Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Communautés nationales et marginalité dans le monde ibérique et ibéro-américain

 | 
Jean-René Aymes

Portugal

A partida: da consciência nacional à marginalidade

Maria Luisa Quintela

Texte intégral

1Abordar em algumas paginas um assunto desta amplitude é, à partida, um risco que corremos já pela vasta temática a ele inerente, já pela impossibilidade dum estudo exaustivo da mesma.

2Alicía-nos, no entanto, a expressiva riqueza daquele no âmbito do qual é evidente a simbiose entre ο modo de sentir do povo português e a forma como é traduzido na literatura nacional.

3É nossa intençāo referirmos, neste trabalho, textos de autores e épocas diferentes, num percurso que se pretende variado, com ο objectivo de irmos definindo comportamentos colectivos próprios que circunstâncias várias foram ditando ao longo dos séculos.

4A singularidade que determina ο carácter português, nāo surge gratuitamente. Tal como a cultura, ela é ο resultado da interacçāo entre factores históricos e físicos.

5A influência do substracto étnico pode ser um aspecto a considerar na formaçāo do génio nacional como se afirma, por exemplo, a propósito da ascendência céltica, mais propriamente celto-ligúrica.

  • 1 Leia-se ο que a este propósito Jacinto do Prado Coelho refere em Originalidade da literatura Portu (...)
  • 2 Francisco Cunha Leāo apresenta algumas alteraçōes a esta tese em Ο Enigma Português, Lisboa, 1960.

6Segundo alguns defensores desta tese, faria parte da herança deixada pelos celtas a tendência para ο saudosismo e a feiçāo própria que tomou em Portugal a fé messiânica — crença no “ideal dum triunfadouro vindouro” que mais tarde surgirá personificado em D. Sebastiāo, origem do mito sebastianista1. Esta teoria apresenta ainda, como características inerentes ao celtismo, ο gosto pelo desconhecido e pela aventura2.

7Paralelamente ao ideal contemplativo, existe a atracçāo pela viagem como descoberta do meio desconhecido e do binómio sonho--acçāo resultam as directrizes dominantes do nosso temperamento.

8Define-se, deste modo, a personalidade do carácter português que surge diferente de qualquer outro mesmo quando existam em comum factores de ordern histórica e geográfica. A este propósito, Oliveira Martins individualiza-nos do “génio castelhano” dizendo:

  • 3 História de Portugal, Lisboa, 1951, I, p. 21.

“Há no génio português ο que quer que é de vago e fugidio, que contrasta com a determinante afirmativa do castelhano; há no heroísmo lusitano uma nobreza que difere da fúria dos nossos vizinhos; há nas nossas letras e no nosso pensamento uma nota profunda ou sentimental, irónica ou meiga, que em vāo se buscaria na história da civilizaçāo castelhana”3.

9A localizaçāo geográfica de Portugal, porque situado no extremo oeste da Europa, em contacto permanente com ο oceano Atlântico, exerceu uma influência decisiva na história do País.

10Situar-se na faixa ocidental da Peninsula Ibérica vai significar um isolamento do resto da Europa e, por consequência, ο ocupar duma posiçâo marginal face à evoluçāo dos outros países europeus. Será, em parte, por esse motivo que a sua situaçāo em muito terá contribuído para acentuar a nota de nostalgia contida na imagem dum povo meditativo e sonhador. Ο aventurar-se ao mar pode ser ο preço da sua situaçáo no “cabo do mundo” e de toda a frustraçāo resultante desse facto. Porque Ihe fora sempre difícil acertar ο passo pelos outros países do seu continente, sair da margem para penetrar ο interior e acompanhar a evoluçāo, preferiu tornar-se cais e orientar-se, de forma flexível, na direcçāo de novos continentes e novos mundos.

  • 4 Orlando Ribeiro, Portugal, ο Mediterrâneo e ο Atlântico, 3a ed., Lisboa, 1967, p. 160.

“Na posiçāo do território está contido um destino: isolado na periferia do mundo antigo, numa nesga de chāo em grande parte bravio e ingrato, coube ao Português ο papel de pioneiro do mundo moderno. Nāo se limitou, porém, a indicar um caminho: afoitando-se por ele, deixou marcas da sua presença inscritas na terra de quatro continentes”4.

11Ο fascínio exercido pelo mar transforma-se numa dominante de todos os tempos, adquirindo ο significado preciso de caminho para a acçāo já que dele dependeu toda a epopeia nacional dos descobrimentos e, mais tarde, parte do movimento emigratório português. Deste modo, lembra-nos Jacinto do Prado Coelho:

  • 5 Op. cit., p. 22.

