Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Innovations technologiques et mutations industrielles en Amérique latine

 | 
Hubert Drouvot
, 
Marc Humbert
, 
Julio Cesar Neffa
, 
et al.

Territoire des nouvelles technologies

Geopolítica da fronteira cientifico-tecnologica no Brasil

Bertha K. Becker et Claudio A. Egler

Résumé

Résumé
Géopolitique de la frontière scientifico-technologique au Brésil
La territorialité des nouvelles technologies au Brésil est le reflet du dessein d’un projet géopolitique d’accès à la modernité, formulé et géré par les militaires. Leur stratégie a été celle de la “préemption des importations de technologies” visant le contrôle de la science et de la technologie en tant qu’instruments de construction de l’Etat/Nation et de sa projection comme puissance régionale.
La tactique adoptée a engendré l’implantation d’une frontière scientifique-technologique, un espace largement capable de produire de nouvelles réalités et d’accompagner la dynamique mondiale de création et de diffusion d’une nouvelle technologie. L’élément catalyseur de cette frontière est l’industrie aéronautique et celle du système d’armements, dans une articulation complexe, d’une part militaire/civile, et d’autre part publique/privée dont les produits sont suffisamment compétitifs pour occuper des parts significatives du marché mondial.
La logique territoriale du projet, adaptée à la réalité socio-économique, a eu comme conséquence l’implantation de la frontière dans la région-coeur du pays (le Sud-est). Plusieurs facteurs locaux ont également influencé la décision de localisation surtout en ce qui concerne la disponibilité d’un milieu technique de base. A partir de la rencontre de la logique géopolitique et de celle de l’entreprise, la région de la vallée du rio Paraïba do Sul appartenant à l’état de São Paulo, a été élue comme “locus” du nouveau coeur technologique du pays. Cette région de la vallée du Paraïba s’est alimentée de l’industrie conventionnelle de l’état de São Paulo, ainsi que des centres de commandement du pouvoir stratégique de l’état de Rio de Janeiro; par contre, elle est également responsable de ce qu’on appelle aujourd’hui la frontière scientifique-technologique du pays à cause du rayonnement de tout un changement qui a stimulé une nouvelle division territoriale du travail à partir de la technologie et des centres de recherche/développement.
Comme résultat du projet géopolitique, on se rend compte des ambivalences d’une semi-périphérie qui porte un statut de puissance régionale en Amérique du Sud. Si, d’une part, les indicateurs sociaux mettent le pays dans une des positions les plus basses dans le système mondial, d’autre part, il se situe parmi les dix premières puissances industrielles au niveau planétaire tandis que son industrie d’armements, face à la crise, semble capable de se métamorphoser en une production civile.
Desenvolvendo-se como forças produtivas e imbricando-se nas estruturas sociais do poder, Ciência e Tecnologia se constituem como elemento indissolúvel da configuração da ordem planetária. Nesse contexto, a política se transforma e as análises e conceitos convencionais perdem força explicativa. A geopolítica passa a ser incompreensível sem considerar o vetor científico-tecnológico moderno, ou seja, o controle estratégico do espaço e do tempo.
O tempo acelerado procura impor no espaço sua lógica homogeneizadora. Entretanto, os Estados permanecem como unidades políticas capazes de mediar a dinâmica planetária e o territόrio nacional. Neste sentido, há que considerar as especificidades das formações sócio-económicas nacionais, onde se desenvolve uma zona de tensão nascida da clivagem entre o global e o local, e o papel político fundamental que o Estado assume na determinação do ritmo e da extensão do acesso à modernidade. Em outras palavras, a moldagem científico-tecnológica do territόrio não é um fenômeno de “generação espontânea” ou resultante do chamado “livre jogo das forças de mercado”, mas é uma realização territorial em regiões de fronteira, mais notadamente a Amazônia.
No caso do presente texto, o que se visa lograr é uma “historização” da fronteira, tratando-a não num sentido convencional, que a concebe como franjas de povoamento pioneiro não plenamente estruturado e por isso potencialmente gerador de realidades novas en tempo rápido; detectando-a não nas “bordas” do sistema geopolítico do poder, mas sim em seu cerne, em seu nervo central, aquilo que poderíamos designar como “fronteira originária” de constituição do Brasil de um novo padrão de inserção na ordem política planetária. Visa-se ainda demonstrar que a leitura do territόrio através das paisagens criadas nesta fronteira constitui um método útil para a ampliar a compreensão do projeto geopolítico da modernidade no Brasil.

Texte intégral

Geopolítica e modernidade

1As premissas do projeto geopolítico da modernidade no Brasil não estão determinadas pelas características geográficas do país, nem se resumem a apropriação física e definição dos límites do territόrio, tônicas do Densamento geopolítico brasileiro até a Segunda Guerra Mundial. O marco do novo projeto foi a intencionalidade do controle efectivo de poder no mundo contemporâneo.

2Em sua origem, o projeto geopolítico da modernidade foi gestado e deflagrado em pleno regime liberal do após-guerra, tratavando se, no entanto, de iniciativas isoladas e pouco articuladas. Os marcos principais da priorização da ciência e tecnologia como fator de aceleração do desenvolvimento e de manutenção da segurança nacional sob o controle do Estado, situam-se na segunda metade da década de 1960, sob o regime autoritário. O domínio do vetor científico-tecnológico moderno tornou-se então condição de continuidade acelerada do crescimento econômico, bem como da modernização da direção governamental que, cada vez mais abrangente, complexa e técnica, assume verdaderamente o caráter de gestão.

3Não se trata de atribuir onisciência aos militares. O que se quer enfatizar é, em primeiro lugar, a passagem do reconhecimento das “industrias de base” como fator de segurança nacional para o reconhecimento do controle sobre a C & Τ como condição de disponibilidade sobre os processos produtivodestrutivos industriais; em segundo lugar, a passagem de iniciativas mais ou menos isoladas, e independentes do arcabouço jurídico-institucional de fomento, característicos da década de 1950 - tais como a implantação do CTA (na época, Conselho Tecnológico da Aeronáutica) e do CNPq (na época Conselho Nacional de Pesquisas) - para a constituição plasmada na década de 1970, de um complexo “Sistema Nacional de Desenvolvimento Ciéntiflco-Tecnológico”, em terceiro lugar a estratégia concentrou esforços em tres espaços-tempos como práticas específicas:

  1. a implantação da fronteira científico-tecnológica, no núcleo central do país, referente à criação e articulação direta da C & Τ aos interesses governamentais;
  2. a rápida integração física, econômica e política do conjunto do territíόrio nacional, inclusive através da ocupação da Amazônia;
  3. a acentuação da presença econômica e política no espaço internacional. Em conjunto, eles correspondent a produção de um espaço político para o Estado de Segurança Nacional.

4Para tanto, uma nova tecnología espacial do poder estatal se desenvolveu visando a imposição no territόrio nacional de uma poderosa malha de duplo controle, técnico e político. Correspondente aos programas e projetos governamentais e de empresas públicas e privadas, a “malha programada” se concretizou na extensão de todos os tipos de redes - viária, urbana, de comunicações, de telemática, institucional, bancária, etc. - e na criação de novos territόrios superpostos à divisão político administrativa vigente, geridos por instituições estatais ou diretamente pelo governo central e desprovidos dos instrumentos políticos que garantissem a representatividade da população. O “grande projeto” se tornou a expressão deste processo em alguns casos, os territόrios das empresas tornam-se enclaves autônomos, verdadeiros estados dentro de estados. A imposição da “malha programada” não se fez sem gerar intensas contradições que se manifestam na crise econômica, social e política que atravessa a sociedade brasileira.

5A consolidação da fronteira científico-tecnológica no coração industrial do país foi produto e condição do novo projeto. Foi condição necessária, embora não suficiente para a imposição da “malha programada”, para o processo de controle sobre os tempos e espaços do mosaico nacional. Sus localização é estratégica do ponto de vista da gestão do territόrio nacional: corresponde ao coração de um vasto sistema radicular que se espraia em todas as direções, conforme mostra sua posição em relação aos principais eixos rodoviários e ao sistema de telecomunicações do país.

6A constituição de uma fronteira científico-tecnológica no entorno das duas grandes metrόpoles nacionais, não é entendida aqui como um desdobramento da implantação industrial convencional do Sudeste brasileiro. Ela é a corporificação espacial de uma alteração qualitativa das Forças Armadas do Brasil, que deixaram de ser “uma burocracia em armas” para passarem a ser os planificadores e gestadores armados de um projeto científico-tecnológico nacional.

7A resultante espacial deste processo é a formidável concentração da industria bélica nacional nesta porção do territόrio. Com base nos dados disponíveis no Brazilian Defense Directory (1987), é possivel verificar que cerca de 80 % da indústria de armamentos do Brasil está localizada nesta área, isto sem contar aquelas que podem ser rapidamente convertidas à produção militar, que segundo dados disponíveis poderíam multiplicar por dez os valores atuais.

8O cartograma 2 mostra a distribuição espacial da industria bélica nas vizinhanças das duas grandes metrόpoles nacionais, onde está flagrante o peso das duas áreas metropolitanas na produção de matérial bélico. Entretanto, é digno de nota que os principais produtos destas métrόpoles são insumos e logística; e, excetuando os estaleiros navais na orla da baía da Guanabara e algumas industrias reconvertidas em São Paulo (a Bernardini, por exemplo), que recondiciona e produz veículos militares), a maior concentração de industrias de sistemas de armamentos e insumos sofisticados está em São José dos Campos, que materializa, em sua forma mais simples, o embrião territorial do projeto da modernidade no Brasil.

O embrião territorial do projeto geopolítico

9A partir do imediato pós-guerra, várias iniciativas foram efetuadas para ingressar na modernidade através do controle da produção de tecnologia; entretanto, por diversos motivos, elas ñao se corporificaram territorialmente. A materialização do novo projeto se deu em um embrião territorial, enquanto “locus” da fecundação do tecido social e político. Este embrião é o Vale do Paraíba e suas ramificações.

10E nesta porção do territόrio nacional que se configura espacialmente a intencionalidade da constituição de um complexo industrial-militar onde se explicita o reconhecimento de que o controle sobre o vetor científico-tecnológico é elemento fundamental da “segurança nacional”. Ao fazer isto, as Forças Armadas passam a incorporar ao seu campo de atividades um projeto pedagógico moderno que tem por eixo fazer da ciência e tecnologia objeto de ação política.

11O marco essencial e originário da alteração qualitativa da relação ciência-militares-empresa, é o Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) em São José dos Campos, cujas obras foram iniciadas com a construção do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) em 1947, com uma proposta explícita de articulação ensino-pesquisa-indústria para responder os interesses estratégicos da Força Aérea, arma mais recente do país.

12Como matriz de P & D, o CTA constituiu-se em polo de atração de um núcleo de ciência e tecnologia - o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE - 1961) - e de convergência e geração de empresas nacionais e multinacionais, privadas e estatais. A interação desse conjunto resulta em um salto qualitativo: o CTA transformado em Centro Técnico Aerospacial (1971), como apoio governamental, o que torna claro o interesse político em desenvolver as áreas bélicas, aeroespacial e de eletrônica avançada.

13A localização no Vale do Paraíba do embrião territorial do novo projeto geopolítico se associa à posição estratégica do Vale e às condições locais vantajosas. Verdadeiro “corredor-trincheira”, o Vale do Paraíba é o eixo fundamental de penetração do litoral para as ampias extensões do planalto brasileiro. E ainda o “corredor metropolitano”,por onde se efetua a circulação terrestre entre os centros vitais do país, São Paulo e Rio de Janeiro, bem como suas principais ligações com Belo Horizonte. O reconhecimento do valor estratégico dessa posição, aliás, se expressa na implantação militar já antiga ali presente. Trata-se da presença do Exército em unidades de funções variadas, dispostas com regularidade até Caçapava, cujo comando se situa no Rio de Janeiro. A proximidade do Rio de Janeiro como centro de comando militar-estratégico, não só do Exército, como também da Marinha e da Aeronáutica constitui, em si, importante fator de localização.

14Em se tratando, contudo de um projeto da modernidade, a proximidade à Grande São Paulo torna-se uma condição crucial da estrategia locacional do novo projeto que valoriza, particularmente, o trecho paulista do Vale. A localização na borda da metrόpole paulista, por um lado garante o suprimento de insumos da indústria convencional para a industria bélica e o acesso aos serviços e mercados de mão de obra que operam na Grande São Paulo, Por outro lado, esta localização permite ao complexo científico-tecnológico-industrial em formação, tirar partido não apenas de ampios espaços necessários a sua implantação, mas também do nivel da “pedagogização social” aí existente, que garante as condições culturais e técnica propiciais à absorção do impacto da nova estrutura aí acoplada. A secção paulista do Vale oferece essa dupla vantagens; é uma área que apresenta familiaridade com os hábitos e normas do industrialismo, ao mesmo tempo em que, na década de 1940, mantinha as características de estagnação e decadência das antigas oligarquias cafeeiras, oferecendo pouca resistência econômica, social, política e territorial aos novos investimentos aí implantados, Alem do que, uma área acostumada ao convivio com a presença militar.

15O nivel de “pedagogização social” na área é uma précondição essencial para a implantação do embrião territorial da modernidade nessa secção do Vale, na medida em que favorece a formação de mão de obra técnica. Por um lado, as unidades tradicionais do Exército - sejam de treinamento, sejam de produção de pólvora e/ou explosivos, seja posteriormente a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN, criada na década de 1940) - constituent verdadeira escola informal de mão de obra afeita à tecnologia militar. A essa matriz soma-se o “sustratum” técnico advindo do setor produtivo, constituido pelas industrias de base implantadas no Vale, como a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em Volta Redonda,- primeiro grande programa de processo tecnológico por uma empresa estatal. O conjunto formado por unidades militares e pelo setor produtivo de base constitui um “meio técnico” que fornece os quadros iniciais para o CTA no período de sua implantaçâo, bem como para as industrias que se instalam na área por ele atraídas.

16O Vale do Paraíba foi assim o lugar onde, inicialmente, tornou-se possível combinar dois dos tres elementos que compõe um complexo industrial-militar moderno: a industria de base (como a siderúrgica, suprida por Volta Redonde e a zona Metalúrgica de Minas Gerais), as indústrias de segunda geração (automobilísticas, metal-mecânicas, localizadas sobretudo em São Paulo). Quanto, ao terceiro elemento, a indústria de alta tecnologia (microeletrônica, mecânica de precisão, etc.) verifica-se um deslocamento em direção à novas localizações como Campinas ou Vale do Sapucaí, no sul de Minas Gerais.

17A partir deste núcleo, espacialmente concentrado em São José dos Campos e capaz de gerar inovações técnico-científicas, o embrião rapidamente se ramifica, seja em tentáculos, seja em novos focos de modernidade, que extrapolam esta secção do Vale do Paraíba. Nesse conjunto as “novas indústrias” - ou reconvertidas a produção militar - combinando-se com aquelas que já estavam instaladas tendem a redefinir a divisão territorial do trabalho, em cuja base é possivel reconhecer a intencionalidade do dominio do vetor científico e tecnológico moderno e articulação militar/civil, público/privada, também por parte do Exército e da Marinha, ainda que com modelos e padrões espaciais distintos da Força Aérea.

Paisagens “tecnógenas”: o projeto desvelado

18As modalidades diversas de inserção do projeto geopolítico da modernidade materializam-se no embrião territorial e suas ramificações em paisagens tecnógenas distintas, cuja leitura constitui um instrumento útil para desvelar o projeto. O termo tecnógeno é utilizado pelos geólogos e geógrafos físicos soviéticos para designar o período atual, quando a atuação da sociedade sobre o ambiente está potenciada pela aplicação intensa da ciência e tecnologia. Paisagens tecnógenas é a denominação adequada às novas paisagens moldadas pela C& Τ no territόrio.

19A chave para a compreensão dessas paisagens é o vetor científicotecnológico moderno expresso na articulação entre sistemas de armamentos e seus insumos sofisticados - as indústrias de tecnologias mais avançada - e centros de pόs-graduação, pesquisa e desenvolvimento, civis e militares. Considerando também o papel das universidades e academias militares como ambiente técnico original para a maturação do projeto, foram elas incluidas na definição das paisagens tecnógenas, cuja descrição sumária faremos a seguir.

20a) O “Pόlo Aerospacial” de São José dos Campos, onde o CTA é aparentemente o paradigma de um programa integrado de ensino-pesquisa-indústria que deu certo, polarizando um complexo territorial nas cidades de São José dos Campos e Jacareí. Aí concentram-se indústrias de sistemas de armamentos, insumos sofisticados, bem como centros de pesquisa civis e militares e universidades voltados para as necessidades do pόlo. Embora ñao representadas, uma grande quantidade de empresas de médio e pequeno porte se desenvolvem também como supridoras de insumos básicos e de logística para o pόlo.

21Já começa a ser conhecido o papel do CTA - enquanto núcleo de P & D no setor aeronáutico e aeroespacial e a sua articulação com as empresas. O que se deseja aqui ressaltar é o seu papel de matriz de no vos tipos de articulação, que é o seu papel de matriz de novos tipos de articulação, que tomam forma no Estado brasileiro, inclusive nas Forças Armadas, embora com modelos diversos - no que diz respeito à articulação ciência/tecnologia, público/privado e militar/civil

22Esta articulação no Complexo Aeronáutico é peculiar e representa um projeto aparentemente bem sucedido, onde a proposta tecnológica é gestada, repassada e posteriormente aferida em sua qualidade a um conjunto de empresas localizadas nas vizinhanças do CTA, que passam a constituir sua face produtiva, sejam elas privadas ou estatais. A AVIBRAS, empresa nacional privada, fundada por ex-engenheiros do ITA e interagindo com o IEA (Instituto de Estudos Avançados) do CTA; a Empresa Brasileña de Aeronáutica (EMBRAER), estatal gestada no IPD (Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento), e hoje a ORBITA, estatal, igualmente em estreita ligação com o IEA, são braços produtivos de cunho militar/civil, público/privado, já que o próprio Estado se empenha na comercialização de seus produtos.

23b) A “Zona do Tiro”, entre Lorena e Piquete, é uma área que se constituiu a partir de interesses logísticos do Exército e hoje se define como uma zona de indústrias químicas e de explosivos, nucleadas pela Fábrica Getúlio Vargas da IMBEL; A presença de fábricas de pólvora e explosivos produziu uma verdadeira “educação social” da população, que já está acustumada as detonações, seja para queima de residuos, para testes de explosivos, ou mesmo por acidentes industriais. Devido a esta “vantagem locacional”, o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas de Sao Paulo) instalou uma unidade para soldagem de pares bi-metálicos por explosivos e a AVIBRAS implantou sua terceira unidade industrial para a produção de propelentes sólidos para foguetes.

24c) O “Eixo Metal-mecânico”, entre Caçapava e Cruzeiro, ao longo da Via Dutra, corresponde a um conjunto de atividades ligadas ao projeto militar, entretanto sem uma efetiva articulação em complexo, mas sim assemelhandose a uma estrutura em rede. O melhor exemplo desta conformação é a ENGESA (Engenheiros Associados S.A.), principal produtor brasileiros de carros de combate leves e tanques, cujas atividades originalmente se localizavam em São José dos Campos, mas que hoje se diversificaram pelo vale, assumindo inclusive a antiga Fábrica Nacional de Vagões, em Cruzeiro. De modo distinto do projeto aeroespacial, que soldou um anel de indústrias em torno do CTA, o padrão locacional da ENGESA é relativamente disperso no vale, sem uma articulação explícita entre as unidades produtivas.

25d) O “Vale da Eletrônica”, compreendo Itajubá e Santa Rita do Sapucaí, onde dezenas de pequenas e médias firmas espacializaram-se na montagem de equipamentos eletrônicos e de telecomunicações. Constitui um outro modelo inovador no territόrio tradicional do Exército, pois Itajubá sedia uma fábrica de armamentos leves desde a década de 40. A presença desta fábrica, bem como da Escola de Engenharia Elétrica geminaram um eixo industrial de alta tecnologia no Vale do Sapucaí: em Itajubá, onde estão sediadas diversas empresas de eletro-eletrônica, como também a HELIBRAS destinadas a produzir helicópteros civis e militares e em Santa Rita do Sapucaí, onde a presença de uma escola técnica de eletrônica, seguida de uma facultade no mesmo ramo, estimulou o surgimento de pequenas industrias de eletrônica e telecomunicações, muitas subcontratadas da grande industria do Vale do Paraíba.

26e) “Núcleos Emergentes”, onde desdobramento do embrão engendra o surgimento de novas localizações relativamente isoladas. E o exemplo de Sorocaba e Iperó, onde pode ser detectada a presença de associações de sistemas de armamentos, insumos sofisticados e explosivos, bem como a recente inauguração do Centro de Pesquisas de Aramar, em Iperó, onde o Marinha desenvolve o seu programa de enriquecimento de urânio para o controle da tecnologia nuclear.

A territorialidade das armas

27A análise locacional reafirma a unidade de objetivos estratégicos do novo projeto e do mecanismo de sua implementação militar/civil e público/privado, que produz uma territorialidade própria expressa em paisagens tecnógenas diversificadas e profundamente imbricadas no Vale do Paríba e suas ramificações e não nos grandes centros industriais consolidados de São Paulo e Rio de Janeiro.

28A observação destas paisagens revela que, para alcançar o controle sobre processos tecnológicos avançados, as tres armas utilizam táticas diferentes. Na verdade, são tres programas científicos-tecnológicos distintos, como a Missão Espacial Completa da Força Aérea, o Submarino Nuclear da Marinha e A Força Terrestre 90 do Exército. São vias diversas no interior do projeto geopolítico da modernidade que, dependendo de características prόpias a cada das armas, apresentam distintas formas de articulação entre ciência e tecnologia, o setor público e privado e o segmento civil e militar.

29Condicionantes, não exclusivos, dessa diversidade de táticas parecem ser a antiguidade e as formas da organização pré-existente e o tipo de produto almejado, bem expresso em suas distintas territorialidades. E profunda a imbricação público/privada e militar/civil no Pόlo Aeroespacial de São José dos Campos, onde o CTA foi a matriz geradora de tecnologia e da concentração de empresas. No caso do territόrio do Exército, com estruturas produtivas e da gestão diversificadas e aparentemente desconexas, a produção de insumos e armamentos precedeu historicamente o vetor científico e tecnológico moderno e a articulação com o setor civil e privado se fez atravéz de uma “holding” militar - a IMBEL - e da incorporação tecnológica de empresas pré-existentes, como a ENGESA, “convocada” para ser um instrumento de reaparelhamento e modernização da força terrestre.

30Tal configuração expressa o modelo diferente seguido pelo Exército para sua inserção na modernidade. Do mesmo modo que o CTA, este modelo implica na articulação militar/civil, público/privado, mas em um percurso oposto ao da Força Aérea. O territόrio de atuação do Exército era originalmente desarticulado, seja em termos de separação entre ensino e produção, isto é fábricas de pólvora, munições e armas leves, seja também pela dispersão espacial das unidades produtivas no entorno do Rio de Janeiro e no Vale do Paraíba. De modo distinto do CTA, que constituiu-se em núcleo originário de geração e difusão de tecnologia de emprego militar, o Exército criou, na década de 1980, o Centro Tecnológico do Exército (CETEX), localizando-o na Baixada de Sepetiba, nas vizinhanças do campo de provas da restinga da Marambaia no município do Rio de Janeiro. O modelo técnico-científico e espacial do CETEX tende a mostrar que sua atuação se concentra no final da cadeia produtiva, atuando principalmente como um instrumento de aferição e controle de qualidade dos artefatos militares desenvolvidos e produzidos por um conjunto de empresas dispersas. O Exército também desenvolve, no CETEX, pesquisas no campo nuclear através do Instituto de Projetos Especiais (IPE) cuja proposta é a montagem de um reator experimental de gás-grafite até 1994 garantindo o acesso da Força Terrestre à tecnologia nuclear.

31O recente deslocamento da Marinha em direção ao interior de São Paulo -com a implantação do Centro de Pesquisas de Aramar, em Iperó - representa uma nova tendência desta arma, tradicionalmente concentrada no orla da baia da Guanabara, onde a presença do antigo Arsenal da Marinha, unidade de produção e reparo de embarcações militares, constitui o núcleo principal de estruturação do projeto naval de ingresso na modernidade. A implantação do IPqM (Instituto de Pesquisas de Marinha) na Ilha do Governador, expressa a tendência já manifesta de concentrar seus esforços na área, onde já estavam presentes a Escola Naval e a Escola de Guerra Naval. A articulação deste complexo militar com o setor produtivo privado e civil se faz através do aparelhamento dos estaleiros para produzir embarcações de guerra, sem que haja uma profunda imbricação dos militares com o setor produtivo civil, como é o caso CTA-EMBRAER na Força Aérea e IMBEL-ENGESA no Exército.

32A intencional descontinuidade espacial entre Iperó - onde desenvolve seu programa de enriqueci mento de urânio - e a orla da baía de Guanabara - onde estão suas intalações de pesquisa e produção naval - promovida pela Marinha para chegar ao submarino nuclear, manifesta em termos espaciais o comportamento desta arma que desenvolve programas e projetos seletivos e localizados, cujo controle global é mantido no interior da corporação. isto deriva, em grande parte, das características peculiares do material bélico naval, mas também revela uma posição clara da participação civil controlada no programa militar e do papel subordinado do setor privado neste processo.

33A política corporativa de cada uma das Forças Armadas pose ser a explicação para a inexistência de um verdadeiro complexo industrial-militar no Brasil. O controle corporativo da produção de ciência e tecnologia não se faz sem problemas, pois é indiscutível que se formou no país um sistema científico e tecnológico mais organizado e eficiente do que nos demais países latinoamericanios, entretanto parte expressiva da produção de tecnologia de ponta está associada a projetos estratégicos militares, cujo controle é internalizado em cada corporação militar, onde é bastante reduzida a transparência de seus objetivos finais.

34O aprofundamento da crise econômica, no final da década de 80, atingiu diretamente a estrutura moldada pelo projeto geopolítico da modernidade, obrigando a uma redefinição do papel desempenhado por cada segmento na consecução de seus objetivos. Empresas privadas como a ENGESA e a AVIBRAS, cujos principais clientes situavam-se no Oriente Médio, foram levadas à concordata pelo fim da guerra Irã-Iraque e pela acirrada concorrência internacional no mercado de material bélico. Projetos visionários como a ORBITA, empresa criada para a fabricação de mísseis sofisticados, foram abandonados. Intensificou-se a busca de parceiros no mercado, internacional, capazes de reduzir os custos de pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias, independente de coloração ideológica, como é o caso da tentativa de cooperação entre a AVIBRAS e a chinesa GREAT WALL, que produz veículos lançadores de satélites.

35As Forças Armadas, em grande parte devido à contenção de despesas, estão desenvolvendo projetos seletivos de controle do vetor científico-tecnológico, aparentemente concentrando-se na área nuclear, onde a presença militar é dominante e quase exclusiva. O segmento civil do projeto, que contou com tratamento preferencial do Estado durante o período autoritário, está negociando posições em diversos setores, principales na industria de computadores e de telecomunicações, onde “lobbies” de grandes corporações exercem pressões contra a presença do Estado e a reserva de mercado para industria doméstica, o que traz para a ordem-do-dia o desafío de separar, do legado autoritário do projeto geopolítico, a necessária autonomía científica e tecnológica nacional.

Table des illustrations

Titre CARTOGRAMA 1
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/970/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 66k
Titre CARTOGRAMA 2
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/970/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 66k

© Éditions de l’IHEAL, 1992

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540