Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Entre o Bairro e a Prisão

 | 
Manuela Ivone Cunha

Conclusão. Entre o bairro e a prisão

Texte intégral

1Passado e presente são tempos separados neste trabalho por uma década apenas. Separa-os sobretudo uma profunda mutação, tanto mais assinalável quanto se mostra compreendida num tão curto intervalo cronológico. Encará-la ad hoc como uma transição entre ciclos, vendo em certas configurações marginais no presente formas remanescentes do passado, em configurações dominantes num, desenvolvimentos inusitados do que afinal eram formas emergentes noutro, foi o modo que se me proporcionou de lhe divisar plausibilidade. Nem por isso a transição deixa de ser radical nem, de tão brusca, cessa de surpreender. Segue-se uma sinopse recapitulativa das grandes linhas de uma mudança onde Tires perderia a todos os títulos contornos paradigmáticos do campo prisional que fizeram nascer uma extensa linhagem de estudos.

2Em primeiro lugar, e seguindo no encalço de tendências internacionais, o «penitenciário» recuou no seu escopo, relevando menos da razão ortopédica do que da razão gestionária, menos da transformação dos indivíduos do que da sua contenção. Melhor dizendo, não reivindica já um projecto próprio. Trata-se acima de tudo de administrar legal e tanto quanto possível humanamente a ordem interna. Em segundo lugar, assim como o penitenciário deixou de delimitar um espaço próprio, também a instituição-prisão se tornou menos autárcica. Deveio quer mais hetero-determinada por instâncias exteriores, quer mais dependente delas para a prestação de bens e serviços. Tendo crescido o universo humano a ponto de se poder falar de uma mudança de escala, complexificou-se também o quadro organizacional, marcado doravante por uma ampla codificação de procedimentos, pela burocratização, pela especialização e pela profissionalização do seu pessoal. Na mudança de um modelo de gestão «doméstico-autoritário» para um modelo «burocrático-legal», estreitaram-se igualmente as margens de manobra locais para a manutenção da ordem, que passaram a repousar menos na discricionaridade da figura do director e na co-optação informal de lideranças reclusas. Institucionalmente mais permeável ao exterior, torna-se menos nítida a faceta «totalizante» da prisão, uma faceta que se desvanecerá ainda através de um terceiro elemento novo: as redes de parentesco, amizade e vizinhança que cosem dia-a-dia o bairro e a prisão.

3Mas se internamente o campo prisional perdeu pregnância ideológica em favor da pragmática administrativa, em contrapartida seria cada vez mais solicitado no apelo punitivo que entretanto veio a caracterizar a atmosfera ideológica externa. Várias alterações legislativas vieram consubstanciar a viragem na política criminal que se operou em resposta a este apelo e que desenhou uma economia repressiva dual: uma aparente benevolência para com as pequenas transgressões e um endurecimento na punição das transgressões mais graves. Os efeitos do último ultrapassaram porém largamente os efeitos da primeira, além do que os tribunais tenderam a trilhar sobretudo no sentido da severidade os caminhos abertos pela lei. Tal severidade no processamento da criminalidade fez-se especialmente sentir no domínio do tráfico. Foi apontada a este propósito a divergência entre as concepções de que respectivamente relevam a lei penal geral e a lei da droga, mesmo tendo em conta todos os agravamentos conhecidos pela primeira: uma assente na «prevenção geral positiva», outra na «prevenção geral de intimidação». Exemplos particulares desta divergência vão desde lógicas de aplicação da prisão preventiva até a regimes processuais, passando pelo modo como são punidas figuras semelhantes, como é o caso da associação criminosa.

4Esta mudança de cenário repercutir-se-á em Tires, onde é grande o peso das reclusões preventivas, e onde não só são extensas as penas aí em cumprimento, como são de facto cumpridas mais extensamente. De resto, sem que a sua vocação no parque penitenciário português se tivesse alterado, nunca esta instituição havia antes acolhido populações condenadas a penas tão longas. A razão reside em parte na drástica redução da diversidade dos crimes que aqui trazem a população actual, homogeneamente concentrados no duramente sancionado tráfico, e mais homogeneamente ainda girando na órbita da droga dada a forte correlação que com ela apresenta a maioria dos crimes patrimoniais cometidos pelas reclusas. O acelerado alisamento do seu perfil penal acompanhou-se de um não menos súbito nivelamento do seu perfil sociográfico, um nivelamento por baixo constatado numa pauperização múltipla e na sistemática proveniência de bairros precarizados.

5Provindo dos mesmos bairros, as reclusas chegam à prisão articuladas em teias de interconhecimento combinando laços de parentesco, amizade e vizinhança. A presença maciça e por isso inédita destas redes pré-prisionais é em parte um produto de algumas lógicas de funcionamento dos campos policial e judicial. Além de parentes, amigos e vizinhos poderem ser detidos conjunta e preventivamente dada a dificuldade em deslindar as responsabilidades individuais pela droga encontrada num determinado local – mesmo que um deles a assuma por inteiro –, vários núcleos de pessoas descontínuos entre si podem ser justapostos num mesmo processo judicial, ou um feixe de arguidos com conexões parciais ver-se constituído em rede mediante a sua inclusão colectiva num processo comum. No âmbito destes processos alargados em torno do tráfico incorrem ainda no risco de uma acusação de bando ou de associação criminosa, e portanto no de uma condenação especialmente pesada. Mas o receio por parte das reclusas de neles se verem incluídas obedece antes de tudo à aspiração a um processo individual onde caiba a narrativa do seu próprio crime, onde não se dissolvam enquanto sujeito penal.

6Os efeitos colectivizantes destes mecanismos judiciários apenas refinam, porém, aqueles que se produzem a montante, sendo certo que nem todas as constelações parentais e vicinais surgem em Tires por via de processos judiciais colectivos. De facto, os elementos de cada uma poderão aí desembocar tanto simultânea quanto consecutivamente, um após outro. Ao contrário de crimes cuja sinalização repousa na queixa da vítima, a detecção dos crimes de droga assenta na investigação pró-activa da polícia. É no quadro da selectividade desse enfoque pró-activo que certas categorias sócio-espaciais atraem uma atenção policial tenaz e, por conseguinte, a probabilidade de detenção será maior no seio dessas categorias. Neste andaime da construção da suspeição o estatuto individual, quer sócio-económico, quer étnico-«racial», importa menos do que o estatuto do bairro considerado como um todo. Contextos residenciais de certo tipo constituir-se-ão assim em alvos colectivos e rotineiros da acção policial, uma acção de índole não só preventiva e investigativa, mas também demonstrativa (de controlo e autoridade sobre uma área), da qual as expressivas rusgas são um exemplo. Pessoas e bens poderão nelas ser objecto de um arresto relativamente indiferenciado, mesmo que mais tarde muito do que foi colhido nessa malha larga recorrentemente lançada sobre o bairro venha a ser libertado. É deste modo que, traduzindo uma aguda intimidade com dispositivos colectivizantes da lei e da ordem, vem a figurar no léxico prisional a expressão apanhar por tabela, onde se veicula o temor do castigo por interposta falta alheia: as reclusas trazem-na para a cadeia, continuando aí a orientar-se por ela; sucede que o staff a leve para a sua vida pessoal, olhando o mundo exterior com outros olhos.

7Mas se as teias prisionais de parentes, amigos e vizinhos se fabricam pela via policial e judicial, constituem-se também por via da economia da droga. Uma e outra avenida relevam todavia de lógicas distintas, sem que a primeira se limite a reflectir linearmente a segunda, e desenham em consequência configurações diversas. É assim que os contornos das redes prisionais de interconhecimento não reproduzem necessariamente os das redes de tráfico, da mesma maneira que a amplitude que as constelações familiares adquirem no cárcere não traduz a dimensão daquelas que operam no comércio retalhista de drogas. De facto, em lugar de uma participação concitada colectivamente e correspondendo ao projecto de uma empresa familiar, a participação dos parentes no tráfico é atomística, casuística e não delimita um universo de alianças próprio, demarcado de amigos e vizinhos. Se desta forma se distancia das modalidades familialistas do crime organizado, tal prende-se com a desigual capacidade de intervenção das estruturas familiares na «organização da vida» dos indivíduos. Nos estratos sócio-económicos mais baixos elas intervêm antes na organização da sobrevivência – mais limitadamente, portanto – e a sobrevivência organiza-se também com a intervenção das solidariedades vicinais. Cada um «irá à vida» – legal e ilegal – por si, apoiando-se aqui e ali numa retaguarda integrando indistintamente segmentos da parentela e da vizinhança. É neste continuum de parentes, amigos e vizinhos que se recrutam flexivelmente alianças e parcerias no tráfico.

8Assim como estes pequenos, fluidos e variáveis narcocírculos não estão encerrados no universo parental, também não se acantonam no universo masculino. As mulheres tomam parte neles, por vezes participando acessória e fortuitamente nas transacções de outrem – porém como associadas e enquanto parentes, amigas e vizinhas, não como mão-de-obra de reserva e enquanto assalariadas de uma organização fixa –, outras vezes tomando a sua iniciativa, mobilizando para o efeito redes vicinais femininas que lhes proporcionam quer o próprio produto através do dispositivo do fiado, quer, à maneira de brokers, o acesso a traficantes masculinos que o detenham. Mais do que por características absolutas da actividade em si, o tráfico é aqui uma arena aberta às mulheres pela conjunção de determinadas noções de género com a estrutura dos mercados retalhistas portugueses. Neste mesmo patamar, a evolução noutros contextos de uma estrutura de mercado free-lance para uma estrutura «empresarial» tornou cerradas toda a sorte de barreiras ideológicas à entrada, outrora mais ineficientes, e redundou numa organização sexuada e racializada do trabalho ilegal. Além de estratificados segundo a «raça»/etnicidade, introduzindo por conseguinte recortes nas redes de interconhecimento elegíveis, tais mercados estratificam-se segundo o género ao regerem-se por uma visão domesticizada das mulheres e ao negarem-lhes a capacidade de intimidação, masculinamente definida, entendida como necessária para vingar numa economia violenta da droga. Em contextos portugueses, não só sucedeu que a feição do mercado tivesse evoluído na direcção oposta, como prevalece actualmente o modelo free-lance, que já de si configura uma estrutura de oportunidades mais aberta. Esta vê-se ainda alargada por uma genérica debilidade dos obstáculos ideológicos à participação feminina no mundo do trabalho remunerado e no orçamento familiar, debilidade esta especialmente acentuada nas classes populares; quanto ao narcotrabalho, sendo em Portugal menos violento perde também em ethos viril, pelo que é menos operante a filtragem dos candidatos por género.

9Realidades criminais e não criminais estão em acréscimo, no caso do tráfico, entrosadas num mesmo eixo económico, embebidas nas mesmas redes sociais, imersas num espaço comum. Exercido na modalidade free-lance, o tráfico é a dobradiça que as une, permitindo a combinação e o vaivém entre ocupações e rendimentos legais e ilegais. De facto, esta actividade não representou alterações de monta nas formas de inserção económica, laboral e social das detidas, do mesmo modo que começou por inscrever-se, por um lado, na zona de continuidade entre o sector formal e informal, onde as reclusas já se moviam antes do seu advento, e, por outro, nas redes tradicionais de entreajuda que compõem a sociedade-providência. Em parte porque se alimenta e participa de características de uma sociedade semiperiférica (uma economia informal pouco controlada, uma sociedade-providência robusta, ambas amparando uma pobreza cujo perfil dominante, por sua vez, é o de uma «pobreza integrada», mas marcada pela exclusão simbólica quando espacializada em certos bairros), a economia da droga parece assumir em Portugal um carácter híbrido que a distingue a vários títulos de outros mercados, noutros contextos nacionais. Distingue-se, em particular, pela fraca expressão que nela tem o mass criminal, ou o lumpen criminal massificado, multiexcluído e multialienado que alhures emergiu maciçamente nos patamares mais baixos do narcotráfico. Neste aspecto, o mercado retalhista português mostra-se mais próximo da (des)organização de mercados grossistas de outras geografias, mas conservando-se bem distante deles noutros aspectos ainda, como sejam o tipo de redes que mobiliza e o quadro de disposições que o informa.

10As constelações de parentes, amigos e vizinhos tão salientes em Tires permanecem relativamente invisíveis nos estudos prisionais. Ora, mesmo que este tipo de laços não protagonize nos mesmos moldes e no mesmo grau a economia retalhista da droga noutros países, também aí ela motivou uma pronunciada territorialização da acção policial, cada vez mais focalizada em certos segmentos sócioespaciais, e também aí dela sairiam grandes contingentes de reclusos. Na verdade, os indícios e as referências pontuais que constam na literatura sobre prisões permitem entrever a presença dessas redes de interconhecimento prévio, mas não são questionadas enquanto tal nem lhes é atribuído relevo teórico. Independentemente do peso empírico que assumam em cada contexto – e a ser exíguo daí não decorre que seja escasso o seu potencial analítico –, é possível que a sua invisibilidade se prenda com lentes de abordagem configuradas pela definição da prisão como um quadro de interacção social cortado do exterior, uma definição que carrega em simultâneo o pressuposto de que estaria também cortado de relações sociais anteriores. E mesmo quando este pressuposto não implica que os reclusos hajam deixado o seu background cultural fora de portas, a teia de relações intramuros seria à partida prisional, tecida ab initio num hiato social e constituída segundo os cânones das instituições totais.

11Mas quando essas relações são pré-constituídas e se trata de parentes, amigos e vizinhos a sua natureza altera-se, a vivência prisional é diversa, a identidade pessoal e social não é afectada da mesma forma pela reclusão. Interior e exterior não se dispõem entre si do mesmo modo. No caso de Tires, os trajectos colectivos entre o bairro e a prisão instauraram uma continuidade entre esses dois topoi demarcados pela fronteira prisional. Em primeiro lugar, a omnipresença da prisão no bairro e o estigma do próprio bairro tornaram a transposição dessa fronteira uma marca simbólica redundante. A prisão apenas consuma a profunda estigmatização que se instituiu a montante. Não representando mais a cadeia uma marginalização circunstancial mas uma figura da marginalização estrutural do bairro, o estigma que antes assinalava deixou de ser negociável (e depois ocultável), tendo-se assim praticamente extinguido as lutas simbólicas internas, as dinâmicas de autodistanciação face às co-reclusas – e de aproximação face ao investigador. Entranhada no quotidiano do bairro, a prisão tornou-se «normal» e o circuito prisional, banal, percorrido que é com parentes, amigos e vizinhos ou em visita a parentes, amigos e vizinhos. Em segundo lugar, se o bairro vive com a prisão, a prisão vive, em múltiplos registos, do bairro. Só não se dirá, a propósito de um desses registos, que ela o parasita porque ao absorver um leque mais ou menos largo de próximos a cadeia tem efeitos pauperizantes tanto no exterior como no interior. De facto, a vida prisional não é já materialmente amenizável quando se rarefaz a retaguarda externa de apoio. Aliás, a sobrecarga da que resta induz ao colapso de certos mecanismos da sociedade-providência, mecanismos esses que ironicamente passam até a actuar, na pequena medida possível, de dentro para fora da prisão – o que a «normaliza» ainda mais no bairro. A pauperização externa também alimenta o círculo vicioso do tráfico, onde a cadeia vem tomar parte quando filhos menores se iniciam na venda na sequência da detenção dos pais, que por sua vez poderão reincidir no tráfico para dele retirar os filhos. Mas a prisão integra ainda subsidiariamente esse círculo quando os capitais gerados por uma curta – porque cedo interrompida pela cadeia – carreira ilegal são dispendidos no apoio a familiares presos ou no tratamento de filhos toxicodependentes; ou, quando os capitais se esgotam, é vista como recurso para a sua cura.

12Num outro registo, a prisão vive do bairro na medida em que a sociabilidade interna deixa de ser essencialmente auto-referencial para passar a reger-se por critérios extraprisionais ligados a valores familiares e vicinais, como a noção de respeito ou aqueles que vieram transformar o sentido e o alcance das figuras do chibanço e da receptação. E não só a solidariedade, as tensões e os conflitos mudaram de natureza, como se desenham em cenários de grande indeterminação e ambivalência dadas as frequentes implicações contraditórias daqueles valores no âmbito de um mesmo círculo de laços de proximidade. Além disso, se a face da sociabilidade se alterou pelo facto de a rede de relações carcerais se ter prefigurado antes da reclusão, isto é, pelo facto de ela ser eminentemente pré-prisional, essa ampla rede de interconhecimento que articula as reclusas entre si articula-as também a uma malha exterior comum de parentes, amigos e vizinhos, estreitando-se através dela a relação com o mundo extramuros. Deste modo, a prisão vive ainda do bairro quando o seu quotidiano é modulado pelos eventos que nele se produzem – assim como o curso do quotidiano externo é afectado pelos incidentes que nela têm lugar. Um e outro interpenetram-se, afectam-se mutuamente. Assente in loco em teias de parentes, amigos e vizinhos, pautando-se por noções extracarcerais, entrelaçando-se com a vivência externa, a vida interna deixa de ser configurada pela fronteira prisional. É neste sentido que tal fronteira se dilui. Com efeito, ao perímetro material da prisão deixou de corresponder tanto uma ruptura social e simbólica como uma ruptura temporal pela qual a reclusão fixava o presente (representado como estático enquanto coevo da pena, por isso desfasado da temporalidade do mundo livre) e o descosia do passado e do futuro. Da mesma maneira que parentes, amigos e vizinhos fizeram convergir o bairro e a prisão, trouxeram o sentido da diacronia à progressão interna e sincronizaram-na com a progressão externa.

13Além de continuar a congregar no mesmo espaço, tal uma clássica instituição total, residência, trabalho e lazer a prisão torna-se na aparência hipertotal ao incorporar física e simbolicamente o bairro. É todavia porque o incorpora, porque não é mais um hiato social e temporal, que Tires escapa a modelos teóricos como o goffmaniano, cujo eixo lógico é precisamente a ruptura intra/extramuros. E uma trama prisional intrinsecamente translocal será de igual modo arredia a um olhar que procure ou o seu texto ou o seu contexto na cadeia, quer dizer, um olhar que a priori aceita que os muros da prisão delimitam invariavelmente uma unidade de análise, tal como outrora se supunha que deles decorria inevitavelmente uma cultura. De algum modo Tires ensina que a descontinuidade que materializam não deverá ser um ponto de partida analítico mas, desde logo, uma questão empírica.

14Erodida a fronteira prisional, erodiram-se também as fronteiras internas através das quais se negociava o estigma a ela associado, uma negociação que se traduzia na recusa do nivelamento por uma condição comum e na dinâmica de oposições recíprocas pela qual qualquer diferença servia a distanciação inter-reclusas e se transformava em contraste. Há no presente, é certo, menos diferenças a explorar quando a diversidade das categorias criminais do passado deu lugar à grande uniformização que o tráfico, actualmente o principal motivo da reclusão, veio originar. Mas se a anterior economia interna da estigmatização provinha a criar dicotomias no seio de uma mesma categoria (neste caso, entre traficantes e traficantes-consumidoras), as lógicas que hoje prevalecem não só não operam tais desdobramentos como apagam várias diferenças penais ainda. É assim que emerge a categoria prisional por droga, uma configuração centrípeta que além de incluir os crimes de tráfico absorve também toda a sorte de crimes cometidos por consumidoras. Porém, muito embora a droga seja dada nesta designação emic como o denominador comum dessa configuração, o envolvimento no tráfico ou no consumo não delimita por si só a vasta zona de identidade e agencialidade colectiva que ela recobre, e da qual não fazem parte, de resto, as traficantes ou consumidoras de drogas sintéticas. Na verdade, ela constitui-se igualmente por via da classe e dos comuns estigmas pré-prisionais, bem como através dos laços de parentesco, amizade e vizinhança. Estes laços vieram, com efeito, tornar possível a conjunção de várias categorias de representação, fazendo-as convergir numa só, dado que se encontravam já conjugadas no mesmo círculo de relações de proximidade antes da reclusão.

15Tendo subvertido as fronteiras internas, este e outros entrosamentos prévios puseram também fim ao sobreinvestimento nas fronteiras entre corpos. Reduziu-se o lastro simbólico da ideia de contágio (e reduziu-se o próprio receio do contágio num contexto que lhe seria agora mais propício), de sons e de odores (que eram intoleráveis não por si próprios ou pela sua intensidade, mas por emanarem de um «outro» e sinalizarem a permeabilidade a ele), da exposição ao olhar de outrem (as barreiras da privacidade entendem-se menos violadas quando outrem não é mais um estranho mas uma parente, uma amiga ou uma vizinha). De facto, deixou de se vincar com o mesmo vigor a fronteira corporal com que outrora se protegia uma integridade do «eu» ou uma individualidade ameaçadas pela prisão. Todavia, a maioria das reclusas não assaca já à cadeia ameaças desse teor, nem a reclusão vem perturbar substancialmente a identidade pessoal dada a continuidade que entretanto se instaurou entre a prisão e o exterior. Ao invés, vinca-se no interior um sentido de comunidade que se exprime, inclusive, pelo corpo quando os ataques adquirem uma dimensão expressiva para-colectiva. Tanto ontem como hoje as ordens sensorial, cognitiva e social desenham quadros coerentes, onde o que está respectivamente em causa é cavar a distância e anulá-la.

16A lógica de comunidade que se sucedeu à lógica atomística do passado manifesta-se em práticas de solidariedade de vocação colectiva, em que a entreajuda e a partilha deixam de se exercer somente a nível interindividual e ao sabor dos rumos da afectividade, e em que a dádiva preserva o alinhamento pelos iguais. Se tais práticas são constitutivas da comunidade, são também componentes retóricas de um discurso pronto a sublinhá-las, que se apraz na sua ênfase – da mesma maneira que a retórica prisional do passado ocultava categoricamente a amizade. O discurso comunitário vive porém para além delas, alimentando-se da constância da sua própria reiteração, afirmando a convicção de um destino comum.

17A integração na exclusão que este discurso veicula encetara-se no entanto bem antes da reclusão. O bairro de origem fornece na prisão uma primeira coordenada de integração. É com efeito apenas a primeira, pois a categoria local por droga, transversal a vários bairros, cedo tomará parte nessa tarefa. Marcando uma pertença comum que abrange algumas reclusas, o bairro não marca contudo uma fronteira com outras, de outros bairros. Isto é, inclui, mas não exclui, pelo que os grupos acabam por se compor à revelia do lugar de origem. Os círculos interbairros geram-se também logo de início, por via do interconhecimento prévio, dado que no exterior tais territórios articulam-se entre si pelos circuitos do parentesco, da amizade e do trabalho. Cada bairro, por sua vez, integrará diferentes categorias étnicas/«raciais», aí niveladas por uma mesma pobreza e por uma mesma estabilidade na pobreza, por uma inserção semelhante na economia formal e informal, e por uma participação similar na economia criminal quando se dá o caso de ingressarem nela, uma vez que nos narcomercados retalhistas locais não vigora a estratificação ou a divisão étnica/«racial» do trabalho. Ao protagonizar um jogo sui generis entre classe, «raça»/etnicidade, ao qual se acrescenta uma declinação particular da economia da droga, o bairro distancia-se assim de outros complexos topográficos excluídos, como a cité e o ghetto. Diversamente destes territórios, a fronteira étnico/«racial» é aqui menos crítica – e continuará a sê-lo na prisão, diversamente de outros contextos prisionais. Além disso, se no passado era em Tires mais nítida do que no presente, era-o ao mesmo título que outras fronteiras, hoje também elas diluídas, e emergia no pano de fundo de uma população cuja composição social era diversa.

18Noções de etnicidade, bem como a noção de «orientação para o presente», serão todavia mobilizadas por membros do pessoal penitenciário para traduzir e fixar em modo cultural uma distância que se abriu em modo social, configurando assim definitivamente um «outro». Exotizando a pobreza, o staff repõe uma distância que é de quando em quando transcendida pela projecção pessoal na posição estrutural das reclusas, e evita que essa projecção interfira no seu desempenho profissional e destabilize os códigos que o governam. A fronteira entre o staff e as detidas começa então por se cimentar a partir de vários saberes disciplinares que deram, nolens volens, forma e caução a essa exotização.

19Mas o fosso que desde logo aparta estes dois estratos institucionais não é senão um avatar daquele que no exterior veio a separar dois mundos sociais e interpôs entre eles uma linha de exclusão simbólica. Circunscreve ela o bairro, já de si relegado para as margens por mecanismos estruturais. Externamente excluído e internamente integrado, o bairro continua a tecer-se nestes moldes na cadeia, que faz já parte da sua trama e onde por sua vez se acentua quer a dimensão de inclusão, quer a dimensão de exclusão. Vimos ao longo deste trabalho que a prisão se abriu ao exterior em vários planos. Além de no plano ideológico o próprio campo penitenciário ter perdido conteúdo, vindo apenas situar-se no prolongamento de instâncias que o precedem, no plano institucional a cadeia é mais do que nunca atravessada por fluxos e hetero-controlos de todo o tipo, que a articulam a outras organizações e a subordinam a outras instituições. No plano estrutural e simbólico, contudo, a prisão abriu-se ao exterior de maneira diversa. Na verdade, em vez de abertura poder-se-ia falar de dilatação, pois o seu perímetro parece agora vocacionado para abranger, em massa, o bairro. Ou, posto de outro modo, o bairro distendeu-se até à cadeia e esta nova via de exclusão colectiva não deixará de compactar outras fronteiras que o separam – ou o fecham – do exterior.

© Etnográfica Press, 2002

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540