“Ο mar em Portugal é menos motivo de elegia que motivo de epopeia”5.

12A presença do oceano teve, pois, uma influencia muito profunda no pulsar da vida portuguesa. Essa influência reflecte-se na realidade exterior do país e, de forma mais interiorizada, no próprio psiquismo da raça.

13Portugal tornou-se um país de mareantes e essa é, ainda hoje, a nota que lhe confere maior originalidade. Partir transforma-se num imperativo nacional, tāo profundamente assumido que no século XV ο Português era já sinónimo de “Homern universal”. Ele passa a ser, assim como ο Espanhol, fomentador da expansāo europeia que virá trazer novos valores culturais e, por isso, uma nova dimensāo à civilizaçāo mundial.

14Toda a influência do elemento marítimo na vida portuguesa está perfeitamente contida nas palavras de Miguel Torga:

  • 6 Diário, V, ed. 1955, p. 155.

“Ο que fizemos de bom e de mau foi salgado na força das marés vivas”6.

15Ao escolher ο Atlântico como caminho para novos rumos, a vida histórica de Portugal inicia uma nova época feita de quadros heróicos e trágicos. A feição propria que daí lhe advém reflectir-se-á, particularmente, na literatura como facilmente se constata pelos testemunhos de todos aqueles que perpetuaram pelas letras a acção e ο pensamento lusitano. Com efeito, os escritores da época vāo reter, em páginas de emoçāo, as partidas dolorosas, a força heróica dos que se aventuraram na luta com ο mar e ο relato das múltiplas experiências observadas. Evocamos, a propósito, as obras de Luís de Camões e Fernāo Mendes Pinto, expoentes máximos no tratamento desta temática.

16As personagens criadas têm uma dimensāo colectiva e a sua acçāo tanto pode ultrapassar a força humana como reflectir uma dimensāo infalivelmente limitada, conferindo-lhes, deste modo, um cunho de autenticidade. Mas, quer na criaçāo do herói, como no retratar do anti-herói, permanece uma atitude de confiança e optimismo nas potencialidades humanas.

17Sair do País significa também, ao longo dos tempos, uma necessidade de procurar soluçāo aos problemas levantados por uma terra pobre em extensāo e recursos. A dimensāo colectiva contida na ânsia de conhecer e de dar “novos mundos ao mundo” — Portugal universalista — é reforçada por um sentimento mais individualista, vindo do instinto de sobrevivência e do desejo de promoçāo social — Portugal emigrado.

18Numa primeira fase, até ao século XIX, a empresa das descobertas ultramarinas é essencialmente funcional já que virada às necessidades do comércio e ocupaçāo das novas terras. Por isso, ela é composta por elites dirigentes da expansāo maritima e colonial e, também, por elementos dos povo que se ocupam do empreendimento das naus e caravelas bem como das actividades de mercadejar. A partir de meados do século XVI ο apogeu histórico começa a declinar. Sentindo-se ultrapassado pelo domínio, no Oriente, da Inglaterra e Holanda, a colonizaçāo passa a ser a preocupaçāo dominante com especial incidência no Brasil. Os caminhos outrora desvendados pelo entusiasmo da aventura sāo agora rotineiramente percorridos. Partir continua a ser, no entanto, um acto profundamente enraizado na consciência nacional.

19Ο abandonar do solo pátrio, que se acentua a partir do século XIX com a emigraçāo, processa-se num fluxo ininterrupto originando situaçōes de definhamento demográfico sentidas, sobretudo, nos distritos do interior.

  • 7 Sá de Miranda, Obras Completas, vol. II, col. Clássicos Sá da Costa, Lisboa, 1943, p. 48.

“Nāo me temo de Castela,
donde inda guerra nāo soa;
mas temo-me de Lisboa,
que, ao cheiro desta canela,
ο Reino nos despovoa.”7.

20Alerta lançado, já no século XVI, face ao êxodo rural, por parte de um dos mais atentos às consequências deste fenómeno iniciado pelo colono e continuado pelo emigrante.

21A partida do colonizador é orientada por objectivos nāo coïncidentes com os princípios que presidem à saída dos emigrantes. A este respeito, Joel Serrāo propōe a distinçāo seguinte:

  • 8 A emigraçāo portuguesa, Lisboa, 1977, pp. 87-88.

