Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte III. Metamorfoses

Capítulo 6. Primeira exposição colonial portuguesa (1934)

Representação etnográfica e cultura popular moderna

António Medeiros

Texte intégral

Parada regional de Entre Douro e Minho no Porto. O desfile das vianenses na Rua de Santa Catarina (1934/07/16), Jornal O Século Fonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa.

  • 1 Dedico este texto a Paulo Valverde (1961-1999), que aprendeu em São Tomé com os sentidos todos. À S (...)
  • 2 A bibliografia recente sobre o Estado Novo e sobre os trabalhos de propaganda com que se justificou (...)

1A Primeira Exposição Colonial Portuguesa realizou-se no Porto entre 15 Junho e o fim de Setembro de 1934.1 Foi um evento importante na sua época, muito publicitado e por onde passou um grande número de visitantes. Hoje, está praticamente esquecido este discurso sobre o Império.2 Nesta iniciativa do Estado Novo, para além de terem sido expostas as colónias, fixaram-se modos novos para representar as províncias metropolitanas e as suas classes populares. Isto aconteceu, nomeadamente, no âmbito de cortejos, iniciativas que foram pontos altos no calendário da exposição. Algumas das imagens então propostas revelaram-se surpreendentemente eficazes e ainda hoje são usadas, quando passaram mais de 60 anos e ocorreram mudanças muito substanciais na sociedade portuguesa.

  • 3 Henrique Galvão (1895-1970) era militar e, para além de director técnico da Exposição Colonial, foi (...)

2Apesar da relativa modéstia dos meios usados, a Exposição Colonial foi um evento visitado em massa. Passaram pelo recinto centrado no Palácio das Colónias — nome do Palácio de Cristal no verão de 1934, quando foi transformado pela implantação de fachada temporária de linhas modernistas — cerca de um milhão e meio de pessoas, segundo os cálculos mais optimistas do seu director técnico, Henrique Galvão.3 Aquele dado quantitativo sugere a importância e o impacte social da iniciativa nos distritos do norte do país.

3Nestas propostas feitas para o conhecimento do império — que nestes anos se começava a equacionar como a soma da metrópole e do conjunto das colónias, pensadas também como províncias — podemos reconhecer as expressões de uma cultura popular moderna. Esta surge-nos composta por formas novas de objectificação cultural, articuladas e dadas a conhecer por iniciativa do estado (Handler 1988). É como um comentário das originalidades e das sobreposições discursivas verificáveis nestes anos de charneira, marcados por uma importante transformação das políticas de representação etnográfica, que se justifica este texto.

Rastos de cultura nos jardins do palácio

4É difícil dramatizar o curso do inquérito que conduzi em torno das memórias da Exposição Colonial de 1934. O objecto já era remoto e tinha-se tornado insignificante por força de várias razões. Saliento, entre outras, as vicissitudes da política colonial nas décadas seguintes, a descolonização feita nos anos 1970 e, sobretudo, os desenvolvimentos das décadas recentes, que trouxeram a integração na União Europeia e a produção de formas novas e diferentes de objectificar a cultura portuguesa. No Porto, em Outubro de 1999, já se preparavam com bastante alvoroço os eventos da Capital Europeia da Cultura, que teve lugar em 2001.

  • 4 Das grandes exposições, diz Burton Benedict (1983: 2), “They were presenting an ordered world. Many (...)

5Esta passagem no “terreno” dificilmente se poderia desenvolver como análoga da “luta de galos em Bali” — quando a ocorrência de um lance fortuito permite que um estranho se envolva nas “teias de sentido” de uma cultura diferente da sua, seguindo a parábola contada por C. Geertz (1983). Encontrar algum dos visitantes de 1934 sobrevivente, possibilitava apenas fazer registos anedóticos, que ilustrariam desfasamentos entre as intenções de ensino de uma “mentalidade imperial” mantidas pelos organizadores e as aprendizagens individuais efectivamente feitas. Os articulados mais claros da “mentalidade colonial” ou “imperial” que então se quis vincular — “pensamento” e “cultura” são outras designações também usadas na época — encontram-se formulados com nitidez nos textos e nos registos fotográficos da materialização que conheceram os projectos expositivos no Palácio das Colónias e as diversas iniciativas paralelas então promovidas.4

6A maioria das pessoas que foram meus informantes no Porto, não sabia nada da Exposição Colonial. As suas lembranças de infância, de idas nos fins-de-semana aos jardins do Palácio de Cristal, davam conta de confrontos com algumas marcas e objectos que tinham sobrado daquela iniciativa: uma “Aldeia dos Macacos” — no pequeno lago que acolhera a “Aldeia Lacustre Bijagoz” —, um leão que sobreviveu miseravelmente, um aviário malcheiroso com pássaros exóticos. Em Junho de 1934, um jornalista anotou sem má-consciência nenhuma: “O exotismo na Exposição Colonial é dado sobretudo pelos indígenas e pelos exemplares zoológicos, que têm constituído para o público um motivo de excepcional curiosidade.” (O Comércio do Porto Colonial 16/6/1934). Hoje já desapareceram dos jardins do palácio os rastos da iniciativa pedagógica que o estado pagou em 1934.

  • 5 A propósito da França, tomando como referência a condenação quase consensual do colonialismo que ho (...)

