Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Etnografias Urbanas

 | 
Graça Índias Cordeiro
, 
Luís Vicente Baptista
, 
António Firmino da Costa

Parte I. Territórios, imagens, poderes

Capítulo 4. A imagem predatória da cidade

Luís Fernandes

Texte intégral

As seduções primeiras

1A ciência teve de si própria, ao longo de muito tempo, uma imagem que a dizia representação do mundo. A objectividade é a transposição dos objectos da realidade para enunciados rigorosos. Trazer o mundo para dentro da linguagem e, dentro desta, poder exprimir as relações entre fenómenos através do número e da lei — eis o programa que governou a vontade de saber desde o início da modernidade.

2A visão da ciência como tradução do mundo tem hoje de negociar o seu estatuto na comunidade científica com uma outra, já antiga mas até há pouco quase marginal: a ciência como construção. A representação objectiva da realidade cede aqui lugar às imagens subjectivas. A subjectividade não diz, neste caso, respeito a algum arbitrário do nosso olhar, mas ao facto incontornável de ser um sujeito quem olha o mundo para dizer depois. Longe de reflectir o mundo, o discurso científico constrói-o, propõe, pois, imagens da realidade.

3Este processo não está, no entanto, isento de problemas. Bachelard alertou-nos há muito para o género de objectos, que, produzindo fascínio ao ser olhados, turvam aquilo que deles podemos dizer. “Quando perguntamos a pessoas cultas, cientistas inclusive, como fiz diversas vezes, o que é o fogo, recebemos respostas vagas ou tautológicas que repetem inconscientemente as teorias filosóficas mais antigas e mais quiméricas. A razão disso é que a questão foi colocada numa zona objectiva impura, em que se misturam as intuições pessoais e as experiências científicas”. Eis o que acontece com alguns dos objectos das ciências humanas: tal como o fogo, convocam na mesma aparição ameaça e fascínio — e logo o espírito se vê conduzido a devaneios, viagens mentais e medos. O fogo é, de todos, o que se presta a contemplações mais primitivas e radicais. Não pode ser também assim com a insegurança urbana? Que seduções e medos produz, desses que obstruem a razão, como demonstrou Bachelard para o fogo?

4A cidade é precisamente um destes objectos que estão numa “zona objectiva impura”. Palco denso de actores, territórios e acontecimentos, oferece-se a uma intensa construção de imagens. Podemos nós fazer com ela o que recomendava Bachelard para o fogo? “Eis o nosso objectivo: curar o espírito das suas felicidades, arrancá-lo do narcisismo que a evidência primeira proporciona, dar-lhe outras seguranças que não a posse, outras formas de convicção que não o calor e o entusiasmo. (…) A pedagogia do espírito científico ganharia em explicitar as seduções que falseiam as induções”.

As imagens da cidade

  • 1 Limitamo-nos a referir escolas ou áreas disciplinares com as quais este texto tem afinidades.

5Acidade tem sido, desde os cronistas do século XIX aos primeiros sociólogos, desde a escola de Chicago aos actuais trabalhos da psicologia ambiental ou da antropologia urbana tema para uma série de imagens da vida social.1

6A produção de dicotomias como forma de organizar a experiência heterogénea do urbano é um processo já antigo: ao longo do século XIX desenvolvem-se os binómios antagónicos classes laboriosas/classes perigosas, great and good/great unwashed, cidade burguesa/cidade operária. A metrópole, contentor grande e diverso de sítios e gentes, era representada literariamente como “lugar escuro, poderoso, sedutor, como um labirinto” (Graham & Clarke, 1996); ainda antes das primeiras análises sociológicas nasce o tema, nalguns escritores novecentistas, da cidade tentacular (Vieillard-Baron, 1985); e, se a cidade medieval traduzia uma certa utopia na sua própria organização topográfica, sendo um espaço regrado e expulsando a desordem para fora de portas, a cidade moderna torna-se o símbolo da distopia (Cohen, 1988), sítio que promete aventura mas que convoca perigos e medos, estes assentaram crescentemente na criminalidade de rua à medida que se desenvolve a cidade saída da Revolução Industrial.

7A associação criminalidade-espaço urbano vai muito para lá da relação contextual: a cidade não é mero palco do delito, mas seu produtor e multiplicador, sendo capaz dum efeito moral sobre os indivíduos. “A criminalidade nas grandes cidades é muito maior, mesmo na ausência de malfeitores de profissão e entre as gentes que permaneceriam calmas e honestas se vivessem longe dos locais passionais que são as grandes cidades cosmopolitas (…) Nas cidades todas as causas, numa palavra, se reúnem para fazer nascer os vícios e agudizar as paixões, provocando a criminalidade” (Lanessan, 1910).

8Organizem-se em torno do espaço ou dos grupos que o habitam, as dicotomias traduzem quase sempre uma problemática de inclusão/exclusão: o East End londrino era um lugar à parte, habitado pelo “resíduo social”, “Meca dos dissolutos” (Graham & Clarke, 1996). E na Paris do início do século, “existe em cada bairro um certo número de profissionais do crime e do vício que consideram o bairro como um terreno de caça, que lhes pertence, não permitindo a outros estabelecer-se lá” (Lanessan, 1910); “Associa-se, durante a segunda metade do século XIX, uma zona periférica de Paris, a uma fauna nauseabunda e lasciva. Sobre estas torres de desordem, não haveria senão ocupações estranhas e criminais! (…) Os atributos dos mais pobres parecem constituir um todo indissociável e o seu bairro um recipiente de culturas de desviância” (Gervaise, 1991). A tematização em torno do selvagem de paragens longínquas era já abundante na altura. Ora, a figura do selvagem fornece as metáforas da caracterização do transgressor, indivíduo que se furta aos mecanismos de controle da sociedade disciplinar: “A classe laboriosa, pela sua posição social inferior e os seus costumes pouco policiados, assemelha-se a esse selvagem. (…) As camadas mais baixas do proletariado urbano, esses bárbaros (linguagem literária que assim os nomeava), acabam por encarnar o conjunto dos vícios físicos e morais que se atribuem à pauperização” (Gervaise, 1991).

9A associação cidade-insegurança é, como vemos, já antiga sendo uma das principais imagens com que construímos o mundo urbano. Dum modo esquemático, podemos dividir as imagens desta associação cidade-insegurança em duas grandes modalidades:

A imagem optimista

10Por exemplo, as virtualidades para o crescimento da individualidade e da vida do espírito que Simmel reconheceu na metrópole, introdutoras de um princípio de liberdade que valia bem o acréscimo de insegurança que lhe estava associado; o lado criativo e construtor de normatividade — e portanto introdutor de princípios de ordem — em mundos sociais até aí vistos como patológicos, ameaçadores ou disfuncionais, de que é exemplo pioneiro Nels Anderson, com a sua descrição da jungle dos hobos de Chicago; a tese da suavização dos costumes, que já vem de Nietzsche, passa por Elias e chega a Foucault ou a Lipovetsky, autêntica inversão do pensamento elementar acerca da criminalidade e da violência, que as crê sempre em crescimento inexorável; a desconstrução da insegurança enquanto “coisa” que fazem actualmente alguns especialistas inscreve-se igualmente, a nosso ver, nesta tese (por exemplo a demonstração de que o medo não encontra fundamento nas estatísticas do crime ou a décalage entre sentimento de insegurança e taxas de vitimização); a ideia de uma cidade que, ao invés de ser vista como fragmentada e geradora de interstícios esquivos ao controle social, produz conexões — porque há hoje uma cidade informacional e comunicacional. Cidade, pois, dos fluxos, percorrida por redes, representada como um espaço de recursos (Donzelot, 1999).

A imagem pessimista

11A cidade projecta-se para além de si, enquanto imagem e metáfora: representou em tempos o culminar da ordem social, mas instala-se progressivamente como a projecção da própria desordem civilizacional. “Hoje, invariavelmente representa desordem, caos e colapso. Assume-se que, a menos que façamos mudanças radicais, a cidade do presente — a iconografia da violência, o crime, a insegurança, a contaminação, o congestionamento do tráfego, a sobrepopulação — é a sociedade do futuro. Nas ruas da cidade é onde se reflectem as imagens distópicas mais agudas” (Cohen, 1988). A crise do urbano reactualiza-se hoje em torno das figuras do toxicodependente de rua, do sem-abrigo, do migrante clandestino e da deriva juvenil; novos assentos territoriais como as zonas de mercado de drogas duras e as suas correlativas shooting galleries a céu aberto ou em hangares e pavilhões industriais em ruínas, criam ícones de verdadeira decadência exótica lado-a-lado com modos de vida convencionais; as dificuldades de gestão do espaço urbano agudizam-se perante o afundamento da periferia desqualificada, dos espaços intersticiais apropriados por grupos marginais e por actividades desviantes, da proliferação de formas de vida que fazem conviver dentro da metrópole actual fenómenos de profunda dissocialização que pensávamos remetidos à cidade terceiro-mundista.

  • 2 Para a análise das modificações da estrutura da criminalidade em Portugal, cf. Fatela, 1989; para a (...)

12Este cenário pessimista é hoje recriado constantemente através da mediatização das incivilidades, do crime e da insegurança. Esta insistência discursiva tende a naturalizar tal imagem, fazendo-nos crer que a urbe nunca foi senão assim, limitando-se a lógica actual a uma espiral do aumento dos mesmos problemas, cuja tradução psicológica seria o encerramento do cidadão dentro do seu próprio Sentimento de Insegurança. Mas, se olharmos historicamente os fenómenos da violência e do crime damos conta da mudança da sua estrutura: duma violência de inter-conhecimento (no seio da família, entre vizinhos) assente na reposição da honra, na vingança ou no ajuste de contas passa-se progressivamente para o roubo como forma fundamental de transgressão no espaço urbano. A esta mudança associa-se também a alteração do estatuto do criminoso: se no século XVIII “o termo crime reenvia à depravação como estado moral, ligado à ausência dum trabalho regular”, com o advento da revolução industrial “o desemprego toma o sentido duma perigosa disponibilidade nas sociedades ocidentais” (Lagrange, 1995). Trabalho e desemprego são dois pólos do mesmo movimento oscilatório. E a figura ascendente do operário instala-se numa zona social de ambiguidades: como trabalhador é laborioso, como desempregado é perigoso.2 Esta ambiguidade não mais deixará de estar presente nas imagens da cidade e é hoje reactualizada com os movimentos migratórios de clandestinos — o lumpen dos sem-papéis.

13A partir dos inícios do século XIX aumenta, portanto, dum modo incessante o crime predatório, de fugaz interacção (quando a há) entre transgressor e vítima. Predatório, justamente, “porque a dimensão relacional do crime deixa de existir. No roubo ao contrário do que acontecia na violência interpessoal, não existe troca nem confrontação. A vítima deixa de ser um actor interveniente e de ter qualquer contacto com o agressor. O medo do crime adquire uma nova significação: emerge uma nova apreensão motivada quer pela criminalidade predatória, quer pelo anonimato dos autores. O medo do crime ancora numa nova coligação de perigos” (Fonseca, 1998).

14O medo à cidade inscreve-se e é o culminar do afastamento dos medos em relação à natureza, que dominaram todo o período medieval. A partir da Reforma e do Renascimento o homem “vai adquirindo uma consciência de si como entidade separada da natureza”. Também o risco, que até aí era colectivo — julgamento divino que se abatia sob a forma de doença, peste ou catástrofe — vai individualizar-se. Isto “é um factor intelectual decisivo na formação do sentimento de insegurança concebido como um medo secular e pessoal associado às ameaças para com a integridade física” (Lagrange, 1995).

A hipótese predatória

Regressemos de um modo explícito, às metáforas da ecologia da escola de Chicago. Eis-nos num espaço habitado por várias espécies, cada uma com um papel e um estilo de relação com a cidade.
Dentro destas variedades, sente-se no discurso das pessoas a presença dos predadores. Os grandes, cujo encontro se teme e se evita, são mais uma possibilidade do que uma certeza; os pequenos convivem connosco nas ruas e nos autocarros — o autocarro, o clássico ônibus, é no Rio de Janeiro um espaço predatório por excelência. Os grandes predadores, como o leopardo acoitam-se no espesso e na multitude das sombras — o morro, os morros que circundam pelo lado norte o Rio de Janeiro, podiam ser o seu habitat, de acordo com a forma como até agora vi organizar topograficamente a cidade. O morro é o seu espaço e a favela o território — o resto da cidade é o lugar das incursões. Os pequenos predadores, como o cão selvagem ou o mabeco, circulam de espaço em espaço espreitando o descuido, desenvolvendo o pequeno expediente, exibindo rituais que, no caso de intimidarem, podem revelar a vítima. São altamente móveis e aqui deslocam-se de autocarro.
Notas de terreno, Rio de Janeiro, 18 de Julho de 1998. Em “Pelo Rio abaixo” (2001)

  • 3 Daí para cá, temos tomado contacto sistemático com escritos brasileiros das ciências sociais, cujo (...)

15A imagem da cidade enquanto espaço predatório onde, dum modo velado e insidioso, está continuamente em preparação um encontro entre algum agressor e alguma vítima foi-nos particularmente nítida durante uma estadia no Rio de Janeiro. Ao longo de um mês de permanência, fomos alinhando notas sobre o quotidiano carioca, em que os temas da criminalidade e da violência se destacaram. Tratava-se de um exercício etnográfico meramente exploratório, um primeiro olhar de quem chega pela primeira vez. São estes olhares de começo que fixam intuições e desenham leituras possíveis duma realidade, duma dinâmica social, dum contexto aparentemente confuso ou desordenado.3

16Se o etnógrafo é aquele que tem a vocação de experimentar estar na pele do outro, nada mais oportuno do que uma etnografia da violência de rua. Num contexto de alta incidência da sua expressão, como é o caso do Rio de Janeiro, poderá com alguma probabilidade experienciar toda a intensidade do papel de vítima num assalto de rua — e por breves momentos será vítima mesmo e não etnógrafo, podendo contar com a total indiferença do actor social com quem interage relativamente ao facto de estar ou não ali a realizar um estudo… A iminência da probabilidade dum tão rico acontecimento etnográfico levou-nos, nessa altura, a compreender na sua plenitude uma definição de insegurança que tínhamos lido algures: a insegurança é a probabilidade do imprevisível. Eis pois, aquilo que amedronta na cidade: a presença do estranho. Chamámos-lhe já, noutro texto, a experiência do alien e seguimos-lhe o fio do tempo, que remonta à constituição da metrópole moderna (Fernandes e Carvalho, 2000). O Sentimento de Insegurança tem tido muito do seu fundamento nesta experiência. Mas o alien não deve ser reduzido ao plano individual. Há também o alien espacial, traduzido na figura dos “espaços perigosos”, sítios de má fama que meticulosamente se evitam ou que aventureiramente se enfrentam. Os planos lisos da cidade, imediatamente legíveis ao olhar, desdobram-se em becos e traseiras — à cena contrapõe-se a obscena, como lhe chamava o cronista carioca João do Rio. É a obscena urbana que alimenta a componente espacial do Sentimento de Insegurança, oferecendo a cidade como um espaço de riscos — sem dúvida um dos seus fascínios e motivo de atracção.

17A sustentação da imagem predatória dá-se através dos canais mediáticos e circula no conjunto da vida social urbana sob a forma de rumor. O rumor insecurizante, verdadeira modalidade de relacionamento nas redes informais da família, da vizinhança, ou do trabalho, é um diz-se-que-diz-se a propósito do facto criminal — é um nexo de insistência a partir de acontecimentos discretos, multiplicando-os e difundindo-os até aos confins do social. “A interposição do relato da mídia entre o acontecimento e os seus modos próprios de se reportar à violência física e cotidiana para um público mais amplo que o testemunha cria um circuito de produção de sentidos. (…) A força expressiva desta linguagem da violência vem deste movimento de os episódios deixarem os lugares particulares ou privados da sua ocorrência para se extravasarem numa dimensão pública onde se encontram, sobretudo, com instituições e discursos preexistentes, que passam a produzir sentidos e a orientar práticas sociais sobre a violência. Daí ser a violência mobilizadora e fundadora; expressa conflitos, dá visibilidade a questões sociais ou políticas latentes, provoca a produção de sentidos em diversas instâncias discursivas e acciona práticas institucionais e políticas.”(Rondelli, 2000).

18Ora, uma das produções de sentido constituída neste jogo entre factos de rua e factos de linguagem é a Hipótese Predatória: funciona como esquema interpretativo das interacções com desconhecidos e condiciona a liberdade de circulação no habitat urbano. Com efeito, numerosos trabalhos da psicologia ambiental demonstraram já o condicionamento territorial que o medo à cidade provoca, seja na escolha dos percursos urbanos, nos locais que se frequentam ou no comportamento auto-defensivo perante a interacção com desconhecidos (Nasar e Fisher, 1993; R. Taylor, 1987). A hipótese predatória é, pois, um verdadeiro mecanismo atribucional para as relações da vida quotidiana.

19Se, para o habitante da urbe, tal hipótese pode funcionar como um esquema interpretativo do seu contexto de vida, para o investigador ela pode funcionar como o elo de ligação entre imagens da cidade e práticas quotidianas. Dito doutro modo, a hipótese predatória possibilita o pôr em relação o intangível e o palpável: se a imagem releva da construção social da cidade, mobilizando um campo de representações, as práticas remetem para o facto empírico, mobilizando um campo possível de observações. Por exemplo, numa cidade em que a hipótese predatória esteja fortemente enraizada, produzindo e reproduzindo a crença no elevado risco de vitimização criminal, poderá banalizar nas mais elementares actividades da vida diária, como estacionar o automóvel ou ir levantar dinheiro ao banco, um conjunto de comportamentos de prevenção situacional do risco de tal modo incorporados às rotinas que fazem parte, digamos, dum habitus de violência urbana. Eis o que nos permitiu observar um estudo exploratório no Rio de Janeiro (Fernandes, 2001): a relação entre a crença na alta probabilidade de vitimização criminal e a multitude de rotinas preventivas, cuja incorporação eficaz permite, até certo ponto, encarar a violência de rua como um fenómeno normal — pelo menos no sentido em que é banal, e tudo o que é banal é normal… A imagem predatória encontra aqui toda a sua expressão: sabendo o perigo um facto, não se procura eliminá-lo (estratégia obsessiva típica do europeu), mas adaptar-lhe estratégias que figuram já em estado maquínico no fundo normal da vida colectiva.

  • 4 Cf. a análise do crescimento do sentimento de insegurança nos trabalhos do Observatório Permanente (...)

20Poderíamos fazer um exercício de contornos semelhantes para a cidade do Porto, onde levamos há anos a cabo, dum modo sistemático, trabalho etnográfico. Interrogaríamos então a relação entre o visível aumento da imagem de cidade insegura e os hábitos diários do portuense.4 Como tem a hipótese predatória produzido modificações no quotidiano da cidade? Eis o programa genérico duma investigação em curso que analisa comparativamente dois contextos urbanos relativamente à ligação entre imagens da cidade e práticas quotidianas através da hipótese predatória: o Rio de Janeiro e o Porto.

Nota final

21“Por consequência, as cidades nunca foram meros sítios, mal foram inventadas, engendraram uma versão fantasma de si mesmas; um desdobramento imaginativo que vivia uma vida independente na imaginação das espécies humanas. Por outras palavras, significavam algo.” (Cohen, 1988) Poderíamos acrescentar nós em complemento do raciocínio de Cohen, que os crimes não são meros comportamentos. Mal foram inventados, engendraram uma versão fantasma de si mesmos, viviam uma vida independente na imaginação das espécies humanas. Por outras palavras, significavam algo. E este significado ganha nova densidade quando juntamos cidade e crime. Desde que este adquiriu grande protagonismo como argumento omnipresente nas narrativas daquela, a construção de imagens que tal narrativa propõe passou a viver em grande parte desta aliança. Seria bem ilustrativo a este respeito um percurso pelas imagens propostas pelo cinema, pela literatura ou pela banda desenhada, constatando a tão frequente associação entre cosmopolitismo e sofisticação da criminalidade — como se esta fosse signo e expressão máxima daquela.

  • 5 Fizemos noutro local (Fernandes e Carvalho, 2000) o exercício de desconstrução da noção de sentimen (...)

22Para o habitante da urbe, a interiorização desta imagem não podia senão conduzir à hipótese predatória como regulador da sua relação, não tanto com a cidade física, palpável e material, mas com a versão fantasma que ela engendra. O que, no limite, vai dar ao mesmo e nem sequer incomoda um certo modo de estar actual nas ciências sociais, em que nada é real e tudo é construção… Esta quase alucinação construtivista poderia — e vêmo-lo bem a propósito do objecto fluido que é o sentimento de insegurança —5 fazer-nos cair numa “zona objectiva impura”, mais governada pela sedução do que pelas regras da indução. Possa a hipótese predatória ser uma proposta empírica que nos faça regressar a um estado de ciência que, por muito construtivista que seja, não nos aliene do real…

Bibliographie

Referências Bibliográficas

Caldeira, Teresa (1992), City of Walls: Crime, Segregation and Citizenship in São Paulo, dissertação de doutoramento, Universidade da Califórnia.

Chevalier, Louis (1984), Classes Labourieuses et Classes Dangereuses, Paris, Hachette.

Cohen, Stanley (1988), Visiones de Control Social, Barcelona, PPU Editores.

Donzelot, Jacques e Jaillet, Marie Christine (1999), “La fragmentation urbaine et les zones desfavoriseés: Le risque de désolidarization”, Hommes & Migrations, 1217, Jan-Fev.

Fatela, João (1989), O Sangue e a RuaElementos para uma Antropologia da Violência em Portugal, Lisboa, D. Quixote.

Fernandes, Luís (2001), Pelo Rio abaixo — Crónica duma Cidade Insegura, Lisboa, Editorial Notícias.

Fernandes, Luís e Maria Carmo Carvalho (2000), “Problemas no estudo etnográfico de objectos fluidos — Os casos do sentimento de insegurança e da exclusão social”, Educação Sociedade & Culturas, 14.

Fonseca, Ernesto (1998), Representação Social da Insegurança: Crime e Crise, dissertação de mestrado, Universidade do Porto.

Gervaise, Paul (1991), “’Les passages’ Quartiers de Levallois-Perret: banlieue parisienne”, Deviance et Societé, 15, 3.

Graham, P. & J. Clarke (1996), “Dangerous places: crime and the city”, em J. Muncie e E. McLaughin (orgs.), The Problem of Crime, Londres, Sage.

Lagrange, Hughes (1995), La Civilité à L’epreuve: Crime et Sentiment D’insecurité, Paris, PUF.

Lanessan, Jean Louis (1910), La Lutte Contre le Crime, Paris, Félix Alcan.

Nasar, J. e B. Fisher (1993), “’Hot spots’of fear and crime: a multi-method Investigation”, Journal of Environmental Psychology, 13.

Rondelli, Elizabeth (2000), “Imagens da violência e práticas discursivas”, em M. Pereira, E. Rondelli, K. Schollhammer e M. Herschmann (orgs.), Linguagens da Violência, Rio de Janeiro, Rocco.

Taylor, Ralph (1987), “Toward an environmental psychology of disorder: delinquency, crime, and fear of crime” em D. Stokols e I. Altman (orgs.), Handbook of Environmental Psychology, EUA, John Willey & Sons.

Velho, Gilberto e Marcos Alvito (orgs.) (1996), Cidadania e Violência, Rio de Janeiro, Ed. UFRJ e FGV.

Ventura, Zuenir (1999), Cidade Partida, São Paulo, Companhia das Letras.

Vieillard-Baron (1985), “La grande ville et la vie de l’esprit: réflèxions à propos de G. Simmel” em AA. VV., Figures de la Ville — au Tour de Max Weber, Paris, Éditions de Minuit.

Zaluar, Alba (1996), “A globalização do crime e os limites da explicação local”, em G. Velho e M. Alvito (orgs.), Cidadania e Violência, Rio de Janeiro, Ed. UFRJ e FGV.

Notes

1 Limitamo-nos a referir escolas ou áreas disciplinares com as quais este texto tem afinidades.

2 Para a análise das modificações da estrutura da criminalidade em Portugal, cf. Fatela, 1989; para a análise histórica da dicotomia classes perigosas / classes laboriosas, cf. Chevalier, 1984.

3 Daí para cá, temos tomado contacto sistemático com escritos brasileiros das ciências sociais, cujo teor nos tem confirmado as intuições iniciais (Velho e Alvito, 1996; Zaluar, 1996; Caldeira, 1992; Ventura, 1999). Nada há nisto de espantoso, a não ser a reconfirmação pessoal do poder analítico do método etnográfico.

4 Cf. a análise do crescimento do sentimento de insegurança nos trabalhos do Observatório Permanente de Segurança do Porto.

5 Fizemos noutro local (Fernandes e Carvalho, 2000) o exercício de desconstrução da noção de sentimento de insegurança, tomando como exemplo um conjunto de objectos hoje em voga numa certa concepção de ciências sociais: vagos e multiformes, sujeitos a sucessivas operações de definição e redefinição, com extensões e sobreposições no discurso sociopolítico. São bem ilustrativos a este respeito os casos da exclusão social, da violência, do sentimento de insegurança ou da etnicidade e multiculturalismo — chamavamos-lhes, por isso, objectos fluidos.

Auteur

Psicólogo; Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação/UP; Centro de Ciências do Comportamento Desviante (CCCD/UP).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540