Version classiqueVersion mobile

Turismo em meio insular africano

 | 
Brígida Rocha Brito

Primeira parte - Dois casos em estudo

1. Particularidades insulares, potencialidades turísticas

Texte intégral

1Após a 2ª Guerra Mundial (Barre & Michaud, 1997), o sector do turismo foi sujeito a um forte incremento a nível mundial, tendo as chegadas internacionais de viajantes estrangeiros aumentado de 25 milhões, em 1950, para 903 milhões, em 2007, equivalendo a uma taxa média de crescimento superior a 6% (WTO, 2008b), com estimativa de obter um acréscimo suplementar até 2010 (937 milhões).

2Até 2005, as regiões que registaram um impulso mais significativo foram, por ordem decrescente de importância: Ásia e Pacífico (em média, 13% por ano); Médio Oriente (em média, 10% por ano), África (em média, 8% por ano), Europa (em média, 6% por ano) e América (em média, 5% por ano). A tendência para a valorização dos novos destinos, em detrimento dos convencionais (Europa e América do Norte), pode ser explicada pelo facto destes apresentaram índices de saturação já que foram, do ponto de vista das práticas, os mais antigos, ou seja, os que despertaram mais cedo interesse na procura internacional. Assim, a saturação de alguns destinos turísticos favoreceu a emergência de outros, novos, destacando-se os asiáticos, os países do Médio Oriente e, mais recentemente, os africanos. Os novos destinos de viagens em período de férias e lazer marcam pela diferença, por serem menos explorados e conhecidos, por serem ricos em diversidade biológica e paisagística, mas também pelo exotismo cultural que caracteriza as populações locais.

3A análise média por período indica que, entre 2000 e 2007, se verificou uma ligeira variação relativamente aos dados anteriormente apresentados, traduzindo uma progressão comparativa a partir da média mundial (Quadro 4), sendo de destacar que o continente africano registou valores médios superiores aos apresentados para o Mundo, mantendo a terceira posição em termos de valorização.

Quadro 4 – Progressão das chegadas de turistas internacionais por região, 2000-2007

Região

% de crescimento

Mundo

4,1

Europa

Ásia e Pacífico

Américas

3,0

7,8

1,5

África

6,9

Médio Oriente

10,0

Fonte: Organização Mundial de Turismo

4Segundo a Organização Mundial de Turismo (WTO, 2009), após 2007, o panorama das viagens e do turismo foi objecto de um abrandamento relativo em consequência da crise económica e financeira sentida a nível mundial, resultando num desaceleramento da procura internacional de destinos turísticos. Contudo, o sector continua a registar importância económica, sobretudo quando analisado comparativamente com os fluxos de exportações, sendo considerado como uma das principais categorias do comércio internacional. Os países menos avançados, revêem no turismo um leque diversificado de oportunidades, identificando fontes alternativas para aquisição de rendimento a partir da multiplicação de postos de trabalho directos e indirectos.

5É verdade que, a nível mundial, o turismo adquiriu uma importância crescente a partir da década de 1980, sendo que, ao longo do tempo, o número de turistas internacionais cresceu de forma progressiva e regular, sendo expectável que a tendência se mantenha, mesmo considerando a emergência de crises pontuais. Paralelamente, a capacidade de acolhimento aumentou de forma significativa e a Organização Mundial de Turismo indica que este incremento coincidiu, na generalidade, com a emergência dos novos destinos turísticos no continente asiático, em África, no Médio Oriente, na América e mesmo na Europa. No sentido oposto, os países que menos investiram no alargamento da capacidade de acolhimento e hoteleira foram os mais procurados no decurso da primeira fase do desenvolvimento do sector, já que, por característica, estes são os mais bem dotados de infra-estruturas turísticas.

