Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte IV. Regulação

Capítulo 9. O concurso “A Aldeia Mais Portuguesa de Portugal” (1938)

Pedro Félix

Texte intégral

1O concurso “A aldeia mais portuguesa de Portugal” foi organizado em 1938 pelo Secretariado de Propaganda Nacional (SPN). Este evento bianual pretendia celebrar a aldeia do território continental que “maior resistência (tivesse) oferecia (o) a decomposições e influências estranhas e (apresentasse) o mais elevado estado de conservação no mais elevado grau de pureza (numa série de) características” definidas no regulamento (SPN 1938). O concurso ficou pela sua primeira edição, mas, enquanto referente da representação nacional, continua, ainda hoje, a ter grande poder de significação, poder que sai reforçado pelo actual desconhecimento de que o título de “aldeia mais portuguesa” seria atribuído de dois em dois anos. A escolha de Monsanto teve, por isso, contornos de afirmação absoluta e definitiva.

2Este concurso trata, antes de mais, da fabricação e veiculação de uma metáfora, uma mnemónica duma cartilha nacionalista de tal forma bem construída que resistiu, quase intacta, à mudança. Em termos de relevância estrita na análise da produção cultural e estética do SPN, e de toda a vertente “civilizacional” do Estado Novo, o concurso é um dos momentos mais significativos de afirmação material da “Política do Espírito”.

  • 1 Os discursos informais não são aqui tratados. Podem-se encontrar relatos de carácter não institucio (...)
  • 2 Não tem tido suficiente eco a importância deste evento na produção científica sobre o Estado Novo. (...)

3O concurso e Monsanto, a aldeia que ganhou o primeiro prémio, são pois um objecto extraordinário para pensar as representações — e a sua construção — do país por parte do Estado Novo, afectando, por sua vez, as representações do poder, do estado, da nação, e do próprio chefe, integrando-as no universo simbólico próprio. Nesse sentido, devo especialmente atender aos discursos veiculados em espaços institucionais, dentro da hierarquia do estado, e em espaços institucionalizados, nas publicações que se referiram ao concurso.1 Esta análise reparte-se por três fontes: primeiro analisarei as representações criadas pelo poder, a construção estética das representações do Estado Novo e do país através da análise do regulamento do concurso; depois tratarei dos “discursos” veiculados pelos órgãos que tinham a função de difundir essa “utopia” e celebrar essa “construção”, para tal analisarei os artigos e reportagens publicados nos jornais nacionais, assim como os trabalhos dos jornalistas e escritores estrangeiros que produziram livros a propósito do concurso; num terceiro plano procurarei surpreender as resistências locais e as dificuldades em impor localmente este universo simbólico, terei, para isso, como fontes, alguns jornais regionais e as actas de algumas das juntas provinciais a que tive acesso. A análise destas fontes leva-me a concluir da importância do concurso, da inevitabilidade da escolha de Monsanto, assim como da génese da cristalização das imagens e dos referentes que dominaram a construção simbólica do país levada a cabo pelo Estado Novo.2

O contexto

  • 3 Durante os anos 30, houve um grande reforço do discurso folclórico, com o lançamento de concursos p (...)

41938 foi o ano da anexação da Áustria pela Alemanha de Hitler e das batalhas da Catalunha na Guerra Civil de Espanha. Dentro de fronteiras, foi a altura da reorganização administrativa do território, com a criação das províncias e a delimitação das fronteiras, da realização dos primeiros mapas de pormenor do país e de um interesse renovado pelo folclore e pelas “tradições”.3 Todos estes factores contribuíram para a elaboração do universo simbólico patente no discurso político do Estado Novo, um discurso que se confrontava com dificuldades na sua concretização no terreno (basta lembrar as dificuldades, debatidas na Assembleia Nacional, de estabelecimento das fronteiras das províncias, nomeadamente as de Trás-os-Montes e do Alto Alentejo), um discurso que era essencial para a legitimação do poder.

  • 4 Dos trabalhos que tratam deste organismo e da sua acção destaco Ramos do Ó (1993 e 1997) e Melo (19 (...)
  • 5 Argumento defendido por Ramos do Ó (1993), que remete para o último quartel do século XIX o ressurg (...)

5O SPN era o organismo responsável pela reunião destes materiais e objectos, pela elaboração dos discursos, pelo desenvolvimento de acções e programas de intervenção, e pela sistematização e difusão deste universo simbólico.4 Regional, motivos portugueses, restauro das tradições, coesão nacional são algumas das ideias fortes deste organismo, ideias que em conjunto formam o sistema nacionalista de representações indutoras de uma perspectiva linear da realidade (Ramos do Ó 1993: 54), que é a mundividência salazarista (ibid. 139). Mais do que construir uma identidade nacional, como aponta Ramos do Ó este organismo, trabalhou com imagens do país e dos portugueses, que vigoravam já desde a segunda metade do século XIX, agora adaptadas ao programa do Estado Novo.5

  • 6 Podemos sintetizar essa acção nos objectivos da revista Ilustração Portuguesa que Ferro dirigiu: “M (...)
  • 7 Nome dado ao programa político do Estado Novo para a área da produção cultural e artística, com vis (...)
  • 8 Nesse sentido, duas áreas científicas foram particularmente envolvidas no trabalho de codificação d (...)

6António Ferro, o seu primeiro director, desenvolveu no âmbito deste organismo uma acção de tal maneira conduzida que fulanizou todo o programa, isto é, tudo está marcado pela pessoa do director.6 O programa, que corresponde a uma primeira fase deste organismo (1933-1949), caracteriza-se por ser marcadamente nacionalista, fazendo eco da imagem do povo como principal e única real fonte de arte verdadeira. O conceito de Política do Espírito sintetiza este programa,7 onde se articulava história, folclore, arte popular/ artesanato com as ideias estruturantes inquestionáveis: o estado, o poder/ o chefe, deus… referentes integrativos e unificadores, tal como é o superlativo “a mais…”, noção essencial para a elaboração de universos simbólicos.8

  • 9 Nesse período são de destacar as exposições de arte popular (apresentadas em Genebra, Lisboa e Madr (...)
  • 10 Politicamente, estes objectivos começaram a ser alcançados logo no I.° Congresso da União Nacional (...)

7A dimensão das iniciativas deste secretariado levou Ramos do Ó a chamar a este período ciclo comemorativo (1993: 187) de autocelebração do estado.9 Todo este programa serviu para a criação e difusão do bom gosto, noção tão cara a Ferro e que, surgindo nos vários textos e discursos do secretário, significava verdadeiro, legítimo, original, e em certa medida único estilo próprio português, fundado na tipicidade da etnia portuguesa, fazendo do regional o conceito fundador das práticas artísticas patrocinadas pelo estado e do reaportuguesamento a missão. Todas as acções tinham, portanto, por finalidade imediata a construção/ recuperação de uma imagem da nação; a médio prazo, inculcar essa imagem como ontogénica e, a longo prazo, ir construindo uma leitura harmónica e global, isto é, totalizante, do estado, da nação, do país, do povo e da própria ideologia.10 A este momento Rosas (1994) chama, em termos institucionais e políticos, institucionalização do regime, os anos de ouro do Estado Novo, que ideológica e retoricamente vinham substituir a primeira república e, simbolicamente, se distanciavam da Espanha em guerra, em particular da república espanhola. O concurso foi uma das ferramentas dessa institucionalização, um momento chave desse ciclo comemorativo.

Conceitos estruturantes

8O Estado Novo, enquanto sistema totalitário, procurou elaborar e instituir um universo simbólico que ideologicamente facilitasse o funcionamento sem sobressaltos do sistema político que pretendia impor. Este universo simbólico tem como conceitos centrais o popular, o povo, a aldeia, a tradição. Convém por isso deter-me um pouco nos sentidos que estes conceitos tomaram neste universo e na estratégia simbólica desenvolvidos pelo SPN, para esclarecer como eles se substantivam no concurso e na aldeia vencedora.

  • 11 Handler demonstra isso ao referir-se à ingenuidade reproduzida pelos “observados” quando estes são (...)

9O popular é, evidentemente, um conceito essencial em contextos ideológicos nacionalistas de carácter totalitário. Burke explica o sentido deste conceito no contexto cultural europeu — e posso importar na totalidade a sua explicação para o caso que me ocupa — definindo-o como tudo o que não era entendido como sendo cultura cultivada, ou seja, a produção cultural do povo, dos pobres, dos rurais, cujos sentidos são naturais, simples, instintivos, irracionais (Burke 1981: 216). Os produtores dos materiais culturais — aqui, o SPN — usam este conceito para legitimar a imagem da nação. No que se refere ao concurso, como veremos, convém ter presente que a cultura popular que se procura nas aldeias é fornecida pelos próprios elementos do poder (primeiro a instituição que elabora o regulamento, depois os júris provinciais que o interpretam e o júri nacional que avalia e premeia as interpretações regionais) e é inculcada no povo pela sua divulgação nos meios de comunicação e pela instituição de um prémio a celebrar aquela aldeia que mais se aproxime dessa utopia, num mecanismo típico de manutenção da hegemonia cultural das classes no poder.11

  • 12 Usamos este termo no sentido que lhe dá o SPN e todos os organismos do Estado Novo, e que significa (...)

10O povo é a outra palavra-chave nestes contextos ideológicos nacionalistas. Esse povo, como o entende Burke, tem associado três ideias que também encontramos no caso português: o primitivismo ou imutabilidade dos traços folclóricos; a pureza, ou seja, porque os camponeses viviam perto da natureza e longe dos malefícios estrangeiros eram mais verdadeiros; e o comunalismo no processo de criação, isto é, a negação da personalidade em favor de uma entidade colectiva povo (1981: 217-218). Durante o Estado Novo, o povo,12 enquanto produtor cultural, é a única fonte do bom gosto.

  • 13 Momento maior nessa questão foi o da recusa das condições impostas pela Sociedade das Nações, em tr (...)

11Nesse sentido, o papel redentor da vida rural, e da aldeia em particular, é fulcral. Mais do que um local, a aldeia é uma noção que materializa todos os pontos do programa de Salazar, invoca a auto-suficiência e o nacionalismo da economia hiperlocalizada, invoca o rigor e automarginalização em relação ao exterior/ estrangeiro com o argumento da urgência em resolver os problemas internos, dentro de fronteiras;13 invoca o peso do território e da terra nacional, cuja independência e integridade deve ser defendida a todo o transe, aí se jogando o orgulho nacional; invoca espírito de abnegação, a confiança e respeito pelo chefe, certos que tudo só podia estar e, naturalmente, estava em boas mãos, cerceando todas as aspirações de mudança do seu estatuto de aldeão. Nesta primeira fase do SPN, a aldeia é o refúgio onde se conservou, desde tempos remotos, o modo de viver das comunidades antigas, primordiais, janela aberta para o antigo, arquétipo da etnia portuguesa, fonte inspiradora da raça, ascética, honrada, reduto da tradição onde esta estava mais visível na sua forma mais genuína, em oposição ao que era moderno, internacional, universalista, abstracto, urbano, cosmopolita, espaço de degenerescência do carácter típico português. As aldeias são o reduto mais essencial da nação, unidades idealizadas, por todos conhecidas, são a antítese das “almas dilaceradas pela dúvida e (pel)o negativismo do século” (Salazar 1991: 101), espaços de demonstração da naturalidade de deus e da virtude, da pátria e da história, da autoridade e do prestígio, da família e da moral, da glória do trabalho e do seu dever.

