título de exemplo: o único jornal de distribuição gratuita e com forte presença na internet – A Verdade – possui uma coluna sobre saúde sexual e reprodutiva “Pergunte à Tina”. http://www.verdade.co.mz/vida-e-lazer/pergunte-a-tina.

Lire

Open access

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search