Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Castelos a Bombordo

 | 
Maria Cardeira da Silva

Mauritânia a Bombordo

Portugal (ainda) nos confins saarianos

Definições contemporâneas do encontro pré-colonial no sudoeste da Mauritânia1

Francisco Freire

Texte intégral

  • 1 Este trabalho foi apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia através da bolsa de doutorament (...)

Au fond d’un Sahara qui serait vide, se joue une pièce secrète, qui résume les passions des hommes. La vraie vie du désert n’est pas faite d’exodes de tribus à la recherche d’une herbe à paître, mais du jeu qui s’y joue encore. Quelle différence de matière entre le sable soumis et l’autre! Et n’en est-il pas ainsi pour tous les hommes? (Antoine de Saint-Exupéry, Terre des hommes)

  • 2 População de língua árabe, dialecto hassāniīa, compreendida maioritariamente na região onde vemos i (...)
  • 3 Esta designação, literalmente traduzida como “nazareno”, refere-se a personagens identificadas como (...)

1Entre a população bidan2 da Mauritânia são actualmente destacados, em termos da sua afirmação identitária e definição genealógica, vínculos com as figuras centrais do período fundacional do islão e com a arabidade. No entanto, e muito embora estes elementos se evidenciem, encontramos também inscritos outros quadros que provam que uma análise objectiva deste contexto não pode centrar-se apenas nestas expressões. Os territórios narrativos globalmente denominados “berberes” e “africanos” surgem quase sempre como complementares às linhagens árabes prevalecentes, e a estes três núcleos pode ainda ser conjugado um outro, reconhecível sob a denominação naçrānī (naçāra, plural).3

  • 4 Expressão geralmente traduzida como “tribo”, que será trabalhada ao longo de todo o texto, procuran (...)
  • 5 Apresentações prévias de alguns dos materiais aqui discutidos podem ser consultadas em Freire 2009, (...)
  • 6 Para um enquadramento do modelo estatutário bidan ver Bonte 1990; Boubrik 1998; Hall 2011; Hamès 19 (...)

2Neste capítulo trato as reconfigurações identitárias estabelecidas precisamente quanto ao inicial encontro entre europeus e qabā ‘ il (qabīla, singular.) bidan.4 Os exemplos destacados baseiam-se num levantamento desenvolvido junto de três qabā ‘il, que, de forma diferenciada, recriam e utilizam o passado pré-colonial euro-saariano: os Ahl Bouhubbaīni, os Idau al-Hājj e os Ūlād Bāba Ahmad.5 Estes grupos, muito embora constituindo unidades sociais autónomas (“tribos”), comportam também diversos elementos inter-relacionáveis: uso e partilha de um mesmo território (o sudoeste da Mauritânia), reconhecimento de alguns intérpretes genealógicos comuns, e um mesmo enquadramento estatutário, zuāīâ.6

  • 7 A região de Trarza corresponde geograficamente ao sudoeste da actual Mauritânia, sendo um topónimo (...)

3Em primeiro lugar serão expostas duas tradições Ahl Bouhubbaīni, qabīla associada à criação de dromedários (mas também de gado bovino) ao longo da faixa atlântica da Mauritânia, entre as regiões de Trarza,7 a sul, e de Nouadhibou, a norte. Os Ahl Bouhubbaīni enquadram-se na confederação tribal Tandgha, uma das mais significativas na demografia da actual Mauritânia. Trata-se, como referi, de um grupo de estatuto “marabútico” (uma denominação de origem colonial, mas ainda utilizada, “confortavelmente”, por muitos zuāīâ), isto é, associado ao conhecimento islâmico e ao seu ensino, sendo que neste contexto se ultrapassa a mera aprendizagem do texto sagrado e suas leituras, aproximando-se de uma prática na qual se oficiam os mais diversos serviços religiosos, tais como a bênção de talismãs, ou a realização de “trabalhos” ditos “ocultos”. No âmbito deste estudo interessa ainda sublinhar que os Ahl Bouhubbaīni declaram uma primazia na relação entre tribos bidan e o litoral Atlântico, e, provando esse argumento, incorporam a inicial presença europeia na região nas suas narrativas fundacionais.

4Em segundo lugar será analisada uma conhecida tradição Idau al-Hājj, na qual se declara que um dos seus patriarcas fundacionais terá viajado até à Península Ibérica, a partir de onde terá dado início a uma próspera operação comercial euro-saariana, assente na exportação de goma-arábica (actividade que os Idau al-Hājj monopolizaram ao longo de séculos). Este capítulo centra-se exclusivamente em materiais recolhidos junto dos Idau al-Hājj “de Trarza”, ainda que a qabīla se divida em três ramificações autónomas, geograficamente independentes mas estruturalmente unidas a uma mesma genealogia e história.

5Finalmente, será examinada a tradição através da qual os Ūlād Bāba Ahmad (historicamente associados à confederação Taxumxa, e parte da qabīla Ūlād Daimān) enquadram o seu antepassado epónimo no comércio euro-saariano. Esta proposta articula também a incorporação do grupo no emirato de Trarza (estabelecido no final da primeira metade do século XVII), estrutura política junto da qual os Ūlād Bāba Ahmad redefinem o seu posicionamento estatutário, recorrendo precisamente ao papel desempenhado pelo seu epónimo enquanto “tradutor” junto de agentes comerciais europeus.

6Os materiais apresentados revelam, como veremos, diversos mecanismos de consolidação identitária, nos quais se provam diferentes posicionamentos político-estatutários e se redefinem quadros genealógicos, sobre o pano de fundo de um ordenamento social tribalizado. A profundidade dos debates produzidos consolidará assim a apresentação de alguns contributos relativos aos mecanismos operatórios dos modelos tribais saarianos.

Ahl Bouhubbaīni. O conhecimento de Arguim (quinhentos anos depois)

Each age and society re-creates its ‘Others’. (Eduard Said, posfácio a Orientalism)

7No decurso da minha recolha de tradições orais associadas à inicial presença europeia no sudoeste saariano, entre a população bidan da Mauritânia, os Ahl Bouhubbaīni sempre me foram apontados como um dos grupos que deveria necessariamente trabalhar. Muito embora as bibliografias não sejam particularmente estimulantes na sua análise, localmente os Ahl Bouhubbaīni são frequentemente associados a um conhecimento efectivo da costa. A sua actual valorização identitária, em termos de enquadramento geográfico, reflecte também esta percepção, ao assentar sob um desenho amplo que, engrandecendo a qabīla, a coloca além das fronteiras políticas do estado, defendendo ligações até à região de Agadir (Marrocos).

  • 8 Norris assinala o litoral norte da actual Mauritânia como um território ancestralmente associado ao (...)
  • 9 A liderança Ahl Bouhubbaīni defende a existência de cerca de 1500 khīam (khaīma, singular; “tenda”, (...)

8Numa área geográfica e cronologicamente tão vasta é difícil associar o controlo territorial a uma única qabīla, ou confederação (Tandgha, no caso preciso), mas a totalidade da faixa litoral mauritana é reclamada como território privilegiado dos Ahl Bouhubbaīni, ou, mais precisamente, como “zona de percurso” à qual estarão há séculos intimamente ligados.8 É através desta posição que a chefia tribal destaca a qabīla, no quadro das relações entre os bidan e o Atlântico (Artaud 2012). Muito embora os Ahl Bouhubbaīni continuem associados à confederação Tandgha, hoje em dia reclamam a sua autonomia enquanto qabīla – que neste caso deve compreender para além do reconhecimento e valoração de uma ascendência fundacional própria, um território e um enquadramento estatutário claramente definidos.9 Este brevíssimo enquadramento das questões hoje valorizadas pelas chefias do grupo provar-se-á importante na compreensão das narrativas que abaixo exponho, ao ligar os Ahl Bouhubbaīni a Arguim, e assim justificando a reconversão do encontro de há cinco séculos atrás com naçrānī-s, num combate pelo controlo da região. Como veremos, os Ahl Bouhubbaīni não estarão apenas entre as populações mais antigas do litoral, mas serão também os responsáveis pela sua “libertação”.

9Muhammadīn ould ‘Abdarrahmān (circa 1920) apresenta-se como “um simples criador de gado” da região de Tiguent (sudoeste da Mauritânia). Muhammadīn acompanhou durante a sua longa vida os movimentos de transumância da tribo entre a foz do rio Senegal e a região de Nouadhibou, e é hoje respeitado não apenas pela sua idade avançada, mas também pelas muitas histórias que conhece, e que gosta de repetir, sobre os Ahl Bouhubbaīni. No seu acampamento de Tīn Ieija, no Aftout (zona costeira atlântica da região de Trarza), encontrei uma surpreendente narrativa que, para além de reclamar a influência do grupo sobre uma vastíssima área do litoral, se ocupa em descrever a primeira instalação naçrānī em Arguim (ver Figura 1).

