Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As Lições de Jill Dias

 | 
Maria Cardeira da Silva
, 
Clara Saraiva

Colonialismo e pós-colonialismo

Coleccionistas, turistas, caçadores e outros supostos predadores

Maria Cardeira da Silva et Amélia Frazão-Moreira

Texte intégral

Coleccionismos

1Jill Dias reconhecia com humor algumas das suas características pessoais como a de coleccionadora. Coleccionava conchas e fósseis (paixão que partilhava com seu marido Alberto), pequenas estatuetas, flores e plantas e, de forma mais académica, materiais vários para as suas aulas, cópias de mapas e variadíssimos textos, inúmeras fichas de arquivo – o que a levou a importantes resenhas arquivísticas – e fantásticas fotografias e postais do período colonial. Mas ainda aí não perdia o humor: ela sabia que estava a reproduzir sobre os objectos de colecção de outros, aquilo que a fascinava e tentava analisar neles mesmos. Era coleccionista de colecções, com paixão pelo coleccionismo, e ria disso mesmo.

  • 1 Guião de uma aula do Seminário de Colonialismo e Pós-colonialismo do Mestrado em Antropologia (2007 (...)

2Grande parte das primeiras abordagens ditas pós-coloniais aos vestígios culturais dessas atividades colectoras coloniais, incorrem frequentemente em dois erros. Um, é o de não se aperceberem justamente daquilo que Jill Dias reconhecia em si própria – de que também as suas análises das objetivações culturais empreendidas durante o colonialismo são, elas mesmas, inescapavelmente objetificadoras; e o segundo, decorrente do primeiro, é o de que – como Jill também resumiu em uma de suas aulas do Mestrado em Antropologia, a que chamou “Situando colonialismo e pós-colonialismo” – “to see history as a sucession of epochs (colonial/post-colonial) is to assume a coherence that complex interactions rarely produce”1.

3Frequentemente, nas aproximações pós-coloniais (e aqui também estamos a correr o risco de tipificar para abreviar) as representações de África – as disciplinares e científicas, as exibidas nas Exposições Mundiais, na parafernália do turismo e na fotografia – aparecem, como na realidade, de certa forma estão, profundamente ligadas entre si, servindo para melhor ilustrar o exercício do aparato disciplinar foucaultiano. A África colonial surge, então, reificada de novo, mas agora como o palco excepcional que foi para o exercício do panoptic gaze e dos exibitionary complexes (Bennet 1988) e para as actividades predatórias do ocidente nas suas pleasure peripheries (Turner e Ash 1976).

Foto do Arquivo Visual de Jill Dias.
JRD-FCSH-a037cp. CRIA-FCSH-UNL

4Quando se trata da análise de imagens a pertinência de uma interpretação foucaultiana é ainda maior porque as primeiras fotografias de África – às quais era atribuída uma autenticidade superior do que a outras representações prévias, “naturalmente” garantida pela “objectividade da objectiva” – serviam de facto para a construção e massificação de imagined colonies e estavam francamente associadas aos processos de construção de colónias reais. Como explicitou Jill em 1991 em “Photographic Sources for the History of Portuguese-speaking Africa” (1991), as fotos do primeiro período fotográfico de África – de que o seu arquivo é bem representativo – podem dividir-se em testemunhos de a) Expedições científicas, b) Missões cristãs c) Campanhas militares, 4) Companhias / Empresas coloniais e, finalmente, d) Postais. Todas devem ser entendidas, como também diz, como documentary cumpropaganda.

5Olhando para esta tipologia é difícil não pensar no continuum colonial proposto por Bruner (1989) de campanhas sucessivas de ocupação, missionização e pacificação, que antecederiam a chegada primeiro dos antropólogos e depois dos turistas aos territórios dos impérios modernos. E, por cima disso, na proposta de MacCannel (1994) que vê o turismo (a última campanha) como o momento último de uma espécie de projecção de “economia canibal” partilhada por ex-primitivos e pós-modernos, uma versão do sonho capitalista de “todos a enriquecerem juntos”.

6Mas a fotografia e os postais, antes de integrarem a circulação de imagens que veio a estimular o turismo (e muito antes de perderem o protagonismo nessa circulação, cedendo o lugar a outras práticas antecipatórias pelos media e pela internet), serviram a criação e popularização europeia de uma imagem de África que, ainda por cima, era retrospetiva, dado o facto, que também é possível atestar em muitas das peças do arquivo de Jill, serem frequentemente produzidos com base em imagens mais antigas. Há, por isso, que resistir à tentação de deixar que as fotografias se imponham como testemunho histórico. É preciso, como diz Jill, tomá-las como “artefactos culturais”, produzidos contextualmente e em situação de interactividade cultural.

Colonialismo versus pós-colonialismo, caça versus turismo?

  • 2 Castelos a Bombordo II. Práticas e Retóricas da Monumentalização do Passado Português, Cooperação C (...)

7No âmbito do projecto de investigação Castelos a Bombordo II. Práticas e Retóricas da Monumentalização do Passado Português, Cooperação Cultural e Turismo em contextos africanos, financiado pela FCT2 de que a Jill participava e que inspirava, queríamos trabalhar sobre turismo, perspectivas relativas à natureza e conservadorismo durante o período colonial e na contemporaneidade. Estes são terrenos de análise que têm sido fortemente configurados do ponto de vista teórico e ideológico, por duas atitudes: uma que perpetua o turismo, e outras actividades de lazer na natureza que lhe estão frequentemente associadas, como novas formas de colonialismo e imperialismo, e outra que enfatiza o carácter inclusivo e desenvolvimentista das novas posturas preservacionistas, ecologistas e solidárias do turismo e de fruição da natureza. A primeira enfatiza a visão predadora do colonialismo no turismo. A segunda molda abordagens impressionistas que apontam habitualmente para alterações bruscas e contrastantes entre um período colonial – tido como predador – e um período pós-colonial tido como preocupado, humanitário, atento à sustentabilidade, etc. –, percorrendo essa percepção, de maneira quase indiferenciada, a natureza e a cultura, ambas em risco e dependentes dos esforços solidários de salvação de todos “nós”, enquanto cidadãos globais (Butcher 2003). As duas abordagens buscam significados para o turismo em torno do império, centrifugando outros sentidos.

  • 3 Pesquisa documental relativa ao turismo, às práticas conservacionistas e de caça – especialmente lo (...)

8Já atentas à lição crítica da Jill em relação aos polarismos de algumas abordagens pós-coloniais, fomos comprovando a força desses paradigmas popularizados – que alguns chamam hegemónicos – ao mesmo tempo que a documentação histórica e breves missões de campo3 se iam rebelando e mostrando alguma impertinência na sua aplicação, justificando, mais uma vez, a suspeição de Jill. Um dos casos onde isso se tornou mais óbvio foi na análise do turismo e da gestão da fauna em Moçambique em período colonial e pós-colonial nas suas diferentes fases.

  • 4 Ver, por exemplo, Cardeira da Silva e Oliveira 2013.
  • 5 Esta dificuldade da dissociação parece ter terminado nos dois casos, como veremos, por algumas razõ (...)

9Carecemos aqui, ainda, de um enquadramento mais global satisfatório do investimento no lazer e no turismo português nas colónias (para o qual contribuímos ainda timidamente4). Pensamos, apesar disso, poder avançar que, tal como se passou para momentos equivalentes em território nacional, é notória, durante um vasto período, a dificuldade da dissociação de retóricas turísticas e medidas mais globais propagandistas para a constituição de um território, nacional e colonial, e para a sua promoção doméstica e internacional5. Contudo, colocamos aqui como primeira hipótese o facto de encontrarmos uma diferença entre o investimento no território continental e promoção doméstica da nação, e o investimento no território colonial e sua promoção internacional: o empenho nos primeiros assentou, durante muito tempo, em preocupações maioritariamente políticas, face ao interesse económico mais explícito na promoção do investimento nos segundos.

