Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

De lagrymas fasiendo tinta…

Parte I. Memorias

Os segredos das encadernações de um cancioneiro inacabado

A propósito do Cancioneiro da Ajuda

Mariña Arbor Aldea

Texte intégral

Cancioneiro da Ajuda em 1823, 1849, 1850 e 1868

  • 1 Alguns elementos sobre as encadernações do Cancioneiro da Ajuda, aqui retomados, encontram-se já n (...)
  • 2 Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito (1823). Charles Stuart, barão Stuart de (...)

1A primeira publicação do Cancioneiro da Ajuda por Charles Stuart em 1823 não proporcionava dados particulares sobre o estado da encadernação do códice1. O título Fragmentos, justamente apropriado, denunciava aliás o caráter precário em que se encontrava o cimélio na biblioteca de um colégio para nobres2. O resguardo do códice no momento da sua primeira publicação encontrava-se assim sumariamente descrito:

  • 3 Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito, p. [v].

A encadernaçaõ he em pastas de madeira, como antigamente se uzava, cobertas de bezerro com varios lavores, e assim mesmo he mais moderno que o manuscripto. A guarda, ou forro interior das pastas he de pergaminho, e a da parte do principio era huma folha do Cancioneiro, mas avulsa, porque o seu conteudo naõ pega com o paragrapho, que se acha escripto na primeira folha3.

  • 4 Timothée Lecussan-Verdier, conhecido letrado e erudito francês dos finais do século xviii, que est (...)

2Esta edição, que, hoje, poderíamos qualificar como semi-diplomática, foi acompanhada pela impressão de uma folha solta em 1824 ou 1825 com o título Advertencia. Este breve preâmbulo de autoria, atribuída ao erudito Timotheo Lecussan-Verdier, incluía também uma descrição da encadernação e do seu estado de preservação4:

  • 5 Lucussan-Verdier, Advertencia, em Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito, p. [i (...)

Duas tabuas delgadas, cobertas de bezerro com varios lavores, e segundo o antigo modo de encadernar, servem de capa e reunem n’um so volume este Cancioneiro e um Nobiliario. Esse aggregado de duas obras, tam diversas em seo conteudo, quanto em seo stylo, indica que nem sam coévas, nem merecéram a quen-as juntou egual apreço; pois ao Nobiliario, posto que truncado, foi sacrificado o Cancioneiro, como he facil vêr-se do estado em que este se acha5.

  • 6 Ferdinand Wolf (1796-1866) foi um filólogo austríaco. Baseando-se na ideia do humanista português (...)
  • 7 Francisco Adolfo de Varnhagen (1816-1878), militar, diplomata, historiador, veio para Portugal com (...)
  • 8 Alguns ensaios têm procurado reconstituir o ambiente cultural à volta do descobrimento no Colégio (...)

3Algum tempo depois, na sequência do aparecimento em 1840 na Biblioteca do Vaticano de um Cancioneiro com poesia galego-portuguesa, encontrado por Fernando Wolf (Cancioneiro da Vaticana)6, Francisco Adolfo Varnhagen, publicava em 1849 os poemas do Fragmento de Lisboa. A esta publicação seguir-se-ia um aditamento, um Post-Scriptum e, de algum modo, uma nova edição era impressa na Áustria, Novas Páginas de Notas às «Trovas e Cantares»7. Pode compreender-se que, neste período, a preocupação principal centrava-se no dar a conhecer as cantigas e não no considerar as particularidades da encadernação8.

4No entanto, Varnhagen descreveu-a, sublinhando a desordem textual e a negligência de quem encadernou os dois fragmentos, um Nobiliário e um Cancioneiro:

Como dissemos, as folhas que contem poesias estao’ encadernadas conjunctamente com outras do nobiliario contemporaneo, e do mesmo formato e caracter de lettra, em uma capa de taboas forradas de bezerro lavrado. A maneira como tal encadernaçao’ se fez parece ter sido por assim dizer ao acaso, sem attender-se á ordem e seguimento das folhas. — Quasi se pode assegurar que estas antes de encadernar-se se haviam baralhado, tal vez caindo accidentalmente no chao’, donde se levantaram e reuniram sem ordem. E nao’ só esta desordem, este chaos, se manifesta pelo assumpto de algumas cantigas, que postas em outra disposiçao’, fazem sentido, como até, muita vez, pelo modo como certas cantigas se interrompem, ficando evidentemente sem principio […].

  • 9 Varnhagen (ed.), 1850, pp. xi-xii; xvi.

Somos porem obrigados a confessar que se houve um encadernador que baralhou as folhas do antigo codice, manifestamente, houvera antes um copista, que nem sempre entendera o original9.

5Mesmo no repositório manuscrito, Catalogo Da Livraria do Real Collegio dos Nobres de Lisboa (BN COD. 7394), elaborado por António Manuel Policarpo da Silva, livreiro, após a extinção do Colégio, com a data de 1829, a inscrição do futuro Cancioneiro da Ajuda é posterior à primeira relação dos exemplares nela existentes, facto que acentua o caráter singular do Livro. Este inventário apresenta um subtítulo Livros Portugueses Manuscriptos com uma relação de vários objetos como Cartas dos Jesuitas da India (2), Tratado do Baptismo de Jesus Christo ou Vita Christi 1489 (2), Vocabulario de Lingoa Asiatica Portuguesa. Os Livros Manuscriptos de Folio somão 24. Após a Recopilação dos Livros de Folio Portugueses é assinalado no p. 6 [7], pela mão do mesmo livreiro Ant° M. Policarpo da Sa a seguinte indicação:

Ha mais hum Livro escripto em Pergaminho, com 114 folhas das quaes 39. / são de Genealogias de Fidalgos, e 75 contem Poesias que parecem todas ao mes / mo objecto. Tudo indica bastante antiguidade, mas pode-se colligir do Tratado / Genealogico, que foi escripto depois do que escreveo o Conde D. Pedro, por isso / que falla delle este Manuscripto. He volume de grande marca — //.

  • 10 I. Cepeda na sua comunicação ao Colóquio Cancioneiro da Ajuda (1904-2004), dedicada à antiga cota (...)
  • 11 Como vamos ver a indicação «grande marca», ou «marca grande», são designações correntes em inventá (...)

6Segue-se-lhe a referência a um exemplar de Os Lusiadas por D. José Maria de Sousa Botelho, Morgado de Matteus, Paris 1817, com uma dedicatória explícita ao Colégio10. Além da anotação «grande marca», nada mais nos é facultado quanto à encadernação11.

Cancioneiro da Ajuda em 1877 e 1904

7As observações mais rigorosas, relativas à encadernação do Cancioneiro da Ajuda, procedem, naturalmente, do exame de C. Michaëlis, que se pronunciou em particular sobre os danos textuais (cerceamento de alguns fólios) sofridos pelo Cancioneiro da Ajuda, no momento em que foi integrado nas pastas, que lhe foram atribuídas. Deve-se ainda à estudiosa luso-alemã a primeira descrição técnica, que sublinha o «estylo renascença» com motivos filomórficos e minucia as primordiais caraterísticas do trabalho da pele de uma encadernação em carneira com as dimensões de 460 x 348 milímetros. Constatava C. Michaëlis que os fechos se encontravam partidos, que a ausência de lombada era notória e que alguns orifícios de inserção dos nervos, por onde deveriam ter passado outros elementos de ligação, como correias de pergaminho, tinham desaparecido, o que, por outro lado, muito lhe facilitou o exame da constituição dos cadernos.

  • 12 Este fólio 74, já referido na edição Stuart (1823), foi examinado por Carolina Michaëlis na descri (...)
  • 13 Michaëlis (ed.), 1904, t. II, pp. 139-142. Os elementos, que reuniu, e que hoje estão depositados (...)

8Concentrada no exame textual, emitia ainda a sua desaprovação quanto à colocação de fólios com transcrição de cantigas dos dois lados, um colado à pasta da encadernação anterior e outro solto, também com texto no rosto e no verso como fólio de guarda12. Considerava que os cadernos tinham sido cosidos uma única vez, e não repetidamente, o que podia proporcionar-nos um indício de que este fragmento poético não deveria ter beneficiado de mais de uma encadernação13.

  • 14 Constitui ainda esta descrição até à edição fac-similada de 1994 o mais pormenorizado exame da enc (...)

9Apontava ainda que a subsistência de parte dos fechos impedia a possibilidade de imaginarmos a espessura do códice — Nobiliário e Cancioneiro —. E admitia, por fim, que esta encadernação era análoga a outras praticadas, provavelmente, em Portugal durante o século xvi14.

  • 15 Referi-me já a esta sua concepção codicológica. A filóloga procurou não apenas a melhor lição text (...)

10Mas é ainda C. Michaëlis que nos vai descrever as primeiras iniciativas de recuperação e restauro, não só como testemunha direta, mas como elemento ativo nesse processo, que é a busca da reconstituição do suporte material, que não se confinasse só ao esmero textual. C. Michaëlis vai justamente diligenciar de modo que o Cancioneiro da Ajuda, fragmentado, incompleto, pudesse transformar-se também, enquanto objeto físico, em um Cancioneiro ideal que lhe era materialmente possível reconstituir. Testemunham este processo os contactos epistolares com Rodrigo Vicente de Almeida15.

  • 16 A reconstituição baseava-se não apenas no que se conhecia com o aparecimento de outros cancioneiro (...)

11O códice em este período convertia-se para a filóloga em objeto de trabalho e não se mantinha simplesmente como um objeto limitado ao apreço. Nesta perspetiva, talvez não seja surpreendente observar as notas de trabalho a lápis que vão figurar no pergaminho e que se conservaram até hoje. Repare-se, logo no primeiro fólio atual, em uma indicação na margem da cabeça: «Faltam provavelmente 4 cadernos», ou na advertência regular das lacunas como, por exemplo, as que se encontram marcadas no fólio 3vo: «Segue-se a 2a lacuna. Falta meia folha», ou no fólio 7vo: «Falta um caderno inteiro»16.

12Este modo de trabalhar poderá ser ainda comprovado pelas próprias vicissitudes sofridas pelo códice, mesmo após a sua entrada na Biblioteca Real, que serão presenciadas por C. Michaëlis. Em primeiro lugar, o anúncio, relativamente vago, que comunica a existência de onze fólios do Cancioneiro da Ajuda em Évora e a sua integração em 1843, que provocará a primeira experiência de reorganização reconstrutiva do fraccionado Cancioneiro. Um dos seus primeiros cuidados consiste na incorporação apropriada destes fólios, desde o primeiro contacto com o Cancioneiro iniciado em 1876.

  • 17 Contrariamente a Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito, Varnhagen tinha já inc (...)
  • 18 Ibid., t. II, p. 102, no 3. Convém não esquecer que, quando C. Michaëlis viu o Cancioneiro em 1877 (...)