  • 10 Se antes se assinalou uma presença Tandgha historicamente associada ao norte do país (nota 8), no i (...)

10Quando confrontado com os objectivos do meu trabalho, Muhammadīn ould ‘Abdarrahmān reconhece imediatamente as questões colocadas, relacionando “os bidan” (atribuindo já uma solidez “étnica” a uma comunidade que às datas destacadas dificilmente se constituiria como tal), Portugal e os portugueses, com uma presença em “Agadir Duma” (nome pelo qual era, até há poucas décadas atrás, identificada a ilha e fortaleza de Arguim, cf. Freire 2011a: 46; Monod 1983: 200-1). Os Ahl Bouhubbaīni, refere, transumavam entre Nouadhibou e a foz do rio Senegal,10 região onde a sua fracção (fakhdh), os Ūlād Bouhubbaīni, se estabeleceria no início do século XX. O conhecimento que tem de Arguim (mais de 400 quilómetros a norte de Tīn Ieija) e da sua história foi-lhe transmitido pelos seus pais e avós, que ancestralmente frequentavam essa região, assim como a generalidade dos Ahl Bouhubbaīni:

Havia um povoamento permanente em Agadir [Arguim], e as pessoas aprovisionavam-se aí de água doce. Com o tempo o poço começou a secar, e teve de se voltar a escavar, em ziguezague, para tentar encontrar mais água.
Os habitantes da ilha, que sempre aí viveram, eram
zuāīâ. Eles receberam aí um barco, que depois voltou lá várias vezes. Essa gente permanecia algum tempo e depois partia. As mulheres e as crianças fugiam desses barcos, mas depois essa gente começou a dar prendas.
De início apenas os homens iam até lá, mas pouco a pouco conquistaram a confiança de todos os habitantes da ilha, através dessas prendas.
Depois de terem conquistado a confiança das pessoas da ilha, chegou um dia em que os do barco levaram quase toda a gente, ficando apenas duas ou três pessoas. Os que ficaram procuraram os outros por toda a parte… mas não os encontraram.
Um ano depois o mesmo barco voltou, trazendo muita, muita gente. Entre essa gente vinham
naçāra, sudan [negros], argelinos, e também os antigos habitantes da ilha, que voltaram completamente “europeizados.” Os que voltaram eram, verdadeiramente, todos naçāra. Os europeus que vinham nesse barco eram como a gente das Canárias.
Houve uma nova aldeia que nasceu, e que assim permaneceu por muito tempo. Toda essa gente ficou depois por lá. Antigamente, para chegar à ilha de Agadir era necessária uma autorização dos
naçāra que lá estavam. (Muhammadīn ould ‘Abdarrahmān, Tīn Ieija, Dezembro 2005)

  • 11 A descrição do famoso poço de Arguim, por exemplo, aparece-nos aqui com particular exactidão: “(…) (...)
  • 12 Insisti, em sucessivos encontros, para que este interlocutor desenvolvesse esta ou outras narrativa (...)

11Surpreendentemente, no sudoeste da Mauritânia, entre criadores de gado que integram um agrupamento tribal reconhecido há séculos na orla costeira, a representação do primeiro encontro com europeus aproxima-se muito das tentativas de reconstrução historiográficas destes contactos. O reconhecimento da existência de água doce na ilha (tal como o progressivo empobrecimento deste aquífero), a identificação de uma ocupação humana prévia à instalação europeia, assim como as difíceis relações que se sucederam, são dados relevantes numa narrativa quase absolutamente concordante com a documentação historicamente conhecida.11 Mas, para além de se aproximar dos relatos da historiografia, esta narrativa concretiza a operacionalidade contemporânea de quadros narrativos que, cinco séculos depois, claramente ainda se associam ao primeiro encontro entre europeus e tribos saarianas.12

Figura 1. Acampamento Ahl Bouhubbaīni em Tīn Ieija (uma localização assinalada por Paul Marty como um dos poços Tandgha [Marty 1991: 258]). © F. Freire.

12Note-se que este tipo de associação não é de todo vulgar, e geralmente distancia-se do surpreendente realismo da tradição registada nesta família. Tratam-se, na maior parte das vezes, de reconfigurações muito pouco objectivas, cruzando cronologias quase sempre contraditórias e que apontam um esforço de definição identitária e, sobretudo, de valorização estatutária. A narrativa supracitada não foi, no entanto, a única encontrada entre os Ahl Bouhubbaīni, e ainda nesta região, Bādi ould Ahmad repetiu-nos uma outra tradição ligada a Arguim e aos seus visitantes naçāra. Neste caso, muita embora continuem a articular-se os mesmos dois elementos, são também enunciados aspectos bastante menos claros, e cronologias historicamente muito mais ambíguas, mas que considero ainda assim relevantes ao ilustrarem a amplitude dos desenhos identitários desenvolvidos:

Posso contar uma história que se transmite na minha família – e que é conhecida por todos os Ahl Bouhubbaīni –, que envolve o “posto” [marKez] de Agadir, Portugal e Muhammadīn ould Bouhubbaīni.
No tempo de Muhammadīn ould Bouhubbaīni os Portugueses estavam no porto de Agadir. Viviam aí permanentemente, mas faziam incursões no continente. Os Portugueses tinham leões guardados no porto de Agadir e lançavam-nos sobre o continente quando faziam as suas razias. Esses leões destruíam tudo à sua passagem e os Portugueses utilizavam-nos sempre.
Os Tandgha da região estavam em Bīr al-Gareb [no continente], abastecendo-se de água na ilha de Agadir. Os Ūlād Rizg vieram ter com os Tandgha pedindo-lhes ajuda contra os Portugueses e contra os seus leões. Os Portugueses tentavam controlar todo o território e já tinha havido combates. Os Ūlād Rizg ajudaram os Bouhubbaīni a construir um novo poço em Bīr al-Gareb, quinze ou vinte quilómetros em frente de Agadir [uma vez perdido para os Portugueses o poço de Agadir].
Quando as pessoas compreenderam que não conseguiam vencer [militarmente] os Portugueses, decidiram pedir a ajuda a Muhammadīn ould Bouhubbaīni. Este disse conhecer uma “magia” [
sihr] que podia utilizar sobre um grande vitelo: – Vou mandá-lo contra os leões, e, se o vitelo ganhar, isso quer dizer que vocês vão poder combatê-los; se o vitelo for derrotado, não há nada a fazer, vocês são impotentes contra os Portugueses.
Esperaram então que os Portugueses soltassem os leões, lançando nesse momento o vitelo. O vitelo matou os leões e a partir daí os Portugueses progressivamente deixaram a zona. Mais tarde chegaram os Holandeses…
(Bādi ould Ahmad, Baguend, Dezembro 2005)

13Apenas encontrei tradições deste tipo entre dos Ahl Bouhubbaīni. Na maioria dos casos, como veremos, o tipo de associação entre populações locais e europeias faz-se sobre elementos de cariz económico e comercial, ou sobre impressões que empurram uma qualquer fractura genealógica – onde se incluiu um(a) personagem europeia – sobre uma tribo que não a sua própria. Junto dos Ahl Bouhubbaīni, no entanto, encontrámos a reprodução de quadros mais abrangentes, que directamente conjugam a inicial presença europeia em Arguim com a definição estatutária do grupo.

  • 13 Os quadros genealógicos estabelecidos relativamente aos Ūlād Rizg comportam inúmeras versões, mas t (...)

14Para além da associação entre Muhammadīn ould Bouhubbaīni e a fortaleza de Arguim – historicamente improvável –, desenha-se também uma aproximação aos Ūlād Rizg.13 O facto de ser apresentada uma colaboração entre um grupo eminentemente pré-árabe (os Ahl Bouhubbaīni), e os primeiros árabes que se instalam definitivamente no sudoeste saariano (os Ūlād Rizg), promove, naturalmente, repercussões importantes. Concretamente, a antiguidade dos Ahl Bouhubbaīni no território, e a possibilidade de um relacionamento profícuo entre dois quadros estatutários distintos. Mas, de facto, concretiza-se aqui também uma afirmação da superioridade dos poderes zuāīâ face às armas dos Ūlād Rizg (de estatuto hassān), uma vez que terá sido o talismã utilizada pelo filho do fundador dos Ahl Bouhubbaīni sobre um vitelo, que provocou a derrota dos invasores cristãos. É desta forma que a qabīla reclama ter estado na origem da decadência portuguesa/europeia na costa saariana, “provando” a sua supremacia numa região até então ocupada por naçāra, e devolvida aos seus habitantes pela intervenção “divina” de Muhammadīn ould Bouhubbaīni.

