Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Corpo Presente

 | 
Miguel Vale de Almeida

11 Diálogos entre vivos e mortos

Clara Saraiva

Texte intégral

1De todas as manifestações da “pessoa”, o corpo é, enquanto forma mais obviamente perceptível, a que é tomada socialmente como representativa por excelência da “pessoa”, entendida como “ser profundo” (Bourdieu, l977: 51). Esta identidade atribuída ao corpo poderia extinguir-se com a morte e o consequente desaparecimento do corpo físico. As atribuições sociais relacionadas com a percepção do corpo enquanto forma de linguagem cultural teriam aí, igualmente, o seu final. Não é isto, no entanto, que acontece, e todas as culturas elaboram formas diferenciadas de afirmar a importância do destino dos seus mortos, seres anteriormente participantes activos na vida social, e cuja ruptura com o mundo dos vivos é minuciosamente regulamentada e gerida. Essa regulamentação prende-se, em primeiro lugar, com o controlo social sobre o corpo morto, isto é, o conjunto dos rituais funerários impostos pelos vivos aos mortos, destinados a assegurar a sua melhor passagem para o outro mundo e a consequente boa gestão da relação entre o mundo dos vivos e o dos mortos. Alguns autores, como Hertz (l960), defenderam a existência de uma forte dicotomia entre as comunidades não ocidentais e a sociedade ocidental, afirmando a premência da continuidade das relações entre vivos e mortos nas primeiras, nomeadamente nas que cumprem cerimónias de segundas exéquias fúnebres, como é o caso de muitas sociedades asiáticas e africanas. O espaço de tempo que mediava entre as primeiras e as segundas cerimónias fúnebres (que difere, mas pode levar até um ano ou mais) marcava o período de luto propriamente dito, com uma série de rituais balizados socialmente e que acautelavam os riscos do percurso do defunto para o mundo dos mortos e estabeleciam os padrões sociais que passavam a reger as relações entre os dois mundos.

2O trabalho que tenho vindo a desenvolver numa comunidade rural do Noroeste minhoto mostra que a continuidade das relações vivos/mortos não é apanágio unicamente das sociedades não ocidentais. O modo de conceptualização e perpetuação da relação entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos é igualmente importante na nossa sociedade. A maneira como essas relações são actualizadas nessa mesma comunidade nortenha é um dos objectivos deste texto.

O local

3Montedor é um dos quatro lugares da freguesia de Carreço, concelho de Viana do Castelo. Era, em l950, uma comunidade essencialmente rural, onde coexistiam a agricultura e a criação de gado aliadas a actividades agro-marítimas de vulto. Aterra constituía o valor fundamental em que se baseava a economia e o fulcro da vida rural. A casa de lavoura era uma entidade com prestígio próprio e cuja reputação todos os seus membros, através do trabalho e de regras de conduta sociais, defendiam. A “casa” era conhecida não pelo nome da família, mas por uma designação própria: Casa da Boroa, Casa do Cabecho, Casa da Lapa (Saraiva, 1995).

4Esta comunidade tem sofrido um processo de mudança acelerado, devido à proximidade de um centro urbano em expansão e ao fenómeno mais vasto que se gerou a nível nacional, a partir da década de 50, que se liga à emigração, mas também a um conjunto de transformações socioeconómicas que permitiram o alargamento da sociedade a novas estruturas e uma progressiva modernização do modo de vida e das mentalidades.

5A estratégia de sobrevivência da unidade familiar tinha, tradicionalmente, matizes específicos, baseados na doação ou testamento em favor do filho(a) que “casava em casa”, que se constituía assim como herdeiro privilegiado, assumindo como contrapartida a obrigação de ficar com os pais idosos e cuidar deles até à morte. Como medida máxima de protecção da casa e do velho casal, os filhos só entravam na posse dos bens à morte dos pais. A autoridade repousava inteiramente sobre o casal mais idoso até ao desaparecimento de ambos.

  • 1 E não por estranhos, como os agentes funerários oriundos do meio urbano.

6Apesar do declínio da agricultura minifundiária enquanto actividade principal, que sobrevive ainda graças a ocupações mistas baseadas no pluriemprego característico desta região, e de uma série de mutações a vários níveis, a estrutura da família mantém-se inalterada, nos seus traços essenciais (Saraiva, l995). A maior parte das antigas casas continuam a ser constituídas por três, quatro ou mesmo cinco gerações, que convivem num mesmo espaço físico e se apoiam mutuamente. Esta situação faculta aos casais mais jovens uma segurança socioeconómica e aos mais velhos a certeza de um convívio e apoio até ao fim. São estes que detêm ainda a autoridade no seio da família e defendem uma ideologia que consagra a importância da casa de lavoura. Para eles, seria impensável abandoná-la e ir para um lar. Do mesmo modo, continuam a valorizar a “boa morte” em casa, rodeados dos seus, a desejar serem vestidos pela família ou vizinhos1 e a acreditar que não serão votados à humilhação de um velório na recém-construída capela mortuária, mas que o seu corpo permanecerá física e simbolicamente como guardião dos velhos valores da casa de lavoura tradicional até à sua saída para o cemitério. Esta vontade de continuar a ideologia da casa como entidade una, com vida e individualidade própria, perpetua-se no cemitério, onde as cabeceiras das sepulturas têm, muitas vezes, não o apelido da família, mas o nome da casa de lavoura. A ideologia que preserva a relação do indivíduo com a casa mantém-se assim para além do desaparecimento desse elemento.

Rituais funerários

  • 2 É por vezes difícil de definir, mesmo do ponto de vista médico-legal, o momento exacto da morte. O (...)
  • 3 Note-se o uso do mesmo termo utilizado no caso dos bebés que ingerem leite a mais.

7As técnicas de preparação física do corpo prendem-se com a desinfecção do cadáver e visam assegurar que determinados orifícios sejam tapados de modo a evitar a saída de fluidos corporais em movimentos intempestuosos do corpo morto que possam criar ambiguidade relativamente à sua condição de cadáver.2 Assim, lava-se o corpo, faz-se a barba, colocam-se algodões com álcool (antigamente aguardente) na boca e no nariz. Outras práticas relevam unicamente do domínio do simbólico, como o atar um pano preto à volta do braço esquerdo e da perna direita para evitar o “bolsar”, isto é, que o morto deite determinados líquidos pela boca. Controlam-se assim movimentos e reacções susceptíveis de serem consideradas próprias de um corpo vivo e não morto.3 Após a preparação do corpo, este deve ser exposto publicamente. O prestígio social da família é avaliado em termos do número de presenças junto ao defunto, no velório, na missa de corpo presente e no funeral. Este contacto directo com o cadáver é necessário e salutar: os casos de mortes violentas que não permitem a visualização do corpo no velório são considerados como uma “má morte” (Ariés, 1985; Pina Cabral, 1989).

O corpo presente

8Para além das técnicas e rituais funerários destinados a garantir o correcto desenrolar das sequências post mortem, uma das preocupações principais da família enlutada é garantir a presença perto de si dos restos físicos do ente querido. Mesmo que um familiar morra longe — como é frequente dada a elevada taxa de emigração — é importante trazer o corpo para o cemitério da freguesia, colocando-o ao alcance de um culto tido como necessário e indispensável, para o defunto e para a família. Há mesmo casos de pessoas que tinham parentes sepultados noutras freguesias e que fizeram transportar quase pedra a pedra a sepultura e os restos mortais para o cemitério local.

9Uma viúva cujo marido morreu no ano passado, devido à passagem de um tornado pela Madeira, onde estava a trabalhar na construção civil, contou como sofreu “duas mortes”: a primeira quando soube que o marido tinha desaparecido na enxurrada (estando presumivelmente morto) e a segunda quando, semanas mais tarde, lhe foi comunicado que o corpo tinha sido encontrado. Apesar de ter sido penosa a constatação final da morte do marido, sentiu-se, por outro lado, aliviada, porque isso significou que o corpo poderia — tal como foi — ser trazido para perto dela. A inquietação sentida durante o lapso de tempo em que o paradeiro do corpo não era conhecido e a incerteza de vir a ser encontrado foram, na sua opinião, um sofrimento muito maior:

Para o Senhor me devolver o corpinho dele tive aí mais de um mês a luzita acesa (…) Gostei muito que me encontrassem o corpo, mas foram duas mortes que nós tivemos…. três semanas sem saber se aparecia… e quando apareceu foi outro sofrimento.

