Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Memória e novos patrimônios

 | 
Cécile Tardy
, 
Vera Dodebei

Primeira parte. Abordagens teóricas

Memoração e patrimonialização em três tempos: mito, razão e interação digital

Vera Dodebei

Résumé

Este capítulo discute os modos de transmissão do saber atrelados às condições tecnológicas da sociedade, em que a produção de memórias se daria a partir de três processos memoriais ou de memoração. O primeiro encontra-se diretamente ligado à ideia de dissolução de memórias e pode ser explicitado pela transmissão oral do conhecimento que não gera registros memoriais. Nesse modo, as memórias são de natureza processual, não cumulativa, e se dissolvem quando o grupo social as incorpora e as transforma, cedendo espaço para a criação de novas memórias. Como consequência, não há acúmulo, repetição, origem ou autoria memorial, pois a memória é sempre um único produto, como o exemplo da memória virtual de Henri Bergson.

O segundo modo de produção de memórias é da ordem da soma, da adição, o que significa que a ideia de acumulação faz parte de sua memoração. E, como é de todo impossível possuir a totalidade de lembranças em nossa memória individual, a sociedade cria, com a ajuda da técnica da escrita e dos suportes analógicos, as memórias artificiais que são os objetos auxiliares da memória individual. Desse conceito de acumulação nascem as angústias da perda, da falta, do erro e as consequentes ações de proteção “patrimonial” de lembranças.

O terceiro modo de produção de memórias pauta-se por uma hibridação dos anteriores, quer dizer, um misto de dissolução e acumulação, que pode ser denominado provisoriamente de interação. Neste caso, foi apropriada a ideia de metamorfose da interatividade, de Frederic Kaplan, em que os objetos memoriais são interfaces privilegiadas de um universo digital. Esse modo de produção de memória requer a interação homem-máquina e incorpora às memórias artificiais a chamada memória eletrônica. No ambiente on-line (virtual eletrônico), as lembranças depositadas ou comunicadas, se, por um lado, se dissolvem nos processos de reformatação e autoria coletiva, por outro lado, podem ainda gerar acúmulo, pois as tecnologias atuais possibilitam a reprodução da informação em várias mídias, garantindo a existência de registros tanto analógicos quanto digitais.

A ideia de que vivemos ao mesmo tempo em, no mínimo, dois mundos – um analógico e outro digital – leva a considerar que, em ambos, as memórias e seus valores documentais e patrimoniais são construídos, transitam, deixam rastros e se dissolvem. A noção de patrimônio institucional é recente e, por seu caráter representacional, gera conflitos com a natureza da memória, que é absolutamente virtual. A discussão sobre a memória vir a ser patrimônio e o patrimônio necessitar do processo memorial para se sustentar no tempo indicou o campo de conhecimento denominado memória social como o mais apropriado para colocar em diálogo questões teóricas, metodológicas e conceituais sobre os valores documentais e patrimoniais dos objetos e o comportamento das produções de subjetividade e objetividade em um espaço-tempo mantido por redes eletrônicas de comunicação. A questão da memória ainda não está em jogo, por ser de natureza virtual. Ao contrário da noção de patrimônio, que, por ser de natureza representacional, está atrelada ao documento e à sua reprodutibilidade.

Texte intégral

Os tempos da memória

1Memória e patrimônio são dois temas que vêm ganhando presença cada vez mais intensa nos meios de comunicação contemporâneos. Dos livros e artigos científicos veiculados em mídias tradicionais aos blogues construídos no espaço ubíquo da web, estudos sobre memórias on-line e patrimônio digital ganham destaque. No entanto, pouco tem sido investigado empiricamente sobre criação, manutenção e dissolução de registros de memórias e de bens patrimoniais na web. Mais escassas ainda são as elaborações teóricas que tratem especificamente das relações entre as práticas memorialistas e patrimoniais e as mídias eletrônicas.

2De acordo com a proposta geral desta obra, o objetivo deste capítulo é colocar em diálogo conceitos já consolidados nos campos da memória e do patrimônio com aqueles inerentes aos campos da computação, informação e comunicação. Dito de outro modo, a intenção é a de verificar como conceitos criados em ambiente analógico se comportam, se adaptam e se transformam quando transpostos para o ambiente virtual. É importante ressaltar que o ambiente virtual opera apenas com números; portanto, quando os registros memoriais e patrimoniais deixam o mundo analógico das sensibilidades corporais transformam-se em representações numéricas que potencialmente possuem significado.

  • 1 Curva de Koch: se considerarmos cada passo, notamos que, para passar de uma linha para a seguinte, (...)

3Memória e patrimônio constituídos no ambiente virtual são sempre mediados por objetos informacionais. Esses objetos ou códigos numéricos se metamorfoseiam em imagens que são seus substitutos. Todo este processo de “vestimenta” dos códigos é feito por programas computacionais, construídos em sua maioria para permitir que as pessoas se comuniquem. A vestimenta dos códigos numéricos funciona como nossa pele que nos confere identidade. Quer seja por símbolos visuais criados para a escrita textual ou figurativa, quer seja por símbolos sonoros, nos comunicamos eletronicamente por números. Nossa epígrafe é uma equação fractal que nos serve como exemplo da estrutura matemática da informação1.

4Durante quase vinte séculos, a cultura ocidental considerou as dimensões tempo e espaço como atributos independentes e, portanto, nos habituamos a pensar que os espaços são fixos e que o tempo é linear, caracterizando o passado, o presente e o futuro (Dodebei, 2000). Com a ciência contemporânea, fomos obrigados a repensar esse estatuto do tempo e do espaço e instados a buscar outras explicações que dessem conta dessa nova “desordem” característica do ambiente caótico no qual estamos imersos ao considerar o mundo informacional em que vivemos. Identificamos que o conceito de “acontecimento” desenvolvido pelos estoicos e exemplificado por Deleuze (1974, p. 6) pode nos ser útil para compreender a circularidade do tempo, como a seguir: “Só o presente existe no tempo e reúne, absorve o passado e o futuro, mas só o passado e o futuro insistem no tempo e dividem ao infinito cada presente. Não três dimensões sucessivas, mas duas leituras simultâneas do tempo”.

5Essa concepção sobre o tempo e suas consequências para o estatuto da memória eclode com o advento das redes eletrônicas e do fenômeno da globalização, que vêm atualizar o discurso sobre a circularidade do tempo e a virtualidade do espaço, ao destacar o presente como única possibilidade temporal, da mesma forma que pensado pelos estoicos. O espaço virtual e o tempo real passam a fazer parte da vida cotidiana das pessoas, evidenciando a função da técnica midiática em nos manter no tempo presente e no espaço ubíquo.

6No entanto, a sensação de que estamos presos ao tempo presente pode também ser ilusória, quer dizer, imaginamos viver apenas o presente, mas, de fato, ele está sempre nos escapando. As relações sociais representadas por redes que se conectam a uma velocidade só possível pelo avanço da tecnologia da comunicação e informação vêm nos revelando que os tempos clássicos que configuravam a memória (passado-presente-futuro) estão sendo percebidos de maneira peculiar na atualidade. Ao contrário da presentificação do tempo, podemos ter a sensação – como já nos indicava Walter Benjamin (1985) sobre a perda da experiência com o advento da informação – de que não interessa vivenciar o presente em sua intensidade. Pois, hoje, mais vale registrar, “clicar” o momento presente para comunicá-lo e socializá-lo nas redes, resguardando assim o que já passou, do que imergir na ação da qual se está participando e retê-la na memória individual. Todos se registram por suas câmeras fotográficas em tempo integral e compartilham essas imagens com seus “amigos” e “seguidores”. Quer parecer-nos, então, que a preocupação de uma grande parcela das sociedades contemporâneas se encontre mais fortemente ancorada no binômio passado-futuro ao evitar a experiência do presente.

7Não é por outra razão que a fotografia, por exemplo, é um dos principais artefatos que têm um elevado poder de evocação de lembranças. A técnica ou reprodutibilidade técnica (analógica e digital) coloca, em frações de segundos, a mesma imagem na caixa digital de centenas de milhares de pessoas que estão conectadas em rede de comunicação eletrônica. A tecnologia nos permite, assim, perceber o tempo e o espaço de maneiras singulares. Pensamos que o que acontece com a memória é algo semelhante à percepção que temos do tempo. Se guardamos uma experiência vivida em nossa memória pessoal, esta experiência é sempre da ordem do presente, porque o estado ou a qualidade da memória é o movimento, a constante atualização de informações/lembranças. A virtualidade da memória, conforme nos indica Bergson (1999), impõe-nos sempre o presente e nos impossibilita identificar o passado. Quando registros técnicos – representações de memórias interiores/naturais – são criados, suas existências são possibilitadas pela tecnologia disponível em determinado tempo e espaço. Nesse sentido, as memórias externas, artificiais, auxiliares ou exomemórias formadas por esses registros podem ser consideradas materiais do passado.