7A Exposição Colonial foi um exercício autoritário de pedagogia imperial e nacionalista. O ensino e a exaltação do império ali propostos foram factos de legitimidade incontestável para todos os contemporâneos, políticos, jornalistas e a generalidade do público.5 Não se salientaram vozes consistentes contestatárias da exposição, para além das maledicências “reviralhistas” sobre os eventuais fracassos organizativos e anedotas em torno dos pretensos maus tratos dados aos “pretos.” Insinuações que eram ressentidas como parte de uma permanente conspiração subversiva, fácil de imaginar para a sensibilidade psicótica característica dos situacionistas.

  • 6 Ver Roteiro: Resumo Elucidativo do Visitante da Primeira Exposição Colonial Portuguesa.

8Acultura colonial que se quis transmitir fundou-se em figurações alegóricas dos usos e costumes das terras colonizadas. Minuciosa e atenta foi sobretudo a demonstração das respectivas possibilidades económicas, conforme se pode conferir no respectivo roteiro.6 Dizia, em 1933, Henrique Galvão:

Assim teremos, para além duma luzidia representação de actividades económicas do Império, a mais completa secção etnográfica que se tem exibido em Portugal.
Todas as colónias enviarão famílias indígenas que serão instaladas em ambientes tão aproximados quanto possível do próprio e a exposição virá a constituir para todos os portugueses aquela lição de colonialismo que tão necessária é (
Portugal Colonial, n.° 32: 21).

9No ano seguinte, a um mês da abertura da exposição, Galvão especificava sugestivamente alguns dos propósitos e os procedimentos pedagógicos que queria implementar:

  • 7 O director da Exposição Colonial especifica ainda claramente as intenções pedagógicas num outro esc (...)

Através de toda a exposição procurar-se-á, sobretudo, dar uma lição ao povo: com simplicidade, com poder emotivo e pitoresco, com os elementos por vezes ingénuos que o impressionam e ensinam… (Portugal Colonial n.° 38-39: 28).7

  • 8 Linda Nochlin (1994: 58) faz sugestões pertinentes para pensar por analogia as vertentes totalitári (...)

10As representações encenadas em 1934 — os percursos expositivos, os dioramas, os cortejos — foram pensadas para serem sujeitas a um usufruto visual maciço, como modo de apropriação cognitiva mais característico da modernidade. Susan Buck-Morss (1990) anota um reparo de Sigfried Giedion, que comparava as exposições com obras de arte totais (Gesamtkunstwerke). Estas surgiam como experiências visuais sintéticas de grande efeito psicológico. A simplicidade, o poder emotivo, o pitoresco e a emotividade que o director técnico da exposição queria ver vincados, devem ser considerados indícios seguros da modernização discursiva que pretendia articular nesta iniciativa. Eram estas características, ao fim e ao cabo, que apropriavam a exposição e os seus conteúdos ideológicos para o consumo e doutrinação mais eficazes das massas de visitantes. Estes recursos de ensino foram mais tarde optimizados — dotados com maiores possibilidades materiais e contando com a colaboração plenária dos artistas plásticos mais vanguardistas do tempo, na Exposição do Mundo Português de 1940.8

Razões para expor o viver selvagem

  • 9 Fernando Rosas (1994: 202) define o Acto Colonial de 1930 como “viragem nacionalizante e centraliza (...)

11Era o império português que se tentava dar a conhecer. Pretendia-se veicular conhecimentos novos acerca desta “comunidade imaginada” — parece justificado usar agora a famosa noção de Benedict Anderson (1983) — 9 por intermédio de uma composição feita de representações etnográficas das suas partes. Cada uma destas surgia como integrante da composição alegórica mais vasta. Foi neste âmbito de articulação de um discurso imperial que também foram experimentados modos novos para fazer a representação etnográfica das províncias metropolitanas.

  • 10 Esta é de alguma maneira uma distinção artificial ou difícil de fazer. Toda a tradição das grandes (...)

12Nas exposições coloniais, temos que as representações propostas — feitas por intermédio de cenários de estuque e da exibição de pessoas — são reflexo do domínio político e da exploração económica exercidas a partir dos centros de poder imperial.10 Noutra medida, demonstram o poder de mobilização de meios materiais de uma sociedade moderna tecnificada para exibir convincentemente as suas possessões. Apenas uma sociedade com grandes capacidades técnicas, modernizada na sua estrutura social e suficientemente abastada pode contar com uma massa de visitantes voluntários nestes eventos, que surgem como consumidores habilitados dos tropos de discurso exotista. Para recuperar as virtudes ilustrativas da distinção clássica de Tönnies podem ser pensados — e pensar-se — como indivíduos integrantes de uma sociedade que consomem a representação de comunidades exóticas figuradas pela exposição de indivíduos e dos seus emblemas étnicos.

13No Portugal de 1934 havia défices notórios nos registos de modernização apontados. Era débil o controle político e económico exercido nas colónias, que se queria alargar com as consequências previstas para esta iniciativa (Rosas 1994: 283 e seguintes). Eram também escassos os recursos materiais e as possibilidades técnicas disponíveis para encenar a sua representação. Por outro lado, a estrutura social existente no país não propiciava uma massa de usufruidores voluntários destas mostras, oriundos das camadas médias da sociedade, o tipo mais comum de frequentador das grandes exposições internacionais (Benedict 1983).

14Interpretando as reportagens do tempo, surgem-nos nítidas as incapacidades para um consumo bem codificado das imagens exóticas — visual, etnograficamente informado e distanciado — para a maioria dos visitantes de 1934. Não eram muito favorecidas, neste registo, as apreciações do principal responsável da organização, ainda que contasse com a eficácia liminar da “lição de colonialismo” veiculada:

(…) vieram com ar de festa, com o mesmo espírito alegre e desenfadado com que vão ao arraial e ao teatro, aos touros e ao foot-ball. Diziam alguns: vamos ver os pretos. (…),
Aqueles que tinham vindo em ar de festa, só para ver os pretos e retoiçar no Luna Parque, tinham visto mais alguma coisa (…). (Henrique Galvão,
Ultramar, n.° 18)

  • 11 Esta sensibilidade difundida deixou um rasto largo também, como sabemos, nomeadamente nas bibliogra (...)
  • 12 Confiram-se os impasses ideológicos patentes nas Notas a Propósito da Arte Colonial de Diogo Macedo (...)

15Noutros contextos, mais modernizados na sua estrutura social, este consumo visual, esteticizador, que valorizava o que era “tribal” e que por isso, por exemplo, poderia chegar a ser pensado como “comunitário”, era prática comum, cosmopolita e prestigiada.11 Em Portugal naqueles anos, eram minoritários os grupos disponíveis para fazer este tipo de apropriação.12 Tome-se como exemplo o seguinte raciocínio de um articulista:

(…) não me cabe na cabeça que a ideia de expor, numa cidade europeia, o viver selvagem de indígenas das nossas colónias, tenha como objectivo apresentar, à nossa gente civilizada, exemplos dignos ou merecedores de imitação (…). Não, antes demonstrar a grandiosidade da Nação e dos domínios além da metrópole pequenina. (Gazeta das Aldeias, n.° 1804)

  • 13 Conferir a sugestão do maior prestígio e influência mantido pelos intelectuais da direita na socied (...)

16Esta opinião aparece num artigo intitulado “A renascença da vida rural”, um título afinal muito característico daquelas décadas da primeira metade do século XX, marcadas pela apropriação local de ideologias de circulação internacional. Também cá era clara a expressão — talvez melhor articulada pelos grupos intelectualizados da direita —13 do que Peter Gay (1968) identificava na Alemanha de Weimar como “the hunger for wholeness”, uma consequência directa das angústias arrastadas pela imposição dos aspectos mais hostis da experiência da modernidade.

17Na citação retida mais acima ressente-se a ausência da velha disponibilidade burguesa e cosmopolita para consumo do exótico. Mas faltava também a disponibilidade para perceber que dizer o império — boçalmente figurado naquela frase — não se desfasava de modos novos de imaginar o mundo rural metropolitano. Império dado à existência e mundo rural que tantos queriam fazer “renascer”, eram afinal partes de um todo, tornado coerente pelos ideólogos mais capazes do regime e que os seus propagandistas então tentavam veicular. Logo veremos como isto forçava a identificação do sauvage de l’intérieur, a exibição do camponês das províncias metropolitanas, cujo viver surgiria posto a par do “viver selvagem” dos colonizados trazidos à exposição.

18A Exposição Colonial foi importante, porque também por meio dela se fixaram ou foram postas a circular no âmbito nacional novas imagens etnográficas da metrópole. As representações das culturas exóticas das colónias e os elementos usados para figurar as províncias metropolitanas — interinfluíram e firmaram-se mutuamente no decurso da exposição. Afonso do Paço, um arqueólogo e etnógrafo atendido nos meios intelectuais da altura, reflectiu sobre a oportunidade de firmar novas políticas museográficas, a partir do evento expositivo imperial realizado no Porto:

  • 14 Afonso do Paço cita o trabalho de remodelação feito por Paul Rivet a partir 1928 no Trocadéro. Este (...)

(…) é ocasião de tratarmos da valorização do nosso Império… e um dos assuntos sob que este problema deve ser encarado é o da organização de um museu de etnografia que abranja Portugal Continental e Ultramarino, pois mal ficaria possuir um museu de etnografia das colónias ficando o do continente esquecido (Paço 1934).14

  • 15 Estavam bem estabelecidos em 1934 os modos de mostrar populações colonizadas, fixados no circuito d (...)

19A documentação existente permite sugerir que foram os motivos etnográficos “metropolitanos” que ganharam aqui convenções de representação novas. Isto aconteceu, nomeadamente, porque foram obrigados a coexistir e, de algum modo, a mimetizar as formas usadas para apresentar os corpos, os trajes, a arquitectura e os usos dos representantes enviados das colónias ao Porto.15 Há um eco desta percepção exposto a propósito do grande cortejo de encerramento da exposição — o Cortejo Colonial — que correu a 30 de Setembro:

(…) todos os que presenciaram o cortejo se lembram da interessante e bem organizada representação da lavoura. Os ranchos e grupos regionais constituíram uma nota de flagrante folclore nacional, cheia de cor e pitoresco, que por si só daria uma curiosa parada.
Reuniram-se motivos e representantes das províncias do Minho, Trás-os-Montes, região demarcada do Douro, Beira Alta e Beira Baixa, Ribatejo, Alentejo, Extremadura e Algarve, que equilibraram a demonstração etnográfica do ultramar (
Ultramar, n.° 18: 2).

20Tornou-se evidente em vários passos, em 1934, que tanto alguns dos encarregados da prédica daquela cultura nova como os seus destinatários dominavam ainda mal os preceitos do que pode ser identificado como uma gramática modernista para a exibição de culturas provinciais, por cujo intermédio se pretendeu veicular uma cultura popular nacional nova, proposta pelo regime autoritário, proporcionando a Exposição Colonial um primeiro ensaio de divulgação.

Dois cortejos e o princípio do fim da paródia

  • 16 É bem conhecido o aforismo de Baudelaire, muito glosado por Walter Benjamin (1979), que diz que “a (...)

21Na Exposição Colonial, na sua organização e no seu usufruto, surpreendem-nos a multiplicação das incongruências discursivas, os desencontros de expectativas, os momentos paródicos e também as leituras débeis ou pouco avisadas da importância das transformações ideológicas que então corriam. Entendo estes desfasamentos como expressões da falta de desenvoltura com que se movia a maioria dos intervenientes, perante a rapidez e a radicalidade das mudanças discursivas que se impunham naqueles anos. Então o estado, as novas elites e os homens de mão nele sustentados modificavam — entre muitos outros aspectos da sociedade portuguesa — os modos de fazer a representação etnográfica do país. Uma imagem usada em 1931 por António Ferro, com H. Galvão, outro dos nomes chave na acção de propaganda do regime, sugere o sentido radical destas transformações, sublinhando de passo o seu modernismo radical: “Na verdade Salazar salvou o país… refez quase por completo a fachada da Nação.” (Jornal das Colónias, 13/4/1933).16

  • 17 Cf. Ramos (1994: 565 e seguintes) Hermann Bausinger (1990: 44) anota, a propósito da Alemanha: “The (...)

22Além do trabalho de alguns poucos etnógrafos mais especializados, a representação etnográfica do país tinha sido fixada, de um modo bastante livre e lúdico, pelas práticas de lazer e pelos consumos das camadas burguesas. Isto aconteceu no âmbito de um processo longo de aprendizagem voluntária, por intermédio do qual estes grupos tinham feito a nacionalização das suas referências culturais, desde os meados do século XIX.17 Vale a pena dar como exemplo da persistência destes modos de aprender, uma reportagem surgida em O Comércio do Porto, a propósito de uma festa realizada em Caldas de Vizela, no mês de Agosto de 1934, quando já corria no Porto a exposição:

Como era de esperar foi de uma grandiosidade nunca vista a festa puramente nacional que os proprietários do Hotel Cruzeiro do Sul ontem proporcionaram aos seus hóspedes (…) surgiu inesperadamente um numeroso grupo de senhoras e cavalheiros que vestidos com trajes do Minho e de Marias de Portugal despertaram a alegria e a boa disposição (…). Pelas duas horas da madrugada teve princípio a ceia à portuguesa que principiou pelo tradicional caldo verde, que foi seguido… As mesas arranjadas com louça grossa, candeeiros de três bicos, velas, pequenos pires de tremoços, garfos de ferro e pão de milho dava bem a impressão das mesas dos lavradores. (14/8/1934)

23Agora, entrados os anos 30, quando se pretendia veicular ideologias com laivos totalitários evidentes, era o ensino de uma nova cultura imperial que impunha uma objectificação nítida das culturas provinciais, delineadas por referência exclusiva às suas características rurais, despidas de quaisquer contágios de referências cosmopolitas. Como veremos, pretendeu-se que fosse interpretada tanto quanto possível pelos próprios membros das classes populares, agora sujeitos a convocatória impositiva. Podia mesmo ser dispensada a disposição para a mimetização paródica do povo, prática tão comum para as diversas camadas da burguesia nos regimes democráticos anteriores, ainda ilustrável em 1934 pela festa “puramente nacional” organizada no Hotel do Cruzeiro do Sul.

24Também nas margens da exposição, aquém das iniciativas oficiais, marcava-se a disposição mimética mútua e sensualidade, a abertura para aprendizagem do outro. Dizia o director de O Comércio do Porto Colonial: “Eu mesmo vi um preto fazer batuque da mais característica dança regional do Norte” (16/7/1934). Puderam acontecer, por exemplo, momentâneas exoticizações do desejo homoerótico dos repórteres que descrevem entusiasmados os corpos de bailarinos — estranhos contornos de corpos nus e suados —, ou ainda o desejo, agora dos burgueses e de maraus do Porto que rondavam mirando os peitos nus das africanas das “aldeias indígenas”, requestando a “Inez, esbelta formosa e linda” ou a “preta Rosinha”, que surgia nacionalizada de uma maneira bizarra na prosa de um jornalista: “(…) se lhe tirasses a pele — o negrume da pele, bem entendido — fizesses dela uma branca verias na sua figura uma airosa minhota. Pelos meneios, por certo ar exquise que tem ao andar” (O Comércio do Porto Colonial, 1/7/1934).

25Vale a pena descrever mais um destes encontros eventuais que a exposição propiciou, surpreendentes pela intensidade das mútuas mimetizações que ficam sugeridas:

(…) o famoso rancho típico dos Zés P’reiras do Marco de Canavezes (…) visitou o pavilhão de O Comércio do Porto Colonial oferecendo, por momentos, um espectáculo de cor e de ruído.
Um preto da aldeia lacustre da Guiné, assistindo casualmente, ao espectáculo desta visita regional, improvisou um bailado violento e agitado, entre o grupo dos Zés P’ reiras.
Estabeleceu-se por instantes uma confraternização entre o Douro e a Guiné… o bailado estranho do negro que se saracoteava e regougava modas bárbaras do seu sertão africano, no meio dos trajes escarlates, verdes, negros, pletóricos de cor das raparigas e homens do Douro que o som dos bombos ensandecia de entusiasmo (
O Comércio do Porto, 17/7/1934).

26Podemos encontrar uma nota ainda ambígua, mas que prenunciava as disposições censórias e purificadoras que haviam de pautar as políticas da representação etnográfica fixadas sob o novo regime, num escrito do Conde d’Aurora. O autor era um monárquico integralista, polígrafo que foi etnógrafo esporádico, politicamente próximo do novo poder estabelecido depois do 28 de Maio de 1926. Em Abril de 1934, num artigo intitulado, “O Minho província do império”, delineava alguns aspectos do que imaginava que havia de ser a Parada Regional a realizar no âmbito da Exposição Colonial, que já então se organizava por todo o país:

(…) tem apenas, a romagem, um alçado pictoral, campestre, espiritual de representação (…). Folcloristas da minha terra porque não recolheis em disco de museu, o grito característico do boieiro, que se ouve através toda planura das veigas ribeirinhas?
Ainda que se conceda uma evocação emotiva de sincretismos
naïf próprios dessas práticas populares efectivamente observáveis:
(…) Oh! Curiosas rivalidades das músicas de romaria — tocando trechos de opéra wagneriana, esquecidos do ‘Regadinho’, da ‘Cana Verde’, do ‘Malhão’, que ninguém lhes orquestrou nunca. (A Aurora do Lima, 27/4/1934)

27É fácil pensar que características híbridas, ao fim e ao cabo, seriam a nota dominante das práticas das camadas populares, que tinham podido sobreviver, porque foram sendo débeis os recursos para fazer a pedagogia institucional de uma cultura popular de massas durante o século XIX e nos inícios do século XX.

28Julgo referir neste passo a sugestão de M. Taussig, que anotando a Horkheimer e Adorno diz ser o fascismo uma forma acentuada de civilização moderna, a qual deve ser lida como a história de regressão da mimesis (Taussig 1993: 68). Uma nacionalização radical — que supunha uma provincialização para alguns dos ideólogos integralistas e que podia ir de par com ideias bizarras como equacionar as possibilidades de forçar as classes populares a envergar trajes regionais — chegou a ser pensada como possibilidade que caberia nas iniciativas do novo regime.

  • 18 E que aqueles revendem, facto denunciado como burla pela organização, que ameaçava de vexame os eve (...)

29Um dos aspectos da exposição hoje mais surpreendentes encontra-se nas dimensões pouco espontâneas, que a sua visita supôs para uma parte importante dos indivíduos que a frequentaram. Por exemplo: há párocos que trazem as suas freguesias arrebanhadas; chefes políticos locais a participarem na mobilização das visitas dos seus conterrâneos, por convocatória dos hierarcas concelhios ou distritais da recém-organizada União Nacional; patrões que distribuem aos seus operários bilhetes conseguidos a preços favorecidos.18

30Como se sugere, o visitante rural mais modesto aparece simultaneamente como sauvage de l’intérieur e, por isso, parte da exposição. A alguns meses da abertura, em Fevereiro, um artigo somava referências sincréticas muito curiosas, prenunciando aquela sobreposição de estatutos:

  • 19 Em Ultramar: Órgão Oficial da Exposição Colonial, n.° 1 de 1/2/1934. A Serrana, ópera de Alfred Kei (...)

Durante a Exposição Colonial realizar-se-ão várias visitas de trabalhadores rurais dos vários concelhos de Entre Douro e Minho e, possivelmente, de outros distritos do País ao Palácio das Colónias.
Em Braga, Porto e Viana do Castelo trabalha-se activamente na organização destas visitas. Os grupos desfilarão pela cidade do Porto desde a Praça da República até ao recinto do certame, vestindo os seus trajes típicos, empunhando os seus instrumentos de trabalho e cantando as suas canções regionais (…) os versos do Conde de Vilas Boas que adiante publicaremos e que os vários grupos cantarão durante o desfile. Esses versos terão a música do coro dos pastores da ópera
A Serrana de Alfred Keil.19

31Uma parte dos visitantes foi simultaneamente objecto de exposição. Isto aconteceu no âmbito de dois cortejos que balizaram o calendário da mesma: a Parada Regional de Entre Douro e Minho, que ocorreu a 15 de Julho, e o Cortejo Colonial, que marcou o encerramento da exposição, a 30 de Setembro de 1934. Parece ser esclarecedora, se lermos os seus subentendidos, uma nota surgidaa7deJulho, no noticiário local de O Primeiro de Janeiro, a propósito da organização do certame referido para 15 de Julho:

Continua o entusiasmo por esta grandiosa festa no concelho de Vila Nova de Gaia. A classe rural sabe que não se trata apenas de uma Parada de costumes, danças e folklore regionais, mas também de um cortejo cívico do povo das aldeias que patrioticamente vem manifestar o seu contentamento e admiração pelos feitos gloriosos dos seus maiores.

32Para muitos dos grupos de pessoas então trazidas ao Porto, torna-se difícil distinguir o seu estatuto de usufruidores ou consumidores da exposição do da sua participação enquanto objectos exibidos ou performers obrigados a uma figuração alegórica. Recuperando termos de Michael Herzfeld, surgem sujeitos que por compulsão faziam a figuração iconográfica de si mesmos (Herzfeld 1997). Este facto pode ser observado, nomeadamente no primeiro dos dois grandes cortejos organizados durante a exposição. Na documentação fotográfica relativa à Parada Regional de Entre Douro e Minho impressiona a quantidade de figurantes mobilizados: teriam sido mais de 15.000, segundo as notícias da época.

33Deve equacionar-se a participação maciça naquela parada de 15 de Julho de 1934, tendo em conta o poder formal e informal e, sobretudo, as disposições autocráticas dos organizadores da exposição e dos seus colaboradores, nas muitas localidades em que se procedeu ao recrutamento de figurantes. Foram então activos autarcas e notáveis, como dizia O Comércio do Porto: “as pessoas mais representativas de cada concelho” (18/5/1934). É evidente o carácter impositivo da visita. No que respeita às zonas rurais, a colaboração dos párocos parecia indispensável aos organizadores. Transcrevo extractos de um ofício feito chegar ao então bispo do Porto pelo Conde de Azevedo, presidente da Federação dos Sindicatos Agrícolas do Norte de Portugal, e que o prelado reencaminha para os párocos da sua diocese:

Está em pleno êxito a Exposição Colonial que deve constituir proveitosa lição para todos os portugueses. Precisando estes de conhecer, através dela, o esforço dos soldados, dos colonos e dos missionários e muito podendo influir o clero no sentido de ser ela largamente visitada (…). Organização de comboios, instalação, entrada na Exposição, etc., de tudo nos encarregamos, certos de que prestamos moral e materialmente, um importante serviço ao país e aos nossos concidadãos. (O Comércio do Porto, 7/7/1934)

  • 20 Foram proeminentes nestas iniciativas ainda outros dois aristocratas: o Conde de Vilas Boas (1873-1 (...)

34Como responsáveis mais directos e activos surgem-nos alguns dos grandes proprietários da região e as suas associações corporativas.20 Parece óbvio que estes colaboradores locais da iniciativa governamental percebiam deficientemente as artes do convencimento das massas que director técnico dominava com desenvoltura inédita. São reveladoras as palavras do velho conde de Vilas Boas, o organizador da Parada Regional de Entre Douro e Minho e depois, mais tarde, da representação da metrópole no melhor arquitectado Cortejo Colonial com que se encerrou a exposição:

Muita gente cuida… que ela [a parada] tem um carácter panorâmico e pitoresco, e se limita a uma espécie de exposição ambulante de costumes regionais, indumentária e folklore (…). Trata-se sobretudo de uma manifestação de carinho da nossa Província e das outras Províncias de Portugal que se associam a ela pelas Províncias irmãs de Além Mar… (Notícias de Viana, 5/5/1934)

35Vale a pena transcrever, como contraponto a este articulado que prossegue assim inconclusivo ou pouco avisado ideologicamente, uma passagem de um texto bem mais rígido de Henrique Galvão. Trecho escrito a propósito de um cortejo mais tardio, um dos vários que organizou durante os anos em que foi figura incontornável do aparelho de propaganda do Estado Novo. Diz a propósito do Cortejo do Mundo Português, feito em Lisboa no decorrer da famosa exposição de 1940:

(…) punha-se realmente como um dos acontecimentos dos que melhor poderiam corresponder às intenções do Governo (…), desfile grandioso das glórias do Passado, dos objectivos imperiais do Presente e também da graça, do encanto, do colorido pitoresco do povo português de vinte e uma províncias do Império (…).
Um cortejo é essencialmente efémero.
Um cortejo passa — e dele fica uma imagem que umas vezes não passa dos olhos — e é fugaz — e que outras vezes se instala no curacao — e vai connosco pela vida fora.
Foi uma imagem desta última espécie que pretendemos realizar. (Galvão 1940: 27-31)

Remate

36Foi nos anos 1930 que ganharam forma em Portugal os primeiros cortejos etnográficos, com os contornos que ainda actualmente lhes reconhecemos. Em geral, cortejos, desfiles e paradas — formas estabelecidas de exibição militar, religiosa ou cívica — foram iniciativas multiplicadas naquela época. Surgiram promovidos pela mão do estado, de autarquias ou de associações corporativas. Assim, pude registar entre os que integravam algum tipo significativo de representação etnográfica, as paradas agrícolas feitas em Barcelos, em Viana do Castelo ou Ponte da Barca entre 1932 e 1934, as primeiras Marchas de Lisboa, os dois cortejos que correram durante a Exposição Colonial, os desfiles nas Festas de Guimarães durante o VIII Centenário da Fundação, o cortejo do Ano X da Revolução Nacional em Braga, os cortejos na Festa do Mar na Nazaré, ou o Cortejo do Mundo Português. Percebemos que aconteceu ao longo dos anos 30 uma revitalização do uso dos cortejos com propósitos autoritários de doutrinação. Este foi um meio por cujo intermédio se quis fazer um convencimento ideológico das massas eficaz (Connerton 1993; Mosse 1996). No Porto, em 1934, a depuração modernista de um discurso etnográfico ainda foi mal conseguida, o que se torna patente no âmbito dos dois cortejos mais importantes então organizados. Podemos dar-nos conta de que aquele discurso foi aperfeiçoado de uma maneira rápida e muito efectiva, observando como já foi feita, na Exposição do Mundo Português em 1940, a representação das culturas provinciais: formas coesas, despidas de sincretismos paródicos. O seu esboço tinha sido feito na Primeira Exposição Colonial Portuguesa.

Os indígenas de Moçambique a bordo do “Angola” à sua chegada a Lisboa (1934/05/26), Jornal O Século
Fonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa.

Painel publicitário colocado na Praça de Espanha, em Lisboa, por ocasião da L94
Fonte: foto de Kimberly DaCosta Holton

Notes

1 Dedico este texto a Paulo Valverde (1961-1999), que aprendeu em São Tomé com os sentidos todos. À Sofia Marques agradeço a paciência e o sentido crítico com que leu e comentou versões preliminares.

2 A bibliografia recente sobre o Estado Novo e sobre os trabalhos de propaganda com que se justificou até ao início dos anos 40 — período marcado por grande efervescência ideológica e por esforços propagandísticos importantes —, deu pouca atenção a este evento; ao contrário do que aconteceu com a Exposição do Mundo Português de 1940 (por exemplo, França 1980, Acciaiuoli 1998).

3 Henrique Galvão (1895-1970) era militar e, para além de director técnico da Exposição Colonial, foi ainda responsável por vários eventos comemorativos e de propaganda promovidos pelo Estado Novo ao longo dos anos 30 e 40. Apar de António Ferro (1895-1956) e de J. Leitão de Barros (1896-1967), foi um dos propagandistas mais capazes e informados com que o regime autoritário contou. Foi meteórica a sua carreira nos anos 30, sendo nomeado como primeiro director da Emissora Nacional quando esta foi fundada em 1935. Fernando Rosas (1994), anota como nos anos 30 vários simpatizantes do fascismo — a par de correntes estéticas vanguardistas e fascinados, caracteristicamente, pelas possibilidades técnicas do tempo — puderam acomodar-se ao regime e vingar nas actividades propagandísticas que deram os primeiros passos práticos naquele tempo. Também em Espanha se regista algo similar (cf. Preston 1999: 182). Transcrevo um retrato de circunstância de H. G.: “Ao serviço deste empreendimento (…) pôs Henrique Galvão a sua inteligência, arguta, vibrante, objectiva, inteligência que podíamos classificar com propriedade de moderna [itálicos no original] (…). Pertence Henrique Galvão — como nós — a uma geração esfrangalhada pela hecatombe que terminou em 1918" (em Portugal Colonial, n.° 35: 2). Ver a descrição, feita por Rui Ramos (1994), desta geração, uma parte da qual teve simpatias totalitaristas. As referências à Primeira Guerra Mundial como” abertura" e matriz das sensibilidades do nosso século e as ligações da modernidade e dos modernismos com “vibrância” ou “velocidade” ou “fragmentação da experiência”, são tópicos dos incontornáveis da literatura especializada (cf. como exemplos: Eksteins 1990; e igualmente Hobsbawm 1990; Schnapp 1992; Gay 1968).

4 Das grandes exposições, diz Burton Benedict (1983: 2), “They were presenting an ordered world. Many of these ideas could be seen in concrete (or at least plaster) form at the expositions”. Cf. ainda Kracauer (1995: 281 e seguintes); Kirshenblatt-Gimblett (1991); Buck-Morss (1990); Harvey (1996); e Simmel (1991).

5 A propósito da França, tomando como referência a condenação quase consensual do colonialismo que hoje partilhamos, C.-R. Ageron (1984: 561) comenta: “Dès lors il devient difficile d’imaginer ce temps proche encore où triomphait avec bonne conscience l’impérialisme colonial." Fernando Rosas (1994: 412) anota: “O próprio Partido Comunista Português, apesar de filiado na III Internacional, manterá até ao seu V Congresso de 1956, e nos anos 30 de forma muito clara, uma posição de activa defesa da integridade do património colonial português.”

6 Ver Roteiro: Resumo Elucidativo do Visitante da Primeira Exposição Colonial Portuguesa.

7 O director da Exposição Colonial especifica ainda claramente as intenções pedagógicas num outro escrito: “Tudo foi organizado e orientado de forma a constituir uma simples e fácil e emotiva lição para todos, na generalidade, e para o povo especialmente.” (Galvão s. d.: 16)

8 Linda Nochlin (1994: 58) faz sugestões pertinentes para pensar por analogia as vertentes totalitárias que podemos reconhecer na própria exposição ou nos cortejos então realizados, indícios da sua modernidade intrínseca.

9 Fernando Rosas (1994: 202) define o Acto Colonial de 1930 como “viragem nacionalizante e centralizadora” (itálico meu).

10 Esta é de alguma maneira uma distinção artificial ou difícil de fazer. Toda a tradição das grandes exposições, até à II Guerra Mundial, foi marcadamente imperial (ver Benedict 1983 e Greenhalg 1988, op. cit.). As exposições são uma das tradições fixadas no século XIX. O seu primeiro grande momento tinha sido a Great Exhibition de Londres de 1851, e começou a declinar após a Exposition Internationale de Paris, em 1937; decadência já notória na New York World’s Fair, de 1939. A 1.a Exposição Colonial Portuguesa foi, ao fim e ao cabo, a primeira “grande exposição” realizada num país onde não tiveram uma história significativa estes momentos ostensivos da identidade e das riquezas das nações. Assim, cada um dos eventos realizados em Portugal, que emularam da melhor maneira possível as realizações dos países mais ricos — somando ainda a Exposição do Mundo Português e a Expo 98 — surge-nos, afinal, nas margens da grande tradição expositiva amadurecida ainda no século XIX, que foi imperial, ostentatória e cosmopolita.

11 Esta sensibilidade difundida deixou um rasto largo também, como sabemos, nomeadamente nas bibliografias etnográficas (Clifford 1988: 189 e seguintes; tb. Manganaro 1990).

12 Confiram-se os impasses ideológicos patentes nas Notas a Propósito da Arte Colonial de Diogo Macedo, que correm em 1935 na revista O Mundo Português. José Augusto França (1974) comenta certeiramente estes impasses da falta de familiaridade dos modernistas portugueses com o discurso primitivista em A Arte em Portugal no Século XX. O cartaz distribuído em França para publicitar a exposição foi encomendado a um artista francês. Ali estiliza-se a imagem de uma escultura africana, depurando linhas fortes “primitivas”. Proposta mais sofisticada, dirigida a um público julgado mais selecto e preparado.

13 Conferir a sugestão do maior prestígio e influência mantido pelos intelectuais da direita na sociedade portuguesa do início do século XX com Rui Ramos, op. cit.

14 Afonso do Paço cita o trabalho de remodelação feito por Paul Rivet a partir 1928 no Trocadéro. Este justificado pelas expectativas arrastadas pela realização da Exposition Coloniale em 1931 (cf. com Lebovics as políticas francesas de exibição etnográfica nos anos 30).

15 Estavam bem estabelecidos em 1934 os modos de mostrar populações colonizadas, fixados no circuito das grandes exposições desde o século anterior. No Porto, emulava-se mais directamente, mas a uma escala muito modesta, como reconheciam com boa vontade os organizadores, — as técnicas de encenação de ambientes exóticos que tinham tido momentos exuberantes na Exposition Coloniale Internationale de Paris em 1931 (Greenhalg op. cit., também Lebovics 1992). Em Janeiro de 1931, Henrique Galvão dirigia uma revista ilustrada nova, Portugal Colonial: Revista mensal de propaganda do Império Português. Ali foi constante o noticiário ilustrado da grande exposição que corria em França. Galvão tinha sido o representante português no Congresso Colonial que correu em Paris a par com a Exposition.

16 É bem conhecido o aforismo de Baudelaire, muito glosado por Walter Benjamin (1979), que diz que “a rua é a escola do homem moderno”. A compreensão das virtudes do uso das imagens sintéticas, das fachadas, dos cortejos, afinal da “rua”, como meios de inculcar uma nova cultura popular nas massas modernas, é muito forte em todos os escritos de Henrique Galvão cf., por exemplo, o Álbum Comemorativo da Exposição do Mundo Português, Secção Colonial, pp. 17 e seguintes (cf. também as referências comparadas sugeridas por relação à Alemanha e à Itália na mesma época por Eksteins e por Schnapp).

17 Cf. Ramos (1994: 565 e seguintes) Hermann Bausinger (1990: 44) anota, a propósito da Alemanha: “The dominant influence of the idea of the national on the folk culture of the nineteenth and earlier twentieth centuries can hardly be overestimated.” Julgo que o mesmo juízo pode ser retido com propriedade no que diz respeito a Portugal.

18 E que aqueles revendem, facto denunciado como burla pela organização, que ameaçava de vexame os eventuais compradores destes bilhetes. Cf. aquelas sugestões de fraude registadas em O Comércio do Porto de 14/8/1934.

19 Em Ultramar: Órgão Oficial da Exposição Colonial, n.° 1 de 1/2/1934. A Serrana, ópera de Alfred Keil (1850-1907) que tinha tido a primeira encenação em 1901, figura muito caracteristicamente o modo como se tinha feito a nacionalização da cultura burguesa em Portugal, com os trajes minhotos dos coros como nota dominante (Medeiros 1995). Os versos — quadras insofríveis e bajuladoras — de Vilas Boas chegarão a ser identificados como “populares” nalgumas reportagens, num jogo curioso de atribuições desencontradas, significativo do modo como se aureolava o novo regime de legitimidade, pelos meios mais surpreendentes. Vai como exemplo uma das quadras: Como as tangerinas/Em que um só fruto tem muitos gomos/Nossas Províncias Ultramarinas/São Portuguesas como nós somos.

20 Foram proeminentes nestas iniciativas ainda outros dois aristocratas: o Conde de Vilas Boas (1873-1951) e o Conde d’Aurora (1896-1969). Integralistas, “cultores” de interesses etnográficos, literários e genealógicos, surgem agora como colaboradores eventuais do discurso fascista articulado em 1934 por Henrique Galvão no Cortejo Colonial.

Table des illustrations

Légende Parada regional de Entre Douro e Minho no Porto. O desfile das vianenses na Rua de Santa Catarina (1934/07/16), Jornal O Século Fonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/563/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Légende Os indígenas de Moçambique a bordo do “Angola” à sua chegada a Lisboa (1934/05/26), Jornal O SéculoFonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/563/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Légende Painel publicitário colocado na Praça de Espanha, em Lisboa, por ocasião da L94Fonte: foto de Kimberly DaCosta Holton
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/563/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 129k

Auteur

Doutor em antropologia, professor no ISCTE. Pesquisas sobre nacionalismo no contexto europeu. Publicações: “Minho: Retrato Oitocentista de uma Paisagem de Eleição” (Revista Lusitana, n. s., 13-14: 97-123, 1995), “Na Serra: Os Desencontros do Soajo” (Ler História, 36: 177-220, 1999).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540