“... reservemos esta última denominaçāo [colonizador] num conspecto de natureza sociopolítica, para ο indivíduo que abandona ο solo pátrio, com destino a uma colónia, e devido ou à iniciativa do Estado ou integrado em empresa de âmbito nacional por ele promovida. Ε chamemos emigrante tāo-só àquele que resolveu abandonar ο país por exclusivos motivos pessoais, livremente concebidos, independentemente de solicitaçōes oficiais e, até, muitas vezes em oposiçāo a estas..8.

22Consideramos que subjacente à saída do emigrante há uma nota de desfavoritismo econômico e social que nāo corresponde inteiramente à situaçāo do colonizador. É em nome das possibilidades reais de felicidade e bem-estar que aquele é levado a partir. Ο temperamento “ambulatório” que caracteriza ο português e a própria tendência com que embarca nos sonhos criados por uma imaginaçāo fértil em ambiçāo, facilitam a sua partida. Mas, complementarmente, nāo podemos deixar de salientar a força dos laços que ο prendem ao seu pequeno universo — a família, os amigos e ο pedaço de terra que Ihe foi dando ο magro sustento. A procura dum espaço mais favorável é marcada pelo saudosismo da partida e pelo peso da ausência — raramente perde, no pasmo com ο mundo novo, ο apêgo às origens. Por isso, todos os esforços desenvolvidos por uma vida melhor sāo alimentados pelo projecto do regresso.

  • 9 Ferreira de Castro, Emigrantes, 16a ed., Lisboa, p. 13.

23Num desejo de sobrevivência, inconformados pela situaçāo que Ihes coube — “indiví dios que excederam ο número”9 — procuram incessantemente do campo para os centros urbanos ou do país para fora deste, a soluçāo para os seus problemas. E apesar da partida ser difícil, ela transformou-se numa opçāo tradicional.

24Em constante movimento percorrem-se os caminhos do oceano e, dificultados estes, tenta-se uma resposta além-Pirinéus. A emigraçāo transoceânica diminui consideravelmente quando ο Brasil encerra os seus portos aos emigrantes e Portugal lança medidas restritivas. Para isso, virá também contribuir a guerra de 1939-1945 com a conséquente paralizaçāo dos transportes marítimos. A Europa surge, entāo, como alternativa à onda emigratória que já nos fins do século anterior se começara a estender até Espanha. É na década de 50 que, no entanto, ο rumo transpirinaico adquire papel preponderante.

  • 10 Cf. Joel Serrāo, op. cit., p. 66, quadro XIII.
  • 11 Ibid., p. 77, quadro XIX.

25A França é, entre outros países da Europa, a nova “terra prometida”. Com efeito, é aquela que recebe maior contingente de emigrantes Portugueses acabando por superar, na América, aposição do Brasil. Mas falar na Europa10, pela posiçāo de relevo que ocupa na história da emigraçāo portuguesa do século XX, implica referir também os outros continentes11 que continuam a ser caminho percorrido pelos nossos emigrantes — América, África e Oceânia.

26Em cada época vāo surgindo imperativos diversos mas a emigraçāo continua a ser um problema de sempre. Os motivos que levam cada indivíduo a procurar as terras estrangeiras podem ser divergentes mas vive-se, colectivamente, a epopeia dum povo desterrado:

  • 12 Maria Helena Carvalho dos Santos, Emigraçāo — Uma constante da vida portuguesa, Cademos F. A. O. J (...)

“As causas dominantes da emigraçāo sāo de origem económica e têm de explicar-se em relaçāo ao desequilíbrio entre a populaçāo e a dificuldade de satisfaçāo das necessidades da vida.
[...] Há os que nāo têm terra, nem trabalho, nem modo de sustento. Há os que se apercebem que um ambiente hostil lhes nega ο sustento. Há os que rejeitam as leis e a política e os homens que os empurram para outras terras”12.

27Ο acto de partir, já violento pelo desarreigamento ao torrāo natal, pode ser ainda dificultado pelo país de origem ou pelas autoridades do pais escolhido. Os problemas inerentes à emigraçāo legal, respeitante a todos aqueles que transitam com “uma pátria no passaporte”, agravam-se quando a saída é clandestina.

  • 13 Cf. Carlos Almeida e António Barreto, Capitalismo e Emigraçāo em Portugal, Cadernos de Hoje; 10, L (...)

