Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte VI. Patrimonialização

Capítulo 20. Memórias de varinas no imaginário de Lisboa

João Manuel de Oliveira

Texte intégral

Alguém diz com lentidão
“Lisboa, sabes…”
Eu sei… é uma rapariga
Descalça e leve,
Um vento súbito e claro
Nos cabelos,
Algumas rugas finas
A espreitar-lhes os olhos,
A solidão aberta
Nos lábios e nos dedos,
Descendendo degraus
E degraus
E degraus até ao rio.
Eu sei. E tu, sabias?"
Eugénio de Andrade (cit. por Felgueiras 1965)

“Ó varina, passa,
passa tu primeiro!
Tu és flor da raça,
A mais séria graça
Do País inteiro”
Carlos Queirós (cit. por Felgueiras 1965)

  • 1 Este artigo deve muito a duas pessoas em particular: à prof. doutora Graça Índias Cordeiro, pelo se (...)

1Inicia-se uma viagem pela etnografia das varinas.1 Propõem-se leituras, reflexões acerca de um objecto cultural, que foi, através do nosso século, recriado e reinventado (Hobsbawm & Ranger 1983). Tentámos neste texto organizar uma reflexão, teoricamente sustentada, sobre as imagens das varinas desde finais do século XIX até aos dias de hoje. Seleccionámos uma série de fontes e tentámos lê-las como quem lê um texto cultural (Geertz 1973). Como qualquer leitura, ela é subjectiva e da inteira responsabilidade do autor/leitor. Questionámos as nossas fontes, de forma a podermos providenciar uma etnografia densa, em que seja possível ler as “teias de significados” nos quais estão suspensas as vidas e acções dos seres humanos, dando-lhes suporte simbólico, atribuindo-lhes significações (op. cit.). Relacionámos os dados/resultados obtidos na nossa análise com uma série de outras variáveis/fenómenos de âmbito mais geral.

2O ponto de partida desta viagem são os poemas que transcrevemos acima. No poema de Eugénio de Andrade (cit. por Felgueiras 1965), as varinas são símbolos de toda uma cidade. Já no poema de Carlos Queirós, elas representam uma nação. Tentaremos neste texto atender a esta dupla significação: como são as varinas símbolos de uma cidade e de um país.

Varinas: discursos sobre um tipo

3Antes de iniciarmos uma reflexão mais aprofundada sobre as varinas, é necessário questionarmo-nos acerca da natureza da classificação varina. Será uma classificação profissional ou outro tipo de classificação social?

4João Pinto de Carvalho (1938) dedica um capítulo da sua obra Lisboa de Outrora às varinas, e analisa a natureza desse critério classificatório. De acordo com este autor, a colónia de varinas (que se instalou na Madragoa/Bairro da Esperança) fixou residência em Lisboa no terceiro quartel do século XIX, sendo oriundas da Murtosa e não de Ovar, como sustentam outros autores. Júlio César Machado (em O Repórter, 20 de Maio de 1888, cit. por Pinto de Carvalho 1938) distingue entre varinas (as oriundas de Ovar) e as marinhoas (as provenientes da Murtosa).

5Guilherme Felgueiras (1965: 54) afirma: “esta laboriosa vendedeira de pescado tem a sua origem étnica nos aborígenes da orla atlântica que se estende de Ovar até aos confins das terras murtoseiras. Por excedente populacional, deslocava-se até à cidade tejana e aqui se fixava, assentando arraiais.” A própria designação varina é considerada por estes autores, a corruptela da palavra ovarina, designando um grupo de pessoas provenientes de Ovar (Dinis 1993).

6Uma fonte que reflecte as categorias émicas destas populações é a entrevista de Maria Archer (1940: 54) a uma peixeira, de acordo com a qual: “Varinas, é um modo de dizer (…). Essas que vinham de Ovar, com a saia de barra, a cinta, o chapéu redondo, hoje em dia são poucas. Essas é que são mesmo o varinas … Cá nós somos peixeiras e vimos de onde calha, do Algarve, do Douro, da Beira…”

7Esta mesma distinção entre varinas e peixeiras está patente no Album dos Costumes Portugueses (Álbum 1888). Pinheiro Chagas assina o texto sobre as varinas da Murtosa e Júlio César Machado é o autor do capítulo sobre as peixeiras de Lisboa. Esta distinção é tratada no texto de Pinheiro Chagas (Álbum 1888: s. p.), através da oposição habitat natural versus cidade que corrompe. Para este autor: “o ar empestado do bairro varino desbota-lhes as cores e murcha-lhes a frescura, a promiscuidade daquele meio corrupto e corruptor parece que apaga no seu olhar a luz serena e fulgurante, que o sol das suas terras acende em suas pupilas (…)”.

