Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Cidadania Digital para Todos?

p. 321-330

Résumés

Português
English

Com este artigo, pretende-se entender, através de uma incursão pelo estado da arte, qual o papel que as tecnologias digitais assumem no processo de ensino e aprendizagem, numa escala global sem deixar de dar especial atenção ao panorama português. O nosso estudo focou-se em pontos que consideramos essenciais para se entender uma sociedade cada vez mais tecnológica, onde a cibercultura se expande, num mundo cada vez mais informatizado, transcendendo fronteiras culturais, religiosas e territoriais. Propõe-se ainda, um olhar sobre os chamados “países em desenvolvimento”, onde o tempo e o espaço digital não são os mesmos que nos países desenvolvidos, uma vez que quanto mais pobre ou economicamente incapaz for a população, mais tecnologicamente excluída será. Por fim analisa-se a controversa relação entre tecnologia e conhecimento, escola e sociedade; ensinar e aprender no Séc. XXI e segurança da informação web.

With this article, we intend to understand, through an incursion into the state of art, the role that digital technologies assume in the teaching and learning process, on a global scale, paying special attention to the Portuguese panorama. Our study focused in subjects that we consider essentials to understand an increasingly technological society, where cyber culture expands, in a computerized world, transcending cultural, religious and territorial boundaries. We also propose an insight into the so called “developing countries”, where time and digital space are not the same as in developed countries, since the more poor or economically incapable the population, most technologically excluded will be. Finally, we analyse the controversial relationship between technology and knowledge, school and society, teaching and learning in the 21st century and web information security.

Entrées d’index

Keywords : Digital technologies; Society; Teaching and learning; Knowledge.

Palavras chaves : Tecnologias digitais; Sociedade; Ensino e aprendizagem; Conhecimento.


Texte intégral

INTRODUÇÃO

A cidadania digital é o uso adequado da tecnologia. Utilizar a tecnologia de forma correta e responsável. O cidadão digital deve ser capaz de utilizar, analisar, avaliar, desenvolver, produzir e interpretar os meios de comunicação, bem como saber lidar com a internet em segurança, trata-se de um processo contínuo para preparar os jovens e cidadãos em geral para uma sociedade imersa em tecnologia (Mike Ribble, 2007).

1As novas tecnologias de informação e comunicação, na sua maioria caracterizam-se por agilizar o conteúdo da comunicação, através da digitalização e da chamada comunicação em rede (com ou sem computador), são muito utilizadas para a transmissão e distribuição de informação (i) texto, (ii) imagem, (iii) vídeo e (iv) som. A forma como estas tecnologias têm sido utilizadas por empresas, governos, cidadãos e setores sociais, levou ao surgimento da sociedade do conhecimento. As mais conhecidas são com certeza os computadores, Internet, câmaras de vídeo (webcams), CDs, DVDs, cartões de memória, pendrive, telemóvel, TV, E-mail Wi-Fi, Bluetooth, RFID entre outras.

2Através da boa utilização da tecnologia desenvolvem-se novas competências, capacidades e conhecimentos tecnológicos, que permitem ter uma nova atitude perante os assuntos debatidos em sala de aula e fora dela, levando os alunos e professores a serem mais reflexivos e críticos perante os conteúdos lecionados/abordados durante a sua formação académica, mesmo que por vezes a utilização de determinado tipo de informação possa ser indevida. Cabe ao educador conduzir o aluno a uma interpretação mais adequada dessa mesma informação. O professor tem em mãos novas oportunidades para junto dos seus alunos alcançar novos patamares de aprendizagem, uma vez que ao usar estas ferramentas ou outras nas aulas, de forma adequada, está a incrementar competências no contexto escolar, contribuindo para a construção de uma ponte entre os alunos e a escola, cativando-os para uma aprendizagem mais autêntica. Os alunos de hoje, como seres digitais que são, não se limitam a consultar passivamente informação, mas acima de tudo a produzi-la, na perspetiva da construção do conhecimento.

