Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As Lições de Jill Dias

 | 
Maria Cardeira da Silva
, 
Clara Saraiva

História com antropologia

Os primeiros contactos luso-saarianos: narrativas europeias quatrocentistas e tradições orais biDān (Mauritânia)

José da Silva Horta et Francisco Freire

Texte intégral

Introdução

1Este texto surge do encontro entre um historiador e um antropólogo, com interesses profissionais mútuos relacionados com a África Ocidental. A partir deste diálogo, o historiador tem logrado respostas para aparentes vazios informativos do corpus de fontes escritas que tem sido predominantemente analisado para a compreensão da história antiga das relações afro-portuguesas na região oeste-saariana. A feitoria-fortaleza de Arguim, construída pelos Portugueses em meados do século XV (e perdida para os Holandeses em 1633), bem como a efémera presença em Uadam (Mauny 1949; Modat 1922; Ricard 1930; Godinho 1956: 121-5; Godinho 1984: 67, 148, n. 46, 174), concentram excessivamente a atenção dos historiadores sobre a dimensão oficial destes contactos (Azinhaga 1965), deixando encoberta uma outra dimensão, de profundo relacionamento, resultante da clara inserção desses locais em redes comerciais pluriculturais. Estas questões colocam-se sobretudo a partir do trabalho do antropólogo, o qual, por seu turno, encontra na História respostas para a complexa problemática identitária com que se depara no terreno, e onde, por detrás do véu de uma reivindicação genealógica árabe, se continuam a incorporar, a níveis profundos, na maior parte dos casos ocultados nas genealogias “oficiais”, personagens de origem europeia nas trajectórias histórico-genealógicas de algumas populações actuais (ver Freire 2009). Apresentamos aqui parte do debate que temos mantido, centrando-nos, neste caso, na instalação europeia inicial na costa saariana e na sua recepção pelos habitantes desse litoral. A complementaridade que nos parece surgir da ligação entre fontes distintas consolidará a nossa abordagem, apresentando, deliberadamente, dois olhares distintos sobre este acontecimento. Esta fórmula aproxima-se, em traços gerais, do trabalho desenvolvido pela Professora Jill Dias, homenageada nesta publicação, e enorme fonte de inspiração no encontro entre História e Antropologia em contextos africanos.

2A região do golfo de Arguim (a sul da actual cidade mauritana de Nouadhibou), palco privilegiado dos primeiros contactos entre europeus e africanos na costa saariana, é referida pela primeira vez numa fonte europeia na Crónica dos Feitos da Guiné (c. 1453-1460) de Gomes Eanes de Zurara. O contexto histórico português é bem conhecido: após dobrar o cabo Bojador em 1434, desenvolve-se a exploração sistemática da costa saariana, num prolongamento para sul da prática de corso já habitual entre o Mediterrâneo ocidental e o arquipélago das Canárias. Nos sucessivos desembarques nas pequenas ilhas e no litoral, desenvolviam-se práticas de pilhagem, mas também e sobretudo tentativas de captura de habitantes saarianos: homens, mulheres ou crianças. Desse ponto de vista, os anos de 1441-1446 terão sido os mais violentos, uma vez que em 1448 uma nova estratégia política e económica conduz o infante D. Henrique e a Coroa portuguesa a alterar a sua abordagem às sociedades africanas, que se metamorfoseia de predominantemente bélica em diplomática e comercial. As causas desta alteração ligam-se, por um lado, ao despovoamento das secções costeiras saarianas mais fustigadas pelos Portugueses, mas também, obviamente, à resistência oferecida pelas sociedades locais. Os “mouros” e “azenegues”, como eram então mencionados nas fontes europeias, não podem ser excluídos dessa reacção, mesmo que não tenham sido tão eficazes como, por exemplo, as populações Wolof e Sereer, entre outras, na resistência aos Portugueses (Mota 1972: 204).

  • 1 Quanto às manipulações político-ideológicas coevas deste duplo quadro, bélico e pacífico, ver Saund (...)
  • 2 BiDān: população árabo-berbere do oeste saariano, falantes de Ḥassāniyya. Esta verdadeira lingua fr (...)

3Estes acontecimentos fazem parte da memória histórica dos “feitos de armas” dos corsários e homens do mar portugueses, reconstituídos na perspectiva oficial da Coroa e da sua nobreza cavaleiresca. O cronista Zurara registou-os em pormenor, baseando-se sobretudo na memória oral desses mesmos protagonistas portugueses. Zurara tende, no entanto, a valorizar os violentos primeiros anos destes encontros, no que contrasta com o papel menor que estes têm nas sínteses históricas actuais, onde é sobretudo destacado o quadro de relações pacíficas que surgiu posteriormente, polarizado pela criação da feitoria de Arguim,1 ainda que na sequência da História esse quadro tenha sido perturbado por outros intervenientes europeus ou norte-africanos. O impacto traumático destes acontecimentos – muito limitados no tempo, é certo – fez, no entanto, com que estes se tornassem um tópico de algumas tradições orais actualmente reconhecidas na Mauritânia, particularmente entre a população BiDān.2

4A experiência histórica das populações da região de Arguim nas primeiras décadas do século XV, e a sua primeira narrativa europeia, podem constituir um exemplo paradigmático visando estruturar uma leitura mais vasta dos contextos luso-saarianos e das suas reconversões locais. Procuraremos assim discutir os processos relativos à reconstrução da historicidade entre algumas qabīla-s BiDān, baseando-nos nas referências relativas aos primeiros contactos euro-saarianos, seguindo de perto o texto pioneiro de Zurara e algumas tradições orais reconhecidas entre um grupo BiDān, os Ahl Buhoubeiny, e também aquilo que julgamos ser a primeira recepção, pela pena de Alvise da Ca’da Mosto (ou Cadamosto), de testemunhas presenciais que convergem com elementos centrais dessas tradições.

Arriba Sul do Bojador © Freire

  • 3 Ver Marchesin 1992; Norris 1986; Ould Cheikh 1991a.

5No tratamento das tradições orais valorizamos a integração do conceito genérico de naçāra (naçrānī, sing.), associado à presença europeia na região costeira da actual Mauritânia. Esta designação, traduzida literalmente como “nazareno”, é hoje indiscriminadamente aplicada a personagens europeias cristãs de diferentes nacionalidades (Portugueses, Castelhanos, Ingleses, Holandeses, ou Brandeburgueses). Esta noção será complementar a uma associação mais banalizada a quadros genealógicos árabes – seguramente mais imaginária do que real – correntemente utilizada pela população BiDān.3 No entanto, a transmissão inter-geracional da noção de naçāra privilegia a utilização desta tipologia no contexto particular das estratégias locais de afirmação genealógico-identitária quando associadas aos primeiros contactos euro-saarianos.

