Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Quarta parte. Leituras e leitores

Condições e modalidades de formação do valor literário em situação colonial e pós-colonial

Abordagem comparativa das obras de Kateb Yacine, Mohammad Dib e Assia Djebar

Kaoutar Harchi
Traduction de Germana Henriques Pereira

Résumé

Este capítulo, fruto de uma pesquisa de doutorado, aborda a questão do reconhecimento literário e social no contexto colonial. Através da análise comparativa das modalidades e condições de consagração de três escritores argelinos francófonos – Kateb Yacine (1929-1989), Mohamed Dib (1920-2003) e Assia Djebar (1936-) pelo campo literário francês, torna-se possível compreender de que forma e com qual objetivo um texto ficcional, assim como seu autor, ganham um lugar privilegiado nesse campo. O levantamento e o estudo crítico de artigos na imprensa generalista, resenhas, artigos especializados, prefácios, entrevistas e correspondência privada – documentos produzidos entre 1954 e 2009 – revelam os mecanismos sociais de formação do valor literário, na época colonial e pós-colonial. Esses mecanismos remetem, em grande medida e segundo nosso ponto de vista, àqueles invocados por Jacques Dubois e Pierre Bourdieu. De fato, em primeiro lugar, o aparato institucional ainda ocupa, no processo de consagração dos escritores argelinos francófonos, um determinado espaço e, em segundo lugar, a teoria dos campos permanece, até certo ponto, eficaz para a compreensão das estratégias de legitimação desenvolvidas pelos agentes. No entanto, o contexto econômico, político e ideológico específico em que esse fenômeno de consagração se encaixa nos leva a fazer uma reavaliação da universalidade desses vastos conjuntos teóricos. Este capítulo, portanto, busca reconstruir os vários cenários pelos quais passa a consagração literária de cada um dos escritores de nosso corpus, assim como o efeito dessa passagem em suas respectivas carreiras, mas também intenta estudar a composição dos textos ficcionais. Esta consideração da dimensão estética das obras faz emergir elementos de análise adicionais, tendendo a comprovar que a consagração literária seria o resultado de um longo e lento consenso das instituições na seleção dos textos ficcionais que ampliam o leque das possibilidades de escrita, mantendo, ao mesmo tempo, uma forte correspondência com a norma narrativa em vigor.

Note de l’éditeur

Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira.

Texte intégral

  • 1 Hafid Gaifati, Kateb Yacine. Un homme, une œuvre, un pays, Voix Multiples, Alger, 1986, p.13. [Je (...)

Conheço o significado do meio literário francês e eu não quero absolutamente voltar a ele. Não quero renovar essas relações de alienação, quero colocar um fim nisso.
Kateb Yacine 1

Apresentação

1Enquanto a Suíça, a Bélgica, o Canadá/Quebec, todos os três países, em parte francófonos, desfrutam de uma antiga tradição literária de língua francesa, a Argélia só assistiu, de modo relativamente recente, à eclosão de uma literatura de língua francesa, uma vez que foi apenas nos anos 1950 que a primeira geração de autores “autóctones” emergiu, ao tomar uma posição contra a presença colonial.

  • 2 Mouloud Feraoun, Le Fils du pauvre, Éditions des Cahiers du nouvel humanisme, Le Puy, 1950.
  • 3 Mouloud Feraoun, La Terre et le sang, Seuil, Paris, 1953
  • 4 Mouloud Mammeri, La Colline oubliée, Plon, Paris, 1952.
  • 5 Mohamed Dib, La Grande Maison, Seuil, Paris, 1952.

2O ângulo etnográfico é a primeira porta de entrada pela qual os leitores da metrópole conheceram o romance argelino de língua francesa. Ao encontrar sua plena expressão no gênero romanesco, Le Fils du pauvre2 [O filho do pobre], La Terre et le sang3 [A terra e o sangue], de Mouloud Feraoun (1913-1960), La Colline oubliée4 [A colina esquecida], de Mouloud Mammeri (1917-1989) ou, ainda, La Grande maison5 [A casa grande], de Mohamed Dib (1920 a 2003) são romances que retratam a vida tradicional dos camponeses argelinos, nas primeiras décadas do século xx.

3Feraoun, Mammeri e Dib viveram trajetórias sociais próximas, todas muito fortemente marcadas pela experiência da escola francesa, cujo ensino das letras era particularmente focado na valorização de obras de romancistas franceses, como Stendhal (1783- 1842), Honoré de Balzac (1799-1850), Émile Zola (1840-1902), ou, ainda, Guy de Maupassant (1850-1893). Os autores argelinos supracitados foram altamente influenciados por suas leituras dos grandes clássicos e, por considerarem que estavam lidando com verdadeiros modelos, tentaram, através de suas próprias produções literárias, se aproximar deles.

4Mais do que uma simples retranscrição do real, a descrição pretendeu ser a representação da desordem introduzida pela presença estrangeira, dentro da tribo. O método descritivo usado por esses romancistas consistiu, nesse sentido, em apreender, de modo estreito, as cenas diárias de tensão e ruptura vividas pelas populações autóctones. Esses primeiros escritores pensavam que essa proximidade com o real e essa vontade de escrever a realidade poderiam explicar, à população metropolitana francesa, as dores da guerra da Argélia e suas consequências irreparáveis.

