Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Memória e novos patrimônios

 | 
Cécile Tardy
, 
Vera Dodebei

Segunda parte. Análises de casos

Patrimoniando o desmanche: coleções de inutilidades como uma metáfora capitalista

Leila Beatriz Ribeiro

Résumé

O artigo discute a patrimonialização levando-se em conta uma impossibilidade aparente de elevar o estatuto de um objeto inútil às categorizações e aplicações das diversas disposições institucionais e jurídicas.

Apresenta objetos que saíram do circuito das trocas e foram coletados, organizados sistemicamente, tratados e expostos. Colecionar é uma atividade que busca ordenar e manipular aquilo que se encontra em uma situação de dispersão, o que por vezes desafia a uma lógica de investimento classificatório e de uma ordenação racional.

Urbano, o Aposentado nasceu no ano de 1982. Seu autor é o cartunista Silvério. Desde 1986, a tira tem saído de forma quase ininterrupta no jornal O Globo. Este senhor aposentado, que trabalhou durante muitos anos em uma repartição, encontra, na pracinha perto de casa, o seu refúgio. Entre as suas diversas práticas, coleta, troca e coleciona determinados objetos que o cercam na metrópole. Estes, sem uma funcionalidade aparente, fora do circuito das mercadorias por conta do descarte, não carregam simbolicamente uma marca de objetos guardados para um legado posterior, podem ser categorizados como mortos.

A análise desse personagem de tiras de HQs facultou a compreensão de outros aspectos de colecionamento, ampliando o nosso olhar para dentro de uma perspectiva acerca de estratégias de afirmação e de representação social dos idosos, considerando os seus lugares de fala, a sua inserção nos espaços públicos e privados e a complexidade dos significados de seus hábitos e de suas lembranças, materializadas por vezes nos diversos suportes de memória: os objetos “inúteis” de coleção.

Metaforicamente, esses objetos nos remetem aos próprios colecionadores, homens aposentados, desvalorizados e degradados socialmente e que procuram nesses objetos – inúteis e descartados – um sentido que lhes foi roubado, ao viver o presente de uma sociedade que só valoriza aqueles que trabalham e produzem. Esses objetos representam certo tipo de continuidade que expressam a cotidianidade dos indivíduos da metrópole, envolvendo suas vivências e experiências diárias e até mesmo desconhecidas. Não por acaso, falam das ruas, dos amigos, das coisas banais e dos diversos mistérios que assolam as cidades.

Coletar e colecionar objetos produzidos pela cultura de massa parece reverberar uma tentativa de manutenção de determinadas práticas de trabalho, que corresponderiam à manutenção de uma expectativa de continuidade de experiências, contrariando um ciclo clássico da lógica capitalista que produz objetos para consumo e descarte.

A discussão acerca da patrimonialização das coleções de objetos de Urbano demanda outro tipo de reflexão, tendo em vista que o trabalho investido nesse tipo de tarefa e o valor investido pelo colecionador são o que fazem jus ao estatuto desses objetos. Urbano, como ícone do descarte, transforma-se em um projeto do novo capital. A velhice ressignificada em seus objetos traz o passado não mais apenas como referência de lembranças, não apenas como algo a ser exposto e olhado pelos humanos, mas como um produto a ser novamente consumido (reciclado) em uma representação icônica da contemporaneidade.

Texte intégral

O desenraizamento é condição desagregadora da maioria.
Ecléa Bosi

Introdução

  • 1 Segundo Marx (1980), os objetos úteis são aqueles que se tornam mercadorias em decorrência de uma p (...)

1Como lidar com uma discussão acerca da patrimonialização levando-se em conta uma impossibilidade aparente de elevar o estatuto de um objeto inútil1 às categorizações e aplicações das diversas disposições institucionais e jurídicas? Se não basta o interesse individual no que tange à conservação e à valorização desses objetos (Davallon, 2006, « L’institution du patrimoine : l’obligation de garder »), acrescente-se a isso uma lógica capitalista que configura a sociedade pós-industrial (Featherstone, 1997, p. 38) como um espaço de “triunfo da cultura dos significados e a morte do social”.

2O capitalismo, na versão clássica de Marx, apresentava-se como um processo universal da produção de mercadorias, ou seja, cada objeto produzido traduz abstratamente um trabalho humano (Marx, 1980). Contemporaneamente, além do seu caráter abstrato (consumo de bens e de corpos humanos/trabalho humano) e de mudanças nas formas de expansão da produção, o capitalismo traz um desenho em que cópias de reproduções confundem os indivíduos, numa explosão simbólica de simulacros que espelham a mistura entre o real e o imaginário. (Featherstone, 1997)

  • 2 Para Walter Benjamin (1995), por vezes, o ato de colecionar é exatamente a capacidade que os indiví (...)

3Para falarmos de objetos que saíram do circuito das trocas e foram coletados, organizados sistemicamente, tratados e expostos, utilizamo-nos da categoria colecionamento. Para nós, colecionar é uma atividade que busca ordenar e manipular aquilo que se encontra em uma situação de dispersão, seja ele (o objeto) um resto ou um fragmento material que por vezes desafia uma lógica de investimento classificatório e de ordenação racional2.

4A coleção tem ainda o poder de representar o indivíduo fazendo com que o objeto se perpetue como fator de ligação entre o indivíduo e o mundo que o cerca. É ainda a solução de organização da temporalidade (Baudrillard, 2004). Esse mundo se abre como uma possibilidade exploratória e criativa e, concomitantemente, torna-se passível de novas leituras e reordenamentos para guarda e conservação latentes.

