Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Artes da Fala

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Paulo Lima

Capítulo 7. Mais algumas notas sobre o romance “Lázaro e o rico”

Testemunhos alentejanos

Maria Aliete Galhoz

Texte intégral

  • 1 Maria Aliete F. D. Galhoz, “O romance popular sagrado ‘O rico avarento’: tradição peninsular e cono (...)

1Escolhi para apresentar aqui neste colóquio sobre Artes da Fala um tema que já havia abordado no IV Coloquio Internacional del Romancero (Sevilha, Puerto de Santa Maria, Cádiz, 23-26 de Junio de 1987),1 e é o que consta do título, quer dizer, acrescentam-se mais alguns elementos na complexa recepção e transmissão popular da parábola novitestamentária (Lucas, 16, 19, 31) conhecida por “O rico avarento” ou, mais comummente ainda, por “Lázaro e o rico”. Transcrevo, desse trabalho, a informação de base,

Naturalmente que as fontes donde discorre a assimilação popular do ensinamento religioso desta parábola, vêm da elaboração do seu imaginário sobre as glosas dadas pelas homilias e sermões dos oficiantes religiosos, mais impressivas, por explicadas, do que da leitura directa dos textos, a que só letrados da igreja tinham praticamente acesso, ou da auditiva das “leituras” da missa que eram feitas em latim e, portanto, inacessíveis, sem a homilia em vulgar, ao comum dos fiéis. Parece-me, contudo, necessário recordar o texto canónico, da Vulgata, donde advém, seja como for, a matriz desta difusão. Cito em português.

Texto 1

  • 2 Bíblia Sagrada versão portuguesa preparada a partir dos textos originais pelos reverendos padres ca (...)

[Parábola do rico avarento]. 19. Havia um homem rico que se vestia
de púrpura e linho fino, e vivia os dias regalado e esplendidamente.
20. Um pobre chamado Lázaro, jazia ao seu portão coberto de chagas.
21. Bem desejava ele saciar-se com o que caía da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe as chagas. 22. Ora, o pobre morreu e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. 23. No inferno, achando-se em tormentos, ergueu os olhos e viu, de longe, Abraão, e Lázaro no seu seio. 24. Então ergueu a voz e disse: “Pai Abraão, tem misericórdia de mim e envia Lázaro para molhar em água a ponta do seu dedo e refrescar-me a língua, porque estou atormentado nestas chamas”. 25. Abraão respomdeu-lhe: “Filho, lembra-te que recebeste os teus bens em vida, e Lázaro somente males. Agora ele é consolado, enquanto tu és atormentado. 26. Além disso, entre nós e vós foi estabelecido um grande abismo, de modo que, se alguém pretendesse passar daqui para junto de vós, não poderia fazê-lo, nem tão-pouco vir daí para junto de nós”. 27. O rico insistiu: “Peço-te, pai, que envies Lázaro à casa dos meus pais, pois tenho cinco irmãos. 28. que os previna, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.” 29. Disse-lhe Abraão: “Têm Moisés e os Profetas; que os oiçam!”. 30. Replicou-lhe ele: “Não, pai Abraão, mas se algum dos mortos, for ter com eles, arrepender-se-ão”. 31. Abraão respondeu-lhe: “Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, tão-pouco se deixarão convencer se alguém ressuscitar de entre os mortos”. [Bíblia Sagrada, São Lucas, 16, 19-31]
2

  • 3 Tenho hoje notícia de publicação, dispersa, de mais versões, em Espanha, mas a que não tive possibi (...)
  • 4 Três versões (581, 582 e 583), todas três do concelho de Loulé, Algarve, publicadas in Romanceiro P (...)