8Estas fontes apontam para duas classificações distintas: a peixeira e a varina, realçando uma origem étnica, sobrepondo-a à profissão. Ser varina é assim diferente de se ser peixeira, sendo estas categorias presididas por critérios classificatórios de origem distinta: enquanto que a varina tem uma origem étnica definida, a peixeira distingue-se pela profissão que ocupa.

9Muito do que foi escrito sobre as varinas tem uma forte preocupação com as origens das mesmas (Carvalho 1938). Pretendeu-se, por exemplo, saber se as varinas, ou melhor, a comunidade vareira é descendente dos pelágicos (um povo da Grécia) ou dos fenícios. No presente texto pretendo analisar o processo de emblematização deste grupo social.

10A utilização de uma categorização de incidência étnica permitiu aos autores que abordaram as varinas atribuir-lhes um tipo físico e uma personalidade, que as distingue.

11Encontrámos duas imagens contrastantes da varina na literatura consultada: a varina enquanto objecto de beleza, que se contempla, capaz de inspirar artistas e símbolo de uma representação de Lisboa, e uma imagem ridicularizada da comunidade vareira enquanto grupo étnico e comunidade distinta dos outros grupos sociais da cidade.

  • 2 O texto aparenta ser do princípio do século.
  • 3 Três pares de brincos, chegando-lhe aos ombros, cinco ou seis cordões de ouro, quatro crucifixos, “ (...)
  • 4 “Ataviou-se pois com a sua camisa de rendas e bordados; as suas tres saias d’estamanha, sobre outra (...)
  • 5 “Mãe: — (…) Mais la catchopa que se bai matrimoniar, (…) quer ir sã e escorreita das sugidades dei (...)

12Na peça de teatro “Confissão Geral da varina Maria Rosa para se dispôr de vespera para o santo matrimónio” (Anónimo s. d.) é-nos apresentada uma imagem ridicularizadora das varinas.2 A personagem principal, a varina Maria Rosa, pretende casar-se e vai com a sua mãe à igreja, para que um padre a ouça em confissão. O texto é essencialmente uma comédia de tipos, apresentando-nos uma caracterização de um tipo popular, a varina. É apresentada como bela, altiva, ataviada de ouro,3 usando um traje faustoso,4 com uma aparência excessiva, condenada pelo autor do texto. À medida que a confissão se desenrola, somos confrontados com uma imagem da varina caricaturada, tipificada. A pronúncia considerada característica do norte do país é um dos recursos utilizados pelo autor para caracterizar a varina.5 Nas “falas da varina”, o referente central é sempre a pesca, os pescadores, os barcos, o mar. Aliás, a associação com o mar, a pesca e a varina surge em todas as fontes consultadas.

13O desconhecimento absoluto da doutrina cristã e dos rudimentos da cultura académico-escolar evidenciam uma imagem dos tipos populares, como profundamente inculto, incivilizado, ignorante. A varina é assim um exemplo da imagem negativa da cultura popular (Leal 1995).

14Central na imagem da varina é a afirmação e valorização da sua identidade social, o orgulho na pertença ao grupo, à comunidade vareira. Em termos de uma caracterização da personalidade vareira, o traço que nos parece central é a resposta provocatória e “pronta” da varina ao mínimo indício de crítica (“se me picam assanho-me” [Anónimo, s. d.: 12]). Outra característica muito referida é o sentido de poupança, a avareza das varinas.

15Outra fonte analisada é uma canção de Fernando Schwalbach (s. d.), que apresenta exemplos de pregões das varinas: “Á lulas p’rá tejellada!”; “Viva e grande, ou da costa!”, “Olha os bellos camarões!”; “Olha a posta da corvina”, “I-u-à quer tainha gorda!” (Schwalbach s. d.: 2-5). Estes pregões conduzem-nos à dimensão performativa da varina. O trabalho da venda ambulante implica publicitação dos produtos, utilizando o corpo. A perspectiva de Goffman (1959) será útil para explicar os usos do corpo pelas varinas. Ele é objecto de uma gestão, que vai ao encontro das estratégias de auto-apresentação. A publicitação do produto assenta numa gestão harmoniosa da gestualidade, nos meneios, na modulação da voz. A canção refere-se à varina na rua, o local para as encontrar. As fotografias de varinas têm como cenário a rua. As varinas surgem em muitas imagens (postais ilustrados, fotografias, gravuras) errando, pela cidade, colocadas na paisagem urbana.

