Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Do Espírito do Lugar - Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
António Camões Gouveia

2. Expressões de religiosidade versus espaço claustral

Frei Pedro da Cruz e o pintor fresquista José de Escovar: uma relação de trabalho em São Bento de Cástris em Outubro de 1605

Vitor Serrão

Résumé

Despite the changes it underwent over the centuries, the old Cistercian Monastery of S. Bento de Cástris preserves an important historical and artistic legacy. We know that in 1605, during Abbess D. Mécia de Melo's term of office, the monastery’s Refectory was decorated with frescoes painted by José de Escovar, one of the most active artists in the Archdiocese. This work, which has already been praised by Túlio Espanca, represents the Months of the Year, themes from the Zodiac and the Astral Calendar, inspired by Mannerist engravings made in Antwerp. Escovar painted numerous sanctuaries and chapels in the Alentejo between 1583 and 1622, probably due to the strength of his decorative scenography, and despite the general naïveté of his style. In this case, we can appreciate a programme with a cosmological, allegoric and symbolic nature that was materialized using stuccoes and mortars and resulted in a coherently designed and iconographically enlightened whole. In São Bento de Cástris there are other frescoes painted by different authors in the early 17 th century.

Apesar das modificações sofridas ao longo dos séculos, o antigo Mosteiro cisterciense de São Bento de Cástris preserva um acervo patrimonial e artístico de importância. Sabemos que em 1605, tempo do abadessado de D. Mécia de Melo, o Refeitório de São Bento de Cástris será afrescado por José de Escovar, um dos pintores dessa modalidade mais activos na Arquidiocese. A obra, que mereceu já a Túlio Espanca palavras de encómio, representa os Meses do Ano, temas do Zodíaco e Calendário Astral e traem inspiração em gravuras maneiristas de Antuérpia. Activo entre 1583 e 1622, Escovar intervém em numerosos santuários e capelas alentejanas, estima-se pela força da sua cenografia decorativa, pese a geral ingenuidade do seu estilo. Neste caso, admira-se um programa de teor cosmológico e alegórico-simbólico associado a estuques e obra de massa, tudo coerentemente pensado e iconograficamente esclarecido. Existem outros frescos do início do século XVII em São Bento de Cástris, que se devem a  'mão ' diferente.

Note de l’auteur

Este texto é parte da comunicação apresentada em 20 de Setembro de 2013, com o título «A alegoria aos Meses por José de Escovar em S. Bento de Cástris e o fresco maneirista eborense», ao colóquio Residência Cisterciense em São Bento de Cástris – o Silêncio, organizado por Antónia Fialho Conde.

Texte intégral

1A História da Arte, ciência de metodologias plurais, fruições imensas e acumulação de saberes, faz-se com a análise dos pormenores, por ínfimos que sejam, desde que possam iluminar o conjunto de problemas que as obras de arte são, sempre. Nas pesquisas realizadas no âmbito do projecto PRIM ’ART - Redescoberta da Pintura Mural em Portugal. Estudo Histórico e científico do Arquiespiscopado de Évora (1516-1615) (refªs PTDC/CPC-EAT/4769/2012; FCOMP-01-0124-FEDER-028511), em que o velho Mosteiro de São Bento de Cástris, perto de Évora, foi um dos espaços analisados, pude estudar melhor as interessantíssimas pinturas murais que cobrem o Refeitório das monjas cistercienses e apurar não só a sua autoria, como o encomendante da obra e, ainda, o significado do programa iconográfico-simbólico aí desenvolvido.

2Esse importante projecto de investigação Prim’Art, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e pelo FEDER e coordenado por Milene Gil, permitiu rever e dar perfil multi-disciplinar de análise à riquíssima produção de pintura mural eborense, e envolvendo o Laboratório Hércules da Universidade de Évora, o centro ARTIS-IHA da Faculdade de Letras de Lisboa e outras entidades. Naturalmente, esta decoração do refeitório de São Bento de Cástris foi constituída como um dos vários 'casos de estudo' a analisar no quadro desse programa integrado de estudos.

3Datada de 1605, a cobertura desse espaço destinado às refeições da comunidade de freiras bernardas representa, numa espécie de ciclo narrativo em quadri riportati desdobrados ao longo da superfície abobadada, um programa absolutamente incomum na iconografia artística portuguesa: trata-se de uma vasta alegoria cosmológica dedicada aos Meses, às Estações do Ano e aos Elementos, simbolicamente tratados, cada um, em quadro específico da abóbada, tudo centrado numa representação tutelar de São Bernardo que decora o eixo. O efeito geral é vigoroso, dotando o Refeitório de um largo poder cenográfico que quase esconde a ingenuidade de recursos do artista envolvido. 

  • 1 Conhecem-se nomes de vários discípulos e colaboradores seus, como Manuel de Araújo, João de Moura, (...)

4Trata-se de obra cuja autoria se deve ao fresquista eborense José de Escovar, como o mostra o seu estilo, inquestionavelmente afim a muitas outras realizações desse prolixo artista. O pintor em causa, com oficina na Rua do Raimundo em Évora, teve profícua actividade como fresquista um pouco por toda a Arquidiocese, trabalhando ininterruptamente, entre 1585 e 1622, à frente de um atelier com vários colaboradores de quem hoje se conhecem os nomes, fruto das nossas pesquisas, o que explica as variações de nível que muitas vezes se percebem na produção desta oficina e leva muitas vezes os historiadores de arte a referirem-se a uma nebulosa Escovar1.

5Sabe-se hoje que estas décadas de transição do século XVI para o XVII foram tempo de abundância de trabalho para os fresquistas eborenses, como não sucedeu em nenhuma outra cidade portuguesa do tempo. Escovar pintou capelas-mores e naves de igrejas, salões de solares e palacetes, paredes de oratórios, coros e refeitórios de Conventos, salas de irmandades e confrarias, e outros espaços sacros e civis. Com uma linguagem simples mas apelativa pelo seu forte cariz cenográfico, José de Escovar ampliou os recursos e possibilidades da arte do fresco ao saber integrá-la num tipo mais ousado de ornamentação total, dentro de um estudado espírito de bel composto que tem longínquas raízes italianizadas. A decoração que fez em 1605 do Refeitório do Mosteiro de São Bento de Cástris, com uma alegoria profana aos Meses e Elementos, é bem sintomática desse espírito e dessa linguagem, que o artista desenvolveu em obras de fresco que estão hoje bem identificadas: tecto da Capela de São Lourenço da Sé (1597), Capela das Almas na matriz de Vila Nova de Baronia (1603), Sala do Despacho da Misericórdia de Montemor-o-Novo (1605), e outras.

6Tal como aqui sucede, sente-se o espírito romano da ars senza tempo aplicado às decorações da Arquidiocese no tempo dos Arcebispos D . Teotónio de Bragança (1578-1602), D . Alexandre (1602-1609) e D . José de Melo (1609-1633), com feliz associação do fresco aos stucchi, esgrafitos e azulejos fingidos, como sucede na igreja de São Brissos, verdadeira pinacoteca do novo hagiológio eborense (São Brissos, São Jordão, Santas Comba e Inonimagta, etc), que o mesmo Escovar pinta, com colaboradores, e que trai essa ‘linguagem total’, a lembrar com as devidas distâncias alguns espaços sacros da Roma do tempo de Sisto V. Foi esse gosto tridentino adaptado ao Alentejo, que se situa dentro de uma tipologia «reformada» (ou «contra-maneirista») com maior alinhamento a um espírito neo-antigo, que extrapolou o papel das várias modalidades artísticas, situadas dentro daquilo que exigiam os valores de decorum católico, atribuindo-lhes um papel de globalidade cenográfica, ou seja, um papel de «obra de arte total» inteligível pelas comunidades.

  • 2 Alessandro Zuccari, I Pittori di Sisto V, Roma, 1992; Nicole Dacos, Viaggio a Roma. I pittori europ (...)

7Tal contributo - uma novidade no panorama artístico eborense - já se atesta no programa com que D. Teotónio de Bragança mandou afrescar a cobertura da Capela gótica de São Lourenço no transepto da Sé, que José de Escovar pinta em 1597, recorrendo a esse gosto neo-constantiniano. É um bom exemplo desse gosto teotonino: uma composição de stucco e fresco com molduras de obra de massa relevada envolvendo quadri riportati afrescados em que se desenvolve uma narração apologética da vida e martírio do santo, de forte tónus didascálico. Assim se decorava em Roma no final do século XVI nas decorações papais afrescadas por Cesare Nebbia, Giovanni Guerra, Niccoló Pomarancio ou Giovan Battista Ricci da Novara2!

8No caso do Refeitório de São Bento de Cástris, o pintor utilizou a espacialidade da grande abóbada estucada com uma estrutura geometrizante para distribuir os quadri riportati e desenvolveu um programa extenso e de largueza cenográfica onde tomou como modelo a série de gravuras da autoria de Crispin de Passe (segundo desenhos de Maerten de Vos) que representam Meses e alegorias cosmológicas, ainda que com dose de liberdade e de simplificação. Pode ter havido recurso a outras estampas, algo que ainda não foi plenamente dilucidado. O resultado é feliz, na sua eficácia e na sua simbologia de apego aos valores do trabalho agrícola e de um certo bucolismo rural que destaca a vida feliz do campo, uma aurea mediocritas pintada em tons alentejanos.

  • 3 Túlio Espanca, Inventário Artístico de Portugal. Concelho de Évora, Lisboa, Academia Nacional de Be (...)

9Deve dizer-se, entretanto, que São Bento de Cástris conserva outros testemunhos de pintura fresquista. Alguns são do mesmo Escovar, como a abóbada da nave da igreja, com figurinhas de anjos (em parte repintados no fim do século XVIII), e de uma cobertura de passagem na ala norte do claustro. Outros são de pintores diferentes, como é o caso do excelente Calvário, acompanhado de São Sebastião com freira orante, no topo do corredor da antiga Enfermaria, que se atribui a Giraldo Fernandes de Prado e têm similitudes muito íntimas com os frescos da Sala de Diana no Palácio dos Condes de Basto. No topo do refeitório de que vimos tratando, enfim, o espaço que serviu de altar mostra também a presença de um ‘retábulo fingido’ a fresco3, infelizmente muito destruído, com as cenas da Última Ceia ao centro, a Ceia de Emaús à esquerda, as Bodas de Canaã à direita e uma cimalha com anjos, obra coeva mas da responsabilidade de um artista diferente, mais qualificado que José de Escovar pelo bom desenho e largueza compositiva que revela (as sinopie são visíveis e nelas se atesta a finura de debuxo com que o anónimo artista marcou o espaço antes de proceder à pintura). Ignora-se ainda quem possa ter sido o fresquista responsável por esta fina decoração mural, cujo estilo não corresponde ao de nenhuma outra obra até ao momento identificada.

10Um documento notarial recém-descoberto e adiante transcrito confirma que José de Escovar estava a pintar em São Bento de Cástris, corria o mês de Outubro de 1605, sendo Abadessa D. Mécia de Melo. Segundo essa documentação inédita, ficamos a saber, também, que o pintor seguiu um programa delineado ao pormenor. É de crer que utilizasse as gravuras maneiristas flamengas citadas e uma ideia previamente discutida com abadessa e procurador da obra. Os temas pintados no tecto distribuem-se assim, do topo do espaço para a parede do altar, com as seguintes inscrições apostas:

OTONO

IVNHO

ESTIO

(V)ERAO

MAIO

INVERNO

(Outubro?)

ABRIL

(Setembro)

NOVEMBRO

S. BERN

AGOSTO

DZEMBRO

MARÇO

IVLHO

AGVA

FEVEREIRO

VE(n)TO

TERRA

JANEIRO

FOGO

11Estando a obra datada (1605) e esclarecida estilisticamente a autoria, o facto que continuava a constituir engulho para todos, e tema de esforçadas elocubrações sem solução à vista, era a presença de um misterioso monograma na cimalha no topo do refeitório, junto ao brasão afrescado dos encomendantes. Essas dúvidas, colocadas já desde a primeira notícia de Túlio Espanca no seu Arrolamento das Freguesias Rurais (Câmara Municipal de Évora, 1957), era a presença, no topo deste refeitório, do monograma F.Pº +pintado junto ao escudo armoriado dos Melos e à data de 1605, o que se imaginou pudessem ser iniciais de pintor - coisa estranha, sendo José de Escovar, seguramente, o autor dos frescos... 

  • 4 A.D.E., Cartório Notarial de Évora, Lº. 333 de Notas de Domingos Pires, fls. 191-193.

12Pois não é que se apura agora que esse monograma corresponde ao nome do feitor-procurador das monjas, Frei Pedro da Cruz, que foi responsável pelo programa iconográfico dado a fazer ao Escovar? A releitura de um certo documento de 8 de Outubro de 16054, um contrato de Dona Mécia de Melo, Abadessa de São Bento de Cástris e demais freiras, sendo presente ao acto o pintor José de Escovar, ora estante e trabalhando no Mosteiro, conduziu à verificação desse dado, permitindo confirmar não só a autoria (para a qual o estilo apontava) mas identificar com segurança, também, o feitor-programador da obra!

Saibão quamtos esta carta de nota pera sempre virem que no ano do nacimento de noso senhor Jesu Christo de mill e seiscentos e sinqo anos aos oito dias do mes de outubro do dito ano no termo da cidade d’ evora dentro no musteiro de são bento de castres que he das freiras da hordem do gllorioso São bernardo na casa do llucatorio delle estando hi das grades adentro presentes e iuntas chamadas per som de campa tangida segundo seu antigo e Relligioso uso as devotas e Relligiosas madres convem a saber dona mecia de mello abadesa lluzia sillveira prioresa, simoa da esperansa deputada, ana pais bollseira, dona maria ffallcoa escrivã e outras todas ffreiras proffesas naturais comvemtuais discretas cha [sic] todas ffreiras proffesas naturais conventuais discretas chamadas em ho dito mosteiro e bem asi estando presente ffrei pedro da crus ffeitor do dito musteiro Relligioso da hordem do gllorioso São bernardo e lloguo por ellas madres abadesa e mais Relligiosas e pello dito padre ffrei pedro ffoi dito peramte mim taballião e testemunhas ao diante nomeadas que elles vendião e outorguão de venda deste dia pera todo sempre a manoell iorge avoo [ ? ] de Rui casco de mello que presente estava hua vinha que esta no termo desta cidade d’evora no posto de gouvea que ora esta ffeita panasqueira e muito denefficada que parte de hua parte com o padre Simão Ramos e da outra parte com manoell Ramalho carpinteiro a quall vinha se fforra llivre isenta de toda a divida ipoteca e obriguasão desobriguada, e pertence a ellas ditas madres abadesa e Relligiosas e seu musteiro por ser pera dote de maria da encarnasão Relligiosa proffesa do dito musteiro que pera ese eff [ eito ] [ ... ]e pera o dito musteiro a vender e Receber o dinheiro della pera ho dote da dita Relligiosa e comprimento delle, a quall vinha ora asi lhe vendião ellas ditas madres abadesa e Relligiosas ao dito manoell iorge que presente estava e a maria Rodrigues sua molher e pera todos seus herdeiros e sobcessores que pos elles vierem por fforra llivre e desobriguada de toda a divida ipoteca e obriguasão e por preso e contia de quarenta mill reis em pas e em sallvo da sisa e mais custos pera ellas ditas abadesa e Relligiosas e seu musteiro os quais quarenta mil reis lloguo hi peramte mim taballião e testemunhas ao diante nomeadas ellas madres abadesa e Relligiosas e o dito padre ffrei pedro da crus contarão e reseberão da mão do dito manoell iorge comprador per hua soma de moedas de prata em estes Reinos correntes em que depois de bem contados disserão aver a dita contia iusta inteiramente sem ffalta nem deminuisão allgua e se ouverão dos ditos quarenta mill reis preso desta venda ellas madres abadesa e mais Relligiosas por bem paguas entregues e satisffeitas e derão delles por quite e llivre d’ oie pera todo sempre ao dito comprador e a seus bens e herdeiros e quiserão porem mandarão e outorguarão que elle comprador e todos seus herdeiros e sobcessores que pos elle vierem e sobcederem daqui em diante pera sempre aião llogrem llivre e isentamente a dita vinha com todas suas emtradas saidas direitos pertensas e serventias e llogradouros uso e ffruito ffasendo della e em ella livremente o que lhes aprouver como de cousa sua propria isente he com seu dinheiro comprada renunciando llogo de si ellas madre abadesa e Relligiosas e de seu musteiro em elle comprador em seus sobcessores toda a pose [...]direito ausão e propriedade que ateqi [sic] em a dita vinha tiverão e o dito seu musteiro teve e ao diamte por direito poderião ter e aver por quallquer [...]seia ou quallquer maneira ser pudese por mor abastansa do quall se constetuirão ellas vendedoras em nome do dito comprador a posuir por vertude desta venda que lhe ora asi della ffasião e por esta carta o ouverão lloguo por em pose reall corporall autuall civell e naturall que a posa tomar e tome por si ou por quem quiser tomar mão de sem mais outra hordem de iuiso nem autoridade de iustisa com a quall pose e propriedade lhes prometerão ellas ditas madre abadesa e mais Relligiosas em seu nome e de seu musteiro o terem manterem e em todo tempo lha livrarem e deffenderem e ffaserem segura llivre e depos de toda a divida briga embargo e comtradisão que lhe sobre ello seia ou ffor posto em parte ou em todo sob pena de lhe tornarem a compoor o dito preso em dobro com quanto em a dita vinha ffor ffeito e melhorado e a perda e dano que se lhe a elle comprador ou a seus herdeiros por ello seguirem com as custas e despesas que ffiserem sob hobriguasão de todos os bens e rendas do dito seu musteiro que pera ello obriguarão e que toda a sobredita pena llevada ou não llevada que todavia esta venda e carta della seia ffirme e valliosa se cumpra e guarde aia e tenha seu imteiro e reall effeito como nella se comtem e em testemunho de verdade outorguarão e mãodarão ser ffeito esta e muitas cartas que elle comprador em si em seu nome e de seus herdeiros e sobcesores aceitou e eu taballião como pesoa pubriqua estipullante e aceitante ho estipullei e aceitei em nome dos ausentes a que esto comvem convir tocar pertencer pode e lloguo hi pello dito comprador ffoi mostrado a mim taballião hua certidão de ffernão gonsallves cogominho ffidallgo da casa dell Rei noso Senhor [...] e iuis pela hordenasão nesta cidade por elle asinada e por cristovão iacome depositario dos bens de rais e por diogo de brito escrivão que a ffes de como tinha pago os direitos desta compra a ell Rei noso senhor da quall o tresllado de verbo ad verbum he o seguinte. Item. Fernão gonsallves cogominho ffidallgo da casa dell Rei noso Senhor vereador mais velho e iuis pella hordenasão nesta cidade d’ evora e seu termo etc. ffaso saber aos que esta certidão virem que no llivro das sisas adonde se escrevem os bens de rais esta hum asento as ffolhas setenta e nove de que o tresllado he o seguimte: Aos seis dias do mes de outubro de mil e seis centos e sinqo anos nesta cidade d’ evora nas casas das sisas tavolla della pareceo manoell jorge avoo [?] de Rui casco de mello morador nesta dita cidade na Rua do cano e disse que comprava hua vinha isenta que esta no termo desta mesma no citio de gouvea pello caminho de pavia a prioressa e mais ffreiras do musteiro de São bento desta dita cidade extramuros della por preso e comtia de quaremta mill Reis de que pagou de mea sisa elle dito comprador por as vendedoras não deverem sisa do que venderem, dous mill reis os quais llogo Recebeo Cristovão iacome recebedor depositario dos bens de rais e sobre elle estão carreguados no dito llivro por termo por mim e por elle asinado pello que mando ao taballiam que esta carta ffizer treslade e encorpore toda esta certidão de verbo ad verbum sob as penas comteudas no Regimento a quall certidão vai por mim asinada e pello dito depositario e pello escrivão que esta ffes eu diogo de brito escrivão das sisas da tavolla por o [...] a ffis e asinei dia mes e era atras escrito pagou desta com o asento do llivro sesenta reis e d’ asinar nada / Cogominho / Cristovão iacome / diogo de brito / E mostrada e treslladada asi a dita certidão como dito he lloguo pellas ditas vendedoras e comprador ffoi dito que por virtude della aprovavão e ratefficavão esta venda compra e carta della em todo e por todo como se nella comtem semdo presentes por testemunhas dominguos pires sapateiro d’ obra prima e iose d’ escovar pintor moradores nesta cidade e eu ffellicio de bessa taballião que ho escrevi.

[aa.] Luzia Silveira prioresa / Dona Miçia de mello abbadesa / Simoa da esperança deputada / Ana paez bolseira / Dona Maria falcoa escrivã / Manoel iorge [...] / Frei Pedro da Cruz / Jose d’ escovar / Domingos Pires.

13São pormenores deste teor que alimentam o conhecimento sobre o nosso património artístico e, neste caso concreto, creditam a validade de um projecto de investigação como este, na busca de soluções para a reabilitação / funcionalização integral de um dos mais notáveis conjuntos monacais do Sul, para o qual tem de se encontrar financiamento de restauro e ulterior solução de utilizações. Em São Bento de Cástris a qualidade da arquitectura e das obras de arte estende-se à cerca de trinta e cinco hectares, e à paisagem onde as cores do poente são de púrpura e a grande cidade de Évora se espraia na linha do horizonte para nascente, com toda a sua pujança monumental, com as árvores do antigo horto das freiras bernardas, o mel que escorre, o musgo, as romãzeiras, as novas explorações agrícolas ressuscitadas pelo esforço de Aurora Carapinha e da Direcção Regional de Cultura, e o poder hierofânico do sítio, onde se misturam também pedras lavradas e decorações da arte, enfrentando sete séculos de História. Tudo se conjuga com uma imensa liberdade de saber, de ver - e de proteger, sabendo ver. Essa é a sabedoria primaz.

  • 5 Erik Dal e Povl Skárup, The Ages of Man and the Months of the Year. Poetry and Pictures Outlining t (...)
  • 6 Doro Levi, «The Allegories of the Months in Classical Art», The Art Bulletin, vol. 123, nº 4, 1941, (...)
  • 7 Perrine Mane, Calendriers et Techniques Agricoles (France-Italie, XII-XIII siècles), com prefácio d (...)
  • 8 Gorka López de Munaim, «Un calendário en el Speculum Humanae Salvationis. La iconografias de sus me (...)
  • 9 Fritz Saxl, «Macrocosmos y microcosmos en las pinturas medievales», in La Vida de las Imágenes. Est (...)

14Em termos iconográficos, os frescos da abóbada do Refeitório cisterciense têm acrescida valia: é que só se conhecem, quanto a programas artísticos existentes em Portugal com representação dos Meses e Estações do Ano, as iluminuras do chamado Livro de Horas de D. Manuel (M.N.A.A.), bem como um ciclo de telas seiscentistas de Baltazar Gomes Figueira e Josefa de Óbidos (colecções particulares), e uma rara série alegórica com Meses do Ano, de fins do século XVI, conservadas na Sé de Miranda do Douro. Nos frescos de São Bento de Cástris, a caracterização dos personagens associa a vivência rural de cada mês a atributos de trabalho e a detalhes paisagísticos pontualmente esboçados, num repertório formal que destaca os valores de harmonização do mundo e remete para o gosto dos Países Baixos e para a tradição da «pintura de género» flamenga do século XVI5. Sob esse ponto de vista, o ciclo dá cumprimento a esta tipologia de representação clássica em que cada Mês, identificado pelo seu nome latino, personifica uma figura mitológica com significações próprias à vivência de uma estação do ciclo anual do Calendário, sem deixar de destacar, em moldes neoplatónicos, valores fundamentais de humildade, trabalho e obediência, numa espécie de incentivo à meditação cristã e à moralização dos costumes. Estamos, assim, perante um conjunto de quadros devocionais no seu mais exacto sentido - uma iconografia com arcanas raízes históricas, cujas reminiscências são gentílicas e mergulham no mundo da Antiguidade Clássica, com exemplos relevantes na arte greco-romana e nos Livros de Horas medievais, e que se veio a desdobrar depois, em contexto cristianizado, noutras significações concomitantes ao longo da Idade Moderna6. Com o século XV, popularizaram-se os Livros de Horas, onde a referência aos Meses é constante; Las Très Riches Heures du Duc de Berry dos irmãos Pol de Limbourg, de 1413-1416 (Bibliothèque du Chateâu de Chantilly), constitui o exemplo mais conhecido e artisticamente mais aprimorado7. Merece referência, também, o calendário iluminado do Speculum Humanae Salvationis, de 1430, na Royal Library de Copenhaga8, dadas as suas explícitas relações com o Homo Signorum e os signos zodiacais para a interpretação imagética e simbólica do Calendário solar. O estudo deste último impõe que se cite a propósito a linha de pensamento do iconólogo Fritz Saxl, ao analisar as complexidades astrológicas e as relações com a astrologia no quadro de um renascimento consciente das cosmologias pagãs, que é cíclico e encontra adequada tradução em imagens9.

  • 10 Segundo António Rodrigues Mourinho, O Calendário da Sé Catedral de Miranda do Douro, Miranda do Dou (...)
  • 11 O autor prepara neste momento um grande estudo sobre o Calendário flamengo da Sé de Miranda, por co (...)
  • 12 António Rodrigues Mourinho, O Calendário da Sé Catedral de Miranda do Douro, Miranda do Douro, 2005 (...)

15Sobre o Calendário de Miranda, acima citado, trata-se de doze painéis a óleo sobre madeira, que representam um ciclo de alegorias aos Meses do Ano e mostram franca derivação de modelos da «pintura de género» de Antuérpia10. Constitui um bom testemunho da cosmologia imaginizada na arte do século XVI. As meias-figuras alusivas aos Meses são representadas com símbolos agro-pecuários e astrais, atributos do Zodíaco e outros elementos que remetem para reminiscências clássicas, em exercícios formais de bom desenho, a lembrar modelos reconhecíveis em obras de Pieter Brueghel o Velho, por exemplo, evocando festas propiciatórias e aludindo aos ciclos agrícolas benfazejos, a protecção contra calamidades como as geadas, as secas e as pragas de gafanhotos, e aos rituais de iniciação e de vivência comunitária. Impõe-se ainda, como bem se depreende, um estudo iconológico profundo destes quadros, a empreender11. O seu recente restauro atestou elementos formais e estilísticos que apontam para a autoria de Peeter Baltens (1527-1584), um colaborador de Brueghel I em Antuérpia, que deverá ser o responsável pela série. Trata-se de uma provável aquisição de D. Jerónimo de Meneses, 5º Bispo de Miranda (cargo que exerceu entre 1581 e 1592), sabendo-se que este prelado também ofereceu um painel de São Jerónimo para decoração das dependências capitulares12. Se é certo que estes pequenos painéis se inspiraram em modelos brueghelianos e também nos da gravura antuerpiana – caso das de Hendrick van der Broeck, muito difundidas na época – também é certo que o pintor lhes conferiu um carácter mais especificamente localizado, com citações da agricultura e da lavoura, da fauna e da flora, com alusões à astrologia. Dois antigos inventários da Sé mirandesa aludem a estes «retratos dos doze meses» entre a centena e meia de quadros, alguns deles de origem neerlandesa, que enriqueciam a pinacoteca capitular.

  • 13 Cf. Exposição Baltazar Gomes Figueira (1604-1674), «pintor que nos paízes foi celebrado», catálogo (...)
  • 14 Luís de Moura Sobral, «Meses», in catálogo da exposição Pintura Portuguesa do Século XVII. História (...)

16O tema é, em suma, deveras interessante sob o ponto de vista da História da Arte, não apenas pela qualidade intrínseca das pinturas analisadas no cenóbio eborense, mas também porque as Alegorias dos Meses (ou Calendários) são raríssimas na pintura portuguesa: além das iluminuras do chamado Livro de Horas de D. Manuel (M.N.A.A.), só conhecemos a notável série seiscentista de Alegorias dos Meses, dispersas por várias colecções particulares, pintadas por Baltazar Gomes Figueira (1604-1674), pai de Josefa de Óbidos13, com forte inspiração no naturalismo sevilhano, e o ciclo de frescos de 1605, do fresquista eborense José de Escovar, que decoram o Refeitório cisterciense de São Bento de Cástris, perto de Évora, os quais nos mereceram análise mais delongada, designadamente no que toca ao acerto autoral e à sua narração iconológica, com forte acento astrológico. É de lembrar que, como diz o historiador de arte Luís de Moura Sobral, «a posição central da Astrologia nos sistemas do pensamento científico e filosófico da Antiguidade, herdados e assimilados depois pelo Cristianismo, fez com que à representação das Estações e dos Meses se associem por vezes outros temas: exercendo os astros a sua influência sobre a totalidade do mundo físico, eles determinam não só as épocas do ano, mas também, segundo as correspondências estabelecidas no século II d.C. por Antíoco de Atenas, as fases da vida humana, os quatro elementos, os ventos, as qualidades e condições, os humores, os temperamentos e as cores»14. Poder-se-iam acrescentar outras relações temáticas que se intrometem no mesmo discurso, como reconhecem Cesare Ripa na Iconologia (Roma, 1593) e outros autores, caso das Sete Artes Liberais, as Partes do Corpo e as Virtudes que inspiram o comportamento dos homens.

  • 15 Laurinda Abreu, O Poder e os Pobres. As dinâmicas políticas e sociais da pobreza e da assistência e (...)

17Seguindo escrupulosamente o programa iconográfico gizado por Frei Pedro da Cruz, feitor das cistercienses, o fresquista inspirou-se, com assomo de ingenuidades formais e recorrendo a liberdades compositivas da sua lavra, em modelos de gravuras antuerpianas de Crispijn de Passe (c. 1564-1637) segundo desenhos de Maerten de Vos (1531-1603), transpondo para a realidade do trabalho rural alentejano as suas próprias visões alegóricas, absolutamente sui generis, sobre os Meses. É essa visão idílica de José de Escovar que se sobrepõe aqui a uma realidade sofrida num tempo em que os campos alentejanos eram flagelados por cíclicos surtos de peste e outras epidemias15. O ciclo pintado no refeitório das monjas parece associar-se, por isso, a uma subliminar intenção protectora das gentes simples, conformadas com um ideário cristão (tridentino, no caso) da ordem divina.

Notes

1 Conhecem-se nomes de vários discípulos e colaboradores seus, como Manuel de Araújo, João de Moura, Francisco António, Manuel Carvalho, Fernão Luís, Custódio da Costa e Luís de Escovar, entre outros. Cf., sobre o pintor: Túlio Espanca, «Notas sobre pintores em Évora nos séculos XVI e XVII», A Cidade de Évora, 13-14, 1947, pp. 109-213; idem, «Achegas Iconográficas para a História da Pintura Mural no Distrito de Évora». Évora: Cadernos de História e Arte Eborense – XXVIII, 1973; Vitor Serrão, O Maneirismo e o Estatuto Social dos Pintores Portugueses, IN-CM, 1983; idem, «Francisco Nunes Varela e as oficinas de pintura em Évora no século XVII», revista A Cidade de Évora, II série, nº 3, 1998-1999, pp. 83-172; idem, O Fresco Maneirista no Paço de Vila Viçosa, Parnaso dos Duques de Bragança (1540-1640), Caxias, Fundação da Casa de Bragança, 2008.

2 Alessandro Zuccari, I Pittori di Sisto V, Roma, 1992; Nicole Dacos, Viaggio a Roma. I pittori europei nel’500, Roma, Jaca Book, 2012.

3 Túlio Espanca, Inventário Artístico de Portugal. Concelho de Évora, Lisboa, Academia Nacional de Belas-Artes, 1966, pp. 291-293.

4 A.D.E., Cartório Notarial de Évora, Lº. 333 de Notas de Domingos Pires, fls. 191-193.

5 Erik Dal e Povl Skárup, The Ages of Man and the Months of the Year. Poetry and Pictures Outlining the Douze Mois figures, Motif mainly found in Sheperds Calendars and in Livres d’Heures (14th to 17th Century), Copenhague, Academie Royale des Sciences et des Lettres de Danemark, 1980.

6 Doro Levi, «The Allegories of the Months in Classical Art», The Art Bulletin, vol. 123, nº 4, 1941, pp. 251-91.

7 Perrine Mane, Calendriers et Techniques Agricoles (France-Italie, XII-XIII siècles), com prefácio de Jacques Le Goff, Paris, Le Sycomore, 1983.

8 Gorka López de Munaim, «Un calendário en el Speculum Humanae Salvationis. La iconografias de sus meses», Revista Electrónica Historias del Orbis Terrarum, nº 6, Santiago, 2011.

9 Fritz Saxl, «Macrocosmos y microcosmos en las pinturas medievales», in La Vida de las Imágenes. Estudios Iconográficos sobre el Arte Occidental, trad. da edição de 1957, Madrid, Alianza Forma, 1989, pp. 59-71.

10 Segundo António Rodrigues Mourinho, O Calendário da Sé Catedral de Miranda do Douro, Miranda do Douro, 2005, trata-se de pinturas flamengas do fim do séc. XVI, que seguem modelos de estampas antuerpianas conhecidas nessa época, como as de Hendrick van der Broeck, por exemplo. A representação de Alegorias dos Meses em Portugal é raríssima, como se disse, sendo de referir apenas os frescos (de 1605) do Refeitório de São Bento de Cástris em Évora, e a notável série de telas proto-barrocas de Baltazar Gomes Figueira (1604-1674), dispersas por colecções particulares.

11 O autor prepara neste momento um grande estudo sobre o Calendário flamengo da Sé de Miranda, por convite da Direcção Regional de Cultura do Norte e do Museu das Terras de Miranda.

12 António Rodrigues Mourinho, O Calendário da Sé Catedral de Miranda do Douro, Miranda do Douro, 2005, pp. 7 e 9-32.

13 Cf. Exposição Baltazar Gomes Figueira (1604-1674), «pintor que nos paízes foi celebrado», catálogo de Vitor Serrão, Jorge Estrela, Sérgio Gorjão, Museu de Óbidos, 2005.

14 Luís de Moura Sobral, «Meses», in catálogo da exposição Pintura Portuguesa do Século XVII. Histórias, Lendas, Narrativas, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, 2004, refª p. 118.

15 Laurinda Abreu, O Poder e os Pobres. As dinâmicas políticas e sociais da pobreza e da assistência em Portugal (séculos XVI‑XVIII), Lisboa, Gradiva, 2014.

Auteur

ARTIS-IHA-FLUL

Especialista internacional de renome na história da arte do Maneirismo e Barroco, com largos estudos percursores, inovadores e documentados, muitos deles com integração da história das artes em Évora.

© Publicações do Cidehus, 2016

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

Chargement

Unavailable