A TECNOLOGIA E A SOCIEDADE

3A difusão da tecnologia na sociedade do conhecimento criou um novo ambiente digital onde podemos considerar que o digital pode ser considerado um marco na cultura atual, pois, incorpora sistemas de significado e comunicação que claramente direcionam o estilo de vida contemporâneo (Gere, 2012). A tecnologia tornou-se um elemento central na vida de qualquer cidadão com acesso à mesma, porém é fundamental não perder de vista o seu papel na análise sócio política e cultural de qualquer país e também a uma escala global. Atualmente, o conhecimento pode ser considerado como uma forma de poder o qual advém da informação. Todo o conhecimento pode ser ampliado pelas tecnologias de informação, mais que não seja pela sua eficácia e igualdade de acesso, pois facilmente derrubam barreiras geográficas (Menon, B., 2000). A tecnologia está predestinada a governar o nosso presente e o nosso futuro. Este é um fato definitivo que a humanidade tem de enfrentar. No presente, domina diferentes facetas da nossa vida influenciando a maneira como vivemos. Os locais de trabalho, hoje, e no futuro, exigem cada vez mais o uso de tecnologia, esta, permite trabalhar em colaboração com diferentes comunidades e seus membros, possibilitando a resolução de problemas complexos. A colaboração sempre foi um elemento importante quer no local de trabalho quer na aprendizagem. Contudo, o que mudou ao longo da última década foram as exigências e habilidades digitais necessárias e exigidas pela vida profissional e social de uma sociedade moderna, particularmente em ambientes de tecnologia avançada (Hämäläinen, R., Lanz, M., & Koskinen, K. T., 2018). Um fator chave para cumprir as qualificações necessárias do mercado de trabalho global é a inteligência prática que articula habilidades técnicas, específicas (características pessoais) e práticas tais como confiabilidade, vontade de assumir responsabilidades, habilidades sociais, participação activa, trabalho em grupo, inteligência emocional, intuição (Strahm, 2016, p. 43). A nossa era é digital, acordamos e dormimos com a tecnologia. É ela que nos liga com o mundo apenas com um clic, com a sua ajuda, podemos ler, pagar contas, conduzir, podemos usá-la de milhares de maneiras diferentes para obter o que queremos e para ter informação sobre quase tudo. Esta revolução digital está a condicionar e a transformar o crescimento tradicional, levando a uma nova trajetória de desenvolvimento no mundo inteiro. A mesma era digital está a ajudar a implementar a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e para ligar pessoas, empresas e nações à medida que se procuram inovações e soluções para acelerar o desenvolvimento. Conforme sublinhado pela Agenda 2030, “a disseminação de informação e tecnologia de comunicação e interconexão global tem grande potencial para acelerar o progresso humano, para colmatar a divisão entre os povos e desenvolver sociedades do conhecimento “. O acesso à tecnologia digital e à Internet está a capacitar os mais pobres e desfavorecidos do mundo, ajudando a (i) criar empregos, (ii) permitir que mais mulheres participem no mercado de trabalho, (iii) permitir a rápida e eficiente transferência de dinheiro, (iv) milhões de pessoas a ter acesso a instalações de saúde e educação. No entanto, os desafios permanecem, nem todos estão a colher os benefícios de um mundo interligado, alguns estão a ficar para trás, a revolução digital não chegou, ainda, a todos. Tornar a Internet universalmente acessível e disponível, deve, portanto, ser uma prioridade urgente. Além disso, em muitas partes do mundo, há desigualdades extremas de gênero no acesso às tecnologias digitais. A falta de infraestruturas e de conectividade acessível continua a ser um desafio crítico. A Internet de banda larga ainda está na sua infância na África subsaariana, onde os utilizadores de internet representavam em 2016 apenas 22% da população, em comparação com os 44% em todo o mundo. Globalmente quatro bilhões de pessoas não têm acesso a banda larga. Quanto mais esses países e seus cidadãos permanecem excluídos do mundo, tantas mais oportunidades para o seu desenvolvimento serão perdidas (Irigoyen, 2017). As Tecnologias disruptivas confrontarão as sociedades com impactos para os quais elas não estão preparadas. Ao mesmo tempo que as habilidades digitais se tornam essenciais, toda uma geração e alguns países em desenvolvimento terão dificuldades a nível económico, o que por sua vez condicionará o acesso às tecnologias digitais e proporcionará uma exclusão digital de muitos cidadãos. Os países em desenvolvimento geralmente estão presos num círculo vicioso: a pobreza limita a capacidade de investimentos em inovação, da mesma forma que limita o desenvolvimento de instituições capazes, o que, por sua vez, alimenta o círculo vicioso ao desencadear e permitir o surgimento de elementos prejudiciais à economia É essencial que, para criar as bases “analógicas” certas e para as soluções digitais serem eficazes, melhorar o acesso à educação e á saúde, só desta forma se conseguem formar cidadãos aptos e capazes para a vida profissional atual.

