Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Inovação, território, e arranjos cooperativos

 | 
Sonia Maria Karam Guimarães
, 
Bernard Pecqueur

Terceira parte. Políticas públicas de inovação e desenvolvimento tecnológico

Pode-se falar de uma experiência marshalliana a respeito da política de apoio à inovação na França?

O exemplo dos polos de competitividade

Claude Courlet et Bernard Pecqueur
Traduction de Patrícia Rodrigues Costa

Résumé

Depois de termos relembrado rapidamente que a territorialização do processo de inovação refere-se à concepção marshalliana de um mundo econômico constantemente em movimento cuja característica principal é a continuidade, este capítulo é dedicado à análise da política de polos de competitividade na França, realizando uma primeira avaliação desse tipo de iniciativa. O capítulo descreve a implementação de uma política de polos de competitividade: desde o relatório de C. Blanc até a certificação de 71 polos. O texto sugere que o território tornou-se gradualmente a base para uma mudança da política de inovação na França, com a reforma do ensino superior e o grande empréstimo: crescemos em direção aos grandes polos territoriais de inovação. Em seguida, descreve as características desta política. Este é um esforço significativo, focado e concentrado. Os polos de competitividade foram implementados com o objetivo de mobilizar todas as políticas de intervenção do Estado e dos agentes públicos territoriais concentrando, no espaço e no tempo, a alocação de recursos públicos, humanos e materiais, com vistas a delinear um novo mapa de atividades atraentes com alto conteúdo tecnológico. O Estado não intervém na governança de polos e os editais para projetos deixam o essencial da iniciativa aos agentes de inovação. Como na maioria dos outros países industrializados, o Estado detém a capacidade de intervenção estratégica, a qual se expressa em conjunto com outros parceiros. De modo a ilustrar esta política, o texto descreve dois exemplos significativos: a Minalogic em Grenoble e a micromecânica do Vale do Arve. O capítulo aborda ainda a análise do impacto desta política. A análise se apresenta sucessivamente em dois níveis:
- o nível global, macroeconômico, ligado à dimensão política industrial e tecnológica dos polos de competitividade;
- o nível de desenvolvimento e do comportamento dos polos de competitividade como organização.

O capítulo termina com uma série de considerações ligando polo de competitividade, território e política pública. A noção de polo de competitividade faz do território um quadro organizacional para uma articulação melhor entre território e inovação na medida em que o território é apresentado como a base de uma cooperação entre empresas, laboratórios, universidades (produção, P&D, transferência de tecnologia e formação).

Note de l’éditeur

Este capítulo foi traduzido do francês.

Texte intégral

Introdução

1A pesquisa em ciências sociais optou pela tese sobre o fim do território devido à liberação das restrições espaciais para os indivíduos e as empresas, que tornaram-se livres para se localizar onde entendessem. Houve até mesmo discursos defendendo a diluição progressiva da cidade no campo, o fim das cidades em favor de uma “aldeia global”, uma vez que se tornou possível se comunicar de qualquer lugar para qualquer ponto do planeta. Evidentemente, a cidade, o território, deveria ser diluído no ciberespaço. O inventor do telégrafo aéreo, Claude Chappe, pensava que sua máquina fosse “dissolver o território” e “reduzir a França a um ponto”. Isso foi em 1793.

2Contudo, na atual dinâmica das sociedades e das economias em que McLuhan (1970) também previu uma “aldeia global”, a pesquisa em ciências sociais (particularmente na Itália, com os distritos industriais) mostrou que as estreitas relações entre os atores locais podem desempenhar um papel fundamental na inovação e, portanto, na competitividade das atividades econômicas a longo prazo.

3Observou-se, então, que a densidade das relações entre os atores locais (empresas, municípios, universidades, centros tecnológicos, centros de investigação) desempenha um papel essencial na competitividade de algumas atividades industriais e de serviços. Os distritos industriais parecem ter o seu equivalente em Baden-Wurttemberg, bem como em algumas províncias japonesas, no Vale do Silício ou mesmo na França com os sistemas produtivos locais (SPL), revelados pelos pesquisadores de Grenoble e retomados emblematicamente pela “Delegação interministerial para o planejamento territorial e a atratividade regional” (DATAR), e atualmente, pelos polos de competitividade.

4A inclusão do território no processo de inovação e nas dinâmicas econômicas parece ser atualmente uma necessidade urgente. Esta é uma preocupação relativamente recente, que abre o caminho para a diversificação de políticas econômicas, sociais e culturais, e estimula a propor novas formas de coordenação entre os atores. A análise do caso francês é um indicativo desta nova abordagem.

Após recordar rapidamente o conceito marshalliano do processo territorial de inovação, este texto abordará consecutivamente:

  • as diferentes ferramentas territoriais de inovação na França e sua sucessão no tempo – dos Sistemas Produtivos Locais (SPL) aos polos de competitividade;

  • a análise das características desta política de polos de competitividade, tanto em termos de esforço despendido como em termos de modo de funcionamento;

  • a análise de dois casos importantes a partir da experiência dos polos de competitividade – um caso relacionado às tecnologias de ponta (Minalogic em Grenoble) e um caso relativo à promoção de inovação em um parque industrial tradicional (Arve-Industries);

  • a análise do impacto desta política a partir de elementos ainda muito parciais;

  • uma interpretação desta política vinculando-a à noção de território.

Territorialização do processo de inovação e concepção marshalliana

5A territorialização do processo de inovação refere-se à concepção marshalliana de um mundo econômico constantemente em movimento cuja característica principal é a continuidade.

Dinâmica da continuidade, inovação e desenvolvimento

  • 1 “le développement d’un organisme, social ou physique, entraîne une subdivision croissante des fonct (...)

6Seguindo a intuição de Adam Smith, Marshall acredita que a divisão do trabalho implica no progresso do organismo social. Marshall explica a introdução da divisão do trabalho por meio do princípio evolucionista segundo o qual “o desenvolvimento de um organismo, social e físico, envolve uma subdivisão cada vez maior de funções entre as suas partes, e também uma relação mais estreita entre si”1 (Marshall, 1890, vol. I, p. 427). Ele acredita na ideia de que a variedade de modelos de divisão do trabalho, na verdade a variedade de modelos organizacionais, resultará no aumento do conhecimento do homem. Esse aumento do conhecimento humano pode ser obtido devido à ação de economias externas ou economias internas. As economias externas podem ser divididas em três grupos: as economias externas à empresa e internas ao setor produtivo e que dependem da localização das empresas; as economias externas à empresa e à indústria e que dependem da localização da empresa e finalmente as economias externas que não dependem da localização da empresa, mas das condições gerais de desenvolvimento. As economias internas dependem dos recursos específicos da empresa.

  • 2 “chacun tire profit des idées de ses voisins, en trouvant de nouvelles inspirations en contact avec (...)

7A concepção marshalliana do tempo e da dinâmica dos sistemas produtivos é fortemente caracterizada pela formulação do princípio da continuidade (ver a célebre máxima: natura non facit saltum). O princípio da continuidade tem uma aplicação ainda mais importante a respeito dos fatores que impulsionam o desenvolvimento econômico e, em particular, no que diz respeito à concepção marshalliana do progresso técnico: como vimos, isto se deve às economias externas e às suas relações. Mas, pelo menos na fase inicial de desenvolvimento, é a relação entre a concepção contínua do tempo e os modos de surgimento de economias externas que desempenham um papel importante no âmbito da teoria de Marshall. Se considerarmos as economias externas num período curtíssimo e a curto e a longo prazo, a interpretação das externalidades é a mesma dada ao conceito por partidários da concorrência imperfeita: é um instrumento que contrabalança os efeitos destrutivos das economias internas, conseguindo assim um equilíbrio parcial. Porém, quando consideramos os efeitos externos em um período extremamente longo – em que não é possível estabelecer uma teoria de valor coerente –, por definição não há equilíbrio, as coisas mudam. Apesar de Marshall não ter negado a possibilidade de inovações imprevistas marcando um rompimento no que diz respeito a todos os conhecimentos e práticas de produção existentes, sua concepção de economias externas permitiu-lhe levar em consideração a continuidade do progresso técnico a longo prazo. Se considerarmos a maior parte do que foi dito acima sobre as economias externas, constata-se que Marshall introduziu uma nova visão acerca da mudança tecnológica resultante da adaptação das ideias já existentes e perpetuadas com o tempo: as localidades caracterizadas pela presença de economias externas são lugares onde “todo mundo se beneficia das ideias de seus vizinhos, ao buscar novas inspirações em contato com quem está interessado em novos experimentos, e toda invenção [...] tem a probabilidade, uma vez iniciada, de se difundir e melhorar”2 (Marshall, 1890). Portanto, as economias externas estão enraizadas no passado e se desenvolvem rumo ao futuro, mesmo se a extensão das ligações entre passado e presente e entre futuro e presente variem – Marshall costumava afirmar –, dependendo do caso. Essa formulação do processo inovador implica, por sua vez, em duas consequências marcantes que devem ser lembradas. Em primeiro lugar, a introdução de economias externas não só demanda tempo, mas implica, também, que a introdução do progresso técnico siga ritmos próprios que dependem das características setoriais (Marshall, 1890, t. II, p. 168) e territoriais do progresso técnico, como veremos mais adiante. Em segundo lugar, Marshall admite a irreversibilidade do processo de mudança (Marshall, 1890, t II, p. 166).

O papel do espaço segundo Marshall

8A análise marshalliana sobre a dimensão temporal do desenvolvimento permite formular duas hipóteses alternativas. Ou a continuidade do tempo descreve um processo de desenvolvimento que se repete em todos os lugares, igual a si mesmo – neste caso, o tempo considerado como atraso e que será anulado implica na impossibilidade de distinguir diferentes espaços por muito tempo; ou ainda, a continuidade do tempo é introduzida por Marshall de modo a compreender a variabilidade dos tipos de desenvolvimento, que é também a hipótese mais provável e também confirmada por sua análise das formas organizacionais. Mas há muito mais do que a compreensão de que a continuidade do tempo implica em diferentes modelos de desenvolvimento: a continuidade do tempo – relacionado a um modelo de desenvolvimento caracterizado de um ponto de vista territorial – significa que a história, a cultura e os costumes deste lugar são importantes para explicar o desenvolvimento.

