Version classiqueVersion mobile

Territorio y Prácticas Socioculturales en debate

 | 
Mónica Vargas Aguirre
, 
Celia Basconzuelo
, 
María Virginia Quiroga
, 
et al.

Escala: um debate teórico político

Agripino Souza Coelho Neto

Texte intégral

Introdução

1O presente texto pretende realizar uma discussão a respeito do conceito de escala, especialmente, da distinção que concebe, por um lado, a escala como categoria de análise (isto é, como construto epistemológico) e, por outro lado, a escala como categoria da prática sociopolítica dos sujeitos sociais (isto é, como entidade material).

  • 1 Adam Moore, “Rethinking scale as a geographical category: from analysis to practice”, Progress in (...)

2A escala é uma categoria de análise apropriada por vários campos disciplinares implicando em significações e posturas metodológicas diversas, tendo se tornado, segundo Moore1, um conceito pesado, carregado de múltiplos, contraditórios e problemáticos significados. A despeito de sua discussão e emprego em outras disciplinas, não se pode desconsiderar o acúmulo de reflexão e teorização produzido na geografia, muito menos a posição de centralidade da escala no arsenal teórico deste campo disciplinar, sobretudo, pela condição heurística que possui na investigação da dimensão espacial da realidade e dos processos sociais, econômicos, políticos e culturais que lhe são constitutivos.

  • 2 Idem.

3Sem a intenção de recuperar a vasta discussão sobre escala (cujo lastro encontra-se mais densamente situada na produção geográfica de origem anglo-saxônica), nos deteremos especialmente, na discussão sistematizada por Moore2 (2008), estruturada em torno da distinção basilar entre escala como categoria de análise e escala como categoria da prática.

4Pretendemos com essa reflexão, apresentar um conjunto de discussões que se colocam como proposição conceitual para pensar as ações coletivas na contemporaneidade, considerando que os mais diferentes grupos sociais acionam as escalas espaciais para a operacionalização de suas atividades e para viabilização de seus propósitos e interesses diversos.

5O texto está estruturado em quatro partes. Após estas breves considerações iniciais, empreendemos um esforço para apresentar a distinção da escala como categoria de analise e da escala como categoria da prática. Esta última perspectiva abre a possibilidade teórica de considerar as políticas de escala (assunto da terceira parte do artigo), ou seja, de conceber que os grupos sociais ao acionarem a escala e a tornarem efetivas em suas praticas sociais, estão simultaneamente construindo políticas de escala. Por fim, apresentamos algumas considerações que cumprem muito mais o papel de abrir o debate teórico e metodológico sobre o conceito de escala.

A escala como categoria da análise geográfica e da prática sociopolítica

6Moore reconhece dois difusos, mas discerníveis raciocínios que nos parecem organizados em duas posições polarizadas, separando a (i) escala como entidade socioespacial material e a (ii) escala como construto epistemológico. No primeiro campo de significação o autor situou a concepção de escala de alguns geógrafos inspirados na tradição da economia política, conforme explicitado abaixo:

  • 3 Neil Smith, “Homeless/global: scaling places”, J, Bird y B. Curtis (editors), Mapping the futures,(...)
  • 4 Neil Smith, “Scale”, R. Johnston, R. Gregory y G. Pratt (editors), The dictionary of human geograp (...)
  • 5 Erik Swyngedouw, “Excluding the other: the production of scale and scaled politics”, R. Lee, J. Wi (...)
  • 6 Moore, op. cit., 204. Tradução nossa.

Neil Smith as descreve [as escalas] como a ‘materialização das forças sociais em disputa’ (1993: 101)3 e ‘plataformas para tipos específicos de atividades sociais ... plataformas de espaço absoluto em uma amplo mar do espaço relacional’ (2000: 725)4; Swyngedouw (1997a: 169)5 define escala como a ‘materialização das relações sociais de empoderamento e desempoderamento e a arena através da qual elas operam’6.

  • 7 Idem.

7Segundo Moore, para esses autores a escala não é uma categoria geográfica de análise independente, “mas corresponde a processos materiais reais, eventos e formações espaciais”.7 Assumindo uma direção contrária, o referido autor menciona algumas posições que concebem a escala exclusivamente como um construto epistemológico:

  • 8 Katherine Jones, “Scale as epistemology”, Political Geography, n. 17, 1998, 25-28.
  • 9 Hilda Kurtz, “Scale frames and counter-scale frames: constructing the problem of environmental inj (...)
  • 10 Moore, op. cit., 204. Tradução nossa.