13Outras intervenções ao códice, resultantes do processo organizativo, foram ainda apontadas por C. Michaëlis, além do caderno e dos fólios eborenses que não são sequer, em um primeiro momento, realmente insertos, mas colocados de forma contígua ao códice, o que vai acentuar ainda mais o caráter frágil e desmembrado do Cancioneiro17. Diz-nos C. Michaëlis que, a este propósito, o novo bibliotecário gostaria de «melhorar» o seu precioso objeto. Confirmar-nos-á que, em 1895, tinha tido «a liberdade de instar que o deixassem intacto no triste statu quo histórico em que nos foi legado, mandando aprontar apenas um invólucro conveniente para a que o custodiassem, porque juntando as parcellas, substituindo a encadernação antiga por outra moderna, e cerceando as margens deterioradas, com suas notas manuscriptas apagavam os ténues mas ainda assim valiosos vestígios da historia externa do códice que hoje servem de guia ao investigador». Mas a sua ingerência será determinante. Informar-nos-á, assim, de que desfez «a lenda das folhas baralhadas, creada por Varnhagen a bem do seu systema de interpretação», e que «dá explicações minuciosas sobre a ordem das folhas, incluindo as de Evora». Este «juntar as parcellas», sob a sua responsabilidade, será indispensável para a percepção da disposição do códice. Sabemos que ao recoser das folhas «utilizaram p. ex. os furos antigos, conservaram as capas antigas, deixando a lombada descoberta. Mas, como julgaram necessario juntar as parcellas, tiveram de substituir os cordões primitivos, retalhados pelos saqueadores, por outros novos, de sorte que já não e possível reconhecer hoje os troços em que o volume andava dividido»18.

  • 19 Ibid., t. II, pp. 136-137. Uma visão prévia ao ordenamento de C. Michaëlis pode ser vista através (...)

14A ordem estabelecida por C. Michaëlis com os fólios provenientes de Évora parece ter sido controlada, em primeiro lugar, pelo «exame material do pergaminho» em 1877 e «tres anos mais tarde plenamente confirmada pelo confronto com as partes analogas do apographo italiano CB. Só num caso, em que as folhas (v a x), cortadas direitinhas, exatamente pela dobra, formam um caderno coherente no fundo e na forma, o expediente não podia surtir efeito»19.

  • 20 Trata-se do fólio, que comparece no final do códice (fo 88), com cantigas A 308 a A 310, atribuíve (...)

15O fólio, que estava colado à pasta anterior, foi descolado, por ser visível que continha texto, tendo permanecido este fólio solto até 189420. O fólio 87, colado também na pasta posterior, não apresentava, à primeira vista, texto e só o recente restauro (2000) optou por essa separação, que nada de novo revelou, pois o fólio não possui qualquer transcrição textual na face oculta. A partir de agora, figura antes do fólio [88] que, com diversos ensaios de escrita espontânea, é homólogo do fólio 86, que tem cantigas atribuíveis a Martin Moxa.

  • 21 Se o termo códice pode referir-se unicamente ao aspeto estrutural do livro, uma associação de fóli (...)

16C. Michaëlis ao reconstituir a pré-história do fragmento, vai atribuir ao códice da Ajuda aquilo que, hoje, poderíamos considerar uma unidade codicológica, identidade que provavelmente aquele códice nunca desfrutou, revelando-o, apesar de fragmentado, como uma autêntica identidade textual. Isto é, para auferir desta unidade textual, C. Michaëlis, apoia-se na situação lacunar para restabelecer conjuntamente uma unidade material, que o cancioneiro, por certo, não possuiu originalmente21.

Cancioneiro da Ajuda em 1941 e em 1994

  • 22 Carter (ed.), 1941, pp. xii. Na realidade, o principal objetivo de Carter consistia efetivamente n (...)

17Quando H. H. Carter publica a edição diplomática do Cancioneiro da Ajuda oferece uma sumária introdução relativa à história do códice, que contextualizava apenas a sua proposta editorial. No § 2, na descrição do códice, nada nos informa sobre o estado da encadernação no momento em que o consultou22.

  • 23 Ramos, 1994. Apresentei os resultados da pesquisa sobre o perfil histórico-literário de Pero Homem (...)

18Quando nos anos noventa, as Edições Távola Redonda (Lisboa) promoveram a edição fac-similada do códice (1994), a última descrição da encadernação datava portanto da observação de Carolina Michaëlis (1904). Tendo examinado naquele momento o estado do códice, averiguei que a pele em castanho escuro, que revestia as pastas de madeira, estava bastante deteriorada e com patente desidratação. A encadernação sem lombada deixava ver o número de cadernos e as costuras eram visíveis com nervos em pele, revelando mau estado de conservação e poucos dados permitiam reconstruir fases originais, porque os pontos de passagem do fio pareciam variados, o que não possibilitava conjeturar um procedimento nítido. Não tendo procedido a investigação específica, limitei-me a sintetizar o que era conhecido com a indicação de que em Évora (Biblioteca Pública) tinha observado algumas encadernações com modelos decorativos comparáveis. Reconheciam-se nas encadernações desses códices motivos ornamentais que me pareciam caraterizantes, próximos dos tipos de rolos que teriam, eventualmente, operado na pele que cobria as pastas de madeira do Cancioneiro da Ajuda, produzindo tarjas que formavam retângulos, faixas longitudinais, etc. Dava a conhecer nesta altura o nome do possuidor do Cancioneiro da Ajuda no século xv, Pero Homem, embora não o considerasse, naquele momento, envolvido na encadernação23.

19A situação, em que se encontrava a encadernação ajudense no século xix, quando foi descoberto, mantinha-se assim, para além da deterioração natural, nos finais do século xx. O estado era precário e frágil, como referira por Carolina Michaëlis em 1904, e eram ainda visíveis as marcas de orifícios, de sujidade, de desidratação e de deterioração, que se tinha entretanto acumulado.

O novo restauro (2000)

  • 24 O relatório do restauro do Cancioneiro da Ajuda realizado nos laboratórios da Torre do Tombo em 19 (...)

20O estado de conservação do códice não deixou de interpelar os diversos responsáveis pelo acervo da Biblioteca do Palácio da Ajuda em Lisboa. Por ocasião de uma exposição, promovida em 2000 pela Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa, coordenada por Aires A. Nascimento (A imagem do Tempo: Livros Manuscritos ocidentais), foi possível diligenciar o restauro do códice24.

21No plano da encadernação, além de limpeza material, foram consolidados os reforços e a cobertura e introduziu-se pela primeira vez uma lombada que solidificava a própria encadernação e os cadernos do Nobiliário e do Cancioneiro, através da reutilização das pastas. Este restauro permitiu confirmar algumas das conjeturas de Carolina Michaëlis. A encadernação parecia mais adaptada ao Nobiliário do que ao Cancioneiro, o que faria pensar que poderia ter havido uma circulação autónoma do Nobiliário, ainda não agregado ao Cancioneiro. As perfurações adaptavam-se melhor ao primeiro objeto, o Nobiliário, mas não parecia ter sido concebida expressamente para o Nobiliário havendo também sinais de acomodação dos cadernos à encadernação. A análise das perfurações explicitava a existência de duas costuras diferenciadas, confirmando-se, por este facto, uma situação já conhecida, por outros motivos codicológicos e paleográficos, de que Nobiliário e Cancioneiro tinham existido como objetos autónomos. Portanto, encontramo-nos perante uma encadernação alheia e aproveitada para estes dois objetos — Nobiliário e Cancioneiro — e, tanto um como outro, revelavam ter sido readaptados àquele formato, o que quer dizer que as furações apontam para uma encadernação que absorveu estes dois elementos. O reajuste obrigou o corte de alguns fólios no Cancioneiro, sobretudo nas margens superiores e inferiores, mas também no próprio Nobiliário. Mesmo assim, a coincidência parcial com os incrustes das pastas, faz supor que esta encadernação possa ter sido usada em primeiro lugar para o Nobiliário, e só depois reutilizada para os dois objetos em simultâneo.

22Aderindo à indicação de C. Michaëlis, e tomando como indício os medalhões que se podem aproximar de elementos da arquitetura portuguesa coimbrã, foi também admitida, por Aires A. Nascimento, uma origem portuguesa para esta encadernação. Dizia, de facto, C. Michaëlis, referindo-se a sua provável proveniência:

  • 25 Michaëlis (ed.), 1904, t. II, pp. 140-141. Deste novo restauro, além da lombada, é importante sali (...)

Compõe-se de faixas, formando tres tarjas rectangulares. A do centro é dividida por cinco faixas longitudinais. Em todas, palmetas alternam com medalhões. Nestes, vê-se sempre a mesma cabeça, tosquíssima, de guerreiro barbudo, microcephalo. O nariz e o queixo pronunciadamente agudos, assemelham-se á de certos medalhões de pedra incrustados em edificios de Coimbra, como o palacio de Sub-Ripas, e nos tumulos de S. Cruz25.

23Em um estudo, há pouco divulgado, sobre a encadernação manuelina, o Cancioneiro da Ajuda foi incluído nas espécies examinadas com a ficha 62. M. Margarida F. R da Cunha descreve a encadernação, descodificando os materiais (vitela e tábuas de carvalho de 1 cm; estilo renascentista, século xvi; fechos de cobre, 2 fêmeas [3 x 2,5 cm] e vestígios de colchetes sustentados por tiras de pele, acrescentando que o códice não tinha lombada quando foi restaurado):

  • 26 Cunha, em linha, p. 169. Baseia-se a Autora na sugestão de Carolina Michaëlis, quando admitia que (...)

[…] esquema decorativo composto por cinco rectângulos delineados com filete triplo. As pastas são bordejadas com o citado filete triplo emoldurando uma tarja (1,8 cm) composta por seis elementos diferentes: camafeus e elementos filomórficos. O rectângulo seguinte foi deixado sem decoração tendo os dois rectângulos intermédios constituição igual à já descrita. No rectângulo central é inteiramente preenchido pela mesma tarja e filetes aplicados verticalmente. Fechos em forma de coroa aplicados no 1o plano. Esta encadernação pode ter sido executada consequência [sic] da identificação feita em Itália no tempo de D. João III, de um outro códice similar26.

24Mas, que outros indícios podemos ainda retirar desta encadernação renascentista que possam melhor esclarecer-nos sobre as caraterísticas do resguardo do Cancioneiro, do Nobiliário e do Nobiliário agregado ao Cancioneiro? Que outros sinais, além dos materiais (perfurações, orifícios, corte de fólios, etc.), podemos ainda inquirir para melhor particularizar a encadernação destes dois importantes fragmentos?

Indicações originais para o encadernador (século XIII)

  • 27 C. Michaëlis considera separadamente as marcas de registo destes cadernos. As suas indicações repo (...)
  • 28 Se estamos, portanto, perante um uso, que patenteia um hábito mais antigo, esta marca só poderá se (...)

25Em dois cadernos, que fazem parte do Cancioneiro, subsistiram curiosamente indicações para quem se incumbiria da encadernação. Os atuais cadernos VI e X, apresentam, de modo mais ou menos claro, uma numeração primitiva, ou melhor, uma assinatura parcialmente já notada por C. Michaëlis: «Das marcas de registo só duas subsistem. Uma inteira a f. 69, repetida a f. 74, i. é a principio e no fim do mesmo caderno; outra muito cerceada, no fundo da f. 96. A primeira diz XI; na segunda julgo reconhecer XIIII»27. Uma anotação exclusivamente fascicular coloca-nos já em um ambiente alto-medieval que se satisfazia, em geral, com o registo dos cadernos, e não com uma marcação de fólio a fólio. A indicação da sequência do caderno no códice ou mesmo as anotações no interior do caderno comparecem mais tarde, servindo-se mesmo, algumas vezes, só do bifólio central28.