12O recurso estilístico do Estado Novo passou sempre por ilustrar o país com uma dimensão familiar, aldeã. O espaço rural era o espaço emocional-simbólico onde se buscava o sabor português, o sentimentalismo gentil, inocente, primitivo, puro, tradicional e verdadeiro, de que o camponês era o único portador.

13O que era percebido como sendo tradicional tinha o carácter de verdade absoluta e definitiva, imutável e segura, genuína e particular, com um valor de transcendência (dimensões alcançadas, em grande medida, graças à acção de disciplinas como a história, a geografia e a etnografia).

  • 14 O que é profundamente paradoxal, visto que a caução deste discurso é encontrada nas afirmações de e (...)

14O Estado Novo tinha a função de mediação simbólica (Melo 1997: 112) no fornecimento e negociação de modelos, normas de percepção do real modelador de condutas, comportamentos e representações colectivas que se centram nestes conceitos.14 Aos agentes produtores de cultura erudita cumpria construir, recuperar e/ ou reconstruir essa realidade. Para que este universo funcionasse de forma integrada e coerente, era necessário materializar estas linhas de força, dar-lhes uma metáfora com a qual saísse evocada a grandeza do país renascido e cujo valor era reencontrado na mais pequena aldeia, nos mais pequenos actos, e no aldeão, o herói por excelência do Estado Novo, um herói sem cara, com todas as caras de todos os portugueses, desde a mais pequena aldeia ao chefe.

15Todos estes conceitos tornaram-se critérios na procura da aldeia mais portuguesa, ou seja, aquela que em si, no seu folclore, na sua história e orografia, materializasse estes conceitos. Como disse, criar, aplicar, inculcar, transmitir, são as acções centrais do SPN; com isso presente, passo a analisar o concurso que se propunha encontrar o local mítico: a aldeia (verdadeiramente) portuguesa para um Portugal (verdadeiramente) português.

O regulamento

  • 15 O regulamento foi publicado sob a forma de uma pequena brochura com capa a cores, numa edição consi (...)

16Enquadrado num movimento mais vasto de acção em torno do folclore nacional, iniciado logo nos primeiros anos do SPN, o regulamento do concurso está datado de 7 de Fevereiro de 1938, mas desde 16 de Janeiro que os jornais publicavam artigos sobre o evento.15 O concurso tinha por finalidade “interessar, nessa obra de renascimento folclórico e etnográfico nacional, o povo das aldeias, os artistas anónimos que, (…) repudiando influências alheias e nocivas, logram manter, intactos, na sua pureza e graça, os costumes tradicionais da sua terra” (SPN 1938). A unidade do concurso era a aldeia, não sendo permitido apresentar qualquer elemento estranho à freguesia, embora esses elementos folclóricos pudessem ser propositadamente criados para o efeito, desde que fossem representativos da província.

17O regulamento é, no entanto, omisso quanto aos critérios de avaliação a serem aplicados pelo júri, limitando-se a referir como elementos a ter em consideração ideias tão vastas e imprecisas como: “maior resistência a decomposições e influências estranhas” e “conservação no mais elevado grau de pureza das características” no que respeita à habitação; mobiliário e alfaia doméstica; trajo; artes e indústrias populares; formas de comércio; meios de transporte (terrestres, marítimos e fluviais); poesia, contos, superstições, jogos, canto, música, coreografia, teatro, festas e outras usanças; fisionomia topográfica e panorâmica (base I do regulamento do concurso, sendo cada uma das áreas referidas na ordem que indicámos).

  • 16 SPN. Em aditamento ao regulamento publicado nos jornais, nessa cerimónia, os representantes da alde (...)

18O prémio instituído era um Galo de Prata, prémio simbólico atribuído pelo SPN, que a aldeia vencedora poderia expor durante dois anos no campanário da igreja da freguesia e que seria a correspondência simbólica do verdadeiro prémio: um melhoramento de utilidade pública a implantar na aldeia escolhida (isto é, uma intervenção local em termos de infra-estruturas: estradas, pousadas, etc…). Esse melhoramento seria identificado por uma placa e teria de ser realizado até ao dia 31 de Dezembro do ano a que respeitasse o prémio. Caso na edição seguinte do concurso não fosse escolhida outra aldeia, o Galo ficaria na posse da última vencedora, que beneficiaria de uma nova obra pública. Este prémio seria entregue numa cerimónia em que estariam presentes os representantes da aldeia vencedora e elementos das instituições locais (junta provincial, casa do povo, junta de freguesia…).16

19Na organização do concurso, cumpria às juntas provinciais escolher duas candidatas de entre as aldeias sob sua administração. O júri encarregado dessa escolha era constituído por cinco elementos: um etnógrafo ou folclorista, um musicólogo especializado na temática ou na região, um director de um museu regional, um representante da junta provincial que deveria intervir só em caso de empate, ou seja, eruditos locais cuja acção regional caucionaria a decisão. Esses júris elaborariam um relatório e uma acta a enviar à junta provincial propondo duas aldeias. O resultado seria publicado nos jornais locais e os documentos enviados ao SPN até 30 de Maio. Caberia ao júri nacional, nomeado pelo SPN, escolher de entre as candidatas seleccionadas pelos júris provinciais as que iriam a concurso.

Júris, aldeias e visitas

  • 17 É de notar que na região de Trás-os-Montes responderam negativamente as câmaras municipais de Vila (...)

20Durante os meses de Março, Abril e Maio foi sendo noticiada nos vários jornais a composição dos júris provinciais. A constituição destes júris nem sempre foi fácil, muitas das vezes ocorrendo só na presença de um representante do SPN (Francisco Lage ou Tomaz de Melo), como foram os casos dos júris do Douro Litoral, Minho, Alto Alentejo e Ribatejo. Durante este período, foram surgindo notícias que indicavam diferentes júris, múltiplas decisões, várias entregas de relatórios de cada uma das regiões. Na realidade, em termos locais, existiu uma intensa correspondência entre as juntas e o SPN: enquanto este último pressionava para serem respeitados os prazos estabelecidos no regulamento, da parte das câmaras municipais e juntas de freguesia iam sendo indicados (ou não) os nomes das aldeias seleccionadas. Nos primeiros dias de Junho foi apresentado o prémio e prolongado o prazo para entrega dos relatórios, a pedido das juntas que, segundo noticiam os jornais, demonstraram grande interesse em elaborar melhores e mais completos relatórios. Esta ideia, que é veiculada pelos órgãos de comunicação, não é claramente corroborada pelos documentos oficiais do SPN: no ofício 575-E (de 20 de Maio) afirma-se que, em virtude de os júris provinciais não terem sido constituídos em todo o país na mesma altura, e por isso certas províncias se verem impossibilitadas de iniciar a escolha das aldeias candidatas, para dar unidade necessária nas prorrogações do prazo, bem como outras alterações ao regulamento do concurso, é solicitada a indicação urgente de uma data em que cada uma das províncias poderia dar por concluído o seu trabalho. Na sequência deste ofício é decidido adiar a entrega dos relatórios até 30 de Junho, data que, também por ofício (n.° 482 de 27 de Junho), é declarada improrrogável. Mas o SPN ia avançando no trabalho de organização das visitas: a 17 de Junho (ofício 795-E) é solicitada a indicação da localização das candidatas o quanto antes, por forma a poder ser elaborado o itinerário para as visitas prévias, ainda que essa indicação não fosse acompanhada do relatório. No fim de Junho já haviam sido recebidos vários relatórios (Douro Litoral, Beira Alta, Beira Baixa, Baixo Alentejo e Algarve). Com o fim do prazo marcado (30 de Junho), são enviados os relatórios do Ribatejo e da Beira Litoral. Das outras regiões nada se sabe (Minho, Trás-os-Montes e Alto Alentejo). Os relatórios ainda são solicitados (ofício 905) a 13 de Julho, onde se chama a atenção para a conveniência do envio urgente dos relatórios justificativos das escolhas das aldeias, e termina mesmo com o ofício 959 (21 Julho) a afirmar que os delegados do SPN iniciarão a 25 de Julho as visitas às aldeias concorrentes a partir do Algarve para norte, visitas que teriam um carácter preparatório da visita do júri nacional. No dia 22 de Julho, o jornal O Século cita o presidente do júri nacional, que notou deficiências nos relatórios e que as respostas das câmaras municipais eram negativas.17 As juntas de província queixavam-se das condições do concurso “talvez demasiado exigentes”, segundo nota do júri do Douro Litoral, razão que encontraram para tão elevado número de respostas negativas. Dois exemplos podem servir para mostrar quão difícil terá sido esta fase do concurso: a Junta Provincial do Ribatejo afirma ter solicitado um aditamento à sua decisão de propor Azinhaga, aldeia que deveria afinal ser excluída do concurso por “demonstrada má vontade da maioria dos seus habitantes”, ao mesmo tempo que a Junta de Freguesia da Azinhaga apresentava a sua demissão; já próximo da data limite para a apresentação do relatório, a Junta de Freguesia da Zambujeira afirma ser difícil reunir um “grupo de homens e mulheres com indumentária regional que cante qualquer trecho de música” (actas das reuniões de 22 de Junho e 13 de Julho de 1938, da Junta Provincial do Ribatejo).

21Ao mesmo tempo, os artigos publicados nos jornais locais relatam acontecimentos que demonstram que a mobilização, tal como está descrita nos jornais nacionais, não existia realmente. As notícias são poucas ou nenhumas e, inclusivamente, grande parte delas limita-se a reproduzir informações publicadas nos jornais nacionais, sendo quase sempre notícias genéricas. Em termos regionais, só o Diário de Bragança levanta questões locais, aproveitando esta ocasião para criticar, mais uma vez, o centralismo de Vila Real enquanto capital da província. Ao mesmo tempo as informações são contraditórias: quando os jornais nacionais afirmavam ter sido já entregue o relatório do Algarve, O Louletano dizia, a 23 de Junho de 1938, que os membros do júri já tinham visitado as aldeias e que se encontravam naquele momento a redigir o relatório; são desmentidas localmente notícias sobre as candidatas propostas. O artigo de 21 de Setembro do jornal O Século, é exemplo perfeito da confusão reinante, ao noticiar que Aljubarrota já havia sido visitada e que tinha todas as possibilidades de ganhar, que Orada se regozijava pela classificação obtida e que Cambra teria sido escolhida pelo júri…

22Pela leitura das actas das reuniões das juntas provinciais, duas conclusões podem ser tiradas sobre a gestão do concurso ao nível das juntas provinciais: a rapidez de resposta das câmaras municipais e a falta de iniciativa das juntas provinciais em responder ao SPN. Até em Trás-os-Montes, que pelos jornais nacionais pode-se julgar ter estado praticamente arredada do concurso, e sobre a qual se dizia não ter qualquer aldeia que correspondesse ao requerido pelo regulamento (do relatório do júri nacional e jornais nacionais), afinal obteve um índice elevado de respostas por parte das câmaras, mas a que a própria junta provincial não deu seguimento (ver nota 17).

  • 18 Em Alte, no ano do concurso houve toda uma valorização e um investimento provincial nessa localidad (...)
  • 19 Convém lembrar, a título de exemplo, o pedido formulado pela Junta de Freguesia da Azinhaga para qu (...)

23O que podemos depreender destas tão diversas atitudes perante o concurso? Primeiro, a adesão ao concurso variou de província para província, sendo a Beira Alta, a Beira Baixa, a Beira Litoral e o Algarve as que mais interessadas no concurso se mostraram;18 segundo, as dificuldades organizativas levantadas ao concurso foram horizontais, isto é, dependia do grau na hierarquia do aparelho de estado a vontade e a resposta às solicitações do organismo do poder central. Se ao nível das aldeias não terá havido grande mobilização,19 pelo contrário, as câmaras municipais responderam prontamente às juntas provinciais, e estas, dependendo do envolvimento dos eruditos locais e da sua proximidade do poder e sua ideologia, variavam na sua resposta ao SPN.

24Ao longo dos meses de Junho, Julho e Agosto foram sendo apresentadas, nos jornais nacionais, as aldeias concorrentes, como se pode ver no quadro 9.1.

  • 20 A eliminação desta aldeia foi motivo de violentos comentários por parte do júri provincial da Beira (...)
  • 21 As razões apontadas pelo SPN para a exclusão das aldeias foram as seguintes: Aljubarrota e Oleiros (...)

25Destas 23 aldeias propostas, a 16 de Setembro, dez (Alturas do Barroso, Lamas do Olo, Merujal,20 Colmeal, Pêgo, Aljubarrota, Oleiros de Azeitão, São Bartolomeu do Outeiro, Salvada e Odeceixe) foram eliminadas pelo SPN, por considerar que não reuniam os critérios necessários exigidos no regulamento.21 Entretanto os jornais nacionais publicavam diariamente artigos de apresentação de cada uma das candidatas que haviam sido aceites a concurso.

26A 28 de Agosto tomou posse o júri nacional, constituído por Fernanda de Castro (poetisa e mulher de Ferro), Luís Chaves (conservador do Museu Etnológico de Belém e membro do júri provincial da Estremadura), Gustavo de Matos Sequeira (jornalista do Diário de Notícias), Armando Lopes Leça (musicólogo que fez parte do júri provincial do Douro Litoral), Manuel Cardoso Marta (jornalista), Augusto Pinto, sendo presidido regulamentarmente por António Ferro. Este júri, ao tomar posse, reuniu imediatamente com o gabinete técnico, nomeadamente com Francisco Lage e Tomaz de Melo, marcando o início das visitas às aldeias para 18 de Setembro. Além dos membros do júri, integravam a caravana António Quadros (filho mais velho de Ferro), a equipa técnica (responsável, entre outras coisas, pela documentação fotográfica e filmográfica das visitas) constituída por Francisco Lage (subdirector do SPN), Tomaz de Melo, Paulo Ferreira (pintor), António Eça de Queiroz, Salazar Diniz (operador de câmara e fotógrafo), Octávio Bobone (operador de câmara) e António Menezes. Integravam ainda a caravana os jornalistas J. R. (do Jornal de Notícias e cujo nome não conseguimos apurar), Rogério Perez, Jaime de Carvalho, Jordan (desenhador do jornal Le Figaro), Mário Figueiredo (que desistiu a 24 de Setembro), Adolfo Simões Müller, Afonso Passos, Rosália (?), André Villeboeuf (jornalista e escritor belga), Hans Geelnuydon (norueguês) e mulher (dinamarquesa), e Edith Snow (americana).

Quadro 9.1 As aldeias seleccionadas para o concurso

Província

Aldeias

Minho

Vila Chã, Carrazedo de Bucos

Trás-os-Montes*

Alturas do Barroso, Lamas do Olo

Douro Litoral

Boassas, Merujal

Beira Alta

Manhouce, São Julião de Cambra

Beira Litoral

Torre de Bera/Almalaguês, Colmeal

Beira Baixa

Paul, Monsanto

Ribatejo

Pêgo, Azinhaga

Estremadura

Aljubarrota, Oleiro de Azeitão

Alto Alentejo

Nossa Senhora da Orada, São Bartolomeu de Outeiro

Baixo Alentejo

Salvada, Peroguarda

Algarve

Odeceixe, Alte

Nota: (*) também foram indicadas em alguns jornais as aldeias de Guadramil e Outeiro como candidatas por esta província.

  • 22 As pessoas mais activas na organização de cada um das visitas/"provas" foram: o poeta António Corre (...)
  • 23 Tive acesso a um dossier semelhante que se encontrava depositado na Biblioteca Nacional, no espólio (...)

27O júri começou por ler os relatórios e estabeleceu o itinerário que consta do quadro 9.2.22 A cada elemento do júri foi entregue um dossier com o resumo de cada relatório provincial e o programa de cada uma das visitas.23 Estes textos apresentavam sucintamente as características folclóricas das aldeias (os mesmos textos que terão servido de base aos artigos publicados nos jornais). Nesses documentos era apresentado o processo de selecção das aldeias, quais as escolhidas e as que não o foram e porque foi tomada tal decisão, a descrição das características etnográficas de cada uma das aldeias segundo os pontos constantes da base I do regulamento do concurso, sendo quase sempre referida a dificuldade em encontrar aldeias que correspondessem a essas bases. A proximidade dos grandes centros, de vias de comunicação e do litoral parece ser a principal razão dessa dificuldade, pela modernização que caracterizaria essas aldeias, ou, no caso do Baixo Alentejo, a dificuldade em encontrar só duas aldeias que representem a tão grande diversidade da região. Convém ainda destacar que é quase sempre apontado que os relatórios apresentados pelos júris provinciais ou são omissos ou são sucintos nas descrições.

28As visitas tinham uma estrutura correspondente aos critérios da base I do regulamento. O SPN e as juntas provinciais recorreram a técnicas de espanto (Benedict 1983) para montar essas apresentações, ao exagerar nos bens consumidos, no gigantismo das paisagens e dos monumentos, na miniaturização, expondo momentos ritualizados ou de grande peso simbólico, apropriando-se sistematicamente de símbolos de prestígio construindo um presente a partir de uma imagem cristalizada do passado (estratégia retórica central nos eventos de carácter folclórico), onde a história é tornada numa narrativa simplificada em dois períodos; até hoje e hoje (Vasconcelos 1997), sendo, neste caso, o hoje o elemento negativo, se exceptuarmos as aldeias a concurso que, afinal, mais não eram que espaços pretensamente imutáveis, “como antigamente”, como é dito num jornal a propósito de concurso:

Estas frases: “noutros tempos…”, “isto não é como noutros tempos foi” ou “se fosse como noutros tempos…” — ouvem-se frequentemente, nos bravos e descompassados dias de hoje, a propósito de perdas de carácter nacional. Pois eu creio que — ainda é o Portugal de outros tempos. A alma das gentes é portuguesíssima, exceptuando a daqueles que não são portugueses em parte alguma (…) Mas, apesar disso, quem fora dos grandes centros populacionais, por esses campos e serras se der ao trabalho de procurar, ainda encontra povoados em condições de tal maneira coerentes com a terra, que, por ela ser portuguesa, bem portugueses são, como sempre (Diário de Notícias, 5 Setembro de 1938).

29As apresentações de cada aldeia basearam-se nestas estratégias, os elementos paisagísticos são agigantados e a inacessibilidade ou a dificuldade topográfica para chegar a estes lugares são pormenorizadamente descritas, as casas e o artesanato são miniaturizados, as refeições foram fortes e sumptuosas, a cada visita foram exibidas alfaias agrícolas em louvor do trabalho e demonstrando o desenvolvimento da província, a igreja esteve sempre omnipresente: nas procissões, nas festas dos santos padroeiros, no próprio edifício religioso e na presença do padre. Historicamente, o passado mítico é construído e veiculado pela invocação dos heróis e momentos heróicos, traçando assim uma linhagem histórica. O folclore limitou-se quase sempre a apresentações musicais performadas por grupos tantas vezes reunidos a propósito da visita, com repertório que se toma por local e que havia sido ensaiado por algum dos elementos do júri provincial.

Quadro 9.2 Itinerário do júri nacional do concurso

18 de Setembro

Partida de Lisboa às 7 horas. Azinhaga

19 de Setembro

Almalaguês

20 de Setembro

Boassas

21 de Setembro

Vila Chã

22 de Setembro

(Carrezedo de) Bucos

23 de Setembro

Paragem em São Pedro do Sul

24 de Setembro

São Julião de Cambra

25 de Setembro

Manhouce

26 de Setembro

Chegada a Paul

27 de Setembro

Paul. Chegada a Monsanto

28 de Setembro

Monsanto

29 de Setembro

Viagem entre Castelo Branco e Évora

30 de Setembro

Peroguarda

1 de Outubro

Paragem em Évora

2 de Outubro

Nossa Senhora da Orada

3 de Outubro

Viagem entre Évora e Praia da Rocha

4 de Outubro

Alte

5 de Outubro

Regresso a Lisboa

  • 24 Comentário do júri citado no jornal O Século, de 8 de Outubro de 1938.

30Em todas as visitas estava sempre clara a diferença e a distância social dos visitantes em relação aos visitados, uma vez que os contactos foram limitados aos eruditos locais e alguns aldeãos exibidos propositadamente. Essa distância estava acentuada pela utilização de trajos típicos e pelo local onde se instalava o júri para assistir a provas, espectáculos, encenações (termos empregues pelo júri).24

31Nas visitas, o júri nacional era sempre recebido pelas personalidades da região (poetas, directores de bibliotecas e museus regionais, presidentes de câmaras municipais, presidentes da junta provincial e da junta de freguesia, elementos da igreja). Depois da recepção, que podia ser seguida de um discurso proferido por alguma das individualidades locais, algumas casas e oficinas eram visitadas, observavam-se objectos produzidos por uma indústria caseira e alfaias agrícolas, assistia-se a eventos folclóricos, que compreendiam a apresentação de grupos musicais e/ ou ranchos folclóricos mais ou menos formalizados, e à audição de lendas, narrativas, autos e mistérios de carácter fantástico, os aldeãos apresentavam-se trajando tradicionalmente. De grande impacte no júri e nos jornalistas que o acompanhavam, algumas aldeias (com especial destaque para Monsanto, Paul e Peroguarda) recriaram festas locais que, ou já não se realizavam há vários anos, ou aconteciam noutras alturas do calendário. Dos momentos mais apreciados e descritos com mais pormenor é de sublinhar o cuidado com que foram referidos todos os eventos musicais, havendo a preocupação em enumerar o repertório e a instrumentação, acentuando-se sempre o carácter festivo ou religioso de todas as exibições coreográficas e musicais. Paralelamente, os momentos religiosos também são pormenorizadamente descritos e estiveram sempre presentes em todas as visitas, sendo sempre sublinhado o carácter misterioso, de respeitosa contenção, muitas vezes em momentos nocturnos, exigindo da parte dos intervenientes uma introspecção, acentuada pela indumentária escura e pesada, pelo silêncio ou sons lentos e graves (repertório em latim, som dos passos na calçada, matracas). Ou seja, são destacados os momentos de incontida folia e de respeitosa introspecção, os primeiros na música e na dança, os segundos nos eventos religiosos.

