Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte IX. Folclore e migração

Capítulo 34. A província na capital

A Casa das Beiras em Lisboa

Maria João Figueiredo Forte

Texte intégral

A bandeira da Casa das Beiras em Lisboa: “A nossa Bandeira. Sobre Bandeira amarelo-ouro um círculo negro representativo do território: dentro e a meio do círculo uma estrela de prata de cinco pontas, representativa da Serra da Estrela. Acima, em chefe, uma Águia tricéfala, a ouro, representando os distritos de Viseu, Guarda e Castelo Branco, segurando nas garras uma chave em azul. A águia terá a cabeça central e à sua esquerda Guarda e Castelo Branco voltadas à esquerda, a outra cabeça, Viseu, inclinada à direita. Em baixo, contra-chefe, dois golfinhos de prata e verde enfrentando-se: As caudas voltadas para cima, em sentido oposto, embocando cada golfinho seu ramo, um de oliveira, outro de castanheiro, a verde com frutos a ouro, conforme o projecto estudado e aprovado pela Associação dos Arqueólogos Portugueses Secção de Heráldica. Assim se aprovou um projecto para a bandeira, baseado nas origens históricas e nos motivos heráldicos, / …/” [Aprovado em Assembleia Geral, 1914] Amadeu de Almeida, vice-presidente, em 22 de Julho de 2002. Foto cedida pela Casa das Beiras em Lisboa

1O objectivo deste artigo é compreender o fenómeno das casas regionais na cidade de Lisboa, na sua especificidade perante outras colectividades de cultura e recreio. Baseámos a hipótese desta especificidade na remissão que estas casas fazem para a problemática do regionalismo e do associativismo popular urbano, o que conduziu a definir um quadro de objectivos específicos, onde uma casa regional, a Casa das Beiras, foi analisada. Estes objectivos específicos traduziram-se em perceber as razões que explicam a perduração desta casa, apesar da sua constante precariedade institucional, da apenas episódica participação dos sócios e da perpétua aspiração a uma sede considerada condigna. A prossecução destes objectivos específicos baseou-se na hipótese de serem as casas regionais em geral, e a das Beiras em particular, um contexto institucional só compreensível em função do jogo de estratégias sociais ligadas à mobilidade entre o meio rural e o urbano, ao patrocinato e à gestão de carreiras políticas entre referências locais, municipais e centrais. Este jogo de estratégias estaria apoiado na produção e na reprodução do regionalismo, como discurso e prática simbólica reportados a regiões sempre supostamente evidentes e eternamente buscadas na sua concretização, por sua vez também insuficiente e precária, ou seja, em crise.

  • 1 O presente texto é uma sinopse da dissertação de mestrado apresentada em 1996 na Universidade Nova (...)
  • 2 Servem como exemplos casos retirados do arquivo da Casa do Alentejo, onde durante a década de 1930 (...)

2Ao cabo da pesquisa realizada, a Casa das Beiras surgiu-nos como um objecto difícil de dominar, já pela fragilidade das suas actividades, já pelas descontinuidades que impõem à sua história a impermanência duma massa associativa que nunca se consegue contabilizar bem, e que deserta facilmente.1 Por outro lado, esta mesma fragilidade sublinha a importância de dois outros aspectos recorrentes e que exprimem a unidade e a continuidade: a estrutura tripartida da sua organização, com um conselho de notáveis, um quadro de dirigentes e uma massa associativa de contornos vagos; e as bases que asseguram a continuidade desta instituição e que julgamos poder ser generalizáveis a outras casas regionais. Primeiro: recurso a uma simbólica identificadora, na qual assumem especial destaque os símbolos heráldicos e a retórica folclorística. Segundo: todo um conjunto de práticas rotineiras de celebração que sustentam um ciclo de actividades anuais. Terceiro: o desejo de automonumentalização pelas sedes nunca edificadas. Quarto: o simples efeito de réplica dos órgãos do poder central na ambiguidade de órgãos nacionais e municipais na capital. Quinto: a dinâmica das tensões entre órgãos dirigentes que regularmente vêm reestimular brios de participação e de despique. Sexto: a perpetuação de algumas funcionalidades, apesar de os seus conteúdos específicos sofrerem notáveis alterações ao longo do tempo. É o caso do apoio a migrantes recém-chegados, do patrocinato institucional, da disciplina que incute num meio de outra forma dificilmente enquadrável, tudo funções destacadas durante o período corporativista.2 Por fim, algumas funções não especificadas, eventualmente assumíveis por outro tipo de colectividade, mas aqui organizadas em referência a uma aludida região. Referimo-nos a funções recreativas, comerciais e gastronómicas.

