Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Castelos a Bombordo

 | 
Maria Cardeira da Silva

Navegar à vista: naves, castelos e outros cronotopos dos regimes do turismo e do património em África

Paquetes do Império

O “Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias”

Maria Cardeira da Silva et Sandra Oliveira

Texte intégral

1Os estudos históricos e sociais sobre o turismo em Portugal começaram tardia e timidamente a desenvolver-se apenas nos finais da década de noventa, depois de durante muito tempo a obra panorâmica de Paulo Pina (1987) ter permanecido quase isolada, tendo, até recentemente, incidido sobretudo nas suas articulações com a construção da nação durante o Estado Novo.

2O fascínio pela eficácia propagandística que, por vezes precipitadamente, se focalizou no Estado Novo e, em particular, na personagem centrípeta de António Ferro, ofuscou muitas vezes entidades e diligências que o precederam na construção de um imaginário propagandístico e turístico nacional, nomeadamente durante a primeira República, altura em que, na verdade, se fundaram as primeiras instituições e procedimentos de regulação e fomento da atividade turística que viriam a ser apurados política, performativa e graficamente nos “anos de Ferro” (Ramos do Ó 1999).

3Mas em 2010 as celebrações do centenário da República, e particularmente a exposição Viajar e respetivo catálogo (Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República 2010), repuseram algum equilíbrio nessa genealogia do turismo em Portugal, exibindo a importância das iniciativas da Sociedade de Propaganda de Portugal – verdadeiro “embrião civil da organização turística” (Pina 1987:13) fundado ainda antes de 1910 – e dos primeiros congressos de Turismo na construção identitária das elites nacionais, devolvendo-se assim à República o pioneirismo neste processo.

4Do mesmo modo, também a força centrípeta das aparatosas medidas de Ferro terá eventualmente retraído um espraiamento da análise das relações entre turismo e propaganda para além da nação continental, território de eleição das “aldeias mais portuguesas” e do exercício de marketing nacional.

  • 1 Da celebrizada legenda do mapa que esteve patente na Exposição Colonial Portuguesa, realizada no Po (...)

5Estamos nós aqui interessadas em explorar as mesmas relações entre turismo e propaganda acompanhando momentos decisivos em que a nação teve que sair do seu território natal para abraçar e engolir o Império, mostrando que “Portugal não [era] um país pequeno”1, abrindo assim o campo para a análise das viagens de soberania e do turismo colonial.

6Embarcando no Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias, promovido em 1935 pela Revista O Mundo Português, órgão da Sociedade de Propaganda Nacional, tentaremos encetar uma análise preliminar ao mundo do turismo colonial português. Acompanhando o cruzeiro demonstraremos que aí, tal como no que respeitou ao turismo continental, a relação entre turismo e propaganda durante o Estado Novo era indelével, e a sincronização de iniciativas turísticas, ou para-turísticas, com a necessidade de afirmação internacional do território ultramarino, se torna evidente.

7Durante muito tempo houve um consenso generalizado no âmbito das ciências sociais em atribuir ao Grand Tour romântico as origens do turismo moderno (Towner 1985, e resenhas de Sharpley 2008 [1994], Silva 2005, entre muitos outros). Mas a esta leitura mais sociológica e “civilizacional” da emergência do turismo se associaram outras que davam mais ênfase às suas articulações claras com os processos de configuração e estruturação dos Impérios, e mostravam como os primeiros fluxos claramente turísticos se sobrepuseram às rotas e entrepostos do Indian Mail (Fuster 1991) e de outros aparatos coloniais cujas infraestruturas e burocracias facilitavam e encorajavam todo o tipo de tráfego. Colónias de férias e colónias do Império frequentemente coincidiram (Cazes 1989).

8Foi convergindo para esta segunda tendência que uma parte da Antropologia internacional do turismo, sobretudo anglófona – que se diz, por tradição, ter sido inaugurada com a obra coligida por Valene Smith (1978) –, tomou o turismo como uma forma de imperialismo, como um “modo de produção” que reforçou as relações de assimetria que as metrópoles (Nash 1978) produziam nas suas “pleasure peripheries” (Turner e Ash 1976). Nessa perspetiva, perdeu-se muitas vezes, por seu turno, a dimensão pedagógica e identitária do turismo que encontramos mais evidente naquelas abordagens que perseguiram até à Modernidade a genealogia do Grand Tour (Urry 1991, Towner 1985), a passagem do sagrado à autenticidade (MacCannel 1973), ou do ritual à peregrinação (Smith 1992, Cohen 1996 [1979], Graburn 1978).

9Por outro lado, ao acentuar a dicotomia entre metrópole e colónia, as perspetivas que tomam o turismo como “forma de imperialismo” negligenciaram frequentemente as abordagens às coevas formas de turismo e suas claras associações ao romantismo e à confeção das nações, mesmo quando este se desenrola em território colonial. Mais ainda, e porque construídas de acordo com modelos coloniais específicos (sobretudo o inglês), essas mesmas perspetivas criaram tipologias e etapas de ocupação imperial que tomaram a “invasão” turística (Turner e Ash 1976) como uma espécie de selo da colonização, depois dos processos de invasão militar, pacificação religiosa e ocupação científica (cf. Bruner 1989).

10Todas estas abordagens, que incidem ora sobre os nacionalismos românticos de provimento dos estados, ora sobre as óbvias forças que ligam turismo e colonialismo inspirando-se em impérios persuasivos como o britânico (estas últimas reforçando a posição de vanguarda dos ingleses no “modelo aristocrático de desenvolvimento do turismo”, Thurot e Thurot 1983), embora eloquentes, escamoteiam ainda outros processos políticos igualmente essenciais para o desenvolvimento turístico do século XX, e para a massificação do lazer na modernidade, nomeadamente as organizações republicanas de regulação dos tempos livres e suas congéneres dos regimes totalitários como os da Alemanha, a Itália e também de Portugal.

11Ora, o que parece passar-se no caso português é que, dado o próprio carácter nacionalista da constituição do imaginário topográfico do Império, que se desenhou de acordo com um princípio de dilatação da nação – que, por seu turno, é vista como a “família em grande” – se torna impossível 1) dissociar os pressupostos presentes na configuração política do turismo nacional e do turismo colonial; 2) dissociar algumas formas turísticas ou para-turísticas – como a que abaixo descreveremos – das anteriores etapas do próprio processo de colonização; 3) dissociar a ideia de viagem/férias colonial/ais do aparato político regulador do lazer e da juventude portuguesa.

12O que propomos aqui, de forma ainda ensaística, é que nesta leitura da inauguração portuguesa do turismo colonial, se recuperem e articulem estes diferentes prismas da genealogia do turismo e da colonização ditos modernos. Mostraremos então como o Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias foi um ato decididamente colonial – uma viagem de soberania e sua exibição nacional e internacional com intuitos políticos de subordinação cultural e de angariação económica – mas também como nele embarcaram ainda todos os pressupostos da constituição da nação e da pedagogia do sujeito português moderno.

Do Cais da Nação

  • 2 À semelhança doutros impérios, e à sua pequena escala, Portugal exibe assim a estreita relação da e (...)
  • 3 O itinerário, longo e apressado, incluía paragens em S. Vicente, Praia, Bissau, Bolama, Príncipe, S (...)
  • 4 Escreve o então Ministro das Colónias, José Silvestre Ferreira Bossa, na dedicatória de cada uma da (...)

13A 10 de Agosto de 1935 sai do Cais da Fundição o paquete Moçambique, apreendido aos alemães durante a I Guerra Mundial e recauchutado como um dos melhores navios da Companhia Nacional de Navegação2, com destino às Colónias Ocidentais3. A bordo, “250 excursionistas – professores, estudantes, aristocratas, comerciantes (…) cheios de fé patriótica, vão por seus olhos conhecer a grandeza do nosso Ultramar”4.

  • 5 Como a primeira Missão Académica a Angola, organizada pela Junta de Educação Nacional e dirigida em (...)
  • 6 Ver, por exemplo, Sarmento, Alexandre 1942, “A ocupação Científica de Angola”. Boletim Geral das Co (...)
  • 7 Cf. “Cruzeiro dos estudantes coloniais à metrópole”, Moçambique: Documentário trimestral. n.° 011, (...)
  • 8 Como o de 1940 que “tinha por fim principal facultar aos velhos colonos, que há longos anos não [vi (...)
  • 9 Seguido a 9 de Julho de 1934 do II Cruzeiro ACP ao Mediterrâneo (com escala em Gibraltar, Palma de (...)
  • 10 Notícia de 1.a página do Diário de Notícias de 6 de Setembro de 1935; o tema ocupa também a primeir (...)
  • 11 E relativamente ao qual podemos encontrar intervenções registadas, ao contrário do que sucede em re (...)

14Esta não era a primeira missão organizada às colónias. Outras, mais ou menos académicas5, haviam já inaugurado a ocupação científica dos territórios ultramarinos, e outras haveriam de lhe suceder, nesse sentido e em sentido inverso6: em 1937 realizar-se-ia o Primeiro Cruzeiro de Férias dos Estudantes das Colónias à Metrópole7, transportando estudantes dos liceus de Angola e Moçambique ao Portugal europeu, seguido de outro, que levou estudantes de Moçambique a Angola, e mais tarde, chegariam ao cais da Nação os cruzeiros dos velhos colonos8; ainda alguns anos depois iniciar-se-iam os cruzeiros da Mocidade Portuguesa e, posteriormente, da FNAT (Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho, ver adiante). Por seu turno, o ACP (Automóvel Clube de Portugal) – associação de origem e cariz republicano – encetara entretanto a prática turística do cruzeiro, ao organizar, em 11 de Julho de 1933, o primeiro cruzeiro ACP a Marrocos (Tânger e Casablanca) e Madeira, a bordo do Quanza, fretado à Companhia Nacional de Navegação9. Mas nem foi, tão pouco, o Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias, o único a realizar-se em 1935: no mesmo ano parte também o Cruzeiro Aéreo Português10, em que participam vários oficiais liderados por Cifka Duarte e que foi igualmente mediatizado em profusão11.

  • 12 Cujo subtítulo é, significativamente, Publicação quinzenal de turismo, propaganda, viagens, navegaç (...)
  • 13 Guerra Maio in Revista de Turismo, 1916, Ano 1, n.°8 p. 63.

15Mas na verdade, logo na primeira República, em 1916, o primeiro número na Revista de Turismo12 aborda já o turismo náutico, apelando à sua divulgação como forma de desenvolver “a indústria do Turismo […] ainda uma árvore muito moça no nosso paiz”13, fato que se deveria em parte à ausência de uma marinha mercante robusta. Segundo o articulista

  • 14 Labinna – “Turismo Náutico”, Revista de Turismo, 1916, Ano I, n.° 1, p.4. E, embora a exaltação das (...)

