Desktop versionMobile version
OpenEdition Books

Do Espírito do Lugar - Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
António Camões Gouveia

Proémio

Recuperar e dar sentido - o caso do Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões

Domingas Osswald and Walter Osswald

Abstract

Neste relato descrevem-se as várias fases, que no seu conjunto duraram 5 anos e meio, da recuperação e restauro do Real Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões, a partir da sua aquisição, por privados, em 1984. Para além de um restauro cuidadoso, respeitador de toda a estrutura e recorrendo a materiais e técnicas tradicionais, foi objectivo o conseguir a recuperação do Mosteiro, tal como se apresentava em 1834 (ano da expulsão dos monges). Foi ainda necessário criar uma base de sustentação, concedendo ao Mosteiro duas vertentes: a de recepção de hóspedes (através de Turismo de Habitação) e a de actividade cultural (pela realização de jornadas culturais, actualmente na sua 11 ª edição anual, e de concertos, bem como nas visitas, guiadas por conhecedores do tema). A igreja conventual, hoje paroquial, que sempre manteve o culto foi igualmente objecto de beneficiações e de intervenções de conservação.

After being bought in 1984 by private buyers, the Royal Monastery of S. Cristóvão de Lafões was subject to campaigns of recovery during five and a half years. The object of this work was to recover and restore the ruined Cistercian abbey, carefully respecting the structure of the monastery. Thus, the structure was not altered and materials and techniques followed as closely as possible the original ones. The overall objective was to obtain a close approximation to the building as it presented itself before 1834, the year the monks were expelled. Simultaneosly, and in order to obtain a basis for the maintenance of the building, two approaches were attempted. On the one side, cultural activities such as the Cultural Meeting of the Monastery (in its 11th annual edition) and tours, guided by experts, are regularly held; musical events are hoisted additionally, The abbatial Church (now Parish Church) was also subject to restorative intervention. On the other hand, a comfortable bed and breakfast allowed for housing a large number of guests, thus becoming acquainted with Cistercian spirituality and its day-to-day manifestations.

Full text

Enquadramento histórico

  • 1 MARQUES, Maria Alegria, Estudos sobre a Ordem de Cister em Portugal, Edições Colibri, Faculdade de (...)

1O Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões, precedido por um eremitério fundado por D. João Peculiar e governado à época pelo abade João Cirita, terá adoptado a regra de S. Bento segundo os costumes de Cister no fim da terceira década do século XII (em 1138, segundo Maria Alegria Marques1). Embora a data de fundação ainda se possa considerar discutível, na ausência de provas directas, do que não há hoje dúvida é que S. Cristóvão foi, juntamente com S. João de Tarouca, sinal muito precoce da presença dos monges brancos no país que então iniciava a sua aventura nacional.

2Sendo escassa a documentação relativa a este cenóbio, caracteristicamente encastrado na verdura da mata que o rodeia, num promontório cercado em três lados pelo Varoso, afluente do Vouga, sabemos todavia que o número reduzido dos seus habitantes (monges e irmãos conversos) persistiu, durante quase sete séculos, a dar vida e sentido ao robusto e simples edificado. Em 1834, S. Cristóvão não resistiu ao vendaval da eclaustração, tendo sido vendido (com dificuldade) a privados, que o transaccionaram repetidas vezes, durante 150 anos. Em 1984 foi adquirido pelos Autores, sendo presentemente posse da sociedade familiar que com seus Filhos criaram.

  • 2 COCHERIL, Maur, Routier des abbayes cisterciennes du Portugal, (2ª ed. , rev. Gerard Leroux), Fonda (...)

3As obras que lhe fazem referência mais detida e onde se pode procurar mais pormenores descritivos são, por ordem cronológica, referidas na respectiva nota de fundo de página2.

Reabilitação

4Após a aquisição, em 1984, os novos donos preocuparam-se, em primeiro lugar, com a limpeza da vegetação daninha (silvas e heras, sobretudo) que escondia largos panos das fachadas e parecia engolir o mosteiro, bem como com a remoção do entulho resultante da queda dos telhados. Limpa a estrutura, pode proceder-se ao levantamento da situação, concluindo pelo bom estado das paredes exteriores e interiores, bem como do piso pétreo do rés do chão. Pelo contrário, desaparecera toda a estrutura de madeira (traves, asnas sobrado, portadas, portas, mesas do refeitório) bem como o revestimento azulejar do refeitório, de que só restavam fragmentos resultantes de tentativas inábeis de seu arranque. Também o reboco, exposto às intempéries, caíra ou apresentava grandes soluções de continuidade.

Fig. 1 - O rocio, com os edifícios de apoio à actividade agrícola, tal como se encontravam em 1984

Fig. 1 - O rocio, com os edifícios de apoio à actividade agrícola, tal como se encontravam em 1984

5Optou-se então por uma reabilitação respeitadora dos espaços, não se levantando paredes nem alterando as divisões existentes e tentando, quanto possível, adaptar a necessidades habitacionais actuais o edificado.