Alternativamente, a escala tem sido caracterizada como um ‘tropo representacional’8 ou construção discursiva.9 A partir deste ponto de vista, a escala é fundamentalmente uma construção epistemológica que apresenta ordenações socioespaciais específicas10.

8Essa posição nos parece mais contudente na concepção de Castro, que trata a escala como um problema epistemológico, considerando-a um artíficio analítico, uma estratégia de apreensão da realidade como representação. Nesse sentido,

  • 11 Iná Elias Castro, “O problema da escala”, Iná E. Castro (organizadores), Geografia: Conceitos e te (...)

[...] a escala é a escolha de uma forma de dividir o espaço, definindo-lhe uma realidade percebida/concebida, é uma forma de dar-lhe figuração, uma representação, um ponto de vista que modifica a percepção mesma da natureza deste espaço, e, finalmente, um conjunto de representações coerentes e lógicas que substituem o espaço observado11.

  • 12 Bordieu, Brubaker y Cooper, citados por Moore, op. cit., 207. Tradução nossa.

9A crítica de Moorenos parece dirigida às concepções polarizadas e excludentes, que não consideram a possibilidade da distinção entre escala como categoria de análise e escala como categoria da prática, sendo as primeiras “categorias distantes da experiência, usadas pelos cientistas sociais”, enquanto que as segundas são “categorias da experiência cotidiana, desenvolvidas e empregadas pelos atores sociais ordinários”, pois encontramos “muitos termos nas ciências sociais que operam como ambas categorias”, exercendo “mútua influência e recíproca ligação entre seus usos práticos e analíticos”12.

10Para Brandão, a distinção de Moore tem apenas um caráter didático, pois, não se pode apartar a escala como categoria e unidade de análise, concebida como um recurso epistemológico e heurístico, da escala como categoria da prática, enquanto campo e instrumento das lutas sociais:

  • 13 Carlos Brandão, “Desenvolvimento, territórios e escalas espaciais: levar na devida conta as contri (...)

11A escala como uma categoria analítica e a escala como uma categoria da práxis política não estão apartadas. Selecionar analiticamente a escala mais conveniente dos problemas observados proporciona um melhor diagnóstico e possibilita sugerir coalizões de poder e decisões estratégicas acerca de como enfrentá-los. O desafio (simultaneamente) científico e político consiste, portanto, em tratar de definir que e com que ferramentas cada escala pode revelar, mobilizar, desafiar, acionar, regular, comandar e controlar13.

  • 14 Carlos Brandão, “Producción social del ambiente construido y sus escalas espaciales: notas para un (...)

12O entendimento de Brandão nos parece indicar a irredutível imbricação entre conhecimento científico e sua intervenção no mundo, reforçando o caráter político do conhecimento e sua capacidade não apenas de interpretar o mundo, mas de participar de sua produção, no sentido de produzir realidades sociais, inspirando e influenciando as práticas sociais. Nesse sentido, a tarefa consiste em “encontrar a escala adequada para definir um campo no qual as análises podem ser empreendidas, [mas, concomitantemente] onde se possam construir alianças e estratégias para resolver os problemas identificados”14.

  • 15 Castro, op. cit., 120.

13Para além de uma posição dicotômica, que antagoniza as duas categorias, nos termos do embate filosófico entre idealismo e materialismo, concebeu a escala como uma categoria de análise desenvolvida e utilizada pela geografia (particularmente), sendo, portanto, um modo operatório “essencial para a compreensão do sentido e da visibilidade dos fenômenos numa perspectiva espacial”15.

14No entanto, distanciando-nos daqueles que a concebem como pura abstração racionalista considerou que se trata também de uma categoria teórica informada pela existência dinâmica do real, pelas manifestações sensíveis do empírico. Portanto, sua escolha como categoria de leitura da espacialidade das ações dos mais variados agentes sociais decorre das pistas que nos sãos fornecidos no processo de investigação. Mesmo quando produto da intuição, a escala como conceito teórico é alimentado pelos vestígios que a experiência nos proporciona/oferece.

Pensando as políticas de escala

  • 16 David Harvey, Espaços da esperança, São Paulo, Loyola, 2000, 108.