2O primeiro contacto que tive com uma “interpretação” circulante, veiculada oralmente, deste texto do Evangelho foi numas férias de Verão, em Boliqueime, à roda de 1960, numa descasca da amêndoa em casa de um tio meu. Recitou-me (é mais naturalmente cantada, mas recolhi-a sem gravador, foi-me dita para eu ir escrevendo) a tia Gertrudes Miguel, ainda nossa parente. A “descoberta”, então, deslumbrou-me, pois não conhecia este romance/ oração de nenhuma das colectâneas de romances que já manuseara, quer portuguesas, quer de Espanha. Errava, e não errava, no meu ingénuo juízo de o ter recolhido, tal romance/ oração, pela primeira vez. Não errava, pois se tratava de uma produção dentro do que nós chamamos de “romances vulgares”, portanto tardios e caracterizada por uma feitura originária ainda muito próxima, portanto ainda pouco marcada de traços de tradicionalização e, além disso, como vim a constatar depois, pelo que parece, difundida num espaço geográfico restrito, Sul do Alentejo e Algarve, num percurso que não é insignificativo. Errava, pois havia algumas versões publicadas de que me dei conta na continuação do trabalho de pesquisa dentro da área do “romanceiro”; as três primeiras foram, uma portuguesa, in padre Firmino A. Martins (1928), Folclore do Concelho de Vinhais, Vol. I, Coimbra, Imprensa da Universidade; p. 63 (Oração: “São Lázaro”), outra da Catalunha, in Milá y Fontanals, Romancerillo Catalán: canciones tradicionales, Barcelona, 1882; n.° 16 (“El mal rico”) e outra da província de Segóvia, in Kurt Schindler, Folk Music and Poetry of Spain and Portugal / Música Y Poesia Popular de España e Portugal, Nova Iorque (1979), música, n.° 682 e texto, p. 93.1.a edição, Nova Iorque [4.° Domingo de Quaresma (Lázaro)].3 Estes últimos três textos que mencionei são significados com um tratamento semântico das sequências, emergindo da estrutura profunda-matriz, (que é a parábola presente em Lucas, 16, 19-31), mais antigo que o travejamento semântico que lemos no enversamento do que será, digamos, o protótipo das versões que correm no Sul de Portugal4 e constituem uma emergência nova sem deixar, contudo, de ter dívida para com a mais antiga, já rareando. Além destas versões, as portuguesas quase todas publicadas actualmente, foi-me possível conhecer as existentes no Arquivo Menéndez Pidal, mercê da generosa amizade do Seminário Menéndez Pidal, que, não podendo eu deslocar-me a Madrid, o professor Diego Catalán autorizou a que me fosse enviada fotocópia dos romances existentes na “carpeta” de “Lázaro y el Rico” (entrada no Índice General del Romancero Hispânico, IGRH, 0514) e a professora Ana Valenciano mos remeteu, indicando ao alto das fotocópias os que são do punho de D. Ramón Menéndez Pidal e de D. Maria Goyri. Conservo esse pequeno dossier e para esta comunicação de hoje tenho novamente autorização para utilizar uma versão inédita do fundo particular D. Ramón Menéndez Pidal / D. Maria Goyri.

  • 5 Cf. “An Analytical Index to the Ballad — Entries (1557-1709)”, in The Registers of Stationers of Lo (...)

3Além deste acervo peninsular, tomei contacto com baladas europeias que enformam este tema, recorrentemente explorado como exemplum e símbolo por toda a Europa cristã medieval em que São Lázaro, fundindo no imaginário das populações o mendigo justo da parábola, exemplo verbal paradigmático dado por Jesus Cristo, e a figura de Lázaro, irmão de Marta e Maria, que Jesus Cristo ressuscitou, foi alçado, como seu símbolo, a protector e patrono dos desvalidos e pobres mais totais. Leprosarias e hospitais eram frequentemente postos sob a égide de São Lázaro. Como consta, por exemplo, da entrada de um registo de folheto de cordel, em Londres, em 1583, e que reza este título: “A message of news sent from the highe courte of heaven sent latelie by Lazalus prince of povertie unto all his lovinge friendes the poore distressed people here on earth ec.”5 (Uma mensagem de novas vindas do alto tribunal do Céu mandadas recentemente por Lázaro príncipe da pobreza para todos os seus queridos amigos, a pobre abandonada gente cá na terra, etc.). Da Europa passaram ao Novo Mundo, as Américas, e nos países de fala espanhola encontrei uma das modalidades desta parábola, enversada em balada ou romance, em romanceiros tirados do folclore do México, Nicarágua, Argentina, Colômbia e Chile; não encontrei rasto nos da fala portuguesa, os Romanceiros do Brasil, no entanto também muito ricos. Na modalidade correndo nos países da América Latina de expressão espanhola, tal como acontece para a modalidade mais vigorosa presente na tradição da balada francesa, há uma mudança de personagem: Jesus Cristo, disfarçado de mendigo, é quem toma o papel do justo sofredor. Como se pode comprovar com esta versão francesa (refazimento tardio, século XVII, decomplainte originária mais antiga), de que damos o ínicio:

Texto 2

1
Jésus-Christ s’habille en pauvre,
l’aumône va demander :
— Monsieur, qu’êtes sur la porte,
faites-moi la charité !

2
— Ah ! va t’en, coquin de pauvre !
je n’ai rien à te donner.
— Des miettes de votre table,
je ferais bien mon diner.

  • 6 In Le Livre des Chansons; comentadas por Henri Davenson, Col. des Cahiers du Rhône, Editions de la (...)

3
— Les miettes de ma table,
je les garde pour mes chiens :
Mes chiens m’apportent des liévres,
toi, tu ne m’apportes rien.
[…]6

4e que se comparará com o princípio da balada anglo-saxónica, proveniente de um antigo folheto de cordel impresso em Birminghan, que aqui damos também:

Texto 3

1
As it fell out upon a day,
Rich Dives he made a feast,
And he invited all his friends,
And gentry of the best.

2
Then Lazarus laid him down and down,
And down at Dives’door:
“Some meat, some drink, brother Dives,
Bestow upon the poor.”

  • 7 In The English and Scottish Popular Ballads (1882-1898), editadas por Francis James Child em cinco (...)

3
“Thou art none of my brother, Lazarus,
That lies begging at my door;
No meat nor drink will I give thee,
Nor bestow upon the poor.”
[…]7

5(1. Aconteceu certo dia/ o rico dar um festim / E convidou os seus amigos / e as pessoas da alta sociedade // Então Lázaro escorregou devagar / prostrado à porta do rico: / Um pouco de comer, um pouco de beber, irmão rico, / dá ao pobre. // Não és meu irmão, Lázaro / que jazes mendigando à minha porta; / Nem de comer nem de beber haverá para ti, / Nada darei ao pobre.) O que se infere de comum, como constante, explícita ou implícita no corpo do texto, é a sua função ou, melhor, a sua direcção finalizada: seja balada, romance, ou romance / oração, dirige-se ao auditor como canto ou recitação petitório, isto é, rogativo de esmola. Seja, por exemplo, num circuito de exibição urbano, enfatizado como espectáculo de rua, ou, até, dramatizado por mais de um executante, como o explicitamente declaram algumas entradas dos registos de folhetos de cordel, seja, por outro lado, a circulação do romance, ou do romance/oração, em espaço rural, no reportório de mendigos que os salmodiavam ou cantavam por pequenas aldeias e montes, como é o caso, a que vimos aqui, no Sul do Alentejo e no Algarve, da formalização (“Oração do pobrezinho”) oralizada de “Lázaro e o rico” nesta última “camada”, digamos assim, do seu relançamento, ou igualmente, (“Oração do pobrezinho”) o seu paralelo, pregnante, de encorajamento à esmola, que é o romance, também vulgar, de “O lavrador da Arada”.

6Cinjo-me agora às produções em verso, romance/oração, peninsulares referentes a “Lázaro e o rico”, recolhidas da tradição oral. Salvo a catalã, “El mal rico”, anterior a 1860, creio, e que encosta mais à vertente francesa, são todas de recolhas deste século. Cito uma do princípio do século, a recolha, transcrita pelo punho de D. Ramón Menéndez Pidal, província de Guadalajara:

7Texto 4

  • 8 Matea: nome da informante, Almadrones (Sigüenza), Guadalajara, localização da recolha. Versão ainda (...)

Lázaro se vistio ‘e pobre

para al buen señor pedir

y a la puerta del rico hombre

Lázaro llegó á pedir

Lázaro a que vie’s aqui

con tu llagas y dolores

que me quitas mis honores

no te quito tus gallinas

ni tanpoco tus capones

solo las migas de pan

que de tu mesa se caen

perros y lebreles tengo

que las vegan a buscar

levanta mozo mandado

tu que eres el buen mandar

suelta perros e lebreles

para Lázaro morder

los perros fuerón humildes

mas humildes que Noé [no el]

que se hincaran de rodillas

para a Lázaro lamer

por los costados de Lázaro

se vian fuentes [manar]

y en la boca del rico hombre

se irà un fuego infernal

Por Dios te pido buen Lázaro

por Dios te pido irrogar

me eches una gota de agua

en este fuego infernal

huérfanos y huerfanillas

tengo de mandar casar

que mi casa es casa grande

á modo de un hospital

donde van ricos e pobres

alli todos aparar

Lázaro llego a pedir

al avariento lismona

y no se la quiso dar

por eso no fue á la gloria

a voces lo esta llamando

Lázaro, ven acá, ven

que me abraso en vivas llamas

por no haberos hechebien

Mirar vosotros los hombres:

no hagais lo que hizo aquel

que se abrasa en vivas llamas

por no habero hecho bien

esta ardiendo en los infernos.