Gomes Eanes de Zurara e os “Mouros”

  • 4 Simplificando em dois pólos um tema que actualmente se reconhece, como o sabemos, sobre distintos g (...)

6A Crónica dos Feitos da Guiné de Gomes Eanes de Zurara, primeiro relato europeu em que é descrita a região oeste-saariana e suas populações, talvez por se tratar de uma crónica senhorial, regista com clareza uma das questões até hoje centrais na história desta região: a evidência de estruturas sociais profundamente hierarquizadas. O cronista português assinala a existência de diferentes comunidades linguísticas (árabes e berberes) e uma hierarquização entre “tributários” e uma “aristocracia” árabe.4

Estes negros, posto que seiam mouros como os outros. som porem seruos daqueles por antijgo costume...”; “...quanto mais que estes negros não vijnhã da linhagem de mouros/mas de gẽtyos”; “E bẽ parece que auya grande sabedorya da linguajẽ mourisca pois antre aquelles era entendido. onde o outro allarue que era mouro de naçõ não podera achar quem o ẽtendesse, senõ huũ só (Zurara 1978: XVI/77-79).

  • 5 Ver Villasante-De Beauvais (ed.) 2000; Villasante-De Beauvais 2004.

7A identidade desses “negros” foi interpretada como correspondendo simplesmente a escravos, mais ou menos islamizados, originários do Sudão Ocidental (Bourdon et al. 1994: 297). Mas uma outra leitura deve também ser considerada. Esses “mouros negros” poderiam já pertencer, pelo menos em parte, a linhagens locais, veiculados a estruturas sociais complexas que claramente superam a simples distinção entre homens livres e escravos. A incorporação de negros nas linhagens “mouras” é hoje em dia um dado reconhecido, mas seria certamente difícil a Zurara materializar as subtilezas étnicas que hoje em dia definem a história da região.5 Gostaríamos contudo de sublinhar a possibilidade colocada pelo seu texto, na qual se denota já a porosidade social da região, marcada etnicamente, é certo, por populações árabes, berberes e africanas subsaarianas, mas ao mesmo tempo podendo já incorporar elementos do programa tribal que posteriormente sedimentaria a sociedade “moura”/BiDān, a qual, insistimos, enquadra populações de estatuto tributário, assim complexificando um debate que não está exclusivamente cingido à etnicidade.

8Quanto à expressão “antigo costume”, acima citada, Zurara dá-nos a sua própria explicação:

...o qual creo que seia por causa da maldiçom que despois do deluuyo lançou Noe sobre seu filho Caym [trata-se de Cam]/. pella qual o maldisse/ que a ssua geeraçõ fosse sogeita a todallas outras geeraçoões do mundo. Da qual estes descendẽ… (Zurara, 1978: XVI/77).

  • 6 Ver Medeiros 1976: 170. Sobre as imagens portuguesas, ver Horta 1991a: 53 ss; Horta 1991c: 258ss.

9Bem conhecido dos historiadores, este comentário reenvia-nos ao topos medieval da maldição de Cam, que o cronista associa à classificação dos povos não-cristãos então corrente na Península Ibérica, diferenciando entre “mouros” (no sentido de muçulmanos) e “gentios”.6 Porque os “mouros negros” provinham de uma “geração” de gentios “seryã milhores detrazer ao caminho da salvaçom” (Zurara, 1978: XVI/78; ver Horta 1991b: 83). Na verdade, uma vez mais, Zurara, através de uma mera ilação, afeiçoou as representações de origem local sobre as linhagens – recolhidas quer junto dos marinheiros que ouviu, quer junto dos intérpretes (turgimãos) berberes que os acompanhavam – aos seus próprios referentes culturais cristãos-peninsulares. Uma outra passagem dá testemunho da sua sensibilidade à língua enquanto marcador identitário privilegiado, que Zurara retoma para afirmar que a língua azaneguya de Zaara contrastava com a língua mourisca dos alarves (árabes) (Zurara, 1978: XIII/68). No entanto, é a categoria geral de Mouros, que em Português do século XV poderá ser lida como um sinónimo de muçulmanos, que neste contexto é o signo identificativo de grande parte dos residentes a norte do rio Senegal, fazendo uso corrente dele para classificar as populações saarianas. É este o caso dos habitantes do cabo Branco e da baía de Arguim por este encimada.

10Nuno Tristão, cavaleiro da casa senhorial do infante D. Henrique, alcança este ponto da costa em 1441 e atribui-lhe o nome de cabo Branco (Zurara 1978: XIII/69). Aí desembarcado para fazer capturas, nota a presença de marcas humanas, entre as quais redes de pesca. Dessa vez não houve capturas, mas doravante o cabo Branco torna-se uma referência geográfica de todos os corsários que projectavam a sua acção sobre esta península e sobre a baía de Arguim, espaço preferencial dos desembarques iniciados na região de Rio do Ouro, mais a norte. Neste sentido, a Crónica refere por vezes expressões dos marinheiros como “ir”, “seguir” ou “tornar ao cabo Branco”.

  • 7 Estes símbolos permanecerão em Arguim durante todo o período português, como nos refere T. Monod (1 (...)

11O cabo tornou-se também uma importante referência simbólica da Cristandade, efectivamente materializada quando em 1445 um outro corsário, Diogo Afonso, aí fez colocar uma cruz de madeira, “e com tal firmeza foe aquella cruz posta que despois muytos ãnos durou ally e ajnda oje me dizem que esta ẽ seo proprio seer [isto é, intacta]” (Zurara 1978: XXXII/132).7 Por essa altura já toda a região, inclusivamente a península do cabo Branco, havia sido sistematicamente fustigada por sucessivas expedições, e talvez receando represálias, ou porventura devido à crença nos poderes místicos dos Portugueses, por parte das populações locais (como veremos adiante), este fortíssimo símbolo do Cristianismo permaneceria intocado.

  • 8 Tratam-se dos “Azanegues schyrmeiros” referidos por Valentim Fernandes em c. 1507 (Bourdon et al. 1 (...)

12Habitualmente as caravelas que desciam a costa ancoravam num ponto determinado e percorriam diferentes secções da baía de Arguim, fazendo-se valer de pirogas, ou canoas (“almadias”, segundo Zurara), muito provavelmente de origem local, melhor adaptadas a navegarem através dos inúmeros bancos de areia. Desembarcavam depois para atacar de surpresa na costa ou nas ilhas, ou ensaiando a penetração no continente, onde procurariam igualmente aldeias, grupos de homens, mulheres ou crianças que pudessem capturar. Quando estes se apercebiam da aproximação das caravelas – avistadas do ponto mais alto da península – abandonavam rapidamente estas aldeias, fugindo para o interior e voltando apenas a tempo de observar no horizonte uma nova chegada (Zurara 1978: XXXVII/150 e passim). A identificação de bons locais de pesca, única actividade económica assinalada pelo cronista (muito embora ao longo do texto Zurara mencione igualmente a escravatura, de âmbito local e para responder às novas necessidades do tráfico atlântico), seria motivo suficiente para justificar o regresso às mesmas aldeias.8

  • 9 Um sistema de mensagens escritas deixadas ao longo da costa por capitães portugueses provia outros (...)

13Baseando-se em testemunhos pormenorizados de marinheiros, que sistematicamente ouviu, Zurara relata a existência de uma aldeia da margem ocidental da actual baía, ou braço de mar, de Lévrier, porventura a mesma que o texto situa a uma légua do cabo; uma segunda a cerca de duas léguas adiante e ainda uma terceira ao fundo da baía (Zurara 1978: XXXVI/145, XXXVII/150, LXVII/256). A localização destas aldeias era obtida através de informadores, mas, frequentemente, também através de ameaças de morte, ou tortura de prisioneiros. Os Portugueses procuravam, por terra, perseguir estas populações em movimento forçado,9 optando geralmente por atacar ao coberto da noite:

Pera a qual foram apartados.xxxv. homẽs os mais despostos que acharõ pera ello. Os quaees saindo em terra forom a aldea logo ao começo da noite/ mas nom acharõ em ella nhũa cousa. Bẽ sera disserom alguũs que nos tornemos aos batees. E que rememos quanto podermos ao longo da terra atees que veiamos menhaã/ a qual tanto que virmos sairemos fora pera jrmos a estes mouros teer a trauessa do cabo/ . por que ellles forçado de jrem ao longo do dicto cabo/ atee seerem recolhidos ao sertaão E por que leuam molheres e moços seerlhea forçado folgarem parte da noite (…) encobrindo sua vista o milhor que poderõ o ssol que começaua de sayr virã vijr contra sy mouros e mouras com seus filhos e filhas que seryã per todo segundo seu esmo Lxx ou Lxxx. E ssẽ outro fallamẽto nem maneira de conselho. Saltarom antre elles braadando seus apellidos acustumados.s. sam Jorge Portugal de cuja chegada os mouros forõ tã desacordados que os mais delles ouuerom por seu remedyo fogir (…) E assy tomarom per todos. Lv. que trouueram consigo aos batees. De sua ledice nom ey por que fallar/. Por que a rrezom vos ditara qual deuya seer.» (Zurara 1978: XXXVI/145-146)

14Não são menos frequentes as reacções das populações quando se apercebiam de que tinham uma boa oportunidade de serem elas a atacarem os intrusos e mesmo de fazerem reféns. A primeira captura dos Portugueses no cabo Branco, em 17 de Junho de 1444, relatada por Zurara, é disso um bom exemplo.

E ssairom alguũs ẽ terra que seryã ataa xx. ou xxv homeẽs por veer que terra lhes parecia/ E estando afastados huũ pouco dõde sairom/ viram hũa peça de mouros andar pescãdo E como quer que lhe muytos parecessem/ sem o fazer saber aos que erã nos nauyos. Quiserom per sy cometer aquelle fecto e aballarõ a elles. E os mouros vẽdoos de fogir/. porẽ despois que viram que erã tã poucos aguardarom como aquelles que queryam pelleiar com sperãça de vitorya. (Zurara, 1978: XXIII/103)

15O resultado foi no entanto igual ao de muitas outras escaramuças: os Portugueses capturaram 14 Mouros, e até mesmo “hũa moça que ficara dormindo na pouoraçõ” (Zurara, 1978: XXIII/104) não escapou a esta sorte.

16A passagem relativa à morte de Gonçalo de Sintra em “Naar” (uma das ilhas do banco de Arguim [Bourdon et al. 1994: 303-4]) descreve um episódio paradigmático dessa resistência local: o cronista necessitou de elaborar uma justificação moral para a morte deste herói (na visão portuguesa) de outras expedições. Mas esta não foi a única vitória dos Mouros. Procurando explicar a forte reacção, por vezes bem-sucedida, dos habitantes da região, sentimentos de vingança, mas também de coragem e honra são-lhes atribuídos, neste caso nas cercanias da ilha de “Tider” (no golfo de Arguim):

E os mouros teẽdo aquelle meesmo pensamento que os nossos teuerõ poẽndo sobre sua guarda mayor cautella/ ordenarom tres cilladas assy como milhor poderom de tras dalgũus montes darea que ally auya/ onde esteuerom sperando ataa que viram que os nossos eram acerca delles E ueẽdo sua auamtajem descobrirõ seu engano/ vijndo rijamẽte sobre os nossos come homeẽs que queryam vingar o catiueiro de seus parentes e amigos (…) Porẽ aa fim veẽdo a nossa gente a grandeza do perigoo e como de necessidade lhes cõuijnha de sse recolher/ . começarom de sse retraer (…) E certamente que a pelleia era muy grande e come de homeẽs que o fazyã muy de voõtade (Zurara 1978: XLVIII/182)

  • 10 Ligadas, noutra documentação, sobretudo à expressão, de origem árabe, “alforma” (Freire 2009: 38-40 (...)
  • 11 A antropofagia constituía um “crime enorme”, como refere Zurara. Um elemento que à época seria sufi (...)

17No contexto de uma crónica de feitos de armas, Zurara reconhece implicitamente aos Mouros algumas das virtudes da nobreza cavaleiresca,10 mas associa-lhes igualmente ecos de práticas de antropofagia ritual, as quais representam o paroxismo da vingança: a “absorção” do cadáver dos inimigos:11

  • 12 A aceitação, por Zurara, da veracidade dessas histórias, contadas pelos Mouros, quanto a uma prátic (...)

E alguũs disserom despois que ouuirã dizer a alguũs daquelles mouros que per acertamẽto vierom a nosso poder que os seus parceiros comerom aquelles mortos/ [os cadáveres dos cristãos em fuga] E como quer que alguũs outros dissessem o contrairo querendo scusar seus parceiros de causa tam jnnorme/todauya he certo que seu costume he de comerem huũs ||a|| os outros os figados e beberem o ssangue E esto diz que nõ fazem geeralmente senom a algũus que lhes matam seus padres ou filhos ou jrmaãos/cõtãdo esto por hũa muy grande vingança.» (Zurara, 1978: XLVIII/183)12

18Lançarote de Lagos, escudeiro do infante D. Henrique – acompanhado por outros capitães da casa senhorial do infante (muitos destes tornando-se cavaleiros durante as explorações atlânticas) e por diversos burgueses desta vila algarvia –, comandou, e terá mesmo organizado, duas das mais importantes expedições à costa saariana: 6 caravelas em 1444, mas sobretudo, em 1445, zarpando com 14 caravelas e uma fusta (Bourdon et al., 1994: 19-20). A armada de 1445 visava justamente acabar com a resistência da ilha de Tider (Idem: 317).