6O interesse pelas viagens é naturalmente alargado para os territórios insulares, em resultado do reconhecimento das potencialidades e das particularidades ambientais e culturais. O sentido da insularidade, tantas vezes traduzido na imagem de um pequeno território rodeado de mar faz aumentar, em certo sentido, o interesse pela descoberta. Nas pequenas ilhas, o turismo adquire uma importância acrescida graças às potencialidades subjacentes: a ilha, enquanto espaço confinado mas distante, pode ser identificada com a oportunidade perfeita de fugir à rotina quotidiana, abrindo novas oportunidades, muitas vezes difíceis de materializar.

  • 1 Estevão, João (2000) Pequenos Estados Insulares, Conferência proferida em 25-02-2000, Lisboa, Insti (...)

7Aos espaços insulares são atribuídos qualificativos particulares e que permitem diferenciá-los dos países continentais: o exotismo, as culturas ancestrais que conservam a autenticidade permanecendo genuínas, em resultado de um certo fechamento em relação ao exterior, que decorre da situação de insularidade; a preservação da natureza, marcada por ambientes tropicais ricos em diversidade de vida biológica, evidenciando forte influência dos ecossistemas marinhos e costeiros. Contudo, segundo João Estêvão1, o desenvolvimento das pequenas economias insulares tem sido fortemente condicionado por constrangimentos, particularmente relacionados com a insularidade e a dimensão.

  • 2 Os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento têm assinado tratados e acordos através da Aliança (...)

8Os Pequenos Estados Insulares2 classificam-se em monoinsulares e arquipelágicos, dependendo do número de ilhas que os constituem, sendo os segundos mais comuns. Em qualquer uma das tipologias podem identificar-se alguns factores constrangedores que resultam, no conjunto, de um certo isolamento e da pequena dimensão que, em génese, os caracteriza, entre os quais:

  • a fragilidade dos ecossistemas e a vulnerabilidade face a catástrofes naturais;

  • uma base produtiva antiga, estagnada e com carência de modernização;

  • a falta de integração num espaço económico regional dinâmico;

  • os elevados custos da produção e a dependência do exterior;

  • a irregular rede de comunicações e a precariedade da rede de transportes. Tradicionalmente, estas economias têm subsistido em estreita dependência das actividades do sector primário, com destaque para toda a produção que não implica transformação directa e imediata, estando intrinsecamente associadas à recolecção, captura e extracção de recursos naturais vivos e inertes. Trata-se de economias pouco complexas, fortemente dependentes da estrutura familiar, mobilizadas para a sobrevivência e a manutenção.

9Os espaços insulares são caracteristicamente preservados do ponto de vista ambiental e a degradação resulta, em grande medida, da intervenção humana, promovida através de acções de desflorestação não planeada ou controlada com fins produtivos, da pressão demográfica, da erosão, da degradação dos recursos marinhos nas zonas costeiras e balneares e da contaminação da água doce com perda da diversidade biológica animal e vegetal. Apesar da relativa preservação ambiental (Brito, 2001; 2004), em alguns Pequenos Estados Insulares, foram iniciados programas nacionais e regionais de vocação ambientalista e conservacionista sempre que os problemas emergentes se relacionam com espécies em risco.

10Na maioria dos casos, o sector primário vive momentos de transição, visto que, com o tempo e em resultado da relativa saturação de outros destinos, os países insulares de pequena dimensão adquiriram importância no mercado internacional do turismo e das viagens. Se anteriormente existiam limitações no que respeita à competitividade destas economias no mercado internacional, por falta de modernização das estruturas produtivas com inovação, actualmente, através do turismo, as pequenas economias insulares têm sido alvo de um impulso que se traduz na capitalização das potencialidades, tanto naturais como culturais. O turismo tem-se revelado, para algumas destas economias, como a alternativa que permite minimizar a precariedade dos sectores tradicionais ancestralmente bloqueados por carência de investimento direccionado para a modernização.

11Nestes casos, pode representar um dos pilares da economia enquanto fonte de rendimentos, públicos e privados (Brito, 2004), sendo entendido como promotor de rápido crescimento.