26Ainda que C. Michaëlis não tenha considerado estas «marcas de registo» no parágrafo dedicado à numeração, a verdade é que estes dois cadernos possuem, efetivamente, um sistema organizativo idêntico entre si e, certamente, coetâneo. Assim, na margem inferior do lado esquerdo do fólio 33, está escrito, a tinta preta, semelhante à do texto, o numeral romano XoJ (ou seja, XI). Esta indicação é repetida no fim do caderno, no fólio 39vo, mas do lado, direito e, ligeiramente, cortada pela guilhotina. Trata-se, portanto, de um primitivo caderno XI que, hoje, segundo a sequência física dos cadernos é o VI.

  • 29 Qualquer tentativa de avaliação das dimensões seria falseada por ignorarmos a área original das ma (...)

27Com as mesmas caraterísticas, motivadas pelo dano da guilhotina, encontramos também no fólio 61 a numeração XoIIII no lado esquerdo da margem inferior, em posição muito mais baixa, em relação ao XoJ no fólio 33. Este mesmo tipo de numeração — XoIIII —, danificado com um corte em sentido horizontal, acha-se no fim do caderno, no fólio 67vo. Neste caso, não é visível qualquer vestígio de reclamo, ou por a guilhotina ter atingido muito mais o corte da parte inferior da numeração, ou por ter eliminado integralmente o eventual reclamo. Este caderno, XIV, segundo se observa hoje, pela sequência física dos cadernos, corresponde presentemente ao número X29.

  • 30 Ramos, 2008, t. II, pp. 232-239.

28Importa, por isso, evidenciar que houve um momento na história da confeção da coleção poética uma intenção organizativa destinada a quem se encarregaria do acabamento final com a correta sucessão dos cadernos e encadernação. Porque é que se conservaram apenas estes dois casos? Por corresponderem a um sector complexo na estrutura do projeto? Na realidade, se não considerarmos o caderno VII, e um fólio solto, sobrevivente de um caderno VIIa, aqui posteriormente integrados, a antiga numeração coincidiria com o estado atual do Cancioneiro. O caderno proveniente de Évora, aqui introduzido com os ciclos de Johan Soaez Coelho e Johan Perez de Aboin, veio perturbar esta primitiva sucessão numérica30.

O possuidor do Cancioneiro da Ajuda. Pero Homem
(antes de 1498)

29Em 1997, foi possível identificar um dos mais prováveis possuidores do Cancioneiro da Ajuda, Pero Homem, estribeiro-mor do rei D. Manuel I (1469-1521), ainda Duque de Beja, com documentação datada na segunda metade do século xv, princípios do século xvi, localizado no sul de Portugal (Évora, em particular). As assinaturas de Pedro Homem nos atuais fólios 86vo e 88vo, uma na abertura do livro, outra no seu final, são indubitavelmente marcas de posse inscritas na margem da cabeceira. Como é conhecido, o fólio 88 esteve outrora colado à primeira pasta da encadernação (e não é improvável que o fólio tenha estado solto no início do códice), o que justifica a presença quer da assinatura, quer da indicação de título «das linhagẽs», em cursivo gótico de finais do século xv, princípios do século xvi, que qualificava o conteúdo do primeiro fragmento, o Nobiliário (das linhags).

30Além de estribeiro-mor do futuro rei D. Manuel I (sobe ao trono em 1495), Pero Homem foi também poeta cortesão com trovas e cantigas inseridas no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende (1516). Além do interesse, que revela a identificação de um poeta quatrocentista, proprietário de um cancioneiro medieval, falecido provavelmente em 1498, é necessário evidenciar um dos seus versos.

  • 31 Dias (ed.), 1990-1998, t. I, pp. 474-476; comp. 170.
  • 32 Ramos, 1999.

31Em uma das suas composições, endereçada a D. Joan Manuel31, datável de 1486, evoca o rei trovador D. Denis. Esta primeira notícia em Portugal, referente ao rei poeta, por Pero Homem — «invoco El-Rei Dom Denis / da licença de Arretusa» —, tem de ser coligada à inscrição, «Rey Do Denis», que esteve inscrita na margem de goteira, quer dizer na margem exterior do códice, apropriada à arrumação do livro e que, pelo menos, foi legível até ao século xix32.

32C. Michaëlis deu-nos conta deste aspeto da história do manuscrito. Como todas as cantigas, transcritas neste Cancioneiro não incluíam rubricas atributivas, foi considerado que pertenceriam a D. Denis e, no momento das primeiras notícias sobre este Cancioneiro, antes da descoberta dos cancioneiros italianos (Vaticano e Colocci-Brancuti) com rubricas atributivas, o rei D. Denis, foi apontado como autor dos poemas. Esta anotação era visível, quando Carolina Michaëlis descreveu o códice:

  • 33 Portanto, em pouco tempo, C. Michaëlis deixou de poder ler a anotação. Considerava que aquelas pal (...)

Exteriormente, no corte transversal inferior liam-se, no tempo de Varnhagen, inscriptas a tinta preta as palavras: Rey Do Denis […]. Já deixei contado […] que, ao pegar a primeira vez, a 28 de Maio de 1877, no velho in-folio a encontrei mal legivel, e quasi totalmente apagada em 189033.

33Ao comentar a observação de Varnhagen, admite que esta indicação pudesse estar ligada ao proprietário do Cancioneiro e não ao autor das cantigas:

  • 34 Michaëlis (ed.), 1904, t. II, p. 23. Este é o apontamento publicado em 1850. C. Michaëlis viu-a ta (...)

Depois de novo confronto da sua impressão com o original […]. Refere-se á inscripção Rei D. Diniz (ou antes Rey Dõ Denis), na orla inferior do codice, que primeiro desprezára ou não vira, opinando que ella indica, não o auctor, mas o possuidor do volume, o qual portanto julga anterior ao anno 132534.

34De facto, F. A. Varnhagen descrevia:

  • 35 Varnhagen (ed.), 1849, p. 344.

Leem-se na orla exterior do codice as palavras = rei D. Diniz = palavras a que ao principio nao’ démos nenhum pezo, por nao’ nos occorrer logo o argumento que ellas hoje nos ministram. Ainda quando aquelle disticho se achasse na lombada, que foi sempre o logar reservado em um livro para o nome do auctor, nao’ podiamos crer que disso se devia concluir ser o mesmo livro do rei D. Diniz, pois que alem de nao’ constar que este compozesse tambem um tratado de linhagens, o que ali está é, como vimos, o do conde D. Pedro, e o cancioneiro que nos deixou o rei, e foi ultimamente encontrado na Vaticana […]. Logo o tal disticho só indicava o possuidor […]. Ora a circunstancia de haver pertencido o codice á livraria del rei D. Diniz, nao’ seria jamais contraria, mas antes favoravel, á opiniao’ de ser della auctor seu filho querido o conde de Barcellos35.

35Embora não seja possível ter hoje uma ideia certa da cronologia desta anotação atributiva, é pertinente associá-la ao tempo de Pero Homem, até pelo seu esbatimento, porque a tinta clara como o caráter ilegível suscitam indícios de antiguidade. Pode ser apenas uma coincidência o facto de Pero Homem, possuidor de um Cancioneiro sem rubricas atributivas, invocar em um dos seus textos, o rei D. Denis, mas se a inscrição já lá estava no século xv, ou por outra hipótese, se ela lá foi colocada nesta altura, estaríamos perante outro indício a favor da identificação de Pero Homem, poeta do Cancioneiro Geral ao Pero Homem possuidor do Cancioneiro da Ajuda. Possuiria o poeta e estribeiro-mor um Cancioneiro que julgaria de D. Denis, autor ou detentor?

  • 36 D. Pedro, infante de Portugal e 1o Duque de Coimbra (1392-1449) foi um príncipe da dinastia de Avi (...)
  • 37 A leitura da frase, «Este livro hez do colaço do imfãt», a caraterização da letra e a datação está (...)

36Não obstante, como teria um cavaleiro-poeta do século xv obtido um livro de poesia medieval? A. Resende de Oliveira, ao estudar as genealogias das diversas famílias com o nome «Homem», admite que o livro poderia ter passado da corte do infante D. Pedro (1392-1449) à família Homem através do «colaço do infante». De facto, no fólio 87 (ao centro) do Cancioneiro da Ajuda, pode ler-se uma frase com conteúdo atributivo, «Este livro hez do colaço do imfãt», datável também de meados do século xv. É ela que permitiu identificar o «colaço do infante» com um Pero Homem, filho de Pedro Afonso da Costa e de Mecia Rodrigues, ama do infante D. Pedro (1392-1449), irmão do rei D. Duarte (1391-1438)36. Este Pero Homem, irmão de leite do infante D. Pedro, pode ter sido o responsável pela passagem do Cancioneiro da corte régia para uma linhagem de pequena nobreza — Homem — que teria relações com a corte, pelo menos já nos finais do século xiv (ca. 1392, nascimento do Infante D. Pedro)37.

A encadernação. As tábuas. A «marca grande»
(antes de 1563)

  • 38 D. Denis foi para Duarte Nunes de Leão um «grande trouador e quasi o primeiro que na lingoa Portug (...)

37Antes do século xvi, não dispúnhamos praticamente de notícias nem sobre a poesia medieval, nem sobre o seu mais significativo representante, o rei D. Denis. Duarte Nunes de Leão (1530?-1608), nascido em Évora, foi o humanista português, gramático e historiador que mais vezes mencionou o perfil poético do rei D. Denis em 1585, 1590, 1600, 160638.

  • 39 Petrocchi (ed.), 2003, t. III. Paradiso, XIX, p. 139, vv. 136-141. Sirvo-me da edição Petrocchi. A (...)

38Dante Alighieri (1265-1321), na Divina Commedia, referenciava D. Denis, não pelo seu prestígio poético, mas ao repreender a riqueza ou ambição de alguns reis: «E parranno a ciascun l’opere sozze / del barba e del fratel, che tanta egregia / nazione e due corone han fatte bozze; / e quel di Portogallo edi Norvegia / lí si conosceranno, e quel di Rascia / che male ha visto il conio di Vinegia»39.

  • 40 «[XV] Acuérdome, señor muy magnífico, siendo yo en hedad no provecta, mas asaz pequeño moço en pod (...)

39Será, contudo, o Marquês de Santillana quem mais confirmará a produção poética dionisina. A Carta-Prohemio (1444-1449), endereçada ao Condestável D. Pedro de Portugal (1429-1466), alude à produção poética do rei trovador («un gran volume de cantigas, serranas y decires portugueses y gallegos, de los cuales toda la mayor parte era del rey don Dionís de Portugal»), dando-nos um testemunho precioso sobre a poesia galego-portuguesa40.

  • 41 Museu Biblioteca da Casa de Bragança, BDMII, Res. Ms. 18 – Inventário dos Bens do 5o Duque de Brag (...)

40No entanto, no ambiente cultural português, existiu um livro com o nome de D. Denis que comparece registado no Inventário dos bens de D. Teodósio, quinto Duque de Bragança (1510-1563)41.