3Posto isto, no que concerne sistematicamente aos resultados obtidos na nossa pesquisa, cumpre-nos agora desenvolver algumas reflexões sobre os temas da problemática, bem como realçar factos que o trabalho de campo permitiu identificar.

4Quando o então Grémio de Lafões, reportado a três concelhos, se passa a designar por Casa das Beiras (1933) assume um estatuto diferente no painel das casas regionais, representando agora uma província. A materialização das Beiras torna-se mais difícil, tal como aliás é patente nos símbolos heráldicos da bandeira.

  • 3 Ver os inquéritos a dirigentes (Forte 1996).

5Uma das razões que justificam, segundo os dirigentes, o pessimismo quanto ao futuro da associação é justamente o largo âmbito administrativo que esta representa: “o facto de abarcar 15 distritos de características diferentes não contribui para uma conjugação de esforços”. Quanto ao factor físico, “a Casa é uma manta de retalhos — as dissemelhanças, mais que as afinidades — das três Beiras que a constituem (…) quanto ao factor humano, o homem que estruma a terra com a esterca dos seus currais não se confunde com aquele que utiliza o moliço (…).”3

  • 4 Ver as entrevistas a dirigentes (Forte 1996).

6Simultaneamente é aquele âmbito alargado que reforça a importância da existência da casa ao nível do discurso dos seus dirigentes: “Representamos 2/3 do país, somos por isso a maior agremiação regional.”4 É também este estatuto — de província — que lhe imprime uma existência de certa forma paradoxal, como já tivemos oportunidade de referir e sublinhamos agora ao citar os seus dirigentes.

7No início da pesquisa julgávamos existirem em Lisboa oito associações designadas por casas regionais. Estes núcleos corresponderiam à divisão administrativa província, incluindo as regiões autónomas.

8Sabíamos que se tratava de uma forma de associativismo diferente das associações recreativas ou das mútuas de princípio do século XX. Este tipo de associativismo designa-se regionalista e é sistematicamente utilizado no discurso dos indivíduos que o praticam (quase uma gramática sentimental). São associações porque se instituem estatutariamente debaixo de um alvará reunindo massa associativa e quadros dirigentes. São regionalistas porque visam representar uma região na cidade de Lisboa. São recreativas porque um dos objectivos é, justamente, promover acções lúdicas para os associados. São de solidariedade porque, sem fins lucrativos, ao longo da sua existência zelaram pelos interesses dos migrantes residentes na capital.

9À medida que íamos visitando as sedes, seleccionando informantes, tentando ler espaços, consultando publicações internas, demo-nos conta que existiam mais de duas centenas, ora com sede própria, ora agregadas àquelas (Forte 1996).

10Na impossibilidade de abarcar todo este universo, destacámos a Casa das Beiras.

  • 5 Nos últimos decénios a casa foi dirigida apenas por beirões da Beira interior (Viseu, Guarda e Cast (...)

11Demasiado abrangente enquanto espaço do território nacional, visando a costa (Beira Litoral) e a montanha (Beira Alta e Beira Baixa), tem a casa representado as duas últimas em desfavor da primeira. Com excepção do Congresso Beirão realizado em Aveiro (1928), raras são as manifestações — mesmo folclóricas — que lhe digam respeito. Por outro lado, os dirigentes e a massa associativa têm preponderantemente origem nas Beiras interiores.5

12Se, por um lado, os fluxos migratórios destas regiões (via Lisboa) são mais densos, também o primeiro núcleo da associação era composto na totalidade por indivíduos aí nascidos.

13Direcções e sócios são vertentes cujos nós suportam compromissos, promessas e conflitos. As gestões da casa dependem desta complexa rede, daí que quiséssemos saber o perfil socioprofissional e etário que a tem suportado e as clivagens observadas ao longo da sua existência. Estas clivagens, registadas a um nível horizontal, apontam para o protagonismo dos dirigentes e situam-se entre os vários níveis de quadros estatutariamente demarcados e também entre dirigentes e sócios. A possibilidade de a vitalidade das casas depender em muito do protagonismo de quem as dirige — sobretudo nos contactos com o poder central e local e na facilidade de se mover nos meios de comunicação — verifica-se preponderantemente quanto às casas provinciais. Nas ligas de melhoramentos, embora as direcções assumam um papel importante, é à sua massa associativa que cabe o grande protagonismo que se revela eficaz nos melhoramentos efectuados nos locais de origem — rede de água, de luz, de telefone, construção de troços de estrada.

