Version classiqueVersion mobile

Turismo em meio insular africano

 | 
Brígida Rocha Brito

Primeira parte - Dois casos em estudo

2. Cabo Verde e São Tomé e Príncipe: alguns elementos de caracterização

Texte intégral

  • 1 A independência de Cabo Verde data de 5 de Julho de 1975 e a de São Tomé e Príncipe foi obtida em 1 (...)
  • 2 Não sendo consensual, é aceite que Cabo Verde tenha sido descoberto pelo genovês António Noli e pel (...)

1Tanto Cabo Verde como São Tomé e Príncipe são Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, de natureza arquipelágica, que sofreram uma longa influência portuguesa de cerca de 500 anos, alcançando tardiamente a independência política, apenas em meados da década de 70 do século XX1. Os dois arquipélagos foram descobertos no século XV, por navegadores2 ao serviço da coroa portuguesa, no decurso do período por excelência dos descobrimentos, fortemente impulsionado pelo Infante D. Henrique.

Mapa 1 – Representação cartográfica do Arquipélago de Cabo Verde

Mapa 1 – Representação cartográfica do Arquipélago de Cabo Verde

Fonte: http://map.primorye.ru/​raster/​maps/​africa/​cape_verde_pol_2004.jpg

2Cabo Verde é habitualmente denominado como um micro-Estado (Mapa 1), cujo território constituído por dez ilhas, das quais nove habitadas, se reparte por 4.033 km² e se encontra dividido em duas regiões geográficas na zona sub-saheliana: as ilhas do Barlavento, localizadas no norte do arquipélago (Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia, São Nicolau, Sal e Boa Vista); e as ilhas do Sotavento, no sul (Maio, Santiago, Fogo e Brava).

3São Tomé e Príncipe é um Estado de menores dimensões do que Cabo Verde, dotado de 1.001 km², sendo considerado o segundo país insular mais pequeno do Mundo (seguindo as Seychelles), constituído apenas por duas ilhas principais, São Tomé e o Príncipe, e por um conjunto de ilhéus que, na maioria, é desabitado.

Mapa 2 – Representação cartográfica do Arquipélago de São Tomé e Príncipe

Mapa 2 – Representação cartográfica do Arquipélago de São Tomé e Príncipe

Fonte: http://geography.about.com

4Os dois países estão referenciados no oceano Atlântico, pertencendo Cabo Verde à sub-região da África Ocidental, distando em cerca de 640 km do continente, sendo o Senegal o país de maior proximidade física; e São Tomé e Príncipe, à sub-região da África Central, no Golfo da Guiné, distando em cerca de 300 km do continente, sendo o Gabão o país mais próximo.

5Do ponto de vista ambiental, os dois países têm origem vulcânica, sendo de destacar que, no caso de Cabo Verde, existe ainda um vulcão em actividade numa das ilhas, Fogo, factor que reveste particular interesse turístico, tanto pela peculiaridade de estar activo, como por ser o ponto mais elevado do arquipélago (2.829 metros de altitude). Actualmente, em São Tomé e Príncipe não existe actividade vulcânica, se bem que seja possível visitar antigas crateras vulcânicas que se transformaram do ponto de vista paisagístico, dando origem a locais de forte interesse turístico, como é o caso de Lagoa Amélia. O país é caracterizado pela existência de elevações significativas, também de interesse para a prática da contemplação (Brito, 2004), como são os casos do Pico de São Tomé (2.024 metros de altitude), do Pico de Ana Chaves (1.636 metros), do Pico Pinheiro (1.613 metros), do Pico do Calvário (1.600 metros), de Lagoa Amélia (1.488 metros) e do Pico Cabumbé (1.405 metros).