9A importância do espaço na estruturação das formas da produção é bastante evidente no que diz respeito às economias externas. A maioria dos argumentos a serem sustentados a esse respeito já foi apresentada: a maior parte das economias externas marshallianas – isto é, a formação e a acumulação das competências empresariais e o profissionalismo dos trabalhadores, a difusão de informações comerciais, a divulgação das inovações e o empreendedorismo – desempenham um papel complementar junto às empresas já existentes, quer seja no mesmo setor, quer seja em outros setores que dependem da localização da atividade produtiva. Entretanto, a existência de uma relação entre localização da atividade produtiva e o desenvolvimento econômico não assegura a existência de uma forma organizacional em particular: é por meio da análise dos distritos industriais que Marshall uniformiza a análise das economias externas.

10Em relação às economias internas, de acordo com Marshall, são originalmente uma forma de organização de produção com base em uma grande empresa. Sabemos que as economias internas não dependem da sua localização, mas sim de capacidades específicas da empresa. Todavia, os fatores de produção não são homogêneos e a não homogeneidade destes tem sua origem na existência de economias externas particulares, isto é, de um fator tanto territorial quanto social.

11Em última análise, é evidente a partir da análise de Marshall que os processos de inovação e de desenvolvimento são processos sociais: o espaço desempenha um papel importante na medida em que as formas de regulação social e de organização da produção variam de um lugar para outro e contribuem para o desenvolvimento deste local.

As diferentes fases da política na França, dos sistemas produtivos locais (SPL) aos polos de competitividade

  • 3 “écosystèmes de croissance” [Nossa tradução]

12Na França, a semântica da política econômica acrescentou recentemente um novo conceito: o polo de competitividade. Com base no relatório de Christian Blanc, essa política visa desenvolver na França os “ecossistemas de crescimento”3. Mas, para compreender esse processo, devemos lembrar que essa iniciativa segue a política de promoção dos sistemas produtivos locais (SPL). Por outro lado, uma política em favor dos agrupamentos de pequenas e médias empresas (PME) complementará os esforços do Estado em relação aos polos de competitividade; esta última sucede e renova a política dos SPLs, e estes serão gradualmente integrados em âmbito de mobilização mais geral em favor da pesquisa e da inovação.

A promoção por meio da DATAR dos Sistemas Produtivos Locais (SPLs)

13Com a promoção dos SPL, no final da década de 1990, a Delegação Interministerial para o Planejamento Territorial e a Atratividade Regional (DATAR) teve como objetivo principal a redução dos custos de produtos das empresas, compartilhando os meios de produção e reproduzindo efeitos de sinergia entre atores de um território graças aos efeitos de proximidade. O lançamento da chamada à apresentação de propostas ocorreu em 1997 e tem seus fundamentos teóricos em diversos trabalhos da Comissão de Planejamento e na DATAR, entre 1995 e 1997, e em pesquisas sobre os fenômenos de concentração de atividade, além de numerosas pesquisas na França e em outros países neste período. Uma pesquisa qualitativa de identificação de SPL realizada na França antecedeu o presente convite à chamada do projeto. Assim, as reuniões de trabalho – realizadas nas regiões e que reúnem representantes de instituições e administrações com um bom conhecimento da economia regional (Câmara de Comércio e Indústria – CCI –, os departamentos regionais da indústria, os serviços econômicos de autoridades locais, etc.) – permitiram a identificação de duas centenas de centros empresariais (com exceção de Île-de-France) especializados em pequenos distritos do tamanho da força de trabalho.

14Duas chamadas de projetos foram publicadas em 1998 e 1999, de acordo com especificações bastante precisas (ver quadro 3). Estas chamadas destinaram-se a territórios com as três características seguintes:

  • uma atividade especializada e concentrada em um mesmo setor ou na mesma dupla produto-mercado;

  • vínculos interempresariais densos;

  • uma ou mais estruturas de incentivo ou de operadores qualificados a encorajar interações entre empresas e instituições locais.

Quadro 3. Especificações relacionadas à abordagem SPL para a fase de chamada de projeto (1998 e 1999)

Respeito a uma série de critérios:

- número suficiente de empresas;
- caráter durável das cooperações entre empresas considerando questões de concorrência e de cooperação;
- impactos em termos de produção e de emprego;
- a forte parceria local;
- qualidade da estrutura de suporte na sua capacidade de conduzir o projeto e mobilizar recursos.

Mostrar que a cooperação e o trabalho em rede são externalidades positivas:
efeitos sob uma melhor gestão de recursos humanos (organização do trabalho, formação de mão de obra);
- recursos financeiros mobilizados pelo desenvolvimento de negócios (acesso ao crédito, a resolução de problemas patrimoniais);
- introdução de novos serviços comuns (equipamentos, acessos à base de dados...)
- desenvolvimento de novas relações com as grandes empresas que possibilitem colocar à disposição das Pequenas e Médias Empresas (PME) alguns de seus recursos e conhecimentos tecnológicos;
- tipo de colaboração público/privada.

15Como podemos perceber, não se trata de fabricar sistemas produtivos locais, como alguns críticos afirmaram; trata-se de contar com condições locais favoráveis. Eram elegíveis para ambos os projetos os sistemas produtivos bem identificados (como o do Vale do Arve ou Oyannax) e os sistemas produtivos emergentes (como a fabricação de barcos destinados ao lazer na Vendée, por exemplo).

16Sob a égide do ministro do Planejamento Territorial e Ambiental, um júri composto de representantes dos ministérios implicados (Planejamento Territorial e Ambiental, Indústria, Pequenas e Médias Empresas e Artesanato, Agricultura e Pesca, Emprego e Solidariedade) selecionou noventa e seis projetos que poderiam ser financiados. Posteriormente, em 2001 e 2003, outros projetos surgiram. Ao total, aproximadamente uma centena de projetos foi acompanhada. No fim dos anos 2000, na maioria dos casos, a organização em SPL foi mantida e reforçada. A SPL, então, subsidiou aproximadamente 520.000 postos de trabalho e 18.000 empresas. Uma análise detalhada das ações promovidas (ver Quadro 4) mostra a diversidade das ações de estabelecimento e coordenação permitindo iniciativas inovadoras relacionadas à formação, inovação tecnológica, visão estratégica e de inteligência de negócios. Desde o início, surgiu a necessidade de uma aproximação entre ensino superior e pesquisa. Além disso, em relação à governança, as estruturas de apoio são diversas e muitas vezes resultam de compromisso desenvolvido em nível local refletindo a relação entre os atores do desenvolvimento territorial. Assim, a distribuição das estruturas de apoio sobre as centenas de casos reportados é a seguinte:

  • grupos empresariais, 40%;

  • estruturas de desenvolvimento econômico, 25,5%;

  • câmaras consulares, 23%;

  • estruturas intermunicipais, 11,5%.

Quadro 4. Principais atividades de cooperação implementadas nos SPLs

Compartilhamento de competências e recursos; de conhecimento, de pessoas; estabelecimento de investimentos; agrupamento de compra de equipamentos, de materiais, de benefícios.

Ações comerciais: compartilhamento comercial ou criação de uma estrutura comercial comum; etiquetas de marcas coletivas; a construção de uma oferta global; vitrine comum.

Ações comerciais e diagnóstico territorial: posicionamento e perspectivas das atividades e mercados, com destaque para as áreas de desenvolvimento do território.

Ações relevantes no âmbito da formação: necessidades comuns para qualificação de pessoal; combinação de formação/negócios em parceria com o sistema de ensino.
Ações de informação: compartilhamento de informação, visão estratégica, inteligência econômica; P&D comuns aos SPL e aos centros técnicos; resolução de problemas comuns ao SPL; ações específicas das matrizes (Agência Nacional para Promoção da Pesquisa – ANVAR; Direção Regional da Indústria, da Pesquisa e do Ambiente – DRIRE...).

Colaboração entre as estruturas institucionais locais: o desenvolvimento do meio ambiente, serviços públicos e privados; contratos em andamento (Estado, região).

17Finalmente, a abordagem levou à criação da associação de distritos industriais que se tornou o France Cluster, o qual reúne sistemas produtivos locais (SPL) e também os polos empresariais e os polos de competitividade. Esta associação é uma rede para troca de experiências entre os clusters franceses. A DATAR e a Caisse des dépôts et consignations [Caixa de Depósitos e Consignações] apoiam esta associação que se tornou um verdadeiro interlocutor entre o Estado e as regiões da França.

A política de apoio a aglomerados de Pequenas e Médias Empresas (PME)

18A política de aglomerados empresariais começou no final do ano de 2009, sucedendo e renovando os Sistemas Produtivos Locais (SPL). Essa política funciona com base no mesmo princípio das chamadas de projetos. Duas ocasiões sucessivas (março de 2010 e maio de 2011) permitiram selecionar 26 projetos entre os 70 propostos. Essa política é complementar à política relativa aos polos de competitividade no qual o desenvolvimento é focado na atividade de P&D e na inovação tecnológica (veja abaixo). Os aglomerados empresariais têm buscado o desenvolvimento da inovação de todas as maneiras e por meio de ações para as empresas mais próximas ao mercado, além de oferecerem serviços práticos aos seus membros. Isso induz à implementação de ações coletivas para promover a inovação em todas as formas: emprego, habilidades, organização do trabalho, desenvolvimento internacional.

19Profundamente enraizados localmente, os aglomerados empresariais contribuem para seu dinamismo, na criação de uma visão estratégica partilhada entre as empresas e seu território de implantação, podendo ser urbano, suburbano ou rural. Eles se caracterizam também por sua estrutura de governança, na qual as empresas têm um papel fundamental, bem como por suas estratégias desenvolvidas coletivamente e implementadas por meio de um plano de ação concentrado. O predomínio de micro, pequenas e médias empresas não exclui a presença das grandes. Os aglomerados empresariais também mantêm relacionamentos com atores da gestão de emprego e competências, da pesquisa e da inovação. Os setores de atividades selecionados equivalem a dois terços das indústrias tradicionais (mecânica, agroalimentar, embalagem...) e a um terço de novos setores (economia digital, atividades relacionadas ao desenvolvimento sustentável – ecotecnologias, biorrecursos, gestão de água, etc. – e às indústrias criativas e culturais, entre outros).

20A política de aglomerados de empresas foi elaborada em parceria entre a DATAR, diretores de empresas, a associação France Clusters, autoridades locais e os serviços externos dos ministérios relacionados. As regiões também têm implementado a mesma política após a política dos SPL iniciada em 1998. Por isso, alguns aglomerados empresariais podem ser grupos regionais, antigos SPLs ou redes de micro, pequenas e médias empresas não certificadas. O apoio financeiro do Estado (25 milhões de euros) destina-se principalmente ao incentivo e funcionamento do aglomerado e é formalizado por meio de um acordo assinado por cada aglomerado. O principal desafio para a DATAR é estabelecer a presença nacional do dispositivo.

A política de promoção de polos de competitividade e sua sistematização progressiva

21Na França, um novo conceito foi acrescentado à política econômica: o polo de competitividade. Inspirada no relatório de Christian Blanc, esta política visa a desenvolver na França os “ecossistemas do crescimento. O relatório de Christian Blanc “Pour un écosystème de la croissance” (em português, “Por um ecossistema de crescimento”), de abril de 2004, parte de uma afirmação grave sobre a situação francesa, característica de um país atrasado em relação aos principais países desenvolvidos com:

  • um ensino superior negligenciado, sem pesquisa;

  • uma organização taylorista do território;

  • uma indústria pouco eficiente quanto às melhorias dos sistemas existentes, e deficiente em inovações radicais.

  • 4 Uma em cada quatro empresas europeias trabalha em um ambiente de polo de competitividade. Os setore (...)

22A globalização desafia a organização nacional de sistemas econômicos e científicos nacionais4. Nesse novo mundo, as redes de informação são globais, mas as redes de conhecimento e os ambientes de inovação são concebidos localmente: nas divisões estatísticas e administrativas francesas, nas forças de trabalho e nas regiões. A organização em rede do território é um fator de competitividade graças aos efeitos relacionais de proximidade, propícios à inovação (ver Tabela 6).

Tabela 6. A relação entre o global e o local no processo de inovação

Longa distância

Proximidade

Conhecimento codificado (informações)

Conhecimento tácito (conhecimentos)

Espaço mundial

Espaço local

A ideia precede a relação

A relação precede a ideia

23Nesse novo contexto, a disposição vertical (em silos) da ação pública impede o surgimento de tais organizações regionalizadas. O relatório defende a transformação necessária do modelo de desenvolvimento econômico da França: de uma economia de imitação e de planejamento para uma economia de inovação em redes. Para isso, temos que tecer os polos ao redor de atores locais fortes e responsáveis. O perímetro da região e do aglomerado se torna o espaço natural para a construção de polos territoriais de inovação:

  • os conselhos regionais devem reunir os campos da economia e do conhecimento e são necessárias universidades fortes em áreas relevantes;

  • paralelamente, é necessário redefinir as missões de desenvolvimento econômico do Estado e sua ação na pesquisa;

  • por fim, é preciso favorecer o desenvolvimento das empresas em rede.

A certificação de 71 polos de competitividade

24Inspirado no relatório de Christian Blanc (2004), mas sem segui-lo totalmente e propondo um maior envolvimento das regiões na direção da pesquisa e do ensino superior, o poder político se engajou na promoção de “ecossistemas de crescimento”. Em 12 de julho de 2005, o Conselho Interministerial de Conversão e Desenvolvimento do Território (CIAT, em francês Conseil interministériel de l’aménagement et du développement du territoire) certificou 67 polos de competitividade. Atualmente, 71 polos de competitividade são certificados.

25Um polo de competitividade pode ser definido como a combinação de um território cedido às empresas, com centros de formação profissional, de estabelecimentos de ensino superior e de pesquisa engajados em uma parceria projetada para gerar união em torno de projetos comuns de caráter inovador e que tenha massa crítica necessária para gerar uma visibilidade internacional. O polo de competitividade francês não é formado somente por uma justaposição de atores econômicos e científicos que trabalham em um mesmo domínio, mas se funde em uma abordagem de parceria e sob a definição de projetos comuns e inovadores. Permite uma verdadeira partilha de investimentos produtivos e, portanto, de riscos que são inerentes à inovação (Jacquet, Darmon, 2005). Para a DATAR, precursora política dos polos de competitividade, trata-se de uma abordagem seletiva e direcionada e de uma questão tanto de competitividade de empresas quanto de competitividade territorial. Trata-se, na verdade, de uma nova política industrial para o território (DATAR 2004).

26Os polos de competitividade, em comparação às abordagens anteriores (distritos industriais e SPL), demandam maior comprometimento do sistema de pesquisa e ensino superior, o que pode acontecer de duas formas: produção de conhecimento transferível à esfera econômica e criação de cursos de formação diretamente ligados às necessidades dos polos de educação inicial e continuada.

27A melhoria dos polos de competitividade visa, principalmente, a implementação de uma massa crítica que permita considerar um compartilhamento de recursos para dispor de uma área destinada às tecnologias do futuro e à coordenação entre laboratórios de grandes empresas e os laboratórios públicos. Refere-se também às redes de pequenas e médias empresas (PME) industriais, particularmente em atividades tradicionais, como, por exemplo, o processo de microusinagem no Vale do Arve e a fabricação de plásticos em Oyinnax. Existem territórios certificados na abordagem dos SPLs da DATAR que desejam evoluir para a fabricação de produtos limpos e com tecnologias mais sofisticadas. Aproximadamente 25% dos SPLs são considerados como polos de competitividade ou incorporaram algum deles (12 polos de competitividade certificados e 14 ligados a algum polo de competitividade, 26 no total de 111 SPLs).

28O conceito de polo de competitividade deriva da ideia de que a maior parte dos produtos se vincula a um grande número de tecnologias complexas e especializadas, as quais uma grande empresa não é capaz de controlar sozinha. Paralelamente, cada tecnologia é usada na fabricação de inúmeros produtos diferentes. Esta dualidade requer aos atores (empresas, centros de pesquisa, universidades, centros de formação profissional), cuja atividade é destinada ao mesmo mercado final, um nível de colaboração elevado.

29Os polos de competitividade não são criações ex nihilo, mas devem ser criados a partir de dinâmicas de cooperação já existentes, às vezes por um tempo muito longo. Eles se fundamentam em um forte componente relacional. A ideia central é que a inovação movimente os conhecimentos tácitos, principal problema para a codificação necessária à sua circulação. Contudo, devem ser entendidos conforme seu contexto e são dependentes do contexto em que foram produzidos. A proximidade e a concentração facilitam a circulação de conhecimentos pouco formalizados, por meio da mobilidade dos engenheiros e pesquisadores, e pela constituição de comunidades “epistêmicas” (Hakanson, 2005) ou de “prática” (Bernasconi et alii, 2004). Isto é, partilham códigos de interpretação e de situações concretas de trabalho.

Em direção a polos regionais de inovação?

Uma ação um tanto caótica foi realizada para colocar a universidade no centro do processo de inovação, paralelamente com:

  • uma fase de agrupamento com os polos de pesquisa e ensino superior (PRES), as redes temáticas de pesquisa e de atendimento (RTRA) e os institutos Carnot;

  • a lei sobre a autonomia das universidades de 2007 (que concede maior poder às equipes dirigentes, uma visão gerencial da direção da universidade);

  • a renovação total dos campi que permiti distribuir cerca de cinco bilhões de euros para cerca de 12 PRES com vistas a uma reforma entre 2015 e 2020.

30Esta ação é reforçada por empréstimo significativo a partir de prioridades estratégicas identificadas e que correspondem a um investimento estatal de 35 bilhões de euros destinados à inovação. Para alavancar o financiamento privado, local e europeu, de acordo com os últimos dados, o financiamento interno necessitaria de um investimento de cerca de 60 bilhões de euros. Quase metade deste montante cobre uma fase transversal do investimento ao ensino superior e à pesquisa para apoiar a transformação de cinco a dez grupos institucionais de modo a aumentar o número de instituições multidisciplinares, bem como elevar a reputação internacional e criar inovações tecnológicas de dimensão mundial. A outra parte desses investimentos, de acordo com uma lógica temática, também reflete a prioridade dada à inovação. Ela se concentra em áreas tecnológicas, nas quais a França tem uma posição forte e que contribuirá para elevar a qualidade de vida nas próximas décadas.

31Desde 2009, os acontecimentos estão se acelerando com a “Iniciativa de Excelência” (IDEX), cujo objetivo é racionalizar o ensino superior, promovendo o reagrupamento de estabelecimentos em centros de pesquisa e de formação especializada. Cada “iniciativa de excelência” recebida após a licitação consolidará laboratórios, institutos de pesquisa tecnológica ou institutos hospitalares-universitários: dez no interior do país, seis em Île-de-France. Os recursos alocados (cerca de oito bilhões de dólares) devem permitir que a nova universidade consolide uma zona de excelência e influência.

As principais características da política dos polos de competitividade

Um esforço significativo, focado e concentrado

Os polos de competitividade e a intervenção das agências de financiamento de pesquisa e inovação

32Os polos de competitividade foram implementados com o objetivo de mobilizar todas as políticas do Estado e os atores públicos regionais de intervenção, concentrando, no espaço e no tempo, a alocação de recursos públicos, humanos e materiais, de modo a desenhar um novo mapa de atividades atraentes com alto conteúdo tecnológico.

33A política dos polos de competitividade foi dotada de recursos substanciais. O Fundo Único Interministerial (FUI) gerenciado pela direção geral de empresas do Ministério da Economia, Finanças e Emprego é a principal ferramenta de intervenção nos polos de competitividade. Além dos recursos fornecidos pelo Ministério da Indústria, o fundo é financiado por recursos de outros ministérios interessados. As agências, por sua vez, têm como política integrar a abordagem de “polos de competitividade” em seus procedimentos, sem se desviar de seus próprios princípios de resposta, tais como:

  • Agência Nacional de Pesquisa em França (ANR);

  • Agência de Inovação Industrial (AII), cuja fusão com a OSEO-Innovation (conhecida anteriormente como ANVAR) foi recentemente realizada pelo governo, de modo a concentrar o papel do grupo bancário OSEO no financiamento da inovação nas PME;

  • Caisse des Dépôts et Consignations (CDC), financia os polos – em sua forma habitual de intervenções, em termos de investimento em imóveis (empresas e residência para pesquisadores) – com participação na implantação de infraestrutura de comunicações de banda larga.

34Contribuições financeiras substanciais de autoridades locais em todos os níveis (regiões, departamentos, grupos de municipalidades) auxiliam no fornecimento de meios para apoiar tanto o funcionamento dos polos quanto seus projetos de P&D. Estes auxílios diretos se unem às isenções fiscais: isenção de imposto sobre as sociedades devido aos benefícios realizados pelas atividades das empresas do polo que atuam na área de P&D. As comunidades locais podem conceder isenções suplementares de impostos profissionais e/ou impostos profissionais sobre as construções. No total, o esforço financeiro público é, portanto: um bilhão e meio de euros para o período de 2006-2008, e um bilhão e meio ao longo do período 2009-2011, de modo a somar 3 bilhões de euros em seis anos. O papel do Fundo Único Interministerial (FUI) é determinante, sobretudo no momento do lançamento da política; observa-se o surgimento de agências, com destaque para a ANR.

Tabela 7. Auxílio financeiro público para os polos de competitividade (em milhões de euros)

Tipos de crédito

Período 2006-2008

Período

2009-2011

Créditos de incentivo (financiamento de estruturas de governança e ações coletivas)

33

50

Créditos de intervenção do Estado (apoio à P&D por parte do FUI)

720

600

Meios de intervenção das agências, incluindo: ANR e OSEO-CDC

587

850.600.250

Isenções fiscais

160

Total

1500

2350

35O sistema de auxílio à inovação tradicional, por sua vez, também foi reforçado, incluindo a reforma do crédito fiscal destinado à pesquisa, que tem como objetivo reduzir o custo das operações relacionadas à P&D nas empresas. Desde 1º de janeiro de 2008, o crédito fiscal destinado à pesquisa consiste em uma taxa de crédito de imposto de 30% até o teto de 100 bilhões de euros em despesas com pesquisa e de 5% para despesas feitas além desse teto. As despesas citadas referem-se a: depreciação de bens e construções utilizadas diretamente em atividades de P&D, os custos com pessoal, entre eles pesquisadores e técnicos, parte das despesas de funcionamento, os gastos em P&D atribuídos por órgãos públicos e universidades e despesas de P&D atribuídas aos órgãos credenciados pelo Ministério da Pesquisa tanto na França como em qualquer país da União Europeia. Para 2010, o montante de créditos fiscais destinados à pesquisa para as empresas foi estimado em 4,5 bilhões de euros, dos quais 2,8 bilhões foram destinados às empresas de grande porte e 1,7 bilhões foram destinados às pequenas e médias empresas.

Um esforço focado e concentrado

36Os polos de competitividade reúnem 7.129 instituições novas com um efetivo de aproximadamente 757 mil funcionários, sendo 268 mil deles com uma folha de pagamento totalizando aproximadamente 35 bilhões de euros, valor que está longe de ser insignificante. A maioria dos funcionários (93%) faz parte de instituições controladas por grupos, sobretudo franceses. Os estabelecimentos independentes que respondem, todavia, por 53% do número total de estabelecimentos credenciados, só totalizam cerca de 7% dos funcionários. Em comparação com o total da economia, os polos de competitividade abarcam cerca de 5% dos funcionários assalariados e 15% dos funcionários do setor industrial.

Tabela 8. Os polos de competitividade em 2009

Tipos de instituições

Nome

Total de assalariados (1)

Quadros

Instituições independentes

3772

55.036

18.122

Instituições controladas por grupos:

3420

701.753

249.909

- franceses;

473

517.180

189.574

- europeus;

473

100.395

28.711

- outros.

327

84.208

31.124

Total

7192

75.689

268.031

37(1) Folha de pagamento de: 34.337 milhões de euros.

Deve-se notar uma forte concentração de estímulos:

  • em alguns polos (10 polos concentram 55% do financiamento);

  • em determinados setores. O posicionamento setorial dos polos demonstra que os nove primeiros setores representam 23,6% de todos os funcionários que trabalham em polos de competitividade. Sua influência é particularmente forte em setores como: aviação e aeroespacial, automotivo, componentes eletrônicos, siderúrgico e na fabricação de equipamentos de auxílio à navegação (verificar quadro 9);

  • em algumas regiões: 10 polos em Île-de-France, 15 em Rhône-Alpes, o que representa quase 30% das instituições e mais de 40% dos funcionários efetivos concentrados nas metrópoles, o que nos induz a dizer que o polo de competitividade é sobretudo um fenômeno urbano (conferir mapa DGCIS/DATAR, junho 2010);

  • em relação às pequenas e médias empresas envolvidas, nas quais estão os nichos inovadores;

  • em auxílio ao processo de pesquisa/inovação – recursos importantes alocados pelo governo, principalmente destinados à P&D antes de lançar produtos colocados no mercado ou em produção, como mostra a distribuição por categoria de produção (dos cerca de 736 projetos realizados até o fim de 2009, 75% relacionam-se ou estarão relacionados a novos produtos e procedimentos), veja a Tabela 10.

Tabela 9. Os nove primeiros setores de instituições-membro em número de funcionários, em 2009

Setores interessados

Número de funcionários

Instituições do polo em número de funcionários do setor ( %)

Construção aeronáutica e espacial

69.023

73,1

Automobilística

55.931

40,1

Engenharia, estudos técnicos

23.564

16,6

Fabricação de componentes eletrônicos

6.292

57,5

Consultoria em informática e software

12.108

7,8

Fabricação de equipamentos automotivos

2.888

18,5

Siderurgia

2.166

40,1

Fabricação de equipamentos de auxílio à navegação

8.025

54,1

Fabricação de produtos farmacêuticos

4.512

16,3

Total

184.509

Tabela 10. Resultados de projetos realizados até final de 2009

Tipos de projetos

Distribuição (em %)

Projetos que produziram novos conhecimentos sem aplicação direta

20

Projetos que produziram conhecimentos com aplicação direta na elaboração de novos produtos ou procedimentos

28

Projetos que resultaram na elaboração de novos produtos ou procedimentos

49

Outros resultados

3

Ferramentas e governança nos polos de competitividade

Uma estrutura de governança própria

38O Estado não intervém na governança dos polos e as chamadas de projetos deixam a maior parte da iniciativa para os agentes de inovação. Como na maioria dos demais países industrializados, o Estado se resguarda com uma capacidade de intervenção estratégica que se exprime juntamente com outros parceiros.

39Os polos escolhem uma estrutura de governança, na maior parte do tempo como uma associação regida pela lei de 1901, cujos membros, frequentemente agrupados em comissões, representam os três principais componentes do polo (empresas, laboratórios públicos, universidades e escolas), e possuem órgãos deliberativos, cuja composição varia conforme o caso (Conselho de Administração, Comitê Diretor, escritório...). Estas estruturas de governança têm um papel duplo:

  • conduzir a ação do polo, garantindo que atenda às orientações estratégicas e às temáticas que lhe conferiram credenciamento;

  • prosseguir com o credenciamento de projetos de P&D elegíveis ao financiamento estatal, assim como com o credenciamento das agências públicas e das comunidades locais.

As diferentes funções da estrutura de governança

40A governança é confiada a uma equipe que deve estabelecer objetivos precisos.

1. Uma visão estratégica. Neste sentido, durante o período 2009-2011, os polos de competitividade deveriam desenvolver um roteiro estratégico válido de 3 a 5 anos, especificando as áreas e as temáticas do polo, os objetivos tecnológicos e os mercados visados, os objetivos de desenvolvimento do polo e de seu ecossistema.

2. Uma política de recursos humanos baseada na união entre as instituições de formação e uma gestão de empregos e de competências necessárias.

3. Os projetos de P&D têm bases tecnológicas identificadas (exemplos recentes no quadro 5) e, para concretizá-los, ferramentas estruturantes como as plataformas tecnológicas (quadro 6), ferramentas de acompanhamento ou de compartilhamento.

4. Estruturação do desenvolvimento comercial, com análise conjunta do mercado (a abordagem de marketing prevista pelo polo).

5. Visibilidade e estratégia europeia e internacional para o desenvolvimento dos parceiros tecnológicos (principalmente Eureka e o Programa-Quadro de Pesquisa e Desenvolvimento – PCRD) e para atrair competências.

6. Em alguns casos, uma política fundiária e de planejamento territorial.

7. Ferramentas específicas de auxílio às pequenas e médias empresas, principalmente pelo setor financeiro, do investidor-anjo (business angel) ao banco, por meio dos fundos de capital de risco.