Uma viagem marítima a bordo de um pequeno vapor, onde o asseio seja irrepreensível, onde uma orquestra nos delicia, onde um salão nos atrai para uma partida de bridge, onde um restaurante nos chame para um bom jantar, tudo isto, além dos espetáculos que a natureza nos possa proporcionar e dos encantos do bulício de uma assistência agradável, será ou não será, um ideal, uma justa aspiração, para quem possui um Tejo, um Mondego e a costa mais ocidental da Europa?14.

16Não será de mais lembrar que Lisboa era um importante porto marítimo no primeiro quartel do século, e que essa condição, que trazia “touristes” ao “cais da Europa” é enfatizada logo no primeiro cartaz turístico nacional que o promove como “the shortwest way between America and Europe”.

  • 15 Se bem que tenha chegado a ser previsto e anunciado para 15 de Setembro de 1935 (Diário de Notícias(...)

17Esta preocupação será retomada no primeiro Congresso Nacional de Turismo, já durante o Estado Novo15, em 1937, dois anos depois da realização do Cruzeiro que aqui nos ocupa, por A. M. de Cid Perestrelo que exaltará a posição geográfica de Portugal,

  • 16 PERESTRELO, A. M. de Cid¸1936, “Os Portos e o Turismo. Têse Apresentada pelo Eng.° A. de M. Cid Per (...)

(…) uma situação magnífica para atrair os viajantes quer da navegação transatlântica, quer da navegação intercontinental (…) no extremo ocidental da Europa e no caminho dos grandes países do norte para as Américas, para a África e para o Mediterrâneo, o que lhe permitiria transformar as suas cidades marítimas em grandes centros de turismo como já se fazia nos portos do Norte da França, da Bélgica e da Inglaterra (Perestrelo 1936: 3)16.

Os arredores da Metrópole e a Mística Imperial

18Também do ponto de vista do interesse político destas iniciativas, já em 1928, anos antes de Portugal ser definitivamente obrigado a empenhar-se em mostrar ao mundo que “merecia” o seu Império, Álvaro Fontoura, então capitão de engenharia e estudante da Escola Superior Colonial – num texto que tem tanto de voluntarismo quanto de antecipação política – conjetura já viagens pedagógicas idênticas. Criticando a falta de propaganda colonial portuguesa num panorama internacional que descreve exaustivamente por império, refere o plano de criação do Instituto de Educação Colonial do “ilustre” professor Rui Ulrich, que a determinado ponto exalta:

  • 17 FONTOURA, Álvaro da, 1928, Breve Notícia sobre alguns órgãos de Propaganda Colonial. Separata do An (...)

(…) o Instituto seria o intérprete junto dos poderes públicos das reclamações e aspirações das colónias. O instituto promoveria viagens às colónias nacionais e estrangeiras, realizadas pelos mancebos que com melhores classificações concluíssem as suas formaturas e cursos. A bordo de um navio, fretado para esse efeito, os professores que acompanhariam os mancebos realizariam conferências. No regresso todos elaborariam relatórios superiormente apreciados17.

  • 18 Cf. Cunha, Augusto, 1934, “‘Uma patriótica iniciativa de o Mundo Português’. Os Cruzeiros de Férias (...)

19Mas, ainda que há muito tempo houvesse evidências dessa conexão enunciada e anunciada do desenvolvimento do turismo com a vocação náutica portuguesa – que juntava mais uma vez propaganda nacional e turismo, política e lazer – o Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias – uma iniciativa que Augusto Cunha, escritor e humorista, diretor da revista O Mundo Português, preparou laboriosamente18 –, responde a algo de novo que retorquia de forma mais plena à conjuntura de Portugal e do Império no panorama europeu.

  • 19 Disso dá conta o jornal República de 5 de Agosto 1935

20O tempo é de crise económica mundial após o crash de 1929, particularmente sentida nos territórios coloniais portugueses, produtores de matérias-primas. A Alemanha e a Itália mostram o seu apetite por mais territórios: Goebbels proclama a superioridade ariana nos mesmos discursos onde reclama as colónias que a Alemanha perdeu em 191819, enquanto o partido nazi engrossa o exército e prepara a indústria militar; Mussolini ameaça a Abissínia/Etiópia e o conflito iminente revela a impotência da Sociedade das Nações. Em Portugal, Salazar tece a estranha e – aparentemente – insustentável rede diplomática com que procura manter Portugal afastado da guerra.

  • 20 Escrevia Marcelo Caetano – diretor cultural do Cruzeiro –, em editorial publicado a 10 de Agosto de (...)
  • 21 “Pela terra e honra de Portugal”, Diário de Notícias, 22 de Agosto 1935.
  • 22 E no Jornal do Comércio e das Colónias de 21 de Setembro de 1935 é Marcelo Caetano, quem discursa à (...)

21Os jornais do início de 1935 estão repletos de notícias que relatam, de forma convergente, estas realidades. Ao mesmo tempo que o cruzeiro parte do Tejo a “seguir as pisadas dos descobrimentos”20, inflama-se a importância de todas as iniciativas de apoio às colónias, como os discursos exacerbados de diplomatas no estrangeiro em acontecimentos irrelevantes21 que falam das colónias que “são Portugal”. Paradigmática é, por exemplo, a primeira página do Diário de Notícias de 23 de Agosto: aqui se mencionam “os rumores sobre a negociação de partilha das nossas colónias” tentando minimizar-se as pretensões da Alemanha, ao lado se dá enfase a uma pequena “manifestação de apoio indígena em Angola” que terá juntado colonos e indígenas no apoio a Portugal, e se insere ainda uma pequena notícia sobre “as festas na Guiné em honra dos excursionistas do Cruzeiro de Férias à Colónias22.

  • 23 Estamos conscientes dos riscos alienantes desta concomitância; ainda mais tendo em conta que os mat (...)

22A mera análise colateral da concomitância destas notícias demonstra a relevância das articulações políticas entre os factos23. Mas nem tão pouco é necessária. Sabemos nós que, já o Ato Colonial de 1930 e a Carta Orgânica do Império Colonial Português em que Salazar define o Império Colonial Português e a “missão civilizadora” dos colonos, respondia, no período entre guerras, a ameaças e ambições externas relativas aos territórios ultramarinos, justificadas pelo “défice de colonização” portuguesa (Santos 2002). Reagindo então às pretensões de outras potências relativamente às colónias portuguesas e belgas, e aos rumores de que a Itália estava negociando com a Inglaterra os territórios de Angola e Moçambique, o Ato Colonial – depois inscrito na Constituição de 1933 – estipula que a metrópole e as colónias formam uma “comunidade e solidariedade natural”. Perante as dificuldades políticas e económicas de uma colonização efetiva, Portugal recorre a uma vigorosa retórica etnogenealógica e moral: a da mística imperial.

  • 24 A organização do Cruzeiro realizar-se-ia sobre o seu mandato, muito embora à data da partida o carg (...)

23Com a instituição do Estado Novo Salazar cria o Ministério das Colónias e o Secretariado de Propaganda Nacional que entrega a António Ferro, o grande empreendedor da “política do espírito”. Mas o que dará voz ao Ato é a mística imperial cujo paladino virá a ser Armindo Monteiro que assumiu, de 1931 a 1935, a pasta das Colónias24. Para dar matéria à mística, multiplicam-se os eventos durante a década de 30: em 1933 foi realizada a Conferência Imperial Colonial, em 1934, a I Exposição Colonial Portuguesa no Porto e o I Congresso de Intercâmbio Comercial com as Colônias. Além desses, no mesmo ano em que partiu o Cruzeiro, comemorou-se a Semana das Colônias, promovida pela Sociedade de Geografia, e realizou-se o I Congresso da União Nacional. Todas estas iniciativas anteciparam o clímax da mística: a Exposição Colonial do Mundo Português de 1940.

24A ode imperial ecoava por todo o lado. E é assim que o editorial do Diário de Notícias, voz do regime, aplaude o Cruzeiro no dia 1 de Agosto 1935:

Urge que os portugueses de hoje, sobretudo os das novas gerações, deixem de sonhar com as colónias para passarem a viver nelas ou com elas (...) multiplicarem-se os “cruzeiros de férias”, de forma a fazer sentir aos portugueses que vão chegando, aos nossos filhos, aos nossos netos, que as nossas colónias de Africa, até da Asia, são como arredores da metrópole, melhor, são Portugal e são em Portugal

  • 25 “O cruzeiro de férias às colónias portuguesas, que nós devíamos chamar mais carinhosamente provínci (...)

25…do Minho a Timor. O Cruzeiro às Colónias almejava assim tornar contínuo e denso o tracejado colonial, a incorporação do novo mapa da nação, o de O Mundo Português, do continente e das colónias que viriam cedo a designar-se, como então já se preconizava “carinhosamente”, de Portugal Ultramarino25.

  • 26 Editorial do Diário de Notícias, 1 de Agosto 1935.

26Mas às outras iniciativas da parafernália exibicionista do Império e ao reforço da cartografia imperial, o Cruzeiro de Férias acrescentava-lhes a itinerância e a experiência e, sobretudo, a sua incorporação: “É preciso, se queremos voltar a ser um grande povo, que cada português tenha dentro de si (...) o panorama exato das suas possessões”26.

Um banho de portuguesismo para todos”.
Jornal de Notícias
4 de Outubro de 1935

  • 27 “Não fazia a mais pequena ideia do que aquilo era. (…) Foi um verdadeiro banho de portuguesismo par (...)
  • 28 Entrevista a Marcelo Caetano publicada nas páginas 1 e 2 do Diário da Manhã de 26 de Julho de 1935.

27Da mesma forma que a exaltação excursionista dos republicanos servira a configuração territorial da nação (cf. Pina 1987 e Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República 2010), a proposta dos Cruzeiros acompanhava a dilatação ultramarina da consciência nacional, num “banho de portuguesismo”27 especialmente dedicado à mocidade, abrindo-lhe “novas perspetivas ao espírito e à ação: sobretudo os estudantes (...). Dela regressarão mais homens e mais portugueses”.28

O navio escola do Império ou a campanha contra o Quimzinho

(…) Lembra-se do Quimzinho, aquele rapaz que Fradique Mendes conheceu num terceiro andar da Travessa da Palha, ídolo da mãe viúva, gordo e anémico, reprovado no liceu e candidato á burocracia? Essa imagem de uma juventude sem caracter, sem gôsto de iniciativa nem amor de responsabilidades é que temos que demolir ou de relegar para o canto das aberrações se, na verdade, pretendemos ser um povo imperial. As colónias, procuradas pelos melhores de cada geração no ânimo do trabalho, na esperança de construir um Novo Mundo, serão, como já começaram a ser nas campanhas da ocupação a escola da iniciativa, da energia e do carácter.

  • 29 Idem.

O cruzeiro de Férias também é uma campanha: a campanha contra o Quinzinho, a campanha pelo melhoramento moral e intelectual da mocidade portuguesa29.

  • 30 Cf. “Cruzeiro das raparigas da Mocidade Portuguesa”, Boletim Geral das Colónias. – Ano 26.°, n.° 30 (...)
  • 31 A organização foi depois alargada “à Mocidade Portuguesa das colónias, de origem europeia, e à juve (...)
  • 32 Às quais se juntaram depois as influências e configurações das congéneres organizações italianas e (...)
  • 33 A bordo seguia também o Dr. Gomes dos Santos que, “em nome da mocidade, e mais propriamente da moci (...)
  • 34 Que Augusto Cunha virá a público defender em longa coluna reagindo a boatos caluniosos, que os resp (...)
  • 35 O Século a 29 de Agosto de 1935.
  • 36 O Século a 25 de Setembro de 1935.
  • 37 Ver nota 22. A bordo seguia ainda o operador cinematográfico Costa Macedo (Jornal de Notícias, 11 d (...)
  • 38 “O Cruzeiro de Férias à colónias. O tradicional julgamento e os divertimentos tradicionais quando d (...)

28…a Mocidade Portuguesa que se viria a institucionalizar no ano seguinte, em 1936 (e que virá, depois, a organizar os seus próprios cruzeiros às colónias30) também ela mais resultado da conjuntura política que pressionava o regime para uma radicalização da sua política do que como consequência de uma execução programática das bases ideológicas do regime (cf. Kuin 1993)31. Também aqui, a iniciativa reguladora do Estado Novo havia sido precedida por tentativas republicanas, algumas delas persistentes, como as da criação da Associação dos Escuteiros Portugueses em 1911 e do Corpo Nacional de Escutas em 192332. E são estas ainda as organizações que representam no Cruzeiro a mocidade portuguesa, a quem é dado protagonismo na imprensa33 que não se cansa de exaltar sua energia alegria e aprumo34 e retrata em sua “romagem”, particularmente nos momentos ritualizados e iniciatórios, publicando fotos do “jogo do conselho” numa festa que os escuteiros realizaram a bordo35, relatando o “batismo de mato” que muitos receberam na Guiné36, ou a festa de Neptuno (incarnado por San Payo, o fotógrafo de serviço e realizador do filme oficial do Cruzeiro37) à passagem pelo Equador38.

  • 39 Autógrafo do Ministro das Colónias José Bossa inscrito nos exemplares dos Lusíadas destinados aos g (...)
  • 40 Idem.

29Ao cariz comunitário e iniciatório da viagem turística em si, tão longamente analisado na literatura das ciências sociais, aliavam-se, aqui, os ritos de iniciação à idade adulta e à nação, que assim eram exponenciados. A isso se juntava ainda a oratória da peregrinação que exaltava “os peregrinos do cruzeiro, cheios de fé patriótica”39 que iam por seus olhos conhecer “os santos lugares onde se realizaram os milagres do heroísmo que fizeram da pequenina Pátria lusitana um grande Império no Mundo”.40

30Esta era a “campanha contra o Quinzinho” enunciada por Marcelo Caetano, diretor cultural da missão, que respondia assim ao repórter quando este lhe perguntava se a missão principal do cruzeiro era pedagógica. Mas a resposta já vinha contida no decreto que a promulgara:

  • 41 Decreto-lei 25.555, de 28 de Junho de 1935.

Com essas viagens, convenientemente orientadas por um critério pedagógico, não só se ministra à mocidade académica uma lição prática de geografia, que ela jamais esquecerá, mas também no seu ânimo juvenil se cria a consciência da grandeza de Portugal no mundo. E se daqui não resultarem novas vocações para a vida colonial, há-de pelo menos robustecer-se o orgulho e a alegria de ser português, há-de fazer boa sementeira da propaganda das cousas belas do nosso ultramar e hão-de estreitar-se os laços morais que serão a mais forte garantia da unidade do Império.41

  • 42 O Século, 27 de Agosto de 1935.
  • 43 Enviado especial do Diário de Notícias, a 15 de Agosto de 1935, publicado a 24 do mesmo mês. Os cur (...)
  • 44 Roteiro do 1.° Cruzeiro de Férias às Colónias. Uma Iniciativa de “O Mundo Português”. Lisboa, 1935.
  • 45 Referida em, A Província de Angola, 4 de Setembro de 1935.
  • 46 Ruy Cinatti, para quem esta viagem se tornaria decisiva (ver adiante), viria, neste concurso, a gan (...)
  • 47 O Gabinete de Imprensa a bordo incluía delegados do Diário de Notícias, de O Século, de O Comércio (...)

31O objetivo pedagógico não era, de facto, meramente retórico: Marcelo Caetano fora nomeado para diretor cultural do Cruzeiro, assessorado pelos “drs. Cardigos dos Reis e Orlando Ribeiro, dois novos de valor”42, que se encarregaram de um calendário apertado de cursos para os estudantes e conferências para os seus acompanhantes, especialmente concorridas pelas “senhoras, que à hora da aula disputa (va) m os melhores lugares para ouvirem as interessantes lições de História e Geografia coloniais”43. As lições deveriam revestir “uma feição simples e quando possível prática (…), que sirvam para aquisição de conhecimentos novos ou aplicação dos já adquiridos”, e eram precedidas de uma parte “consagrada a uma leitura dos ‘Lusíadas’, acompanhada de um ligeiro comentário (…)”44. Os cursos eram acompanhados de notas e pequenas publicações de apoio preparadas para o efeito. E, a par do calendário pedagógico, um intenso programa social, de que nos dão registo a imprensa e os programas publicados, marcavam o ritmo de uma intensa socialização e doutrinamento, guarnecidas de momentos de exibição e celebração do Império, como a recriação histórica da embaixada “que o rei de Molembo, Kapita Munipolo, mandou ao governador geral para prestar juramento de preito ao Muene-Puto, o rei de Portugal D. Pedro V”, ou a Exposição Histórica promovida na Igreja da Nazaré em Luanda, pela Sociedade de Estudos de Angola45. Os estudantes foram ainda estimulados a participar num concurso literário e noutro fotográfico sujeitos ao tema “O que eu vi em África”, cujos trabalhos foram posteriormente publicados n’O Mundo Português46, integrando a parafernália que ali, e em toda a imprensa do regime, divulgou e amplificou a iniciativa, assim orquestrando uma eficaz campanha que, embora eminentemente produzida a bordo do pequeno paquete47, ecoou eficaz e duradouramente por todo o Império.

32Na verdade, se o Cruzeiro alegava almejar a largada iniciática de uma mocidade que se queria enérgica para descobrir e gerir o Império, este – a julgar pelos relatos e aparato da imprensa – terá sido provavelmente um objetivo menos conseguido do que aquele que efetivamente visava: o da recriação e relançamento, pela circunavegação, da épica portuguesa, pontuada, em cada porto, pelos discursos oficiais inflamados da glória passada e presente de Portugal. Mas isto não impediu que, pelo menos formalmente, o Cruzeiro de Férias inaugurasse ao mesmo tempo modelos reguladores da mocidade e do lazer também inspirados noutros países nacionalistas.

Colónias de férias

33Em 1938, Rebêlo de Queiroz, relatando o Cruzeiro de Moçambique a Angola realizado por altura da visita do Presidente da República à grande colónia ocidental, filia claramente este tipo de iniciativa nas suas congéneres europeias:

  • 48 Moçambique: Documentário trimestral, n.° 16, 1938,: 79-80.

O prazer de viajar é comum a todos. Mas os ricos podem realizá-lo, porque não lhes escasseiam os meios necessários; ao passo que os pobres, e os simplesmente remediados, esses, se alguém não vier corrigir de algum modo os caprichos da sorte, não conhecerão mais do que aquilo que lhes permite o pequeno horizonte em que se confinam. Assim o compreenderam alguns países como a Itália e a Alemanha, não deixando no papel as vantagens como Kraft durch Frende e Doppolavoro e assim se vai seguindo em Portugal, onde êste assunto está merecendo um grande carinho dos homens que felizmente nos governam.48

  • 49 De 1935 a 1939, cerca de 20 mil alemães terão visitado Lisboa e o Funchal – mas, além deste destino (...)

34Foi também em 1935, o ano do lançamento do Cruzeiro¸ que os “homens que nos governavam” criaram, à semelhança das suas congéneres europeias, a Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho. Intervindo na esfera do lazer a FNAT assegurava ao aparelho do estado a “integração das massas”, enquadrando as atividades sindicais no regime corporativo e na política do Estado Novo, resgatando-as de tentações de outros nacionalismos, como os comunistas, e convertendo-se num poderoso órgão de propaganda. Mas estas instituições, particularmente a alemã, que viriam a ter um importante papel na massificação do lazer e na regulação dos tempos livres, não eram conhecidas apenas do regime que as viria a imitar. O comum dos portugueses conhecia já a atuação da congénere nazi porque a presenciava nas visitas dos cruzeiros alemães, como aquele que, em 1936 passou em Lisboa a caminho da Madeira49.

  • 50 Citado por Fernando Madaíl, Ibidem..

O St. Louis, o Deutsche e o Sierra Cordoba, o primeiro pintado de negro e os dois restantes de branco, entraram na barra [de Lisboa] manhã cedo, embandeirados em arco. No mastro da popa, a nova bandeira do Reich com a cruz suástica. No topo do mastro de vante o pavilhão português (…). Quando a aurora rompeu já ninguém dormia a bordo. [descrevia o jornal. Os passageiros], gente acostumada a erguer-se cedo, assomaram sorridentes nas cobertas, admirando os contornos sinuosos das duas margens do Tejo. Os operários alemães, fortes e sadios, e as frauleins desenvoltas e esbeltas não deixavam de observar o panorama que se desenrolava, cinematograficamente, ao longe50.

  • 51 Força pela Alegria, fundada em 1933.
  • 52 “Os estudantes não esquecerão, em nenhuma emergência, que junto dos colonos portugueses do Ultramar (...)
  • 53 Por exemplo no Província de Angola de 13 de Agosto de 1935.