28Coincide com a inflexão do movimento emigratório para além-Pirinéus ο aumento do surto clandestino. Embora os motivos principals sejam de natureza política e social, a maior facilidade nas deslocaçōes e a diminuiçāo das distâncias, em relaçāo ao percurso transoceânico, sāo apontados como factores propícios ao “salto”13.

  • 14 Cf. Eduardo Serra, Ο operário emigrante português na sociedade industrial capitalista in Análise S (...)

29Qualquer que seja ο carácter de que se reveste ο movimento emigratório, parece-nos implícita a ideia de marginalidade14. Marginal ao partir é ainda como marginal que vai ser recebido no novo meio: ο estatuto de emigrante implica uma discriminaçāo patente no tipo de trabalho executado, alojamento e protecçāo social.

30Ε como nāo referir aquele sentimento, fruto de uma experiência historicamente vivida, a que chamamos saudade?

31Na definiçāo desse modo de sentir está reflectido ο resultado duma acçāo inicialmente guerreira e evangelizadora e, posteriormente, colonizadora e migratória.

32Estabelecendo um paralelo entre ο surgir deste sentimento e as “dilatadas viagens” empreendidas, observa, no século XVII, D. Francisco Manuel de Melo:

  • 15 Epanáfora 3a, pp. 239-292, in Carolina Michaëlis de Vasconcelos, A Saudade Portuguesa, 2a ed., 192 (...)

“E pois parece que lhes toca mais aos Portugueses que a outra naçāo do mundo ο dar-lhe conta desta generosa paixāo, a quem somente nos sabemos ο nome, chamando-lhe Saudade [...] Floresce entre os Portugueses a saudade por duas causas mais certas entre nos que em outra gente do mundo, porque de ambas essas causas tem seu princípio: Amor e Ausência são os pays da saudade, e como nosso natural he entre as mais naçōes conhecido por amoroso, e nossas dilatadas viagens ocasionam as mayores ausências, de ahi vem que donde se acha muyto amor e ausência larga, as saudades sejāo mais certas, e esta foi sem falta a razāo porque entre nós habitasse como em seu natural centro”15.

33Pela actualidade de que se reveste, no tempo e no conteúdo, registamos também a explicaçāo que, segundo as indicaçōes do autor, é dada em nota que precede a traduçāo da obra A paixāo:

  • 16 Almeida Faria, La passion [A paixāo], traduzido do português por Robert QUEMSERAT, com a colaboraç (...)

“Saudade: traduit par “nostalgie” toutes les fois qu'il a paru être employé par l'auteur dans son sens courant en portugais ; mais c'est aussi un mot clef de cette langue et de cette culture, sans doute le plus chargé de sens, de sentiment. Doit dériver du latin solitas ; exprime tout un ensemble de sentiments mélancoliques, nostalgiques, à saveur d'échec et parfois morbides, à l'égard des choses, des êtres, des événements du passé, etc. ; on pourrait lui trouver un substrat biologique (interpénétration de races), géographique (climat humide, émollient, “présence” de la mer et des grandes étendues de plaine, dans le cas particulier de ce livre, de la province d'Alentejo), historique (décadence et frustration nationale après la période d'or des Grandes Découvertes, échec des projets hasardeux d'expansion au Maroc, perte temporaire de la nationalité)”16.

34Demos, até agora, uma perspectiva muito generalizada de certas formas de “partidas”. Pretendemos, seguidamente, criar espaço a extractos literários, testemunhos da realidade por nós já mencionada.

35A selecçāo dos textos obedeceu unicamente a critérios de ordem pessoal. Na maior parte dos casos foi ο grau de expressividade da mensagem que, renovada por uma leitura mais recente, nos fez optar por certas obras em detrimento de outras nāo menos válidas. Por outro lado, a nossa escolha incidiu, geralmente, sobre autores que viveram a emigração ou ο exílio.

36Deixemos, entāo, que sejam eles a remeter-nos para contextos implicita ou explicitamente referidos.

37A viagem tem imprimido feiçāo própria na Literatura e ο momento da saída, porque marcante, tem sido frequentemente motivo de inspiraçāo. Começaremos, por isso, esta parte do nosso trabalho, com duas cenas onde ο paralelismo de situaçāo é evidente, apesar das diferenças de tempo e géneros literârios utilizados:

  • 17 Luís de Camōes, Lusíadas, ed. Instituto de Alta Cultura, Lisboa, 1972, canto IV, est. 3, p. 123.

