Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

População, Família e Sociedade

 | 
Robert Rowland

Capítulo 1. Alcance e limitações da história da família

Texte intégral

I

1Já se tornou um lugar-comum das ciências sociais recordar que o estudo das instituições e dos aspectos da vida social que se encontram na base de nossa própria concepção do mundo é de todos o mais difícil, porque nestes casos as nossas categorias fazem parte da própria realidade que através delas procuramos representar. O estudo da família não constitui excepção.

2Talvez por se referir a uma realidade imediata e “natural” — já se colocou inclusive a questão do seu carácter de “instituição universal” —, o conceito de “família” foi por muito tempo, na cultura ocidental e nas próprias ciências sociais, objecto de aceitação implícita e, por isso mesmo, essencialmente acrítica. Quando se estudava a família não era para a constituir em objecto autónomo de análise e investigar a sua estrutura e dinâmica por si mesmas. O estudo da família concebia-se, antes, em termos instrumentais, e esperava-se que a análise do seu funcionamento e das suas patologias iria fornecer a chave para a compreensão de aspectos significativos e problemáticos da realidade social.

3Esta concepção instrumental do estudo da família é característica da sociologia e da análise sociológica das sociedades ocidentais, e a sua influência faz-se sentir também em algumas outras ciências sociais, como a história económica e social ou a demografia. Assim, não deixa de ser significativo que foi acima de tudo no contexto do estudo de sociedades exóticas que se começou a investigar a família enquanto tal e a considerá-la como objecto possível de análise específica e autónoma, ou que a explosão de estudos de história da família nas últimas décadas reflecte a influência exercida sobre a história pela antropologia social.

II

4Desde a sua constituição como disciplina científica, a antropologia tem vindo a privilegiar o estudo dos sistemas de parentesco das sociedades ditas “primitivas”. Isto deve-se em parte à importância relativamente superior que a família e o parentesco têm em todas as sociedades pré-industriais — sejam elas europeias ou exóticas, tribais ou camponesas. Nessa medida, o facto não faz mais que reflectir a diferença entre os objectos respectivos da sociologia e da antropologia. Mas a atenção dedicada ao parentesco pelos antropólogos deve ser atribuída também, e sobretudo, ao facto de nas sociedades “primitivas” o parentesco ser não apenas uma instituição entre as outras, mas a instituição fundamental, cujas categorias se encontram na base de toda a organização social.

5Foi por isso determinante para o desenvolvimento da antropologia social a descoberta, por Lewis Henry Morgan [1871, 1877], do carácter classificatório dos termos de parentesco nas sociedades “primitivas” e do reconhecimento que nessas sociedades as categorias do sistema de parentesco não correspondem directamente às relações de parentesco biológico entre as pessoas. Essas categorias são utilizadas como base para um sistema de classificação que representa e determina as relações entre o conjunto dos grupos e indivíduos que constituem a sociedade. As relações entre grupos e entre indivíduos, sejam de natureza económica, política ou simbólica, são pensadas como se fossem relações de parentesco, e é desse facto que derivam os direitos e as obrigações que definem essas relações. É neste sentido que se tem considerado o sistema de parentesco como base da organização social nas sociedades “primitivas”.

6O parentesco, enquanto princípio de organização, é um sistema de relações, e a antropologia tem procurado reconstruir a lógica dos inúmeros sistemas conhecidos. Deste ponto de vista, a família, mais do que causa, é consequência das relações de parentesco, e os antropólogos, mesmo estudando-a com atenção, atribuíram-lhe um papel secundário enquanto objecto de análise. O lugar que ocupa e a importância que adquiriu nas suas estratégias de investigação deve-se sobretudo ao facto de ser um lugar de condensação ou cristalização de aspectos fundamentais da organização social — e em particular do sistema de parentesco — e não tanto a qualquer interesse específico pela sua estrutura, dinâmica e funcionamento. Paradoxalmente, só quando a composição da “família” — isto é, do grupo doméstico co-residente — deixa de poder ser “deduzida” a partir das regras do sistema de parentesco é que esse grupo passa a constituir um objecto específico de análise e que a antropologia começa a tentar explicar as suas características observáveis.

7A procura de explicações mais concretas, baseadas nas funções económicas, políticas ou assistenciais da “família” na sociedade em causa, traduz-se numa mudança significativa de perspectiva e na introdução da distinção entre família no sentido estrito do termo, enquanto elemento do sistema de parentesco, e aquilo que em inglês se denomina household. Este último termo, que em português se poderia traduzir como agregado doméstico ou talvez, em alguns contextos, simplesmente como casa, refere-se a uma unidade familiar plurifuncional cujas características específicas em cada sociedade devem ser atribuídas precisamente a essa pluralidade de funções. O estudo do grupo doméstico traduz-se assim na análise da intersecção e interdependência funcionais entre o sistema de parentesco e as restantes esferas da vida social. Na chamada “antropologia das sociedades complexas” — em que uma economia camponesa, a influência do mercado e a presença do Estado implicam, em comparação com as sociedades “primitivas”, uma diminuição da importância relativa do sistema de parentesco —, o estudo do grupo doméstico e das suas múltiplas funções adquire uma importância central.

III

8No âmbito da sociologia, tal como na antropologia, o estudo da família privilegia a análise de suas funções. Mas enquanto para os antropólogos tem sido a multiplicidade dessas funções nas sociedades pré-industriais a impulsionar o estudo da família — ou melhor, do agregado doméstico — em sociologia predominou durante bastante tempo a noção de que nas sociedades industriais a família tinha perdido uma boa parte dessas funções tradicionais, pelo que o estudo sociológico da família passou a fazer parte de problemáticas como a da integração social ou da sociologia da modernização.

9No primeiro caso, procurou-se demonstrar, por exemplo, que a perda de funções mais amplas, em consequência de um processo de diferenciação estrutural, tinha transformado a família nuclear numa instituição residual, especializada na formação da personalidade dos seus membros. Do mesmo modo, essa transferência de funções para outras instituições especializadas teria dado origem, ao nível da integração do sistema, a problemas relacionados com a existência de desajustes entre o funcionamento de uma ou outra instituição, ou entre os modos em que os indivíduos se encontravam normativamente integrados em cada uma dessas outras instituições.

10Esta maneira de conceber problemas que se acreditava serem específicos das sociedades industriais não fazia senão sublinhar o carácter mais integrado e “orgânico” que frequentemente se atribuía às sociedades pré-industriais, englobadas todas elas sob a designação e o conceito de sociedades “tradicionais”. Nas sociedades estruturalmente indiferenciadas, que em todo o lado teriam antecedido a emergência das modernas sociedades urbanas e industriais, a família integrada e plurifuncional, em cujo seio as relações se baseavam na autoridade patriarcal do chefe, teria assegurado outra forma, menos “anómica”, de integração dos indivíduos na sociedade.

11Esta projecção sobre o passado de uma imagem antitética à que se julgava apropriada à situação actual da família serviu também como base para uma concepção mais ou menos evolucionista do sentido do processo de “modernização”. Este processo, depois de se ter verificado pela primeira vez no Noroeste da Europa, ter-se-ia posteriormente repetido em todas as sociedades que tivessem sofrido os efeitos combinados da urbanização e da industrialização. Por todo o lado ter-se-ia verificado, ou estaria por verificar — se, uma evolução da família análoga à que se supunha corresponder à experiência histórica das sociedades europeias.

12Dentro de uma tal concepção, em que a estrutura e as funções da família se vêem reduzidas ao estatuto de epifenómeno ou reflexo do processo global de transformação económica e social, a família dificilmente poderia considerar-se como objecto significativo de estudo. E de facto os estudos sobre a família foram durante bastante tempo uma área relativamente secundária da investigação sociológica, subordinada quer à preocupação com problemas de integração característicos das sociedades avançadas, quer à caracterização global do processo de modernização e de emergência das sociedades urbanas e industriais.

13Paradoxalmente, a referência à plurifuncionalidade da família pré-industrial tinha em sociologia um alcance e um significado contrários aos que tinha para os antropólogos. Para estes, a plurifuncionalidade do agregado doméstico era indício da complexidade das sociedades cuja organização não se baseava essencialmente no sistema de parentesco, mas antes na articulação de distintas esferas de actividade social, enquanto para os sociólogos era indício do carácter indiferenciado das sociedades “tradicionais” e da ausência de instituições especializadas dotadas de uma relativa autonomia funcional.

14Não deve por isso surpreender que tenha sido à antropologia das sociedades complexas — mais que à sociologia da modernização, por exemplo — que recorreram historiadores da família à procura de instrumentos conceptuais com que traçar a evolução e o significado das suas formas e funções.

IV

15A mera disponibilidade de enquadramentos conceptuais apropriados não teria sido suficiente, por si só, para permitir o desenvolvimento do estudo histórico da família. A definição do objecto de uma análise histórica faz-se integrando num quadro conceptual adequado informações, por vezes fragmentárias, retiradas das fontes que o historiador tem à sua disposição ou que soube tornar utilizáveis. No caso de uma história da família as fontes de tipo convencional, como, por exemplo, os diários ou os livros de memórias, são bastante limitativas, apenas permitindo o estudo da família em contextos sociais restritos e nem sempre representativos, ou encorajando uma análise das representações da família mais que das realidades sociais que lhes serviam de suporte e referente.

16Foi por isso fundamental para a história da família o desenvolvimento da demografia histórica, e em particular da microdemografia paroquial. Esta permitiu e estimulou a utilização dos registos paroquiais como fonte para uma história da família de outro tipo, na qual o recurso a métodos quantitativos se aliava a preocupações com a representatividade e com os comportamentos diferenciados de distintos grupos sociais, inclusive daqueles que normalmente não se encontram representados em fontes de tipo tradicional.

17O método dito de reconstituição de famílias, cujos principais divulgadores foram os historiadores-demógrafos da escola francesa, acaba no entanto, e ao contrário do que seria de esperar, por ser de utilidade apenas indirecta para a história da família. O método traduz-se na construção de um objecto — a “família” que encontramos nas célebres “fichas Henry” — de duvidosa consistência sociológica. Essa família é a família conjugal biológica, constituída por um casamento e modificada pela sequência de nascimentos, casamentos ou mortes de seus membros. Não corresponde necessariamente a qualquer forma de grupo social concreto, porque não só estão incluídos nela os filhos ausentes (desde que vivos e solteiros), como também se encontram excluídos todos os eventuais parentes co-residentes que não façam parte do núcleo conjugal imediato. Em algumas sociedades, uma tal família tem muito pouco que ver com qualquer tipo de realidade sociológica observável. Essa família biológica é o equivalente, em certo sentido, da “família” que um antropólogo teria podido deduzir, mesmo sem a observar, a partir da lógica de funcionamento de um sistema de parentesco.

18O que a reconstituição de famílias permite, no entanto, é algo de diferente, mas não menos importante para a história da família: a reconstituição de genealogias e de toda a teia de relações de parentesco existentes numa comunidade determinada. Por outras palavras, a utilidade da reconstituição de famílias no contexto da história da família traduz-se nas extraordinárias possibilidades que oferece de identificação de indivíduos enquanto parentes uns dos outros. Esta informação, por si mesma, tem uma utilidade relativa, mas permite a utilização sistemática de toda a informação nominativa que pode ser encontrada em outros tipos de fonte, como, por exemplo, os livros de tabeliães ou documentos cadastrais. E é esta informação nominativa que pode constituir o ponto de partida para a reconstrução da dinâmica e das funções da família nos diferentes grupos sociais das sociedades do passado.

19Não foi esta, porém, a solução metodológica geralmente preferida por quantos abordaram o estudo da família de um ponto de vista demográfico. Por razões que só em parte reflectem a disponibilidade de fontes apropriadas, o grupo que se constituiu ao redor de Peter Laslett e do Grupo de Cambridge, inicialmente, e os que mais tarde seguiram o seu exemplo em outros países, concentraram as suas atenções sobre a evolução da família (ou do grupo doméstico) enquanto grupo de residência, utilizando para esse fim os diferentes tipos de recenseamentos locais (listas de habitantes, róis de confessados, etc.) que têm sido elaborados em quase todos os países europeus desde o início da época moderna.

20Essa documentação, elaborada com a finalidade de um controlo religioso, fiscal ou militar, normalmente contém uma lista dos habitantes (ou pelo menos dos habitantes adultos) de uma localidade, agrupados por “famílias”. E normalmente não se dispõe de qualquer definição desse grupo, que se supõe residencial, ou das regras a que obedecia a sua constituição ou delimitação. Parecia, contudo, fora de dúvida que essas “famílias” deveriam corresponder a alguma realidade sociológica concreta, e isto, acrescido ao facto de as listas incluírem todos os grupos sociais, levou os autores referidos a utilizarem essa documentação como base para uma “história da família” de carácter estatístico-demográfico.

21Apesar das diferenças evidentes entre o objecto que pressupõe cada uma destas duas perspectivas, o facto de ambas utilizarem metodologias quantitativas tem levado a que por vezes se confundisse este segundo tipo de análise (que de rigorosamente demográfico tem muito pouco) com os estudos demográficos de reconstituição de famílias (os quais, por sua vez, só muito indirectamente têm algo que ver com a história da família). A utilização conjunta dos dois tipos de fonte — o que pressupõe a disponibilidade de séries contínuas de listas de habitantes — poderia, no entanto, permitir um controlo indirecto do sentido a atribuir aos “grupos familiares” incluídos nas listas e representar o ponto de partida para uma análise que integrasse outras fontes e procurasse reconstituir a teia das relações intra e interfamiliares que caracterizam o funcionamento do sistema familiar em qualquer sociedade.

V

22Uma história social da família baseada no estudo combinado e simultâneo de registos paroquiais, listas de habitantes e fontes de tipo notarial, fiscal ou judicial, entre outros, durante um período de tempo suficientemente longo para que seja razoável colocar a questão da dinâmica do sistema familiar, continua, no entanto, a ser mais um objectivo que um resultado conseguido.

23Isto deve-se em parte ao facto de uma análise deste tipo exigir uma capacidade de manipulação de informação que só nos últimos anos, com os progressos da microinformática, começou a estar ao alcance do historiador individual ou de uma equipa constituída no âmbito de um departamento universitário. Mas a razão principal parece residir no facto de a história da família se ter desenvolvido quase por derivação de outras perspectivas — sobretudo a antropológica, a sociológica e a demográfica — cujas problemáticas não pareciam exigir uma análise contextual e aprofundada das transformações na estrutura e nas funções da família numa perspectiva de longa duração.

24Efectivamente, o estudo histórico da família autonomizou-se em função de duas preocupações distintas, correspondentes uma à história das mentalidades, a outra ao estudo estatístico da composição dos agregados domésticos.

25A primeira dessas duas perspectivas está associada ao nome de Philippe Ariès, que já na década de 40 tinha colocado, no contexto de uma história da população francesa, a questão de suas attitudes devant la vie [Ariès, 1948]. No seu livro posterior sobre a criança e a vida familiar no Antigo Regime [Ariès, 1960], o centro de suas atenções foram as atitudes e a sua evolução, reconstruídas a partir de fontes de carácter literário e iconográfico. A própria natureza dessas fontes impedia, em geral, uma avaliação da representatividade sociológica das atitudes analisadas, e dificilmente teria permitido uma articulação conceptual adequada com uma perspectiva de história social baseada na utilização intensiva de fontes nominativas. Embora seja evidente que este tipo de micro-historia não esgota o campo da história social, continua a ser verdade que sem uma utilização atenta de fontes nominativas será muito difícil reconstituir o contexto sociológico dos comportamentos ou das atitudes analisadas.

26A outra perspectiva está associada, como já se referiu, ao nome de Peter Laslett e ao Cambridge Group for the History of Population and Social Structure, fundado por Laslett e por E. A. Wrigley em 1964. No âmbito desse centro, cujas actividades também incluíam estudos mais especificamente demográficos, Laslett e os seus colaboradores empreenderam, de maneira sistemática, a procura, o levantamento e a análise de listas de habitantes elaboradas em mais de uma centena de paróquias inglesas entre os séculos XVI e XIX. Essas análises revelaram que a família inglesa tinha sido de dimensões reduzidas e de estrutura simples — ou seja, sem incluir outros parentes para além do casal e filhos — desde o século XVI, o que surpreendeu todos aqueles que imaginavam, com os sociólogos, que a família pré-industrial tinha sido patriarcal e complexa [Laslett, 1977a]. Estes resultados contradiziam o que se julgava já adquirido quanto aos supostos efeitos “modernizadores” da urbanização e da revolução industrial sobre a família e contribuíram para a definição da “estrutura do agregado doméstico” (household structure) como objecto de análise e de comparação [Laslett e Wall (orgs.), 1972; Wall, Robin e Laslett (orgs.), 1983].

27O que se calculava e comparava eram as frequências relativas de diferentes tipos de “agregado doméstico” nas localidades a que correspondiam as listas nominativas de habitantes. Por “agregado doméstico” entendia-se o agrupamento de indivíduos efectuado por quem redigiu as listas e que pela sua composição — incluíam, por exemplo, os eventuais criados — se supunha corresponderem grosso modo a um agregado familiar residencial. O objectivo da comparação era descobrir até que ponto essa surpreendente “modernidade” da família era um fenómeno de âmbito europeu, ou se, pelo contrário, teria de ser considerada como uma peculiaridade inglesa. Atendendo a que listas aparentemente análogas existiam em muitos países europeus, a comparação não só parecia simples, como também justificada de um ponto de vista metodológico. Em 1969, realizou-se em Cambridge um colóquio internacional para apresentar e discutir dados comparativos de outras zonas da Europa e de algumas sociedades não europeias, e desde então análises do mesmo tipo têm sido efectuadas um pouco por todo o lado. O objectivo da comparação, como se disse, era o de estabelecer até que ponto a forma típica da família nas sociedades europeias do passado tinha sido a família conjugal simples, ou família nuclear, e até que ponto e sob que condições era admissível a formação de agregados familiares mais complexos, que incluíssem outros parentes ou que pudessem até compreender mais do que uma unidade conjugal.

28O que se procurava comparar, por outras palavras, era a estrutura dos agregados domésticos, e dessa comparação se procurava retirar conclusões quanto aos diferentes sistemas familiares nas sociedades europeias e à sua evolução (ou estabilidade) durante os últimos séculos.

29No plano metodológico, contudo, um tal projecto coloca duas ordens de problemas, que na bibliografia têm sido frequentemente equacionados isoladamente e de uma maneira às vezes parcial.

30O primeiro dos dois problemas, que não irei abordar aqui a não ser para chamar a atenção para a sua existência e importância, diz respeito às implicações de um discurso de carácter estatístico referido a comportamentos humanos. Uma análise estatística tem como objecto, virtualmente por definição, os comportamentos de uma população heterogénea e seus efeitos sobre a estrutura dessa população. Nenhum dos dados relativos à estrutura tem qualquer referente ao nível dos indivíduos que compõem a população, e por isso não tem qualquer sentido tentar relacionar tais dados com fenómenos que só podem ser equacionados em termos de indivíduos (ou de grupos homogéneos) — como sejam, por exemplo, valores, atitudes, regras de comportamento ou o cálculo racional. Formulada em abstracto, esta consideração poderá parecer uma banalidade: mas implica, por exemplo, que a proporção de agregados domésticos deste ou de aquele tipo numa comunidade não terá explicação possível em termos de qualquer desses fenómenos, e que muitas das análises que procuram explicar, em termos de valores ou normas implícitas de comportamento, o carácter “nuclear” ou “troncal” de um sistema familiar (ou seja, as proporções relativamente mais elevadas de agregados domésticos simples ou complexos numa lista de habitantes…) têm pouca consistência metodológica.

31O segundo problema diz respeito à legitimidade da comparação quer entre sociedades diferentes, quer entre listas elaboradas numa única sociedade, mas em épocas distintas. Para que pudéssemos determinar se o objecto de análise é comparável teríamos de poder defini-lo de maneira inequívoca, e demonstrar em seguida que aquilo que encontramos representado nos documentos corresponde na realidade a esse objecto sociológico. Mas o problema está em como defini-lo em termos suficientemente gerais e transculturais para que a nossa definição possa servir para fundamentar um discurso e uma análise comparativas.

32A análise comparativa da estrutura dos agregados domésticos está inequivocamente centrada na composição dos mesmos e, de uma maneira geral, em critérios de carácter morfológico. Uma definição morfológica remete-nos para o sistema de parentesco e para aspectos normativos específicos, como sejam as regras de residência pós-matrimonial ou as modalidades de organização da assistência aos velhos. Mas mesmo se admitirmos que este género de critérios é sem dúvida relevante para uma definição morfológica dos agregados domésticos na nossa própria sociedade, cabe reconhecer que isto não será necessariamente o caso noutras sociedades, e por conseguinte que a utilização de tais critérios implicaria um risco bastante grave de etnocentrismo. Cabe reconhecer também que os critérios morfológicos que remetem para o sistema de parentesco são quase sempre insuficientes para explicar a variedade de formas com que deparamos na realidade, e que são a consequência das diferentes funções sociais dos agregados domésticos em distintos contextos socioeconómicos ou culturais.

33Se procurarmos, pelo contrário, uma definição geral baseada nas funções dos agregados domésticos encontraremos uma dificuldade análoga. É evidente que a importância do agregado doméstico na organização de uma sociedade reflecte a importância e o carácter fundamental das suas funções. Também é evidente que são estas funções que determinam em grande parte a composição dos agregados, mas não é possível estabelecer uma lista universal de funções — de produção, distribuição, reprodução, co-residência e transmissão de recursos — que seriam sempre e por todo o lado desempenhadas pelos agregados domésticos e que, por conseguinte, poderiam servir como base para uma definição geral. Em todas as sociedades intervêm elementos específicos, quer sejam normativos e culturais, quer socioeconómicos, que determinam quais as funções apropriadas de um agregado doméstico e quais as categorias de pessoas mais apropriadas que nelas devem participar. São estes elementos variáveis que fazem com que, em qualquer sociedade, a composição dos agregados domésticos se não possa deduzir das regras do sistema de parentesco e que servem de fundamento para a distinção analítica entre família e agregado doméstico.

34Ainda não foi encontrada uma solução adequada para este problema. Talvez a menos insatisfatória seja a que foi sugerida por Eugene Hammel [1984, 1988], para quem aquilo que define o agregado doméstico não são as suas funções em si — porque essas são variáveis de sociedade para sociedade —, mas o facto de que seja a unidade social mais pequena que desempenha uma pluralidade de funções quer para os seus membros, quer para a sociedade. Partindo do princípio de que a existência de uma tal unidade social elementar é funcionalmente necessária em todas as sociedades, Hammel propõe que se utilize esta constatação como princípio de legitimação para uma análise comparada e como ponto de partida para uma exploração, caso a caso, do sentido e das funções dessas unidades sociais numa determinada sociedade.

VI

35Hammel manifesta a sua formação de antropólogo quando propõe, como princípio metodológico, ask the natives. Só assim, considera, seria possível recuperar os elementos contextuais de sentido que definem o papel da família e do agregado doméstico na organização e reprodução de uma sociedade determinada. Mas a tarefa do historiador é mais complicada. Se quiser estudar a família e o grupo doméstico sem excluir qualquer grupo social terá de utilizar fontes de carácter demográfico como as já mencionadas listas de habitantes. Estas listas indicar-lhe-ão a composição dos agregados domésticos, mas nada lhe dirão, na maior parte dos casos, quanto às suas funções. Em condições normais, o historiador não pode pedir a este tipo de fontes qual a definição de agregado doméstico apropriada à sociedade em questão. Para “escutar”, mesmo indirectamente, o que dizem os seus “nativos” o historiador tem de se dirigir a outro tipo de fontes, como os livros de tabeliães e os processos judiciais, que registam os comportamentos de indivíduos susceptíveis de identificação nominativa através dos registos paroquiais, e procurar no conjunto de transacções e interacções conhecidas dos membros de um agregado doméstico — e, por conseguinte, naquilo que poderão ser as suas funções — uma explicação possível para a respectiva composição. É um trabalho imenso que só se poderá realizar à maneira e à escala de uma micro-história intensiva e nominativa: mas sem esse trabalho continuarão a ser metodologicamente inconsistentes todos os estudos baseados na análise comparada, ou implicitamente comparativa, de listas de habitantes e de outros documentos que nos parecem dar informações objectivas a respeito da estrutura familiar desta ou daquela sociedade.

VII

36A família é uma instituição de tal modo universal e imediata que a possibilidade de escrever a sua história poderia parecer uma questão apenas dependente de modas académicas ou da disponibilidade de fontes, ou de ambas. Mas o que se pode concluir desta breve discussão é que a definição do objecto de uma história da família não é uma questão simples, e que a própria imediatez da instituição faz dela, do ponto de vista da metodologia histórica, algo quase ilusório e quimérico. É com certeza esta a razão por que, dentre todas as instituições sociais, a família é a que menos poderá ser estudada isoladamente. A sua própria definição, numa perspectiva comparativa, é inevitavelmente contextual. E por isso não terá muito sentido propor o desenvolvimento da história da família como campo autónomo de investigação histórica. Para ser viável e metodologicamente defensável, a história da família teria de ser simultaneamente uma história demográfica e uma história social, uma história cujo objecto se define não em termos das suas aparências imediatas, mas das suas funções sociológicas: uma história multifacetada, aberta à demografia e à antropologia, da organização social da reprodução.

© Etnográfica Press, 1997

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

Place des libraires