35Entre outras coisas, a Kraft durch Frende51 organizava estas viagens para exibir o Nacional-Socialismo a outros países e, tal como o Primeiro Cruzeiro às Colónias veio a fazer, incluíam no seu plano treino político e pedagógico, sendo dada especial atenção ao “aprumo de conduta” dos participantes52. Um dos principais objetivos da organização nazi era o de transpor os limites entre trabalho e lazer, combatendo o ócio, ao mesmo tempo que geria as diferenças de classe, alargando prerrogativas de lazer e educação das classes médias a outros grupos sociais: tal como almejava Queiroz em sua apologia dos cruzeiros portugueses, e como parecia implícito nas indicações úteis publicadas no Roteiro do Primeiro Cruzeiro, explicitamente amplificadas pela imprensa53:

A Direcção do cruzeiro começa por lembrar, mais uma vez, a todos os srs. excursionistas, que não há qualquer distinção de classes, quer a bordo, quer nos diferentes transportes para as visitas ao interior.

36E depois informava-se que à mesa não era necessário o uso de smoking, sendo o trajo de cerimónia obrigatório apenas para as festas oficiais… que, no entanto, foram muitas.

37De acordo com Augusto Cunha no Relatório do Cruzeiro, de início a viagem destinava-se quase exclusivamente a estudantes e alguns acompanhantes. Mas, por razões imponderadas da calendarização do período de exames, alguns não puderam comparecer o que veio a contribuir para uma grande diversificação etária e social dos passageiros e também complicar o seu financiamento. No Roteiro do Cruzeiro estão listados apenas sessenta e nove “estudantes”, dezanove “professores” e noventa e três “pessoas de família”. Nas notas de viagem manuscritas de Marcelo Caetano estão referenciados pelo nome e instituição escolar, apenas setenta e dois estudantes. E, retrospetivamente, em 1958, é de novo Marcelo Caetano quem comenta:

  • 54 Marcelo Caetano em “A minha primeira visita a Angola”, A Província de Angola, 31 de Dezembro de 195 (...)

Não sei se os académicos enchiam metade do barco… Tornou-se indispensável permitir que se inscrevessem outras pessoas, o que deu ao cruzeiro um caracter de excursão onde havia de tudo: militares como o Almirante Afonso de Cerqueira, e o coronel Namorado de Aguiar: homens de letra como Hipólito Raposo e José Osório de Oliveira; advogados como Mário Monteiro e João Emauz; médicos, comerciantes, industriais e proprietários – e até muitas senhoras, entre as quais se destacava o vulto gentilíssimo da Marquesa de Fialho, que acompanhava os seus dois filhos: António Martim, ao tempo estudante de Direito e D. Maria que é hoje activa e operosíssima da Congregação de S. José de Cluny. (…) E no meio de toda aquela gente até havia o actor Estêvão Amarante que havia sido contratado para acompanhar quatro marquezes espanhóis em demanda dos paraísos venatórios de Angola que haviam embarcado no cruzeiro por ser a viagem mais próxima – e mais barata!54

  • 55 Entrevista a Marcelo Caetano, Diário da Manhã, 26 de Julho de 1935.

38Bem diferentes são estas memórias, da estratégica e rigorosa resposta que o futuro Comissário Nacional da Mocidade Portuguesa dera ao repórter que lhe perguntara, na altura da largada, se o objetivo primeiro do Cruzeiro era pedagógico: este era “um cruzeiro de férias, sim, mas não havia de (…) degenerar no delírio das excursões da tuna académica em Valladolid”55, dizia então, severo, Marcelo Caetano. O objetivo, era o de criar

sem prejuízo da alegria e do natural desprendimento das férias, um ambiente de seriedade nos propósitos e objectivos da viagem: fazer com que se não perca nenhuma oportunidade de apreensão directa e viva dos conhecimentos.

  • 56 Idem.

39Para isso, era importante “preparar a observação primeiro, e aproveitar a observação depois56.

Kodaks do Império

  • 57 Diário da Manhã, 16 de Setembro de 1935.
  • 58 N.°. 39, Vol. IV, 1937.

40À chegada aos Bijagós “não têm descanso os binóculos, as objectivas dos kodaks, e as canetas de tinta permanente. (…) Discute-se etnologia e etnografia; fala-se de aspectos indígenas”57. A exaltação da observação, da visão como sentido e forma de conhecimento, o olhar panorâmico, da posição de espectador a partir do deck ou dos palanques montados para as coreografias especialmente encenadas, é evidente nos relatos que abundam ao longo da viagem. Ao lado dos relatos, o olhar dos excursionistas é amplificado pela imprensa de forma igualmente duradoira e multiplicada, através da presença dos fotógrafos e cinematógrafos a bordo, da imprensa e da difusão dos resultados do concurso de fotografia depois publicado n’O Mundo Português58. A fotografia serve ao mesmo tempo de “autentificação da realidade” e de testemunho de presença. Mas, para os mais treinados – mas também mais implicados no retrato que se encomendava – como San Payo, as câmaras dificilmente davam conta da grandiosidade do império:

  • 59 Diário da Manhã, 30 de Agosto de 1935..

É tão difícil materialisar a grandioziodade da païsagem africana. A tela do cinema é demasiado pequena e a objectiva dificilmente seleciona aquilo que tanto agrada à nossa vista. Perante o maravilhoso do nosso Império quem não se sentirá demasiado pequeno?59

41De um ponto de vista analítico, Timothy Mitchell (1991) certamente que encontraria nas performances e produtos fotográficos do Cruzeiro evidências quase caricaturais da sua demonstração da construção do world-as-exhibition (1991) nas visões coloniais do mundo. Tal como a Exposição Universal de Paris antecipara e configurara a gestão urbanística do Cairo, a Exposição Colonial do Porto informou o framing das encenações africanas, determinado pelo princípio dos espelhos paralelos que alegadamente refletem a autenticidade. Por exemplo, à chegada a Bolama, onde as entidades promoveram a vinda de “vários grupos negros” para fazerem demonstrações coreográficas, comenta-se:

  • 60 Diário de Notícias, 20 de Setembro de 1935.

Quem visitou a exposição colonial do Porto conhece mais ou menos estas danças. Mas vistas aqui, no meio do próprio, ao sol ardente que as fez nascer, não têm o simples caracter de um espectaculo curioso, mas o sentido profundo das coisas essenciais60.

  • 61 Marcelo Caetano em entrevista publicada no Diário da Manhã de 26 de Julho de 1935.
  • 62 Algo que temos, infelizmente também, que remeter para outras publicações, dada a quantidade e eloqu (...)
  • 63 Diário da Manhã de 26 de Julho de 1935.

42E, ainda do ponto de vista analítico, também Bennett (1988) certamente exultaria com este exemplo exponenciado de um exhibitionary complex: o Cruzeiro servia para ver e para ser visto, para criar sujeitos nacionais pela exibição e pela imitação, dentro e fora do paquete: “(…) o Cruzeiro não deixará de emocionar os colonos e de impressionar os indígenas”, diz novamente o delfim de Salazar61. Neste contexto, a coreografia oficial jogava duplamente na performance dos excursionistas, simultaneamente sujeitos aprendizes de observadores62, e observados como modelo de conduta nacional: é novamente Marcelo Caetano quem dirá que “para os colonos, sobretudo, [o Cruzeiro] será um tónico de patriotismo, uma fonte de novas energias tão necessárias no período doloroso que atravessa a economia de algumas colónias a visitar”.63

Um colonialismo flutuante mas moderno

  • 64 Idem.

43Logo a seguir a declarar a primazia dos objetivos pedagógicos do Cruzeiro, Marcelo Caetano prossegue, na mesma entrevista64:

Em primeiro lugar vejamos o que o CF significa nesta nova fase da política colonial. Não há ainda cinquenta anos a costa de África era o lugar negregado da expiação dos grandes crimes, um motivo dolente de fados da Mouraria: e eis que hoje parte um navio com um ar festivo, com boa parte do escol da mocidade portuguesa e até das camadas dirigentes do País, a fim de procurar o repouso e as emoções que outros irão buscar ao Estoril ou a Biarritz. Com uma diferença, está claro: é que os viajantes do Cruzeiro são guiados pelo puro amor do Portugal de além-mar, e não pela ansia de futilidades elegantes. Não lhe parece que vai nisto uma pura subversão de velhos conceitos? Que marcamos o ponto de partida para uma nova visão da vida colonial?

44Esta última declaração de Marcelo Caetano resume muito do que dissemos anteriormente e coloca, claramente, o Cruzeiro no quadro das visões do mundo de Impérios precedentes e, de forma explícita, na perspetiva dos colonialismos modernos. Como outros depoimentos que a acompanharam, denunciava-se, afinal, mais do que um deficit de colonialismo, um deficit de capitalismo no Império português, quando inserido no quadro internacional contemporâneo dos colonialismos modernos, algo que era importante ultrapassar (Santos 2002).

45Embora considerando o estreitamento que uma abordagem excepcionalista e comparativa pode impingir à análise das performances do colonialismo português (Vale de Almeida 2000, Ferreira 2007, Medeiros 2006), não deixa de ser útil recrutar aqui práticas internacionais que, naturalmente, foram inspiradoras das políticas coloniais que, naquela conjuntura própria, Portugal se viu obrigado, também, a imitar.

  • 65 Como foi o gin tonic nas colónias inglesas. Mas Portugal incentivava declaradamente o consumo de vi (...)

46A viagem organizada (sem mencionar aqui a individual que a precedeu em séculos), o cruzeiro por mar ou por terra, eram práticas comuns de configuração e aglutinação colonial, já desde anos anteriores, quando, por exemplo, André Citroën organizou La Croisière Noire, que se desenrolou sob os auspícios do governo francês e do colonialismo humanista do então ministro francês das colónias Albert Sarraut. E, tal como a propósito desse cruzeiro terrestre, viremos a compreender que também os objetivos daquele, marítimo, que Portugal organizou doze anos depois, eram também, para além de pedagógicos e políticos, claramente económicos, visando estimular a abertura de rotas de tráfego que ativassem as economias metropolitanas e ultramarinas. Para dar conta disso basta olhar para as páginas do Roteiro do Cruzeiro onde se exibe a publicidade de múltiplas firmas e serviços e produtos que terão subsidiado a viagem, em réclames dirigidos a um público com interesses coloniais. Entre as oito entidades oficiais, os vinte e oito industriais e comerciantes e cinquenta e oito anunciantes, encontramos os vinhos Borges, “vinhos aconselhados para os climas tropicais”, os fósforos nacionais para o Império Colonial Português (Sociedade Nacional de Fósforos), a loiça esmaltada Michin, “a única que concorreu às feiras de Luanda e Lourenço Marques”, e as águas Vidago, Melgaço e Pedras Salgadas, “bebida ideal para climas tropicais”, bem como o vinho do Pôrto, que “adicionado de uma determinada percentagem de quina é um delicioso aperitivo e um maravilhoso antídoto contra as febres de África”65.

