Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Reis e Intocáveis

 | 
Rosa Maria Perez

Parte II

Capítulo 3. A aldeia de valthera

Texte intégral

1Quando da minha chegada ao Gujarat, obtive um conjunto de apoios para trabalhar na aldeia de Juval no talukā de Sanand, limítrofe do talukā onde viria a realizar trabalho de campo. Esse apoio provinha fundamentalmente da casta dos Koli-Patel, dominante na aldeia. Após duas semanas de permanência em Juval, compreendi, porém, que o meu acesso às duas castas intocáveis locais estava extremamente comprometido. Os Koli-Patel punham todo o cuidado em impedir o meu contacto com os Intocáveis, os quais, por sua vez, também inviabilizaram qualquer aproximação. Tendo-se tornado claro que o conhecimento dos Intocáveis teria de ser em segunda mão, interrompi o trabalho iniciado nessa aldeia e desencadeei o processo que me conduziria a Valthera.

  • 1 O vās é, no Gujarat, o espaço habitacional de uma casta, muito importante por marcar o seu territór (...)
  • 2 Cfr. a formulação deste conceito no capítulo 4.

2Foi minha intenção desde o início viver no vās1 dos Vankar, com uma família Vankar. Os Rajput, casta dominante da aldeia,2 tentaram desde o primeiro momento cercear essa intenção, sugerindo-me que permanecesse no seu espaço, ou no espaço socialmente neutro do panchayāt, edifício destinado a funcionários administrativos e a outros elementos exteriores a Valthera.

  • 3 O otao é um terraço em frente à casa, liberto das barreiras da poluição que a afectam, onde são re (...)

3A minha insistência em viver na área dos Vankar fez de mim objecto de uma rigorosa segregação por grande parte dos Rajput, o que me aproximou, num certo sentido, da vivência da intocabilidade: desviavam-se de mim no caminho público de entrada na (e saída da) aldeia, afastavam-se no autocarro público que liga Valthera a Dholka, e, sobretudo, excluíam-me completamente do otao3 de suas casas.

4A minha segregação foi também levada a cabo pelos Bramanes e por alguns membros de outras castas, como os Koli-Patel, os Sadhus, os Kumbhar ou os Valand, bem como por indivíduos que mantinham uma grande proximidade com os Rajput: o médico que prestava serviços na aldeia (só o contactaria perto do final da primeira fase do trabalho de campo, coincidente com a conclusão do seu estágio profissional em Valthera), o qual revelou desconhecer totalmente os Intocáveis, em cujo espaço nunca penetrara, por pressão dos Rajput; e o professor Rajput da escola secundária, frequentada por uma criança Vankar separada dos outros alunos e compelida a usar um recipiente de água exclusivo.

5A forma como estas resistências cederam ou, pelo contrário, endureceram, diz alguma coisa àcerca do estatuto social das castas em questão. E se parte delas se esbateram quando da minha segunda estadia no terreno, uma houve, no entanto, escrupulosamente mantida: a minha exclusão do espaço habitacional Rajput. Com efeito, os diferentes encontros que tive com Rajput ocorreram sempre fora dos muros que lhes protegem as casas e, de preferência, no exterior do seus vās.

6Embora esta segregação correspondesse de alguma forma às minhas expectativas, criadas pela leitura de trabalhos etnográficos sobre aldeias indianas e confirmadas in locu em Juval, não deixou de ser bastante inesperada a forma rigorosa como os Vankar a devolveram, fazendo-a incidir preferencialmente sobre as castas que observavam uma maior distância em relação a eles. Puseram, assim, todo o cuidado em evitar o meu contacto com Bramanes e Rajput, com a casta dos Sadhus e dos barbeiros Valand e, finalmente, com a secção dos Koli-Patel espacial e socialmente mais próxima dos Rajput. E, quando adoeci, os Vankar — contra a minha sugestão de permanecer na aldeia utilizando a assistência do médico local — insistiram em que me dirigisse à cidade, apesar de uma febre alta e de oito horas a percorrer numa rede rodoviária irregular, exigência que respeitei escrupulosamente.

7Por outro lado, os contactos com membros de outras castas, iniciados algum tempo decorrido sobre a minha chegada à aldeia, processaram-se sempre na presença de um Vankar; este facto constituiu uma constante de toda a minha primeira estadia em Valthera.

8Com efeito, tive de esperar pelo segundo tempo do meu trabalho de campo para contactar com as outras castas sem a presença de Vankar, mantidas as suas reservas em relação aos Rajput e às castas de serviços, precisamente as que continuaram a observar as barreiras da poluição.

*

9Insisti atrás no carácter decisivo do posicionamento que o antropólogo assume no interior do sistema de castas. Este trabalho reflecte o posicionamento particular que assumi no terreno: embora tenha tentado um acesso tão completo quanto possível às outras castas da aldeia, é essencialmente o ponto de vista Vankar que aqui se revela.