8Os registros técnicos, restos, rastros, traços ou vestígios memoriais (designações que variam conforme o ponto de vista teórico empregado) constituem, em sentido amplo, os arquivos. Neste momento, importa compreender a influência da técnica midiática na constituição das exomemórias, além de compreender como essa influência transforma a própria construção da memória. Deste ponto em diante, podemos distinguir memória, sempre virtual, de registros memoriais, que habitam as memórias externas/artificiais.

9Os objetos, considerados como informações individuais, podem ser representados por fotografias pessoais, filmes, peças arqueológicas, museológicas, bibliográficas, arquivísticas, ou mesmo peças imaginárias. As narrativas, compreendidas sob uma perspectiva plural ou coletiva, seriam representadas por exposições, mostras, textos literários, entrevistas. Objetos e narrativas não são mutuamente excludentes, o que poderá gerar o conflito já amplamente discutido no campo da memória sobre sua condição de subjetividade e coletividade. Quando o conceito de lembrança é transposto do nível individual para o coletivo, a operação feita é de natureza metafórica: memória nacional, memória religiosa, memória literária. A memória pode ser estudada então do ponto de vista individual, o que é objeto principal das neurociências, e pode ser compreendida do ponto de vista de uma construção social em que grupos sociais criam um passado compartilhado com a ajuda do contexto social, das mídias.

  • 2 A expressão usada por muitos autores é reconstruir e reapresentar. Eu prefiro retirar a partícula “ (...)

10Os diferentes modos de “lembrar” correspondem a uma grande disputa de opiniões no campo dos estudos sobre a memória. Maurice Halbwachs (2004), ao opor história e memória, leva-nos a compreender que a primeira diz respeito apenas ao passado (morto) e a segunda reflete um presente (vivo). Essa polaridade faz com que Pierre Nora apresente “os lugares de memória” como uma possibilidade (inter) mediada entre a história e a memória. Podemos considerar que existem diferentes modos de lembrar a partir das diversas culturas. Esse enfoque parte do pressuposto de que o passado não está dado, mas, ao contrário, deve ser continuamente construído e apresentado2.

11Com certeza, o legado de Maurice Halbwachs é indiscutível, inicialmente por ter cunhado a expressão “memória coletiva”, mas também por ter iniciado as discussões dos “quadros sociais da memória” (1925) em que os conceitos de memória individual e memória coletiva se apresentam em disputa. Com seus estudos sobre as memórias familiares, Halbwachs (2008) alimenta as posteriores discussões sobre a história oral; com sua pesquisa sobre a memória de comunidades religiosas, ele acentua os aspectos topográficos da memória, antecipando, assim, a noção de “lugares de memória”. (Nora, 1993)

12Paul Ricoeur afirma que o objeto da memória é, certamente, a lembrança (mnme = que); que a recordação (anamnesis = como) é o processo de busca dessa lembrança; e que o importante não é quem se lembra, mas o que é lembrado. Ao suavizar o quem das preocupações com o estatuto da memória, Ricoeur nos livra da tensão permanente entre memória individual e memória coletiva. Vale ressaltar que não é intenção do autor eliminar uma ou outra memória, vinculada ou ao indivíduo, ou ao coletivo. Está claro, na introdução de sua obra, que o caminho a percorrer vai do “o quê?” ao “quem?” passando pelo “como?”, isto é, da lembrança à memória refletida, passando pela reminiscência. (Ricoeur, 2007, p. 24)

13A memória pode ser também compreendida sob uma dimensão cultural, o que a aproxima do contexto digital contemporâneo, ao abarcar fronteiras de outras disciplinas que têm o passado como material de estudo, como a história, a arqueologia, as ciências da informação. Astrid Erll apresenta uma genealogia e as ramificações dos estudos sobre memória cultural que, na verdade, compõem a obra organizada por ela e por Ansgar Nünning. Essa genealogia representa o domínio dos estudos sobre a memória que, embora remontem a Platão e Aristóteles, têm seu desenvolvimento pleno no século xix, alcançando o boom (Huyssen, 2000), ou a boulemie mémorielle (Nora, 1997) nas últimas décadas do século xx. O conceito de Pierre Nora (1993, p. 1-78) dos “lugares de memória”, por exemplo, muito ajudou a consolidar a metáfora de uma memória coletiva, assim como o conceito de memória cultural (kulturelles Gedächtnis) defendido por Jan e Aleida Assman (2008), que enfatizam a contribuição de Halbwachs sobre seus estudos de comunidades cujas memórias pudessem alcançar centenas de anos, o que representa uma forte ligação com a cultura.

14Sob a perspectiva da mediação memorial e patrimonial de objetos/narrativas existentes em ambiente virtual, não podemos deixar de considerar a ideia de “memória mediada” proposta por Jose van Dijk (2007). O conceito procura entrelaçar o social e o individual e enfrentar as modalidades contemporâneas de estabelecimento de vínculos entre o passado e o presente. O pressuposto de Dijk é que os artefatos individuais estão inseridos em modos (compartilhados socialmente) de registrar e rememorar o passado. Tais modos estão, por sua vez, estreitamente relacionados às mídias utilizadas. Fotografias ou imagens em movimento do núcleo familiar evidenciam uma prática compartilhada de viver o presente. Essa autora reconhece a importância de Halbwachs para a fundamentação de um campo de saber sobre a memória, porém propõe um modelo teórico que transcende o pai fundador da sociologia da memória. As obras de Henri Bergson e Gilles Deleuze (1999, 1988 e 1999) constituem-se em pontos importantes de sua abordagem, que procura estabelecer relações com o campo da psicologia cognitiva. A partir deste diálogo teórico emerge um modelo que trata também da possibilidade criativa nos registros da memória, mas que se propõe a uma investigação de caráter cultural, ampliando as premissas de Bergson e Deleuze. (Dijk, 2007, p. 127-129)

15Para incluir todos os adjetivos impostos à memória, entendemos que seu campo de estudos pode ser nomeado “memória social”. Mas entendemos também que a memória (quer seja coletiva, cultural ou social, mediada ou virtual) é uma abstração do pensamento e uma metáfora da suposição que fazemos de nossa memória individual. No máximo, poderíamos afirmar que essas memórias são uma extensão imaginada de nossa memória individual. (Dodebei, 2005, p. 27-39)

16Posta essa questão, levantamos a seguinte hipótese: se os modos de transmissão do saber estão atrelados às condições tecnológicas da sociedade, a produção de memórias se daria a partir de três processos memoriais ou de memoração. O primeiro está diretamente ligado à ideia de dissolução de memórias, que pode ser explicitado pela transmissão oral do conhecimento que não gera registros memoriais. Neste modo, as memórias são de natureza processual, não cumulativa e se dissolvem quando o grupo social as incorpora e as transforma, cedendo espaço para a criação de novas memórias. Assim, não há acúmulo, repetição, origem ou autoria memorial, pois a memória é sempre um único produto, como o exemplo da memória virtual de Henri Bergson (1999). O segundo modo de produção de memórias é da ordem da soma, da adição, o que significa que a ideia de acumulação faz parte de sua memoração. E, como é de todo impossível possuir a totalidade de lembranças em nossa memória individual, a sociedade cria, com a ajuda da técnica da escrita e dos suportes analógicos, as memórias artificiais que são os objetos auxiliares da memória individual. Deste conceito de acumulação nascem as angústias da perda, da falta, do erro e as consequentes ações de proteção “patrimonial” de lembranças. O terceiro modo de produção de memórias pauta-se por uma hibridação dos anteriores, quer dizer, um misto de dissolução e acumulação, que arriscaríamos denominar provisoriamente de interação. Seguimos, neste caso, a ideia de metamorfose da interatividade de Kaplan (2009) em que os objetos memoriais são interfaces privilegiadas de um universo digital. Este modo de produção de memória requer a interação homem-máquina e incorpora às memórias artificiais a chamada memória eletrônica. No ambiente on-line (virtual eletrônico), as lembranças depositadas ou comunicadas se, por um lado, se dissolvem nos processos de reformatação e autoria coletiva, por outro lado, podem ainda gerar acúmulo, pois as tecnologias atuais possibilitam a reprodução da informação em várias mídias, garantindo a existência de registros tanto analógicos quanto digitais.

17Para demonstrar nossa hipótese, traçaremos uma síntese do pensamento de autores que, direta ou indiretamente, utilizam essa argumentação, ao analisar a criação e a circulação de registros memoriais. Os meios de memória são considerados discursos de natureza espaço-temporal já clássicos na literatura historiográfica e das ciências sociais, como indicado nas obras de Leroi-Gourhan (arqueólogo) e Jack Goody (antropólogo social), citados por Jacques Le Goff (historiador medievalista) em História e memória (Le Goff, 2003), especialmente aqueles relacionados com a oralidade e a escrita. Mas são ainda pouco discutidos no que se refere ao estágio contemporâneo dos registros memoriais em ambiente on-line, exceção feita para as análises de Pierre Lévy (1993, 1998, 2003, 2005, 2007) e para alguns teóricos (Lemos, 2007; Manovich, 2001, 2003, 2008; Kaplan, 2009) que pesquisam os espaços híbridos que combinam ambientes analógico e digital, ou as chamadas interfaces.