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM.

4Uma das funções básicas da educação é a preparação de estudantes capazes para a vida. Numa sociedade rica em informação, onde o conhecimento é considerado a principal fonte de desenvolvimento sociocultural e político-económico de qualquer país ou nação, a competitividade pelo controlo da informação é bastante agressiva, uma vez que, as sociedades ricas em informação são desenvolvidas e controlam a informação no mundo. A Informação engloba e depende do uso de diferentes canais de comunicação, atualmente chamados tecnologias de informação e comunicação (Hussain, 2005). Desta forma o cenário da educação mudou, em particular, ao nível da pedagogia e instrução, tornando o processo de ensino/aprendizagem mais produtivo, uma vez que as tecnologias de informação ajudam a criar ambientes globais de aprendizagem centrados e interativos. A inclusão das tecnologias de informação no processo de ensino aprendizagem implica incorporar novos e melhores métodos pedagógicos que visam a melhoria do ensino. A sociedade rica em informação promove novas práticas e paradigmas para a educação onde o professor tem que desempenhar um novo papel de “mentoring and coaching” e direcionar os alunos para novas formas de aprender, em vez de representar o papel convencional, em que o professor fala e os alunos são meros recetores do conhecimento transmitido, isto é, o futuro da aprendizagem centra-se nos contextos e não na transmissão de conhecimentos para agentes passivos (Trindade, 2009). Os alunos podem aprender de forma independente, tendo uma ampla escolha de seleção de programas e acesso a informação. Os alunos podem-se envolver em atividades orientadas e em grupo, criando ambientes de aprendizagem e acumulando assim, conhecimento. Segundo Branson (1991) aluno e professor podem interagir e compartilhar experiências de aprendizagem contribuindo para a construção do conhecimento e para a sua disseminação. De facto, agora, com a fácil acessibilidade às novas tecnologias os alunos podem aprender muito mais do que quando o professor ensinava em ambientes de aprendizagem tradicionais. Compartilhar globalmente experiências beneficiaria o ensino à distância, pois este também depende do uso das tecnologias de informação, possibilitando uma aprendizagem mais produtiva e individualizada. Assim, a possibilidade de uma instrução de base mais científica e adequada, poderá chegar a qualquer lugar no mundo, tornando o processo de ensino aprendizagem mais igualitário e imediato, com acesso a recursos mais iguais. As tecnologias da informação podem ajudar a promover as oportunidades para a reestruturação curricular dos vários níveis de ensino. A partir daqui, o processo de ensino aprendizagem pode oferecer alternativas diferentes aos professores, tais como o acesso a recursos virtualmente ilimitados, quer ao nível da colaboração, comunicação e competição, em tempo real e, a um nível global. Porém, não podemos deixar de referenciar algumas restrições em relação ao uso das novas tecnologias na sala de aula, nomeadamente (i) dificuldade do professor em lidar com as novas tecnologias; (ii) Infraestruturas das escolas; (iii) políticas governamentais que não incentivam a formação do professor; (iv) estrutura curricular (Souza, 2008). A integração das novas tecnologias no contexto escolar é um dos desafios do seculo XXI, há que repensar as práticas pedagógicas e de gestão, uma vez que a introdução das mesmas só faz sentido se a sua contribuição melhorar a qualidade do ensino atual. No panorama português, segundo um estudo internacional levado a cabo por Costa e Peralta (2007), estes observaram que, a utilização das novas tecnologias em contexto escolar dependia de fatores como a formação dos professores nesta área, tais como (i) não existe formação específica nesta área para os professores, (ii) na maioria dos casos a formação é desenvolvida por iniciativa própria, (iii) a formação ministrada a estes profissionais não leva em linha de conta as necessidades tecnológicas atuais sendo direcionada para outros domínios deixando de fora a integração e orientações para a implementação de novas práticas pedagógicas. A integração das novas tecnologias em sala de aula depende destas circunstâncias atrás referidas, uma vez que os professores não se sentem preparados, isto é, não possuem os conhecimentos adequados e necessários para o uso destas mesmas ferramentas tecnológicas como suporte pedagógico. Assim, em Portugal, embora a oferta de formação no âmbito das novas tecnologias tenha aumentado significativamente nos últimos anos, ainda não é suficiente, sendo a sua utilização nas escolas ainda muito deficitária (Brito, Duarte & Baia, 2004; Costa & Viseu, 2007; Lisboa, Jesus, Varela, Teixeira & Coutinho, 2009).

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO

5Segundo dados divulgados pela OCDE, a China tem, junto com os Estados Unidos, os maiores potenciais de inovação tecnológica do mundo. Existem outros setores estratégicos como o académico, o audiovisual, militar e desporto, onde a evolução chinesa se tem destacado. No entanto, as desigualdades continuam a ser enormes, segundo dados do Banco Mundial a China ainda é o segundo país com maior número de pobres do mundo, perdendo somente para a vizinha Índia. Em 2005, segundo o próprio Banco Mundial, 254 milhões de pessoas (mais que toda a população do Brasil) viviam com menos de 1,25 dólares por dia. Os hiatos tecnológicos na China estão relacionados com o grande abismo existente entre os mais ricos e os mais pobres. Claro está, que a maioria dos países em desenvolvimento, estão mais distantes das fronteiras tecnológicas, em comparação com os altos níveis de inovação dos países desenvolvidos (Bogliacino, 2009). São grandes as dificuldades específicas que alguns países enfrentam, quer em termos de modernização e desenvolvimento económico quer em termos tecnológicos. Por exemplo países como Romênia, Bulgária, Croácia, Ucrânia, Polónia, Eslovênia, Eslováquia, Lituânia, Hungria, República Tcheca, Letônia e Estônia (ditos do leste europeu), que fizeram a transição para a economia de mercado, necessitam mais que nunca de serem inovadores para transformarem o seu sistema económico, por forma a terem acesso aos mercados internacionais. No entanto a falta de capacidade industrial e tecnológica destes países, condicionam o seu progresso, terá de ser feito um esforço enorme para a fomentação e transmissão de conhecimento, por via da introdução também, da inovação tecnológica.

6Em países como a Malásia e Tailândia, Taiwan, Singapura e Coreia do Sul (Leste Asiático), verifica-se que desde a década de 1990 que estes países têm desenvolvido políticas industriais e tecnológicas que contribuíram para a fomentação e implementação através de sistemas inovadores de um novo paradigma económico, menos dependente de afiliações estrangeiras e mais focado nos fluxos locais e regionais de tecnologia.

7Segundo Katz. (2015), Brasil, Argentina, Chile e Colômbia ainda apresentam um avanço muito reduzido em termos de da economia digital. Embora os respetivos governos já tenham implementado algumas políticas e iniciativas públicas destinadas a reforçar a inovação no domínio das novas tecnologias, ainda existe um longo caminho a percorrer para diminuir o hiato existente entre estes países e por exemplo a europa, em termos de investigação e conhecimento. Embora algumas políticas tenham sido implementadas ainda não terminou a consolidação, verificando-se que é ainda deficiente a criação de conteúdos, serviços e aplicações, em comparação com outras regiões tecnologicamente mais avançadas. Apesar dos muitos desafios que a América Latina contínua a enfrentar, está completamente envolvida num contexto socioeconómico impregnado de tecnologia. O número de utilizadores da internet duplicou entre 2006 e 2013, passando de 20,7% para 46,7%.