47Para além disso, a bordo seguia também, da metrópole, a maquete dos “armazéns do Império”, uma exposição flutuante que

  • 66 Boletim Geral das Colónias, n.° 122-123, Vol. XI, 1935.

ocupava o deck de 1.a classe de bombordo a estibordo (…) constituída por mostruários de géneros e mercadorias fabricadas na metrópole, como vinhos, frutas, tecidos, pratas, calçado, etc., de casa de Lisboa e Pôrto e cuja permuta com produtos coloniais não pode deixar de representar um processo de desenvolvimento da economia66,.

  • 67 Embora aparentemente desajeitada, a julgar por algumas descrições que referiram a “exposição flutua (...)

48Esta linguagem mais capitalista67, é bem explícita no “conceito moderno de colonização exposto pelo Sr. Ministro das Colónias”:

  • 68 Diário da Madeira, 1 de Outubro de 1935.

Não basta mandar para as colónias famílias prolíficas de aldeões: seriam bocas que aumentariam o consumo; mas continuariam a faltar ali as iniciativas para vencer as dificuldades que os países novos oferecem, as competências para resolver os problemas de que depende o seu progresso (…)68.

  • 69 São claras, por exemplo, as críticas à assimetria nos incentivos e protecionismo económico, e no ba (...)

49Os problemas que justificavam e acompanhavam o Cruzeiro eram de ordem política, nacional e internacional, e económica e percebiam-se, por simetria, na exaltação de certos temas comuns a todos os discursos – a reafirmação da soberania colonial sobre os territórios ultramarinos portugueses, a exaltação da profundidade histórica do colonialismo português, a solidariedade entre habitantes da metrópole e das colónias. E, apesar da censura, nalguns artigos de jornal surgiam mais explícitos evidenciando a ponta do iceberg69.

  • 70 “Tive durante muito tempo a grata impressão de que levava apenas 200 portugueses, vibrando no mesmo (...)
  • 71 O Intransigente, 11 de Setembro de 1935.

50O próprio relatório de Augusto Cunha refere que, nos últimos dias do Cruzeiro, terá havido discussões a bordo sobre as questões coloniais e as condições de vida em Angola, apesar de durante a fase de inscrição ter havido especial preocupação na seleção dos participantes70. E, em arquivo ainda mais discreto, encontramos fontes mais dramáticas: entre os documentos de Marcelo Caetano, está uma carta de vinte e três nativos de S. Tomé, deportados e prisioneiros sem justa causa na Ilha do Príncipe. (carta é datada de 24 de Agosto de 1935, altura em que Ilha foi visitada apenas pela direção do cruzeiro, mantendo-se o resto dos cruzeiristas a bordo). Nem tudo era, obviamente, um mar de rosas, no itinerário do Cruzeiro colonial, e o clima entre colonos e excursionistas ter-se-á exaltado quando Marcelo Caetano alegadamente disse “aos excursionistas, à largada de Cabo Verde ou Guiné que se deveria dar um desconto de 75% aos queixumes que iam ouvir dos portugueses que iam ver nas colónias a visitar”71. As críticas mais severas vêm de O Intransigente de Benguela que, reagindo à displicência dos “touristes” face às manifestações empenhadas de receção organizadas pelos portugueses de Angola, diz que:

  • 72 Idem.

O cruzeiro perde as suas características, pouco se diferenciando de uma viagem organizada por qualquer Cook, com especiais atrativos para amadores cinegéticos e proporcionada a turistas que passeiam Africa por diletantismo, numa diversão às suas constantes caminhadas por Londres e Paris.72

Innocents Abroad73

  • 73 Da obra de Mark Twain sobre o périplo de seis meses a bordo do Quaker City que realiza o primeiro c (...)
  • 74 “A minha primeira visita a Angola”, A Provincia de Angola 31 de dezembro de 1958.

(…) seria curioso inventariar os estudantes que viajaram no Cruzeiro, e ver o que deram na vida. Muitos, muitíssimos mesmo voltaram ao ultramar para aí fazerem a sua carreira. Perderam o medo à África ou deixaram-se seduzir por ela. Mas esta crónica já vai tão longa (…)74

51Partilhando esta curiosidade de Marcelo Caetano pretendemos no futuro perseguir os passos de alguns dos excursionistas deste e doutros cruzeiros às colónias. Mas podemos adiantar que entre os que se tornaram mais ilustres, encontramos alguns daqueles que virão a defender e divulgar a doutrina luso-tropicalista. Osório de Oliveira, responsável pelo gabinete de Imprensa do Cruzeiro é um dos grandes promotores do trabalho de Freyre, logo após a publicação de Casa Grande e Sanzala em 1933, da prestação do Mestre no Congresso da Expansão Portuguesa no Mundo em 1937 e da sua nomeação, em 1938, como membro da Academia Portuguesa de História pelo próprio Salazar. Merecem análise aprofundada as suas crónicas coloridas da acostagem nos diversos portos “durante cinquenta e quatro dias tocando só em terras de Portugal”, e a especial relação que desenvolve com o

  • 75 Osório de Oliveira. Diário da Manhã, 19 de outubro 1935.

Rui, que todos a bordo conhecem por Tahiti, alma possuída de um lirismo cósmico, que sonha com as ilhas encantadas da Polinésia; e o Manuel, o Miguel, o Pedro, todos os outros. Para eles, e talvez só por eles, valeu a pena fazer este cruzeiro.75

52O Rui era Cinatti, futuro Professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa a partir da década de 1940, onde se juntaria a Orlando Ribeiro, seu professor no Cruzeiro, e outros futuros simpatizantes e divulgadores do luso-tropicalismo. Dele viria o próprio sociólogo brasileiro a dizer mais tarde que

  • 76 FREYRE, Gilberto, 1954, Aventura e rotina: sugestões de uma viagem à procura das constantes portugu (...)

chega a ser, na sua ciência, um voluptuoso das plantas e das cores e aromas dos trópicos. Não conheço hoje português algum que seja, mais do que ele, um tropicalista. Tropicalista pela sua especialidade de botânico e pelo amor com que estuda a natureza tropical76

53E é o próprio Cinatti quem virá a considerar-se “o discípulo da última fila” do mestre de Apipucos (Cinatti, 1952 cit. em Castelo 2011). Logo após o seu regresso do Primeiro Cruzeiro de Férias às Colónias Ruy “Tahiti” decide que o seu futuro será África e manifesta-o claramente em carta dirigida a Amy Christie:

It is settled, I will go to Africa, to Angola, I will go to Timor, I will go to any of the distant provinces of my Portugal. Oh! What bliss it was for me to be in those lands. Those large horizons made me have a broader view of things (cit. in STILWELL 1995: 33)

54Cinatti parecia responder antecipadamente a um apelo a que o seu mestre no Cruzeiro – Marcelo Caetano – só mais tarde viria a repetir: o da necessidade de aguçar a especial “vocação para os trópicos” anunciada por Freire. Mas o luso-tropicalismo e a celebração da miscigenação terão que esperar pela década de 50 e por nova conjuntura internacional que, novamente, no pós-guerra, obriga o Governo português a reformular a retórica da unidade nacional perante as pressões externas favoráveis à autodeterminação das colónias. Até lá, é a retórica e o processo de assimilação controlado pelo rigoroso regime do “indigenato”, ainda herdeiro do darwinismo social, que vigora.

55É nesse quadro de darwinismo racial e social, e com a decorrente preocupação em evitar as relações interétnicas em larga escala que poderiam comprometer a “essência” da grei (Omar 1996) civilizadora que se pode entender e que se deve explorar a concomitância da retórica que acompanhou o cruzeiro com a da exaltação do papel das mulheres portuguesas nas colónias.

  • 77 “A mulher Portuguesa e as Colónias”, O Sul de Angola (Mossamedes) publicado n’O Mundo Português, N. (...)

Ah! Se as mulheres portuguesas acompanhassem os maridos!... No Pôsto mais longínquo, perdido na selva africana poderia haver uma nota delicada de ternura feminina e bem portuguesa, vasos com plantas, uma jarra com flores, cortinas nas janelas, uma toalha garrida, um quadrinho na parede, às refeições um prato que fizesse lembrar a Pátria distante.77

56Esta exaltação ecoa na cuidada cobertura dada pelos organizadores e pelos média às excursionistas encorajadas a embarcar no Cruzeiro. Dizia Augusto Cunha, em Luanda

  • 78 “Cruzeiro de Férias às Colónias”, A Província de Angola, 31 de Agosto de 1935.

(…) traz este cruzeiro alguns dos nosso valores mentais (…) e não quiz também a mulher portuguesa que tão elevado e patriótico papel tem tido em todos os tempos na nossa História, deixar de acompanhar neste momento, esta Cruzada Nacionalista de exaltação patriótica, deixar de apontar com o seu nobre exemplo a missão que à mulher portuguêsa cabe, cada vez mais, na obra da colonização78.

57Era ainda a família (e a casa) da nação – aquela que inspirava a sua estrutura, com as suas mulheres presentes mas menorizadas –, que se impunha na configuração do império, e o Cruzeiro era mais uma vez o palco onde se encenava e exibia o modelo conjugal e nacional:

  • 79 Enviado especial do Diário de Notícias, 15 de Agosto de 1935, publicado a 24. Contudo, a presença e (...)

Os enjoados são em número reduzido: em geral senhoras, que já saíram de casa sugestionadas e que tinha forçosamente que enjoar mesmo que o barco não houvesse passado da baía de Cascais (…) Desaparecida a primeira frieza natural que dão sempre as primeiras horas de contacto viagem, os excursionistas vivem já numa estreita camaradagem. Há sorrisos acolhedores e andamos todos empenhados em captar com a nossa simpatia a simpatia dos outros. Constituem-se grupos por afinidade de profissão, parentesco ou temperamento. Esboçam-se “flirts”, desenham-se amizades, dedicações…79

58Mas, no mesmo registo, é também através da mulher que se insinuam as críticas:

  • 80 “A Menina do Cruzeiro”, por José Licínio Rendeiro. Última Hora, Luanda, 1 de Setembro de 1935.

A menina veio dernier cri e viu uma moda mais exigente. Trazia o cérebro cheio de ideias de conquista de africano ricaço, e encontrou rapazinhos bem trajados, olhos sonhadores (...). A menina julgava-se uma beldade plástica, uma beldade de star, inimitável no jogo dos quadris, e vê raparigas elegantes, de olhos em braza, corpos coleantes (...). A Menina vinha plena de ilusões. Irá desiludida. Também nós ao desembarcar julgamo-nos em terra conquistada (...). A menina pensava vir em missão de estudo. Nada estudou, nem a fauna, nem a flora, (...) nada de nada. Só comeu, só bebeu, só fumou, só dançou... da sua viagem uma só coisa bôa resultará: a certeza de que Angola não é aquilo que imaginava: uma terra bôa para pretos... (...) A Menina do Cruzeiro não deixou saudades...80

Breves conclusões, antes de seguir viagem

  • 81 Boletim Geral do Ultramar, N.° 326-327, Vol. XXVIII, 1952, pp. 83-88.
  • 82 UNESCO, 1952, Correio, Agosto Setembro, Vol. V, n.°s 8 e 9.

59Em 1952, depois deste e de muitos outros Cruzeiros oficiais às Colónias, por altura do IV Congresso Internacional de Turismo Africano em Lourenço Marques, Marcelo Caetano faz um discurso transparente e já eivado de luso-tropicalismo81. O exemplo brasileiro – então aclamado pela UNESCO como bom modelo das relações raciais82 – é apresentado como testemunho da especificidade dos territórios ultramarinos configurados pelas práticas exclusivas da colonização portuguesa: “Temos o culto da hospitalidade; temos o sentido da fraternidade”. Numa altura em que o colonialismo português se encontrava novamente no pós-guerra sobre a mira crítica que antecipava os disparos da conferência de Bandung (1955), entende-se que o discurso de Caetano se dirigia mais aos leaders políticos internacionais do que aos turistas; mas era atrativo e eficaz em ambos os registos e assim se manteve, como o sabemos, até aos dias de hoje.

  • 83 Para além disso, e embora aqui não o tenhamos podido testemunhar, acompanhando de forma mais discri (...)

60Perseguir e desmontar as práticas e as retóricas que foram construindo essa alegada especificidade do colonialismo e do pós-colonialismo português que se veio a cristalizar no mote insinuante do luso-tropicalismo, não significa, no entanto, negá-la. Os cruzeiros às colónias, como este que aqui analisamos já indicia, permitem seguir microscopicamente o modo como essa especificidade resulta de configurações particulares da nação, da família e do género, e de encontros singulares com regimes de controlo das classes sociais, da juventude e do lazer inspirados noutros nacionalismos imperialistas, mas que não deixam de buscar raízes em formas prévias republicanas de constituição da nação e da pedagogia do sujeito português moderno83. Se, tal como outros, o turismo português de então pode ser entendido como uma forma de imperialismo, ele tem que ser visto à luz da nação e do nacionalismo que o produziu.

Bibliographie

AAVV, Catálogo da Exposição Viajar – Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal do Tempo da Primeira República. 2010, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República.

BARANOWSKI, Shelley, 2007, Strength Through Joy: Consumerism and Mass Tourism in the Third Reich. Cambridge, Cambridge University Press.

BENNET, Tony 1988, “The Exhibitionary Complex”, em New Formations n.° 4, reeditado em BENNETT, CLIFFORD, ROBINS e URRY in BOSWELL, D. E EVANS, J. Representing the Nation. A Reader. Histories, Heritage and Museums. 1999. Londres/Nova Iorque, Routledge, pp. 332-362.

BRUNER, Edward, 1989, “Of Cannibals, Tourists, and Ethnographers”, Cultural Anthropology, 4 (IV): 438-445.

CAETANO, Marcelo, 1977, Minhas memórias de Salazar. Lisboa, Editorial Verbo.

CASTELO, Cláudia, 1999. ‘O modo português de estar no mundo’: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa: 1933-1961. Porto, Edições Afrontamento.

– 2011. “Ruy Cinatti: poeta, ‘agrónomo e etnólogo’, instigador de pesquisas em Timor”, Atas do Colóquio Timor: Missões Científicas e Antropologia Colonial. AHU, 24-25 de Maio.

CAZES, Georges, 1989, Les nouvelles colonies de vacances? Le tourisme international à la conquête du tiers-monde. Paris, Harmattan.

COHEN, Eric, 1996 (1979), “A Phenomology of Tourist Experiences”, em Yiorgos Apostolopoulos et al. (orgs.), The Sociology of Tourism. Londres, Routledge.

CORREIA, Luís Miguel, 1992, Paquetes Portugueses. Lisboa, Edições Inapa.

– 2007, Lisboa na rota do mundo: Paquetes de Lisboa. Lisboa, Porto de Lisboa.

FERREIRA, Ana Paula, 2007, “Specificity without Exceptionalism: Towards a Critical Lusophone Postcoloniality”, em Paulo de Medeiros (org.), Postcolonial Theory and Lusophone Literatures. Utrecht, Universiteit Utrecht, pp. 21-40.

FERREIRA, H., 2009, “Turismo de cruzeiros. Ousar navegar: a experiência irresistível”, em J. M. Simões e C. C. Ferreira (orgs.), Turismos de nicho. Motivações, produtos, territórios. CEG, Lisboa, pp. 135-155.

FUSTER, Luis Fernández, 1991, Historia General del Turismo de Massas. Madrid, Alianza.

GRABURN, Nelson, 1978, “Tourism: The Sacred Journey”, em Valene Smith, Host and Guests. The Anthropology of Tourism. Oxford, Basil Blackwell, pp. 21-36.

GRENIER, Alain A. 2009 (2008), “Le tourisme de croisière”, Téoros, [online]. Disponível em http://teoros.revues.org/135 (acessoem26-08-2012).

JAAKSON, Reiner, 2004, “Beyond the tourist bubble? Cruise ship Passengers in Port”, Annals of Tourism Research, 31 (1): 44-60.

KUIN, Simon, 1993, “A Mocidade Portuguesa nos anos 30: anteprojectos e instauração de uma organização paramilitar da juventude”, Análise Social, 28 (122), pp. 555-588.

MacCANNEL, D., 1989 (1973), The Tourist: A New Theory of the Leisure Class. Nova Iorque, Shocken Books.

MARIN, Pierre-Henri, 1989, Les paquebots: ambassadeurs des mers. Paris, Gallimard.

MEDEIROS, Paulo de, 2006, “‘Apontamentos’ para conceptualizar uma Europa pós-colonial”, em Manuela Ribeiro Sanches (org.), Deslocalizar a Europa: Antropologia, Literatura e História na Pós-Colonialidade. Lisboa, Cotovia, pp. 339-358.

MITCHELL, T. 1991, Colonizing Egypt. Berkeley, University of California Press.

NASH, Denisson, 1978, “Tourism as a form of imperialism”, em Valene L. Smith (org.), Host and Guests. The Anthropology of Tourism. Oxford, Basil Blackwell, pp. 33-47.

NETO, Sérgio, 2008, “Representações Imperiais n’O Mundo Português”, em Luís Reis Torgal e Heloisa Paulo (orgs.), Estados Autoritários e Totalitários e suas Representações. Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, pp. 119-130.

THOMAZ, Omar, 1996, “Do saber colonial ao Luso-tropicalismo: ‘Raça’ e ‘Nação’ nas primeiras décadas do salazarismo”, em Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (orgs.), Raça, Ciência e Sociedade. São Paulo, Editora Fiocruz, pp. 85-106.

PINA, Paulo, 1987, Portugal. O Turismo no século XX. Lisboa, Lucidus.

RAMOS do Ó, Jorge, 1999, Os Anos de Ferro. O dispositivo cultural durante a política do espírito 1933-1949. Lisboa, Estampa.

ROSAS, F., 1995, “Estado Novo, império e ideologia imperial”, Revista de História das Ideias, 17: 19-32.

SANTOS, Boaventura de Sousa, 2002, “Entre Próspero e Caliban: colonialismo, pós-colonialismo e inter-identidade”, Luso-Brazilian Review, 39 (2): 9-43.

SHARPLEY, Richard, 2008 (1994), Tourism, Tourists and Society. Huntingdon, Cambridgeshire, ELM Publications.

SILVA, Maria Cardeira da, 2005, Outros Trópicos. Novos destinos Turísticos, Novos Terrenos da Antropologia. Lisboa, Livros Horizonte.

SMITH, Valene (org.), 1978, Host and Guests. The Anthropology of Tourism. Oxford, Basil Blackwell.

SMITH, Valene L., 1992, “The Quest in Quest”, Annals of Tourism Research, 19: 1-17.

THUROT, J. e THUROT, G., 1983, “The ideology of class and tourism”, Annals of Tourism Research, 10: 173-89.

TOWNER, J., 1985, “The Grand Tour: A Key phase in the History of Tourism”, Annals of Tourism Research, 12: 297-333.

TURNER, Louis e ASH, John, 1976, The Golden Hordes: International Tourism and the Pleasure Periphery. Nova Iorque, St. Martin’s Press.

URRY, John, 1991, The Tourist Gaze: Leisure and Travel in Contemporary Society. Newbury Park, CA, Sage.

VALE DE ALMEIDA, Miguel, 2000, Um Mar da Cor da Terra: Raça, Cultura e Política da Identidade. Oeiras: Celta Editora.

YARNAL, Careen M., 2004, “Missing the Boat? A Playfully Serious Look at Group Cruise Tour Experience”, Leisure Sciences, 21 (3): 349-372.

YARNAL, Careen M. e Deborah KERSTERRER, 2005, “Casting Off – An Exploratorion of Cruise Ship Space, Group Tour Behaviour, and Social Interaction”, Journal of Travel Research, 43: 368-379.

Notes

1 Da celebrizada legenda do mapa que esteve patente na Exposição Colonial Portuguesa, realizada no Porto, em 1934, em que o império colonial português aparece sobreposto, para efeitos comparativos, sobre os principais países da Europa.

2 À semelhança doutros impérios, e à sua pequena escala, Portugal exibe assim a estreita relação da emergência do turismo com a das companhias de navegação, cujos arquivos merecem maior atenção. A Empresa Nacional de Navegação foi constituída no ano de 1881, mediante contrato com o Governo português para efetuar a ligação Lisboa/Moçâmedes e as ligações entre as ilhas de Cabo Verde e entre estas e a Guiné. Em 1918 passou a designar-se por Companhia Nacional de Navegação. A partir de 1922 esta compete com a Companhia Colonial de Navegação, constituída em Angola a 3 de Julho desse ano. Na década de setenta, com o aumento do tráfego aéreo, estas companhias perdem importância, vindo a extinguir-se, a primeira em 1985, e a segunda em 1974.

3 O itinerário, longo e apressado, incluía paragens em S. Vicente, Praia, Bissau, Bolama, Príncipe, S. Tomé, Cabinda, Sazaire, Luanda, Pôrto Aboim, Novo Redondo, Lobito, Mossâmedes, S. Tomé e Funchal. Apenas as visitas a Luanda, Lobito e Mossâmedes se prolongavam por mais do que um dia, não ultrapassando muitas das outras umas breves horas. Alguns registos de imprensa testemunham o desagrado de colonos em relação à rapidez e ligeireza das visitas (ver adiante).

4 Escreve o então Ministro das Colónias, José Silvestre Ferreira Bossa, na dedicatória de cada uma das edições dos Lusíadas que os diretores do Cruzeiro vão oferecer aos governadores das quatro colónias da África Ocidental. O número de passageiros desce para 208 na capa do Diário de Notícias de 11 de Agosto de 1935.

5 Como a primeira Missão Académica a Angola, organizada pela Junta de Educação Nacional e dirigida em 1929 por Luiz Carrisso, botânico da Universidade de Coimbra, em que participaram 22 pessoas entre professores e alunos finalistas universitários de todo o país. Em 1937, Luiz Carrisso voltará a dirigir nova missão académica a Angola. Em carta dirigida a Augusto Cunha e publicada n’O Mundo Português (Ano II, Vol. II, 1935), Carrisso manifesta o seu apoio ao Primeiro Cruzeiro de Férias.

6 Ver, por exemplo, Sarmento, Alexandre 1942, “A ocupação Científica de Angola”. Boletim Geral das Colónias, Vol. XVIII, n.° 209: 16-20.

7 Cf. “Cruzeiro dos estudantes coloniais à metrópole”, Moçambique: Documentário trimestral. n.° 011, 1937, p.89.

8 Como o de 1940 que “tinha por fim principal facultar aos velhos colonos, que há longos anos não [vinham] ao Portugal europeu, uma visita que lhes permit[isse] participar nos festejos comemorativos do Duplo Centenário, da nacionalidade e da restauração” (Art. 2.° do Dec. Lei 30: 374). “Esta romagem à mãi-pátria” permitiria aos colonos verificar o “progresso, a paz e a ordem de que o País hoje disfruta” (Idem). Cf. Silva, Marinho da, 1940, “Cruzeiro dos velhos colonos”, O Mundo Português. Vol. 7, n.° 78: 235-239.

9 Seguido a 9 de Julho de 1934 do II Cruzeiro ACP ao Mediterrâneo (com escala em Gibraltar, Palma de Maiorca, Barcelona, Nice, Ajaccio e Argel) e a 1 de Agosto de 1935 do III Cruzeiro ACP (de Lisboa e Leixões a Rouen, Antuérpia e Tilbury/Londres). A organização destes cruzeiros, interrompida pela II Guerra Mundial, viria a ser retomada apenas no final dos anos 70 (Ferreira 2009).

10 Notícia de 1.a página do Diário de Notícias de 6 de Setembro de 1935; o tema ocupa também a primeira página deste jornal no dia 3 de Outubro, ao lado da notícia sobre a invasão da Etiópia pela Itália. Seguindo as notícias que saem neste diário próximo do regime sobre este Cruzeiro Aéreo, apercebemo-nos da mesma ideia de reforço da presença colonial através destas iniciativas: na véspera da partida, 14 de Dezembro de 1935, o Ministro das Colónias, José Bossa, declara ao jornal O Século ser esta “mais uma afirmação da soberania de Portugal”.

11 E relativamente ao qual podemos encontrar intervenções registadas, ao contrário do que sucede em relação ao cruzeiro, nas sessões parlamentares de 1935, dado que estas foram interrompidas entre abril e novembro desse ano. O Cruzeiro Aéreo teve o patrocínio dos Ministros da Guerra, das Colónias e da Instrução, do Diretor da Aeronáutica Militar e do Almirante Gago Coutinho.

12 Cujo subtítulo é, significativamente, Publicação quinzenal de turismo, propaganda, viagens, navegação, arte e literatura. Trata-se de um eloquente e pioneiro, mas infelizmente breve, quinzenário publicado em Lisboa, cinco anos depois da institucionalização do turismo em Portugal (se tomarmos como data para tal a fundação do Conselho de Turismo), entre 1916 e 1924. O corpo da direção e autores inclui nomes ligados às instituições nacionais do pelouro e os seus núcleos de propaganda regional, mas o conjunto de participantes – bem como o de temas abordados – é vasto, incluindo nomes estrangeiros.

13 Guerra Maio in Revista de Turismo, 1916, Ano 1, n.°8 p. 63.

14 Labinna – “Turismo Náutico”, Revista de Turismo, 1916, Ano I, n.° 1, p.4. E, embora a exaltação das potencialidades do turismo náutico se concentre então, fundamentalmente, no porto de Lisboa e na sua vocação Atlântica a exibir à, e a, Europa, não será por acaso que nos últimos números deste periódico (ano 4, 1920) se começam a multiplicar anúncios das companhias de navegação com trânsito para as colónias.

15 Se bem que tenha chegado a ser previsto e anunciado para 15 de Setembro de 1935 (Diário de Notícias de 21 de Agosto).

16 PERESTRELO, A. M. de Cid¸1936, “Os Portos e o Turismo. Têse Apresentada pelo Eng.° A. de M. Cid Perestrelo”. I Congresso Nacional de Turismo. Lisboa. Mas a Guerra viria também a contribuir para o atraso nesse investimento, nomeadamente a partir do bloqueio imposto pelos ingleses. E, apesar de projetadas entre 1934 e 1936 pelo arquiteto Porfírio Pardal Monteiro, só em 1943 e 1948 são inauguradas, respetivamente, a Gare Marítima de Alcântara e a Rocha Conde d’Óbidos.

17 FONTOURA, Álvaro da, 1928, Breve Notícia sobre alguns órgãos de Propaganda Colonial. Separata do Anuário da Escola Superior Colonial. Lisboa.

18 Cf. Cunha, Augusto, 1934, “‘Uma patriótica iniciativa de o Mundo Português’. Os Cruzeiros de Férias às Colónias”, O Mundo Português, 1: 37.

19 Disso dá conta o jornal República de 5 de Agosto 1935

20 Escrevia Marcelo Caetano – diretor cultural do Cruzeiro –, em editorial publicado a 10 de Agosto de 1935, dia da partida no Diário da Manhã: “Partimos, pois, para o primeiro Cruzeiro de Férias. Outros, certamente, se hão-de seguir, nenhum porém, como êste, segue na rota dos descobrimentos: porque vamos descobrir um novo Mundo moral para a Nação Portuguesa”.

21 “Pela terra e honra de Portugal”, Diário de Notícias, 22 de Agosto 1935.

22 E no Jornal do Comércio e das Colónias de 21 de Setembro de 1935 é Marcelo Caetano, quem discursa à chegada a Luanda: “(…) não creio, meus senhores, que esteja em perigo o nosso património colonial, nem julgo que valha a pena sobressaltarmo-nos com os boatos que de vez em quando circulam sôbre possíveis assaltos à integridade do território nacional. Angola não foi adquirida por nós em qualquer aventura de exploradores, ou por combinação dos políticos à mesa de qualquer conferência diplomática. Angola é terra sagrada por quatro séculos de colonização (...) não pode estar à mercê de cobiças seja de quem for! (...) Tranquilizemo-nos pois. (...) E se hoje nos faltam alguns progressos materiais de que as colonias de outros países se orgulham, respondamos que estamos ainda a tempo de fazer tais progressos até ao dia em que essas nações consigam conquistar a simpatia espontânea, a comunhão admirável dos indígenas com o colono e de todos com a metrópole, que permite a Portugal colonizar sem violência e vencer sem a força. E se o domínio das coisas representa muito – senhores: este domínio das almas é mais valioso!”.

23 Estamos conscientes dos riscos alienantes desta concomitância; ainda mais tendo em conta que os materiais analisados foram maioritariamente os da imprensa e de arquivos (como o de Marcelo Caetano) conotados com o regime então vigente. Mas dado que é sobretudo a articulação da sua atividade propagandística com a iniciativa turística que aqui nos ocupa, não nos pareceu prejudicial esse mimetismo metodológico estando esperançadas de ainda vir a resgatar e analisar posteriormente, mas a tempo, outros materiais: as fotografias e filmes feitos a bordo (das coleções dos diferentes jornais que tinham correspondentes embarcados), as coleções particulares (dado que em vários registos são referidas as muitas “kodaks” disparadas) e particularmente a da família de Manuel San Payo que deverá ter a película de bordo do fotógrafo que realizou o filme propagandístico O I Cruzeiro de Férias às Colónias do Ocidente (sobre o qual aqui também não nos deteremos), os diários de bordo que algumas das famílias guardarão e até, eventualmente, o testemunho de algum dos estudantes mais jovens que realizaram a viagem em 1935. Também merecem análise, que igualmente pretendemos empreender, os registos mais críticos publicados que aqui apenas afloraremos (ver adiante).

24 A organização do Cruzeiro realizar-se-ia sobre o seu mandato, muito embora à data da partida o cargo fosse já ocupado pelo seu sucessor José Silvestre Ferreira Bossa.

25 “O cruzeiro de férias às colónias portuguesas, que nós devíamos chamar mais carinhosamente províncias ultramarinas, tem um profundo alcance” (Cunha, Eugénia Penha, 1935, “Cruzeiro de Férias às Colónias. Impressões de V.a Excelência. Autógrafos expressamente escritos por alguns excursionistas”, Diário da Manhã, 30 de Agosto).

26 Editorial do Diário de Notícias, 1 de Agosto 1935.

27 “Não fazia a mais pequena ideia do que aquilo era. (…) Foi um verdadeiro banho de portuguesismo para todos nós”, lê-se no título do artigo retirado do comentário de Estevão Amarante, celebrado ator da época, que participou no Cruzeiro (Diário de Lisboa, 3 de Outubro de 1935).

28 Entrevista a Marcelo Caetano publicada nas páginas 1 e 2 do Diário da Manhã de 26 de Julho de 1935.

29 Idem.

30 Cf. “Cruzeiro das raparigas da Mocidade Portuguesa”, Boletim Geral das Colónias. – Ano 26.°, n.° 302-303, 1950, p. 163-165; “Cruzeiro de raparigas da M.P. ao Ultramar”, Boletim Geral das Colónias – Ano 26.°, n.° 301, 1950, p. 104; “Cruzeiro Gago Coutinho”, Boletim Geral do Ultramar. – Ano 35.°, n.° 411-412 (Setembro-Outubro de 1959), p. 270-276.

31 A organização foi depois alargada “à Mocidade Portuguesa das colónias, de origem europeia, e à juventude indígena assimilada” a quem é “dada (....) uma organização nacional e pré-militar que estimule a sua devoção à Pátria, o desenvolvimento integral da sua capacidade física e a formação de carácter, e que, incutindo-lhes o sentimento da ordem, o gôsto pela disciplina e o culto do dever militar, as coloque em condições de concorrer eficazmente para a defesa da Nação” (Decreto-lei n.° 29453, de 17 de Fevereiro de 1939).

32 Às quais se juntaram depois as influências e configurações das congéneres organizações italianas e sobretudo alemãs. Mas a eclosão da Segunda Guerra Mundial viria a pôr fim aos intercâmbios que chegaram a estabelecer-se entre a Hitlerjugend e a Mocidade Portuguesa.

33 A bordo seguia também o Dr. Gomes dos Santos que, “em nome da mocidade, e mais propriamente da mocidade escotista” portuguesa, discursou no Porto de Honra de Luanda (“Cruzeiro de Férias”, A Província de Angola, 4 de Setembro de 1935).

34 Que Augusto Cunha virá a público defender em longa coluna reagindo a boatos caluniosos, que os responsabilizariam pelo suicídio de um empregado do bar do Moçambique (Jornal de Notícias, 29 de Outubro de 1935).

35 O Século a 29 de Agosto de 1935.

36 O Século a 25 de Setembro de 1935.

37 Ver nota 22. A bordo seguia ainda o operador cinematográfico Costa Macedo (Jornal de Notícias, 11 de Agosto de 1935).

38 “O Cruzeiro de Férias à colónias. O tradicional julgamento e os divertimentos tradicionais quando da passagem do equador” (O Século, 2 de Outubro de 1935). San Payo parece ter tido especial papel na animação cultural da juventude, criando ainda o grupo dos “Ferro-Bico” (“Embaixada de saudade. O Cruzeiro de Férias às colónias”, Diário de Notícias de 4 de Outubro de 1935).

39 Autógrafo do Ministro das Colónias José Bossa inscrito nos exemplares dos Lusíadas destinados aos governadores das colónias visitadas (Boletim Geral das Colónias, n.° 122-123 – Vol. XI, 1935: 93-94).

40 Idem.

41 Decreto-lei 25.555, de 28 de Junho de 1935.

42 O Século, 27 de Agosto de 1935.

43 Enviado especial do Diário de Notícias, a 15 de Agosto de 1935, publicado a 24 do mesmo mês. Os cursos, tal como consta no Roteiro do Cruzeiro e nos apontamentos manuscritos do arquivo de Marcelo Caetano, incluíam: I. Noções sumárias de Geografia do Continente Africano; II. O Descobrimento da África Ocidental; III. História das Colónias da África Ocidental; O Mar; Noções Sumárias da Ciência da Colonização; e Noções Sumárias da Administração Colonial Portuguesa. Para além disso, era sugerido aos estudantes que tomassem, em todas as excursões por terra, apontamentos para registo das suas observações e impressões e futura elaboração de um relatório da viagem.

44 Roteiro do 1.° Cruzeiro de Férias às Colónias. Uma Iniciativa de “O Mundo Português”. Lisboa, 1935.

45 Referida em, A Província de Angola, 4 de Setembro de 1935.

46 Ruy Cinatti, para quem esta viagem se tornaria decisiva (ver adiante), viria, neste concurso, a ganhar o prémio “Júlio Henriques”, atribuído à conferência que revelasse melhor capacidade de observação, cabendo o prémio “Capelo Ivens”, atribuído à palestra “mais interessante”, a Mlle. Esther Cochat, a mais aplaudida (Diário de Notícias, e O Século a 11 de Outubro de 1935).

47 O Gabinete de Imprensa a bordo incluía delegados do Diário de Notícias, de O Século, de O Comércio do Pôrto, do Diário da Manhã, de A Voz, do Momento e ainda Dante da Silva Ramos, como colaborador artístico.

48 Moçambique: Documentário trimestral, n.° 16, 1938,: 79-80.

49 De 1935 a 1939, cerca de 20 mil alemães terão visitado Lisboa e o Funchal – mas, além deste destino de férias, os cerca de sete milhões de excursionistas da Força pela Alegria também viajavam pela costa alemã ou optavam por ir até à Noruega e à Dinamarca, a Espanha e a Itália (Fernando Madaíl em “Cruzeiros nazis para operários”, Diário de Notícias, 27 de Março de 2010).

50 Citado por Fernando Madaíl, Ibidem..

51 Força pela Alegria, fundada em 1933.

52 “Os estudantes não esquecerão, em nenhuma emergência, que junto dos colonos portugueses do Ultramar representam a Pátria de hoje e suas energias de amanhã. Importa que pela dignidade e aprumo da conduta, elevação de atitudes e nobreza de maneiras, deixem por onde passarem as mais gratas recordações e as mais claras esperanças” (Art. 10.° do Plano Cultural do Cruzeiro, Roteiro do 1.° Cruzeiro de Férias às Colónias. Uma Iniciativa de O Mundo Português. Lisboa, 1935 p.: 24).

53 Por exemplo no Província de Angola de 13 de Agosto de 1935.

54 Marcelo Caetano em “A minha primeira visita a Angola”, A Província de Angola, 31 de Dezembro de 1958.

55 Entrevista a Marcelo Caetano, Diário da Manhã, 26 de Julho de 1935.

56 Idem.

57 Diário da Manhã, 16 de Setembro de 1935.

58 N.°. 39, Vol. IV, 1937.

59 Diário da Manhã, 30 de Agosto de 1935..

60 Diário de Notícias, 20 de Setembro de 1935.

61 Marcelo Caetano em entrevista publicada no Diário da Manhã de 26 de Julho de 1935.

62 Algo que temos, infelizmente também, que remeter para outras publicações, dada a quantidade e eloquência do material encontrado.

63 Diário da Manhã de 26 de Julho de 1935.

64 Idem.

65 Como foi o gin tonic nas colónias inglesas. Mas Portugal incentivava declaradamente o consumo de vinho nas colónias: “Abri as portas de vossas casas ao vinho do velho rincão lusitano, a esse vinho forte de energias e de generosidade, que sempre acompanhou os vossos Maiores na enorme e esforçada obra construtora do nosso império”.

66 Boletim Geral das Colónias, n.° 122-123, Vol. XI, 1935.

67 Embora aparentemente desajeitada, a julgar por algumas descrições que referiram a “exposição flutuante” como “modesta e quasi deficiente na apresentação de alguns artigos (…) pensando talvez que para África aquilo seria mais que bom” (O Lobito, 7 de Setembro de 1935).

68 Diário da Madeira, 1 de Outubro de 1935.

69 São claras, por exemplo, as críticas à assimetria nos incentivos e protecionismo económico, e no balanço entre importações (de vinho) da Metrópole e exportações (de milho) de Angola (Diário de Lisboa, 15 de Novembro de 1935 e Jornal do Comércio e das Colónias de 22 de Novembro de 1935).

70 “Tive durante muito tempo a grata impressão de que levava apenas 200 portugueses, vibrando no mesmo ansioso desejo de conhecer as colónias, congregados no mais belo exemplo de união nacional. Só nos últimos dez dias essa impressão se dissipou, em consequência de alguns incidentes que se deram, provocados aliás, por pessoas que tinham o dever de os evitar, já pela sua categoria e cultura, já pelas atenções que devem à atual situação e, portanto, pelo respeito que lhe deveriam tributar” (Relatório do 1.° Cruzeiro de Férias às Colónias, 1936, p. 3).

71 O Intransigente, 11 de Setembro de 1935.

72 Idem.

73 Da obra de Mark Twain sobre o périplo de seis meses a bordo do Quaker City que realiza o primeiro cruzeiro organizado a partir dos EUA e que contribuiu para a difusão deste novo tipo de viagem junto do público.

74 “A minha primeira visita a Angola”, A Provincia de Angola 31 de dezembro de 1958.

75 Osório de Oliveira. Diário da Manhã, 19 de outubro 1935.

76 FREYRE, Gilberto, 1954, Aventura e rotina: sugestões de uma viagem à procura das constantes portuguesas de carácter e de acção. Lisboa, Livros do Brasil, p. 34, citado em Castelo 2011: 7.

77 “A mulher Portuguesa e as Colónias”, O Sul de Angola (Mossamedes) publicado n’O Mundo Português, N.° 125, Vol. XI, 1935 p. 100.

78 “Cruzeiro de Férias às Colónias”, A Província de Angola, 31 de Agosto de 1935.

79 Enviado especial do Diário de Notícias, 15 de Agosto de 1935, publicado a 24. Contudo, a presença e atividade feminina parece ter sido exagerada e romanceada; mais adiante neste mesmo artigo refere-se que “há muitas senhoras, algumas delas tendo já dobrado os cinquenta anos”, e na verdade, o próprio Roteiro do Cruzeiro lista apenas duas professoras, seis estudantes femininas, e trinta e uma mulheres entre as “pessoas de família”. As notas de preparação dos cursos – que evidenciam especial cuidado em premiar a única concorrente feminina nos concursos pedagógicos – denunciam apenas duas excursionistas do liceu e uma das escolas comerciais e industriais, embora na entrevista concedida ao Diário da Manhã publicada a de 26 de Julho de 1935, refira com entusiasmo “para cima de trinta!”.

80 “A Menina do Cruzeiro”, por José Licínio Rendeiro. Última Hora, Luanda, 1 de Setembro de 1935.

81 Boletim Geral do Ultramar, N.° 326-327, Vol. XXVIII, 1952, pp. 83-88.

82 UNESCO, 1952, Correio, Agosto Setembro, Vol. V, n.°s 8 e 9.

83 Para além disso, e embora aqui não o tenhamos podido testemunhar, acompanhando de forma mais discriminada a cabotagem destes cruzeiros podemos aperceber-nos das variantes discursivas do próprio colonialismo português, adaptado a cada destino ultramarino.

Table des illustrations

Légende “Um banho de portuguesismo para todos”.Jornal de Notícias 4 de Outubro de 1935
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/347/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 160k

Auteurs

Doutorada pela FCSH-UNL e docente na mesma Faculdade. Até 2011 foi coordenadora da Linha de Investigação Cultura: Práticas, Políticas e Exibições do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia). Desenvolveu trabalho de campo relativo aos processos e retóricas de patrimonialização e turismo em zonas de património de origem portuguesa, particularmente em Marrocos, Mauritânia e com breves incursões no Senegal (ilha de Gorée) e Irão (Ormuz). Desenvolveu ainda trabalho de pesquisa e reflexão teórica sobre o património de origem árabe em Portugal. Investigou e publicou também sobre questões de identidade de género em contextos árabes e islâmicos. Foi Investigadora Responsável dos projetos Castelos a Bombordo I (POCTI/ ANT / 48269/ 2002) e Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006) e Novos Fluxos e Percursos Turismo, consumo de património e identidades locais na zona de interação histórica e partilha cultural entre Portugal, Espanha e Marrocos (FEDER).

Licenciada em Ciências da Comunicação (FCSH-UNL), trabalha no sector da comunicação desde 1992 e da educação não-formal há uma década. Encontrou no mestrado de Antropologia, variante Culturas Visuais, a disciplina que solidificou as aptidões como investigadora social. Encontra-se neste momento a realizar a sua dissertação de Mestrado após o trabalho de campo no arquipélago dos Bijagós, Guiné-Bissau, desenvolvido no âmbito do projeto, de que foi bolseira: Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006).

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540