“Já a vista, pouco a pouco, se desterra
Daqueles pátrios montes, que ficavam;
Ficava ο caro Tejo e a fresca serra
de Sintra, e nela os olhos se alongavam.
Ficava-nos também na amada terra
Ο coraçāo, que as mágoas lá deixava.
E já despois que toda se escondeu,
Nāo vimos mais, enfim, que mar e céu”17.

  • 18 Ferreira de Castro, op. cit., p. 94.

“Ο ultimo rebocador afastava-se, trinando, enquanto as hélices do “Darro” começavam revolvendo a água do Tejo. Ε todos os emigrantes estavam ali, na amurada, a ver, a ver nem eles sabiam ο quê, já sem vulto amigo a quem enviar urn adeus, já sem possibilidade de fazer aceno de despedida que nāo se perdesse, como um ruflar de gaivota, na vastidāo da enseada. Aquela mansa saída do rio, sob a indiferença da cidade, comovia a quase todos eles”18.

38É comum, em ambos os textos, ο espaço físico — a cidade de Lisboa e ο cais do Tejo — e a perspectiva visual que deste têm os que se ausentam. Os sentimentos exprimidos sāo, por excelência, a tristeza e a saudade dos que partem e, pressupostamente, dos que acompanham esse momento. Mas ο sofrimento provocado pelo acto de partir é mais evidenciado no segundo extracto, do mesmo modo que a “amada terra” parece ter um maior contributo emotivo no primeiro. Ο entusiasmo do homem que se faz ao mar, no século XVI, animado pela curiosidade e ambiçāo da descoberta, é bem diferente do sentimento de miséria que força ο emigrante a deixar a aldeia onde nasceu à procura do pāo de cada dia.

39E se ο momento da despedida é motivo de dor, as condiçōes em que viajam aqueles que abandonam ο seu país, vêm sublinhar a situaçāo de marginalidade a que, de forma quase irremediável, parecem estar destinados.

40Ο desconforto e ο enclausuramento sāo as dominantes da terceira classe do barco que transporta os emigrantes para ο Brasil:

  • 19 Ibid., p. 95.

“Toda a terceira classe era negra, negra, viscosa e sufocante. Dava a sensaçāo de mina em labuta, com ruído e ascensores, roldanas e longas galerias percorridas por sombras, onde os faróis vermelhos tinham sido substituídos por grandes pupilas de vidro fosco, encastoadas na parede. Cheirava a tintas e da cozinha exalava-se nauseante fartum de comida. Por detrás de cada porta vislumbravam-se corpos enrodilhados em grossos cobertores”19.

41Ο mesmo acontecendo com a segunda classe do combóio que os conduz através da Europa:

  • 20 Manuel Geraldo, Emigrados e Ofendidos, Lisboa, Prelo, 1972, p. 75.

“... combóio superlotado, cinquenta por cento dos passageiros sem lugares sentados, apinhados ao longo de estreitos corredores, entremeados com bagagens amontoadas; cascas de bananas, caroços de azeitonas, a enxamearem ο pavimento lamacento e humedecido das carruagens de segunda classe. Somente ο bafo quente embaciava as vidraças cerradas e amornava a atmosfera interior, substituindo, gratuita e medianamente, um aquecimento artificial inexistente”20.

42A falta de higiene e a promiscuidade sāo reforçadas por notaçōes sensorials que servem de suporte ao desenvolvimento daquelas dominantes. Realçamos no primeiro trecho, a importância da comparaçāo entre ο espaço descrito e a “mina em labuta” à qual se destinavam muitos dos passageiros presentes, para melhor evidenciar ο sentido de “lugar que oprime”.

43Quando a mesma situaçāo é vivida pelo clandestino as condiçōes ainda podem agravar-se:

  • 21 José Rodrigues Miguéis, “Ο viajante clandestino” in Gente de Terceira Classe, Lisboa, 1962, p. 42.

“Ο passageiro clandestino tinha subido, já noite escura, lá das entranhas da carvoeira, para se esconder numa clarabóia do convés, sob a qual havia espaço suficiente para um homem deitado (Já ali tinham viajado muitos outros, durante dias e semanas, e um deles, por sinal, apanhado pela invernia nórdica no seu esconderijo, com as roupinhas leves em que vinha do Brasil, ficara tolhido para ο resto da vida.). Nāo comia desde manhā cedo, quando lhe tinham levado ο café amargoso e a bucha de pāo; a fome roía-o, e depois do calor abafante das caldeiras, ο frio húmido da noite inteiriçou-o”21.