12O turismo, considerado como potenciador de mudanças, favorece, a nível interno, a dinamização de outros sectores de actividade económica, motivando a diversificação da procura de bens e serviços, contribuindo ainda para a revitalização da produção interna. Assim, representa um mecanismo facilitador do empreendedorismo, sobretudo de microescala, em sectores complementares e necessários à prática turística, por a fundamentar. Os efeitos sócio-económicos directos, positivos e desejáveis, coincidem com o objectivo da empregabilidade, incluindo a criação de emprego, a reconversão profissional, a aquisição de competências por via da formação funcional e adequada ao desempenho, de forma a viabilizar o aumento dos rendimentos e, consequentemente, da capacidade de consumo das famílias. Por outro lado, o turismo pode ser considerado como vector de produção de outros benefícios a favor das populações locais (Middleton & Hawkings, 1998) no que respeita à construção de infra-estruturas sociais e de ligação, facilitadoras no cumprimento de tarefas da vida quotidiana e promotoras de incremento no bem-estar.

13Apesar da importância que o sector reveste, face a elevadas expectativas de contínuo e sustentável desenvolvimento, se não existir uma gestão adequada a actividade turística pode resultar de forma prejudicial, gerando efeitos perversos no ambiente natural, em particular em contexto de área protegida, que, pelas condicionantes internas apresenta fragilidades acrescidas, pondo também em causa elementos referenciais e identitários das populações locais. Este aspecto é de extrema relevância visto que, em contexto insular, estes factores, naturais e culturais, são entendidos como os atractivos turísticos por excelência. Assim, e apesar de surgir como potencial e representar novas oportunidades para as pequenas economias insulares, os impactos negativos parecem ser aqui mais incrementados do que nos Estados continentais (Ferreira, 2008), o que é o resultado da própria situação de insularidade e das vulnerabilidades inerentes. Os efeitos perversos podem classificar-se em ambientais e sócio-económicos:

14Entre os primeiros contam-se: a degradação costeira e marinha, principalmente originada pelas águas residuais dos hotéis e pela poluição das embarcações a motor destinadas a desportos náuticos; a utilização excessiva de água doce; a carga exercida sobre espécies de habitat costeiro ou marinho, podendo contribuir para o agravamento das ameaças, aumentando o risco; a agressão sobre os ecossistemas florestais e montanhosos, incorrendo num afastamento de algumas espécies mais solitárias; a poluição por aumento de resíduos sólidos sem tratamento adequado.

15Os impactos sócio-económicos respeitam à emergência de processos de aculturação com eventual perda de referenciais tradicionais e ancestrais, em particular no que respeita às formas de produção, ao não controlo local de benefícios financeiros gerados com as actividades e que tendem a ser repatriados pelos investidores estrangeiros que, face à estratégia concorrencial agressiva, não deixam margem para os empreendedores locais se afirmarem. Mas também à identificação de alternativas não formais de aquisição de rendimento, favorecendo a emergência e o crescimento de actividades de economia informal e, eventualmente, paralela que, em alguns casos, podem inclusivamente incorrer em situações de criminalidade, tais como as redes organizadas de prostituição, mesmo com menores, o tráfico de droga e os esquemas de extorsão planeada.

16No que respeita aos impactos negativos de âmbito social, cultural e económico, Williams (1998) apresenta uma sistematização clara, classificando-a a partir de cinco grandes efeitos-tipo: a) a comercialização cultural; b) a minimização do valor atribuído às práticas culturais tradicionais; c) o aumento de tensões entre estilos de vida de visitantes e visitados; d) a emergência de novos padrões de consumo; e) a evidência de processos anti-sociais.

17Por serem micro-Estados insulares, estão naturalmente integrados por ecossistemas frágeis e vulneráveis a ocorrências inesperadas de catástrofe ambiental, que condicionam fortemente o processo de desenvolvimento, já que, muitas vezes, põem em causa a continuidade. Nas pequenas ilhas, os principais factores de vulnerabilidade decorrem, assim, da acção humana não planeada que resulta em agressões ao ambiente e que coincidem com a destruição de ecossistemas já de si frágeis. Estas acções são, muitas vezes, involuntárias e evidenciam desconhecimento das alternativas possíveis. Paralelamente, o ímpeto pelo desenvolvimento impele à construção desenfreada pouco amiga do Ambiente e que põe em causa a sua sustentabilidade.

