Version classiqueVersion mobile

Turismo em meio insular africano

 | 
Brígida Rocha Brito

Segunda parte - Os impactos do turismo no desenvolvimento comunitário

2.Turismo, Comunidades Locais e Cultura

Texte intégral

1A ideia de que São Tomé e Príncipe (STP) e Cabo Verde (CV) são dois pequenos países insulares dotados de características únicas, habitualmente definidas como potencialidades turísticas, que resultam tanto da diversidade biológica e paisagística como da riqueza cultural, é aceite pelo meio académico e científico internacional. Enquanto territórios insulares, estes países têm sido, ao longo da História, pontos de chegada e de partida de pessoas oriundas de diferentes regiões do Mundo, transformando-se em locais privilegiados para o encontro de culturas.

2A população insular dos dois arquipélagos é caracteristicamente miscigenada, em resultado da proliferação de casamentos mistos entre africanos de origens diferenciadas e europeus, dando origem à criação de sociedades crioulas. Em consequência desta dinâmica sócio-demográfica, as culturas de referência, nomeadamente no que respeita aos valores orientadores de comportamentos, às crenças e aos sistemas simbólicos, às práticas culturais e aos rituais, mas também ao património construído, são reveladoras da existência de mestiçagem, conferindo a estas sociedades traços de mosaicos culturais. Esta miscigenação sócio-cultural reflecte a emergência de novas identidades, em paralelo com a existência de referências culturais tradicionais e ancestrais que têm sido perpetuadas através da reprodução de conhecimento e de práticas, tanto relativas à tradição oral como ao costume.

3Pela combinação de elementos culturais miscigenados com outros ancestrais, em Cabo Verde e em São Tomé e Príncipe, o património cultural, humano e construído, encerra valor turístico, permitindo promover e acolher segmentos específicos. A valorização do património cultural e construído, enraizado nas comunidades de acolhimento, por as fundamentar e lhes conferir identidade, é entendida pela literatura de referência como uma mais valia para a promoção do turismo a nível internacional. Contudo, nem sempre a sua importância tem sido reconhecida a nível local por ser, em algumas situações, considerado como um factor bloqueador do processo de mudança, restritivo do ponto de vista comportamental. Por um lado, o viajante procura o encontro com culturas ancestrais e pouco modificadas que, noutras circunstâncias, não teria oportunidade de conhecer in loco e através do contacto directo; por outro lado, as comunidades locais insulares revêem na ancestralidade um indício de antiguidade, ansiando pela modernidade que reconhecem e atribuem às formas de vida que os visitantes exteriorizam.

2.1. Alguns elementos sobre o conceito de cultura

4O conceito de cultura pode ser operacionalizado a partir da definição apresentada por Vitorino Magalhães Godinho (Silva, 2000: 144): “uma integração de maneiras de sentir e de pensar, e de propensões a agir, segundo valores, normas e regras, agulhadas por símbolos e signos, orientadas por padrões de mentalidade e acção que carrilam as condutas”. Esta definição inclui tanto os padrões valorativos orientadores e reguladores de comportamentos, como as práticas simbólicas que estruturam e reforçam o sentimento identitário de pertença, como ainda os elementos do património construído que são o reflexo dos factores enunciados anteriormente. A este respeito, Augusto Santos Silva (2000) equaciona, sistematiza e classifica diferentes elementos da cultura, a saber:

  • As componentes, que incluem as linguagens e as expressões, os saberes e as crenças, as percepções e as actividades recreativas;

  • As formas de produção, que respeitam os modos de fazer e de criar, os modelos de apropriação de recursos e de consumo;

  • Os níveis de reconhecimento social, que consistem na relação entre a cultura dominante, as subculturas e as contra-culturas.

5Falar em cultura e em comunidades locais, por referência ao contexto africano, de forma diferenciada, ou distanciada, parece difícil, senão mesmo impossível, já que uma é parte integrante da outra. Por um lado, podemos considerar que a cultura é o resultado da vida quotidiana desenvolvida pelas comunidades locais porque concebida e materializada no seu seio; por outro lado, os elementos culturais são estruturantes da vida em comunidade, reforçando a afirmação das identidades (Silva, 2000: 147), que resulta no fortalecimento do grupo face a factores exógenos que, num qualquer momento, podem representar uma ameaça à sua integridade.

6Ruth Benedict (1982) apresenta a cultura como um modelo de pensamento e de acção consistente por enquadrar os comportamentos e as atitudes dos membros de um dado grupo, reforçando-os. Assim, é definida a partir do qualificativo de viva por se traduzir em hábitos, formas de vida e de relacionamento, conhecimentos e práticas reproduzidas ao longo do tempo e, muitas vezes, transmitidas de geração em geração, perpetuando-se.

7O desenvolvimento integrado e equilibrado, fomentado pela actividade turística, requer a inclusão dos elementos culturais de referência, tanto das comunidades de acolhimento como dos visitantes. O turismo consiste numa actividade promotora de encontros, tanto de pessoas como de culturas, o que significa fazer emergir formas de pensar, de estar, de ser e de agir, na maioria das vezes, diferentes e que podem pôr em causa modelos anteriores, senão na totalidade pelo menos de forma parcial; bem como valorizar os elementos culturais e identitários de origem. Este sector, sendo considerado como a “indústria da paz” é também tradicionalmente definido como integrador de povos e de culturas, facilitando a harmonização dos contactos e das relações.

8A cultura pode assim ter um significado humanístico, que Vitorino Magalhães Godinho classifica de universalizante (Silva, 2000: 148) quando nos referimos a conhecimentos adquiridos pelo Homem através do estudo e do contacto. Mas também pode referir-se a um contexto ou época histórica, como por exemplo a “cultura do século XX” (Bernardi, 1974; 23), ou ainda denominar as formas de vida características de uma determinada região.

9Mas, além da interpretação sociológica, o termo cultura pode ainda ter um significado antropológico, cuja primeira formulação pertence a Edward Tylor no século XIX, segundo o qual a cultura é um todo complexo criado pelo Homem e que inclui o conhecimento, a crença, a arte, a moral, as leis, capacidades e hábitos adquiridos pelos membros de uma sociedade. Nesta perspectiva, o indivíduo está inserido numa cultura que o modela, sendo que a mesma é também modelada pelo próprio indivíduo. Neste sentido, é concebida como uma construção social (Benedict, 1982) que relaciona e liga os homens através de ideias e de práticas comuns.

10No seio da vida social, os elementos culturais adquirem também uma dimensão de controlo, por ser esperado que os comportamentos sejam adequados ao padrão previamente assumido: “adquiriu força coerciva que obriga cada membro singular de uma sociedade, e a própria sociedade no seu conjunto, ao respeito do seu cumprimento” (Bernardi, 1974: 41). A cultura pode assim adquirir um estatuto normativo, condicionando a liberdade de escolha do indivíduo, já que reveste um significado moral que serve para identificar, por comparação, o que é bom e o que é mau, desejável ou indesejável, reflectindo-se portanto nos comportamentos.

11Segundo Raymond Boudon (1986), a cultura é “plural” devido ao aparecimento de novos interesses e padrões de comportamento que põem em causa o que até aqui era considerado legitimo e verdadeiro. A cultura não está fechada ou limitada a novos modelos, estando sujeita a uma evolução permanente, a criações intelectuais e artísticas, incluindo manifestações populares, regionais, étnicas e práticas a elas inerentes, sendo justamente esta heterogeneidade que assegura a sua regulação e normalização (Boudon, 1986). A cultura assim concebida está sujeita à influência directa do turismo, já que, no contexto da viagem, a circulação de pessoas, cujos comportamentos são regulados por modelos culturais e identitários distintos, é constante. Pode então dizer-se que a cultura é “um processo simbólico de interacção” (Valade, 1995). Esta perspectiva interaccionista, permite abrir o leque às variáveis culturais, descentrando-as dos indicadores económicos tradicionalmente considerados e das ideologias interiorizadas pelo processo de socialização.

12A cultura pode ainda ser perspectivada a partir da identificação do património construído num determinado local. A UNESCO (1972), define património cultural, como “monumento, conjunto de edifícios ou sítio de valor histórico, estético, arqueológico, etnológico e antropológico”. Neste sentido, segundo a UNESCO, existem dois tipos de património cultural: o material e o imaterial. O património cultural material é constituído por bens imóveis, como por exemplo, os centros urbanos históricos, as obras de arte e os utensílios domésticos antigos. O património cultural imaterial é constituído pelas práticas, rituais, representações, expressões e conhecimento como também por comunidades, grupos e, em alguns casos, os indivíduos que se reconhecem como parte integrante do seu património cultural. A ideia de que as comunidades estão no centro da problemática cultural implica reconhecer a relação que estabelecem com os espaços físicos, a memória que perpetuam sobre o passado, a identidade que mantêm com o património construído, as vivências traduzidas através das práticas culturais, entre tantos outros aspectos.

13Desde 1972 que a UNESCO adoptou a Convenção do Património Mundial, Cultural e Natural, com o objectivo de, através de uma identificação e classificação criteriosa, proteger os bens patrimoniais dotados de interesse mundial excepcional e que naturalmente representam o fundamento de alguns segmentos turísticos. Ao longo do tempo, a UNESCO tem vindo a promover a valorização da cultura e dos diferentes elementos patrimoniais que, sendo tanto uma herança da História como a produção das gerações presentes, são qualificados como tendo valor para a Humanidade (Declaração de Budapeste sobre o Património Mundial de 2002; Orientações para a aplicação da Convenção do Património Mundial). Este factor reveste particular interesse e importância no contexto do turismo e das viagens.

14Os critérios que estão na base da classificação dos elementos patrimoniais sintetizam as ideias do valor e do interesse universais, qualificados como excepcionais, e a autenticidade dos padrões culturais tradicionais. As categorias identificadas pela UNESCO (1972) para a classificação dos bens naturais e culturais, com o objectivo da conservação através do reconhecimento internacional da sua importância, são: paisagens culturais, que complementam a Natureza com a produção humana podendo ser enquadradas nas subcategorias de:

  1. paisagem claramente definida, paisagem essencialmente evolutiva e paisagem cultural associativa;

  2. as cidades e centros históricos, distinguindo-se as cidades mortas, as cidades históricas vivas e as cidades novas do século XX;

  3. os canais do património; e as rotas do património.

15De acordo com a análise apresentada, podemos considerar que o turismo, enquanto prática social, favorece a interacção entre comunidades dotadas de culturas próprias e marcadas pela especificidade, promovendo a interacção entre indivíduos, mas também estimulando a troca de conhecimentos por contacto directo e a valorização pessoal dos intervenientes, sejam comunidades locais, sejam visitantes.

2.2. O Turismo e as Identidades: factos sociais em análise

16Em espaço insular, o tema em análise, o turismo, é considerado como um facto social e sociológico que assume uma transversalidade societal. Enquanto actividade, o turismo pressupõe mobilidade de pessoas (Krippendorf, 1987), que se deslocam para um local diferente do de residência habitual, motivadas por factores muito diversificados em função do momento e do contexto vivido. Durante a viagem, o turista encontra populações locais, também denominadas de grupos comunitários. A relação entre turistas, ou outsiders, e comunidades locais, ou insiders, é marcada por motivações e expectativas próprias, sendo regulada por elementos culturais específicos, orientadores de comportamentos e atitudes, formas de ser, estar e relacionar (Brito, 2004). A cultura é duplamente importante quando se analisa o tema do turismo: por um lado, porque, ao ser um instrumento orientador, funciona como facilitadora dos contactos interculturais ou, pelo contrário, limita-os e restringe-os. Por outro lado, porque os elementos culturais de referência, identificados com a autenticidade genuína, tradicional e ancestral, representam um factor potencial e aliciante para o mundo do turismo e das viagens.

17“O turismo é um elemento estruturante da dinâmica da economia global, em larga medida traduzida no desenvolvimento da componente de serviços. A crescente importância do turismo na economia resulta da cada vez maior mobilidade e prosperidade das sociedades. Os dois fenómenos estão aliás estritamente ligados: não pode haver turismo sem movimento, pelo menos enquanto o turismo virtual não sair da esfera da ficção científica” (Albuquerque & Godinho; 2001, 7). Assim o papel do turismo nas sociedades modernas traduz-se, cada vez mais, na capacidade de gerar riquezas económicas, fomentado o dinamismo das sociedades, o que significa ainda renovar as culturas, valorizando os elementos ancestrais que conferem identidade aos povos, reconhecendo a importância da permeabilidade à mudança.

18De acordo com a Organização Mundial de Turismo (Brito, 2004), trata-se de actividades desenvolvidas no decurso de viagens a locais situados fora do enquadramento habitual, por um período de tempo consecutivo superior a 4 horas e inferior a um ano, para fins recreativos ou outros, desde que não requeiram remuneração. A literatura de referência não apresenta consenso no que respeita à definição conceptual, nem à distinção das suas categorias, contudo, é habitual encontrar-se associações entre o turismo e os tempos vocacionados para o lazer (Boyer, 1972; Butler & Pearce, 1985), visto que ancestralmente as viagens estão associadas a formas alternativas de conhecimento em tempos de não trabalho. Na verdade, é habitual identificar a origem e a evolução da prática turística com a valorização da problemática do lazer (Brito, 2004). A maioria dos autores considera que, no âmbito das actividades promovidas, são satisfeitas necessidades, tanto dos visitantes como dos visitados (Mathieson & Wall, 1982), através do estabelecimento de contactos e de relações de diversa ordem, nomeadamente pessoal, afectiva, económica e cultural, cumprindo expectativas diferenciadas.

19Tal como foi mencionado anteriormente, este facto social, assume um estatuto transversal em relação a toda a sociedade. É devido a esta transversalidade que existe dificuldade em encontrar uma definição consensual sobre a origem do conceito: o turismo advém essencialmente de um estado de espírito, de uma atitude, e resulta em comportamentos e experiências pessoais (Vieira, 1997), concebidas como únicas e excepcionais. Sempre que a viagem turística ocorre, existe margem para o contacto intercultural, promovendo o confronto de culturas diferentes podendo resultar em consensos e harmonias, por processos de adaptação e aprendizagem, sem que contudo exista aculturação ou assimilação de elementos culturais. Mas a relação que decorre da actividade turística pode, ao contrário, transformar-se num choque de culturas sem adaptações ou identificação de pontos de contacto. Em qualquer um dos casos, o turismo é perspectivado como um facto social susceptível de análise e estudo.

20O turismo é também analisado por referência a espaços territoriais que, por si só, são elementos que criam e reforçam identidades, sobretudo quando perspectivados a um nível local. Cada espacialidade, pela especificidade própria que lhe é atribuída, contem na sua essência o ponto de partida para a apropriação dos espaços pelas comunidades. “O espaço quando apropriado, organizado e reconhecido, de um ponto de vista político, social, económico e ideológico, por um grupo ou classe social, (supostamente) em nome da população que nele habita e trabalha e com ele se identifica” (Amaro, 1990). Contudo, em muitas circunstâncias, através da prática turística, o visitante tende a reconhecer nestes espaços um factor de internalidade, assumindo-o como uma apropriação. A ideia da territorialização, com base no desenvolvimento do turismo, enquanto factor de reforço identitário implica a consciência de uma solidariedade territorial: o espaço e as representações que os grupos fazem dele são os seus principais constituintes, visto que o espaço não é só um suporte dos fenómenos sociais, mas também uma rede de relações.

21É assim neste contexto que surge a necessidade de chamar a esta reflexão o conceito de identidade, que tem subjacente a ideia de permanência, pois é esta que contribui para a formação da memória colectiva. A identidade territorial resulta, em parte, do perfil de um determinado espaço que é materializado na imagem específica que os actores dão de si mesmos, pressupondo uma dinâmica colectiva interna da região e da sua cultura, que também está dependente das relações com o meio envolvente. As diferentes dimensões espaciais são, cada vez mais, múltiplas, podendo falar-se da emergência de relações sociais referenciadas a territórios, culturas, formas de comunicação de âmbito nacional, regional ou local. As identidades, bem com as solidariedades decorrentes anteriormente mencionadas assumem também múltiplas formas espaciais, perfeitamente compatíveis entre si (Amaro, 1990).

22Para Madureira Pinto (Joaquim, 1997) não se pode afirmar que a problemática da identidade, com base local ou regional, seja uma questão de importância menor ou secundária, porque, em muitos casos e por razões associadas à lógica do campo mediático, obtêm uma mais valia simbólica. Assim, o território adquire valor e, de forma consequente, representa um elemento identitário de extrema relevância para as populações locais. A reforçar esta territorialidade flexível, emergem novos paradigmas científicos vocacionados para abordagens e análises alternativas às convencionais, equacionando novos pressupostos e metodologias de acção, mas também as novas tecnologias e os novos modelos de gestão, a valorização ambiental e uma maior consciência da importância do respeito pelas diferenças culturais. Estes processos são de extrema relevância no contexto do turismo, já que, pela natureza da actividade, estão implicitamente presentes.

23A literatura de referência e algumas experiências identificadas com práticas bem sucedidas sugerem que o turismo é uma actividade que desencadeia processos construtivos no sentido do desenvolvimento local, contribuindo para a capacitação dos agentes locais, a dinamização, a valorização das potencialidades e o reforço cultural. Assim, o turismo passa a ser concebido como um instrumento promotor de autonomia, reforçador da auto-estima, regulador do sistema identitário de referência e estimulador da participação envolvida e proactiva das populações locais.

24O empowerment surge com o incremento das capacidades participativas das comunidades e dos seus recursos endógenos (Amaro; 2009b). Este conceito, apresentado por John Friedmann (1996), é consequência de uma evolução nas concepções de autonomia e de responsabilização dos indivíduos. O processo histórico que alimentou este conceito visa a libertação dos indivíduos relativamente a estruturas, conjunturas e práticas culturais e sociais que se revelam injustas, opressivas e discriminatórias, através de um processo de reflexão sobre a realidade da vida humana. Empowerment é um processo de reconhecimento, criação e utilização de recursos e instrumentos pelos indivíduos, grupos e comunidades, em si mesmos e no meio envolvente, que se traduz num acréscimo de poder que permite a estes sujeitos aumentar a eficácia do exercício da sua cidadania (Amaro; 2009b). Desta forma, podemos afirmar que o empowerment consiste num instrumento metodológico de reforço das identidades comunitárias.

25A identidade cultural surge como um sistema de representações que confere ao indivíduo um sentimento de pertença social. Este conceito pressupõe a valorização do princípio de partilha de patrimónios naturais e culturais, humanos e construídos, entendidos como comuns, podendo referir-se como exemplos a língua, as crenças e a religião, a arte e as manifestações artísticas, o trabalho e as formas de produção, as festas e os rituais, as práticas culturais, os usos e o costume, as paisagens e os elementos da natureza. Às identidades culturais é atribuída uma característica processual, já que implicam uma construção em permanência, com associação e integração de novos elementos a outros anteriores, o que lhes confere uma qualificação de dinamismo, adaptabilidade e flexibilidade.

26Sempre que se verifica a introdução de elementos com readaptação fala-se em velhas e em novas identidades, também denominadas por alguns autores como reconstruídas (Saint-Maurice, 1997). As velhas identidades são qualificadas de tradicionais, ancestrais, antigas ou não modernas, por serem pouco receptivas à mudança, enquanto que, ao contrário, as novas identidades são caracteristicamente entendidas como modernas e diferentes, propícias à inovação e às influências exteriores. Na verdade, sempre que o contacto multi e intercultural se intensifica, promovido por povos de origens diversas, a possibilidade de se proceder à reformulação dos princípios identitários, ou pelo menos de alguns, aumenta. Pode então dizer-se que, a identidade será “a maneira como uma pessoa se define, como é que as suas características fundamentais fazem dela um ser humano” (Taylor, 1994). Convêm contudo, fazer a distinção entre a identidade individual, que diz respeito ao supracitado, e identidade colectiva, segundo alguns autores, cultural, à qual são associados elementos, tais como a etnicidade, a religião e o sexo. Independentemente do nível de análise prosseguido, tanto a identidade individual contém uma dimensão colectiva como a identidade colectiva encerra uma dimensão individual.

27Apesar da importância reconhecida à dimensão individual, que certamente influencia o relacionamento social, a nossa análise centrar-se-á na identidade colectiva por ser a que maior relevância tem no contexto do turismo e das viagens. Existem várias formas de identidade colectiva ou cultural, a saber: a identidade nacional; a civilizacional; a de classe; a de minoria; a étnica e linguística, entre outras. Todas as formas contribuem, de um modo ou de outro, para uma diferenciação social, qualquer que seja o tipo de sociedade a que se aplique. Na análise do turismo como mecanismo que influencia identidades, contribuindo para as reconstruir, ou reforçar, há que compreender também o processo no sentido inverso, ou seja, as identidades culturais colectivas como instrumento de captação da procura turística.

28Um dos principais factores da identidade é a comunicação, ou mais precisamente a linguagem no sentido mais amplo do termo, entendida não só como verbalização de palavras, mas também como arte, gesto, música, dança, vestuário, entre outras. É nestes elementos identitários que os indivíduos se reconhecem como membros do mesmo grupo, identificando semelhanças e aspectos referenciais comuns e, da mesma forma, diferenças em relação aos outros grupos. Este processo de identificação radica na percepção e integração de valores que orientam as actividades do grupo e a participação dos seus membros, sendo o mesmo processo que o faz dissociar de outro grupo, com a qual não se identifica. Contudo, esta atribuição realizada através de “um processo de comparação social associa-se às posições e categorias da estrutura social objectiva”, visto que as “crenças, ideias e valores não se distinguem aleatoriamente por uma população, mas estão relacionadas com características estruturais” (Saint-Maurice, 1997). A noção moderna de identidade, pressupõe também a diferença, já que se “exige o reconhecimento da identidade única deste ou daquele indivíduo ou grupo, do carácter singular de cada um (...) e é precisamente esta singularidade que tem sido ignorada, disfarçada, assimilada a uma identidade dominante ou de maioria” (Taylor, 1994), embora se continue a procurar a igualdade universal.

29Os elementos culturais, caracteristicamente simbólicos, são entendidos como estruturantes sociais por consistirem numa base de apoio para a actividade dos membros do grupo e para o estabelecimento de relações, tanto no seu interior como com o exterior. A cultura confere então identidade aos povos e esta traduz-se numa sensação de segurança, de conforto e de bem-estar por implicar um conjunto, mais ou menos alargado, de referências conhecidas, definidas como familiares, sendo por esta razão facilmente identificáveis. Nas relações estabelecidas no decurso da actividade turística, as identidades culturais são criações sociais reforçadoras da segurança: por um lado, para os visitantes traduzem-se em pontos de referência, orientadores do reconhecimento e facilitadores da interpretação dos elementos diferenciadores. Por outro lado, para as comunidades locais, representam o “porto seguro” face ao desconhecido, que pode implicar algum tipo de ameaça à estrutura cultural de origem, eventualmente ao estrangeiro, o que não é, de todo, sinónimo de pensamento discriminatório.

30É comum perceber-se uma identificação entre o conceito de identidade cultural e nacional, o que do ponto de vista analítico, nem sempre parece linear. As identidades culturais podem, e em muitos casos estão, referenciadas a um grupo restrito de indivíduos, podendo estar associadas a subculturas, mais do que à cultura dominante, vulgarmente equacionada com a nacional. Mas em qualquer dos casos, as identidades fundamentam-se em elementos culturais interiorizados e assimilados, considerados como referenciais e orientadores da conduta na vida social. As identidades podem inclusivamente dar origem ao surgimento de representações sociais, que consistem na criação de imagens e no reforço de ideias explicativas perante uma qualquer situação, permitindo apreender significados socialmente partilhados.

31O conceito de representação social tem sido largamente discutido a partir dos contributos apresentados por Serge Moscovici e Denise Jodelet, cujas análises se relacionam com o conceito durkheimiano de representações colectivas: princípios conceptuais e explicações culturalmente construídas, fundamentadas em crenças, imagens e ideias que facilitam a compreensão da realidade nas mais diversas dimensões. A análise de Moscovici (Semin, 2001) apresenta o conceito a partir de elementos que decorrem da vida social quotidiana, tais como conversas, gestos e encontros carregados de elementos simbólicos e de significado. Trata-se de factores promotores de coesão social que estruturam e fundamentam mentalidades. Independentemente das concepções colectivas, a individualidade

32é mantida e preservada porque cada indivíduo tende a interiorizar os elementos comuns de forma diferenciada, em função das características da sua personalidade e das experiências anteriormente vividas.

33Na abordagem de Jodelet (1990), as representações sociais são definidas como formas de conhecimento, desenvolvidas em conjunto pelos membros de um grupo, pelo que socialmente construídas e efectivadas a partir do entendimento comum da realidade interpretada com recurso a elementos simbólicos que lhes conferem identidade. Assim, caracterizam-se pela associação entre a dinâmica da racionalidade e da afectividade (Jodelet, 1990) já que são simbólicas e têm significado, podendo traduzir-se através de imagens criativas. É habitual considerar-se que, a tradição oral e o costume são instrumentos vitais para a manutenção das identidades comunitárias, assegurando a transmissão de conhecimentos ancestrais, formas de produção, utilização de recursos ambientais e reprodução de práticas sociais. De acordo com Denise Jodelet (1990), as representações sociais apresentam cinco características principais, a saber: (a) integram o significado de um objecto ou situação; (b) têm um carácter imagético e a propriedade de reunir em simultâneo a sensação e a ideia, a percepção e o conceito; (c) têm um carácter simbólico e significante; (d) encerram um princípio construtivo; (e) apresentam um elemento de criatividade. A análise do conceito de representações sociais mostra que um grupo, ou pelo menos a maioria dos seus membros, aceita e assimila os conhecimentos produzidos, tanto ao nível do senso comum da vida quotidiana como pela ciência, através de representações que contribuem para a orientação das condutas sociais.

34Enquanto elementos estruturantes dos comportamentos individuais e em grupo, as representações sociais estão marcadas pela afectividade, podendo considerar-se três momentos diferentes e sequenciais: (i) o pensamento, já que pensar é uma das características humanas no que respeita à construção cognitiva; (ii) o sentimento, visto que o sentir, positivo e negativo, envolve todas as acções humanas; (iii) a acção, entendida como o comportamento. Ora, nesta perspectiva, falar em representações sociais significa a preparação para a acção, em que os comportamentos e atitudes são orientados e guiados em determinado sentido e cumprindo um conjunto de objectivos inicialmente propostos.

35Em África, as representações sociais, bem como todos os instrumentos relacionados, adquirem grande importância sempre que se equaciona a actividade turística e as relações propiciadas entre as comunidades locais e os visitantes.

2.3. São Tomé e Príncipe e Cabo Verde: estudos de caso

36Enquanto Pequenos Estados Insulares, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde parecem ser destinos turísticos potenciais, apelativos pela especificidade ambiental, naturalmente diferenciada em função da localização geográfica, e sobretudo pelas características de miscigenação cultural. Como foi anteriormente referido, as populações são tendencialmente crioulas, sendo o resultado de casamentos mistos, influenciadores dos traços de caracterização sócio-demográfica.

37O estudo comparativo realizado em São Tomé e Príncipe e em Cabo Verde no âmbito do Projecto PTDC/AFR/69094/2006, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT/MCTES), sugere alguns elementos de caracterização da relação que se pode estabelecer entre os elementos culturais e o turismo, bem como na influência que exercem um sobre o outro.

38Através da análise dos inquéritos por questionário aplicados nos dois espaços arquipelágicos (N=849, dos quais 456 em São Tomé e 393 em Cabo Verde) é possível perceber que, nestes países, a maioria da população do estudo é alfabetizada (Quadro 20) evidenciando frequência de grau de ensino (81,7% do total), sendo de destacar algumas fragilidades no que respeita ao acesso ao ensino superior (3,9% do total).

Quadro 20 – Alfabetização dos inquiridos em São Tomé e Cabo Verde, em %

Alfabetização

Total

Cabo Verde

São Tomé

Não sabe ler/ escrever

5,5

5,1

6

Sabe ler/ escrever

10,7

20,8

2,2

Ensino Básico

32,5

33,6

32,4

Ensino Secundário

45,3

35,1

55,4

Ensino Superior

3,9

3,8

4

Outro

0,5

1

0

Não Responde

1,6

0,5

0

39A análise por país evidencia um reforço em São Tomé (91,8% dos inquiridos são alfabetizados) relativamente a Cabo Verde (72,5%), situação eventualmente explicada pelo facto da recolha de dados ter incidido, no primeiro caso apenas na ilha de São Tomé, com destaque para os principais centros urbanos (31% na cidade de São Tomé e 21,5% na cidade de Neves), ou para localidades referenciadas na proximidade (entre Cruzeiro e Bombaim, 11,7%; Monte Café, 9,3%; Diogo Vaz, 7,5%).

Quadro 21 – Identificação do local de residência dos inquiridos por país e % de respostas

São Tomé

%

Cabo Verde

%

Porto Alegre/ Malanza

10,9

Lajedos (Santo Antão)

17,8

São João/ Angolares

6,2

Chã das Caldeiras (Fogo)

35,1

Entre Cruzeiro e Bombaim

11,8

Maio (Maio)

47,1

Diogo Vaz

7,5

Cidade de São Tomé

31

Neves

21,5

Monte Café

9,3

Ilhéu das Rolas

1,8

40No caso de Cabo Verde (Quadro 21), os inquiridos foram, repartidos pelas três ilhas analisadas (Fogo, Santo Antão e Maio), não coincidindo em nenhum dos casos com a capital, sendo todas particularmente marcadas pela ruralidade e mesmo pelo isolamento, resultante da distância em relação aos principais centros urbanos.

41Todas as localidades objecto de inquirição foram seleccionadas a partir da existência de projectos turísticos nas proximidades, ou iniciativas de visita e realização de actividades para os viajantes (Quadro 22).

Quadro 22 – Identificação dos projectos turísticos por do local de inquirição e por país

Cabo Verde

Localidade de Inquirição

Projecto/Iniciativa

Maio

Iniciativas em projecto

Fogo

Projecto Turismo Sustentável no Fogo (Parque Natural do Fogo)

Santo Antão

Projecto Turismo Solidário e Desenvolvimento (Atelier Mar)

São Tomé

Localidade de Inquirição

Projecto/Iniciativa

Porto Alegre/ Malanza

Mangrove Tour

Jalé Ecolodge

São João/ Angolares

Roça de São João

Entre Cruzeiro e Bombaim

Roça de Bombaim

Diogo Vaz

Escola de Campo Diogo Vaz

Cidade de São Tomé

Hotéis vários

Neves

Roça Monte Forte

Monte Café

Jardim Botânico

Ilhéu das Rolas

Pestana Equador

42No geral, os principais elementos culturais referidos como potenciais para o turismo nos dois arquipélagos (Quadro 23) são as manifestações culturais, tais como a música, as danças, as festas populares e tradicionais, e ainda a gastronomia (49,6%), seguidos do artesanato (11,2%) e das referências históricas e elementos do património construído, incluindo as habitações tradicionais (7,7%).

43A análise por país evidencia algumas discrepâncias que, do ponto de vista da actividade turística parecem ser relevantes. Assim, em Cabo Verde o artesanato e as características da população no que respeita ao contacto interpessoal são factores considerados como fortemente potenciais, enquanto que, em São Tomé, as principais potencialidades culturais referidas respeitam a manifestações culturais, na maioria marcadas pela informalidade.

Quadro 23 – Identificação de potencialidades culturais dos inquiridos em % de respostas

Potencialidade Cultural

Total

Cabo Verde

São Tomé

Manifestações culturais

49,6

69,6

60,5

Alegria e simpatia da Comunidade

2,2

10,7

1,1

Produtos artesanais e produção artística

11,2

54,3

5

História e Património

7,7

5,1

0,4

Vivência (modos de vida locais)

1,2

1,8

0,2

Não há

11,2

4,3

17,1

NS/NR

16,9

10,7

18,4

44Da mesma forma, os principais problemas de ordem cultural identificados, relacionados com a promoção do turismo, são a possibilidade de existir perda de tradições ancestrais (27,6%), a fraca dinamização de actividades culturais e artísticas (27,1%), a desvalorização de elementos culturais de referência para as comunidades de acolhimento, a degradação do património construído (17,6%), nomeadamente histórico e arquitectónico, a falta de identidades culturais (17,0%) e a falta de diálogo intercultural (9,1%). Os dois países em análise assumem-se, assim, como potenciais produtos turísticos, se bem que de forma diferenciada pela particularização de especificidades próprias.

Quadro 24 – Principais problemas de origem cultural identificados pelos inquiridos, em %

Problema Identificado

TOTAL

Cabo Verde

São Tomé

Perda de tradições

27,6

0,264

0,288

Falta de dinamização cultural e artística

27,1

0,257

0,285

Degradação do património histórico-cultural

17,6

0,163

0,189

Falta de Identidade cultural local

17

0,19

0,15

Falta de Diálogo intercultural

9,1

0,117

0,064

Outro problema cultural

1,6

0,008

0,023

45A análise por país permitiu também perceber que a perda das tradições locais, tanto em Cabo Verde como em São Tomé, é um factor de preocupação para as comunidades locais estudadas quando equacionam a possibilidade do número de visitantes ser incrementado. Assim, é pertinente reflectir sobre a relação entre a percepção comunitária da perda das tradições e a eventual abertura ao exterior, dando origem à construção de novas abordagens sobre as práticas locais. De forma associada surge o problema da fraca dinamização de actividades culturais e artísticas que, em São Tomé e Príncipe (80,4%) é mais evidente do que em Cabo Verde (72,3%). No primeiro caso, este problema parece ser uma evidência, já que a observação directa permitiu também confirmar que os equipamentos culturais e artísticos são escassos não estando a funcionar com um carácter regular no que respeita à oferta de produtos culturais. No segundo caso, há que referir que as ilhas estudadas (Fogo, Santo Antão e Maio) não têm tradição de oferecer serviços de animação cultural com um carácter de permanência, revelando frágil e pontual investimento em actividades ligadas à cultura.

46De uma forma geral, os impactos da actividade turística são avaliados como positivos (76,6%), sendo um factor particularmente considerado em Cabo Verde (89,3%).

Quadro 25 – Avaliação dos impactos do turismo para os inquiridos em %

Avaliação geral dos Impactos

Total

Cabo Verde

São Tomé

Positivo

76,6

89,3

64

Negativo

19,4

7,4

31,4

NS/ NR

3,9

3,3

4,6

47De acordo com o Quadro 25, os impactos do turismo identificados pelos inquiridos, com base nas percepções pessoais, sugerem que a actividade é tendencialmente positiva (+) para a valorização das identidades comunitárias e para o reforço cultural. Há que destacar o significativo valor percentual de não respostas por item.

Quadro 26 – Percepções dos impactos culturais do turismo para os inquiridos em %

Total

Cabo Verde

São Tomé

Percepções

+

-

+

-

+

-

Valorização das tradições locais

27,3

8,5

71,6

37,5

28,4

62,5

Dinamização de actividades culturais e artísticas

23,6

7,8

75,5

31,8

24,5

68,2

Reabilitação do património histórico-cultural local

16,7

5,7

23,7

3,1

10,7

7,9

Reforço da Identidade cultural local

12,4

4

77,1

32,4

22,9

67,6

Diálogo intercultural

21,8

4,8

74,9

13,6

25,1

86,4

48Contudo, de acordo com a sistematização apresentada no Quadro 26, das respostas válidas, pode perceber-se que os impactos culturais mais destacados pela positiva (+), no geral, são a valorização das tradições locais (27,3%), a possibilidade de dinamização de actividades culturais e artísticas (23,6%), o diálogo intercultural (21,8%), a reabilitação do património histórico e cultural local (16,7%), uma maior abertura ao Mundo (16,5%) e o reforço da identidade local promovida através da divulgação de elementos culturais que marcam a especificidade (16,5%).

49A análise por país permite destacar, para Cabo Verde, a valorização das tradições, a possibilidade de dinamizar actividades culturais e artísticas, o reforço da identidade e o diálogo intercultural. No caso de São Tomé são mais evidenciados os impactos negativos do que os positivos, destacando-se os que se relacionam com o diálogo intercultural, que indicia a existência de processos de não respeito pelas identidades e pela cultura de origem.

Quadro 27 – Tipo de contacto estabelecido entre o turista e as comunidades locais, em %

Tipo de Contacto

Total

Cabo Verde

São Tomé

Conversas Ocasionais

56,5

59,2%

53,8%

Funcionário de Hotel

3,6

3,3%

3,8%

Funcionário de Restaurante/ bar

5,1

6,6%

3,6%

Comércio de Artesanato

4,9

4,3%

5,6%

Outro tipo de Comércio

6,1

6,0%

6,2%

Guia/ Animador

11,9

11,8%

12,0%

Motorista

5,7

3,7%

7,7%

Outro tipo de relações

6,2

5,0%

7,4%

50De acordo com o Quadro 27, a maioria dos inquiridos indica apenas estabelecer contactos ocasionais com os turistas, a maioria através de conversas suscitadas no momento (56,5% do total), não repetidas, ou ocorridas no decurso de visitas com acompanhamento de guia ou animador local (11,9%). Esta situação é recorrente nos dois países em análise, não se registando variações significativas em função do caso.

Quadro 28 – Benefício para as comunidades locais, em %

Benefício do Turismo

Total

Cabo Verde

São Tomé

Sim

60,8

86

35,7

Não

36,9

12,5

61,2

NS/ NR

2,3

1,5

3,1

51De uma forma geral, os projectos turísticos têm contribuído para promover o desenvolvimento da região onde estão implementados (60,8% do total), sendo de destacar a forte discrepância na avaliação entre Cabo Verde (86%) e São Tomé (35,7%). Neste caso, a maioria dos inquiridos indica que os projectos em curso não promovem benefícios directos significativos de forma a serem percebidos e avaliados pela população a nível local ou regional. Ao contrário, a maioria refere que os projectos turísticos da proximidade da residência não beneficiam as populações, nem promovem melhorias nas condições de vida a nível local, contribuindo apenas para a valorização dos seus promotores.

52No que respeita aos benefícios directos dos projectos turísticos, apenas 33,7% do total dos inquiridos indica a capacitação, incluindo promoção de acções de formação e de sensibilização, factores determinantes para a aquisição de conhecimentos e de competências. A situação é particularmente mais agravada no caso de São Tomé e Príncipe onde apenas 17,8% dos inquiridos menciona este tipo de benefício. No que respeita a capacitação, em Cabo Verde têm incidido de forma particular no desempenho funcional, nomeadamente no que respeita à formação de guias turísticos para acompanhamento de percursos de trekking e montanhismo (24,9%), actividades de restauração (13,2%), línguas estrangeira (12,9%) e hotelaria (11,7%). Em São Tomé e Príncipe, as acções formativas têm estado particularmente centradas nas artes e no artesanato (22,2%) com dispersão por outras áreas temáticas ou funcionais.

53Os indicadores de participação não parecem ser conclusivos, já que, em média, apenas 31,2% dos inquiridos afirma participar na tomada de decisões sobre questões consideradas importantes para a continuidade dos projectos e que simultaneamente influenciam a vida comunitária. Da análise por região percebe-se que, em particular, no caso de São Tomé e Príncipe não existe grande envolvimento comunitário na tomada de decisões (18,5%). Neste caso, é relevante considerar que o maior índice participativo é registado na Roça de São João (74,6%) e o menor no Ilhéu das Rolas, onde é manifestamente inexistente (0,0%). Esta situação é facilmente explicada por dois factores principais a considerar: por um lado, a iniciativa turística do Ilhéu das Rolas é, desde o início da concessão do espaço pelo governo santomense, uma iniciativa privada, tanto no que respeita ao investimento como à forma de gestão. Por outro lado, os termos da concessão inicial com o Grupo Rotas d´África, previa a desertificação da ilha no que respeita à comunidade residente, objectivo que teve continuidade com a negociação da subconcessão do Grupo Pestana. Em Cabo Verde, o índice mais significativo de participação comunitária é assinalado em Chã de Caldeiras no âmbito do Projecto promovido pela Direcção do Parque Natural do Fogo. Dos inquiridos que indicam participar activamente nas actividades dos projectos, a maioria (71%) refere fazê-lo de forma proactiva e envolvida, enquanto que os que não participam alegam não ter sido convidados a fazê-lo ou estar impossibilitados pelo envolvimento simultâneo em actividades laborais.

54De uma forma geral, os aspectos indicados como requerendo maior atenção, considerando-se apenas, neste caso, os factores sócio-culturais, consistem nos efeitos promotores de desenvolvimento local e de base comunitária (16,4% do total) e a valorização da participação (14,4%), sendo de destacar que estes indicadores são particularmente mais referidos pelos inquiridos santomenses (19,3% indica o desenvolvimento local e 27,9% a necessidade de incrementar a participação comunitária).

Quadro 29 – Aspectos sócio-culturais a melhorar por país e em %

Factores a melhorar

Total

Cabo Verde

São Tomé

Actividades culturais

7,7

1,8

5,9

Desenvolvimento local

16,4

13,5

19,3

Formação e capacitação

8,7

8,7

8,6

Sensibilização dos turistas

1,6

0,8

2,4

Promover a participação

14,4

0,8

27,9

55Estes resultados parecem fazer sentido visto que coincidem com os indicadores avaliados de forma mais precária. No que respeita às técnicas de incentivo à participação e ao envolvimento, destaca-se uma valorização de todos os itens em São Tomé, nomeadamente: os estudos de opinião (93,1%); os concursos de ideias (87,2%); as audiências públicas (83,1%); as acções nas comunidades (80,3%); e a organização de eventos (78,6%).

56Na opinião dos inquiridos, os principais aspectos que deveriam ser melhorados para desenvolver o turismo são comuns, tanto a Cabo Verde como a São Tomé: as vias de acesso; as infra-estruturas básicas; e as condições de vida das populações.

57A análise dos dados seleccionados, por serem os mais relevantes no que respeita à importância do turismo para a valorização cultural das comunidades de acolhimento, permite perceber que, de uma forma geral e independentemente do espaço insular considerado, as comunidades têm ficado à margem dos projectos turísticos, não os influenciando de forma directa, maioritariamente por impossibilidade de maior envolvimento e participação.

58A esfera da gestão das unidades não está acessível às comunidades locais que revêem nas iniciativas mais uma oportunidade de trabalho do que propriamente de valorização dos elementos culturais de referência. Contudo, de uma forma geral, o turismo é entendido como um sector que promove benefícios para quem cria, gere e explora as iniciativas, ou para quem usufrui dos momentos de lazer, ficando aquém das expectativas da população local. Em alguns dos projectos estudados, a cultura comunitária, traduzida nas formas de ser, estar e agir, reguladas por padrões identitários que são exteriorizados através de representações sociais, são entendidas pelos promotores como limites ao incremento das iniciativas. Noutras situações, os elementos culturais tendem a sofrer de folclorização padronizada, e tendencialmente estereotipada, por serem concebidos apenas como mais um tipo de recurso susceptível de rentabilização a favor do projecto, arriscando alguma perda de autenticidade genuína tão procurada pelos visitantes.

59A imagem turística dos espaços insulares analisados tem sido marcada por uma falsa ideia, ou pelo menos potencial e parcialmente falaciosa. O turismo permanece estreitamente associado a uma imagem centrada no estereótipo de que o turista que visita os arquipélagos procura ambientes de sol e praia, onde encontra climas amenos e segurança garantida. Esta noção está bem patente nas entrevistas realizadas a representantes institucionais dos dois países ligados ao sector, a promotores de iniciativas turísticas e até a observadores externos dos projectos em estudo: na viagem, sobretudo em tempo de lazer, o turista estrangeiro procura praias desertas, mar e sol, e essa é a potencialidade turística habitualmente mais referida. A dimensão cultural tende a ser frequentemente secundarizada porque concebida mais como um complemento de actividades possíveis do que como a motivação principal. E, contudo, os dois arquipélagos são dotados de elementos patrimoniais de grande riqueza: além da História marcada por um passado colonial vivido intensamente, em Cabo Verde encontram-se elementos culturais de monta, entre os quais a música internacionalmente conhecida e apreciada pelos ritmos característicos, as danças, a gastronomia crioula, os trajes tradicionais, as festas e a religiosidade. Em São Tomé e Príncipe, o património construído, se bem que a requerer intervenção urgente de reabilitação, reveste interesse particular até porque coincide com a valorização da História nacional, centrando-se nas roças, antigas unidades de exploração agrícola.

60Quem mais refere os factores culturais como estruturantes das actividades turísticas são as próprias comunidades que, em todo o momento, procuram um reforço das suas identidades, e que é possível através da valorização de elementos de referência. Os membros das comunidades locais residentes na envolvência dos projectos realçam, muitas vezes de forma inconsciente, componentes da cultura marcadas pela ancestralidade e pela tradição que, com o turismo, não só procuram que não se percam como ainda contribuem para a sua revitalização.

61Os impactos do turismo nas comunidades reflectem-se também a nível económico e material, particularmente no que respeita aos indicadores de emprego, aquisição de rendimento e condições de vida e de bem-estar. O estudo privilegiou também esta dimensão, porque se considera que o desenvolvimento, na vertente da sustentabilidade, implica a garantia de acesso a bens e a serviços.

Quadro 30 – Principais problemas económicos, em %

Problema

Total

Cabo Verde

São Tomé

Desigualdade Económica

9,1

5,1

13,1

Desemprego

17,3

16,2

18,4

Condições de Trabalho

9,2

9,4

9

Falta de actividades produtivas locais

8,1

9

7,2

Dependência face ao exterior

5,6

6,9

4,2

Baixo rendimento familiar

12,4

10,9

13,8

Educação/ Formação

10,1

9,2

11

Infra-estruturas

8,4

8,4

8,4

Acesso a água

10,3

13,1

7,5

Conflito por terra

3,1

4,2

2

Acesso a meios de comunicação e informação

5,9

7,2

4,5

Outro problema

0,5

0,3

0,8

62De uma forma global, os principais problemas económicos identificados são o desemprego associado ao baixo rendimento familiar, falta de actividades produtivas e precárias condições de trabalho (47% no conjunto dos factores) que resultam em desigualdades económicas (9,1%).

63A análise por país permite perceber ausência de variações dos problemas mais prementes, se bem que em São Tomé a conjugação destes factores seja mais representativa (48,4%), complementada por desigualdades económicas (13,1%), enquanto que em Cabo Verde, os valores são inferiores (45,5% e 5,1% respectivamente). Estes factores conjugam-se, fazendo emergir situações agravadas de pobreza (20,3% em Cabo Verde e 22,3% em São Tomé e Príncipe) e violência (9,3% em Cabo Verde e 8,4% em São Tomé e Príncipe). Assim, a maioria dos inquiridos considera que os projectos turísticos devem conter uma vocação social (74,2% em Cabo Verde e 82,9% em São Tomé e Príncipe) que permita colmatar os principais problemas sentidos.

64As áreas de intervenção do apoio social, com vertente económica, consideradas pelos inquiridos coincidem com a tomada de consciência dos problemas que requerem uma atenção mais urgente: formação (19,3% em Cabo Verde e 16,6% em São Tomé e Príncipe), apoio a população desfavorecida (em Cabo Verde, 15,3% e em São Tomé e Príncipe, 15,6%), apoio ao empreendedorismo (14,5% em Cabo Verde e 14,8% em São Tomé e Príncipe).

Quadro 31 – Impactos positivos nos problemas económicos, em %

Impacto positivo no problema

Total

Cabo Verde

São Tomé

Desigualdade Económica

6,9

4,1%

9,6%

Desemprego

32,9

23,2%

42,5%

Condições de Trabalho

11,4

12,7%

10,0%

Falta de actividades produtivas locais

8,1

9,8%

6,4%

Dependência face ao exterior

1,9

3,5%

0,4%

Baixo rendimento familiar

11,2

11,3%

11,1%

Educação/ Formação

10,5

12,0%

8,9%

Infra-estruturas

7,3

10,0%

4,6%

Acesso a água

3,8

4,4%

3,2%

Conflito por terra

1,1

1,0%

1,1%

Acesso a meios de comunicação e informação

5,1

8,0%

2,1%

65Em média, e no geral, os impactos mais positivos resultantes do turismo nas regiões insulares analisadas respeitam ao combate ao desemprego (32,9%), à melhoria nas condições de trabalho (11,4%), ao incremento no rendimento familiar (11,2%), à valorização da educação e da formação (10,5%). A análise por país (Quadro 31) permite evidenciar, de forma particular, o indicador desemprego no caso de São Tomé e Príncipe, indiciando que este foi o principal benefício sentido com o incremento do sector.

66O turismo é definido como catalizador de recursos e gerador de efeitos de difusão para outros sectores que lhe são complementares, contribuindo para a sua dinamização e rentabilização (cf. Quadro 32). Em Cabo Verde, as principais actividades produtivas que beneficiam do turismo são o artesanato (16,2%), a restauração, incluindo restaurantes, bares e similares (12,2%), o comércio local (12%), a construção civil (10,6%) e os transportes (8,9%). Em São Tomé e Príncipe, percebem-se algumas diferenças, já que as actividades mais destacadas são o artesanato (23,5%), a agricultura (16,4%), os serviços de lazer (12,9%), os transportes (12,5%) e o comércio local (9,8%).

Quadro 32 – Sectores de actividade mais influenciados pelo turismo, em %

Actividades

Cabo Verde

São Tomé

Agricultura

6,8

16,4

Artesanato

16,2

23,5

Indústria

4,9

5,8

Comércio Local

12

9,8

Transportes

8,9

12,5

Pesca

5,4

3,7

Restauração

12,2

4,9

Construção Civil

10,6

1,9

Educação/ Formação

7,2

3,2

Saúde

6,1

4,1

Serviços de Lazer

9,7

12,9

Outro Sector

0,2

1,2

67Os projectos turísticos estudados contribuem para a minimização dos principais problemas económicos sentidos pelas populações locais (Quadro 33), nomeadamente para a criação de emprego (22%), valorização de empresas locais, concessão de apoio às associações locais e aos projectos de base comunitária e a mobilização de recursos locais (12,4%). A análise por país é coincidente, havendo contudo uma ligeira alternância na hierarquia de importância dos diferentes factores considerados.

Quadro 33 – Contributos dos projectos turísticos para a resolução de problemas, em %

O Projecto contribui para

Total

Cabo Verde

São Tomé

Criação de emprego

22

18,0%

26,0%

Valorização de empresas locais

15,3

12,6%

17,9%

Mobilização de recursos da região

12,4

11,0%

13,7%

Satisfação de necessidades locais

9

10,7%

7,3%

Apoio a associações locais e projectos comunitários

12,6

13,2%

11,9%

Financiamento de infraestruturas

6,9

9,1%

4,7%

Combate à migração das populações locais

3,9

4,8%

2,9%

Combate à migração dos jovens

5

5,4%

4,6%

Valorização da cultura local

12,4

14,9%

9,9%

Outro contributo

0,8

0,4%

1,1%

68De uma forma geral, pode afirmar-se que os impactos sócio-económicos são positivos, sendo particularmente mais valorizados em Cabo Verde, em resultado de uma implementação mais sustentada das iniciativas turísticas. Em São Tomé e Príncipe os impactos nas comunidades parecem ser, em geral, ténues, evidenciando um reforço maior ao nível dos benefícios para os promotores, com eventual implicação das populações locais, não sendo contudo generalizada.

69No que respeita aos efeitos sócio-culturais, os resultados da investigação vão ao encontro das suposições iniciais, já que os elementos das culturas tradicionais das pequenas ilhas tendem a ser revalorizados por serem simultaneamente entendidos como potencialidades turísticas complementares aos elementos naturais, que são habitualmente considerados como os factores mais apelativos do ponto de vista das viagens e do turismo.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search