[Matea, Almadrones, Sigüenza]8

8Sem mais reparos apresento agora a “vulgata” moderna que no Sul se difundiu não sei em que altura deste século: tia Gertrudes Miguel, que ma ditou por volta de 1960, era senhora, então, de oitenta e tal anos; recolhida por mim em Boliqueime, concelho de Loulé, distrito de Faro.

9Texto 5

  • 9 Ver nota (4): texto n.° 582

Levantou-se o pobrezinho

em caso de necessidade,

2

Pois foi a casa do rico

que esmola não lhe quis dar;

E ele, como era soberbo,

os cães lhe foi assegar;

4

A criada, como humana,

os cães lhe foi enxotar.

O rico e o pobrezinho

morreram todos no dia,

6

O rico pela manhã

e o pobre pelo meio-dia;

Do rico nasceu um fogo,

um fogo infernal,

8

Do pobre nasceu uma fonte,

uma fonte celestial.

— Quem me dera tu, ó pobre,

dares-me uma gotinha d’água,

10

Para eu molhar o meu dedo polegar

para este fogo abrandar.

— Deixa-te lá estar, ó rico,

nesse fogo infernal,

12

As sobras da tua mesa

nunca mas quiseste dar;

Tu, como soberbo,

os cães me foste assegar;

14

A criada como humana,

os cães foi enxotar.

— Quem me dera ir ao mundo,

quem me dera lá voltar,

16

Para dizer aos meus filhos

que nunca fizessem tal.

— Deixa lá estar os teus filhos,

acabando-se de criar,

18

Lá estão os padres pregadores,

se lhes quiserem ensinar.9

  • 10 Mais três versões publicadas in Memória Tradicional de Vale Judeu (1966), à cura de Idália Farinho (...)

10As versões que correm no concelho de Loulé, de que temos seis,10são praticamente uniformes, sem marcas de semantização supletiva, a bem dizer. Das duas do Sul do Alentejo, publicadas por Pere Ferré, ajunto aqui uma, mesmo protótipo, ligeiramente variante, contudo, já, no seu tecido de superfície:

11Texto 6

12Versão de São João dos Caldeireiros (concelho de Mértola), recitada por Lucília Dias da Silva, sessenta e dois anos. Recolhida por Luísa de Mira Galvão em Dezembro de 1987.

  • 11 Ver nota (4), texto n.° 119.

O pobre foi à porta do rico e pediu as sobras de seu jantar,

2

e o rico, como era soberbo, os cães lhe foi açodar.
sua criada, como tão bela, os cães foi a chamar.

4

Morreu o pobre e morreu o rico numa manhã nacital,
enterrou-se o pobre ao cantinho e o rico ao pé do altar.

6

Na sepultura do rico nasceu um forno infernal,
na sepultura do pobre, uma fonte industrial.

8

O rico pediu ao pobre uma gotinha de água.
— Não te dou que eu fui pedir as sobras do teujantar

10

e tu, como soberbo, os cães me foste açodar;
tua criada, como tão bela, os cães me foi achamar.

12

— Ai quem pudesse ir ao outro mundo, quem pudesse lá chegar,
para dizer aos meus filhos que nunca fizessem tal.

14

— Deixa lá os teus filhinhos,(…)

que lá há padres confessores para os teus filhos ensinar.11

13As duas execuções cantadas que possuímos no Centro de Tradições Populares Portuguesas, ambas providas de bordão poético, uma recolhida em Boliqueime, em 1974, pelo Prof. Manuel Viegas Guerreiro, e outra recolhida em Colos, concelho de Odemira, em 1993, por mim, mal diferem no corpo do texto, mas jogam diferentemente com o apoio do bordão poético, o que se vê facilmente com uma pequena amostra:

  • 12 Recolha do Centro da Tradições Populares Portuguesas, versão ainda não publicada.

Texto 7

Texto 8

Livantou-se um pobrezinho

Levantou-se o pobrezinho

AÓ mê bom Jesus!

Numa manhã de necidade,

Numa manhã de nascidade,

Chigou à porta do rico,

B Ai meu Deus!

ó meu Deus!,

2

Foi à porta de um irmão rico,

‘Smola não le quis dari!

A Ó mê bom Jesus!

O rico como soberbo

Jumola não l’a quis dar.

Os cães lhe foi açular

B Ai meu Deus!

E a criada como boa,

A mulher, como soberba,

ó meu Deus!,

A Ó mê bom Jesus!

Os cães lhe foi enxotari!

Os cães le veio acedar.

Lá mais tarde veio um dia

B Ó meu Deus!

Morreu o pobrezinho a um cantinho,

4

A criada, como boa,

ó meu Deus!,

A Ó mê bom Jesus!

E o rico ò pé do altari!

