Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Turismo em meio insular africano

 | 
Brígida Rocha Brito

Prefácio

Rogério Roque Amaro

Texte intégral

1Turismo, Ilhas e África…

2Eis uma combinação cheia de ambiguidades e contradições e/ou potencialidades. Porque o Turismo é hoje um conceito com uma pluralidade de entendimentos, por vezes, muito distintos, para já não dizer opostos.

3Além disso, porque implica práticas, contactos, visitas, interacções com implicações várias de encontros e desencontros, de diálogos e de subordinações, de relações positivas e negativas, de pontes e rupturas, de enriquecimento e descaracterização.

4Porque o Turismo é um dos processos mais sugestivos de globalização; porque a ele se associam rendimentos e benefícios económicos; porque surge muitas vezes como a solução milagrosa para países e regiões com baixos níveis de desenvolvimento; porque, quando não parece haver mais recursos, ter sol, praias, paisagens e/ou Natureza luxuriante ou exótica e/ou espécies animais ou vegetais para observar, surge como o suficiente para atrair visitantes e o seu poder de compra.

5Porque, enfim, o Turismo pode ser uma forma de valorizar (ou, pelo contrário, desqualificar) o diálogo entre culturas e para conhecer (ou, pelo contrário, ignorar) a diversidade cultural e o Outro.

6Em segundo lugar, as regiões/países insulares tornaram-se, há cerca de três décadas, um dos objectos de curiosidade e observação científica própria, o que faz surgir um campo específico de análise dos pequenos estados (ou regiões) insulares, nomeadamente no que se refere aos seus constrangimentos e potencialidades de desenvolvimento (referência aos PEID – Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento).

7Pelas condicionantes associadas à sua geografia insular (arquipelágica ou monoinsular), às suas (específicas e normalmente difíceis) acessibilidades e consequentes elevados custos de transporte, às suas vulnerabilidades ambientais (e, neste momento, com uma ameaça notória em relação aos efeitos das alterações climáticas e da esperada subida do nível dos mares), às limitações dos correspondentes mercados e às dificuldades de se obterem economias de escala, estas regiões ou países têm merecido uma focalização teórica específica em várias áreas do conhecimento, como a Antropologia, a Ciência Política, a Economia, a Geografia (Física e Humana), as Relações Internacionais e a Sociologia, ou, mais amplamente, se nos situarmos numa lógica mais interdisciplinar ou mesmo pós-disciplinar, como as Ciências do Ambiente, as Ciências do Desenvolvimento ou as Ciências do Território.

8Por isso, a análise das regiões insulares requer sempre quadros teóricos próprios e uma resistência a simplesmente importar os modelos explicativos e as propostas de desenvolvimento dominantes nas análises tradicionais, normalmente focadas em países continentais.

9Em terceiro lugar, África… o continente considerado mais problemático (mas será?), em termos de desenvolvimento, de governação, de relações interculturais (nomeadamente entre grupos étnicos de raiz histórica e endógena), de permanência (para além do esperado ou para aquém da assunção de responsabilidades próprias?) dos efeitos dos processos de colonização (na sua diversidade), de crises humanitárias, de patamares intoleráveis de indignidade humana.

10África, o continente que suscita mais pessimismo, mas onde “coabitam” situações muito díspares, nomeadamente em termos de sucessos e insucessos de desenvolvimento e que, por isso, não “autoriza” interpretações homogéneas e universais.

11África, por outro lado, onde estão presentes alguns dos mitos mais marcantes e interrogativos da História e das estórias de Portugal e dos portugueses. Por onde voltam a passar actualmente algumas das expectativas e planos de cooperação (no sentido mais nobre do termo de “operar em conjunto”, ou no sentido mais deturpado de assistencialismo ou de ajuda oportunista e interessada) e de regresso (camuflado ou não) a formas de exploração dos recursos locais (principalmente em termos de recursos Humanos ou naturais), por parte de portugueses (as), pessoas ou instituições.

12África, enfim, por onde andam a desenhar-se algumas das rotas mais recentes das novas (e velhas) formas de Turismo, combinando diferentes tipos de turismo, diferentes tipos de procuras, diferentes valorizações (ou desvalorizações) de recursos.

13É esta trilogia (Turismo, Países Insulares e África) que foi objecto da pesquisa que deu origem a este livro.

14Foi ela que mobilizou as investigações, as reflexões, as inquirições, as observações, as interrogações e a construção do conhecimento que são aqui partilhadas.

15O Projecto de investigação a que este livro se refere, pôde contar com a participação qualificada de vários investigadores em processo de preparação de provas académicas (ou na sequência das mesmas) e, como seu consultor, não só pude participar nalguns dos seus momentos especiais de reflexão, como, sobretudo, pude testemunhar o rigor e a exigência que o caracterizam.

16Ao reflectir e discutir as potencialidades e as condicionantes das diferentes formas de turismo em dois países insulares africanos (e de língua oficial portuguesa) – Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe -, o Projecto e este livro proporciona-nos uma análise fundamentada e bem documentada sobre a relação entre os três vectores acima enumerados.

17E fá-lo, recorrendo, por um lado, às bases teóricas disponíveis (a partir do estado da arte sobre estes temas), mas aferindo-as, por outro, com as características e especificidades dos dois países referidos, bem distintos, nestes aspectos, por sinal.

18É, por isso, um contributo valioso e muito útil para a abordagem do Turismo como caminho (eventual) de Desenvolvimento nestes contextos geopolíticos.

19Mas, ao ligar ainda esta trilogia à questão do Desenvolvimento Comunitário (ou Local), o Projecto foi mais longe e permite abordar o papel das comunidades locais face à questão turística e ao controle dos seus processos de desenvolvimento (e consequente expectável melhoria das condições de vida), bem como os efeitos que as diferentes formas de turismo têm nelas e nas suas relações internas e com o Mundo.

20A discussão, nos dias de hoje, do Turismo e dos processos de Desenvolvimento é, em qualquer contexto, fundamental, para elucidar os seus impactos ambientais, culturais, económicos, políticos e sociais. Mais ainda em países que apresentam estas fragilidades e estas elevadas expectativas (exageradas, nalguns casos) face ao Turismo, como solução para o seu Desenvolvimento.

21Foi esta a mais-valia deste Projecto e é esta a riqueza deste livro.

22Pela minha parte, não só aprendi muito com um e com outro, como os considero recomendáveis a todos os investigadores, decisores políticos e actores, que se interessam ou actuam neste domínio.

23Há notoriamente um interesse científico (pelos conhecimentos sistematizados e construídos), social (pelas situações sociais reflectidas e analisadas e pelas vivências partilhadas) e político (pelas sugestões de medidas e de enquadramento político que deixa ou pode inspirar) nos seus resultados e nos processos que a eles conduziram. E que o conhecimento que já tinha da Investigadora Brígida Brito, já me faziam antever.

Acheter

Volume papier

amazon.fr