10A necessidade da proximidade do corpo morto está igualmente relacionada com a importância da integridade corpórea na concepção ocidental do corpo, idealização essa que se prende com a doutrina católica vigente, e que tem como correlatos práticos o horror generalizado às autópsias e cremações: a presença integral do corpo é indispensável para a boa prossecução de um culto que visa, em última análise, a ressurreição final. Esta orientação, seguida pela Igreja Católica há séculos, encontra-se perfeitamente interiorizada na mente popular. David Le Breton salienta o modo como, em 1300, o Papa Bonifácio VIII, na sua bula De Sepulturis, condena a prática de reduzir o corpo dos mortos nas cruzadas ao estado de esqueletos para mais facilmente serem transportados para a sua terra natal:

O cadáver não pode ser desmembrado, danificado, dividido, sem que isso comprometa as condições de salvação do homem, que ele ainda encarna. (...) Fazer o corpo em pedaços é violar a integridade humana, é correr o risco de comprometer as suas chances na perspectiva da ressurreição (l992: 49).

O cemitério: espaço de sociabilidade

11A importância da presença do corpo morto secunda um fenómeno importante de valorização social do espaço do cemitério. Até à década de 60, a maioria das sepulturas eram térreas e só as casas mais abastadas possuíam terrenos comprados no cemitério, com jazigos ou sepulturas perpétuas. O regime geral era o das concessões por um período de cinco a sete anos, após o qual a Junta de Freguesia podia, se necessário, dispor desse espaço. A partir dos anos 60, um maior desafogo económico permitiu às casas um investimento nas sepulturas, que se transformaram, sendo cobertas por placas de mármore ou granito, lápides individuais variadas e outros elementos decorativos. Passou-se a espelhar no cemitério e na sepultura o prestígio da casa de lavoura que antes era avaliado através de outros mecanismos, como, por exemplo, o cuidado posto nos campos ou no gado.

  • 4 Local onde as raparigas, ao fim do dia, sob o pretexto de ir à loja ou à erva, se encontravam com o (...)
  • 5 Visível na própria fisionomia da casa, cercada por altos muros, que delimitam a eira, a casa e os a (...)

12As esferas de sociabilidade próprias da ruralidade relacionavam-se com as instâncias da festa (da freguesia, do lugar e mesmo romarias regionais), da religiosidade (como o mês de Maio e as novenas da Quaresma), mas também da vida quotidiana, incluindo as idas às feiras e ao lavadouro das mulheres, os encontros no feirão4 e, sobretudo, os momentos de cooperação no trabalho. No seio do individualismo próprio da casa minhota5 os trabalhos colectivos gratuitos e recíprocos (Oliveira, l983) funcionavam como momentos de abertura e sociabilidade que se contrapunham a esse individualismo: eram habituais as refeições alargadas e os bailes no decorrer ou final de uma vessada, sacha, ceifa, sementeira de batatas, roçada e carreada, ou noutros trabalhos ligados ao ciclo do linho ou do milho.

13Com a decadência da agricultura e as mudanças na estrutura da vida quotidiana, muitos desses momentos de sociabilidade alargada deixaram de existir e foram substituídos por outras formas. O cemitério, perpetuador da comunidade pela presença dos antepassados, passou a assumir um lugar de relacionamento entre os vivos, sobretudo para os elementos femininos.

  • 6 Esta prática é mais comum nos santos, altura em que o esmero na preparação das sepulturas se acentu (...)