5O colecionamento refere-se a uma possibilidade de uso de um processo que garantirá que esses representantes da cultura material (e imaterial) de um determinado grupo estarão a salvo de uma perda iminente. Nesse sentido, estariam assim protegidos e carregados de atributos tais como: “coerência, continuidade, totalidade e autenticidade”. (Gonçalves, 2002, p. 23)

  • 3 A esse respeito é interessante recuperar Abraham Moles (1981) que discute a ideia da morte de um co (...)

6Além de bem próximos do presente de sua concepção, as coleções de objetos sobre as quais iremos nos debruçar contrariam inicialmente não somente alguns desses atributos, tendo em vista que eles, os objetos, são originários do desmanche, como também irão buscar garantir um tipo de identidade e de autenticidade que soa “exótico” aos olhos do grupo que as consumiu e as descartou3. De forma complementar, poderíamos nos perguntar se existe um investimento de uma quantidade de tempo despendido por esse colecionador que redundaria em um trabalho social qualquer.

  • 4 Bauman (2001), citando Sennett, observa que a cidade é um lugar propício para se deparar com estran (...)

7Urbano, o Aposentado nasceu no ano de 1982. Seu autor, o cartunista Antônio Silvério Cardinot de Souza, friburguense, tirou, em 1986, o terceiro lugar em um concurso promovido pelo jornal O Globo. Desde então, a tira tem saído de forma quase ininterrupta no jornal. No dia 1 de setembro de 1986, Urbano tem anunciada a sua aposentadoria pelo seu chefe e recebe uma medalha por esse feito. Este senhor aposentado, que trabalhou durante muitos anos em uma repartição, encontra na pracinha perto de casa o seu refúgio. E é a pracinha, representação de um espaço clássico de mendigos, namorados, crianças e aposentados, que será palco de inúmeras aventuras, passatempos, reflexões solitárias ou em contato tanto com os amigos como com desconhecidos4.

8É Maria quem trabalha e cuida da casa e da vida desse aposentado que vive sonhando com feijoadas no lugar do mingau diário e está sempre às voltas com cuidados relativos à sua saúde e dietas. É também Maria que reage veementemente contra o aposentado que tenta partilhar com ela, em diversas ocasiões, suas incursões e lembranças junto às suas coleções. É ela quem resiste bravamente ainda contra outros tantos hábitos e manias desse personagem que, a cada tira, descobre novas formas de passar o tempo seja na rua (banco da praça; supermercados; feiras livres; filas de bancos; cinema etc.) como em casa (dormindo; testando diversos inventos etc.) e que, de alguma forma, reverbera dentro de casa traduzindo-se em constantes atritos com Maria. Urbano, além de um colecionador, preenche o seu tempo, por exemplo, como inventor e recorrentemente procura testar seus produtos com Maria e/ou nos objetos e no espaço doméstico. No entanto, é curiosamente Maria – por exemplo, na tirinha de 7 março de 1987 – quem o instiga ironicamente a se ocupar mais e reforça a ideia de Urbano se tornar um “colecionador de horas vagas”. Em outra tira de 11 de março de 1987, Urbano, sentado em sua poltrona, diz para Maria que está pensando em que tipo de coleção irá começar. Maria fala que seja ela qual for, que não desarrume a casa. Urbano pensa em fazer uma coleção de cabeças empalhadas. Nesta coleção está incluída a cabeça de Maria.

9A análise desse personagem de tiras de HQs nos situa dentro de uma perspectiva de representação acerca de estratégias de afirmação e de representação social dos idosos e de seus lugares de fala; de sua inserção nos espaços públicos e privados e dos significados de seus hábitos e de suas lembranças materializadas por vezes nos diversos suportes de memória: os objetos “inúteis” de coleção.

10Na tira de 15 de outubro de 1986, Urbano está pensando na evolução, decadência e falta de importância do velho, que antes era visto como guardião das tradições e hoje é visto como inútil, que não serve nem para guardar recado. Urbano conclui este pensamento depois de levantar para atender ao telefone e a secretária eletrônica ser acionada antes dele conseguir atendê-lo.

  • 5 Segundo Moles (1972; 1981), um “parque” caracteriza o conjunto dos objetos em situação de “vida”, o (...)

11Esse personagem de tirinhas em quadrinhos, através de suas lembranças, pode nos possibilitar entender um tipo de sociedade em que os velhos, segundo Bosi, além de terem atravessado algumas décadas, já viveram alguns “quadros de referência familiar e cultural”. (1994, p. 60) Entre as suas diversas práticas, Urbano coleta, troca e coleciona determinados objetos que o cercam na metrópole. Esses, por sua vez, podem ser categorizados sem uma funcionalidade aparente, pois, além de estarem fora do circuito das mercadorias por conta do descarte, não carregam simbolicamente uma marca de objetos guardados para um legado posterior e podem ser categorizados como mortos5.

12Metaforicamente, os objetos coletados por Urbano nos remetem aos próprios colecionadores, homens aposentados que são desvalorizados e degradados socialmente e que procuram, nesses objetos inúteis e descartados, um sentido que lhes foi roubado ao viver o presente de uma sociedade que só valoriza aqueles que trabalham e produzem. Para ilustrar tal situação, cabe lembrar aqui as palavras de Simone de Beauvoir: “[...] o material humano só interessa enquanto produz. Depois, é jogado fora”. (1990, p. 13) Em uma das tiras (19/01/1987), o personagem, por exemplo, é representado por pensamentos e imagens que elucidam bem essa situação:

Tem dias que eu me sinto tão inútil... (quadro 1 e figura bem delineada);

Pareço passar desapercebido... (quadro 3 e imagem apresentando somente contornos);

Uma figura totalmente dispensável (quadro 4 e Urbano encontra-se apagado do quadro).

  • 6 Bosi chama esses objetos que estão fora de um ordenamento espacial racional de “desparceirados” (20 (...)

13Esses objetos representam ainda certo tipo de continuidade já que, de forma geral, expressam a cotidianidade dos indivíduos da metrópole e suas vivências e experiências diárias e até mesmo desconhecidas: falam das ruas, dos amigos, das coisas banais e dos diversos mistérios que assolam as cidades; podem também ser cacos ou objetos de alguém que ignoramos6. Ao serem coletados e ressignificados podem expressar também aventuras afetivas.

14Em uma das tirinhas, acompanhamos Urbano, tal qual uma criança, a juntar sequencialmente os inúmeros araminhos de sua coleção de pão de forma e de imaginá-los como um traçado possível de uma viagem ao redor da Terra. Esse mecanismo de coleta, ordenação e preservação funcionaria como uma espécie de advertência à sociedade de massas que rapidamente dissipou e desgastou diversos objetos anteriormente carregados de status. (Bosi, 2003)

15Ao readquirirem um estatuto de excepcionalidade restauram uma “memória material” corporificada em um tipo de mercadoria que se encontra armazenada “como coisas em casa”. (Marx apud Stallybrass, 1999, p. 105, grifos do autor) Para nós, a ideia de problematizá-los como patrimônio nos permite analisar as mutações das sociedades que o produziram. (Jeudy, 1990)

16Nesse sentido, temos como proposta discutir se esses objetos – cuja trajetória processual vai desde o objeto de descarte até o objeto de coleção – podem auferir o status de objetos patrimoniados, observando sua natureza peculiar. Assim, cabe aqui, especificamente, apontar de que tipo de patrimônio estamos falando ou ainda quais os discursos que serão engendrados para legitimarmos as práticas patrimoniais que dizem respeito ao nosso contexto de problematização. Davallon (2006) argumenta que menos que a definição semântica do termo, o que está em jogo é o corpo de regras e os procedimentos institucionalizados. Gonçalves (2003, p. 22), por sua vez, ainda que chame a atenção para tomarmos determinadas precauções acerca do seu uso, discorre sobre a possibilidade de “transitar-se analiticamente [com a categoria patrimônio] entre diversos mundos sociais e culturais.”

17E, para compreendermos o tipo de sociedade no qual está inserido nosso colecionador de inutilidades, seguimos as reflexões de Bosi que apresenta os velhos com um tipo singular de “obrigação social”, ou seja, em oposição aos homens ativos e mais jovens, que se lembram menos, os velhos aposentados ocupam-se com mais frequência das atividades de rememoração. Nos dizeres da autora, eles têm: “a posição de lembrar, e lembrar bem”. (Bosi, 1994, p. 63)

Objetos de uma coleção de inutilidades em uma sociedade precarizada

18Urbano, o nosso personagem, insere-se em um contexto que traduz a existência sofrida pelos impactos da circulação das mercadorias que transforma as coisas em líquidos. (Bauman, 2001) A sociedade capitalista clássica, como Marx problematizou, é referenciada pela universalização da produção de mercadorias, sociedade esta que, por mais abstrata que seja, traduz-se por uma prática consumista que “devora” os corpos humanos e cuja abstração é representada pelo próprio formato adquirido pela mercadoria. (Stallybrass, 1999, p. 53-54)

  • 7 Esses objetos, sob a ótica problematizada por Bauman (2001), não carregam mais o volume, a solidez, (...)

19Como restos do acúmulo ou do desmanche7, os objetos inúteis coletados e colecionados por Urbano, fora do circuito das trocas, podem ser evocados a partir da representação de um “imaginário do desmanche”, metáfora trabalhada por Teixeira Coelho e apropriada por Fabrício Silveira (2010, p. 9) que designa um desejo de destruição sobreposto ao de construção.

  • 8 Nessa lista deixamos de lado os objetos coletados e ainda não caracterizados pelo personagem como p (...)

20Abaixo apresentamos um pequeno inventário de alguns dos objetos colecionados por Urbano8:

Caixas vazias de creme dental; talheres e pratinhos descartáveis; sons exóticos (pios de aves; gargalhadas; gritos histéricos; sons da natureza; sirenes de ambulância e carros de polícia); araminhos de pão de forma; carrinhos de feira; lâmpadas queimadas; rolhas de garrafas; balões vazios de festas de aniversário; pneus carecas; panfletos de rua; embalagens vazias; prospectos de produtos; escovas de dente antigas; guarda-chuvas quebrados; esponjas de limpeza antigas; bonecos birutas de lojas e postos de gasolina; clipes; porcas, parafusos e pregos velhos; tubos vazios de creme dental; pentes velhos; quentinhas vazias; banners de candidatos; caixas de leite vazias; papéis de presente; embalagens vazias de remédios; rolhas de garrafas; listas telefônicas antigas; ingressos de cinema; rótulos; cacos de vidro; folhetos promocionais; lixo espacial etc.

  • 9 Bauman (2001) utiliza-se da metáfora de liquidez para apontar que, na atualidade, os poderes estão (...)
  • 10 Em matéria jornalística no jornal O Globo, de 6 de julho de 2011, tomamos conhecimento de projetos (...)

21Em paralelo ao “derretimento dos sólidos”9, vemos o esvaziamento do espaço e o tempo tornando-se histórico porque adquire instantaneidade ainda que sem sua força atrativa diferenciada anteriormente pela durabilidade10.

22Nessa sociedade contemporânea caracterizada por uma “precarização material”, buscamos o entendimento da memória coletiva e como esta se deposita materialmente tendo em vista que a precariedade da nossa existência social se traduz por uma percepção de mundo “como um agregado de produtos para o consumo imediato”. Esta percepção do mundo, cujos indivíduos passam a ser vistos como itens de consumo, “faz da negociação de laços humanos duradouros algo excessivamente difícil. [...]”. (Bauman, 2001, p. 188)

23A ideia de precariedade encontra eco em reflexões de Pierre Bourdieu (1998, p. 120), quando esse teórico argumenta que, na contemporaneidade, devemos estar criticamente atentos a um tipo de “manutenção da ordem simbólica” que contribui para o “funcionamento da ordem econômica” e que apresenta seus efeitos estendidos a todos os indivíduos tanto no setor público quanto no setor privado. Não somos mais insubstituíveis no espaço do trabalho, nos sentimos inseguros e desmobilizados e nossa projeção de futuro é cada vez mais incerta frente às estratégias de precarização impostas pela “flexibilidade”, pela desterritorialização das empresas que têm, via de regra, a dissociação de um estado-nação ou de um território.

24Discutir a memória nessas condições é repensá-la no espaço da fluidez, em que os objetos fora do circuito preenchem mais o tempo do que o próprio espaço. Bauman (2001) argumenta que a instantaneidade, ao anular a resistência do espaço e liquefazer a materialidade dos objetos, faz com que o “momento” se torne infinito e que a capacidade de extração desse momento, por mais breve e “fugaz” que seja, não apresente um limite. Nesse sentido, como lidar com o paradoxo desses objetos inúteis que carecem de datação? Ou seja, se a ideia de “longo prazo”, como argumenta Bauman, já não se sustenta, como problematizar as coleções que têm como projeto o longo prazo?

  • 11 Moles (1981, p. 109) discorre acerca de uma “ética do eterno” que representa o homem (principalment (...)

25Contrariando o consumo que é voraz e instantâneo, Urbano faz dos seus objetos inúteis algo a ter permanência e vai de encontro ao processo de “desvalorização da imortalidade”11. Refletir sobre uma cultura que se posiciona de forma insensível moralmente às mudanças advindas da lógica do eterno, do transmissível e do legado para gerações futuras, é, segundo Bauman, um território a ser explorado, e torna-se necessário repensarmos uma sociedade em que a memória e o passado precisam ser reproblematizados sob outra ótica que privilegie a vivência do momento.

26Entender essas coleções “como ato autobiográfico” significa perguntarmos: nos processos de formação de subjetividade, o inútil e o traste são valores que permeiam representações do aposentado ou a representação metafórica de resistência ao descarte é uma crítica aos hábitos de consumo, à morte das coisas? Perguntamo-nos ainda se Urbano propõe uma nova ordem taxinômica do espaço do desmanche?

A transformação dos objetos de coleção em signos

Se a mobilidade e a contingência acompanham nossas relações, há algo que desejamos que permaneça imóvel, ao menos na velhice: o conjunto de objetos que nos rodeiam.
(Bosi, 2003, p. 5)

27O espaço do consumo referencia-se a partir de práticas de sedução e desejos crescentes e nunca satisfeitos, pois a cada objeto (ou os sistemas simbólicos por eles representados) consumido ou a cada vontade realizada no hoje, o amanhã se torna menos distante, pois as vontades de hoje transformam-se em necessidades de amanhã semiologicamente representadas por um sistema de códigos vigentes. (Bauman, 2001; Featherstone, 1997)

28É importante pensar que guardar, acumular aquilo que está fora do circuito sem valor de uso e de troca ocupa espaços sólidos. Nesse sentido, perde-se a referência da territorialidade histórica em função da temporalidade histórica, fluída, desterritorializada. Aqui, cabe introduzir Davallon (2006) que, ao refletir acerca da patrimonialização, adverte que esse movimento requer mais do que uma mera reconstrução cognitiva do passado para o presente, demandando a busca por novas formas ou gestos de entendimento acerca do processo de patrimonialização em sua diversidade no espaço público.

29Urbano luta contra a individuação, buscando a manutenção de um tipo de identidade que faz do “objeto de desejo” aquilo que está próximo. É alguém que, também discursivamente, narra uma história do desperdício a partir do que é considerado lixo e descarte do mundo e propõe um deslocamento das coisas originárias, ressignificando-as. Ouçamos Silveira (2010, p. 38, grifos do autor): “A capacidade de descartar – e não mais de possuir – objetos parece reconfigurar os sistemas de atribuição e aquisição de status social, legitimidade e capitais simbólicos. E que a substituição seja tão ampla e irreversível quanto constante e veloz!”. Assim, em termos práticos, coletar e colecionar objetos produzidos pela cultura de massa parece reverberar uma tentativa de manutenção de determinadas práticas de trabalho que corresponderiam à manutenção de uma expectativa de continuidade de experiências, contrariando um ciclo clássico da lógica capitalista que produz objetos para consumo e descarte. Moles (1981, p. 104) chama a atenção para o tipo de objeto característico da área tecnológica nomeando-o de “objeto misto”. Este tem uma duração de vida definida e não é feito para a eternidade.

  • 12 Sob outra vertente, não problematizando o colecionamento como uma prática de acumulação capitalista (...)

30Propomos pensar que as práticas de colecionamento prescindem também de uma postura cidadã, de um reconhecimento do papel dos sujeitos históricos como colecionadores, publicizados e com questões que se fazem representar acerca dos objetos. Legitimar Urbano como um colecionador e seus objetos como coisas colecionáveis é colocá-los no espaço das discussões públicas. Desse modo, é preencher de questões públicas o espaço público, reproblematizando e redimensionando, com questões como a aposentadoria, a velhice, o consumo desenfreado, o descarte cada vez mais voraz. Ainda que seja cada vez mais difícil enxergamos um projeto emancipatório na sociedade contemporânea, colocar essas temáticas em debate é abrir mão do esvaziamento da esfera pública e dos projetos individualizantes e midiáticos12.

Urbano, o enciclopedista e colecionador visionário do desmanche?

Para Marx, assim como para os operários sobre os quais ele escreveu, não havia “meras” coisas.
As coisas eram os materiais – as roupas, as roupas de cama, a mobília – com os quais se construía uma vida; elas eram o suplemento cujo desfazer significava a aniquilação do eu.
(Stallybrass, 1999, p. 105)

31Pomian (1984, p. 72) argumenta que um objeto, para ter uma atribuição de valor, necessita ser útil ou carregado de significado. “Os objetos que não reúnem nem a primeira nem a segunda destas condições são privados de valor; de fato, já não são objetos, são desperdícios”. Nesse sentido, o próprio autor nos aponta uma das chaves de leitura para entender os objetos da coleção de Urbano: socialmente eles são “desperdícios”, individualmente eles são carregados de significado e são considerados “preciosos” como peças de um colecionador. O autor argumenta que essa preciosidade diz respeito à valoração representativa do invisível e que tais objetos “preciosos” participam, desse modo, de um lugar superior e fecundo. No entanto, socialmente, esses objetos, ainda que não tenham utilidade para grande parte da sociedade, também não apresentam nenhum tipo de significação a não ser a falta de uso, ou seja, são “desperdícios” ou restos.

32É interessante nesse sentido, acompanhar a discussão que Gonçalves apresenta acerca da retórica da perda que pode nos esclarecer sobre esse aparente paradoxo do personagem, ou seja, guardar aquilo que é produzido para o descarte. O autor argumenta que as narrativas nacionais que são engendradas para classificar objetos na categoria de patrimônio cultural trazem um duplo aspecto: “desaparecimento e reconstrução imaginativa, perda e apropriação, dispersão e coleção, destruição e preservação, contingência e redenção”. (2002, p. 30) Assim, esses processos que não podem ser problematizados de forma separada ou mesmo dicotômicos.

33Dessa forma, poderíamos dizer que o que mantém a lógica de preservação e entendimento das coleções de inutilidades de Urbano seria uma recorrência acerca da redundância do ato de coletar e preservar aquilo que deveria ser descartado. “Uma ruína é algo que desaparece. Paradoxalmente, é algo que não é mais. Foi, certa vez, parte de uma totalidade. Ao mesmo tempo, convida a uma permanente reconstrução”. (Gonçalves, 2002, p. 114) Urbano, ao não abrir mão dos objetos que representam inventários exaustivos e enciclopédicos das coisas do mundo, guarda entre suas variações e particularidades aquilo que poderia ser classificado como restos e como redundâncias. O personagem engendra mais os discursos acerca das coisas que podem morrer do que as próprias coisas em si. (Maciel, 2009)

34“Tudo guardar, nada jogar fora” nos ajuda também nessa reflexão. Jeudy (1990, p. 64) argumenta que, mais do que os sentidos que o objeto carrega, é o relato, a história que ele pode transmitir que é nova. Transmitir, então, a história dos homens, principalmente a partir do desperdício e da representação do consumo voraz e acelerado, é para nós a tarefa de Urbano, o colecionador-símbolo da contemporaneidade: o colecionador da sociedade do desmanche. Mas é também recuperar e atualizar os processos de interação contidos nos objetos, ou seja, se eles, no espaço das mercadorias, na modernidade sólida, tiveram um valor de troca, qual o seu sentido como referência no circuito do desmanche? Se isso for possível, estaríamos diante de um discurso redentor para parafrasear Reginaldo Gonçalves? Ou devemos ficar atentos ao que já preconizava Abraham Moles, em décadas anteriores do século passado:

  • 13 A esse respeito é interessante fazermos referência ao filme de animação Wall-E (2008) que narra a t (...)

