Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Do Espírito do Lugar - Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
António Camões Gouveia

2. S. Bento de Cástris e a estética musical contra-reformista

Os mestres organeiros Cunhas e o órgão que a abadessa D. Córdola Francisca mandou fazer em 1741 para o coro de cima do mosteiro de São Bento de Cástris

Ana Paula Tudela

Résumé

Entre as muitas perguntas por responder acerca da organaria portuguesa, uma se destaca: onde aprenderam os artífices? A “escola regional ibérica” emanará de uma zona específica? Ou será transnacional? Outra questão igualmente por responder é o alcance geográfico das oficinas: o que terá prevalecido? As zonas de influência seriam determinadas pela localização das oficinas, pelas ligações com os clientes ou existem outros motivos? É sobre estas questões que se procura aqui refletir partindo do caso de Felipe da Cunha, organeiro nascido e talvez formado na região Minho/Galiza, que se fixou em Lisboa c. de 1700 e a quem a abadessa do mosteiro de S. Bento de Cástris, D. Córdola Francisca, encomendou um órgão em 1741. Felipe da Cunha foi o fundador de uma oficina nas imediações da baixa lisboeta, que funcionou por mais de um século, dirigida por 3 gerações de mestres da mesma família. A oficina dos Cunhas poderá vir a ser um case study para o entendimento da organaria portuguesa do século XVIII, já que foi a que se manteve a funcionar durante mais tempo: c 1700 – dep . 1819.

Among the many unanswered questions about the Portuguese craft of organ making, one stand out: where did the old masters learned the craft? Did the “Iberian school” emanate from a specific area? Or is it transnational? Another question concerns the geographic reach of the workshops: what will prevail? The zones of influence would be determined by the location of the workshops, for links with customers or are there other reasons? These papers intends to be a reflection on these questions, using the example of Felipe da Cunha, organ builder born, and perhaps learn the craft, in the Minho or Galicia region, and settled in Lisbon c. 1700. He was commissioned an organ to the Monastery of Saint Benedict of Castris, in 1741, by the Abbess of Castris, D. Cordola Francisca. Felipe da Cunha was the founder of a workshop in the center Lisbon, which was active for three generations of masters from the same family, and for more than a century, c. 1700 to 1819. The Cunha’s workshop may become a study case for the understanding of organ making craftsmanship in Portugal in the 18th century, as this was the Portuguese workshop that was active for the longest time.

Texte intégral

1Quando parti para esta investigação coloquei como objectivo principal a atingir encontrar o contrato da encomenda que a abadessa do mosteiro de S. Bento de Cástris, D. Córdola Francisca, fez ao mestre organeiro Felipe da Cunha, em 1741. O facto de o órgão estar desaparecido, ou perdido, torna o contrato duplamente importante uma vez que não temos o documento “vivo” para observar e estudar.

2Todavia, no curto espaço que mediou entre o início da investigação e a redacção deste artigo, não consegui localizá-lo. A escritura poderá ter sido feita em Lisboa, que é o mais provável, ou em Évora.

3Relativamente a Évora, ainda não consegui localizar a documentação dos notários antigos. No que concerne a Lisboa, o caso é outro. A quantidade de notários é elevada, embora essa questão não seja impeditiva - será apenas uma questão de tempo. Impeditivo será se o documento tiver sido redigido num dos cartórios que ardeu com o Grande Terramoto de 1755 ou se se encontrar num dos livros diagnosticados “em mau estado”, cuja leitura é impossível de se fazer. Posso apenas prometer que a procura continuará depois deste trabalho e que no caso de ser encontrado virá a lume numa próxima oportunidade.

4Havia, no entanto, que seguir um caminho. Sem órgão e sem contrato só nos restam as deduções por comparação, a observação do espaço e o recurso a fontes indirectas. Resolvi, pois, seguir o caminho do exercício de imaginação suportado nos casos com possibilidades de serem semelhantes e nas características do trabalho dos organeiros Cunhas.

5Antes de iniciar esse percurso de raciocínio, vejamos quem foi Felipe da Cunha e os contornos da sua unidade oficinal.

Nascimento e naturalidade de Felipe da Cunha

6Felipe da Cunha seria filho de Anastácio da Cunha e de Suzana de Passos, naturais de Caminha, segundo as informações fornecidas por seu neto, Leandro José da Cunha, em 1762, para as inquirições da respectiva habilitação a familiar do Santo Ofício.

7Estas inquirições foram arquivadas como incompletas porque não se conseguiu localizar o assento de batismo de Felipe da Cunha, nem o de casamento dos seus pais, em Caminha. Comecei a suspeitar que as origens de Felipe da Cunha seriam diferentes das que apresentou ao longo da sua vida, nos actos públicos familiares (baptismos dos filhos e casamentos, seus e dos filhos).

  • 1 Estas fontes serão apresentadas num estudo monográfico sobre os organeiros Cunhas que estou a redig (...)
  • 2 Arquivo Nacional Torre do Tombo (ANTT) – Registos Paroquiais de Lisboa, Freguesia de S. José, livro (...)