Fig. 2 - Em 1974 o edifício monástico encontrava-se abandonado e totalmente destelhado. Em baixo, aspecto actual

Fig. 2 - Em 1974 o edifício monástico encontrava-se abandonado e totalmente destelhado. Em baixo, aspecto actual

6Assim, as celas foram transformadas em quartos sem adopção de instalações sanitárias, aproveitando-se o espaço de construção inacabada para esse fim. O sobrado de grandes tábuas foi substituído por piso de cerâmica (tijoleira tradicional), consentâneo com o usado na época da exclaustração e o refeitório foi revestido com azulejos de figura avulsa, pintados à mão, cópias contemporâneas dos que em tempos existiam. As obras de reabilitação ocuparam duas fases de dois anos cada, seguindo-se muito mais tarde (há 12 anos) a recuperação dos edifícios anexos ao conjunto abacial (mosteiro e igreja), já com vocação turística, sob projecto de arquitectura (Gui Osswald) e, pela primeira vez, com comparticipação (25% a fundo perdido, Turismo de Portugal, Programa SIVETUR). O objectivo era o de conseguir uma abertura à comunidade, que assim pode fruír este espaço de grande beleza natural e simbolismo histórico – religioso, almejando ainda uma receita que ajudasse a garantir a sustentabilidade do projecto.

7Desta forma, conseguiu-se a reabilitação de um bem patrimonial (classificado Monumento Público e dispondo de zona especial de protecção – ZEP) através da instalação de um Turismo de Habitação (com sete quartos duplos e uma suite) que alia conforto moderno à manutenção da estrutura tradicional e ao respeito pelos espaços monásticos; assim, por exemplo, a piscina está instalada numa antiga horta, muito próxima do edifício monástico mas totalmente invisível a partir deste.

Fig. 3 - Turismo de Habitação: recanto da sala comum dos hóspedes (antiga sala dos fornos)

Fig. 3 - Turismo de Habitação: recanto da sala comum dos hóspedes (antiga sala dos fornos)

Fig. 4 - Turismo de Habitação: adaptação de manjedoura de granito no sanitário de um dos quartos de hóspedes

Fig. 4 - Turismo de Habitação: adaptação de manjedoura de granito no sanitário de um dos quartos de hóspedes

Fig. 5 - A piscina está localizada de modo a ocupar uma posição discreta, não visível a partir do edifício monástico

Fig. 5 - A piscina está localizada de modo a ocupar uma posição discreta, não visível a partir do edifício monástico
  • 3 COCHERIL, Routier des abbayes cisterciennes au Portugal, cit., p 154
  • 4 PEUGNIEZ, Le guide routier de l’Europe cistercienne, cit, p 877: (“Mais on peut également demander (...)

8Se já D. Maur Cocheril reconhecia o especial encanto deste mosteiro “… modesto, construído para um pequeno número de monges, belo na sua simplicidade e na sua robustez”3, muito recentemente é Bernard Peugniez quem se congratula com o facto de ser agora possível aos hóspedes viver à sombra do claustro toscano e na mata verdejante e fresca4.

Notes

1 MARQUES, Maria Alegria, Estudos sobre a Ordem de Cister em Portugal, Edições Colibri, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lisboa, 1998, pp 29-73

2 COCHERIL, Maur, Routier des abbayes cisterciennes du Portugal, (2ª ed. , rev. Gerard Leroux), Fondation Calouste Gulbenkian, Centre Culturel Portugais, Paris, 1986, pp 146-155

ALVES, Alexandre, o Real Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões, Clube “O Cebolinha”, Escola Secundária de S. Pedro do Sul, 1995

MARTINS, Ana Maria, As arquitecturas de Cister em Portugal. A actualidade das suas reabilitações e a sua inserção no território. Tesis doctoral, Universidade de Sevilla, 2011, vol. II, pp 921-952

OSSWALD, Walter, Mosteiros cistercienses em Portugal. Pequeno roteiro, Edições Afrontamento, Porto 2012, pp 134-137

PEUGNIEZ Bernard, Le Guide Routier de l’Europe Cistercienne, Editions du Signe, Strasbourg 2012, pp 876 e seg.

3 COCHERIL, Routier des abbayes cisterciennes au Portugal, cit., p 154

4 PEUGNIEZ, Le guide routier de l’Europe cistercienne, cit, p 877: (“Mais on peut également demander asile à São Cristóvão qui propose une hôtellerie (avec piscine!), ce qui permet de vivre quelques heures à l’ombre de son cloître de style toscan et du parc verdoyant de fraîcheur”.

List of illustrations

Title Fig. 1 - O rocio, com os edifícios de apoio à actividade agrícola, tal como se encontravam em 1984
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-1.jpg
File image/jpeg, 28k
Title Fig. 2 - Em 1974 o edifício monástico encontrava-se abandonado e totalmente destelhado. Em baixo, aspecto actual
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-2.jpg
File image/jpeg, 20k
Title Fig. 3 - Turismo de Habitação: recanto da sala comum dos hóspedes (antiga sala dos fornos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-3.jpg
File image/jpeg, 16k
Title Fig. 4 - Turismo de Habitação: adaptação de manjedoura de granito no sanitário de um dos quartos de hóspedes
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-4.jpg
File image/jpeg, 20k
Title Fig. 5 - A piscina está localizada de modo a ocupar uma posição discreta, não visível a partir do edifício monástico
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-5.jpg
File image/jpeg, 21k

Author(s)

FM-UP, Instituto Bioética UCP

É uma das responsáveis pela dinamização cultural de São Cristóvão de Lafões, nomeadamente pela organização e realização no Mosteiro dos "Encontros Culturais de S. Cristovão de Lafões", bem como pela recuperação e conservação patrimoniais deste espaço monástico.

FM-UP, Instituto Bioética UCP

É um dos responsáveis pela dinamização cultural de São Cristóvão de Lafões, nomeadamente pela organização e realização no Mosteiro dos "Encontros Culturais de S. Cristovão de Lafões", bem como pela recuperação e conservação patrimoniais deste espaço monástico.

© Publicações do Cidehus, 2016

Terms of use: http://www.openedition.org/6540

Buy

Print version

Loading

Unavailable