32O programa de visitas estabelecido revelou-se particularmente intenso e o cansaço fez-se logo sentir por altura da visita a Vila Chã. Matos Sequeira transcreveu uma quadra que atenta bem o estado de espírito dos viajantes, publicada num artigo do Jornal de Notícias (23 de Setembro de 1938).

A meio desta viage
que é uma valente praga,
vitoriemos o Lage
viva o Chico, que é de Braga

33Mais à frente, nas Pedras Salgadas, à noite, os membros da caravana fizeram um sarau “para quebrar a monotonia do folclore” (Jornal de Notícias de 23 de Setembro de 1938). Depois de Carrezedo de Bucos já J. R. confessava: “vê o leitor, por isto, que a caravana jornalística procura suavizar o tempo que decorre em marchas por vezes bem duras e entre almoços regionais que, a cumprir-se o programa, fariam rebentar os maiores glutões do globo” (Jornal de Notícias 27 de Setembro de 1938). Vários dos elementos da caravana desistiram. Entre as desistências são de destacar as de António Ferro e Fernanda de Castro, que abandonaram a caravana depois da visita a Nossa Senhora da Orada, por forçado regresso a Lisboa (Ferro já não havia visitado Manhouce e Nossa Senhora da Orada).

34Cumpria aos jornais traduzir todos os eventos exibidos aquando das visitas. Estes eventos eram apresentados enquanto memória e resquício do passado (os velhos detentores de tradição), como particularismo técnico (os artesãos), curiosidades, objectos de estudo (por exemplo, era sempre destacada a presença de Armando Leça e o seu trabalho de transcrição permanente em situações de performance musical), tudo contribuindo para a imagem de ancestralidade da aldeia e das suas práticas, a etnicidade… e a harmonia social.

35Imediatamente depois das visitas, os jornais começaram a publicar uma série de notícias veiculando nomes de aldeias vencedoras, a tal ponto que o SPN teve de fazer publicar na imprensa um desmentido. Mas a escolha pelo júri nacional parece não ter sido fácil, pois foi necessário recorrer a eliminatórias: primeiro foram escolhidas seis aldeias (Paul, Carrezedo de Bucos, Monsanto, Alte, Azinhaga, Nossa Senhora da Orada) por serem aquelas que estavam em “condições de superioridade quanto à obediência às bases do regulamento do concurso” (comentário do júri citado em O Século de 8 de Outubro de 1938), e dessas, as três primeiras foram escolhidas para uma segunda volta. A 11 de Outubro, de entre as três finalistas (Paul, Carrezedo de Bucos e Monsanto), já não estando presente todo o júri (Armando Leça deixou o seu voto expresso em carta), escolhida por maioria, é anunciada a aldeia mais portuguesa: Monsanto.

  • 25 Foi enviado a Salazar o seguinte telegrama: “O povo de Monsanto da Beira, aldeia classificada a mai (...)
  • 26 A visita das 200 crianças de Monsanto a Lisboa por iniciativa da CML contou com o apoio do Ministér (...)

36Ao ser conhecido o resultado, os festejos começaram de imediato com fogo de artifício, cantigas e danças.25 Alguns dias depois, António Joyce visitou a aldeia, sendo celebrado como um dos responsáveis pela vitória. Mais tarde seria a vez de as gentes da região, especialmente crianças das escolas primárias do distrito, fazerem a visita. As celebrações prolongaram-se durante vários meses: em Novembro teve lugar uma homenagem a Monsanto na Casa das Beiras, em Lisboa, com um sarau folclórico com a apresentação da Orquestra Popular da Emissora Nacional; foram divulgados, nos meios de comunicação, os elementos folclóricos (lendas, descrições da aldeia, do madeiro de Natal, do Santo Amador, etc.) de Monsanto, iniciativas que foram noticiadas nos jornais de Lisboa. Várias instituições públicas e privadas apoiaram a iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa para trazer 200 crianças de Monsanto, em Dezembro, para visitar a cidade.26 Do programa, densamente preenchido, destaco a visita ao ministro da Educação, Carneiro Pacheco, que sintetizou o espírito que reinava no poder político em relação a estas aldeias ao dizer: “Deveis continuar a querer muito a Monsanto e a desejar ficar ali trabalhando e servindo, cantando e rezando como têm feito os vossos pais, porque desta forma vos tornais úteis ao vosso e nosso querido Portugal” (O Século 4 de Dezembro de 1938; p. 6).

37No entanto, um mês depois inicia-se uma polémica sobre o facto de Monsanto ser vila e não aldeia: “Ora não sendo aldeia, entrou ilegalmente no Concurso e terá que dar o ‘Galo de Prata’” a Paul, segunda terra classificada. O decreto que elevou Monsanto a vila tem o n.° 13140, DG 1.a série, de 16 de Fevereiro de 1927" (Jornal de Abrantes de 11 de Dezembro de 1938). Segundo o jornal, tal serviu de base para Paul impugnar a vitória de Monsanto. Ao nível dos jornais nacionais nada foi noticiado, excepto o prémio que Monsanto receberia por esta vitória e os melhoramentos a realizar: a reparação e alcatroamento da estrada de Castelo Branco a Monsanto, a construção de uma pousada ou pequeno hotel e a reconstrução do caminho de acesso ao castelo.

38Com o fim do mês de Janeiro de 1939, e a acompanhar a entrega dos prémios literários, foi preparada a cerimónia em que também o Galo de Prata seria entregue. Teve lugar no Teatro Nacional de D. Maria II, constando do programa 21 números de folclore, a que se seguiram o discurso de António Ferro e a apresentação do filme sobre o concurso (do programa e dos jornais). Integravam a comitiva de Monsanto o governador civil de Castelo Branco, Eurico Sales Viana, 59 mulheres e 36 homens. Em Lisboa, esta comitiva foi recebida na Casa das Beiras, na câmara municipal, foi recebida por Salazar, visitou museus e assistiu a espectáculos. No dia 6 de Fevereiro, Ferro, na entrega do prémio fez um significativo discurso: falou da vitória da Política do Espírito, do SPN, exultou a “pobreza honrada”, num tom muito próximo daquele do ministro da Educação que tratou com um imenso paternalismo as crianças de Monsanto. Afinal todos eram crianças, aldeãos, indígenas…

A imprensa e a descrição das aldeias

39As publicações periódicas serviram como mecanismos de controlo cognitivo do concurso. Da sua análise, podemos perceber as representações que o poder queria transmitir sobre cada uma das províncias, bem como as estratégias retóricas utilizadas nessa descrição. Sendo o concurso um diorama de dimensão nacional, as aldeias são, no momento em que surgem descritas nos jornais nacionais, aquando da apresentação e das visitas, tornadas bens de consumo ideológico, conceitos abstractos, ideias de um mundo ordenado, limpo, sem guerra, sem mal-estar, criando, pela exibição ritual da pretensa rotina tradicional, um espaço extraordinário e ao mesmo tempo habitual.

40As descrições baseiam-se em dois aspectos: a paisagem e os elementos folclóricos. Os dois traduzem materialmente o espírito das regiões. Ao mesmo tempo, e genericamente, é sempre destacada a beleza de cada aldeia, sendo cada uma delas apresentada como a quase certa vencedora. Das características emocionais dos que aí habitam, é constantemente invocado o seu silêncio no trabalho e na religião, e a sua alegria ruidosa na festa.

41Em todas as descrições eram sempre acentuadas as características impressionantes da paisagem ou da rudeza do terreno, da “altura ciclópica da montanha”, a “violência da planície”, o carácter disruptivo e transcendente (porque disruptivo) da montanha no meio da planície (como é o caso de Monsanto), o aconchego de estar “aninhado” no terreno, aldeias cravadas na terra como se delas brotassem, e que sem ela deixariam de ter sentido, imagens de aglomerados em miniatura. Todas estas características pretendem acentuar o carácter primordial e selvagem do campo, o aspecto natural e inevitável do território, por oposição clara com o terreno hiperdominado e culturalmente modificado que é o contexto urbano, o mesmo é dizer, moderno:

(…) de norte a sul, em muitos sítios do país, vive gente em perfeito estado de graça nacional, sem ter sofrido influências alheias e nocivas, e mantendo — como queria provar — intactos, na sua pureza e graça, os costumes tradicionais da terra (Diário de Notícias 24 de Agosto de 1938).

42Os elementos etnográficos provam o carácter primitivo e histórico, pela permanência de elementos reconhecidos como antigos: uma economia de troca directa, utilização de sistemas de medição antigos, construções toscas, técnicas agrícolas, indústrias e meios de transporte antiquados, indumentária… isto é, são destacados e valorizados todos os elementos bizarros, etnográficos ou morfológicos, acentuando dessa forma o sentido de naturalidade que quer dizer também de verdade. Por outro lado, a existência de antigas narrativas sobre heróis nacionais comprova o profundo sentido de nacionalismo em momentos especiais de combate aos inimigos tradicionais do país (foram apresentadas narrativas sobre gestas heróicas mais ou menos lendárias nas visitas a Nossa Senhora de Orada, Monsanto, etc.), tornando assim as aldeias refúgios de portugalidade.

  • 27 Todos estes traços caracterizadores farão parte da retórica do SPN nos anos que se seguiram ao conc (...)

43O folclore, a história, o sagrado, a harmonia com a natureza, a originalidade da fisionomia, são a prova material dessa integralidade e união coerente de todos os elementos do território.27

44Em aparente negação dessa integralidade do território nacional, era importante também demonstrar que a variedade das gentes existia, fortalecendo a ideia de identidade provincial. Assim, cada província tem as suas características, que a distinguem de todas as outras.

45O sul é descrito como limpo, higiénico, branco e pobre. O carácter dos habitantes a sul do Tejo é descrito como sendo melancólico, indolente, humilde, inocente, trabalhador, alegre, tranquilo, são gente contemplativa, pobre materialmente, mas tradicional e ingenuamente religiosa. Para o Algarve são introduzidas referências a uma herança árabe/ moura ou mourisca, o que lhe dá um tom próprio de um espaço fantástico. A simplicidade ou sobriedade é a principal característica que se articula com uma certa religiosidade, o que, em conjunto, garante uma “quase santidade”, própria desta zona e do seu “charme sem história” (O Século 4 de Setembro de 1938)

46As Beiras são associadas ao pastor. É destacada a força e aspereza do espaço, o heroísmo, a teimosia, tudo num louvor ao trabalho e à terra, confundindo a paisagem com os seus habitantes. Cria-se desse modo uma graça pastoril articulada com uma “penumbra mística que se evola como perfume suave das corolas das éclogas primitivas” (Diário de Lisboa 4 de Outubro de 1938). As gentes são airosas, cândidas, bucólicas, alegres, ordeiras e trabalhadoras (características mais associadas às zonas litorais), o beirão é como a paisagem: recatado, agreste, laborioso, com uma graça fidalga e campestre, recolhido numa reflexão e respeito religiosos.