Quadro 5. Exemplos de projetos concluídos

• Novo método de montagem de madeira verde.
• Elaboração de estruturas têxteis a partir de recursos agrários.
• Busca por cirurgia sem cicatrizes.
• Um robô autônomo e inteligente para exploração do fundo do mar.
• Desenvolvimento de vacinas terapêuticas para combater a hepatite.
• Produção otimizada de trigo na bacia do mediterrâneo.

Quadro 6. As plataformas de inovação

As plataformas de inovação reúnem infraestrutura e equipamentos compartilhados destinados à pesquisa, desenvolvimento e inovação designados a fornecer serviços ou recursos (prestações, aluguel de equipamentos, etc.). Estas plataformas estão abertas aos agentes dos polos e, em particular, às pequenas e médias empresas. Permitem que a comunidade de usuários execute trabalhos colaborativos de pesquisa e desenvolvimento, testes e produção de lotes-teste. Podem servir como laboratório de uso ou como laboratórios vivos (living labs). Os resultados positivos esperados são muitos:

- aumentar o número de projetos inovadores;
- criar ferramentas de ponta;
- promover o acesso das pequenas e médias empresas aos serviços normalmente destinados às grandes empresas devido ao alto custo que acarretam e às dificuldades que estas empresas enfrentam em sua escala para ter retorno desses equipamentos;
- favorecer os projetos colaborativos por meio da disponibilização de locais, equipamentos, profissionais de pesquisa, técnicos dedicados às equipes mistas de pesquisa e desenvolvimento, e aumentar as atualizações relacionadas aos funcionários de diversas origens, mas que compartilham problemas semelhantes;
- fortalecer o cerne simbólico dos polos de competitividade e contribuir para a visibilidade e para a atratividade da região;
- aumentar a atratividade da região: estes locais podem, por exemplo, ser disponibilizados provisoriamente a empresas estrangeiras que pretendam se implantar no local e, deste modo, acelerar a sua implementação.

Uma plataforma para a inovação não é uma incubadora ou um berçário. Nem todo projeto de parceria é uma plataforma e nem toda plataforma tem chamada de projetos destinada aos polos.

Análise de casos significativos

Minalogic e o ecossistema de Grenoble

41Minalogic faz parte de uma expansão direta de dinâmica típica de Grenoble e nasceu com a invenção do carvão branco e da hidroeletricidade na década de 1870. Seu território caracteriza-se por uma trajetória específica marcada por fortes personalidades como Louis Néel (prêmio Nobel de Física em 1970), responsável pela criação do centro de estudos nucleares de Grenoble (CENG), o qual se tornou CEA Grenoble (Therme 2008). Foi no campo da microeletrônica que Grenoble teve seu maior progresso, tendo como maior expoente o CEA Leti, criado há 40 anos (com mais de 1.600 pesquisadores e tecnólogos atualmente). Logo Leti desenvolveu uma forte ligação com o mundo industrial e se envolveu em uma política proativa de cisão que resultou na ST Microélectronic e em líderes mundiais como Soitec, Sofradir/Ulis e Tronics. Esta política de cisão e de transferência de inovação para a indústria é a fonte do setor microeletrônico regional com mais de 13 mil empregos diretos e 30 mil empregos indiretos. A nova fase de crescimento se iniciou na década de 2000 pela CEA e pelo Instituo Nacional Politécnico de Grenoble (INPG) com o apoio das comunidades locais. E caracteriza-se por:

  • criação do polo de inovação em micro e nanotecnologias (MINATEC);

  • estabelecimento do programa Alliance Crolles 2, que objetiva a fabricação de chips de baixo consumo destinados aos produtos de informática móvel com tecnologias de 32 e 22 nanômetros. É o maior investimento industrial realizado em conjunto na França e envolve ST, Philipe e Fresscale ou ST e IBM;

  • aproximação dos setores de micro/nanotecnologias com agentes da logística estabelecidos há muito tempo no território. Busca-se, na verdade, aumentar o conhecimento sobre os chips.

42No total, os dois setores representam 30 mil postos de trabalho em uma área urbana de 600 mil habitantes. Porém, a Minalogic não só responde aos desafios impostos pelo progresso da microeletrônica, mas também tem o objetivo de oferecer à indústria tradicional vantagens competitivas para lutar contra a concorrência global, mudando o campo de batalha dos custos para a diferenciação, por meio da inovação tecnológica e da criação de serviços associados. Minalogic atende às novas realidades do momento. Os chips do futuro, miniaturizados, inteligentes e comunicativos são chamados a integrar uma variedade de produtos e serviços, em um mercado de cerca de um trilhão de dólares em 2030.

43Em 2008, a Minalogic era composta por 15 sócios, dos quais 60% de pequenas e médias empresas. No total, o setor de microeletrônica investiu em 10 anos cerca de quatro bilhões de dólares, sendo que o objetivo é chegar a um MIT francês por meio do projeto GIANT, visando três áreas de aplicação das micro e nanotecnologias: novas energias, saúde, tecnologia da informação e da comunicação. Este conjunto é composto atualmente de 6.000 pesquisadores, 6.000 alunos, 5.000 publicações e 3000 patentes por ano.

Arve-Industries e a micromecânica do Vale do Arve

44Temos aqui um sistema de produção localizado que lembra mais os distritos industriais italianos. Este distrito industrial abrange uma aglomeração de 82 mil pessoas. Com 700 empresas e 21 mil postos de trabalho, a indústria recolhe dois terços dos salários do setor privado. O SPL chamado de “Technic Vallée” organiza-se em torno do processo de aplainamento, que, com cerca de 400 empresas, emprega cerca de 12 mil pessoas, incluindo indústrias correlatas e secundárias. O Vale do Arve representa cerca de dois terços do potencial nacional neste tipo de indústria, composto principalmente por empresas terceirizadas. Desenvolvida especialmente devido à Trente Glorieuses, a indústria originou-se a partir de uma indústria de relógios criada em meados do século XVIII. Esta indústria fabrica peças diversas altamente técnicas e subconjuntos para todas as atividades: transporte terrestre, aeroespacial, área médica, de energia, TIC, de luxo, robótica, etc.

45Apesar das significativas transformações (aumento no tamanho da empresa, importância crescente dos serviços, desenvolvimento inegável do potencial de mão de obra qualificada, abertura internacional...), a indústria de peças de aplainamento deixou de se beneficiar do desenvolvimento de mercados emergentes devido ao modelo econômico dominante, baseado principalmente em volumes e preços. A diferenciação entre as empresas continua a ser elevada ao longo da cadeia de terceirização, e a indústria continua a ser altamente dependente do automóvel (60% das vendas da profissão). Por fim, os fundos de pensão que tinham sido comprados por 40% do CA da profissão tiveram uma estratégia essencialmente financeira que substituiu a lógica industrial e contraria a expansão do sistema local. Esta é a “década perdida”, nas palavras dos profissionais. No Vale do Arve, a tendência de transferência e de aquisição levam os agentes locais a responder à chamada aos concursos destinados aos “polos de competitividade” (Arve-Industries, pedido de candidatura, fevereiro de 2005). O Vale do Arve faz parte dos 71 polos credenciados atualmente.

46A transferência e a aquisição também convergem para dar ao polo de competitividade um objetivo maior: apoiar o movimento das empresas dos sistemas produtivos localizados (SPL) conforme a evolução tecnológica com base na forte difusão da inovação. Ao mesmo tempo, é necessário mobilizar todos os ambientes propícios à pesquisa e ao desenvolvimento: a Université de Savoie, escolas de engenharia, centro técnico para aplainamento, plataforma tecnológica Thésame... A Arve-Industries reúne 269 empresas, das quais 90% são de porte pequeno ou médio.

A ação atual é importante para uma tripla evolução:

  • uma rápida evolução – além da uniformização – das competências. O saber-fazer na micromecânica alia-se às competências na fabricação de plástico, corte, tratamento de superfície, concepção das peças, subconjuntos, montagem e, em alguns casos, a integração de sistemas de microeletrônica com um movimento para a mecatrônica;

  • definição de uma nova coerência do sistema produtivo local com a inclusão de grandes fabricantes de bens de consumo e de capital no vale ou nas proximidades (SNR, SOMFY, SEB-TEFAL, DASSAULT-AVIATION, BOSH, STAÜBLI, VALEO, etc.);

  • aumento do espaço para todo o departamento de Haute-Savoie e o desenvolvimento da cooperação com outras áreas próximas, como Grenoble, a cidade de Genebra, a região em torno do lago Léman, na Suíça ou Piemonte e Lombardia na Itália.

A estratégia se desdobra em três frentes:

  • desenvolvimento de uma cultura de inteligência econômica;

  • projetos de difusão da inovação;

  • institucionalização da ação.

Desenvolvimento de uma cultura de inteligência econômica

Isto resulta em diversas dimensões:

  • Uma estratégia de antecipação primeiramente desenvolvida com o Observatoire stratégique de la sous-traitance (OSST), que criou o primeiro acordo global de desenvolvimento. Esta estratégia é implantada de duas maneiras: um projeto intitulado “externalização da terceirização” (“externalisation de la sous-traitance”) sobre a adaptação das empresas à globalização; um segundo projeto, “mercados futuros de terceirização” (“prospective des marchés de la sous-traitance”), sobre os setores consumidores.

  • A dimensão de antecipação tecnológica, já muito importante, será reforçada com o Centro Técnico da Indústria de Aplainamento (CTDEC) para se transformar, por meio de parcerias com outros centros de excelência em outras áreas.

  • A inteligência econômica também está relacionada aos agentes públicos da região com uma série de reflexões sobre as perspectivas de desenvolvimento desta sobre um contexto cada vez mais globalizado.

Projetos de difusão da inovação

47Esses projetos visam fortalecer o posicionamento e apoiar o desenvolvimento de empresas do sistema local no seu relacionamento com os clientes, objetivando melhorar a competitividade, ampliar as áreas de habilidades técnicas e gerenciais, aumentar o valor dos bens e serviços, o respeito ao ambiente e à dimensão social.

48Esta abordagem visa desenvolver as empresas tanto a nível da terceirização da qualidade, quanto pelo papel das funções de montador e de fornecedor de funções.

49Estes objetivos ambiciosos requerem a intervenção em três temáticas: a inovação no processo de combate à concorrência de custos; inovação na organização (esforço na gestão e melhoria do sistema de informação); inovação na concepção e de novos produtos.

A institucionalização da ação na associação Arve-Industries

50A abordagem do polo de competitividade tem como objetivo consolidar a organização anterior por meio da associação Arve-Industries, estendendo-a a grandes empresas e agentes de pesquisa (Universidades, Thesame). Esta é a associação que implementará sistematicamente os objetivos e os programas oferecidos pelo projeto do polo de competitividade. Ao mesmo tempo, a institucionalização da ação em favor da competitividade do sistema de produção local deve resultar em uma governança territorial orientada a uma maior atratividade em relação a habitação, transporte, qualidade de vida para os funcionários e atendimento adequado pelas empresas.

A dinâmica engajada

51A política dos polos de competitividade é objeto de diversos comentários, muitas vezes extremamente críticos. Assim, para alguns (Duranton et alii, 2008), não se deve esperar por um milagre dos polos de competitividade. Baseando-se principalmente na experiência dos SPL na França, eles nos mostram que os ganhos em termos de produtividade existem e não podem ser ignorados, mas aparecem como efeitos colaterais no que diz respeito aos determinantes da produtividade interna da empresa. Sobretudo, as empresas já levam em consideração os benefícios dos polos de competitividade na escolha da localização. Neste contexto, as políticas públicas em termos de subsídios teriam pouca influência. Isto significaria que os clusters (polos de competitividade) não decidem nada e que uma política pública centralizada de subsídios aos polos de competitividade não é adequada, pois:

  • nega a variedade de setores, entre os quais alguns são insensíveis às externalidades do aglomerado;

  • Estado não está suficientemente informado para escolher os melhores setores e as melhores regiões.

52No entanto, os autores admitem que, no contexto atual da globalização, a geografia deve, a partir de agora, estar a serviço da competitividade e que o Estado ainda deve auxiliar para promover esta “geografia eficaz”.

O que é isso exatamente? Para responder a esta pergunta, apresentaremos sucessivamente os diversos níveis:

  • um nível global, macroeconômico, ligado à dimensão política industrial e tecnológica dos polos de competitividade, a partir de elementos ainda parciais;

  • nível de desempenho e comportamento dos polos de competitividade como organização.

Alguns resultados globais

Benefícios tecnológicos e econômicos

53Apresentamos os primeiros resultados dos projetos financiados no âmbito do Fundo Único Interministerial (FUI) (DGCIS DATAR, nov. 2011). Em relação ao forte conteúdo tecnológico, estes projetos visam colocar no mercado novos produtos ou serviços ou implementar novos processos de fabricação. Entre 2005 e 2011, mais de mil projetos colaborativos foram selecionados. Os projetos colaborativos contabilizaram 9,9 bilhões de euros investidos em pesquisa e desenvolvimento e mobilizaram 15 mil pesquisadores. Estes projetos receberam um financiamento de 1,3 bilhão de euros por parte do Estado e cerca de 750 milhões por parte das autoridades locais.

54Os projetos apoiados pelo Fundo Único Interministerial (FUI) apresentam diversos setores econômicos e áreas de aplicação múltiplas: as tecnologias da informação e comunicação (TIC) para o transporte, materiais, saúde ou agroalimentar. Um dos pontos fortes dos projetos colaborativos é combinar diferentes especialidades em torno de um projeto. Assim, mais da metade dos projetos envolve, pelo menos, duas temáticas diferentes, 70% dos projetos de TIC são acompanhados por outra temática - transporte (30%), materiais (18%), saúde, energia, desenvolvimento sustentável, etc.

55A Île-de-France e Rhône-Alpes representam 35% e 22%, respectivamente, das despesas de pesquisa e desenvolvimento, seguidos pela região de Provence-Alpes-Côte d’Azur (PACA), Midi-Pirineus e Bretanha. Em 2009, 17% das instituições-membro dos polos eram empresas jovens com menos de cinco anos e com 39% das despesas de pesquisa e desenvolvimento relacionadas às pequenas e médias empresas.

As relações com a pesquisa pública

56Quanto às relações com a pesquisa pública, os agentes de inovação (pesquisadores públicos, empresas) aceitam atualmente que o polo é um bom catalisador na busca por parceiros e um bom interlocutor no que no que diz respeito a busca por parceiros ausentes durante o delineamento do projeto (ver o estudo Erdyn Consultants 2010). Se havia um bom número de relações entre laboratórios e grandes empresas industriais preexistente antes de 2005, os polos têm permitido aos grandes grupos descobrir laboratórios (e vice-versa) com os quais nunca colaboraram (sobretudo, os laboratórios “escondidos”, isto é, com pouca ou nenhuma experiência em pesquisa colaborativa). Contudo, o resultado mais citado como “efeito dos polos” é que estes têm permitido estabelecer novos contatos entre a pesquisa pública e as pequenas e médias empresas. Após uma aculturação necessária, as relações são melhor aproveitadas por ambas as partes: muitas vezes os pesquisadores apreciam relações mais simples em termos de decisão, mesmo que eles necessitem de uma troca mais densa para melhor caracterizar a necessidade e transformar os questionamentos em sujeitos de pesquisa.

57Em termos de impacto sobre a produção de conhecimento, principal objetivo dos polos, não devemos esperar por um impacto significativo. Além disso, nesta área é difícil mensurar tal impacto. Um estudo recente (ver o estudo Erdyn Consultants, junho 2011) estima que cerca de 60 laboratórios públicos são responsáveis por 12% das publicações e 14% pelas patentes registradas relacionadas aos polos competitivos.

Impacto sobre a formação

58Até o momento, o impacto dos polos no treinamento é baixo ou inexistente. Formação e mais amplamente os recursos humanos parecem ser as questões sobre as quais os polos ainda não entraram em acordo em sua maioria. Esta questão é de difícil discussão, em especial no contexto francês, no qual cada inovação tem um suposto fluxo de montante (científica) à jusante (no mercado). Se a inovação se nutre muitas vezes de avanços científicos, ela é na verdade mais uma resposta às expectativas do mercado.

59O polo de competitividade é um dispositivo que busca ser um berço de inovação. Mas a capacidade de inovação efetiva dos polos de competitividade e seu êxito contínuo dependem da sua capacidade de mobilizar, em número e qualidade, recursos humanos qualificados, em todos os níveis, capazes de permitir a ambos (Cf. Maury, 2008):

  • um bom funcionamento do polo como sistema de inovação em termos de um conjunto de funções (antecipação, estratégia, propriedade industrial, análise de mercados, financiamento da inovação, etc.);

  • maior controle, em relação às práticas do polo, das competências científicas, tecnológicas ou profissionais, garantindo, ao menos, um terreno favorável à inovação, no melhor centro de excelência, reconhecido e respeitado.

60As competências necessárias dos polos situam-se em dois planos complementares: o primeiro, mais coletivo, relata a melhor administração do polo; o segundo é relacionado à pretensão estratégica do polo, assegurando a construção de uma vantagem competitiva significativa. Isso significa que mesmo estando interessados diretamente nos egressos do sistema de formação, os polos devem ser considerados entidades qualificadas.

61Assim, podemos dizer que a questão para os polos é menor em termos de formação do que em termos de competência, tendo como resultado que as competências mais estratégicas e mais características devem ser desenvolvidas internamente. Isso demonstra a importância dos polos em se transformarem em estruturas qualificadoras e não somente como necessários ao exterior. Dado o que está acontecendo em alguns casos, essa função agrupada passa:

  • pelas competências científicas; pela formação de doutorandos fornecida pelos laboratórios do polo;

  • pelas plataformas de transferência, por algumas competências tecnológicas (por exemplo, por técnicos de salas esterilizadas ou de animais de laboratório);

  • pela padronização de estruturas de trocas dentro das comunidades, para as competências profissionais (relacionados aos negócios da empresa como um todo).

62Essa estrutura qualificadora implica na existência e no desenvolvimento de talentos (grandes cientistas e/ou grandes engenheiros).

Polos de competitividade e inovação nas pequenas e médias empresas

63A política dos polos de competividade marca uma ruptura na política de apoio às pequenas e médias empresas (PME) em relação à inovação, que se manteve até hoje, em grande parte, baseada em medidas de apoio individuais. Por meio dos polos de competitividade, esta política convida as PME a participarem na construção de ecossistemas reais sobre temas de crescimento, abrangendo toda a cadeia de valor.

64As PME estão cada vez mais envolvidas nos polos: cerca de 5.300 aderiram aos polos no final de 2009, contra 2.000 no início de 2005. É quase um terço dos projetos certificados pelos polos realizados pelas PME. Dois terços dos projetos certificados envolvem pelo menos uma PME. Mas ainda há muito a ser feito para ampliar a participação além das PME tecnológicas já voltadas à inovação e acostumadas a trabalhar em projetos com grandes empresas. Isso é ainda mais difícil do que o sistema nacional de financiamento de projetos, ainda bastante complicado do ponto de vista das PME. Entretanto, de acordo com algumas experiências, as melhorias estão surgindo e consistem em:

  • considerar a especificidade das PME, a fim de melhor integrá-las ao funcionamento dos polos (envolvimento por meio de sua representação no governo e movimentação dos polos, e inclusão das prioridades estratégicas e de pesquisa e desenvolvimento das PME, bem como suas competências);

  • usar o efeito do polo, como os distritos italianos ou as redes de competências, como fator de visibilidade nos mercados, isto é, beneficiar uma série de PME, inclusive as com foco não tecnológico, como um efeito cascata para os projetos colaborativos com grandes grupos, pequenas ou médias empresas ou laboratórios. Do mesmo modo, os polos podem prestar serviços específicos nas áreas de inteligência econômica e da antecipação econômica e tecnológica;

  • desenvolver ações mais individualizadas de modo a remover barreiras à participação de pequenas e médias empresas nos projetos colaborativos de pesquisa e desenvolvimento – sobre propriedade intelectual, engenharia financeira ou planejamento de projetos.

65Um outro aspecto de auxílio às pequenas e médias empresas (PME) com relação à inovação está ligado ao desenvolvimento de relações entre os polos de competitividade e os aglomerados empresariais. No início de 2010, cerca de 40 aglomerados empresariais, formados principalmente por micro, pequenas e médias empresas, estabeleceram parcerias com polos de competitividade envolvidos em atividades similares (DATAR, outono 2010). Essas ações (muitas vezes formalizadas por um acordo) são implementadas de uma forma comum e/ou coordenadas entre um aglomerado e um polo.

66Sobre esta questão da contribuição dos polos em relação à inovação nas PME, podemos dizer que ainda há muito progresso a ser feito. Mas, além disso, ao que parece, deve-se integrar melhor a lógica dos polos nas estratégias de desenvolvimento econômico e de inovação dos territórios, sobretudo com uma maior convergência das políticas de apoio à inovação.

Desempenho conforme a diversidade de polos

67Os polos de competitividade, apesar de serem resultado de uma mesma especificação de uma chamada para apresentação de projetos, apresentam-se de formas diversas e suas fronteiras com outros polos franceses, tais como os aglomerados empresariais e os polos regionais, não são atualmente claras. Para explorar essa diversidade, concentraremo-nos aqui em duas propostas de classificação de 71 polos de competitividade construídos recentemente.

Uma classificação ligada ao credenciamento dos polos

68Apresentaremos, antes de tudo, uma abordagem realizada com base em relatórios de avaliação dos polos feitos pelo Boston Consulting Group (BCG) e pelo CM Internacional em junho de 2008 (ver tese de Myriam Matray, 2010). Uma classificação geral pode ser delineada por meio do cruzamento dos dois critérios que parecem ser a base para os polos de competitividade: seu grau de visibilidade e seu grau de coerência e sinergia interna. Essa combinação de critérios resume, de modo geral, os pontos fortes e fracos dos polos.

Tabela 11. Classificação dos polos de competitividade ligados ao credenciamento

Variável força visível

Forte Grupo 1

Médio Grupo 2

Fraco Grupo 3

Total

Nacional

24

17

13

54

Com alcance global

9

1

0

10

Global

6

1

0

7

Total

39

19

13

71

Fonte: M. Matray ibid.

69Essa classificação mostra que uma minoria de polos (17) corresponde à concepção dos polos de competitividade de acordo com o relatório de Christian Blanc. Os polos de competitividade do grupo 1 são os mais visíveis, agrupam a maioria dos projetos (33 em média por ano, contra 20 dos outros grupos), concentram-se nas metrópoles, tendem a ter mais estabelecimentos e estão mais presentes nos setores de tecnologia de ponta.

Uma classificação que relaciona estrutura e desempenho

  • 5 Esta nota da carta do Observatório dos polos de competitividade resume um estudo realizado por Caro (...)

70Uma segunda abordagem consiste em relacionar a estrutura e o desenvolvimento do polo (Fixari et Gallie 2011)5. Essa classificação estabelece as categorias a partir dos indicadores de estrutura: parte das PME, diversos grupos estrangeiros, parte das empresas independentes, diversos funcionários, parte do setor dominante, etc. Além disso, ela se interessa especialmente no desempenho destas categorias: competitividade (porcentagem de PME exportadoras...), inovação (patentes/empresas...), melhoria das práticas colaborativas, geração de emprego.

71O tratamento estatístico, finalmente, resulta em cinco classes “homogêneas”, às quais foram dados nomes neutros, de frutas, e cujas principais características são resumidas em poucas palavras. Essas características são indicadores para os quais os valores são, para a área, muito maiores (ou menores) do que a média dos 71 polos. A Tabela a seguir apresenta essas categorias, cada uma caracterizada por seu tipo de estrutura e desempenho, e fornece exemplos de polos para cada categoria.

Tabela 12. Estruturas e desempenho dos polos de competitividade (2008)

Categoria

Estruturas

Principais desempenhos

Exemplos

Maçã (6) “mistas”

PME pouco especializadas

Emprego

Images et réseaux
Cancer Bio Santé

Cereja (2) “maiores”

Grandes

Acima da média

Systém@tic
Aerospace Valley

Laranja (16)

“sistemas de inovação locais”

Tipos “distritos industriais italianos”

Inovação

Lyon Biopôle
Alsace Bio Valley

Ameixa (9) “de produção aberta”

Com grandes grupos, mão de obra pouco qualificada

Internacional

Cosmetic Valley
Valorial

Mirtilo (28)

“sistemas de terceirização”

“Distritos” com mão de obra pouco qualificada

Competitividade

Prod’innov
S2E2

Fonte: Observatório dos polos de competitividade

72Observamos, conforme os autores dessa classificação, que nenhum tipo de polo se destaca em todos os registros (competitividade, inovação, emprego) e que cada tipo aparenta ser “atraído” particularmente por um determinado tipo de objetivos – exceto os dois polos maiores “cereja” (Systém@tic, Aerospace Valley), que têm desempenho médio em todos os objetivos. Assim, constatamos que os polos têm bastante êxito em relação ao emprego (“maçã”) e outros com a inovação (“laranja”), tipos de desempenho que não são, portanto, sempre correlacionados. Enquanto que a política dos polos se baseia na ideia de que os projetos de pesquisa e desenvolvimento conduzem a inovações e que, consequentemente, geram empregos.

73Os objetivos definidos para vários polos foram diversos. Desse modo, como estabelecem uma ordem de prioridade para alcançá-los? Notamos, de qualquer modo, que todos os polos que foram descredenciados pertencem à categoria “mirtilo” (distritos com mão de obra pouco qualificada). No entanto, não haveria qualquer ligação entre a estrutura, conforme descrito aqui, e o credenciamento dos polos “global”, “com alcance global” ou “nacional”: encontramos polos com diversas características em todas as categorias.

A importância das características hereditárias dos polos

74A diversidade dos contextos criativos que os polos de competitividade enfrentam não lhes permite adotar as mesmas estratégias, e o ganho de capital gerado pela sua gestão é difícil de ser avaliado se não se considerar essa diversidade (Fixari e Gallie, 2011). Por essa razão, surgiu a ideia de criar categorias com contextos bastante próximos.

  • 6 A nota é um resumo do estudo realizado por Emilie Pailine Gallie, IMRI, Paris Dauphine; Valérie Mér (...)

75Uma classificação dos polos de competitividade credenciados em 2005 foi realizada a partir de três conjuntos de características herdadas quando de sua criação6:

  • tipos de membros: número de instituições com empresas associadas, coeficiente de concentração territorial do polo, parte das PME membros do polo entre as empresas associadas, parte dos órgãos de pesquisa e de universidades entre os membros de polo, parte das grandes empresas (mais de 2 mil funcionários) entre os membros do polo;

  • recursos disponíveis na região: o PIB regional do polo, o peso da despesa em pesquisa e desenvolvimento no PIB, a participação das empresas (incluindo as PME), o orçamento destinado à pesquisa e desenvolvimento, pelas autoridades locais, em relação ao PIB do território do polo;

  • adequação dos recursos para o território: peso nacional do território nas temáticas do polo, grau de especialização do território na temática do polo, adequação relativa do território do polo em relação a outras regiões.

76Nessa abordagem, a ênfase aqui é sobre os recursos em pesquisa e desenvolvimento do território e sua relevância à temática do polo, que se refere a uma preocupação fundamental da política dos polos: fazê-los desempenhar o papel de projetos de fábrica para os projetos de pesquisa colaborativa. Mas os indicadores de adequação dos recursos disponíveis não existem. Um trabalho extremamente difícil tem sido feito para transpor os campos semânticos das apresentações de projetos da Agência Nacional de Pesquisa (ANR) e do Fundo Único Interministerial (FUI) do polo das categorias de patentes. Esses projetos são de fato um indicador mais confiável acerca das temáticas reais de um polo do que os textos de apresentação generalizados.

77Esse método único permite estabelecer os perfis tecnológicos dos polos e, também, ver se o mesmo está localizado no território da França, oferecendo mais recursos tecnológicos em suas áreas de pesquisa, e se a área é altamente especializada na temática do polo. Os polos foram divididos de modo a definir seis categorias homogêneas classificadas de modo neutro em: A, B1, B2, C1, C2, D (conferir Tabela 13).

78Notamos que a classificação em polos globais, com alcance global e polos nacionais revela-se independente das categorias dessa classificação, embora, como seria de se esperar, os polos globais e com vocação global são relativamente mais numerosos nos polos das classes C (com recursos abundantes). Notamos ainda que 80% dos polos das categorias C e D atingiram seus objetivos, de acordo com a CMI-BCG, enquanto que 71% dos polos da categoria A só os alcançaram de modo parcial. Por outro lado, os polos para os quais a CMI-BCG recomendou uma grande reconfiguração são representados na categoria B, onde identificamos cinco dos seis polos finalmente descredenciados.

Tabela 13. Uma classificação das características hereditárias dos polos

Categoria

Características hereditárias

Exemplo de recursos territoriais

A (7)

Estruturas
Dominado por grandes organizações

recursos territoriais
Recursos locais e aptidão mediana

Cancer Bio Santé, Lyon Biopôle

B1 (10)

Dominados pela pesquisa pública

Recursos locais e baixa aptidão

MAUD Cosmetic Valley

B2 (24)

Dominado pelas
Pequenas e Médias Empresas

Recursos locais e baixa aptidão

Prod’Innov, Vegepolys

C1 (6)

Recursos locais e forte aptidão

System@tic, Mov’eo

C2 (9)

Dominado por grandes empresas

Recursos locais fortes

I Trans, Minalogic

D (9)

Dominado pelas Pequenas e Médias Empresas

Adequação de bons recursos

Aerospace Valley, Images et réseaux

Fonte: Observatório dos polos de competitividade

79Essa classificação deve ser usada para estudar como as características iniciais do polo ajudam a explicar suas diferenças no desempenho e comportamento. Por exemplo:

  • Como os polos B (com recursos locais e baixa aptidão) podem corrigir a baixa aptidão entre sua temática e seus recursos tecnológicos territoriais? Eles devem ter acesso sistemático, a distância, aos recursos tecnológicos necessários?

  • Os polos A, onde o peso das grandes empresas e dos órgãos de pesquisa são altos, têm desempenho superior em termos de criação de empresas via spin-off?

  • Como os polos A e C2, fortemente estruturados pela presença de grandes empresas e contratantes, permitem o desenvolvimento de uma rede próspera de pequenas e médias empresas, incluindo os fornecedores de tecnologia?

80Percebemos que as condições iniciais são importantes e que a escassez de recursos locais e/ou a inadequação dos recursos regionais em relação à temática do polo pode ser uma grande desvantagem. Como isso pode ser compensado por colaborações entre os polos e de que tipo deveriam ser? Há uma diversidade de situações de crise em algum momento. Existe alguma dinâmica de evolução que permite os polos mudarem de classe? Parece-nos importante analisar os polos em uma perspectiva dinâmica e não apenas em um momento.

Os polos de competitividade e o território

A noção de território faz parte da lógica dos polos de competitividade

81A noção de polo de competitividade faz do território uma estrutura organizacional com melhor coordenação entre planejamento e inovação, na medida em que o território apresenta-se como a base para uma cooperação entre empresas, laboratórios e universidades (produção, pesquisa e desenvolvimento, transferência de tecnologia e formação). Na fase atual da evolução do modelo de desenvolvimento, a economia relacional desempenha um papel cada vez maior e num contexto cada vez mais urbano e metropolitano (Veltz, 2002).

82Mas a cidade e o território são mais que um simples receptáculo de atividades ou fornecedor “inconsciente” de externalidades como na teoria dos polos de crescimento desenvolvidos ao redor de empresas motrizes – Turim com a Fiat ou Detroit com a General Motors –, e como tal são produtivas (Pecqueur 2008). Nesse sentido, o território não é uma simples variável no desenvolvimento. Ele participa de um processo de liberação de recursos enquanto os agentes estão se mobilizando para resolver problemas inéditos.

83Esses recursos são o resultado de uma longa história de acumulação de memória, de uma aprendizagem coletiva cognitiva. Assim, Minalogic não pode ser compreendido se não estiver situado no ecossistema de Grenoble, das empresas de micronano, da ciência e tecnologia que se caracterizam por avanços na miniaturização e que, nesse processo, ciência e tecnologia interajam de maneira cada vez mais estreita (Belakhosky, Thoulouze, 2011).

84As tecnologias micronano e a ciência e tecnologia situam-se na confluência da física, da química, da metalurgia, da cristalização, do eletromagnetismo, da ótica, do processamento da fala e da informática. Grenoble foi preparada para essas convergências depois de muito tempo. É por isso que essa cidade é atualmente um polo internacional de empresas de tecnologias micronano, de ciência e tecnologia. A tríade formação-pesquisa-indústria encontra novamente aqui sua relevância ou sua substituição com base nas relações construídas em relações não monetárias e informais, que compõem uma “atmosfera industrial” como pensado por Marshall. Mais precisamente, o sentimento de pertencimento a um local, um trabalho, uma comunidade científica e à cultura da empresa são os principais recursos.

Polos de competitividade e as vantagens diferenciais

85As mudanças atuais no contexto da globalização tendem a desenvolver um mecanismo de pesquisa de baixos custos para a separação das populações produtoras das consumidoras. Num contexto em que o comércio é cada vez menor entre os Estados-nação, e cada vez mais entre as regiões, isto é, as grandes aglomerações, o modelo do tipo ricardiano de trocas internacionais baseado nas “vantagens comparativas” é ainda um desafio.

86Nesse caso, na economia contemporânea, a solução para esse problema consiste em diferenciar o produto para que se torne mais específico e, portanto, deixá-lo sem competição. Esse é o caso da Minalogic, cujo objetivo principal é substituir o campo de batalha de custos pela diferenciação por meio da inovação tecnológica e da criação de serviços associados (Therme, 2008). Os agentes devem mobilizar conhecimentos e competências que vão além de uma simples especialização industrial. As micronano tecnologias, como resultado do cruzamento de tecnologias-chave da biologia, saúde, software, nanociências, energia e materiais, estão em uma lógica completamente diferente daquela da especialização característica do distrito industrial tradicional. Isso se reflete no contexto mais tradicional do Vale do Arve, onde os projetos de inovação tanto tecnológicos quanto organizacionais devem se afastar do sistema local de concorrência pelos custos (mão de obra) e conduzir à diversificação por meio de uma evolução para um polo da mecatrônica à francesa graças à aproximação com os grandes fabricantes de equipamentos e as universidades da região.

Uma outra concepção da ação pública

87Como podemos perceber, não podemos reduzir os polos de competitividade somente à dimensão de produtividade e, em sua maior parte, eles se referem às condições locais. Isso significa que passamos de uma oferta de empresas a uma oferta de um sítio que não se restringe à soma dessas empresas, mas estende-se a todos os agentes (como produtor coletivo), levando a um novo processo de desenvolvimento. Como pode ser visto por meio das novas tecnologias em Grenoble, para a transformação das micromecânicas em mecatrônicas no Vale do Arve, a região registrou sua evolução ao longo do tempo: estamos na presença de uma trajetória que se bifurca e resulta em pesquisa, produção, nos modos de produção e nas estratégias coletivas de modo que o território se adapte à globalização (que é extremamente marshalliana).

88A análise mais detalhada dos polos mostra que os que foram considerados inicialmente fracos ou pouco adequados à sua temática são os mais deficientes durante seu desenvolvimento, a menos que eles compensem essa deficiência por um provisionamento remoto de recursos em pesquisa e desenvolvimento e em competências características. Nessas condições, podemos assinalar facilmente o duplo papel na ação pública:

  • como alavancagem financeira, envolvendo uma dinâmica por meio de chamadas de projetos;

  • como acompanhamento de trajetórias que se bifurcam ao implementar os polos de competitividade.

Conclusão

89A política dos polos de competitividade deriva em última análise em uma abordagem dupla:

  • uma lógica resultante de uma visão estratégica do Estado em termos de pesquisa e inovação fornecendo um quadro geral com uma tentativa de reformar o sistema de ensino superior e de pesquisa e uma reforma das ferramentas de auxílio à inovação;

  • uma lógica de acompanhamento e de apoio dos contextos locais favoráveis à criação.

90Nesse contexto, a política de polos de competitividade criou uma dinâmica. De muitas maneiras, e com poucas exceções, os polos representam um progresso no estabelecimento de projetos criados com necessidades mais próximas do mundo socioeconômico: colaborações locais, construção de projetos colaborativos, participação em projetos ambiciosos. Contudo, as ferramentas podem ser melhoradas e adaptadas. Mas para ser bem sucedidos, os polos devem, acima de tudo, objetivar a continuidade e uma visibilidade do apoio público que conduza a uma melhor definição e implementação de sua própria estratégia.

91Por outro lado, é claro que no quadro geral na chamada de apresentação de projetos delineia-se uma diversidade de evoluções de tal modo que nos afastamos desta classificação inicial em três níveis (global, com alcance global e nacional) fortemente ligada ao processo de credenciamento. Finalmente, cada polo tem sua própria trajetória que consiste em renovar a atmosfera industrial, enquanto negocia as mudanças necessárias. Porém, além disso, se quisermos que a experiência seja bem-sucedida, é melhor integrar a lógica dos polos às estratégias de desenvolvimento econômico e de inovação territorial (metrópole, região) com uma maior convergência de políticas de apoio à pesquisa e à inovação.

Notes

1 “le développement d’un organisme, social ou physique, entraîne une subdivision croissante des fonctions entre ses parties, et d’autre part une relation plus étroite entre elles.” [Nossa tradução]

2 “chacun tire profit des idées de ses voisins, en trouvant de nouvelles inspirations en contact avec qui est intéressé à de nouvelles expérimentations, et toute invention [...] a la probabilité, une fois introduite, de se répandre et de s’améliorer.” [Nossa tradução]

3 “écosystèmes de croissance” [Nossa tradução]

4 Uma em cada quatro empresas europeias trabalha em um ambiente de polo de competitividade. Os setores mais concentrados geograficamente serão, em geral, os mais competitivos, em relação às trocas da economia francesa. (Lallement et alii, 2002).

5 Esta nota da carta do Observatório dos polos de competitividade resume um estudo realizado por Caroline Hussler, da Université de Strasbourg (BETA) e Université de Technologie de Belfort, e Jean-Paul Villette (BETA).

6 A nota é um resumo do estudo realizado por Emilie Pailine Gallie, IMRI, Paris Dauphine; Valérie Mérindol, OST; Thierry Weil, CERNA Mines Paris Tech.; Philippe Caillou, LRI, Université d’Orsay.

Auteurs

Professeur émérite
Université Pierre Mendès France – Grenoble-II
claude.courlet@upmf-grenoble.fr
Chercheur, professeur à l’Université Joseph Fourier – Grenoble-I
bernard.pecqueur@ujf-grenoble.fr
Patrícia Rodrigues Costa (Traducteur)