8Já na África subsariana, de forma geral, a população apresenta os piores indicadores socioeconómicos do mundo. A esperança média de vida nesta parte do mundo raramente ultrapassa os 45 anos, são diversos os fatores que a podem explicar, nomeadamente a (i) pressão demográfica, (ii) má nutrição, (iii) falta de assistência médica, (iv) ausência de saneamento básico nos meios rurais. Os problemas estruturais, os conflitos étnicos, a instabilidade política aliados a atividades de baixa produtividade e a uma agricultura de subsistência, tem contribuído para gerar graves desequilíbrios socioeconómicos, o que se reflete na educação e na saúde (WORLD BANK, 2012). Para além disso, a região continua a apresentar elevados índices de mortalidade infantil, materna, e de doenças infeciosas, que contribuem para o baixo índice de desenvolvimento humano (Akerman, 2012).

9Relativamente à implementação das novas tecnologias na educação, e outros setores a África subsariana, enfrenta os mesmos desafios que a maioria dos países em desenvolvimento. No entanto, com o rápido surgimento da capacidade da rede sem fio e com o crescente aumento dos telefones móveis, o contexto da infraestrutura está a registar algumas mudanças. A política nacional, em alguns destes países, está a apostar nas tecnologias de informação, não deixando a educação de fora. Os respetivos ministérios da Educação e do Desporto estão a tomar medidas para coordenar o desenvolvimento das novas tecnologias bem como os recursos para apoiar a sua estratégia de implementação. A cobertura móvel na África, por exemplo, cresceu de 12% em 2005 para 76% em 2015. Este é o momento oportuno para fortalecer ainda mais o apoio às políticas de incentivo tecnológico.

CONCLUSÃO

10As tecnologias da informação são o resultado da explosão do conhecimento. Estas incluem tecnologias de hardware e software e facilitam o processo de ensino-aprendizagem. Usando as Tecnologias da Informação os alunos podem formar comunidades de aprendizagem em todo o mundo. Eles são independentes e livres na escolha de seus programas de estudo e no acesso aos recursos, podem aprender colaborativamente, compartilhar informações, trocar novas aprendizagens. As tecnologias da informação facilitam o processo de ensino-aprendizagem de forma mais produtiva. Da mesma forma, o papel do professor também é diferente assume novas configurações afastando-se do sistema tradicional. O professor facilita e orienta os alunos nos seus estudos desempenhando o papel de um “treinador” ou “mentor”. O professor deixou de estar no centro do processo de ensino aprendizagem e também não é a única fonte de informação como acontecia nas aulas convencionais. Ele orienta, guia os alunos, referencia conteúdos, experiências e/ou atividades. Em poucas palavras, as tecnologias da informação estão a reestruturar o processo de ensino e a faze-lo convergir para os padrões internacionais.

11Também a saúde e a educação são dois setores-chave, para os quais as tecnologias digitais podem trazer ampla gama de benefícios para uma grande parte da população. Existem hoje várias aplicações móveis na área da saúde que permitem aos médicos chegarem a pacientes que se encontram em zonas rurais mais afastadas dos grandes centros, bem como melhorar a partilha de dados entre unidades médicas. O mesmo se passa na educação, através dos programas de ensino à distância, que permitem novas e mais flexíveis oportunidades de aprendizagem, resultando em maior inclusão e melhoria da qualidade da educação para todos.

12Quanto aos países em desenvolvimento, é necessário, que os governos sejam fortes e capazes de identificar as causas e estratégias para combater as assimetrias entre pobres e ricos, desenhando políticas e ações concretas não apenas relativamente aos aspetos económicos, sociais e tecnológicos, mas também na saúde e educação. Ao existir equilíbrio entre saúde, educação e desenvolvimento, ter-se-á uma população que revela um maior bem-estar com maior confiança em investimento, o que por sua vez irá potenciar os benefícios apresentados pela tecnologia inovadora. As ferramentas tecnológicas, pelas suas características inovadoras, são ferramentas poderosas a ser utilizadas pelos países em desenvolvimento, de forma a se tornar uma alternativa viável o processo de crescimento económico desses países.

Bibliographie

Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références bibliographiques par Bilbo, l’outil d’annotation bibliographique d’OpenEdition. Ces références bibliographiques peuvent être téléchargées dans les formats APA, Chicago et MLA.

Akerman, M. et al. (2012). Saúde e desenvolvimento: que conexões? In: Campos, G.W S. (Org.). Tratado de saúde coletiva. (2ª ed. Revista e aumentada). São Paulo: Hucitec, 2012. p.123-147.

Barton, D., Hamilton, M. and Ivanic, R. (2000). Situated literacies: reading and writing in context. London: Routledge.

10.4324/9780203984963 :

Branson, R. K. (1991).The School Year 2000 Concept. Northwestern March 7.

Brito, C., Duarte, J., & Baía, M. (2004). As tecnologias de informação na formação contínua de professores: uma nova leitura da realidade. Gabinete de

Informação e Avaliação do Sistema Educativo do Ministério da Educação. Consultado em 4 de março de 2016. Disponível em http://www.giase. minedu.pt/nonio/docum/document.htm.

Costa, F. A., & Peralta (2007). TIC e Inovação Curricular. Revista Sísifo. 3, 3-6.

Consultado em 10 de setembro de 2017. Disponível em http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/sisifo03notapt.pdf

Costa, F. A., & Viseu, S. (2007). Formação – Acção Reflexão: um modelo de preparação de professores para a integração curricular das TIC. In F. Costa, H. Peralta & S. Viseu (Eds.), As TIC na Educação em Portugal: Concepções e Práticas (pp. 216-237). Porto: Porto Editora.

Fisher, D., & Frey, N. (2011). Implementing a Schoolwide Literacy Framework: Improving Achievement in an Urban Elementary School. The reading Teacher. 61 (1), pp. 32–43.

Gil, A.C. (2009). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas. Irigoyen, J., L. (2017). Connecting one and all to the digital revolution. In International Development And The Digital Age (pp. 12-16).

Jonassen, D. (2007). Computadores, Ferramentas Cognitivas. Desenvolver o pensamento crítico nas escolas. Porto: Porto Editora.

Katz, R. (2015). El ecosistema y la economía digital en América Latina. Madrid: Ariel.

Lisboa, E. S., Jesus, A. G., Varela, A. M., Teixeira, G. H., & Coutinho, C.P. (2009). LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal. In Educação, Formação & Tecnologias, 2 (1), 44-57. Consultado em junho de 2017. Disponível em http://eft.educom.pt

McMillan, J. & Schumaker, S. (1997). Research in Education: A Conceptual Introduction (4ª Ed.). New York: Addison Wesley Longman.

Mike Ribble, M. & Baley, G. (2007). Digital Citizenship in Schools. Eugene, Oregon: International Society for Technology in Education.

Moreira, M. & Buchweitz, B. (1993). Novas Estratégias de Ensino e Aprendizagem. Colecção Aula Prática. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

Pratt, D. D. (2014). Effective integration of information communication technology in blended learning programmes: A morphogenic approach. The International Journal of Learning in Higher Education, 20(2), pp. 89-103.

ProFuturoa (2017). 10 barreiras a superar para melhorar a educação nos países em desenvolvimento. Disponível em https://profuturo.education/pt/2017/11/14/10-barreiras-a-superar-para-melhorar-a-educacao-nos-paises-em-desenvolvimento/

Raupp, F.M. e Beuren, I.M. (2008). Coleta, análise e interpretação dos dados.

In: Beuren, I.M. (Coord.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade – teoria e prática (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Souza, E. P. de. (2008). Tecnologias digitais na escola pública: formação continuada de professores com ênfase no exercício de autoria. In IX Congreso Iberoamericano de Informática Educativa RIBIE, Caracas – Venezuela. Retirado de http://www.ufrgs.br/niee/eventos/RIBIE/2008/pdf/tecnologias_digitales_escuela.pdf Consultado em maio de 2017.

Street, B. (2003). What´s “new” in New literacy Studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, Vol. 5(2).

Velloso, Fernando. (2014) Informática: conceitos básicos (9ª ed.). Rio de Janeiro: Elsevier

WORLD BANK. (2012). Global Economic Prospects: Managing growth in a volatile world. Washington DC.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Creative Commons - Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International - CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.