47Do litoral norte, compreendendo de certa forma o Douro Litoral e o Minho, são destacadas as características da paisagem em presépio, a sacralidade no limite do profano e do primordial, que redunda em hospitalidade e simpatia. Mas é a alegria que representa mais vezes esta região: a alegria própria da festa, representada pelo estrépito da romaria minhota que se transforma numa comédia rústica (Diário de Notícias, de 17 de Outubro de 1938, sobre Carrezedo de Bucos).

48No centro, irrompendo da planície, uma montanha e o seu castelo congregam e reificam toda a ideologia do Estado Novo: Monsanto.

Monsanto: a utopia do SPN e de António Ferro

49A eleição de Monsanto é descrita como se de uma descoberta se tratasse, uma “descoberta das que interessam aos povos não ambiciosos” (SNI 1947: s. p.);

é mais uma fortaleza moral da nossa terra, síntese das virtudes da raça, nossa bandeira de pedra (…) tornou-se um símbolo. Monsanto é de facto, a imagem empolgante da nossa pobreza honrada e limpa, que não inveja nem sequer a riqueza de ninguém, selo da pátria espiritual que fomos e queremos ser (Ferro 1950: 189).

  • 28 Handler (1994) é útil quando introduz o conceito de objectificação cultural, ou seja, as estratégia (...)

50Monsanto ganhou não só porque correspondia a todas as bases do regulamento do concurso mas porque, segundo o júri, era a aldeia cuja impressão quanto à fisionomia nos dias normais, e não só no dia da visita, era mais consentânea com o que se procurava premiar. Mas a razão profunda para esta escolha era o facto de esta aldeia materializar todos os conceitos estruturantes do Estado Novo, objectificando os traços culturais e, por via destes, a ideologia de Salazar.28 Era uma aldeia de reconhecida fisionomia histórica de carácter nacionalista, cristão, tradicional, heróico, trabalhador. A fisionomia histórica era-lhe garantida pelo carácter primitivo, e por isso verdadeiro, surpreendente, encantador, fiel, e que representava “a alma indómita do guerreiro” (Diário de Lisboa 4 de Outubro de 1938), uma das mais antigas povoações da Beira Baixa, com o seu castelo invencível, plena de lendas históricas, de uma história que se perde na noite dos tempos. (O Século 11 de Outubro de 1938). Embora heróica, a aldeia permanecia modestamente pitoresca, com grande interesse etnográfico e riqueza folclórica (na música, nos trajos, nos usos e nos costumes), as duas características de terra heróica, pelos pergaminhos históricos e pelo seu arcaísmo manifesto e natural, que atribuem uma “rara vitalidade dessa raça pelo apego à tradição” (Diário de Lisboa 4 de Outubro de 1938), única via para o fortalecimento da alma dos povos. A higiene que se espera das terras, apesar dos traços primitivos, no comércio, indústria e técnicas, é um conceito que reforça a ideia de verdade…

51Os habitantes reflectem aos olhos do júri toda esta imagem: são trabalhadores, pacientes, tradicionalistas, nobres e cristãos decididos a seguir “o trilho difícil das virtudes” (de um recorte de jornal não identificado do acervo de António Joyce). São sempre fidalgos com ou sem título nobiliárquico, são pessoas mansas, indiferentes, secas e musculadas, sóbrias, amavelmente passivas, respeitadoras, sem agressividade, até nas festas são mais graves… em sintonia com o desiderato de Salazar: viver habitualmente.

52A simbólica das pedras é constantemente utilizada para descrever a aldeia vencedora e os seus habitantes: está nas casas, no brasão e na igreja, está na montanha e no castelo unidos indelevelmente, está na pele dos monsantinos — “Monsanto é um bloco de granito com alma, alma omnipresente — a alma da pátria, a alma da raça (…) da raça portuguesa”. Por um lado, a muralha é natural e totalmente integrada na rocha, é indestrutível, não vacila, criando assim o farol da nacionalidade, o padrão das glórias, sentinela vigilante da nossa independência, berço de guerreiros e heróis, como Leça lhe chama: Santo Graal do Lusitanismo (Diário de Lisboa, 30 de Setembro de 1938). É uma terra enroscada, integrada na montanha, numa paisagem impressionante, forte, bravia, heróica, virgem, sem sorriso e de carácter coriáceo. A fibra dos habitantes, a feição da paisagem são a “afirmação dum princípio de unidade: a aldeia é a montanha e a montanha é o homem!” (Diário de Lisboa, 4 de Outubro de 1938). A aldeia e os seus habitantes trazem à ideia a antiguidade, a luta contra os inimigos em nome da defesa da integridade da nação, a fundação antiquíssima, os usos e costumes, a situação urbanística da aldeia, o sagrado e a confiança no outro. Por tudo isto, Monsanto teria de ganhar. Era o complexo simbólico onde estavam reunidas todas as condições para o bom funcionamento do Estado Novo. As razões apontadas para a escolha não eram obviamente essas, mas também não ocultavam esse objectivo metonímico.

  • 29 Na declaração final do júri as razões apontadas para a escolha de Monsanto foram: ser a aldeia que (...)

53No fim de todo este processo que culminou na eleição de Monsanto, o Diário de Notícias (17 de Outubro de 1938) pediu a opinião de António Ferro sobre o concurso.29 O político considerou-o, nesse ano, um ensaio, embora achasse que esta edição tinha excedido todas as expectativas, e que este evento consolidaria o turismo, serviria para descobrir Portugal e seria fonte de inspiração para artistas. Considerou que serviu para animar as aldeias portuguesas, apelando ao progresso na tradição. Para Ferro, nas edições subsequentes, seriam as aldeias que formalizariam as próprias candidaturas (o que nos indica que se terá apercebido das dificuldades com as juntas provinciais — certamente herdeiras de um caciquismo local). Com os resultados desta edição estava a preparar um festival folclórico em Lisboa, para que este público pudesse apreciar as belezas, o sentido e as vantagens deste concurso.

54Era da máxima importância, como de resto em todas as iniciativas do Estado Novo e do SPN, dar a conhecer aos leitores dos jornais (nacionais e regionais) as opiniões de estrangeiros sobre esses eventos, sobre o concurso e a aldeia vencedora. Dos comentários, o de Villeboeuf expõe claramente os objectivos do SPN e a mensagem que se pretendia veicular com a organização do concurso, pois a sua mais forte impressão foi não ter percebido no povo português qualquer sinal de discordância, e diz mais, “sem jactância, chega-se à fusão moral das classes sociais”, todas louvando o regime (Diário de Notícias, 14 de Outubro de 1938).

  • 30 Fiscalização e controlo não só directo quando ligado aos serviços de censura, mas também pelo finan (...)
  • 31 Tal como aconteceu com uma série de selos sobre “costumes portugueses” que Duarte Pacheco, em 1941, (...)
  • 32 Sobre o concurso, Ferreira Dias dizia: “(glorificou) como mais portuguesa, porventura como modelo d (...)

55Ferro e o SPN, enquanto agência da construção da identidade, não resistiram ao advento da Europa do pós-guerra. O Secretariado de Propaganda Nacional foi substituído pelo Secretariado Nacional da Informação com funções de fiscalização nos assuntos culturais, controlo, mais do que construção, veiculação e inculcação das ideias e símbolos.30 Os tempos eram outros, os costumes portugueses já podiam ser considerados demasiado regionalistas.31 O sinal de que algo estava definitivamente a mudar foi publicamente conhecido na entrega dos prémios literários de 1945 e 1946. Ferreira Dias recebeu um prémio por uma obra em que é criticada a orientação do SPN, crítica substantivada na figura da aldeia mais portuguesa, que este autor considerava um prémio à terra mais atrasada, mais suja, menos desenvolvida.32 Ferro obviamente discordava da opinião do premiado, mas Portugal carecia de um ressurgimento económico e tecnológico — que acontecia em toda a Europa do pós-guerra —, que era incompatível com esta perspectiva.

56O SPN tornou-se Secretariado Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo (SNI) em 1944, Ferro saiu do SNI em 1949, no momento em que a sua direcção já era muito criticada.

A tradição e a sua construção

  • 33 No catálogo do Museu de Arte Popular, quando se trata da sala de Monsanto: “figura o ‘Galo de Prata (...)

57“… há-de ficar enraizado no espírito aldeão aquele convencimento de que no tempo de Salazar houve quem se interessasse pelos pequeninos recantos do país, viesse encontrar neles coisas em que ninguém ainda repara e procurasse fazer justiça e prestar homenagem à sua maneira natural do ser!” (Diário de Notícias, 24 de Agosto de 1938, citando um dos relatórios provinciais). Não foi fácil levar a cabo o concurso, mas a sua utilidade para o Estado Novo, enquanto veículo de afirmação de construção ideológica do estado, foi imensa.33

58Em forma de balanço, Ferro descreveu Monsanto como sendo um pedaço vivo da nossa história, os materiais recolhidos trouxeram velhas imagens daquilo que fomos para a maior e mais profunda consciência do que somos e seremos (1950: 189). Monsanto é a aldeia que lutou contra os romanos, mouros, espanhóis, franceses… ou seja, contra todos os inimigos da pátria ao longo da sua história (luta representada pelo castelo), luta sempre marcada pela dificuldade (projectada nos potes da abundância), terra de gente temente a Deus de forma ingénua, infantil e pouco esclarecida (demonstrada na procissão das Verónicas), num espaço marcado pela naturalidade da tradição (provada pelas características antiquadas das técnicas, artesanato, conceitos, práticas, etc.). Por tudo isto, Monsanto é a aldeia mais portuguesa do país de Salazar. A aldeia de Monsanto corresponde exactamente ao que se pretendia com o concurso: “outra não há que lhe ganhe em pontos, em formosura, em favores da natureza, em benevolência de clima, em costumes patriarcais, em paz, em simplicidade, santidade” (Diário de Notícias, 24 de Agosto de 1938). Estas duas últimas palavras pontuam todo o discurso desenvolvido a propósito do concurso: a simplicidade e a santidade, elementos fulcrais na mitologia do Estado Novo, em que as aldeias, “a terra…” são o epicentro simbólico.

  • 34 Destacamos: Junta de Província do Ribatejo (1940); Roque (1940), cujo texto corresponde ao material (...)
  • 35 Destes, é essencial destacar a recolha de Armando Leça a propósito das comemorações centenárias. Es (...)
  • 36 O museu tornou-se a materialização da ideologia desta primeira fase do Estado Novo, albergou os mat (...)
  • 37 Em 1963 foi editado o mapa correspondente à zona de Monsanto, aldeia que surge como “mais portugues (...)
  • 38 O primeiro anúncio que utilizava o nome de Monsanto surgiu passados três dias da divulgação do resu (...)
  • 39 A propósito da Expo 98, além da exposição mundial propriamente dita, é destacado Monsanto, como um (...)

59O que ficou deste concurso, além dos múltiplos documentos elaborados (filme realizado sobre o concurso, uma série de livros sobre as províncias e sobre o folclore,34 etc.), a realização de cancioneiros a nível nacional e regional,35 a rede de pousadas de Portugal, o Museu de Arte Popular,36 a maior regularidade com que passam a ser publicados roteiros turísticos (de que se destacam os roteiros turístico e económico de Portugal — ROTEP),37 os painéis que ainda hoje celebram a participação no concurso à entrada da aldeia da Azinhaga, prolonga-se, hoje em dia, em materiais que ainda surgem 62 anos depois: em anúncios38 e artigos de jornal39 e até na publicação fac-similada de um pequeno caderno, originalmente lançado em 1939, que compreende um roteiro turístico e uma descrição da vitória no concurso (Correia 1986).