6Como consequência da localização geográfica, de grande proximidade do deserto do Sahara, e das características climatéricas, Cabo Verde é considerado um arquipélago particularmente vulnerável, sofrendo os efeitos agravados da combinação de factores, tais como a erosão e a desertificação (Twining-Ward, 2010), que conferem a algumas das ilhas uma paisagem lunar. As tempestades de areia são transportadas para o arquipélago, através do vento, contribuindo para um agravamento da situação de seca que, por característica, o país sente. O clima é tendencialmente seco, sendo, contudo, convencionada a possibilidade de se identificarem três períodos principais: o das águas (de Agosto a Outubro), marcado pela irregularidade; o das secas (de Dezembro a Junho), claramente predominante e associado a ventos; e o das brisas (ventos alíseos, secos e quentes). A paisagem cabo-verdiana alterna entre o desértico e o montanhoso, havendo vales, maioritariamente ocupados por produção agrícola de subsistência, arribas e praias de extensão variável. Na maior parte do território, o manto florestal é escasso e rarefeito, por efeito da escassez de cursos de água doce, sendo mesmo inexistentes em algumas ilhas. Contudo, é possível encontrar diversidade de vida biológica, tendencialmente mais abundante, e revestindo particular interesse turístico, em ecossistema marinho: as águas territoriais de Cabo Verde são propícias a migrações e passagem de espécies de fauna como cetáceos, tartarugas marinhas e aves migratórias marinhas.

7Em São Tomé e Príncipe, o clima é tropical húmido, identificando-se duas estações principais: a das chuvas, de Setembro a Abril e a Gravana, caracteristicamente mais fresca e seca, entre Maio e Agosto, podendo ainda identificar-se um período diferenciado, próximo dos traços pluviométricos e das características climatéricas da Gravana, denominada de Gravanito, que ocorre no mês de Janeiro (Brito, 2004). Em termos médios, as amplitudes térmicas são fracas, mas os índices de humidade e de pluviosidade são elevados ao longo de todo o ano, claramente mais intensos na região sul. A paisagem é marcada pela irregularidade do relevo com densidade florestal, entrecortada por abundantes cursos de água doce: elevações, montanhas e picos; vales e planícies; costa rochosa e acidentada alternando com praias de areia branca e escura. Dada a riqueza dos ecossistemas e da paisagem, as ilhas do arquipélago santomense são dotadas de biodiversidade e endemismo, factores fortemente potenciais para a prática de actividades turísticas de observação em contexto de lazer.

8Com base na análise do Quadro 10, podemos constatar a existência de vários indicadores ambientais comuns entre os dois arquipélagos, nomeadamente no que respeita à biodiversidade e ao endemismo, apesar das espécies serem diferenciadas. Assim, ambos os países são ricos em diversidade biológica, com uma margem de elementos únicos e referenciados à região, considerando-se a especificidade de cada um, em particular no que respeita a espécies de flora e de fauna florestal. A fauna marinha com interesse turístico é idêntica, sendo possível encontrar as mesmas espécies de tartaruga marinha, cetáceos, tubarões e tunídeos que, em qualquer dos casos, encerra valor para os diferentes segmentos turísticos considerados: de observação; ecoturismo; de aventura, incluindo actividades de pesca desportiva.

9Apesar da diferença de dimensão territorial, bem como de extensão e importância da zona costeira (965 km em Cabo Verde e apenas 260 km em São Tomé e Príncipe), percebe-se que, em São Tomé, a diversidade paisagística é mais marcada do que em Cabo Verde, naturalmente caracterizada por ambientes mais áridos, chegando a semi-desérticos em algumas ilhas. A diversidade paisagística é também considerada fortemente potencial para a prática turística, já que propicia o desenvolvimento de actividades diversas e consideradas complementares. Na verdade, Cabo Verde sofre a influência do Sahel e dos longos períodos de seca, enquanto que São Tomé e Príncipe beneficia da influência das florestas primárias da África Central, nomeadamente do Gabão e da Guiné Equatorial, em resultado da sua localização no Golfo da Guiné.

Quadro 10 – Características ambientais de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe

Indicador

Cabo Verde

São Tomé e Príncipe

Localização Geográfica

África Ocidental

Sahel

África Central

Golfo da Guiné

Área

4.033 km²

965 km de costa

1.001 km²

260 km de costa

Ilhas

10 repartidas por Barlavento e Sotavento Ilhéus

São Tomé Príncipe

Ilhéu das Rolas

Ilhéus desabitados

Clima

Tropical Seco

Tropical Húmido

Paisagem

Árida

Praias Costa acidentada Montanhas Vulcão

Relevo acidentado Costa abrupta Praias Montanhas Floresta Savana

Ecossistemas fluviais

Flora

Espécies herbáceas Palmeiras endémicas Gramíneas

Plantas arbustivas

Flores tropicais (rosa de porcelana, bico de papagaio, bordão macaco)

Orquídeas endémicas

Plantas medicinais

Árvores centenárias

Fauna marinha

Tartarugas marinhas (Caretta caretta; Chelonia mydas; Eretmochelys imbricata; Dermochelys coriácea; Lepidochelys olivacea) Baleia

Golfinho Tubarão Tunídeos

Crustáceos endémicos

Tartarugas marinhas (Caretta caretta; Chelonia mydas; Eretmochelys imbricata; Dermochelys coriácea; Lepidochelys olivacea) Baleia

Golfinhos Tubarão Tunídeos Crustáceos

Fauna florestal

Aves Répteis Insectos

Macaco

Lagaia Aves endémicas Répteis (“cobra preta”) Insectos

10Cabo Verde é dotado de áreas protegidas classificadas e regulamentadas, que revestem extrema importância no contexto ambiental, estando vocacionadas para a conservação de um património natural particularmente vulnerável, caracterizado por especificidades próprias resultantes da situação de insularidade, do solo vulcânico e da aridez (Ferreira, 2008). As áreas protegidas cabo-verdianas integram a Rede de Áreas Protegidas criada em 2003, e são classificadas em terrestres e marinhas, sendo consideradas como espaços de excelência para a prática de actividades de turismo de natureza, sobretudo de trekking, onde é possível proceder à contemplação de paisagens e à observação (watching) de espécies em ambiente adequado. As áreas protegidas terrestres classificadas são: “Chã das Caldeiras” na ilha do Fogo; “Serra Malagueta”, em Santiago; “Monto Gordo”, em São Nicolau; “Moroços”, em Santo Antão; e “Monte Verde”, em São Vicente. Em Santo Antão existe ainda a Zona Integrada nas localidades de Cova, Ribeira de Paul e Ribeira das Torres. No que respeita a áreas protegidas marinhas, existe a Reserva Natural Marinha da Baía da Murdeira na ilha do Sal e a Reserva Natural Integral de Santa Luzia.

11Em São Tomé e Príncipe, as áreas protegidas classificam-se em Parque Natural Obô, existindo nas duas ilhas principais, São Tomé e Príncipe, que representa cerca de um terço do território nacional, e as Zonas Ecológicas de Malanza e da Praia das Conchas. Dada a dimensão do arquipélago e a representatividade das áreas protegidas, todo o espaço insular é considerado vulnerável a agressões ambientais, pelo que a gestão destas áreas é uma atribuição do Ministério do Ambiente e dos Recursos Naturais. Mesmo sem enquadramento de área protegida, os ecossistemas em São Tomé e Príncipe são marcados pela diversidade: florestal, claramente preponderante; costeiro e marinho, de grande importância; e de mangal que, apesar de localizado, reveste particular interesse e importância.

12A vulnerabilidade dos ecossistemas nos dois países insulares em análise é resultado, em parte, da intervenção humana não planeada e sem controle. Naturalmente que, em meios áridos e secos, a vulnerabilidade sócio-ambiental é mais manifesta, já que em ambientes tropicais húmidos a renovação tende a ser espontânea com uma margem de auto-regulação.

13Em 2009, a população cabo-verdiana era estimada em 508.633 habitantes (INE, 2009), sendo definida como jovem, já que 41,6% do total tinha idade inferior a 15 anos. Dado que, ao longo do tempo, ocorreram processos de mestiçagem sócio-demográfica, a população cabo-verdiana é claramente crioula, ou seja, miscigenada. A língua oficial é o português, apesar do crioulo ter forte representatividade na vida quotidiana, coincidindo com um dos principais referenciais identitários. Contudo, outros elementos culturais adquiriram destaque com o passar dos tempos, entre os quais a música de raízes africanas, as danças, a gastronomia crioula, os rituais e as práticas culturais mais enraizadas que resultam de uma mistura entre o misticismo africano e a ocidentalização. Todos os elementos culturais cabo-verdianos evidenciam a mestiçagem de influência africana: os ritmos do batuque na música; o cuscus e a catchupa na culinária; o jogo de ouril nos momentos de lazer e de sociabilidade.

14Os contactos entre Cabo Verde e o resto do Mundo têm sido fortemente estimulados graças ao processo migratório. O país é frequentemente qualificado pela população como uma “terra ingrata” (Copons, 2000) em resultado da infertilidade do solo, da escassez de água doce e das dificuldades económicas relacionadas com a aquisição de rendimento. Neste contexto, marcado pela precariedade sócio-económica, uma parte da população procedeu a migrações em busca de alternativas mais sustentáveis, transformando a estrutura sócio-demográfica e económica do país. A emigração cabo-verdiana condicionou também o contacto do país com o exterior, já que, após a hora di bai, a melancolia motiva ao retorno, senão físico dos que saíram, pelo menos sob a forma de remessas financeiras enviadas para a família, e que representam uma mais valia para a promoção do desenvolvimento do país.

Quadro 11 – Indicadores sócio-económicos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe

Indicador

Cabo Verde

São Tomé e Príncipe

População

Alfabetização

Esperança Média de Vida

Acesso a água potável

PIB per capita

Principal sector de actividade

508.633 habitantes (2009)

85,2% (2007)

71 anos

80% (2008)

5.803 USD Terciário formal e informal

(serviços)

152.000 habitantes (2008)

84,9% (2007)

64,9 anos

79% (2008)

2.178 USD Terciário formal e informal

(serviços)

Fontes: UN (2009); INE (2009)

15Em São Tomé e Príncipe, estima-se que a população ascenda a 152.000 habitantes (2005), dos quais 95,5% residentes na ilha de São Tomé e apenas 4,5% na ilha do Príncipe (INE, 2006). A população é, tal como em Cabo Verde, caracteristicamente jovem, já que 41,2% tem idade inferior a 15 anos, sendo de destacar que a esperança média de vida é substancialmente inferior (64,9 anos).

16A língua oficial de São Tomé e Príncipe é também o português, o que lhe confere estatuto de país lusófono e membro da CPLP, mas as línguas locais de base crioula revestem particular importância no contexto da vida quotidiana, principalmente o forro, um crioulo adaptado, de base cabo-verdiana. O passado histórico de São Tomé e Príncipe confere à cultura um traço de mestiçagem ou de miscigenação, nesta caso resultando da mistura de elementos cabo-verdianos com angolanos, e outros do continente, com europeus, entre os quais portugueses e espanhóis. O misto de elementos culturais explica a riqueza, bem patente nas práticas tradicionais, nas representações e no sistema simbólico de referência, evidenciados nas danças, na música, no artesanato, na gastronomia e nos rituais.

17Cabo Verde foi, durante o período colonial, considerado como um ponto estratégico no transporte de escravos entre o continente africano (Copons, 2000), Portugal e o Brasil, representando, tal como São Tomé e Príncipe, um importante entreposto comercial. Do ponto de vista produtivo, Cabo Verde esteve dividido em latifúndios, localmente denominados de morgados e capelas, explorados por colonos portugueses que utilizavam mão-de-obra escrava, dedicando-se à produção de algodão e de urzela, uma planta tintureira procurada principalmente por Inglaterra, mas também de cana-de-açúcar, vinho, sal e criação de gado. Após os intercâmbios com outros territórios, passou a produzir-se purgueira, um arbusto do qual era extraído um óleo que permitia a produção de sabão. Cabo Verde foi, durante o período colonial um território produtivo com diversificação de actividades.

