Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Artes da Fala

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Paulo Lima

Capítulo 9. Para além do discurso

Identidades femininas numa freguesia do concelho de Portel

Maria Mantero Morais

Texte intégral

1Esta apresentação tem como base trabalho de campo desenvolvido numa freguesia do concelho de Portel entre 1992 e 93. No início do trabalho, conheci uma mulher, a senhora Ana, e através dela fui introduzida no seu grupo de vizinhança e passaram a ser estas mulheres as minhas interlocutoras preferenciais. Apesar de ter tido conversas com várias mulheres (o lavadouro público era um lugar estratégico para eu as encontrar), a minha vivência ou experiência social (Kohn, 1994) na aldeia foi essencialmente partilhada com as mulheres pertencentes a este grupo. Como Peter Hervik, eu baseio-me aqui no pressuposto de que uma atitude reflexiva sobre a experiência de trabalho de campo pode ser produtora de conhecimento antropológico:

Reflexivity can be seen as a prominent means of transforming social experience in the field in to anthropological knowledge. In other words, the concept of reflexivity may provide the connection between shared social experience and a more general understanding of culture. Shared social experience does not imply identical experience: this is impossible. It simply implies that we attend to similar categorical conventions and practical tasks. The awareness of living in a common world encourages sameness and fosters an image of shared social experience. (Hervik 1994, 79).

2Este modo de proceder integra-se numa corrente recente da antropologia (pós-modernista) que centra a sua atenção no processo de criação do conhecimento. Kirsten Hastrup e Peter Hervik afirmam que:

The focus on the process of knowledge creation within anthropological scholar-ship thus reflects a general shift in the conception of the anthropological object. The previous images of “culture” (whether as a system of meanings or as a text) and “social structure” (as a functional whole) are obsolete, even if still useful shorthands for those dynamic social spaces that anthropologists enter in the field and recollect ever after (Hastrup e Hervik 1994, 2).

3Os aspectos da cultura que são impossíveis de traduzir em discurso tornam—se acessíveis ao investigador unicamente através da acção porque eles próprios são tornados presentes somente através da acção e da prática (Bourdieu 1977).

4Aminha intenção é analisar a experiência de trabalho de campo pessoal com um grupo específico de mulheres de uma aldeia alentejana para poder reflectir sobre o modo como as identidades femininas são construídas. As minhas conclusões são generalizáveis a outras aldeias alentejanas onde os alinhamentos e práticas sociais são semelhantes. Como é óbvio, o conhecimento antropológico consegue-se através de um trabalho analítico e reflexivo feito a posteriori do trabalho de campo, e por isso intrinsecamente dependente das situações que o investigador viveu e da forma como as viveu. É este processo reflexivo que eu iniciei a partir da vivência de situações específicas que muitas vezes começaram em forma de conversas, que eu proponho trazer aqui a lume. Foram situações que vivi em casa das mulheres ou sentada à soleira das suas portas, foi um pouco na intimidade destas mulheres que eu entrei participando nas suas práticas diárias. Elas visitam-se, encontram-se informalmente nas soleiras das portas, continuam conversas, comentários interrompidos dias ou horas atrás, sobre o trabalho, os filhos, a família, pessoas ou acontecimentos na aldeia; as crianças entram nas casas umas das outras conversando, comendo, dando recados ou pedindo qualquer coisa. Sendo os cafés e a taberna da aldeia um lugar de lazer predominantemente usado pelos homens (Almeida 1991), às mulheres está reservado um espaço mais difuso, entre a soleira das suas portas e as suas casas, que mais não é do que uma extensão do espaço doméstico, para se encontrarem nos seus momentos de lazer. É durante estas trocas diárias de palavras, actos e ajudas, que quase penetram na intimidade doméstica de cada uma, que as identidades destas mulheres se vão fazendo e refazendo.

5Este grupo de vizinhança demarca-se territorialmente, em traços largos, por uma rua da aldeia. É composto por três mulheres do mesmo grupo etário que se dizem muito amigas e que se interajudam em situações do quotidiano que requerem mais mão-de-obra, como matanças do porco ou caianças, mas também em situações quotidianas mais triviais, emprestando-se o que no momento falta. São elas que se ajudam mutuamente em alturas de crise como faltas de dinheiro repentino para despesas maiores não esperadas, mas sobretudo fazem-se companhia diariamente, conversando sobre tudo e sobre nada, numa relação de amizade entre elas que implica sobretudo uma relação de igualdade. Esta solidariedade estende-se aos filhos das três mulheres. Duas delas têm vários filhos a trabalhar e a viver no Algarve, que se ajudaram uns aos outros na procura de trabalho e de casa, escolhendo ficarem juntos. Para além da senhora Ana, da senhora Teresa e da senhora Lúcia, há mais duas irmãs entre si, mais novas e com filhos pequenos, que também fazem parte deste grupo. Estas duas mulheres, a senhora Laura e a senhora Cristina, trabalham juntas diariamente fazendo queijos. A rouparia é da primeira e do marido e a irmã é empregada. Têm também um irmão ainda solteiro, que esporadicamente ajuda. O marido da senhora Cristina é sobrinho da senhora Ana, o que as torna aparentadas entre si e companheiras preferenciais em qualquer ajuda que seja necessária, é, no entanto, a relação de amizade entre estas cinco mulheres vivida diariamente através de uma constante troca generalizada de conversas ou de pequenas ajudas quotidianas, o que elas gostam de realçar.

6Há mais uma ou duas mulheres aparentadas de uma ou outra das cinco, que esporadicamente entra na roda de interajudas, nomeadamente a senhora Ana tem uma filha, a Rosarinho, casada, que mora também na mesma rua e que faz também parte deste círculo, ajudando quando é necessário e sendo também ajudada quando precisa. A Rosarinho tem um filho pequeno e são a senhora Laura e a senhora Cristina, ou uma filha da primeira, quem mais a ajuda a tomar conta do bebé quando ela precisa de se ausentar da aldeia.

7Numa sociedade como o Alentejo, onde predomina a família atomizada e os trabalhadores rurais têm grande mobilidade espacial, as relações de vizinhança assumem especial importância. As relações sociais que mais contribuem para a estruturação dos grupos de vizinhança assentam principalmente em relações de amizade, relações estas que, como já afirmei acima, se perpetuam em outras gerações. (Para uma perspectiva comparativa das relações de amizade noutras partes do mundo, ver Gibson, 1986.)

8Vejamos agora cada uma destas mulheres mais de perto.

9A senhora Ana foi a primeira com quem eu travei conhecimento. Trabalha no jardim-de-infância como auxiliar educativa, é casada e tem quatro filhos. Só uma vive na aldeia com o marido e o bebé, numa casa da senhora Ana e pegada com a sua. Os outros três filhos vivem no Algarve, uma está casada com um rapaz também da aldeia e tem uma filha pequena e os outros dois são solteiros, um trabalha como polícia e a mais nova está a estudar. A senhora Ana nasceu na aldeia, onde foi criada por uma madrinha (abastada) que a protegeu. Quando casou, viveu em São Manços, onde o marido estava consertado numa herdade, mas depois veio para a aldeia, onde aquele continuou a trabalhar para o mesmo patrão. Nunca foi para o campo, o que a torna diferente da maioria das mulheres, e quando o jardim-de-infância abriu ela começou a trabalhar como auxiliar. Fez sempre questão em que os filhos estudassem, a filha mais velha, a Rosarinho, têm um bacharelato, e os outros, o décimo segundo ano. O marido teve sempre trabalho fixo por conta do mesmo patrão, e a família goza dum certo estatuto dentro da aldeia decorrente da situação profissional do casal.

10A senhora Ana encontrava-se numa posição que eu levei algum tempo a entender correctamente. Tinha uma série de atributos e alguns conhecimentos que a diferenciavam da maioria das mulheres da aldeia; trabalhava como auxiliar da educadora de infância, e antes de o jardim-de-infância ter sido inaugurado esteve empregada na escola primária. Era, no entanto, uma pessoa completamente integrada na aldeia, não se distanciando culturalmente, ou seja, partilhando totalmente do conhecimento cultural local (Hervik 1994). Ela tem o seu grupo de vizinhança, as suas amigas, o seu discurso é consonante com o resto das mulheres da aldeia (os filhos, o marido, o trabalho, o falatório sobre as mulheres da aldeia, etc.).

11Durante o trabalho de campo houve um acontecimento importante na vida da senhora Ana que ilustra esta situação. Um dia eu cheguei à aldeia e disseram-me que a senhora Ana estava separada do marido, ela já me contara que ele tinha uma outra mulher (amante) de quem tinha um filho, o que lhe causava grande mágoa. Disse-me então, a chorar, que já não aguentava mais e que à frente dos filhos haviam decidido separar-se, dividir a casa, e que seria a Rosarinho quem iria cozinhar e tratar da roupa do pai. A versão da filha era que a mãe fora influenciada, nomeadamente pela educadora de infância, porque a sua atitude não fazia sentido, não tinha justificação, uma vez que a situação do pai há muitos anos que se vinha arrastando e a mãe sempre soubera. Comentei o assunto com a senhora Cristina e a senhora Laura, que se mostraram com muita pena da Rosarinho, que tinha agora trabalho a dobrar, e disseram que queriam conversar com a senhora Ana. É claro que, passado um tempo, esta reconciliou-se com o marido e tudo ficou como antes. A verdade é que a própria senhora Ana estava-se a sentir mal com uma situação que não se enquadrava nos hábitos e práticas das pessoas da aldeia, não fazendo sentindo culturalmente.

12A Rosarinho é a filha mais velha da senhora Ana e vive numa casa pequena dos pais, paredes meias com a casa deles, é casada com o António, que trabalha como tractorista numa herdade local, e ela tem um bacharelato em silvicultura. Tem tido dificuldade em arranjar emprego, o que a deixa bastante frustrada. Tem um casamento desequilibrado e as suas expectativas são superiores à vida que leva. A Rosarinho revelou, na análise que fez da separação dos pais, uma grande capacidade reflexiva e um profundo conhecimento cultural local. Foi sempre cuidadosa com os pais enquanto o conflito durou, mas fez a sua análise, que partilhou comigo, explicando-me as razões da sua lógica. Foi sem dúvida a interlocutora com quem eu mais me identifiquei ao longo do trabalho de campo. Angustiava-a a dificuldade em arranjar emprego na área da sua formação e, tal como eu, andava às “voltas” com a melhor forma de conciliar o casamento, o filho pequeno e uma vida profissional. Pensava e falava sobre a aldeia, as pessoas e a maneira como estas se relacionam com uma grande capacidade reflexiva. Nas tardes que passei com ela conversando e brincando com o filho gerou-se entre nós um espaço de intersubjectividade que se revelou rico nas minhas futuras reflexões.

13A senhora Teresa mora em casa própria em frente da casa da senhora Ana. É casada e tem quatro filhos. Só uma vive na aldeia com os filhos. Os outros estão no Algarve a estudar, perto dos filhos da senhora Ana, onde se interajudam. A senhora Teresa nasceu em Monte de Trigo e com treze anos veio para a aldeia quando o pai arranjou trabalho como carvoeiro numa herdade local. Sempre trabalhou no campo e o seu percurso ilustra bem a mobilidade dos assalariados rurais no Alentejo: depois de casada ficou a viver na aldeia e a trabalhar como aguadeira dos homens que manobravam as máquinas como o marido. Passados dezasseis anos foi com o marido para um monte longe da aldeia. Ele era maioral e ela fazia o que fosse preciso. Viveram aí durante cinco anos, findos os quais voltaram para a aldeia, onde compraram a casa em que actualmente moram, mas pouco tempo passado mudaram-se para Monte de Trigo, onde arranjaram trabalho fixo num monte. De Monte de Trigo mudaram-se para Ferreira do Alentejo, para uma herdade onde o marido tratava do gado. Depois do 25 de Abril esta herdade foi ocupada e voltaram então para a aldeia, onde trabalharam nas UCP. A senhora Teresa e o marido estão actualmente reformados e ajudam muito a filha e os netos que vivem na aldeia. Ela vive a falar dos filhos e dos netos, é muito amiga da senhora Ana (como ela gosta de dizer) e os filhos das duas são muito amigos entre si.

14A senhora Teresa é das mulheres mais velhas do grupo. Fala de si própria como uma “velha” que ali está. Gostava de conversar comigo sobre “coisas passadas” e mostrava uma grande nostalgia pelo passado. Ela e o marido moram em frente da senhora Ana e a proximidade espacial dos respectivos filhos no Algarve fazia com que partilhassem intensamente conversas e sentimentos.

15A senhora Lúcia é aquela com quem eu conversei menos. Vive com o marido, estão os dois reformados, trabalhou sempre no campo e tem dois filhos casados; um vive na aldeia e o outro está no Algarve, perto dos filhos da senhora Ana e da senhora Teresa. Encontrei-a a encher carnes por altura da matança do porco em casa de duas das mulheres do grupo. A senhora Ana e a Rosarinho afirmavam ser muito amigas dela e dos dois filhos.

16A senhora Laura, depois de casada, viveu sempre na aldeia. O marido esteve uns tempos emigrado, mas ela permaneceu na sua terra. Tem o negócio dos queijos juntamente com o marido, mas é ela quem os faz diariamente; ele trabalha como pedreiro (quando há trabalho). O marido é também o presidente da junta de freguesia, o que lhes confere um certo estatuto dentro da aldeia. Têm três filhos, a mais velha estuda em Évora, no ensino superior, a do meio está a fazer o décimo segundo ano em Lisboa e o mais novo anda na escola em Portel. Vivem numa casa grande, onde fizeram obras para instalar a rouparia e onde têm muitos objectos de carácter urbano.

17A senhora Laura mostrou-se uma boa informante. Gostava de conversar sobre a sua infância, o negócio dos queijos e a maneira de fazer as “coisas à moda antiga”. Tinha uma boa percepção do que eu andava a estudar e tentava ajudar-me, deixando-se interrogar e veiculando-me as informações da forma que ela pensava eu estar interessada. As filhas, que vinham muito à aldeia, traziam-lhe formas diferentes de pensar e fazer que ela tentava integrar na sua vida. A sua atitude de abertura tornavam-na uma mulher simpática e autoconfiante. As outras mulheres diziam que ela era “muito amiga delas”.

18A senhora Cristina vive na casa dos pais com o marido, os dois filhos e o irmão solteiro, que também dá uma ajuda no carregamento e distribuição dos queijos. O marido trabalha na herdade onde os pais são caseiros (o pai é irmão da senhora Ana) e onde o marido da senhora Ana também trabalha, e os dois filhos andam na escola primária da aldeia. Não tem o mesmo desafogo económico da irmã.

19Eu encontrava a senhora Cristina todos os dias na rouparia, em casa da irmã. Aqui ela falava dos tempos passados entre o espaço doméstico e o espaço público que confina com este, a soleira da porta, que é igualmente lavada todos os dias como se à casa pertencesse, e que é onde as feminilidades se vão afirmando. A soleira da porta é, apesar disto, um espaço público e por isso apela ao convite dos que passam na rua e se cumprimentam ou param para qualquer troca de palavras mais demorada. A uma sociabilidade mais intensa entre grupos de mulheres com relações de amizade privilegiadas, e que tem como palco a casa e a soleira da porta, subsiste outra, mais difusa, entre os habitantes da aldeia, homens e mulheres nos espaços públicos da aldeia, como as ruas (Medeiros 1991). Falava pouco, deixando ser a irmã a conduzir a conversa. Na rouparia deixava também ser a outra a decidir e fazia sempre como esta dizia, situação que transferia para as conversas comigo, pouco mais acrescentando ao que a irmã afirmava e concordando sempre com ela. Fora deste contexto de trabalho, a relação que prevalecia com as outras mulheres do grupo era de igualdade. Tinha, no entanto, os dias muito ocupados com o trabalho, os filhos pequenos, o irmão e o pai em casa, e era a menos disponível para trocas de conversas com as amigas.

20Tentei pôr a descoberto o processo reflexivo sobre situações particulares por mim partilhadas com certas mulheres que levou ao meu conhecimento sobre a aldeia. Analisei, o modo como o género feminino é construído através de uma praxis que privilegia as relações de amizade femininas. Vi como estas amizades são construídas através de relações intimas de partilha de situações domésticas e por isso vividas e experimentadas no espaço doméstico. Vi também como estas amizades se transferem para a geração dos filhos, criando uma nova malha de relações sociais e de solidariedades na geração seguinte herdada da anterior. A construção da feminilidade é feita no convívio, na interajuda, na troca de palavras e conversas e principalmente na partilha de experiências de carácter doméstico entre mulheres afins. Muitos momentos há, como os de trabalhos rurais (apanha de azeitona, ou trabalhos nos eucaliptos) ou as lavagens no lavadouro público, para estas trocas ocorrerem, mas é essencialmente durante os tempos de lazer vividos no espaço doméstico da casa e na sua extensão, a soleira da porta, que a partilha de experiências de carácter mais íntimo se concretiza. A uma sociabilidade feminina de carácter mais intimo e intenso subsiste outra, entre homens e mulheres, de carácter mais difuso e público. Fica de fora aqui, a sociabilidade masculina, mas, sendo a investigação dependente do investigador/investigadora e das situações por ele/ela vividas, é obvio que foram as relações de sociabilidade femininas as por mim vividas.

Bibliographie

Almeida, Miguel Vale de (1991), “Da taberna ao café: a casa dos homens”, Portugal Moderno. Tradições (Enciclopédia Temática), Lisboa, Pomo.

Bourdieu, Pierre (1977), Outline of a Theory of Practice, Cambridge, Cambridge University Press.

Gibson. Thomas (1986), Sacrifice and Sharing in the Philippine Highlands. Religion and Society among the Buid of Mindoro, Londres, Athlone Press.

Hastrup, Kirsten, e Peter Hervik (1994), Introduction, in Kirsten Hastrup e Peter Hervik (orgs.), Londres, Routledge.

Hervik, Peter (1994), “Shared reasoning in the field: reflexivity beyond the author”, in Kirsten Harstup e Peter Hervik (orgs.), Social Experience and Anthropological Knowledge, Londres, Routledge.

Kohn, Tamara (1994), “Incomers and fieldworkers: a comparative study of social experience”, in Kirsten Hastrup e Peter Hervik (orgs.), Social Experience and Anthropological Knowledge, Londres, Routledge.

Medeiros, António (1991), “Espaços e sociabilidades”, Portugal Moderno. Tradições (Enciclopédia Temática), Lisboa, Pomo.

Auteur

Antropóloga, membro do CEAS

© Etnográfica Press, 1997

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540