O LUGAR DA ALDEIA: O TEMPO DOS MITOS4

  • 4 Os mitos incluídos neste livro transcrevem tão rigorosamente quanto possível a versão Vankar; renun (...)

Há muitos anos os cinco irmãos Pandav jogavam com os cem irmãos Kavrav, seus primos, filhos de Drastatar e de Gandhari. Os primeiros foram vencidos no jogo e o seu reino foi ganho por Duryodhan. Como último recurso, os Pandav decidiram jogar Draupadi, sua esposa comum, que perderam. Em consequência desta derrota, tiveram de satisfazer a condição previamente posta por Duryodhan: partir para a floresta, onde deveriam viver exilados por um período de treze anos, no último dos quais teriam de manter um rigoroso anonimato, de forma a não serem reconhecidos por ninguém. Caso a sua identidade fosse descoberta, cumpririam outro período de treze anos de exílio.
Draupadi foi então levada por Duryodhan para a sua corte, onde era obrigada a dançar todos os dias. Uma vez, enquanto dançava, Duryodhan arrancou-lhe violentamente as roupas e tentou despi-la. Desesperada, ela pediu a Krishna que a protegesse.
O deus tomou então a forma dela e sugeriu a Duryodhan que a despisse. Este puxou uma ponta do
sāri e, quando acabou, um outro sāri apareceu, e um outro, e outro ainda, e novecentos e noventa e nove sāris, sem que conseguisse despi-la. Depois, Krishna mandou a Duryodhan uma febre tão forte que ele ficou inconsciente.
Os irmãos Kavrav, julgando-se em presença de uma mulher de poderes terríveis, pediram-lhe que partisse ao encontro dos Pandav.
Draupadi partiu, pois, para a floresta, onde permaneceu com os seus cinco maridos durante doze anos. No décimo terceiro dirigiram-se para Varatnagar [antigo nome de Dholka], governada pelo rei Varat, a quem pediram que os recebesse na sua corte. O rei anuiu, dando, a cada um, um nome novo e uma atribuição específica. Yudhister passou a chamar-se Kinkrushi e recebeu a função de sacerdote. Bhim passou a chamar-se Valvo e tornou-se o cozinheiro do exército real. Arjun, doravante um ser andrógino, recebeu o nome de Vaidhalmatha e foi encarregado de ensinar os filhos do rei. Sahadev e Nikul, denominados a partir de então Govind e Asvapal, receberam a incumbência de tomar conta dos animais: o primeiro do gado, o segundo dos cavalos. Draupadi tornou-se aia da rainha.
Entretanto, no seu reino de Hastinapur, Duryodhan tomou conhecimento do paradeiro dos Pandav e mandou um mensageiro localizá-los. Mal chegou a Varatnagar, o homem tentou roubar todo o gado do rei, que, ao tomar conhecimento da ocorrência, pediu a Yudhister que enviasse Bhim, dotado de uma força enorme, ao encontro dele. Bhim, armado de um bastão fortíssimo, lutou ferozmente com o mensageiro e matou-o, dividindo-lhe o corpo em duas partes. Metade ficou em Kocheria, uma aldeia a quinze quilómetros de Valthera, onde se travou o combate; a outra metade, projectada muito alto, caiu em Hastinapur.
Bhim regressou então à cidade. Deteve-se por momentos num monte por detrás da escola (a qual ainda hoje celebra Arjun que aí ensinou há milhares de anos), de onde saiu uma enorme serpente. Profundamente devoto de Mahadev Shankar, decidiu erigir um templo nesse lugar, dando-lhe o nome de Nagnath Mahadev. Perto havia um grande espaço vazio, onde Bhim decidiu criar uma aldeia a que deu o nome de Valthera.
Entretanto, em Hastinapur, Duryodhan percebeu que só uma pessoa poderia ter morto o seu homem: Bhim. Dirigiu-se com todo o exército para Varatnagar, onde tentou de novo roubar todo o gado do rei. Este enviou ao seu encontro os seus soldados, comandados por Arjun, um poderosíssimo arqueiro, que arrasou o exército do primo. O dia seguinte era o último do exílio.
Então, os Pandav decidiram que tinha chegado o momento de recuperar o seu reino. Atravessaram Valthera, que Bhim tinha criado entretanto (e que celebra essa passagem no templo de Valinath, onde os Vankar não podem entrar), e no dia seguinte tomaram Hastinapur, seu reino de direito, que passaram a governar pacificamente.

10É assim, com um mito cujo conteúdo é retirado do Mahābhārata, que os Vankar descrevem a formação de Valthera, no último ano do exílio dos irmãos Pandava e da sua mulher Draupadi na pequena cidade de Varanavata, onde permaneceram incógnitos depois de um retiro de doze anos na floresta de Khandava.

11Curiosamente, a aldeia reclama essa presença dos Pandava através de um conjunto de pāliā, esculturas que representam diferentes cenas de guerra legendadas em gujarati antigo.

