Desktop versionMobile version
OpenEdition Books

Do Espírito do Lugar - Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
António Camões Gouveia

1. O silêncio, a vivência do sagrado e a memória

Silêncio

Uma reflexão pessoal

José Alberto Gomes Machado

Abstract

Buscarei nesta breve abordagem entender e propor o silêncio, não como uma categoria da história das mentalidades e da espiritualidade medieval, mas como uma realidade profundamente actuante e actual, como actual continua o carisma das ordens religiosas que o praticaram e continuam a praticar, num mundo que já nada tem a ver com a Cristandade e muito pouco com o Cristianismo

This approach is aimed at understanding and proposing silence, not as a category of the history of medieval mentality and spirituality, but as a deeply effective and contemporary reality, as contemporary as the charisma of the religious orders who practised, and continue to practise it, in a world that no longer has anything to do with Christendom, and has little to do with Christianity

Full text

1O valor do silêncio é uma das chaves de leitura que permitem entender que o facto de continuar a haver, nos dias de hoje, cistercienses, trapistas e cartuxos é algo diferente de um fenómeno museológico, uma sobrevivência fora do tempo, ignorada pelo próprio tempo em que todos nós vivemos, que consumimos e nos consome.

2Quem, curiosamente, busca hoje firmeza e sentido no meio do turbilhão do quotidiano, acaba, mais cedo ou mais tarde, por deparar-se com o silêncio.

3Este silêncio de que falo não é uma ausência ou um vazio. Este silêncio é o espaço da escuta, a condição essencial da escuta. O espaço exterior está cheio de ruído. Ruído é vida e manifestação de muitos sentidos. Para que possa manifestar-se o sentido maior, é preciso calar esses outros ruídos e criar espaço interior. Também o coração está cheio de ruídos e de sentidos. Quando todas as vozes se calaram lá fora, continua o rumor no nosso coração. O silêncio está cheio de vozes e é preciso controlá-las para que possa escutar-se a Voz. Nada deve distrair o coração e a mente da busca da escuta dessa Voz. A oração é o espaço do encontro e do diálogo; não pode escutar-se Deus se os ruídos nos dominam e distraem, porque Ele não é um som mais a juntar-se à cacofonia das nossas preocupações. Ele não está no trovão ribombante, antes na brisa suave, que mal se ouve e mal se sente no meio da turbulência que agita o coração e a mente. É preciso, pois, criar o espaço e as condições deste silêncio propício, princípio activo de espera. E não se trata apenas de calar o discurso interior das nossas preocupações e ocupações…. No Colégio do Espírito Santo, da Universidade de Évora, na sala dita dos géneros literários, há um painel de azulejo que ostenta a legenda “Silentium Vocale”, ou seja, o silêncio das palavras. Esse painel apresenta várias outras formas de expressão, expressão não verbal, através dos signos, dos emblemas, das empresas, dos brasões, formas visuais de “falar”. Também essas manifestações perturbam o silêncio e distraem o espírito; também elas dificultam a criação do vazio temporário que a voz de Deus enche. Por essa razão, os cistercienses insistiam no despojamento das igrejas, para que nada perturbe a contemplação e a escuta. E a sua prática da Lectio Divina era e é pontuada de longos silêncios… para que a palavra de Deus possa ser ruminada (termo utilizado por um trapista contemporâneo) e degustada.

4O factor fundamental do silêncio é o tempo. O tempo psicológico, que não é o tempo do relógio; o tempo de Deus que não é o tempo do homem. Criar tempo para a oração, criar as difíceis condições para que o silêncio se faça é forçar o nosso tempo humano a ajustar-se ao tempo de Deus, o tempo do inesperado, o tempo onde se desenvolve um outro plano, numa duração e alcance que nos transcende e à nossa razão. Ora o silêncio é sobretudo o tempo da suspensão do primado da razão humana para deixar espaço a que se manifeste um sentido superior, que transcende o entendimento imediato, mas que atravessa esse silêncio, para se tornar presente e actuante na nossa vida. De um modo que nem sempre entendemos e que reclama de nós a confiança e a entrega, tal como fez a Virgem Maria, que aceitou sem compreender e confiou. Essa mesma Maria, que guardava tantas coisas no segredo do seu coração, figura tão presente na espiritualidade cisterciense e no horizonte sensível e mental de São Bernardo.

5Gostaria agora de introduzir duas vozes contemporâneas, a de um filósofo e a de um jovem religioso.