18Segundo Le Goff, da Pré-História à Antiguidade, surge a ideia de que a memória, no âmbito da cultura oral, é eminentemente coletiva. A sociedade memorial é representada por homens-memória que têm por função transmitir os conhecimentos práticos, técnicos, de saber profissional. A memória é narrativa, criativa e pauta-se pelos interesses de uma construção generativa dos mitos de origem e dos saberes técnico e mágico-religioso. Com o desenvolvimento da técnica, a memória medieval encontra-se em equilíbrio entre o oral e o escrito. A ideia de reprodução mnemônica e de memória repetitiva se faz presente com a criação de comemorações, monumentos e documentos. O modo de pensar é alterado por esta tecnologia midiática – a escrita – em que nomear é conhecer, gerando nas sociedades novas aptidões intelectuais. Intensifica-se, assim, a consciência do esquecimento e, com ela, a instituição de meios de memória representados por um aumento considerável na criação de arquivos, bibliotecas e museus. Nesta fase, a memória está em expansão; o sentido de acumulação é preponderante ao da dissolução. A era da escrita faz surgir as memórias artificiais, auxiliares, já que é impossível ter homens-memória que absorvam individualmente toda a produção do conhecimento registrado. A memória na idade contemporânea é pouco discutida por Le Goff, que apenas indica ser ela a mais complexa, por acomodar, de certo modo, as características das anteriores com a estrutura dos bancos de dados e da memória eletrônica (dos computadores).

  • 3 Inspirados na obra de Jack Goody, antropólogo social especializado no estudo da estrutura e de muda (...)

19Para Jack Goody, as principais mudanças na estrutura social surgem a partir de três fatores principais. O primeiro foi o desenvolvimento de formas intensivas de agricultura que permitiram a acumulação de superávit – o superávit explicava muitos aspectos da prática cultural, do casamento aos funerais, assim como a grande divisão entre as sociedades africanas e europeias. Segundo, as mudanças sociais podem ser explicadas em termos da urbanização e do crescimento das instituições burocráticas que modificaram ou eliminaram formas tradicionais de organização social, como a família ou a tribo, passando-se a identificar civilização com “cultura da cidade”. E, em terceiro lugar, Goody atribuiu grande peso às tecnologias da comunicação como sendo instrumentos de mudança psicológica e social. Ele associou a era da escrita com a tarefa de gerenciamento do superávit. Em um importante artigo com Ian Watt (Goody e Watt, 1963), o antropólogo social defende a tese de que o desenvolvimento da ciência e da filosofia na Grécia clássica foi fortemente influenciado pela invenção de um sistema eficiente de escrita, ou seja, do alfabeto3.

20Pode-se, assim, inferir que o sentido de acumulação de qualquer tipo de bem social inicia-se com o seu excesso, em termos econômicos, com o superávit. A representação desses bens propiciada pelo sistema de escrita faz com que tenhamos a sensação de poder acumular tudo que produzimos, deixando-nos com a impressão de que aquilo que nos escapa é esquecido ou perdido, o que aponta para uma falha ou, no mínimo, uma situação indesejável. Somos educados para não esquecer, o que é contrário ao funcionamento de nossa memória individual, por exemplo. O escritor Jorge Luís Borges (2000) e Viktor Mayer-Schönberger (2007) nos dão bons exemplos dessa falácia de tudo lembrar.

21Borges, no conto Funes, o memorioso, nos indica que lembrar todos os segundos de uma existência é impedir a própria condição de existir, como observado por Irineu Funes, “[...] o presente era quase intolerável de tão rico e tão nítido [...] minha memória, senhor, é como o despejadouro de lixos”. Mayer-Schönberger, ao discutir sobre a arte de esquecer na era da computação ubíqua em seu preprint do repositório da Harvard University, diz:

Como seres humanos, temos a capacidade de lembrar e de esquecer. Durante milênios, esquecer foi fácil e lembrar foi difícil. Em princípio, esqueceríamos. A tecnologia digital inverteu essa condição. Hoje, com espaço de armazenamento economicamente acessível, recuperação fácil e acesso global, o ato de lembrar se tornou o padrão, quer seja para o indivíduo, quer seja para a sociedade. Armazenamos nossas fotografias digitais sejam elas boas ou ruins – porque até escolher quais eliminar demanda tempo demais, e mantemos versões diferentes dos documentos em que trabalhamos, para o caso de necessitarmos de uma delas. A Google salva cada busca realizada e milhares de câmeras de vigilância registram nossos movimentos. (Tradução livre da autora)

  • 4 Halbwachs, ao discorrer sobre a oposição entre memória coletiva e história, usa menos o argumento d (...)

22A obra de Pierre Lévy (2005, p. 123) sobre a cultura digital nos apresenta também a mesma estrutura de pensamento encontrada nos autores da história e da antropologia, ao considerar que à dimensão do espaço/tempo soma-se a dimensão da técnica. E que ambas podem ser compreendidas, tal como o continuum de Halbwachs4, em três polos do espírito: o da oralidade primária (mito), o da escrita (teoria), e o da informática-mediática (simulação). Esses polos não se configuram em eras porque transitam e acontecem ao mesmo tempo, em graus diversos de intensidade e de manifestação explícita.

23Lévy, no quadro comparativo que traça para os três polos, usa os atributos tempo, pragmática da comunicação, memória social e formas de conhecimento. Mas, em nenhum momento, o autor pressupõe o domínio de um polo sobre o outro. Ao contrário, indica que o uso de determinado tipo de tecnologia intelectual, seja o mito, a teoria ou a simulação, coloca ênfase particular em certos valores, certas dimensões da atividade cognitiva ou da imagem social do tempo, que se tornam mais explicitamente tematizadas e ao redor das quais se cristalizam formas culturais particulares. Ernst Cassirer (2000, p. 19), por sua vez, ao analisar as conexões entre língua e mito, considera também o espaço mítico não como uma era, mas como um modo de ver, uma forma simbólica que, embora irrompa com maior força nos tempos mais antigos da história do pensamento, nunca desaparece por inteiro. É esta a nossa intenção ao referirmo-nos ao quadro de Lévy.

24Resta, nesta introdução, enfatizar que a questão patrimonial – valor patrimonial atribuído a lembranças – é discutida considerando-se cada um dos tempos memoriais propostos por nossa hipótese. Nossa intenção é a de compreender as relações entre memória e patrimônio, principalmente em dois processos interligados: a memória em seu vir-a-ser patrimônio e a memoração necessária a um patrimônio instituído. Vale ressaltar que a periodização dos tempos da memória é feita apenas para fins de análise do fenômeno, pois compreendemos, assim como os autores citados anteriormente, que os meios de memória ou técnicas midiáticas que favorecem sua transmissão, manutenção e dissolução podem ser concomitantes aos espaços-temporais considerados, além de existirem em graus variáveis de persistência.

Oralidade mítica e dissolução da memória: patrimônio como herança

25Vernant (2000) nos explica que um mito, pontualmente um mito grego, é um relato. A maneira pela qual esses relatos se constituíram, se transmitiram e se atualizam na memória social pode ser compreendida pelos textos que só chegaram a nós dispersos e fragmentados, à exceção das obras literárias como a Ilíada e a Odisseia. À reunião dessas tradições múltiplas deu-se o nome de mitologia grega. A diferença entre o relato mítico e outros tipos de relatos, por exemplo, o literário, o histórico, pode ser evidenciada sob alguns aspectos. O primeiro deles diz respeito à autoria. Segundo Vernant, o relato mítico não resulta da invenção individual nem da fantasia criadora, mas da transmissão da memória. Assim, o mito só vive se for contado, de geração em geração, na vida cotidiana, e as condições de sua sobrevivência são, exatamente, a memória, a oralidade, a tradição. O segundo aspecto é relativo a sua integridade informacional ou unicidade. O mito não está fixado numa forma definitiva. Esta vai variar, sempre, em decorrência do agente – o “contador de estórias”, o aedo – ou do processo – a transmissão – a qual incorpora novas analogias e abandona outras, tecendo-se, assim, um continuum formado por lembranças e esquecimentos sempre atualizado na memória coletiva. O mito sempre comporta variantes, versões múltiplas que o narrador tem a sua disposição, e que escolhe em função das circunstâncias, de seu público, de suas preferências, podendo cortar, acrescentar e modificar o que lhe parecer conveniente.