18Nos casos de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe (cf. Quadro 5), as vulnerabilidades identificadas têm um fundamento sócio-ambiental, visto que, em parte, resultam das condições físicas das ilhas, nomeadamente da situação geográfica, do clima, das características do solo e das zonas costeiras. Mas, por outro lado, têm uma causa humana, social e que decorre da forma como as comunidades interagem com os espaços, as paisagens e os recursos. Na verdade, os factores sociais e ambientais estão interdependentes não sendo fácil avaliar as vulnerabilidades de forma isolada e recorrendo apenas a um critério temático.

Quadro 5 – Vulnerabilidade a ocorrências naturais inesperadas em contexto insular africano

País

Vulnerabilidade

Cabo Verde

Seca

Desertificação

Erosão

Tempestades de areia (Sahara)

Extracção de areia

Sobre-exploração de recursos

Vulcão activo

São Tomé e Príncipe

Pluviosidade intensa

Desflorestação

Erosão

Extracção de areia e outros inertes

Sobre-exploração de recursos

Fonte: Adaptado de Ferreira (2008)

19A maioria dos Pequenos Estados Insulares tem vindo a adoptar medidas integradoras do turismo com o objectivo de o promover como sector prioritário e estratégico. Em contexto africano, actualmente, todos os países insulares dispõem de documentos orientadores da actividade, sob a forma de planos estratégicos e regulamentos, produzidos no enquadramento de avaliações prospectivas realizadas com o apoio de organizações internacionais ou de empresas privadas. Neste sentido, o planeamento estratégico do turismo, com vista a alcançar o desejado desenvolvimento sustentável, contribuindo para a mudança de base comunitária, passa a ser também concebido como uma atribuição do Estado por via da inclusão do sector na política económica nacional (Ferreira, 2008). Assim, é esperado que o turismo contribua, de forma determinante, para a redução das vulnerabilidades tradicionalmente sentidas em espaço insular e que vão ao encontro de necessidades sócio-ambientais, económicas e culturais, implicando um envolvimento participativo, incluindo dos grupos minoritários, e eventualmente excluídos.

20O turismo passa a ser um dos sectores integrantes da estratégia de desenvolvimento dos países que o acolhem, tendo presentes os objectivos económicos, sociais e ambientais. A Organização Mundial do Turismo (WTO, 2004b) equaciona três níveis da sustentabilidade a partir da promoção turística: o económico, evidenciado pela eficácia na gestão de recursos; o social, traduzido na valorização dos elementos culturais de referência comunitária; o ambiental, pela preservação de espaços e conservação de espécies.

21O sector dos transporte e das comunicações representa um dos principais mecanismos promotores de relacionamento entre os micro-Estados e o exterior, aproximando regiões, contribuindo para minimizar os efeitos da distância e do isolamento tradicionalmente sentido. Contudo, algumas ilhas sofrem de um agravamento da situação de insularidade em resultado dos elevados custos dos transportes internacionais monopolizados por um reduzido número de empresas transportadoras (Brito, 2004). A acção dos monopólios, tanto públicos como privados, que com frequência se concentram em companhias estrangeiras, resultou também na inflação dos custos das telecomunicações, sem que se verifique uma complementaridade na qualidade e na frequência dos serviços prestados. Nestes casos, os sectores dos transportes e das comunicações passam a ser considerados como limitadores do desenvolvimento.

22No que respeita às possibilidades de desenvolvimento autónomo e auto-sustentado, a insularidade arquipelágica e a pequena dimensão podem actuar num duplo e contraditório sentido: por um lado, promovendo o isolamento e agravando a situação de precariedade económica e social; por outro lado, dinamizando mecanismos identitários locais e nacionais, promotores de participação comunitária e de aquisição de poder por parte das populações locais, assegurando uma maior conservação dos recursos ambientais.