14Todos os sábados as mulheres vão ao cemitério cuidar da sepultura da casa, que é minuciosamente escovada com lixívia, num trabalho intenso de purificação do espaço, e decorada com flores oriundas do jardim familiar. Cada mulher, guardiã do prestígio da casa que se exprime no aprumo revelado no cuidar da sepultura, é exímia num arranjo floral determinado, havendo uma certa competição e inveja para ver qual tem o espaço mais bem decorado. As (poucas) mulheres que não levam flores de casa, mas as compram na florista em Viana são alvo de comentários algo ambíguos. Criticam—se por não cultivarem as flores destinadas ao cemitério, mas admira-se o poder económico e a disponibilidade que permitiu tal extravagância.6 Os valores simbólicos da autarcia da casa revelam-se assim igualmente na produção dos bens destinados ao culto dos mortos. Numa sociedade onde não existe a tradição de se enfeitarem os interiores das casas com flores naturais, estas são, contudo, cultivadas nos jardins familiares e reservadas aos mortos da família (cf. Goody, l994). Esta é outra instância que espelha a continuidade estabelecida entre a casa de lavoura e o espaço no cemitério comunal destinado aos seus antepassados.

  • 7 O que suscita comentários dos homens: “Aquilo ali no sábado é uma festa! Antes era no rio, no feirã (...)

15Para além do trabalho de limpeza e decoração, o cemitério é hoje um espaço de sociabilidade feminina, já que muitas passam lá quatro e mesmo cinco horas, entre conversas sobre os diferentes arranjos florais, as doenças, a família e a vida da comunidade em geral.7 Do mesmo modo, a solidariedade entre casas vizinhas, estabelecida antigamente nas instâncias relacionadas com o trabalho, é visível no cuidar das sepulturas. É frequente uma vizinha tratar da sepultura de uma casa, se nenhum elemento desta tem disponibilidade para o fazer. Sucede também amiúde as mulheres entreajudarem-se nesse trabalho. De um modo geral, há uma acentuada disponibilidade que assinala os sábados como o “dia dedicado ao cemitério”, patente no comentário: “É uma tarde só para isto, mas toda a gente gosta de ter as suas sepulturas limpas e arranjadas”. É notório o orgulho em ter o cemitério “a parecer um jardim florido”.

16A valorização recente — manifestada no investimento social e económico posto nas sepulturas— do espaço por excelência da comunidade dos mortos suscita, na comunidade dos vivos, uma sociabilidade peculiar e reveladora da importância da continuidade das relações entre esses dois mundos numa sociedade laicizada e moderna.

  • 8 Que se realiza independentemente da altura do ano. Lourenço Alves, na sua monografia sobre Carreço (...)

17Os esforços desenvolvidos ao sábado são julgados socialmente na manhã de domingo, quando, após a missa vespertina, é realizada a procissão ao cemitério.8 Esta procissão tem lugar todas as semanas, cumprindo um ritual em que todos fazem questão de participar. Os homens seguem à frente; o padre, os membros da irmandade do Sagrado Coração de Jesus, com a cruz e as lanternas, e o sacristão, com a caldeira de água benta, em seguida. O grupo feminino vem em último lugar, obedecendo, assim, a uma divisão sexual rígida. A procissão dá uma volta ao cemitério, com paragens nos quatro pontos em cruz, em que o padre reza e asperge o espaço com água benta. No final, cada família dispersa-se pelas respectivas sepulturas, onde permanece uns momentos, rezando e prestando culto aos seus mortos. Só depois se passa em revista as campas dos familiares mais afastados, vizinhos e amigos.

18Enquanto a sociabilidade característica dos sábados se define pela preponderância feminina e por uma certa permissividade nas regras de conduta— fala-se alto, conversas mundanas e mesmo risos são comuns —, a visita dominical ao cemitério passa por um controlo social e religioso bastante mais rígido. Participam todos os elementos da família presentes na missa, homens e mulheres, não se deve elevar o tom de voz e reza-se pelas almas dos defuntos em cada sepultura visitada. Este culto semanal no cemitério tem duas vertentes complementares: os momentos de interioridade religiosa, de intercessão pelos defuntos, bem como da expressão de emoções socialmente sancionada, contrapõem-se ao controlo que assinala as presenças e as ausências, o modo como o trabalho feminino de sábado foi (bem ou mal) executado, etc.

19Na boa tradição católica que defende que a atenção prestada aos defuntos pode influenciar o destino da sua alma (Goody, l993), a sociedade controla se os antepassados receberam, física e espiritualmente, os cuidados merecidos e devidos.

Discursos sobre o corpo presente

20Analisando os discursos femininos sobre os corpos familiares que ali repousam e pelos quais elas velam, discernem-se representações sociais desses corpos através de mecanismos metonímicos correntes e sistemáticos, presentes na linguagem e na vida quotidiana (Lakoff e Johnson, l980). A corporalização de determinados objectos que passam a ser tratados como se do próprio defunto se tratasse é uma dessas instâncias.

21Uma mulher cujo filho morreu há cerca de um ano vai todos os sábados ao cemitério cuidar da sepultura, que tem, para além da cabeceira com a designação da casa de lavoura, lápides individuais para cada um dos defuntos. Uma delas é a lápide do filho, decorada com um verso e uma foto do falecido. Essa lápide é por ela cuidadosamente manipulada, enquanto fala com carinho de como “Vou pôr aqui o meu Heldinho”, “Agora vou limpar o meu Heldinho”, como se se referisse ao próprio corpo do filho. Neste caso, é usado um objecto que toma a parte pelo todo, e que permite conceptualizar algo através da sua relação com essa outra coisa que está ausente; corporaliza-se o defunto através da sua foto (Lakoff e Johnson, l980: 36):

  • 9 Itálico dos autores, editing meu..

Nestes casos (...) uma entidade é usada para referir uma outra (...) A metonímia (...) tem uma função primordialmente referencial, isto é, permite-nos usar uma entidade no lugar da outra.9

  • 10 A lápide na sepultura tem a seguinte inscrição: “Aqui jaz Maria Alcina M. Pinto Ramos. N. 31-10-58 (...)

22Um outro exemplo que reflecte a relação de corporalização relativamente ao morto é perceptível na atitude de uma mãe cuja filha morreu noiva, e que tem a preocupação de decorar semanalmente a sepultura com uma jarra e flores brancas10 (enquanto nos outros dois lugares da sepultura utiliza flores de diversas cores), enfatizando a situação corporal de suposta virgindade da filha no momento da morte. Afirma-se a continuidade da relação com o morto fazendo perdurar para além da morte as características que definiam o indivíduo em vida.

23Uma viúva que levava todos os domingos, antes de sair para a missa, o café ao marido, acamado desde há um tempo, contou-me como não pode passar sem ir junto à sepultura, todos os domingos, antes da missa vespertina, tal como se continuasse ainda a ir-lhe levar o café (e apesar de o marido já ter falecido há catorze anos).

24Estes exemplos mostram uma das maneiras como o corpo pode mediar a reflexão e acção sobre o mundo (Lock, l993), neste caso, a relação com o defunto pessoa-sujeito de acções enquanto vivo, que os sobreviventes fazem perdurar na sua memória e na prática — necessária para a continuidade da relação vivos-mortos — do refazer contínuo da identidade dos já desaparecidos.

25A corporalização de uma relação de consanguinidade ou de proximidade familiar que define a pertença à casa de lavoura e que se mantém para além da morte pode ser sintetizada num outro exemplo, que é o de os afogados “darem sinal”. Quando uma pessoa morre no mar—o que numa comunidade com actividades piscatórias e, sobretudo, agro-marítimas de vulto não era raro acontecer —, o corpo anda por vezes vários dias à deriva antes de dar à costa, frequentemente irreconhecível. Quando um familiar próximo do afogado, quase sempre um elemento do sexo feminino, tal como a mulher, irmã, filha, chega à praia, o defunto “dá sinal”, isto é, deita sangue. Existem vários relatos de pessoas que viram o corpo manchado de sangue. Este “dar sinal” é a afirmação da relação de consanguinidade ou proximidade com a comunidade dos vivos, manifestada para além da morte física.

Cemitério e emoções

26A ênfase posta no cemitério e na sepultura da casa enquanto mecanismo revelador do prestígio da unidade e do cuidado que os seus elementos põem na relação com os antepassados pode ser pensada como natural e óbvia numa zona em que as questões de herança continuam a ser uma preocupação primordial. Não seria assim lógico um herdeiro não honrar publicamente aqueles que garantiram a sua segurança social e económica. O cemitério olhado como locus de uma relação intensa que se estabelece entre a comunidade dos vivos e dos mortos ultrapassa, no entanto, as considerações de cariz socioeconómico.