5Galina Dzhugashvili, na obra Le roman algérien de langue française [O romance argelino de língua francesa] (1976), aponta para a ideia de que o período etnográfico seria “um período experimental” reforçado pela guerra na Argélia, declarada em 01 de novembro de 1954, que levou os escritores a desenvolverem uma consciência das violências inéditas e duradouras em que seu país estava afundando. Essa ruptura histórica parece ficar evidente nas produções literárias que vieram depois.

6O romance L’Incendie [O Incêndio], de Mohamed Dib (1954), por exemplo, eliminou as descrições longas, a proliferação dos efeitos de real, e isso em benefício da encenação lendária de um “continente esquecido”, onde “la civilisation n’a jamais existé” [a civilização nunca existiu]. A progressão narrativa é baseada na ênfase, não mais do tom moralizante, mas do tom crítico, o que representa um questionamento significativo da ideologia imperialista e colonial, adotado por um grupo dinâmico de agricultores, produtores de discursos e atores de sua própria existência. Assia Djebar (1936 -), através de seu primeiro romance, La Soif [A Sede] (1957), afastou-se, também, de uma escrita etnográfica para desenvolver um universo ficcional, reinvestindo e reformulando a questão fundamental das relações familiares na Argélia dos anos 1950. Mais uma vez, a figura do narrador onisciente foi, gradualmente, se apagando para deixar a figura do indivíduo em busca de modernidade expressar-se, afirmar-se e desestabilizar, com sua perspectiva lúcida sobre o mundo, tanto a sociedade colonial quanto a sociedade colonizada. Kateb Yacine (1929-1989) parece, entretanto, ter definitivamente recusado a inclusão de suas produções literárias no seio da corrente realista francesa. Seu romance Nedjma, de fato, apresenta uma temporalidade deliberadamente obscura e dilatada, narrativas encaixadas, multiplicação de pontos de vista e, especialmente, o desaparecimento das descrições.

7Esse resumo sucinto das mudanças na escrita das produções literárias de escritores francófonos argelinos, na década de 1950, indica que a ruína da descrição, causada pelo abandono do modelo realista da narrativa francesa, foi um passo importante na história da literatura argelina.

  • 6 “Eu escrevo em francês para contar aos franceses que a Argélia não é francesa”. [Nossa tradução]

8Dib, Kateb, Djebar e outros mantiveram a escolha do gênero romance, mas se dedicaram a um tipo de escrita que rompe com o estilo que prevalecia desde os anos 1920. Ao continuarem a escrever em francês, a publicar somente em editoras parisienses, a tomar a decisão de fazer de seus discursos promocionais sobre seus respectivos trabalhos um discurso crítico sobre a colonização francesa na Argélia, esses autores tomaram, de acordo com a teoria da ação simbólica de Pierre Bourdieu, posição no campo literário, deram início a estratégias cujos objetivos eram precisos e que visavam interesses e questões a serem concretizadas, entre elas o reconhecimento, que ocupa um lugar mais do que importante. E isso tanto no âmbito individual – ver suas produções literárias socialmente valorizadas – quanto no coletivo – conseguir, através do desenvolvimento de um patrimônio literário nacional, impor a legitimidade do povo argelino de dispor de si mesmo, o que Kateb Yacine resumiu assim: “J’écris en français pour expliquer aux Français que l’Algérie n’est pas française”6.

  • 7 ”faire date, c’est inséparablement faire exister une nouvelle position au-delà des positions établi (...)

9Lembrando, sempre com Pierre Bourdieu, (1992, p. 223) que “'faire date' é inseparavelmente fazer existir uma nova posição para além das posições estabelecidas, ir adiante dessas posições, na vanguarda, e, introduzindo a diferença” 7. Vale notar que o escritor argelino francófono que, objetivamente, tornou-se mais ilustre é precisamente Kateb Yacine. Descrito por alguns agentes do campo literário como "o fundador da literatura norte-africana” e "o pai da nação argelina", Yacine ocupou e continua a ocupar, apesar de sua morte, uma posição de prestígio.

10Charles Bonn (1996), um pesquisador especializado em literatura do Magrebe, que procurou estabelecer uma base de dados bibliográfica do conjunto dos trabalhos realizados sobre o romance Nedjma, sobre seu autor, Kateb Yacine, ou sobre ambos, quantifica:

  • 8 “Cette base de données comporte trois tables principales: une table de références de livres (envir (...)

Esta base de dados tem três tabelas principais: uma tabela de referência de livros (cerca de 9.000 referências, em 1996), uma tabela de referência de artigos (cerca de 20.000 referências em 1996) e uma tabela de trabalhos acadêmicos (cerca de 1.850 referências em junho de 1996). A essas principais tabelas, acrescentam-se tabelas secundárias que fornecem informações complementares (curtas biografias, por exemplo), ou que servem aos diferentes controles de validade ou à codificação das entradas de informações. Tem-se, no total, 40 mil entradas.8

11Esses números, indubitavelmente maiores do que os produzidos sobre os demais escritores argelinos, aparecem como índices relevantes que nos permitem medir o quão Kateb Yacine e o romance Nedjma despertaram um grande interesse das consciências, de ambos os lados do Mediterrâneo. Tal interesse se materializou naquilo que poderíamos chamar de uma edificante inflação do discurso crítico que só tem aumentado desde então.