44Reduzido às dimensōes de “um homem deitado” ο espaço destinado ao clandestino é sempre mais opressivo. Sofrem-se as maiores privaçōes e os efeitos sāo sentidos na própria carne como as formas verbais — “roía-o” e “inteiriçou-o” — energicamente traduzem.

45Se já ao partir mais nāo sāo do que massa humana anónima, ao chegar, longe de se recuperarem forças, acentua-se a solidāo:

  • 22 Manuel Alegre, “Portugal em Paris” in Ο Canto e as Armas, Coimbra, 1974, p. 73.

“Solitário
por entre a gente eu vi ο meu pais.
Era um perfil
de sal
e de abril.
Era um puro país azul e proletário.
Vi minha pátria derramada
na Gare de Austerlitz. Eram cestos
e cestos pelo chāo. pedaços
do meu país.
Restos.
Braços.
Minha pátria sem nada
sem nada
despejada nas ruas de Paris”22.

46Está traduzido no poema ο desmembrar do aglomerado emigrante onde nāo há, pela força de um destino colectivo, possibilidade de consciência de um Todo.

47Na luta que recomeça, no novo país encontrado, a solidāo é parceira do medo:

  • 23 Fernando Namora, Diálogo em Setembro, publ. Europa-América, 4a ed., 1971, pp. 406-407.

“Traziam ο medo da Pátria, nāo ο largavam mesmo em terras livres. Ο medo de prevaricar, de desobedecer, de desagradar, de nāo cumprir. E do castigo. Ou medo sem mais nada. Sentiam-se sempre receosos fosse do que fosse e bem cuidavam de averiguar se a sua intranquilidade, que por vezes tinha expressōes agressivas, seria fundamentada”23.

48Ο complexo de perseguiçāo de que sofrem estes homens, fruto do seu sentimento de inferioridade, contribui para acentuar ο determinismo inerente à sua condiçāo. E, de novo, os problemas se dilatam perante a clandestinidade:

  • 24 Herberto Helder, Os passes em volta, éd. Estampa, 1970, p. 33.

“Brevemente, eu também seria preso, repatriado [...]. E durante quanto tempo estaria preso em Bruxelas? Era preciso enganar a Polícia. Antes rebentar de fome, estrangeiramente, do que perder a liberdade (Que liberdade?).
[...] Quando anoiteceu, saímos do bar e fomos a pé, protegidos, vigilantes, até ao meu quarto de Laeken. Contornámos tudo quanto nos parecia suspeito — um carro parado, um vulto vagaroso, as sombras”24.

49Vai persistindo, ao longo das várias provas a que é sujeito, a saudade do País. Sāo assim fréquentes as obras que evocam a terra natal salientando ο ardente sonho de a ela regressar:

  • 25 Urbano Tavares Rodrigues, A Palma da Μāο, 1970, p. 130.

“É certo que também em Paris fui encontrar, e nāo num filme, consciente da sua dignidade humana e dos seus direitos, já sindicalizado e com bom emprego numa fábrica de construçāo de aparelhos televisores, um carpinteiro de Faro, que, em menos de cinco anos, economizando dois terços do ordenado [...] construiu já a sua casinha no Algarve e pensa agora na compra de um terreno.
Nāo vive na miséria; teve um acidente de trabalho e foi tratado com todos os cuidados e conforto a que teria direito.
Mas nāo há duvida de que, embora dispenda ο bastante para nāo viver como um bicho, ο seu tempo se escoa na mira do regresso, numa fervorosa espera”25.

50Independentemente do seu triunfo, para ο trabalhador português ο novo pais tern apenas ο valor de “ponto de passagem”. Trabalha-se com ο fito de um pecúlio que chegue para dar viabilidade ao sonho arquitectado em silêncio: a casa construída em Portugal.

  • 26 Cf. Joāo António Alpalhāo e Victor M. Pereira da Rosa, A Família Portuguesa Imigrante: Elementos p (...)

51Enquanto ο projecto nāo se transforma em realidade, ο peso da distância é vencido pela comunicaçāo que, sob a forma escrita, mantem ο emigrante em contacto com a família26:

  • 27 Ferreira de Castro, op. cit., p. 156.

“Minha querida Amélia:
Em primeiro lugar desejo que esta carta te vá encontrar perfeitamente de saúde, mai-la nossa Deolinda. Eu estou muito contente. Isto qui sāo outras terras. Já tenho trabalho e se Deus quiser...”27.

