Version classiqueVersion mobile

Turismo em meio insular africano

 | 
Brígida Rocha Brito

Concluindo a análise

Texte intégral

1A análise do tema “O impacto do turismo no desenvolvimento comunitário em África: análise de experiências insulares”, pareceu-nos particularmente aliciante desde o início. Por um lado, porque todos nós, em qualquer momento da vida, ou em muitos, já desempenhámos tanto o papel de turista que, pela primeira vez, visita territórios, considerados como destinos turísticos, contactando com populações residentes, contemplando paisagens e observando espécies; como também já nos revimos no papel das comunidades locais que acolhem visitantes estrangeiros.

2Através da análise encetada formos obrigados a reflectir sobre procedimentos, formas de actuação e de interacção com grupos de pessoas que têm culturas diferentes e formas de se relacionar particulares. Mas também sobre a fragilidade dos recursos naturais e dos espaços perante a intervenção de algumas actividades, entre as quais turísticas, que requerem planeamento e controle, de forma a não promoverem efeitos perversos.

3A reflexão ajudou-nos também a compreender muitos dos processos que estão na base da prática turística, especialmente nas vertentes comunitária, por coincidir com um dos actores mais importantes de todo o processo, e ambiental por representar o enquadramento das actividades potencialmente desenvolvidas. O estudo prosseguido no âmbito do Projecto de Investigação, que agora é concluído, contribuiu sobretudo para, em contexto insular africano, identificarmos eixos orientadores do que se pretende que seja a prática do turismo sustentável, promovendo efeitos desejáveis, porque positivos e propiciadores de uma mudança construtiva, e minimizadores dos impactos perversos que, por resultarem de forma negativa, devem ser evitados.

4Para além da problemática do turismo e das viagens ser aprazível do ponto de vista pessoal, estudos anteriores levaram-nos a equacionar a relação entre o turismo e o desenvolvimento comunitário. A possibilidade de compreendermos de que forma a relação entre actores de origens diversas, e com estatutos diferenciados, num mesmo espaço pode influenciar, positiva ou negativamente, os processos de mudança, recorrendo à análise de casos concretos, despertou interesse e atenção. O estudo partiu de uma preocupação central: através do conhecimento directo de iniciativas em curso, com visitas in loco, e com o apoio de interlocutores locais, apreender quais as potencialidades definidas como mais importantes para a promoção turística, quais os factores constrangedores e quais os impactos decorrentes.

5Desde o início do estudo, a equipa de investigação questionou-se acerca do modus operandi do turismo como veículo promotor de desenvolvimento nos Pequenos Estados Insulares Africanos: Como se caracteriza o turismo em espaço insular africano? Que tipo de turismo é desejável em função das potencialidades insulares? Qual a evolução que tem sofrido? Quais os segmentos de turismo emergentes? Serão as potencialidades ambientais e culturais consideradas estrategicamente para a promoção do turismo em África? Quem são os principais actores envolvidos na implementação dos projectos turísticos? Quem são os principais beneficiários da iniciativas? Quais os tipos de turistas que mais procuram os destinos insulares africanos e que motivações os movem? Que impactos são gerados com o incremento do turismo? Serão os efeitos produzidos pela actividade apenas positivos, como desejável, ou emergem também processos negativos? Os impactos resultantes da actividade turística são de que tipo: sociais, culturais, económicos, ambientais? Serão os impactos, positivos e negativos, idênticos em diferentes espaços insulares? Quais as formas que cada um dos micro-Estados analisados encontra para regular os efeitos negativos criados? Serão os impactos positivos facilmente identificados e potenciados?

6Ao contrário do que é habitualmente considerado ao nível do senso comum, a análise do tema é marcada pela complexidade, pelo que não permite uma resposta imediata às questões enunciadas. O turismo, enquanto actividade e prática, resulta de forma integrada e sistémica, envolvendo uma grande multiplicidade de actores, cada um com evidenciando a sua especificidade, mas também outras actividades económicas complementares, manifestações culturais, formas de contacto com a natureza, enquadramento político, e tantas mais.

7Falar em turismo, mas sobretudo nos impactos da actividade nos processos de mudança comunitária implica envolver, a partir de uma leitura sistémica complexa, todas as dimensões e categorias anteriormente consideradas. A análise não pode ser linear sob pena de se tornar redutora.

8Com a prossecução do estudo procurámos responder às questões enunciadas e sistematizamos alguns dos elementos no Quadro 41, a seguir apresentado:

Quadro 41 – Tentativa de sistematização de respostas por questão enunciada

Como se caracteriza o turismo em espaço insular africano?

Inicial, incipiente, a requerer planeamento de actividades e definição criteriosa de segmentos prioritários

Que tipo de turismo é desejável em função das potencialidades insulares?

Turismo de pequena escala, grupos reduzidos com interesse em contactar com comunidades locais, com elas interagir, e com ambiente preservados

Qual a evolução que tem sofrido?

Evolução marcada pela irregularidade

Quais os segmentos de turismo emergentes?

Turismo de natureza, turismo de observação, ecoturismo, turismo solidário e socialmente responsável, turismo científico

Serão as potencialidades ambientais e culturais consideradas estrategicamente para a promoção do turismo em África?

Nem sempre têm sido consideradas, depende do projecto, do promotor, da época histórica e do enquadramento legal

Quem são os principais actores envolvidos na implementação dos projectos turísticos?

Empresas privadas estrangeiras, organizações da sociedade civil, empreendedores locais

Quem são os principais beneficiários da iniciativas?

Variáveis em função dos projectos: os próprios promotores;

comunidades locais

Quais os tipos de turistas que mais procuram os destinos insulares africanos e que motivações os movem?

Origem: Europa

Motivações: lazer, descanso, contacto com a natureza e conhecimento de culturas tradicionais

Que impactos são gerados com o incremento do turismo?

Positivos — criação de emprego, formação, incremento no rendimento familiar; sensibilização e educação ambiental com maior valorização de recursos naturais marcados pela vulnerabilidade; valorização de elementos da cultura tradicional

Negativos — emergência de desenquadramento social, incerteza de continuidade, pressão sobre espaços e recursos naturais

Os impactos resultantes da actividade turística são de que tipo: sociais, culturais, económicos, ambientais?

Existem impactos sociais, culturais, ecónomicos e ambientais, positivos e negativos

Serão os impactos, positivos e negativos, idênticos em diferentes espaços insulares?

Os impactos são variáveis em função do espaço insular, das experiências anteriores

Quais as formas que cada um dos micro-Estados analisados encontra para regular os efeitos negativos criados?

O sector apresenta fragilidade com diferenciado envolvimento institucional

9A investigação viabilizada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia decorreu no Centro de Estudos Africanos (CEA/ISCTE-IUL) durante três anos, seguindo um cronograma planificador das actividades programadas, envolvendo em permanência todos os membros da equipa, pontualmente os consultores e, em tempos previamente determinados, os bolseiros contratados.

10A metodologia seguida baseou-se, conforme previsto, na complementaridade de técnicas de recolha de dados e de tratamento que fundamentaram a análise apresentada no presente livro. Dadas as especificidades dos países estudados, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, no que respeita, entre outros aspectos, ao desempenho do turismo no desenvolvimento local, a equipa procedeu a:

  • recolha e análise bibliográfica e documental temática sobre turismo, desenvolvimento local, cultura e identidades, e estratégias educativas tendentes à preservação ambiental e à adopção de comportamentos conservacionistas;

  • sistematização de indicadores de caracterização dos dois países e da importância do turismo em cada um;

  • aprofundamento e afinamento da metodologia, nomeadamente na elaboração dos guiões de inquérito, a aplicar à população local, e de entrevista, a realizar com representantes institucionais, gestores de projectos e observadores;

  • listagem de iniciativas a estudar em cada um dos países, identificadas com base em critérios previamente definidos, tais como a existência de comunidades locais a residir na envolvência dos projectos e o enquadramento ambiental;

  • visita aos projectos em estudo no decurso das missões realizadas em momentos diferentes, como forma de aferição dos resultados, com observação e registo de dados em grelhas concebidas para o efeito e através de fotografia;

  • criação e gestão da base de dados com tratamento quantitativo dos inquéritos e análise de conteúdo das entrevistas gravadas e transcritas com consequente análise.

11Com a conclusão desta investigação, poderíamos enunciar novas questões que entretanto fomos colocando à medida que a reflexão foi sendo aprofundada e que poderiam dar origem a novas pistas de pesquisa: se o turismo é considerado como uma actividade catalizadora de mudanças, porque não existem mecanismos nacionais de promoção do investimento e de canalização para o sector? Porque é que o Estado não aposta formalmente na qualificação dos recursos humanos nacionais para um desempenho mais eficiente? Porque existe uma concentração em determinadas regiões, em vez de ter um carácter disperso promovendo uma efectiva difusão de benefícios? Estas questões ficam em aberto como reflexo das análises até aqui desenvolvidas, procurando contribuir para novos debates e reflexões.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search