41A livraria de D. Teodósio herdeiro do ducado, filho do primeiro matrimónio de D. Jaime (1479-1532) é de grande importância para o conhecimento dos seus interesses culturais, mas é sobretudo extremamente significativa no que diz respeito à poesia medieval galego-portuguesa, mesmo que se trate de uma cópia seiscentista. Da leitura desta relação de livros, interpela-nos sobretudo o registo de dois títulos em duas cláusulas:

# Liuro das Linhages de Portugal de Letra de mão de marqua gramde de pasta foi aualiado em mil Rejs —1000 (fo 463vo).

  • 42 Modifico agora a minha primeira leitura desta nota, que tinha sido baseada apenas no ensaio de Air (...)

# Obras del Rej Dom Denis feitas de mão de pergaminho de marqua grande em taboas foi aualiado Em outenta reis —80. (fos 463vo-464ro)42.

  • 43 O catálogo da biblioteca de D. Duarte, Estes são os liuros que tinha el rey dom duarte, datável de (...)

42Este elemento identificador para o códice — Obras [de poesia] del Rey dom Denis —, que pode ter assim circulado desde o século xv, coloca-nos algumas questões. No século xvi, o Duque de Bragança, D. Teodósio, falecido em 1563, possuía na sua biblioteca (Palácio Ducal de Vila Viçosa, no sul de Portugal), pelos menos dois objetos que nos interessam. Se o primeiro — Livro das Linhages —, pode corresponder a um dos muitos nobiliários, que devem ter circulado durante este período, o segundo — Obras del Rey dom Denis — parece já convir a um objeto mais raro43.

43A presença destes dois livros em «letra de mão» na biblioteca do Duque de Bragança, com estes dois qualificativos («das linhages» e «dom Denis»), coincide com o que tínhamos encontrado justamente assinalado no Cancioneiro da Ajuda pela mão do seu possuidor, Pedro Homem, no século xv. Concomitantemente às suas assinaturas, o primeiro livro-fragmento é pela sua mão qualificado como «das linhagẽs», e a sua evocação poética ao rei D. Denis, «invoco El-Rei Dom Denis / da licença de Arretusa», não deve estar dissociada da assinalação, «Rey D. Denis», que estava inscrita na goteira do Cancioneiro e que foi legível até ao século xix.

44Mas, além destas particularidades, temos de pôr em evidência outros dados materiais, que se encontram na descrição destas duas peças. Por um lado, o pergaminho para as obras de D. Denis e, por outro, a referência ao formato dos dois livros. Tanto um como outro são descritos como de «marqua grande», o que nos aponta para a medida do formato.

45Além do pergaminho e da dimensão, especifica-se ainda o tipo de suporte, que resguardava as obras de D. Denis — «as taboas» —. Ora, o Nobiliário e o Cancioneiro da Ajuda estavam precisamente protegidos por «tábuas». Não parece, por isso, improvável que, pelo menos, as Obras del Rej Dom Denis de pergaminho, de «marqua grande», «em taboas», e «feitas de mão» correspondam ao Cancioneiro da Ajuda, que conhecemos hoje, e que conteve atribuição ao «Rei D. Denis».

A encadernação. As tábuas cobertas. A pele

46As tábuas não permaneceram, no entanto, nuas. Foram cobertas, entretanto, com pele e são os motivos decorativos nela gravados que têm permitido confinar o modelo renascentista.

  • 44 É neste fólio que, efetivamente, se encontrava a primeira assinatura de Pero Homem no início do li (...)

47Deste modo, temos de separar o momento das tábuas do momento da cobertura das tábuas. O resguardo das tábuas com pele coloca-nos todavia outro problema. Na tábua do plano anterior, para ocultar as dobras da pele feitas para o interior da tábua foi colado um fólio, que talvez estivesse solto no início com transcrição de cantigas do clérigo Roy Fernandez de Santiago. Se esta operação foi efetuada com Pero Homem durante o século xv, a perda material deste fólio, com algumas cantigas do trovador-clérigo, deve interpelar-nos44. Quando Pero Homem inscreveu o seu nome e a indicação «das linhagẽs» referente ao primeiro fragmento do seu livro — o Nobiliário —, estaria este fólio ainda solto? Estava com certeza nesta posição inicial, quando recebeu tais anotações. Mas achar-se-ia já colado à tábua, como depois esteve, ou serviria apenas como folha de guarda, solta e descosida?

48Se já estivesse fixado, pareceria surpreendente, porque atribuiria a Pero Homem alguma responsabilidade na operação. Um poeta, que talvez tenha lido e anotado poesia medieval, e invocado D. Denis, teria sido capaz de tomar a iniciativa de sacrificar um fólio com quase três cantigas e deixá-lo colar (ou colá-lo ele próprio) a esta tábua, se a encadernação tivesse sido efetuada sob a sua égide? Afigurando-se difícil admitir tal hipótese, temos de nos inclinar para que a encadernação, pelo menos no que toca à colagem do fólio à tábua, tenha ocorrido em tempo posterior a Pero Homem, no momento em que as tábuas foram revestidas.

49Se observarmos ainda este plano da encadernação, este fólio só pode ter sido colado à pasta de madeira, após cobertura da pele, porque serviu para ocultar as dobras internas da pele. Portanto, a colagem do fólio com texto teve de ocorrer em tempo posterior à cobertura da madeira com pele lavrada que constitui, ainda hoje a decoração que persistiu. Assim, esta colagem permitia que o fólio se sobrepusesse às pontas da pele dobradas inesteticamente para a face interior da tábua.

50Teremos assim falar de momentos bem diferenciados no fabrico da encadernação, e não, como geralmente é admitido, em um momento único. Se entrarmos em linha de conta com estes dados concluiremos que a encadernação pode ter sido executada ao longo de um número superior de etapas. Não é apenas a incompatibilidade moral entre a personalidade que atribuímos a Pero Homem e o ato de colar um fólio com cantigas de amor à tábua de abertura que nos faz atrasar para o século xvi a feitura da encadernação. Outro elemento leva à mesma conclusão. Tanto as técnicas como a morfologia dos gravados na pele, que revestem a encadernação, são próprias do século xvi, tanto quanto permitem avaliar as suas comparações com modelos conhecidos. Assim, o mais provável é que aquilo a que se chama encadernação seja, neste caso, produto de uma reunião de três materiais (tábuas de madeira, pele de cobertura e fólio solto do Cancioneiro), agregação que nada obriga a pensar que tenha decorrido num ato único.

  • 45 Uma sondagem aleatória, ainda que sumária, ao Inventário dos bens de D. Teodósio, revela como os b (...)
  • 46 Uma das provas do inacabamento do Cancioneiro é observável neste fólio que testemunha uma suspensã (...)

51Pela ordem mais natural das operações, o primeiro procedimento foi a associação das tábuas de madeira aos cadernos cosidos do Nobiliário e do Cancioneiro. Este agrupamento pode ser anterior, ou contemporâneo de Pero Homem (as suas assinaturas ao alto do fólio solto inicial e também ao alto do fólio final prefiguram a existência de um códice protegido)45. O segundo ato consistiu no revestimento das tábuas com pele gravada através de técnicas e estilos próprios do século xvi, como vamos ver. O terceiro gesto, que pode ter sido ou não simultâneo com o anterior, comportou o revestimento da face interior de uma das tábuas com fólio separado previsto para o Cancioneiro. É muito plausível que estes procedimentos pouco profissionais expliquem a carência de lombada46.

Identificação do modelo decorativo.
A grelha de São Lourenço. Os fechos

  • 47 Afirmava: «Não sou competente para decidir, se se trata de um trabalho feito lá fóra, ou no paíz. (...)

52C. Michaëlis evitou pronunciar-se de modo claro quanto às caraterísticas do trabalho da pele47. Também o exame com o códice desmembrado, na ocasião do restauro sob a sua superintendência, não lhe permitiu novas hipóteses quanto ao tipo e quanto à procedência da encadernação.

53No entanto, em Lisboa em 2004, no Colóquio Cancioneiro da Ajuda (1904-2004), Patricia Stirnemann, que consagrou a sua apresentação à decoração do manuscrito, em particular, às suas miniaturas, introduziu na questão um novo elemento, que pode ser significativo para a história do códice.

  • 48 A designação é retirada de três conferências de iniciação à encadernação medieval: Baras, Irigoin, (...)

54Tendo trabalhado em Paris com a reprodução fac-similada, Patricia Stirnemann constatou que alguns elementos, detetáveis a partir da reprodução das pastas naquela edição, não lhe eram completamente desconhecidos, sobretudo a disposição geométrica dos motivos decorativos. Em colaboração com Marie-Pierre Laffitte, especialista da encadernação na Bibliothèque nationale de France, P. Stirnemann descreveu a decoração da pele, chamando a atenção para o interior do enquadramento em que o painel central é composto por um duplo caixilho e por cinco fileiras de motivos verticais, esquema designado em França como «grille [“gril”] de saint Laurent»48. O trabalho foi efetuado com uma roleta com seis motivos, segmentados por pequenas linhas horizontais. As medalhas apresentam uma cabeça de perfil que alterna com três motivos diferentes de base vegetal.

  • 49 P. Stirnemann reporta-se ao Catalogue des reliures françaises estampées à froid (xve-xvie) de la B (...)

55Durante a primeira metade do século xvi, é um facto que estes motivos são frequentes, mesmo em casos do mundo germânico (Basileia, Estrasburgo ou Flandres). No entanto, o que P. Stirnemann considera particularmente distintivo, em relação a outras encadernações europeias do mesmo período, é a disposição do quadro central com as barras verticais. Corresponde esta composição a um esquema muito frequente em França desde o século xv e com base no inventário das encadernações da Biblioteca Mazarine, P. Stirnemann releva várias reciprocidades entre a encadernação do Cancioneiro da Ajuda e alguns dos exemplares que comparecem na mais antiga biblioteca pública de França49.

  • 50 Não é indiferente a colocação dos fechos. De acordo com a tradição francesa e inglesa, os livros e (...)

56São diversos os fatores retidos para a comparação: em primeiro lugar, a contextura geométrica do painel central e a respetiva segmentação e, em segundo lugar, a comparência de pequenas estrelas, quase inobserváveis nos quatro cantos do moldura e que se vão repetir, acrescento, no interior das tarjas e que pertencem a um motivo, exclusivamente, parisiense, uma espécie de marca de impressor, poder-se-ia dizer. Por fim, e não menos expressivo, a forma dos fechos que perdurava na pasta superior também encontraria equivalência neste ambiente francês50. As consonâncias mais pertinentes coincidem com encadernações datáveis à volta de 1530.

57As assinaturas de um português, Pero Homem, nos finais do século xv, o fólio colado ou adjacente à pasta anterior e a ausência total de marcas visíveis de uma passagem por França, não parecem confirmar a hipótese de uma encadernação realizada em França (devemos pensar no formato, mas também na sua condição de códice não concluído e não ajustado, portanto, para uma oferta, que seria o motivo mais natural para uma deslocação).

  • 51 Vários exemplos da circulação de materiais, são apontados por Gid em ibid., t. I, pp. xiii-xiv.