16Esta questão prende-se com o tratamento da varina enquanto objecto estético, notório nos textos de cariz olisipográfico. Veja-se o caso de Guilherme Felgueiras (1965), que enumera uma série de autores, encantados com a beleza da varinada. É o caso de Fialho de Almeida, que as caracteriza como “estatuetas rústicas e marinhas” (cit. por Felgueiras 1965: 46). O próprio Gilberto Freyre se referiu às varinas de Lisboa, comparando-as com “as baianas de tabuleiro enfeitado e xaile vistoso” e salientando os seus dotes físicos, chamava-as “acrobatas maravilhosas das ladeiras” (op. cit.: 48). A concepção da varina enquanto elemento da paisagem da cidade é salientada por autores como Luís Teixeira, que as considera “o mais belo friso decorativo no recorte pitoresco das sete colinas” (op. cit.: 52).

17Outros autores citados por Felgueiras (1965) salientam a relação simbólica entre a varina e o mar: Luís Chaves compara-as às sereias, Fernanda de Castro considera-as “a imagem de um mar pequenino feito à medida dum coração”. Oliveira Martins vai ainda mais longe, classificando-as como “mulheres anfíbias”! (op. cit.: 53).

18A representação social da varina está associada a dois grandes referentes simbólicos: a rua e o mar, ou melhor dizendo, a cidade e o rio. Ela teve um papel fulcral até meados do século XX, porque era a figura que ligava cidade e rio, trazendo bens de consumo que alimentavam a cidade.

19De acordo com Felgueiras (1965), o desaparecimento das varinas das ruas da cidade foi devido a três causas: o surgimento das peixarias, o aumento de automóveis e as restrições impostas por posturas municipais.

20As restrições municipais são referidas por uma peixeira ambulante (que não se definia como varina) entrevistada por Maria Archer (1940), para explicar as dificuldades da sua profissão: proibição da venda ambulante nas imediações dos mercados; proibição dos pregões; obrigatoriedade do uso de calçado (era frequente, até aos anos 40, as varinas andarem descalças nas ruas). Outra das dificuldades apontadas era o encarecimento do peixe e os intermediários.

  • 6 A Madragoa é referida por Mesquita (1903) como o bairro varino, tal era a centralidade desta figura (...)
  • 7 Estes bairros são tradicionalmente considerados os locais de residência das varinas, contudo, a nos (...)

21Como população migrante, as varinas tendiam a concentrar-se nos bairros da Madragoa6 e de Alfama (Felgueiras 1965, Moita 1978, Pinto de Carvalho 1938).7 Não exerciam uma ocupação específica, mas uma série de actividades laborais dentro do mesmo ramo: vendiam, para além do peixe, castanhas, carvão, frutas, carnes e hortaliças. Quando casavam, juntavam ao seu trabalho as tarefas domésticas e o cuidado dos filhos. A venda ambulante seria uma ajuda ao rendimento familiar, sustentado principalmente pelo salário dos maridos, quando estes se encontravam em Lisboa, pois muitos deles eram marítimos e ausentavam-se por longo tempo. Aquando da ausência dos maridos eram as gestoras dos bairros onde moravam (e provavelmente, mesmo quando estes estavam presentes), conforme verificou Graça Cordeiro no bairro da Bica: “As mulheres ficam a gerir o bairro do lado de fora do clube, provavelmente de um modo muito semelhante ao que faziam quando grande parte dos seus habitantes masculinos ganhavam o seu pão como embarcadiços ou pescadores, longe dali por temporadas mais ou menos prolongadas.” (Cordeiro 1997: 167)

Eruditos e varinas no xadrez das identidades

22A construção da varina enquanto objecto de erudição é a pista que tentaremos seguir para analisar a forma como a varina é ao mesmo tempo um ícone no imaginário de Lisboa e um símbolo de um país.

23João Leal dá-nos uma pista que pode ter alguma pertinência teórica para analisar as diferentes imagens da varina ao longo do século. De acordo com este autor (Leal 1995), a uma imagem positiva da cultura popular está associada uma imagem positiva da identidade nacional, sendo o inverso também verdadeiro. Disporemos nós de dados para afirmar o mesmo em relação às flutuações na imagem das varinas? As fotografias recolhidas e as fontes tratadas apontam neste sentido.

24Veja-se o caso do Estado Novo. A ideologia do regime tinha como base a glorificação da nação, uma forte valorização da “portugalidade” (basta que nos lembremos do lema “Tudo pela Nação! Nada contra a Nação!” para vermos até que ponto, houve um esforço de afirmação identitária). Miguel Vale de Almeida (1991), ao proceder à interpretação antropológica do Livro de Leitura da 3.a Classe, dá-nos também pistas de análise muito interessantes para percebermos a valorização da identidade nacional durante o Estado Novo. A rejeição das épocas de “decadência nacional”, a valorização dos feitos heróicos dos portugueses (durante o período medieval, os descobrimentos e a restauração), a “condensação das virtudes do passado” (Almeida 1991: 254) são exemplos bem ilustrativos.

25Não é de estranhar que, nesta época, surjam muitos relatos e fotografias de varinas, representando de forma folclorizada a profissão nas marchas, nos desfiles, nas Corridas dos Ofícios. A varina era um ícone, um símbolo identitário.

  • 8 O início da guerra colonial — que podemos associar simbolicamente à desagregação dessa identidade n (...)

26Contudo, e tendo em conta certos fenómenos político-sociais que surgem já na parte final do Estado Novo, verifica-se uma flutuação negativa na identidade nacional.8

27A imagem da varina no imaginário das elites muda com essa flutuação. Se, até finais dos anos 40, ela é glorificada em marchas, desfiles e festas (caso das Corridas dos Ofícios, das Marchas Populares, entre outras), sendo apresentada de forma estilizada, efabulada, emulada, nos anos 60, a varina é considerada em vias de desaparecimento (apesar de ainda existirem fotografias de varinas nesta época), e as que ainda existem estão descaracterizadas. Na descrição de Felgueiras, as peixeiras do seu tempo (o autor já nem as considera varinas de tão inautênticas que estão!):

Foram derrubadas do seu trono de “rainhas da rua” e substituídas por vendedeiras incaracterísticas no geral de carnes maciças e já durásias, vindas de todos os recantos do País, menos do litoral beirão, seu lar por excelência. Peixeirinhas em edições de luxo, obliteradas e anti-populares, falsas e pintadas, de cabelos oxigenados, indumentadas com deselegância, procurando imitar as sécias da cidade. Carregam-se de jóias de pechisbeque e têm por ambição subir de hierarquia para conquistarem popularidade, o galardão das “varinas de grilhões” que grotescamente as enobrece. (Felgueiras 1965: 57).

28São suspeitas de arrivismo social. Porquê? Porque os eruditos que se ocupavam deste objecto, não pareciam admitir que as suas varinas tivessem anseios de mobilidade social. A mobilidade social era vista com maus olhos pelos admiradores da varina tipo popular. O risco da perda da autenticidade, a ameaça ao ideário da beleza da pobreza, o risco da desconstrução da imagem do povo simples, humilde e sem ambições seriam alguns dos riscos que estes eruditos acreditavam que as varinas emancipadas correriam.

29O tipo popular serve um propósito do Estado Novo: manter o povo humilde, pitoresco e respeitador das hierarquias. Impedir a mobilidade social, manter o status quo, o establishment. As varinas de outrora, várias vezes folclorizadas, retratadas e emblematizadas, eram exemplos vivos da ideologia da alegria do trabalho, da alegria da pobreza, da manutenção de uma hierarquia social. Com a sua necessidade de melhorar o seu estilo de vida, de subir na hierarquia social, de se estabelecer como peixeira num mercado ou numa peixaria, surge o desagrado dos autores que sobre elas se debruçaram. Negativizando aspectos tidos como da identidade nacional, passa-se à crítica deste grupo social que, para grande pesar dos autores, se tinha modificado, não se mantendo igual às varinas da Lisboa de outrora. Se antes, como denota a poesia de Carlos Queirós, as varinas eram símbolos de uma nação, naquilo que ela tinha de mais autêntico, de mais genuíno, nos anos 60 passam a ser exactamente aquilo que não se pretende que a nação seja. Deixam de ser consideradas um ícone e mudam de posição no sistema de classificações sociais: passam a ser peixeiras.

30João Vasconcelos (1997) salienta o papel da construção social do passado na objectificação da cultura local. Reconstrói-se um passado, no sentido de dar objectividade à cultura local, em busca de uma certa autenticidade nas tradições. O autor analisa as estratégias locais de objectivação da cultura. Saliente-se este aspecto na construção social da varina. Em Lisboa, a varina é dos ícones de um certo passado, que é reconstruído para objectificar a cultura local. Remete-se para um tempo duma Lisboa pitoresca, finissecular, dos fados e de varinas. Esta necessidade do passado para tornar legítima a cultura local é notória, por exemplo, nas marchas das festas da cidade (Cordeiro 1997), onde os ícones do passado são manipulados e apropriados por forma a veicular uma determinada imagem de um bairro, e, ao mesmo tempo, uma imagem de uma cidade que assim se mostra ao mundo.

Afinal, quem são as varinas?

31É a varina de outrora, e não a peixeira dos anos 60 e 70, que se mantém como ícone. Folclorizada, surge como uma imagem da cidade. Com o desenvolvimento do turismo na cidade de Lisboa, a varina passa a emblema da cidade projectado para fora dela. Juntamente com os bairros populares e o universo do fado, da qual se tornou indissociável, a varina passa a fazer parte do discurso do marketing turístico. A mitificação faz dela a imagem da própria cidade: feminina, altiva, bela, fervilhante de vida. Não são as peixeiras os símbolos identitários projectados para o exterior, é a varina, com a sua origem mítica em Ovar, Furadouro, Mira, Murtosa. A varina de “resposta pronta”, errando pela cidade imaginada do passado. Se perguntarmos no Mercado da Ribeira, quem são as varinas, a resposta que obtemos é a constatação da sua inexistência no mundo contemporâneo.

Notes

1 Este artigo deve muito a duas pessoas em particular: à prof. doutora Graça Índias Cordeiro, pelo seu apoio inestimável e com quem tenho o prazer e a honra de trabalhar no âmbito do PACO, no quadro do qual este trabalho foi desenvolvido; e ao dr. Manuel Tiago, pelo debate emotivo a que sempre nos habituámos. Agradeço aos dois as revisões deste texto e o claro apoio que sempre me proporcionaram.

2 O texto aparenta ser do princípio do século.

3 Três pares de brincos, chegando-lhe aos ombros, cinco ou seis cordões de ouro, quatro crucifixos, “diversos corações entre elles um que podia fazer concorrência com qualquer coração de vaca.” (Anónimo, s. d.: 3)

4 “Ataviou-se pois com a sua camisa de rendas e bordados; as suas tres saias d’estamanha, sobre outras duas de fustão e patente recortadas; seu corpete de veludilho preto, com guarnições e atacadores escarlates; sua cinta branca a sujeitar-lhe as saias, seu lenço de seda no pescoço; meias de fina linha alvissima fiada e torcida por ela; chinellas de coiro polido; lenço de lanzinha côr de laranja, com barra estampada de grandes florões de todos os matizes (…)” (Anónimo, s. d.: 2-3).

5 “Mãe: — (…) Mais la catchopa que se bai matrimoniar, (…) quer ir sã e escorreita das sugidades dei alma assim como bai toda desincascada e labadinha das mazéllices do corpo” (Anónimo, s. d.: 4)

6 A Madragoa é referida por Mesquita (1903) como o bairro varino, tal era a centralidade desta figura no bairro!

7 Estes bairros são tradicionalmente considerados os locais de residência das varinas, contudo, a nosso ver, esta constatação é também fruto do imaginário da cidade, não reflectindo uma situação “objectiva”. Traduz sim uma representação simbólica.

8 O início da guerra colonial — que podemos associar simbolicamente à desagregação dessa identidade nacional transcontinental do Portugal uno e indiviso do Minho a Timor —; a crescente oposição ao regime — epitomizada pela candidatura de Humberto Delgado às presidenciais em 1958; a apertada repressão da PIDE; a captura do “Santa Maria”; o assalto ao quartel de Beja em 1962, entre outros, são alguns dos indicadores da desagregação do regime.

Auteur

Licenciado em psicologia social e das organizações (ISCTE), investigador do Núcleo de Antropologia do Projecto para a Análise e Classificação das Ocupações (PACO). Pesquisas no domínio da antropologia urbana e na construção social do corpo.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter