Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Entre o Bairro e a Prisão

 | 
Manuela Ivone Cunha

Introdução. Um tricot a duas agulhas

Texte intégral

1Quando voltei ao Estabelecimento Prisional de Tires, dez anos depois de um primeiro trabalho de terreno nesta cadeia feminina, não esperava defrontar-me com as radicais metamorfoses que entretanto alteraram a natureza desse universo social e o tornaram, aos meus olhos, irreconhecível. Entre as que de imediato me interpelaram, dois factos básicos: uma homogeneidade penal e social da população reclusa, sem paralelo na história da instituição, e um inédito emaranhado de teias de parentesco, amizade e vizinhança, nas quais essa população se articula. Desta proximidade, não só sociológica e criminológica mas também feita de tangíveis laços pré-prisionais onde se intersectam centenas de vidas – quando nas prisões vêm em regra, ao invés, acotovelar-se arbitrariamente, combinadas ao acaso –, decorre uma miríade de questões que, de momento, agregaria em duas: o que significa, neste quadro, viver na prisão? Qual é, neste quadro, o estatuto teórico da prisão? Não a interrogo, por isso, para determinar se ela é produtora de conformidade ou reprodutora de desvio, mas a montante desse velho e inconcluído debate. Afinal, ele construiu-se nos termos das próprias noções sociológicas habituais a partir das quais o objecto penitenciário tem sido pensado, e são justamente essas noções que me proponho repensar à luz dos dados etnográficos providenciados por esta cadeia. Tal constituiu, no entanto, uma interrogação ad hoc, já que não antecipava a amplitude das transformações que eles acusam.

2Previa, decerto, mudança – uma mudança que se insinuava já no final da minha anterior estada. Foi essa, de resto, uma das razões que motivaram o meu regresso: expondo-a breve e vagamente, comparar o passado e o presente, um re-study, se quisermos. A outra ficaria pelo caminho. Pretendia desta feita comparar Tires – como de ora em diante pontualmente lhe chamarei, tendo inadvertidamente adoptado o tique metonímico que governa as designações locais do estabelecimento – com uma prisão de características similares, cuja inauguração no norte do país se anunciava iminente. O interesse da comparação residia no facto de a nova cadeia vir a proporcionar a aproximação de muitas das reclusas às suas zonas de residência, atenuando assim o deslassamento de relações e a ruptura com o exterior, nomeadamente através das visitas de parentes, amigos e vizinhos. Tires, por outro lado, deixaria de ter uma vocação nacional, que a faz absorver detidas de todo o País, para passar a assumir uma vocação regional. A síndrome NIMBY (not in my backyard, «não no meu quintal») – adiaria, porém, por largos anos a abertura desse estabelecimento (aliás, ainda não concretizada): infelizmente para as reclusas do Norte, município algum se dispunha a receber uma prisão nas redondezas. Inviabilizado pelo acaso, o meu projecto inicial iria, todavia, reformular-se pela necessidade. Chegada a Tires, rapidamente me apercebi que de qualquer forma iria deixar cair esse propósito, ao fim e ao cabo gorado. Se quisesse compreender sequer minimamente a natureza da profunda transformação ocorrida, precisaria de muito mais tempo do que inicialmente me propusera aí passar. O cariz dessa transformação levar-me-ia também a redefinir de alto a baixo as linhas de pesquisa que traçara. A mudança não se produziu, como até então, num pano de fundo de continuidade que me teria permitido prolongar a investigação anterior e conjugá-la com esta numa espécie de estudo longitudinal, travejado numa comparação ponto a ponto entre o passado e o presente. Nesse sentido este é, na verdade, outro estudo, não um re-estudo. Não figurarão aqui, pois, algumas temáticas centrais abordadas há uma década (cf. Cunha, 1994), quer porque não são já cruciais para entender o universo em questão, quer porque nada acrescentam à compreensão da sua metamorfose. De resto, João de Pina Cabral (2000b) discerne com justeza os problemas que desta sorte se colocam no regresso ao terreno. Uma etnografia realiza-se sempre numa determinada conjuntura. Alterando-se esta, uma nova etnografia terá muito provavelmente de formular diferentes questões, e não apenas de alimentar com (diferentes) respostas as mesmas perguntas, isto é, as que guiavam a precedente. Poder-se-á por conseguinte distorcer a historicidade que se procura captar, reincidindo num terreno, se nos espartilharmos inteiramente no rumo que outrora delineámos. Intersectar o passado e o presente é um exercício comparativo com virtualidades analíticas e metodológicas (cf. capítulo 2). Mas, reportando-me de novo a Pina Cabral, não há que suprimir o «presente etnográfico» – a pretexto de que ele elide a história de quem descreve – desde que ele evidencie a conjuntura de que a etnografia resulta e não se dê por eterno. Por mim, ao referir-me ao volvido ano de 1997, o ano em que decorreu este trabalho de campo, faço um uso abundante deste tempo verbal de convenção, não para estabelecer o carácter atemporal – logo, definitivo – dos resultados, mas com o propósito de distinguir claramente dois momentos de pesquisa: ou seja, precisamente para acomodar a história.

3Tal como este não é propriamente um re-estudo, também não é já um «estudo prisional», ou é-o apenas parcialmente. Ontem como hoje tomo a prisão como unidade de observação. Há uma década ela constituiu, além disso, a unidade privilegiada de análise, embora não o seu horizonte. Este alargava-se para incluir os processos globais e históricos que ajudavam a esclarecer as lógicas internas. Uma tal abordagem era então relativamente adequada ao universo que estudava. As fronteiras materiais da prisão – às quais correspondiam, de igual modo, vigorosas fronteiras simbólicas – delimitavam «um quadro temporário de vida específico, dotado de uma relativa autonomia, e um quadro de relações sociais com dinâmicas próprias» (cf. Cunha, 1994: 7), mesmo se os elementos da sua interpretação não estavam inteiramente contidos intramuros. Hoje, as implicações sociológicas destas fronteiras reduziram-se consideravelmente. Como se verá ao longo deste trabalho, a continuidade entre o interior e o exterior é constitutiva da prisão, a ponto de esta não poder mais ser pensada senão através de um constante movimento de zapping entre ambos. Interior e exterior serão por isso colocados em continuidade analítica, sem que o segundo se limite a ser um elemento mais ou menos preliminar ou final de contextualização do primeiro. Definiria assim o texto que se segue como um tricot a duas agulhas: o bairro e a prisão. Os fios com que se tece provêm de várias meadas, entre as quais a que providencia o fio condutor, a do narcotráfico. Trata-se, com efeito, de um eixo estruturante do trabalho, uma vez que foi na sua órbita que se geraram as principais metamorfoses da cadeia.

  • 1 Esta vantagem começa na verdade por ser uma desvantagem: como referem Akhil Gupta e James Ferguson, (...)