  • 40 O que explica o peso dos meios de comunicação, talvez mesmo o verdadeiro terreno onde o concurso ex (...)
  • 41 O conceito de “híbrido”, referindo-se a um dado objecto possuidor de uma identidade concebida como (...)

60Os materiais que surgem no âmbito do concurso constituem-se, como vimos, num discurso sistematizado de carácter etnográfico e folclórico, que visa a construção de uma realidade utópica. Como tal, realizar qualquer esforço analítico será sempre uma “auto-antropologia” (Harvey 1996), ou seja, em contextos explícitos, como é o caso, uma instituição cultural (SPN) actua explicitamente, tomando em braços a exibição de materiais etnográficos enquanto objectos encenados que se propõem compreender o mundo através de uma acção explícita e autoconsciente. Os elementos encontrados nas aldeias tornam-se objectos de consumo, essencialmente um consumo urbano,40 são expostos perante os olhares dos júris e dos jornalistas, são uma espécie de híbridos,41 ou seja, entidades de dinâmica identitária cristalizada, contrastantes com o outro que observa.

  • 42 No original “over-determinated web of significance”.

61Ao analisar a construção dos discursos e a sua materialização, na tentativa de surpreender as associações simbólicas que fizeram de Monsanto a aldeia mais portuguesa de Portugal, mais portuguesa que Paul ou Alte, fica claro que o concurso criou uma “rede sobredeterminada de significados” (Harvey 1996: 173) comum a situações discursivas que recorrem a objectos culturais construídos,42 reunidos e difundidos em situações de espectáculo folclórico, onde se recorre a estratégias cenográficas que pretendem desviar a atenção do que essas apresentações têm de disruptivo — os momentos de apresentação das aldeias perante o júri nacional mais não eram do que uma reunião de fragmentos etnográficos, num momento que se pretende representativo, de forma natural, de todo um contexto.

  • 43 Vasconcelos (1997) identifica e descreve, para o contexto da Serra de Arga, um processo semelhante.
  • 44 “Muita cautela com o perigo dos ranchos aperaltados, muito finos, com pandeiretas e fitas… Cautela (...)

62Como alerta Kirshenblat-Gimblett (1998), os objectos e a sua exposição são por vezes (e no caso dos objectos folclóricos/ etnográficos isso mais se nota) construídos pelo próprio acto de expor. Neste caso, as aldeias, tal como são apresentadas, primeiro ao júri, depois aos leitores dos jornais, existem na sua pretendida dimensão no momento da sua exposição. No caso do concurso, do que se tratou foi de inculcar a utilização de objectos culturais tradicionais criados a propósito do concurso, a partir de materiais recolhidos nas aldeias pelos eruditos locais, e agora devolvidos, estilizados, à população dessas mesmas aldeias. As pessoas foram obrigadas a viver aqueles objectos para, depois, voltarem a ser oficializados e musealisados (no Museu de Arte Popular, por exemplo, ou na criação de ranchos folclóricos, como o Grupo de Cantares de Manhouce). Os objectos etnográficos, além de falarem, também fizeram a tradição, uma tradição que se quer natural, logo imutável e peculiar, estranha… As gentes, a apresentação dos aldeãos ao longo de todo o concurso, claramente denuncia o seu carácter performativo, de uma performance cultural que faz deles arquétipos, bens de consumo, representativos de uma região, mas cuja interferência com quem observa é reduzida ao mínimo possível.43 Ao mesmo tempo, querem-se comuns e extraordinários, exóticos, exotismo dado pela apresentação fora do tempo, que condensam todas as práticas culturais da zona, criando momentos de “estranheza retoricamente induzida” (Kirshenblat-Gimblett 1998: 161), que chega ao extremo de uma cultura ensaiada, que o próprio poder criticava enquanto reproduzia,44 e que os actores acabam por assimilar e reinterpretar, apropriando-se no sentido de criar um complexo cultural de signos que lhes surgem lógicos (Hall 1981). Esses signos acabam por ser aceites e mais recentemente utilizados como forma de poder sociocultural com fins políticos e económicos.

63Ferro, ao entregar o Galo de Prata forneceu a chave para a desmontagem deste universo referencial ao afirmar:

Portugueses! Sigam o exemplo de Monsanto, a aldeia mais portuguesa de Portugal! Sejam quais forem as vicissitudes, confiemos em nós próprios e nos chefes da nossa regeneração moral, saibamos guardar prudentemente, para lançar do alto da muralha, no momento oportuno, os cântaros da abundância… O Povo mais rico, (…), não é, certamente, o que tem mais dinheiro, mas o que tem mais alma! (1950: 96)

Bibliographie

Materiais

Publicações periódicas (consultados os anos de 1938 e 1939): Jornal de Lagos, Voz do Sul, O Louletano, Comércio de Portimão, O Comércio de Chaves, Terras de Bragança, Ordem Nova (de Vila Real), Província do Ribatejo, Jornal de Abrantes, O Século, Diário de Notícias, Diário de Lisboa, Jornal de Notícias, O Vilarealense, Correio do Sul, Folha de Domingo, Correio da Extremadura, Diário de Manhã, O Primeiro de Janeiro.

Arquivos: Junta Provincial do Ribatejo (em Santarém), Trás-os-Montes (Vila Real), Algarve (Faro). Espólio de António Joyce (em posse do seu filho) e de Armando Leça (depositado na Biblioteca Nacional).

Publicações e documentos em arquivo: Actas da Junta Provincial do Algarve (1938-1939), Actas da Junta Provincial do Ribatejo (1938-1939), Actas da Junta Provincial de Trás-os-Montes (1938-1939)

“A Alma — Azeite Galo” (2000) Filme comercial transmitido pela televisão. Abrinício Publicidade e Comunicação, Lda.

Annexes

Anexo: júris provinciais

Nota: os nomes estão conforme a grafia nas publicações periódicas em que são referidos, assim como os títulos; em caso de incongruência optámos pelo nome ou cargo mais vezes referido. Minho: Dr. Domingos José Morais (presidente da junta provincial), Dr. Alberto Feio Soares de Azevedo (director da biblioteca pública de Braga e do Museu D. Diogo de Souza), Dr. José Novais da Costa Vilar (folclorista), Joaquim Cândido da Mota Leite (musicólogo), Dr. Teófilo Esquível (presidente da Comissão Municipal de Turismo de Braga. Trás-os-Montes: Sebastião José Claro da Fonseca (presidente da junta provincial), Francisco Joaquim da Mota e Costa Lobo (presidente da Câmara Municipal de Vila-Real), Dr. Joaquim de Almeida e Costa (reitor do Liceu Camilo Castelo-Branco), tenente-coronel Dr. João Botelho Correia Mourão, Dr. António Correia de Barros. Douro Litoral: Dr. António de Almeida Garrett (presidente da junta provincial), Dr. Semeão Pinto de Mesquita de Carvalho Magalhães (vereador indicado pela Câmara Municipal do Porto e membro da Comissão de Arte e Arqueologia), Dr. Joaquim Pedro Vitorino Ribeiro (etnógrafo folclorista), Prof. Armando Lopes Leça (musicólogo), Dr. António Vasco Rebelo Valente (director do Museu Soares dos Reis). Beira Alta: Dr. Luiz de Lucena e Vale (presidente da junta provincial), Cap. Francisco de Almeida Moreira (director do Museu Grão-Vasco), Dr. José Amado Morgado (etnógrafo e folclorista, presidente e professor do liceu), Manuel Augusto de Almeida Campos (musicólogo), Dr. Armando dos Santos Pereira (professor do liceu e representante da Comissão Municipal de Turismo). Beira Litoral: Dr. Eduardo Miranda de Vasconcelos (vice-presidente da junta provincial), Dr. Vergílio Correia (director do Museu Machado de Castro), António Gomes Rocha Madaíl, Manuel Raposo Marques (professor de música na universidade e regente do Orfeão Académico), Daniel Pedroso Baptista. Beira Baixa: Dr. António Avelino Joyce (presidente da junta provincial), Eurico Sales Viana; Dr. António Correia; Dr. Alexandre Calheiros Veloso. Ribatejo: Guilherme Guerra [ou Manuel António Branco?] (Presidente da Junta de Província), Raul Ferrão (major da artilharia), Dr. Adolfo Faria de Castro (professor do Liceu Sá da Bandeira), Eng. António Augusto Antunes Jnr. (eng.° agrónomo), Eng. Zeferino Sarmento. Estremadura: Major António Rodrigues dos Santos Pedroso (presidente da junta provincial), Luiz Pastor de Macedo (folclorista e etnógrafo), Dr. Luiz Chaves (conservador do Museu Etnográfico de Belém), Cap. Manuel Ribeiro (musicólogo), Cap. Manuel Ávila Madruga (Comissão Nacional de Turismo). Alto Alentejo: coronel Floriano Leal Pessoa (presidente da junta provincial), Dr. Celestino David (secretário geral do Governo Civil), Dr. João Tavares, António José Torres de Carvalho, Raul Albano da Veiga Pereira Matroco (professor e secretário da Escola Industrial e Comercial Gabriel Pereira). Baixo Alentejo: Eng. André Bravo (presidente da junta provincial), tenente-coronel António de Carvalho, Dr. Leonel Pedro Banha da Silva (presidente da Câmara Municipal de Beja), Manuel Francisco Bolinhas Nogueira (conservador do Museu Regional de Arte e Arqueologia), José Augusto Rego (musicólogo). Algarve: Dr. Francisco António Honorato de Sousa Vaz (presidente da junta provincial), Arq. José Maria Pinto de Vasconcelos (director da Escola Industrial e Comercial de Tomás Cabreira); Dr. Justino Henriques de Bivar Weinholtz (conservador do Museu Arqueológico e Lapidar de Infante D. Henrique), Jorge [José?] Escalço Valadas (pintor), Prof. Mário Lyster Franco (Diário de Notícias).

Notes

1 Os discursos informais não são aqui tratados. Podem-se encontrar relatos de carácter não institucional que corroboram o meu argumento em Pestana (2000).

2 Não tem tido suficiente eco a importância deste evento na produção científica sobre o Estado Novo. Embora seja referência constante nos textos sobre este período e temática, só por uma vez parece ter motivado um investigador a trabalhá-lo, ainda que para tal tenha recorrido a reduzido material, o que, em certa medida, condicionou as suas conclusões (Brito 1982). O artigo de Carvalho e Oliveira (1987) fornece dados interessantes sobre a mudança musical em Monsanto e a afectação que o concurso teve na aldeia. Em termos musicais, convém destacar Joyce (1938-39) como primeiro artigo decorrente do concurso, sendo o relatório apresentado ao júri provincial da Beira Baixa sobre as “canções populares” de Monsanto e Paul, onde se critica a perspectiva cristalizada patente no concurso e nas teses de Leça. Por outro lado, a recente tese de Rosário Pestana (2000) dedica parte substancial desse trabalho ao concurso, o que prova o peso deste evento na construção e apropriação local posterior, em termos de identidade folclórica de uma região. Félix (no prelo) apresenta sucintamente alguns efeitos do concurso na leitura folclorizada do país, em especial a sua ligação ao Museu de Arte Popular, fundado em 1940, e o seu efeito enquanto referente tipificador de repertórios, trajes, a sua associação indelével a cada uma das províncias, o incremento da recolha, a valorização da figura do erudito local, o seu papel na revitalização e incremento de ranchos folclóricos.

