Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Senhores de Si

 | 
Miguel Vale de Almeida

Perspectivas

Texte intégral

1A expressão «conclusão» conjura os piores receios. Como se o processo clássico de argumentação (Tese, Antítese, Síntese) encerrasse a simplicidade que aparenta ter. Ao longo de três anos de concentração na investigação, incluindo experiências tão diferentes como o trabalho de campo, a pesquisa bibliográfica e a redacção de um texto, muitos foram os escolhos, os cruzamentos, os desvios. Por vezes suspeito que todas as clarezas iniciais se cobriram com um intenso nevoeiro…

2O simples contacto com pessoas reais no terreno, o contacto com outras formas culturais nos textos etnográficos, e o exasperante racionalismo para que a escrita nos empurra, tornam difícil concluir, no sentido definitivo, quase autoritário, da palavra. Sem qualquer falsa modéstia, não encontro melhor figura de retórica para a conclusão que aquela mil vezes já usada: está aberto um caminho para que outros melhorem o meu trabalho, avancem a partir dele, se aproximem mais da dita conclusão. Para que outros construam: porque «Construção» talvez seja uma melhor expressão que «Conclusão». Esta será — espero — também a opinião dos meus informantes e companheiros no terreno, que por certo acharão incompleto o meu retrato deles. Na verdade, são pessoas mais ricas, mais complexas, mais inconstantes, mais capazes de amor e raiva — em suma, mais humanas —, do que porventura as terei retratado. Tal é o preço de uma «interpretração antropológica».

3Tentando dar resposta às perguntas e hipóteses iniciais, é possível apresentar alguns pontos que ressaltam do trabalho. Os «tijolos» de uma construção a que falta o tecto.

4Os valores que os homens com quem (con)vivi exprimem, quando procuram expressar consensos culturais ao verbalizarem opiniões sobre si próprios e os outros, ou quando avaliam comportamentos (seus e dos outros), são os valores do que chamei a masculinidade hegemónica. São «leis» que, como os mandamentos religiosos, todos conhecem e pretendem aplicar, mas que são ideais nem sempre cumpridos e acatados pelos homens concretos.

5O efeito principal deste discurso é o controlo social. Controlo que se exerce tanto mais sobre os homens concretos, quanto mais eles se afastarem do modelo hegemónico. Isto implica um alto grau de autocontrolo ou vigilância, que se aplica a todos os domínios da experiência humana em interacção: o modo de falar, o que se diz, o modo de usar o corpo, a roupa, as atitudes a tomar perante situações de tensão, conflito, emotividade, visíveis nas situações de sociabilidade que apresentei e analisei.

6As ideias que regem o modelo central, e que são invocadas na acção controladora, e que se exprimem discursiva e praticamente, são um conjunto de significados, herdados do passado, exteriores à vontade individual de cada homem. Estes significados assentam numa simbólica em que a divisão do mundo em masculino e feminino é uma dicotomia fundamental, um princípio classificatório. Mas as pessoas não se deixam levar por um maniqueísmo absoluto, de «bons e maus» e a sua experiência social é justamente um diálogo por vezes difícil entre a complexidade polimorfa dos seus sentimentos e o simplismo dos padrões. Os sentidos reinventam-se.

7Aquela classificação não é neutra ou inocente. É valorada. A relação entre feminino e masculino não é como as duas faces de uma mesma moeda, mas sim assimétrica e desigual. Legitima uma forma de dominação, em que o género da pessoa marca ascendência ou submissão social, à semelhança da classe social, da idade, do status. Mas é uma forma de ascendência social que se reproduz na base de um processo de naturalização: a desigualdade entre homens e mulheres não é vista como um processo social mas como uma realidade ontológica. Os dominadores não têm «complexo de culpa», as(os) dominadas(os) resignam-se.

8Este estado de coisas reproduz-se em grande medida através do próprio corpo. O processo de incorporação é irreflectido, como que exterior à consciência. Daí que a política do género tenha sido a última questão da desigualdade das relações sociais a ser colocada. Na sociedade e nas ciências sociais. Em culturas da oralidade, este efeito de resistência é maior, já que, à aprendizagem mimética do corpo correspondem actividades e capacidades que acabam por legitimar, por tornar «evidente» a dominação masculina — «confirmando» a «força», a «verticalidade», a «afirmação», a «actividade».