  • 13 As tradições orais BiDān que efectivamente integram personagens europeias nas genealogias constitui (...)

19Os gritos de guerra “São Jorge! Santiago! Portugal!” (Zurara 1978: XXXVI/146, XLV/176), repetidos durante os combates, a cruz erigida no cabo (fruto do espírito de cruzada que constituiria uma motivação suplementar dos Portugueses), terão possivelmente provocado uma efectiva resistência islâmica face às incursões naçāra. Também a conversão dos intérpretes berberes – os mesmos que indicavam aos corsários a localização das aldeias a assaltar – à religião dos inimigos não será um aspecto despiciendo. É bem conhecida a trágica sorte destes personagens quando eram capturados no continente…13

20Procuraremos agora confrontar os elementos retirados do texto de Zurara com dados de terreno recolhidos no início do século XXI, e que ainda se relacionam com a inicial presença europeia nesta região. Como veremos, os elementos constantes no texto do cronista, relativos a meados do século XV, são ainda compatíveis com algumas descrições locais destes encontros, dando forma, em nosso entender, a uma visão historicamente mais completa e melhor validada, que incorpora quer os elementos da Crónica, quer as tradições (orais) locais. A decisão de conjugar estes tipos de fontes não circunscrevendo a escrita da história à perspectiva das fontes europeias, assume as tradições locais como elementos significativos, necessários não apenas à reconstituição da história africana (no que apenas se segue a metodologia desta área disciplinar), como também à história da expansão europeia, opção que tem sido negligenciada para esta região e época.

Os Ahl Bouhoubeiny e os Portugueses

Quand on connaît la richesse de la tradition orale chez les Maures du Sahara occidental, on ne sera pas surpris que l’occupation européenne d’Arguin ait laissé des traces dans la mémoire des tribus (Théodore Monod, L’ile d’Arguin, 1983: 219)

  • 14 Quanto aos encontros euro-saarianos, e euro-africanos, pré-coloniais, ver Austen 1990; Brooks 2003; (...)

21Se acima nos ocupamos dos primeiros dados escritos relativos à chegada portuguesa à região de Arguim, procuraremos agora examinar os elementos derivados da apresentação desses mesmos acontecimentos, na forma como estes são representados contemporaneamente através da tradição oral. Se o texto de Zurara comporta condicionamentos próprios ao seu género cronístico (respondendo a propósitos políticos, ou mesmo morais, bem determinados, tais como a “nobre” conquista das terras e dos espíritos “infiéis”), também a utilização das tradições orais – fundamentais neste contexto – nos obriga a tomar algumas precauções. Não estabelecemos aqui um paralelismo directo entre narrativas orais e relatos escritos. Na verdade, por um lado, as tradições orais mesclam diferentes momentos de contacto violento entre Europeus e Africanos dignos de ser preservados até hoje pelo profundo impacto que causaram; por outro, a sua apropriação contemporânea responde a fins bem definidos, nomeadamente relacionados com a afirmação identitária dos grupos em causa.14 Parece-nos, contudo, que a articulação entre estes dois tipos de materiais não impede a validade da nossa abordagem. Não se trata aqui de questionar o valor das tradições orais para a História de África, bem pelo contrário: tentaremos mostrar a que ponto a valorização das narrativas orais locais é indispensável para a construção de uma visão integral da história euro-africana. Mais do que isso, o valor das narrativas orais abaixo expostas prova o interesse e pertinência do nosso objecto e a profundidade do seu impacto local.

Interlocutores Ahl Bouhoubeiny, sudoeste da Mauritânia, Dezembro 2005. © Freire

  • 15 Os Ahl Bouhoubeiny enquadram-se historicamente na confederação tribal (ittihad) Tandgha (um dos gru (...)
  • 16 Ver Freire 2009; Ibn Ahmadu 2003.

22Hoje em dia, qualquer análise relativa às estruturas sociais do litoral saariano e os seus iniciais contactos com europeus deve considerar os Ahl Bouhoubeiny como figuras privilegiadas. Este grupo, auto-definido como qabīla (geralmente traduzido do Árabe como “tribo”), está associado a um conhecimento efectivo da região e a uma inscrição histórica ancestral ao longo do litoral, na área situada entre o golfo de Arguim e o rio Senegal. Os Ahl Bouhoubeiny guardam ainda a particularidade de reclamarem uma intervenção directa nos primeiros contactos euro-saarianos.15 De facto, as tradições orais, mas também os materiais escritos actualmente emanados da qabīla,16 sublinham uma decisiva intervenção dos seus patriarcas fundacionais no processo que conduziu à expulsão dos europeus da região. Sublinhe-se, no entanto, que os Ahl Bouhoubeiny jamais se reconhecem como intermediários das operações comerciais pacíficas que viriam a estabelecer-se na região, mas sim como participantes activos na resistência face a uma ocupação.

23Mas de que forma as tradições orais hoje veiculadas pelos Ahl Bouhoubeiny se podem ligar ao texto de Zurara? De três formas: ao remeterem, evidentemente, para um mesmo momento histórico (a chegada europeia à costa saariana); ao reflectirem, como veremos, sobre o mesmo tipo de experiências descritas por Zurara (particularmente os afrontamentos); e, ainda ao discutirem, paralelamente com Zurara, o quadro social e estatutário das populações da região.

  • 17 A ilha de Arguim é localmente denominada de Agadir, ou, num passado recente, Agadir Duma (Freire 20 (...)

24Mohamedin Ould Abdelrahman (m. 2007) apresenta-se como “um simples criador de gado” da região de Aftout es-Saheli (faixa litoral do sudoeste da actual Mauritânia), que durante a quase totalidade do século XX acompanhou os movimentos de transumância da sua tribo entre as margens do rio Senegal e a região de Nouadhibou/Arguim (num percurso de cerca de 700 quilómetros). Era respeitado pela sua idade avançada, “correcta” vivência do Islão, mas também pelas muitas histórias que conhecia, e gostava de contar, sobre a sua qabīla, os Ahl Bouhoubeiny (Freire 2009: 145). No seu acampamento de Tin Ieija, a poucos quilómetros do Atlântico, repetiu-nos a tradição oral que descreve a chegada dos primeiros europeus à ilha de Arguim/Agadir:17

  • 18 Esta tradição, e a seguinte, foram originalmente recolhidas em Hassānia e posteriormente traduzidas (...)

