Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Etnografias Urbanas

 | 
Graça Índias Cordeiro
, 
Luís Vicente Baptista
, 
António Firmino da Costa

Parte I. Territórios, imagens, poderes

Capítulo 2. Territórios, imagens e poderes

Luís Vicente Baptista

Texte intégral

1As linhas que se seguem são, antes de mais, uma incitação em três compassos à leitura de um conjunto de textos que agora se apresentam, e que resultam de investigações centradas na cidade e nas suas diversidades. O que as torna comunicantes é a referenciação conceptual a um território comum — a cidade nas suas variadas dimensões — e a perspectiva de análise concebida a partir das práticas sociais, dos quadros de interacção, dos quotidianos urbanos — a cidade nas suas múltiplas dinâmicas.

2Esta noção de território é aqui pensada na máxima amplitude das suas propriedades físicas, sociais e culturais. Reporta-se aos sítios localizáveis socialmente, locus de múltiplos sentidos, tantos quanto as capacidades humanas de construir socialmente a realidade.

3Acidade, essa coisa passional, é assim tratada como objecto pluridimensional e plurifactual, conjunto de territórios de relações sociais, interrelacionados, apropriados e localizados socialmente.

1

4Quando falamos de cidade falamos antes de tudo dos lugares físicos que lhe dão forma. Da sua configuração, da sua alteração, da sua dimensão. Falamos de como a perturbação da realidade física nos permite reflectir acerca das transformações sociais. A recomposição dos lugares da cidade, a sua reutilização para fins diversos daqueles que (sempre) lhes conhecemos, colocam-nos perante o peso da realidade, aqui palpável, e que se expõe aos nossos sentidos. E daí que a cidade que se nos apresenta exposta, sujeita à multiplicidade dos olhares, seja antes de mais território físico. Joaquim Pais de Brito insiste “na existência deste território físico (…), já que, nos campos disciplinares das ciências sociais e humanas, a incidência da análise recai sobre temas específicos e qualidades sociais e culturais da cidade”. E repõe a importância de entender o território “feito de volumetrias, de formas, de cores, de planos” (capítulo 3).

5Tal perspectiva, que tem presente o facto de a cidade viver historicamente um processo de crescimento urbano contínuo, ganha força na medida em que a cidade de hoje é uma cidade de centros e de periferias, de referências sociais e culturais que se distinguem das referências da mesma cidade de outros tempos. Acidade que se nos dá a conhecer é a forma viva dos usos sociais que esses espaços vão sofrendo, como nos assinala Raymond Ledrut (1986), o que faz com que a própria parte do território “alcunhado” de cidade seja uma construção adequada aos tempos e aos grupos sociais que dela se apropriam.

6Essa apropriação da cidade enquanto território físico comporta várias dimensões, que se apresentam selectivamente aos diferentes observadores, alimentando perspectivas contraditórias, presas às próprias concepções egocentradas dos agentes individuais.

7Genericamente, existem dois planos em que os participantes na vida da cidade se colocam para interpretar as realidades que experimentam. Ora falam do vasto espaço de indefinição urbana que globalmente corresponde ao contexto de inserção do núcleo citadino de referência, que funciona pelo efeito cénico e que produz inquietação e surpresa, ora falam dos lugares de referência identitária, dos sítios concretos que pelo efeito da partilha quotidiana e de identificação com o outro aproximam e aconchegam. Esta complementaridade de planos pode ser transposta de forma a enriquecer a análise científica através da articulação das escalas global e local da cidade. Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot (2001) recorrem aos passeios urbanos (promenades urbaines) como estratégia de observação empírica, que toma a escala pedonal como veículo para a circulação nos contextos particulares, e, que desafia o observador a uma viagem pela metrópole feita de diversidade e de contraposição social e cultural. A proposta dos autores leva-os a percorrer a diversidade dos lugares de residência — das villas de Paris, aos bairros da imigração, aos bairros da burguesia parisiense — assim como os territórios de relação social que dão ênfase à metrópole enquanto contexto peculiar da experiência humana, seja o metro (rede de redes) ou os mundos da noite parisiense.

8Nesta perspectiva não é a exaustividade do percurso que nos interessa mas antes o método. A inquirição directa do mundo urbano a partir dos percursos quotidianos num contexto da metrópole mostra que a nova escala de referência não conduziu, ao contrário de algumas visões pessimistas, à extinção da vida social na microescala. Os agentes sociais não param de se localizar mesmo quando se pretendem desterritorializados.