  • 9 “livre-jalon […] où quelque chose se produit avec la forme” [...]“un échange généralisé des narrati (...)
  • 10 “les pouvoirs de la littérature” [...] “les modalités […] par lesquelles l’œuvre a pu opérer une fo (...)

12Qualitativamente, note-se que a crítica francesa da época recebeu esse romance sob um olhar de admiração, que suspende qualquer indício de veleidade do julgamento estético. Sobre isso, Jean-Pierre Faye afirmou que Nedjma é um “livro de referência [...], em que algo acontece com a forma", e que dá a ver e a ler “um amplo intercâmbio de narrativas capazes de iluminar o campo ideológico que se constitui em torno da escrita” 9 (Faye, 1970, p. 25). Posteriormente, alguns qualificaram a obra katebiana de “monumental” (Khadda, 1958), de “revolucionária” (ibid.), de “incandescente” (Rosenman, Trevisian, 1958), de “mítica” (ibid.), vendo-a como um contributo relevante para se questionar “os poderes da literatura", ou ainda, “os termos [...] por meio dos quais a obra foi capaz de operar uma forma de dicção-premonição da História” 10 (ibid.). Poderíamos aqui multiplicar, sem qualquer dificuldade, esse tipo de exemplos e citações, pois as fontes, a esse respeito, são infinitas, não fosse a falta de espaço nesta introdução.

13Nessa perspectiva, vemos gradualmente se construir redes de investimento intelectual e de valorização formal de Nedjma cujo efeito principal é o de distinguir o lugar do texto no corpus romanesco argelino francófono.

  • 11 “les producteurs n’ont pour clients que les autres producteurs qui sont aussi leurs concurrents les (...)

14A posição ocupada por Kateb Yacine no chamado subcampo de produção restrita, segundo Pierre Bourdieu (1980b), em que “os produtores têm como clientes apenas outros produtores que também são seus concorrentes mais diretos [...], e cuja economia das práticas baseia-se, como num jogo de quem perde ganha, numa inversão dos princípios fundamentais do campo do poder e do campo econômico” 11, foi, assim, reforçada e o tempo parece ter confirmado isso, já que, em 2009, por decisão do Ministério francês da Educação, Nedjma figura no exame de admissão da École Normale Supérieure de Lyon. A esse respeito, afirma Charles Bonn:

  • 12 “Ce qui semblerait une évidence pour qui n’est pas familier de la frilosité du système universitai (...)

O que pareceria óbvio para os não familiarizados com a relutância do sistema universitário francês parece, contudo, aos familiarizados com o sistema, uma verdadeira revolução.12

  • 13 “la pluralité des instances de consécration […] propre aux activités soumises au régime de singular (...)
  • 14 “est elle-même indissociable d’une duplication de la temporalité en matière de reconnaissance, puis (...)

15O que Bonn considera ser “óbvio” (podemos entender isso como uma suposta qualidade essencial de Nedjma, em nome da qual este romance naturalmente mereceria ser incluído no programa da ENS), remete, segundo nosso ponto de vista, ao lento, complexo e conflituoso processo pelo qual uma obra artística ou literária é consagrada. Consagração que Nathalie Heinich em seu livro L’Épreuve de la grandeur. Prix littéraires et reconnaissance, [A Prova da grandeza. Prêmios literários e reconhecimento] considera como “ambivalente", devido “à pluralidade das instâncias de consagração [...] própria às atividades sujeitas ao regime de singularidade, ao qual remetem, na época moderna, os mundos [...] da criação” 13 (Heinich, 1999c, p. 262). E acrescenta que essa pluralidade: “é indissociável de uma duplicação da temporalidade em matéria de reconhecimento, uma vez que apenas a passagem para a posteridade permite reconhecer os verdadeiros escritores, capazes de atender [...] a expectativa a longo prazo de uma obra verdadeira” 14 (ibid., p. 263). Nessa perspectiva, a obra de Kateb Yacine parece ter passado por várias fases de consagração, cujas possibilidades, condições, modalidades de acesso e integração devemos compreender.

Construção do objeto e problemática

16A pesquisa de doutorado apresentada aqui interessa-se pelo processo de consagração literária do romance Nedjma, de Kateb Yacine, por meio de uma abordagem comparativa, convocando, principalmente, o caso de Mohamed Dib e Assia Djebar para usá-los como contraponto de análise.

  • 15 “Pour être eux-mêmes, le chemin à parcourir, pour les Marocains et pour les Tunisiens, est balisé p (...)

17O caso literário argelino emerge a partir de um lugar subalterno, nas palavras do historiador Daniel Rivet (2002, p. 373), “au feu de la colonisation” [sob o fogo da colonização]. Ora, se o Marrocos e a Tunísia também podem aparecer como locais sujeitos a esse mesmo “fogo", parece que a Argélia, porque obedece ao regime político da colônia – o que se traduz por uma assimilação da Argélia com a França, e não de protetorado, isto é, uma tutela do poder metropolitano sobre os poderes locais – é colocada numa situação à parte, irredutível situação desses outros dois países do Magrebe. “Para ser eles mesmos, o caminho a percorrer, pelos marroquinos e pelos tunisianos, é marcado pelo sentimento de ter apenas que recuperar a sua personalidade alienada pela ocupação colonial e não de ter, como os argelinos, que reconstrui-la ex nihilo, ao custo de uma dilacerante disputa histórica imposta a eles mesmos e aos estrangeiros” 15, afirma Daniel Rivet (p.374). O local onde essa literatura acontece comporta, assim, e isso mais do que em qualquer outro lugar, um feixe de índices identitários e relacionais, tendendo a fazer do contexto colonial argelino um contexto exterior extremo e específico ao mesmo tempo, de criação artística e práticas literárias.

  • 16 Les Règles de l’art. Genèse et structure du champ littéraire ainsi que La distinction. Critique so (...)

18Os processos de valorização, ou até mesmo de consagração de uma obra literária, bem como de seu autor, foram objetos de uma análise brilhante feita por muitos sociólogos, dentre os quais podemos citar: Pierre Bourdieu, com as obras (1992, 1979a) As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário; A distinção: crítica social do julgamento16; Jacques Dubois (1978) e L’Institution de la littérature. Introduction à une sociologie [A Instituição da Literatura: introdução a uma sociologia]; Alain Viala (1985) e a obra Naissance de l’écrivain. Sociologie de la littérature à l’âge classique [Nascimento do escritor: sociologia da literatura na era clássica]. No entanto, parece que as obras literárias de língua francesa produzidas durante o período colonial sofrem com a falta de embasamento teórico e conceitual que gostaríamos de reduzir. Assim, a análise da recepção das literaturas chamadas francófonas revelam-se, certamente, para a sociologia, um terreno particularmente difícil, mas cujo estudo permitiria uma rica compreensão das relações que tecem no conjunto institucional, linguístico e literário, pois, como recordam Gisèle Sapiro, George Steinmetz e Claire Ducourneau,

  • 17 “les écrivains, artistes et chercheurs des sociétés issues de la décolonisation, défient […] par l (...)

"os escritores, artistas e estudiosos das sociedades resultantes da descolonização, desafiam [...] por seus lugares de publicação, suas línguas de escrita ou pela referência à cultura dos antigos colonizadores, as fronteiras nacionais dos campos literários, artísticos e eruditos". (2010)17

  • 18 “un système complexe de relations de pouvoir où toutes les composantes du social interagissent dan (...)

19Como, num momento em que a sociedade colonial e a sociedade colonizada estão imbricadas, quase formando um todo (ou seja: “um sistema complexo de relações de poder em que todos os componentes sociais interagem num reajuste contínuo de suas relações18” (Smouts, 2007, p. 29)), teve lugar o reconhecimento, a validação, a valorização das propriedades estéticas do romance Nedjma, assim como as propriedades biográficas de seu autor?

20Vale compreender o contexto ritual, ou mesmo cerimonial, através do qual a obra katebiana, assim como a própria figura de Kateb Yacine, foi levada a ser considerada pela comunidade de críticos editoriais, literários, acadêmicos e jornalísticos, desde a publicação do romance Nedjma até muito recentemente, como a maior obra do período colonial, mesmo em se comparando as trajetórias de Mohamed Dib e Assia Djebar.

Constituição do corpus de estudo e metodologia

21Ao tentarmos entender como, a partir de uma troca entre uma entidade transmissora e uma entidade receptora, o texto se beneficia de uma leitura reconhecendo a economia dos signos linguísticos como constitutiva de uma literariedade definida como um valor alto no sistema dos letrados, é importante para nós, logicamente, convocar os traços substanciais dessa troca, já que, como escreveu Benoît Denis, “analisar o processo de consagração implica talvez focar a atenção sobre os agentes e as instâncias de consagração bem mais do que sobre as obras e os autores consagrados” (2010). Assim, para a realização de nossa pesquisa, é essencial definir claramente o corpus de pesquisa sobre o qual trabalhamos.

22O corpus primário compreende cinquenta documentos relativos à biografia de Kateb Yacine e às declarações que o próprio autor faz sobre si mesmo, sua obra, a descoberta de sua vocação literária e de sua relação com a arte de modo geral. Para isso, acrescentamos 300 textos críticos versando sobre a obra de Kateb Yacine, desde a publicação de seu primeiro romance, Nedjma. Assim, estes documentos vão de 1956, ano em que o jornalista Jean-Marie Domenach publicou um artigo intitulado “Nouvelles écritures [Novas escritas]” (1956, p. 23-32), até 2010, quando, sob a direção de três pesquisadores da literatura (Julien, Colette, Authier, 2010), foi publicado um trabalho coletivo intitulado Kateb Yacine et l’étoilement de l’œuvre [Kateb Yacine e o estrelamento de sua obra]. Estes documentos, selecionados principalmente porque são oriundos de fontes muito diferentes, pertencem a diferentes ordens, da mais erudita à mais popularizada.

23O corpus secundário inclui cinquenta documentos relativos à respectiva biografia de Mohamed Dib e Assia Djebar e a tudo o que eles foram capazes de expressar sobre si mesmos e sobre suas obras literárias. A esse material, reunimos 300 textos críticos produzidos sobre as obras de Mohamed Dib e Assia Djebar, sobretudo por críticos, professores, jornalistas, editorialistas, editores e grupos de leitura coletiva. Estes documentos, que cobrem o período de 1954 a 2009, têm a grande vantagem de terem sido, em muitos casos, escritos por indivíduos ou provirem de estruturas que, naquele mesmo momento, também estavam produzindo trabalhos sobre Nedjma. Estes dados, tais como os do corpus primário, foram selecionados com base na diversidade de fontes que representavam. A taxa de cientificidade destes documentos varia, também aqui, da mais forte para a mais fraca.

  • 19 “L’expertise devient ainsi un des mécanismes majeurs de construction de la valeur de l’art. Il n’e (...)

24Através do artigo “La certification de la valeur de l’art. Experts et expertises” [A certificação do valor da arte: experts e expertises], Raymonde Moulin e Alain Quemin (1993, p. 1445) chamam nossa atenção para o seguinte fato: “A expertise torna-se assim um dos principais mecanismos de construção do valor da arte. Não é proibido questionar [...] a certificação dos especialistas que autenticam o valor da arte e os critérios a que se referem para construir a certificação do valor da arte e da reputação dos artistas19.” Nessa perspectiva, estamos atentos, não só para o que foi escrito e continua a ser redigido sobre a obra katebiana, mas também para as modalidades de aquisição das competências de expertise literária dos “especialistas” responsáveis pelos textos críticos em questão.

25Optamos por apreender o corpus primário e o secundário através do mesmo modelo de análise, dividido em quatro temas principais: os percursos, os posicionamentos, as autorrepresentações e a recepção. A primeira pista visa reconstruir as trajetórias dos três autores considerados. A segunda objetiva estudar as tomadas de posição destes últimos. A terceira se interessa em saber como os autores têm investido e ocupado a sua posição no campo. E, por fim, a quarta pista considera as modalidades através das quais as obras literárias foram recebidas, assim como o tratamento crítico que lhes era reservado.

Hipóteses de trabalho

26Dentro do paradigma da sociologia da literatura, pudemos constatar que o conceito de consagração foi pouco teorizado. Jacques Dubois, em seu livro L’Institution de la littérature. Introduction à une sociologie, relaciona constantemente esse conceito a instâncias estruturadas e estruturantes, segundo afirma (1978, p 87):

  • 20 “On peut se représenter chacune de ces instances de consécration comme exerçant sa juridiction à u (...)

É possível conceber cada uma dessas instâncias de consagração como exercendo sua jurisdição em um ponto específico da cadeia que permite a entrada de um texto ou de um escritor na história: 1. O Salão ou a revista apoiam o surgimento; 2. A crítica traz o reconhecimento; 3. A academia, sob todas as formas, leva, por meio de premiação ou cooptação, à consagração; 4. A escola com seus programas e manuais, definitivamente integra a obra à instituição e assegura a sua conservação.20

27Concordamos apenas em parte com o que enuncia aqui Jacques Dubois, pois acreditamos que essa abordagem privilegia fortemente o modo esquemático em detrimento de uma abordagem processual. Nesse sentido, elaboramos a Hipótese H1, segundo a qual a consagração de um autor é o resultado de um equilíbrio, permitido pela instituição, entre, de um lado, uma especialização da produção literária e, de outro, sua capacidade de não desestabilizar os padrões estéticos em vigor num determinado momento.

  • 21 “le développement d’une littérature qui entend se consacrer au dévoilement et à la dénonciation de (...)

28A tese defendida no âmbito desta pesquisa de doutorado implica, no entanto, notar que, em se tratando do conjunto que constitui a literatura argelina de língua francesa produzida em situação colonial, o conceito de campo literário, tal como definido por Pierre Bourdieu, merece ser clarificado, pois há uma certa dificuldade em se detectar, no tempo, e com base em obras claramente distintas, “os três estados do campo", que são “a conquista da autonomia", “a emergência uma estrutura dualista” e “o mercado de bens simbólicos". Além disso, a constituição da história da literatura de língua francesa da Argélia não é comparável à da história da literatura francesa e, como afirma Bernard Mouralis “o desenvolvimento de uma literatura que pretende se consagrar ao desvelamento e à denúncia da situação colonial e cujos autores, por vezes, desempenham um papel político, parece revelar uma autonomia muito relativa do campo literário” 21 (2001). Isso quer dizer que a teoria dos campos não permite a compreensão da produção argelina francófona dos anos 1950? Pensamos que não, porque, como diz Pierre Bourdieu, é possível considerar “uma situação em que uma fronteira política venha dividir o campo literário” (Bourdieu, 1998b, p. 13), e, acrescenta, “podemos ser livres politicamente e dominados literariamente. “Parece-nos que o caso da Argélia colonizada seja o de uma dominação tanto política quanto literária”. Assim, podemos formular uma segunda Hipótese H2, segundo a qual não existiria, a rigor, um campo literário argelino, no sentido de uma rede nacional de relações objetivas entre posições, mas antes haveria um subcampo literário argelino ligado ao campo literário francês.

Apresentação dos primeiros resultados

29Realizando esta pesquisa de doutoramento, pensávamos que a questão da consagração de Kateb Yacine (como a de autores consagrados em geral) era função de uma instância que detinha o poder de consagração, por cuja manutenção os agentes do campo literário institucionais lutavam. Rapidamente percebemos, contudo, que essa representação da instituição literária, como única instância consagradora, correspondia muito pouco ao que observávamos empiricamente.

30Para uma abordagem comparativa respeitando a ordem cronológica da produção dos documentos interpretativos sobre os romances L’Incendie, de Mohamed Dib, Nedjma, de Kateb Yacine e La Soif, de Assia Djebar, por exemplo, observamos que essas obras literárias circularam amplamente através de complexas redes de recepção crítica, que incluem as próprias editoras.

  • 22 “Conçu et écrit en français, Nedjma reste une œuvre profondément arabe et sur laquelle on ne peut p (...)
  • 23 “La pensée européenne se meut dans une durée linéaire, la pensée arabe évolue dans une durée circul (...)

31Determinada a preparar, dominar e orientar melhor a difusão e especialmente a interpretação de Nedjma no âmbito do público leitor francês, a equipe editorial das Edições do Seuil decidiu fazer acompanhar o texto de uma “advertência", como diria Gerard Genette, em que, entre outros, “os editores” escreveram: “Concebido e escrito em francês, Nedjma continua a ser uma obra profundamente árabe acerca da qual não podemos fazer um julgamento válido se a separarmos da tradição a que, mesmo em suas negativas, ela não deixa de pertencer” 22. Mais adiante, podemos ler: “O pensamento europeu se move num tempo linear, o pensamento árabe evolui num tempo circular, em que cada desvio é um retorno, confundindo o futuro e o passado na eternidade do instante” 23. É interessante notar que, naquela época, e entre todos os romances publicados pelas Edições do Seuil, apenas o romance Nedjma é precedido por um prefácio de autoria exclusivamente editorial, o que nos faz pensar, a princípio, que os “editores” de Kateb Yacine tinham uma relação, uma apreensão, ou mesmo uma interpretação de Nedjma, que justificava do ponto de vista deles um tratamento específico materializado através da adição do paratexto em questão. Em segundo lugar, o conteúdo desse texto de acompanhamento revela uma construção do valor literário por meio de uma aparelhagem argumentativa baseada, principalmente, não tanto sobre a demonstração de sua literalidade única, mas sobre a distância que esse texto teria sido capaz de estabelecer no que diz respeito ao modelo do romance francês e europeu.

32Em 1958, o jornalista literário Olivier de Magny publica na revista Esprit (que apoiou a descolonização na Indochina e na Argélia) um artigo intitulado “Panorama d’une nouvelle littérature romanesque” [Panorama de uma nova literatura romanesca], em que tenta entender o que os escritores contemporâneos devem a todos os grandes escritores que os precederam:

  • 24 “[Il s’agit] de noter encore l’entreprise qui se développe dans tel roman de Faulkner, singulièrem (...)

[Trata-se de] notar ainda que as estratégias desenvolvidas em tal romance de Faulkner, particularmente em Absalão, Absalão, e isso, para compreender que as obras de Michel Butor e de Kateb Yacine e de Claude Simon não repetem ou retomam essas tendências, essas estratégias, esses métodos, mas apenas os pressupõem". (Magny (de), 1958, p. 3)24

  • 25 “La critique [évoquant par-là les éditeurs de Nedjma] a le plus souvent salué Nedjma comme le meil (...)

33Notemos, em primeiro lugar, que, quando Olivier de Magny escreveu esse artigo, havia pelo menos dez romances de língua francesa, embora de estilos bastante diferentes, de autores argelinos, publicados em cinco editoras parisienses, mas o nome de Kateb Yacine é o mais frequentemente citado. Algumas linhas adiante, Olivier de Magny escreve: “A crítica [aí evocando os editores de Nedjma] aclamou, no mais das vezes, Nedjma como o melhor romance argelino em língua francesa, o que aliás não é contestável. Este livro extraordinário, no entanto, excede, de longe, essa categoria um pouco “regionalista” do julgamento. Ao integrar ao romance ocidental uma certa arquitetura própria à cosmologia árabe, ele enriquece e vigorosamente reafirma o gênero que nos interessa aqui” (Ibid., p. 49)25. A dimensão extraordinária, literalmente, e o distanciamento “árabe", enfatizados pela equipe editorial do Seuil, são novamente aqui destacados, e não mais sob um ponto de vista da exclusão, do afastamento (pressupostamente fascinante) da estética literária francesa, mas sim segundo o desejo de integrá-lo a esta última.

  • 26 “On n’en finirait plus de montrer comment le “nouveau réalisme” de Michel Butor est une recherche (...)

34Através destes dois exemplos críticos, sem dúvida, muito circunscritos, podemos, todavia, vislumbrar o que, a nosso ver, acontece dentro do processo de consagração do romance Nedjma. E isso não com relação aos conflitos entre estruturas institucionais validando ou não as produções literárias que pretendem chamar a atenção dessas estruturas com vistas a obter o reconhecimento da sua literalidade, mas sim com relação ao consenso dessas mesmas estruturas para selecionar textos ampliando o espectro de possibilidades de escrita, mas que mantêm uma forte correspondência com a norma estética em vigor. Assim, compreendemos melhor o que afirma a seguir Olivier de Magny: “Continuaríamos infinitamente a mostrar como o “novo realismo” de Michel Butor é uma busca da realidade total e corresponde à ambição cósmica de James Joyce. Os romancistas que questionam hoje o romance oscilam, portanto, entre a própria busca do romance por ele mesmo (Butor, Cayrol, Simon, Kateb) e a negação do romance por ele mesmo (Samuel Beckett, Maurice Blanchot, Robert Pinget, a quem devem ser adicionados os autores que baseiam seus romances em mentiras, como Jean Lagrolet, com Les Vainqueurs du Jaloux, Louis René Des Forêts com Le Bavard e até mesmo Jean Genêt” (Ibid., p. 11))26. O nome de Kateb Yacine figura certamente entre parênteses, mas são parênteses em que também se encontra o que poderíamos descrever como a vanguarda de uma corrente literária em expansão, no final de 1950, o Nouveau Roman.

35Os documentos que reunimos e analisamos até o momento não permitem uma ampla generalização dos resultados. No entanto, estamos convencidos de que a organização e a gestão da distância entre o desviante e normativo, o especializado e o geral, o particular e o universal são o que o campo literário francês tem continuamente tentado dominar, chegando até a fazer da busca pelo equilíbrio desses antagonismos um dos critérios a partir dos quais a obra de Yacine foi con-sagrada. Esta ideia poderia ser estendida sobre um período mais longo, assim como sobre a quase totalidade dos documentos do corpus primário e secundário.

36O exame dos mecanismos de construção do valor literário, a partir do caso do escritor argelino de língua francesa Kateb Yacine, na época colonial e pós-colonial, mostra que a teoria dos campos, desenvolvida por Pierre Bourdieu, demonstra ter uma aplicação interessante porque, como tivemos a intenção de mostrar, as disposições, as tomadas de posição, as posições, as concorrências e estratégias são claramente identificáveis e permitem dar conta da produção das obras literárias, assim como de sua sociabilidade. Sendo assim, revela-se pouco pertinente evocar a existência de um campo literário argelino autônomo. De fato, nos anos 1950, Paris, enquanto centro literário essencial concentrando dentro dele o poder de editar, traduzir, transmitir e reconhecer, domina o mundo literário e transforma assim todas as outras regiões do mundo, inclusive a Argélia, em periferia. Parece, então, que estamos lidando com um campo literário francês cujas fronteiras não são nacionais, mas linguísticas, o que implicaria pensar a questão da valorização da obra katebiana através da questão da francofonia. Nesta fase de nossa pesquisa, e tendo em vista a sua continuação, parece mais relevante e promissor do que nunca pensar sociologicamente o fenômeno de consagração de que foi objeto a obra katebiana, em comparação com a recepção crítica de Mohamed Dib e de Assia Djebar. Esse fenômeno resultou de uma montagem social complexa, contraditória, constituída de elementos discursivos orientados e feita de ajustamentos axiológicos para os quais teriam contribuído as instâncias institucionais e acadêmicas tradicionais.

Notes

1 Hafid Gaifati, Kateb Yacine. Un homme, une œuvre, un pays, Voix Multiples, Alger, 1986, p.13. [Je sais ce que signifie le milieu littéraire français et je ne veux absolument pas y retourner. Je ne veux pas renouveler ces rapports d’aliénation, je veux y mettre fin] [Nossa tradução]

2 Mouloud Feraoun, Le Fils du pauvre, Éditions des Cahiers du nouvel humanisme, Le Puy, 1950.

3 Mouloud Feraoun, La Terre et le sang, Seuil, Paris, 1953

4 Mouloud Mammeri, La Colline oubliée, Plon, Paris, 1952.

5 Mohamed Dib, La Grande Maison, Seuil, Paris, 1952.

6 “Eu escrevo em francês para contar aos franceses que a Argélia não é francesa”. [Nossa tradução]

7 ”faire date, c’est inséparablement faire exister une nouvelle position au-delà des positions établies, en avant de ces positions, en avant-garde, et, en introduisant la différence”. [Nossa tradução]

8 “Cette base de données comporte trois tables principales: une table de références de livres (environ 9 000 références en 1996), une table de références d’articles (environ 20 000 références en 1996) et une table de travaux universitaires (environ 1 850 références en juin 1996). À ces tables principales sont jointes des tables secondaires donnant des renseignements complémentaires (biographies rapides, par exemple), ou servant aux différents contrôles de validité ou au codage des informations entrées. Soit un total de 40 000 entrées”. [Nossa tradução]

9 “livre-jalon […] où quelque chose se produit avec la forme” [...]“un échange généralisé des narrations, capable d’éclairer le champ idéologique qui se constitue autour de l’écriture”. [Nossa tradução]

10 “les pouvoirs de la littérature” [...] “les modalités […] par lesquelles l’œuvre a pu opérer une forme de diction-prémonition de l’Histoire”. [Nossa tradução]

11 “les producteurs n’ont pour clients que les autres producteurs qui sont aussi leurs concurrents les plus directs […] et dont l’économie des pratiques se fonde, comme dans un jeu à qui perd gagne, sur une inversion des principes fondamentaux du champ du pouvoir et du champ économique”. [Nossa tradução]

12 “Ce qui semblerait une évidence pour qui n’est pas familier de la frilosité du système universitaire français apparaît pourtant aux familiers de ce système comme une véritable révolution.” [Nossa tradução], Charles Bonn, « Nedjma de Kateb Yacine. Dossier pour les classes préparatoires. », http://www.limag.refer.org/Cours/2009Nedjma/2009Nedjma.htm. Acesso em: 31 de julho de 2011.

13 “la pluralité des instances de consécration […] propre aux activités soumises au régime de singularité dont relèvent, à l’époque moderne, les mondes […] de la création”. [Nossa tradução]

14 “est elle-même indissociable d’une duplication de la temporalité en matière de reconnaissance, puisque seul le passage à la postérité permet de reconnaître les véritables écrivains, capables de satisfaire […] l’attente à long terme d’une œuvre véritable”. [Nossa tradução]

15 “Pour être eux-mêmes, le chemin à parcourir, pour les Marocains et pour les Tunisiens, est balisé par le sentiment d’avoir seulement à recouvrer leur personnalité aliénée par l’occupation coloniale et non pas d’avoir, comme les Algériens, à la reconstruire ex nihilo, au prix d’une déchirante dispute historique qui est livrée à soi autant qu’à l’étranger”. [Nossa tradução]

16 Les Règles de l’art. Genèse et structure du champ littéraire ainsi que La distinction. Critique sociale du jugement. Inserimos os títulos em português diretamente no texto porque se trata de obras conhecidas no Brasil. (NdT)

17 “les écrivains, artistes et chercheurs des sociétés issues de la décolonisation, défient […] par leurs lieux d’édition, leurs langues d’écriture ou par la référence à la culture des anciens colonisateurs, les frontières nationales des champs littéraires, artistiques et savants”. [Nossa tradução]

18 “un système complexe de relations de pouvoir où toutes les composantes du social interagissent dans un continuel réajustement de leurs relations”. [Nossa tradução]

19 “L’expertise devient ainsi un des mécanismes majeurs de construction de la valeur de l’art. Il n’est pas interdit de s’interroger […] sur la certification des experts authentifiant la valeur de l’art et sur les critères auxquels ils se réfèrent pour construire la certification de la valeur de l’art et de la réputation des artistes”. [Nossa tradução]

20 “On peut se représenter chacune de ces instances de consécration comme exerçant sa juridiction à un point précis de la chaîne qui permet l’entrée d’un écrit ou d’un écrivain dans l’histoire: 1° le salon ou la revue supportent l’émergence ; 2° la critique apporte la reconnaissance ; 3° l’académie sous toute forme engage, par ses prix ou ses cooptations, la consécration ; 4° l’école avec ses programmes et ses manuels, intègre définitivement à l’institution et garantit la conservation”. [Nossa tradução]

21 “le développement d’une littérature qui entend se consacrer au dévoilement et à la dénonciation de la situation coloniale et dont les auteurs jouent parfois un rôle politique semble révéler une autonomie fort relative du champ littéraire”. [Nossa tradução]

22 “Conçu et écrit en français, Nedjma reste une œuvre profondément arabe et sur laquelle on ne peut porter un jugement valable si on la sépare de la tradition à laquelle jusque dans ses reniements, elle ne cesse d’appartenir” (Op.cit, p. 5). [Nossa tradução]

23 “La pensée européenne se meut dans une durée linéaire, la pensée arabe évolue dans une durée circulaire où chaque détour est un retour, confondant l’avenir et le passé dans l’éternité de l’instant” (Ibid.). [Nossa tradução]

24 “[Il s’agit] de noter encore l’entreprise qui se développe dans tel roman de Faulkner, singulièrement dans Absalon, Absalon et cela pour comprendre que les œuvres de Michel Butor et de Kateb Yacine et de Claude Simon ne répètent ou ne reprennent pas ces orientations, ces entreprises et ces méthodes mais les présupposent”. [Nossa tradução]

25 “La critique [évoquant par-là les éditeurs de Nedjma] a le plus souvent salué Nedjma comme le meilleur roman algérien en langue française, ce qui n’est pas d’ailleurs contestable. Ce livre extraordinaire dépasse toutefois, et de loin, cette catégorie un peu « régionaliste » de jugement. En intégrant au roman occidental une certaine architecture propre à la cosmologie arabe, il enrichit et renouvelle vigoureusement le genre qui nous occupe ici”. [Nossa tradução]

26 “On n’en finirait plus de montrer comment le “nouveau réalisme” de Michel Butor est une recherche de la réalité totale et correspond à l’ambition cosmique de James Joyce. Les romanciers qui aujourd’hui remettent en question le roman oscillent donc entre la recherche du roman par lui-même (Butor, Cayrol, Simon, Kateb) et la négation du roman par lui-même (Samuel Beckett, Maurice Blanchot, Robert Pinget auxquels il faut ajouter les auteurs qui fondent leurs romans sur le mensonge comme Jean Lagrolet, avec Les Vainqueurs du Jaloux, Louis René Des Forêts avec Le Bavard et même Jean Genêt”. [Nossa tradução]

Auteur

Docteure en sociologie, université Sorbonne Nouvelle Paris 3
Germana Henriques Pereira (Traducteur)