Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte II. Representações da tradição

Capítulo 5. “Fazer das tripas coração”

O parentesco cultural nos ranchos folclóricos

Kimberly DaCosta Holton

Texte intégral

  • 1 Tradução do inglês de Catarina Silva Nunes e revisão técnica de Salwa El-Shawan Castelo-Branco.
  • 2 Esta investigação foi viabilizada graças ao apoio generoso da Alumnae Fellowship da Northwestern Un (...)
  • 3 Os nomes dos lugares e das pessoas foram alterados, a fim de garantir o anonimato.

1Ao longo do século XX,1 os ranchos folclóricos portugueses mostraram uma grande capacidade de adaptação e resistência.2 Os grupos fundados durante o Estado Novo suportaram mudanças políticas dramáticas e severas reformas pós-revolucionárias. Também ultrapassaram a rotação de alguns membros, dificuldades financeiras e temporadas sobrecarregadas. Além do mais, à excepção de alguns instrumentistas, os intérpretes não recebem remuneração pelo seu tempo, habilidade e trabalho. Dadas estas condições, de certo modo árduas, quais as estratégias utilizadas pelos ranchos no sentido de alcançar a longevidade característica de tantos grupos? Proponho que os ranchos folclóricos sobreviveram a condições adversas durante décadas de acelerada transformação política através do desenvolvimento de sistemas multifacetados de parentesco cultural. Estes sistemas de parentesco de nível local proporcionam uma série de “redes sociais de segurança” que garantem a sobrevivência dos ranchos enquanto colectividades performativas. O seguinte estudo de caso baseia-se em doze meses de pesquisa arquivística e trabalho de campo etnográfico com vários grupos da região da Estremadura, sobretudo com o Rancho Folclórico de Sobrecelo.3

A construção de laços locais

2Muitos ranchos folclóricos oriundos de todo o Portugal forjam relações entre si, seguindo um modelo de parentesco familiar. Frequentemente, representam-se a si próprios como a linhagem ou o legado de grupos de décadas anteriores. O Rancho Folclórico de Sobrecelo (RFS), um agrupamento experiente da região da Estremadura, invoca a sua ligação a dois grupos locais, descrevendo-se como “o fiel continuador dos Ranchos Folclóricos da Taça e dos Trigos” (RFS s. d.). O Rancho dos Trigos, existente de 1945 a 1959, extinguiu-se no ano em que o RFS foi formado. O RFS herdou vários dançarinos deste grupo, bem como o seu ensaiador.

3O segundo grupo associado ao RFS, o Rancho Folclórico da Taça, fundado em Sobrecelo em 1937 e extinto em 1939, foi um dos primeiros grupos folclóricos portugueses com projecção internacional.

O Rancho da Taça estava ligado às festas vindimais, festas da uva e do vinho. Foi em Lisboa, e depois de Lisboa vinha a França… Mas depois em 1939… Grande Guerra Mundial… terminou esses congressos — eram congressos que se chamava. Era o quinto rancho internacional do mundo… Como a guerra rebentou… terminou com esses congressos… O rancho de cá depois terminou. (Ferreira 1996)

  • 4 Signature modas no original (N. do T.).

4Embora o RFS não tenha herdado qualquer dos intérpretes do Taça, este venerado rancho legou àquele uma das suas modas que lhe serviam de indicativo.4 A notoriedade do Taça, enquanto um dos primeiros ranchos portugueses a actuar internacionalmente, foi transmitida ao RFS como uma herança material. O RFS capitaliza esta impressionante história “familiar” sempre que possível. Quando em actuação, por exemplo, o apresentador narra sempre a filiação entre o Taça, Os Trigos e o RFS como testemunho de autenticidade e da linhagem histórica do grupo. Em cartas destinadas a angariar fundos, dirigidas a políticos locais ou empresas privadas, o RFS invoca esta ligação como prova da sua longevidade — isto é: de que se trata de um sólido investimento graças ao notável pedigree local e à garantia de ganhos futuros. O RFS, enquanto “legado devoto” de dois grupos de referência, coloca-se firmemente numa longa linha de sobrecelianos dedicados à representação da tradição local. O RFS atribui o seu sucesso a uma dedicação e a um trabalho árduos, mas também à sorte de ter “laços de sangue” sólidos com outros ranchos.

5Para além das ligações a agrupamentos históricos, o RFS mantém laços familiares com ranchos existentes. Segundo Manuel Costa, presidente e acordeonista principal do RFS, a grande maioria dos ranchos em Portugal tem padrinhos e afilhados. Costa explica:

O Rancho do Milinho, que é na zona de Bucelas, é nosso afilhado… Por exemplo, eu vou baptizar um bebé, como padrinho. Sou o padrinho, fui eu que dei o nome. A formação dos ranchos era feita assim. Ao formar-se o rancho convidavam um rancho já creditado para padrinho dele. Nós somos padrinhos de muitos ranchos. (Costa 1996)

6A tradição de escolher padrinhos para o rancho deriva, como sugere Costa, da prática baptismal católica de escolher duas pessoas para dar o nome a uma criança recém-nascida e assegurar a sua educação religiosa, caso os pais venham a morrer. O rancho-padrinho apoia o afilhado, contribuindo para o repertório em formação pela cedência de várias das suas modas mais conhecidas. Supervisiona ainda as primeiras actuações, ensinando aos membros do rancho-afilhado a coreografia e a música típicas da região. De facto, o padrinho abençoa o afilhado, oferecendo-lhe repertório e conhecimentos como dádivas.

7Estas alianças inter-ranchos, contudo, podem também tornar-se tensas e confusas quando se trata de lidar com questões de repertório. Em situações específicas, a partilha ou cedência de repertório e de mais elementos performativos é aceite (como acontece, por exemplo, quando o padrinho do rancho baptiza o afilhado, ou quando um rancho local decide extinguir-se, quando outro grupo é criado, legando todo o seu repertório ao rancho emergente). Contudo, o roubo ou apropriação indevida de repertório é uma prática comum que quebra as relações intergrupos. Estas rupturas ocorrem com mais frequência entre grupos vizinhos que operam na mesma freguesia ou no mesmo concelho, tendo em conta a permutabilidade devida à similitude das suas tradições musicais e coreográficas. O assalto ao repertório é particularmente destrutivo para grupos, como o RFS, que lutam por manter uma identidade musical e coreográfica distinta e autónoma, diferenciando-se das dezenas de ranchos da mesma localidade. A criação e a manutenção de uma identidade própria ou, melhor ainda, de um estilo e de um repertório únicos garantem um maior número de solicitações para festivais e espectáculos remunerados.

8Os habitantes locais também podem servir de padrinhos de rancho. Quando o RFS foi fundado, a filha de uma proeminente família sobreceliana tornou-se a madrinha do rancho. Esta família desempenhou um papel importante no período inicial de desenvolvimento do RFS; formada por um clã de engenheiros e lavradores ricos, pois todos os anos organizava na sua quinta uma festa estrondosa em honra do aniversário do seu grupo-afilhado. Estas festas ajudaram não apenas a fortalecer o vínculo entre o RFS e os seus padrinhos, como também tornaram pública esta auspiciosa aliança local.

9De acordo com Costa (1996), o RFS e a família local têm vindo a perder o contacto. Teoricamente, se a madrinha é uma residente local, a sua responsabilidade é “não deixar acabar este rancho por respeito àqueles que já passaram por cá antes. É uma obra que tem que continuar, não pode parar.” Na prática, porém, Costa admite ser difícil dar continuidade a uma tal relação, dadas as profundas transformações sociais e políticas ocorridas. Costa relaciona o esfriar da ligação entre o RFS e a família local com a queda do fascismo em Portugal, ocorrida em 1974: “Não só mudaram as mentalidades, em termos de política, como as pessoas passaram a ser outras também” (Costa 1996).

10O período político conturbado que durou entre 1974 e o princípio da década de 1980 não só quebrou a relação entre o RFS e a sua madrinha, como criou também um grande conflito no seio do próprio grupo. Contudo, o rancho reagiu, consolidando os laços entre os seus membros e criando novas relações com empresas e personalidades locais. Com o início, em meados dos anos 80, do processo de privatização da economia portuguesa, vários tipos de comércio têm tido em Sobrecelo um crescimento espectacular. É o caso de Parago, uma fábrica de materiais de construção que emprega vários dançarinos do RFS e tem assumido efectivamente o papel de madrinha deste rancho. Todos os anos, o proprietário desta empresa faz donativos financeiros consideráveis ao grupo. Esta aliança decididamente pós-revolucionária tem menos a ver com um apoio cultural e espiritual do que com um acto explícito de patrocínio económico. A Parago serve de mecenas do RFS.

11As acções beneméritas da Parago ao RFS cumprem várias funções. Financiando este rancho, o proprietário da Parago retribui alguma coisa à localidade de onde extrai recursos materiais e humanos. O mecenato em prol do RFS, um grupo dedicado à preservação e divulgação das tradições locais de Sobrecelo, permite ao proprietário industrial contribuir de forma indirecta para a produção de identidade local, através do espectáculo. Este gesto também serve os interesses da própria empresa. Financiando as actividades lúdicas dos seus empregados, melhora a relação entre patrão e trabalhadores. Além disso, ganha boa reputação entre os habitantes de Sobrecelo — que constituem não apenas a sua força de trabalho, como também um mercado para os seus produtos.

12Durante o Estado Novo o governo proporcionava o enquadramento para estas alianças locais. Através das casas do povo, definidas como “institutos patrão-empregado para os trabalhadores rurais” (Wheeler 1993: 70), o estado mediava relações sociais entre classes, pretendendo promover a harmonia no local de trabalho e funcionando por vezes como uma espécie de alto patrono. Hoje, contudo, o patrão e os trabalhadores negoceiam directamente entre si. O estado já não desempenha o papel de intermediário. Para mais, os laços padrinho/ afilhado actuais, entre cidadãos proeminentes e ranchos locais, derivam menos de um sentido de obrigação moral próprio do catolicismo social, do que de vantagens económicas mútuas.

Famílias e pertença ao Rancho Folclórico de Sobrecelo ou “fazer das tripas coração”

  • 5 Durante os dois anos que passei com o RFS, o grupo perdeu duas vocalistas, um tocador de ferrinhos, (...)

13Desde Agosto de 1996, o RFS conta com 31 membros, entre cantata, tocata e dançarinos ou dançadores.5 Comparado com outros grupos, constituídos essencialmente por jovens intérpretes com idades compreendidas na casa entre os 10 e 20 anos, o RFS é um grupo relativamente maduro. Tal como apresentado no quadro 5.1, a distribuição das faixas etárias no rancho é equilibrada, tendo o mais jovem 11 e o mais idoso 74 anos, o que revela o número elevado de famílias extensas existentes no RFS, abarcando até três gerações. Todos os membros do RFS têm ou tiveram pelo menos um familiar no rancho. Na família Tavares, por exemplo, seis membros actuavam em 1996 — José; o seu irmão, Luís; a sua filha, Rosa; a sua cunhada, Manuela; a sua sobrinha, Ana; e o sogro do seu irmão, Miguel. A grande maioria dos membros do RFS tem também familiares que actuam ou actuaram em ranchos vizinhos. Estes dados indicam a grande incidência de famílias extensas em ranchos. Como os intérpretes do RFS declaram frequentemente, “o folclore fica nas famílias”.

14Outros familiares participam como mascotes ou acompanhantes. O RFS tem cinco mascotes regulares, com idades entre os quatro e os dez anos. As mascotes, crianças dos dançadores do rancho, não actuam com o grupo, mas estão trajadas durante o espectáculo e participam regularmente na Marcha de Entrada, empunhando bandeiras ou alfaias agrícolas. O devotado grupo de acompanhantes do RFS presta auxílio nos preparativos para as exibições, zela pela manutenção da sede do rancho, pelo conserto dos trajos e assiste à maioria dos ensaios e actuações. Grande parte dos acompanhantes são mulheres, todas elas familiares dos membros. Além de proporcionarem apoio moral durante as exibições, elas cuidam ainda das crianças enquanto os seus pais actuam.

15Segundo os membros, a matriz das relações interfamiliares nos intérpretes do RFS deriva da tradição de educação infantil e de considerações de ordem prática. Quando grávidas ou enquanto as crianças são muito pequenas, muitas mulheres suspendem a actividade no grupo por um ou dois anos, reentrando mais tarde e trazendo as crianças consigo. Logo que entram no rancho com as suas mães, servem de mascotes ou integram-se no agrupamento infantil, cuidadas pelas acompanhantes. A integração da criação dos filhos em todas as actividades do RFS resulta da vontade de conciliar maternidade com actividades lúdicas. Por isso, não é surpreendente que muitos deles, que literalmente cresceram no “folclore”, se tornem membros quando jovens adultos.

16Outra razão evocada pelos membros do rancho para a prevalência de famílias extensas no seu seio, é o facto de o interesse e o talento pelo folclore se transmitirem de geração em geração. Como afirma Alexandre Correia, um veterano com 20 anos de RFS, cujas duas filhas também nele actuam: “Como se diz cá em Portugal, ‘filho de peixe sabe nadar’” (Correia 1996). A predisposição para saber dançar o folclore é caracterizada como “ter jeito”. José Tavares (1996), tesoureiro e membro do RFS, a sua filha Rosa, uma dançarina, e a sua mulher, uma acompanhante, descrevem o modo como a família inteira se ligou ao folclore numa espécie de efeito de bola de neve:

José: — Eu andava, eu gostava e o meu irmão andava muito comigo nos bailaricos e nas festas… Eu andava no rancho, “também vou”. E pronto, foi assim: o
Luís veio quase a reboque do mano.
Rosa: — E eu fui a reboque do meu pai e do meu tio.
José: — Eu fui assim e o Luís foi influenciado.
Maria: — Dançavam em casa os dois.

17A metáfora do reboque descreve o modo como um interesse contagiante pelo folclore foi desencadeado, mas “ter jeito” traduz a forma como a família foi capaz de concretizar esse interesse através da performance.

18Toda a família Tavares foi facilmente integrada no rancho, dado o seu grande talento como dançadores. Contudo, alguns dos familiares foram gradualmente dispensados devido à avaliação, por parte da direcção, da sua falta de habilidade física para aprender as danças ou, simplesmente, por “não terem jeito”. Habitualmente, aos membros que não são aceites como dançadores é dada outra função, como a de tocar percussão ou a de acompanhante, ou então limitam-se-lhes as oportunidades para actuar, o que os pode levar a abandonar o grupo.

19Entrar para um rancho, sobretudo quando apenas um dos cônjuges actua, é frequentemente desgastante para as famílias nucleares. As estratégias para ultrapassar estas dificuldades diferem muito de acordo com o género. Para as mulheres casadas, a única maneira de conciliar as responsabilidades familiares com o rancho-família, é assegurar a inserção do marido no grupo. Por isso, todas as mulheres casadas do RFS têm os maridos no rancho e as que são dançarinas fazem par com os maridos. Por outro lado, há actualmente sete homens casados a actuar sem as suas esposas. Algumas mulheres afirmaram-me que seria quase impossível actuar num rancho sem a companhia dos seus maridos: “Nem pensar! Não dava.”

20Daqui decorre que a causa principal do termo da permanência das mulheres no RFS é o casamento. João, tocador de reco-reco, mencionou-me que a sua filha, até aí dançarina, após o casamento tinha deixado de o fazer, por se ter tornado “forte — que não dá para dançar.” Em 1994, Sofia deixou de ser vocalista, evocando o seu casamento recente, como a principal razão. A irmã mais velha de Cláudia, após vários anos a desempenhar o papel de dançadora, também abandonou o rancho depois do matrimónio. Fátima Veloso (1996), está noiva de Miguel e é uma jovem e talentosa dançarina; disse-me que terá de abandonar o rancho quando casar. Num diálogo revelador, Miguel, Fátima, a mãe de Fátima, Joana e eu abordámos a sua saída eminente:

Autora: — Porque não gosta de folclore?
Miguel: — Não sei, talvez por prender muito do nosso tempo …
Joana: — Há pouca juventude dentro do nosso rancho …
Autora: — E não fica ciumento de ela dançar com outro?
Miguel: — Não.
Fátima: — A dançar com outro não, mas por eu dançar no rancho sim. Por vontade dele já tinha saído o ano passado.

Quadro 5.1 Rancho Folclórico de Sobrecelo (RFS): faixas etárias dos membros (1996)

Grupos etários

Percentagem

10-20

23

21-30

23

31-40

23

41-50

20

+ 51

10

Nota: Dado o arredondamento dos pontos percentuais, a soma das parcelas não atinge os 100%.

21No RFS, as mulheres casadas cujos cônjuges não se integraram no rancho, abandonaram a actividade. Algumas mulheres solteiras têm vindo a negociar estas políticas de género, escolhendo o futuro marido dentro do rancho. Como Paulo Mendonça (1996), um dançador, afirma: “há muitos casamentos feitos no rancho”. Cláudia e José Oliveira, por exemplo, namoraram e passaram os primeiros anos de casamento como dançadores do rancho. Outra estratégia usada pelas mulheres que se vão casar em breve e cujos noivos dançam noutros ranchos é conseguir que os homens se transfiram para o RFS, como foi o caso de Francisca e Luís Silva e de Lídia e Fernando Santos. Do mesmo modo que os casamentos resultaram em abandonos do rancho por parte das mulheres recém-casadas, o rancho também beneficiou do ingresso de dançarinos, que queriam estar juntos com as mulheres, com quem se haviam casado recentemente. Contudo, o duplo padrão, relativo ao género, que existe entre os casais no RFS, serve para criar um tipo específico de família colectiva, no qual as dançadoras casadas devem ser acompanhadas pelos seus maridos e formar pares com eles, tanto nos ensaios, como nas actuações. Quando os conflitos surgem, aumentam de imediato os riscos. O RFS deve negociar posições frequentemente unânimes de unidades familiares inteiras. E se o conflito não se resolver, o perigo de alienar toda uma família, ao ponto de esta se demitir, constitui uma séria ameaça à integridade do RFS, enquanto grupo performativo.

22A pertença ao rancho também constrange física e financeiramente muitas famílias nucleares. Lídia Santos (1996), trabalhadora rural, explica:

Tive dificuldades na vida, o meu marido não estava neste emprego, estava na Câmara e era um ordenado muito pequeno, mas na hora em que era preciso eu faltei sempre… Éramos um dos pares que não faltava ao ensaio. Eu vinha cansada da cenoura… às tantas da noite, eu não comia, só tomava banho para ir para o ensaio.

23O testemunho de Lídia coincide com as afirmações de muitos outros intérpretes do rancho. Este tipo de dedicação à colectividade não só ameaça os empregos como impõe restrições financeiras às famílias dos membros do rancho. Muitos dos quais ganham pouco acima do salário mínimo (ver quadros 5.2 e 5.3).

24Tendo como pano de fundo o aperto financeiro e o latente conflito dentro das famílias nucleares, o que leva estas pessoas a empenharem-se na realização de uma representação do passado e qual a explicação para a manutenção do agrupamento desde há quatro décadas? Que função desempenha a família RFS na vida dos seus membros no Portugal do século XX? Paulo Mendonça (1996) acredita que a colectividade dura devido àquilo a que chama a “camaradagem extraordinária” entre os seus membros:

Tudo isso cativa para se continuar e por fazermos, como dizemos cá na nossa gíria, ‘das tripas coração’, para manter, para pedir dispensa ao patrão para podermos estar em todas. Mas desde que haja uma harmonia entre o pessoal nós tentamos superar todos os prejuízos monetários que isso possa trazer — traz sempre.

25Lídia Santos (1996), que pertenceu a quatro ranchos ao longo de 12 anos como intérprete, também assinala esta camaradagem quando compara o RFS com o rancho onde tinha dançado antes:

O Rancho Folclórico de Sobrecelo é uma família. É uma amizade tão grande que eu tenho por eles… ali é um bocado independente… juntavam-se em grupos e a gente às vezes sentia-se um bocado mal… eu tinha lá a malta, mas não é aquela amizade que me agarra muito… Dávamo-nos bem com um casal ou dois mas os outros estavam independentes. A gente num rancho ou numa coisa folclórica, com montes de casais… a gente sente-se bem, é bom quando vamos dançar… e assim não, estamos sempre comprimidos e não nos metemos com aquele porque aquele não nos liga. Aquela independência não dá.

  • 6 Esta expressão foi também utilizada pelos membros de um coro amador em Lisboa: “A expressão convivê (...)

26Em entrevistas individuais, muitos intérpretes do RFS fazem eco dos sentimentos de Paulo e Lídia, invocando o conceito de convivência, singular na língua portuguesa, para descrever o seu empenhamento.6 Se os membros do RFS sublinham a sua pacífica vida em comum, fazem-no com o conhecimento implícito de que a convivência é uma “conquista social inerentemente frágil” (Appadurai 1996). Os intérpretes do RFS lutam por esta conquista com vigilância e determinação, porque a sua colectividade performativa, a sua família de folclore, ajuda a processar, exibir e produzir um sentido de localidade em transformação acelerada. O orgulho e a solidariedade locais encontram-se explicitamente ligados às contingências da performação. É através da superação dos obstáculos no seio do grupo que os membros traçam um caminho que lhes permite articular a história com a contemporaneidade local. Para os membros do RFS, a localidade, uma “propriedade da vida social”, não está dada; é antes “efémera, a menos que se assuma um trabalho árduo e regular em ordem a produzir e manter a sua materialidade” (Appadurai 1996: 180-181). E quando a convivência não é conseguida, a pertença ao grupo termina, transformando-se o rosto do folclore-família. Os elementos excluídos partem em busca de novos projectos de construção da identidade local. As únicas constantes nesta cacofonia de variáveis são os factos de a performação folclórica produzir identidade local e de os seus intérpretes servirem continuamente como construtores da localidade. O sistema de parentesco local do RFS não nasceu da comunhão passiva, mas de um ensaio continuado.

Quadro 5.2 Rancho Folclórico de Sobrecelo: níveis de rendimento dos membros (1996)

Rendimento (escudos)

Percentagem

Salário mínimo ou -

0

45.000-52.000

10

53.000-100.000

54

101.000-200.000

32

200.000 e+

4

Nota: O quadro apresenta o rendimento mensal de todos os membros assalariados do RFS, que trabalham a tempo inteiro.

Quadro 5.3 Rancho Folclórico de Sobrecelo: ocupações dos membros (1996)

Ocupação

Número de elementos

Percentagem

Comerciante

1

3

Desempregado

1

3

Dona de casa

2

7

Electricista

1

3

Estudante

6

20

Gerente

1

3

Metalúrgico (ferreiro, soldador)

6

20

Motorista (camioneta, camião, carro de aluguer)

4

13

Pedreiro

3

10

Restauração e serviço doméstico: empregado(a) doméstico(a), empregado(a) de mesa, cozinheiro(a)

3

10

Trabalhador agrícola

2

7

Nota: O quadro apresenta apenas as ocupações a tempo inteiro. Um dos construtores civis é também empregado de escritório num negócio de venda a retalho, mas a tempo parcial. Um dos motoristas trabalha igualmente a tempo parcial, como bombeiro remunerado. O membro do RFS desempregado trabalhou anteriormente na linha de montagem de uma fábrica e encontra-se a procurar activamente um emprego.

Annexes

Entrevistas citadas:

Correia, Alexandre (1996), entrevista realizada pela autora, gravação áudio, Sobrecelo, Portugal, 16 de Junho.

Costa, Manuel (1996), entrevista realizada pela autora, gravação áudio, Sobrecelo, Portugal, 22 de Maio.

Ferreira, Bruno (1996), entrevista realizada pela autora, gravação áudio, Sobrecelo, Portugal, 18 de Junho.

Mendonça, Paulo (1996), entrevista realizada pela autora, gravação áudio, Sobrecelo, Portugal, 29 de Junho.

Rancho Folclórico de Sobrecelo (s/d), Historial, documento não publicado que delineia a história do RFS.

Santos, Lídia (1996) Entrevista realizada pela autora. Gravação áudio, Sobrecelo, Portugal.

Tavares, José (1996), entrevista realizada pela autora, gravação áudio, Sobrecelo, Portugal, 21 de Junho.

Veloso, Fátima (1996), entrevista realizada pela autora, gravação áudio, Sobrecelo, Portugal, 27 de Junho.

Notes

1 Tradução do inglês de Catarina Silva Nunes e revisão técnica de Salwa El-Shawan Castelo-Branco.

2 Esta investigação foi viabilizada graças ao apoio generoso da Alumnae Fellowship da Northwestern University, do Joint Committee on Western Europe do American Council for Learned Societies e do Social Science Research Council, através de verbas atribuídas pelas Fundações Ford e Mellon.

3 Os nomes dos lugares e das pessoas foram alterados, a fim de garantir o anonimato.

4 Signature modas no original (N. do T.).

5 Durante os dois anos que passei com o RFS, o grupo perdeu duas vocalistas, um tocador de ferrinhos, um dançador, ganhando um casal de dançadores e uma jovem vocalista. Uma dançarina assistia aos ensaios na esperança de poder ingressar no rancho no inverno de 1997.

6 Esta expressão foi também utilizada pelos membros de um coro amador em Lisboa: “A expressão convivência foi a mais invocada, quando os elementos eram solicitados a definir o seu coro numa palavra.” (Cardoso 1986: 49)

Auteur

Doutora em estudos performativos, coordena um programa de estudos portugueses na Universidade de Rutgers, Newark, NJ. Tem artigos publicados sobre cultura popular em Portugal e sobre flamenco (The Journal of American Folklore, Text and Performance Quarterly); prepara um livro com o título From Showmanship to Scholarship: Political Change and Folkloric Performance in Portugal.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540