9Todavia, como os homens e as mulheres vivem na História, e como também ao longo das suas vidas mudam as conjunturas que as orientam, e os interesses em causa, a masculinidade hegemónica não se mantêm sempre igual, nem se reproduz ad eternum. Há conjunturas de contestação e de negociação, quer da parte de homens cuja vivência masculina se afasta da norma, quer da parte das mulheres. Se tal tem acontecido nas sociedades modernas e urbanas com uma força tal que torna a política sexual numa das grandes questões do século XX, num contexto do tipo exemplificado por Pardais, tal pode acontecer por via de transformações nas relações sociais ao nível local, e da interacção com a economia e cultura mundiais.

10É comum dizer-se que os homens também são vítimas da dominação masculina. Para muitas mulheres esta afirmação poderá parecer desonesta. Mas a verdade é que o conjunto genérico das mulheres «não tem nada a perder a não ser as suas grilhetas», parafraseando uma conhecida frase, podendo-se apropriar de práticas e símbolos masculinos graças à hierarquia que os define como superiores. Para os homens é mais difícil inventarem outras formas identitárias pois, seguindo o pensamento dicotómico, a alternativa que resta é «inferior», feminina. São como aristocratas que depois de «perderem tudo» não sabem o que são. Reconhecer que o modelo hegemónico é um tigre de papel pode ser o primeiro passo para inventar novas relações sociais e novas identidades.

11Um trabalho desta natureza nunca satisfaz o autor plenamente. Todo o trabalho é work in progress: o que está dito, dito está, e a sua correcção, verificação ou apuramento deverão ser feitos em trabalhos posteriores. Simultaneamente como uma espécie de autocrítica construtiva (que vá mais longe do que a autodesculpabilização) e como um programa de investigação, parece-me útil alinhavar alguns pontos teóricos, temáticos e metodológicos para investigações futuras a partir (não necessariamente sobre) de um estudo da masculinidade e do género.

12A busca do sentido ou significado (meaning) deve consistir, cada vez mais, num «mapeamento» exaustivo das áreas semânticas e de acção relacionadas com o género, como sugeriu Marilyn Strathern, e não apenas numa focagem da sexualidade ou da divisão masculino/feminino como divisão homens/mulheres. Os trabalhos etnográficos precisam de contemplar os mapas cognitivos e os sistemas de classificações que abrangem o género ou partem dele, ao mesmo tempo promovendo a comparação. É assim que, ao falar de género, não se pode falar só de sexualidade, mas também de espaços, tempos, artefactos, situações, teorias folk do corpo, da fisiologia, da reprodução.

13Esta tarefa hermenêutica é, de certo modo, mais fácil no que diz respeito a textos strictu sensu e a textos metafóricos, como rituais, performances, etc. É mais difícil no que diz respeito a histórias de vida (sempre re-apresentadas nos diferentes momentos de recolha), ao processo de incorporação (não verbalizável), e ao estabelecimento de relações totais entre subsistemas de classificação (por exemplo, encontrar correspondências entre os aspectos de género de um ritual, o simbolismo de objectos de cultura material e o uso do corpo no trabalho, etc.).

14Apesar disto, alguns aspectos mais «duros» da experiência humana têm sido contornados pelas ciências sociais, talvez porque tenham sido entendidos como dados da biologia, tabulas rasas sobre as quais a cultura se inscreveria. O estudo do corpo socializado e subjectivado e dos processos de incorporação está apenas a começar. A antropologia tem uma dificuldade de ordem metodológica em avançar nesta área, em grande medida por causa do «império do verbo» na recolha de dados e de exposição de resultados. Eventualmente, isto poderá ser ultrapassado com o recurso a técnicas da antropologia visual. Mas a área de estudos sobre ritual, teatro e performance contribui já com um conjunto de pontos de partida: o estudo de uma instância ritual e performativa, entendida como facto social total e alvo de uma etnografia minuciosa — e participativa —, poderá elucidar muito sobre os significados dos usos do corpo e da gestualidade. A antropologia começa agora a debruçar-se sobre os processos de incorporação de uma forma que ultrapasse o estudo das representações do corpo ou do corpo como receptáculo passivo do poder, mas sim como «base existencial da cultura» (Cordas 1990). Mas ainda se terá de esperar por uma verdadeira antropologia a partir do corpo e não só sobre o corpo. Simultaneamente, a análise discursiva, sobretudo se baseada numa pragmática do discurso, poderá elucidar o trabalho cultural sobre o género, o que está já a acontecer com o estudo das emoções.

15E este trabalho sobre Pardais (ou a partir de) precisaria de comparações com outras regiões de Portugal, outras classes sociais, e outros contextos de interacção: para ver, por exemplo, o que há de comum e diferente, entre um pardaleiro e um gestor de empresa…. A própria etnografia da masculinidade é nova, na medida em que novo é o questionamento da masculinidade como algo de «problemático» por parte dos próprios actores sociais masculinos. Por isso os primeiros esforços têm sido sistematizadores e muito dependentes da teoria. Falta uma micro-etnografia, que pode ir do estudo aprofundado de um ginásio de cultura física e das imagens de hipermasculinidade, até à adopção de modas de vestir «andróginas» por subculturas urbanas específicas.

16A organização social e cultural dos usos dos corpos humanos enquanto veículos de erotismo, sexualidade e reprodução, continua, porém, na ordem do dia. Talvez mais ainda, se se considerar a epidemia da Sida ou a explosão demográfica. No primeiro caso temos a questão do uso privado do corpo, da obtenção do prazer como algo do domínio íntimo mas que apresenta um potencial epidémico que é da ordem do colectivo. No segundo caso, temos uma ligação directa entre o potencial reprodutivo humano e o futuro de bem-estar social e ecológico da Humanidade como um todo. No Terceiro Mundo, são as mulheres que constituem os maiores contingentes de pobres, analfabetos e pessoas sem poder e cidadania. Em ambos os casos, género e sexualidade apresentam-se como as charneiras entre a identidade pessoal e a instância político-económica, como pontos simultaneamente de resistência e revolta. Paralelamente, a crescente «personalização» da sexualidade nas sociedades modernas, junto com a criação de identidades sociais de grupo com base em discursos e práticas sexuais, obrigam-nos a levar em linha de conta não só os processos sociais e culturais próprios da modernidade, como também os processos de globalização em que, por exemplo, as construções ocidentais modernas do género e as análises das ciências sociais são veiculadas às populações, regressando à etnografia sob forma de construções sempre novas — um fenómeno próprio da «dupla hermenêutica» das ciências sociais de que Giddens fala, mas que é também dupla hermenêutica dos discursos sobre e a partir do sexual. Isto gera, por exemplo, processos de redefinição e também de crioulização. Em sociedades multi-étnicas, corpo, género e sexualidade são mobilizados para a definição e redefinição constantes da etnicidade e da identidade pessoal.

17O campo de estudos do género, como espero ter mostrado neste ensaio, participa do momento experimental em que a antropologia se encontra. Apela à transposição das clivagens entre as «gramáticas» de Durkheim (como ênfase na estrutura social e na ordem), de Marx (como ênfase na história e na economia política) e de Weber (como ênfase na acção e na constituição de sentido). Apela, antes, à sua confluência: os significados culturais de determinadas construções sociais do género são, primeiro, prévios aos indivíduos e constituintes de um quadro ordenador para a reprodução humana e social; em segundo lugar, participam de disputas pelo poder, dependendo das diferentes estruturações deste ao longo da História e participam de uma economia política do sexo (hoje, uma «economia-mundo» do sexo e do género); e são manipuláveis pelos indivíduos na constituição dinâmica e inventiva das suas identidades. Assim como é um campo temático óptimo para o exercício de posturas hermenêuticas, reflexivas e engajadas na transformação do mundo.

18A cultura deve ser cada vez mais entendida como um campo fluido e em constante (re)definição, interface entre acções individuais, relações sociais e heranças tradicionais. Se nas sociedades ditas tradicionais, o sentido (das crenças, das práticas, da sociedade) é largamente pré-atribuído, por referência à tradição do passado (que, assim, também orienta e limita as decisões para o futuro), na sociedade moderna — global — há uma procura constante de um sentido que não é pré-atribuído, mas em larga medida constituído e disputado por indivíduos e grupos, cuja identidade nem sequer é perene.

19Gosto de pensar que a desconstrução da masculinidade, porque construída como socialmente dominante, implica um desafio diferente, talvez maior, de inventividade cultural, por comparação com a libertação feminina; está simultaneamente no centro do projecto antropológico, no centro do seu momento experimental e reflexivo, e no centro de uma das maiores transformações sociais testemunhadas pelo mundo moderno.

20Shakespeare já tinha compreendido o mistério que aflorei e, como ele, acabo com um ponto de interrogação:

«What is your substance, whereof are you made,
That millions of strange shadows on you tend?»
(Soneto 53)

MAPA ESQUEMÁTICO DA FREGUESIA

MAPA ESQUEMÁTICO DA FREGUESIA

MAPA ESQUEMÁTICO DA ALDEIA

MAPA ESQUEMÁTICO DA ALDEIA

Table des illustrations

Titre MAPA DA REGIÃO
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/470/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre MAPA ESQUEMÁTICO DA FREGUESIA
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/470/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre MAPA ESQUEMÁTICO DA ALDEIA
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/470/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/470/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 74k

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540