8Felipe casou 2 vezes, teve 5 filhos do 1º casamento e 4 do segundo. Nos assentos de batismo e de casamento dos diversos filhos que teve, vão aparecendo referências diferentes para o seu local de nascimento1. Para além de Caminha também é referida Viana do Minho (que poderá ser Santa Maria Maior ou Monserrate) e, finalmente, no assento de baptismo de António, último filho de Felipe da Cunha, nascido em 1743, aparece uma revelação inesperada: Felipe dá-se como natural da Galiza2.

Fig. 1 – Assento de baptismo de António, filho mais novo de Felipe da Cunha.

Fig. 1 – Assento de baptismo de António, filho mais novo de Felipe da Cunha.

9A veracidade desta revelação tem que ser testada. Esta nova pista indica que tem que se redefinir a escolha das fontes primárias nacionais a consultar. Relativamente à Galiza, exige que se faça o estudo corográfico dos séculos XVII e XVIII para que possamos encontrar a localidade que actualmente corresponde a “ Monte Real, Reino da Galiza ” e, com sorte, localizar o cartório correspondente à antiga “Igreja Matriz” mencionada no documento.

Organaria portuguesa, organeiros galegos

  • 3 Cf. brescia, Marco, L'école Echevarría en Galice et son rayonnement au Portugal, Paris, Université (...)

10Qual o interesse de determinar se Felipe da Cunha tem origem galega para o entendimento dos instrumentos e da organaria em Portugal? Para começar, ajudar a observar os mesmos tendo em atenção as características que os poderão incluir, ou não, numa Escola Regional Ibérica, irradiada a partir da Galiza. Tese defendida por alguns musicólogos3.

11Com excepção de António Xavier Machado e Cerveira, que é português e importante porque desenvolveu um estilo próprio nacional, os principais organeiros sediados na capital do reino, durante todo o século XVIII, são oriundos da “Escola” ou região, da Galiza. Aos Fontanes provavelmente junta-se agora também Felipe da Cunha. Curiosamente, é justamente no último quartel do século XVIII que a especificidade portuguesa atinge a sua maturidade. Talvez os organeiros galegos se tenham adaptado aos gostos locais e a junção desse facto com a sua aprendizagem galega tenha criado algo novo.

Contexto da chegada de Felipe da Cunha à corte de Lisboa

12A possível omissão da naturalidade galega por Felipe da Cunha, a verificar-se, pode explicar-se no contexto histórico da sua chegada à corte portuguesa. Por esse motivo, talvez se deva abrir aqui um parêntese para contextualizar a época.

13Felipe instala-se em Lisboa no final do reinado de D. Pedro II. O reino de Portugal ainda recuperava das consequências, económicas, políticas e sociais da perda da independência para o reino vizinho, entre 1580 e 1640. A monarquia portuguesa ainda se debatia para obter o total reconhecimento diplomático internacional enquanto reino independente.

  • 4 costa, Leonor Freire, «Methuen e a rivalidade franco-britânica» in Pedro lains e Álvaro ferreira da(...)
  • 5 serrão, José, «O quadro económico» in José mattoso (dir.), História de Portugal, Lisboa, Circulo de (...)

14A este contexto, acresce ainda uma nova situação de envolvimento militar entre Portugal e Espanha. Para estabelecer laços geoestratégicos com outras potências4, Portugal assina um tratado com a Inglaterra, em 1703 (Methuen), muito pouco vantajoso para as industrias locais5 e que o vai envolver na tripla aliança anglo-austro-holandesa. Um ano antes, em 1702, tinha deflagrado a Guerra de Sucessão de Espanha, que irá durar até 1714. Aliado de Inglaterra, o reino português acaba por entrar no conflito com o reino vizinho a partir de 1704.

  • 6 monteiro, Augusto Rodrigues, «O Antigo Regime (1415-1788)» in António Simões rodrigues, (dir.), His (...)

15Para o jogo político português, o envolvimento na Guerra de Sucessão de Espanha poderá ter sido uma estratégia. Na prática, para o povo português foi o continuar das lutas com Castela. Às poucas vitórias animadoras, caso da conquista da Praça de Madrid pelo marquês de Minas em 17066, contrapôs-se a ocupação de diversas praças portuguesas, como é o caso, logo em 1707, de Serpa e Moura, no Alentejo.

16Felipe da Cunha terá chegado a Lisboa por volta de 1700, num período pós Restauração da Independência, duma forte disposição mental antiespanhola. Pouco tempo depois da sua chegada, a tensão entre portugueses e espanhóis, ainda latente, é reacendida pelo novo conflito.

17Em suma, talvez este não fosse um bom momento para Felipe da Cunha, um mestre artesão, se apresentar na corte como espanhol e estabelecer uma oficina.

Organeiros da Real Capela da Bemposta

18Reflectindo ainda no tempo histórico, fará algum sentido que Felipe da Cunha, caso se confirme a sua origem galega, escondesse a sua naturalidade. Ainda mais vindo trabalhar para a corte e desejando usufruir de mercês reais, como veio a usufruir, conquistando o lugar de organeiro da Real Capela da Bemposta, lugar que se perpetuou nas duas gerações seguintes dos seus descendentes.

  • 7 Não localizei a nomeação mas o Alvará de nomeação do filho refere que Felipe teve o lugar de afinad (...)
  • 8 antt – Casa do Infantado, Livro de Registo de Alvarás, Cartas e Provisões, Livro 761, fl. 160v-161.
  • 9 ANTT – Casa do Infantado, Livro de Registo de Alvarás, Cartas e Provisões, Livro 762, fl. 140.

19Felipe da Cunha foi o organeiro responsável pelo órgão da Real Capela da Bemposta entre c. 1710 e 17447, o seu filho João da Cunha8 entre 1754 e 1762 e o neto, Leandro José da Cunha9, entre 1763 e 1805.

Fig. 2 – As três gerações de organeiros Cunhas

Fig. 2 – As três gerações de organeiros Cunhas

Moradas e oficina em Lisboa

20Em 1700 Felipe da Cunha poderia já estar a morar na freguesia do Socorro. Sabemos que casa na freguesia de São Julião mas como o cartório desta igreja ardeu no Grande Terramoto não é possível verificar o local da residência no assento de casamento. Significa, pelo menos, que era a morada da noiva.

21Vejamos o resumo das moradas:

  • Felipe: Entre 1704-1720 - Rua que vai para o Jogo da Pela, freguesia do Socorro.

  • Felipe: Em 1720 casa 2.ª vez, ainda na freguesia do Socorro.

    • 10 Arquivo Histórico do Tribunal de Contas (AHTC) – Décima da Cidade de Lisboa, freguesia de São José (...)

    Felipe e descendentes (João e Leandro José): Entre 1729 e c. de 1805: “Rua de São José, lado direito, na Calçada do Lavra” – Nas propriedades “das religiosas de St.ª Joana, N.os 15-16”10.

  • Leandro José: Entre c. 1808 – c. 1820 – Rua da Glória, freguesia de S. José.

Fig. 3 – Localização da oficina dos organeiros Cunhas.

Fig. 3 – Localização da oficina dos organeiros Cunhas.

22É quase certo que a oficina já funcionaria neste local com Felipe da Cunha, que morre em 1744, na Calçada Damião de Aguiar (Ribeiro). Este arruamento passa a denominar-se Calçada do Lavre ou Lavra, na 2.ª metade do Séc. XVIII, provavelmente por causa de um morador ilustre que habitou no N.º 14: Joaquim Miguel Lopez de Lavre, Secretário do Conselho Ultramarino.

  • 11 Fonte que apresentarei no estudo monográfico que refiro na nota 1.

23Felipe da Cunha relacionava-se com esta família. Em 1736, o padrinho de batismo de um dos seus filhos é um membro da família Lavre11.

Os órgãos portativos dos Cunhas

24Para que se possa observar o estilo de construção dos Cunhas, seguem-se alguns exemplos de órgãos portativos, sobreviventes, construídos pelos três organeiros desta família: Felipe da Cunha, João da Cunha (filho) e Leandro José da Cunha (neto):

Fig. 4

Fig. 4

Fotos 1, 2 e 3 cedidas à autora pelo Eng. Francisco Falcão.

Órgão do Convento de S. Bento de Cástris inaugurado em 1742: exercício de imaginação

25Não conhecemos o aspeto, nem as características, do órgão executado por Felipe da Cunha para as freiras do Convento de S. Bento de Cástris. Contudo, temos alguns dados sobre o assunto:

  • Que o contrato terá sido realizado entre 1739 e 1741.

  • Que a escritura poderá ter sido realizada no tabelião Nicolau Cid que trabalhava com Cástris ou num dos tabeliães de Lisboa.

    • 12 Biblioteca Pública de Évora (BPE) - Cód. CXXXI/2-21, fl. 28v: “12 de maio de 1742: foi a primeira v (...)

    Que custou 550$00012.

    • 13 Ibidem.

    Que a 12 de maio de 1742 foi a primeira vez que se tocou no órgão novo do coro de cima13.

26Agora façamos um exercício de imaginação com base noutras encomendas efectuadas por diversos conventos femininos, na mesma época.

Um órgão de Felipe da Cunha para um mosteiro feminino

27Cerca de 4 anos antes, Felipe da Cunha construiu um órgão para uma ordem feminina, terceira, em Braga, que na altura ainda estava sob o voto de clausura. Pode ser visto na Igreja de N. S.ª da Conceição, do antigo Convento da Conceição, da Ordem da Conceição de Maria, hoje Instituto de Monsenhor Airosa.

Fig. 5 - Órgão de Felipe da Cunha, 1737, Braga/Inst. de Monsenhor Airosa

Fig. 5 - Órgão de Felipe da Cunha, 1737, Braga/Inst. de Monsenhor Airosa

28A observação da Igreja do Convento de S. Bento de Cástris fez-me colocar de lado esta hipótese. Trata-se de um espaço sem vestígios de ter tido um órgão adossado à arquitectura, do lado de fora do coro de cima, como se vê neste caso de Braga.

29Resta-nos analisar então os casos de órgãos de armário, os portativos. Ainda assim, para comparação de custos e reflexão acerca do tipo de escolhas, introduzirei o de Arouca, por ser de um convento, igualmente cisterciense.

Órgãos de conventos femininos afiliados a Cister e de outros conventos femininos de diversas afiliações

  • 14 BPE - Cód. CXXXII/1-8.

30Sabemos que o órgão novo para o coro alto de S. Bento de Cástris, construído por Felipe da Cunha, entre 1741 e 1742, custou 555$00014. Vejamos agora quanto custaram órgãos construídos na mesma época para Arouca e Lorvão, conventos que foram habitados por ordens igualmente femininas e igualmente afiliadas à Ordem Cisterciense.

    • 15 brandão, Domingos de Pinho (Bispo auxiliar do Porto). Obra de talha dourada, ensamblagem e pintura (...)

    S. PEDRO DE AROUCA15 (Manuel Bento Gomes, 1739): 4.300$000

  • (órgão de grande porte, adossado à arquitectura)

    • 16 Ibidem, p. 419.

    S. MAMEDE DE LORVÃO16 (Teodósio Hemberg, 1743): 100$000

  • (órgão anterior ao de Cerveira, que não é descrito na fonte)

31Do primeiro temos o exemplar sobrevivente para observar e reflectir. Do segundo temos apenas o custo e autor. A julgar pelo preço, ou se tratou de uma oferta do organeiro ou era um pequeno órgão.

32Mas dispomos ainda de outros casos da mesma época que embora tendo outras afiliações religiosas, também foram construídos para ordens femininas.

    • 17 Ibidem, p. 245.

    Santa Casa da Misericórdia / Porto17 (Frei Manuel de São Bento, irmão Donato, 1732): 280$000

    • 18 Ibidem, p. 510.

    Convento de SANTA CLARA / Coimbra18 (Teodósio Hemberg, 1748): 800$000

    • 19 Ibidem, p. 718.

    CONVENTO DAS CARMELITAS CALÇADAS / GUIMARÃES19 (Teodósio Hemberg, 1725 – Órgão para o Coro): 224$800

Reflexão sobre a tipologia e o paradeiro do órgão do Coro de Cima

33Com os elementos de que dispomos até este momento, podemos imaginar que a encomenda feita a Felipe da Cunha para o coro de cima terá sido de um órgão portativo, de envergadura média/grande, talvez semelhante ao instrumento da Igreja de São João Baptista, em Almeirim, construído na mesma oficina.

34

Fig. 6 - Igreja de São João Baptista, em Almeirim, João da Cunha, 1752, nº 22

Fig. 6 - Igreja de São João Baptista, em Almeirim, João da Cunha, 1752, nº 22

Foto de António José Ferreira

  • 20 BPE - Códice CXXXII/1-17- Jan/Abril 1795, afinação do órgão.
  • 21 BPE - Códice CXXII/1-10 – Set. 1751, fl. 19v.: limpar os órgãos do Coro e em chumbo para os ditos ó (...)
  • 22 BPE - Códice CXXXII/1-21 – Nov. 1808, fl. 30, canudo grande para o órgão do Coro de cima.
  • 23 BPE - Códice CXXXII/1-23 – Junho 1813 (depois das invasões), fls. 4, 7: conserto do órgão, composiç (...)
  • 24 BPE - Códice CXXXII/1-24, set/out. 1816, fl. 7: composição do órgão; Jan/Abril 1817, conserto do ór (...)

35O órgão construído por Felipe da Cunha, inaugurado em 1742, sofreu diversas reparações e talvez algumas alterações ao longo dos tempos. As despesas registadas nos códices do convento dão-nos notícia de diversos gastos feitos com afinações20, conservações21 e consertos22, alguns destes últimos feitos após as invasões francesas23 e até 182424.

36Uma vez que não aparecem despesas relativas à construção de um novo órgão para o coro de cima, presumimos que se trata de intervenções feitas no órgão inaugurado em 1742, restando-nos a dúvida apenas nos casos em que a localização é omissa e ficamos sem saber se as despesas são referentes ao órgão no coro de cima ou ao órgão do coro de baixo.

  • 25 BPE - Códice CXXXII/1-4, Julho 1728: obras no órgão do coro de baixo (fl. 50v.); Setembro 1728, fec (...)
  • 26 BPE - Códice CXXII/1-15 - Em 1786 (Junho/agosto) (fl. 7) refere-se o órgão para o Coro de baixo: 25 (...)
  • 27 BPE – Ibidem, fl. 62: pintor que pintou e fingiu de nogueira as portas das tribunas para a Igreja e (...)

37Quanto ao órgão do coro de baixo era bastante mais antigo do que o construído por Felipe da Cunha para o coro de cima, uma vez que aparecem despesas apontadas nos códices de obras realizadas nele em 172825. Sobre este órgão, ficámos também a saber através dos registos das despesas que em 1786 ou foi substituído ou profundamente remodelado26 e que decoração exterior levou27.

  • 28 ANTT – Arquivo Histórico do Ministério das Finanças/Extinção das Ordens Religiosas/Ordem De Cister (...)

38Em 1834 o destino deste património artístico mudou repentinamente com a extinção das ordens religiosas. Grande parte dele dispersou-se com a venda em hastas públicas, tráfico para o estrangeiro, mudança de local e nalguns casos, destruição. As ordens femininas, contudo, poupadas ao encerramento até à morte da última freira, nalguns casos, funcionaram ainda por mais quase sessenta anos, mantendo as obras de arte no local. Tal é o caso de Cástris que, embora tenha sido inventariado em 185828, em 1890 ainda contém o património artístico.

  • 29 ANTT – Ibidem, Capilha 4, doc. 70.

39Em 1890, aquando do encerramento do convento, foram inventariados dois órgãos: um no coro de cima ao qual atribuíram o valor de 46$000, em conjunto com a cadeira e estrado (itens N.ºs 585 e 586) – que será o de Felipe da Cunha - e outro no coro de baixo avaliado em 30$200 em conjunto com os seus três estrados e a cadeira (itens 190, 192 e 193)29. Não é feita qualquer descrição do “feitio” (planificação) dos órgãos, nem menção aos seus autores ou autor. Ficamos apenas a saber que quando a ordem é extinta e o convento desactivado ainda lá existiam dois órgãos (um no coro de cima outro no coro de baixo). Ainda não foi possível localizar o seu paradeiro.

O pagamento e a entrega do instrumento

  • 30 BPE - Cód. CXXXII/1-8, Fl. 11v. “Agosto 1741 – Pagou-se a Felipe da Cunha à conta do órgão que está (...)

40O modo como se processou o pagamento do órgão para Cástris foi idêntico ao dos restantes contratos que tenho encontrado: faseado, dividido em 3 vezes30.

  • 31 Contrato encontrado pela autora que será apresentado oportunamente.

41Quanto à entrega do instrumento e assentamento no local, na maior parte dos casos encontrados, o órgão é feito na oficina do organeiro e depois transportado para o local. A título de exemplo, o órgão feito por Leandro José da Cunha para Fronteira, no Alentejo, em 1785, foi construído em Lisboa. O contrato especifica que será chamado um examinador entendido no ofício, antes do órgão começar a ser transportado, para se poder apurar eventuais danos ocorridos durante a viagem31.

  • 32 brandão, Domingos de Pinho (Bispo auxiliar do Porto). Obra de talha dourada, ensamblagem e pintura (...)

42No caso do órgão de S. Pedro de Arouca, o instrumento foi feito em Lisboa e foi o mestre organeiro quem ajustou toda a obra com outros ofícios: caixa, bacia, talha e órgão32. O custo total do órgão foi 4.300$000 mas 950$000 foram para a caixa e bacia tendo o órgão e tudo o que lhe pertence ficado em 3.350$000.

43Na maior parte dos casos encontrados os elementos da planificação do órgão são fornecidos pelo cliente. Há casos em que o risco (desenho) da caixa é assinado pelas freiras ou frades.

Catálogo provisório das Oficinas Cunhas

44Para que se possa ter uma ideia do tipo de construção destes organeiros e imaginar melhor o órgão que estaria no coro de cima de São Bento de Cástris, junto o catálogo provisório dos instrumentos da oficina dos Cunhas, detectados até 2009.

45As encomendas são provenientes de diversas regiões do país e de diversos tipos de cliente. A comparação com os catálogos de outras oficinas sediadas em Lisboa poderá esclarecer melhor as zonas de influência de cada um, se é que as tinham ou se são outros factores a determinar a escolha e quais.

46Repare-se que ainda temos entre nós 6 instrumentos para estudar a construção da 1.ª metade do século XVIII.

  • 33 Não é da oficina CUNHA. É uma transacção. João surge neste negócio a vender o órgão Arp Schnitger. (...)
  • 34 No abreviador do órgão existe a seguinte inscrição: “Cunha o fez em Lxª. Anno de 1761 nr. 48 “. O N (...)
  • 35 António Simões atribui este órgão, com um ponto de interrogação, a Felipe da Cunha. Sabemos hoje qu (...)
  • 36 Data do contrato. Pedem que seja igual ao órgão da Igreja de S. Domingos, de Lisboa. Não sabemos se (...)
  • 37 Não pode ser de João da Cunha porque já morreu. Deve ser de Leandro José.
  • 38 Idem.

Data

N.º do órgão (OPUS)

autor

Local onde se encontra ou se conheceu

N.º total

Fontes

1737

FC

Braga – Instituto Monsenhor Airosa

1

D

1741/

1742

FC

Évora – Convento de S. Bento de Cástris. (Desaparecido)

2

L

1744

FC

Belas – Igreja Paroquial

"Phelipe da Cunha o fez em Lisboa no

anno de 1744."

3

B

1745

JC

Torres Vedras – Centro de Apoio Social de Runa

4

A, C

1748

JC

Almada – S. Paulo

5

B

1752

N.º 22

JC

Santarém/Almeirim – Igreja de São João Batista

6

H

1752

_

JC

Brasil/Mariana - Órgão Arp Schnitger da Sé de Mariana33

_

I

1754

JC

Santarém/Almeirim – Igreja Matriz

7

A

1756

JC

Lisboa – Igreja de Santo António/Santuário

8

H

1756

JC

Lisboa – Santa Igreja Patriarcal

9

J

1761

N.º 18

(ou N.º4834?)

FC35

(JC/LJC)

Lisboa – Igreja Paroquial de S. José

10

D

1761

N.º 49

JC

Madeira/Ponta do Sol – Igreja de N.ª Sr.ª da Luz

11

E

1775

LJC

Açores/Graciosa – Igreja de N. S. do Guadalupe

12

F

1781

LJC

Madeira/Funchal – Recolhimento do Bom Jesus

13

E

178336

LJC

Portalegre - Igreja Matriz de Fronteira.

14

G

1784

JC37

(LJC)

Faro – Igreja de S. Pedro

15

D

1785

LJC

Tavira - Misericórdia

16

G

1788

JC38

(LJC)

Faro – Igreja do Carmo

17

D

Legendas/autor: FC (Felipe da Cunha), JC (João da Cunha) e LJC (Leandro José da Cunha).

47MELOTECA – Sítio da Música e Artes, dirigido pelo Dr. António José Ferreira: http://www.meloteca.com (consultado em 28.04.2007).

48“CUNHA (João da)” in VIEIRA, Ernesto. Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes – Historia e Bibliographia da Musica em Portugal, Lisboa, Lambertini, 1900, Vol. I, pp. 372-373.

49AZEVEDO, Carlos de. Baroque Organ-Cases of Portugal, Amsterdam: Uitgeverij Frits Knuf, 1972.

50SIMÕES, António (Lista dos restauros efectuados): http://www.antoniosimoes.eu/​asimoes_organaria_autores.html (consultado em 2003 e Nov/2014)

51DODERER, Gerhard; MACHADO, Dinarte. Órgãos das Igrejas da Madeira, Funchal, DRAC, 2009.

52DODERER, Gerhard; MACHADO, Dinarte. Inventário dos órgãos dos Açores, Açores, P.G.R.D.R.C., 2012.

  • 39 Fonte que apresentarei no estudo monográfico que refiro na nota 1.

53Contratos encontrados por Ana Paula TUDELA39.

54http://www.monumentos.pt/​Site/​APP_PagesUser/​SIPA.aspx?id=3143 (consultado em 10/Mar/2013 e Nov/2014).

55ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO-LISBOA - Rio de Janeiro – Documento nº 16.329. Citado em Marco Aurelio BRESCIA. Difusão e aclimatação do órgão ibérico na América portuguesa entre os séculos XVI e XVIII (Nota 18). http://www.rem.ufpr.br/​_REM/​REMv14/​08/​difusao_e_aclimatacao.html (consultado em 10/Mar/2013 e Nov/2014).

56ANTT – PATRIARCAL / IGREJA E FÁBRICA, Administração Geral, Maço 1, Cx 1 – Macete (doc. 403). Fatura do organeiro João da Cunha (240$000).

57BPE - Cód. CXXXII/1-8.

Reflexões Finais

58Embora existissem tratados sobre o órgão ideal durante o período Barroco e directrizes de Roma acerca da prática musical, o certo é que se desenvolveram especificidades locais. Temos que as entender primeiro antes de estabelecermos comparações com as outras realidades.

59Diz o P.e Manuel Valença, na p. 95 da sua obra “O Órgão na História e na Arte”, a propósito de um comentário feito por um autor holandês que denomina “A.”, acerca das 6 misturas do órgão de S. Vicente de Fora, construído por João Fontanes Maqueira, em 1765:

  • 40 Sublinhado da autora.

Para conhecedores na matéria os esquemas são elucidativos da particularidade das composições, mostrando que os organeiros seguiram mais o gosto e a intuição40 de que as regras dos tratados.

  • 41 BNP/Reservados - Cartas de José Correia de Abreu, Caixa 41, N.º 7. Sublinhado da autora.

60Temos notícia de um exemplo da especificidade local, na 1.ª metade do séc. XVIII ou talvez anterior. Para a sagração da Basílica de Mafra, em 1730, que deveria ter 6 órgãos mas ainda só tinha 3 (cujo autor desconhecemos), foram encomendados 3 instrumentos a Itália para completar o conjunto. Nas cartas de José Correia de Abreu, encarregue de fazer o negócio, seguiu a recomendação de que “algum mestre remedeie o defeito de serem os órgãos de lá (Itália) meio ponto mais baixo que os de cá (…)”41.

61Outra fonte preciosa que precisa de ser levantada e trabalhada é o contrato, no qual é frequente encontrar explícito o gosto do cliente. No conjunto que já tenho levantado o tipo de pedidos que têm aparecido com mais frequência são a invocação do estilo “moderno” e referências a outro órgão como exemplo.

62Até encontrarmos o contrato do órgão novo para o coro de cima do convento de Cástris só podemos imaginar como seria. Entretanto, podemos tentar encontrar referências à prática musical das freiras na documentação do convento, ou à eventual manifestação da sua preferência por um instrumento em particular, existente à época noutro templo.

Notes

1 Estas fontes serão apresentadas num estudo monográfico sobre os organeiros Cunhas que estou a redigir.

2 Arquivo Nacional Torre do Tombo (ANTT) – Registos Paroquiais de Lisboa, Freguesia de S. José, livro 7 de Batismos, fl. 78v. (PT-ADLSB-PRQ-PLSB45-001_B7_m0757).

3 Cf. brescia, Marco, L'école Echevarría en Galice et son rayonnement au Portugal, Paris, Université Paris IV - Sorbonne, École Doctorale V, 2013 (Thèse doctorale en Musicologie).

4 costa, Leonor Freire, «Methuen e a rivalidade franco-britânica» in Pedro lains e Álvaro ferreira da silva (org.), História Económica de Portugal. 1700-2000 – O Século XVIII - Relações económicas com o exterior (Vol. I, Cap. 9), Lisboa, Imprensa das Ciências Sociais, 2004, pp. 282-283.

5 serrão, José, «O quadro económico» in José mattoso (dir.), História de Portugal, Lisboa, Circulo de Leitores, 1993, Vol. IV, pp. 102-109.

6 monteiro, Augusto Rodrigues, «O Antigo Regime (1415-1788)» in António Simões rodrigues, (dir.), História Comparada – Portugal, Europa e o Mundo, Lisboa, Círculo de Leitores, 1996, Vol. I, p. 416.

7 Não localizei a nomeação mas o Alvará de nomeação do filho refere que Felipe teve o lugar de afinador da Bemposta mais de trinta anos. Uma vez que faleceu em 1744 terá começado c. de 1710.

8 antt – Casa do Infantado, Livro de Registo de Alvarás, Cartas e Provisões, Livro 761, fl. 160v-161.

9 ANTT – Casa do Infantado, Livro de Registo de Alvarás, Cartas e Provisões, Livro 762, fl. 140.

10 Arquivo Histórico do Tribunal de Contas (AHTC) – Décima da Cidade de Lisboa, freguesia de São José (1762-1834).

11 Fonte que apresentarei no estudo monográfico que refiro na nota 1.

12 Biblioteca Pública de Évora (BPE) - Cód. CXXXI/2-21, fl. 28v: “12 de maio de 1742: foi a primeira vez que se tocou no nosso órgão novo do coro de cima a Calenda do Espírito Santo. Custou 550.000 réis e foi feito sendo abadessa D. Córdola Francisca, feitor o frei Francisco de S. Miguel e Cantor-mor D. Joana Micaela.” Agradeço à Dr.ª Antónia Fialho Conde a pesquisa efectuada nos códices do convento. Todas as referências feitas neste artigo a esta documentação foram possíveis devido à sua generosidade e ao seu espírito de partilha.

13 Ibidem.

14 BPE - Cód. CXXXII/1-8.

15 brandão, Domingos de Pinho (Bispo auxiliar do Porto). Obra de talha dourada, ensamblagem e pintura na cidade e na Diocese do Porto: documentação, (3Vol.s). Porto, Ed. Gráficos Reunidos, 1964. Vol. III, p. 359.

16 Ibidem, p. 419.

17 Ibidem, p. 245.

18 Ibidem, p. 510.

19 Ibidem, p. 718.

20 BPE - Códice CXXXII/1-17- Jan/Abril 1795, afinação do órgão.

21 BPE - Códice CXXII/1-10 – Set. 1751, fl. 19v.: limpar os órgãos do Coro e em chumbo para os ditos órgãos; Códice CXXII/1-13 - Em 1779, fl. 80v.: envernizamento do órgão.

22 BPE - Códice CXXXII/1-21 – Nov. 1808, fl. 30, canudo grande para o órgão do Coro de cima.

23 BPE - Códice CXXXII/1-23 – Junho 1813 (depois das invasões), fls. 4, 7: conserto do órgão, composição do órgão.

24 BPE - Códice CXXXII/1-24, set/out. 1816, fl. 7: composição do órgão; Jan/Abril 1817, conserto do órgão; maio/agosto, fl. 16, conserto do órgão; Códice CXXXII/1-26 – set/dez 1824, fl. 27, conserto e afinação do órgão.

25 BPE - Códice CXXXII/1-4, Julho 1728: obras no órgão do coro de baixo (fl. 50v.); Setembro 1728, fechaduras para o órgão (52v.).

26 BPE - Códice CXXII/1-15 - Em 1786 (Junho/agosto) (fl. 7) refere-se o órgão para o Coro de baixo: 250.000 réis.

27 BPE – Ibidem, fl. 62: pintor que pintou e fingiu de nogueira as portas das tribunas para a Igreja e lavrou os remates e pirâmides do órgão do coro de baixo, em que gastou 6 libras de ouro. (O sublinhado da nota é da autora).

28 ANTT – Arquivo Histórico do Ministério das Finanças/Extinção das Ordens Religiosas/Ordem De Cister / St.ª Maria De Alcobaça/ 3.ª Incorporação: Convento de S. Bento de Cástris, Ordem de S. Bernardo: Relação dos paramentos, alfaias, vasos sagrados, painéis e mais objectos do Culto divino, pertencentes ao espolio do extinto Mosteiro de S. Bento de Castris extra-muros d’Évora, requisitados pelo delegado de S. Ex.cia Rvd.ma o Sr. Arcebispo Titular [de Perga], coadjutor d’Évora. CX 1927, Capilha 5, doc. 101.

29 ANTT – Ibidem, Capilha 4, doc. 70.

30 BPE - Cód. CXXXII/1-8, Fl. 11v. “Agosto 1741 – Pagou-se a Felipe da Cunha à conta do órgão que está fazendo – 96.000 rs”; Fl. 15 “Outubro de 1741 – Pagou-se a Felipe da Cunha à conta do órgão – 57.600 rs”; Fl. 79 “Março 1744 – Pagou-se a Felipe da Cunha todo o resto do órgão que fez – 396.400 rs”.

31 Contrato encontrado pela autora que será apresentado oportunamente.

32 brandão, Domingos de Pinho (Bispo auxiliar do Porto). Obra de talha dourada, ensamblagem e pintura na cidade e na Diocese do Porto: documentação, (3Vol.s). Porto, Ed. Gráficos Reunidos, 1964. Vol. III, p. 359.

33 Não é da oficina CUNHA. É uma transacção. João surge neste negócio a vender o órgão Arp Schnitger. O recibo da transacção está reproduzido na Tese de Doutoramento de Marcelo Martiniano Ferreira, “Arp Schnitger: dois órgãos congêneres de 1701, suas destinações actuais e características técnicas”, Niterói, 1991 e no artigo de Marco Aurelio BRESCIA, “Difusão e aclimatação do órgão ibérico na América portuguesa entre os séculos XVI e XVIII” in Revista Eletrônica de Musicologia, Volume XIV - Setembro de 2010 (http://www.rem.ufpr.br/_REM/REMv14/08/difusao_e_aclimatacao.html#_edn1). Sobre este assunto, Cf. também João Pedro ALVARENGA, “O Órgão da Sé Catedral de Faro” in Rui PAIVA, Dieterich Buxtehude (1637-1707), CD gravado em 2007.

34 No abreviador do órgão existe a seguinte inscrição: “Cunha o fez em Lxª. Anno de 1761 nr. 48 “. O N.º 18 poderá ser uma gralha na lista de António Simões. Faz mais sentido que seja o N.º 48 uma vez que o N.º22 foi construído nove anos antes e no mesmo ano (1761) existo o N.º 49.

35 António Simões atribui este órgão, com um ponto de interrogação, a Felipe da Cunha. Sabemos hoje que tal não é possível porque este morreu em 1744. Nesta data o mestre da oficina é João, que não se encontrava bem de saúde vindo a morrer no ano seguinte. É, portanto, natural que o filho, Leandro José, estivesse a assumir alguns trabalhos e que a assinatura “Cunha”, sem o primeiro nome do mestre, fosse um modo de assinar pela oficina.

36 Data do contrato. Pedem que seja igual ao órgão da Igreja de S. Domingos, de Lisboa. Não sabemos se foi entregue porque o órgão ainda não foi localizado.

37 Não pode ser de João da Cunha porque já morreu. Deve ser de Leandro José.

38 Idem.

39 Fonte que apresentarei no estudo monográfico que refiro na nota 1.

40 Sublinhado da autora.

41 BNP/Reservados - Cartas de José Correia de Abreu, Caixa 41, N.º 7. Sublinhado da autora.

Table des illustrations

Titre Fig. 1 – Assento de baptismo de António, filho mais novo de Felipe da Cunha.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2184/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 2 – As três gerações de organeiros Cunhas
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2184/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Fig. 3 – Localização da oficina dos organeiros Cunhas.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2184/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Fig. 4
Crédits Fotos 1, 2 e 3 cedidas à autora pelo Eng. Francisco Falcão.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2184/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 492k
Titre Fig. 5 - Órgão de Felipe da Cunha, 1737, Braga/Inst. de Monsenhor Airosa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2184/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Fig. 6 - Igreja de São João Baptista, em Almeirim, João da Cunha, 1752, nº 22
Crédits Foto de António José Ferreira
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2184/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 20k

Auteur

Investigadora independente, centrada nos estudos da musicologia, numa relação directa com a produção instrumental, com especial destaque para os organeiros

© Publicações do Cidehus, 2016

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

Chargement

Unavailable