Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Corpo Presente

 | 
Miguel Vale de Almeida

Sobre os autores

Texte intégral

1Cristiana Bastos, antropóloga, é natural de Lisboa. Fez os primeiros trabalhos de campo no Alentejo e Algarve, seguidos de Nova Iorque e Rio de Janeiro. Estudou na Universidade Nova de Lisboa e na City University of New York; estagiou no Museu Nacional, no Instituto de Medicina Social e na FIOCRUZ, Rio de Janeiro; ensinou no ISCTE, Lisboa, colaborou com a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e é, desde 1990, investigadora do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa. Publicou os Montes do Nordeste Algarvio (Cosmos, 1993) e, em colaboração, a AIDS no Brasil (Relume Dumará, 1994), além de artigos na Análise Social, Revista Crítica de Ciências Sociais, Trabalhos de Antropologia e Etnologia, Journal of Familiy History. Prepara um livro sobre as respostas internacionais à epidemia da SIDA e a produção social da ciência.

2Maria Cardeira da Silva, nascida em Faro em 1960 é, desde 1984, responsável pelos contextos árabes no âmbito da disciplina de Culturas não Europeias no Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa. A investigação para o seu doutoramento incluiu dois anos de trabalho de campo em Marrocos (1991-1993), na medina de Salé, com pesquisa incidente sobre o universo feminino urbano em meio popular muçulmano e as tácticas de articulação entre a norma e a prática, a tradição e a modernidade, o local e o global.

3Manuela Cunha é licenciada em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa. Colaborou com o Centro de Estudos Judiciários e é assistente na Universidade do Minho (UM). A sua investigação tem-se centrado nas instituições totais, em especial hospitais psiquiátricos e prisões, dela resultando publicações como Malhas que a Reclusão Tece. Questões de Identidade numa Prisão Feminina (CEJ, 1994) e “Sociabilité, ‘société’, ‘culture’ carcérales” (Terrain, 1995).

4Nélia Dias, professora auxiliar no departamento de Antropologia Social do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), tem trabalhado ultimamente em torno de museus etnográficos, modos de representação visual e sobre as categorias objectos naturais/objectos culturais. Esta temática tem sido desenvolvida sob forma de artigos publicados em Travellers’Tales: Narrative of Home and Displacement (Routledge, 1994) e Romantisme (n.° 8, 1994) e de comunicações orais apresentadas no colóquio “Le Territoire du Musée”, (Musée Orsay, Paris, 1994) e no College Art Association Conference, Boston 1996.

5Jean-Yves Durand é membro do Laboratoire d’Ethnologie Méditerranéenne et Comparative (LEMC, Aix-en-Provence); vive em Portugal, tendo estudado antropologia e literatura comparada em França e nos EUA. Para além da produção dos saberes científicos e não científicos, interessa-se pela história das escolas antropológicas nacionais (“’Où la mer s’achève et la terre commence’. Une anthropologie du bout de l’Europe”, Terrain, 17) e pelas relações entre antropologia e tradução (“’Cultural translation’? The roots of a meta-phor”, no prelo).

6Maria José Fazenda nasceu em Faro, em 1964. Licenciada em Antropologia e mestre em Antropologia Social e Cultural e Sociologia da Cultura pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, fez o Curso da Escola de Dança do Conservatório Nacional. Lecciona Antropologia da Dança e História da Dança na Escola Superior de Dança (ESD) do Instituto Politécnico de Lisboa. Publicou “Para uma compreensão da pluralidade das práticas da dança contemporâneas: repensar conceitos e categorias”, na revista Antropologia Portuguesa (vol. 11, 1993). Colaboradora do jornal Público como crítica de dança.

7Inácio Fiadeiro é psicólogo, especializado em psicolinguística pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (Paris) e é assistente de Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação (FPCE) da Universidade de Lisboa. É Acupunctor, Ma. Ac. pelo Traditional Acupuncture Institute (Columbia, MD, EUA).