  • 5 Cf. em Vernant (2000, p. 19) o nascimento de Chronus, filho de Gaia e Urano, que instaura o tempo n (...)

26A terceira diferença do mito com relação a outros relatos pode ser vista a partir da perspectiva do espaço/tempo. As musas, filhas de Mnemosyne (memória), têm por tarefa a apresentação da criação do mundo desde que ao Kháos (Caos) se contrapôs Gaia. Gaia, ou a Terra, é nítida, firme e estável, significando o oposto do Caos, embora tenha emergido dele. E é nela que os deuses, os homens e os bichos podem viver com segurança, iniciando-se, assim, a estória das origens. No entanto, a origem do cosmos relatada pela mitologia5 não deve ser vista em um quadro de sucessão no tempo, como diz Vernant (1973, p. 71-112): “esta gênese do mundo, cujo decurso narram as Musas, comporta o que vem antes e depois, mas não se estende por uma duração homogênea, por um tempo único. Ritmando este passado, não há uma ‘cronologia’, mas ‘genealogia’”.

27Quanto à experiência do que é espacial, a mitologia a representa, além do próprio mito de origem (Caos – instável, infinito, espaço em queda, e Gaia – estável, definida e fixa), pela figura do casal Héstia, simbolizando o centro, e Hermes, contrapondo esse centro com o movimento. Esses polos, mais dinâmicos que opostos, ultrapassam em muito a noção ordinária de espaço e movimento e exprimem o que Vernant denomina de tensão que se observava na representação arcaica do espaço: o espaço exige um centro, um ponto fixo, com valor privilegiado, a partir do qual se possam definir direções, todas diferentes qualitativamente; o espaço, porém, se apresenta ao mesmo tempo como lugar do movimento, o que implica uma possibilidade de transição e de passagem de qualquer ponto a outro.

28A união de centro e movimento aliada à circularidade temporal conduz à ideia de um só conceito: espaço/tempo. E, tal como na mitologia, ele pode ser imaginado como uma dimensão na qual, a partir da leitura do presente, celebram-se os acontecimentos que transitam no passado e no futuro. A função criativa do mito reside, exatamente, no fato de que este pode ser interpretado à luz do quadro conceitual do presente e, embora a oralidade mítica tenha cedido espaço ao polo da escrita, suas características de relato singular (autoria, forma e espaço/tempo) podem ser encontradas na transmissão do conhecimento na atualidade e, consequentemente, na configuração, também atual, da memória social.

29Se nos é fácil compreender a memória como um estado sempre virtual, o mesmo não acontece com a noção de patrimônio, que implica atributos de valor e a preservação desses. No entanto, também é difícil desarticular a noção de patrimônio de outras categorias de pensamento como as de “cultura”, “tradição” e “herança”, como nos apresenta a antropóloga Regina Abreu em seu artigo sobre a emergência do patrimônio genético (2003, p. 30-45). Por essa razão, a contribuição da antropologia é fundamental para a reflexão da evolução ou das perspectivas de conceituação de patrimônio tomado na distância espaço-temporal, conforme a estrutura do discurso apresentado anteriormente sobre os polos da transmissão do saber. Como funcionaria a ideia de patrimônio no polo da oralidade mítica, mantendo-se os seus atributos essenciais de perigo de desaparecimento do bem valorizado e, portanto, de sua salvaguarda para o futuro?

30José Reginaldo Santos Gonçalves (2003, p. 21-29) nos diz que a noção de patrimônio, do ponto de vista antropológico, é milenar, que ela está presente nas sociedades tribais, no mundo clássico e na Idade Média, embora a sistematização dos estudos sobre o tema tenha se constituído em fins do século xviii com a formação dos estados nacionais. O autor mostra que, se o atributo de acumulação for desatrelado do conceito de patrimônio, pode-se entender o patrimônio livre do sentido de razão, o que nos permitiria transitar com essa categoria em outros contextos socioculturais. Segundo o antropólogo, existem muitas sociedades que absorvem o conceito de patrimônio como herança de saberes, mas que não veem na acumulação um sentido de evocação de memória. Os objetos acumulados são de natureza utilitária e, muitas vezes, quando há acumulação, esta é temporária e visa à distribuição, ou mesmo à posterior destruição. Em algumas sociedades, os objetos materiais não são classificados separados de seus proprietários, pois são simultaneamente de natureza econômica, jurídica, moral, mágica, estética, psicológica, sendo, portanto, inseparáveis de totalidades sociais e cósmicas que transcendem a condição do indivíduo. A acumulação parece ser um atributo que, nas sociedades de tradição oral, pode não pertencer ao conceito de patrimônio.

31Se não há acumulação de bens, não há perigo de perda, e não há também necessidade de proteção ou de salvaguarda. Diz ainda o antropólogo que, a exemplo do “mana melanésio”, discute-se a presença ou a ausência do patrimônio, a necessidade ou não de preservá-lo, porém não se discute a sua existência. Esta categoria é um dado de nossa consciência e de nossa linguagem; um pressuposto que dirige nossos julgamentos e raciocínios. O patrimônio, tomado como categoria de pensamento, coloca sua existência na relação exercida pelo outro e, como seu conceito está atrelado aos conceitos de cultura, a ideia de patrimônio pode, no pensar antropológico, assumir diversos contornos semânticos no tempo e no espaço. Isto nos facilita pensar também o patrimônio como pertinente ao mundo virtual, ao menos no sentido da transmissão digitalizada, que é mais compartilhada e não visa, prioritariamente, à acumulação, mas à socialização da informação.

Escrita, razão e expansão memorial: patrimônio como documento

32A característica dominante deste polo de tecnologia de transmissão do saber é a linearidade, considerando a figura temporal em que a circularidade está para a oralidade e os segmentos/pontos configuram, no dizer de Lévy, a era informática-mediática. As fronteiras mais tênues, do ponto de vista do distanciamento temporal em que nos encontramos entre a escrita e a imagética, dificultam nosso pensar sobre uma era que abre mão da história na perspectiva de uma realização, dos vestígios e da acumulação de registros. O retardo, o ato de diferir e a inscrição no tempo se contrapõem ao imediato da transmissão oral e ao tempo real da rede informática-mediática. Mesmo considerando o processo de comunicação nos três polos como sendo hipertextual, a distância entre os hipertextos do autor e do leitor é maior no polo da escrita, o que vai exigir do autor maior objetividade e do leitor maior capacidade interpretativa. Para Lévy, muda também a configuração da memória. Se nos polos da oralidade e da simulação ela só pode ser entendida como construção processual, portanto em movimento constante, na tecnologia da escrita, seu conceito é dependente da possibilidade de crítica ligada a uma separação parcial do indivíduo e do saber, com ênfase no estatuto de verdade.

33Com relação às formas canônicas do saber, o polo da escrita se fundamenta na construção teórica (explicação, exposição, sistemática) e na interpretação, ao passo que a oralidade tem o rito e a narrativa como instâncias do saber; já a informática-mediática se vale da modelização operacional e da simulação. Assim, permanência e significação colorem a transmissão oral do saber; a verdade (crítica, objetividade, universalidade) é dominante no polo da escrita; e a eficácia, pertinência local e mudança, ou novidade, são os atributos do polo da informática-mediática.

34Se a narrativa é a forma dominante de transmissão do saber no polo da oralidade mítica, o documento, com seu estatuto de prova e verdade, é a instituição predominante do saber científico no polo da escrita/razão/teoria. A memória documentada, quer dizer, acumulada em arquivos, bibliotecas, museus, garante a relação de dependência entre documento e memória, mesmo ao considerar que o conceito de documento (Dodebei, 2001, p. 59-66) se fundamenta na existência de valores circunstanciais e temporários atribuídos aos objetos.

35No mundo materializado das representações ou dos registros de memória, a era da tecnologia da escrita identifica-se com a atribuição de valores patrimoniais aos objetos textuais, imagéticos, monumentais, às coleções materiais e simbólicas que Nora nomeou de “lugares de memória”. O desejo de perpetuar a memória, acrescido da reprodutibilidade técnica com a consequente criação dos acervos, fez com que a sociedade produzisse próteses de suas memórias individuais, verdadeiras memórias auxiliares, cada vez mais extensas, diversificadas e até mesmo duplicadas, a exemplo das bibliotecas, dos museus, dos arquivos, dos monumentos históricos, gerando uma ampliação descomunal da capacidade de memória do mundo.

36Segundo Choay (2001), a noção de patrimônio estava, na origem, ligada às estruturas familiares, econômicas e jurídicas de uma sociedade estável, enraizada no espaço e no tempo. Hoje, requalificada por diversos atributos, como se pode acompanhar pela trajetória dos registros do conhecimento sobre esse tema, ela admite uma pluralidade de adjetivos (histórico, artístico, cultural, material, intangível, virtual, digital) fazendo do termo um conceito “nômade”. A instituição patrimonial seria uma invenção moderna, porquanto essa preocupação com a salvaguarda de edifícios e monumentos só é sistematizada em 1837, na França, com a criação da Comissão dos Monumentos Históricos. A manutenção dos estados nacionais nos séculos xix e xx desencadeou o processo de patrimonialização dos bens arquitetônicos, por razões que variavam entre a proteção da arte e a manutenção do poder econômico e simbólico das instituições.

37O processo de institucionalização do patrimônio toma contornos mais expansionistas, do ponto de vista conceitual, após a Primeira Guerra Mundial. Com o intuito de estabelecer uma cooperação cultural entre os povos, a Sociedade das Nações (Bergson, 1919) cria, no ano de 1922, a Comissão Internacional de Cooperação Intelectual (Bergson, 1922), que se reúne pela primeira vez em Genebra, sob a presidência de Henri Bergson. Esta comissão de intelectuais, formada por onze membros titulares e seis assistentes, reunia à época nomes de peso entre filósofos e cientistas: Bonnevie (zoóloga), Curie (física), Bannerjea (economista político), Bergson (filósofo), Castro (médico brasileiro), Destrée (escritor), Murray (filólogo), Reynold (escritor), Ruffini (jurista), Torres-Quevedo (engenheiro eletromecânico) e Einstein (que não compareceu por estar em missão científica no Japão) (Mossé Bastide, 1959). O objetivo da comissão era o de efetuar uma pesquisa sobre as condições do trabalho intelectual em cada um dos países-membros da Sociedade das Nações. O interesse da comissão se estendia à organização internacional da documentação científica (bibliografia corrente e retrospectiva), ao avanço da pesquisa científica, à cooperação internacional na educação, com destaque para as ciências humanas, tidas como pouco articuladas no que concerne à transferência da informação. E, para que se iniciasse uma cooperação internacional, era necessário conhecer o estado da arte da produção cultural dos países. Iniciava-se a era dos inventários da produção intelectual, da criação dos centros internacionais de documentação, da propriedade intelectual e científica em geral, e da proteção dos bens culturais em particular. Parece que Henri Bergson teve grande participação na criação da noção de patrimônio cultural, quando presidiu, entre 1° e 6 de agosto de 1922, a Commission Internationale de la Coopération Intellectuelle, instituição precursora da Unesco, criada em 1945, logo após a Segunda Guerra Mundial.

38De acordo com Choay, somente após a Segunda Guerra Mundial, na década de cinquenta do século xx, é que serão acrescentados às categorias definidas na Comissão dos Monumentos Históricos outros objetos ainda considerados de valor menor, mas já indicando uma ampliação da noção de patrimônio institucional para a sociedade. Aos edifícios religiosos e palacianos acrescem-se fábricas, usinas, teatros, compreendendo os aglomerados de edificações da malha urbana: casas, bairros, aldeias, cidades inteiras e mesmo conjuntos de cidades, agora tomados como coleções de bens patrimoniais.

39Em 1997, a Unesco cria uma nova distinção internacional, intitulada obra-prima do patrimônio oral e imaterial da humanidade6, concedida a espaços ou locais onde são regularmente produzidas expressões culturais e manifestações da cultura tradicional e popular. A criação do título foi a forma de alertar a comunidade internacional para a importância dessas manifestações e a necessidade de sua salvaguarda, uma vez que compõem o “diversificado tesouro cultural do mundo”. A proclamação das obras-primas do patrimônio oral e imaterial da humanidade acontece de dois em dois anos, com a escolha das candidaturas oferecidas pelos países, a cargo de um júri internacional. A primeira, ocorrida em 2001, selecionou dezenove bens. Em 2003, mais vinte e oito itens foram acrescentados à lista das obras-primas da humanidade, entre eles a arte Kusiwa – pintura corporal e a arte gráfica Wajãpi, candidatura preparada pelo Museu do Índio, que retrata a cosmologia e a linguagem gráfica dos índios Wajãpi do Amapá, Brasil. A terceira proclamação ocorreu em novembro de 2005, com mais quarenta e três integrantes da lista do patrimônio oral e imaterial. Mais uma vez o Brasil foi contemplado, com a inclusão do samba de roda do Recôncavo baiano. Em 2011, Yaokwa, o ritual para a manutenção da ordem cósmica e social do povo Enawene Nawe, na Amazônia, Brasil, foi inscrito na lista do patrimônio cultural intangível que necessita salvaguarda urgente.

40No Brasil, as políticas patrimoniais, representadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan7, criado em 1937, consideram um universo diversificado de bens culturais, classificados segundo sua natureza nos quatro livros do Tombo: Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico; Livro do Tombo Histórico; Livro do Tombo das Belas Artes; e Livro do Tombo das Artes Aplicadas. Suas ações, voltadas à identificação, documentação, restauração, conservação, preservação, fiscalização e difusão, estão previstas em legislações específicas sobre cada um dos temas pertinentes ao seu universo de atuação, sejam bens imóveis (núcleos urbanos, sítios arqueológicos e paisagísticos, bens individuais) ou bens móveis (coleções arqueológicas, acervos museológicos, documentais, arquivísticos, bibliográficos, videográficos, fotográficos e cinematográficos). O Decreto n° 3.551, de 4 de agosto de 2000, instituiu o registro, que é o instrumento legal para reconhecimento e valorização do patrimônio cultural imaterial brasileiro. Os bens registrados são inscritos em quatro livros: Registro dos Saberes, das Celebrações, das Formas de Expressão e dos Lugares. Os saberes ou modos de fazer são atividades desenvolvidas por atores sociais conhecedores de técnicas e de matérias-primas que identificam um grupo social ou uma localidade. As celebrações são ritos e festividades associados à religiosidade, à civilidade e aos ciclos do calendário, que participam fortemente da produção de sentidos específicos de lugar e de território. As formas de expressão são formas não-linguísticas de comunicação associadas a determinado grupo social ou região, traduzidas em manifestações musicais, cênicas, plásticas, lúdicas ou literárias. Lugares são espaços onde ocorrem práticas e atividades de naturezas variadas, tanto cotidianas quanto excepcionais, que constituem referência para a população.

41O valor patrimonial é atribuído a objetos que estão sendo criados no presente e que são frutos de manifestações culturais, em sua maioria de natureza artística e coletiva como as artes populares, indígenas, urbanas, das periferias, de comunidades de baixa renda, entre outros. Ou ainda, seguindo o movimento ecológico, o patrimônio conviria também aos espaços naturais como bosques, florestas, fauna, lagos e praias. Essa extensão conceitual fará surgir o patrimônio paisagístico, o genético, o medicinal, entre tantos outros adjetivos que reforçam mais a preocupação com o perigo de perda para a sobrevivência atual da humanidade do que com a herança para gerações futuras.

42A criação do patrimônio denominado imaterial, por conta de sua institucionalização, transformou os objetos memoriais característicos da era mítica, da oralidade, em documentos. Registrar o mito, mantendo-se sua natureza processual transformadora, é uma tarefa, senão impossível, permanentemente inacabada. Se, por um lado, o registro patrimonial garante direitos de autoria, por exemplo, por outro lado, exige constante atualização de registro para a manutenção fidedigna da prática cultural representada.

43O patrimônio do polo da escrita, do documento, caracteriza-se, assim, por uma natureza representacional. O conhecimento é apresentado por seu substituto representacional que, na feição pública, significa conhecimento publicado, disponível para uso – intencionalmente acumulado. Os estoques de informação/memória são o conjunto dessas representações do conhecimento que precisam ser organizados por meio das memórias documentárias. Essas memórias são, por sua vez, construções simbólicas do conhecimento que reúnem cadeias de representações presentes na dinâmica social, desde a produção do conhecimento até sua assimilação, mediadas por uma forma artificial de comunicação.

44Antonio Garcia Gutiérrez alerta para uma das questões mais complexas da formação e manutenção das memórias artificiais que nomeia de “exomemórias” – registros da memória – ao considerar que a intermediação necessária entre os documentos e seus leitores deve pautar-se por uma ética espaço-temporal. O mundo contemporâneo exige, por exemplo, atenção aos princípios da transculturalidade e do reconhecimento das redes de sensibilidade e interpretação transversal que constituem a realidade, a memória e seus mediadores. Como consequência de uma herança positivista (um lugar para cada coisa e uma coisa para cada lugar), a tendência nos processos de representação documentária é a de buscarem-se apenas os significados relevantes, deixando de lado os aspectos menores ou distintos: “temos que nos prover de uma ética sensorial, de equilíbrio e transculturalmente aceitável, que não esqueça as partes da racionalidade e sensibilidade que devem estar presentes na construção da memória registrada”. (Garcia Gutiérrez, 204, p. 31) Suas observações podem ser estendidas ao processo de patrimonialização de objetos, no sentido de que estes devem ser fruto de uma valorização ético-memorial.

Interatividade memorial: patrimônio como informação

45Dizíamos na introdução deste texto que os objetos digitais são essencialmente números e, desta forma, não importa se o objeto patrimoniado, por exemplo, é de natureza material ou imaterial, pois no ambiente eletrônico ele é representado em bits (0/1). A vantagem que podemos observar deste processo de digitalização de objetos nascidos em meio analógico (por exemplo, o plano piloto da cidade de Brasília, capital do Brasil) e daqueles já nascidos em meio digital (o registro das práticas Yaokwa, ritual para a manutenção da ordem cósmica e social do povo Enawene Nawe, na Amazônia, Brasil; a arte fractal) é a de que eles se metamorfoseiam em unidades memoriais digitais que podem ser combinadas e recombinadas, possibilitando a criação de novos objetos. Como, por exemplo, a coleção digital da Unesco denominada Memória do mundo, cuja existência é possível apenas por seu caráter virtual.

46Constituída de bens patrimoniais de natureza material e imaterial, de todas as partes do nosso planeta, essa coleção pretende representar uma síntese dos feitos da humanidade e está disponível na rede mundial de computadores. Uma primeira leitura dos critérios estabelecidos para a seleção dos bens que integram a Memória do mundo nos indica a presença forte do conceito clássico de coleção, pelos adjetivos: raros, excepcionais, geniais, únicos, memoráveis, importantes, significantes, autênticos. Observando os objetos, percebemos que o desejo de colecionar abarca seres humanos, animais, plantas, paisagens, construções. Fazem parte também da coleção fenômenos, propriedades, valores, criações artísticas, históricas e tecnológicas, tradições, crenças e ideias. Várias questões poderiam ser colocadas em relação a esses critérios de seleção. De que se compõe, afinal, a memória do mundo? Quem seleciona os objetos que, isolados, deverão representar a totalidade de sua classe conceitual? Por que um feito, uma paisagem, uma comunidade, uma música, um livro é mais significativo para representar todos os outros de sua categoria?

47Fato é que o processo de digitalização desses patrimônios oferece à humanidade a oportunidade de mapear conceitos materiais e imateriais e de transferi-los para o espaço virtual, onde a memória do mundo é construída já como uma coleção delimitada conceitualmente. Textos, imagens, sons, organizados como em um recorte enciclopédico, podem ser acessados em tempo real por um número cada vez mais amplo de internautas que se apropriam, reformatam e devolvem ao ciberespaço novas informações.

48Mas a natureza do ciberespaço é também caótica por sua constituição ser informacional. Assim, a comunicação pessoa/pessoa (sistema aberto) no espaço virtual sofre os ruídos naturais do mundo analógico e daqueles criados pela interoperabilidade digital – pessoa/computador/pessoa (sistema fechado). O que se deseja enfatizar aqui é que grande parte da comunicação efetuada entre as pessoas, a partir da década de noventa do século xx, depende da interação com o computador. Essa mediação eletrônica nos obriga a dominar a técnica, por um lado, e, por outro lado, nos oferece um universo mítico de experiências simuladas que, de certa forma, compensam a aridez característica dos sistemas fechados.

49Para muitos pensadores do contemporâneo não há memória no ambiente virtual, o que nos apontaria para um futuro insípido e cruel. Hervé Fischer (2008, p. 351-352), em ensaio sobre a arte, afirma que “é preciso escapar da efemeridade fatal da cultura digital que não tem memória. As artes digitais se dissolvem, mal aparecem. Quanto mais sofisticada é uma tecnologia, mais rápido ela envelhece, mais rápido se apaga”. É preciso compreender que o ambiente virtual polvilhado de memórias digitais, mesmo que efêmeras, possibilita a interação com um número expressivo de internautas que podem fruir a obra de arte, interagir com ela, apropriar-se dela e transformá-la, criando, desta forma, uma cadeia de sentidos que se torna independente do objeto original. Se os objetos se fundem em artefatos interativos e, cada vez mais, os objetos eletrônicos se reduzem a interfaces, cabe à sociedade desenvolver meios de disseminação de sentidos.

50Nesse sentido, Pierre Lévy (2007) vem trabalhando no desenvolvimento da memória virtual da inteligência coletiva que diz respeito à construção de uma linguagem artificial denominada IEML (Information Economy MetaLanguage), linguagem em sistema aberto de comunicação no ciberespaço, com o objetivo de facilitar o acesso ao que ele denomina de memória virtual eletrônica. O projeto analisa a arquitetura da memória virtual e considera quatro planos para representar a evolução das tecnologias da informação e comunicação.

51O primeiro plano é denominado de “camada de endereçamento dos bits”, ou interconexão de transistores, e refere-se aos computadores que compõem os pontos de ligação no ciberespaço. É a memória dos computadores ou endereços dos bits, que compreende os sistemas operacionais e os aplicativos, de natureza lógica e aritmética, que tem a década de 1950 como a data de seu nascimento. A segunda camada, “endereçamento dos servidores” ou interconexão entre computadores, é representada pelo protocolo de internet que liga computadores pessoais, comunidades virtuais e proporciona a convergência de mídias digitalizadas. Esta fase é datada em 1980. A terceira camada, “endereçamento das páginas” ou interconexão entre documentos, compreende a esfera pública mundial hipertextual multimídia, significando a criação da world wide web com as ferramentas de pesquisa, navegadores e endereços (URLs – Uniform Resource Locator) e links (HTTP – HyperText Transfer Protocol). A popularização da web é datada em 1995. Além destas três camadas, com as quais já estamos familiarizados, Lévy nos apresenta a “noosfera”, que corresponde à quarta camada adicional da memória virtual e que tem por base a linguagem IEML. A noosfera, no esquema geral da arquitetura da memória virtual, está prevista para funcionar plenamente em 2015, e representa endereços de conceitos (semiographs), conexão entre significados e gerenciamento do conhecimento.

52A memória virtual da inteligência coletiva, projeto internacional coordenado por Lévy junto à Universidade de Ottawa no Canadá, pode ser considerada, de certo modo, a atualização para o ciberespaço do conceito de memória coletiva desenvolvido por Maurice Halbwachs e do conceito de memória pura ou virtual de Henri Bergson. Há, entre os três autores, um interessante diálogo sobre os conceitos de memória e uma curiosidade em relação ao patrimônio cultural. Bergson não só inspirou Halbwachs e Lévy, como foi o filósofo que lançou, como vimos, a noção de patrimônio cultural.

  • 8 Frédéric Kaplan é engenheiro, especialista em inteligência artificial e novas interfaces e designer(...)

53As unidades memoriais digitais permitem também a possibilidade de criar uma história para os objetos, segundo o que Frédéric Kaplan8 (2009, p. 13) denominou de les métamorphoses de la valeur. Para compreender a dinâmica da evolução tecnológica, o autor afirma que é necessário construir não apenas a história dos objetos, mas principalmente sua genealogia, e é essa ação memorial que atribui valor aos objetos. Baudrillard (2009), em sua obra Le système des objets escrita em 1968, diz também que a tecnologia conta a história rigorosa dos objetos e que, de cada transição de um sistema a outro melhor integrado e de cada síntese de funções, surge um sentido independente àquele atribuído aos objetos por quem os criou.

54A constituição de uma história dos objetos (métamorphoses de la valeur) em Kaplan, de seu sentido independente (technèmes) em Baudrillard e de endereços de conceitos (semiographs) em Lévy leva à possibilidade de dissociação do objeto de sua memória, o que vai favorecer a atribuição de valor não ao objeto, mas tão-somente ao seu sentido. Nesse caso, todos os objetos digitalizados e postos em interação com o público permitem não só a apreensão de seu sentido, história ou memória, como também são passíveis de serem reproduzidos em meios analógicos. Esta seria a condição híbrida de produção de memória que requer a interação homem-máquina em ambiente virtual eletrônico, em que as lembranças depositadas ou comunicadas se dissolvem nos processos de reformatação e autoria coletiva e, ao mesmo tempo, podem gerar acúmulo, pois, como vimos, o meio possibilita ainda a existência de registros tanto analógicos quanto digitais.

55Para Virilio (1994, p. 9), o tempo da interatividade memorial substitui os símbolos da linguagem escrita pelos símbolos visuais. Esta ideografia pode ser compreendida pelo que o autor nomeia de lógica da imagem, ou imagética. A imagética habita um espaço-tempo, acrescido de outra dimensão, a velocidade, e pode ser caracterizada por três fases: a era da lógica formal (pintura, gravura e arquitetura), que se conclui no século xviii; a era da lógica dialética (a fotografia, a cinematografia), no século xix; e a era da lógica paradoxal, que se inicia com a videografia, holografia, infografia (informação digitalizada).

