Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Etnografias Urbanas

 | 
Graça Índias Cordeiro
, 
Luís Vicente Baptista
, 
António Firmino da Costa

Parte II. Estilos de sociabilidade

Capítulo 10. Etnicidade e sociabilidades dos guineenses em Portugal

Fernando Luís Machado

Texte intégral

Etnicidade e sociabilidades

1Como se constituem e desenvolvem, em contexto urbano, as redes de relacionamento social de uma população migrante minoritária, étnica e racialmente diferenciada, neste caso, os guineenses residentes em Portugal?

2A importância desta pergunta e das respostas que a pesquisa empírica lhe pode dar decorre do facto de se poder considerar as sociabilidades quotidianas como uma das mais importantes dimensões da etnicidade. Sociabilidade é tomada neste contexto, note-se, não no sentido simmeliano originário, ou seja, uma forma social em si mesma, independente dos conteúdos, uma espécie de contacto social “puro”, mas como sinónimo de redes de relacionamento social corrente com diversos tipos de actores e conteúdos variados.

3Se definirmos etnicidade como um fenómeno que se desdobra em diferentes dimensões sociais e culturais, incluindo a composição social de uma determinada minoria e a sua localização residencial ou a língua e a religião predominantes entre os seus membros, podemos dizer que uma dimensão fundamental é, para além das citadas, a orientação que os membros dessa minoria imprimem às suas sociabilidades quotidianas (Machado, 1999).

4Mais concretamente, pode dizer-se que conforme essas sociabilidades decorram, no essencial, dentro do grupo ou envolvam também, de forma regular, outras pessoas, especialmente os autóctones da sociedade de acolhimento, assim a etnicidade se configurará em moldes diferentes. A ideia é que, quanto mais as sociabilidades forem orientadas para dentro, maiores tenderão a ser os contrastes com a população receptora, ao passo que a formação de redes de sociabilidade extragrupo fortes gera continuidades, promovendo, por essa via, a integração na sociedade envolvente.

5Ao limite, podemos encontrar dois cenários opostos e extremos para a orientação das sociabilidades. Um corresponderia à concretização plena do chamado “multiculturalismo separatista” (Parrillo, 1996), em que minorias e maioria coexistem de maneira totalmente justaposta; o outro corresponderia à versão maximalista da ideia de cruzamento de círculos sociais (Simmel, 1989 [1908]), segundo a qual a quantos mais grupos se pertence mais vincada se torna a individualidade de cada um, na medida em que é raro que outros indivíduos apresentem a mesma combinação de grupos. Numa versão radicalizada desta teoria, os membros de determinada minoria pertenceriam a tantos círculos sociais diferentes que desenvolveriam uma individualidade irredutível, não só a essa minoria como a qualquer outro tipo de pertença social.

6A sociabilidade quotidiana e as redes sociais em que ela se traduz podem ser qualificadas por referência a múltiplos critérios. Alguns trabalhos sobre o tema fazem o inventário dessas qualificações bem como das variáveis sociográficas com interferência directa na configuração dessas redes de sociabilidade (Bidart, 1988; Costa, Machado e Almeida, 1990; Grafmeyer, 1995).

7No caso em análise, construiu-se um conjunto de indicadores que cruza a composição da sociabilidade dos migrantes guineenses — relações entre si, com outros migrantes dos PALOP e com a população portuguesa — com quatro tipos de relacionamentos sociais de conteúdos variados, mas todos importantes — os familiares, de amizade, profissionais e de vizinhança. Não se trata propriamente de medir a frequência ou a intensidade das relações em cada um desses círculos, mas de saber se, em cada um deles, há ou não pessoas dessas várias origens nacionais. A informação empírica sobre a composição dessas redes foi obtida, no essencial, através de uma abordagem extensiva e “externa”, baseada num inquérito por questionário aplicado, em 1995, a uma amostra nacional de 400 migrantes guineenses.

8Os quatro tipos de relações indicados são, como é óbvio, de natureza diferente. Se o estabelecimento de relações familiares e de amizade obedece a uma lógica de electividade, ainda que no caso das primeiras haja geralmente selectividade dentro da própria rede familiar (Kellerhals e McCluskey, 1988), já os colegas e os vizinhos não são, em larga medida, objecto de escolha. No caso dos colegas, as relações inevitavelmente estabelecidas no curso da actividade profissional não se traduzem necessariamente em relações interindividuais fortes, e quando estas ocorrem são, regra geral, limitadas em número. Quanto aos vizinhos, a coexistência espacial não significa automaticamente, como é sabido, relações de sociabilidade, embora o prolongamento dessa coexistência favoreça o seu desenvolvimento.

9De qualquer modo, é possível obter, através desse conjunto de indicadores, uma apreensão global dos contrastes e continuidades dos migrantes com a sociedade receptora, ou seja, saber em que medida, em cada um desses círculos, os relacionamentos sociais do dia a dia se estruturam só para dentro ou também para fora das fronteiras do próprio grupo.

Composição étnica das redes sociais

10O quadro 10.1 dá-nos a composição global dos relacionamentos sociais dos guineenses em cada um dos quatro círculos de sociabilidade referidos.

11No que respeita ao primeiro desses círculos, pode parecer redundante ter-se perguntado aos inquiridos a origem nacional dos seus familiares. Como era de esperar, praticamente todos têm parentes de origem guineense. A pergunta justificava-se, no entanto, para saber até que ponto a rede familiar incluiria também pessoas de outras proveniências nacionais. Os resultados obtidos são bastante reveladores, já que mostram percentagens consideráveis de migrantes com familiares portugueses e cabo-verdianos. A própria rede familiar, que é, por definição, a primeira e mais próxima de todas as redes de sociabilidade, não é, afinal, tão fechada quanto se poderia supor. Note-se, contudo, a selectividade da abertura dessa rede, que praticamente não inclui angolanos, moçambicanos ou santomenses.

12Nos círculos de amizade, os mais electivos de todos, encontramos traços de composição que em parte são semelhantes aos das redes familiares e em parte são diferentes. Para além da predominância de amigos da mesma origem nacional, outro traço comum é o facto de também as redes de amizade incluírem muito mais cabo-verdianos e portugueses do que elementos de outras origens.

13Diferente é o peso comparativo da presença de uns e outros. A seguir aos próprios guineenses, são portugueses aqueles que os migrantes mais frequentemente indicam como amigos. Os 63% de respostas nesse sentido são eloquentes, quer em comparação com a percentagem relativa a amigos cabo-verdianos, mas sobretudo em comparação com o número limitado de outros amigos africanos. Moçambicanos e santomenses, também pelo lado da amizade, continuam relativamente à margem das redes de relacionamento dos guineenses, enquanto os angolanos assumem uma posição intermédia, bem acima da que têm nas redes familiares, mas distante da que ocupam os portugueses.

14Já as redes constituídas na esfera profissional e de vizinhança apresentam mais diferenças do que semelhanças com as anteriores. A principal e decisiva diferença é que não são guineenses, mas portugueses, aqueles que são mais vezes apontados como colegas e vizinhos. As proporções de migrantes com colegas e vizinhos portugueses são bastante maiores do que as daqueles que têm como colegas e vizinhos outros guineenses. Em todo o caso, esta última situação é, mesmo assim, mais comum do que a presença nessas redes de outros africanos.

15Note-se ainda, agora em convergência com a composição das redes familiares e de amizade, que a presença cabo-verdiana também é forte nos círculos profissionais e vicinais, enquanto as referências a angolanos, menos presentes naquelas redes, aumentam agora significativamente, para valores mais próximos dos cabo-verdianos, em particular na esfera profissional. Semelhante também ao que se passa no plano das relações familiares e de amizade é a escassez dos contactos com moçambicanos, santomenses ou pessoas de outras origens.