Turismo em Moçambique: propaganda e economia

10De facto, em Moçambique, as referências de propaganda colonial que encontramos desde os finais dos anos 20 – e que quase não era produzida fora do âmbito da Companhia de Moçambique – apresentam o território “em folhetos, moldados nos melhores das colónias inglesas”, que diziam, por exemplo:

  • 6 Fontoura, Álvaro da, 1928, “Breve noticia sobre alguns órgãos de propaganda colonial”. Anuário da E (...)

Promising field for prospectors / Gold and copper / Good agricultural Land–Tropical and other products / Parhdise [sic] for Sportsmen – All kinds of Big Game / Direct Sea and Railway Communication with wall partes [sic] of South Africa6.

Album da Companhia de Moçambique.
Arquivo Visual Jill Dias. JRD-FCSH-CMoçambique069. CRIA-FCSH-UNL

  • 7 Boletim Geral das Colónias, Vol. V, n.° 50, 1929, p. 384.
  • 8 Moçambique: Documentário trimestral, N.° 2, 1935, p. 140.

11Outras notícias dão conta de que a Beira “ponto extremo da Rodésia Railway” aparece, logo em 1929, no Rodesia Herald como destino de férias e lazer, e de partida para a contemplação das maravilhas da natureza nos magníficos comboios que ligam o porto ao seu hinter land7. E os blue trains, comboios organizados pelos Caminhos de Ferro da África do Sul, para as viagens de fim-de-semana à “Costa Azul”, sucedem-se regularmente8.

  • 9 Fontoura, Álvaro da, 1928, “Breve noticia sobre alguns órgãos de propaganda colonial”. Anuário da E (...)

12Mas nessa altura as referências oficiais ao turismo no Ultramar são ainda escassas e, “se exceptuarmos a Companhia de Moçambique a nossa propaganda colonial quase não é feita. Se alguma coisa queremos ver temos que recorrer a jornais estrangeiros”9.

Album da Companhia de Moçambique.
Arquivo Visual Jill Dias. JRD-FCSH-CMoçambique001. CRIA-FCSH-UNL

  • 10 Rebelo, Domingos, 1968, “O turismo na Balança de Pagamentos de Moçambique”. Boletim da Sociedade de (...)

13Em todo o caso, os poucos dados evolutivos apresentados por Rebelo em 1968, as actividades alegadamente turísticas insistem, sobretudo, e desde cedo, para o seu contributo na balança pagamentos de Moçambique10 e, tanto neste período, como nas fontes subsequentes, as referências ao turismo, sobretudo associadas à atividade cinegética, são subordinadas ao valor económico que o investimento na área pode suscitar.

14Mas esta economização do turismo e do lazer que atravessa diferentes fases do seu desenvolvimento em Moçambique, não é, na verdade, meramente retórica e propagandística. Ela traduz o próprio percurso da sua constituição enquanto actividade, desde muito cedo mercadorizada e assente em recursos “naturais” como a caça e a natureza pitoresca.

  • 11 Isto não significa, de forma nenhuma, que o estado não se sirva concomitantemente do turismo como v (...)
  • 12 “O turismo de Moçambique. A sua influência na economia da colónia”. Lourenço Marques Guardian, 3 de (...)

15De facto, a preponderância económica e propagandística da Companhia de Moçambique – a empresa com capitais estrangeiros (franceses e ingleses) que foi responsável pela gestão de recursos de grande parte do território da colónia até 1942, e particularmente daquele em que o turismo se viria a implementar de forma mais clara como actividade económica – relativiza o papel do Estado na configuração das práticas turísticas e as funções de representação colonial da Nação que, habitualmente, se assumem como determinantes ideológicas protagonistas na sua génese11. E mesmo quando passa a ser o Estado a tutelar a actividade – e sobretudo, quando se decide a investir nela, como adiante veremos, a partir dos anos sessenta – é a linguagem económica que prevalece, tanto nos textos agora oficiais, quanto em artigos de periódicos de divulgação12.

  • 13 A esse respeito, é muito elucidativo o discurso introdutório de Marcelo Caetano no IV Congresso Int (...)
  • 14 Ver Boletim Geral do Ultramar. Vol. XXVII, n.° 323, 1952, p. 143.

16Contudo, em alguns momentos, tal como acontecia com o turismo doméstico, o turismo ultramarino também serve para exibir uma performance política. Não como ocorrera na metrópole, onde sustentou campanhas domésticas propagandísticas da Nação e educação dos espíritos, nem tão pouco para ensaiar reprises da Mística Imperial junto dos colonos, mas sobretudo para afirmar ao mundo da modernidade e exequibilidade do colonialismo português. O IV Congresso Internacional de Turismo Africano, realizado em Lourenço Marques em 1952 – numa altura em que o colonialismo português se encontrava novamente sob a mira crítica que antecipava os disparos da conferência de Bandung (1955) – serve, entre outras coisas, para afirmar a conformidade de Portugal às instituições e recomendações internacionais dos países modernos, sejam elas as convenções relativas ao turismo, à raça (de acordo com as directivas da UNESCO)13 ou à fauna e flora no seu estado natural (Londres 1933)14.

  • 15 Que, em 1972, passam a vinte e seis. Cf. site Ministério do Turismo, http://www.mitur.gov.mz/factos (...)

17Mas, na verdade, o estado português só começou a pensar e investir no turismo em Moçambique, como um sector de impulsão à economia nacional, na segunda metade dos anos 50, altura em que iniciou a sua regulamentação, com a criação dos primeiros centros de informação e turismo. E é só em 1962 que se estabelecem as primeiras dezoito zonas de turismo15, e em 1966 que é criado o Fundo de Turismo, que passa a ser gerido pelo Centro de Informação e Turismo, que tinha como objectivo “a promoção directa de investimentos (…), dar o aval a empréstimos (…) promover a indispensável propaganda (…), etc.”. Esperava-se com isso

  • 16 José de Oliveira Boléo, in Anuário de Turismo do Ultramar, n.° 4, 1969, p. 466.

(…) que o turismo em Moçambique, agora disciplinado e com meios financeiros próprios, possa dentro de alguns anos sair do seu balbuciar actual, chamando sobre si as atenções de muitos milhões de turistas que constantemente deambulam pelo mundo, pois, abstraindo do interesse pela caça, o turismo moçambicano até ao presente se circunscreve à visita periódica de reduzidas dezenas de milhar, anualmente, de sul-africanos e rodesianos que, sobretudo procuram o mar e as oportunidades de recreio que este lhes oferece (…)16.

18O desinvestimento do Estado no turismo ultramarino e moçambicano em particular¸ acompanhou, de resto, o desprezo a que Salazar votou o mesmo, durante décadas em Portugal (exprimindo-o bem na célebre frase “O turista vai, Portugal fica”). Paradoxalmente, parecem ter sido os efeitos da guerra colonial e consequente desgaste financeiro que provocaram um súbito empenho no turismo e seus potenciais proveitos, e isso teve os seus efeitos na metrópole e nas colónias. “Se a comunidade internacional o havia atirado para a guerra colonial, seria justo que a mesma, turistando pelo País, contribuísse para o seu costeio” (Pina 1987: 169). Em 1964, no Congresso Nacional de Estudos Turísticos, Paulo Rodrigues, o responsável pela tutela e Subsecretário de Estado da Presidência do Conselho exaltava, por fim, à “tomada de consciência quanto à contribuição que a todos e a cada um se pede na batalha do turismo” (Cit. em idem: 167).

19A partir de então, o discurso global relativo ao turismo, tanto continental e quanto colonial, parece tornar-se francamente economicista, prenunciando mesmo o tom de épocas posteriores de um ainda mais assumido liberalismo:

  • 17 Romano, Manuel, 1968, “Turismo e economia humana em Moçambique”. Boletim da Sociedade de Estudos de (...)

Segundo cálculos recentes, a doença custa em tratamentos, e pelo que se deixa de produzir, 1/6 do rendimento nacional e uma protecção modelar, da qual as estâncias de repouso são parte importante, custaria 3 vezes menos. Sendo assim, o rendimento económico as medidas que tendem a fazer diminuir as doenças, principalmente as de tipo nervoso, ou a recuperar mais depressa das que não podem ser evitadas, está assegurado (…). Impõe-se, portanto, a criação de casas de repouso e recuperação em Moçambique. Afigura-se-me que o Estado deveria providenciar no sentido da sua criação, quando nela não estiverem interessados particulares. (…) As estâncias onde tais fins se conseguiriam teriam também interesse político pelas benéficas repercussões na fixação de portugueses da Metrópole em Moçambique, pois proporcionariam alegria à vida em África e atenuariam a sensação de cativeiro à espera de conseguir amealhar dinheiro para voltar apara a terra, e de que estar em África é grande desgraça a que tem que se pôr termo o mais rapidamente possível. (…)17.

  • 18 Tónica, de resto, partilhada por muitos outros: ver por exemplo, Anuário Turístico de Moçambique de (...)

20É ainda este o tom18 que acompanha o argumento higienista e recriacionista do turismo avançando as mais-valias da organização do lazer interno, propondo, a par do turismo de congressos, o investimento no turismo social que, constituindo “hoje no mundo um dos aspectos mais válidos do turismo interno”, permite:

  • 19 Grilo, Victor, 1968, “Achegas para o fomento do turismo em Moçambique”. Boletim da Sociedade de Est (...)

Resolver o problema da recuperação dos trabalhadores, convalescentes e escolares, tem interesse indiscutível na saúde física e mental da população activa; contribui para melhor conhecimento da Província; acelera o circuito económico interno; melhora a ocupação do território; evita a exportação de divisas; serve como factor de complementarização em relação ao turismo vindo do exterior, melhorando a rentabilidade dos equipamentos e os índices de utilização no decurso do ano”19.

  • 20 Cf. Banha da Silva em Boletim Geral do Ultramar, Vol. XXXIV, n.° 399 e 400, 1958, p. 76, repetindo (...)
  • 21 A propósito da comparação empreendida entre os diferentes modelos de gestão do turismo nas colónias (...)

21Por outro lado, e particularmente no caso de Moçambique, há que ter em conta ao lado dos interesses do regime, os interesses particulares e o enquadramento de cada uma das colónias nos seus respectivos enclaves coloniais. Sobretudo no caso de Moçambique é importante lembrar, não apenas a sua posição geoestratégica (“A Federação das Rodésias considera a Beira a sua porta para o mar”20), mas também, e por causa dela, os progressivos empenhos na sua inclusão das rotas do turismo africano. O dinamismo e sucesso das iniciativas no turismo nas regiões vizinhas, encorajam Moçambique a importar os seus modelos, com os objectivos simultâneos de captar os excedentes da procura dos seus mercados e de compensar algumas falhas da sua oferta. É assim, que, apesar das especificidades do colonialismo português, e da ponderação das suas escolhas21, Moçambique parece ter optado por adoptar um habitus colonial (Correa 2011) vizinho, não por mera imitação ou inerência ao processo colonial, mas por interesse estratégico na captação de modelos e de público das colónias vizinhas.

  • 22 Uma reunião posterior, realizada em Pretoria, consolidará o papel da AFTOUR no turismo de toda a re (...)

22É nessa linha que Moçambique participa, em 1957, na African Regional Tourist Conference, AFTOUR – autorizada pela então IUOTO (União Internacional dos Organismos Oficiais de Turismo, antecedente da OMT, e a que Portugal só aderiria como Estado em 1976). A proposta era a de atrair turistas europeus e fundos americanos, desviando parte daqueles que se dirigiam, então, ao Mediterrâneo. Na Conferência (que depois se torna em Associação) estão representados a União da África, a Federação da Rodésia e da Niassalândia, o Congo Belga, os Territórios da África Oriental (Quénia, Tanganica, Uganda), e a África Portuguesa Oriental (Moçambique) e Ocidental (Angola). Os participantes deveriam juntar esforços e informação e uniformizar as formalidades de viagem com vista a facilitar aos visitantes do continente a cobertura da África austral22.

  • 23 Banha da Silva em Boletim Geral do Ultramar, Vol. XXXIV, n.° 401, 1958, pp. 73 e 74.

23A partir de finais dos anos cinquenta, acentua-se a tendência para levar a efeito acordos entre os diferentes territórios vizinhos com o fim de se canalizarem as correntes turísticas de cada um deles para os outros. Mais do que isso, disputam-se turistas e destinos internos, propondo-se, por exemplo, a captação por Lourenço Marques dos 5 milhões de libras dos turistas que, nas Rodésias, conservam o “estilo de vida britânico” e ambicionam o “ambiente europeu continental” que ali podem encontrar, sem que para isso tenham que deslocar-se à União da África do Sul23.

24Parece-nos a nós que é esta tentativa de inclusão de Moçambique no mercado regional, nas especificidades da sua oferta e procura, que terá condicionado um habitus turístico colonial que, mais por escolha económica do que por imitação imperial, a colónia adopta. Estrategicamente, Moçambique vê na caça – a mesma que os ingleses levaram da homeland para o Império, e que parece escassear em territórios vizinhos –, a sua melhor oportunidade:

  • 24 Banha da Silva em Boletim Geral do Ultramar Vol. XXXIV, n.os 399, 400,1958, p. 6.

Com um território semeado de parques nacionais e possuindo mais de uma dúzia de firmas especializadas na organização de “safaris” de caça, a África Oriental Inglesa começa a dispor de poucas espécies para oferecer aos caçadores que ali propositadamente se deslocam com o fim de praticarem o seu desporto favorito. Ficou-me a impressão de que esta circunstância leva os organizadores de “safaris” a pensarem nas vastas possibilidades venatórias existentes na nossa província de Moçambique e a desejarem estender até lá a sua atividade24.

25Talvez também por isso, é também nos anos sessenta, e acompanhando o que se passou no domínio do turismo, que assistimos à fase mais importante da regulação e institucionalização dos territórios e actividades venatórias em Moçambique.

A regulação da “natureza”

26Portugal foi signatário da Convenção de Londres de 1900 (Convention for the Preservation of Wild Animals, Birds, and Fish in Africa), convenção regional pioneira, organizada pelos poderes coloniais (Bélgica, França, Itália, Portugal, Espanha e Reino Unido), em que foi declarada a necessidade de proteger animais selvagens no continente africano. Nesta convenção afirmou-se o intuito de proteger as espécies “uteis”, raras e ameaçadas, mas também de reduzir as espécies consideradas nefastas, entre elas o leão, o leopardo e o crocodilo, bem como se encorajou a criação de “reservas” nos territórios coloniais das diferentes potências.