Parece que esta invasão pelos objetos, a poluição do mundo pelas formas sólidas que o homem realiza, deve se tornar um problema fundamental na sociedade futura. A imagem do “pronto para jogar fora” impõe-se como uma das suas imagens-chaves, da qual o psicanalista se serve para analisar o conjunto social. Uma teoria da eliminação dos produtos fabricados pelo homem é exigida, se se sonha que o cidadão da cidade atual dissipa cerca de um quilograma de lixo por dia (dos quais 30% são embalagens) nas lixeiras. (Moles, 1981, p. 182)13

35Outro tipo de resposta a esse impasse se encontra no que eles, os objetos, podem representar, e diz respeito metaforicamente ao próprio colecionador. Ou seja, se “sempre colecionamos a nós mesmos”, o velho como uma categoria social não pode mais ser ignorado frente aos números cada vez mais expressivos de envelhecimento da sociedade brasileira. Em 2009, segundo o levantamento efetuado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), a população girava em torno de cento e noventa e um milhões e oitocentos mil habitantes e já contava com vinte e um milhões de habitantes de sessenta anos ou mais de idade. Entre o período de 1999 a 2009, este conjunto da população passou de 9,1% para 11,3%, demonstrando que este grupo vem ocupando um lugar de destaque na sociedade brasileira. (IBGE, 2010)

36Mas as coleções de objetos que um dia foram mercadorias significam a sua inclusão no espaço das trocas de uma sociedade em que os indivíduos, para a produção, tinham um lugar com endereço fixo, ou seja, esses objetos ainda falam de um trabalho, mas e agora? Trabalho que é tão desperdiçado quanto aqueles que os produziram? De espaços que somente nos remetem aos templos do consumo? Qual o “regime de valor” (Appadurai, 2008) que se funda em nossa sociedade e em que poderíamos legitimar Urbano e seus objetos não mais como mercadorias, mas como “coisas” ou artefatos que são representações materiais de uma cultura industrializada? A esses objetos colecionados não é permitido o retorno ao seu estado natural de mercadorias. No entanto, essas coleções de inutilidade não podem significar desvios de rota? Transgressões às avessas, ou possibilidades de auferir novamente um tipo de valor ainda que não seja estético ou carregado de autenticidade ou mesmo de originalidade? As coisas e objetos, segundo Appadurai (2008), podem ser entendidos a partir de seu próprio trajeto sócio-histórico e de uma análise sobre suas formas e usos. Ao se movimentarem, eles nos dizem acerca dos indivíduos e da sociedade dando a eles um significado.

“É o objeto que nos pensa” [...] Trata-se claramente de uma relação mágica que contém o reverso de nossas projeções. O objeto absorve todas as posições do sujeito, para devolvê-las como espelho de suas intenções. E, para nos resguardar dos eventuais sortilégios do objeto, nós o botamos no museu. (Jeudy, 2005, p. 47)

  • 14 Em uma das tiras, por exemplo, Urbano, no banco da praça com sua coleção de prospectos, informa aos (...)

37Pensá-las como signos que são contemporaneamente significa atribuir aos objetos um possível status de capacidade de transmissibilidade de algo passível em conservar lembranças para aqueles que ainda não nasceram ou mesmo desconhecem as possíveis funções que esses objetos conservam quando são evocados14. Significa também acreditar que Urbano, ao imprimir esse status em seus objetos de coleção, os simboliza como socialmente úteis tanto para ele como para o seu próprio grupo. É nesse sentido que alguns cuidados que os objetos sofrem, tais como acondicionamento, catalogação e indexação, por exemplo, contribuem para enxergarmos os mesmos como produtos de um determinado trabalho, o do colecionador que imprime aos “objetos inúteis” uma singularidade valorativa ao fixar neles um atributo de valor igualitário. Cada objeto das diversas coleções apresentaria um valor idêntico entre si, ainda que sejam materialmente diferentes, representando o resultado produtivo do trabalho de um colecionador que investiu tempo de trabalho nas diversas funções executadas e descritas acima:

[...] Ora, a história de sua valorização” é a história de qualquer coisa, porque une magicamente os relatos da vida psíquica mais individual ao movimento projetivo do sincretismo simbólico. O valor é o dizer do objeto devolvido como um espelho ao indivíduo e à coletividade. (Jeudy, 1990, p. 65)

38Assim, se as coleções de inutilidades representassem um valor de trabalho ainda que de um pequeno grupo, é possível que elas passem a representar uma nova possibilidade de coleções de objetos “úteis” que se convertam em signos abstratos de produtividade material e recuperem também a relação estabelecida entre homens e natureza.

39Desse modo, a discussão acerca da patrimonialização das coleções de objetos de Urbano, o Aposentado pode demandar outro tipo de reflexão, tendo em vista que repensarmos o trabalho investido nesse tipo de tarefa e o valor investido pelo colecionador é o que faz jus ao estatuto desses objetos.

40A ideia da mistura, uma ideia meio que desorganizada, meio que caótica, vai ao encontro do controle e da ordenação do mundo a partir dos objetos de coleção de Urbano. Guardando-se as proporções, poderíamos enxergar no seu projeto menos que um retorno a um “gabinete de curiosidades”; seria mais a criação ou reinvenção de um “teatro da memória” contemporâneo.

41Como resolver sobre se as coleções de Urbano têm valor de uso e valor de troca aparente? A não ser o estatuto dado pelo próprio dono? O uso do olhar e do evocar lembranças seria suficiente? Voltar aqui à resistência das coisas, ao mundo que recicla objetos e legitima o idoso cada vez mais como uma categoria social? (Ribeiro, 2011)

42O valor dado pela resistência, como um dado ideológico, seria então uma resposta suficiente para a contemporaneidade? Ou seja, vemos cada vez mais objetos retirados do circuito, inclusive os objetos do desmanche, sendo valorados e alçados a uma categoria até que mereçam, alguns deles pelo menos, o retorno ao circuito no espaço da reciclagem e se tornem mercadoria. Urbano, como ícone do descarte, transforma-se então em um projeto do novo capital? Transforma-se ainda em uma representação de intermediação do desmanche e do circuito das mercadorias? A velhice ressignificada com seus objetos traz o passado (e seus objetos inúteis) não mais apenas como referência de lembranças, não mais apenas a ser exposto e olhado pelos humanos, mas como produto a ser novamente consumido (reciclado), representação icônica da contemporaneidade.

43Pomian (1984, p. 67) diz que a interpretação da história das coleções contemporâneas ainda está por se fazer. É nesse sentido que buscamos pensar Urbano, o Aposentado, o colecionador de inutilidades, engendrando um tipo de linguagem que lhe possibilita relacionar-se com o invisível, unindo quando possível passado e presente, evocando aqueles que se foram ou as coisas que teimam em desaparecer. Assegurar essa capacidade linguística de interação de coisas, pessoas e acontecimentos em tempos e em espaços diversos torna Urbano capaz de enunciar o escondido, o mundo submerso de “coisas que ninguém viu”:

A necessidade de assegurar a comunicação linguística entre as gerações seguintes acaba por transmitir aos jovens o saber dos velhos, isto é, todo um conjunto de enunciados que falam daquilo que os jovens nunca viram e que talvez jamais verão. A linguagem engendra então o invisível, porque o seu próprio funcionamento, num mundo onde aparecem fantasmas, onde se morre e acontecem mudanças, impõe a convicção de que o que se vê é apenas uma parte do que existe. A oposição entre o visível e o invisível é antes de mais a que existe entre aquilo de que se fala e aquilo que se percebe, entre o universo do discurso e o mundo da visão. (Pomian, 1984, p. 68)

  • 15 Para Marshall (2005), a relação entre o colecionar, o colocar em ordem e enunciar um discurso press (...)

44No entanto, o próprio autor argumenta que a linguagem não é suficiente para garantir a relação entre representação e objetos. Mas a linguagem ajuda a tornar essa relação atuante e politicamente engendrada para mover algumas instituições, por exemplo. Assim, as coleções do desmanche podem prenunciar um ato de celebração e fazer de Urbano um intermediador não somente entre o mundo da visibilidade e da invisibilidade, mas um personagem que transmite, a partir dessas coleções, um tipo de resistência às práticas de produção15.

45É interessante deixar que os objetos da coleção de Urbano conversem entre si, talvez dessa forma eles possam auferir o status de documento e saírem do espaço de restos, desperdícios, desmanche. Se eles são capazes de suspender o tempo, de evocar, em alguns momentos, lembranças tais como a chegada do homem a lua, as festas de aniversários dos netos dos amigos, os usos passados dos objetos, as comidas hoje proibidas e saboreadas no passado, como não dar a eles a legitimidade de objetos de coleção? A coleção de inutilidades de Urbano como uma representação imagética, exposta aos olhares dos homens, tem como projeto ser formada de objetos-testemunhos de sua própria história, testemunhos da história da materialidade das coisas, da essencialidade funcional, da incapacidade de retenção da durabilidade no espaço e tempo do circuito das mercadorias.

Coleção de cacos
Já não coleciono selos. O mundo me
enquizila.
Tem países demais, geografias demais.
Desisto.
Nunca chegaria a ter álbum igual ao do
dr. Grisolia,
orgulho da cidade.
E toda gente coleciona
os mesmos pedacinhos de papel.
Agora coleciono cacos de louça
quebrada há muito tempo.
Cacos novos não servem.
Brancos também não.
Têm de ser coloridos e vetustos,
desenterrados – faço questão – da horta.
Guardo uma fortuna em rosinhas
estilhaçadas,
restos de flores não conhecidas.
Tão pouco: só roxo não delineado,
O carmesim absoluto,
o verde não sabendo
a que xícara serviu.
Mas eu refaço a flor por sua cor,
e é só minha tal flor, se a cor é minha
no caco da tigela.
O caco vem da terra como fruto
a me aguardar, segredo
que morta cozinheira ali depôs
para que um dia eu desvendasse.
Lavrar, lavrar com mãos impacientes
um ouro desprezado
por todos da família. Bichos pequeninos
fogem de revolvido lar subterrâneo.
Vidros agressivos
ferem os dedos, preço
de descobrimento:
a coleção e seu sinal de sangue;
a coleção e seu risco de tétano;
a coleção que nenhum outro imita.
Escondo-a de José, por não ria
nem jogue fora esse museu de sonho.
(Carlos Drummond de Andrade)

46Mas esses objetos são ainda testemunhos daqueles que enxergam neles o próprio tempo: candidatos a um mito de origem da contemporaneidade, “autênticos” exemplares da cultura do desmanche. Um tempo que nos remete ao espaço de triunfo do capitalismo, de uma “ética da destruição criadora” (Moles, 1981) ou de um tempo que um “algo a mais” se oculta. (Vieira, 2008)

Notes

1 Segundo Marx (1980), os objetos úteis são aqueles que se tornam mercadorias em decorrência de uma produção de trabalhos privados que, em conjunto, formariam uma totalidade de trabalho social.

2 Para Walter Benjamin (1995), por vezes, o ato de colecionar é exatamente a capacidade que os indivíduos têm, principalmente as crianças, de desencadear processos de vínculos inimaginados; significa mais um processo de desmonte, de desordenação e ressemantização das coisas e das funções que elas anteriormente carregavam (Sanches Neto, 2011).

3 A esse respeito é interessante recuperar Abraham Moles (1981) que discute a ideia da morte de um conjunto de objetos, debatendo, entre outras questões, a (in)capacidade que o objeto tem de desafiar o tempo, a sua obsolescência psicológica e a introdução de uma nova filosofia acerca da materialidade dos objetos: a época tecnológica a partir da fabricação contínua da linha de montagem tem como mote a ideia de que a destruição dos objetos tem como virtude a sua destruição. Esta “virtude” é uma condição que terá de ser aceita pelo consumidor frente à capacidade da indústria de fabricar objetos com uma duração temporal limitada e de fácil reposição pelos consumidores.

4 Bauman (2001), citando Sennett, observa que a cidade é um lugar propício para se deparar com estranhos, cujo encontro é um acontecimento marcado pela ausência de lembranças e projetos de continuidade, ou seja, é um evento no ato e sem passado e sem futuro.

5 Segundo Moles (1972; 1981), um “parque” caracteriza o conjunto dos objetos em situação de “vida”, ou seja, de acordo com a sua função. Nesse sentido, os objetos inúteis de Urbano podem ser vistos em seu extremo como mortos.

6 Bosi chama esses objetos que estão fora de um ordenamento espacial racional de “desparceirados” (2003, p. 29).

7 Esses objetos, sob a ótica problematizada por Bauman (2001), não carregam mais o volume, a solidez, a duração e o peso da sociedade capitalista clássica. Se antes os objetos testemunhavam a força de seus donos, hoje, os objetos são leves, acelerados – como os seus portadores – preferencialmente portáteis e tradicionalmente descartáveis, traduzindo a ideia da instantaneidade e da movimentação ágil.

8 Nessa lista deixamos de lado os objetos coletados e ainda não caracterizados pelo personagem como pertencentes às coleções já “legitimadas socialmente” tais como as de: selos; brinquedos (soldadinhos de chumbo; piorras); cartões-postais; fotografias; monóculos com fotografias; medalhas; instrumentos musicais (maracas; instrumentos de percussão); caixinhas de músicas; ampulhetas; figurinhas de álbuns etc.

9 Bauman (2001) utiliza-se da metáfora de liquidez para apontar que, na atualidade, os poderes estão sendo redistribuídos e realocados. Estes poderes atingiram, segundo o autor, primeiramente as instituições. Posteriormente, foram os padrões de relação, dependência e interação que fizeram com que os indivíduos – agora desapegados, desterritorializados e solitários e com uma “sensação” de liberdade – se confrontassem com esses novos formatos e padrões.

10 Em matéria jornalística no jornal O Globo, de 6 de julho de 2011, tomamos conhecimento de projetos russos e norte-americanos para rastreamento e coleta do lixo espacial em torno da Terra. Segundo as informações jornalísticas, somente de destroços de maior proporção, existem mais de vinte mil objetos na órbita terrestre.

11 Moles (1981, p. 109) discorre acerca de uma “ética do eterno” que representa o homem (principalmente o das classes superiores) que, investido de uma fragilidade frente ao mundo material, vivenciou um estágio em que ele se projetava para o futuro. Dessa forma, buscava construir e deixar para eternidade joias, grandes templos e palácios, enfim, toda uma gama de construções e objetos que pudessem simular um desafio ao tempo.

12 Sob outra vertente, não problematizando o colecionamento como uma prática de acumulação capitalista, Oliveira, Siegmmann e Coelho (2005, p. 11-119), em um instigante artigo intitulado: “As coleções como duração: o colecionador coleciona o quê?” propõem olharmos para essas práticas contemporâneas a partir da ótica da filosofia da diferença ao invés de uma abordagem mais economicista. Aproximando as coleções do espaço da estética, as autoras situam o colecionador como um artista que, ao ser capaz de “atualizar o imemorial”, cria e busca novos arranjos do novo e da memória.

13 A esse respeito é interessante fazermos referência ao filme de animação Wall-E (2008) que narra a trajetória de um robô no futuro, quando a Terra se encontra soterrada pelo lixo. A situação do planeta obriga os governos a tomarem medidas drásticas, traçando um plano de despoluição em que robôs Wall-E ficam responsáveis pela limpeza do planeta por um período de cinco anos, até que a Terra possa ser novamente habitável. Porém, diante da situação insalubre, este período se estende por setecentos anos e, perante a falta de manutenção, apenas um robô Wall-E resiste e permanece em funcionamento. O robô passa a vagar realizando a tarefa para a qual foi programado, ao mesmo tempo em que escuta velhas melodias e coleciona inúmeros artefatos encontrados durante a limpeza. Através dos objetos descartados, Wall-E se aproxima da humanidade e de sua história, reconfigurando o seu próprio mundo. Cf. Ribeiro Leila Beatriz, Costa Thainá Castro, 2010. [Ver também: Ribeiro Leila Beatriz, 2006].

14 Em uma das tiras, por exemplo, Urbano, no banco da praça com sua coleção de prospectos, informa aos amigos o preço de custo de uma torradeira em 1993. Um deles comenta: “Nunca falta assunto quando Urbano traz sua coleção de prospectos!”

15 Para Marshall (2005), a relação entre o colecionar, o colocar em ordem e enunciar um discurso pressupõe a ordenação, o colecionamento e a narração. O autor propõe, ainda, de forma provocadora, que a coleta seletiva realizada pelos “colecionistas-indigentes” das cidades apresenta um “intenso ardor classificatório”.

Auteur

Professora adjunta IV do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Doutora em Ciência da Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ/ Instituto Brasileiro de Informação Científica e Tecnológica – IBICT.
leilabribeiro@ig.com.br
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/4234602401995614