Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Senhores de Si

 | 
Miguel Vale de Almeida

V. Da terra à pedra

Trabalho, Poder, Conflito

Texte intégral

1No capítulo I a região em que Pardais se insere foi definida como economicamente dependente da indústria da extracção dos mármores. A mudança da agricultura latifundiária para esta actividade acarretou mudanças sociais de que a masculinidade não fica excluída. Neste capítulo tentarei traçar o quadro do sistema de produção e das relações sociais que ele envolve, prestando atenção ao modo como o discurso e a prática do trabalho são constituintes da masculinidade e por ela constituídos. Para tal, os temas culturais locais do «trabalho», «ricos e pobres» e «respeito» serão elucidados em conjunto com aspectos como o clientelismo e o patrocinato, a visão hierárquica do mundo, o poder político, a inserção na economia-mundo e as tensões latentes nestes aspectos.

2Mais do que as estatísticas, a interpretação poética exprime a visão local da dependência da população na actividade das pedreiras e como ela molda a própria identidade da sub-região:

«De Pardais até Sousel
é uma pedreira seguida
muitos juntam capital
outros perdem lá a vida.

Ó que riqueza tamanha
que o Alentejo tem
tem pedra que chega bem
para Portugal e Espanha
para a França e prá Alemanha
pró Egipto e Argel
a pedra de Bencatel
é bastante elogiada
há tanta pedra arrancada
de Pardais até Sousel.

Com a broca e um ponteiro
com a grua a puxar
são capazes de arrancar
pedra para o mundo inteiro
pró país e pró estrangeiro
pra onde tenha saída
pedra curta ou comprida
pedra de todo o tamanho
eu por saber já não estranho
é uma pedreira seguida.

Há pedra azul e corada
há branca e cor-de-rosa
qual é a mais rendosa
depois de ela fabricada
mesmo bem avaliada
ninguém sabe quanto vale
podem ir a tribunal
à frente de três juízes
lá morrem os infelizes
muitos juntam capital.

O italiano é que diz
a pedra do Alentejo
entra em todo o colégio
brilha em todo o país
arrancada da raíz
de onde foi produzida
depois da pedra colhida
há pedra em todo o lado
muitos têm enriquecido
outros perdem lá a vida».
(
José Seco, poeta)

3Três aspectos são de realçar nesta décima. Primeiro, a consciência da inserção da economia local na economia global; segundo, e apesar de ter havido um processo de maquinização e semi-industrialização, a natureza extractiva desta indústria faz com que seja, ainda assim, vista como algo de ligado à terra, uma «colheita»; terceiro, a descrição da actividade surge como inseparável de juízos de valor sobre como uns «fazem capital» e, no extremo oposto, outros «perdem lá a vida». Estes elementos surgirão mesclados no que se segue, já que a desigualdade social se define por uma justaposição destas linhas, nomeadamente na presença do patrocinato, na semiproletarização e na dicotomia ricos-pobres como alternativa à «consciência de classe».

4Segundo a Direcção-Geral de Geologia e Minas, há uma elevada concentração da extracção de mármores na região do «Triângulo» definido no capítulo I. Aí se produz 85% do total nacional daquela pedra ornamental, com 2.4% das empresas produzindo 40% do mármore extraído em 15% do total de pedreiras. Em 1986, apenas 9% das empresas tinham mais de 50 operários e 81% tinham 20 ou menos operários, pelo que todas caem na categoria de pequenas e médias empresas; a maior tem menos de 300 trabalhadores (Neves 1991). Segundo este estudo, o crescimento da indústria de extracção tem sido grande na última década: uma taxa de crescimento médio da produção total de 7.7% entre 1977 e 1984, e uma taxa de crescimento médio do equipamento instalado (em potência) de 10%; no mesmo período a mão-de-obra do sector cresceu a uma taxa média de 3% (Neves 1991). Acrescente-se, desde já, que a actividade transformadora não é significativa (sendo feita fora da zona, em Portugal, e sobretudo no estrangeiro, como é o caso de Espanha ou Itália), o que coloca a actividade produtiva dos meus informantes no fundo da cadeia produtiva como extractores de matéria-prima.

5Uma primeira visita às pedreiras é uma experiência inolvidável. Toda a paisagem a caminho de Pardais, vindo do Norte, é como que «lunar», com os solos esventrados e os pescoços das gruas pontuando o horizonte. As escombreiras dos detritos vão aumentando, ao ponto de se comprarem terras agrícolas com o único fim de servirem de lixeiras. Pardais, até há pouco tempo poupada paisagisticamente a este flagelo, viu crescer, nos últimos meses da minha estada, uma escombreira ameaçadora no seu horizonte; quando regressei ao terreno um ano depois, triplicara de tamanho. Quanto às pedreiras em si, só na sua orla é que nos apercebemos da sua profundidade: são como imagens de edifícios em negativo, podendo atingir os 30 e 40 metros de profundidade.

6O Beto e um amigo levaram-me um dia na minha primeira visita guiada às pedreiras. Concentrámo-nos na mais antiga de todas, pertencente à empresa Marmetal. Está situada na Fonte da Moura, propriedade da família Capucho, depois de comprada à família Conceição. Foi ali que outrora o sr. Altino Valente guiou as suas mulas aquando dos alqueives para o trigo (ver capítulo III).

7A produção das pedreiras consiste em blocos de mármore com qualidade e dimensões comercializáveis, destinados às empresas de transformação e à exportação. A qualidade é definida pela fracturação e «vergada» (cor não homogénea, com fios e manchas de cores diferentes). Como o mármore local é muito fracturado e vergado, apenas 30% da pedra desmontada tem valor comercial. A exploração da pedreira começa pela delimitação da área de extracção e pela remoção das terras. De seguida definem-se as direcções dos cortes primários, de modo a destacar grandes massas. São estas que são então reduzidas a blocos de menores dimensões (o «desmonte»), o que se faz com «guilhos», talha-blocos e martelos pneumáticos. As massas são então derrubadas e içadas para fora da pedreira por meio de gruas, onde são reduzidas a blocos mais pequenos (Neves, 1991).

Hierarquia no trabalho

8Beto é cabouqueiro, como a maioria dos homens em Pardais (ver capítulo I). Na visão local, a hierarquia de postos de trabalho abrange cabouqueiros, operários não especializados; maquinistas (quer trabalhem com tractores, gruas ou fios e lâminas de corte); e encarregados. Fora do contexto diário do trabalho na pedreira, uma categoria àparte é constituída pelos que não exercem trabalho braçal: os empregados de escritório, os engenheiros, os patrões. Como dizia Zé Seco (filho do poeta do mesmo nome, autor da poesia acima transcrita):

«Primeiro, o patrão, depois o engenheiro, e o fiscal, que mede e vende; a seguir, o encarregado, que põe os homens a trabalhar. Depois, então, os homens dos barrancos: primeiro os maquinistas, e também os das gruas, mas estes ganham mais (120 contos) que os outros (85 contos). E os últimos são os cabouqueiros»

9Como já disse, a maioria dos meus informantes eram cabouqueiros. Antes, pois, de os ouvirmos e procurarmos entender, o estudo de Neves (1991) é útil para definir as características intermédias dos encarregados. Neste trabalho, que se refere a um conjunto de empresas na vizinha freguesia de Bencatel em 1984 (embora inclua dados para o total da indústria), os encarregados constituíam cerca de 10% dos trabalhadores na extracção (em Pardais 18%, cf capítulo I). No período entre 1977 e 1984 houve um crescimento médio dos operários de 2.4% e de 4.8% para os encarregados (dados referentes ao total do Alentejo).