23A actividade turística nas pequenas ilhas pode ser concebida como uma forma de promover e valorizar as características e as potencialidades locais do ponto de vista natural, económico e sócio-cultural, consistindo num dos mecanismos de minimização dos efeitos perversos das contingências inerentes à sua situação, o isolamento, a dimensão e a insularidade. O turismo passa a ser concebido como um mecanismo susceptível de reforçar as identidades, favorecendo o surgimento e o incentivo de sistemas participativos de desenvolvimento, assim como a emergência de novos protagonistas.

24Face à vulnerabilidade permanente com que se confrontam, originada em grande medida pelas características inerentes à insularidade coloca-se a questão de qual a estratégia mais adequada, para a promoção do desenvolvimento no longo prazo. A partir das características principais: a vulnerabilidade do ambiente; o isolamento face ao exterior com consequente fechamento; a distância em relação aos principais centros económicos internacionais; a dependência externa no que respeita aos sistemas de comunicações, transportes e produção, as pequenas economias confrontam-se com dificuldades relacionadas com a subsistência das suas populações e com o desenvolvimento sócio-cultural, e ainda com a prossecução do desejado crescimento económico, entendido como promotor de bem-estar social através do efeito de difusão.

25Perante a contextualização da problemática dos Pequenos Estados Insulares, e dada a situação internacional, a estratégia do turismo alternativo fundamentado na abordagem do desenvolvimento local e participativo adequa-se aos objectivos da sustentabilidade. Quando perspectivadas de forma complementar e integrada, apresentam maior coerência nas análises estratégicas, contribuindo para a inovação com mudança qualitativa das condições de vida, ao longo do tempo, facilitando o equilíbrio entre as diferentes dimensões do processo.

26A conceptualização do turismo sustentável sugere o objectivo do equilíbrio entre o número de turistas, as condições de acolhimento e os impactos gerados no destino (Middleton & Hawkings, cit por Ferreira, 2008), de forma a assegurar a disponibilidade e as características dos recursos locais. Esta harmonização não parece ser tarefa fácil em todos os Pequenos Estados Insulares, já que, sendo perspectivado como estratégico, o turismo é vulgarmente entendido como um sector promotor de crescimento e dinamismo, sendo sinónimo de captação de recursos financeiros e facilitador de novos e avultados investimentos, pelo que gerador de elevadas expectativas de rápido desenvolvimento. A ideia generalizada resulta de forma redutora e simplista numa equação linear de: se “turismo é igual a riqueza” e “riqueza é igual a mudança”, então “turismo é igual a mudança”.

27As leituras economicistas de crescimento imediatista imperam em muitos dos documentos estratégicos das pequenas economias insulares, o que pode representar uma dificuldade acrescida na implementação dos projectos, visto que os diferentes actores envolvidos nem sempre estão predispostos a encontrar soluções alternativas e consensuais para fazer face às dificuldades que se vão deparando pelo caminho.

28O turismo, além de ser considerado um sector em permanente crescimento, e um dos principais promotores do desenvolvimento económico a nível mundial, no que respeita aos países em desenvolvimento, particularmente africanos, tem registado uma expansão significativa, tornando-se, em alguns Pequenos Estados Insulares, o principal segmento de actividade económica. No continente africano, o turismo adquiriu uma importância crescente ao longo do tempo, mais evidenciada a partir da década de 1970, registando-se um incremento significativo do número de chegadas internacionais e da importância das receitas turísticas (Quadro 6).