3 Durante os anos 30, houve um grande reforço do discurso folclórico, com o lançamento de concursos provinciais, a realização de emissões regionais de rádio sobre assuntos folclóricos e regionais, a publicação de vários guias turísticos, a constituição de ranchos folclóricos e outros agrupamentos musicais de cariz folclórico, a edição de “álbuns fotográficos”, à publicação de boletins regionais com levantamento do folclore, realização de concursos fotográficos de temática folclórica e exposições onde se encontravam representadas as províncias (Mundo Português, p. ex.) e elaboração de cancioneiros (Douro, Ribatejo, Beiras…). Foram igualmente financiadas recolhas de “tradições regionais”, realizaram-se conferências, filmes sobre temáticas regionais, criaram-se parques onde se pretendia montar simulacros das regiões, províncias, concelhos, etc. Foram levados a cabo inquéritos sobre as províncias, editaram-se monografias etnográficas um pouco por todo o país (Trás-os-Montes, Douro Litoral,…). Mas nem todas as províncias iniciaram imediatamente um “processo de folclorização”: a Azinhaga, por exemplo, só em 1948 viu a formação do primeiro agrupamento folclórico. No Ribatejo este movimento só se iniciou nos anos 50, com a instalação, em 1954, da Feira do Ribatejo (Ferrão 1990).

4 Dos trabalhos que tratam deste organismo e da sua acção destaco Ramos do Ó (1993 e 1997) e Melo (1997).

5 Argumento defendido por Ramos do Ó (1993), que remete para o último quartel do século XIX o ressurgimento de um nacionalismo de carácter ruralista com os objectivos de “reaportuguesamento” contra um internacionalismo liberal, concretizado pela procura de uma arte verdadeiramente portuguesa, demanda que irá marcar a construção de grande parte dos produtos culturais desde 1890.

6 Podemos sintetizar essa acção nos objectivos da revista Ilustração Portuguesa que Ferro dirigiu: “Mostrar Portugal aos Portugueses”.

7 Nome dado ao programa político do Estado Novo para a área da produção cultural e artística, com vista à legitimação do poder político e do seu carácter autoritário, “uma criação política estruturalmente portuguesa” (Salazar s. d.: 30), partindo dos artefactos que reproduzissem uma certa imagem do povo que se articulasse com os objectivos políticos do estado e do poder totalitário. Ramos do Ó analisa esse programa e os instrumentos da sua acção, seus agentes, práticas e produções (1993 e 1997). A finalidade última desta Política do Espírito era a urgente refundação e o “estabelecimento de um nacionalismo político, económico e social, (…) dominado pela sabedoria incontestável do Estado forte perante todos os componentes da Nação e insusceptível de ser o joguete ou a vítima de partidos, de facções, de grupos, de classes, de seitas e de engrenagens revolucionárias” (Salazar 1961: 61).

8 Nesse sentido, duas áreas científicas foram particularmente envolvidas no trabalho de codificação de que fala Santos Silva (1991: 464): a história, que procurava tecer a razão estruturante da grandiosa nacionalidade, comprovada pela gesta dos “descobrimentos”, ao mesmo tempo que traçava as continuidades desde tempos imemoriais, e a etnografia que procurava tecer o carácter de uma nação quando destacava as suas suaves diferenças e a estruturante transcendência do povo português.

9 Nesse período são de destacar as exposições de arte popular (apresentadas em Genebra, Lisboa e Madrid), as exposições de Sevilha, Paris, Nápoles, Tripoli, Genebra (1929, 1931, 1934 e 1935 respectivamente), a participação nas exposições mundiais de Paris (1937), Nova Iorque e São Francisco (1939), Exposição Industrial Portuguesa (Lisboa 1932), Exposição Colonial no Porto (1934), Exposição do Ano X da Revolução Nacional (Lisboa 1936), Exposição Histórica da Ocupação no Século XX (Lisboa 1937), o Museu de Arte Popular (1948), as comemorações do Duplo Centenário (1940), o Cortejo Etnográfico e Folclórico (30 de Maio de 1937), entre outros eventos. Sempre com um carácter espectacular e fortemente elaborado estética e estilisticamente. As intervenções realizadas com vista ao estabelecimento de estruturas menos efémeras: o Teatro do Povo (fundado em 1936), o Cinema Ambulante (1935), as Pousadas de Portugal (1939-1948), as Brigadas de Turismo (1939), a revista Panorama, Revista de Arte e Turismo (1941), os Bailados Verde Gaio (1940-1948), a construção das colecções para as bibliotecas populares.

10 Politicamente, estes objectivos começaram a ser alcançados logo no I.° Congresso da União Nacional com o estabelecimento do regime de partido único, a unificação da sindicância (reunindo numa só estrutura — a FNAT — a organização social, política e lúdica dos trabalhadores), e continuou com a criação, em 1940, das casas do povo. O peso do estado no apoio da produção cultural, ao enquadrar todos os artistas em programas de financiamento e apoio, com vista à educação do gosto dos portugueses, conduziram também a uma linha única de produção patrocinada pelo SPN. A nível simbólico, as comemorações dos “10 anos de Salazar” e este concurso materializaram essa integralidade dos elementos constantes do Estado Novo (ver Margarido 1982). Essa foi a estratégia por excelência do “saber durar”, até ao limite possível da sua durabilidade " (Rosas 1994: 152) do estado corporativo.

11 Handler demonstra isso ao referir-se à ingenuidade reproduzida pelos “observados” quando estes são culturalmente “objectificados” (1988: 63).

12 Usamos este termo no sentido que lhe dá o SPN e todos os organismos do Estado Novo, e que significa “as massas” que “vivem habitualmente” sob direcção do chefe: Salazar. (cf. entrevista de Salazar a um jornalista estrangeiro).

13 Momento maior nessa questão foi o da recusa das condições impostas pela Sociedade das Nações, em troca de apoio económico a Portugal em 1928, tendo sido o negociador do estado português recebido à chegada ao Rossio como verdadeiro herói nacional. Desde essas negociações até depois da II Guerra Mundial (e do Plano Marshall) que o país não solicita qualquer tipo de apoio económico ao estrangeiro.

14 O que é profundamente paradoxal, visto que a caução deste discurso é encontrada nas afirmações de estrangeiros e intelectuais oriundos de meios urbanos institucionais que, vindos “da cidade”, integravam o júri para ver o “povo” a representar as suas tradições.

15 O regulamento foi publicado sob a forma de uma pequena brochura com capa a cores, numa edição considerada na altura, pelos jornais, como sendo de luxo.

16 SPN. Em aditamento ao regulamento publicado nos jornais, nessa cerimónia, os representantes da aldeia vencedora deveriam apresentar-se “em obediência às características etnográficas e folclóricas expressas nos números 3 (trajo), e 7 (canto, música, coreografia)”.

17 É de notar que na região de Trás-os-Montes responderam negativamente as câmaras municipais de Vila Pouca de Aguiar, Vimioso, Carrazeda de Ansiães, Vinhais (respostas a 17 de Maio de 1938), Vale Flor (respostaa7deJunho de 1938), Freixo de Espada à Cinta, Mogadouro, Vila Real (21 de Junho), Santa Marta de Penaguião, Valpaços, Alfândega da Fé, Chaves, Peso da Régua, Mesão Frio, Murça, Alijó, Moncorvo, Ribeira de Pena, Cunarias (?) (3 de Julho). Por seu lado, Miranda do Douro propôs Paradela, Picota e Cercaio, Macedo da Cavaleiros propôs Povoão de Clarim (ambas a 21 de Junho), Montalegre seleccionou Padernelos, Sabrosa candidatou Pinhão, Bragança propôs Rio de Onor e Outeiro, Lamego indicou Maqueija e Penude, Boticas apontou Alturas (todasa3deJulho). A 19 de Julho os presidentes dos concelhos de Miranda do Douro, Bragança, Boticas, Lamego pretendem organizar uma visita do júri provincial que nunca chega a acontecer. Lamego, de todos os concelhos, parece, pela quantidade de correspondência enviada à junta provincial, o concelho mais mobilizado. As câmaras municipais do Ribatejo que responderam negativamente ao pedido da junta provincial foram: Almeirim, Alpiarça (18 de Março e de novoa2e8deAbril respectivamente), Salvaterra de Magos (23 de Março, embora aponte a possibilidade de uma candidatura de Glória), Coruche (23 de Março), Vila Nova da Barquinha (25 de Março), Constância (2 de Abril), Tomar (7 de Abril), Rio Maior (11 de Abril), Vila Franca de Xira (14 de Abril). As câmaras que apontaram aldeias candidatas foram: Chamusca (a 21 de Março propôs Ulme, Arrepiado e Chouto), Ferreira do Zêzere (24 de Março, propôs Carvalhais, Mourolinho e Sobral), Golegã (25 de Março, aponta somente Azinhaga, embora os responsáveis da câmara municipal considerem que “não reúne as características exigidas para o concurso”), Benavente (19 de Abril, afirma só haver a aldeia de Santo Estêvão e mesmo essa não reunindo as condições necessárias) e Abrantes (27 de Abril, indicando Souto). Por outro lado, a ausência de concorrentes transmontanos foi alvo de um artigo (Jornal de Notícias, 14 de Outubro de 1938) tendo sido apontadas como razões a falta de interesse da região (o que não corresponde, como acabámos de ver, à verdade) e incompetência do júri, exclusivamente composto por pessoas de Vila Real que se limitaram a visitar a aldeia do Outeiro por ser de fácil acesso, tendo excluído Rio de Onor por suposição. Não só não enviaram o relatório como, aquando da visita de Lage a Vila Real, não lhe indicaram ninguém que o pudesse levar ás aldeias escolhidas (Alturas do Barroso e Lamas do Olo), tudo por obstaculização do júri provincial.

18 Em Alte, no ano do concurso houve toda uma valorização e um investimento provincial nessa localidade: houve o calcetamento das ruas, instalação de esgotos, foi inaugurada a casa do povo (tendo sido uma das primeiras do país) e a Caixa de Crédito Agrícola, foi fundado o núcleo da JACF, foi criado o Rancho Regional do Algarve (patrocinado pela Comissão Municipal de Turismo e presidido por Mário Lyster Franco). O investimento planeado para Alte, nesse ano, foi de 210 contos (Correio do Sul, 4 de Dezembro), sendo uma parcela desse dinheiro destinada à “propaganda da freguesia” (Acta da Junta Provincial n.° 13, de 15 de Julho de 1938, e n.° 18, de 30 de Setembro de 1938).

19 Convém lembrar, a título de exemplo, o pedido formulado pela Junta de Freguesia da Azinhaga para que a sua candidatura não fosse aceite pelo SPN.