Havia um povoamento permanente na ilha de Agadir [Arguim]. Era aí que as pessoas se aprovisionavam de água. (...)
Os habitantes dessa ilha, que sempre aí viveram, eram
zuāia. Eles receberam aí um barco, que depois voltou várias vezes. Essa gente permanecia algum tempo e depois partia. As mulheres e as crianças fugiam logo que viam esses barcos, mas depois essa gente começou a dar prendas. De início apenas os homens iam até lá, mas, pouco a pouco, conquistaram a confiança de todos os habitantes da ilha, através dessas prendas. Depois... chegou o dia em que o barco levou quase toda a gente da ilha. Os poucos que ficaram procuraram os outros por toda a parte, sem os encontrarem.
Um ano depois o mesmo barco voltou, trazendo muita gente. Trazia
naçāra [cristãos], sudān [Africanos], aljazairīn [Argelinos!?] e também os antigos habitantes da ilha... que voltaram completamente “europeizados” [adu naçāra]. Formou-se então uma nova aldeia, que aí existiu durante muito tempo... toda essa gente ficou a viver por lá. Antigamente, para chegar à ilha de Agadir era necessária uma autorização dos naçāra que lá estavam. (Mohamedin Ould Abdelrahman, Tin Ieija, Dezembro 2005)18.

25Este relato pode evidentemente relacionar-se com o texto de Zurara, quando refere as tentativas de fuga das populações locais, ou o papel desempenhado pelos tradutores que acompanhavam os portugueses ao longo da costa. Evidencia-se igualmente a combinação de diferentes tempos históricos, de guerra e de paz, até ao posterior estabelecimento de europeus e africanos na ilha. Após a violência dos primeiros anos de contacto, a construção da paz foi seguramente uma tarefa lenta e difícil, e antes de se dar início às actividades comerciais, afigurou-se indispensável conquistar a confiança das populações locais. Zurara não tinha qualquer interesse quanto a essa fase, e é aí precisamente que termina o seu texto, como ele próprio o afirma (Zurara XCVI 1978: 356). Ainda quanto ao estabelecimento de relações comerciais pacíficas, esta tradição aponta um outro processo bem conhecido pela história e repetido em inúmeros outros locais da costa africana, nomeadamente na Senegâmbia em momentos de primeiro contacto ou de apaziguamento de relações: a oferta de presentes.

  • 19 A descrição do poço de Arguim, por exemplo, parece-nos particularmente exacta: “(…) il s’agit de pu (...)

26Assim, parece-nos que esta surpreendente síntese do passado das primeiras relações euro-saarianas define uma representação destes contactos muito próxima das hipóteses estabelecidas pela historiografia contemporânea.19 O facto destes encontros serem alvo de processos de reconstrução memorial acentua a sua importância, ao estabelecerem, como veremos, quadros de afirmação identitária local associados a processos de legitimação genealógica ou estatutária.

27Entre os mesmos Ahl Bouhoubeiny é ainda conhecida uma outra tradição oral que liga os patriarcas da qabīla à presença inicial dos europeus na região de Arguim. Neste caso, são conjugados elementos bastante menos claros e cronologias historicamente mais ambíguas, mas que nos parecem igualmente importantes na ilustração da amplitude dos desenhos identitários formados a partir dos primeiros contactos euro-saarianos:

(…) No tempo de Mohamedin Ould Bouhoubeiny os Portugueses estavam em Agadir [ver nota 17]. Viviam aí, faziam incursões no continente. Os Portugueses tinham leões guardados em Agadir e lançavam-nos sobre o continente quando faziam as suas razias. Esses leões destruíam tudo à sua passagem e os Portugueses utilizavam-nos sempre.
Os Tandgha [Berberes] dessa região estavam em Bir al-Gareb [no continente], abastecendo-se de água na ilha de Agadir. Os Oulad Rizg [Árabes] vieram ter com os Tandgha pedindo-lhes ajuda contra os Portugueses e contra os seus leões. Os Portugueses tentavam controlar todo o território e já tinha havido combates. Os Oulad Rizg ajudaram os Bouhoubeiny a construir um novo poço [
bīr] em Bir al-Gareb, quinze quilómetros em frente de Agadir, uma vez perdido para os Portugueses o poço de Agadir.
Quando as pessoas compreenderam que não conseguiam vencer os Portugueses pediram a ajuda a Mohamedin Ould Bouhoubeiny. Este afirmou conhecer uma magia [
sihr], utilizada sobre um grande vitelo, que poderia resolver o problema: – Vou lançar o vitelo contra os leões, e se ele ganhar, isso quer dizer que vocês vão poder combatê-los; se o vitelo for derrotado, não há nada a fazer, e vocês são impotentes contra os Portugueses.
Esperaram então que os Portugueses soltassem os leões, lançando nesse momento o vitelo. O vitelo matou os leões, e a partir daí os Portugueses progressivamente deixaram a zona. Mais tarde chegaram os Holandeses... (Badi Ould Hamad, Baguend, Dezembro 2005)

28Nesta segunda narrativa realçaríamos a descrição da colaboração entre populações árabes e berberes no combate contra os invasores europeus, assim materializando o valor eminentemente local do encontro euro-saariano, que aqui declara uma visão consensual da história da região, ao afirmar uma aliança entre as suas diferentes populações face a um inimigo comum. Para além da reivindicação de uma ancestral ligação dos Ahl Buhoubeiny a esta costa, expressa-se igualmente a prevalência de valores estatutários “marabúticos” face às tentativas, frustradas, das armas árabes no combate contra os Europeus, uma vez mais reforçando o teor local de um debate espoletado pela chegada e instalação europeia na costa saariana. De facto, segundo esta tradição oral, é o talismã colocado pelo patriarca dos Ahl Bouhoubeiny sobre um vitelo que derrota os leões utilizados pelos portugueses, e que desta forma provoca a definitiva expulsão dos Europeus da região. Estes elementos podem também ser discutidos à luz do texto de Zurara, particularmente na forma como são enquadradas as diferentes populações da região. Neste caso a defesa de uma aliança militar entre os Ahl Bouhoubeiny e os Oulad Rizg, entre Berberes e Árabes, complexifica o quadro binário que, efectivamente desde Zurara, tem descrito as populações da região, geralmente referidas como comunidades distintas, quando não antagónicas. O processo de consolidação histórica deu corpo a um modelo no qual se esbatem diferenças étnicas face ao invasor cristão, num exemplo quase perfeito de como a presença europeia no litoral saariano é ainda reconvertida num elemento identitariamente significativo. De facto, entre os Ahl Bouhoubeiny, a presença europeia na costa saariana continua a definir-se como um importante elemento na afirmação identitária da qabīla, sendo precisamente a partir destes contactos que esta define o seu quadro estatuário (marabútico) e uma quase intemporal ligação ao território.

29A identificação de aspectos mágicos na relação entre cristãos e populações saarianas encontra igualmente paralelo noutra documentação portuguesa conhecida (extensível a outras sociedades da costa africana). Centrando-nos precisamente neste contexto: a atribuição de poderes sobrenaturais aos Portugueses é também repetida no célebre texto de Ca’da Mosto. O veneziano, que viajou na região entre 1455-1456 (mas que sobretudo ouviu relatos de informadores Azenegues em Portugal, e de outros Portugueses que por lá viajaram), afirma-nos que as populações costeiras saarianas, surpreendidas pela mobilidade dos portugueses, lhes atribuíam “poderes especiais”, e que estes seriam localmente percepcionados como sendo “fantasmas”. O paralelismo desenhado entre a tradição oral hoje reconhecida no sudoeste da Mauritânia e o texto de Ca’da Mosto é de tal forma surpreendente que este merece a pena ser citado longamente:

E finalmente, com o decorrer dos tempos, vendo-se de noite assaltados, presos e levados não sabendo por quem, alguns deles diziam que eram fantasmas [fantasme no original italiano] que andavam de noite, e tinham muitíssimo medo: e isto porque ao cair da tarde, às vezes, eram assaltados num lugar, e naquela mesma noite, de madrugada, vinha a ser feito isso mesmo 100 milhas mais adiante, na costa, ou, às vezes, mais atrás, conforme ordenavam os das caravelas se fizesse, conforme lhes sopravam os ventos; e diziam, entre si: se estas fossem criaturas humanas [creature humane], como nós, como poderiam percorrer numa noite um caminho que qualquer de nós não percorreria em três dias? – não conhecendo o artifício do navio. E assim tinham por certo serem fantasmas. Isto pode-se afirmar, porque, por muitos dos ditos azenegues que são escravos em Portugal e por muitos portugueses que naquele tempo frequentavam aquelas partes, alcancei a sobredita informação. (Cadamosto 1988: 107; texto italiano: 19-20)

30Sublinhe-se o detalhe destes ataques serem efectuados ao coberto da noite, demonstrado nestas narrativas e também na Crónica dos Feitos da Guiné. Quanto a este aspecto específico, porém, notemos que estas práticas poderiam ter sido repetidas por outros intrusos, posteriores, de diferentes origens. Mas acentue-se, sobretudo, quando se verifica a convergência entre a tradição BiDān mencionando o encantamento de leões e o texto de Ca’da Mosto fazendo referência ao estatuto ou poder de fantasmas atribuído aos Portugueses.

31Encontramo-nos, finalmente, face a dois olhares que se encontram no mesmo momento histórico. Mais, as imagens construídas pelas populações do Saara Atlântico quanto aos Cristãos recém-chegados à região, fazem também sentido no contexto mais alargado dos primeiros contactos euro-africanos. A chegada de Brancos, vindos do mar, em “estranhas” embarcações (ao longe vistas como “grandes aves com asas brancas que voassem” ou “peixes”: Cadamosto, 1988: 107), envolvia-os em misteriosas conotações cosmológicas. A consequente atribuição de forte competência mística aos Europeus (no caso deste artigo, materializada na capacidade dos naçāra comandarem leões nos assaltos que promoviam no continente – e que foram combatidos por uma força equivalente), é reconhecida junto de outras sociedades da costa ocidental africana em situações de primeiro contacto euro-africano, como nos refere o próprio Ca’da Mosto na descrição que nos deixou dos seus contactos com o damel do Caior (título político da realeza local) e em geral com os Wolof, na costa norte do actual Senegal (Cadamosto 1988: 132 e 143).

Conclusão

32Procurámos, nesta contribuição, discutir os processos de reconfiguração memorial associados à primeira presença europeia no litoral saariano. A análise efectuada destaca a incorporação contemporânea desses contactos como elementos significativos nos discursos de legitimação identitária efectuados por alguns grupos BiDān (particularmente os Ahl Bouhoubeiny). Se geralmente a memória da presença portuguesa na região oeste-saariana está marcada pelo comércio, isso não parece passar-se justamente entre os grupos que herdaram e continuam a inscrever tradições relativas a capturas efectuadas pelos Portugueses e a actos violentos do mesmo tipo perpetrados por outros forasteiros que essas narrativas locais mesclaram. Neste caso, os discursos sobrepõem os acontecimentos do período bélico dos contactos luso-saarianos sobre a longa duração das relações comerciais euro-africanas. No entanto, ainda que ligada sobretudo aos feitos de armas, ou a um confronto entre cristãos e muçulmanos, a presença portuguesa no litoral saariano continua a ser replicada em tradições orais que integram esses episódios e que – mais de quinhentos anos depois deste encontro – os transformam, por vezes, em momentos decisivos dos processos endógenos de afirmação identitária. Valorizar as tradições orais das sociedades oeste-saarianas será um meio de reincorporar a forma de pensar e sentir a história, a historiologia que a historiografia ocidental em grande medida ignorou, em particular o que essa história envolveu de experiência cosmológica que as fontes escritas europeias apenas indiciam. Se o processo histórico mudou radicalmente, o quadro dos primeiros encontros luso-saarianos é bem atestado pela documentação escrita, e é também claro que a análise deste processo não se esgota nessa documentação. O modelo de relacionamento bélico, rapidamente abandonado, não foi verdadeiramente esquecido pelas populações da região. O facto de que as tradições orais preservaram este tipo de representações constitui, em nosso entender, um argumento decisivo para esta interpretação.

Bibliographie

ALBUQUERQUE, Luís de, 1989, “Navegações além do cabo Bojador no tempo do infante D. Henrique: o seu objectivo”, em idem (ed.), Portugal no Mundo, Vol. I. Lisboa, Publicações Alfa, 137-148.

AUSTEN, Ralph, 1990, “Marginalization, Stagnation, and Growth: The Trans-Saharan Caravan Trade in the Era of European Expansion, 1500-1900”, em, J. D. Tracy (ed.), The Rise of Merchant Empires. Cambridge, Cambridge University Press, 311-350.

AZINHAGA, Florinda, 1965, A Feitoria de Arguim e a Expansão Portuguesa, Tese de Licenciatura em História. Lisboa, FLUL.

BA, Idrissa, 2006, Présence Juive au Sahara et au Soudan au Moyen Âge: perceptions et réalités, Thèse de Doctorat. Sorbonne, Université de Paris I Panthéon.

BONTE, Pierre et al., 1991, Al-Ansâb. La Quête des Origines: Anthropologie Historique de la Société Tribale Arabe. Paris, Maison des Sciences de l’Homme.

BOURDON, Léon, et al., (ed.); ZURARA, Gomes Eanes de, 1994, Chronique de Guinée (1453), Paris, Editions Chandeigne.

BROOKS, G. E., 2003, Eurafricans in Western Africa: Commerce, Social Status, Gender, and Religious Observance From the Sixteenth to the Eighteenth Century. Athens, Ohio University Press.

CADAMOSTO, Luís de, 1988, Viagens de Luís de Cadamosto e de Pedro de Sintra. Lisboa, Academia Portuguesa da História – Ver Laurent-Du Tertre, Da Mosto 1986

CÉNIVAL, Pierre; MONOD Théodore (eds.); FERNANDES, Valentim, 1938, Description de la Côte d’Afrique de Ceuta au Sénégal par Valentim Fernandes (1506-1507). Paris, Comité d’État Historique et Scientifique de l’A.O.F.

Da MOSTO, Alvise. Ver Cadamosto 1988; Laurent-Du Tertre 1986.

FERNANDES, Valentim, 1997, Códice Valentim Fernandes. Lisboa, Academia Portuguesa da História – Ver Cénival, Monod, Fernandes, 1938.

FREIRE, Francisco, 2009, Narrativas Naçrānī-s Entre os Bidān do Sudoeste da Mauritânia: A Viagem Europeia e Suas Reconversões Tribais. Tese de Doutoramento, Lisboa, FCSH- UNL.

. 2011, “The ‘Narziguas,’ Forgotten Protagonists of Saharan History”, Islamic Africa, 2 (1): 35-65.

GODINHO, Vitorino Magalhães, 1956, O “Mediterrâneo” saariano e as caravanas do ouro: geografia económica e social do Sáara Ocidental e Central do XI ao XVI século. São Paulo, Revista de História.

1984, Os Descobrimentos e a Economia Mundial, vol. I, Lisboa, Editorial, Presença, 2.a ed., 4 vols.

HAMÈS, Constant, 1979, “L’évolution des émirats maures sous l’effet du capitalisme marchand européen”, in Équipe Écologie et Anthropologie des Sociétés Pastorales (ed.), Pastoral production and society. Paris, Maison des Sciences de l’Homme, 375-98.

HORTA, José da Silva, 1991a, “A imagem do Africano pelos portugueses antes dos contactos”, in J. da S. Horta et al., O Confronto do Olhar. O encontro dos povos na época das navegações portuguesas. Séculos XV e XVI. Portugal, África, Ásia, 43-70.

1991b, “Primeiros olhares sobre o Africano do Saara Ocidental à Serra Leoa (meados do século X, inícios do século XVI)”, in L. Albuquerque, A. L. Ferronha, J. S. Horta, R. M. Loureiro, O Confronto do Olhar. O encontro dos povos na época das Navegações portuguesas. Séculos XV e XVI. Portugal, África, Ásia, América. Lisboa, Caminho, 73-126.

1991c, A representação do Africano na Literatura de Viagens, do Senegal à Serra Leoa (1453-1508), sep. de Mare Liberum. Revista de História dos Mares, n.° 2, Lisboa, 1991, 209-339.

IBN AHMADU, Cheikh, 2003 (1989), Namadij min: ataudhih al-abha fisirati Ahmad Zarouk bin Belha libnihi Cheikh Ma‘alainin, Nouakchott, Maktab al-Kiteb.

KOLTERMANN, Till Philip, 1995/1996, Politique Maure et rivalité Europeenne sur la côte de la gomme (Mauritanie) entre 1678 et 1728, Mémoire de maîtrise. Université des Sciences Humaines de Strasbourg.

LAURENT-DU TERTRE, Marie-Pierre (ed.); DA MOSTO, Alvise, 1986, “Les Navigations Atlantiques du Vénétien Alvise da Mosto & la Navigation du Portugais Pedro de Sintra, Écrites par Alvise da Mosto. Traduction, édition critique, annotations, et commentaires des éditions, Thèse de doctorat. Paris, Université de Paris I Panthéon-Sorbonne, 2 vols.

1988, Les informateurs d’Alvise da Mosto. Première et deuxième navigations (1455 et 1456). Lisboa, Instituto de Investigação Científica Tropical, Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga.

MARCHESIN, Pierre, 1992, Tribus, ethnies et pouvoir en Mauritanie, Paris, Karthala.

MARK, Peter, 2002, “Portuguese” Style and Luso-African Identity: Precolonial Senegambia, Sixteenth-Nineteenth Centuries, Bloomington, Indiana University Press.

MARTY, Paul, 1919, L’Émirat des Trarzas, Paris, Éditions Ernest Leroux.

MAUNY, Raymond, 1949, “L’expédition marocaine d’Ouadane (Mauritanie) vers 1543-1544”, Bulletin de l’IFAN, XI: 129-40.

MCDOUGALL, E. Ann, 1998, “Research in Saharan History”, Journal of African History, 39: 467- 480.

MODAT, Coronel, 1922, “Portugais, Arabes et Français dans l’Adrar mauritanien”, Bulletin du Comité d’Études Scientifiques de l’A.O.F, 4: 550-82.

MONOD, Théodore, 1983, L’Ile d’Arguin (Mauritanie): Essai Historique, Lisboa, Centro de Estudos de Cartografia Antiga do Instituto de Investigação Científica e Tropical.

MOTA, Avelino Teixeira da, 1972, “A Descoberta da Guiné”, em idem, Mar, Além Mar. Estudos e ensaios de História e Geografia, vol. I. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 97-249.

1976, Alguns Aspectos da Colonização e do Comércio Marítimo dos Portugueses na África Ocidental nos Séculos XV e XVI. Lisboa, Junta de Investigações Científicas do Ultramar.

1980, Viagens espanholas das Canárias à Guiné no século XVI, segundo documentos dos arquivos portugueses, sep. III Coloquio de Historia Canario-Americana (1978). Las Palmas, Cabildo Insular de Gran Canaria, 220-49.

NORRIS, Harry Thirwall, 1986, The Arab Conquest of the Western Sahara: Studies of the Historical Events, Religious Beliefs and Social Customs Which Made the Remotest Sahara a Part of the Arab World. Harlow, Longman; Beirute, Librérie du Liban.

OULD CHEIKH, Abdel Wedoud, 1991a, Éléments d’Histoire de la Mauritanie, Nouakchott, Centre Culturel Français Antoine de St. Exupéry.

1991b, “Herders, Traders and Clerics: The Impact of Trade, Religion and Warfare on the Evolution of Moorish Society”, in J. Galaty, P. Bonte (eds.), Herders, Warriors and Traders. Pastoralism in Africa, Boulder, Westview Press, 199-218.

1999, “La caravane et la caravelle. Les deux âges du commerce Ouest Saharien”, L’Ouest Saharien, 2: 29-70.

PÉREZ, Germán Santana, 2010, “Arguin y Canarias durante la etapa moderna (siglos XV-XVIII)”, in, A. L. Bargados, J. Martínez Milán (eds.), Culturas del litoral: dinámicas fronterizas entre Canarias y la costa sahariano-mauritana. Barcelona, Edicions Bellaterra, 45-65.

RICARD, Robert, 1930, “Les Portugais et le Sahara atlantique au 15ème siècle”, Hespéris, 97-110.

1935, “Recherches sur les relations des îles canaries et de la Berbérie au 16ème siècle”, Hespéris, 21: 79-129.

1936, “Le commerce de Berbérie et l’organisation économique de l’empire Portugais aux XVe et XVIe siècles”, Annales de l’Institut d’Études Orientales d’Alger, 2: 266-90.

SAUNDERS, A. C de C. M. 1982. “The Depiction of Trade as War as a Reflection of Portuguese Ideology and Diplomatic Strategy in West Africa, 1444-1556”, Canadian Journal of History, 17: 219-234.

VILLASANTE-DE BEAUVAIS, Mariella, (ed.), 2000, Groupes serviles au Sahara: approche comparative à partir du cas des arabophones de Mauritanie. Paris, CNRS Éditions.

VILLASANTE-DE BEAUVAIS, Mariella, 2004, “‘They Work to Eat and They Eat to Work’. M‘allemîn Craftsmen Classifications and Discourse Among the Mauritanian Bidân Nobility”, in J. C. Berland, A. Rao (eds.), Customary strangers: new perspectives on peripatetic peoples in the Middle East, Africa, and Asia. Praeger, Westport, 123-154.

WEBB, James L. A., 1995, Desert Frontier: Ecological and Economic Change Along the Western Sahel (1600-1850), Madison, The University of Wisconsin Press.

ZURARA, Gomes Eanes de, 1978, Crónica dos feitos notáveis que se passaram na conquista da Guiné por mandado do Infante D. Henrique, vol. I, Lisboa, Academia Portuguesa da História [transcrição paleográfica; a versão em português actualizado pode ser consultada no vol. II da mesma edição]. Ver Bourdon et al., Zurara.

Notes

1 Quanto às manipulações político-ideológicas coevas deste duplo quadro, bélico e pacífico, ver Saunders 1982.

2 BiDān: população árabo-berbere do oeste saariano, falantes de Ḥassāniyya. Esta verdadeira lingua franca do Saara Ocidental é ainda utilizada no sul de Marrocos, sudoeste da Argélia, Mali, Senegal e Níger.

3 Ver Marchesin 1992; Norris 1986; Ould Cheikh 1991a.

4 Simplificando em dois pólos um tema que actualmente se reconhece, como o sabemos, sobre distintos graus de mediação (ver Bonte et al. 1991).

5 Ver Villasante-De Beauvais (ed.) 2000; Villasante-De Beauvais 2004.

6 Ver Medeiros 1976: 170. Sobre as imagens portuguesas, ver Horta 1991a: 53 ss; Horta 1991c: 258ss.

7 Estes símbolos permanecerão em Arguim durante todo o período português, como nos refere T. Monod (1983: 64), trabalhando sobre documentação portuguesa datada de 1624.

8 Tratam-se dos “Azanegues schyrmeiros” referidos por Valentim Fernandes em c. 1507 (Bourdon et al. 1994: 301-302). Ver Fernandes 1997: 51 ss.

9 Um sistema de mensagens escritas deixadas ao longo da costa por capitães portugueses provia outros navios que frequentavam esta costa com informações actualizadas quanto aos locais a atacar (Zurara 1978: XXXVII/150). Este mesmo sistema será mais tarde utilizado no cabo da Boa Esperança pelos viajantes que entravam no Índico, ainda que, neste caso, com outros objectivos.

10 Ligadas, noutra documentação, sobretudo à expressão, de origem árabe, “alforma” (Freire 2009: 38-40).

11 A antropofagia constituía um “crime enorme”, como refere Zurara. Um elemento que à época seria suficiente para aproximar estas populações da “bestialidade”, como é, de facto, indicado pelo cronista referindo-se à “Terra dos Mouros” (ver Horta, 1991b e 1991c: 285ss).

12 A aceitação, por Zurara, da veracidade dessas histórias, contadas pelos Mouros, quanto a uma prática que o autor adverte não ser generalizada, é garantida de duas formas: uma primeira, remetendo para o “lugar comum” português no seio do qual se compreende “comer o fígado” e “beber o sangue” dos inimigos; uma segunda, convocando o exemplo de um texto que fazia então autoridade, o relato de Marco Polo, a propósito “daquellas partes orientaaes” (Zurara 1978: XLVIII/183), às quais o cronista português, na sua percepção geográfica impressionista, aproximava as regiões oeste-africanas e suas populações.

13 As tradições orais BiDān que efectivamente integram personagens europeias nas genealogias constituirão um outro aspecto dessa “resistência”, e que situamos noutro âmbito das relações euro-saarianas (quanto a este tema ver Freire 2009: capítulo 3).

14 Quanto aos encontros euro-saarianos, e euro-africanos, pré-coloniais, ver Austen 1990; Brooks 2003; Hamès 1979; Koltermann 1995/1996; Mark 2002; Ould Cheikh 1991b, 1999; Pérez 2010; Webb 1995.

15 Os Ahl Bouhoubeiny enquadram-se historicamente na confederação tribal (ittihad) Tandgha (um dos grupos mais significativos na demografia da actual Mauritânia), e inscrevem-se estatutariamente como zuāia/ “marabutos”. Este grupo defende também uma proeminência histórica sobre uma vasta faixa costeira, entre a região meridional de Trarza (no sudoeste da Mauritânia), e a região de Rio de Oro, a norte (Freire 2009: 141-2).

16 Ver Freire 2009; Ibn Ahmadu 2003.

17 A ilha de Arguim é localmente denominada de Agadir, ou, num passado recente, Agadir Duma (Freire 2011: 46; Monod 1983: 200-1).

18 Esta tradição, e a seguinte, foram originalmente recolhidas em Hassānia e posteriormente traduzidas para Português (já transcritas em Freire 2009: 147, 150-1). Insistimos, em sucessivos encontros, para que Mohamedin Ould Abdelrahman desenvolve-se esta, ou outras tradições orais relacionadas, mas este interlocutor afirmou sempre que aquela era a única tradição oral conhecida na sua família, que seriamente se ligava à inicial presença europeia no litoral saariano.

19 A descrição do poço de Arguim, por exemplo, parece-nos particularmente exacta: “(…) il s’agit de puisards, creusés dans deux dépressions plus ou moins ensablées sous un auvent rocheux constituant le plafond d’une sorte de grotte ouverte sur la surface du sol; il faudra donc, pour atteindre l’eau, descendre d’abord verticalement pour se trouver au niveau de l’orifice du puit, puis avancer horizontalement jusqu’à celle-ci.” (Monod 1983: 176).

Table des illustrations

Légende Arriba Sul do Bojador © Freire
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/509/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Légende Interlocutores Ahl Bouhoubeiny, sudoeste da Mauritânia, Dezembro 2005. © Freire
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/509/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 106k

Auteurs

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / Centro de História da FLUL

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa / Centro em Rede de Investigação em Antropologia

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540