Version classiqueVersion mobile

Turismo em meio insular africano

 | 
Brígida Rocha Brito

Turismo, um sector, múltiplas oportunidades. Princípios e metodologia

Texte intégral

1A nível internacional, o turismo tem adquirido uma importância crescente, sendo definido como potencial dinamizador da economia, facilitador da modernização das infra-estruturas, promotor da requalificação da mão-de-obra e veículo de criação de novos postos de trabalho. O sector é vulgarmente considerado como um pólo de atracção do desenvolvimento sócio-económico, por um lado, porque permite gerar receitas, idealmente retidas nos países receptores; por outro lado, porque contribui para estimular o desenvolvimento de outros sectores de actividade económica, através do efeito de difusão, tais como o agro-pecuário, as pescas, a indústria, o comércio e os serviços, o artesanato e a animação sócio-cultural (Brito, 2004). É habitual considerar-se que a aposta no sector do turismo e das viagens é estratégica para o desenvolvimento, sobretudo das regiões mais vulneráveis, porque contribui para uma revalorização múltipla: sócio-económica; cultural; e ambiental, permitindo abrir novas possibilidades para estimular uma melhoria nas condições de vida das populações locais.

2Ao longo do tempo, as actividades turísticas têm sido objecto de estudos aprofundados, de âmbito temático, abrangentes e generalistas, ou ainda metodológicos e estratégicos, focando as principais tendências e variações; motivações que levam o Homem a deslocar-se para ambientes diferentes do de residência habitual para estadias de duração limitada no tempo. As análises têm resultado na construção de modelos teóricos tendencialmente interdisciplinares e transversais em resultado da evolução dos segmentos e das motivações dos seus praticantes.

3A deslocação turística, o gosto pelas viagens e pela descoberta de povos, de culturas e de paisagens diferentes sempre existiram (Vieira, 1997), tendo historicamente evoluído a partir de uma concepção elitista, fundamentada na curiosidade e no prazer de descobrir outras pessoas e outros lugares, apenas acessível a uma faixa minoritária da população, para uma acessibilidade generalizada e aberta à maioria (Brito, 2004). Esta perspectiva evolutiva acompanhou também o ritmo da valorização do lazer e da ocupação de tempos livres.

4A nível mundial, o turismo é simultaneamente uma actividade e uma prática que, ao longo do tempo, registou acréscimos quantitativos significativos na procura, bem como melhorias qualitativas das potenciais ofertas (Silva, 1998). A vulgarização da prática resultou da combinação de três factores principais: o aumento progressivo do tempo livre; a disponibilidade financeira; e a vontade de mudar temporariamente de ambiente físico e social (García, 1997). Foi principalmente através do turismo que os indivíduos tiveram a oportunidade de conhecer novas realidades, novos destinos e novas culturas, criando estímulos para a experimentação, por períodos de tempo limitados e desprovidos dos constrangimentos inerentes aos meios laboral e familiar impostos pela quotidianeidade (Brito, 2004).

5As abordagens convencionais focalizam, com frequência, a análise a partir do sujeito da prática, o turista, centrando-se nas suas motivações e expectativas, tipo de actividades e de segmentos que mais procura. O turista é impelido para a viagem em função das motivações que, segundo Pearce (1993), podem ser caracterizadas pelo gosto pelas viagens, wanderlust, ou pelo gosto pelo sol, sunlust. O gosto pelas viagens favorece a deslocação independentemente da época do ano, preferencialmente para novos destinos diferenciados por traços culturais, instituições, particularidades físicas e ambientais. Ao contrário, o gosto pelo sol tem um carácter sazonal pressupondo uma tipificação de características naturais desejadas, reduzindo o número de deslocações no interior do destino. Os destinos turísticos podem, assim, ser classificados (García, 1997) considerando-se três factores influenciadores:

  1. Os elementos e os recursos ambientais, tais como o sol, o mar, as paisagens, a fauna e a flora, considerados como factores de atracção pelas particularidades naturais entendidas como excepcionais e únicas;

  2. Os elementos produzidos ou construídos, coincidindo com o património cultural e histórico, nomeadamente museus, edifícios históricos e outros monumentos, cidades e ruínas;

6A hospitalidade, quando o traço mais valorizado respeita à forma como o turista é recebido e acolhido, percebida através das relações interpessoais estabelecidas com as populações autóctones, que interagem de acordo com padrões culturais marcados pela diferença, tendo relevância os elementos identificados pelo turista como exóticos.

7Jost Krippendorf (1989) identifica uma trilogia de necessidades turísticas que, em qualquer dos casos, implica, para o viajante, proceder a uma ruptura com a vida quotidiana, tendencialmente rotineira e desgastante. Por um lado, o repouso, que implica proceder a uma mudança física e intelectual por referência à rotina quotidiana; por outro lado, a mudança compensada que significa a introdução de alterações nos hábitos e nas práticas desenvolvidas por repetição; por fim, a possibilidade de fugir aos constrangimentos através da valorização hedonista de tudo o que transmite uma sensação de bemestar e de prazer. Em função das necessidades, o turista pode ser classificado em grupos tipológicos (Urry,1995) que o caracterizam:

  1. turista romântico, que procura uma viagem e estadia solitárias, seguindo o seu próprio caminho, escolhido à medida e em função dos interesses pessoais, descobrindo individualmente as potencialidades locais, tanto de âmbito natural como cultural;

  2. turista colectivo, que procura desenvolver actividades em grupo no decurso da viagem, fundamentadas na visita a locais anteriormente explorados e conhecidos, que lhe transmitem uma sensação de segurança;

  3. turista espectador, que, valorizando a visita em grupo, não ultrapassa a impressão superficial obtida através de encontros de curta duração, não intera- gindo de forma profunda e continuada;

  4. ambientalista, que procura ambientes naturais preservados onde possa contactar com elementos de fauna e de flora, retirando da visita um sentido didáctico e pedagógico no sentido da auto-aprendizagem e da valorização pessoal;

  5. antropológico, que, podendo coincidir com o viajante romântico, procura a convivência e o contacto directo com as populações locais.

8Procurando uma sistematização orientadora, apresentada no Quadro 1, pode classificar-se o turista a partir de um critério tipológico tripartido, seguindo a proposta apresentada por Adrian Bull (1994): o psicocêntrico; o mesocêntrico; e o alocêntrico. O Psicocêntrico ou autocentrado (Psyche) é o turista que procura ambientes familiares, onde pode praticar actividades rotineiras, associando as características dos destinos heliotrópicos à diversão, ao repouso e à descontracção, recorrendo a padrões de conforto ocidentais. O Mesocêntrico (Meso) atribui prioridade ao meio, seguindo viagens organizadas em que pode desenvolver actividades programadas, recorrendo a infra-estruturas e a empreendimentos hoteleiros de larga escala. O Alocêntrico (Allo) coincide com o viajante que valoriza destinos pouco conhecidos onde a descoberta representa o prazer da novidade, da diferença e da aventura, com elevados índices de actividade e de contacto com a natureza, podendo interagir directamente com as populações e suas culturas, sendo o alojamento de pequena ou média dimensão, explorado localmente e com qualidade satisfatória.

Quadro 1 – Tipologia de Turistas com base na selecção dos destinos turísticos

Quadro 1 – Tipologia de Turistas com base na selecção dos destinos turísticos

FONTE: Adaptado de BULL (1994) por BRITO (2004)

9Diversos autores e organismos internacionais, tais como Mathieson (1990), Kadat (1997), Vieira (1997), Baptista (1997) e a Organização Mundial do Turismo (OMT), definem o sector como o conjunto das actividades desenvolvidas durante uma deslocação ou estadia, fora do local fixo de residência, por um período superior a 24 horas e inferior a um ano, independentemente das motivações que estão subjacentes, não envolvendo actividades remuneradas e pessoalmente lucrativas, mesmo que temporárias, implicando contudo o pagamento dos serviços prestados. É indiscutível que o turismo é uma actividade económica que envolve a prestação de serviços aos turistas no decorrer da deslocação e estadia (Vieira, 1997), nomeadamente relacionadas com transporte, alojamento, restauração, actividades culturais e recreativas, produção artesanal, entre outros. Mas está limitado no tempo e referenciado no espaço, sendo marcado pelo carácter efémero, passageiro ou transitório, não podendo assim ser confundido com um estado de permanência.

10A partir do tradicional conceito de turista, largamente discutido em Encontros Científicos, por Organizações Internacionais, investigadores e académicos, emergem outras definições classificatórias com o objectivo de distinguir os diferentes tipos, tais como o excursionista, o visitante e o viajante. O caminho da discussão conceptual e teórica que fundamenta a análise do turismo, sendo longo, parece não ter ainda chegado ao fim, já que não existe consenso nos termos e nas formas de o definir.

11Os modelos turísticos evoluíram de forma associada ao seu praticante (Brito, 2004), estando fundamentados em factores de atracção, entre os quais o geográfico, o socioantropológico, o histórico, o desportivo, o religioso, a saúde, os negócios, o estudo e o lazer. O geográfico inclui as paisagens, os parques naturais, a fauna e a flora; o socioantropológico engloba os costumes, a gastronomia, o artesanato, as crenças, o folclore e as práticas tradicionais e rituais; o histórico respeita aos elementos patrimoniais, facilmente identificado pela arquitectura e monumentos; o religioso relaciona-se com as peregrinações; a saúde com o termalismo; os negócios com a realização de feiras e convenções; o estudo com a participação em encontros científicos e cursos; o lazer com o descanso, os parques temáticos, o entretenimento e a praia.

12Um dos marcos mais importantes na problematização do turismo coincide com a realização da Conferência de Manila, em 1980, evento internacional promovido pela OMT, em que foi ensaiada uma reinvenção das práticas turísticas, através da apresentação para discussão de um conjunto de pressupostos conceptuais fundamentando a relação entre o turista, as comunidades locais e os agentes de desenvolvimento turístico (Brito, 2004). Neste evento foi apresentada uma nova concepção do turismo enquanto prática, ultrapassando os objectivos meramente económicos, anteriormente entendidos como prioritários, passando a considerar-se um conjunto complementar e alargado de dimensões, tais como a social, a cultural e a ambiental. Após a Conferência de Manila, o panorama analítico sobre o turismo foi radicalmente alterado, surgindo uma nova terminologia com a criação de categorias tipológicas diferenciadas, opondo o antigo turismo, caracterizado pela massificação e ao qual são reconhecidos indícios depredadores do ambiente e aglutinadores do ponto de vista cultural, e o novo turismo, também denominado de alternativo, que assume uma atitude consciente, respeitosa e responsável por parte dos diferentes actores envolvidos, tanto na relação estabelecida com as comunidades locais como no usufruto dos espaços naturais.

13As novas formas de turismo, qualificadas de alternativas, valorizam as particularidades, o típico e o característico, o tradicional e o histórico, os símbolos e indícios de exotismo, identificados com uma autenticidade procurada pelo viajante, e longamente apresentada por McCannel (1989). Esta autenticidade genuína dificilmente é encontrada por se distinguirem no seio das comunidades, muitas vezes inconscientemente, regiões de fachada e regiões de bastidores, sendo as primeiras acessíveis aos visitantes e as segundas protegidas ao olhar exterior, assegurando o reforço das identidades culturais locais.

14Com as novas formas de turismo, a valorização passou a recair nos serviços personalizados, individuais ou em pequenos grupos, permitindo a emergência de tipologias conceptuais próximas da sustentabilidade (Joaquim, 1997; Baptista, 1990), fundamentando-se em critérios de controle, apropriação local, pequena dimensão, vocação por segmentos, enquadramento das vertentes social e ambiental sem, contudo, pôr em causa a económica.

15O turismo alternativo (Quadro 2) passou a ser definido a partir da dispersão geográfica podendo ser encontrado tanto em zonas costeiras como interiores, rurais ou mesmo urbanas, caracterizando-se pela baixa densidade e pela capacidade de controlar os impactos, sobretudo negativos, independentemente da dimensão em que são sentidos. Os alojamentos são de pequena escala e a propriedade, ou gestão, tendencialmente familiar ou de pequenas e médias empresas, sendo o mercado e o volume de negócios considerados baixos, não se identificando mercados dominantes (Brito, 2004).

Quadro 2 – Diferenças entre Turismo de Massa e Turismo Alternativo segundo Weaver:

Quadro 2 – Diferenças entre Turismo de Massa e Turismo Alternativo segundo Weaver:

Fonte: Adaptado de VIEIRA (1997) por Brito (2004)

16As actividades promovidas fundamentam-se na envolvente natural e na interacção social com intercâmbio cultural. Por característica, estas iniciativas não dependem da sazonalidade por não serem identificados picos de procura nem quebras, sendo entendidas, em muitos casos, como uma actividade económica suplementar à fonte de rendimento principal, assente noutros sectores produtivos, que o garantem sem necessidade de recorrer a mecanismos internacionais de abastecimento, já que se enquadram em redes produtivas integradas.

17Sem minimizar a importância do protagonista da deslocação (o turista), as concepções evoluíram passando a evidenciar-se a preocupação com os impactos produzidos junto das comunidades locais que acolhem o turista, o excursionista, o visitante e o viajante. Procurando um olhar transversal do processo turístico, destacam-se outros actores sociais, culturais, económicos e políticos, como elementos influenciadores da prática, produzindo efeitos directos e indirectos nas sociedades de acolhimento. O turista é apenas um dos actores que intervém e influencia.

18As comunidades locais foram concebidas, durante um largo período de tempo, unicamente como mão-de-obra mas, com a evolução das formas de abordar a questão, passou a atribuir-se e reconhecer-se capacidades múltiplas, susceptíveis de ser potenciadas com o desenvolvimento do sector, estimulando a participação, o envolvimento e a aquisição de protagonismo. Do ponto de vista da análise conceptual e teórica, numa fase inicial, considerava-se que os benefícios da actividade revertiam para as populações locais sob a forma remuneratória ou de rendimento acrescido, transformando-as em simples beneficiários. A evolução da mentalidade favoreceu a emergência de novas concepções tendentes à aquisição de protagonismo, em que mais do que beneficiárias, as populações locais passaram a adquirir um estatuto de intervenção por serem consideradas como actores privilegiados (Brito, 2004), enquanto anfitriãs de todo o processo.

Esquema 1 – Actores, contextos e efeitos do turismo

Esquema 1 – Actores, contextos e efeitos do turismo

19Para os países de acolhimento, as consequências e os efeitos da actividade, quer positivos quer negativos, são determinantes implicando uma transformação e uma contínua adaptação com carácter de permanência, não só no presente, mas também com efeitos para o futuro. O turismo passou assim a ser concebido a partir da interacção entre actores e contextos, sendo gerador de impactos, idealmente desejáveis e positivos, mas que podem também resultar negativamente (Abranja, 2005). A prática sustentável é o resultado da articulação entre três grandes dimensões, concebidas com uma base equitativa, não hierárquica mas interligada (Esquema 2): a social, a económica e a ambiental.

Esquema 2 – Níveis de análise

Esquema 2 – Níveis de análise

20Da intercepção sócio-económica emergem princípios equitativos no acesso a bens e serviços, na satisfação das necessidades e na aquisição de rendimento, minimizando as desigualdades entre visitantes e visitados. Da relação económico-ambiental é evidenciada a viabilidade, já que se espera que os projectos sejam ambientalmente possíveis e economicamente rentáveis. Mas igualmente importante é a esfera sócio-ambiental, das vivências e dos afectos, das sensações e do conhecimento, da aquisição de experiência e da valorização pessoal viabilizada através do contacto directo com novas situações. Assim, a interpretação do sentido da sustentabilidade turística, e promovida pelo turismo, respeita à garantia de preservação de recursos naturais (dimensão ambiental), à valorização da identidade cultural (dimensão social) e à rentabilização económica (McIntosh et al, 2002). Estas três dimensões são consideradas de forma interligada e indissociável (Hall, 2001), adquirindo um sentido sistémico, perspectivadas no longo prazo. A sustentabilidade representa uma nova forma de olhar o desenvolvimento, já que implica uma capacidade de gerir os recursos atendendo ao futuro.

21O enquadramento do turismo na abordagem da sustentabilidade, integrando diferentes dimensões, faz todo o sentido. Evidenciando uma preocupação para com os impactos da actividade, em particular, no ambiente e nas comunidades locais, a Organização Mundial de Turismo propôs, em 1999, o Código O Código Mundial de Ética do Turismo, valorizando princípios assentes em respeito e responsabilização no desenvolvimento da actividade e das práticas por parte de todos os actores envolvidos. O turismo passa a ser formalmente considerado como um veículo susceptível de incrementar a compreensão e o respeito entre culturas diferentes, contribuindo para o desenvolvimento individual e colectivo no longo prazo, através do recurso e da divulgação do património natural e construído, gerando benefícios para os países e comunidades de acolhimento, mas implicando o cumprimento de obrigações, ou deveres.

22Nas três dimensões consideradas, a sustentabilidade promovida pela actividade turística ética e responsável, contribui para a valorização do património construído, cultural, histórico e identitário, contribuindo para a preservação de costumes e tradições. Por outro lado, estes elementos são impulsionadores do desenvolvimento do turismo, já que a actividade beneficia com a conservação das referências autênticas e entendidas como genuínas (Honey e Rome. 2001). A participação comunitária nos projectos turísticos, com envolvimento efectivo, é um dos elementos que evidenciam a valorização das capacidades locais e o estímulo à cidadania, seguindo também o princípio da responsabilização e do respeito, nomeadamente nos contactos inter-culturais e no uso do espaço, o que implica recursos naturais de fauna e de flora. A preocupação com a rentabilização económica é legítima, requerendo a captação e a gestão de recursos que garantam a manutenção e a continuidade, sendo particularmente estimulado o incentivo e o reforço de uma cultura empreededora e geradora de oportunidades alternativas.

23O tema do turismo em meio insular africano obriga à reflexão com base num conjunto de questões: 1) Que tipo de turismo existe e qual o desejável em função das potencialidades insulares?; 2) Quem são os principais actores envolvidos na implementação dos projectos turísticos?; 3) Quem são os principais beneficiários da iniciativas?; 4) Quais os tipos de turistas que mais procuram os destinos insulares africanos e que motivações os movem? 5) Que impactos são gerados com o incremento do turismo?; 6) Quais os mecanismos existentes para regular os efeitos produzidos e menos desejados? Algumas destas questões iniciais não são de fácil e imediata resposta. O turismo em meio insular africano apresenta disparidades nas formas, nos actores e nos mecanismos utilizados e, ao longo do tempo, tem produzido impactos diferenciados e, em alguns casos, contraditórios.

24O livro “Turismo em meio insular africano. Potencialidades, constrangimentos e impactos” é o produto final do Projecto de Investigação intitulado O impacto do turismo no desenvolvimento comunitário em África: análise de experiências insulares (PTDC/ AFR/69094/2006), prosseguido no Centro de Estudos Africanos (CEA/ISCTE-IUL) entre 1 de Junho de 2007 e 31 de Maio de 2010, e integralmente financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT/MCTES).

25O Projecto consistiu num estudo comparativo, realizado em meio insular africano, seguindo-se a metodologia do estudo de caso, centrada em dois Pequenos Estados Insulares (PEI): Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. A análise incidiu sobre os impactos do turismo no desenvolvimento das comunidades locais, considerando-se os benefícios resultantes do incremento do sector, mas também os efeitos perversos, não desejáveis, que resultam negativamente para a totalidade, ou parte, dos grupos comunitários envolvidos, e que, tantas vezes, são esquecidos ou encobertos em favor da criação de uma imagem de marca, positiva e de perfeição idílica, que não passa de superficialidade.

26A análise fundamentou-se assim na metodologia do estudo de caso procurando identificar-se alguns traços comuns e muitas particularidades que os diferenciam. Trata-se de dois Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento da África Subsahariana, geograficamente localizados por referência ao Oceano Atlântico que, ao longo do tempo, têm sofrido, de forma diferenciada, os efeitos da insularidade, da natureza arquipelágica, da pequena dimensão, da distância e do isolamento, ou seja do habitualmente denominado Síndrome dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento. Os dois países caracterizam-se pela vulnerabilidade dos ecossistemas, e da biodiversidade, pela precariedade sócio-económica e pela ancestralidade das práticas culturais.

27Enquanto Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento1, os dois casos em estudo são definidos, por um lado, por um conjunto de traços físicos, ambientais e paisagísticos e, por outro lado, pela diversidade cultural, sendo vulgarmente qualificados com os atributos de exóticos, paradisíacos e potenciais para o desenvolvimento da prática turística.

28Os dois países são marcados por um passado histórico comum, com recente constituição como Estado-Nação, que os identifica com a denominação de jovens democracias, onde tem dominado uma estabilidade política relativa e diferenciada, particularmente mais sustentada em Cabo Verde do que em São Tomé e Príncipe, país que sofre de precariedade político-governativa, sem que contudo se registem incidentes armados relevantes. Do ponto de vista sócio-cultural, caracterizam-se pela prevalência de sociedades crioulas e miscigenadas, sendo dotadas de população reduzida e tendencialmente jovem, com propensão para a mobilidade e a viver em situação de pobreza agravada.

29Dadas as condições geográficas características das regiões insulares e as particularidades ambientais, paisagísticas e sócio-culturais, nos últimos anos, para os dois países estudados, o turismo tem sido considerado estratégico e fortemente potencial. Por um lado, porque é considerado como um sector economicamente dinâmico e propiciador do incremento de actividades produtivas complementares, contribuindo para a redução da pobreza e, por isso, representando uma alternativa viável no longo prazo para a aquisição de rendimento. Por outro lado, porque é considerado como sector promotor de paz e de bem-estar social, estimulando o contacto inter-cultural, a tolerância e a criação de sociedades sustentáveis a um nível global.

30O investimento no sector, a implementação dos projectos e os efeitos resultantes têm evidenciado diferenças significativas em função do caso em análise. Se Cabo Verde tem estado no centro do desenvolvimento turístico da costa ocidental africana, os efeitos menos virtuosos têm emergido rapidamente, deixando algumas marcas: a instabilidade e a insegurança têm aumentado; a prostituição, incluindo juvenil, tem sido potenciada; o consumo de drogas, associado ao tráfico interno e internacional, tem marcado presença; a viciação da relação entre o turista e as comunidades alimentando dependências a partir da dádiva, em nome da troca por uma fotografia, uma conversa ou um passeio. Em São Tomé e Príncipe, o desenvolvimento do turismo tem sofrido avanços e recuos, fazendo lembrar a imagem do “empurrão-tropeção”, em que as expectativas de continuidade são quase sempre marcadas por um qualquer percalço que obriga a repensar todo o processo. O sector é significativamente mais incipiente do que em Cabo Verde, frágil e irregular e os efeitos vão surgindo também com menor constância, tendo um carácter mais pontual.

31Em Cabo Verde, a maioria das iniciativas turísticas implementadas estão centradas do ponto de vista territorial num reduzido número de ilhas, sendo promovida e gerida pela iniciativa privada, incluindo estrangeira, produzindo impactos ambientais e sociais significativos, nem sempre positivos, já que a preocupação subjacente é a recuperação do investimento realizado e a consequente rentabilização dos equipamentos turísticos. As organizações da sociedade civil representam apenas uma franja do mercado turístico cabo-verdiano, sendo emergentes no sector, estando vocacionadas para segmentos específicos em função das ilhas, seguindo uma filosofia de implementação própria e orientada por princípios maioritariamente solidários. Ao contrário, em São Tomé e Príncipe, a iniciativa privada estrangeira dá ainda os primeiros passos, evidenciando preocupação com a valorização do destino a nível internacional e a boa sustentação na sua implementação. A sociedade civil santomense tem-se desdobrado pelos diferentes sectores de intervenção social e ambiental, e o turismo é uma área que tem também sido particularmente privilegiada, principalmente quando interligada com actividades ambientalmente enquadradas. Existem iniciativas turísticas de vocação ambientalista e conservacionista, bem como projectos solidários e socialmente integrados, e ainda marcas irregulares de empreendedorismo nacional.

  • 2 A coordenação da investigação foi da responsabilidade de Brígida Rocha Brito, socióloga com mestrad (...)
  • 3 Joaquim Ramos-Pinto, doutorando em Educação Ambiental, Universidade de Santiago de Compostela.
  • 4 Nuno Alarcão, sociólogo e mestre em Estudos Africanos (ISCTE).
  • 5 Bastien Loloum, mestre em Turismo pela Universidade de Montpellier.
  • 6 Joana Marques, socióloga e mestranda em Economia Social e Solidária (ISCTE), contratada com as funç (...)
  • 7 Andreia Duarte e Manuel Ernesto Tavares, contratados com as funções de apoiar a bolseira de investi (...)

32Do ponto de vista metodológico, a investigação foi enquadrada por princípios conceptuais e linhas de orientação teórica tendentes à valorização das capacidades e das potencialidades locais, no sentido do reconhecimento e do reforço identitário, incentivando o aprofundamento do sentimento de pertença, as redes de solidariedade locais e a auto-estima, através da adopção de atitudes proactivas com envolvimento. A análise foi prosseguida pela equipa de investigação do Projecto, constituída por um coordenador2 (Investigador Responsável) doutorado em Estudos Africanos, um doutorando3 em Educação Ambiental e dois mestres, um em Estudos Africanos4 e outro em Turismo5. No decurso da investigação foi contratado um Bolseiro de Investigação6 licenciado em Sociologia e a frequentar Mestrado em Economia Social e Solidária e dois bolseiros de Iniciação à Investigação7, estudantes de licenciaturas de 1º ciclo do ISCTE, no enquadramento de Bolonha.

33Numa fase inicial, foi prosseguida pesquisa bibliográfica e documental intensiva de forma a viabilizar a análise conceptual de enquadramento com uma preocupação revisionista, tendo-se procedido à despistagem temática, seguindo o critério da análise conceptual: turismo; cultura; ambiente; economia solidária. De forma sequencial, foram elaboradas listagens de iniciativas turísticas enquadráveis pelo estudo, tendo em consideração os objectivos propostos, nomeadamente no que respeita à identificação dos impactos do turismo, tanto positivos como negativos, no desenvolvimento comunitário. Desta forma, foi possível proceder à selecção das iniciativas a estudar tendo em conta as áreas regionais de intervenção consideradas mais importantes e respeitando dois princípios fundamentais: a proximidade de áreas protegidas ou zonas de sensibilidade ambiental; a existência de comunidades residentes na envolvência das iniciativas caracterizadas por elementos culturais tradicionais e ancestrais.

34Para a realização do levantamento de informação, foram estabelecidas parcerias informais com entidades locais. Em Cabo Verde, foram privilegiados os contactos com a direcção do Parque Natural do Fogo (ilha do Fogo) e ainda com a Associação Atelier-Mar (ilha de Santo Antão). Com a continuidade de recolha de dados, optou-se por alargar o estudo à ilha de Maio. Da mesma forma, em São Tomé e Príncipe, foram estabelecidas parcerias informais com a Direcção de Turismo e Hotelaria, a Direcção-Geral do Ambiente, a Associação Monte Pico e a ONGa MARAPA. Estas parcerias viabilizaram a colaboração de equipas locais de tradutores e inquiridores, que funcionaram simultaneamente como guias, após sessão de formação com a equipa de investigação.

35Desde o início, a metodologia previa a aplicação de um inquérito por questionário a uma amostra representativa da população residente na envolvência dos Projectos estudados, que se estimou inicialmente em 450 para cada um dos países considerados em análise, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde. Contudo, durante as missões constatou-se existir alguma dispersão geográfica, sendo necessário proceder-se a adaptações metodológicas. Assim, foram aplicados 393 questionários em Cabo Verde (repartidos pelas ilhas de Fogo, Santo Antão e Maio) e 456 em São Tomé e Príncipe (ilha de São Tomé e Ilhéu das Rolas), perfazendo um total de 849.

Quadro 3 – Distribuição da Amostra

Ilha

%

Distribuição Regional

Cabo Verde

393

46,3

Maio (Maio)

185

 

47,1%

Fogo (Chã de Caldeiras)

138

 

35,1%

Santo Antão (Lajedos)

70

 

17,8%

São Tomé

456

53,7

100%

Porto Alegre / Malanza

49

 

10,7%

São João / Angolares

28

 

6,1%

Entre Cruzeiro e Bombaim

53

 

11,6%

Diogo Vaz

34

 

7,5%

Cidade de São Tomé

140

 

30,7%

Neves

97

 

21,3%

Monte Café

42

 

9,2%

Ilhéu das Rolas

8

 

1,8%

Não Especificado

5

 

1,1%

Total

849

100

100%

36Dadas as características do estudo e das populações em análise, a opção recaiu na definição de uma amostra aleatória ou probabilística, seguindo o critério estratificado, por conglomerados, grupos ou áreas, de forma a garantir a representatividade (Cf. Quadro 3).

37Em Cabo Verde, e dado que foram privilegiadas ilhas diferentes e deslocalizadas do ponto de vista geográfico (no Barlavento, Santo Antão e no Sotavento, Maio e Fogo), foi imprescindível contratar técnicos locais que apoiassem na aplicação dos questionários. Contudo, todos os projectos em estudo foram visitados pela equipa, tendo-se procedido ao levantamento de informação para posterior análise. Em São Tomé e Príncipe foram realizadas sessões de formação e de acompanhamento da aplicação de questionários com os técnicos locais, seleccionados pela Associação Monte Pico, que colaboraram na fase do trabalho de campo. Dado que uma grande parte da população santomense não domina o português, a aplicação dos questionários seguiu o critério do respeito pelo dialecto local, sendo fundamental o apoio de tradutores e técnicos nacionais que facilitaram o estabelecimento dos contactos. Paralelamente, os membros da equipa aplicaram directamente os questionários na Roça de São João e no Ilhéu das Rolas a representantes das comunidades cabo-verdiana e angolar.

38De forma a obter informação ponderada, servindo de mecanismo de controle, nos dois países em estudo, foram realizadas entrevistas semi-directivas pelos investigadores da equipa, procurando seguir-se o critério do envolvimento de diferentes actores das sociedades santomense e cabo-verdiana. Estas entrevistas foram antecedidas pelo estabelecimento de contactos, tanto informais como formais, em momentos diferentes, permitindo sustentar a recolha de informação por investigadores diferentes (Ministério do Ambiente, Ministério do Turismo, Direcção-Geral do Ambiente, Direcção de Turismo e Hotelaria; agentes de viagens e de turismo; representantes das Organizações da Sociedade Civil; promotores de projectos; e observadores, locais a internacionais). Em São Tomé e Príncipe foram realizadas 10 entrevistas formais e uma entrevista de grupo com a comunidade do Ilhéu das Rolas, enquanto que em Cabo Verde foram realizadas 16 entrevistas. Todas as entrevistas, individuais e de grupo, foram gravadas de forma a assegurar a fiabilidade do discurso dos interlocutores.

39As missões de recolha de dados foram ainda complementadas por visitas, nas quais foram privilegiados os momentos de observação directa e o registo escrito e fotográfico, de forma a facilitar a posterior análise e o enquadramento de algumas informações recolhidas que, pela diversidade de actores, resultaram em alguns casos de forma contraditória. Tanto em São Tomé e Príncipe como em Cabo Verde foram realizadas duas missões de carácter misto, exploratório e efectivo por diferentes membros da equipa de investigação. Em dois momentos destinados a missões, a equipa contou com a colaboração dos dois consultores do Projecto, Prof. Doutor Rogério Roque Amaro, consultor nacional (ISCTE-IUL) e Professor Carlos Vales Vasquez, consultor estrangeiro (CEIDA).

40No decurso da investigação, a equipa organizou, em São Tomé e Príncipe, um Seminário Internacional sobre o tema “Educação, Ambiente, Turismo e Desenvolvimento Comunitário”, que resultou num instrumento facilitador para o estabelecimento dos contactos e recolha de dados, por ter sido possível reunir os principais intervenientes das áreas em análise que, no estudo, são consideradas complementares ao turismo. Este evento contou também com a participação de interlocutores cabo-verdianos e permitiu, além das actividades em sala, visitar as iniciativas turísticas e as comunidades envolvidas. Em resultado deste encontro, a equipa editou um primeiro livro, que concentra tanto as reflexões de enquadramento da investigação como os contributos dos interlocutores santomenses, intitulado “Desenvolvimento Comunitário: das teorias às práticas. Turismo, Ambiente e Práticas Educativas em São Tomé e Príncipe”. Na publicação está reflectido o impacto do evento no país, que contou com o envolvimento da classe política santomense, nomeadamente o Primeiro Ministro, Rafael Branco, o Ministro da Educação, Jorge de Bom Jesus, o Director-Geral do Ambiente, Arlindo Carvalho, que co-organizou, e a então Directora de Turismo e Hotelaria, Miriam Daio. Após este evento, a equipa co-organizou o “1º Encontro Internacional de Desenvolvimento Local”, em parceria com outras organizações santomenses e estrangeiras, do qual resultou uma segunda publicação que reforça a primeira, “Abrindo Trilhos, Tecendo Redes”. Paralelamente à presente obra, a equipa organiza em Lisboa o Encontro Internacional de apresentação pública dos resultados da investigação aqui contidos, intitulado “Turismo em meio insular africano”.

41A apresentação temática do livro está organizada em duas partes: uma primeira parte em que são analisados os dois países em estudo; uma segunda parte orientada para a análise dos principais impactos no desenvolvimento comunitário. Na primeira parte, Dois casos em estudo, é analisado o tema do turismo em meio insular africano, seguindo-se uma especificação da situação do sector em cada um dos países, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde. Na segunda parte, Os impactos do turismo no desenvolvimento comunitário, são apresentados os resultados da análise, organizados tematicamente em ONGs e Turismo; Turismo, Comunidades locais e Cultura; e Impactos Ambientais. Seguidamente, são discutidas as linhas conclusivas da investigação. O livro termina com a apresentação de uma bibliografia geral, contendo as referências consultadas e indicadas ao longo do texto.

Notes

1 Cf. http://www.sidsnet.org/. Os PEID compreendem os Estados Insulares membros da ONU e das suas agências especializadas: Antígua e Barbuda, Aruba, Bahamas, Bahrain, Barbados, Cabo Verde, Comores, Ilhas de Cook, Cuba, Chipre, Dominica, República Dominicana, Fidji, Granada, Haiti, Jamaica, Kiribati, Maldivas, Malta, Ilhas Marshall, Maurícias, Micronésia, Nauru, Niue, Antilhas Holandesas, Palau, Papua Nova Guiné, Samoa, São Tomé e Príncipe, Seychelles, Singapura, Ilhas Salomão, Saint Kitts e Nevis, Santa Lucía, São Vicente e Granadinas, Tokelau, Tonga, Trinidad y Tobago, Tuvalu, Ilhas Virgens Americanas e Vanuatu.

2 A coordenação da investigação foi da responsabilidade de Brígida Rocha Brito, socióloga com mestrado e doutoramento em Estudos Africanos (ISCTE), estando paralelamente a desenvolver investigação de Pós Doutoramento em área temática congénere, Educação Ambiental.

3 Joaquim Ramos-Pinto, doutorando em Educação Ambiental, Universidade de Santiago de Compostela.

4 Nuno Alarcão, sociólogo e mestre em Estudos Africanos (ISCTE).

5 Bastien Loloum, mestre em Turismo pela Universidade de Montpellier.

6 Joana Marques, socióloga e mestranda em Economia Social e Solidária (ISCTE), contratada com as funções de criar a base de dados, transcrever entrevistas, apoiar na análise dos dados e integrar a tese de mestrado como produto do Projecto. Foi-lhe dada a possibilidade de integrar missões e realizar o trabalho de campo para a tese, bem como de participar em eventos científicos com apresentação de comunicação. A tese de Mestrado “Para além da filantropia: contributos do turismo solidário para o Desenvolvimento Comunitário”, elaborada no âmbito das actividades do Projecto é um dos produtos da investigação.

7 Andreia Duarte e Manuel Ernesto Tavares, contratados com as funções de apoiar a bolseira de investigação na criação da base de dados e transcrição de entrevistas, tendo sido aberta a possibilidade de colaborarem em parte da análise, participarem no livro final e no Encontro Internacional de apresentação pública dos resultados da investigação.

Table des illustrations

Titre Quadro 1 – Tipologia de Turistas com base na selecção dos destinos turísticos
Crédits FONTE: Adaptado de BULL (1994) por BRITO (2004)
URL http://books.openedition.org/cei/docannexe/image/342/img-1.png
Fichier image/png, 103k
Titre Quadro 2 – Diferenças entre Turismo de Massa e Turismo Alternativo segundo Weaver:
Crédits Fonte: Adaptado de VIEIRA (1997) por Brito (2004)
URL http://books.openedition.org/cei/docannexe/image/342/img-2.png
Fichier image/png, 101k
Titre Esquema 1 – Actores, contextos e efeitos do turismo
URL http://books.openedition.org/cei/docannexe/image/342/img-3.png
Fichier image/png, 144k
Titre Esquema 2 – Níveis de análise
URL http://books.openedition.org/cei/docannexe/image/342/img-4.png
Fichier image/png, 46k

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search