4Dez anos atrás, o campo dos estudos prisionais apresentava-se-me como um recorte bibliográfico pacífico, a partir do qual era aliás possível construir uma razoável grelha de leitura de Tires. Era também nele que se situavam os quadros comparativos pertinentes, esclarecendo aspectos locais quer por semelhança quer por contraste. Novos elementos etnográficos que Tires fornecia permitiam por sua vez reformular algumas asserções teóricas, mas dialogando sempre no interior deste campo, regendo-se na maioria das vezes pelas suas balizas, e filiando-se nele. No presente, e tendo procedido à necessária actualização da literatura, encontro nos estudos prisionais pouco auxílio para compreender esta prisão e as suas mutações. Se certas mudanças da mesma ordem ocorreram alhures, noutros contextos carcerais, é questão à qual tais estudos não respondem ou, quando neles as entrevejo, não parecem constituir-se em objecto de análise, marcados que estão pelo perímetro prisional (cf. capítulo 5). E assim como fui levada, pela «mão» das reclusas, a sair deste perímetro e a descentrar-me da prisão como instituição, também fui atirada para outros campos bibliográficos, que não recensearei aqui mas à medida que os dados etnográficos os forem convocando. Do mesmo modo, figurarão na estrita medida em que especificamente contribuem para iluminar os dados em questão. Apesar desses campos bibliográficos desempenharem um papel não acessório, mas organizador deste trabalho, a sua variedade (por exemplo, o dos bairros urbanos, o do narcotráfico, o da pobreza e da exclusão, o da economia informal e, evidentemente, o das prisões) e a sua vastidão respectiva fizeram-me renunciar a traçar aqui o usual «estado da arte» para cada um deles, permanecendo relegado nos bastidores. Caso contrário, arriscaria perturbar a economia do texto e a tornar bem menos perceptível um fio condutor já de si difícil de disciplinar dadas as características desta abordagem. Fui por outro lado conduzida a recortar, na encruzilhada daqueles campos, quadros comparativos próprios. Estes variarão no tempo, cotejando quer realidades contemporâneas entre si, quer realidades presentes e passadas; no modo, quer procedendo a comparações directas, quer a desvios que integram esclarecedoras realidades adjacentes; e, por fim, na escala, tendo-me defrontado particularmente neste trabalho com essa necessidade – tão bem enunciada por Christian Bromberger (1987, 1997) – de manejar quer a lupa, para aceder ao tantas vezes decisivo detalhe, quer o telescópio, para apreender configurações que só se dão a ver à distância, e onde tantas vezes outro detalhe ganhará sentido. A variação da lente, o vai-vém entre escalas de análise, partindo do «pequeno» para o «grande», para regressar ao «pequeno», contribui, de resto, para reduzir eventuais efeitos de escala (não se vê a mesma coisa de perto e de longe: e. g. o debate entre Del Hymes e Lévi-Strauss, referido a esta luz por Bromberger, 1997). Combinada com o comparativismo, esta abordagem levou-me a discernir propriedades e contornos específicos nas realidades portuguesas em que fui tropeçando na tentativa de compreender as novas lógicas prisionais. Por vezes, ambas as aproximações metodológicas alertar-me-iam para as modulações «nacionais» de categorias de representação e análise, como o seria para o caso da «raça»/etnicidade quando procurei dar conta do modo como ela se conjuga, no bairro e na prisão, com a classe, o género e o tráfico num jogo singular (cf. capítulo 6). Essa é, porventura, uma vantagem dos antropólogos da periferia1. Levados, por força da sua situação periférica, a integrar a produção científica que emana de diferentes «centros», não só beneficiarão, em muitos casos, de um maior manancial comparativo (poderei assim, por exemplo, confrontar o tráfico em Portugal com as suas modalidades nos EUA, bairros desfavorecidos portugueses com as suas congéneres cités francesas e os ghettos americanos), como ganham em distanciamento e se aperceberão com menor dificuldade da contaminação das categorias de análise pelos respectivos sensos comuns nacionais.

  • 2 Anoto de caminho que não pretendo subsumir – travestir seria a palavra – a individualidade das recl (...)