15Ainda, considerar a escala como uma categoria analítica não implica desconsiderar que os mais variados agentes sociais desenvolvem comportamentos espaciais, elaborando políticas, discursos e desenvolvendo práticas escalares, pois, “[...] os seres humanos produzem e fazem efetivas suas próprias escalas para alcançar suas metas e organizar seus comportamentos coletivos”16. Se considerarmos que as redes de organizações sociais fazem uso da escala como estratégia para se organizar e alcançar seus propósitos, cujos entrelaçamentos de discursos e práticas têm o espaço como referência, é possível pensar que eles empreendem “políticas de escala”. Para González, as “políticas de escala” são definidas como:

  • 17 Sara González, “Las narrativas escalares da globalización: neoliberalismo y ciudades competitivas” (...)

[...] o campo no qual tem lugar as lutas materiais e discursivas entre diferentes atores para estabelecer configurações escalares hegemônicas. Nesta luta os atores utilizam ‘narrativas escalares’ para justificar e dar impacto aos seus argumentos17.

  • 18 Ibid., 126.
  • 19 Ibid., 127.
  • 20 Brandão, op. cit., 243. Tradução nossa.

16González identifica e elenca quatro pilares constitutivos do enfoque das “políticas de escalas”, oferecendo um conjunto de componentes que informam um conceito de escala: (i) as escalas não estão ontologicamente dadas como um a priori à espera de serem descobertas, mas são construções que expressam a organização dos processos sociais; (ii) a escala é “[...] tanto um objeto como um meio para as lutas econômico-políticas”, pois, “[...] as relações escalares são, inevitavelmente, relações de poder”, o que permite concluir que as escalas são expressões dessas relações18; (iii) as escalas não podem ser concebidas como níveis organizados hierarquicamente, mas “várias contribuições têm sugerido a metáfora da rede como a mais adequada para entender os processos nos quais opera a política de escalas”19; (iv) as escalas devem ser entendidas como um conceito dinâmico e processual, pois, equivalem a “elaborações sociais conflitivas, são produções humanas coletivas, dinâmicas, multidimensionais, com os diversos atores e trajetórias históricas em disputa, em movimento processual, contingente e aberto”20.

17A concepção de escalas como construções sociais conflitivas, processuais e dinâmicas que expressam relações de poder, nos sugere, inapelavelmente, dirigir nossa atenção para as ações dos sujeitos sociais, identificando seus interesses e aspirações, e buscando compreender suas ações, estratégias, políticas e discursos.

  • 21 Sallie Marston, “The social construction of scale”, Progress in Human Geography, n. 2, v. 24, 2000 (...)

18A contribuição dos geógrafos inspirados na tradição da Economia Política -geógrafos econômico-políticos para usar os termos de Moore- para o enfoque das políticas de escala nos parece seminal. No entanto, as críticas os acusam por seu foco estreito sobre as forças do capital e do Estado21.

  • 22 Moore, op. cit., 212. Tradução nossa.

19Moore acusa um determinado negligenciamento das práticas escalares dos agentes sociais, que costumam ser deixadas à margem nas pesquisas geográficas. No entanto, ele identifica estudos e autores que têm focalizado o papel de ativistas da AIDS, de partidos políticos, de ONGs ambientais e de organizações de bairro urbanas, ampliando nossa possibilidade de compreensão “[...] do elenco diversificado de participantes envolvidos na política de escala, e o extenso repertório de práticas escalares que empregam”22. Nesta direção nos parecem oportunos os questionamentos formulados por Dallabrida:

  • 23 Valdir Dallabrida, “La escala en los procesos de gestión del desarrollo: revisión teórica, análisi (...)

[...] que atores, agentes e sujeitos? Quais são seus interesses específicos, seus instrumentos táticos e estratégicos? Em que escala espacial atuam? Em que escala se manifestam os fenômenos (local, metropolitana, nacional)? Onde se encontram os centros de decisão e comando determinantes dos atos territoriais sob análise?23.

  • 24 Agripino Coelho Neto, “A trama das redes socioterritoriais no espaço sisaleiro da Bahia”, Tese (Do (...)

20A leitura que realizamos, da temporalidade das redes que se formaram e se consolidaram no Espaço Sisaleiro da Bahia indicou que as organizações sociais operam em múltiplas escalas geográficas. A análise do comportamento espacial das organizações sociais sediadas no Espaço Silsaleiro da Bahia nos permite identificar como elas empreendem uma variada gama de ações que denominamos no âmbito deste trabalho de estratégias-rede, considerando a centralidade assumida pela ideia e pela prática de formação e de participação em redes. Nesse sentido, concebemos “[...] a rede como meio de ação estratégica”, no sentido empregado por Marcon e Moinet (2001, p. 162), e como elemento constitutivo da natureza dessas organizações. As estratégias-rede se caracterizam pelo desenvolvimento de políticas de escala, nas quais os agentes sociais se articulam em diferentes escalas, construindo estratégias de ação multiescalares24.