18São Tomé e Príncipe foi um importante entreposto comercial entre os três principais pontos de valor económico para Portugal (Brito, 2004), a Europa, o Continente Africano e o Brasil, representando um dos locais privilegiados de passagem do comércio de escravos, neste caso principalmente oriundos do Golfo da Guiné. No período colonial, o território passou a estar organizado de acordo com o sistema de Roças, unidades de exploração agrícola de grandes dimensões, muitas vezes consideradas como Estados dentro do Estado (Brito, 2004). A produção do arquipélago foi orientada por fases, ou ciclos sequenciais, iniciando-se no século XVI com a cana-de-açúcar, passando, no final do século XVII, para o café e mais tarde, no século XIX, para o cacau, sendo definida como a primeira economia de plantação dos trópicos (Seibert, 2001).

19A evolução sócio-económica cabo-verdiana foi marcada por períodos de seca que condicionaram fortemente a continuidade produtiva, e a rentabilidade associada, sobretudo na fase pós-independência. A situação de pobreza das populações locais, existente durante o período colonial, agravou-se em resultado dos condicionalismos sentidos e as alternativas centraram-se ora nos recursos internos, em particular na agricultura de subsistência, na pesca, maioritariamente artesanal ou semi-industrial, e no comércio informal, ora nas já referidas migrações (Copons, 2000).

20Em São Tomé e Príncipe, a evolução sócio-económica levou ao abandono da produção das Roças, com ocupação das instalações, provocando uma aceleração na degradação do património e, em paralelo, uma escassez económica agravada. Os ritmos produtivos alcançados com os ciclos de cana-de-açúcar, café e cacau decresceram perdendo toda a importância anterior, sem que fossem encontradas alternativas sustentáveis (Brito, 2004). A base económica do arquipélago permanece assente numa economia incipiente e vocacionada para a subsistência, com agricultura pouco diversificada, alguma recolecção, pesca artesanal e criação de gado, maioritariamente suíno e caprino, sem carácter intensivo e destinado ao consumo familiar. As actividades que têm beneficiado de acréscimos e valorização são as enquadradas pelo sector informal, em particular centradas no pequeno comércio que prolifera sem qualquer critério ou planeamento.

21Actualmente, e em resultado da evolução mundial, os dois arquipélagos centram estratégias na promoção do turismo, criando condições, de forma diferenciada, para a implementação de projectos e iniciativas, na expectativa de criação de condições para a modernidade. O turismo surge como uma alternativa possível, e viável, face à falência de outras actividades produtivas anteriormente seguidas e que resultaram de forma fragilizada. A tomada de consciência de que os dois arquipélagos são dotados de características sociais, culturais e ambientais ímpares, valorizadas pela procura internacional, reforçou a opção estratégica pelo sector.

Notes

1 A independência de Cabo Verde data de 5 de Julho de 1975 e a de São Tomé e Príncipe foi obtida em 12 de Julho de 1975.

2 Não sendo consensual, é aceite que Cabo Verde tenha sido descoberto pelo genovês António Noli e pelo português Diogo Gomes em 1460 e, dez anos depois, São Tomé seria formalmente registado por João de Santarém e Pêro Escobar.

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – Representação cartográfica do Arquipélago de Cabo Verde
Crédits Fonte: http://map.primorye.ru/​raster/​maps/​africa/​cape_verde_pol_2004.jpg
URL http://books.openedition.org/cei/docannexe/image/348/img-1.png
Fichier image/png, 965k
Titre Mapa 2 – Representação cartográfica do Arquipélago de São Tomé e Príncipe
Crédits Fonte: http://geography.about.com
URL http://books.openedition.org/cei/docannexe/image/348/img-2.png
Fichier image/png, 66k

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search