Os ladros foi enxotar.

B Ó meu Deus!

[…].

Veio um dia de mortidão,

[Colos, concelho de Odemira, Alentejo]12

A Ó mê bom Jesus!

Morreram no mesmo dia.

B Ó meu Deus!

6

O pobre morreu pela manhã,

A Ó mê bom Jesus!

E o rico morreu ao meio-dia.

B Ó meu Deus!

14[…].

  • 13 Ver nota (4), texto n.° 581.

15[Boliqueime, concelho de Loulé, Algarve]13

16Chegado a este ponto da exposição, vamos inflectir para a parte crucial da nossa comunicação, que não resolveremos, mas deixaremos em aberto no puzzle textual que os enversamentos e versões de “Lázaro e o rico”, ou de “São Lázaro”, ou da “Oração do pobrezinho”, que fomos apresentando atrás, mais as duas versões mais antigas e um fragmento, que citaremos a seguir, não deixam de propor notoriamente. Citamos portanto:

  • 14 Vinhais, distrito de Bragança, in padre Firmino Martins, Folclore do Concelho de Vinhais (1928), Vo (...)
  • 15 Recolhido em Mombeja, conc. e d. de Beja, por Joaquim Roque, em Dezembro, 1947. Publicado in Arquiv (...)

Texto 9
(Oração) a São Lázaro

Texto 10
Oração de São Lázaro

S. Lázaro se fezo pobre

Láz’ro, como bom cavalêro

p’ra um bom senhor servir,

Filho da Virja Maria Dê’s onipotente

à porta de rico home

Foi á porta de Recõibro

esmola foi a pedir.

E Recôibro tava jentando…

Rico home estava jantando

Ó Recõibro, ê’te peço

non no quisera ouvir.

Que me dêxes apanhar

Levanta-te, Manuel Gonçalves,

As migalhinhas que caem do tê’altar

por ser o moço bem mandado

(mesa, toalha)

vai lh’abrir àqueles libréus

Pró mê corpo sustentar!

daquela boca mais cruel;

— Vai-te daqui, Láz’ro

libréus que lá chegueram

Com as tuas chagas e os tê’s fedôres

de rodilhas se puseram

Nã’apanhes os mê’s manjares

lamberam as suas chagas;

Nêi da galinha, nêi do capão

por Deus e Santa Maria

Nêi doutros servos melhores…

morreram ambos num dia.

— Recõibro, te peço, que me dê’xes

Da boca de S. Lázaro

apanhar

sai uma fonte menar,

As migalhinhas que caem do tê’altar

da boca do rico home

Pra mê’corpo sustentar!

sai um fogo infernal.

Alevanta-te, môço Gonçal

— Deixa meter o pol’gar

Vai c’os ferros leões morder a Láz’ro

na tua fonte menar!

(“ferros” por “perros”)

Se ò outro mundo tornar,

— E os ferros leões [que] erom mais

órfães e viúvas mando casar,

amorudos que o dono

igrejas e altares mando pintar

(” leões” por “lebrões”, de “lebreus”)

— Vai-te daí, homem rico,

Puserom-se d’enjoelhos lembend’

no outro mundo já estiveste,

as chagas a Láz’ro

não me fizeste bem neum

Pordôa-me tu, Láz’ro, que’ê’sou môço

se não mal quanto pudeste.14

de mandados

E em assim nã’no fazendo

Lovarê’munta porrada,

Dê’s do Céu que te pordõe

Que têi poder para isso

Pormita Dê’s eaVirja Maria

Que Láz’ro e Recõibro

morressem embos no mesmo dia!

Láz’ro e Recõibro morrerom

Embos no mesmo dia…

Láz’ro foi prô Céu

Com tanta folgaria

E Recõibro foi prô enferno

Com tanta penaria

Na bôca de Láz’ro narceu ‘ma fonte melar

E na bôca de Recõibro narceu

um fogo enfernal.

Dêxa-me tu, Láz’ro, molhar

Este dedo polgar

Lá na tua fonte melar.

Pra este fog’enfernal apagar!

Lembras-te tu Recõibro

No outro mundo tã’lial?

— Lembra e lembrará…

Quem me dera lá chigar!

Mil milherêros mandari’àrrencar

E mil cativêros mandari’ à soltar

Pra dezer ôs mê’ s êrmões

Que nã’caissem noutra que tal!

Nã’tens tu, Recõibro, êrmão

Quem ir lá buscar

Qu’os tê’ s ermões

‘Stão noutra que tal…15

17E contextuado em prosa, referindo uma narração mista, ouvida, em 1936, a Mariana de Venda, em Alqueva, conelho de Portel, distrito de Évora, por J. A. Pombinho Júnior, os fragmentos em verso que destaca e citamos:

Texto 11
Lázaro e o rico avarento

(...)
— “Dai esmola a Lázaro, pelo amor de Deus!”
(...)
— “Saltem lebreus e lebrões
Que em Lázaro vão morder!”
(...)
Os cães foram tão caridosos
Que as chagas lhe pegaram a lamber.
(...)
— “Lázaro deixa-me molhar
O meu dedo polegar
Na tua fonte manal, (?)
Para o meu fogo abrandar!”
— Não, quando no outro mundo estiveste,
Sempre só mal fizeste.
Agora deixa-te aí estar,
Nesse fogo infernal,
Até que eu lá te vá tirar.

18É evidente que o prótipo deste enversamento mais antigo (textos 9, 10 e 11 portugueses) se difundiu de nascente para cá, das raias de Espanha para Portugal, como, aliás, a maior parte dos romances, sobretudo os “velhos”, circulando na nossa tradição. Neste de “São Lázaro” nota-se a fixação castelhana da nominação do rico, “Recõibro” na versão de Mombeja, Alto Alentejo, e “Rico home” na de Vinhais, Trás-os-Montes, como nas versões de Espanha corre uniformemente “rico hombre” / “recombre” — confronte-se com o texto n.° 4, de Sigüenza, Guadalajara.

19Feita esta observação, indispensável mas fora do meu propósito explorar aqui, cerraremos um pouco a leitura das equivalências semânticas do tecido de superfície da versão de Vinhais e da versão de Mombeja, mais o fragmento de Alqueva, que se iluminam entre si e propõem um texto original o mesmo: isto é, parece-nos, para além da “fábula”-matriz profunda que é a parábola de Jesus Cristo presente em Lucas, uma coincidência elocutória primeira na interpretação de superfície de alguma das sequências, sobretudo uma, que não pode ser atribuída a um simples acaso probabilístico no seu acontecer. Emerge delas um nexo comum. Refiro.

Texto 9

Texto 10

Levanta-te, Manuel Gonçalves por ser moço bem mandado

Alevanta-te, moço Gonçal Vai com os ferros leões morder a

Lázaro

vai lh’abrir àqueles libréus daquela boca mais cruel:

Texto 11

Texto 4

Saltem lebreus e lebrões

Levanta mozo mandado,

Que em Lázaro vão morder

tu que eres el buen mandar,

suelta perros y lebreles

para a Lázaro morder.

20Termino a minha exposição referente a “Lázaro e o rico”, deixando em aberto o puzzle textual de superfície que a leitura dos textos peninsulares de que dispus (restrinjo esta abertura, aqui, aos textos peninsulares) me propôs e de que apresentei uma amostragem suficiente. Pergunta-se então: protótipo originário de Espanha, como se difundiu para Portugal e porque entradas? Primeira veiculação logo de outiva? Já transmissão de transmissão oral ou, de outiva, ouvido a partir de um suporte escritural de folha de cordel? Isto primeiro. Em segundo lugar: que fonte e que percurso explicam as execuções orais recolhidas “Manuel Gonçalves”, Trás-os Montes, e “moço Gonçal”, Alto Alentejo, perante a fórmula espanhola “mozo mandado, / tu que eres el buen mandar” (que, aliás, a execução recolhida de Vinhais mantém próxima)?

21Linguisticamente o pequeno ballet proposto é interessante: matricial de um texto que não conhecemos “Gonçalves” / “Gonçalo”? Distenção na interpretação eufónica (como outros casos no romanceiro conhecemos), que se fixou e deu origem a circulação assim fixada?

22Geograficamente a emergência, singular, que não conhecemos outras, de “Gonçalves” / “Gonçalo” em Vinhais e em Mombeja é intrigante pois não pode, insistimos, ser coincidência sem um elo. Como? Que veiculação a fez emergir? Que suportes a proporcionaram num lado e noutro?

23Problema curioso de tempos, espaços, trânsitos, comunicação humana. Aqui uma pequena fatia sincrónica, breve fatia, na trajectória dialectizada em “falas” de um “fundamento” e de uma utopia, ou crença, da condição humana na proposta cristianizada:

  1. origem comum, os homens são todos irmãos;

  2. o património dos homens está, foi-se, desigualmente repartido/repartindo;

  3. uma justiça é apelada, transcendente ou imanente, a repor o equilíbrio da fraternidade da herança igualitária na sua fruição;

  4. a tensão é dada, na posse do verbo que têm os humanos, por “símbolos” e por “exemplos”; a proposta significada como um “realizável” como limite do seu horizonte.

24Sem me afastar do meu tema, “Lázaro e o rico”, que seguimos um pouco num romance / oração, proponho, para fecho da minha participação neste colóquio sobre Artes da Fala, uma leitura vivencial, próxima, da mesma parábola mas enformada noutro género estrutural de construção de poesia narrativa: a “décima” desenvolvendo “mote” em quadra. A “fábula”, isto é, o “fundamento”, empregando aqui o justo termo técnico da “poética” alentejana das “décimas”, é o mesmo, o exemplo comportamental dado por Jesus Cristo. A “intriga”, a sua superfície na narrativa, actualiza-se na circunstância assuntiva. Na décima que vamos transcrever, a justiça, sem deixar de nomear uma instância supra-real, transcendente, portanto, infere o caminho de uma justiça imediata, actuante a partir do homem, imanente, tambéme como necessidade de acção. Transcrevo a “décima” de José Serrano (1907-1986), de Ourida, concelho de Portel, recolhida por Paulo Lima.

Entrou um pobre e pediu
Onde estava um cidadão
Uma esmola a chorar
Com o seu chapéu na mão

I
Em mísero estado me vejo
Uma esmola implorando
Eu vos peço que em jantando
Me dêem o vosso sobejo
E o rico sem ter pejo
Este pobre não ouviu
E o pobre repetiu
E tenha piedade de mim
Mas para matar a necessidade
Entrou um pobre e pediu

III
Saiu o pobrecoitado
Da casa do malfeitor
Encontrou um pobre trabalhador
Da mesma casa criado
Senta-te aqui a meu lado
Põe-te aqui a meu par
Que a fome te quero matar
Pobre estou e pobre fico
Nunca mais peças ao rico
Uma esmola a chorar

II
Responde o rico avarento
Suma-se já daqui para fora
Que eu não tenho troco agora
Nem que cuidar do meu sustento
Gritando ao mesmo tempo
Para o guarda-portão
Deite-me fora o ladrão
E sendo o pobre aleijadinho
Por ir pedir coitadinho
Onde estava um cidadão

  • 16 In Poetas de Cá: Breve Panorama da Poesia de Portel (1995), recolha, organização e introdução de Pa (...)

IV
Trataram de sesentar
Um ao outro deu de comer
E o rico por muito ter
Esmola ao pobre quis negar
Deus bem sabe castigar
Qualquer rico ou varão
Faz sua opinião
E diz que nada precisa
Mas pode-se ver sem camisa
Com o seu chapéu na mão.
16

Adenda

25Depois da realização deste colóquio sobre Artes da Fala, portanto já após ter apresentado esta comunicação atrás transcrita, chegou-me às mãos a edição do Romancero General de Segovia — Antologia [1880]-1992. Preparada por Raquel Calvo, com supervisão de Diego Catalán, Seminario Menéndez Pidal, Madrid / Diputación Provincial de Segovia; data de saída, 1993, mas só posto em circulação agora, 1996. Aí se inserem quatro versões de “Lázaro y el rico”, da província de Segóvia, três do AMP, coleccão Maria Goyri, Ramon Menéndez Pidal (recolhidas, duas, em 1905 e uma em 1904) que já conhecia, e uma provinda da recolha, na província de Segóvia, do Seminário Menéndez Pidal, em Julho de 1982 e que não conhecamos. Sobretudo esta, que reproduzimos a seguir, vem reforçar a noção de um tecido textual originário comum para a corrente do romance / oração petitório de “Lázaro e o rico” na Península e, fulcralmente, irradiando de Espanha. Tema velho, com raízes no fundo circulante dos exemplos/símbolos medievais, a sua emergência peninsular conhecida não lhe dá foros de atestação, por enquanto, mais que advinda de forma de enversamento tardio ou, caso da “vulgata” do Sul de Portugal, remanipulado. A teimosa fidelidade à matriz, sobretudo por seu objectivo rogativo de partilha, é, contudo, sempre em estado de emergir. Damos a versão que referimos acima e de tal comprovadora.

Lázaro y el rico (polias)

26[O514:02] Versión de Cedillo de la Torre (p. j. Sepúlveda, ant. Riaza), de Agustina Sanz (82a.), recogida por Pilar Aragón, Koldo Biguri, Jon Juaristi y Ana Pelegrin el 10 de Julho de 1982 (SMP, Encuesta Segovia 82, 6, 10-7, 2/B-01, musica registrada.)

Lazarito fue a pedir

a un avariento limosna

2

y como no se la dio,

Cristo le negó su gloria.

— Retirate, Lazarito,

que me quitas mis sabores,

4

que me quitas mis sabores

y las ganas de comer.

— Yo no quiero tus sabores

ni tus ganas de comer,

6

sólo quiero las migajas

que se te van a caer.

— Pero si lebreles tengo

que las vengan a coger

8

Anda tú, mozo Gonzalo,

como criao bien mandado,

suelta los perros lebreles

que están en aquel establo.

10

Los lebreles son leales,

som más leales que él,

poniéndose de rodillas,

a Lazarito a lamer.

12

Lazarito y el ricombre

se murieron en un dia,

Lazarito se fue al cielo

y el ricombre fue al infierno.

14

A grandes voces le llama:

— [Lázaro, Lázaro, ven,

que me abraso en llamas vivas

por yo no haberte hecho bien!

16

Si yo fuera al otro mundo,

haria un rico hospital,

para que todos los pobres

se fueran allí a amparar.

Notes

1 Maria Aliete F. D. Galhoz, “O romance popular sagrado ‘O rico avarento’: tradição peninsular e conotação com a balada ‘Dives and Lazarus’”, in El Romancero — Tradición y pervivencia a fines del siglo XX, Fundación Machado, Universidad de Cádiz, 1989, pp. 145-157.

2 Bíblia Sagrada versão portuguesa preparada a partir dos textos originais pelos reverendos padres capuchinhos. Revisão e actualização das introduções, livros principais, notas e índices, levadas a efeito por uma equipa de peritos formados pelo Instituto Bíblico de Roma.

3 Tenho hoje notícia de publicação, dispersa, de mais versões, em Espanha, mas a que não tive possibilidade de acesso por ser em publicações e revistas regionais de difícil consulta para mim.

4 Três versões (581, 582 e 583), todas três do concelho de Loulé, Algarve, publicadas in Romanceiro Popular Português, II, organização, introdução, notas e bibliografia de Maria Aliete Galhoz (1988), Lisboa, Centro de Estudos Geográficos, Instituto Nacional de Investigação Científica. Duas versões (118 e 119), do Alentejo, uma do concelho de Mértola, publicadas in Romanceiro Tradicional de Distrito de Beja, I, organização de Ana Maria Martins e Pere Ferré (1988), prefácio de José António Falcão, Col. Novos Inquéritos, Real Sociedade Arqueológica Lusitana, Santiago de Cacém / Seminario Menéndez Pidal, Madrid.

5 Cf. “An Analytical Index to the Ballad — Entries (1557-1709)”, in The Registers of Stationers of London (1967), compilsdo por Hyder E. Roldins;, prefácio de Leslie Shapard, Hatboro, Pensilvânia, Tradition Press (N 1757, Aug. 9, 1583).

6 In Le Livre des Chansons; comentadas por Henri Davenson, Col. des Cahiers du Rhône, Editions de la Baconniére, Neuchatel, Editions du Seuil, Paris, ed. original 1944 (utilizo a edição de 1982, p. 252).

7 In The English and Scottish Popular Ballads (1882-1898), editadas por Francis James Child em cinco volumes, Boston. Utilizo a ed. de 1965, Dover Publications, Inc., Nova Iorque, Vol. II, p. 11.

8 Matea: nome da informante, Almadrones (Sigüenza), Guadalajara, localização da recolha. Versão ainda não publicada.

9 Ver nota (4): texto n.° 582

10 Mais três versões publicadas in Memória Tradicional de Vale Judeu (1966), à cura de Idália Farinho Custódio e Maria Aliete Farinho D. Galhoz, ed. da Câmara Municipal de Loulé; I. Romanceiro, n.os 33, 34 e 35.

11 Ver nota (4), texto n.° 119.

12 Recolha do Centro da Tradições Populares Portuguesas, versão ainda não publicada.

13 Ver nota (4), texto n.° 581.

14 Vinhais, distrito de Bragança, in padre Firmino Martins, Folclore do Concelho de Vinhais (1928), Vol. I, Coimbra, Imprensa da Universidade, p. 63.

15 Recolhido em Mombeja, conc. e d. de Beja, por Joaquim Roque, em Dezembro, 1947. Publicado in Arquivo de Beja, vol III.

16 In Poetas de Cá: Breve Panorama da Poesia de Portel (1995), recolha, organização e introdução de Paulo Lima, Portel, n.° 347.

Auteur

Investigadora do CTPP, Universidade de Lisboa

© Etnográfica Press, 1997

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

Place des libraires