  • 11 Esta era a prática corrente em todo o país.

27Até ao início dos anos 70, a família mais próxima — viúva (o), filha (o), mãe e pai— despedia-se do defunto à saída do cortejo para o cemitério, após a noite de velada fúnebre.11 O momento da chegada do padre desencadeava uma catarse emocional, e era nesta altura que tinham lugar as mais expansivas manifestações de sofrimento. Seria mesmo considerado de mau tom se tal não sucedesse, o que significaria que a família não lamentava a perda desse seu elemento. Essa prática revelava, por outro lado, um recatamento a que os doridos se obrigavam, não devendo durante um período de tempo sair para os campos nem tratar dos animais.

  • 12 Este é um excelente exemplo do embodiment de uma emoção e também da manipulação das relações de pod (...)

28Apesar de ainda haver na região casos em que esse costume se mantém, nesta freguesia a família próxima acompanha agora, quase sempre, o morto até ao seu local de repouso final. Isto só não se verifica nos casos em que “não se tem coragem”, como em casos de “má morte” de jovens ou mortes súbitas. O “não ter coragem” reflecte-se fisicamente, e o dorido desfalecerá se insistir em confrontar o seu corpo vivo com o morto.12 O momento da descida da urna à terra é conceptualizado como um dos mais difíceis de todo o processo de luto.

  • 13 Designação dada à pessoa que organiza o funeral, incluindo o contacto com a agência funerária, padr (...)

29Tendo sido transposta para o cemitério a crise emocional e socialmente encorajada que marca a separação física entre o corpo morto e os corpos vivos, as manifestações de dor são hoje em dia mais contidas que anteriormente, quando a despedida se passava à saída da casa do defunto e não num local público como é o cemitério. Os rituais de luto, mecanismos destinados à modelação da expressão das emoções, são, assim, bastante mais controlados, sobretudo se confrontados com as práticas mais antigas. O problema da boa gestão das emoções é também a razão por que se deixou de abrir a urna no cemitério, para a derradeira despedida do morto. A manipulação social das emoções (Lutz e Abu-Lughod, l990) é também observável noutras instâncias. A missa de corpo presente era realizada com a urna aberta, mas há uns anos “o reitor proibiu a abertura da urna na igreja, por causa da curiosidade das pessoas, de quererem sempre ir ver o morto e comentar o seu aspecto” (explicação dada pelo “homem que corre com o enterro” no lugar).13 O domínio das reacções emocionais que escapam ao seu controlo foi sempre uma preocupação do catolicismo.

  • 14 Embora este cerimonial tenha afinidades com o que se passa na sepulturie basca não parece aqui have (...)

30Na manhã imediata ao dia do enterro tem lugar, na igreja, uma cerimónia que, num plano simbólico, reintroduz o morto no seio dos vivos, e na qual participa a família e as pessoas mais próximas do defunto. Na nave central, recria-se o espaço que o morto ocupou na missa de corpo presente. Dispõem-se quatro velas, configurando um rectângulo, e a caldeira da água benta. O padre repete os responsos da missa de corpo presente.14 Esse espaço é, em seguida, aspergido com água benta pelo padre, pelos presentes e, finalmente, pela família dorida. As gestualidades que se cumprem durante a velada, em que todos os participantes aspergem o defunto, repetem-se aqui como se de facto o morto ainda se encontrasse no seio dos vivos. Após a missa, o cortejo sai para o cemitério, onde se repete a aspersão, desta vez da própria sepultura.

  • 15 O mesmo cerimonial repete-se na missa de sétimo dia.

31A cerimónia do saimento realiza-se sempre, mesmo que a família tenha acompanhado o defunto ao cemitério, e funciona como um reforço do ritual funerário. Ela reitera a relação entre dois elementos aparentemente desligados a partir desse momento: a boa ascensão da alma ao mundo dos mortos e o local onde se guardam os restos físicos do corpo morto, a sepultura.15

Corpo e sujeito

32Ao contrário das sociedades mais tradicionais que veiculam uma concepção holística onde o indivíduo se não diferencia do cosmo, da natureza e da própria comunidade, o dualismo ocidental distingue o homem (pessoa) do corpo. Esta representação, que surgiu com o desenvolvimento do individualismo no mundo ocidental a partir do Renascimento, permite ao actor social referir-se ao seu corpo como algo que se possui: “O meu corpo” (Le Breton l992).

33Durante a Idade Média, as dissecções e estudos anatómicos eram impensáveis. O corpo não era dissociado do sujeito, e toda a acção sobre ele era considerada como uma violação do ser humano. Com os primeiros anatomistas do século XVI o corpo é estudado como uma realidade autónoma e passa-se a uma visão desprendida que contrasta vivamente com a anterior. A completa clivagem ontológica entre o homem e o corpo só se atinge plenamente entre os séculos XVI e XVIII com o triunfo do individualismo: a axiologia de Descartes distingue, no homem, o corpo da alma.

34O catolicismo separa igualmente o corpo da alma. É pelas almas que os vivos intercedem, que mandam rezar missas, que fazem ofertas ao divino. Os cuidados tidos com os restos físicos no cemitério só fazem sentido porque se acredita que algo triunfará para além da morte.

  • 16 “As camadas populares inscrevem-se em tradições muito distanciadas e não isolam o corpo da pessoa” (...)

35Se o corpo é o suporte do indivíduo e a separação entre os dois é nítida no momento da morte, este dualismo não é claro na mente das pessoas. Elas afirmam acreditar no que o “senhor reitor” proclama na igreja, que o corpo retorna a pó e que é pela salvação das almas que se deve rezar. Mas os exemplos que aqui dei das relações estabelecidas entre os sobreviventes e o locus físico dos restos mortais dos familiares são a prova de que essa dualidade funciona antes em termos de complementaridade.16 As instâncias aqui invocadas, como os discursos a propósito dos corpos familiares presentes no cemitério, e as cerimónias que constantemente recriam a relação entre vivos e mortos—como a cerimónia do saimento, a missa do sétimo dia, a intenção de mandar rezar missa no aniversário da morte, entre outras — manifestam a preocupação e os cuidados prestados pelos sobreviventes para que o defunto seja correctamente integrado no mundo dos mortos. São também exemplos que mostram a intensa relação estabelecida entre os dois mundos e a permanente preocupação em recriar a presença dos mortos no seio dos vivos.

Notas

36Material recolhido no âmbito do projecto “Concepções da morte e rituais funerários no Portugal de hoje”, financiado pela JNICT.

Bibliographie

Alves, Lourenço (1989), A Comenda de Santa Maria de Carreço, Viana do Castelo, Junta de Freguesia de Carreço.

Ariès, Philippe (1985) (1977), L’Homme devant la Mort, 2 vols., Paris, Le Seuil.

Bloch, Maurice, e Parry, Jonathan (1989) (1982), Death and the Regeneration of Life, Cambridge, Cambridge University Press.

Bourdieu, Pierre (1977), “Remarques provisoires sur la perception sociale du corps”, in Actes de la Recherche en Sciences Sociales Avril l977, 14: 51-54.

Douglass, William (1973) (1969), Death in Murelaga. Funerary Ritual in a Spanish Basque Village, Seattle, University of Washington Press.

Goody, Jack (1994), La Culture des Fleurs, Paris, Le Seuil.

Hertz, Robert (1960) (1907, 1909), Death and the Right Hand, Glencoe, Illinois, The Free Press.

Lakoff, George, e Johnson, Mark (1980), Metaphors we Live by, Chicago, The University of Chicago Press.

Le Breton, David (1985), “Corps et individualisme”, in Diogène, 1985, 135: 27-50.

Le Breton, David (1992) (1990), Anthropologie du Corps et Modernité, Paris, PUF.

Lock, Margaret (1993), “Cultivating the body: anthropology and epistemologies of bodily practice and knowledge”, in Annual Review of Anthropology, 1993, 22: 133-55.

Lutz, Catherine, e Abu-Lughod, Lila (1990), Language and the Politics of Emotion, Cambridge, Cambridge University Press.

Oliveira, Ernesto V., Pereira, Benjamim, e Galhano, Fernando (1983), Alfaia Agrícola Portuguesa, Lisboa, INIC.

Pina Cabral (1989), Filhos de Adão, Filhas de Eva. A Visão do Mundo Camponesa no Alto Minho, Lisboa, Dom Quixote.

Saraiva, Clara (1995), “Casar em casa: a organização familiar numa comunidade do litoral minhoto”, in Cadernos Vianenses, l995, 18: 29-52.

Ziegler, Jean (1975), Les Vivants et la Mort, Paris, Le Seuil.

Notes

1 E não por estranhos, como os agentes funerários oriundos do meio urbano.

2 É por vezes difícil de definir, mesmo do ponto de vista médico-legal, o momento exacto da morte. O facto de a barba crescer e de poderem haver, por exemplo, movimentos intestinais no cadáver, suscitam toda uma série de crenças relativas à ambiguidade da fronteira corpo vivo-corpo morto (ver Ziegler, l975).

3 Note-se o uso do mesmo termo utilizado no caso dos bebés que ingerem leite a mais.

4 Local onde as raparigas, ao fim do dia, sob o pretexto de ir à loja ou à erva, se encontravam com os rapazes e namoriscavam.

5 Visível na própria fisionomia da casa, cercada por altos muros, que delimitam a eira, a casa e os anexos agrícolas onde o quotidiano se desenrola.

6 Esta prática é mais comum nos santos, altura em que o esmero na preparação das sepulturas se acentua ainda mais. O fenómeno da valorização das flores naturais como meio de prestar homenagem é visível também na recente prática da abundante oferta de flores por familiares, vizinhos e amigos nos velórios e funerais. Para além da presença dos elementos da casa, cada uma delas deve igualmente estar representada nessas cerimónias através da oferta de flores naturais armadas em ramo ou coroa. Há cinquenta anos apenas em funerais de pessoas com estatuto social elevado ou nos casos de mortes de jovens se ofereciam flores, que eram de papel.

7 O que suscita comentários dos homens: “Aquilo ali no sábado é uma festa! Antes era no rio, no feirão; agora as mulheres também já não vão à erva…”

8 Que se realiza independentemente da altura do ano. Lourenço Alves, na sua monografia sobre Carreço (1989: 176) comenta: “A propósito desta procissão (…) a Junta da Paróquia, em 4 de Abril de l837, recomendava que se fizesse, sempre que possível no fim da missa da manhã, como era costume antigo.” As freguesias vizinhas não têm esta procissão dominical.

9 Itálico dos autores, editing meu..

10 A lápide na sepultura tem a seguinte inscrição: “Aqui jaz Maria Alcina M. Pinto Ramos. N. 31-10-58 F. 4-8-84 Eterna saudade de sua mãe, irmã, noivo e família.”

11 Esta era a prática corrente em todo o país.

12 Este é um excelente exemplo do embodiment de uma emoção e também da manipulação das relações de poder relativamente às emoções: são geralmente os elementos do sexo feminino, “seres mais fracos”, que “não têm coragem”.

13 Designação dada à pessoa que organiza o funeral, incluindo o contacto com a agência funerária, padre, familiares ausentes, etc.

14 Embora este cerimonial tenha afinidades com o que se passa na sepulturie basca não parece aqui haver relação (ao contrário do caso estudado por Douglass, 1973) com o antigo costume de se enterrarem os corpos na igreja.

15 O mesmo cerimonial repete-se na missa de sétimo dia.

16 “As camadas populares inscrevem-se em tradições muito distanciadas e não isolam o corpo da pessoa” (Le Breton, l992: l76).

Auteur

Mestre em Antropologia Cultural e Social e investigadora do Centro de Antropologia Cultural e Social (CACS) do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT). Prepara a tese de doutoramento sobre “Concepções da morte e rituais funerários no Portugal de hoje”. Outros temas de investigação sobre os quais tem trabalhado incluem os rituais mortuários em populações de origem africana e as novas religiões em Portugal. É ainda responsável pela cadeira de Antropologia das Regiões: Introdução à Etnografia Portuguesa, que lecciona na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

© Etnográfica Press, 1996

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540