8Susana de Matos Viegas é licenciada em Antropologia Social pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa em 1987. Realizou as provas de aptidão pedagógica e capacidade científica em 1995 no Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade de Coimbra. A sua tese centra-se sobre processos de consciência self e experiência vivida no envelhecimento. É assistente de Departamento de Antropologia da FCT da Universidade de Coimbra.

9Rosa Maria Perez é doutorada em Antropologia Social pelo ISCTE, tem realizado desde 1983 trabalho de investigação sobre a Índia, primeiro no Gujarate, sobre o sistema de castas a partir de um grupo de intocáveis, e, depois do doutoramento, em Goa, sobre o hinduísmo e os mecanismos de intercepção entre ele e o cristianismo. O último trabalho conduziu-a a questões de identidade e etnicidade, coordenando actualmente um projecto de investigação sobre etnicidade para a Câmara Municipal de Lisboa. Foi nomeada comissária adjunta da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, onde é responsável pelas actividades relativas à Índia.

10João de Pina Cabral é doutor em Antropologia Social pela Universidade de Oxford, Inglaterra. É investigador principal do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa. Foi presidente fundador da Associação Portuguesa de Antropologia, é membro fundador da Associação Europeia de Antropólogos Sociais e, presentemente, secretário-geral da associação. Entre as suas publicações académicas destacam-se Filhos de Adão, Filhas de Eva (Clarendon Press, 1986, e D. Quixote, 1989), Os Contextos de Antropologia (Difel, 1991) e Aromas de Urze e de Lama (Fragmentos, 1993). Foi co-organizador de A Morte no Portugal Contemporâneo (Jaso Press, 1984, e Querco, 1985) e Europe Observed (Macmillan’s, 1992). Foi malinowski memorial lecturer (London School of Economics, 1992) e distinguished lecteur, Society for the Anthropology of Europe (São Francisco, 1992). As suas áreas preferenciais de investigação e docência têm sido o estudo comparativo da família, a relação entre o poder e os comportamentos simbólicos e a etnicidade.

11Paulo Raposo, nascido em Lisboa, em 1963, licenciado e mestre em Antropologia Social pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), onde é assistente do Departamento de Antropologia Social. Desenvolveu trabalho de campo na Beira Alta sobre “Ritual, tecnologias e corpo”, integrado na equipa de investigação coordenada por Raul Iturra e financiada pela JNICT, com publicação dos resultados em Portugal e França. É autor do livro Corpos, Arados e Romarias (Escher, 1991). Prepara actualmente doutoramento sobre “Performances rituais e teatrais”. Faz parte da direcção da Associação Portuguesa de Antropologia (APA) e é membro do Centro de Estudos de Antropologia Social (CEAS) do ISCTE.

12Clara Saraiva é mestre em Antropologia Cultural e Social e investigadora do Centro de Antropologia Cultural e Social (CACS) do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT). Prepara a tese de doutoramento sobre “Concepções da morte e rituais funerários no Portugal de hoje”. Outros temas de investigação sobre os quais tem trabalhado incluem os rituais mortuários em populações de origem africana e as novas religiões em Portugal. É ainda responsável pela cadeira de Antropologia das Regiões: Introdução à Etnografia Portuguesa, que lecciona na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

13Miguel Vale de Almeida nasceu em Lisboa em 1960. Estudou Antropologia em Portugal e nos Estados Unidos. É professor auxiliar no Departamento de Antropologia Social do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE, Lisboa). Realizou trabalho de campo no Alentejo sobre género e masculinidade, de que resultaram os livros Senhores de Si: Uma Interpretação Antropológica da Masculinidade (Fim de Século, 1995) e The Hegemonic Male. Masculinity in a Portuguese Town (Berg, 1996). Presentemente conduz uma investigação sobre casais do mesmo sexo num contexto de classe média urbana. É cronista do diário Público.

© Etnográfica Press, 1996

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

Place des libraires