20 A eliminação desta aldeia foi motivo de violentos comentários por parte do júri provincial da Beira Litoral no Jornal de Notícias (de 22 de Setembro), tanto mais que esta era a primeira candidata por esta província.

21 As razões apontadas pelo SPN para a exclusão das aldeias foram as seguintes: Aljubarrota e Oleiros foram retiradas do concurso por decisão do júri provincial de acordo com o delegado do SPN; Pêgo por reunir menor número de características do que a outra concorrente ribatejana; Colmeal porque só satisfez dois dos requisitos; Merujal por não reunir características suficientes; as aldeias de Trás-os-Montes foram eliminadas pela “manifesta impossibilidade de (descrever as candidatas) em que o júri provincial colocou o SPN”, pois não enviou o relatório, e aquando da visita preparatória de elementos do SPN, ninguém foi indicado para o acompanhar na visita às aldeias, em decisão final “(propôs-se) que nenhuma delas fosse visitada (…) julgando-as indignas de representar uma província de tanto interesse e carácter como Tràz-os-Montes e Alto Douro”; a aldeia de S. Bartolomeu do Outeiro foi eliminada simplesmente porque a outra candidata do Alto Alentejo reunia mais e melhores condições; a exclusão de Salvada é mal explicada, sendo em tudo igual à outra aldeia do Baixo Alentejo, este, depois da exposição do delegado do SPN, “por circunstâncias naturais, não apresenta número suficiente de características para concorrer”; Odeceixe foi simplesmente eliminada pelo peso da candidatura de Alte (as citações são retiradas do dossier distribuído pelo SPN aos elementos do júri nacional).

22 As pessoas mais activas na organização de cada um das visitas/"provas" foram: o poeta António Correia de Oliveira (Vila Chã), a poetisa Carlota Serpa Pinto (Boassas), o folclorista e historiador de arte Vergílio Correia e o artista Raposo Marques (Torre de Bera), o folclorista Almeida Moreira (S. Julião de Cambra), o folclorista António Joyce e o correspondente d’O Século José Pereira da Rocha (Paul), o folclorista Sales Viana (Monsanto), o poeta Azinhal Abelho e o correspondente d’O Século Francisco Abelho Fernandes (N.a S.a da Orada), o poeta Mário Beirão e o delegado local do INTP Joaquim Baptista Roque (Peroguarda), o poeta Cândido Guerreiro e Mário Lyster Franco (Alte).

23 Tive acesso a um dossier semelhante que se encontrava depositado na Biblioteca Nacional, no espólio de Armando Leça. O dossier encontrava-se ainda empacotado e não havia qualquer referência ao seu conteúdo. Era composto por um exemplar do regulamento, sublinhado e anotado por Leça, listas de nomes de pessoas que integravam a caravana, ementas, folhas com indicações sobre cada uma das aldeias, programas das visitas a cada uma das aldeias impressos em papel timbrado do SPN, e notas manuscritas de Leça sobre a música performada nas visitas.

24 Comentário do júri citado no jornal O Século, de 8 de Outubro de 1938.

25 Foi enviado a Salazar o seguinte telegrama: “O povo de Monsanto da Beira, aldeia classificada a mais portuguesa saúda em V. Ex.a, o grande amigo de todas as aldeias portuguesas. Pela Junta de Freguesia António Campos, João Escoto e Francisco Barbosa” (publicado nos jornais, p. ex. Jornal de Notícias, 12 de Outubro de 1938).

26 A visita das 200 crianças de Monsanto a Lisboa por iniciativa da CML contou com o apoio do Ministério da Educação Nacional, FNAT, CP, Junta de Província da Beira Baixa, Governo Civil de Castelo Branco, presidente da câmara de Idanha-a-Nova, Mocidade Portuguesa de Castelo Branco, Casa das Beiras, Grupo de Amigos de Lisboa, Direcção de Ensino Primário, EN, entre outras instituições públicas e privadas. O programa foi composto por lanche na FNAT, visitas ao Castelo de S. Jorge, Estufa Fria, CML, Escola Oficina 1, Jardim Zoológico, SPN, Emissora Nacional, Mosteiro dos Jerónimos, Aquário, Caparica, Ministro da Educação, matiné no Coliseu, Casa das Beiras e Museu Militar.

27 Todos estes traços caracterizadores farão parte da retórica do SPN nos anos que se seguiram ao concurso. Exemplo paradigmático disso pode ser encontrado no mapa simbólico do país traçado por Ferro (1949a: 124), onde a adjectivação e as características apontadas para cada uma das províncias reflecte, dez anos volvidos, os mesmos traços e é feita recorrendo aos mesmos termos e imagens que os invocados ao longo de todo o concurso, nos diferentes discursos formalizados, do SPN ou dos jornais.

28 Handler (1994) é útil quando introduz o conceito de objectificação cultural, ou seja, as estratégias de materialização de conceitos estruturantes para determinados grupos ou contextos, nomeadamente aqueles em que o poder se alicerça na manipulação de ideias na construção e inculcação de identidades culturais. Como também nota, e o exemplo do concurso é perfeito, a mão legitimadora dos mediadores enquanto especialistas — neste caso os elementos do júri provinciais e nacionais e os organizadores locais das visitas — é central para a assunção da cultura como coisa, como objecto natural, entidade reificada, distinta entre si, contribuindo para a criação de diferença e, por isso, identidade. Daí a sociedade camponesa ter sido desde sempre um paraíso a procurar. E a verdadeira cultura do povo ser sempre “algo como antigamente”, algo fixado, cristalizado, a preservar ou preservado pelos folcloristas e outros activistas cultural e politicamente conscientes e activos. O folclore é essa objectificação e, como tal, é veiculado pelos órgãos específicos como algo de genuíno. Nesse processo é necessária a reinterpretação e reexposição dos materiais etnográficos, ou seja, a tradição só pode ser uma construção, e o património material a sua forma mais imediata (sentido que Kirshenblat-Gimblett [1998] aprofunda ao referir-se à construção dos objectos etnográficos).

29 Na declaração final do júri as razões apontadas para a escolha de Monsanto foram: ser a aldeia que possui a mais bonita fisionomia nos dias normais, higiene e maior aproveitabilidade dos elementos etnográficos e folclóricos (ver por exemplo Diário de Notícias, 11de Outubro de 1938).

30 Fiscalização e controlo não só directo quando ligado aos serviços de censura, mas também pelo financiamento de toda a actividade cultural.

31 Tal como aconteceu com uma série de selos sobre “costumes portugueses” que Duarte Pacheco, em 1941, considerou demasiado regionalista (AA. VV. 1982: s. p.).

32 Sobre o concurso, Ferreira Dias dizia: “(glorificou) como mais portuguesa, porventura como modelo do povoado rural, uma aldeia suja e rude (agora, ao que me dizem, muito escanhoada), só porque tem umas pedras de há muitos séculos (e para elas se fizeram os museus) é de um espiritualismo que eu não compreendo mesmo com esforço” (citado por Ferro 1950: 188).

33 No catálogo do Museu de Arte Popular, quando se trata da sala de Monsanto: “figura o ‘Galo de Prata’ — prémio simbólico do ‘Concurso’, (…) (que) distinguiu a já célebre aldeia de Monsanto e que, depois de forçada interrupção a que as circunstâncias obrigaram, vai novamente desempenhar o seu importante papel na revelação e afirmação das características do nosso país” (SNI s. d.: 4).

34 Destacamos: Junta de Província do Ribatejo (1940); Roque (1940), cujo texto corresponde ao material de candidatura de Peroguarda ao concurso e, mais específico, sobre o concurso, Villeboeuf (1939).

35 Destes, é essencial destacar a recolha de Armando Leça a propósito das comemorações centenárias. Este trabalho decorreu em 1940, tendo sido realizado nas mesmas zonas das aldeias concorrentes. Não realizou gravações em Monsanto nem em Paul por vontade das aldeias. A perspectiva confirmava o que tinha sido inculcado pelos jornais aquando do concurso: um Minho alegre e trabalhador, Trás-os-Montes como relíquia e mostruário do que mais antigo ainda restava, etc… As regiões onde foram gravadas mais peças foram: a Beira Litoral — 15,2% do número total de peças gravadas; Douro Litoral — 13,7%; Minho — 12,8%; Beira Alta — 12,2%; Beira Baixa — 12%. As aldeias com maior incidência de peças registadas foram as de Azinhaga e Alte (com 50% e 32% das peças registadas das suas províncias respectivamente) (Leça 1940).

36 O museu tornou-se a materialização da ideologia desta primeira fase do Estado Novo, albergou os materiais reunidos no concurso. Com um programa museológico que recusava a “sistematização científica (…) adaptando simplesmente o da sugestão estética”. Lugar poético de apresentação da “genuína seiva portuguesa”, ao mesmo tempo que era aula prática dos artistas (ver Chaves 1948a; 1948b).

37 Em 1963 foi editado o mapa correspondente à zona de Monsanto, aldeia que surge como “mais portuguesa”, um dos pontos a visitar no distrito de Idanha-a-Nova, sendo sempre destacado o conjunto da aldeia e a sua integração na paisagem e o castelo. A Torre de Lucano com o Galo surge sempre reproduzida.

38 O primeiro anúncio que utilizava o nome de Monsanto surgiu passados três dias da divulgação do resultado: “Monsanto, Aldeia mais Portuguesa/ Monsanto, os melhores tacões portugueses”, anúncio publicado nos principais jornais nacionais. E o recente anúncio “A Alma” (2000) do Azeite Galo, onde surge a Torre de Lucano, com o Galo de Prata acompanhado de um texto nacionalista: “a nossa gente/ a nossa alma/ o nosso povo”. Em conversa telefónica com um representante da produtora do anúncio, este foi-me referido como pertencendo a um conjunto de filmes comerciais “que remetiam para as origens”. Outros filmes publicitários tinham por título “Os Pescadores” e “A Missa”; neste último, rodado no Alentejo, era invocada a missa do galo e a ceia de Natal.

39 A propósito da Expo 98, além da exposição mundial propriamente dita, é destacado Monsanto, como um dos três retratos do país, ainda e sempre, como a aldeia mais portuguesa de Portugal (The New York Times, 14 de Junho de 1998).

40 O que explica o peso dos meios de comunicação, talvez mesmo o verdadeiro terreno onde o concurso existiu.

41 O conceito de “híbrido”, referindo-se a um dado objecto possuidor de uma identidade concebida como sendo estática, “tem sido o núcleo do pensamento cultural durante a era de imperialismo” (Said 1993: xxviii).

42 No original “over-determinated web of significance”.

43 Vasconcelos (1997) identifica e descreve, para o contexto da Serra de Arga, um processo semelhante.

44 “Muita cautela com o perigo dos ranchos aperaltados, muito finos, com pandeiretas e fitas… Cautela com o profissionalismo do típico… o folclore deve ser, apenas, a graça natural do campo e da praia, uma espécie de trajo domingueiro, de ver a Deus, que não deve transformar-se nunca em trajo de Carnaval (…)” (Ferro 1949b: 84).

Auteur

Licenciado em antropologia (UNL), doutorando em antropologia com uma pesquisa sobre identidades e gosto na popular music. Investigador no Instituto de Etnomusicologia (INET). Publicou Registos de Som (INATEL, 1999).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter