Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Os Contextos da Antropologia

 | 
João de Pina Cabral

Introdução

Texte intégral

1Imaginemos um viajante que visita uma cidadezinha pela primeira vez. Quando lá chega não sabe o que vai encontrar. Conforme os dias vão passando, porém, as ruas, que inicialmente pareciam desconexas, vão-se integrando num esquema mais ou menos preciso; as casas, que pareciam ter pouco em comum, vão-se agrupando em estilos arquitectónicos reconhecíveis; a inserção social das pessoas que encontra vai-se tornando cada vez mais evidente; a superfície da cidade vai adquirindo uma profundidade histórica e social. A cidade «faz sentido» para o viajante.

2Chegou o dia da partida. Conforme o comboio se distancia, ele vê a cidade à distância, como um todo. Ao chegar também vira o mesmo panorama, mas agora compreende-o melhor, reconhecendo o contexto espacial deste ou daquele prédio ou da pequena colina arborizada ao fundo. Ao passar por cidades mais e mais distantes, o viajante vai percebendo que, se bem que única, a cidade que visitou ainda tem semelhanças com as que a rodeiam. Conforme se distancia, tudo vai mudando progressivamente: o clima, a vegetação, a paisagem, a arquitectura, as formas de vestir. Tudo isso dá mais sentido ao conhecimento que o viajante adquirira da cidadezinha já distante.

3Esta parábola tem por finalidade explicar ao leitor a razão de ser do presente livro — uma recolha de ensaios, cada um com o seu tema distinto. O antropólogo social é o viajante que penetra na vida de um grupo social, tentando esforçadamente «fazer sentido» do que observa. A monografia etnográfica não é mais do que o resultado desse esforço. Mal acabada a descrição etnográfica, porém, já o antropólogo se encontra na viagem de volta. Novas questões se levantam: quais as implicações teóricas dos termos que se viu forçado a utilizar? Quais os constrangimentos teóricos, sociais e institucionais que o levaram a adoptar esta posição e não outra? Qual a relevância comparativa do seu material? Será que as descobertas que fez permitem deitar luz sobre uma região mais vasta?

4Os ensaios aqui reunidos foram escritos depois de Outubro de 1984, altura em que entreguei à Oxford University Press o manuscrito final de Filhos de Adão, Filhas de Eva, uma monografia etnográfica sobre duas freguesias rurais do Alto Minho. Todos eles são tentativas de responder às questões do viajante que volta a casa; isto é, de situar teórica e comparativamente a etnografia portuguesa — de procurar os contextos da antropologia. Duas preocupações principais são discerníveis: a procura do contexto histórico e social da antropologia e a procura do contexto comparativo para o estudo das formas de organização social mais básicas, às quais o antropólogo social tende a dar maior atenção. Assim, os capítulos sobre os antecedentes da antropologia em Portugal (cap. I) e sobre o papel do investigador na produção do conhecimento etnográfico (cap. II) correspondem ao primeiro vector, enquanto os capítulos sobre a erosão das categorias analíticas no estudo dos fenómenos familiares na Europa (cap. V), sobre a família burguesa do Porto (caps. VII e VIII) e sobre a reprodução da unidade social primária (caps. VI e IX), correspondem ao segundo vector. Finalmente, o capítulo sobre a diferenciação sociocultural e a identidade regional (cap. III) e a crítica à noção de Mediterrâneo como categoria comparativa (cap. IV), são uma ponte entre os dois tipos de esforço de contextualização.

5Se bem que cada um destes ensaios tenha um estilo particular e abra portas que os outros não irão necessariamente explorar exaustivamente, o livro foi concebido desde o início como um todo. Ele corresponde a uma resposta específica à necessidade de teorização com que se depara o cientista social que deseje ultrapassar os limites do seu estudo monográfico. Trata-se de uma resposta historicista, que rejeita a construção teórica in vacuo e que presume, portanto, que «o ponto de origem de toda a verdade, incluindo a verdade científica» é «o meu contacto com o social na finitude da minha situação» (Merleau-Ponty, vide cap. II).

***

6Alguma confusão poderá surgir com a utilização que neste livro se faz dos termos antropologia, etnologia, e etnografia. Não proponho definições simples para qualquer destas palavras, até porque, como se tornará claro desde o primeiro capítulo, penso que só uma abordagem histórica permite compreender o seu significado. Convém, no entanto, desde já esclarecer o leitor de que, enquanto antropologia e etnologia são termos que se aplicam a disciplinas científicas ou académicas, a noção de etnografia refere-se à recolha de dados feita através de trabalho de campo e à descrição destes segundo convenções genéricas que lhe são próprias. Finalmente, por trabalho de campo, entende-se o contacto pessoal e directo com os habitantes de um grupo social ou região particulares (que designarei pelo galicismo terreno).

***

7O projecto de escrever este livro foi concebido quando eu era Calouste Gulbenkian Research Fellow in Portuguese Studies na Universidade de Southampton (1984-1986). Estou imensamente grato à Fundação, assim como ao Advanced Studies Committee dessa universidade, pela ajuda que me deram durante esses dois intensos e produtivos anos. Para com o Instituto de Ciências Sociais que, desde então, me tem acolhido e permitido a continuação da investigação, a minha dívida é enorme. Devo ainda aos alunos de Antropologia Social do I.S.C.T.E. a reconfirmação anual que estes temas, por secos que pareçam a princípio, cedo se tornam relevantes e até fascinantes a qualquer pessoa que adquira um conhecimento mínimo de história e teoria da antropologia social. Robert Rowland, Rui G. Feijó e Joan Bestard Camps, discutiram comigo muitas destas ideias, pelo que lhes estou grato. Agradeço também a Antónia Pedroso de Lima que me assistiu na preparação da versão portuguesa destes textos e na sua integração em forma de livro, não se poupando a esforços; assim como a meu pai, Daniel de Pina Cabral, pela leitura crítica que fez do manuscrito. A dívida maior, porém, é a João Arriscado Nunes; que forma tomariam hoje as minhas ideias se não fossem os debates, discussões e conivências científicas que a nossa amizade me proporcionou?

***

8Partes deste livro foram destinadas a publicação em inglês ou francês. Agradeço às seguintes entidades a permissão concedida para publicação em português: Macmillan/St. Antony’s; Current Anthropology; Gradhiva; Institute of International Studies, University of California, Berkeley; Ethnologie Française; Journal of Mediterranean Studies.

9Lisboa, Agosto de 1990.

© Etnográfica Press, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540