Quadro 6 – Evolução das Chegadas de Turistas Internacionais a África, em milhares e das Receitas do Turismo Internacional, excluindo trans- porte, em milhões de USD

Período

Turistas

Receitas

1950

1960

1970

1980

1990

1998

524

750

2.407

7.329

15.059

24.903

88

243

482

2.711

5.336

9.551

Fonte: OMT (1999)

29Apesar de ser um período em que o sector das viagens em contexto de lazer foi alvo de incrementos, entre 1950 e a década de 70, o continente africano foi pouco procurado como destino turístico, sendo os efeitos desejáveis marcados pela fragilidade e fraca sustentabilidade na esfera sócio-económica. Este foi o período por excelência da passagem de muitas das regiões por processos de independência política, eventualmente conturbados, associados a conflitos internos, geradores de instabilidade e insegurança. Paralelamente, os territórios africanos, em particular os insulares, eram desprovidos de meios de acolhimento dos fluxos de turistas internacionais, sendo conotados com uma imagem exterior nem sempre positiva porque associada à existência de múltiplas doenças endémicas com eventuais efeitos gravosos que podem implicar sequelas e mesmo a morte, como é o caso do paludismo (Brito, 2004).

30Durante um período de cerca de 30 anos foram privilegiados destinos não africanos, nomeadamente europeus, pela tradição do Grand Tour, e americanos, com destaque para as ilhas, que começaram a reunir as vantagens da estabilidade política e das potencialidades do lazer heliotrópico centrado na diversão, sendo a procura principalmente de origem europeia. Após a década de 80, os países africanos, então constituídos como Estado-Nação, deram continuidade a processos centrados no desenvolvimento económico, sendo apenas após a década de 90 que o turismo foi alvo de valorização e incremento mais significativo por ser concebido como um sector privilegiado na promoção de mudança social e do desejado crescimento económico.

31África revelou-se um continente dotado de um vasto e diversificado potencial natural, vulgarmente conotado com o exotismo das paisagens tropicais, vegetação diferenciada em função das regiões, mas frequentemente marcada pela densidade, e fauna abundante com traços de endemismo e espécies a sofrer ameaças de esgotabilidade. O potencial turístico dos meios naturais africanos ainda preservados é de grande importância começando a despertar a curiosidade e a acolher um interesse crescente por parte da procura internacional. Por outro lado, o continente é identificado por elementos culturais tradicionais específicos, carregados de ancestralidade, evidenciados por tradições, práticas rituais, símbolos identitários, momentos festivos e formas de produção particularmente apelativas aos olhos do visitante.

32A análise das tendências das chegadas de turistas estrangeiros ao continente africano, entre 1980 e 1997 (cf. Quadro 7), indica que se registou um incremento significativo para o total do continente (de 7329, em 1980, para 23157, em 1997), bem como para a maioria das sub-regiões consideradas, com excepção do Norte de África que sofreu uma ligeira quebra no decorrer da década de 90. Em termos médios, a previsão da Organização Mundial de Turismo (OMT, 2000) indicava que, no decénio 2000-2010, a taxa de crescimento das chegadas de turistas estrangeiros ao continente africano, fosse de 4.0%, valor indicativo para o crescimento do fluxo total de turistas no ano de 2010 (WTO, 2010), após recessão em 2009. Em 2008, a taxa de crescimento das chegadas de turistas ao continente africano ascendia aos 4,6% (WTO, 2009) ultrapassando a média prevista nas avaliações prospectivas.

  • 3 A OMT (1999f) define como países pertencentes à África Central: Angola, Camarões, Congo, Gabão, Gui (...)

33Nas sub-regiões consideradas, constata-se a existência de variações positivas para qualquer uma das sub-regiões, sendo de destacar que a taxa de crescimento mais elevada se regista na África Austral (5.4%), seguida da África Oriental (3.2%), da África Ocidental (1.9%), da África Central3 (1.4%) e do Norte de África (1.0%). Apesar das variações, as sub-regiões africanas mais procuradas em 1997 foram, por ordem decrescente de importância o Norte de África (34.6% do turismo africano total), os países da África Austral (30.7%), da África Oriental (23.1%), da África Ocidental (9.7%) e, por fim, da África Central (1.9%).