  • 6 São recorrentes os conflitos entre a Casa das Beiras e as filiadas. Em 1940 a cota desta é de dez e (...)

14As clivagens registadas verticalmente revelam as diferentes divisões administrativas que as agremiações regionalistas representam.6

15Citámos dois casos extremos dentro do conjunto deste tipo de associação: as casas provinciais, que entre elas revelam estádios diferentes quanto à vitalidade e objectivos a cumprir, e as ligas de melhoramentos.

16Mas entre aquelas existe um outro tipo que foi especialmente reforçado por casas nascidas nos anos 90: as concelhias. É sobretudo aqui que as clivagens verticais se situam. Dirigentes e sócios destas últimas escapam ao controlo da casa-mãe, designação assumida pelas provinciais, para se instituírem de forma autónoma.

17Tentámos perceber as sociabilidades que as casas regionais institucionalizam e as razões que as levam a tal procedimento. Registámos de alguns informantes a justificação que remete para o início da vida das casas: “atenuar saudades da terra”. Sabemos, no entanto, que nos dias de hoje, com a facilidade de transportes e a rede viária, as deslocações aos locais de origem são frequentes, o que, em si mesmo, lhes retira uma das funções primeiras. Por outro lado, as sociabilidades circunscritas às casas desaparecem porque diluídas noutros espaços.

18No entanto, aquelas mantêm-se socorrendo-se de emblemas que são pretensas identidades culturais (ranchos folclóricos, comidas, festividades cíclicas), e algumas projectam-se no futuro (não descurando as vertentes citadas e acrescentando-lhes soluções coadunantes com a actualidade: lar para estudantes, informatização da biblioteca entre outras).

19Simultaneamente a estes objectivos, está implícito o desejo de captar as atenções do turismo, valorizando assim as localidades. Dada a desertificação provocada pelo envelhecimento da população e o êxodo rural, haver falta de empregos, estar a agricultura reduzida à subsistência de quem não emigrou, o turismo surge como possível resposta para o desenvolvimento desses locais.

20Concluímos, assim, que as casas provinciais — nascidas da divisão administrativa do século XIX — assumem um protagonismo centrado em si próprias. Esta forma de estar culmina nos projectos de novas sedes, reivindicação tão antiga como a sua própria existência, já que o primeiro objectivo depois de um grupo de indivíduos se ter juntado à volta da conterraneidade é justamente encontrar meios para a adquirir — alugando ou comprando — um espaço físico.

21A este propósito, ouvimos vários informantes afirmarem: “a casa-mãe está cada vez mais longe das nossas origens”. Ou seja, neste caso, não significa a expressão que a casa (do Minho, de Trás-os-Montes, das Beiras, do Alentejo, do Ribatejo, do Algarve, dos Açores e da Madeira) não explore a identidade cultural através da exibição de ranchos folclóricos, de jogos tradicionais, comidas regionais, festas locais, antes pelo contrário, já que estes traços fazem parte dos espectáculos promovidos no interior e exterior da sede, dos produtos consumidos no bar das instalações e nas representações. Destacamos alguns acontecimentos relevantes na vida da casa.

22Na FIL Regiões, uma das apresentações urbanas das casas, estas são consideradas convidadas e não clientes. Em contrapartida, ao servirem comidas regionais e levando grupos folclóricos animam o espaço da feira, atraindo visitantes que pagam a respectiva entrada.

23Os pavilhões, na sua quase totalidade, foram fornecidos pela FIL (Feira Internacional de Lisboa). Para além dos visitantes que frequentam esta feira e que pagam os preços estipulados nas ementas, é muito frequente a troca de mimos gastronómicos entre dirigentes das casas representadas. Sobretudo no último dia, com as portas fechadas ao público, numa refeição colectiva.

24Nas negociações entre a Casa das Beiras e quem serviu as refeições registámos o diálogo:

— Cerveja nada. Só vinhos da região.
— Mas depois eles vão bebê-la a outras
casas.
— Só canecas de barro. Não quero vidro.
— Café nem pensar.
— Mas pode ser servido na cafeteira… É giro.
— Trutas do Zêzere e bacalhau à Castelo Branco. Bom, acho que já estou a improvisar (…).
— Nada de linguagem erudita na ementa. Não pomos preços…"

  • 7 Existir não é somente ser diferente, mas também ser reconhecido legitimamente diferente. Bourdieu ( (...)