10Geralmente, um operário chega à pedreira sem formação, com pouca qualificação escolar e vai aprendendo o seu trabalho através da prática. Entre os meus informantes, a típica história de vida masculina começa com o abandono da escola por volta dos 13 anos para ser aprendiz de cabouqueiro enquanto vive com os pais, passando a cabouqueiro por altura do casamento. Como dizia Beto: «Estava eu com 13 anos na 3a classe, com corpo de homem feito, no meio de gaiatos! Ora! Fui mas foi para as pedreiras!»

11O cabouqueiro não tem posto fixo no trabalho, à semelhança das máquinas, em especial os fios de corte (helicoidal ou de areia, e de diamante), que se podem colocar quer na horizontal quer na vertical em vários pontos da pedreira. O próprio trabalho varia bastante, não sendo possível definir de uma vez por todas um método de trabalho aplicável a toda e qualquer situação. A decisão sobre o que fazer assenta na experiência.

12Esta é adquirida ao longo do tempo de uma vida. O cabouqueiro pode adaptar-se a qualquer pedreira graças ao domínio do ofício da pedra. Ao longo da vida, depois de começar como aprendiz, passa a praticante de cabouqueiro, a cabouqueiro e, quiçá, a mestre e contra-mestre. A passagem de um grau a outro depende de uma espécie de reconhecimento geral do aumento das suas capacidades: por parte do mestre, mas também por parte dos colegas, que o vão como que «elegendo» para dirigir os pequenos grupos que se organizam em torno do corte de um bloco. A idade constitui, aqui, um factor de peso, mas o que é determinante é a cultura da experiência. Aqui não há cursos, formação profissional, graus e exames. Nesse sentido a especialização não é total e, logo, tãopouco é radical a diferença em relação aos parâmetros de ruralidade do passado. As características comportamentais que levam à eleição de um homem como mais apto para subir na hierarquia ligam-se, muitas vezes, a factores exógenos à pedreira: parentesco, amizade, prestígio, «respeito», comportamento na comensalidade e na sociabilidade; em suma, em elementos comuns à definição do que é «ser um homem [nos dois sentidos] às direitas».

  • 1 «[honra] conveys a self-image deeply involved with the endless search for wordly success and fame, (...)

13O encarregado — como no caso de Caralinda, por exemplo —, é o homem que tem uma capacidade, mostrada na prática, de organizar e decidir sobre o trabalho da pedreira. A sua origem social é rigorosamente a mesma que a do cabouqueiro, bem como a sua escolaridade; apenas conseguiu, no processo longo e reiterado da tentativa e erro, vingar. Mas outro elemento importante é a capacidade de incorporar as experiências decorrentes das relações de poder no local de trabalho, a absorção de valores e de uma ética próprias do meios (Neves 1991). É um processo de socialização que leva, nos casos bem sucedidos, ao «respeito». Eu acrescentaria que esta característica — central na definição do prestígio da pessoa, como a literatura sobre a «honra e vergonha» mostra1 —, é também adquirida e verificada fora do trabalho, quer na aldeia de origem comum dos trabalhadores, quer na sub-região, onde o fluxo de pessoas e visitas é significativo. Como diz Neves, «a qualificação individual aparece claramente neste contexto como uma produção colectiva. O saber profissional a que o aprendiz acede progressivamente é pertença dos cabouqueiros tomados tanto individualmente quanto como grupo» (1991:11).

14Caralinda começou a sua carreira aos 17 anos. Na pedreira onde se encontra actualmente, depois de um contrato inicial de 15 dias, o patrão «gostou dele»: trabalha ali há dez anos «ou seja [o tempo de talhar] três pisos». Segundo ele, o encarregado é escolhido pela sua «esperteza», que ele vê como a capacidade de criar harmonia entre os trabalhadores. Para tal, é fundamental que estes sintam que são respeitados pelo seu sacrifício, incorporado na actividade braçal, e não desprezados. Caralinda diz que nem sequer sabe escever bem, pelo que a escrita é feita por outros, sob suas instruções, o que reforça a ideia de que não é a especialização profissional, «letrada», que origina o valor de um encarregado. Para mais, os filhos substituem-no quando é preciso, o que faz da estratégia de vida do encarregado uma estratégia reprodutiva do seu próprio grupo doméstico.

15Numa entrevista videogravada com Caralinda, ele faz uma preciosa comparação entre os métodos de trabalho «antigos» e os «modernos», os primeiros vistos como «escravatura», os actuais como «facilidade». Os avanços na maquinização foram de facto grandes, desde os anos 1930 para cá. A força física perdeu o peso que tinha anteriormente. O sr. Altino Morais, por exemplo, descreve o trabalho «à antiga», como «feito à mão»; a sua apreciação sobre o processo de trabalho de hoje é taxativa: «é menos duro, senão como é que eles se vestiam todos bem à noite para saírem?». Antigamente (anos 1950), segundo ele, ir para as pedreiras significava obter um emprego fixo, mesmo que tivessem de vir de Juromenha a pé ou de bicicleta. A força de trabalho braçal era, aliás, tudo o que os homens tinham para oferecer, ao passo que agora há uma maior afectação de muitos operários a determinadas máquinas (o que se vê na declaração da profissão no questionário aos grupos domésticos, com preciosismos na auto-identidade profissional, como «cortador de fio de areia de 1ª classe»). Neves analisa este carácter ambíguo e transitório do trabalho nas pedreiras:

«Apesar destas alterações na qualificação do cabouqueiro, este permanece como um operário de ofício, possuindo uma formação polivalente, completa, dominando a arte da pedra através de ferramentas e máquinas de várias gerações. Os trabalhadores da pedreira formam uma equipa de trabalho, com o mestre e o contra-mestre a organizarem e a distribuírem por eles o trabalho. A autoridade destas chefias directas mantém-se incontestável e a organização social da pedreira não sofreu grandes alterações. No geral, o predomínio do trabalho de equipa face aos postos fixos não foi contrariado, pois os cabouqueiros juntam-se frequentemente para montar e accionar uma máquina, para preparar e criar as condições de deslocamento de uma massa destacada…» (Neves 1991:14).

16Porque se trata do Alentejo, a descontinuidade com o velho mundo rural não parece grande, já que, na agricultura latifundista, os homens vendiam a força de trabalho como jornaleiros a vários patrões e para tarefas multifacetadas e pouco especializadas.

17O encarregado, na viragem do século, detinha responsabilidades em todas as áreas de produção: contratava operários, pagava-lhes os salários, despedia-os. Com a maquinização — e eu acrescentaria, com os interesses de capitais estrangeiros em muitas empresas —, cada vez mais os engenheiros de produção e outros técnicos intervêm nestas áreas. Ainda assim, os conhecimentos técnicos formais, de engenharia ou geologia, não bastam para aumentar o rendimento. Os encarregados, como aliás os operários, adquiriram uma prática na «leitura» da pedra, do terreno, semelhante à capacidade aparentemente intuitiva do camponês em adivinhar a potencialidade de um solo. Como dizia um dia o Zé Seco (filho do poeta do mesmo nome cuja poesia está acima transcrita), no que considero uma das declarações mais bonitas recolhidas no terreno: «Se o senhor olhar para uma pedra, vê tanto como eu se olhar para a sua escrita. A gente olha para a pedra como o senhor para a sua escrita».

18As decisões acabam por ser tomadas em conjunto, por encarregados e técnicos especializados. Aquele tem, assim, duas vertentes de actividade: a técnico-organizacional, respeitante à planificação, preparação e distribuição do trabalho da pedreira, e a social, que o define como intermediário hierárquico e como dirigente de homens. As exigências dirigidas aos encarregados têm que ver com o cumprimento de prazos, manutenção de um certo ritmo de trabalho, disciplina técnica e social, exigências essas que vão no sentido de uma rentabilização do equipamento, dos homens, do espaço, do tempo (Neves 1991). Tal não significa, porém, a entrada total do encarregado na cultura do lucro e da economia; não é ele o gestor. Talvez por isso, o sr. Caralinda, num mesmo dia, esteja em conferência com os engenheiros e, à noite, bebendo um copo com os seus homens no café.

19Para os operários fica o «fazer», para os encarregados o «mandar fazer». A capacidade de «mandar fazer» tem de ser reconhecida pelos mandados, razão pela qual a idade é um factor importante, pois no ethos local, a hierarquia da idade como sinónimo de saber feito, mantém-se viva.

20O encarregado contacta frequentemente com o encarrega-do-geral, que faz a supervisão de todas as pedreiras de uma empresa, constituindo-se assim em elemento de ligação, criando laços que fazem com que se mantenha muitos anos na mesma empresa, ao contrário dos cabouqueiros. Sob a alçada de cada encarregado estão geralmente cerca de 10 operários, bem como um contramestre que o substitui na sua ausência. A sua autoridade é limitada pela ética do respeito mútuo: deve vigiar, mas com limites, pois ultrapassando-os pode criar atritos; a sua experiência fá-lo perito em gestos, comportamentos, atitudes corporais adequadas à segurança, pelo que cumpre também o papel de educador dos corpos; em geral o que busca obter dos operários é o «respeito», que lhe é devido pela sua posição, por um lado, mas, e sobretudo, que deve ser conquistado, merecido, espontâneo por parte daqueles. O «respeito» é isso mesmo: tem-se por inerência de status (um filho por um pai, um empregado por um superior hierárquico, um aluno por uma professora, etc.), mas deve-se dar «provas de respeito»: honestidade, franqueza, saber encarar ameaças e provocações de frente, dominar a retórica da linguagem, ter sentido da medida nos gastos, excessos e prazeres, prover a mulher e os filhos. Tal como na «honra», o respeito (que se pode entender como a glosa local de «honra») é um bem periclitante, quer por ameaça dos outros (o mau comportamento dos que dele dependem), quer por ameaça das tentações e vícios próprios. No trabalho, os encarregados esperam encontrar nalguns homens certos traços de personalidade, como o «interesse», o «empenho», o «gosto», que podem acelerar o período de aprendizagem e levar a que ele os escolha e os ajude a «subirem». Aqui surgem inevitavelmente problemas com o nepotismo para com os parentes mais chegados.

21Na pedreira em que Zé Seco (Jr.) trabalha, no 30º ano da sua actividade, o patrão só se comoveu e chorou quando beijou o encarregado antigo. «Com ele tirava-se uma média de 600m3, agora só se tiram 150»; um homem descrito como alguém que sabia comandar: era eficaz, era justo, nunca admoestava os homens na presença de terceiros, e não fazia «coscuvilhices». Como para rematar a superioridade moral do homem como alguém a quem se podem desculpar até algumas heterodoxias, disse: «e não era casado, era ajuntado».

Estratificação social, trabalho, respeito

  • 2 A operacionalidade do conceito de Honra e Vergonha tem sido fortemente contestada. A literatura med (...)

22Falámos até aqui da divisão hierárquica no trabalho. Poderíamos ter falado também de estratificação social, especialmente de classes sociais. Não quero ser acusado da pouca atenção a este tópico, como o foi a literatura da «honra e vergonha», onde por vezes se confunde status com classe2. Se o critério usado para definir as classes sociais for a clássica propriedade dos meios de produção, então estaremos perante uma divisão entre os patrões das pedreiras e todos os trabalhadores, encarregados incluídos. Mas parece-me que o mais interessante é tentar compreender não as classes e o status segundo complicadas discussões teóricas, mas sim qual a teoria folk sobre a hierarquia social, situando-a na dinâmica da forma de trabalho local, interligando esta com as outras práticas sociais e, sobretudo, para compreender a sua função na masculinidade. A divisão apresentada por Cutileiro (1977) entre «ricos e pobres» é um ponto de partida que se pode aplicar a Pardais.

23A visão do Alentejo apresentada por Cutileiro e útil em dois aspectos (além de, infelizmente, ser o único trabalho antropológico abrangente sobre a região publicado até à data): porque fala de uma realidade semelhante à de Pardais há algumas décadas atrás; e porque na sua obra está delimitado um sistema cultural de símbolos e significados que prevalecem em Pardais, se bem que moldados a novas circunstâncias. Ao nível da estratificação social, em Vila Velha definiam-se quatro grupos representativos: os latifundiários, os proprietários, os seareiros e os trabalhadores rurais. Os primeiros não viviam na freguesia, e as suas redes de parentesco ramificavam-se para lá do concelho. Proprietários absentistas por excelência, Cutileiro diz que herdaram a terra que possuem, defendendo por isso um sistema em que se adquire, à nascença, um determinado status, ao contrário dos trabalhadores que, nada devendo aos antepassados, têm como único capital o seu trabalho: a nobreza do trabalho é que confere determinado status ao trabalhador (Cutileiro 1977:62).

24O grupo dos proprietários era formado pelas pessoas, da freguesia, que se mantinham exclusivamente com os rendimentos das terras que possuíam; lidando mais de perto com os trabalhadores, sem feitores de permeio, o seu grupo tem origem na aquisição de courelas proveniente da divisão dos baldios na viragem do século; Cutileiro afirma que, como sinal de «respeito», os trabalhadores antepunham ao seu nome a palavra «senhor». Os seareiros, por sua vez, a que me referi no capítulo III, eram um grupo periclitante, avesso ao declínio social através do casamento com trabalhadores, e o grupo mais castigado pela migração. Todos estes três grupos, quer trabalhem ou não as próprias terras, ou empregavam homens ou eram patrões de si próprios: esta a grande diferença em relação aos trabalhadores, contratados ao ano, à temporada, à semana ou ao dia.

25Cutileiro dá relevo a um tropo cultural que em Pardais é igualmente saliente: o «trabalho»:

«Trabalho abrange todas as tarefas agrícolas que se executam por um salário, assim como as condições em que se desempenham. Exclui, por conseguinte, as restantes formas de ganhar a vida. Os artesãos são artistas; o seu labor é uma arte, não um trabalho. Os lojistas, caixeiros e vendedores ambulantes também não trabalham (…) Os lavradores, como é óbvio, não trabalham.» (Cutileiro 1977:76)

26Para os trabalhadores, o lavrador alcançou o ideal egoísta do homem: viver sem trabalhar, sem com isso perder o prestígio. Cutileiro refere ainda que, na sequência do estabelecimento de uma fábrica na freguesia, surgiu a nova categoria do «operário». Vistos pelos trabalhadores rurais como «tendo de ter» um padrão de vida superior ao seu, a sua actividade não é considerada «trabalho».

27Ora, em Pardais não se passa isto. Em parte, como disse, pela natureza «extractiva» da actividade das pedreiras. Em parte, porque os Pardaleiros terão re-interpretado a sua condição social, homologando-a à noção de trabalho antiga. Mas creio que, sobretudo, porque o que está em causa no significado cultural de «trabalho» é a condição de ter de vender a força de trabalho e a natureza braçal, física, da actividade em si. De alguma forma Cutileiro acaba por confirmar isto: o facto de o trabalho agrícola se contrapor aos valores do «andar direito», da «cabeça erguida», do «homem às direitas», ligando postura física a firmeza moral (1977:80). Por isso o «trabalho» é um campo semântico ambíguo. A proverbial preguiça alentejana da visão etnocêntrica do resto do país, tem em parte uma justificação no real: a resistência surda à alienação e à exploração (sendo o resto — a noção essencialista de preguiça — preconceito etnocêntrico).

  • 3 Ver também Boissevain (1974) e Riegelhaupt (1967).

28Um outro aspecto focado por Cutileiro tem que ver com o patrocinato. Cutileiro diz que as relações de patrocinato advêm das necessidades resultantes da consciência de que as coisas da vida a que se pode ter acesso são escassas e conseguem-se graças ao privilégio, o qual só se atinge mediante a protecção de alguém situado perto da fonte de onde emana o benefício desejado (1977:271). Estabelecem-se para tal relações pessoais de permuta de favores que são, em si, desequilibradas. O que o cliente tem para oferecer é menos valioso que o benefício que obtém do patrono. A ideia subjacente é a de que a sociedade está mal organizada competindo ao esforço individual, mais do que ao colectivo, remediar a situação. Davis (1977) definia o patrocinato como uma relação que ocorre sempre que um homem adopte uma postura de deferência em relação aos mais poderosos, conseguindo assim o acesso a certos recursos; e chamava a atenção para o facto de o patrocinato não ser uma mera extensão da amizade, do parentesco ou de relações espirituais, mas sim o conjunto de modos como a autocracia dos magnates locais é controlada pelos mais fracos (Davis 1977:132-135)3.

29As classificações que nós possamos estabelecer sobre a estratificação não correspondem, porém, às categorias locais. Estas seguem um princípio dicotómico, o de «ricos e pobres». Este princípio é como que os dois pólos extremados de uma escala. É um princípio classificatório, como o que vimos para «masculino e feminino», «activo e passivo». E traduzem-se mutuamente, já que a pobreza é tendencialmente passiva, logo feminizante (isto é, desprestigiante), e vice-versa para a riqueza.

30«Somos pobres. Quer dizer, vivemos bem, mas somos pobres porque trabalhamos», disse-me Beto, no que é o discurso-chave do cabouqueiro. Mesmo ganhando bem em comparação com o que auferiria caso fosse jornaleiro rural, o cabouqueiro inclui-se no grupo dos pobres: vende a sua força de trabalho, o seu trabalho é braçal, e o seu poder é limitado (poder entendido como capacidade para controlar autonomamente as condições da sua existência). Se no pólo oposto, o dos «ricos», estão os patrões, o encarregado é no entanto um igual dos pobres.

31A utopia política local fala da «igualdade». Esta não existe porque, na natureza dos «ricos» existe uma falta — a «ambição» — que lhes permite estrategizarem pessoal e egoisticamente para a obtenção do controlo dos bens escassos. Isto faz com que, no trabalho, à semelhança da amizade e dos grupos masculinos do próximo capítulo, haja uma igualdade de circunstâncias que leva a que os mesmos princípios éticos da amizade sejam idealmente usados na ética do trabalho. Beto, por exemplo, falava muito das amizades feitas no local de trabalho e sobre o respeito. O respeito pode significar distância social, marcada pelo tratamento por «tu» ou por «você». Noutra acepção, é o resultado de características morais e éticas dos iguais sociais que os tornam em pessoas dignas de confiança: assenta na «verdade», na recusa da mentira, na honestidade. E estas têm como teste fulcral a maior ou menor capacidade dos indivíduos de equilibrarem o interesse egoísta (que pode levar a relações de patrocinato benéficas para o próprio mas que o destacam dos seus iguais) com a utopia igualitária dos grupos de homens.

32O cabouqueiro pardalense não tem «fome de pedreira» que se assemelhe à «fome de terra» estereotipicamente associada ao Alentejo. Ao contrário de Pardais, em que as pedreiras nunca foram comunais, nas pedreiras de mármore de Almeria (Andaluzia), só em meados do século XIX, aquando das desamortizações, se privatizaram as pedreiras (Alcantud 1990). Os canteiros de Macael, entrevistados por Alcantud, confessavam-lhe que não se consideravam mineiros. Para eles, o trabalho das minas é pior, embora o da pedreira também seja duro, exposto às intempéries; mesmo assim, achavam que, com a maquinaria, se estava a perder o autêntico cantero, o que sabia um ofício. Isto é verdade para Pardais, onde nenhum cabouqueiro pensaria auto-intitular-se «artista» (ver Cutileiro supra), identidade associada a um «ofício». Mas o que é interessante em Alcantud é que ele mostra como os movimentos sociais no mundo rural têm características muito específicas, pois neles estão em causa não só lutas de classe, mas também a trama social de uma sociedade rural, urdida por relações de parentesco, patrocinato e clientelismo, e pela proximidade do poder municipal.

33O cantero de Macael sentia uma ambiguidade baseada no facto de, por um lado, auferir um salário, o que o diferenciava do camponês e, por outro, querer ultrapassar o «igualitarismo» próprio do operariado. Diferentemente do mundo agrário andaluz, em que os jornaleiros tinham clara a sua condição e objectivos — não tinham terra, queriam-na e sabiam a quem tirá-la —, entre os canteros complicava-se a propriedade real e o usufruto de um subsolo que nominalmente era seu desde a época muçulmana. Nada disto em Pardais: se alguém sente essa ambiguidade são os patrões, distinguindo-se entre os que alugam pedreiras em solo de outrem e os que são simultaneamente proprietários do solo e exploradores de mármore.

34O trabalho nas pedreiras parece ser a continuação lógica do de jornaleiro: sem especialização, os trabalhadores fazem de tudo e escolhem os horários de trabalho de acordo, muitas vezes, com prévios objectivos financeiros, contabilizando horas extraordinárias, fins-de-semana e feriados, o que, obviamente, também corresponde a uma estratégia de obtenção de força de trabalho por parte dos empregadores. Historicamente, quem terá sofrido com isto foram os seareiros, que de semiproprietários passaram a assalariados — isto para os que não migraram para a área metropolitana de Lisboa. Se bem que não haja desemprego masculino, qualquer carência de mármore ou queda de cotação no mercado, é catastrófica e sê-lo-ia totalmente numa situação de esgotamento: já não há trabalho na terra e nas pedreiras não se aprende um ofício utilizável noutra actividade produtiva. Como dizia um informante: «Eu ainda aprendi a pegar num arado. Mas a maioria não sabe fazer mais nada [do que trabalhar nas pedreiras]».

  • 4 Embora não seja o princípio fundador, como o é no machismo mexicano, por exemplo, mas sim a sexuali (...)

35Regressando à noção de «trabalho», esta contém também elementos de «sacrifício» e «risco», ambíguos porque indesejados mas reforçadores do prestígio de quem passou a provação, num universo cultural em que a masculinidade invoca a força física4. Palhinhas, um homem já reformado, trabalhou 23 anos e 9 meses nas pedreiras, tendo conseguido chegar a encarregado. O primeiro elemento de que se lembra na sua vida de trabalho foi ter sido atropelado por uma «vagona» (pequeno vagão que se desloca sobre carris), ficando com 10 costelas partidas, uma perna ferida e, pior que tudo, com o testículo esquerdo descaído. Beto contou-me que desde que viu um homem morrer na pedreira, sonha que lhe acontece o mesmo e acorda sempre a chorar. Como o falecido fazia anos no dia em que morreu, Beto recusa-se a trabalhar no seu aniversário e afirma conclusivamente: «Anos é festa.»

36Daí também o desejo de fazer com que os filhos tenham acesso a outro nível de vida. Um certo homem contava-me que, graças ao seu trabalho, conseguiu que os filhos tivessem «ofícios», como mecânicos e acabadores de mármore. Tinha uma fazenda que vendeu por «tuta e meia», para começar a trabalhar no mármore; mais tarde essa mesma fazenda seria vendida por muito mais, e lá estão hoje as gruas a comprová-lo. Como encarregado, ganha 140 contos mensais (em 1990), e mais 60 por ser ele quem tira a água sempre que chove. E acescenta que, mesmo no sector agrícola, é na sub-região que se pagam as jornas mais altas («seis contos por dia mais uns petiscos para convencer» — aos homens), pois a mão-de-obra é escassa e os salários das pedreiras tiveram um efeito inflacionário; quanto às mulheres, têm dificuldades em arranjar emprego, «mas agora vivem quase todas com o ordenado dos maridos».

  • 5 Não cabe neste trabalho uma discussão aprofundada sobre o fenómeno específico do suicídio, mas é le (...)

37Zé Seco (Jr.), usando a retórica da «sorte» e do «azar», diz que há muitos acidentes nas pedreiras, e descreve o de um homem que caiu de uma altura de 30 metros, tendo a cabeça ficado num sítio e «os miolos todos espalhados em redor». Ao longo do trabalho de campo, as notícias de acidentes sucediam-se, só comparáveis com as tentativas (incluindo as sucedidas) de suicídio feminino5. A criada de uma das professoras (que vive na vila) é de Pardais e vive no terror de ouvir ambulâncias que possam significar que o marido tenha tido um desastre nas pedreiras; um rapaz da aldeia, de 24 anos, está em Vila Viçosa numa cadeira de rodas, e as professoras já tiveram muitos alunos «órfãos das pedreiras». Com este dramatismo — sem dúvida alguma assente no real, e que eu próprio senti com ansiedade em relação à segurança de alguns dos meus amigos da aldeia —, o trabalho vê reforçada a sua vertente sacrificial, ao mesmo tempo amedrontadora, indesejável e conferidora de «respeito» a quem passe a provação. Talvez não seja por acaso que esta actividade que temos vindo a esmiuçar seja exclusivamente masculina….

Poder, patrocinato, política

38O poder tem várias dimensões de interacção: desde o poder nas relações interpessoais, manifesto sobremaneira nas relações masculinas, passando pelas do casal e família, ele ganha porém uma dimensão social saliente na diferença social e na gestão da vida colectiva. Tentemos agora perceber esta teia com três exemplos: os valores culturais do dinheiro, do consumo e outros na afirmação do prestígio dos «descamisados»; o patrocinato e o exemplo da família Capucho; e o jogo do poder político local.

39Zé Seco (Jr) bebe muito mas diz que se controla bem. Uma noite encontrei-o no café e confessou-me que no dia anterior fora levantar 60 contos de subsídio de férias, fora pô-los no banco para não o gastar e poder dá-lo à mulher no dia seguinte, apanhara uma «enorme bebedeira» e até aquele momento não voltara a casa. A mulher por certo estava preocupada, admitiu, por ele poder estar a gastar o dinheiro em bebida ou… — e com gestos, desenhou no ar a imagem dum acto sexual. Nessa época, surgiam em muitas conversas preocupações com a Guerra do Golfo Pérsico que, para lá de considerações morais mais vastas sobre a maldade humana e a ambição, estava a provocar a cessação de contratos com muitas pedreiras e ameaças de despedimentos; é que os países do Golfo Pérsico são dos principais compradores de mármore. No dia anterior, um intelectual lisboeta exilado em terras alentejanas, dizia-me que, segundo a lei, as pedreiras deviam pagar 10% dos lucros à Câmara Municipal, mas faziam o «truque» de se sediarem noutros concelhos. Das 300 pedreiras que há em Vila Viçosa, grande parte são em terreno alugado, a 1000 e mais contos por mês, o que equivale ao preço de um só bloco de pedra, gerando o fenómeno de velhotes pobres que de repente enriquecem. E rematava o mesmo expatriado: «Já não há pobres, nem consciência de classe, pois assim que há mais dinheiro as pessoas passam-se do PC para o PSD».

40Estes são apenas alguns exemplos. Um dos meus informantes privilegiados foi o Raposo. E um jovem cabouqueiro, na casa dos vinte. Casado há poucos anos, tem um filho que frequenta a pré-primária, e vive numa casa recém-construída na novíssima rua dos Covões. Raposo é um praticante exímio da arte da ironia e do sarcasmo, aplicada sobretudo às questões da desigualdade social. Durante muito tempo tentou convencer-me a fazer-me amigo de Rui Capucho, o maior proprietário local de pedreiras e seu patrão. Argumentava que assim eu teria acesso a todos os aspectos da actividade desde que, em troca, lhe desse a entender que promoveria as suas empresas. Raposo dizia ironicamente que, se eu fosse às finanças consultar os arquivos descobriria que as pedreiras dão todas prejuízo — aludindo assim a processos menos honestos de falsidade nas declarações. Paralelamente aos «esquemas dos ricos», queixava-se de haver pouco sindicalismo e união e de os próprios trabalhadores «se lixarem uns aos outros, para ganharem mais dinheiro». Igualmente preocupante para ele era o dilema entre ter horário certo e salário fixo, ou escolher um «horário de horas» e o correspondente salário flutuante. Ora, esta liberdade na escolha de horários e empregadores não é, justamente, um ambiente propício à sindicalização.

41Não havia vez que eu encontrasse o Raposo que ele não falasse sobre o mesmo tópico. E, sobretudo, de uma forma que me impressionou como ambivalente. Para ele, Rui Capucho — entendido como o paradigma do «rico» — era ao mesmo tempo santo e diabo. Isto é, do mesmo modo que o acusava de ambição desmesurada e desonestidade no modo de vida, admirava-lhe a astúcia, o jeito para o negócio, a habilidade em manipular a fidelidade das pessoas. Só mais tarde eu viria a descobrir que a mesma ambivalência existe nos juízos de masculinidade, por exemplo entre o prestígio conferido pelo facto de um homem trabalhar muito e prover bem a sua família, e gastar muito por fora precisamente com mulheres que não a sua. Ou entre a capacidade elogiada de ter autocontrolo (não gastar muito dinheiro em bebidas e manter a cabeça fria) e o apreço pelo homem que sabe «apanhar uma valente bebedeira» e fazer tropelias de adolescente.

  • 6 Esta designação é curiosa: por um lado, existiu de facto um empresário com a alcunha de O Saloio, p (...)

42Para o Raposo, os mármores dão dinheiro, mas o governo português não sabe, porque os «patrões declaram prejuízos». A ideia dele é de que a zona «tem um pano preto por cima, ninguém a conhece, ninguém fala dela». E incentivava-me vezes sem conta a desmascarar as coisas, a dar a saber ao mundo a riqueza que ali está. Riqueza que é usufruída ou por estrangeiros e «saloios»6, ou pelos poucos locais que são grandes empresários — os Capuchos e António Santos e poucos mais. Em suma «nós somos uns nabos, com isto aqui mesmo debaixo dos pés».

  • 7 Infelizmente não consegui seguir até às últimas consequências o conselho de Laura Nader, num apelo (...)

43Como resumi no capítulo II, a história recente da propriedade, do sucesso económico das pedreiras e dos patrocinatos políticos, está ligada a duas famílias: Conceição e Capucho7. A primeira não explora directamente nenhuma pedreira e está agora desligada de Pardais: a Quinta dos Passos está vaga, sobrevivem duas irmãs de idade solteiras, e a fortuna da família é administrada pela enteada e herdeira e seu marido, médico no Alandroal. Mas grande parte do dinheiro foi feito pelas pedreiras, indirectamente, através do aluguer e venda dos terrenos, ou auferimento de percentagem da cubicagem extraída.

44No caso da família Capucho, já as coisas se passam de outra maneira. Primeiro, porque não tem história passada de propriedade da terra — não reivindica uma identidade de «proprietária». Segundo, porque é uma família de Pardais, há uma geração atrás vivendo na pobreza. Refiro-me aos três irmãos já citados no capítulo II, Rui, Fernando e Quim. Fernando e Quim, embora tendo feito dinheiro com as pedreiras, têm uma postura de low profile na vida local. Rui, pelo contrário, tem sido mais eficaz nos negócios e na promoção pessoal. Um dos filhos de Fernando, Zé Maria, é também um personagem de monta na vida local, em virtude de ser um conhecido cavaleiro tauromáquico. Concentrar-me-ei, pois, em Rui Capucho e no seu sobrinho Zé Maria.

45Raposo era taxativo em relação a Rui Capucho: «é o maior cigano, mas também o que mais faz pelas pessoas e pela freguesia. Rouba — só quem rouba é que enriquece —, mas não aos pobres». O uso da expressão «cigano» é bastante comum para caracterizar astúcia, capacidade para os negócios, entendidos estes como algo de fundamentalmente imoral, mas única forma de atingir um nível económico confortável. Mas os ciganos são também vistos como párias (não trabalham) e marginais, porque não integrados numa comunidade sedentária. Os negócios de Rui Capucho são entendidos pela maioria dos pardaleiros como necessariamente dúbios. Começa com a estratégia de parentesco, em que os três irmãos, sendo afilhados da família Conceição, tudo fizeram para ficarem com «a fatia maior do bolo». A capacidade de usar o parentesco para lá dos limites morais, é também motivo de espanto: os três irmãos tiveram uma longa disputa judicial em torno de heranças, que foi ganha por Rui. No fundo, este mostra e demonstra fazer o que toda a gente sabe que, implicitamente, se faz nas relações de parentesco: pesar o interesse com as emoções e a obrigação moral. Rui Capucho é referido, também, como tendo sido pobre. A sua história de vida é a de um self-made man, o que lhe confere um prestígio particular (soube ser melhor que os outros), mas também inveja e suspeita de jogos obscuros.

46Como Rui Capucho é filho da terra e patrão de muita gente que com ele brincou em criança, gera-se no relacionamento com ele uma estranheza por via do desregramento das noções de igualdade intrínseca entre os homens, como género, e entre pessoas de igual origem social, trabalhadores. Como se isso não bastasse, Rui Capucho investe muito no paternalismo e no patrocinato. Ao nível dos trabalhadores individuais e suas famílias; ao nível da vida colectiva da aldeia (benefícios, doações e, muito especialmente, na vida religiosa e festiva); e ao nível da vida política concelhia e (em projecto) nacional. Assim, ele reúne em si o perigo de ser poderoso e as vantagens de ser um bom patrono.

47Ele é, por exemplo, o senhorio da casa de um casal, Emílio e Purificação (e Emílio é empregado de Capucho). A propósito dessa informação, disseram-me que também o é de duas casas adjacentes. Numa terceira vive uma mulher paga para tomar conta de um tio da mulher de Rui; uma outra mulher ainda toma conta dos pais dela. «São muito ricos, mas oferecem muito. Tudo às carradas. Olhe, lá vai uma carrada de lenha para a que toma conta do tio», dizia-me uma mulher com quem conversava à soleira da porta. As histórias de apoio directo aos seus empregados são também inúmeras: t-shirts e porta-chaves com o logotipo da empresa para todos os empregados e filhos no Natal, bolo rei para todas as famílias no dia de Reis; a ele podem recorrer para pedir um empréstimo urgente ou requisitar um favor junto de um médico ou da função pública; é voz corrente que a carta de condução se obtém facilmente caso se seja seu empregado.

48«Os ricos zangam-se, mas logo almoçam juntos. Os pobres zangam-se e é para a vida», dizia o Raposo. No fulcro desta moralidade, está a estratégia de manter e reproduzir o «dinheiro». É curioso que, quando conheci Rui Capucho, através do sr. Altino Valente, ele me disse (depois de me ter perguntado «Com que então está a estudar aqui a minha terra?») que não gosta de dinheiro, dando exemplos na sua família de como o dinheiro traz problemas. A propósito de ter uma mulher a quem paga para tomar conta de uma tia, disse que mais ninguém na família o queria fazer mas que depois da morte da tia não só vieram exigir-lhe coisas dela como lhe mandaram a conta do funeral.

49Porém, a forma de patrocinato mais directa exercida por Rui Capucho é em relação à vida religiosa e festiva local. Pardais esteve sem padre durante vários anos, situação que se arrastou por inércia, dada a baixíssima frequência das missas dominicais. Apenas algumas mulheres se deslocam a ela, com ênfase especial para a dona Mariana do Couto, celibatária de idade e zeladora da Igreja, bem como bastantes crianças, já que os pais acham por bem a frequência da catequese. Pouco depois de ter iniciado o trabalho de campo, Pardais ganhou um padre novo. De origem espanhola, ex-missionário no Brasil, o padre Aragão tem uma figura jovem e dinâmica. Cedo organizou aulas de religião e moral na escola, conquistou o apreço das crianças, estimulou a catequese, fez renascer a liturgia com música e guitarras. Convenceu Rui Capucho e a sua mulher a cederem um pavilhão para aulas de viola leccionadas por dois jovens brasileiros residentes no Alandroal; e visitava frequentemente as casas da aldeia. No capítulo seguinte falarei um pouco mais sobre a minha relação com ele, a propósito das crianças. Importante é o facto de a ordem a que o padre pertence ser altamente subsidiada por Rui Capucho.

50Vila Viçosa é uma terra com tradição religiosa institucional muito forte, que tem sido renovada pelos sectores mais conservadores através da confraria de Nossa Senhora da Conceição. Um dos antigos conventos locais, o dos Capuchos (a ordem, não a família) — em torno do qual se celebrava uma importante romaria — estava abandonado até que foi cedido para residência dos padres da Ordem de Santa Cruz, a que pertence o padre Aragão. Na sua maioria estrangeiros (a ordem foi expulsa de Portugal e reinstituída na Áustria por sectores ligados, diz-se, à Opus Dei, tendo florescido em Espanha, mas estando centrada no revivescer do culto mariano na invocação de N.ª Srª da Conceição), os padres cobrem uma vasta zona do Alentejo interior que consideram como zona de re-evangelização ou missionarização. Através da sua mulher, Rui Capucho tem contribuído para o renascer do culto católico em Pardais. Por fim, a mulher de Rui Capucho organizou toda a festa de comemoração da ordenação do padre, cuja parte religiosa decorreu na igreja de N.ª Srª da Conceição na Vila e a festa na garagem em Pardais para onde inicialmente eu poderia ter ido morar.

51A festa anual, que se realiza em Julho, tem vindo cada vez mais a ser custeada por Rui Capucho, que de há poucos anos para cá é o presidente da comissão de festas. O resto da comissão é constituída por homens de Pardais, empregados seus e, na maior parte, trabalhadores especializados (electricistas, maquinistas), bem como por raparigas solteiras com nível de instrução elevado, como Filomena (ver capítulo II). Esta não esconde que sabe que a estratégia de Rui é de aumento do seu prestígio, mas aceita (não sem algum cinismo) o «dinheiro que chove». Aquando da procissão, uma manifestação essencialmente feminina, de quase apropriação do espaço da aldeia pelas mulheres, com as solteiras carregando os andores, segue agora à frente a esposa de Rui Capucho. Nesse dia, a família reivindica a aldeia — já que normalmente vive numa luxuosa residência na Vila.

  • 8 Depois das eleições autárquicas de 1993, e três anos após o «presente etnográfico», Rui Capucho con (...)

52O patrocinato também se exibe na Vila. Mariano, o jovem agricultor subsidiado pela CEE e amigo de Zé Ganhão, comentava «o que faz ser rico!», quando, escandalizado, me dizia que a banda filarmónica onde toca tivera de parar à porta de Rui Capucho e dedicar-lhe uma música. Mas alguém presente comentou: «Então e quem é que vos pagou os uniformes?» Da participação dos Capuchos nos autênticos «grémios» que os industriais do mármore devem constituir, pouco sei. Mas a sua vida política é notória. Apoiante do Partido Social-Democrata (PSD), não esconde o desejo de vir a ser um dia deputado. O sr. Morais, presidente da Junta de Freguesia de Pardais, eleito nas listas do Partido Socialista (PS), tem com ele uma relação difícil. Diz que ele tentou fazer uma lista PSD para Pardais de modo a poder fazer da freguesia o que quisesse8. É que o sr. Morais é, de certo modo, um entrave ao uso indiscriminado de escombreiras nos arredores da aldeia e queixa-se da destruição de caminhos municipais pelos camiões. Uma vez, Morais disse-me que o presidente da Câmara, então também do PS, o avisara de que Rui Capucho «nunca dá nada sem querer nada em troca», a propósito de uma oferta para abertura de um novo caminho. Hoje, no momento em que escrevo, nas vésperas das eleições autárquicas de 1993, o presidente da câmara abandonou o PS, e vai concorrer pelo PSD. O sr. Morais telefona-me e diz-me que o faz para poder chegar a deputado….

  • 9 Resultados eleitorais, Legislativas 1991: PS-159, PSD-101, CDU-67. Presidenciais 1991: Soares-219, (...)

53Se o sr. Morais é um intermediário entre o poder local concelhio e a freguesia (eficaz no seu papel, o que o faz ser votado também por muitos eleitores do Partido Comunista Português (PCP))9, Rui Capucho é-o entre a freguesia sua cliente, as decisões económicas de vulto ao nível do concelho e, porque não, a estrutura nacional do poder político e de classes, ligada à economia mundial em que a indústria de extracção dos mármores está imbricada. Que isto é reforçado ideologicamente pela aura aristocrática e religiosa (no sentido institucional) de Vila Viçosa, não há dúvida. Na vila funciona, por exemplo, o sistema da divisão dos cafés por classe e esta divisão liga-se também à dos sexos: o café dos senhores (antigamente dos latifundiários), o das senhoras, ou pastelaria, os dos operários (homens). Aquando das comemorações da Restauração da Independência (l.º de Dezembro), para além do discurso oficial nacionalista feito em cenários monumentais (o Paço, o Castelo etc.), o Primeiro-Ministro Cavaco Silva assistiu a missa na Igreja de Nossa Senhora da Conceição. Presentes, os Capuchos. Ausentes, o sr. Morais e a generalidade dos Pardaleiros.

54Uma vez assisti a uma grande tourada na vila em que, por acaso, toureava a cavalo o cavaleiro Zé Maria Capucho. A banda tocava lindamente e um vendedor de cautelas mais sarcástico gritava: «Já têm mármore para as campas! Logo à noite é que vai ser jantar nos (sic) Pardais!». Zé Maria tem herdades e pedreiras e a sua própria empresa. Graças aos lucros, consegue financiar com à-vontade a sua actividade tauromáquica. O universo simbólico das touradas, touros e cavalos, abordá-lo-ei no capítulo seguinte, dada a sua riqueza para definir a masculinidade. Aí Zé Maria terá um papel importante na análise. Agora, é antes pelo tropo do dinheiro que gostaria de continuar.

O outro valor do dinheiro

55O dinheiro, para Giddens (1992), é um dos mecanismos de descontextualização associados à modernidade. Simmel (1978) dizia que o dinheiro encurta distâncias, permitindo ao proprietário e aos seus bens estarem afastados, o que marca uma diferença em relação a situações em que proprietário e bens estavam numa relação directa — em que os compromissos económicos eram também compromissos pessoais. Em Pardais, usar ostensivamente o dinheiro é mostrar uma agência autónoma plena.

56O dinheiro, antes do mais, é o símbolo do produto do trabalho. À descrição das horas intensas de trabalho, junta-se a ideia de que o homem «não tem de andar a olhar para as mãos dos outros». O dinheiro dá independência: ao grupo doméstico e ao homem. Mas é usado como símbolo e figura de retórica. Beto, antes das festas, repetia incessantemente que gastara 350 contos em fatos para ele e os filhos para dois casamentos a que fora nos meses precedentes. Ao Ruivo (cabouqueiro, com o pai inválido e vivendo com a mãe e três irmãos menores) não é raro encontrá-lo com 30 contos no bolso: mostra-os, diz quanto vai gastar e no quê e filosofa sobre a importância de «não ser escravo».

57O que importa assinalar é que isto não pode ser interpretado como «novo-riquismo». O dinheiro é mostrado e circulado em contextos colectivos de convidar e pagar a outros, é-lhe conferido um significado moral em torno da dicotomia liberdade/escravatura, e uma adequação social à amizade e à família. Se o dinheiro é «o que faz mexer a imaginação no cérebro» (como dizia o Estorninho a propósito da «maldade» de Sadam Hussein), essa imaginação (tentação por coisas negativas) pode e deve ser controlada pelo sentido moral. Numa cena da telenovela transmitida durante a estada no terreno, Tieta, dá-se um conflito entre um pastor de uma seita chamada Assembleia de Cristo Rei (o mau) e um ex-bêbado convertido (o bom). No café, um homem dos seus trinta anos, comenta: «isto é uma barracada, mas o que ele está a dizer até está certo — o Céu não se compra». No discurso, o personagem dizia que o maior bem é Deus, o Amor e a Caridade e que se deve usar o dinheiro em comida, em vestir bem e em dar aos que necessitam.

58No regresso de uma saída de diversão, no meu carro, Zé Ganhão e Leonel desenvolvem uma teoria: «o que as mulheres querem é dinheiro». Por um lado as prostitutas, o que é evidente; mas «as outras» também, quer para que os homens lhes paguem coisas, quer através de casamentos interesseiros. Para Zé Ganhão, «se se quer encontrar uma mulher, uma pessoa tem é que procurar aquelas ligadas à agricultura, mais pobres, que são mais fáceis de engatar. As coisas aqui estão difíceis. Como aqui é o centro do dinheiro, elas preferem andar várias com o mesmo do que se distribuírem por mais homens com menos dinheiro».

59É evidente que muitos aspectos da «cultura do dinheiro» estão ligados à «cultura do capitalismo», à inserção da aldeia quer na economia-mundo, quer na cultura-mundo. Em relação à economia, a produção local de um bem relativamente escasso, coloca os Pardaleiros na dependência directa das flutuações do mercado, que podem, em última instância, e como mostrei, depender de conflitos políticos armados, como a guerra do Golfo. Por outro lado, a aldeia está em processo de mediatização: vêem-se mais canais de televisão em Pardais do que em Lisboa, graças à proximidade de Espanha.

60Não podemos, porém, ver o sistema-mundo como homogeneizador (a ideia do senso comum é esta). Hannerz adverte que as diferenças culturais dentro do sistema não são meros restos do passado. O sistema-mundo em expansão pode criar distúrbios ideológicos nas periferias, sob a forma de revitalização das comunidades ou de revoluções ideológicas entre as elites (Hannerz 1989:205). A descrição mais apropriada será a de tensão: entre projectos de valores, moralidade, consumo, divergentes; tensão que vai a par e passo com processos de crioulização:

  • 10 Tradução livre «(…) Os povos da periferia confrontam-se com os significados e formas simbólicas do (...)

«(…) the people of the periphery encounter the meanings and the symbolic forms of the center with perspectives which are both formed and capable of being reformed, and the very fact that they are shaped by the experience of being at the periphery will contribute to making them different from those of the center» (Hannerz 1989:213).10

61As formas de consumo e consumismo em Pardais reflectem este estado de coisas. O «dinheiro» é o equivalente geral de uma negociação simbólica entre valores de comensalidade e poupaça, estratégia de ascendência pessoal e ligação com a cultura global (pela roupa, música, comportamentos, etc.) que já não necessita de intermediários do tipo do representante político local. Ao nível da masculinidade, isto permite o ensaio de alternativas à hegemonia, e a televisão, por exemplo, dá imagens concretas de outras formas de ser homem.

Notes

1 «[honra] conveys a self-image deeply involved with the endless search for wordly success and fame, for approbation and admiration in the judgemental eyes of others» (Gilmore 1990:37). «The concept of masculine honour is directly related to the competitive social dynamic of Mediterranean community life (…) honour contains three separate vectors of competition: (…) for wealth (…) for status in the sense of respect; and (…) for a masculinity narrowly defined as virility» (Gilmore 1982:191).

2 A operacionalidade do conceito de Honra e Vergonha tem sido fortemente contestada. A literatura mediterranista (por exemplo, Campbell 1964, Peristiany 1965), ao acentuar o código moral da honra masculina garantida através do controlo da sexualidade e fertilidade femininas (sendo instigada nas mulheres a noção moral de «vergonha»), não explorou a dimensão de género destes valores. Tal não significa que não tenham havido posições mais sensíveis, como a de Schneider: «Honor and shame (…) are components of a system of male prestige that served as a mechanism of social control, defined social boundaries and loyalties, substituted for physical violence, and provided some cohesiveness to otherwise fragmented societies» (Cole 1991:77, referindo-se a Schneider 1971). Mas o problema central da literatura mediterranista parece estar na própria definição da área cultural (muito diversa, quando se passa do quadro histórico-geográfico de Braudel (1983) para a minúcia etnográfica) e na criação de um exótico «à porta de casa» pelos antropólogos norte-Europeus (sobre esta perspectiva crítica, ver Pina-Cabral 1989, Herzfeld 1980). O meu uso de «honra» tem exclusivamente que ver com a noção local de «respeito» como orientadora do comportamento masculino ideal.

3 Ver também Boissevain (1974) e Riegelhaupt (1967).

4 Embora não seja o princípio fundador, como o é no machismo mexicano, por exemplo, mas sim a sexualidade. Sobre estas diferenças geográfico-culturais dos princípios culturais de masculinidade, ver Gilmore (1990) e Lancaster (1988).

5 Não cabe neste trabalho uma discussão aprofundada sobre o fenómeno específico do suicídio, mas é legítimo pôr a hipótese de o feminino (três casos durante o meu trabalho de campo) resultar da incorporação e interiorização do conceito cultural de «inferioridade feminina»; e de o masculino (durante o trabalho de campo apenas recolhi dados de suicídios ocorridos no passado) se relacionar com questões de honra ou respeito, sobretudo perca de autonomia financeira. Ver capítulo III, caso do suicídio do pai do sr. Altino Valente.

6 Esta designação é curiosa: por um lado, existiu de facto um empresário com a alcunha de O Saloio, provavelmente originário da zona dos mármores de Pero Pinheiro (Sintra, a zona saloia), que deu origem a uma linhagem local — justamente os Saloios. Mas o homem da rua em Pardais desconhece o carácter «étnico» desta designação, conhecendo porém o seu valor semântico pejorativo.

7 Infelizmente não consegui seguir até às últimas consequências o conselho de Laura Nader, num apelo lançado já em 1969 (Nader 1969) no sentido de os antropólogos fazerem trabalho de campo entre e sobre os «ricos e poderosos» e não só entre os underdogs. De facto, a paciência que os Pardaleiros tiveram comigo deve-se em grande parte ao respeito pela minha ascendência social; o pouco que consegui comunicar com as famílias dominantes deve-se, em parte, ao meu medo de ferir as susceptibilidades de quem «está por cima».

8 Depois das eleições autárquicas de 1993, e três anos após o «presente etnográfico», Rui Capucho conseguiu um trunfo inigualável: o presidente da Câmara, do PS, concorreu desta feita pelo PSD, e ganhou. A ligação ao poder central é agora umbilical, e o sr. Morais (que não mudou de partido) receia os efeitos negativos para Pardais.

9 Resultados eleitorais, Legislativas 1991: PS-159, PSD-101, CDU-67. Presidenciais 1991: Soares-219, Carvalhas-78, Marques-19, Horta-8.

10 Tradução livre «(…) Os povos da periferia confrontam-se com os significados e formas simbólicas do centro com perspectivas simultaneamente formadas e passíveis de reformulação, e o facto de serem moldadas pela experiência de estar na periferia contribuirá para torná-las diferentes das do centro. Sobre os aspectos culturais da globalização (expandindo, assim, e criticando, os contributos de Wallerstein sobre a economia-mundo) e o fetichismo das mercadorias e do consumo, as contribuições de Taussig (1980) e de Appadurai (1990) são das mais ricas e complexas, infelizmente um pouco marginais ao tema deste trabalho. O mesmo se poderia dizer de Jameson (1984), a propósito da cultura do capitalismo. Na conclusão deste trabalho definirei a temática do moderno/global como uma das vias para o crescimento dos estudos de género.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540