5Estou ciente de que nestas viagens cruzadas corro vários riscos interpretativos, necessários, porém, se não quiser entrincheirar-me na etnografia notarial, estritamente descritiva, de que fala Olivier de Sardan (1996: 55), ou nas circunvoluções estilísticas exclusivamente derivadas da palavra dos informantes. A esses riscos, por muito que sejam empiricamente controlados e argumentados, de qualquer forma só se escapa inteiramente se, à semelhança do rei imaginado por Borges, elaborarmos um mapa do tamanho do reino, à escala de 1:1. Dou-me também conta de que a perspectiva que orienta este trabalho, em lugar de revolucionária – como por vezes é sugerido nas introduções – caiu largamente em desuso: a sistematização do corpo de dados, a procura das lógicas subterrâneas, de padrões, tendências, armaduras, de «estruturas», se quisermos, para proferir um termo que nos dias de hoje se tem por vezes a sensação de que raia a obscenidade académica («the s-word», como lhe chama Sahlins, 1999a: 406). Apesar de vários autores, entre os quais Anthony Giddens e Pierre Bourdieu, terem há muito resolvido a aparente antinomia entre estrutura, por um lado, e agencialidade e sujeito, por outro, o simples exame da primeira parece suscitar uma reacção alérgica, como se em si próprio implicasse a opção teórica de negar os segundos2. Entende-se que os excessos do passado, em favor de uma, tenham talvez gerado anticorpos em excesso, derrapando-se para os excessos do presente, em favor de ambos os outros. Mas, parafraseando de novo Bromberger (1997), não se imporá conhecer a especificidade das regras do jogo, para adequadamente apreender a diversidade das tácticas? Não são, afinal, aquelas regras que circunscrevem o campo dos possíveis, o âmbito da plasticidade? Nesse sentido, a liberdade dos indivíduos é sempre uma «liberdade condicional» (ibidem: 305), e acção não equivale a volição (Maher, 1997). Aliás, como sustenta Sherry Ortner,

  • 3 (Itálicos no original.)

[A]ction itself has structure, as well as operating in, and in relation to, structure. (...] The idea that actors are always pressing claims, pursuing goals, advancing purposes, and the like may simply be an overly energetic (and overly political) view of how and why people act (1984: 150-151)3.

  • 4 Ver, por exemplo, Jacobs e Miller, 1998, onde tal cuidado é mais do que justificado, uma vez que se (...)

6Esta é uma abordagem enraizada na «localidade», contudo não encerrada nem tão-pouco formatada nela – ou, nos termos de Bromberger (1987), «localizada», por oposição a «local». Na tentativa de perceber as novas configurações prisionais, tive, como referi, de abrir a análise ao exterior e entabular um diálogo com a figura do bairro. Mas se o bairro aclara a prisão, a prisão aclara, em alguma medida, o bairro. Ela constitui, na verdade, uma valiosa janela a partir da qual podemos entrever certas regularidades, certas características comuns aos vários bairros de onde as reclusas provêm, em vários pontos do país, bem como propriedades similares relativas ao tráfico retalhista que se desenrola em diferentes paragens nacionais. Usufruí assim, de novo, da vocação institucional centralizadora que Tires guarda (cf. capítulo 1), outrora explícita na designação Cadeia Central de Mulheres, e que já há uma década me havia levado a escolher este estabelecimento. Frise-se que hoje as detidas não desaguam atomisticamente nele, mas em constelações de parentesco e vizinhança, fornecendo ainda cada um dos bairros múltiplas destas redes. É certo que, em primeiro lugar, o que se ganha em extensividade e em transversalidade perde-se em profundidade e densidade, que só os estudos de bairro podem proporcionar – ainda que só para cada contexto. Mas o confronto com este tipo de estudos permite precisamente recuperar alguma dessa espessura e aferir da verosimilhança das formas que se insinuam na prisão. E se se deveria de preferência falar de certas formas comuns tal como elas se insinuam na prisão, ou seja, em modo condicional e exploratório, esse mesmo cruzamento atenua os eventuais efeitos deste grão de areia. Em segundo lugar, é de levar em conta a velha asserção criminológica segundo a qual os estudos junto de populações encarceradas não são fiáveis porque lidam com delinquentes «falhados», isto é, mal sucedidos e inábeis justamente porque foram detectados. Sim, mas... depende. Depende, logo de início, do objecto de estudo: se se trata estritamente do crime em geral, a prisão não será certamente a sede mais apropriada. Naquilo que me ocupa, o crime que conduziu à cadeia entrosa-se com outras dimensões, e é convocado na medida do que traz à sua compreensão. Ainda assim, estou em crer que as reclusas de Tires veiculam uma imagem bastante aproximada do tráfico retalhista, pelo menos na sua versão feminina. Na verdade, o policiamento pró-activo desta modalidade de tráfico toma muitas vezes o bairro como alvo, o que, como se verá nos capítulos 3 e 4, relativiza a distinção não só entre traficantes bem e mal sucedidos, como ainda entre quem, de facto, delinquiu e não delinquiu. De resto, estudos no âmbito do tráfico a retalho que se dão ao cuidado de constituir «amostras» extraprisionais não referem qualquer diferença entre os participantes que já estiveram ou não presos4.

7Em todo o caso, e regressando a Tires, tomo os sentidos e as práticas que se produzem e declinam neste contexto local como sujeitos de análise em si próprios, não como estatisticamente representativos dos universos externo e interno que os enquadram. Tal como refere Olivier de Sardan,

L’enquête de terrain parle le plus souvent des représentations ou des pratiques, pas de la représentativité des représentations ou des pratiques. Elle permet de décrire l’espace des représentations ou des pratiques courantes ou éminentes dans un groupe social donné, sans possibilité d’assertion sur leur distribution statistique [...]. Il ne faut pas dire à l’enquête de terrain plus qu’elle ne peut donner. [...]. Ainsi permettra-t-elle de décrire l’espace des diverses logiques d’action ou des diverses stratégies mises en œuvre dans un contexte donné, ni plus, ni moins (1995: 104).

8Porém, se a abordagem etnográfica nada dirá quanto à representatividade quantificada de sentidos, práticas e estratégias, pode explorar o potencial compreensivo que muitas vezes encerram, e que os torna instrumentos de análise de realidades, processos e categorias mais vastos. Com efeito, se a prisão de Tires é vista à luz dos últimos, ela permite também vê-los de perto, nas suas rugosidades, nas suas transacções, no seu jogo combinado e simultâneo. Ver de fora para dentro e de dentro para fora, balançando entre os dois ângulos, abre atalhos para aceder à conexão desses domínios ou categorias, bem como às suas modalidades de constituição mútua. E é ainda no modo como operam localmente que nos apercebemos, em filigrana, de amplas e súbitas transformações da sociedade portuguesa.

9Os capítulos em que o texto se divide não entrelaçam temáticas relativamente autónomas. Antes se encadeiam entre si de forma sequencial, o conteúdo de um implicando o dos precedentes e frequentemente necessitando de antecipar o dos seguintes através de remissões. Os elementos de uns e de outros vão sendo integrados num percurso em espiral. Porque este trabalho nasceu das interrogações suscitadas por uma metamorfose, na margem entre o fim de um ciclo e o início de um outro, os dois primeiros capítulos fornecem as coordenadas dessa mudança. Contextualizando-a, são já, contudo, capítulos analíticos. O primeiro centra-se, por um lado, nas transformações institucionais de Tires, onde se conjugaram vicissitudes domésticas e tendências internacionais para «des-ideologizar» a prisão, e onde as actuais características gestionárias que nela emergem lhe dissipam os clássicos contornos de «instituição total». Por outro lado, focar-se-á as mutações políticas, legislativas e judiciárias que, à escala nacional e supranacional interpretaram, ratificaram e reagiram a um novo «alarme social», e desembocaram numa polarização da economia de repressão da criminalidade. Assistir-se-á também a um outro tipo de bifurcação, na qual se afastam entre si o direito penal geral e o direito penal da droga. No capítulo 2 serão patentes os efeitos locais destas mutações. Nele se identifica o perfil sociográfico e penal da população reclusa em Tires, e as linhas de contraste com o do passado. Identifica-se, também, o antropólogo, não só para prestar contas dos seus passos no terreno mas também para aferir as eventuais implicações da sua própria mudança na forma como apreende a mudança do terreno. Este exercício, que envolve a comparação com o passado, salda-se aliás em efeitos de controlo da perspectiva que informou ambas as pesquisas. É todavia outro o motivo pelo qual procedi a uma tal identificação nesta etapa do texto, uma etapa reflexiva que correspondeu, de resto, a um momento já adiantado do trabalho de campo (no tempo, que não em resultados), quando me dei conta da sua especial necessidade. De facto, interrogando-me acerca das razões pelas quais a minha relação com as reclusas se entabulava em moldes bem diversos dos de há uma década, percebi que hoje, tal como ontem, ela se subordinava ao regime das lógicas locais – hoje tão diversas das de ontem. Como tal, além de essa relação dever ela própria enxertar-se no objecto de estudo, contribuía, sobretudo, para desvelá-lo, ou seja, para revelar essas mesmas lógicas, que nela se encontravam emboscadas.

10Os dois capítulos seguintes examinam as razões da presença na prisão de malhas de parentes, amigos e vizinhos – esse novo facto que hoje dá o tom ao estabelecimento prisional de Tires –, bem como os seus contornos e características. Estes dois capítulos relacionam-se como duas faces de uma mesma moeda: numa, o tráfico, noutra, o modo como é posto em cena pelas instâncias da lei e da ordem; num dar-se-á conta da construção de tais constelações de interconhecimento pelos campos judicial e policial, que as constituem em «redes» criminais, noutro, do modo de formação dessas coligações na economia da droga, não coincidindo (ou apenas se intersectando por vezes) as redes que relevam dos primeiros e da segunda. Veremos assim, no capítulo 3, como se desencadearam em torno do eixo criminal da droga determinados mecanismos colectivizadores, decorrentes quer do processamento judicial dos arguidos, quer dos enfoques policiais pró-activos no bairro. No capítulo 4 será questão do outro lado da moeda, isto é, das modalidades da participação de parentes, amigos e vizinhos no comércio retalhista de drogas. Da comparação com outros narcomercados emergirão as linhas distintivas que ele assume em contextos portugueses, a partir das quais será caracterizado como uma economia da droga híbrida, semiperiférica, marcada, de resto, por traços estruturais da sociedade portuguesa e muito especialmente pelo carácter particular de que aqui se reveste a pobreza. Emergirá também a feição específica da intervenção das mulheres no tráfico e o modo como ele se veio inscrever social e economicamente nas suas vidas.

11Os dois últimos capítulos centram-se nas implicações dos laços de parentesco e vizinhança na vivência do cárcere e na forma como eles alteraram profundamente a natureza das relações prisionais. Através destas redes de interconhecimento pré-constituídas a prisão situar-se-á, no capítulo 5, no prolongamento e não na ruptura com o exterior. Ver-se-á a cadeia e o bairro numa relação de englobamento mútuo, as consequências dos extensos vácuos que a primeira abre no segundo, e a «normalização» da prisão que nele se opera. Conferi bastante relevo à relação das reclusas com o tempo – que não surge neste capítulo como um tópico entre outros – já que ela manifesta com especial clareza a erosão da fronteira prisional. O quadro carceral de Tires, que deixou de ser, a todos os títulos, auto-referencial, levará não só a questionar por novas vias as clássicas definições goffmanianas da prisão, como ainda a repensar o seu estatuto teórico e os olhares usuais que presidem à sua abordagem. O último capítulo trata da dissolução das diversas fronteiras internas que operavam no passado e da comunidade de representações e práticas que se lhes sucedeu. O sentido de comunidade é também dado no corpo, onde as ordens sensorial, cognitiva e social se cruzam para se esclarecerem reciprocamente. Identifica-se as zonas de identidade e agencialidade colectiva, o modo como os bairros figuram nelas e as razões pelas quais a «raça» e a etnicidade não constituem categorias críticas de identidade e discurso. Finalmente, a exotização da pobreza que resulta da mobilização por parte do staff de Tires de temáticas esculpidas por vários saberes disciplinares levará a que elas sejam abordadas neste capítulo sob o signo da política da representação do «outro» e da distância social.

12Antecedido de uma conclusão de ordem recapitulativa, o epílogo solta-se do corpo do trabalho ou, melhor dito, transporta-o para outras interrogações que, sem deixar de ser teóricas, são ao mesmo tempo da ordem da cidadania e impuseram também uma inflexão no registo em que esse final de texto evolui. Conduziu-me a elas a natureza – afinal, intrinsecamente política, no sentido mais lato da palavra – das mudanças repercutidas em Tires, mudanças essas que, a despeito da especificidade que aí assumem, integram a seu modo algumas tendências mais vastas da modernidade tardia; porventura, dada a crescente semelhança de temas e cenários, prenunciam ainda algumas outras que foram já resolutamente trilhadas noutros contextos. Continuando no epílogo a ser questão de certas figurações de um «outro» no seio das sociedades ocidentais contemporâneas, figurações essas convocando volvidas imagens do século que viu nascer a prisão, tratar-se-á igualmente de política – da política da diferença e da política da indiferença (Comaroff, 1996).

Notes

1 Esta vantagem começa na verdade por ser uma desvantagem: como referem Akhil Gupta e James Ferguson, o «centro» apenas contempla a antropologia praticada pelo «centro»:
Other national traditions are marginalized by the workings of geopolitical hegemony, experienced as a naturalized common sense of academic «center» and «periphery». Anthropologists working at the «center» learn quickly that they can ignore what is done in peripheral sites at little or no professional cost, while any peripheral anthropologist who similarly ignores the «center» puts his or her professional competence at issue (1997: 27).

2 Anoto de caminho que não pretendo subsumir – travestir seria a palavra – a individualidade das reclusas nos nomes próprios que lhes atribuo (pseudónimos, evidentemente). O uso do nome próprio não funciona aqui como artifício retórico dessa ordem, destinando-se antes a restituir a cada prisioneira os diversos episódios e palavras que protagoniza em momentos diferentes do texto, e a cruzá-los na esteira de um itinerário individual. A fim de cada um deles não se diluir numa profusão de nomes, estes não são por vezes utilizados para reclusas que só figurarão uma vez, a um propósito, e que situarei por outras vias. Com efeito, não recorri a informantes privilegiadas – não no sentido de frequentar mais assiduamente umas detidas do que outras, o que inevitavelmente fiz, mas no sentido de ancorar uma visão da cadeia exclusivamente em algumas delas (cf. capítulo 2), uma opção, de resto, de todo em todo legítima noutras etnografias, e consoante os objectos.
Em segundo lugar, ganhará um peso analítico no trabalho uma categoria de reclusas com um peso demográfico extremamente reduzido. Trata-se, por um lado, de devidamente cobrir em toda a sua extensão o espaço das representações e das práticas e, por outro, quer de iluminar pela diferença a categoria maioritária no presente, quer de figurá-la como um contraste significativo com o passado, onde era no quadro da categoria hoje minoritária que se produziam as configurações dominantes.

3 (Itálicos no original.)

4 Ver, por exemplo, Jacobs e Miller, 1998, onde tal cuidado é mais do que justificado, uma vez que se debruçam sobre as tácticas de evitamento da detecção policial (esta amostra incluiu ex-reclusos. Dificilmente se poderá, contudo, falar de uma amostra clássica, uma vez que os parâmetros estatísticos dos universos de ilegalidade, aos quais inere a clandestinidade, são desconhecidos. Restou então aos autores o recurso a essa técnica, tão cara aos antropólogos, da «bola de neve», em que um contacto leva a outro e a outro contacto). O mesmo se constatará em Reuter et al (1990), que, recorrendo a métodos quantitativos, não pretenderam a representatividade da sua amostra, alegando que ela apenas permitia conhecer a dimensão mínima da população de traficantes do contexto em causa.

© Etnográfica Press, 2002

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540