25Repare-se na preocupação de não haver café, “por não ser hábito bebê-lo no final das refeições”. Esta marca pela ausência — em relação às outras casas, para fazer lembrar os hábitos de refeição campesina, foi posta de lado por se correr o risco (tal como o de não haver cerveja) de se ir beber a outros pavilhões. A fragilidade dos conceitos típico, tradicional, popular e regional pode resolver-se no giro semelhante a exótico, diferente. Ainda na linha da autenticidade, segundo o presidente da Casa das Beiras, era necessário “divulgar a região (…) olhar e dizer: é das Beiras: neve, granito”.7

26O pavilhão da Casa das Beiras é decorado com motivos que remetem para a serra (pingos brancos a simular gelo) e um boneco de neve de cerca de um metro com a ementa. Um pote de ferro em cima de uma lareira artificial, apelando ao espaço de uma cozinha tradicional.

27Digamos que existem três momentos diferentes nas noites da FIL Regiões, ou melhor, que a FIL proporciona três campos de observação durante o período em que as casas se representam sob o pretexto de levar as regiões à heterogeneidade dos visitantes que frequentam este espaço. Num primeiro momento permite a cada casa avaliar-se comparativamente às outras (quem tem mesas vazias, quais os “pratos que saem mais”, que tipo de rancho se traz à FIL). Num segundo momento é quando as casas são anfitriãs dos outros dirigentes (que aí se deslocam para cumprimentar, provar um petisco, aceitar uma bebida). O terceiro momento é o do anfitrião em que as casas recebem o representante da FIL, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa e outras individualidades.

  • 8 Jogos: jogo da malha, jogo do pau de cebo, corrida de sacos, jogo do malhão, corrida de cântaros, c (...)

28A Câmara Municipal de Lisboa convoca as casas regionais, no âmbito das festas da cidade, para a realização de jogos tradicionais.8 No recinto, em Belém, os jogadores (as casas disputam os prémios). A câmara faz-se representar por um corvo (em forma de boneco gigante). Este corvo, em relação às casas regionais, simboliza o município e o que ele oferece: o Campo Pequeno (cedido para a Capeia), o Teatro Maria Matos (para a Noite das Regiões), a FIL (para a Feira das Regiões), o jardim de Belém (para os jogos tradicionais), a Igreja dos Mártires (para o compasso pascal), a Igreja de São José e os Jerónimos (para a coroação do Divino Espírito Santo), a Quinta de Santa Catarina (para a nova sede da Casa das Beiras), a Feira Popular (para o jantar de confraternização das casas), a avenida de Roma (para o Desfile das Regiões). Ao fazê-lo, ao facultar os seus espaços próprios à representação das regiões, a cidade de Lisboa não deixa de assumir, à escala municipal, o papel de interlocutor colectivo perante o poder central, a que as casas regionais sempre se pretenderam guindar.

29Esta manifestação possibilita às casas a saída para o exterior. Para além de darem a conhecer a sua existência ao público em geral, está em causa a competitividade entre elas. Competitividade esta que a câmara aproveita inserindo o “que de melhor se consegue” num espectáculo de rua. Dizia-nos um dirigente: “Antigamente as casas eram inimigas. Agora está diferente. A câmara consegue esbater as rivalidades.”

  • 9 Excepções: Casa Regional do Porto, fundada em 1930; Casa de Moçambique, que existia em 1961 e da qu (...)

30São estes alguns dos factores que geram e explicam o universo das casas, a nosso ver paradoxal. Se tomarmos em consideração o objectivo primeiro da sua existência, a cooperação dos migrantes impossibilitados de irem frequentemente aos seus locais de origem, e olharmos a casa enquanto protagonista de soluções para problemas que o desenraizamento provocou, damo-nos conta que esse objectivo, nos dias de hoje, já não faz sentido. Mas, esvaziada desta função, a casa não desaparece.9

31Simultaneamente, e no caso específico da Casa das Beiras, a massa associativa dir-se-ia não existir, a tal ponto é raro encontrá-la reunida no seu conjunto, ou mesmo em parte, sem embargo de a casa aparecer representada no exterior em várias ocasiões (por exemplo, na concretização da posse de uma nova sede, na noite das regiões, etc.).