Quadro 7 – Tendência das chegadas de turistas internacionais a África por sub-regiões, 1980-1997

1980

1993

1997

%

%

%

África – Total

7329

100.0

18544

100.0

23157

100.0

Norte de África

3973

54.2

8848

47.7

8000

34.6

África Ocidental

790

10.8

1380

7.4

2253

9.7

África Central

189

2.5

330

1.8

448

1.9

África Austral

1118

15.3

4357

23.5

7107

30.7

África Oriental

1259

17.2

3629

19.6

5349

23.1

Fonte: OMT (1999)

34No que respeita às receitas (OMT, 1999) provenientes do desenvolvimento do sector (Quadro 8), constata-se, entre 1980 e 1997, um incremento para a maioria dos países das sub-regiões consideradas, com excepção dos países da África Central em que se registou uma evolução negativa (-0.3%).

Quadro 8 – Evolução das receitas turísticas no Continente Africano, em milhões de dólares EUA

1980

1993

1997

%

%

%

África – Total

2711

100.0

6302

100.0

9018

100.0

Norte de África

1165

42.9

2418

38.4

2890

32.1

África Ocidental

280

10.3

669

10.6

879

9.8

África Central

117

4.3

101

1.6

78

0,8

África Austral

697

25.7

1692

26.9

2877

31.9

África Oriental

452

16.8

1422

22.5

2294

25.4

Fonte: OMT

35Em média, no período considerado, o continente africano evidenciou um crescimento anual positivo, na ordem dos 2.3%, sendo que a África Oriental foi a sub-região com um crescimento positivo mais significativo (4.1%) seguida da África Austral (3.1%), da África Ocidental (2.1%) e do Norte de África (1.5%).

36No que concerne às despesas turísticas, ou gastos realizados pelos visitantes no decurso da viagem, (Quadro 9) pode concluir-se que, no continente africano e no período considerado, independentemente das sub-regiões, se registou um incremento. Esta situação resultou, não só da necessidade de acompanhamento do progressivo aumento da procura de destinos turísticos africanos como também do crescimento das receitas, registado na maioria das sub-regiões.

Quadro 9 – Evolução das despesas da actividade turística em África, em milhões de dólares EUA

1980

1993

1997

%

%

%

África – Total

3191

100.0

4812

100.0

7001

100.0

Norte de África

486

15.2

626

13.0

573

8.2

África Ocidental

1244

39.0

808

16.8

2403

34.3

África Central

278

8.7

675

14.0

473

6.8

África Austral

806

25.3

2067

42.9

2231

31.8

África Oriental

377

11.8

636

13.3

1321

18.9

Fonte: OMT (1999)

37Em média, as despesas turísticas anuais do continente africano aumentaram 1.2%, registando-se evoluções desequilibradas em função das sub-regiões. A sub-região com maior crescimento médio anual de despesas turísticas foi a África Oriental (2.5%) seguida de África Austral (1.8%), África Ocidental (0.9%), África Central (0.7%) e, por fim, o Norte de África (0.2%) que evidencia um fraco significado.

38Apesar do crescimento das despesas ser uma realidade, neste período, percebem-se oscilações no Norte de África, com uma ligeira subida até 1993 seguido de uma quebra para 1997. Na África Central é de assinalar uma progressão entre 1980 e 1993, seguida de regressão até 1997. Inversamente às situações anteriores, no caso da África Ocidental é evidente uma quebra, sendo que, para 1997, as despesas com o sector foram fortemente intensificadas.

39Da análise comparativa entre as receitas e as despesas, realça a ideia de que, no geral, o sector do turismo potencia o lucro e a rentabilização dos investimentos realizados, sendo de destacar que, no continente africano, as receitas foram superiores às despesas apesar de, regionalmente, se poderem identificar alguns desequilíbrios. As sub-regiões que evidenciaram maior capacidade de rentabilização foram o Norte de África (2.890 milhões de dólares EUA de receitas e 573 milhões de dólares EUA de despesas), a África Oriental (2.294 milhões de dólares EUA de receitas e 1.321 milhões de dólares EUA de despesas) e a África Austral (2.877 milhões de dólares EUA de receitas e 2.231 milhões de dólares EUA de despesas). Da mesma forma, as sub-regiões que demonstraram maior fragilidade na gestão das receitas face às despesas turísticas, nomeadamente quanto à capacidade de rentabilização do sector, foram a África Central (78 milhões de dólares EUA de receitas e 473 milhões de dólares EUA de despesas) e a África Ocidental (879 milhões de dólares EUA de receitas e 2.403 milhões de dólares EUA de despesas).

  • 4 Leve-leve é uma expressão santomense cujo significado vai ao encontro da expressão cabo-verdiana no (...)

40Apesar de se registar uma evolução positiva no sentido da valorização do sector em África, o crescimento do número de turistas tem seguido um ritmo brando, “leve-leve” e “no stress”4, resultado da inexistência de uma estratégia agressiva e sustentável de marketing turístico a nível internacional.

41De acordo com estudos realizados (Beck, 2007), a imagem que o turista ocidental tem do continente parece ser contraditória, já que se verifica um apelo à visita, com sedução a partir de elementos identificados com o exotismo e com uma autenticidade perdida no mundo ocidental, possível de ser reencontrada em África. Contudo, emerge também o receio pelo confronto com a diferença, a incerteza do desconhecido e o receio dos grandes espaços onde habitam espécies que podem implicar algum risco. Esta leitura contraditória, que naturalmente condiciona a procura e a evolução do sector, é incrementada sempre que o destino turístico em África coincide com espaços insulares. A insularidade encerra um duplo sentimento, marcado por opostos e repleto de contradições: por um lado, seduz os não ilhéus pela identificação e pelo reconhecimento de elementos diferenciadores do espaço, pela influência que o oceano que rodeia o território exerce, pela especificidade do ambiente e pelas características da população evidenciadas nas formas de interacção com os turistas. Mas, por outro lado, para outros, pode representar a tomada de consciência dos limites territoriais confinados que encerram uma sensação de inevitabilidade impotente em situação de emergência. Estes são, paradoxos, segundo Beck (2007), que requerem alguma atenção para a promoção do turismo em espaço insular.

Notes

1 Estevão, João (2000) Pequenos Estados Insulares, Conferência proferida em 25-02-2000, Lisboa, Instituto de

Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE).

2 Os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento têm assinado tratados e acordos através da Aliança dos Pequenos Estados Insulares (AOSIS). Os Estados Membros da AOSIS são Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Belize, Cabo Verde, Comores, Cuba, Chipre, Dominica, Fidji, Granada, Guiana, Ilhas de Cook, Ilhas Salomão, Ilhas Seychelles, Jamaica, Maldivas, Malta, Maurícias, Papua Nova Guiné, Saint Kitts e Nevis, Samoa, São Vicente e as Ilhas Granadinas, Santa Lucía, São Tomé e Príncipe, Suriname, Tonga, Trinidad e Tobago e Vanuatu.

3 A OMT (1999f) define como países pertencentes à África Central: Angola, Camarões, Congo, Gabão, Guiné Equatorial, República Centro Africana, República Democrática do Congo, República Democrática de São Tomé e Príncipe, e Tchad. Os países pertencentes à África Ocidental: Benin, Burkina Faso, Cabo Verde, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Libéria, Mali, Mauritânia, Niger, Nigéria, Santa Helena, Senegal, Serra Leoa e Togo. Os países pertencentes ao Norte de África: Argélia, Marrocos, Sudão e Tunísia. Os países constituintes da África Oriental: Burundi, Comores, Djibuti, Eritréia, Etiópia, Quénia, Madagáscar, Malawi, Mau- rícias, Moçambique, Tanzânia, Ilha da Reunião, Ruanda, Seychelles, Somália, Uganda, Zâmbia e Zimbabwe. Os países pertencentes à África Austral: Botswana, Lesoto, Namíbia, Swazilândia e África do Sul.

4 Leve-leve é uma expressão santomense cujo significado vai ao encontro da expressão cabo-verdiana no stress: viver com calma, sem pressa.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search