Quadro 10.1. Redes de sociabilidade (percentagens)

Familiares

Amigos

Colegas

Vizinhos

Guineenses

99,3

97,5

71,1

69,8

Portugueses

22,3

62,5

95,5

88,8

Cabo-Verdianos

25,0

49,8

59,9

43,3

Angolanos

3,5

35,8

56,6

32,8

Moçambicanos

1,3

13,8

18,4

11,8

Santomenses

1,8

15,8

20,8

14,0

Outra origem

6,5

10,3

15,7

7,0

Fonte: Inquérito Nacional aos Guineenses Residentes em Portugal (1995)

16Como interpretar a configuração global destas redes de sociabilidade? Elas significam contrastes ou continuidades? Reforçam a lógica da etnicidade ou atenuam-na? Para responder a estas questões há que decompor os resultados obtidos, cruzando as leituras que deles se pode fazer a partir de ângulos diferentes.

17Vejamos, primeiro, o caso da sociabilidade intraétnica nos círculos de relacionamento mais próximos. Ainda que uma boa parte dos migrantes não viva em família, quer porque não a constituiu, quer, sobretudo, porque o reagrupamento familiar é limitado, isso não significa que as relações entre familiares não sejam já muito fortes nesta fase do ciclo migratório. Os laços de segunda linha — primos, sobrinhos, cunhados — compensam, nas relações quotidianas, a ausência da família nuclear, continuando por essa via o círculo familiar a ser um lugar de sociabilidade privilegiado.

18As redes de amizade intraétnicas, por seu lado, também são sólidas. Quase todos os migrantes têm amizades com outros guineenses e os encontros com amigos constituem uma prática de tempos livres muito regular. Para além de todas as afinidades que uma origem nacional comum proporciona, e que a condição de migrante contribui para valorizar e reforçar, a consolidação das redes familiares e de amizade intraétnicas é favorecida pela compressão no tempo e no espaço do próprio fluxo migratório. A grande maioria dos migrantes vivia em Bissau, antes da migração, concentra-se em Lisboa, depois dela, e chegou num período de poucos anos. Significa isto que, quando não foram simplesmente transpostas de um espaço para outro, as redes de relacionamento que já existiam foram rapidamente reconstituídas. A partilha frequente de habitação entre grupos de migrantes sem laços familiares, sobretudo homens, contribui também, por si só, para o desenvolvimento da sociabilidade intraétnica.

19Dito isto, os números do quadro 10.1 mostram que estamos, no entanto, longe de uma situação de fechamento relacional. O padrão de sociabilidades dos guineenses só seria sinónimo de fechamento se fosse predominantemente intraétnico e não é isso que acontece. Se só uma pequena parte das redes familiares são abertas a não guineenses, o que não deixa, contudo, de ser relevante, já no plano das amizades é claramente maioritária a parte dos migrantes que, a par das relações intragrupo, tem relacionamentos fora dele, especialmente com portugueses. Do ponto de vista étnico, estamos portanto perante redes abertas, em que os laços estreitos entre guineenses não impedem importantes continuidades com a população receptora por via das amizades.

20A abertura das redes de relacionamento social é potenciada, igualmente, pelo lado dos contextos profissionais. Justamente por serem a população maioritária, é mais provável encontrar-se aí portugueses do que nos círculos familiares e de amizade, em que preside a lógica electiva. A esfera profissional, especialmente na primeira fase do ciclo migratório, quando o trabalho ocupa um tempo desproporcionado no quotidiano migrante, é provavelmente o lugar de contacto mais corrente com a população receptora, mesmo nos sectores da construção civil e dos serviços pessoais, onde, apesar dos muitos estrangeiros, os portugueses continuam a ser a maioria.

21Não surpreende, por isso, que seja muito mais comum ter colegas de trabalho portugueses do que de outras origens, incluindo guineenses, invertendo-se assim as posições relativas que uns e outros têm nas redes amicais e familiares. É, de resto, aí que as referências a portugueses atingem o valor mais alto entre todos os círculos de relacionamento social.

22Os indicadores disponíveis não permitem saber até que ponto o conteúdo dessas relações correntes vai para além da funcionalidade e instrumentalidade laborais imediatas. Sendo a relação com outros uma obrigatoriedade decorrente da própria lógica colectiva do trabalho, isso não significa que o relacionamento dos guineenses com colegas portugueses se prolongue em conteúdos, tempos e espaços exteriores à esfera profissional. Dado o grande número de inquiridos que aponta portugueses como amigos, é de admitir, contudo, que, tal como acontece de forma mais geral, boa parte dessas amizades seja feita justamente no curso da vida profissional.

23Os contextos profissionais contribuem para a abertura das redes de relacionamento dos guineenses também porque eles estão aí em contacto com migrantes de outras origens. Comparando colegas com amigos e familiares vê-se que, entre os primeiros, além de haver mais portugueses, há também mais oriundos de todos os restantes PALOP, sem excepção, o que não deixará de se reflectir na composição das próprias redes de amizade. É ainda entre os colegas que a indicação de pessoas de proveniências terceiras atinge o valor mais elevado. Incluem-se aí, conforme o contexto profissional em questão, outros africanos (senegaleses, zairenses ou malianos), indianos, brasileiros ou ainda russos, romenos ou ucranianos.

24Não se deve perder de vista, contudo, aquilo que as redes de relacionamento profissional têm, ao mesmo tempo, de intraétnico. Sendo certo que há, particularmente na construção civil, mais cabo-verdianos do que guineenses, seria de esperar que aqueles fossem mais referidos como colegas do que os próprios guineenses. Mas o que acontece é o contrário. Essa inversão pode dever-se justamente ao efeito das redes intraétnicas em termos de contactos e recrutamento no mundo do trabalho. É o caso dos subempreiteiros guineenses que, embora de forma não exclusiva, contratam predominantemente trabalhadores do seu país, ou ainda as muitas situações em que os próprios trabalhadores arranjam trabalho para irmãos, primos ou amigos.

25Resta analisar as redes relativas às zonas de residência. Tal como nos contextos profissionais, os portugueses aparecem aí mais referidos do que quaisquer outros. Já os migrantes dos vários PALOP descem para valores que estão abaixo dos registados entre os colegas de trabalho, mas também abaixo dos relativos aos amigos. Os números são, porém, em qualquer dos casos, suficientemente expressivos para dizermos que os seus contextos de vizinhança estão muito longe de ser etnicamente homogéneos.

26Pelo contrário, há nesses contextos uma grande variedade étnica, que pode assumir duas configurações distintas: zonas de habitação predominantemente ocupadas por portugueses e com presença, minoritária e dispersa, de africanos dos vários PALOP e, por vezes, de outras minorias; e zonas residenciais pluriétnicas, em bairros de barracas ou de habitação social, onde coexistem populações de duas, três ou mais origens diferentes, e também portugueses, embora estes possam estar em posição minoritária. As zonas de habitação exclusivamente ocupadas por minorias, que representariam uma terceira possibilidade, não existem no caso guineense.

27Coexistência espacial não significa, porém, como foi dito, sociabilidade. Há, é certo, em contexto urbano, exemplos de fortes relações de sociabilidade de base vicinal. Isso acontece em bairros populares lisboetas como Alfama (Costa, 1999) e Bica (Cordeiro, 1997), e até em zonas de habitat degradado da periferia da cidade, onde se encontra uma relação inequívoca entre ter amigos no bairro e gostar, apesar de tudo, de morar nele (Silva e outros, 1989: 157). Sabe-se ainda que processos relacionais específicos, protagonizados especialmente por aqueles que aí passam mais tempo, podem transformar mesmo os chamados dormitórios suburbanos em meios sociais com vida própria (Machado, 1985).

28Mas, em termos mais gerais, a partilha de uma zona de residência não se traduz, de forma imediata e generalizada, em relações sociais efectivas entre os seus moradores. Desde logo, porque, ao contrário do que acontece na esfera profissional, a vizinhança permite manter uma espécie de “invisibilidade” (Bidart, 1988: 637-638), ou seja, não estabelecer qualquer relação, para além do nível mínimo da troca ocasional de saudações. É essa invisibilidade que parece funcionar colectivamente em muitos espaços residenciais pluriétnicos. Coexistem várias minorias, mas enquanto as relações de vizinhança no interior do grupo podem ser expressivas, as relações fora dele são ténues (Villanova e Bekkar, 1994: 117-122; Fernandez, 1993: 22-23). Trabalhos feitos em bairros onde coexistem portugueses e migrantes têm mostrado que, além da coexistência no mesmo espaço sem relações significativas fora do grupo (Alves, 1994; Quedas, 1994), pode haver “confronto intercultural” entre vizinhos em várias situações do quotidiano (Gonçalves, 1994), atitudes de rejeição interétnica e de preferência intraétnica (Craveiro e Menezes, 1993) ou fracas experiências de interacção efectiva (Marques e outros, 1999: 278).

29As dificuldades de relacionamento interétnico em contextos vicinais não são, contudo, uma inevitabilidade. Se é verdade que essas dificuldades advêm, em parte, de códigos culturais desencontrados, desde os mais gerais como a língua, até aos mais especificamente relacionados com a coexistência residencial, como as formas de ocupação do espaço, os ruídos ou os cheiros, elas têm muito a ver com o facto de as zonas de residência pluriétnica serem quase sempre, e ao mesmo tempo, zonas de habitat degradado.

30A falta de condições habitacionais, desde a muita densa e caótica ocupação do espaço, passando pela sobreocupação das casas, pela falta de infraestruturas dentro e fora delas, até à ausência de equipamentos colectivos, própria dos bairros de barracas — mas também de muitas zonas de habitação social que, à falta de manutenção, se vão degradando com o tempo —, constitui, só por si, um limite objectivo às relações de vizinhança. Os conflitos entre vizinhos em zonas de habitação degradada são, de resto, comuns mesmo quando não há diversidade étnica (Silva e outros, 1989: 163-164).

Diferenciações sociais e temporais da sociabilidade

31Globalmente consideradas as redes de relacionamento social dos migrantes, vemos que a sua composição étnica é híbrida, ou seja, combinam-se redes em que as relações intraétnicas, sem serem exclusivas, são muito fortes (família) com outras em que há relacionamentos interétnicos correntes (amigos, colegas de trabalho) ou, pelo menos, a possibilidade de eles ocorrerem (vizinhos). As sociabilidades quotidianas abrem-se principalmente à população portuguesa e, num segundo plano, a cabo-verdianos e angolanos, sendo os contactos com outros africanos ou pessoas de origens terceiras bastante reduzidos.

32Esta configuração de sociabilidades, no entanto, não envolve por igual todos os sectores da população guineense. Há, pelo contrário, oscilações óbvias na orientação da sociabilidade em função do estatuto sociojurídico, da classe social, do género ou da etnia, uma vezes favorecendo a abertura das relações, outras o seu fechamento.

33Três exemplos rápidos ilustram-no bem.

34Um é o dos migrantes manjacos — os únicos que na Guiné-Bissau têm alguma tradição migratória —, cujas redes de sociabilidade, a nível familiar e de amizade, são mais intraétnicas do que quaisquer outras. Essas redes podem mesmo assumir um carácter semi-institucional, sob a forma de associações de apoio mútuo estabelecidas entre migrantes oriundos de uma mesma comunidade rural. Essas associações funcionam como “caixas de previdência”, garantindo apoio em caso de doença, assegurando as cerimónias fúnebres dos membros falecidos em Portugal, oferecendo canais seguros para enviar remessas para as famílias, envolvendo-se, ainda, no apoio financeiro ao desenvolvimento das aldeias de origem dos seus membros (Kerlin, 1998). Esta orientação particular da sociabilidade quotidiana de muitos manjacos faz parte de uma estratégia mais ampla de acumulação rápida, implicando, por exemplo, parcimónia nos gastos, em termos de habitação e outros, e menor opção ou desejo de reagrupamento familiar.

35O segundo exemplo é o dos lusoguineenses, isto é, um pequeno subconjunto dos migrantes oriundos da Guiné-Bissau caracterizado por ter nacionalidade portuguesa, um tempo de residência mais longo do que os migrantes laborais propriamente ditos e, frequentemente, uma condição social média ou alta. Não se trata de uma especificidade guineense, mas de uma categoria de população — os lusoafricanos — que se formou em todas as ex-colónias portuguesas, especialmente em Angola, e que se encontra fixada em Portugal (Machado, 1994).

36Se as sociabilidades dos manjacos são cumulativas em sentido intraétnico, as dos lusoguineenses são cumulativas em sentido interétnico. Não só há mais relações com portugueses no círculo familiar, incluindo um número significativo de famílias mistas, como isso acontece, cumulativamente e sem excepção, nas redes de amizade, profissionais e vicinais. As continuidades a outros níveis com a sociedade portuguesa, algumas delas geradas ainda no tempo colonial, encontram a sua tradução nestas redes de sociabilidade, mais abertas do que quaisquer outras.

  • 1 Entrevista incluída numa peça do jornal Público de 17 de Maio de 1992.

37Certas discotecas “africanas” de Lisboa constituem uma das expressões mais visíveis dessa sociabilidade, sociabilidade que é aberta em termos étnicos e raciais, mas tendencialmente fechada em termos de classe. Nas palavras do gerente de delas está patente essa selectividade classista: “a esta discoteca vem malta africana já de um certo nível social e também muita malta europeia. É evidente que fazemos uma certa selecção”.1

38O terceiro exemplo vem das crianças e jovens de famílias migrantes, guineenses ou de outras origens africanas. Os contextos em que se movimentam quotidianamente esses descendentes de migrantes são, regra geral, muito mais interétnicos do que os dos seus pais e, nessa medida, as relações que eles estabelecem tendem também a sê-lo.

39Mais genericamente, podemos dizer que as suas sociabilidades quotidianas decorrem, basicamente, em três contextos relacionais, cuja composição é muito diferenciada: a família, contexto predominantemente intraétnico, excepto no caso das famílias mistas; a escola, contexto predominantemente interétnico, mesmo nas escolas maioritariamente frequentadas por descendentes de migrantes; e o grupo de pares e amigos, sobrepondo familiares, colegas de escola e vizinhos, que pode ser mais interétnico ou mais intraétnico, embora as evidências disponíveis digam que é raro esses círculos de amizade serem etnicamente fechados.

40Uma das razões por que os filhos dos migrantes são culturalmente diferentes dos seus pais, no sentido em que têm uma “dupla cultura”, ou no sentido em que as suas referências, mais até do que estarem “entre” culturas, são transétnicas (Contador, 1998), é justamente o facto de serem socializados em contextos muito mais abertos, do ponto de vista da composição étnica, do que aqueles em que os seus pais se movimentam.

41As escolas, em particular, desempenham a este nível um papel fulcral. Sendo a escola uma instituição multiplicadora das sociabilidades infantis e juvenis, em geral, pode dizer-se que para as crianças e jovens de famílias migrantes ela multiplica também as sociabilidades interétnicas. A sobreposição que sempre existe entre o círculo dos amigos da escola e o círculo dos vizinhos contribui, também, para que, nos mesmos bairros onde as sociabilidades interétnicas dos adultos são mais escassas, as sociabilidades juvenis o sejam menos.

42Além da escola e do grupo de amigos, também noutros contextos relacionais dos jovens oriundos da imigração, como associações juvenis ou bandas rap e outras, há uma constante de composição interétnica, mais ou menos expressiva, seja porque aí se incluem jovens que não são de famílias migrantes, seja porque há jovens de famílias migrantes com diferentes proveniências.

43Em suma, três sectores diferentes da população guineenses protagonizam três orientações distintas das sociabilidades quotidianas, algumas mais de cariz intraétnico, outras mais de cariz interétnico, mostrando que a representação comum de “comunidades africanas”, ou até de uma comunidade africana ligando entre si as populações oriundas dos cinco PALOP, está longe de colar com a realidade.

44Outro problema a merecer análise é o da evolução que se pode antever para as redes de sociabilidade dos guineenses no futuro. A configuração de que demos conta, não se pode esquecê-lo, é a que existia no momento do inquérito. Os dados disponíveis não dizem se ela era igual antes nem se será igual depois. Como outros aspectos da vida das populações migrantes, a orientação da sociabilidade não será certamente indiferente às fases do ciclo migratório. Em que sentido o prolongamento do tempo de residência poderá então afectá-las? Tornar-se-ão elas mais interétnicas ou mais intraétnicas? Os contrastes internos manter-se-ão ou serão alterados?

45Quando se relaciona as redes de sociabilidade com o tempo de residência, no que toca em particular às relações de amizade, verifica-se que as amizades com portugueses evoluem em estreita correspondência com as datas de chegada. Os mais antigos têm mais amigos portugueses e os mais recentes têm menos, numa distribuição perfeitamente regular. Sendo as amizades as mais electivas de todas as relações de sociabilidade, e por isso mesmo as mais indicativas do sentido em que se processa a inserção dos migrantes na sociedade receptora, os dados parecem apontar para o reforço progressivo dos laços interétnicos à medida que se prolonga a estadia dos migrantes. Será de esperar, então, que também os mais recém-chegados vão alargando, tanto quanto se prolongue a sua estadia, as redes de amizade para fora do grupo, não só com portugueses, mas também com migrantes de outras proveniências?

46Projectando simplesmente no futuro a tendência que o presente indica, dir-se-ia que assim será. Porém, é preciso ter em consideração que, entre os primeiros migrantes e aqueles que chegam mais tarde, ocorre uma modificação substantiva de contexto relacional. Se os que chegam primeiro são, por definição, migrantes isolados, os que chegam cinco ou dez anos depois já encontram uma população migrante de dimensão considerável, cujos membros estabeleceram ou reconstituíram redes densas de relacionamentos intraétnicos. O facto de quanto mais tarde se chega mais se ter por colegas e vizinhos outros guineenses mostra-o bem. Do mesmo modo, o reagrupamento de famílias separadas, ou a constituição de outras já no contexto de imigração, contribui igualmente para essa densificação de relações.

47O factor tempo não joga, portanto, num só sentido. Por um lado, propicia o adensamento das relações intraétnicas nos círculos familiares, profissionais, de vizinhança e, obviamente, nos de amizade, já que as amizades entre migrantes têm forte expressão desde a primeira hora. Por outro lado, há indicações de que com essas coexistem dinâmicas relacionais de sentido contrário. É assim, como se disse, com a tendência crescente para amizades interétnicas, mas podem ter o mesmo efeito de abertura relacional eventuais trajectos de mobilidade profissional e residencial, que transportem parte dos migrantes, sobretudo dos mais antigos, para contextos onde as relações com portugueses possam alargar-se. Mesmo no plano familiar, se os laços mistos diminuem com a reequilíbrio demográfico da população migrante, sabe-se também que a prazo mais longo eles tendem a aumentar.

48Embora tenham sinal contrário, é preciso sublinhar que estas tendências relacionais não são necessariamente contraditórias, ou seja, não se excluem uma à outra. Tirando os laços familiares, em que, em princípio, ter mais familiares portugueses significa ter menos familiares guineenses e vice-versa, as redes profissionais, de vizinhança e de amizade não constituem jogos de soma nula. Podem fazer-se, ao mesmo tempo, amigos guineenses e amigos portugueses, do mesmo modo que ter mais colegas guineenses não significa ter menos portugueses e que mais relações de vizinhança com uns não implicam menos com outros.

49De resto, e sobre isso os dados disponíveis não dão resposta suficiente, é possível que as duas orientações da sociabilidade, uma mais interétnica e outra mais intraétnica, sejam protagonizadas por segmentos diferentes da população migrante, mantendo-se mais abertos ao contacto externo aqueles que já o são hoje, e fechando-se mais aqueles cujas sociabilidades intragrupo já são actualmente mais fortes, dependendo o reforço de uma ou outra dessas orientações, também, do perfil sociocultural dos migrantes que cheguem entretanto.

50O que, em todo o caso, parece de excluir é um cenário de enquistamento relacional, de fechamento dos migrantes sobre si próprios nos vários círculos de relacionamento social, que se traduziria em contrastes acentuados com a população receptora, no que às sociabilidades diz respeito. Se as redes intraétnicas tenderão a permanecer fortes, isso não parece constituir obstáculo à consolidação de várias redes interétnicas, assegurando continuidades com a sociedade envolvente.

Bibliographie

Alves, Manuel José Rodrigues (1994), “As minorias étnicas no concelho de Loures. Que comunicação?” em Dinâmicas Culturais, Cidadania e Desenvolvimento Local, Actas do Encontro de Vila do Conde da Associação Portuguesa de Sociologia, Lisboa, Associação Portuguesa de Sociologia, pp. 201-210.

Bidart, Claire (1988), “Sociabilités: quelques variables”, Revue Française de Sociologie, vol. XXIX, 4: 621-648.

Contador, António Concorda (1998), “Consciência de geração e etnicidade”, Sociologia, Problemas e Práticas, 26: 57-83.

Cordeiro, Graça Índias (1997), Um Lugar na Cidade. Quotidiano, Memória e Representação no Bairro da Bica, Lisboa, Publicações D. Quixote.

Costa, António Firmino da (1999), Sociedade de Bairro. Dinâmicas Sociais da Identidade Cultural, Oeiras, Celta Editora.

Costa, António Firmino da, Fernando Luís Machado e João Ferreira de Almeida (1990), “Estudantes e amigos: trajectórias de classe e redes de sociabilidade”, Análise Social, 105-106: 193-221.

Craveiro, João Lutas e Marluci Menezes (1993), “Ecologia social de um bairro degradado em Lisboa: a Quinta da Casquilha na véspera da mudança” em Estruturas Sociais e Desenvolvimento, Actas do 2.° Congresso Português de Sociologia, Vol. II, Lisboa, Editorial Fragmentos e Associação Portuguesa de Sociologia, pp. 139-155.

Fernandez, Pablo Pumares (1993), “L’immigration marocaine dans la communauté autonome de Madrid " Révue Européenne des Migrations Internationales, vol. 9 (1), 9-27.

Grafmeyer, Yves (1995), “Sociabilités urbaines” em François Ascher (coord.), Le Logement en Questions, Marselha, L’Aube, pp. 189-212.

Gonçalves, Helena Seita (1994), “Processos de (re)construção de identidades culturais num bairro de habitação social”, Sociologia, Problemas e Práticas, 16: 135-149.

Kellerhals, Jean, Huguette McCluskey (1988), “Uma topografia subjectiva do parentesco”, Sociologia, Problemas e Práticas, 5:169-184.

Kerlin, Michael (1998), Construindo a sua Pátria a partir de Fora. As Remessas e o Associativismo na Comunidade Guineense Imigrante em Portugal, Lisboa, policopiado.

Machado, Fernando Luís (1985), “As práticas de sociabilidade em Queluz Ocidental”, Sociedade e Território, 3: 90-99.

Machado, Fernando Luís (1994), “Luso-africanos em Portugal — nas margens da etnicidade”, Sociologia, Problemas e Práticas, 16: 111-134.

Machado, Fernando Luís (1999), Contrastes e Continuidades. Migração, Etnicidade e Integração dos Guineenses em Portugal, Lisboa, ISCTE, tese de doutoramento em Sociologia.

Marques, Maria Margarida, Rui Santos, Tiago Santos e Sílvia Nóbrega (1999), Realojamento e Integração Social. A População do Vale de Algés perante uma Operação de Requalificação Urbana, Lisboa, Edições Colibri.

Parrillo, Vincent N. (1996), Diversity in America, California, Londres, Pine Forge Press.

Quedas, Maria João (1994), “Expectativas habitacionais e coexistência espacial de grupos étnicos: inquérito à população mal alojada do concelho de Loures”, Sociedade e Território, 20: 55-62.

Silva, Manuela, A. Bruto da Costa, Ana Cardoso, Beatriz José, José Pereirinha, Manuel Pimenta, Maria João Sequeira e Maria José Maranhão (1989), A Pobreza Urbana em Portugal, Lisboa, Centro de Reflexão Cristã — Departamento de Pesquisa Social e Caritas Portuguesa.

Simmel, Georg (1989 [1908]), “O cruzamento de círculos sociais” em Manuel Braga da Cruz (org.), Teorias Sociológicas I, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

Villanova, Roselyne e Rabia Bekkar (1994), Immigration et Espaces Habités, Paris, L’ Harmattan.

Notes

1 Entrevista incluída numa peça do jornal Público de 17 de Maio de 1992.

Auteur

Sociólogo; Departamento de Sociologia do ISCTE; Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES/ISCTE).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540