32Os dois fenómenos atrás apresentados — vazio de objectivos e aparente ausência de sócios — parecem ocorrer em ciclo. Com efeito, é possível reconhecer discursos formulados na actualidade que parecem decalcados de décadas anteriores. Quando assistimos às assembleias gerais e em muitos outros momentos, aconteceu-nos ter a sensação de estar a ler os velhos livros de actas ou a antiga correspondência da casa. Os temas mais recorrentes que ilustram o que acabamos de expor prendem-se com a angariação de fundos, com os recursos para cativar sócios, com a alteração da ordem numérica dos sócios para fins honoríficos, com as expectativas quanto à nova sede, com as tentativas, sempre vãs, de criar um organismo de índole federativa, com os conflitos entre dirigentes. Neste último caso, importa referir que o conflito está sempre presente e, mais do que isso, as suas causas repetem-se: falta de comparência na casa, projectos inacabados, má gestão dos fundos, ofensas verbais. O mesmo se passa com os pedidos de demissão, sempre seguidos de calorosos discursos explanando que se deu “tudo à Casa” e “ninguém foi grato”, que se “roubou tempo à família” e “afinal para quê?” Este tipo de discurso é simultâneo à proliferação de elogios e pedidos insistentes para que o indivíduo em causa não se demita dado que “a casa lhe deve muito”, que “embora não haja pessoas insubstituíveis, a presença de V. Ex. a é indispensável”.

33Estes pedidos de demissão parecem por vezes o bluff de um jogo que reforça alianças, clarifica quem são os adversários, quase sempre conjunturais, provoca situações que obrigam o outro a, publicamente, sublinhar qualidades. As assembleias gerais a que assistimos, desprovidas de quorum significativo, são um palco onde os actores estatutariamente representam e dirigem a instituição, gerindo o poder através de regras, num jogo complexo de quem concebe e de quem executa. O exterior (o poder central e local) são superestruturas a que é necessário ter acesso para a realização dos actos. Por um lado, para quem concebe, é decisivo cumprir, ou seja, ser capaz de levar à execução os desígnios que se propôs. Ter ideias é prestigiante e significa que só esse facto pressupõe “conhecimentos lá fora” — rádio, televisão, autarcas, técnicos. Por outro lado, realizá-las é já uma fase do processo que implica contar com quem execute tarefas de índole logística. O somatório dos actos que efectivamente se realizam prestigia a casa junto das suas congéneres e com isso prestigia igualmente o dirigente que os concebeu, tanto junto dos seus pares na sua casa, como junto dos dirigentes das outras. É neste momento que as realizações anteriores levadas a bom termo, são agora outra vez capitalizadas, servindo para demonstrar que “afinal se fizeram”.

34O processo que acabamos de referir repete-se ao longo da existência da casa, como se os sucessivos dirigentes fossem um só — que é eleito, que realiza eventos, que gere o quotidiano da instituição, que se demite e que volta a assumir o cargo. Também a massa associativa se mantém heterogénea quanto ao estatuto socioprofissional, rejeitando ou aceitando os apelos de mobilização mas, sobretudo, mantendo inércias.

35Quanto ao poder central e local, o arquivo regista presença de ministros em actos das casas, cartas dirigidas a primeiros-ministros e presidentes da república. No nosso trabalho de terreno registámos também a presença dessas individualidades em inúmeras ocasiões. As autarquias, por seu turno, continuam, ontem como hoje, a tornarem-se (ou não) sócias da casa, a aceitar (ou rejeitar) pedidos de subsídio e outros apoios.

  • 10 Registámos a existência de um relicário na Casa do Alentejo, com terra vinda de todos os concelhos, (...)

36Ao longo da pesquisa inventariámos práticas que remetem para o universo simbólico destas associações:10 a posse de uma bandeira, de um hino, peças de trajes regionais, comida regional. Com efeito, do conjunto de situações em que participámos durante o trabalho de terreno, uma que consideramos relevante foi a da comensalidade.

37As casas estão apetrechadas para se poder cozinhar. E isso é feito ao longo do horário em que estão abertas. Por outro lado, as datas que marcam aniversários — normalmente o da fundação — são assinaladas com almoços. Aqui, ocupando um lugar privilegiado — por recorrente—estão os enchidos. Este alimento é aliás tema de conversa entre os sócios, que mantêm viva a memória da matança do porco, por eles protagonizada muitas vezes nas suas localidades de origem. Cada casa gosta de manter a sua reputação quanto aos produtos (tijelada, trouxas de ovos, lampreia, etc.) que adquire na terra, fazendo-se representar através deles.

38A sua festa, aquela que se recria em Lisboa, obriga as casas a eleger os alimentos enquanto manjares cerimoniais. Destes, assinalamos o pão de ló, no compasso pascal na Casa do Minho, a massa sovada, a alcatra e o alfenim, na festa do Divino Espírito Santo da Casa dos Açores. Enfim, todas as ementas sugeridas pelas casas remetem para pratos das regiões que representam.

39Outro elemento importante é o vinho, que funciona igualmente como representante de cada região: o verde, o Lafões de Honra, o que não tem “pós, este sei de onde veio”.

40Se inventariarmos alguns alimentos enquanto representantes das casas, marcando datas ou gestos de privilegiar, cremos caberem aqui as situações de quem oferece o quê a quem. No caso dos almoços, os comensais pagam a refeição, havendo no entanto quem o não faça porque é convidado. E aquele que convida hoje, pode vir a ser convidado amanhã. Estamo-nos a referir aos dirigentes das outras casas. Neste conjunto os políticos são sempre convidados, jamais se invertendo a situação. Também é habitual a casa oferecer refeições aos seus dirigentes.

41Vemos, assim, que o alimento cumpre funções de representante, de sociabilidade, de oferta e de afirmação de identidade (é regional, é típico, é nosso…). Num dos almoços de aniversário de uma casa, o bolo — adquirido numa pastelaria — tinha a enfeitá-lo pequenas abelhas em açúcar, esvoaçando por entre ramos de vegetação, desenhados em creme de manteiga com corante. Cada fatia servida era um pedaço da bandeira heráldica da associação. Ou seja, as casas aprenderam os hábitos da cidade (festejar o aniversário, comprar um bolo de confecção industrial, fazer do acto de o comer um momento dessa festa, encomendar uma decoração que tenha a ver com o que se festeja) e, dentro destes, seleccionaram aquele que tem a ver com a comensalidade. Mesmo assim, houve que imprimir-lhe uma marca própria: o estandarte que naquele dia não está apenas na parede, no logotipo da ementa, na entrada da casa, nos emblemas das lapelas, mas também no pedaço que se saboreia com o café.

  • 11 As festas recriadas por minorias nacionais ou etnias afastadas dos seus países de origem têm este m (...)

42Outra das situações registadas foi a montagem de festas, tais como a capeia.11

  • 12 Palavras do então presidente da Casa: “Em 1978 os recursos da Casa eram limitados mas dei luz verde (...)

43Anualmente realiza-se uma tourada específica no Campo Pequeno. O primeiro sinal desta especificidade está inscrito na camisola dos homens que cobram os bilhetes: Capeia Arraiana — organização Casa do Concelho do Sabugal — Campo Pequeno. Designação da cerimónia, entidade que a tutela e local onde se realiza. Trazer uma capeia à capital dá despesa e trabalho mas é importante.12

44A festa, ao ser recriada longe do seu lugar, ocupa o espaço próprio das touradas. Os indivíduos que na aldeia se movem provocando investidas da besta, estão agora sentados nas bancadas. De participante a espectador representam agora o Sabugal em Lisboa e, enquanto espectadores, participam simultaneamente porque estão a representar uma casa regional, representante ela própria da raia, das capeias, das Beiras.

45A Casa de Lamego monta a Romaria da Nossa Senhora dos Remédios no bairro dos Olivais. As carreiras paradas à volta do Vale do Silêncio são também uma constante junto da Alameda da cidade duriense. E lá como aqui, não se limitam a transportar os peregrinos. São o lugar onde se dorme, onde se canta e onde se consomem os farnéis preparados para a viagem. Digamos que não foi necessário trazer para Lisboa cenários rurais. Tratando-se de uma festa que se realiza numa cidade, o espaço circundante já lá está. Todavia, deixa de o ser enquanto estrutura endógena da capital para funcionar agora com o estatuto de cenário efémero. De facto, o que parecia ser a estrutura que a ele se articulava era a romaria.

  • 13 "são justamente consideradas como as primeiras de todo o país"; ainda é referido em nota que “no in (...)