  • 1 Carlo Sini, Il silenzio e la parola,Génova, 1989; Id., Scrivere il silenzio: Wittgenstein e il prob (...)

Carlo Sini, nascido em 1933, é um dos mais prestigiosos filósofos italianos contemporâneos, tendo ensinado durante largos anos na Universidade de Milão, onde foi um dos mais altos expoentes da corrente fenomenológica. Autor de mais de 40 livros, ocupou-se especialmente da problemática do silêncio1. É deste último livro, que transcrevo um excerto:

Il silenzio di Dio è condizione e motivo di tutte le nostre considerazioni e decisioni circa la bontà dei principi, nonchè di tutti i nostri discorsi sul bene e sul male, la giustizia e l’ingiustizia, i premi e i castighi, l’al di là e l’al di quà, e cosi via.

Il silenzio, insomma, è il prezo per la nostra libertà. Ma stai atento: non il silenzio di questa o quella parola; piuttosto il silenzio stesso della parola e di ogni parola.

  • 2 Carlo Sini, Il gioco del silenzio, pp. 22-23.

È infatti nel silenzio e dal silenzio che l’io, il mondo e la parola emergono, tra loro originariamente uniti. Così come il mondo non è mai davanti a me, ma sempre mi circonda e mi attraversa, così come non faccio che vedere il mondo provenendo dal cuore del mondo, altretanto accade alla parola. Essa non parla se non dal silenzio del mondo e del silenzio del mondo: quel silenzio che è così raro e difficile sapere ascoltare. Sembra giusto dire che la virtù prima del filosofo non è la parola, bensi l’ascolto, non è la ragione expressa, ma la domanda silenziosa com il suo carico di angoscia e di stupore.2

6Abstraiamo-nos do conceito terrível do silêncio de Deus, que continuamente interrogamos e em cujos interstícios julgamos entender o que quase nunca conseguimos ouvir, surdos que somos e inaptos para o silêncio. Forçar esse silêncio, estropiar-lhe o sentido, projectar nele os nossos desígnios tão humanos pode trazer terríveis consequências, de que a História dá testemunho. Ao silêncio de Deus, faz contraponto o silêncio do mundo. A um e outro carregamos de sentido; aí surge o espaço da nossa liberdade; aí nasce o discurso sobre o bem e o mal. Realço as palavras finais do texto, carregadas de sentido e de beleza: “…a principal virtude do filósofo não é a palavra, mas sim a escuta, não é a razão expressa, mas a pergunta silenciosa, com a sua carga de angústia e de espanto.” E aqui se regressa do pensamento para a vida. Palavra, silêncio, escuta, questionamento, angústia, espanto, sentido, vida. Para o pensador italiano, o eu, o mundo, a palavra emergem do silêncio, unidos desde o início. Mas o monge que reza, no ermo, ou em comunidade, sabe que a palavra, o Logos, é anterior ao silêncio e está na origem do mundo: In principio erat Verbum

7A Palavra criou o mundo e eu estou no centro do mundo, que, como diz Sini, nunca pode ser exterior a mim. E assim, o próprio silêncio é posterior à palavra e abre-se à sua nova manifestação, silêncio como condição de mudança e de sentido.

8Mais ainda – o silêncio é condição da humildade, sinal de despojamento do homem para que o Outro possa falar. E a humildade, feita da noção de se ser terra, húmus, é a verdade radical, essência e pobreza, a realidade fundamental, sem adorno algum. A humildade é a verdade e o silêncio é sua condição. Não se trata aqui do vazio, mas da justa adequação ao real, princípio activo que propicia o sentido, a alegria e o encontro.

Introduzo agora as palavras simples de um jovem estudante de teologia, escritas propositadamente para este encontro. Para que a força do testemunho de vida possa enriquecer os frutos do pensamento; para que a prática se junte à teoria, pois que, mais que dissertar sobre o silêncio, importa ousar praticá-lo, torná-lo fecundo e desvendar-lhe o significado:

Para mim, falar de silêncio é falar de Deus também. O silêncio é acima de tudo o espaço da escuta. Quando queremos escutar e não apenas ouvir alguém que nos fala, precisamos fazer silêncio. Muito mais então quando queremos escutar Deus. É verdade que Ele às vezes grita aos nossos ouvidos, mesmo quando estamos no meio dos ruídos do mundo. Mas é no silêncio que me é dado ser mais capaz de escutar a voz de Deus. Porquê? Porque Deus é tão discreto, tão delicado e cuidadoso, tão respeitador da nossa liberdade de O podermos acolher ou rejeitar, que normalmente prefere sussurrar muito baixinho e lá bem no fundo da alma e do coração.

Se Deus nos gritasse muitas vezes em alta voz, então talvez até os mais teimosos ateus não teriam outra hipótese senão acreditar n’Ele. Mas esse gritar já não seria amor. Ao contrário, para escutar um sussurro, temos, não só que fazer silêncio, mas também que pôr atenção nesse silêncio. O silêncio é assim o nosso modo privilegiado de dizer a Deus “sou livre de escolher e escolho querer escutar-te, fala quando quiseres, que eu estarei em silêncio.” E assim, quando Deus vê um homem em silêncio atento e paciente de escuta ao seu interior, comove-se, porque sabe que esse homem quer e deseja livremente escutar a Sua voz. E é depois desse sim que dizemos quando verdadeiramente fazemos silêncio, que Deus pode falar-nos sem receio de se impor.

O silêncio cultiva-se, mas é acima de tudo algo que nos acontece. É um dom que não controlamos, mas que podemos pedir e esperar. Todos sabem fechar os olhos e a boca, mas poder calar a mente e o coração em profunda paz de silêncio é fruto de árduo diálogo com os ruídos que nos habitam. O silêncio é então também uma meta, um lugar que desejamos alcançar, não porque tem valor em si, mas porque é o espaço onde acontecem Palavras de verdadeiro valor. Para lá chegar, é preciso primeiro passar muitas horas calado a escutar-se por dentro e cada vez mais fundo. Este escutar-se requer coragem e honestidade, para aceitarmos sem fugir aquilo que vamos escutando em nós enquanto estamos a caminho do silêncio. Por isso, para mim, o silêncio é valioso.

É ao mesmo tempo, um mestre que ensina, um esforço que se faz, um dom que se recebe e um espaço onde pode acontecer o encontro.

9Se o silêncio é um dom que se recebe, não está apenas na nossa mão alcançá-lo. Podemos tentar calar e abafar os ruídos e criar as condições para escutar; mas não podemos forçar a manifestação dessa Voz que cumula o silêncio de sentido. É esse o verdadeiro silêncio, o silêncio preenchido pela Voz. Sem ela, é apenas o vazio, uma ausência, cuja monótona repetição teria levado os monges à depressão e à loucura.

10Domínio sobre si e domínio sobre o tempo. Autocontrole absoluto, capacidade de abstracção das urgências quer preenchem o quotidiano. Substituir um vazio barulhento e disfarçado de vida e activismo por uma suspensão do tempo, que permita dar sentido ao próprio tempo…

11Se o silêncio é o espaço para o encontro, então só o silêncio não chega. Haverá silêncios que exprimem desinteresse ou indiferença, mas este silêncio de que falamos é apenas o calar para melhor ouvir, o ceder espaço ao outro, a condição de uma atenção expectante para acolher. Não há nisto nada de passivo, pelo contrário. Fazer um tal silêncio quase pressupõe violentar-nos para inverter as prioridades que determinam as habituais formas de gastar o nosso tempo. O encontro requer tempo, abertura de espírito, acolhimento, saber escutar antes de falar, entender para melhor aceitar e agir. Esta noção reporta-se ao homem interior, ao âmago da sua realidade.

12Por trás das paredes conventuais, ou no espaço remansoso das suas hortas e pomares, floresceu a oração, quer individual, quer colectiva. O custoso silêncio povoou-se de vozes e nele vibrou a palavra de Deus.

13O mundo mudou muito desde a Idade Média, mas há coisas que permanecem. Como a busca de um sentido; como a procura do transcendente, nas suas mais clássicas ou desvairadas formas; como a necessidade absoluta do encontro.

14Silêncio para melhor ouvir; ouvir para melhor compreender; compreender para melhor amar.

Notes

1 Carlo Sini, Il silenzio e la parola,Génova, 1989; Id., Scrivere il silenzio: Wittgenstein e il problema del linguaggio, Milão, 1994; Id., Il gioco del silenzio, Milão, 2006.

2 Carlo Sini, Il gioco del silenzio, pp. 22-23.

Author

UÉ- CHAIA

Especialista internacional sobre a cultura e a arte do Barroco setecentista, dimensões a que acrescenta um domínio crítico, inovador e documentado da história de Évora e de reflexão sobre o campo religioso na História.

© Publicações do Cidehus, 2016

Terms of use: http://www.openedition.org/6540

Buy

Print version

Loading

Unavailable