  • 25 Idem.

21Segundo Coelho Neto, em termos empíricos, as políticas de escala objeto da investigação se manifestou através de algumas práticas sócio espaciais que expressam um comportamento escalar das organizações sociais, num movimento que implica (i) na constituição e participação em redes regionais e nacionais de sindicalismo, cooperativismo e economia solidária; (ii) na participação em conselhos, fóruns, feiras e outras modalidades de redes de articulação política e econômica, estruturadas nas escalas regional (seguindo as delimitações dos Territórios de Identidade), estadual (escala de governo) e nacional; e (iii) no estabelecimento de parcerias com agentes situados nas mais variadas escalas espaciais.25

22Considerando como pressuposto que as organizações sociais se constituem e constroem suas ações conformando estratégias-rede que se organizam e operam em diversas escalas espaciais, é possível afirmar que a escala se torna, portanto, um conteúdo fundamental da articulação dessas organizações-rede, que a acionam como recurso organizacional e espacial de luta e empoderamento.

  • 26 Moore, citado por Brandão, 2009, op. cit, 172.

23Portanto, os modos como essas organizações (e os sujeitos sociais envolvidos) acionam as escalas geográficas como componente de suas estratégias de luta, empoderamento, afirmação e sobrevivência, permite-nos pensar como essas entidades, através de “táticas e estratégias espaciais ‘tem tentado manipular a escala de modo a fortalecer suas posições de barganha”26 e viabilização de seus projetos sociopolíticos.

  • 27 Brandão, 2010, op. cit., 249-250.

24Essa constatação nos sugere a possibilidade de recorrer às diferentes escalas para compreender como os sujeitos se apropriam das escalas espaciais e constroem a pertinência de suas ações. No entanto, cada “nível escalar permite captar dimensões do real concreto, que de outra perspectiva não seriam assimilados, apreendendo algumas referências e enlaces que esta instância e corte analítico proporciona”27.

  • 28 Coelho Neto, op. cit.

25Essa nos parece ser uma importante pista metodológica, uma vez que as estratégias dos diferentes grupos sociais assumem diferentes conteúdos e significados nas diferentes escalas. Os modos de organização e de operação das redes de coletivos organizados (associações, sindicatos e cooperativas de agricultores), estudados por Coelho Neto28, informam um comportamento espacial com conteúdos particulares nas diferentes escalas geográficas. Em cada escala as redes de organizações sociais constroem pertinências e são portadoras de significados específicos. Essa assertiva nos remete a alguns questionamentos fundamentais para futuras reflexões: como são acionadas e desenvolvidas as estratégias escalares das redes de organizações sociais? Quais os conteúdos assumidos pelas redes nas diferentes escalas geográficas? O que muda (em termos de sentido) nas diferentes escalas de operação das redes?

Considerações finais

  • 29 Moore, op. cit.

26Em conformidade com o entendimento de Moore29, a escala não é somente um artificio teórico para leitura da realidade, que em nosso entendimento, equivale dizer que se trata do instrumental para interpretação do comportamento espacial das redes de organizações sociais, mas, constitui em aporte para a ação dos grupos sociais, que se apropriam delas para o desenvolvimento de suas estratégias de luta e empoderamento.

  • 30 Coelho Neto, op. cit.

27Em resumo, podemos constatar que as diversas modalidades que compõem e conformam as estratégias-rede expressam as políticas de escala, que são adotadas pelas organizações sociais, caracterizando-se por sua natureza multiescalar. Conforme Coelho Neto30 demonstrou que as organizações sociais do Espaço Sisaleiro da Bahia acionam as diferentes escalas, especialmente as escalas de governo, para subsidiar sai intervenção no mundo.

  • 31 Coelho Neto, op. cit.

28Vale destacar que há um movimento espacial ascendente no comportamento das redes de organizações sociais analisadas por Coelho Neto31 (2013)-cooperativas de agricultores, associações comunitárias rurais e sindicatos de trabalhadores rurais-, pois, as organizações-rede estruturadas em escalas de maior amplitude (como a escala nacional e estadual) se sustentam e se apoiam na existência de organizações-rede nas escalas local e microrregional.