27Desta directiva resultaram diferentes iniciativas (CIOC 2009). Foram criadas reservas nas diferentes colónias britânicas (cinco na Rodésia do Norte, cinco na Rodésia do Sul e duas no Quénia), francesas (dezassete na África Ocidental Francesa e sete na África Equatorial Francesa) e portuguesas (dez em Angola e quatro em Moçambique). Por sua vez, o Congo Belga criou trinta áreas protegidas, incluindo, em 1925, o Parc National Albert, o primeiro parque nacional africano (hoje Virunga National Park e classificado como Património Mundial pela UNESCO em 1979). Pouco depois, em 1926, a África do Sul transformou a Sabie Game Reserve, criada no final do séc. XIX (1898), no Kruger National Park, o segundo mais antigo do mundo (Cock e Fig 2000), e estabeleceu outros três parques em 1931.

28Outro marco determinante na conservação da natureza foi a Convenção de Londres de 1933 (Convention Relative to the Preservation of Fauna and Flora in their Natural State). Embora o objectivo da Convenção, à semelhança do proposto na Convenção de 1900, tenha permanecido utilitário – preservar espécies com valor económico e populares enquanto troféus de caça – foi rejeitada a noção de espécies nefastas e, na regulamentação, a categorização de espécies a proteger foi alargada às plantas (IUCN 2004), numa primeira aproximação às ideias ecológicas que se iriam impor no séc. XX. Foi também então que foram estabelecidos os contornos legais para a criação de áreas protegidas em África, expondo por exemplo as definições de “Parque nacional” e de “Reserva natural”.

  • 25 Em termos de organização institucional, nas províncias de Angola e Moçambique a conservação da “fau (...)

29Em Moçambique, foi só em 1949, após a II Guerra Mundial e a criação, em 1948, da IUCN (International Union for the Conservation of Nature), que foi nomeada uma comissão para avaliar o grau de implementação dos compromissos resultantes da Convenção de Londres e apresentada uma proposta de criação de áreas de conservação (Serra e Cunha 2008). Vimos já que o IV Congresso Internacional de Turismo Africano, realizado em Lourenço Marques em 1952, serviu, também, para exibir a conformidade de Portugal face às regulamentações internacionais relativas à “natureza”. E em 1955 (já depois da conferencia de Bandung) foi publicado o Decreto-Lei n.° 40.040 que estabeleceu preceitos gerais a observar nas províncias ultramarinas referentes à protecção do solo, flora e fauna em associação com a regulamentação das práticas de caça25. O espírito que presidiu a esta regulamentação referente à fauna assentou na ideia utilitária de manter um equilíbrio ecológico de serventia: “O conjunto de providências a tomar relativamente à fauna selvagem destina-se a conservá-la como elemento de equilíbrio bioecológico e a desenvolvê-la para utilidade do homem, evitando, contudo, que dela resultem prejuízos” (Art.°. 42.°, Decreto n.° 40.040 de 20 de Janeiro de 1955).

30Na realidade, a conservação da natureza em África surge em continuidade com as medidas de preservação das espécies cinegéticas. E, muitas vezes, os territórios que vieram a constituir áreas protegidas começaram por ser reservas de caça. Vimos já ter sido esse o caso da criação do Kruger National Park.

  • 26 Cf. Rosinha, Armando, 1989, “Alguns dados históricos sobre o Parque Nacional da Gorongosa”. Boletim (...)
  • 27 Veja-se, por exemplo, o Anuário do Turismo do Ultramar, 1969. Sobre as visões e sentidos da naturez (...)

31Em Moçambique, a Reserva de Caça da Gorongosa, primeiro sob a jurisdição da Companhia de Moçambique (entre 1921 e 1948) – que como vimos geriu também as actividades turísticas ou paraturísticas na região –, e em seguida sob a jurisdição do Governo Colonial (Comissão Central de Caça, de 1958 a 1960) deu origem em 1960 – tardiamente, comparando com as realidades congolesa e sul-africana – o primeiro parque nacional, o Parque Nacional da Gorongosa26. Doravante, este passará a ser apresentado nos documentos publicitários do turismo colonial como um dos melhores parques do continente africano; documentos que enfatizavam e louvavam a diversidade da vegetação e paisagem, mas, sobretudo, a diversidade da fauna que podia ser observada no Parque: enormes elefantes, leões, enormes manadas de zebras, búfalos, hipopótamos, elandes, antílopes e outros mamíferos, e mais de 300 espécies de aves27. Não será, talvez, abusivo pensar que o discurso competia com o dos velhos parques dos territórios vizinhos, cujo modelo o inspiravam: a novidade do Parque permitia associar-lhes uma natureza mais intocada, logo mais exuberante e diversa.

  • 28 A Coutada n.° 1 foi criada em território contíguo ao Parque.

32Foi também em 1960 que foram criadas as primeiras Coutadas de caça oficiais28, áreas destinadas à caça desportiva, ao fomento do turismo cinegético e à protecção das espécies, e concessionadas a empresas singulares ou colectivas, juridicamente previstas pelo Decreto n.° 40.040 de 1955:

  • 29 Dias, J. A. Travassos Santos, 1968, “A caça em Moçambique e o turismo”. Boletim da Sociedade de Est (...)

A razão do seu estabelecimento foi a de possibilitar no nosso Ultramar a caça turística, tal como se vinha fazendo em alguns territórios da África oriental, designadamente Quénia e Tanzânia que adquiriram bem justificada fama através dos seus “safaris”, por meio dos quais lhes foi possível arrecadar avultadas receitas29.

33Abria-se finalmente caminho ao turismo de safari em Moçambique.

Do glamour e da utilidade da caça

34Figuras determinantes neste novo cenário venatório foram os caçadores-guia, também profissionalizados no início da década de 60, indivíduos legalmente autorizados a conduzirem excursões venatórias ou a acompanhar turistas que desejavam contemplar, fotografar ou filmar a fauna selvagem no seu habitat. Como explica Rosinha:

  • 30 Rosinha, Armando, 1968 (1970), “Coutadas e turismo cinegético em Manica e Sofala”. Anais dos Serviç (...)

(…) além do mais, é o caçador-guia quem contacta, directamente e durante todo o período de realização da excursão venatória com o turista necessitando por isso de possuir, profundos conhecimentos da fauna selvagem, da vida do mato, do exercício cinegético, cultura geral que garanta uma conversação útil e agradável a que não podem faltar bases de psicologia e, no momento presente, com mais agudeza até de política. (…) Os caçadores-guia foram figuras heróicas, glamorosas e aventureiras, intitulados na época como “Príncipes da Selva”30.

  • 31 Por exemplo: “Sombria ameaça pesa sobre a riqueza”, Tribuna, 17 de Maio de 1969, p. 16; “O problema (...)

35Evidencia-se aqui, novamente, a importância económica do turismo e em particular do turismo de caça. Não sem contestação, nem conflito dos actores envolvidos. Como as disputas entre os “caçadores amadores” (que praticavam a caça ao fim de semana por lazer) e os “caçadores profissionais” (caçadores-guias dos safaris). Isso traduziu-se em verdadeiras polémicas, expressas nos jornais locais, com os primeiros a considerarem excessivos os direitos sobre a fauna dados aos organizadores do turismo e reivindicando igualmente o seu acesso à caça, e os segundos a queixarem-se da ausência de fiscalização devida que garantisse a implementação dos regulamentos e evitasse a caça furtiva, ou a afiançarem que os direitos aos territórios de caça dos diferentes caçadores-guia não eram distribuídos atempadamente, de modo que se perdiam turistas e logo se perdiam divisas31.

36Alguns textos dão ainda notícia das consequências da existência de coutadas reservadas à caça em territórios de comunidades indígenas. Por exemplo Travassos Dias reage negativamente à prepotência de alguns caçadores-guia e relata:

  • 32 Dias, J. A. Travassos Santos, 1968, “A caça em Moçambique e o turismo”. Boletim da Sociedade de Est (...)

Como é de calcular os habitantes das áreas das coutadas passaram a viver em certo desassossego, quer pela intranquilidade motivada pelos seus lares devassados, quer pela dificuldade que sentiam em prover à sua alimentação tradicional32.

37Tudo isto acontecia ao mesmo tempo que a colónia portuguesa entrava no universo de destinos turísticos de europeus e norte-americanos abastados, aristocratas europeus, elites do mundo financeiro, vedetas de cinema, caçadores de “animais bravios”, que queriam desfrutar a aventura “glamourosa” da África e, antes de mais, coleccionar troféus.

  • 33 Rosinha, Armando, 1968 (1970), “Coutadas e turismo cinegético em Manica e Sofala”. Anais dos Serviç (...)

38Como já demonstrado para outros contextos (Dias 2012; L’Estoile 2012), esta crescente fixação nos troféus de caça, uma actividade certamente predadora, vinha no seguimento e manteve-se concomitante com a caça enquanto actividade de lazer dos colonos residentes, com a caça com fins comerciais (com vista à extracção de mercadorias como o marfim, ou as peles) e com a caça enquanto fonte de alimento para os trabalhadores das grandes empresas e companhias. Aliás, alguns dos caçadores-guia dos safaris começaram por ser caçadores contratados por essas empresas e companhias para assegurar o abastecimento necessário de proteínas aos trabalhadores, no decorrer de grandes empreendimentos33.

Brigada de Estudos do Caminho de Ferro de Mossamedes, 1909-1910
Arquivo Visual Jill Dias. AJD-becf038. CRIA-FCSH-UNL

39São estas sequências e concomitâncias que nos levam a colocar uma segunda hipótese que contraria, também ela, as associações e oposições que já antes, inspirando-nos na Jill, contestámos. Afigura-se-nos, afinal, que predação e salvaguarda, coleccionismo e conservadorismo são pares que dificilmente se entendem pela oposição e pela ingénua arrumação numa história vista como uma sucessão de épocas (como aquela que contrapõe o colonial ao pós-colonial), assumindo uma coerência que interacções complexas raramente produzem…

Salvaguarda como utilitarismo e como romantismo

40Predação e salvaguarda têm, de facto, um percurso conjunto que se conjuga ora em posturas conservadoras mais utilitaristas, ora em atitudes preservacionistas salvacionistas, de cariz mais romântico. Assim foi, desde o princípio. E a arqueologia do safari – primeiro de caça, de troféus e depois de fotografia – ilustra bem uma tendência, que parece global, dessas coexistências.

  • 34 Sampaio, M., 1898, Gorongosa. O seu presente e o seu futuro. Relatório apresentado ao Conselho da D (...)

41Como vimos, o turismo de caça, entendido, como vimos nos documentos referenciados, como potencial actividade económica que levaria ao desenvolvimento da colónia, estava dependente da salvaguarda da presença dos “animais bravios”. Logo aí é evidente a conjugação paradoxal do impulso predador com o imperativo conservador, que podemos encontrar, já no final do século XIX34. É na tentativa de conciliação desse paradoxo que, progressivamente, e sobretudo a partir dos anos sessenta do século XX, se reforçaram as regulamentações e se delimitam áreas de reserva e de protecção à fauna.

Arquivo Visual de Jill Dias. JRD-FCSH-a069cp. CRIA-FCSH-UNL

  • 35 Ver, por exemplo, Dias Travaços dos Santos, J., “Domesticação de Animais Selvagens. Uma das medidas (...)
  • 36 Denunciados por Jaime Travassos dos Santos Dias e José Armando Rosinha, em “Terão justificação os a (...)

42Mas este não é um debate linear, e nem sempre foi pacífico e para melhor o compreendermos há que abandonar a direcção que lhe imprimimos com orientação exclusiva ao turismo e às preocupações ambientalistas contemporâneas. Na verdade, os primeiros debates relativos à caça dos animais bravios colocam-se, antes, na arena de discussões e preocupações higienistas (desparasitantes) que opuseram, frequentemente, adeptos da caça a veterinários inquietados com riscos de contaminação parasitária de zonas pecuárias. Na perspectiva destes valorizava-se a necessidade de domesticação de uma natureza que deveria privilegiar as espécies de interesse pecuário, e isso incluiu medidas que sugeriram a domesticação de animais selvagens35, e outras, mais radicais, que levaram a abates massivos de cerca de 230 000 mamíferos entre 1947 e 196936. Através de métodos mais ou menos predatórios, o objectivo era sempre o da perpetuação dos recursos naturais: o de trazer a natureza para o mundo dos homens. Primeiro para que os homens pudessem beneficiar deles, sem risco, para a sua subsistência; mais tarde para que pudessem experimentar a ilusão de uma dinâmica inversa – a da sua preservação.

Companhia do Dombe Grande.
Arquivo Visual de Jill Dias. AJD-CDombe016. CRIA-FCSH-UNL

  • 37 O primeiro regulamento de caça foi estabelecido em 1883 e era referente ao território de Manica e S (...)
  • 38 É o próprio Nuno da Câmara que aceita que, “por determinados motivos científicos, por certas conven (...)

43A associação entre as atitudes predadora e de salvaguarda atravessa o período colonial dito moderno, e está patente na passagem de instrumentos legais mais utilitaristas – como os primeiros regulamentos de caça que surgiram logo no final do séc. XIX37, e onde as preocupações incidiam sobretudo sobre a actividade predadória –, para outros instrumentos – como o da criação de parques naturais, onde, embora comecem por presidir preocupações higienistas, a tónica preservacionista se torna progressivamente mais evidente, sem contudo anular a dimensão económica –, até se estabilizar uma convivência dos dois modelos sem que isso entre em contradição38. Isto é concomitante com uma passagem da tónica argumentativa na preservação da quantidade para a da preservação da diversidade natural. Pode dizer-se que o argumento dominante é sempre o do conservadorismo, no sentido em que a natureza é sempre entendida como mercadoria/recurso e como tal finita e, por isso, carente de medidas protecionistas; mas ele vai, progressivamente, incorporando uma perspectiva preservacionista de herança romântica, que contribui para iludir o precedente pendor utilitarista, mas simultaneamente para lhe dar uma nova mais-valia: o valor simbólico do ambientalismo moderno. Tudo isto acompanha a passagem da caça à fotografia.

A fotografia como troféu

44Nos jornais da década de 60, e até 74, multiplicam-se as notícias factuais e de opinião sobre a actividade cinegética. Num desses, numa entrevista ao director provincial dos Serviços de Veterinária (responsáveis pela regulamentação da caça e pelas reservas de fauna) pode-se ler a sua opinião:

  • 39 “Discordamos sempre da exploração do turismo cinegético em áreas livres”. Entrevista a Dr. Fernando (...)

A evolução lógica do turismo cinegético tenderá, cada vez mais para o campo dos safaris fotográficos. Nesses safaris, o turista não procura troféus que possam constituir recordes mas apenas abundância e variedades de espécies. É isso que as coutadas podem assegurar no futuro, já que vem crescendo o número de animais nas coutadas”39.

45A fotografia foi sempre, aliás, um elemento essencial na autentificação do coleccionismo dos troféus de caça, como nos lembra Landau (2002), tornando a caça dos animais de grande porte numa colecção visual; é fácil, de resto, encontrar continuidades entre a terminologia aplicada na caça e na fotografia, como nos mostra:

The development of modern photography in Africa thus followed several paradigms central to hunting. In both endeavors, consumers stalked and stopped elements of the world, and a wonderfully wide capacity to signify was granted to their pictures and trophies (2002: 149).

46No período colonial, os safaris fotográficos foram assumindo como troféus as imagens do maior número de espécies, numa lógica de continuidade, e não de ruptura, com os safaris de caça. No período pós-colonial, acompanham a massificação do turismo e os intentos preservacionistas da contemporaneidade. Intentos esses que, como vimos, têm na sua génese, certamente a par com outras razões, as preocupações inerentes à actividade predatória da caça.

Lições de Jill

47Foi perante estes dados, com a modesta intenção de desvendar um pouco do acervo visual da Jill (e não podendo mais dialogar com ela sobre as nossas pesquisas que, como todas aquelas que alguém lhe apresentava, sempre mereciam o seu entusiasmo), nos debruçámos sobre ele em busca de exemplos que testemunhassem aquilo que íamos comprovando e que, mais uma vez, apelava a essa necessidade de fugir à miopia induzida pela oposição colonial versus pós-colonial, de evitar importar modelos de análise pós-colonial para o caso português sem, com isso, deixar de reconhecer a porosidade e influências recíprocas de práticas trans-imperiais.

48Mas a verdade é que não encontrámos muito material para o nosso argumento particular. Os períodos específicos que melhor nos serviriam para suportá-lo não estavam representados no arquivo de Jill: o turismo e os safaris como “práticas culturais” definidas e massificadas não estão presentes no período do acervo que se centra nos últimos anos do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, precisamente porque Portugal foi tardio a entrar nesse processo. Entendemos depois que, isso também acontece porque, como ensina Jill em seus artigos, depois do grande boom da produção massificada de postais nos primeiros anos do século XX existe um hiato que acompanha toda a Primeira Grande Guerra. Mas essa ausência não se deve, apenas, a esses dois factores. E aí começou nova lição: outros nós, de outras interacções escondidas por muitas abordagens maniqueístas para além daquela que mais obviamente detetáramos, tinham – e têm, porque ainda não o fizemos – que ser desatados. Por exemplo:

  1. Uma primeira aproximação ao acervo aos postais de Jill, tomando-os como propôs, como “artefactos culturais”, demonstra a sua preocupação comparativista: Jill coleccionou postais de diferentes contextos africanos coloniais (da África portuguesa e outros), mas também outros europeus do mesmo período. Não havíamos percebido porquê, e começámos por atribui-lo à sua pulsão coleccionista. Mas depois entendemos o valor propedêutico da opção: mesmo uma análise superficial mostra como os primeiros imitam na forma e conteúdo os segundos – na “alterização” do povo, na pictorização da natureza, na escolha de equipamentos e arquiteturas. O visual gaze é, sem dúvida, um exercício objectificante e, logo, portador de assimetria mas, de certa forma (Said bem o repetiu) alheio ao seu alvo. Neste caso o arquivo de Jill, tem, antes de mais que ver com a Europa, uma certa Europa, ou melhor um certo europeu – e o modo como olha os outros (europeus e não europeus). Usá-lo como fonte, é útil mas falacioso, antes de usá-lo como conjunto de “artefactos culturais”.

  2. Por outro lado, e despojando assim os postais de uma moldura estrita, ou essencialmente, colonial, é mais fácil entendermos que turismo e propaganda não se diferenciam facilmente, servindo ambos para a construção de nacionalismos (que, no caso português se estende para as colónias). E¸ por isso, convém sempre ter em conta que a sua parafernália imagética facilmente ofusca as realidades locais e/ou transnacionais em que supostamente se inspiram.

  3. Por fim, o acervo de Jill, na sua preocupação panorâmica que englobava diferentes domínios da actividade e quotidiano das colónias, voltou a recordar-nos como o turismo, e particularmente o turismo de safari, dificilmente se diferencia e se entende desligado de outras laborações e estruturas que lhe preexistiram e, por isso, se desenvolve com ritmos próprios, dependendo de encontros e de contextos particulares de produção e consumo doméstico e empresarial, de medidas sanitárias em contextos adversos, do mapeamento e controle do território com seus aparatos de construções de vias e pontes, e com o trabalho que carece de lazer para sua recriação.

49Tudo isto é óbvio, mas foi-se tornando tremendamente ostensivo à medida que víamos as fotografias e os postais: então, umas vezes achávamos que tudo tinha que ver com o turismo e o naturalismo que viria a emergir nas formas que procurávamos, outras vezes que nada nos servia para ilustrá-los.

50Se quisermos resumir muito esta lição de Jill, talvez pudéssemos dizer que os aparatos que condicionam as nossas formas de ver o mundo, com suas práticas coleccionistas mais ou menos predatórias, suas oposições mais ou menos encarcerantes, suas classificações mais ou menos desvitalizantes, são inescapáveis e, muitas vezes, ao tentar combate-los não fazemos mais do que reproduzi-los, inadvertidamente, de outra forma. De todos eles, o exercício coleccionista parece, contudo, o mais promissor: ele obriga-nos a começar pelas coisas – e não pelos nomes (como disse Miguel Vale de Almeida, no colóquio, resumindo a lição, talvez a maior, de Jill). Por mais condicionada que seja a recolha ou a colecção, e por mais que traduza o guião do coleccionador, ela deixa sempre em aberto a possibilidade de remakes e de diferentes leituras. Atrevemo-nos a dizer que isso pode explicar o fascínio de Jill – que, já vimos, sempre olhava de forma fundamentada mas reticente para algumas das novas tendências críticas da Antropologia – pelo coleccionismo, o que fazia acompanhar da sua admiração pela prática etnográfica.

51Desistimos assim de “ilustrar” a nossa pesquisa sobre turismo colonial com os “postais” da Jill. Voltaremos a eles (e também ao turismo colonial), mas então como Jill propunha: começando pela “coisa”, e não pelo “nome”.

Bibliographie

BENNET, Tony, 1988, “The Exhibitionary Complex”, New Formations n.º 4, reeditado em BOSWELL, D., e J. Evans (eds.). 1999, Representing the Nation. A Reader. Histories, Heritage and Museums. London and New York, Routledge, 332-362.

BRUNER, Edward M., 1989, “Of Cannibals, Tourists, and Ethnographers”, Cultural Anthropology, Vol. 4, n.º. 4, 438-445.

BUTCHER, Jim, 2003, The Moralization of Tourism. Sun, Sand and… Saving the World. London and New York, Routledge.

CARDEIRA DA SILVA, M., e Oliveira, S., 2013, “Paquetes do Império. O “Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias”, em CARDEIRA DA SILVA, M. (Coordenação), Castelos a Bombordo. Etnografias de patrimónios africanos e memórias portuguesas. Lisboa, Centro em Rede de Investigação em Antropologia, 263-286.

CIOC, M., 2009, The Game of Conservation: International Treaties to Protect the World’s Migratory Animals. Athens, Ohio University Press.

COCK, J., e FIG, D., 2000, “From colonial to community based conservation: Environmental justice and the national parks of South Africa”, Society in Transition, Vol. 31, n.° 1: 22-35.

CORREA, S., 2011, “Caça e preservação da vida selvagem na África colonial”, Revista Esboços, Vol. 18, n.º 25: 164-183.

DIAS, Nélia S., 2012, “Les trophées de chasse au Musée du duc d’Orléans”, em CROS, M., J. Bondaz, e M. Michaud (eds.), L’animal cannibalisé. Festins d’Afrique. Paris, Editions des Archives Contemporaines, 105-116.

DIAS, Jill, 1991, “Photographic Sources for the History of Portuguese-speaking Africa”, History in Africa, Vol. 18: 67-82.

L’ESTOILE, Benoît de, 2012, “A vida selvagem em vitrine: Reflexões sobre os animais em museu”, PROA: Revista de Antropologia e Arte, Vol. 1, n.° 3. Disponível em http://www.revistaproa.com.br/03/?page_id=332 (acesso em 03-03-2013).

FRAZÃO-MOREIRA, A., 2012, “Narratives of ‘Belonging in Nature’ in Gorongosa (Mozambique)”, painel Conservation and the sense of belonging in nature: a reflection on the proper place of humans in nature em Post-congress shared scientific papers, 13th Congress of the International Society of Ethnobiology, Montpellier. Disponível em: <http://congressse2012.agropolis.fr/ftpheb.agropolis.fr/fr/Les_4_composantes/Colloque_scientifique/Documents_ partages.html>.

IUCN, 2004, An Introduction to the Africa Convention on the Conservation of Nature and Natural Resources. Gland e Cambridge, IUCN.

LANDAU, P., 2002, “Empires of the Visual: Photography and Colonial Administration in Africa”, em LANDAU, P., e D. Kaspin (eds.), Images and Empires. Visuality in Colonial and Postcolonial Africa. Berkeley e Los Angeles, University of California Press, 141-171.

MacCANNEL, Dean, 1994, “Cannibal Tours”, em TAYLOR, Lucien (ed.), Visualizing Theory 1990-1994. Londres e Nova Iorque, Routledge, 99-114.

PINA, Paulo, 1987, Portugal. O Turismo no século XX. Lisboa, Lucidus.

SERRA, C. M., e F. Cunha, 2008, Manual de Direito do Ambiente. Maputo, Ministério da Justiça, Centro de Formação Jurídica e Judiciária.

TURNER, Louis, e John Ash, 1976, The Golden Hordes: International Tourism and the Pleasure Periphery. Nova Iorque, St. Martin’s Press.

Notes

1 Guião de uma aula do Seminário de Colonialismo e Pós-colonialismo do Mestrado em Antropologia (2007/2008) FCSH-UNL.

2 Castelos a Bombordo II. Práticas e Retóricas da Monumentalização do Passado Português, Cooperação Cultural e Turismo em contextos africanos (PTDC/ANT/67235/2006), Centro em Rede de Investigação em Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve, Investigador responsável Maria Cardeira da Silva.

3 Pesquisa documental relativa ao turismo, às práticas conservacionistas e de caça – especialmente localizadas em Moçambique, na zona da Gorongosa – legislação, propaganda, publicidade, análise de imprensa, literatura coetânea levadas a cabo por Maria Cardeira da Silva, Amélia Frazão Moreira e outros membros da equipa; entrevistas a caçadores-guia e dirigentes e funcionários do Parque Nacional da Gorongoza e do Limpopo, levadas a cabo por Amélia Frazão Moreira.

4 Ver, por exemplo, Cardeira da Silva e Oliveira 2013.

5 Esta dificuldade da dissociação parece ter terminado nos dois casos, como veremos, por algumas razões comuns e outras diferenciadas, nos anos 60, quando o turismo parece autonomizar-se como actividade económica e, no caso de Moçambique, entra significativamente nos circuitos internacionais.

6 Fontoura, Álvaro da, 1928, “Breve noticia sobre alguns órgãos de propaganda colonial”. Anuário da Escola Superior Colonial, 5-63, pp. 59-60.

7 Boletim Geral das Colónias, Vol. V, n.° 50, 1929, p. 384.

8 Moçambique: Documentário trimestral, N.° 2, 1935, p. 140.

9 Fontoura, Álvaro da, 1928, “Breve noticia sobre alguns órgãos de propaganda colonial”. Anuário da Escola Superior Colonial, 5-63, p. 60.

10 Rebelo, Domingos, 1968, “O turismo na Balança de Pagamentos de Moçambique”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, n.° 154-155, pp. 57-70. Também uma notícia do Lourenço Marques Guardian de 3 de Novembro de 1949 dá conta de dados no mesmo sentido: “O Turismo de Moçambique. A sua influência na economia da colónia”.

11 Isto não significa, de forma nenhuma, que o estado não se sirva concomitantemente do turismo como veículo dos ideais de soberania e propaganda nacionalista nas colónias. Basta lembrarmos a multiplicação dos cruzeiros às colónias (embora, preferencialmente das colónias ocidentais) e dos colonos à Metrópole, a partir dos anos 30 do século XX (Cf. Cardeira da Silva e Oliveira 2013). E a obsessão civilizadora manter-se-á acordada, mesmo quando o argumento é, antes de mais, economicista: “Estas visitas turísticas seriam uma das formas mais eficientes de divulgar a nossa obra de assimiladora mostrando aos que nos visitam que ela não pretende forçar as populações, a uma unidade informulável, de padrão único, mas antes, como obra civilizadora autêntica, levar à unidade na diversidade (…). Ferrinho, Homero, 1968, “O Turismo na divulgação da realidade social de Moçambique”, Separata do Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique. Vol. 37, n.° 154-55, p. 73.

12 “O turismo de Moçambique. A sua influência na economia da colónia”. Lourenço Marques Guardian, 3 de Novembro de 1949; “Turismo, a cinegética e a pesca como excelente propaganda de Moçambique”. Lourenço Marques Guardian, 19 de Setembro de 1950; “A Fauna Moçambicana e o seu valor turístico”. Notícias, 11 de Abril de 1952.

13 A esse respeito, é muito elucidativo o discurso introdutório de Marcelo Caetano no IV Congresso Internacional de Turismo Africano. Ver Boletim Geral do Ultramar, Vol. XXVIII, 326 e 327, p. 86.

14 Ver Boletim Geral do Ultramar. Vol. XXVII, n.° 323, 1952, p. 143.

15 Que, em 1972, passam a vinte e seis. Cf. site Ministério do Turismo, http://www.mitur.gov.mz/factos.htm, consultado a 21 de Dezembro de 2011.

16 José de Oliveira Boléo, in Anuário de Turismo do Ultramar, n.° 4, 1969, p. 466.

17 Romano, Manuel, 1968, “Turismo e economia humana em Moçambique”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique,. Vol. 37, n.° 154-155, p. 33.

18 Tónica, de resto, partilhada por muitos outros: ver por exemplo, Anuário Turístico de Moçambique de 1966, 1967, 1969; Dias, J. A. Travassos Santos, 1968, “A caça em Moçambique e o turismo”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, vol. 37, 154-155, pp. 15-30; Grilo, Victor, 1968, “Achegas para o fomento do turismo em Moçambique”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, n.° 154-155, pp. 3-7; Martinho, Jacinto, 1961, “Criação e exploração racional de animais selvagens”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. XXX, n.° 128, pp. 135-151; Martinho, Jacinto, 1968, “A caça em Moçambique como factor de atracção turística e fonte importante de divisas”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, n.° 154-155, pp. 9-14; Rebelo, Domingos, 1968, “O turismo na Balança de Pagamentos de Moçambique”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, n.° 154-155, pp. 57-70; Amaro, Eduardo Castro, 1972, “Valor económico da fauna selvagem”. Reunião para o estudo dos problemas da fauna selvagem e protecção da natureza no Ultramar Português. Angola, Ministério do Ultramar, Vol. I, 36-76. (policopiado); Dias, J. A. Travassos Santos, 1975, “A fauna selvagem de Moçambique e a sua importância económica” em Moçambique. Nascimento de uma Nação”, Lourenço Marques: Centro de Informação e Turismo.

19 Grilo, Victor, 1968, “Achegas para o fomento do turismo em Moçambique”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, n.° 154-155, p. 7.

20 Cf. Banha da Silva em Boletim Geral do Ultramar, Vol. XXXIV, n.° 399 e 400, 1958, p. 76, repetindo aquilo que já se lia em 1929 num artigo d’O Colonial: “A Beira, ponto extremo do Rodésia Railway, é a chave de ouro com que o turista rodesiano fecha a sua encantadora viagem através de um portentoso e admirável território.” (“Beira. Estação de Turismo e Repouso”, 29 de Maio de 1929, republicado em Boletim da Agência das Colónias, Vol. V, n.° 50, 1929, p. 26).

21 A propósito da comparação empreendida entre os diferentes modelos de gestão do turismo nas colónias vizinhas, e da participação dos estados em cada uma delas, vejam-se os artigos de Banha da Silva republicados em Boletim Geral do Ultramar XXXIV, n.° 399, 400 e 401, em 1958. Para um quadro geral é importante, também ter em conta as grandes associações privadas como a East African Tourist Travel Association e a South African Tourism Association, que progressivamente, começaram a incluir também investimento dos estados.

22 Uma reunião posterior, realizada em Pretoria, consolidará o papel da AFTOUR no turismo de toda a região da África austral.

23 Banha da Silva em Boletim Geral do Ultramar, Vol. XXXIV, n.° 401, 1958, pp. 73 e 74.

24 Banha da Silva em Boletim Geral do Ultramar Vol. XXXIV, n.os 399, 400,1958, p. 6.

25 Em termos de organização institucional, nas províncias de Angola e Moçambique a conservação da “fauna bravia” ficou a cargo dos Serviços de Veterinária que passaram a ser órgão executivo do Conselho de Protecção da Natureza então fundado.

26 Cf. Rosinha, Armando, 1989, “Alguns dados históricos sobre o Parque Nacional da Gorongosa”. Boletim Semestral do Arquivo Histórico de Moçambique, n.° 6, pp. 211-238.

27 Veja-se, por exemplo, o Anuário do Turismo do Ultramar, 1969. Sobre as visões e sentidos da natureza presentes nos testemunhos de diferentes actores sociais (caçadores, jornalistas, escritores, turistas e conservacionistas) nos diferentes períodos históricos da vida do Parque Nacional da Gorongosa ver Frazão-Moreira, 2012.

28 A Coutada n.° 1 foi criada em território contíguo ao Parque.

29 Dias, J. A. Travassos Santos, 1968, “A caça em Moçambique e o turismo”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, 154-155, p. 18. Convém sublinhar, no entanto, que este argumento economicista é contrariado por veterinários como Nuno da Câmara que, privilegiando a “sanidade humana e a economia agropecuária”, alega que as receitas advindas da caça eram praticamente absorvidas pelas despesas inerentes à actividade o que resultava, inclusivamente na inexistência de saldos suficientes para a manutenção das cinco reservas de caça oficiais então existentes. (“A Caça em Moçambique”. Boletim Geral das Colónias, Vol. XXIII, n.° 270, 1947, p. 113). Ver, adiante o debate sobre a relação entre a caça e o problema parasitário.

30 Rosinha, Armando, 1968 (1970), “Coutadas e turismo cinegético em Manica e Sofala”. Anais dos Serviços de Veterinária de Moçambique, n.° 16, p. 182.

31 Por exemplo: “Sombria ameaça pesa sobre a riqueza”, Tribuna, 17 de Maio de 1969, p. 16; “O problema da caça em Moçambique”, Tribuna, 20 de Maio de 1969, pp. 5 e 17; “Caçadores-guia há próxima época?”, Notícias da Beira, 17 de Novembro de 1971, p. 2, 18 de Novembro de 1971, p. 5 e 20 de Novembro de 1971, p. 5.

32 Dias, J. A. Travassos Santos, 1968, “A caça em Moçambique e o turismo”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, 154-155, p. 20.

33 Rosinha, Armando, 1968 (1970), “Coutadas e turismo cinegético em Manica e Sofala”. Anais dos Serviços de Veterinária de Moçambique, n.° 16, p. 179; Dias, J. A. Travassos Santos, 1968, “A caça em Moçambique e o turismo”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. 37, p. 23.

34 Sampaio, M., 1898, Gorongosa. O seu presente e o seu futuro. Relatório apresentado ao Conselho da Direção da Companhia da Gorongosa. Lisboa, Typographia Lusitana. Rodrigues, P., 1917, Relatório duma caçada aos elefantes na circunscrição do Maputo. Apresentado a S. Ex.a o Governador Geral Dr. Álvaro de Castro pelo administrador P. Viana Rodrigues (policopiado).

35 Ver, por exemplo, Dias Travaços dos Santos, J., “Domesticação de Animais Selvagens. Uma das medidas de fomento que urge promover em Moçambique”, Notícias de Lourenço Marques, 14 de Abril de 1961 e Martinho, Jacinto, 1961, “Criação e exploração racional de animais selvagens”. Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique, Vol. XXX, n.° 128, pp. 135-151.

36 Denunciados por Jaime Travassos dos Santos Dias e José Armando Rosinha, em “Terão justificação os abates indiscriminados da caça como medida de luta contra a mosca Tsé-Tsé. Uma análise do caso de Moçambique”. Revista de Ciências Veterinárias, Série A, Vol. IV, 1971, pp. 87-99. Citado em Correa 2011.

37 O primeiro regulamento de caça foi estabelecido em 1883 e era referente ao território de Manica e Sofala (Serra e Cunha 2008), a mesma região onde muito mais tarde foram criadas coutadas de caça e nos anos 60 o Parque Nacional da Gorongosa.

38 É o próprio Nuno da Câmara que aceita que, “por determinados motivos científicos, por certas conveniências do turismo, ou pelas obrigações de acordos internacionais”, se dê protecção oficial à caça, para poder “harmonizar a necessidade de extermínio dos animais bravios com a condescendência da conservação da caça”. Câmara citado por Correa 2011: 170.

39 “Discordamos sempre da exploração do turismo cinegético em áreas livres”. Entrevista a Dr. Fernando Paisana, Director provincial dos Serviços Veterinários. Notícias da Beira, 21 de Novembro, 1971, p. 3.

Table des illustrations

Légende Foto do Arquivo Visual de Jill Dias.JRD-FCSH-a037cp. CRIA-FCSH-UNL
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/523/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
Légende Album da Companhia de Moçambique.Arquivo Visual Jill Dias. JRD-FCSH-CMoçambique069. CRIA-FCSH-UNL
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/523/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 288k
Légende Album da Companhia de Moçambique. Arquivo Visual Jill Dias. JRD-FCSH-CMoçambique001. CRIA-FCSH-UNL
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/523/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Légende Brigada de Estudos do Caminho de Ferro de Mossamedes, 1909-1910Arquivo Visual Jill Dias. AJD-becf038. CRIA-FCSH-UNL
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/523/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Légende Arquivo Visual de Jill Dias. JRD-FCSH-a069cp. CRIA-FCSH-UNL
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/523/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Légende Companhia do Dombe Grande.Arquivo Visual de Jill Dias. AJD-CDombe016. CRIA-FCSH-UNL
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/523/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 185k

Auteurs

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Centro em Rede de Investigação em Antropologia

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Centro em Rede de Investigação em Antropologia

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540