58Acrescente-se que os motivos decorativos patentes na pele são não só vulgares, mas parecem também pouco profissionais (a roleta, o instrumento de ferro com que eram gravados na pele os motivos decorativos, exibe sinais de desgaste; os motivos ora são colocados no bom sentido, ora no inverso). Não se aproxima este trabalho, portanto, de outras encadernações com a mesma base, muito mais cuidadas e, sobretudo, realizadas com utensílios em melhor estado. Não é difícil supor, por isso, na produção de um artífice que se encontrasse em Portugal, mas que tivesse acesso a materiais procedentes de Paris, já em estado deficiente. A circulação, ou a imitação de materiais, é bem conhecida — «les roulettes circulaient» — e não é inaceitável considerar mesmo condições de empréstimo em casos de ausência de um atelier específico51.

  • 52 Os esquemas de decoração enumerados por D. Gid apontam para o facto de que as bandas verticais pod (...)
  • 53 Ibid., t. II, pl. 96.

59A consulta do catálogo de D. Gid sobre as encadernações da Biblioteca Mazarine revela realmente coincidências peculiares com o Cancioneiro da Ajuda. O esquema com o número 30 (com a base do número 32), impõe-se como molde claro, semelhante ao que vemos na nossa encadernação — os duplos enquadramentos e as tarjas verticais no painel central. A extremidade distingue-se por um rebordo em dois semicírculos e duas pontas52. Um exemplo ainda de reprodução corresponde ao exemplar no 430 reproduzido neste catálogo53. Não tendo perdurado a lombada, não é possível servirmo-nos dos moldes do catálogo de D. Gid na sua identificação, mas possuindo agora melhor informação sobre este trabalho artesanal, quase me parece necessário perguntar se terá existido, de facto, uma encadernação completa, em meados do século xvi, ou se não estamos apenas perante uma elementar e apressada proteção de dois fragmentos.

60Mas além destes modelos, é também relevante a descrição dos fechos do Cancioneiro da Ajuda que concorda na íntegra com o protótipo representado pelo número 11, que poderia oferecer também algumas semelhanças — quatro parafusos que englobam uma parte central cordiforme —. Se observarmos, porém, estes fechos na posição vertical, constatamos que se coadunam ao modelo de uma coroa, o que pode naturalmente ser um indício para presumirmos o perfil do comanditário da encadernação. Quem é que, no ambiente régio, poderia no século xvi ter dado ordem para encadernar o Cancioneiro? A quem teria querido homenagear o encadernador quando escolhe fechos em forma de coroa como distintivo de soberania?

Um encadernador. Um livreiro. Afonso Lourenço

  • 54 D. Catarina (1507-1578), rainha consorte de Portugal, casada em 1525 com D. João III (1502-1557), (...)
  • 55 Os documentos depositados no ANTT são identificados através dos títulos Livro do tesouro de D. Joã (...)

61Do elenco de livrarias reais portuguesas, Sousa Viterbo publicou em 1901 a relação de livros da Livraria de D. João III (1502-1557), transmitida por um inventário de 1534 e alguns gastos efetuados pela rainha D. Catarina (1507-1578), sua mulher, de acordo com um seu Livro das despesas com datas de produção de 1543 a 157554. Estes documentos, depositados no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, proporcionam alguns elementos que podem ser eloquentes para a história da encadernação do Cancioneiro da Ajuda55.

62Em primeiro lugar, devemos mencionar uma despesa feita com um cancioneiro. Após várias ordens de pagamento, endereçadas a Afonso Lourenço (fos 112vo, 133, 152vo, 160vo, 163vo e 188vo), é inscrita a «despesa» de 960 reais, datada de 25 de abril de [1544]: «ixolx reaes que despendeo em xxb d abrill do dito anno em mamdar guarnecer huũ Cancioneiro portuges» (fo 205vo).

63Na realidade, a descrição de um «guarnecer» o cancioneiro, que aponta para a aplicação de ferragens, pode convir à guarnição, ao revestimento das tábuas. O ornamento poderia, portanto, adaptar-se à cobertura com pele das tábuas que protegeriam o objeto.

  • 56 A «mesma encadernação» referir-se-á à anterior, descrita para Morales de Seneca, «cubiertos de cue (...)

64Foi ainda Sousa Viterbo que, ao examinar o Livro que contem as preciosidades de joias e alfaias do tesouro da rainha D. Catarina, datado de Évora, 10 de julho de 1534, e redigido em castelhano, transcreveu sob o título de «Libros con oro e syn ello», a presença de um cancioneiro com uma encadernação em pele e fechos de latão («cuero morado cõ sus manos de latom doradas»): «Cancionero portogues, de la misma enquadernacion»56.

65Estas duas menções, uma à despesa de encadernação a um cancioneiro português, outra à posse de um cancioneiro português encadernado em pele e com fechos de latão, podem levar-nos a relacioná-los com o Cancioneiro da Ajuda, mesmo se a existência de outros cancioneiros neste período seja bem admissível.

66Não possuo qualquer dado, absolutamente objetivo, mas a aproximação entre a rainha D. Catarina e o Cancioneiro da Ajuda pode ser feita através de um seu livreiro-encadernador. Parece-me significativo salientar que um dos seus impressores e livreiro se chamava Afonso Lourenço.

67Se considerarmos que o modelo decorativo da pele, que cobre as tábuas do Cancioneiro da Ajuda, se conforma com o formato da grelha de São Lourenço, não podemos ser indiferentes à coincidência entre o nome deste livreiro-encadernador da rainha D. Catarina e o modelo decorativo gravado para o Cancioneiro: Afonso Lourenço e grelha de São Lourenço.

  • 57 Documento incluído no Corpo Cronológico, com a cota PT/TT/1/84/142 no ANTT, datado de 20 de agosto (...)

68Viterbo a ele se refere, indicando um alvará que anuncia a sua substituição, devida ao seu falecimento, por João de Borgonha em 155057. Afonso Lourenço «era sem duvida hespanhol, como se deprehende da sua assignatura Alonso Lorenço», afirma ainda Viterbo, como se pode observar pela sua assinatura no recibo de junho de 1538.

69A 31 de maio deste ano, 1538, o rei D. João III pede a Francisco Fernandes para pagar a Afonso Lourenço encadernações de 24 livros:

Mandado de D. João iii a francisco fernandes, que serve de recebedor da chancelaria da corte, para dar ao livreiro afonso lourenço 26.400 réis da encadernação e feitio de 24 livros dos registos da dita chancelaria.

  • 58 O documento-recibo, que comparece assinado na sequência do mandado de pagamento de 31 de maio de 1 (...)

70O documento refere pagamento feito por encadernações com «couros» e «fiuellas» a este livreiro, Affonso ou Alonço Lourenço58.

  • 59 Afonso Lourenço (14..?-1549-1550?). O percurso profissional deste livreiro da Rainha D. Catarina f (...)
  • 60 Viterbo, 1901, pp. 28-30 e 64-65.
  • 61 [Guido de Monte Rocherii], Manipulus curatorum, Nueuame[n]te impresso en romãce, Lisbona, Germã Ga (...)

71O nome de Afonso Lourenço está bastante documentado59. É um dos nomes que mais comparece na lista das despesas da rainha. Tanto podem referir-se estes dispêndios à compra de livros, como a encadernações e ornamento com dourado (setembro de 1539, setembro de 1540, setembro de 1541, janeiro de 1542, julho [1542])60. Mas, Afonso Lourenço trabalhava já a 10 de fevereiro de 1523, ao editar o Manipulus Curatorum, com o cólofon que explicita que a obra foi impressa por Germão Gallharde e «acosta y missiõ de Allonso Lorẽço librero vezino dla dicha ciudad de lisbona»61.

  • 62 Biblioteca do Palácio Ducal de Vila Viçosa, Ms. BDM II 64.
  • 63 Ibid., Ms. BDM2 92.
  • 64 Ibid., Ms. BDM2 97.
  • 65 BN Res 58 A.

72A subordinação à Rainha comparece em 1539 e em 1542. Observem-se os seguintes casos, onde pode surgir apenas como livreiro, ou como «Afonso Lourenço liureiro da Rainha»: «E esta ordenaçã se nõ poderra imprimir […] saluo per Afonso lourẽço liureiro estãte em minha corte» [1526]62; «E não se podera imprimir nem uender per nenhũa pessoa: saluo per Afonso lourẽço liureyro morador nesta cidade de Lixboa» [1539]63; «[…]a qual ley se não podera empremir nem uender […] saluo per Afonso lourẽço liureyro da Rainha minha sobre todas muyto amada» [1539]64; «[…] a custas e depesas de Afonso lourẽço liureiro da Rainha» [1542]65.

  • 66 Deslandes, 1888, pp. 46, 47 e 48.

73No reinado de D. João III, conservam-se dois documentos, um de 12 de janeiro de 1550, que menciona o falecimento do impressor, talvez neste ano ou pouco antes. O rei encarrega o novo livreiro, João de Borgonha, para encadernar vários livros, explicitando que era o sucessor de Afonso Lourenço, entretanto falecido. Outro de 4 de janeiro de 1554, ao conceder privilégio a Luiz Marinho, livreiro do infante D. Luiz, para a impressão e venda das Ordenações, explana que se trata de um cargo que antes exercera Afonso Lourenço «que foy liureiro da Rainha minha sobre todas muito amada e prezada molher; e que por o dito Afonso Lourenço ser falecido ha annos»66.

  • 67 Lixboa, p[er] Germã Galharde: a custa e despessa d’Afonso Loure[n]ço, 12 Mayo 1542 [Res. 58A. Disp (...)
  • 68 Lisboa, Germão Galharde, depois de 3 de Junho de 1535. [Res. 67/6A, Disponível na BN de Portugal, (...)

74A consulta, que pude efetuar à encadernação de vários produtos, que trazem o nome de Afonso Lourenço, não proporcionou infelizmente elementos comparáveis com a encadernação do Cancioneiro da Ajuda, porque a maior parte destas peças possui já encadernação moderna, ou circula em bifólios soltos sem suporte material (legislação). É assim que têm, por exemplo, encadernação recente, os Artiigos das Sysas, Imprimidos Por Mandado Del Rey Nosso Senhor67, ou Ordenaçam da Defesa dos Veludos e Sedas68. Depois do texto da Lei, regista-se, algumas vezes, a indicação de que «E esta ordenaçã se não podera impremir ne[m] ve[n]der por ninhu[m]a pessoa: salvo por Afonso loure[n]ço libreyro da Raynha».

  • 69 Registo na BN de Portugal impressos de 1523 (Res. 1150P); 1535, 1539, 1540, 1549 (Res. 67/6A; Res. (...)
  • 70 A reprodução e a descrição destas duas peças encontram-se disponíveis no estudo de Cunha, em linha (...)

75Outros decretos e leis, sem encadernação, subsistem como fólios ou bifólios soltos. Na Biblioteca do Palácio Ducal de Vila Viçosa, vários documentos deste tipo administrativo trazem a mesma indicação (livreiro da rainha e exclusividade de venda concedida a Afonso Lourenço)69. O Livro de receita e despesa, datado de 1540 (Livro no 843), conservado no Arquivo Histórico da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, tem uma encadernação do século xvi, bem como o Livro no 844, também de 1540, tendo este último na folha de guarda a informação de que o livreiro responsável pela encadernação foi Alonso Lourenço. Esta encadernação para documentos avulsos tem o formato de carteira, em forma de envelope, com duas correias, fecho com fivela de cobre, que não servem, pelo tipo de acondicionamento de documentos avulsos, para comparar com a encadernação de um códice70.

76Assim temos de considerar para o Cancioneiro da Ajuda vários momentos no processo da sua encadernação. Em síntese, deve ser considerado o seguinte:

  • Ausência primitiva de encadernação. Dado que o projeto nunca foi concluído, o Cancioneiro nunca foi um «livro» (finais do século xiii, princípio do século xiv).
  • Encadernação «en taboas». Pode datar do momento em que o fragmento-cancioneiro, associado a um fragmento linhagístico, passou provavelmente da corte régia para uma família da pequena nobreza, através de Pedro Homem, irmão de leite do Infante D. Pedro, nascido em 1392. Deverá ser um seu familiar, também chamado Pedro Homem, que autografará por duas vezes, como marcas de posse, o seu códice. Pedro Homem, próximo da corte, estribeiro-mor do rei D. Manuel, é um dos poetas incluídos no Cancioneiro Geral, e evoca D. Denis em um dos seus versos. O Cancioneiro, pelo menos, até 1498, data plausível da morte de Pero Homem, encontrava-se na posse da família Homem, documentada no sul de Portugal. É possível que este suporte «en taboas» explique a ausência de lombada do códice.
  • Encadernação de «marqua grande». Na cópia seiscentista do Inventário dos bens de 1564 do V Duque de Bragança, D. Teodósio, que morre em 1563, comparecem arrolados dois objetos de «marqua grande» (um livro de linhages e umas obras de D. Denis) que podem fazer supor que se refiram aos dois fragmentos, que conhecemos hoje. Um, pelo menos, as Obras de D. Denis, encadernadas em tábuas, e de marca grande, podem corresponder ao Cancioneiro da Ajuda, dado que conteve na goteira a inscrição «Rey Dõ Denis».
  • Encadernação «guarnecida». As «taboas» são guarnecidas com a «grelha de S. Lourenço» e há prova de um pagamento em 1544, resultante do trabalho para «guarnecer» um Cancioneiro nas despesas da rainha D. Catarina.
  • O encadernador Afonso Lourenço. É admissível que o livreiro da rainha, Afonso Lourenço, documentado desde 1523, e falecido pouco antes de 1550, possa ter sido o autor da escolha do modelo para o revestimento das tábuas, inspirado no martírio do santo seu homónimo, São Lourenço. Os modelos com a grelha de São Lourenço são datáveis deste período à volta de 1530.
  • Os fechos em forma de «coroa». Pode ser também crível que o livreiro da rainha D. Catarina, Afonso Lourenço, reverencie a sua comanditária com fechos que simbolizem o seu poder real.
  • D. Catarina (1507-1578) e D. Teodósio (1510 ?-1563). Os contactos entre a corte régia (D. João III e a Rainha D. Catarina) e a corte ducal de Bragança (D. Teodósio I, V Duque de Bragança) são bem conhecidos. Intercessão no primeiro casamento do duque em 1542, por exemplo, ou a escolha do duque para atos militares para liderar socorro a Mazagão, etc71. Estas relações podem ter facilitado a passagem do códice entre as duas cortes, a ducal e a régia. 

77Concluo, no entanto, com três interrogações:

  • Um modelo para a encadernação do Cancioneiro da Ajuda, inspirado no martírio de «S. Lourenço», poderá ter sido escolhido pelo livreiro Afonso Lourenço?
  • Um pagamento, efetuado pela rainha D. Catarina para «guarnecer huũ Cancioneiro portoges» (25 abril 1544) poderá corresponder ao Cancioneiro da Ajuda?
  • Um fecho em forma de «coroa» será indício suficiente que nos leve à rainha D. Catarina?
  • 72 Os números e letras, em reduzida amostra, foram considerados como datáveis das décadas de 1540-156 (...)

78O itinerário do códice, após os dados trazidos pela biografia de Pero Homem e pela reinterpretação do papel dos vários momentos da encadernação, poderá vir a ser enriquecida no futuro, quando for possível descodificar a sigla indicativa de uma antiga cota, «A. 5. n 47», ainda bem visível a tinta preta no fólio que foi colado à pasta superior, de madeira, como guarda, aquando da encadernação do Livro das linhagens e do Cancioneiro num só volume nos finais do século xv. Será ela a chave, juntamente com o confronto entre este modelo e outras encadernações para melhor localização do códice. Até agora, as buscas em códices com cotas antigas têm sido operadas apenas em círculos portugueses, mas talvez seja imprescindível ampliar esta pesquisa a outros meios (hispânicos? parisienses?) na expetativa de descortinar outro códice com um sistema de cota idêntico e com localização certa72.

Notes

1 Alguns elementos sobre as encadernações do Cancioneiro da Ajuda, aqui retomados, encontram-se já no capítulo 8 — Encadernação —, do meu estudo sobre este cancioneiro (Ramos, 2008, t. I, pp. 447-462).

2 Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito (1823). Charles Stuart, barão Stuart de Rothesay (1779-1845), diplomata britânico e reputado bibliófilo com desempenho de várias funções políticas em Madrid (1808) e em Portugal (1810). Conselheiro em 1812 e ministro em La Haye (1815-1816) foi ainda embaixador em Paris (1815-1830) e em St. Petersburgo (1841-1845). Embaixador de D. João VI no Brasil, participou na independência entre Portugal e Brasil e testemunhou praticamente a abdicação de D. Pedro IV em 1826. Conde de Machico em 1825 e marquês de Angra, no ano seguinte, foi-lhe atribuído em 1828 o título Stuart de Rothesay da ilha de Bute. A propósito do núcleo de duas importantes livrarias portuguesas, a do Conde de Lavradio e a de João Evangelista da Guerra Rebelo da Fontoura, Bivar Guerra pronuncia-se acerca da biblioteca de Lord Stuart de Rothesay como base daquelas livrarias. A sua edição do Cancioneiro, largamente comentada por Michaëlis, apresenta modificação de cantigas, alterações da ordem textual presente no manuscrito e leitura deficiente (Guerra, 1973, pp. 120-123; Michaëlis [ed.], 1904, t. II, p. 6, no 1).

3 Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito, p. [v].

4 Timothée Lecussan-Verdier, conhecido letrado e erudito francês dos finais do século xviii, que estabeleceu vários contactos com a cultura e com a política portuguesas da época, é o autor desta introdução à publicação de Stuart (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, pp. 9 e 143). Deve-se a Cunha Rivara a identificação da autoria desta Advertência: «A curta, mas erudita Advertencia, que no livro anda impressa, é obra do bem conhecido Thimotheo Lecussan Verdier, tão benemerito das letras portuguezas; e postque não traga o seu nome, facilmente se revela pelo estilo, e fóra de toda a duvida no-lo affirma o nosso amigo, dono do livro, pelo saber do proprio Verdier» (Rivara, «O Cancioneiro do Collegio dos Nobres», p. 406). A esta introdução também se refere I. Francisco da Silva: «Tem no principio uma breve, mas erudita advertência, que se crê ser de Thimotheo Lecussan Verdier» (Silva, 1858-1923, t. II, p. 317).

5 Lucussan-Verdier, Advertencia, em Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito, p. [i].

6 Ferdinand Wolf (1796-1866) foi um filólogo austríaco. Baseando-se na ideia do humanista português Duarte Nunes de Leão de que estaria em Roma um cancioneiro com poesia do rei D. Denis, inicia pesquisas e, em 1840, na cidade do Vaticano, encontra na Biblioteca Apostolica Vaticana um Cancioneiro português, que tinha pertencido e estado na biblioteca do humanista Angelo Colocci, falecido em 1549. O Cancioneiro entrara na biblioteca Vaticana juntamente com outros livros pertencentes ao humanista em 1558 e, possuindo a cota Vat. Lat. 4803, passou a ser conhecido por Cancioneiro da Vaticana (Ferrari, 1993, pp. 123-126).

7 Francisco Adolfo de Varnhagen (1816-1878), militar, diplomata, historiador, veio para Portugal com toda a família em 1824, foi aluno no Colégio dos Nobres e, já diplomata, foi colocado na legação do Brasil em Lisboa em 1842, na de Madrid em 1852 e embaixador em Viena desde 1868, ano do seu falecimento (Pinto-Correia, 1993, pp. 645-646).

8 Alguns ensaios têm procurado reconstituir o ambiente cultural à volta do descobrimento no Colégio dos Nobres do Cancioneiro da Ajuda e das suas primeiras divulgações (Sharrer, 2004; Arbor, Pulsoni, 2004; Arbor, Pulsoni, 2006; Arbor, 2007, 2008, e Ead. [ed.] 2008). No entanto, as caraterísticas da encadernação não preocuparam especialmente os estudiosos do final do século xix.

9 Varnhagen (ed.), 1850, pp. xi-xii; xvi.

10 I. Cepeda na sua comunicação ao Colóquio Cancioneiro da Ajuda (1904-2004), dedicada à antiga cota presente no Cancioneiro, inclina-se mais por uma arrumação que deixa reservado para o final as duas obras que o autor do catálogo considerava mais valiosas no conjunto dos livros in-fólio na secção de livros em língua portuguesa (Cepeda, 2016).

11 Como vamos ver a indicação «grande marca», ou «marca grande», são designações correntes em inventários antigos para caraterizar o formato do códice.

12 Este fólio 74, já referido na edição Stuart (1823), foi examinado por Carolina Michaëlis na descrição relativa à passagem do caderno XI ao caderno XII (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, p. 149).

13 Michaëlis (ed.), 1904, t. II, pp. 139-142. Os elementos, que reuniu, e que hoje estão depositados no seu espólio na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, mostram como previa enriquecer o parágrafo que dedicou à encadernação. Não apenas encontramos vários decalques, como notas avulsas, que lhe permitiriam trabalho comparativo com outros modelos de encadernação [Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra – Espólio de Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Ms. B.1.1. 69A; Ms. B.1.1. 69A_1 (1); Ms. B.1.1. 69A_1 (2)].

14 Constitui ainda esta descrição até à edição fac-similada de 1994 o mais pormenorizado exame da encadernação do Cancioneiro da Ajuda (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, pp. 99-141).

15 Referi-me já a esta sua concepção codicológica. A filóloga procurou não apenas a melhor lição textual para a sua edição do Cancioneiro, mas tentou obter uma uniformidade material perdida. Esta perspetiva foi fundamental para a concepção do primeiro restauro (Ramos, 2004). A Rodrigo Vicente de Almeida, «diligente official» e «digno e zeloso», agradece na sua edição o empenho (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, pp. 102 e 137). Algumas cartas, que se encontram depositadas na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra – Espólio de Carolina Michaëlis de Vasconcelos, documentam estas diligências [Ms. CMV 1 30; Ms. CMV 1 31].

16 A reconstituição baseava-se não apenas no que se conhecia com o aparecimento de outros cancioneiros, mas com a conjetura material fundamentada em antigos registos: o caderno VI e o caderno X (Michaëlis [ed.], 1904, t. I, pp. 30 e 66; Ramos, 2004 e 2008, t. I, pp. 232-239).

17 Contrariamente a Stuart de Rothesay, Fragmentos de hum Cancioneiro Inedito, Varnhagen tinha já incluído na sua edição de 1849 estes fólios eborenses «copiados por Herculano» (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, p. 21, no 1).

18 Ibid., t. II, p. 102, no 3. Convém não esquecer que, quando C. Michaëlis viu o Cancioneiro em 1877 e 1890, segundo sua indicação, «o volume todo andava retalhado em seis parcellas» (ibid., t. II, p. 145).

19 Ibid., t. II, pp. 136-137. Uma visão prévia ao ordenamento de C. Michaëlis pode ser vista através das cópias manuscritas anteriores à edição (Arbor, Pulsoni, 2004; Arbor, Pulsoni, 2006).

20 Trata-se do fólio, que comparece no final do códice (fo 88), com cantigas A 308 a A 310, atribuíveis ao clérigo Roy Fernandez de Santiago.

21 Se o termo códice pode referir-se unicamente ao aspeto estrutural do livro, uma associação de fólios não inclui necessariamente a encadernação. Alguns códices sem encadernação figuram nos inventários de bibliotecas medievais (Vezin, 1997).

22 Carter (ed.), 1941, pp. xii. Na realidade, o principal objetivo de Carter consistia efetivamente na restituição do estado gráfico do Cancioneiro da Ajuda, acercando-se o mais próximo possível do original. Diversamente de outros cancioneiros, o da Ajuda nunca beneficiara de uma leitura paleográfica ou diplomática. A transcrição é bastante conservadora, ao manter as abreviaturas, sinais de pontuação e de acentuação. A paginação respeita a disposição original do manuscrito, sem intervir na separação de palavras. Procura indicar em nota, em uma espécie de aparato paleográfico, os locais em que houve rasuras, erros ou emendas de quem copiou (Ramos, 2007).

23 Ramos, 1994. Apresentei os resultados da pesquisa sobre o perfil histórico-literário de Pero Homem em Ramos, 1999, pp. 127-185.

24 O relatório do restauro do Cancioneiro da Ajuda realizado nos laboratórios da Torre do Tombo em 1999-2000 não chegou naquela altura a ser publicado. O trabalho técnico ocorreu nos Laboratórios de Conservação e Restauro da Torre do Tombo sob os auspícios da Fundação Calouste Gulbenkian em 1999 e 2000 e com acompanhamento de Aires A. Nascimento: Newsletter [Fundação Calouste Gulbenkian], 24, 1999, p. 3. A apresentação do novo estado do códice decorreu em sessão pública de 27 de junho de 2000 durante a exposição «A Imagem do Tempo: Livros Manuscritos Ocidentais» (23 de março a 2 de julho de 2000). Entretanto, além da documentação depositada na Biblioteca da Ajuda, Aires A. Nascimento apresentou os resultados deste trabalho no Colóquio Cancioneiro da Ajuda (1904-2004) em Lisboa (Nascimento, 2016).

25 Michaëlis (ed.), 1904, t. II, pp. 140-141. Deste novo restauro, além da lombada, é importante salientar a descolagem do fólio que estava fixado à pasta posterior, que continha diversas inscrições e notas avulsas, mas cujo verso se encontrava em branco. Observe-se também, por exemplo, a nova organização do caderno III, a inserção independente do fólio 74 e do fólio 88, e de alguns aspetos pontuais de posição de carcelas e pestanas que, em alguns casos, evocaram a regularidade material imposta pela regra de Gregory (Nascimento, 2016).

26 Cunha, em linha, p. 169. Baseia-se a Autora na sugestão de Carolina Michaëlis, quando admitia que o conhecimento dos cancioneiros portugueses em Roma durante o século xvi, possa ter incluído este Cancioneiro e que a encadernação possa ascender a este período, ou mesmo ainda ao tempo do rei D. Manuel I, que faleceu em 1521 (Michaëlis, 1921; Cunha, em linha, pp. 169, 468 e 470). Na realidade, a estudiosa e editora do Cancioneiro da Ajuda não estava verdadeiramente convencida por esta conjetura, parecendo-lhe improvável que o Cancioneiro da Ajuda tivesse estado em Roma (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, pp. 111-134).

27 C. Michaëlis considera separadamente as marcas de registo destes cadernos. As suas indicações reportam-se nesta citação à paginação e não à foliação do códice (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, pp. 150-151).

28 Se estamos, portanto, perante um uso, que patenteia um hábito mais antigo, esta marca só poderá ser efetivamente interpretada em comparação com códices deste período que ofereçam tipologia idêntica. Aires A. Nascimento na sua apresentação na Biblioteca da Ajuda (novembro de 2004) acerca do restauro do códice, não deixou de reconhecer a estranheza desta marcação no primeiro e no último fólio do caderno (Nascimento, 2016).

29 Qualquer tentativa de avaliação das dimensões seria falseada por ignorarmos a área original das margens (lombada, goteira, cabeça ou pé), ainda que o corte a que os fólios foram sujeitos seja muito mais notável na margem superior (cabeça) onde o próprio texto foi, por vezes, danificado, do que na margem inferior (pé), onde o texto nunca foi danificado. No Códice dos Músicos das Cantigas de Santa Maria, G. Avenoza aponta a sobrevivência de duas assinaturas de caderno com um sistema alfabético com a subsistência de b e d (cadernos 7 e 9), representada apenas no final de cada «pliego». O procedimento é, portanto, completamente diferente daquele que foi adotado no Cancioneiro da Ajuda (Avenoza, 2016).

30 Ramos, 2008, t. II, pp. 232-239.

31 Dias (ed.), 1990-1998, t. I, pp. 474-476; comp. 170.

32 Ramos, 1999.

33 Portanto, em pouco tempo, C. Michaëlis deixou de poder ler a anotação. Considerava que aquelas palavras foram «scriptas por mão desconhecida, provavelmente depois de destroçado o volume» e que deviam corresponder apenas à «opinião individual de qualquer leitor moderno. No melhor caso, mas que é pouco verosimil, seriam repetição dos dizeres estampados na lombada, pelo encadernador; i.é no séc. xvi quando o fragmento andava sem frontispicio original» (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, p. 141).

34 Michaëlis (ed.), 1904, t. II, p. 23. Este é o apontamento publicado em 1850. C. Michaëlis viu-a também a 28 de Maio de 1877, já mal legível. E refere-nos ainda que «[…] quando em 1890 lá voltei, a fim de cotejar novamente a minha restituição da copia diplomatica que tirara — esta vez no proprio paço Real, para cujo rez do chão a livraria fora mudada havia um decennio —, achei o volumoso codice no mesmo estado como em 1877. Notei porém, que a inscripção Rey Do Denis traçada com tinta no corte inferior das folhas, se havia tornado illegivel para quem não a conhecesse de antigo» (ibid., t. II, p. 102).

35 Varnhagen (ed.), 1849, p. 344.

36 D. Pedro, infante de Portugal e 1o Duque de Coimbra (1392-1449) foi um príncipe da dinastia de Avis, filho do rei João I e de Filipa de Lencastre, regente do reino de Portugal entre 1439 e 1448. As diversas viagens ao estrangeiro tornaram-no conhecido como o Infante das Sete partidas. De educação esmerada e excepcional para a época, é introdutor de novas ideias e projetos para Portugal, tendo impulsionado a tradução para português de diversas obras de autores latinos. É ele próprio que traduz e adapta com a colaboração de Frei João Verba, a composição do livro Da Virtuosa Benfeitoria, que não se trata de uma simples tradução do De beneficiis de Lúcio Aneu Séneca, mas de um trabalho redigido com base em amplo conhecimento de textos bíblicos e de autores clássicos.

37 A leitura da frase, «Este livro hez do colaço do imfãt», a caraterização da letra e a datação está disponível no estudo de 2004 de S. Pedro sobre a caraterização paleográfica do Cancioneiro da Ajuda (Pedro, 2016). Data também deste ano, 2004, o ensaio de A. Resende de Oliveira com a apresentação dos resultados da pesquisa sobre a família Homem e suas implicações no itinerário do Cancioneiro da Ajuda (Oliveira, 2016).

38 D. Denis foi para Duarte Nunes de Leão um «grande trouador e quasi o primeiro que na lingoa Portuguesa sabemos screuer versos, o que ele, e os daquelle tempo começarão fazer aa imitação dos Aruernos e Prouençaes, segundo vimos por hum cancioneiro seu, que em Roma se achou, em tempo del Rei D. Joam .III. e per outro, que stá na Torre do Tombo, de louvores da Virgem nossa Senhora» (Lopes de Almeida [ed.], 1975, pp. 133-134 y 236; Pizarro, 2005, p. 203). O prestígio poético de D. Denis nos séculos xvi e xvii foi examinado por Michaëlis (ed.), 1904, t. II, pp. 111-134.

39 Petrocchi (ed.), 2003, t. III. Paradiso, XIX, p. 139, vv. 136-141. Sirvo-me da edição Petrocchi. A passagem não é muito clara, mas é possível que esteja relacionada com a problemática extinção dos Templários (Pizarro, 2005, p. 203, no 2 e pp. 250-254).

40 «[XV] Acuérdome, señor muy magnífico, siendo yo en hedad no provecta, mas asaz pequeño moço en poder de mi avuela doña Mençia de Çisneros, entre otros libros aver visto un gran volumen de cantigas, serranas e dezires portugueses e gallegos, de los cuales toda la mayor parte era del Rey don Donis de Portugal, creo, señor, sea vuestro visahuelo, cuyas obras aquellos las leían, loavan de invençiones sotiles e de graçiosas e dulçes palabras. Avían otras de Johan Suares de Pavia, el qual se dize aver muerto en Galicia por amores de una infanta de Portogal; e de otro Fernand Gonçales de Senabria. Después d’ellos vinieron Vasco Peres de Camoes, e Fernand Casquiçio, e aquel grande enamorado Maçías, del qual no se fallan sino quatro cançiones, pero çiertamente amorosas e de muy fermosas sentençias, conviene a saber “Cativo de miña tristura”, “Amor cruel e brioso”, “Señora, en quien fiança” e “Provei de buscar mesura”» (Rohland de Langbehn [ed.], 1997, p. 24).

41 Museu Biblioteca da Casa de Bragança, BDMII, Res. Ms. 18 – Inventário dos Bens do 5o Duque de Bragança, D. Teodósio I [1564-1567], cópia de Lisboa, 15 de Dezembro de 1665, 657 fólios. Aires A. Nascimento deu notícia do elenco da livraria ducal integrado no «Inventário [de bens] que se fez por falecimento do Sereníssimo Duque de Bragança D. Theodozio, realizado a seguir à sua morte, entre o ano de 1564 e 1567, na presença de D. Brites de Lencastre, sua segunda mulher» (Nascimento, 1994). Não há conhecimento do inventário original, constituído pelo Notário Doutor Pereira de Sá, fidalgo da Casa do Rei e desembargador da Casa da Suplicação. O original do inventário ter-se-á perdido mas existe atualmente no Paço Ducal de Vila Viçosa, com data de 1665 e com a cota Res. 18 Ms., a «certidão com o treslado de huus autos de Inventario que se fez por falecimento do serenissimo Duque de Bragança D. Theodozio», a pedido do Conde de Figueiró, D. José Luís de Lencastre. Leiam-se agora os ensaios sobre livros e livrarias de reis e príncipes entre os séculos xv e xvi e sobre a livraria de D. Teodósio (Buescu, 2007 e 2013).

42 Modifico agora a minha primeira leitura desta nota, que tinha sido baseada apenas no ensaio de Aires A. Nascimento, que reproduzia o datiloscrito (Nascimento, 1994; Ramos, 2001). I. Cepeda indica que nesta reprodução foi omitida a importante expressão, que se encontra no manuscrito: «de marqua grande» (Cepeda, 2016). Tendo agora tido a oportunidade de consultar o manuscrito na biblioteca do Palácio Ducal de Vila Viçosa, confirmo que estas duas indicações Livro das linhages e Obras del Rej Dom Denis… se encontram no mesmo fólio, apesar de distanciadas, como unidades autónomas (fos 463vo-464ro). No entanto, é pertinente assinalar que, tal como as Obras del Rej Dom Denis…, o Livro das linhages de Portugal é também identificado como «de marqua grande».

43 O catálogo da biblioteca de D. Duarte, Estes são os liuros que tinha el rey dom duarte, datável de 1433-1438, registava também um livro de trovas de D. Denis (O liuro das trouas d el rey dom denjs), um outro Lyuro das trouas d el rey, além de um Liuro das trouas d el rey dom afonso, encadernado em couro o qual copilou .f. de montemor o nouo (Livro dos Conselhos de el-rei D. Duarte, pp. 206-208). Hoje, é conhecido um fragmento da Torre do Tombo, que pertenceu a um cancioneiro de D. Denis, ou a um cancioneiro coletivo, encontrado pelo professor H. Sharrer na encadernação de um livro do Cartório Notarial de Lisboa (no 7-A, caixa 1, maço 1, livro 3), conhecido também por Fragmento Sharrer, descoberto em 1990 (Sharrer, 1991).

44 É neste fólio que, efetivamente, se encontrava a primeira assinatura de Pero Homem no início do livro e é ainda nele que se pode ler a referência ao conteúdo inicial do códice, «das linhagẽs». Uma e outra anotações, datáveis dos finais do século xv e, provavelmente, de antes de 1498 (data plausível da morte de Pero Homem), só fariam sentido na abertura do códice (Ramos, 1999; Pedro, 2016).

45 Uma sondagem aleatória, ainda que sumária, ao Inventário dos bens de D. Teodósio, revela como os bens do duque contavam com um número ainda significativo de livros «em taboas»: «Hum Liuro das Lamentacõins de canto chão emcadernado com taboas…» (fo 256ro); «Queimonia Federici Inperatoris de folha em taboas…» (fo 393vo); «Chrisostimi opera Em tres volumes de marqua gramde de taboas… » (fo 396ro); «Opera Augustini Em sete Volumes de marqua gramde de taboas…» (fo 396ro); «As partidas de Letra de mão Em pergaminho… marqua grade de taboas» (fo 408ro), entre outros.

46 Uma das provas do inacabamento do Cancioneiro é observável neste fólio que testemunha uma suspensão muito rara na cópia de poesia. Na realidade, a última cantiga de amor, atribuída a Roy Fernandez de Santiago, A 310, «Que muy gran prazer og’ eu vi», não só se encontra incompleta, limitada apenas à cópia da primeira estrofe, mas a interrupção faz-se no final da coluna d, no interior do refran, não concluindo o copista a transcrição completa do verso. A interrupção foi de natureza material — final de coluna — e não textual (Carter [ed.], 1941, p. 182; Michaëlis [ed.], 1904, t. I, p. 623).

47 Afirmava: «Não sou competente para decidir, se se trata de um trabalho feito lá fóra, ou no paíz. Inclino todavia a crêr que a execução é nacional», embora, pouco antes, o tenha aproximado da arquitetura coimbrã (Michaëlis [ed.], 1904, t. II, p. 141).

48 A designação é retirada de três conferências de iniciação à encadernação medieval: Baras, Irigoin, Vezin, 1981. O esquema decorativo, representado na fig. 30 (Bibliothèque nationale de France, Imprimés, Rés. D 81), incluído na intervenção de J. Vezin, é assim descrito: « Un encadrement rectangulaire, obtenu à l’aide de filets et de roulettes de style Renaissance poussés à froid, entoure un rectangle central composé de cinq bandes verticales à la roulette, disposées suivant un schéma auquel on a donné le nom de “gril de saint Laurent” » (ibid., p. 49). Denominação associada ao conhecido martírio pelo fogo de São Lourenço, queimado em Roma em 258. A título exemplificativo, observe-se a miniatura incluída na Legenda Aurea, Bibliothèque municipale de Rennes, ms. 266, fo 206.

49 P. Stirnemann reporta-se ao Catalogue des reliures françaises estampées à froid (xve-xvie) de la Bibliothèque Mazarine (Stirnemann, 2016; Gid, 1984).

50 Não é indiferente a colocação dos fechos. De acordo com a tradição francesa e inglesa, os livros eram colocados sobre a pasta superior, contrariamente a outros países da Europa em que os volumes eram pousados pelo lado inferior. Isto significa que em França e Inglaterra os fechos têm uma colocação invertida e quando circulavam de uma cidade a outra, a posição dos fechos tinha, por vezes, de ser alterada ou substituída. Seria muito interessante prolongar esta observação em códices renascentistas que contenham, pelo menos, parte dos fechos (Gid, 1984, t. I, pp. xiii-xiv).

51 Vários exemplos da circulação de materiais, são apontados por Gid em ibid., t. I, pp. xiii-xiv.

52 Os esquemas de decoração enumerados por D. Gid apontam para o facto de que as bandas verticais podem ser variáveis (ibid., t. II, pp. 360-361). No espólio de Carolina Michaëlis na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, subsistem os decalques que a filóloga executou para o estudo da encadernação. Consultem-se em particular o Ms. CMV B.1.1. 69A_1 1(1) e o Ms. CMV B.1.1.1. 69A_1 (2).

53 Ibid., t. II, pl. 96.

54 D. Catarina (1507-1578), rainha consorte de Portugal, casada em 1525 com D. João III (1502-1557), filha póstuma de Filipe I de Castela e de Joana de Espanha a «louca», irmã de Carlos V (1500-1558), exerceu também funções de regente, após o falecimento de seu marido entre 1557-1562. Rainha do Renascimento, foi uma estadista dotada, mecenas, filantropa, como traça a recente biografia da rainha colecionadora (Jordan, 2012).

55 Os documentos depositados no ANTT são identificados através dos títulos Livro do tesouro de D. João III, entregue pelo tesoureiro Brás de Araújo a Manuel Velho, tesoureiro do rei (1534), Contos do Reino e Casa, Núcleo Antigo 792; Casa da Rainha D. Catarina (1543 a 1575) [ID L 574]. Cota atual PT/TT/CRC/N-A/2/ 792. Microfilme 1649 (Viterbo, 1901; Freire, 1904 e 1910).

56 A «mesma encadernação» referir-se-á à anterior, descrita para Morales de Seneca, «cubiertos de cuero morado cõ sus manos de latom doradas»? (Viterbo, 1901, pp. 31-32).

57 Documento incluído no Corpo Cronológico, com a cota PT/TT/1/84/142 no ANTT, datado de 20 de agosto de 1550, revela que João de Borgonha, conhecido como vendedor de livros, era também fornecedor de encadernações. Um alvará de D. Catarina ordena o pagamento de 5.700 réis por encadernações fornecidas. Substituiu Afonso Lourenço, que deve ter falecido mais ou menos nestas datas (1549-1550?) [Cunha, em linha, pp. 25-27, 738 e 743].

58 O documento-recibo, que comparece assinado na sequência do mandado de pagamento de 31 de maio de 1538, está depositado no ANTT-Corpo Cronológico, parte I, maço 61, doc. 105, <http://digitarq.arquivos.pt/details?id=3775209>; Viterbo, 1901, p. 27 e 64-65; Freitas, 1952, pp. 7-8.

59 Afonso Lourenço (14..?-1549-1550?). O percurso profissional deste livreiro da Rainha D. Catarina foi traçado por Sousa Viterbo (1901) e os estudos posteriores baseiam-se fundamentalmente nos dados reunidos no início do século xx: Deslandes, 1888, pp. 46-48; Brito, 1911, pp. 9-10; Freitas, 1952, pp. 7-8; Gusmão, 1964-1966, t. I, p. 131 e t. II, p. 195; Cunha, em linha, p. 748; Buescu, 2009, pp. 87-88.

60 Viterbo, 1901, pp. 28-30 e 64-65.

61 [Guido de Monte Rocherii], Manipulus curatorum, Nueuame[n]te impresso en romãce, Lisbona, Germã Galharde, 1523, <http://purl.pt/23037>.

62 Biblioteca do Palácio Ducal de Vila Viçosa, Ms. BDM II 64.

63 Ibid., Ms. BDM2 92.

64 Ibid., Ms. BDM2 97.

65 BN Res 58 A.

66 Deslandes, 1888, pp. 46, 47 e 48.

67 Lixboa, p[er] Germã Galharde: a custa e despessa d’Afonso Loure[n]ço, 12 Mayo 1542 [Res. 58A. Disponível na BN de Portugal, http://purl.pt/14568].

68 Lisboa, Germão Galharde, depois de 3 de Junho de 1535. [Res. 67/6A, Disponível na BN de Portugal, http://purl.pt/14851].

69 Registo na BN de Portugal impressos de 1523 (Res. 1150P); 1535, 1539, 1540, 1549 (Res. 67/6A; Res. 83/2A; Res. 84/1A); 1542 (Res. 58A; Res. 59A; Res. 3395V), e na Biblioteca do Palácio Ducal de Vila Viçosa documentação datada de 1521-1526 (BDM2o 52 a 56); 1539 (Ms. BDM2o 92; BDM2o 97; BDM2o 96; BDM2o 93).

70 A reprodução e a descrição destas duas peças encontram-se disponíveis no estudo de Cunha, em linha, pp. 440-441.

71 A personalidade de D. Teodósio é traçada por Sousa, 1946-1954, t. VI, pp. 47-48. Alguns projetos atuais sobre o duque, como o De Todas as Partes do Mundo: O Património do 5o Duque de Bragança, D. Teodósio I, a decorrer na Universidade Nova de Lisboa, permitirão melhor conhecimento desta corte literária do renascimento português.

72 Os números e letras, em reduzida amostra, foram considerados como datáveis das décadas de 1540-1560, mas pode ainda encontrar-se este tipo de letras e de números na primeira metade do século xvii. A cota pode ser descodificada como «Estante A, prateleira 5, número 47», ou, como «Armário 5, número 47» (Cepeda, 2016; Ramos, 2008, t. I, pp. 53-55). A investigação de I. Cepeda sobre esta cota de algum modo eliminou uma série de pistas possíveis em âmbito português. Não existindo catálogos fotográficos dos diferentes tipos de encadernação, de formatos e de motivos, utilizados na encadernação renascentista portuguesa, encontramo-nos quase num círculo vicioso, na medida em que, por mais pormenorizada que seja a descrição, ela será sempre deficiente, porque só através dela não é possível o imprescindível agrupamento de modelos e técnicas que permita especializar produções idênticas ou reconstituir até fabrico e percursos de encadernações. Sem estes dados, é delicado passar da suspeita à convicção e não admira que não tenha sido bem sucedido um agrupamento objetivo e concludente da encadernação do Cancioneiro da Ajuda com outras encadernações contemporâneas.

Auteur

Universität Zürich

© Casa de Velázquez, 2017

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

Chargement

Unavailable