29Embora essas ideias tenham sido desenvolvidas a partir das experiências empíricas do Espaço Sisaleiro da Bahia, considerarmos que a construção de políticas de escala pode seradotada para leitura da espacialidade das organizações sociais em outros contextos tempo-espaço pela capacidade de generalização que elas apresentam.

Notes

1 Adam Moore, “Rethinking scale as a geographical category: from analysis to practice”, Progress in Human Geography, n. 2, v. 32, San Francisco, 2008, 203-225.

2 Idem.

3 Neil Smith, “Homeless/global: scaling places”, J, Bird y B. Curtis (editors), Mapping the futures, London, Routledge, 1993, 87-119.

4 Neil Smith, “Scale”, R. Johnston, R. Gregory y G. Pratt (editors), The dictionary of human geography, Malden-MA, Blackwell, 2000, 724-27.

5 Erik Swyngedouw, “Excluding the other: the production of scale and scaled politics”, R. Lee, J. Wills (editors), Geographies of economies, London, Arnold, 1997, 167-76.

6 Moore, op. cit., 204. Tradução nossa.

7 Idem.

8 Katherine Jones, “Scale as epistemology”, Political Geography, n. 17, 1998, 25-28.

9 Hilda Kurtz, “Scale frames and counter-scale frames: constructing the problem of environmental injustice”, Political Geography, n. 22, 2003, 887-916.

10 Moore, op. cit., 204. Tradução nossa.

11 Iná Elias Castro, “O problema da escala”, Iná E. Castro (organizadores), Geografia: Conceitos e temas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995, 136.

12 Bordieu, Brubaker y Cooper, citados por Moore, op. cit., 207. Tradução nossa.

13 Carlos Brandão, “Desenvolvimento, territórios e escalas espaciais: levar na devida conta as contribuições da economia política e da geografia crítica para construir a abordagem interdisciplinar”, M. Ribeiro, C. Milani (organizadores), Compreendendo a complexidade sócio espacial contemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar, Salvador, EDUFBA, 2009, 151-186.

14 Carlos Brandão, “Producción social del ambiente construido y sus escalas espaciales: notas para una teoría acerca de las acciones y decisiones de sujetos concretos”, Víctor Fernández y Carlos Brandão, Escalas y políticas del desarrollo regional: desafíos para América Latina, Buenos Aires-Madrid, Miño y Dávila, 2010, 241-272.

15 Castro, op. cit., 120.

16 David Harvey, Espaços da esperança, São Paulo, Loyola, 2000, 108.

17 Sara González, “Las narrativas escalares da globalización: neoliberalismo y ciudades competitivas”, Víctor Fernández y Carlos Brandão (org.), Escalas y políticas del desarrollo regional: desafíos para América Latina, Buenos Aires-Madrid, Miño y Dávila, 2010, 123-149. Tradução nossa.

18 Ibid., 126.

19 Ibid., 127.

20 Brandão, op. cit., 243. Tradução nossa.

21 Sallie Marston, “The social construction of scale”, Progress in Human Geography, n. 2, v. 24, 2000, 219-242. O texto de Swyngedouw, refletindo sobre a reconfiguração da escala a partir do processo de globalização, centrado no embate entre as redes econômicas do capital e as escalas de regulação do Estado é um exemplo ilustrativo dessa argumentação. Erik Swyngedouw, “Excluding the other: the production of scale and scaled politics”, R. Lee y J. Wills (editors), Geographies of economies, London, Arnold, 1997, 167-76.

22 Moore, op. cit., 212. Tradução nossa.

23 Valdir Dallabrida, “La escala en los procesos de gestión del desarrollo: revisión teórica, análisis de experiencias y aportes a la investigación”, Víctor Fernández y Carlos Brandão, Escalas y políticas del desarrollo regional: desafíos para América Latina, Buenos Aires-Madrid, Miño y Dávila, 2010, 185-216.

24 Agripino Coelho Neto, “A trama das redes socioterritoriais no espaço sisaleiro da Bahia”, Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências, UFF, Niterói, 2013, 284.

25 Idem.

26 Moore, citado por Brandão, 2009, op. cit, 172.

27 Brandão, 2010, op. cit., 249-250.

28 Coelho Neto, op. cit.

29 Moore, op. cit.

30 Coelho Neto, op. cit.

31 Coelho Neto, op. cit.

Auteur

Doutor em Geografia (UFF). Professor de Geografia Humana da UNEB. Professor do Mestrado em Planejamento Territorial da UEFS. Contacto: ascneto@bol.com.br

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search