12À versão Rajput, que identifica esses cavaleiros com legendários guerreiros seus antepassados, os Vankar contrapõem uma versão pan-social: caracterizando tais personagens como heróis (fundadores) do Mahābhārata, retiram aos Rajput a exclusividade da ascendência dessas figuras para a repartir por todas as castas. A localização das pāliā ratifica de certa maneira a justificação Vankar: semi-escondidas num pequeno bosque limítrofe, estão preservadas dos olhares estranhos à aldeia (nunca foram sequer identificadas arqueologicamente) e da apropriação por uma casta particular.

  • 5 Pūjā: devoção, culto, homenagem aos deuses.

13O conhecimento de outras aldeias indianas corrobora, pelo seu lado, a ligação que os Vankar estabelecem entre as personagens representadas nas pāliā e a epopeia. Berreman refere, a propósito de uma aldeia dos Himalaias, que as divindades mais prestigiadas a seguir a Devi, a deusa, são os irmãos Pandava e a sua mulher comum, Draupadi (localmente designada por Dropti). Além disso, segundo o mesmo autor, o pūjā5 dos Pandava é a cerimónia mais importante realizada na aldeia e tem por finalidade protegê-la de espíritos maléficos e de deuses estranhos (Berreman 1972: 102).

14Acrescenta, ainda, que todas as aldeias da região possuem um pequeno templo dedicado aos cinco irmãos, descritos como antigos habitantes daquelas montanhas (Berreman 1972: 102). Num dia por ano, o nono dia do navātri (do Outono), na festa da deusa, indivíduos de todas as castas derramam leite sobre essas pedras: uma delas, figurando uma mulher com busto de pedra e o resto do corpo imerso no solo, representa a deusa da fertilidade, entidade andrógina e detentora de um acentuado carácter bélico (cfr. infra, capítulos 5 e 7).

15Convém acrescentar que Dholka, vila principal do talukā do mesmo nome (à qual fontes locais atribuem como ascendente histórico a antiga vila de Viratpur ou Viratnagar de que fala o mito), ostenta, à semelhança de outros lugares do talukā, um conjunto de referências aos Pandava. Em Dholka, o templo de Uttai Mata seria a antiga escola dos filhos de Pandu, tal como o lago-mesquita seria a cozinha de Bhim, onde os irmãos preparavam as refeições durante o exílio. Em Bavla, o lago conhecido por Bhimkund celebra o lugar onde Bhim terá travado uma violenta luta contra um demónio terrível, que aniquilou. Godhavi, uma aldeia do talukā limítrofe de Sanand, está também associada aos tempos do Mahābhārata: teria sido aí que Arjuna derrotou o exército de Duryodhana.

16Mais que um mito de fundação, o Mahābhārata fornece aos Vankar um quadro de referências no interior do qual enquadram aspectos da sua vida social e ritual, parecendo desmentir a versão partilhada por antropólogos como Cohn, que nega aos Intocáveis o conhecimento dos referentes religiosos do Hinduísmo: “Brahmanical Hinduism, as seen from the viewpoint of a village of India, is differentially diffused among the hierarchical ranked castes. Very roughly, involvement in and knowledge of the content of the great tradition follow caste lines, with those at the top — Brahmanes, Rajputs and Baniyas — having the greatest involvement and knowledge, and those at the bottom — Chamars, Dhobis and Ahirs — having the least” (Cohn 1985: 285).

A REPARTIÇÃO DO ESPAÇO

  • 6 Os termos pakkā e kachchā, retirados do código alimentar, designam duas formas de pavimento, o prim (...)

17Valthera pertence administrativamente ao talukā de Dholka, no distrito de Ahmedabad, um dos maiores talukā do estado do Gujarat. Da estrada (pakkā) que conduz a Dholka, segue-se para a aldeia por um caminho de terra batida (kachchā)6 com cerca de 500 metros.

18É Vankar o primeiro espaço habitacional que se encontra, cuja construção foi iniciada em 1978. Ainda por habitar (uma parte não estava pronta, a outra não tinha sido atribuída), foi demolido por uma tempestade dois anos depois.

19No quadro de uma estratégia política de desenvolvimento rural, o governo apoiou inicialmente uma cooperativa de habitação, demitindo-se mais tarde da reconstrução das casas. Aquando da minha primeira estadia no terreno, em 1983-84, este espaço achava-se em ruínas. Os Vankar iniciavam a reconstrução (utilizando como material principal o tijolo, ausente de grande parte das suas casas na aldeia), trabalho quase concluído quando em 1987 regressei a Valthera.

  • 7 Duas tentativas de penetração por parte dos Vankar num dos templos da aldeia e de utilização do poç (...)

20A aldeia propriamente dita estende-se um pouco a norte deste conjunto e também pertence aos Vankar a primeira mancha habitacional que se mostra. Um caminho circunda-a e conduz, sem cortar o vās dos Vankar, ao espaço das outras castas e aos pontos vitais da aldeia — panchayāt, escola, templos — preservados, tal como o poço comum das boas castas, do contacto com os Intocáveis; o ingresso nos templos estava-lhes vedado até ao momento da minha segunda estadia e tinham o seu próprio poço, separado por sua vez do dos Bhangi, a outra casta intocável de Valthera.7

FIGURA 1. Planta esquemática de Valthera
1 campos de arroz
2
vās Vankar
3 mancha da aldeia
4 lago
5 poço das outras castas
6 poço Vankar
7 poço Bhangi
8 praça
9 pombal
10 escola primária
11
panchayāt
12 escola secundária
13 templo de Krishna
14 tempo de Shiva
15 novo bairro Vankar

21Não se assiste aqui à extrema separação espacial dos Intocáveis observável noutras aldeias do Gujarat e noutros lugares do subcontinente — cujo caso-limite é o cheeri dos Adi-dradiva na Índia do Sul — , mas não deixa de se verificar a sua exclusão do domínio das outras castas. É, aliás, entre estes dois espaços, o dos Intocáveis e o dos outros grupos, que se observa a grande clivagem — funcionando a casta dos pastores Barwad, entre os Bhangi e os Koli-Patel, como charneira entre eles.

22Na área dos tocáveis, distinguem-se por uma ou outra singularidade: os Bramanes, cujas casas voltam as costas às de todos os outros; os Rajput com as casas muradas; os Sadhus, que vivem nos dois grandes templos da aldeia; os Barwad, habitantes de uma concha envolvida por uma grande cerca em cujo interior se encontram todas as casas da casta e os abrigos dos seus animais domésticos. Ao passo que as casas de outras castas, como os Ode e os Raval ou os Luhar e os Sutar, à primeira vista, se confundem.

  • 8 Esta ideia exprime-se na forma como um Vankar representa o espaço, sublinhando determinadas castas (...)

23O espaço constitui desta maneira um importante instrumento de codificação social: embora não se verifique a separação rigorosa, entre castas, sugerida por alguns autores relativamente a outras aldeias do subcontinente, individualizam-se os grupos que devem distinguir-se e misturaram-se aqueles que podem ser confundidos; e, deste ponto de vista, a lógica do espaço respeita as preocupações intrínsecas do sistema,8 que tentarei apreender ao longo deste trabalho.

OS TRABALHOS E OS DIAS

24A agricultura é por excelência a ocasião de um intercâmbio entre as castas, a única actividade que congrega os diferentes grupos em presença. No caso concreto de Valthera, a quase inexistência de contactos entre Bramanes e Vankar deve-se, por um lado, a que os primeiros não possuem campos de proporções que justifiquem a utilização, como mão-de-obra, dos segundos; e, por outro lado, ao facto de estes não deterem — ao contrário dos Bhangi, varredores e tocadores de tambor — uma especialização profissional indispensável aos sacerdotes. Desta forma, os Vankar só serão solicitados pelos Bramanes enquanto rain-makers, qualificação que os torna imprescindíveis a qualquer casta que possua terrenos agrícolas.

*

  • 9 Por sistema jajmānī entende-se um conjunto de prestações profissionais ritualizadas e, em princípio (...)

25Perdida a estabilidade e a lógica de relações do tradicional sistema jajmānī,9 a aldeia ficou sujeita aos princípios de um mercado próprio, gerido pela casta dos Rajput. São eles quem possui a maior parte dos terrenos agrícolas de Valthera, destacados, na paisagem, dos campos de pequenas proporções pertencentes às outras castas.

26Por isso manipulam a oferta e a procura de trabalho, conseguindo frequentemente impor a redução do pagamento legalmente instituído ou o seu adiamento por um tempo mais ou menos indeterminado.

  • 10 A vigha é uma medida agrária que corresponde a cerca de 2/3 de acre ou 1/5 de hectare de terreno.

27A área total dos solos Vankar — cerca de 800 vigha10 — é bastante significativa, equivalente ao maior campo da aldeia. Esta extensão deve-se a um bom aproveitamento das reformas sobre a posse da terra, instituídas, no quadro de medidas de protecção agrária às scheduled castes, primeiro pela administração britânica e depois pelo governo indiano.

28À carência económica a que costumam ser associados os Intocáveis, os Vankar de Valthera opõem, desta forma, um certo à-vontade de meios. E, no entanto, quer em relação a outras castas quer em relação aos Bhangi, efectivamente carentes do ponto de vista económico, são os Vankar os Intocáveis por excelência da aldeia. Esta situação leva-me a pôr em causa, uma vez mais, a tese que vê na origem da intocabilidade factores de ordem económica (cfr. supra, cap. 1).

*

  • 11 Tenho vindo a referir duas categorias profissionais no interior do mercado agrícola: o trabalhador (...)

29A ausência de vínculos entre agricultores e trabalhadores agrícolas11 torna bastante precária a garantia de trabalho, sujeita, como está, às flutuações do relacionamento entre a família que emprega e a família (por vezes a casta) que é empregada, a qual terá, em muitas circunstâncias, de ignorar diferendos e de evitar represálias que teriam efeito na estação seguinte.

30Apesar disto, Valthera aparenta um certo equilíbrio no interior do seu mercado agrícola: não se verificam situações insolúveis de desemprego, a não ser em circunstâncias de crise, como a seca prolongada que afectou a aldeia; se o trabalho oferecido numa dada estação for insuficiente para satisfazer a procura, poderá achar-se no exterior, seja no fabrico de tijolo, seja, menos frequentemente, em campos de outras aldeias carecidas de mão-de-obra agrícola.

31As relações de trabalho processam-se entre famílias e não, como acontecia no passado, entre castas, embora duas, Ode e Raval, possam ser preferidas. Se é verdade que o facto de ambas complementarem regularmente o trabalho agrícola com o fabrico de tijolo (na grande fábrica de Sarkej, a cerca de 40 quilómetros da aldeia) as autonomiza das pressões Rajput, outros são os factores, ligados a atribuições particulares, que determinam essa preferência.

  • 12 Esta associação simbólica parece não ser exclusiva do Gujarat. Berreman (1972) refere um fenómeno d (...)

32Os Ode, dada a sua capacidade para detectar a presença de água, são proverbialmente contratados para abrir poços e tanques. Quanto aos Raval, são os ritualistas de Bhawani, a deusa da fecundidade humana e cósmica, em cuja festa sacrificam cabras, animais associados pelo pensamento local à água e, por derivação, à fecundidade.12

  • 13 A análise deste poder simbólico faz parte do capítulo 8 deste trabalho.

33O poder simbólico de intervir sobre a natureza é também, como vimos, atribuído aos Vankar, supostamente capazes de interromper crises dela que afectem a sociedade.13 Desta forma, o pensamento social torna complementares grupos situados em polos opostos do sistema, que responsabiliza pela manutenção da ordem: por um lado os Rajput, detentores do poder económico e político; e, por outro, os Vankar e outras castas de baixo estatuto, detentores de poderes de natureza simbólica (cfr. infra, Conclusões; cfr. ainda Gomes da Silva 1989).

*

  • 14 No Gujarat, o bhāl costuma distinguir-se do goradu, “terra vermelha”, particularmente adequada à pr (...)

34Sob o ponto de vista da sua qualidade, o solo de Valthera é denominado bhāl, “terra negra”, e produz, predominantemente, trigo, arroz e algodão.14

35O calendário destas produções (e de outras menos significativas) segue as divisões do calendário anual:

36- shiāḷō (inverno), de meados de Outubro a meados de Fevereiro;
- unāḷō (verão), de meados de Fevereiro a meados de Junho;
- chomasuṅ (monção), de meados de Junho a meados de Outubro.

37A monção é a mais importante das três estações, porque determina a produção agrícola. Os habitantes da aldeia esperam-na em meados de Junho, quando os campos estão preparados para a receber; suave de início, deve tornar-se exuberante depois de as sementes estarem definitivamente implantadas.

38A monção garante, por outro lado, o aprovisionamento de água a Valthera, embora o grande lago, no sector oriental da aldeia, possa suprir insuficiências de chuva, assegurando a irrigação dos campos e permitindo, eventualmente, uma segunda colheita anual; salvo se houver seca prolongada, como a grande seca do Gujarat entre 1985 e 1988.

39Quase todas as castas possuem ainda pequenos poços. Alguns agricultores, na sua maioria Rajput, dispõem de motores de aspersão, que alugama8rupias/hora. A circunstância de se lidar com água não limita às castas “puras” a utilização nem dos motores nem da água. Uma família Vankar possui um motor adquirido na sequência das medidas agrárias atrás referidas, e aluga-o às outras castas. Como se a terra libertasse a utilização da água dos constrangimentos que esta sociedade tão escrupulosamente lhe impõe.

CALENDÁRIO AGRÍCOLA

40Ciclo do arroz O calendário agrícola abre com a chegada da monção, em meados de Junho. Inicia-se nesta altura o ciclo do arroz, que é o que requer mais mão-de-obra e maior investimento financeiro. As sementes são plantadas em pequenas parcelas de terreno. Vinte ou trinta dias depois, estão formados caules com cerca de trinta centímetros de altura, os quais são arrancados e transplantados para um campo coberto de água, que deve manter-se alagado nos dois meses e meio seguintes. Se as chuvas não forem bastantes, será tirada água dos poços. Em Outubro, a terra secou e o arroz está pronto a ser colhido.

41Durante todo o ciclo, os campos são recortados na noite por filas de homens com archotes que os guardam, com o rosto e o corpo cobertos para se protegerem dos mosquitos. É preciso defender as sementeiras de arroz da rapina animal e, na altura da colheita, da humana.

42A fase da colheita é a mais activa do ciclo e ocupa homens e mulheres. Os caules são colhidos e reunidos em pequenos molhos. A seguir, batem-nos ritmadamente para deles se desprender o grão, operação que requer grande energia física por parte dos dois sexos. A forragem destina-se ao gado; o arroz é guardado em grandes sacos e transportado para casa. Mais tarde, é levado, para ser descascado, a uma pequena fábrica Rajput existente na aldeia.

43Sem que intervenha nesta operação qualquer factor de poluição, os Vankar verão os seus sacos de arroz serem preteridos, quando não recusados. No caso de serem aceites, os sacos entregues do lado de fora da porta da fábrica esperarão demasiado tempo até serem recolhidos, enquanto os de outras castas entregues mais tarde serão recebidos primeiro. Esta discriminação — que observei durante a minha primeira estadia em Valthera (na segunda, pelas razões que apontei, não houve sementeiras) — é geralmente negada pelos Rajput, que, quando acedem a confirmá-la, a justificam pela carência económica dos Vankar, considerando-os maus pagadores do descasque. É com este argumento que outras castas, cuja actividade não está marcada pela lógica da poluição (os carpinteiros Sutar e os ferreiros Luhar) justificam a mesma recusa ou um prolongado adiamento de outros serviços requeridos pelos Intocáveis.

44Nos períodos mortos do dia, as mulheres ocupam-se a limpar o arroz com a ajuda de pequenas peneiras. A fase seguinte liberta-as por algum tempo da actividade agrícola e deixa-as disponíveis para pensarem nas alianças matrimoniais dos filhos, negociadas principalmente quando os campos estão a ser arados para a plantação do trigo, ocupação exclusivamente masculina. O trabalho com o gado é, aliás, o único que separa, sob o ponto de vista agrícola, a actividade masculina da feminina.

45Este ciclo compreende a produção de outros cereais. Nos campos sem água (proporcionalmente muito mais pequenos do que os campos de arroz) são plantados o algodão, duas variedades de milho (o juvār e o bājari), alguns vegetais e o dāl, semente de importante uso ritual.

46Por razões geológicas, estas produções, que contam com a água do subsolo, são geralmente fracas: está-se numa zona afectada, do modo já atrás referido (cfr. supra, Introdução), pelo declive do rio Sabamarti.

47Cada família guarda a quantidade de arroz necessária para o consumo anual. O excedente é vendido no mercado de Dholka ou no de Bavla, ou, então, a comerciantes que se deslocam a Valthera. Mas eis uma vez mais a situação dos agricultores: para a maior parte das famílias de Valthera, detentoras de pequenos campos, não há frequentemente excedente e têm de comprar arroz para assegurar o consumo anual.

48Ciclo do trigo Em Novembro, no inverno do Gujarat, depois da colheita do arroz, os campos são trabalhados para a plantação do trigo. A utilização do tractor é evidentemente preferida ao trabalho animal. Na aldeia existem três tractores que podem ser alugados a 250 rupias por hectare de campo lavrado, quantia que circunscreve a sua utilização a pouco mais do que aos seus proprietários. Dois desses tractores pertencem a famílias Rajput, o terceiro a uma família Vankar que beneficiou de um subsídio governamental e de um crédito especial atribuído a Intocáveis.

49As sementes de trigo são plantadas com a ajuda do arado. Em Março-Abril, já no Verão — outro período forte do calendário agrícola —, está pronto a ser colhido.

50O trigo é junto em molhos que são levados para um terreiro, para serem esmagados com o tractor ou com o carro de bois. A mistura (cereal e forragem) que resulta desta operação que dura dois ou três dias, é colocada numa plataforma com cerca de três metros de altura. No topo dessa plataforma, homens e mulheres vão colocando em recipientes porções que lançam lentamente para o solo. Na queda, os grãos de trigo separam-se do joio.

51O cereal, bem como a forragem para os animais, é então transportado para casa e armazenado com vista ao consumo anual, destinando-se sobretudo ao fabrico de roṭli e de chapātī, duas variedades de pão. O excedente, se o houver, será vendido em Dholka, Bavla e Khot, vilas que marcam, de uma certa forma, os limites de circulação dos habitantes de Valthera. Uma vez mais, esta é a situação ideal, que não se pode generalizar à totalidade das famílias.

52Março-Abril é também tempo para a colheita do algodão, plantado em Junho em campos secos e que será vendido nos mercados do trigo.

53Este ciclo, o ciclo do Inverno, corresponde, se comparado com o do arroz, a um certo abrandamento na actividade agrícola, uma vez que, exigindo o maior esforço na fase inicial e na fase final, liberta os trabalhadores no meio do ciclo para o arroteamento das terras e outras ocupações. No caso dos Vankar, é o período por excelência da tecelagem.

54Em alguns campos, planta-se em Novembro o rachākō, suplemento fundamental da alimentação dos animais. Um mês depois, a planta está pronta a ser cortada, para de novo crescer, num ciclo que vai até finais de Maio. Exige bastante água, que é tirada dos poços ou do lago. Por isso, na altura da grande seca do Gujarat, a aldeia era visitada por abutres que vinham regularmente comer os animais mortos que os Bhangi removiam para fora da aldeia.

55Em Junho, a monção (chomasuṅ) marca o início de um novo calendário agrícola.

*

56Os habitantes da aldeia realizam algumas cerimónias cuja finalidade é assegurar a produtividade e a regularidade deste ritmo sazonal, a primeira das quais, dedicada ao deus Gampati, é o akhatrij que precede a plantação do arroz, no vaishāka (Abril-Maio).

  • 15 O ghī é a manteiga clarificada, elemento purificador porque resulta de um produto da vaca. Embora u (...)

57O agricultor, que nesse dia usa obrigatoriamente um dothi novo, liga o seu pulso direito ao arado com um fio vermelho. O corpo dos animais é coberto com um pano branco, a fronte com um tecido colorido; os chifres são untados com ghī.15 O solo é lavrado cinco vezes seguidas, sendo desenhadas cinco faixas paralelas de igual extensão. Na primeira, o agricultor faz um furo de aproximadamente meio pé, onde coloca sōpāri (uma noz), uma moeda, uma pequena quantidade de vermelhão e alguns grãos de juvār; cobre a seguir o orifício e lança sobre ele alguma água. Regressa a casa com o arado e distribui pelas crianças da família doces e dhāṇa.

  • 16 O kulār é um doce, consumido sobretudo em circunstâncias festivas, sociais ou rituais.
  • 17 Alguns deuses do panteão hindu têm templos fora do espaço habitado da aldeia. Além de Nag, gostaria (...)

58Esta cerimónia, propiciatória de uma boa colheita, é seguida, no shrāvaṇa (Julho-Agosto), pelo nāgpanchāmi, uma festa dedicada ao deus Nag, cuja protecção é invocada para que as serpentes não mordam quem trabalha nos campos. Em casa, as mulheres preparam o kulār16 com trigo, ghī, acúcar e dāl. O kulār é levado para o templo de Nag, situado num campo agrícola pertencente a um Raval e acessível a todas as castas.17 Em frente ao templo acende-se um pequeno fogo, sobre o qual se lança uma porção de kulār; o restante é distribuído pelos presentes. A cerimónia é realizada por todas as castas, mas os Intocáveis sentam-se à parte e o seu kulār não circula entre elas. Este processo de segregação ocorre em quase todas as festividades do calendário hindu.

59Na altura das colheitas o deus é propiciado com uma pequena cerimónia: numa extremidade do campo o chefe da família acende com ghī um pequeno fogo, sobre o qual lança um pedaço de coco e coloca na chama agarbhāthi, um pequeno pau odorífero. O resto do coco é consumido pelos restantes membros da família, que só então iniciam a colheita.

60Os Vankar invocam, antes de realizarem qualquer actividade, dois deuses, Gampati, associado ao trabalho, e Bhawani, a deusa da fertilidade, que adiante apresentarei (cfr. infra, caps. 5 e 7).

Notes

1 O vās é, no Gujarat, o espaço habitacional de uma casta, muito importante por marcar o seu território sociológico, bem como a sua identidade no plano da aldeia. É atravessado pelo ward (termo importado do inglês, com uma conotação eminentemente política), unidade recente no interior da qual são elegidos os membros do panchayāt e o police paṭel. Cada ward é constituído por 70 a 100 membros com mais de 18 anos e, em princípio, é uma unidade multi-casta. Em Valthera há sete wards, cada um dos quais elege um membro que representará no panchayāt as castas por ele abrangidas. Os dois lugares restantes são legalmente reservados a uma mulher e a um membro das Sheduled Castes — nas últimas eleições atribuídos a uma Koli-Patel e a um Vankar.
Refira-se, a título de curiosidade, a constituição dos wards resultante das últimas eleições :
1.
Rajput, Barwad, Khumbar................................ Rajput
2. Rajput, Bhangi, Koli-Patel................................. Koli-Patel
3. Rajput, Bramanes, Koli-Patel, Sutar................. Rajput
4. Koli-Patel, Pagi, Rajput, Valand, Soni.............. Koli-Patel
5. Ode, Raval, Rajput............................................ Ode
6. Ode, Pagi, Vankar, Luhar.................................
Rajput (!)
7. Vankar.................................................................. Vankar

2 Cfr. a formulação deste conceito no capítulo 4.

3 O otao é um terraço em frente à casa, liberto das barreiras da poluição que a afectam, onde são recebidos os indivíduos que não pertencem à família ou à casta. Espaço imprescindível de convívio, é um prolongamento obrigatório da casa, de forma que, em situações de escassez de espaço, o otaḷo é simbolicamente marcado na rua pelas camas que, durante o dia, são postas no exterior, onde servem de assentos.

4 Os mitos incluídos neste livro transcrevem tão rigorosamente quanto possível a versão Vankar; renunciei pois a “interferir” em aparentes contrasensos ou na terninologia adoptada por estes Intocáveis referente a nomes de personagens mitológicas, lugares, termos do culto, etc…

5 Pūjā: devoção, culto, homenagem aos deuses.

6 Os termos pakkā e kachchā, retirados do código alimentar, designam duas formas de pavimento, o primeiro cimentado, o segundo de terra batida.

7 Duas tentativas de penetração por parte dos Vankar num dos templos da aldeia e de utilização do poço das outras castas, quando a água do seu estava inquinada, desencadearam lutas violentíssimas. Levado o processo a tribunal, os Vankar perderam a causa e foram condenados a indemnizar os Rajput.

8 Esta ideia exprime-se na forma como um Vankar representa o espaço, sublinhando determinadas castas e “ignorando” outras.

9 Por sistema jajmānī entende-se um conjunto de prestações profissionais ritualizadas e, em princípio, hereditárias, entre um jajmān, aquele que emprega, e um prajā, o empregado; contra os serviços do segundo, o primeiro compromete-se a apoiá-lo economicamente nos seus rituais de passagem e em alturas de crise. Se alguns autores, como Pocock, circunscrevem a existência deste sistema às actividades religiosamente marcadas, outros, como Dumont, Reniche, Srinivas, consideram-no mais abrangente. Recentemente, a antropóloga britânica Gloria Raheja (1988) propôs uma novo modelo de interpretação do sistema de castas, elaborado em torno da noção de ritualidade central entre os dadores e os receptores do sistema, que, no fundo, reencontra os princípios do tradicional sistema jajmānī. Os habitantes da aldeia não identificam facilmente este termo com o significado que adquiriu na linguagem antropológica. Os Vankar, quando mais claramente elucidados, ligam-no ao weth, um conjunto de prestações de trabalho gratuito sem contrapartida ritual, prestado ao Mūkhi, o chefe da aldeia. Este trabalho compulsivo — que algumas monografias imputam a outras castas intocáveis — só terá acabado com o recurso a instâncias judiciais.

10 A vigha é uma medida agrária que corresponde a cerca de 2/3 de acre ou 1/5 de hectare de terreno.

11 Tenho vindo a referir duas categorias profissionais no interior do mercado agrícola: o trabalhador rural e o agricultor. Omiti outra, frequentemente apontada nas monografias sobre aldeias indianas: o arrendatário. Este existiu regularmente em Valthera até aos anos 50, pagando de 1/4 a 3/4 do produto agrícola ao proprietário da terra. A emenda de 1955 à lei de arrendamento de 1939 — de acordo com a qual um arrendatário que ocupasse uma terra há determinado tempo passaria a ser seu proprietário — , teve duas consequências em Valthera: os arrendatários informados passaram a agricultores; e os iletrados foram manipulados pelos proprietários que, atribuindo-lhes oficialmente o estatuto de trabalhadores agrícolas, mantiveram a posse da terra. Os arrendatários que passaram a agricultores são proprietários de pequenas parcelas de terreno que não excedem 1 vigha. Na aldeia estão neste caso a maior parte das castas da chamada “zona média” e alguns Vankar.

12 Esta associação simbólica parece não ser exclusiva do Gujarat. Berreman (1972) refere um fenómeno da mesma natureza entre os Hindus dos Himalaias.

13 A análise deste poder simbólico faz parte do capítulo 8 deste trabalho.

14 No Gujarat, o bhāl costuma distinguir-se do goradu, “terra vermelha”, particularmente adequada à produção de milho, tabaco e algodão.

15 O ghī é a manteiga clarificada, elemento purificador porque resulta de um produto da vaca. Embora utilizado na alimentação quotidiana (no caso dos Vankar com grande parcimónia por ser um condimento dispendioso), o ghī destina-se sobretudo à cozinha ritual.

16 O kulār é um doce, consumido sobretudo em circunstâncias festivas, sociais ou rituais.

17 Alguns deuses do panteão hindu têm templos fora do espaço habitado da aldeia. Além de Nag, gostaria de referir Hanuman, o deus-macaco, um deus privilegiado dos Vankar. O facto de os seus templos estarem fora do espaço habitado, permite o acesso dos Intocáveis.

Table des illustrations

Légende FIGURA 1. Planta esquemática de Valthera1 campos de arroz2 vās Vankar3 mancha da aldeia4 lago5 poço das outras castas6 poço Vankar7 poço Bhangi8 praça9 pombal10 escola primária11 panchayāt12 escola secundária13 templo de Krishna14 tempo de Shiva 15 novo bairro Vankar
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/300/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 216k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540