46Uma réplica da santa, mandada fazer para a ocasião, está numa capela de esferovite, onde o andor ocupa todo o espaço e se deixa levar pelos homens da casa, enquanto a filarmónica ajuda a disciplinar os passos dos fiéis. Celebrou-se missa e registámos indivíduos cumprindo promessas (voltas à capela, oferta de círios e dinheiro). Assistem moradores dos Olivais, o monsenhor veio de propósito de Lamego e estão presentes muitos sócios. Quando abandonámos o recinto, já ao entardecer, uma mulher rezava o terço de joelhos.13

  • 14 "(…) configurando-se — apesar da sua importância na teologia oficial da Igreja — como uma espécie d (...)

47A Casa dos Açores leva a cabo uma coroação do Divino Espírito Santo, que inclui, para além do ritual da coroa, distribuição de massa sovada e alfenim, celebração de missa nos Jerónimos e refeição colectiva, cujo manjar predominante é alcatra e o arroz doce.14

  • 15 "(…) Em todo o norte do país (…) no domingo de Páscoa (…) corre a freguesia (…) dá a cruz a beijar (...)

48A Casa do Minho realiza o compasso pascal — trajecto efectuado por um sacerdote, acólitos e sócios, da Igreja do Mártires à sede. Chegados, o cortejo entra na casa onde as mesas estão postas com pão de ló e outros alimentos (manjares cerimoniais da época)15.

49Destacamos estas quatro festividades, pelo facto de a sua realização implicar uma saída para o exterior da sede, pois de outra forma ela não seria viável. Por outro lado, as agremiações podem, com estas realizações, publicitar a sua existência.

  • 16 "(…) as saídas para o campo, os ‘banquetes’, ocasião de assegurar visibilidade da gastronomia local (...)

50Um outro tipo de realizações igualmente festivas tem lugar no Parque de Monsanto. São refeições ao ar livre, levando os sócios as merendas.16 Estas realizam-se sobretudo na Primavera. Dentro da mata, várias placas assinalam os locais de encontro. Presas nos troncos das árvores, pode ler-se em cartões improvisados: Piquenique da aldeia Cimeira, Encontro de Alcafozenses.

51E actualmente mantêm-se os bailes semanais na Casa do Alentejo, que começam no primeiro domingo de Setembro e vão até ao último domingo de Maio.

52Podemos através da enumeração destes eventos verificar a importância que a festa tem neste tipo de associações. Registámos numa associação práticas inerentes à cultura do vinho: plantadas num pequeno terraço da sede — à Madragoa — as videiras são podadas e os cachos amadurecidos pisavam-se num tanque de pedra. Em Novembro, o vinho consumia-se no dia 11, juntamente com castanhas.

53Esta repetitividade de práticas rotineiras, de problemas e entusiasmos, de objectivos e frustrações, identifica-se tanto na observação etnográfica como na análise documental. E é tanto mais impressiva quanto o trabalho de investigação faz aproximar nos seus próprios passos de programa a análise documental e observação participante.

54Assim, as casas, na dimensão do seu número, na variedade das suas remissões regionais, na complexidade da sua estrutura e dinâmica, e ainda na perduração repetitiva dos seus projectos e fragilidades, revelaram-se um facto social urbano lisboeta, de notável significado etnológico e de promissoras perspectivas para futuros aprofundamentos.

Notes

1 O presente texto é uma sinopse da dissertação de mestrado apresentada em 1996 na Universidade Nova de Lisboa. Dada a natureza do presente artigo, não se apresenta de forma exaustiva a bibliografia. Também optámos por não incluir as referências a periódicos e a bibliografia de cariz regionalista. Remete-se o leitor para a referida tese (Forte 1996).

2 Servem como exemplos casos retirados do arquivo da Casa do Alentejo, onde durante a década de 1930 se registaram diversos pedidos feitos por pessoas em dificuldades (operários, contínuos, presos — todos alentejanos) ou pelos órgãos associativos em favor desses indivíduos, incidindo sobre o internamento de crianças em asilos, auxílios em dinheiro para alimentação, acesso mais rápido a instalações de saúde, empregos, abrandamentos de penas de prisão, etc. (Forte 1996: quadro 1).

3 Ver os inquéritos a dirigentes (Forte 1996).

4 Ver as entrevistas a dirigentes (Forte 1996).

5 Nos últimos decénios a casa foi dirigida apenas por beirões da Beira interior (Viseu, Guarda e Castelo Branco). Inquérito a dirigentes (Forte 1996).

6 São recorrentes os conflitos entre a Casa das Beiras e as filiadas. Em 1940 a cota desta é de dez escudos e, por exemplo, na Casa dos Tabuenses (filiada) é de cinco escudos.

7 Existir não é somente ser diferente, mas também ser reconhecido legitimamente diferente. Bourdieu (1989: 129).

8 Jogos: jogo da malha, jogo do pau de cebo, corrida de sacos, jogo do malhão, corrida de cântaros, corrida de andas, jogo da vara, corrida de arcos, jogo da paulada ao cântaro, jogo do panco e jogo da corda.

9 Excepções: Casa Regional do Porto, fundada em 1930; Casa de Moçambique, que existia em 1961 e da qual desconhecemos a data da fundação; e Casa Regional da Beira-Douro, da qual desconhecemos as datas da fundação e da extinção.

10 Registámos a existência de um relicário na Casa do Alentejo, com terra vinda de todos os concelhos, e a oferta de um frasco com água do Tejo, feita pela Casa das Beiras à sua congénere do Brasil. Veja-se ainda a recorrência a elementos da paisagem circunscritos geograficamente e utilizados em discursos verbais e escritos, bem como a actividades próprias das regiões citadas e a figuras históricas: Serra da Estela, do Caramulo e de Montemuro; rios Tejo, Vouga e Côa; o pastor, o camponês, o marnoto; Viriato, Nuno Álvares Pereira, Gil Vicente.

11 As festas recriadas por minorias nacionais ou etnias afastadas dos seus países de origem têm este mesmo significado de reprodução dos vínculos de pertença à respectiva nação ou etnia, apesar do afastamento geográfico ou social (Moreno 1993: 75).

12 Palavras do então presidente da Casa: “Em 1978 os recursos da Casa eram limitados mas dei luz verde. O Campo Pequeno encheu e os lucros foram para os bombeiros do Sabugal”.

13 "são justamente consideradas como as primeiras de todo o país"; ainda é referido em nota que “no inquérito aberto entre a colónia portuguesa no Rio de Janeiro, esta pronunciou-se como a segunda do país”. Pe Aníbal Basto Lamego e cercanias, separata das folhas soltas sobre diversas terras do país, coligidas por Maria Luisa Gomes. Lisboa: Imprensa Lucas & Companhia, s. d.

14 "(…) configurando-se — apesar da sua importância na teologia oficial da Igreja — como uma espécie de divindade secundária na devoção popular portuguesa, o Espírito Santo afirma-se nos Açores como o interlocutor divino principal do indivíduo e da comunidade" (Leal, João 1994: 260-261).

15 "(…) Em todo o norte do país (…) no domingo de Páscoa (…) corre a freguesia (…) dá a cruz a beijar a todos os familiares e vizinhos que servem o compasso e se reúnem e ajoelham na sala principal (…)" (Oliveira, E. 1984: 92).

16 "(…) as saídas para o campo, os ‘banquetes’, ocasião de assegurar visibilidade da gastronomia local, este elemento essencial de toda a prática cultural valorizante (…)" (Rebérioux 1992: 8).

Table des illustrations

Légende A bandeira da Casa das Beiras em Lisboa: “A nossa Bandeira. Sobre Bandeira amarelo-ouro um círculo negro representativo do território: dentro e a meio do círculo uma estrela de prata de cinco pontas, representativa da Serra da Estrela. Acima, em chefe, uma Águia tricéfala, a ouro, representando os distritos de Viseu, Guarda e Castelo Branco, segurando nas garras uma chave em azul. A águia terá a cabeça central e à sua esquerda Guarda e Castelo Branco voltadas à esquerda, a outra cabeça, Viseu, inclinada à direita. Em baixo, contra-chefe, dois golfinhos de prata e verde enfrentando-se: As caudas voltadas para cima, em sentido oposto, embocando cada golfinho seu ramo, um de oliveira, outro de castanheiro, a verde com frutos a ouro, conforme o projecto estudado e aprovado pela Associação dos Arqueólogos Portugueses Secção de Heráldica. Assim se aprovou um projecto para a bandeira, baseado nas origens históricas e nos motivos heráldicos, / …/” [Aprovado em Assembleia Geral, 1914] Amadeu de Almeida, vice-presidente, em 22 de Julho de 2002. Foto cedida pela Casa das Beiras em Lisboa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/618/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 131k

Auteur

Licenciada em sociologia (ISCTE), mestre em estudos portugueses (UNL), docente no Instituto Superior de Línguas e Administração (ISLA), Lisboa.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540