56Dentre os tipos de tecnologias de transmissão do conhecimento citados por Virilio, a infografia pode ser considerada como uma espécie de evolução da escrita. Os exemplos são muitos e basta citar o prefixo e- (que significa eletrônico) para encontrarmos e-books, e-musics, e-jogos, e-etc., serviços e produtos culturais disponíveis na maior rede de comunicação da atualidade, a world wide web. Aliada aos demais signos imagéticos, a infografia, ainda que constituída pela língua natural, ultrapassa a escrita convencional (que, por sua vez, dominou o espaço da transmissão do conhecimento em contraponto com a oralidade), e se constitui na forma do relato da atualidade. Temos, assim, um quadro de memórias, parafraseando Halbwachs, composto por matizes de textos, imagens e sons, conformando uma nova linguagem que Lévy (2003) denominou de linguagem lúdica, tal é a sua forma de interação comunicacional.

57Ainda em Lévy (2003), dos tempos da memória – oralidade primária (mito), escrita (teoria), e informática-mediática (simulação) –, este último (informático-mediático) está em permanente transformação, tal como na oralidade, e encontra-se quase que totalmente objetivado em dispositivos técnicos. Os atores da comunicação dividem cada vez mais o mesmo hipertexto e as mensagens são cada vez menos feitas para durarem, configurando-se o modelo de conhecimento por simulação, em contraposição ao modelo interpretativo do polo da escrita, no qual a memória é objetivada no texto finito, o que vai exigir a identificação do indivíduo, portanto, a autoria. Mesmo se considerarmos, como em Foucault (1986), que o livro é um paralelepípedo que não se encerra no ponto final, por conta das ilações inesgotáveis proporcionadas pela rede de citações, estas ainda resguardam a integridade das autorias.

58O sentido de hibridação entre o analógico e o digital pode também ser observado por algumas tentativas mediadoras ou de fronteiras que surgem no cenário empírico dos campos da memória e do patrimônio. É no âmbito do processo de patrimonialização do presente que se estabelece a categoria de bem intangível ou imaterial, separada do patrimônio material. Se, por um lado, essa separação demonstra a importância do contexto de criação do patrimônio material ao lhe atribuir sentido cultural, por outro lado, a proteção do fazer cultural deve ser considerada como um ato de preservação dos produtos e do ambiente no qual este fazer se produz, e não como outra categoria de patrimônio. Compreende-se que esta questão surge a partir da preocupação de não apenas salvaguardar os vestígios do passado, como também de incluir nesse processo as ações desencadeadas no tempo presente. Os bens de natureza imaterial são classificados na ordem dos saberes, dos fazeres, das comemorações, da tradição oral, quer seja a música, a dança, a literatura, a língua. São circunstanciais, vivos e se preservam por tradição. Depreende-se daí que a falta aparente de um corpo material na condição efêmera de produção não exclui a materialidade do imaterial, nem a imaterialidade do material. Preservar uma construção religiosa sem a liturgia, ou uma língua sem o falante, é observar uma única face ou natureza do objeto. E, mesmo com a criação de leis, normas e procedimentos para a proteção dos bens patrimoniais de natureza intangível ou imaterial, é necessário compreender o caráter de virtualidade desses bens e a impossibilidade prática de separar o bem material daquele imaterial. (Dodebei, 2007)

59Mário Chagas (2003, p. 95-110) concorda com essa impropriedade de separar os bens tangíveis dos intangíveis. Diz o autor que a preservação dos bens tangíveis busca e assenta a sua justificativa não na materialidade do objeto e, sim, nos saberes, nas técnicas, nos valores, nas funções e nos significados que esses bens representam e ocupam na vida social. O patrimônio cultural é, então, criado a partir de valores imateriais ou intangíveis, valores que representam objetos materiais ou saberes, fazeres e significados presentes na vida social.

60Aqui fica a ideia de que é possível preservar significados, independentemente da proteção aos objetos materiais que são sua referência. Do ponto de vista patrimonial, talvez tenha sido necessário criar o conceito de bem imaterial para que pudéssemos pensar em preservação para além do referente material. As políticas patrimoniais separam os registros em livros distintos para os bens tangíveis (materiais) e os intangíveis (imateriais), mas o processo de representação do bem patrimonial na contemporaneidade é o mesmo, quer dizer, o registro digital transforma o bem, “material ou imaterial”, em informação. A invenção ou a reinvenção do patrimônio imaterial, a partir da mudança da tecnologia da escrita para a tecnologia da interação, nos aproxima do tempo memorial mítico; e aproxima também a narrativa da informação. (Dodebei e Gouveia, 2007, p. 293-307)

61Se, no passado, a afirmativa de que ao relato escrito deviam-se créditos de reprodutibilidade e de prova, neste momento, tais atributos não lhe são convenientes. A primeira grande ruptura na estabilidade da escrita é, tal como no relato mítico, a possibilidade de múltipla autoria. Recortes e recomposição da informação/memória são processos incentivados pelo livre acesso aos estoques de conhecimento do espaço virtual, a despeito de todas as tentativas de preservação dos direitos autorais. Pesquisas têm sido desenvolvidas para atribuir, ainda numa visão autoral da comunicação e numa perspectiva cumulativo-repetitiva dos objetos memorais, a responsabilidade pela preservação da memória na world wide web. (Sayão, 1996) Essa preocupação, marcada pelo espírito de cientificidade na busca de consistência teórico-metodológica, é desencadeada exatamente pela inconsistência, inconstância, mutação e obsolescência das informações lançadas na rede mundial de comunicação. Essa é a forma paradoxal da memória na atualidade: ao mesmo tempo plural como processo em permanente construção passível de múltiplas interferências, e singular como um único conjunto – forma do hipertexto.

62Para finalizar, trazemos a discussão sobre este tempo da interação memorial e do patrimônio como informação, ainda tão contemporâneo a este relato, um objeto empírico que pode abordar as possibilidades de memoração on-line. Trata-se do projeto Memoryshare, coordenado pela BBC de Londres, que nos mostra a fragmentação dos temas e a ausência de qualquer esforço reflexivo sobre as memórias ali registradas e nos coloca diante daquilo que Beatriz Sarlo (2007, p. 9-22) chamou de “uma cultura de memória ausente de pensamento sobre a memória”. Por outro lado, a proposta de criar uma “história dos cidadãos” mostra alguns dos objetivos do projeto, como podemos ler no trecho abaixo, retirado do editorial do site:

No Memoryshare você coloca suas memórias on-line para que se possa construir um retrato da vida nas Ilhas Britânicas desde 1900. É um projeto único, para construir um retrato de nossa história a partir dos cidadãos britânicos. Qualquer pessoa que viva, estude, trabalhe ou se divirta neste país pode contribuir para registrar como era viver a vida no século xx e como é no século xxi. (What is memoryshare, 2009)

63De alguma forma, esta passagem nos revela um “desejo de memória” associado a um projeto nacional que se quer perpetuar para as futuras gerações. Como entender tal projeto amalgamado em uma plataforma de visualização tão fragmentária? Como pensar a possibilidade de unidade de tais registros compostos a partir de computadores pessoais espalhados pelo mundo? Como pensar a construção de identidade a partir de registros anônimos? Eis algumas questões colocadas por este artefato cultural do ciberespaço, o portal Memoryshare. (Dantas e Dodebei, 2012)

64O exemplo do portal Memoryshare nos serve para aproximar a dinâmica do tempo da oralidade mítica ao tempo da interação, sem abdicar da escrita, uma vez que os posts ainda são digitados. E como se configurava o imaginário social da oralidade, muito mais criativo do que objetivo, o espaço-tempo da interação memorial é habitado-vivenciado por uma memória dinâmica, interativa e em tempo real. O que é fundamental, na atualidade, como nos mostrou Virilio, é a velocidade com que as ações sociais são mediatizadas pela dimensão da técnica.

Dissolução e acumulação de memórias: uma proposta para pensar o patrimônio digital

65Em um primeiro momento, representado pela transmissão oral do saber, discutimos mito e herança como discursos basilares para a construção dos conceitos de memória e de patrimônio. Nesse quadro de análise sobre a configuração da narrativa como forma de transmissão de informações, o conceito de dissolução é apreendido como uma possibilidade de construção da memória individual. A transmissão da memória ou a herança memorial, em sua forma narrativa, proporciona o sentido da experiência do presente, como discutida por Walter Benjamin, e incorpora as duas leituras possíveis do tempo estoico: o presente e a insistência, no tempo, do passado e do futuro. Nessa configuração memorial não há risco de perda de lembranças e, portanto, não há necessidade de desenvolver ações de salvaguarda da memória. Se pensarmos bem, não há muitos objetos criados para auxiliar a memória e nem para representá-la. A memória é intrinsecamente pessoal e virtual.

66O segundo momento, dedicado ao espaço-tempo da razão, das técnicas da escrita, nos faz pensar nos excessos e transbordamentos da memória, que têm no documento a explicação para a existência das memórias artificiais, auxiliares, memórias exteriores ou “exomemórias”. O conceito de acumulação de lembranças surge em oposição ao da dissolução ocorrida no espaço-tempo processual, típico da oralidade. A era da razão, da prova, da autoria/autoridade, da garantia de bens patrimoniais, do acúmulo ou superávit cria na sociedade um sentimento de apego aos objetos. Podemos dizer que esta é a era das coleções, da constituição dos acervos, dos lugares de memória discutidos por Pierre Nora. O fetiche do objeto como prova de posse do conhecimento leva a sociedade a acumular bens e a sofrer as consequências de sua perda. Guardar, proteger, recuperar são ações típicas do espaço-tempo da razão, proporcionadas pela técnica da escrita. E é justamente no final do século xx que a sociedade se dá conta de que a diminuição dos objetos criados, ou o que denominamos de convergência das mídias proporcionada pela comunicação eletrônica, pode dar fim aos registros de memória ou memórias auxiliares da memória individual. O fim dos objetos já é anunciado nas mídias comunicativas, o que vem gerando o excessivo desejo de tudo salvar. Neste contexto, a memória individual se complementa com os registros memoriais.

67O terceiro momento é caracterizado pela interatividade memorial, em que informação e eletrônica criam interfaces que mediam os processos de comunicação de lembranças. O conceito de interação é construído para a análise desse fenômeno, em que o ambiente é de natureza virtual e que podemos nomear de ciberespaço, por exemplo, e os objetos são digitais, isto é, são números com aparência de coisas. Já em meados do século xx, quando a sociedade passa a privilegiar a informação em detrimento do objeto no âmbito da pesquisa científica, podíamos já vislumbrar um horizonte da supremacia do reino da informação sobre aquele dos objetos, coisas, artefatos. Paulatinamente, as coleções vão sendo digitalizadas, passando assim a habitar o ambiente virtual. A corrida para a digitalização do passado representa aquilo que dizíamos sobre a suposta perda da memória do mundo. De qual memória estaríamos falando? Naturalmente não da memória individual, virtual, mas daquela relativa aos registros de memória. A transmissão da informação/memória continua a existir, como no tempo da oralidade mítica, acrescida das novas lembranças depositadas no ciberespaço, para as quais não sabemos ainda se haverá, no futuro, condição de reprodutibilidade analógica. O sentido de hibridação na produção de lembranças também é o de justamente convivermos com meios de memória oral, documental/digital.

68Como comentários finais, vale intensificar o diálogo com alguns conceitos apresentados no texto. Sobre o digital/virtual, ressaltamos que digitalizar compreende o processo de representar um objeto concreto, ou analógico, em bits, que poderão ser interpretados por programas de computador. Por exemplo, a partir dos bits, um programa apropriado gerará um conjunto de pixels, que será compreendido pelo olho humano como uma imagem. A diferença entre digital e virtual está diretamente vinculada ao processo, no caso do atributo digital, e no meio ou ambiente, no caso do virtual. Podem existir, desta forma, objetos digitalizados que habitam tanto o mundo concreto quanto o mundo virtual, mas o mundo virtual é habitado apenas por objetos digitais.

69Quanto à patrimonialização da memória, a seleção do que patrimonializar deve ser o processo principal de nossa atenção, do contrário vamos igualar o mapa ao território; ou, como menciona Choay, o patrimônio pode ser decifrado como uma alegoria dos humanos na aurora do século xxi. Não sabemos ainda se a memória virtual eletrônica nos dará garantias de acumulação e de integridade de dados como é a característica principal de uma coleção documentária ou patrimonial. A representação da memória por redes de conceitos, em sistema aberto de comunicação, sugere que a constante reformatação da informação, a exemplo do jogo da memória e do esquecimento, parece ser o atributo essencial dessa memória virtual.

70Quanto aos valores memoriais do patrimônio, entendemos que, se a sociedade deseja preservar bens patrimoniais para as gerações futuras, é necessário considerar que os objetos do cotidiano são, em ritmo exponencial, produzidos em meio digital. No entanto, o valor patrimonial atribuído aos objetos digitalizados ou criados digitalmente deverá ser considerado sempre temporário e circunstancial, assim como o valor documental. Documento e patrimônio são valores e, portanto, devem ser compreendidos como construções virtuais. Essa parece ser a única maneira, no momento, de garantir a existência desses valores entre as fronteiras do analógico/digital. A corrida patrimonial parece desacelerar no século xxi, não apenas por desapego da sociedade aos bens materiais, o que já é praticado por diversas culturas, mas por uma real impossibilidade tecnológica de tudo guardar. A memória, como aquela arte pensada na sociedade oral, aliada à estrutura da memória virtual defendida por Henri Bergson, parece ser retomada com a ajuda de programas informáticos que organizam os lugares e as imagens no ciberespaço.

71Finalmente, podemos afirmar que vivemos ao mesmo tempo em, no mínimo, dois mundos: um analógico e outro digital. Em ambos, as memórias e seus valores documentais e patrimoniais são construídos, transitam, deixam rastros e se dissolvem. A ideia de patrimônio institucional é recente e, por seu caráter representacional, gera conflitos com a natureza da memória, que é absolutamente virtual. Nossa discussão sobre a memória vir a ser patrimônio e o patrimônio necessitar do processo memorial para se sustentar no tempo nos levou a analisar teórica e empiricamente o campo de estudos denominado memória social, do qual os estudos documentais e patrimoniais fazem parte. Além disso, tentamos visualizar como se comportam as produções de subjetividade e objetividade em um espaço-tempo mantido por redes eletrônicas de comunicação. A questão da memória ainda não está em jogo, por ser de natureza virtual. Ao contrário da noção de patrimônio que, por ser de natureza representacional, está atrelada ao documento e à sua reprodutibilidade.

Melhor do que a criatura,
fez o criador a criação.
A criatura é limitada.
O tempo, o espaço,
normas e costumes.
Erros e acertos.
A criação é ilimitada.
Excede o tempo e o meio.
Projeta-se no Cosmos
Cora Coralina

Notes

1 Curva de Koch: se considerarmos cada passo, notamos que, para passar de uma linha para a seguinte, substituímos três segmentos por quatro de igual comprimento, ou seja, o comprimento total é multiplicado por 4/3. O limite da sucessão geométrica de razão 4/3 é o infinito, o que significa que a figura final (ou para a qual tende esta sucessão) terá um comprimento infinito (designado por Mandelbrot como “infinito interno”), disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Curva_de_Koch, consultado em 8 de novembro de 2014.

2 A expressão usada por muitos autores é reconstruir e reapresentar. Eu prefiro retirar a partícula “re”, que denota a ideia de repetição, uma vez que a memória possibilita sempre uma (nova) criação e não uma repetição de algo já dado.

3 Inspirados na obra de Jack Goody, antropólogo social especializado no estudo da estrutura e de mudanças sociais, Olson e Cole, além do prefácio “Tecnology and social change” dedicado a Goody, reúnem, em Technology, literacy, and the evolution of society, diversas perspectivas de vinte renomados historiadores, antropólogos, psicólogos e educadores sobre a influência das tecnologias na estabilidade e na mudança em sociedades tradicionais e modernas. Neste texto, de caráter interdisciplinar, acadêmicos examinam como línguas locais e tradições culturais, modos de produção e comunicação, padrões de conhecimento e autoridade locais afetam o modo como as pessoas e as culturas resistem ou se acomodam a essas mudanças. Cf. Olson David R., Cole Michael (org.), 2006.

4 Halbwachs, ao discorrer sobre a oposição entre memória coletiva e história, usa menos o argumento da cientificidade e mais o conceito de continuidade espaço-temporal para estabelecer uma diferença. De fato, o interesse da memória social sobre os acontecimentos do passado reside exatamente na percepção de que esses acontecimentos continuam a existir no presente, ou seja, pertencem a um continuum, alterado pelos esquecimentos ocorridos no percurso e acrescido de outras lembranças. Cf. Halbwachs Maurice, 2004, p. 80.

5 Cf. em Vernant (2000, p. 19) o nascimento de Chronus, filho de Gaia e Urano, que instaura o tempo na Terra.

6 Cf. o website da Unesco http://www.unesco.org.br/, consultado em 8 de novembro de 2011.

7 Cf. o website do Iphan: http://portal.iphan.gov.br/portal/montarPaginaInicial.do, consultado em 8 de novembro de 2011.

8 Frédéric Kaplan é engenheiro, especialista em inteligência artificial e novas interfaces e designer de objetos eletrônicos. Sua obra A metamorfose dos objetos é quase uma autobiografia, pois narra sua experiência pessoal, familiar e empresarial sobre a criação de objetos/interfaces.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/865/img-1.png
Fichier image/png, 16k

Auteur

Professora associada IV do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio. Doutora em Comunicação e Cultura, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.
dodebei@gmail.com
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/1112112146102164