15Destaco nestas tradições orais um elemento fundamental: para além da descrição do encontro com europeus na região de Arguim, busca-se precisamente a definição da própria qabīla. Os relatos citados declaram políticas de aliança, ou conflito, assim como a defesa de um enquadramento estatutário – zuāīâ, no caso. A inicial presença europeia na costa atlântica serve perfeitamente o argumentário desta qabīla saariana. O passado europeu de Arguim surge-nos aqui, não como um elemento isolado, ou externo (colonial?!), mas como uma estrutura plenamente incluída nas fórmulas que visam a inscrição histórica da qabīla e que consolidam a sua expressão identitária.

Idau Al-Hājj. O comércio atlântico como referente identitário

  • 14 A aldeia de Tigumatin surge como vértice do processo que reinventa o estatuto zuāīâ dos Idau al-Hāj (...)

16Os Idau al-Hājj ter-se-ão estruturado enquanto qabīla na região de Adrar (norte da Mauritânia), reclamando a cidade de Ouadane como seu berço. O grupo comporta hoje em dia três núcleos, todos eles autónomos e associados a três áreas geográficas distintas – Adrar (no norte), Assaba (a este), Trarza (no sudoeste) –, ainda que recorrendo sempre à região de Adrar como referente identitário fundacional prioritário (Norris 1972: 189-90; Webb 1995a). Posteriormente, na primeira metade do século XVI, um antepassado dos actuais Idau al-Hājj de Trarza, Najib ould Xams al-Dīn, terá viajado para a região de Trarza, tendo aí refundado a qabīla.14 Este trânsito norte-sul enquadra-se numa tipologia mais ampla que caracteriza muitas das qabīla-s hoje instaladas no sudoeste da Mauritânia. A maioria dos autores associa esta deslocação à pressão de tribos recém chegadas a norte (Ould Cheikh 2000), e a profundas alterações climáticas (Webb 2006). Outra possibilidade, complementar a estas, prender-se-á com a abertura de rotas de maior valor económico no litoral e nas margens do rio Senegal, apontando a valoração de eixos comerciais atlânticos, contra as rotas continentais até aí prevalecentes.

  • 15 As diferentes versões desta narrativa estabelecem localizações divergentes quanto ao local onde se (...)

17Os Idau al-Hājj reconhecem-se, e são reconhecidos, como uma qabīla prioritariamente vocacionada para o comércio, e é precisamente neste ponto que encontramos uma ligação com Portugal. Uma conhecida tradição refere que al-Amīn, o filho de Najib ould Xams al-Dīn, dando continuidade à vocação comercial dos seus ascendentes, viajou para o norte do continente – ou “para lá de Gibraltar”, ou até Portugal –, a partir de onde terá estabelecido as bases para o comércio regular de goma-arábica (ver Moreira, neste volume) na foz do rio Senegal (uma operação que seria, de facto, implementada, pelo seu irmão Atjfagha Aubak).15

18Transcrevo abaixo uma das narrativas que define a inicial associação euro-saariana dos Idau al-Hājj, tal como é actualmente apresentada pelo seu mais respeitado “historiador”, Ahmad ould Sīdī Muhammad (ele próprio, sem surpresa, também um comerciante; ver Figura 2):

Najib ould Xams al-Dīn, “filho” de um dos fundadores de Ouadane, saiu de Ouadane e viajou até Tigumatin. Em Tigumatin encontra-se com Omar Fall, e questiona-o sobre alguém que o pudesse ajudar a coser os tecidos que negociava. Omar Fall apresenta-lhe Hafsa mint Muhammad Sadik, uma mulher Tandgha, da fracção Idagvūdia, de origem xerifal. Najib deixa os seus tecidos com Hafsa, e, no seu regresso, fica muito satisfeito com as costuras que ela fez. Najib pergunta então a Omar Fall se Hafsa é casada. Este responde que não. Pergunta então quem é o seu tutor, ao que Omar Fall responde ser ele próprio. O casamento é organizado em Tigumatin pelo próprio Omar Fall.
Deste casamento nascem três filhos: Atjfagha Aubak, al-Amīn e al-Uahij (ou al-Uavij). Quando cresce, o segundo filho parte para Marrocos. Al-Amīn, criado num meio
zuāīâ, viaja com o objectivo de comprar livros. Em Marrocos trabalha para a casa real, sendo daí enviado à Europa para comprar papel.
Nessa viagem al-Amīn desloca-se a Portugal, onde, durante uma refeição, o tentam envenenar. Apercebendo-se do que se estava a passar, imediatamente toma um “antídoto” que a sua mãe lhe havia preparado para situações como esta: pó de goma-arábica. Os seus anfitriões, apercebendo-se que ele estava salvo, perguntam como é que ele tinha conseguido resistir ao veneno. Al-Amīn revela que tomou um produto que a sua mãe lhe havia dado. Os Portugueses perguntam onde encontrar esse produto. Al-Amīn diz-se indisponível para os guiar, uma vez que estava em missão para os marroquinos, mas decide ajudar os Portugueses escrevendo uma carta que estes deveriam apresentar ao seu, irmão mais velho, Atjfgha Aubak, em Beijik, junto à foz do rio Senegal (ainda que as operações comerciais viessem depois a decorrer em Injahen, na margem senegalesa).
Os Portugueses começaram então a enviar os seus barcos, estabelecendo relações privilegiadas com os Idau al-Hājj, seus principais interlocutores, que reuniam a goma-arábica que era comerciada nas margens do rio Senegal, em troca de tecidos, armas, espelhos…
(Ahmad ould Sīdī Muhammad, Idau al-Hājj da fracção Ahl Atjfagha; Zamzam/Rosso, Outubro 2004,
in Freire 2009: 164-6)

19Actualmente os Idau al-Hājj defendem uma narrativa identitária que os deve sobretudo enquadrar como grandes comerciantes, e esse aspecto fundamental baseia-se, como vimos, numa associação comercial euro-saariana. Ao contrário do que foi acima referido quanto aos Ahl Bouhubbaīni, neste caso a relação comercial com europeus é defendida e valorizada. Muito embora se afirme que al-Amīn foi vítima de uma tentativa de envenenamento, julgo que este episódio releva sobretudo a valorização do produto em causa – goma-arábica –, ao qual devem a sua prosperidade. Deve ser também destacada, tal como o fiz relativamente aos Ahl Bouhubbaīni, a associação clara a uma tipologia zuāīâ. Neste caso, para além da dedicação à cultura, ao mundo escrito e ao domínio do “oculto”, deve acrescentar-se a vocação comercial da tribo (assinale-se ainda que a responsável pela eficácia do desempenho “mágico” de al-Amīn, foi, de facto, a sua mãe, “Hafsa mint Muhammad Sadik, uma mulher Tandgha”).

  • 16 Nunca foram encontrados vestígios materiais da presença portuguesa no Adrar, muito embora as tradiç (...)

20A presença europeia no litoral saariano define verdadeiramente o sucesso económico da qabīla e, neste sentido, os seus líderes actuais ousam mesmo articular um primeiro encontro luso-Idau al-Hājj no Adrar, ligado à subsequente viagem de al-Amīn, e finalmente consolidado numa operação comercial estruturada nas margens do rio Senegal.16 Não foi encontrada qualquer documentação que sustente esta teia de relacionamentos, mas o facto desta ser ainda defendida é em si mesma um facto significativo.

21Surpreendido pela profundidade do trabalho memorial desenvolvido em torno desta relação, decidi explorar os quadros genealógicos associados à descendência de al-Amīn. Através do exame de diferentes genealogias encontrei elementos que apontam o desenvolvimento de uma relação bastante mais complexa entre os Idau al-Hājj e “os portugueses” – que, note-se, os líderes da qabīla sempre reconheceram como seus parceiros comerciais, mas nunca mais do que isso.

Figura 2. Ahmad ould Sīdī Muhammad, Zamzam/Rosso, Outubro de 2004. © F. Freire.

  • 17 A discussão em torno desta população comporta os mais diversos argumentos, mas aqui, muito resumida (...)
  • 18 Entre os Ūlād Bāba Ahmad, ‘Aguiga é referida como “kitābiīa”, e não apenas como naçrāniīa, aproxima (...)

22A maioria das tradições orais e genealogias que recolhi, referem que Maham, um dos filhos de al-Amīn ould Najib, terá casado com uma mulher estrangeira. Essa mulher, ‘Aguiga mint Barmi, “é espanhola ou portuguesa”, lê-se no al-Ansab al-Ūlād Daimān (Ould Emmain s/d [meados do século XX]: 14), uma respeitada carta genealógica do sudoeste saariano. A origem de ‘Aguiga é também por vezes associada aos famosos bafur,17 sendo que actualmente é geralmente descrita sobretudo como naçrānīa.18 O enquadramento etimológico do nome ‘Aguiga mint Barmi levanta problemas imediatos, que acompanham o labirinto que a enquadra genealogicamente. Ainda assim, insisto, nota-se uma ênfase na defesa de uma origem europeia de ‘Aguiga, quando esta não é, verdadeiramente, a única direcção que o nome pode tomar (Freire 2009: 248-2).

23Outro dado relevante prende-se com o facto do destaque atribuído a Maham na tradição oral, e nos manuscritos mais antigos, não ser valorizado pela actual liderança Idau al-Hājj (ligada à fracção Ūlād Mukhtār), surgindo possibilidades genealógicas contraditórias em relação à própria descendência de al-Amīn, o precursor da aventura comercial da qabīla. Se é verdade que uma carta do líder dos Idau al-Hājj ao “rei de França”, em 1819, responsabiliza “Eliman Ould Nagib/Al-Amin Wuld Najib” pelas actividades comerciais desde sempre desenvolvidas pela tribo (Webb 1995b: 180), as propostas actuais quanto à sua descendência não são claras. Para alguns, al-Amīn terá deixado apenas um descendente, Mukhtār (Webb 1995b: 110); noutras tradições, al-Amīn teve, isso sim, três filhos: “Mukhtār, Maham e Ahmad Meilud. Mukhtār teve quatro filhos, mas os seus irmãos actualmente já não têm descendência. Os filhos de Mukhtār são os actuais chefes dos Idau al-Hājj. É sobretudo este ramo familiar que permanece mais activo” (Ahmad ould Sīdī Muhammad, citado em Freire 2009: 239; ver Figura 3).

24Para a actual liderança Idau al-Hājj, o primogénito de al-Amīn será Mukhtār, e Maham, quando referido, será um dos seus irmãos mais novos. Os quadros genealógicos – ou “histórias privadas”, seguindo a proposta de Ould Cheikh (ver antes, neste volume) – actualmente exibidos, fazem de Maham ould al-Amīn uma figura apagada, ou, verdadeiramente, “um homem sem qualidades”, na genealogia, hoje prezada, escrita por Ould Hamdi (década de setenta do século XX). Muito embora reconhecendo que esta é uma versão heterodoxa da história da tribo (ainda que ligada a algumas das suas figuras centrais), é precisamente esta versão que procuram patentear – pensando obviamente na valorização da sua própria fracção, os Ūlād Mukhtār. O “blackout genealógico” (Ould al-Bara 2004: 196) relativo a Maham, “o tradutor” (segundo uma versão bem conhecida na região, e igualmente identificada, mas não valorizada, pelos actuais líderes Idau al-Hājj), e o progressivo destaque de Mukhtār – e da fracção epónima –, promovem o último ao lugar de primogénito de al-Amīn, e herdeiro legítimo da saga comercial dos Idau al-Hājj de Trarza.

Figura 3. Genealogia dos Idau al-Hājj segundo Ahmad ould Sīdī Muhammad.

  • 19 Ahmad ould Sīdī Muhammad defende ainda que Maham terá sido o primeiro Idau al-Hājj a ser sepultado (...)

25A defesa desta tese – que hoje se quer oficial – surge fragilizada pelo facto da descendência de Maham ser bem conhecida em contextos sociais contíguos aos Idau al-Hājj. Nesses casos, Maham é geralmente reconhecido como “o pai de Hemeila”, uma mulher de origem Idau al-Hājj que casou com al-Kuri, o primogénito do epónimo dos Ūlād Sīdī al-Vali. Nesse contexto, Maham é sempre reconhecido como “Maham ould al-Amīn”. A sua filha, Hemeila, é dita “Hemeila al-Hajiīa” (isto é, de origem Idau al-Hājj), ou “Hemeila mint Maham mint al-Amīn ibn Najib”, coincidindo com o texto de Muhammad al-Yadāli (primeira metade do século XVIII, in Ould Babah [ed.] 1990: 148), e com a sua lápide em Tindalah (ver Figura 4).19

  • 20 A actual chefia Idau al-Hājj não destaca o papel de Maham como tradutor no comércio euro-saariano, (...)

26Este apagamento pode associar-se quer ao papel dos descendentes de Mukhtār ould al-Amīn (actuais líderes da qabīla), quer ao facto da biografia conhecida de Maham se ligar a elementos “não ortodoxos” (leia-se, a sua proximidade com personagens cristãs). O facto de Maham poder ser associado ao comércio euro-saariano enquanto tradutor, mas, sobretudo, a possibilidade de este ter assumido uma aliança matrimonial com uma estrangeira (quase sempre descrita como europeia), constituirão aspectos suficientes para ancorar o seu actual “esquecimento”.20

Figura 4. Lápide de Hemeila no cemitério Idau al-Hājj de Tindalah (Trarza): “Hemeila i Maham ibn al-Amīn ibn al-Najib”. © F. Freire.

27As descrições dos iniciais encontros entre saarianos e europeus, muito embora consignadas a uma visão “correcta” da história tribal – que visa a sua qualificação enquanto exemplares intérpretes dos ensinamentos (genealógicos) islâmicos –, provam a existência de uma pluralidade de vozes que, de facto, comprometem a tribo com diferentes possibilidades narrativas, que não as exclusivamente veiculadas pelas chefias. Os exemplos aqui referidos mostram “esquecimentos” dificilmente justificáveis e operações genealógicas apenas iluminadas à luz de movimentações de ordem política. Ainda assim, o labirinto genealógico Idau al-Hājj baseia-se efectivamente na viagem de al-Amīn e nos contactos que este terá estabelecido com europeus. Estas relações prestigiam a tribo enquanto grupo cosmopolita, com relações ancestrais – valorizáveis – com cristãos. E assim, se é verdade que os Idau al-Hājj se correspondem com quadros identitários “legítimos” – ligação ao nasab profético, associação ao norte do país, vocação comercial e, mais recentemente, boas relações com o tecido emiral –, é também verdade que são incorporados na qabīla os contactos euro-saarianos… conquanto estes não toquem a sua expressão eminentemente genealógica.

Ūlād Bāba Ahmad. A integração estatutária e o encontro Euro-Saariano

  • 21 O emirato de Trarza estrutura-se em redor dos Ūlād Ahmad ben Damān, mas comporta ligações important (...)

28Na segunda metade do século XVII forma-se, no sudoeste da Mauritânia, o emirato de Trarza. O conjunto de elementos que venho discutindo pode também articular-se com esta estrutura proto-estatal, declarando a profundidade das construções identitárias desenvolvidas quanto aos iniciais encontros euro-saarianos. Nesta medida gostaria agora de apresentar um núcleo narrativo ligado ao desenho político emiral, no qual se prova o alcance alargado destes contactos trans-continentais. A aproximação ao enquadramento político emiral será aqui trabalhada, uma vez mais, através de exemplos provenientes de uma qabīla de estatuto zuāīâ: os Ūlād Bāba Ahmad.21

29Os Ūlād Bāba Ahmad defendem uma profunda ligação com o emirato (árabe) de Trarza, justificando essa associação, em grande medida, através do papel desempenhado pelo seu patriarca epónimo como mediador entre o emirato e comerciantes naçrānī-s. Na continuidade da análise ensaiada sobre os Idau al-Hājj, também entre os Ūlād Bāba Ahmad se defende um quadro de prosperidade económica subsequente ao encontro com comerciantes europeus, no entanto, neste caso, Bāba Ahmad é abertamente reconhecido enquanto “tradutor”. Este papel, contudo, não é considerado como uma simples vocação profissional, mas definido como uma perfeita sublimação do ordenamento estatutário da qabīla: os dotes linguísticos de Bāba Ahmad fazem dele um interlocutor respeitado junto do emirato, capacitado para todas as matérias escritas (“leitor de tudo o que é escrito”, é a expressão sempre repetida). Este enquadramento incorpora os encontros comerciais desenvolvidos junto de agentes europeus na faixa atlântica saariana no tecido identitário da qabīla, e serve a sua inscrição (estatutária) na sociedade bidan; transformando o que seria um mero tradutor, num quase paradigma da ética zuāīâ.

30A tradição que relata o início das actividades de Bāba Ahmad junto do emirato de Trarza é apresentada por H. T. Norris:

  • 22 Ould Cheikh refere que os primeiros acordos comerciais entre o emirato de Trarza e comerciantes eur (...)

Bāba Ahmad was honoured by the Maghfar ‘Arab’ clan of Ahmad b. Dāmān. It is said that Portendick (Injil) near to Nouakchott was founded after the conclusion of a treaty between Ahmad b. Dāmān and a European, possibly a Portuguese called Rodrigo or Rodrigues. The latter had written to the Arab prince asking for a trading agreement, and it was Bāba Ahmad who read and translated the proposal to this prince. As a reward the latter gave Bāba Ahmad a portion of the dues (amkūbal or kharāj) exacted on trading vessels, and this privilege was enjoyed by his descendants (Norris 1969: 499).22

  • 23 Os esforços que desenvolvi junto dos Ūlād Ahmad ben Damān (qabīla emiral) não foram frutíferos. A r (...)

31Ainda que nunca me tenha sido precisado o nome Rodrigo/Rodrigues, ou especificada a nacionalidade dos agentes europeus que terão estado ligados a Bāba Ahmad, esta narrativa continua a ser reconhecida. O conteúdo do “contrato” que Bāba Ahmad terá traduzido também não é actualmente lembrado, mas duas consequências directas da sua acção são ainda marcantes: 1) a partir desse momento ter-se-á iniciado o comércio de goma-arábica entre o emir e comerciantes europeus; 2) os descendentes de Bāba Ahmad continuaram (até à sexta geração) a receber um “tributo” emiral (kubl) relativo aos bons serviços prestados aquando do início das actividades comerciais euro-saarianas.23

32Veja-se como Ahmadu ould Hmaiada (Ūlād Bāba Ahmad, fracção al-Vali) integra esta tradição, ligando-a aos fundamentos da própria qabīla:

  • 24 Companheiro do emir Ahmad ben Damān e figura eminente da “conquista” árabe do sudoeste saariano, na (...)
  • 25 Este debate deve também incluir-se no quadro de uma competição inter-tribal, uma vez que Ahmad Baza (...)

Quando Bāba Ahmad era jovem foi enviado até Sīdī Ahmad al-‘Arusi.24 Nessa “delegação” [surba] iam Bāba Ahmad, Ahmad Bazaid [primo materno de Bāba Ahmad] e um Tandgha chamado Buiader. Conta-se uma “história” [ruāia] sobre cada um deles: Bāba Ahmad decide ocupar-se de tudo o que seja escrito; Ahmad Bazaid, de todo o “oculto” [baTna]; Buiader, do “mundo visível”.25
Quando chegaram, Sīdī Ahmad al-‘Arusi decide testá-los. Na mão direita encerra uma tâmara, na mão esquerda um pedaço de carvão. No momento em que al-‘Arusi tenta trocar a tâmara pelo carvão, Buiader agarra-o, impedindo-o de os enganar. Sīdī Ahmad al-‘Arusi mostra depois o seu “quadro mágico” [
jaduāl], no qual Ahmad Bazaid descobre rapidamente um erro, e trata de o corrigir. Al-‘Arusi mostra depois uma carta espanhola, que Bāba Ahmad começa a ler. Al-‘Arusi impede Bāba Ahmad de continuar a leitura em público e retira-se na sua companhia. (...)
Mas voltando ao
kubl … isso passou-se entre Bāba Ahmad e Ahmad ben Damān (al-‘Arusi depois partiu e não voltou). Bāba Ahmad ajudou Ahmad ben Damān a fazer acordos e contractos com um país europeu, que eu não sei qual é. Foi assim que Bāba Ahmad se tornou tradutor. Ele era muito forte em tudo o que era escrito. Ahmad ben Damān concedeu-lhe o kubl da salina [sebkha], que continuou a ser recebido até um passado próximo, já muito depois de Bāba Ahmad. (Ahmadu ould Hmaiada, Igerm [Trarza], Novembro de 2006)

  • 26 Ainda que neste capítulo se procurem sobretudo apontar as tradições que relacionam Bāba Ahmad com o (...)

33Neste caso, tal como nos exemplos Idau al-Hājj, o enquadramento do inicial encontro euro-saariano assenta em vectores comerciais, ainda que aqui se prove uma reconfiguração positiva do papel de Bāba Ahmad, que evolui da figura de simples tradutor, para a consolidação de um modelo eminentemente zuāīâ, ligado ao saber escrito, e neste caso, ao domínio da palavra.26

34Voltando a Norris e à tradução que Bāba Ahmad terá efectuado da carta de um certo Rodrigo (ou Rodrigues), uma “Memória” depositada na Biblioteca da Ajuda (Lisboa), datável das primeiras décadas do século XVII, identifica efectivamente uma personagem de nome “Rodrigo Freire” operando no rio Senegal em datas que podem ser aproximadas às da implantação do emirato de Trarza. Este documento, desconhecido de Mukhtār ould Hamidoun, reflecte directamente a tradição reconhecida por este autor na década de setenta do século XX; e, se bem que não se trate obviamente de um dado contundente, é um elemento que para além da coincidência etimológica, pode ilustrar o tipo de relações desenvolvidas ao longo do rio Senegal e clarificar alguns dos seus intervenientes (neste caso preciso, Ingleses, Portugueses e Judeus):

  • 27 Este documento foi-me generosamente cedido pelo Professor José da Silva Horta (FLUL), que será a au (...)

Primeiramente no rio Senegal se carregão cada hum anno seis, e sette naos de courama, marfim, goma arábico, que lhes serve para tinturas no qual rio os Ingreses tem feito hua ilhotta, que o mesmo rio fas da banda de dentro da barra huã casa na qual lhe fiqua sempre gente depois de terem carrega para outras que ham de vir das mesmas partes ao dito rio em as quaes veio por muitas vezes hum Rodrigo Freire natural de Villa Nova de Portimão a fazer resgate no dito rio em huã nao ingresa (…).27

Conclusão

35A articulação do passado naçrānī da região oeste-saariana, segundo as propostas identitárias bidan, faz-se sobretudo através da sua incorporação em modelos tribais. Contrariando um certo apagamento que a academia tem votado às precoces relações entre europeus e populações saarianas, este terreno guarda ainda inúmeros materiais que qualificam esse encontro. Como vimos, os contactos pré-coloniais com agentes europeus são plenamente incorporados nas fórmulas identitárias, por vezes nos tecidos genealógicos, e na maior parte das vezes, no quadro ontológico (enquadramento estatutário) defendido para o grupo de pertença. Todas as tradições aqui apresentadas remetem nesse sentido. O tratamento destes elementos efectua-se, como vimos, a níveis diferenciados, mas todos eles acentuadamente inclusivos: notando-se a evidente inscrição de um território próprio, quer a um nível minimal (familiar), quer através da apresentação de quadros mais alargados onde, por exemplo, se posiciona uma declarada “ocupação” cristã da dār al-islam. Esta leitura – distinta da que qualifica períodos posteriores, e particularmente o momento colonial – sublinha um diálogo através do qual se articulam diferentes possibilidades de ordenamento estatutário, ligando-se, nos casos analisados, com momentos decisivos na definição das qabīla-s: veja-se a colaboração entre os Ahl Bouhubbaīni e os “árabes” Ūlād Rizg; a partilha de elementos genealógicos entre Idau al-Hājj e Ūlād Daimān; ou a associação dos Ūlād Bāba Ahmad ao emir “árabe” de Trarza.

36Os elementos aqui apresentados provam também que o encontro entre qabā ‘il bidan e personagens naçāra não se institui como uma ruptura, traduzida no desenvolvimento de uma nova historicidade. Trata-se de um quadro relacional plenamente incorporado e identitariamente significativo até aos dias de hoje. Os vínculos criados através da representação do encontro euro-saariano definem-se em conjunto com outros quadros (locais), que são reconsiderados à luz destes elementos. Nota-se também a contínua aplicação do conceito de qabīla nos quadros narrativos expressos, relacionando-se com uma reiterada afirmação dos posicionamentos estatutários. Esta reflexão prova uma plena integração das narrativas orais que debatem a inicial presença europeia no Saara atlântico nos contextos bidan, uma vez incorporadas num debate endógeno que evidencia a flexibilidade e vitalidade dos idiomas tribais.

37As fórmulas apresentadas no tratamento dos iniciais encontros euro-saarianos afirmam também que os contextos bidan não são passíveis de um tratamento linear, traduzível através de uma qualquer “grande narrativa” (neste caso associada à gesta Almorávida, à arabidade, ao islão, ao estatuto social, ou à etnicidade). O estudo destas comunidades não deverá ser circunscrito a uma qualquer leitura teleológica, que apenas servirá para ampliar uma visão fútil do presente; e que, nesse caso, arrisca o esquecimento de uma história milenar, que mesmo que marcada por contradições profundas, continua a merecer ser amplamente discutida, procurando incorporar todas as complexidades que definem as relações sociais e históricas entre diferentes períodos e diferentes populações.

Bibliographie

ARTAUD, Hélène, 2012, “Mer partagée, part maudite. La fabrique rituelle d’un horizon maritime: mer et sacré chez les pêcheurs Imrâgen (Mauritanie)”, Revue des mondes musulmans et de la Méditerranée, 130: 53-70.

AHMED, Akbar S. e David M. Hart (eds.), 1984, Islam in Tribal Societies. Londres, Routledge & Kegan Paul.

AZINHAGA, Florinda, 1965, A Feitoria de Arguim e a Expansão Portuguesa, Tese de Licenciatura em História. Lisboa, Faculdade de Letras.

BONTE, Pierre, 1998, L’Emirat de l’Adrar. Histoire et Anthropologie d’une Société Tribale du Sahara Occidentale, Tese de Doutoramento. Paris, EHESS.

—, 1991, “Egalité et hiérarchie dans une tribu maure: les Awlâd Qaylân de l’Adrar mauritanien”, em BONTE, Pierre, Édouard Conte, Constant Hamès, e Abdel Wedoud Ould Cheikh (eds.), Al-Ansâb. La Quête des Origines: Anthropologie Historique de la Société Tribale Arabe. Paris, Editions de la Maison des Sciences de l’Homme, pp. 145-199.

—, 1990, “L’‘ordre’ de la tradition. Evolution des hiérarchies statutaires dans la société maure contemporaine”, Revue du monde musulman et de la Méditerranée, 54: 118-129.

BONTE, Pierre, Édouard Conte, Constant Hamès, e Abdel Wedoud Ould Cheikh, 1991, Al-Ansâb: La Quête des Origines. Anthropologie Historique de la Société Tribale Arabe. Paris, Editions de la Maison des Sciences de l’Homme.

BONTE, Pierre e Yazid Ben Hounet (eds.), 2009, Études rurales, 184 (“La tribu à l’heure de la globalisation”).

BOUBRIK, Rahal, 1998, “Hommes de dieu, hommes d’épée: Stratification sociale dans la société bidân”, Journal des Africanistes, 68 (1): 261 – 272.

CENIVAL, Pierre de, e Théodore Monod (eds.), 1938, Description de la Côte d’Afrique de Ceuta au Sénégal par Valentim Fernandes (1506-1507). Paris, Larose.

CURTIN, Philip D., 1971, “Jihad in West Africa: Early Phases and Inter-Relations in Mauritania and Senegal”, The Journal of African History, 12: 11-24.

FIEY, J. M., 1993, “NaŞārā”, em BOSWORTH, C. E., E. Van Donzel, W. P. Heinrichs, e Ch. Pellat (eds.), Encyclopedia of Islam, New Edition (Volume VII). Leiden e Nova Iorque, Brill, 970-973.

FREIRE, Francisco, 2011a, “The ‘Narziguas,’ Forgotten Protagonists of Saharan History”, Islamic Africa, 2 (1): 35-65.

—, 2011b, “Histoire du Sahara atlantique et mémoire tribale. Réinterprétations contemporaines des contacts euro-sahariens précoloniaux”, em Sébastian Boulay e Bruno Lecoquierre (eds.), Le Littoral Mauritanien à l’Aube du XXIème Siècle: Peuplement, Gouvernance de la Nature, Dynamiques Sociales et Culturelles. Paris, Karthala, pp. 107-122.

—, 2009, Narrativas naçrānī-s entre os bidān do Sudoeste da Mauritânia: A Viagem Europeia e suas Reconfigurações Tribais, Tese de Doutoramento. Lisboa, FCSH-UNL.

GODINHO, Vitorino Magalhães, 1983-1984 [1963-1971], Os Descobrimentos e a Economia Mundial, 4Volumes. Lisboa, Presença.

—, 1956, O “Mediterrâneo” Saariano e as Caravanas do Ouro: Geografia Económica e Social do Sáara Ocidental e Central do XI ao XVI Século. São Paulo, Coleção da Revista de História.

—, 1945, Documentos Sobre a Expansão Portuguesa, 3 Volumes. Lisboa, Editorial Gleba.

HALL, Bruce S., 2011, A History of Race in Muslim West Africa, 1600-1960. Nova Iorque, Cambridge University Press.

HAMÈS, Constant, 1969, “La société maure ou le système des castes hors de l’Inde”, Cahiers Internationaux de Sociologie, XLVI: 163-177.

HORTA, José da Silva, e Francisco Freire, (no prelo), “Os primeiros contactos luso-saarianos: narrativas europeias quatrocentistas e tradições orais bidan (Mauritânia)”, em Maria Cardeira da Silva e Clara Saraiva (eds.), As Lições de Jill Dias. Lisboa, CRIA.

KHOURY, Philip S. e Joseph Kostiner (eds.), 1990, Tribes and State Formation in the Middle East. Oxford, University of California Press.

KOLTERMANN, Till Philip, 1995/1996, Politique Maure et Rivalité Européenne sur la Côte de la Gome (Mauritanie) entre 1678 et 1728, Tese de Licenciatura. Estrasburgo, Université des Sciences Humaines de Strasbourg.

KOLTERMANN, Till Philip e Ulrich Rebstock, 2006, “Les plus anciennes lettres des émirs du Trarza: témoins de la politique maure d’alliances avec la Hollande et l’Angleterre (1721-1782)”, L’Ouest Saharien, hors série 6: 9–62.

MARTY, Paul, 1919, L’Émirat des Trarzas. Paris, Éditions Ernest Leroux.

MONOD, Théodore, 1983, L’Ile d’Arguin (Mauritanie): Essai Historique. Lisboa, Centro de Estudos de Cartografia Antiga do Instituto de Investigação Científica e Tropical.

NORRIS, Harry T., 1986, The Arab Conquest of Western Sahara: Studies of the Historical Events, Religious Beliefs and Social Customs Which Made the Remotest Sahara a Part of the Arab World. Harlow, Longman; Beirut, Librarie du Liban.

—, 1982, The Berbers in Arabic Literature. Harlow, Longman; Beirute, Librairie du Liban.

—, 1972, Saharan Myth and Saga. Oxford, Clarendon Press.

—, 1969, “Znāga Islam During the Seventeenth and Eighteenth Centuries”, Bulletin of the School of Oriental and African Studies, 32: 496-526.

OULD AL-BARA, Yahya, 2004, “Sécheresses, violences et sociétés”, em Z. Ould Ahmed Salem (ed.), Les Trajectoires d’un État-Frontière: Espaces, Évolution Politique et Transformations Sociales en Mauritanie. Dakar, CODESRIA, pp. 189-206.

Ould Babah, Muhammadin (ed.), 1990, aš-Šayh Muhammad al-Yadāli: sur l’histoire de la Mauritanie (trois textes inédits). Tunis, Beït Al-Hikma.

OULD CHEIKH, Abdel Wedoud, 2000, “La Caravane et la Caravelle. Les Deux Âges du Commerce et l’Ouest Saharien”, em L’Ouest Saharien. Histoire et Sociétés Maures. Paris, l’Harmattan, pp. 29-70.

—, 1991, Eléments d’Histoire de la Mauritanie. Nouakchott, Centre Culturel Français Antoine de St. Exupéry.

—, 1985, Nomadisme, Islam et Pouvoir Politique dans la Société Maure Précolonial (XIe-XIXe siècle), Tese de Doutoramento em Sociologia. Paris, Universidade de Paris V.

OULD EMMAIN, Abdallahi, s/d (circa 1950), al-Ansab al-Ūlād Daimān, Manuscrito (em árabe).

OULD HAMDI, Mokhtar, s/d (circa 1970), al-Ansab al-Idau al-Hājj. Manuscrito (em árabe).

OULD HAMIDOUN, Mokhtar, 1952, Précis sur la Mauritanie. Saint-Louis du Sénégal, IFAN.

OULD SA‘AD, Muhammad al-Mukhtar, 1989, “Emirats et espace émiral maure: Le cas du Trarza aux XVIIIe – XIX siècles”, Revue du Monde Musulman et de la Méditerranée, 54: 53 – 82.

PETERS, Emrys, 1960, “The Proliferation of Segments in the Lineage of the Bedouin of Cyrenaica”, The Journal of the Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, 90: 29-53.

STEWART, Charles C., 1973, Islam and Social Order in Mauritania: A Case Study from the Nineteenth Century. Oxford: Clarendon.

TAMARI, Tal, 1991, “The Development of Caste Systems in West Africa”, Journal of African History, 32: 221-250.

TAYLOR, Raymond M., 2002, “L’Émirat Pré-Colonial et l’Histoire Contemporaine en Mauritanie”, Annuaire de l’Afrique du Nord (1999), 37: 53-69.

TEIXEIRA DA MOTA, Avelino, 1976, Alguns Aspectos da Colonização e do Comércio Marítimo dos Portugueses na África Ocidental nos Séculos XV e XVI. Lisboa, Junta de Investigações Científicas do Ultramar.

WEBB, James L. A., 2006, “Ecology and Culture in West Africa”, em AKYEAMPONG, E. K. (ed.), Themes in West Africa’s History. Athens, Ohio University Press; Oxford, James Currey; Accra, Woeli, pp. 33–51.

—, 1995a, “The Evolution of the Idaw al-Hajj Commercial Diaspora”, Cahiers d’Études Africaines, XXXV: 455-475.

—, 1995b, Desert Frontier: Ecological and Economic Change Along the Western Sahel (1600-1850). Madison, The University of Wisconsin Press.

WEHR, Hans, 1980 [1961], A Dictionary of Modern Written Arabic. Beirute, Librairie du Liban; Londres, Macdonald.

Notes

1 Este trabalho foi apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia através da bolsa de doutoramento SFRH/BD/18668/2004. Entre 2002 e 2006 participei como investigador no projecto “Castelos a Bombordo. Práticas de Monumentalização do Passado e Discursos da Cooperação Cultural entre Portugal e os Países Árabes e Islâmicos” (POCTI/ANT/48269/2002), que igualmente financiou esta investigação, assim como, posteriormente, o projecto “Castelos a Bombordo II” (PTDC/ANT/67235/2008). Para além destes fundamentais apoios, gostaria ainda de agradecer aos Professores José da Silva Horta (FLUL) e Abdel Wedoud ould Cheikh (Paris, CNRS), que em muito contribuíram para a estrutura definitiva deste texto, assim como à Professora Maria Cardeira da Silva que teve a ousadia de retomar, e renovar, a área de estudos em contextos islâmicos na academia portuguesa. A minha investigação na Mauritânia, sobre um tema que se mostrou sensível para muitos dos meus interlocutores, foi em muito facilitada por Yahya ould al-Bara, Mahmuden ould Hally e Muhammad ould Sidi, meus amigos.

2 População de língua árabe, dialecto hassāniīa, compreendida maioritariamente na região onde vemos implantada a República Islâmica da Mauritânia. Al-BiDān é o seu nome auto-reconhecido (etimologicamente um plural de branco, “os brancos”), que ao longo deste capítulo, para facilidade de leitura, surgirá como “bidan”. Nas transcrições do hassāniīa são acrescentadas ao alfabeto árabe a fricativa “v”, o fonema “g” e as vogais “e” e “o”.

3 Esta designação, literalmente traduzida como “nazareno”, refere-se a personagens identificadas como europeias/cristãs. É através deste termo que se consideram, indiscriminadamente, as figuras tidas como responsáveis pelos primeiros contactos euro-saarianos: portugueses, espanhóis, holandeses, ingleses ou franceses. Para um enquadramento global deste termo ver Fiey (1993: 970-3).

4 Expressão geralmente traduzida como “tribo”, que será trabalhada ao longo de todo o texto, procurando descrever alguns dos mecanismos que localmente qualificam a sua utilização contemporânea (Ahmed e Hart [eds.] 1984; Bonte et al. 1991; Bonte e Ben Hounet [eds.] 2009; Eickelman 1998: 123-46; Kouri e Kostiner [eds.] 1990).

5 Apresentações prévias de alguns dos materiais aqui discutidos podem ser consultadas em Freire 2009, 2011a, 2011b; Horta e Freire 2012.

6 Para um enquadramento do modelo estatutário bidan ver Bonte 1990; Boubrik 1998; Hall 2011; Hamès 1968; Norris 1969, 1986; Stewart 1973; Tamari 1991.

7 A região de Trarza corresponde geograficamente ao sudoeste da actual Mauritânia, sendo um topónimo associado a Tarruz ben Magvar, antepassado dos árabes Ūlād Ahmad ben Damān que a partir do início do século XVII consolidaram o controlo deste território. Utiliza-se igualmente a expressão, mais antiga, Guibla, ampliando o tecido social da região, e desvinculando-a de uma visão estritamente arabocêntrica. Em termos oficiais, prevalece actualmente a utilização da expressão Trarza.

8 Norris assinala o litoral norte da actual Mauritânia como um território ancestralmente associado aos Tandgha (confederação onde se incluem os Ahl Bouhubbaīni): “The Tandgha of south-west Mauritania (…) were settled to the north until the fifteenth and sixteenth centuries” (1969: 516). No mesmo sentido, Muhammad al-Xannāfi identifica os Ahl Bouhubbaīni como “gente do camelo”, historicamente ligados à região de Nouadhibou e às pastagens de Rio de Oro (comunicação pessoal, Nouakchott, Maio 2006).

9 A liderança Ahl Bouhubbaīni defende a existência de cerca de 1500 khīam (khaīma, singular; “tenda”, mas também “família nuclear”) do grupo, um número muito provavelmente demasiado alto, ao apontar um universo de cerca de oito a nove mil indivíduos.

10 Se antes se assinalou uma presença Tandgha historicamente associada ao norte do país (nota 8), no início do século XX Paul Marty confirma a influência Tandgha na foz do rio Senegal (1919: 257-8).).

11 A descrição do famoso poço de Arguim, por exemplo, aparece-nos aqui com particular exactidão: “(…) il s’agit de puisards, creusés dans deux dépressions plus ou moins ensablées sous un auvent rocheux constituant le plafond d’une sort de grotte ouverte sur la surface du sol; il faudra donc, pour atteindre l’eau, descendre d’abord verticalement pour se trouver au niveau de l’orifice du puits, puis avancer horizontalement jusqu’à celle-ci” (Monod 1983: 176). Os trabalhos dedicados a Arguim são tão diminutos que julgo valer a pena incluir aqui a descrição que Teixeira da Mota faz do local: “A feitoria estava recolhida na fortaleza, e o seu funcionamento, dirigido por um feitor (que em Arguim era também normalmente o capitão da fortaleza), operava-se por meio de vários oficiais régios, protegidos por um pequeno número de soldados (…). A feitoria fortificada de Arguim–estabelecida na única ilha com água doce na região e a pouca distância de Uaden, importante escala do comércio trans-saariano–serviu para obter sobretudo ouro e escravos (e, em menor escala, goma e pescado), por permuta principalmente com trigo, tecidos europeus, têxteis marroquinos e prata. Não se conhecem os regimentos que regulavam o seu funcionamento, mas a legislação geral manuelina e outros documentos de começos do século XVI permitem ter uma ideia daquele e concluir, como era lógico, que a experiência aí adquirida foi útil para estabelecer o regime iniciado por Diogo de Azambuja em S. Jorge da Mina em 1482. A importância desta última rapidamente superou em muito a da feitoria de Arguim, cujo comércio declinou ao 1ongo do século XVI” (Teixeira da Mota 1976: 16; cf. Azinhaga 1965).

12 Insisti, em sucessivos encontros, para que este interlocutor desenvolvesse esta ou outras narrativas relacionadas, mas Muhammadīn ould ‘Abdarrahmān sempre afirmou que aquela era a única tradição familiar que seriamente se relacionava com a presença portuguesa. No entanto, e ainda entre os Ahl Bouhubbaīni, são referidas, de forma bastante mais vaga, tradições que associam o desaparecimento de figuras locais com viagens forçadas à Europa. Estas narrativas são activadas, e as suas personagens identificadas, através dos processos de partilha de herança destes familiares desaparecidos, uma vez que alguns destes acordos seriam já registados por escrito.

13 Os quadros genealógicos estabelecidos relativamente aos Ūlād Rizg comportam inúmeras versões, mas todas elas os associam a um corpo árabe que terá chegado ao sudoeste na Mauritânia entre o final do século XV e o início do século XVI (Bonte 1998: 231; Norris 1982: 201; Ould Hamidoun 1952: 39).

14 A aldeia de Tigumatin surge como vértice do processo que reinventa o estatuto zuāīâ dos Idau al-Hājj, e onde se consolida a sua vocação comercial. Pensando, desde já, em ligar a narrativa Idau al-Hājj abaixo exposta, com os projectos comerciais desenvolvidos por europeus na região, interessará notar que Tigumatin se aproxima geograficamente da escala de “Anterote” (a sul da actual Tiguent), onde se reconhecem transacções comerciais euro-saarianas desde o início do século XVI: “(…) onde está outro resgate que se chama Anterote (…) E tem o resgate alli como em Arguym em seus navios, porque nom ha hy lugar nem castello, nem nada” (Valentim Fernandes em Cénival e Monod [eds.] 1938: 124 e nota 245).

15 As diferentes versões desta narrativa estabelecem localizações divergentes quanto ao local onde se terá efectivado a negociação deste trato, mas todas elas referem um encontro com cristãos. São mencionadas fortalezas no litoral marroquino, o acolhimento no seio de uma coroa cristã da Península Ibérica, ou uma recepção em Gibraltar (Ould Hamidoun 1952: 14; Webb 1995b: 109-1). A associação que no meu caso foi estabelecida com Portugal, deve ser compreendida de forma mais geral, cruzando diferentes nacionalidades europeias, mas sempre resultando no estabelecimento de operações comerciais euro-saarianas. Neste sentido, leia-se ainda o excerto do texto, não publicado, de um outro notável Idau al-Hājj: “Tout a commencé, selon la tradition orale, quand Elemine ould Enejib, qui était au Maroc pour suivre ses études, a effectué une visite à Gibraltar; là, il a réussi à intéresser des commerçants Anglais à la gomme arabique qui est récoltée en abondance dans son pays (…). Quand les Anglais se sont montrés intéressés, Elemine leur a remis une lettre de recommandation adressée à son frère Alfagha Awbek au Trarza. Les Anglais sont vénus l’y trouver; et là ils ont signé avec lui un accord commercial qui fait obligation aux capitaines de tous les navires qui accostent au large du Trarza pour l’achat de la gomme arabique de payer exclusivement aux descendants de Najib une taxe appelée amkouboul. Les premières opérations de traite de la gomme effectuées au niveau du Trarza avec les Européens, l’ont été par Alfagha Awbek ould Najib. A sa mort, son neveux El Moctar ould Elemine ould Najib a assuré la relève et depuis lors les Idawalhaj ont eu la haute main sur cette activité qu’ils ont gardé pendant long temps la prérogative de réguler et de taxer à leur profit exclusif” (Mohamed Lemine ould al-Kettab, Les Idawalhaj et leurs différents migrations de Ouadane).

16 Nunca foram encontrados vestígios materiais da presença portuguesa no Adrar, muito embora as tradições orais que localmente a mencionam, e os dados historiográficos que a confirmam (Godinho 1983/1984, 1: 67).

17 A discussão em torno desta população comporta os mais diversos argumentos, mas aqui, muito resumidamente, pensaria apenas em qualificar a utilização dos bafur como categoria ampla sobre a qual podem recair dificuldades de enquadramento genealógico, sobretudo ligadas com a antiguidade da implantação no território e perda de relevo estatutário (Bonte 1998).

18 Entre os Ūlād Bāba Ahmad, ‘Aguiga é referida como “kitābiīa”, e não apenas como naçrāniīa, aproximando-a do conceito de Ahl al-Kitāb (“Gentes do Livro”); acrescentando a possibilidade judaica ao já complexo labirinto genealógico associado a esta personagem. Ainda neste grupo, refere-se que Maham ould al-Amīn “trabalharia como tradutor para os Portugueses” (Freire 2009: 245).

19 Ahmad ould Sīdī Muhammad defende ainda que Maham terá sido o primeiro Idau al-Hājj a ser sepultado em Tindalah.

20 A actual chefia Idau al-Hājj não destaca o papel de Maham como tradutor no comércio euro-saariano, e procura, a todo custo, ocultar este elemento banalizado sobretudo na tradição oral.

21 O emirato de Trarza estrutura-se em redor dos Ūlād Ahmad ben Damān, mas comporta ligações importantes a muitas outras tribos, que se posicionam junto, ou contra, o emir do momento (Curtin 1971; Ould Cheikh 1991; Ould Sa ‘ad 1989; Taylor 2002).

22 Ould Cheikh refere que os primeiros acordos comerciais entre o emirato de Trarza e comerciantes europeus foram estabelecidos ao tempo do sucessor de Ahmad ben Damān, o seu filho “Häddi” (1991: 76-7). Em termos de documentação escrita, devemos considerar apenas o século XVIII como o momento em que se identificam acordos comerciais euro-saarianos (cf. Koltermann e Rebstock 2006).

23 Os esforços que desenvolvi junto dos Ūlād Ahmad ben Damān (qabīla emiral) não foram frutíferos. A relação comercial com europeus nunca me foi referida como significativa, ainda que se reconheça o encontro entre os primeiros emires Trarza e comerciantes europeus (indiscriminadamente associados quer a Portugueses, Holandeses ou Ingleses). A forma como neste contexto se expõem esses encontros não parece apontar uma significativa intensidade no tecido identitário definido. As actuais chefias Ūlād Ahmad ben Damān surgem valorizadas sobretudo através de narrativas de conquista e organização de um espaço político próprio (o emirato), e estas fórmulas menorizam qualquer ligação com europeus.

24 Companheiro do emir Ahmad ben Damān e figura eminente da “conquista” árabe do sudoeste saariano, na primeira metade do século XVII (Norris 1986).

25 Este debate deve também incluir-se no quadro de uma competição inter-tribal, uma vez que Ahmad Bazaid (Barikallah), tal como Bāba Ahmad, proveria também “acompanhamento espiritual” aos emires de Trarza (Norris 1969: 499-0), e, em algumas tradições, seria ele próprio o responsável pelo aprofundamento das transações comerciais euro-saarianas: “On raconte encore sur la côte l’histoire d’un Barikallah du nom d’Ahmed Bazeid qui aux XVe-XVIe siècles (?) se serait rendu à Agadir (Arguin) et conclu un traité avec les Portugais” (Monod 1983: 219).

26 Ainda que neste capítulo se procurem sobretudo apontar as tradições que relacionam Bāba Ahmad com o emirato de Trarza e com o comércio atlântico, reconhecem-se inúmeras outras dimensões zuāīâ a esta personagem: “Saints such as Abā Zayd of the Īdaygub and his cousin Bāba Ahmad al-Daymānī provided food or rain when either was scarce, punished offenders by long-distance guidance of meteors and magic spells, and undertook swift journeys on holy donkeys and on flying sticks” (Norris 1969: 499). Este enquadramento “místico” de Bāba Ahmad não é hoje em dia valorizado, e é dificilmente desencerrado nos discursos que oficialmente visam a definição identitária dos Ūlād Bāba Ahmad.

27 Este documento foi-me generosamente cedido pelo Professor José da Silva Horta (FLUL), que será a autoridade a consultar sobre a autoria e datação desta “Memória” (catalogada como Memoria, e relação do resgate que fazem francezes, ingrezes, e framengos na costa de Guiné a saber do rio de Sanaga atee Serra Leoa, Biblioteca da Ajuda, cód. 51-VI-54, n.° 38, fls. 145-147, [s.d.], fl. 145).

Table des illustrations

Légende Figura 1. Acampamento Ahl Bouhubbaīni em Tīn Ieija (uma localização assinalada por Paul Marty como um dos poços Tandgha [Marty 1991: 258]). © F. Freire.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/335/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Légende Figura 2. Ahmad ould Sīdī Muhammad, Zamzam/Rosso, Outubro de 2004. © F. Freire.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/335/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Légende Figura 3. Genealogia dos Idau al-Hājj segundo Ahmad ould Sīdī Muhammad.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/335/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Légende Figura 4. Lápide de Hemeila no cemitério Idau al-Hājj de Tindalah (Trarza): “Hemeila i Maham ibn al-Amīn ibn al-Najib”. © F. Freire.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/335/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 161k

Auteur

Doutorado em Antropologia (FCSH-UNL), e Mestre em Antropologia: Colonialismo e Pós-colonialismo (ISCTE). Tem, desde 2001, centrado a sua investigação na República Islâmica da Mauritânia, trabalhando o islão político, os processos de reconfiguração histórica e identitária da população bidan da Mauritânia e mais recentemente, os processos contemporâneos de articulação das esferas tribais. Foi bolseiro, e depois membro da equipa dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006). É também investigador do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia).

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540