52A carta será sempre uma espécie de traço de uniāo, mesmo quando nāo se exprima fielmente a realidade, como neste exemplo, porque demasiado dura para ser revelada ou sempre que as aparências nāo resistam ao peso da saudade:

  • 28 Ibid., pp. 213-214.

“Meu querido Manuel:
[...] Escreve-me, Manuel, que eu há já muito tempo nāo recebo uma regra tua e nāo sei ο que fazes aí. Eu, depois que tu foste, nunca mais soube p que é ter uma hora de alegria. Antes queria ser pobre toda a vida do que sofrer ο que tenho sofrido. Se me visses agora nem me conhecias. Nāo te esqueças de me escrever...”28.

53Utiliza-se aqui uma linguagem simples, de sabor popular, perfeitamente caracterizadora do emissor-receptor.

54Lembremos ainda as situações em que a língua materna é contaminada pela língua estrangeira, que passa a ser veículo diário de comunicaçāo, porque nāo existe um conhecimento adequado de ambas. Também, nestas circunstâncias, a língua é uma marca distintiva de classe.

55A crítica ao abandonar do solo pátrio e ο apontar das consequências que daí advêm, faz parte da vasta temática originada pela partida.

56Ela pode assumir a força de sátira mordaz, onde ο cómico de situaçāo é a principal dominante, como acontece, nos princípios do século XVI, no teatro de Gil Vicente:

“Ama-Ah! ah! ah! ah! ah! ah!
Est' era bem graciosa,
quem se vê moça e fermosa
esperar pola ira má!

  • 29 Auto da Índia, col. Clássicos Sá da Costa, V, 3a ed., Lisboa, 1961, pp. 93-94.


Ο certo é dar a prazer.
Pera que é envelhecer
esperando polo vento?
Quant'eu por mui nécio sento
a que ο contrairo fizer.
Partem em Maio daqui,
quando ο sangue novo atiça:
parece-te que é justiça?”29.

57A Ama representa aqui a mulher adúltera, uma das personagem--tipo da vasta galeria vicentina, que leva uma vida “alegre” em consequência da saída do marido para a Índia.

58A mesma crítica aparece anos depois, em Lusíadas, nas palavras proferidas pelo célébre “velho do Restelo”, de que apresentamos um extracto, insurgindo-se contra a força destruidora da “gloria de mandar”:

  • 30 Luís de Camōes, op. cit., canto IV, est. 96, p. 119.

“Dura inquietaçāo d'alma e da vida,
Fonte de desemparos e adultérios,
Sagaz consumidora conhecida
De fazendas, de reinos e de impérios!
Chamam-te ilustre, chamam-te subida,
Sendo dina de infames vitupérios;
Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com quem se ο povo néscio engana”30.

59E no século XX de novo se sublinha, em forma de lamento, os maies de ordem económica, social e moral a que conduz ο expatriamento:

  • 31 Manuel Alegre, “Vāo-se os homens desta terra”, op. cit., p. 107.

“Vāo-se os homens desta terra.
Ficam cabras sem pastores
ficam terras sem seus donos.
Fica no ar um soluço
na parede uma guitarra.
Às vezes uma espingarda.
E nas māos das mulheres
ficam sombras sombras sombras.
Ás vezes uma rosa.
Ás vezes coisa nenhuma.
Vāo-se os homens desta terra”31.

60A secular tragédia, de que tentámos apresentar alguns aspectos, deixa marcas nos que a vivem directa ou indirectamente. E a complexidade de que se reveste nāo pode ser facilmente traduzida porque difícil é já ο définir de cada situaçāo e dos sentimentos daí resultantes.

61Queremos, no entanto, terminar este trabalho com um documento que, pela sua dimensāo autobiográfica, acentua a autenticidade do contexto que motivou os testemunhos já enumerados:

  • 32 Miguel Torga, “Ο Drama do Emigrante Português”, in Traço de Uniāo, Coimbra, 1955, p. 107.

“Pronuncia-se aqui não um pobre escritor, mas um antigo emigrante. Um homem que aos 13 anos embarcou também para a lonjura e ficou marcado pelo ferro em brasa de cinco anos de ausência da sombra tutelar dos seus penates e endemoninhado pela seduçāo de uma terra tropical, onde até ο pranto deita raízes. Um adulto que, replantado outra vez na courela original, ama devoradamente ο Brasil onde a sua infância infeliz acabou e a sua juventude atormentada começou, e que ο ama justamente por ele ser ο arquivo irremovível de recalcadas esperanças, de insatisfeitos desejos, de sonhos, de paixōes...”32.