9E mesmo a obra de Marc Augé (1998 [1992]), frequentemente associada à corrente de autores que defendem o pressuposto de uma “antropologia da sobremodernidade” que teria dado conta da definitiva desterritorialização das relações sociais derivada de processos massivos de mobilidade, não ousa mais que chamar não lugares àquilo que na prática o próprio autor acaba por definir como lugares de passagem, com fraca capacidade de definição identitária. Ao contrário do que somos habitualmente levados a pensar estes não lugares nem sequer são, do ponto de vista histórico, recentes, apenas se autonomizam devido à sua ligação às inovações tecnológicas no campo dos transportes — que produziram o avião e o automóvel; os aeroportos e as estações de serviço —, assim como às novas práticas de consumo — que animaram a edificação de centros comerciais de dimensões progressivamente maiores —, e às guerras modernas — que fabricam os vastos campos humanitários para refugiados (1998 [1992]: 41-42).

10Sendo recente a generalização da mobilidade dos nossos contemporâneos, importa insistir na evidência de mundos sociais diversamente sujeitos a dinâmicas de mobilidade. Nem a partilha da condição de “seres móveis” é um facto universal nem as relações sociais se libertaram das amarras físicas dos sítios de referência e de pertença. A expressão territórios de mobilidade, definida por Michel Bonnet e Dominique Desjeux (2000), dá a dimensão dessas transformações que reconfiguram os lugares físicos e reequacionam a desigual territorialidade das relações sociais devido aos efeitos da mobilidade física. O sentido desta transformação, tal como o analisam vários autores na referida obra (2000), é em boa medida operada a partir das cidades, agora reentendidas analiticamente no plano amplo das mobilidades territoriais.

11Fica claro que o cuidado a ter nas investigações no terreno não está só em como descrever o contexto metropolitano que condiciona as práticas sociais locais mas também em precisar o factor de localidade sem o tornar curiosidade localista ou reflexo condicionado do que se passa no mundo envolvente. Um bairro popular do centro da cidade com a população envelhecida, um bairro dominado demograficamente por imigrantes clandestinos ou um bairro de classe média nos novos subúrbios, são territórios comummente afectados pelas dinâmicas globais mas posicionados de modo diferente no circuito do mercado imobiliário metropolitano em resultado dos diversos capitais sociais e simbólicos que lhes estão associados. Duas formas distintas de apreender teórica e metodologicamente tais dinâmicas são-nos dadas por Pierre Bourdieu (1993) e por Michel Bassand (1997).

2

12Quando falamos de cidade falamos ainda das imagens que se vão edificando em torno desses lugares que identificamos como cidade e que se formam a partir de discursos e práticas distintos, quando não conflituais. Extensíveis aos diversos meios sociais tais visualizações tornam-se tão mais poderosas quanto se conseguem afirmar como verdadeiras.

13O texto que nos apresenta Luís Fernandes, intitulado “A imagem predatória da cidade” (capítulo 4) situa-se precisamente neste nível de análise. Recorrendo às imagens actualmente tão vulgarizadas da “crise do urbano” e às figuras que lhe dão expressão (o toxicodependente de rua, o sem-abrigo, o migrante clandestino, o jovem desviado), o autor desenvolve uma linha de raciocínio que nos conduz ao paradigma mediático do sentimento de insegurança e que trespassa as relações sociais em contexto urbano. O receio da violência e do crime sem direcção definida, predatórios porque dirigidos a qualquer um, é particularmente forte nas grandes cidades, e ajuda a ampliar a imagem da cidade como espaço de risco. E se bem que os diferentes grupos sociais, etários e sexuais sejam afectados de modos variados por tais fenómenos, ganha toda a pertinência analisar, a partir de imagens difundidas pelos canais mediáticos, a emergência da hipótese predatória. Para Luís Fernandes, esta “funciona como esquema interpretativo das interacções com desconhecidos e condiciona a liberdade de circulação no habitat urbano” (capítulo 4).

14Não longe desta problemática, Rui Pena Pires (capítulo 5) foca a questão da integração no que respeita à imigração, matéria também sensível do ponto de vista mediático e que serve como um elemento agigantador dos receios colectivos, através do desenvolvimento de sentimentos de insegurança, aliados ao desconhecimento acerca destas populações que chegam e sobre as quais pouco se sabe.

15Assim a construção de uma ou várias imagens acerca do imigrante deriva de vários factores, de entre os quais o papel dos meios de comunicação de massa é decisivo enquanto instrumento ao serviço dos diversos grupos sociais capazes de participar na definição das imagens a reter da cidade. Um exemplo pleno de actualidade é o da imagem dos subúrbios, definidos como um todo homogéneo e promovidos mediaticamente como o reino dos lugares perigosos.

16A esta imagem de contexto aparecem ligadas imagens de condição social onde predomina o marginalizado, o excluído, o imigrante. O território do imigrante, sinónimo de condição de exclusão, impõe-se na medida em que se entende que imigrante é aquele que permanece pobre e incapaz de definir a sua trajectória na sociedade de acolhimento, ao invés dos outros, que, mesmo que tenham percorrido o mesmo percurso de chegada, foram capazes de se libertar de tal adjectivo, desvinculando-se de uma condição que (quando a questão racial não evidencia uma origem) os limita e os condiciona em todo o seu quotidiano.

17Contudo, em sociedades de acolhimento onde a alteridade é tida como um direito de cidadania, as auto-imagens construídas em torno dos colectivos imigrados tendem a reforçar-se como prática identitária. Como salienta Rui Pena Pires: “atribuir aos imigrantes uma ‘identidade cultural’ unificada e uma pertença comunitária referenciáveis à sua origem resulta de um triplo equívoco” (capítulo 5). E desse equívoco emergem até novas categorias de referenciação, produzidas no país de destino, como no caso da imigração para Portugal em que encontramos “uma narrativa identitária suportada pela categoria de 'africano', onde são subsumidas diferentes origens etnonacionais” (idem), numa sequência de processos de estigmatização e contra-estigmatização que o autor descreve.

  • 1 A questão das culturas híbridas está particularmente clarificada no livro de Néstor García Canclini (...)

18Esta reinvenção das identidades nas sociedades de acolhimento leva-nos a intensificar a procura de novas abordagens para a questão da coexistência urbana, na medida em que a presença imigratória nas grandes cidades de países como Portugal ganha especial dimensão e visibilidade. A condição de imigrantes, “presentes e desconhecidos” (Baptista e Cordeiro, 2002), faz destas populações recentemente instaladas nas metrópoles objecto de acrescido interesse científico e político. Não é pois de admirar que em paralelo aumente o interesse pelo estudo de instâncias de mediação relacional na vida das cidades, como é por exemplo o caso da polícia, a qual tem sido alvo de uma reconversão da sua imagem e funções. A incorporação mais sistemática de mulheres na polícia de cidade decorre da constatação que se vai efectuando institucionalmente da necessidade de dar outras respostas aos problemas quotidianos, de forma inovadora, mais negocial e menos assente na ideia de demonstração de força. Susana Durão e Alexandra Leandro desenvolvem no seu texto a história da chegada das mulheres à Polícia de Segurança Pública nos últimos vinte anos, assim como nos esclarecem acerca da visibilidade da mulher polícia na PSP e do modo como esta é retratada nos meios de comunicação de massa (capítulo 6). É uma contribuição para a análise mais extensiva daquilo que parece tomar conta das sociedades contemporâneas do ponto de vista sociocultural: a emergência de culturas híbridas (Garcia Canclini, 2001 [1990]),1 e desde logo de cidades híbridas (Salman e Kingman, 1999) feitas de novas formas de relação entre os que vivem as vastas áreas metropolitanas.

3

19E por tudo o que fica atrás exposto podemos também afirmar que quando falamos de cidade falamos sempre dos poderes que a configuram fisicamente, dos poderes que a dão a ver da forma que lhes é mais vantajosa (através das imagens que melhor a retratam desse ponto de vista).

20Estamos a falar dos poderes que a percorrem, a sectorizam, a tornam lugar de referência, de conflito e de partilha. Falamos das dinâmicas sociais: das relações familiares, das relações profissionais, das relações de consumo, de partilha do espaço público, de controlo das relações interpessoais, de afirmação identitária, de imposição da autoridade, que estando numa fase de remodelação abrupta, abrem novas possibilidades de relação social e de libertação individual e cívica. Claro está que este processo não chega de mansinho, antes irrompe confundindo tanto os poderes que se lhe opõem como aqueles que o promovem. Estamos perante aquilo que Bauman, no seu livro Modernidade Líquida, identifica como “uma redistribuição e realocação dos ‘poderes de derretimento’ da modernidade.”(2001 [2000]: 13).

21Daí que ganhe pertinência a análise dos poderes urbanos através dos territórios virtuais, dos territórios invisíveis, e de tantos outros como os territórios amorosos, que vão aparecendo na linguagem corrente, e que demarcam mais o sentido de efectivação de um espaço social de relações do que assinalam os sítios onde ocorrem as práticas sociais. Contudo, este tipo de poderes na cidade não dispensam suportes físicos que se produzem na sequência da concretização de contextos situacionais (a chegada das mulheres ao território masculino das polícias), de contextos circunstanciais (a chegada dos imigrantes ao território dos autóctones), definidos por fronteiras que não se eternizam mas que se recompõe através do desenvolvimento dos laços sociais (Pujadas, Martín e Brito, 1999).

22E se estes laços feitos território de comunhão, no sentido que lhe dá Newby (1980) a propósito de uma das formas de entender o conceito de comunidade, merecem o privilégio de um tratamento analítico semelhante aos clássicos objectos das análises territoriais, outras formas mais frequentes de definir território repetem-se, denunciando a importância persistente dos territórios concebidos a partir da apropriação dos lugares pelos diferentes grupos sociais. Veja-se a definição de “territórios psicotrópicos” no texto de Tiago Neves (capítulo 7) e a sua relação com a realidade física dos bairros sociais da cidade do Porto. Veja-se ainda a definição de territórios residenciais segundo a lógica que resulta de programas de intervenção social que procuram dar resposta às necessidades habitacionais pré-definidas de “categorias populacionais construídas administrativamente”, como é o caso do bairro dos Olivais Sul em Lisboa tratado por João Pedro Nunes (capítulo 8).

23Estes dois últimos textos dão-nos conta da dinâmica das relações sociais em territórios fisicamente definidos e como se manifestam os poderes dominantes na correlação de forças locais, e que são fundamentais no estabelecimento de uma classificação para o local assim como para os que nele vivem ou o usam. A ideia de território psicotrópico remete para questões de controlo social e para definições de normalidade, que opõem “a polícia, os consumidores e os vendedores de droga” (capítulo 7). Já no caso da edificação de um agrupamento de habitações previamente destinadas a grupos socialmente identificados, a disputa evidencia-se na materialização do território residencial opondo a aplicação de sonhos arquitectónicos e a forma como o local de habitação, limitado pelas circunstâncias da sua concretização, é vivido pelos seus residentes. João Pedro Nunes salienta que “entre a ordem dos lugares originária da concepção arquitectónica da habitação e a acção dos habitantes sobre e através do espaço da habitação, as práticas de habitar desenvolvem-se interpretativa e tensionalmente.” (capítulo 8)

24Assim, podemos concluir sem imprecisar em demasia que o território enquanto espaço firmado de relações sociais que se localizam, se entende aqui como uma realidade em que nem sempre as coisas que existem se revelam materialmente, assim como nem sempre a forma de as localizar se resume ao recurso a uma cartografia. As imagens e os poderes que lhe estão associados alargam a natureza da sua existência, transportando o conceito de território para um plano de abstracção que importa desenvolver no âmbito deste fecundo espaço de comunicação interdisciplinar assumido pela Antropologia Urbana.

Bibliographie

Augé, Marc (1998 [1992]), Não-Lugares. Introdução a Uma Antropologia da Sobremodernidade, Venda Nova, Bertrand Editora.

Baptista, Luís V., e Graça I. Cordeiro (2002), “Presentes e Desconhecidos: Reflexões socio-antropológicas acerca do recente fluxo imigratório no concelho de Loures”, Sociologia, Problemas e Práticas, n.° 40.

Bassand, Michel (1997), Métropolisation et Inégalités Sociales, Lausana, Presses polytechniques et Universitaires Romandes.

Bauman, Zygmunt (2001 [2000]), Modernidade Líquida, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

Bonnet, Michel e Monique Desjeux (2000), Les Territoires de la Mobilité, Paris, Presses Universitaires de France.

Bourdieu, Pierre (dir.) (1993), La Misére du Monde, Paris, Éditions du Seuil.

Garcia Canclini, Nestor (2001 [1990]), Culturas Híbridas. Estratégias para Entrar y Salir de la Modernidad, Buenos Aires, Barcelona, Paidós.

Ledrut, Raymond (1986), “Les Espaces et les Societés dans le monde actuel”, em Pierre Pellegrino (org.), La Theorie de l’Espace Humain. Transformations Globales et Structures Locales, CRAAL-FNSRS, UNESCO.

Newby, Howard (1980), “Community” em An Introduction to Sociology, The Open University Press, Londres, 5-37.

Pinçon, Michel, e Monique Pinçon-Charlot (2001), Paris Mosaique. Promenades urbaines, Paris, Calmann-Lévy.

Pujadas, Juan, Emma Martín e Joaquim Pais de Brito (coord.) (1999), Globalización, Fronteras Culturales y Políticas y Ciudadanía, Santiago de Compostela, Federación de Asociaciones de Antropología del Estado Español/Asociación Galega de Antropoloxía, Actas del VIII Congreso de Antropología-1.

Salman, Tom, e Eduardo Kingman (orgs.) (1999), Antigua Modernidad y Memoria del Presente. Culturas Urbanas e Identidad, Quito, FLACSO.

Notes

1 A questão das culturas híbridas está particularmente clarificada no livro de Néstor García Canclini, na sua 2.a edição. Afirma o autor: “entendo por hibridação processos socioculturais nos quais as estruturas ou práticas discretas, que existiam separadas, se combinam para gerar novas estruturas, objectos e práticas. Convém também esclarecer que as estruturas chamadas discretas resultaram elas próprias de hibridações, pelo que não podem ser consideradas fontes puras.” (2001: 14).

Auteur

Sociólogo; Departamento de Sociologia da FCSH/UNL; Fórum Sociológico — Centro de Estudos (FS-CE/UNL).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540