Notes

1 Leia-se ο que a este propósito Jacinto do Prado Coelho refere em Originalidade da literatura Portuguesa, Biblioteca Breve — I. C. P., Lisboa, 1977, pp. 19-24.

2 Francisco Cunha Leāo apresenta algumas alteraçōes a esta tese em Ο Enigma Português, Lisboa, 1960.

3 História de Portugal, Lisboa, 1951, I, p. 21.

4 Orlando Ribeiro, Portugal, ο Mediterrâneo e ο Atlântico, 3a ed., Lisboa, 1967, p. 160.

5 Op. cit., p. 22.

6 Diário, V, ed. 1955, p. 155.

7 Sá de Miranda, Obras Completas, vol. II, col. Clássicos Sá da Costa, Lisboa, 1943, p. 48.

8 A emigraçāo portuguesa, Lisboa, 1977, pp. 87-88.

9 Ferreira de Castro, Emigrantes, 16a ed., Lisboa, p. 13.

10 Cf. Joel Serrāo, op. cit., p. 66, quadro XIII.

11 Ibid., p. 77, quadro XIX.

12 Maria Helena Carvalho dos Santos, Emigraçāo — Uma constante da vida portuguesa, Cademos F. A. O. J., série A; 11, Lisboa 1978, p. 16.

13 Cf. Carlos Almeida e António Barreto, Capitalismo e Emigraçāo em Portugal, Cadernos de Hoje; 10, Lisboa, 1976, pp. 184-189.

14 Cf. Eduardo Serra, Ο operário emigrante português na sociedade industrial capitalista in Análise Social, segunda série, n° 41, vol. XI, 1975 — 1°, pp. 98-100.

15 Epanáfora 3a, pp. 239-292, in Carolina Michaëlis de Vasconcelos, A Saudade Portuguesa, 2a ed., 1922, pp. 140-141.
Nesta obra, a autora faz ο estudo da origem etimológica de “saudade” (do latim solitates), de que nos parece significativo este extracto: “... da saùde, das saudaçōes e das suidades à antiga [...], enviadas e tomadas, é que, a meu ver, saíram as saudades modemas, em que há parte de tudo isso: da saúde desejada aos ausentes; das saudaçōes com eles trocadas; da sensaçāo de soedade, soidade, suidade, provocada pelo afastamento...” (p. 40).

16 Almeida Faria, La passion [A paixāo], traduzido do português por Robert QUEMSERAT, com a colaboraçāo do autor, Paris, Gallimard, 1969, p. 239.

17 Luís de Camōes, Lusíadas, ed. Instituto de Alta Cultura, Lisboa, 1972, canto IV, est. 3, p. 123.

18 Ferreira de Castro, op. cit., p. 94.

19 Ibid., p. 95.

20 Manuel Geraldo, Emigrados e Ofendidos, Lisboa, Prelo, 1972, p. 75.

21 José Rodrigues Miguéis, “Ο viajante clandestino” in Gente de Terceira Classe, Lisboa, 1962, p. 42.

22 Manuel Alegre, “Portugal em Paris” in Ο Canto e as Armas, Coimbra, 1974, p. 73.

23 Fernando Namora, Diálogo em Setembro, publ. Europa-América, 4a ed., 1971, pp. 406-407.

24 Herberto Helder, Os passes em volta, éd. Estampa, 1970, p. 33.

25 Urbano Tavares Rodrigues, A Palma da Μāο, 1970, p. 130.

26 Cf. Joāo António Alpalhāo e Victor M. Pereira da Rosa, A Família Portuguesa Imigrante: Elementos para ο estudo da sua integraçāo no Quebec, in Economia e Sociologia, n° 27, Évora, 1979, p. 41, nota 2.

27 Ferreira de Castro, op. cit., p. 156.

28 Ibid., pp. 213-214.

29 Auto da Índia, col. Clássicos Sá da Costa, V, 3a ed., Lisboa, 1961, pp. 93-94.

30 Luís de Camōes, op. cit., canto IV, est. 96, p. 119.

31 Manuel Alegre, “Vāo-se os homens desta terra”, op. cit., p. 107.

32 Miguel Torga, “Ο Drama do Emigrante Português”, in Traço de Uniāo, Coimbra, 1955, p. 107.

© Presses universitaires François-Rabelais, 1981

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter